PELA MEMÓRIA DO COMÉRCIO - As cidades na cidade: variedade em convívio, variedade em dispersão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PELA MEMÓRIA DO COMÉRCIO - As cidades na cidade: variedade em convívio, variedade em dispersão"

Transcrição

1 PELA MEMÓRIA DO COMÉRCIO - As cidades na cidade: variedade em convívio, variedade em dispersão Jerusa Pires Ferreira 1 A força da grana que ergue e destrói coisas belas Quando Claude Lévi-Strauss chega a Nova York nos anos 40, ele se detém na observação do funcionamento da cidade, que vê como vertical, em contraposição à horizontalidade europeia da grande metrópole de então, Paris. E aí ele nos fala: Na verdade, Nova York não era uma cidade, mas, sim, aquela escala colossal de que só se toma a medida quando se põe o pé no Novo Mundo 2,e aponta, então, para camadas que deslizam umas sobre as outras. Chega a nos falar da cidade americana como uma reunião de aldeias. Estariam já em questão metrópoles e megalópoles. Importante é pensar que nem uma nem outra podem ser consideradas apenas em linha evolutiva. A metrópole é múltipla, composta, aglutinada e dialógica. Em seu modo de ser, ela contém várias possibilidades da vida e culturas convivendo, de algum modo,em cidades de certo prestígio e em dimensão muitas vezes cosmopolita: reunião e permanência de muitos num certo domínio. Nesse sentido, conta muito o trabalho de Massimo Canevacci 3 ao tratar de São Paulo como uma cidade polifônica, abrigo de tantas vozes e culturas. A megalópole, diferentemente, é a abertura, abrigando, destruindo para construir, numa velocidade em que se perdem muitas coisas, em que o sentido maior é o trânsito, caminho, dispersão. E isso importa muito ao levar-se em conta a quebra de limites e fronteiras, quer se trate de aglomerações conurbadas dos centros da metrópole tradicional, em transformação, quer seja a conjunção centro/periferia, observados ou relativizados, inclusive, no cotidiano. Os motoboys e outros atores sociais são responsáveis por esse circuito de conexões, num verdadeiro trânsito que consegue aproximar pontos impensáveis. Geógrafos, urbanistas, antropólogos vêm avançando bastante em questões que apenas levanto neste breve texto. E, assim, eu me indagava ao pensar na megalópole, quando, certa noite, passava por vias ponteadas de luzes e edifícios, como a Berrini, ou

2 pelas marginais, que ostentam edifícios imensos e fantasmagóricos, supercontrolados, onde a voz humana desaparece. Assim, um pequeno caso que passo a relatar. Uma amiga, representante comercial, vai realizar contrato com certa firma e marca multinacional. Chega a Alphaville nome sugeskvo de Science Fiction, e descobre que o escritório buscado não tem nome ou número. Uma jovem executiva aparece, conduz os visitantes para uma luxuosa sala de vidro: nenhuma referência lhes é oferecida, como se estivessem encapuzados. Nada é configurado, ao contrário, tudo conduz a um ilocalizável. Mais que a megalópole, trata-se de uma cidade universal e diabolicamente localizada no transurbano, cuja máquina, o capital internacional, esconde, segrega e regula. Para onde e até quando? Definir o comércio é falar de tudo isso. Das antigas cidades àquela que seria a medida de todas as coisas para os gregos, a pólis, um compromisso especial. E, em outra medida, os romanos. Não foi em vão que uns e outros, em sua mitologia, reuniram o deus do comércio e da comunicação. Em sua representação, Hermes e Mercúrio, como de pés alados e de posse de seus segredos, iriam abrindo novos caminhos. Na fechada cidade medieval, e entre cidades, o comércio intra ou extramuros (lateranus) exerceria seu papel e funções de abertura, troca, acréscimo de práticas e de atitudes. O comércio é a própria sociabilidade; é andamento e passagem de cada instante a outro, rumo a complexidades de convívio e de situações tradicionais, por um lado, e inovadoras por outra. São Paulo apresenta as mais várias dimensões, que correspondem a tudo isso. O futuro é o espanto de não poder dominar o que virá, outros comércios e novas formas de viver. Ora, as Memórias do Comércio para aqui trazidas falam concomitantemente da antiga cidade, da metrópole e apontam para a megalópole que vai avançando. Podemos seguir nos relatos sobre as cidades, o êxodo, a permanência, a vinda, a migração e, também, a imigração. Recebemos pela pesquisa, na organização deste livro, graciosos e patéticos documentos humanos, transversalizados e pensados em algumas categorias, de modo a nos oferecer depoimentos/recortes de sequências da vida urbana. Projetos que lidam com uma proposta memórias são sempre um laboratório em que se reúnem e processam relatos de vida, de profissão e trabalho, colocados nos matizes de suas práticas. Mesmo quando temos como resposta fragmentos de

