Oficina de Integração Aérea Sulamericana

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina de Integração Aérea Sulamericana"

Transcrição

1 Oficina de Integração Aérea Sulamericana O apoio do BNDES aos projetos de integração e de infraestrutura aérea Cleverson Aroeira Chefe do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, Brasil Hotel Pestana 10 e 11 de setembro de 2014 * O conteúdo da apresentação é de responsabilidade exclusiva do palestrante, não expressa necessariamente a opinião do BNDES

2 Agenda Transporte aéreo no Brasil, America Latina e Mundo Participação do BNDES em Logística Condições de financiamentos

3 1 Transporte aéreo no Brasil, América Latina e Mundo

4 Passageiros Milhões Movimentação de passageiros no Brasil Voo doméstico, internacional e executivo 250 Movimentação de passageiros 200 TMCA: 10,7% ,9 0,9 1,0 1,2 1,6 1,7 1,7 1, Fonte: Infraero Doméstico Internacional Executivo Total 4

5 Evolução do fluxo de passageiros nos principais aeroportos do Brasil Passageiros Milhões 40 Principais aeroportos 35 TMCA: 12,5% TMCA: -1,1% TMCA: 9,9% TMCA: 15,6% TMCA: 7,9% TMCA: 41,3% Guarulhos Galeão Congonhas Brasília Confins Campinas Fonte: Infraero e aeroportos concedidos 5

6 Tarifa aérea no Brasil ,05 1,02 0,94 0,92 630,30 628,39 678,07 600,96 0,83 0,82 558,35 0,70 0,59 566,76 471,65 0,42 0,40 0,41 0,41 390,18 332,98 316,59 326,36 341, ,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 Tarifa Aérea Média Real Yield Tarifa Aérea Real Fonte: ANAC 6

7 Movimentação de carga no Brasil Doméstica e Internacional Fonte: Infraero e aeroportos concedidos 7

8 Transporte interestadual de passageiros de longa distância no Brasil Participação % Comparativo entre modais rodoviário x aéreo 40 % Rodoviário % Aéreo Fonte: Infraero e aeroportos concedidos 8

9 Comparação entre crescimento anual do RPK (passageiros-quilômetros pagos transportados) e PIB (GDP) Fonte: Embraer 9

10 Crescimento do tráfego aéreo por região África-Europa América Latina-Europa América Latina-América do Norte Trans-Pacifico America Latina interno Atlantico Norte Europa-Asia Oriente Médio- Asia Pacifico 4,9% 4,9% 4,7% 4,3% 6,9% 3,1% 5,3% 7,4% Fonte: Boeing Europa interno America do Norte interno China interno Asia-Pacifico interno sem China 3,5% 2,3% 6,6% 6,3% TMA RPK, bilhões 10

11 2 Participação do BNDES em Logística 11

12 Financiamentos do BNDES: operações aprovadas no período 2003 a 2014 Ferrovias Segmento Capacidade Km, Vagões e 385 Locomotivas Nº de Projetos Financiamento BNDES (R$ Mil) Valores em R$ mil Investimento Previsto (R$ Mil) Rodovias Km Portos Aeroportos e Transporte Aéreo Toneladas por Ano Passageiros por Ano Navegação 219 Embarcações* Transporte Dutoviário Km Terminais e Armazéns Toneladas por Ano Outros TOTAL Obs: (*) 90 rebocadores, 93 balsas, 16 empurradores, 12 navios de cabotagem e 8 outros. Atualizado até junho/

13 Histórico e Projeção dos desembolsos do BNDES em Logística Armazéns 2% Transporte aéreo 0% Armazéns Transporte aéreo Aeroportos Aeroportos 40% Dutos Navegação Portos Rodovias Dutos 4% Ferrovias Desembolso % 2013 Ferrovias 17% Portos 12% Navegação 1% Rodovias 24% R$ Bilhões TMCA: 37,1% TMCA: 32,3% 12,0 9,5 17,0 22,0 7,5 0,4 0,6 0,9 0,9 1,9 1,0 3,6 3,9 5, * 2015* 2016* * Previsão 13

14 Participação do BNDES no Setor de Transporte Aéreo 1 Financiamento a Estudos Estudo do Setor Aéreo de Transporte Aéreo no Brasil (2010) Escopo: Demanda, Infraestrutura, Governança Reestruturação da Infraero Escopo: Diagnóstico (gestão, jurídico e contábil), Modelos alternativos, Plano estratégico 2 Estruturação das Concessões (EVTEA) Aeroporto de São Gonçalo do Amarante/RN EVTEA contratado diretamente pelo BNDES Aeroportos de Brasília, Guarulhos, Viracopos, Galeão e Confins Convênio de Cooperação Técnica entre o BNDES e a Estruturadora Brasileira de Projetos - EBP 3 Financiamento a Projetos Apoio financeiro concedido às concessionárias dos aeroportos de São Gonçalo do Amarante, Brasília, Viracopos e Guarulhos 14

15 Operações em Aeroportos Carteira atual ASGA Operações 6 Investimento R$ 13,0 bilhões 69% BSB Financiamento CNF R$ 9,0 bilhões 44% VCP GRU GIG Desembolso R$ 5,8 bilhões 15

16 Perspectivas de investimentos em aeroportos Mais de R$ 14 bi de investimento até primeiras concessões já contratadas com o BNDES Perspectiva de investimentos nas novas concessões 16

17 3 Condições de financiamentos (1) Linhas de Crédito (2) Debêntures (3) Equity

18 Condições para apoio financeiro (1) Linhas de Crédito Participação Até 70% dos investimentos financiáveis (desejável 30% de repasse via agentes financeiros) Subscrição de Debêntures de Infraestrutura Prazo Total (incluindo Ponte) Amortização Galeão: até 240 meses Confins: até 240 meses Sistema de Amortização Constante (SAC) PRICE: caso haja emissão de debêntures de infraestrutura (neste caso, o BNDES poderá compartilhar as garantias dos projetos com outros financiadores de longo prazo) Carência Até 6 meses após a utilização de cada tranche Custo Financeiro TJLP e/ou Cesta, a critério da empresa Remuneração Básica: 0,9% a.a. Taxa de risco de crédito: conforme operação (de 0,40% a até 2,87% a.a.) 18

19 Condições para apoio financeiro (1) Linhas de Crédito Modalidade do Financiamento Estrutura corporativa e/ou Project Finance, com definição de um período de completion técnico e financeiro, a critério do BNDES Composição de Garantias Garantias de projeto: Penhor de ações; Cessão fiduciária/penhor dos direitos emergentes da concessão; Cessão fiduciária/penhor de direitos creditórios ou recebíveis; Conta reserva de no mínimo 3 prestações; Pacote de seguros cedidos aos credores Garantias adicionais na fase pré-completion: Contrato de Suporte de Acionistas (ESA); Fiança bancária e/ou corporativa; Seguro-garantia Covenants ICSD 1,2 (ou 1,3, caso não sejam emitidas debêntures de infraestrutura) Patrimônio Líquido Ajustado/Ativo Total Ajustado 25% 19

20 Condições para apoio financeiro (1) Empréstimo Ponte Custo financeiro Soma das seguintes parcelas: Remuneração Básica do BNDES: 0,9% a.a. Referencial de Custo Financeiro: TJLP, acrescido de 1% ao ano Taxa de risco de crédito: 0,40% a 2,87% a.a., a depender da garantia concedida Prazo Definido em função do prazo para a estruturação da operação de longo prazo, limitado à data estimada pelo BNDES para entrada em operação comercial do projeto ou a data da primeira liberação de recursos da operação de financiamento de longo prazo Garantia Fiança Bancária e/ou Fiança Corporativa A Fiança Corporativa só poderá ser garantia do empréstimo-ponte para Grupos Econômicos com margem de crédito disponível perante o BNDES e que atendem às exigências para a dispensa de garantia real, de acordo com as Resoluções em vigor 20