3 diferentes extensões e linguagens, não podemos esquecer que a escuta nunca é totalizante. Aproximam-se o longe e o perto, o passado e o presente, a seriedade, a tristeza, o riso e a graça do trocadilho. Estamos diante de ritmos e saberes peculiares, em diferentes formas de expressar, com seus vários sotaques. De qualquer maneira, é importante que se pense na recuperação de vozes vivas. Contar com diferenças dialogantes, nem sempre dialógicas, e com as mais diversas atitudes em situação já é um passo importante. Gravar e transcrever pessoas que nos trazem um relato de seu tempo é um desafio, implicando recomposição, realce de fatos da memória e,sobretudo, recriação de situações e de eventos. Por sua vez, em toda pesquisa que se faça, há um certo constrangimento no fato de reduzir-se a tão pouco tudo que emana de uma presença (transformação da vida em testemunho) e em arquivo possível, ainda que imperfeito. 4 No domínio da História Oral, consideramos uma reunião de relatos como textos de cultura, ponteados de protagonistas os mais diversos. Parece haver uma transversalização de tempos e espaços. Pessoas de várias gerações e procedência se exprimem, encontrando pontos de confluência e de fuga. Deles se pode evocar tanto o que se perdeu quanto o que foi possível encontrar, o que foi ficcionalizado, criando uma trama narrativa que remete a repertórios e a um conjunto imaginário que apresenta fatos, a seu modo. Nasci em Feira de Santana (BA) Feira de Santana dos Olhos d Água, quando a cidade era uma rua comprida em que havia um comércio de gado. A Prefeitura, a Escola Normal, o Cinema Íris, o Mercado Municipal, a farmácia do meu avô João Barbosa eram os pontos principais daquela vida quase urbana. Judeus e árabes se fixavam ali na condição de mascates e comerciantes. Nordestinos chegavam ou passavam, retirantes fugindo da seca no Sertão. Mas o que tem a ver essa memória da minha vida com a de São Paulo, megalópole do século XXI? Acontece que minha cidade natal era o entroncamento rodoviário e o caminho dos migrantes para a cidade de São Paulo, que, realizando sua experiência industrial, necessitava da força de trabalho dos nordestinos. Eles alcançavam pela estrada de rodagem o sonhado ou falhado destino: São Paulo. Essa presença se confirma nas lendas, nos cantos de trabalho, nas notícias de um ir e vir permanente, num correio informal, de uma verdadeira travessia. O músico e compositor baiano Elomar Figueira de Melo, em sua Quadrada das Águas Perdidas e em muitas outras de suas obras, nos apresenta o drama dessa migração e do que significa correr chão em trecho alheio. Quem nunca foi à Estação Rodoviária do Tietê, para embarcar ou receber um amigo, não poderá avaliar a