21 Project Finance Fases do financiamento Linha do tempo Leilão Assinatura do Contrato e do Empréstimo Ponte Empréstimo de LP Aprovado Completion Final da Concessão Garantias limited recourse Garantias non-recourse 3 Meses 6 Meses 30 Meses a 60 Meses anos no total Investidores e Operadores Brasileiros e Estrangeiros Equity (15-20%) Bancos & Empréstimo Ponte Empréstimo de Longo Prazo (60-70%) Investidores Brasileiros e Estrangeiros Fonte: BNDES Debêntures de Infraestrutura (15-20%) 21

22 (2) Debêntures de Infraestrutura (Project Bonds) Holdings e SPEs Títulos brasileiros de infraestrutura e fundos de investimento de infraestrutura benefícios para investidores não-residentes: (i) Alíquota zero do imposto de renda (ii) zero de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) Título Equity Título Equity OU Holding SPE 1 SPE 2 SPE N Bancos/Fundos governamentais podem co-investir com investidores estratégicos e financeiros, quer diretamente nas SPEs ou através do equity da holding, tendo participação minoritária Fonte: BNDES 22

23 (3) Equity - BNDESPar Forma de Apoio: Possibilidade de subscrição pela BNDESPAR de ações ou outros valores mobiliários conversíveis ou permutáveis em ações; Condições para Participação da BNDESPar: Aporte mínimo de R$ 100 milhões Participação limite: até 20% do capital social da holding Adoção de melhores práticas de governança Mecanismos de liquidez: venda conjunta (tag along), previsão de abertura de capital ou opção de venda para o controlador (put) 23

24 BNDES - Fluxo de Tramitação de Projetos Empresa/Setor Público 60 dias Empresa/Setor Público Carta Consulta Apresentação do Projeto Acompanhamento PROJETO Enquadramento Análise do Projeto Aprovação Contratação Desembolso 30 dias 60/90 dias 30 dias 30 dias Prazo Médio 180 dias 24

25 Obrigado! Cleverson Aroeira BNDES Área de Infraestrutura Departamento de Transportes e Logística 25

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Cleverson Aroeira Chefe de Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura?

QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura? QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura? Edson Dalto Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura São Paulo, mar/16 (o conteúdo

Leia mais

O Financiamento das Concessões

O Financiamento das Concessões O Financiamento das Concessões Marcos Brito Gerente do Depto de Transportes e Logística Área de Infraestrutura Salvador, 25/09/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade exclusiva do palestrante

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Eduardo Chagas Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Maio de 2015 Papel da infraestrutura na retomada do crescimento Tendo em vista as dificuldades

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

LIVRO VERDE DO ETANOL

LIVRO VERDE DO ETANOL III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Etanol e Indústria Sucroenergética O Apoio do BNDES ao Setor Sucroenergético Carlos Eduardo Cavalcanti Chefe do Dept de Biocombustíveis - BNDES Rio, 26/11/2010

Leia mais

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta quarta-feira (29/05), a minuta do Edital de Leilão e do Contrato

Leia mais

6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras

6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras 6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras 2 Debênture Projeto ( Project Bond ): Breve Histórico Governo do Estado de São Paulo licitou à iniciativa privada 5 corredores

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Maio/16. Oportunidade em Infraestrutura no Brasil...

Maio/16. Oportunidade em Infraestrutura no Brasil... Maio/16 Oportunidade em Infraestrutura no Brasil... Infraestrutura Oferta A infraestrutura Brasileira está aquém das economias mais relevantes do mundo e América Latina... Fórum Econômico Mundial: Relatório

Leia mais

Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária

Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária Acompanhamento pelo TCU dos processos de concessões de infraestrutura aeroportuária Audiência Pública da Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados Brasília, 10 de julho de 2013 Secretaria

Leia mais

Linhas de apoio do BNDES para o Setor de Infraestrutura Logística. Edson Dalto Departamento de Transportes e Logística Área de Infraestrutura

Linhas de apoio do BNDES para o Setor de Infraestrutura Logística. Edson Dalto Departamento de Transportes e Logística Área de Infraestrutura Linhas de apoio do BNDES para o Setor de Infraestrutura Logística Edson Dalto Departamento de Transportes e Logística Área de Infraestrutura AGENDA BNDES 1 LOGÍSTICA BRASILEIRA E O BNDES 2 PANORAMA SETORIAL

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos

ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos - Dia da Triunfo - 30-11-2011 1 Agenda Previsão inicial: 22/10/2011 Edital 22/12/2012 Leilão Obs:

Leia mais

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Retomada do Planejamento em Logística O Programa de Investimentos em Logística (PIL) é a integração de 2 ações de planejamento do Governo Federal nos últimos

Leia mais

@aviacaocivil

@aviacaocivil www.aviacaocivil.gov.br faleconosco@aviacaocivil.gov.br /AviacaoGovBr @aviacaogovbr @AviacaoGovBr @aviacaocivil Arranjo Institucional Março PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Formular, coordenar e supervisionar

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil CRESCIMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Seminário e oficina Técnica ABDE-BID: O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009 PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INDUSTRIAL BRASILEIRO MAIO DE 2009 Há uma forte correlação entre investimento e crescimento Evolução do PIB per capita versus participação da FBCF no PIB desempenho médio

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Brasília. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Brasília. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Brasília Setembro/2013 Brasília: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015

Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015 Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015 ESTRUTURA SOCIETÁRIA E ATIVOS ATUAIS DESEMPENHO FINANCEIRO CONSOLIDADO OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO DESEMPENHO ACIONÁRIO

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

Agenda ABGF FGE FGIE 2

Agenda ABGF FGE FGIE 2 1 Agenda ABGF FGE FGIE 2 Agenda ABGF FGE FGIE 3 ABGF Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias ABGF Breve histórico Lei 12.712, de 30 de agosto de 2012, entre outros atos, autoriza

Leia mais

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária O BNDES e a Mobilidade Urbana Setembro/2014 Contextualização A taxa de motorização no Brasil cresceu de 14 carros / 100 habitantes em 2001 para 26 carros / 100

Leia mais

Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos

Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos Seminário Mudanças Climáticas, Pobreza e Desigualdades: Fortalecendo a participação social no apoio a populações atingidas por desastres climáticos 08 de Dezembro de 2011 O BNDES Fundado em 20 de Junho

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T06 e José Carlos Grubisich Carlos Fadigas

Teleconferência de Resultados 4T06 e José Carlos Grubisich Carlos Fadigas Teleconferência de Resultados e 2006 José Carlos Grubisich Carlos Fadigas Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos,

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Rafael Marchesini Gerente de la Oficina del BNDES en Londres

Rafael Marchesini Gerente de la Oficina del BNDES en Londres Apoio do BNDES a Projetos de Infraestrutura Logística Confederación Española de Organizaciones Empresariales Madrid, Febrero 2014 Rafael Marchesini Gerente de la Oficina del BNDES en Londres 1 Agenda Investimentos

Leia mais

Logística. Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz Profª Patrícia Alcântara Cardoso

Logística. Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz Profª Patrícia Alcântara Cardoso Logística Prof a Marta Monteiro da Costa Cruz mcruz@npd.ufes.br Profª Patrícia Alcântara Cardoso profa.patriciacardoso@gmail.com 1 LOGÍSTICA É a processo sistêmico de planejamento, implementação, controle

Leia mais

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br Garantias em Project Finance Visão do Financiador Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br 1º de março 2012 Project Finance: Conceitos Básicos Project Finance x Financiamento Corporativo Características