4 intensidade e a extensão desse fluxo. Lugar de chegada e de espantos, a rodoviária é o signo do aturdimento e representa o ritmo migratório da cidade. O comércio que se constrói naquela São Paulo que, de cidade pacata, se transforma em metrópole, compõe-se, tem como personagens e agentes a história dessa migração no Brasil. Superação de desafios e epopeia cotidiana, a história do comércio vai seguindo tudo isso. Por sua vez, o século XX seria marcado por grandes tensões sociais e políticas, e a imigração europeia e asiática construiria a história do comércio, da vida, da cidade em expansão. Cada protagonista é a marca das possibilidades humanas e de como os diversos componentes se ajustam, dos comestíveis aos artefatos, das recuperações do antigo lugar às adaptações do lugar presente. Tudo vai ganhando um acento novo. Líbano, Israel, Bulgária, Grécia. A oração, o alaúde, os sapatos. Comerciantes por destino e por opção, passamos a saber e procuramos entender os pactos, os tipos de venda, a pequena atuação e o grande comprometimento do comércio varejista, a organização de sindicatos, tudo o que transparece dessas breves evocações. Empresas familiares ou de estranhos, cálculos e improvisações, fazeres ligados ao paladar e à arte, dos instrumentos aos mercados de alimentação. Teriam lugar ainda coreanos, japoneses e tantas vozes e gestos de etnias incorporadas. Lembro-me bastante do bairro do Brás quando cheguei a São Paulo, em Íamos em um grupo de amigos escutar cantadores nordestinos que pertenciam ao contingente que se sobrepôs, de certa maneira, aos italianos. Muitos anos depois, comecei incursões com os alunos pela Barra Funda, ao desenvolver o Projeto Vozes e Imagens da Barra Funda,e, num panorama similar, descobrimos que havia uma linha divisória chamada México, que havia ruas habitadas na sua maioria por negros e pudemos fotografar e escutar relatos da construção do Minhocão, o monstro que feriu e mutilou a cidade na década de 70. Mas a recolha dos materiais aqui presentes, na memória do comércio,nos apresenta, pelos bairros da cidade, antigas periferias e pelo centro, a criação de galerias e de lojas, o estabelecimento de shoppings, a grande faixa de transição que, nesse sentido, pode levar à metrópole e à megalópole: um dos narradores refere-se a alguém de um bairro popular que entrou com Nike no pé e um agasalho da Lacoste. Jovens narram suas vivências, o Rio Tietê aparece, continuam chegando daqui e dali para a Zona Cerealista ou para as companhias químicas e industriais de laminados. A recolha é um celeiro de temas iniciais para trabalhos futuros, compreendendo gradações urbanas, suburbanas, operários em seus vários ofícios,

5 artífices em seus saberes. 5 Pode se organizar como num jogo de armar, uma geografia humana. Receber pequenos textos de habitantes desta grande cidade é como pisar pela primeira vez na Ceagesp, contado pelo garoto que, ao chegar, se espanta. O tratamento dado à flor, a estética da planta, é um convite para saborear aos poucos, nas gradações sutis que vão dos começos de algum comércio ao que se conseguiu. Como o relato daquela orquídea que está na família há mais de 70 anos. Alinhavam-se classes sociais, as mais diversas, origens, do velho ao novo, das tecnologias aos antiquários, dos feijões a outros alimentos, que implicam competências próprias e, então, fica assentado conviver com o mar de edifícios que se expande numa outra Pauliceia desvairada, como um pesadelo sem fim: a memória trazida ao presente pode ser alívio, estratégia de sobrevivência, possibilidade de recriação. 1 Ensaísta, autora de livros sobre as culturas populares. Professora do Programa de Pós- Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC/SP, onde dirige o Centro de Estudos da Oralidade do COS/PUC-SP, e do CJE/ECA-USP, onde criou e dirige o Projeto Editando o Editor. 2 O olhar distanciado. Lisboa: Edições 70, 1982,p A cidade polifônica: ensaio sobre antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Studio Nobel, Cf. COLOMBO, Fausto. Os arquivos imperfeitos. São Paulo: Perspectiva, Cf. MARTINS, José de Souza. Uma arqueologia da memória social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Susana Mara Miranda Pacheco Universidade do Estado do Rio de Janeiro susanamp@uerj.br Pensar o centro do Rio de Janeiro nos primeiros anos do século