Leia mais

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Ricardo Bisinotto Catanant (SRE/ANAC) Roteiro Evolução do Setor Movimentação de PAX Market Share Rotas Aéreas Tarifas

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Reunião Pública com APIMEC - SP Resultados 2010 e 4T10 06 de Abril de 2011 Destaques 2010 Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Receita Bruta

Leia mais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais ENIC, SALVADOR Setembro, 2015 kpmg.com.br 2014 KPMG Structured Finance S. A., uma sociedade anônima brasileira

Leia mais

SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP

SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP Suplemento nº 01 referente à 1ª (primeira) Série emitida nos termos do Regulamento do BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO

Leia mais

Financiamento em Project Finance Fabio Kono

Financiamento em Project Finance Fabio Kono Financiamento em Project Finance Fabio Kono Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas

Leia mais

Um novo modelo de negócios

Um novo modelo de negócios Congresso Nacional de Adm Hospitalar 23/06/2006 Alternativas para Viabilização do Sistema de Saúde Sinergia Público Privado Parcerias - Público-Privadas PPP Um novo modelo de negócios A necessidade de

Leia mais

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova GARANTIAS EM PPP Arena Fonte Nova I - Mecanismo de Pagamento SUMÁRIO Legislação; Fluxo Financeiro da Garantia de Pagamento; Adesões ao Mecanismo de Garantia; Bloco de Contratos; Controle de Pagamentos

Leia mais

CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS S.A. 2ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS S.A. 2ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS S.A. 2ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 Rio de Janeiro, 29 de Abril de 2016. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Conteúdo Programático para Série CA-300

Conteúdo Programático para Série CA-300 Conteúdo Programático para Série CA-300 1. Sistema Financeiro da Habitação SFN 1.1. Intermediários Financeiros 1.1.1. Conceitos e Atribuições 1.1.1.1 Bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. VERSÃO 3.0 APROVADA NA RCA DE 04 / JUL / 2016 Índice OBJETIVO... 3 A) Política para Contratação de Financiamentos... 3 B) Política de Aplicações Financeiras... 4 VERSÃO 3.0 APROVADA

Leia mais

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR.

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR. Fibria Celulose S.A. Política de Alçadas 1. OBJETIVO Esta Política de Alçadas ( Política ) tem como objetivo fixar os limites de alçadas para aprovação pela Diretoria e pelo Conselho de Administração da

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Code-P0 Copa 204 Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 7 de Junho de 20 Code-P O que o Brasil quer com a Copa do Mundo FIFA Mobilizar o país Promover o país no mundo Constituir

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Londrina - PR 26.janeiro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações

Leia mais

Transportes. Prof. Márcio Padovani

Transportes. Prof. Márcio Padovani Transportes Índice Definição de transporte Origem e evolução dos transportes Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleoduto Evolução dos transportes no Porto Classificação dos transportes Quanto à modalidade

Leia mais

Banco do Brasil: Destaques

Banco do Brasil: Destaques 4º Trimestre 2014 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

Apresentação Corporativa. Nova Nação América - Bauru

Apresentação Corporativa. Nova Nação América - Bauru Apresentação Corporativa 2016 Nova Nação América - Bauru Aviso Esta apresentação poderá conter certas projeções e tendências que não são resultados financeiros realizados, nem informação histórica. Estas

Leia mais

A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16.

A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16. A GRU Airport anuncia EBITDA ajustado de R$ 218,2 milhões com margem de 55,3% no 2T16. São Paulo, 10 de agosto de 2016 As informações trimestrais (2TR) e as demonstrações financeiras padronizadas (DFP)

Leia mais

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual

Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Mercado de Aviação Brasileiro Momento Atual Momento Atual da Indústria Nacional 1 2 3 4 O setor de aviação nacional que hoje transporta mais passageiros do que ônibus atravessa um momento desfavorável

Leia mais

À CVM Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Acompanhamento de Investidores Institucionais

À CVM Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Acompanhamento de Investidores Institucionais São Paulo, 26 de março de 2012 À CVM Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Acompanhamento de Investidores Institucionais Ref.: Informe Trimestral do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia

Leia mais

Seminário Investimentos em BIODIESEL

Seminário Investimentos em BIODIESEL Seminário Investimentos em BIODIESEL João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-estrutura do BNDES 16 de março de 2006 Agenda BNDES Formas de Atuação Programa de Financiamento para BNDES Formas

Leia mais

6º SEMINÁRIO ANBIMA DE MERCADO DE CAPITAIS. Abril, 2011

6º SEMINÁRIO ANBIMA DE MERCADO DE CAPITAIS. Abril, 2011 1 6º SEMINÁRIO ANBIMA DE MERCADO DE CAPITAIS Abril, 2011 2 História de Sucesso Evolução Histórica da Estrutura Operacional e Financeira Investimentos em Co Incorporação Início na aquisição de participações

Leia mais

Unidade de Serviços em Infraestrutura

Unidade de Serviços em Infraestrutura Unidade de Serviços em Infraestrutura Oportunidades em Infraestrutura no Brasil Março/2016 Infraestrutura Oferta 2 A infraestrutura Brasileira está aquém das economias mais relevantes do mundo e América

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007 Apresentação Apresentação dos dos Resultados Resultados do do 3T07 3T07 Presentation de novembro de 2007 1H07 9 de novembro de 2007 1 As Demonstrações Financeiras são de caráter pro-forma, abrangendo demonstrações

Leia mais

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella

Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella Cenário Setor Aéreo Brasileiro Ministro Maurício Quintella A associação foi criada em 2012 2 Princípios ABEAR Padrões Internacionais Estado Eficiente Liberdade Tarifária 3 + 2002 2015 4 Fontes: OACI, ANAC,

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo

Mercado Imobiliário. Desempenho recente e desafios para o Brasil. Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Mercado Imobiliário Desempenho recente e desafios para o Brasil Fernando Garcia e Ana Maria Castelo Os bons ventos no mercado imobiliário brasileiro Evolução dos financiamentos SBPE De janeiro a setembro,

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Apresentação Finep APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Agenda A FINEP Inova Empresa Modalidades de Financiamento (reembolsável, não reembolsável, renda variável)

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares

A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares A atuação do BNDES na Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Odontológicos e Hospitalares 1º CIMES São Paulo, abril 2012 Agenda Complexo Industrial da Saúde A Indústria de EMHO Desafios e propostas

Leia mais

Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS

Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS André Gerdau Johannpeter Diretor-Presidente e CEO Osvaldo B. Schirmer Vice-presidente e Diretor de RI 05 de novembro de 2010 1 Contexto

Leia mais

TPI TRIUNFO PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

TPI TRIUNFO PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 TPI TRIUNFO PARTICIPAÇÕES E INVESTIMENTOS S.A. 3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 Rio de Janeiro, 29 de Abril de 2016. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30 APRESENTAÇÃO...11 INTRODUÇÃO...13 Definições de operadores...13 A evolução do segmento...13 O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA...15 Uma ampla cadeia de negócio.. 15 As atividades da logística...15 Importância

Leia mais

FERRONORTE S.A. FERROVIAS NORTE BRASIL CNPJ/MF n.º / NIRE n.º Companhia Aberta

FERRONORTE S.A. FERROVIAS NORTE BRASIL CNPJ/MF n.º / NIRE n.º Companhia Aberta FERRONORTE S.A. FERROVIAS NORTE BRASIL CNPJ/MF n.º 24.962.466/0001-36 NIRE n.º 51300004453 Companhia Aberta ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA 1ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES, REALIZADA EM 13 DE OUTUBRO