Leia mais

dezembro/2015 ALBUFEIRA/ AGENDA albufeira.pt 1ª QUINZENA DESTAQUE Guia Natal Rua General Humberto Delgado, Guia

dezembro/2015 ALBUFEIRA/ AGENDA albufeira.pt 1ª QUINZENA DESTAQUE Guia Natal Rua General Humberto Delgado, Guia dezembro/2015 albufeira.pt ALBUFEIRA/ AGENDA 1ª QUINZENA DESTAQUE Guia Natal Rua General Humberto Delgado, Guia Programa: Presépio de Rua 28 de novembro a 6 de janeiro Percurso entre a Ermida de Nossa

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

de de património imaterial

de de património imaterial de Kit recolha de património imaterial FICHA DE ENTREVISTA / HISTÓRIA DE VIDA FICHA N.º NOME DO ENTREVISTADO: ENTREVISTA REALIZADA POR: LOCAL: DATA: DURAÇÃO (HORAS): TIPOS DE REGISTO OU GRAVAÇÃO: ÁUDIO

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO Miss. Gustavo Lima Silva (Beréu) & Wanessa S. B. Santos Silva (Brasil) Recife, 2010. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas.

Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas. Shopping Moxuara. Ótimos negócios para os lojistas. O município de Caricica (ES) acaba de ganhar seu primeiro grande shopping: o Shopping Moxuara. Um empreendimento que vai trazer novas opções de compras,

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Estado de Minas Gerais Mas o que é mesmo que esse caderno

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

REGISTROS CIRCUITO CULTURAL DUKE ENERGY TENDO COMO PARCEIRO O TEATRO DE TÁBUAS. MIRANTE DO PARANAPANEMA - SP

REGISTROS CIRCUITO CULTURAL DUKE ENERGY TENDO COMO PARCEIRO O TEATRO DE TÁBUAS. MIRANTE DO PARANAPANEMA - SP 1 REGISTROS CIRCUITO CULTURAL DUKE ENERGY TENDO COMO PARCEIRO O TEATRO DE TÁBUAS. MIRANTE DO PARANAPANEMA - SP Data: 07/08/2012 Horário: 18h00min às 20h. Local: Centro Cultural Município: Mirante do Paranapanema

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Declara a SAARA, área de comércio popular localizada na Rua da Alfândega e adjacências, na cidade do Rio de Janeiro, Patrimônio Cultural Imaterial

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

DANIEL BLAUFUKS. hoje é sempre ontem. um rio de janeiro TINTA DA CHINA MMXIII

DANIEL BLAUFUKS. hoje é sempre ontem. um rio de janeiro TINTA DA CHINA MMXIII DANIEL BLAUFUKS hoje é sempre ontem um rio de janeiro TINTA DA CHINA MMXIII hoje é sempre ontem Tudo no Rio de Janeiro parece simples. A vida é uma longa sucessão de momentos agradáveis e de experiências

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Bem vindo à loja Materiais de Português

Bem vindo à loja Materiais de Português Bem vindo à loja Materiais de Português Este material é um demonstrativo que contém algumas páginas da Apostila de Regência. Caso queira adquirir o material completo, você pode realizar uma compra na loja.