Leia mais

Apresentação de resultados do quarto trimestre e do ano de de março de 2016

Apresentação de resultados do quarto trimestre e do ano de de março de 2016 Apresentação de resultados do quarto trimestre e do ano de 2015 30 de março de 2016 Destaques Paulo Kakinoff CEO Destaques Macro Ambiente Cenário ainda mais adverso da economia brasileira com queda do

Leia mais

Brasil em Perspectiva

Brasil em Perspectiva Brasil em Perspectiva Federação Brasileira de Bancos Paulo Rogério Caffarelli Secretário-Executivo do Ministério da Fazenda São Paulo, 6 de junho de 2014 Comparação com desempenho das economias de Países

Leia mais

Reestruturação Societária da Companhia Brasiliana de Energia e controladas 12 de Junho de 2015

Reestruturação Societária da Companhia Brasiliana de Energia e controladas 12 de Junho de 2015 Reestruturação Societária da Companhia Brasiliana de Energia e controladas 12 de Junho de ESTA COMUNICAÇÃO NÃO CONSTITUI UMA OFERTA DE VENDA OU PEDIDO DE UMA OFERTA PARA AQUISIÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Resultados 9M16. 7 de novembro de 2016

Resultados 9M16. 7 de novembro de 2016 Resultados 9M16 7 de novembro de 2016 Terceiro Trimestre Sólido Menor capacidade da indústria, BRL mais forte, economia de combustível Crescimento do tráfego em 10% vs. 2T16, taxa de ocupação de 80% Aumento

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012 Março 2013

Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012 Março 2013 Teleconferência de Resultados 4T12 e 2012 Março 2013 Agenda 1. Destaques 2012 2. Indústria Aérea Nacional 3. Estratégia GOL 4. Serviços 5. Smiles 6. Resultado Financeiro 7. Projeções Financeiras 2013 8.

Leia mais

Prof. Armando Leite. Cobrança e Controle de Recebíveis. Desenvolvimento de Solução FIDC. Criação do Setor de Análise de Crédito

Prof. Armando Leite. Cobrança e Controle de Recebíveis. Desenvolvimento de Solução FIDC. Criação do Setor de Análise de Crédito Cobrança e Controle de Recebíveis Desenvolvimento de Solução FIDC Criação do Setor de Análise de Crédito Criação de Processos Administrativos Financeiros Planejamento de Créditos Diagnóstico Financeiro

Leia mais

Apresentação Elog EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Maio de 2015

Apresentação Elog EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Maio de 2015 Apresentação Elog EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Maio de 2015 DESCRIÇÃO DA TRANSAÇÃO Exercício da Opção de Venda pela BRZ Exercício da opção de venda pela Logística Brasil Fundo de Investimentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RECENTE NO FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

DESENVOLVIMENTO RECENTE NO FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA DESENVOLVIMENTO RECENTE NO FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA Cleverson Aroeira Chefe do Depto de Transportes e Logística do BNDES (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade exclusiva do

Leia mais

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004

José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores. Julho de 2004 José Sergio Gabrielli de Azevedo Diretor Financeiro e de Relacionamento com Investidores Julho de 2004 As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas

Leia mais

4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T14 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 29 de Janeiro de 2014 AVISO LEGAL A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro

2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro 18 2 O Sistema Aeroportuário Brasileiro O Sistema Aeroportuário Brasileiro é disciplinado pela Lei nº 7.565/86, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBDA) e traz a seguinte definição: Aeroportos:

Leia mais

Terminal Rodoviário e Entorno

Terminal Rodoviário e Entorno Terminal Rodoviário e Entorno Agosto de 2010 ADVISORY Cronograma da Audiência Pública Agenda da audiência 1) Abertura 10 minutos 2) Apresentação do projeto 40 minutos 3) Manifestações e perguntas 40 minutos

Leia mais

Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização

Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização Mercado de Capitais e o mercado de Tecnologia Financiando crescimento, inovação e internacionalização QUEM SOMOS Uma Associação Civil, sem fins lucrativos, que tem por Missão estimular uma maior inserção

Leia mais