Leia mais

SOBRE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: LEVANTANDO ALGUMAS QUESTÕES

SOBRE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: LEVANTANDO ALGUMAS QUESTÕES COLÓQUIO PARA ALÉM DA UNIDADE HABITACIONAL: SOCIEDADE, ARQUITETURA E CIDADE Laboratório Cidade, Habitação e Educação Programa de Pós Graduação em Urbanismo (FAU/UFRJ) SOBRE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre

Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre TEMA - URBANIZAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL. 1. (Ibmec-RJ) Esta é uma clássica definição sobre as chamadas cidades globais: As cidades globais são os principais

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Março de 2012 Introdução Para aqueles que no dia-a-dia atuam no mundo do livro, na leitura e/ou

Leia mais

Videoclipe: Só sei dançar com você 1

Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Videoclipe: Só sei dançar com você 1 Bruno Olhero BOTAS 2 Gabriela dos Santos SILVA 3 Grazielli FERRACCIOLLI 4 Guilherme Henrique de SOUZA 5 Isa Dias Colombo SANTOS 6 Rahessa da Silva VITÓRIO 7 Yasmin

Leia mais

QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3.

QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ O 7º ANO EM 2012 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: QUESTÃO 1 Texto para as questões 1, 2 e 3. Considere as afirmações I.

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre língua portuguesa Escola: Nome: Data: / / Turma: 1. Leia o trecho da letra da música a seguir. migrante Tantos sonhos são desfeitos Uma mãe que afaga o peito Seu filho

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA NOVA CIDADE DE CANINDÉ

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Relatório Técnico. Projeto Sala Verde

Relatório Técnico. Projeto Sala Verde Relatório Técnico Projeto Sala Verde Introdução: Este Projeto, veio contribuir para a transformação social da região, através de ações que garantam a segurança ambiental e promovam a recuperação dos espaços

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2 Atividade extra Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil Questão 1 É comum ouvirmos que a formação da sociedade brasileira foi o resultado da mistura de três etnias (indígenas,

Leia mais

A Nova CERJ Os Cachorros e os Gatos. Joâo Batista Melo

A Nova CERJ Os Cachorros e os Gatos. Joâo Batista Melo A Nova CERJ Os Cachorros e os Gatos Joâo Batista Melo Ilustríssimo Presidente da CERJ de Niterói sou poeta popular que admira quem constrói mas aqui venho reclamar um caso que só destrói Aqui o caso da

Leia mais

Narrar por escrito a partir de um personagem

Narrar por escrito a partir de um personagem Narrar por escrito a partir de um personagem Aproximação das crianças as ao literário rio Emilia Ferreiro Ana Siro Vozes narrativas e pontos de vista em relatos de ficção: possibilidades discursivas de

Leia mais

Passagens, móveis e projeções

Passagens, móveis e projeções Passagens, móveis e projeções A fotografia, que tem tantos usos narcisistas, é também um poderoso instrumento para despersonalizar nossa relação com o mundo; e os dois são complementares Susan Sontag Olho

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

PROVA DE CULTURA GERAL PROVA MODELO

PROVA DE CULTURA GERAL PROVA MODELO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS (Dec.Lei nº 64/2006, de 21 de Março) PROVA DE CULTURA GERAL PROVA

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor!

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor! 2ª feira, 23 de fevereiro: Empenho missionário de D. Bosco Bom dia! Hoje iremos aprofundar uma das cenas que será representada na cerimónia de abertura dos jogos nacionais salesianos. Vamos falar sobre

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista Inspiração Fotógrafo humanista Jean-Marc Caracci Conheça este excepcional fotógrafo que percorre a Europa de ponta a ponta com a missão de registar o Homem em contacto com o seu meio envolvente. Jean-Marc

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro

PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro À DESCOBERTA DE SI MESMO: O meu passado mais longínquo Reconhecer datas e factos importantes da sua vida Localizar datas e factos importantes numa linha

Leia mais

ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM

ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM ROTEIRO DE:Luccas Miguel e Higor Espedito. 2 revisão ROTEIRO ORIGINAL PARA CURTA METRAGEM FADE IN: CENA 1.DIA-EXT-CEMITERIO Cemitério.vemos dois garotos brincando,o sorrisos em seus rostos.a baderna que

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais