ONDE ESTÁ O PROBLEMA PARA RESOLVER PROBLEMAS: CAPACIDADE LEITORA E LINGUAGEM MATEMÁTICA. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ONDE ESTÁ O PROBLEMA PARA RESOLVER PROBLEMAS: CAPACIDADE LEITORA E LINGUAGEM MATEMÁTICA. 1"

Transcrição

1 ONDE ESTÁ O PROBLEMA PARA RESOLVER PROBLEMAS: CAPACIDADE LEITORA E LINGUAGEM MATEMÁTICA. 1 GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Karen Muniz Feriguetti, IFES, 2 Talmo Moraes Lucas, IFES, 3 Resumo: O objetivo deste trabalho é compreender a influência da capacidade leitora para solucionar problemas matemáticos. Foram avaliadas a leitura e interpretação em linguagem natural materna, em gêneros diversos, em alunos do ensino técnico integrado com o ensino médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo - IFES, demarcando-se, para tanto, o problema matemático como um gênero textual. Foi avaliada e pesquisada, ainda, a tradução/transição, da linguagem natural materna para linguagem matemática, considerada, para efeito desta pesquisa, uma linguagem formal, híbrida, em seus processos de conversão e de tratamento, com base nos estudos de Duval (2009). No que diz respeito à leitura e interpretação de problemas matemáticos, considerar-se-á proficiente aquele aluno que resolve o problema e chega ao resultado final correto, o que não ocorre quando da leitura e interpretação de gêneros textuais diversos, em linguagem natural materna. Isso implica em que o gênero textual problema matemático, em si mesmo, exige habilidades cognitivas específicas que dizem respeito às duas linguagens e vão além do conhecimento ordinário em linguagem natural materna. Palavras-chave: Leitura e Interpretação; Gêneros Textuais; Problemas Matemáticos. Estruturação das hipóteses de trabalho Esta pesquisa está investigando os problemas que envolvem a capacidade leitora numa interface língua portuguesa e matemática. No meio escolar, propaga-se que os alunos têm dificuldade em ler, interpretar e resolver problemas, devido a nessa reclamação senso comum, decidiu-se aprofundar a questão com duas hipóteses em mente: a primeira delas é a de que o trabalho de leitura e interpretação em língua materna poderia interferir na 1 Agradecemos ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo que, com recursos do CNPq, alocou bolsas de iniciação científica, viabilizando essa pesquisa. 2 Professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo. 3 Graduando do Curso de Licenciatura em Matemática e bolsista IFES.

2 capacidade em ler, interpretar e solucionar o gênero textual problema matemático; a segunda é a de que a capacidade leitora na área matemática seria uma problemática pontual, com suas especificidades. Com base nessas duas hipóteses, o trabalho de pesquisa buscará descrever as dificuldades relativas à resolução de problemas matemáticos. Conforme assinala Orlandi A relação do aluno com o universo simbólico não se dá apenas por uma via a verbal, ele opera com todas as formas de linguagem na sua relação com o mundo. Se considerarmos a linguagem não apenas como transmissão da informação mas como mediadora (transformadora) entre o homem e sua realidade natural e social, a leitura deve ser considerada no seu aspecto mais conseqüente, que não é o de mera codificação, mas o da compreensão (ORLANDI, 2008, p. 38). Nesse sentido, ler e interpretar é uma capacidade que transborda os limites da língua materna e abarca as linguagens e os múltiplos aspectos nela envolvidos, isto é, os discentes devem ser capazes de relacionar linguagens e identificar especificidades para terem proficiência na interpretação, quando da leitura. Por isso o processo de compreensão de um texto certamente não exclui a articulação entre as várias linguagens que constituem o universo simbólico [...] (ORLANDI, 2008, p. 38). Desse modo, o trabalho de leitura e interpretação de textos precisa considerar as diferentes linguagens ou semioses e suas epresentações. Para Duval (2009), a semiósis é a representação ou produção simbólica e se diferencia, em seus aspectos básicos, exatamente pelas representações/sígnos que a estruturam. Nessa perspectiva, os alunos deveriam identificar e realizar as leituras pelos tipos, gêneros e linguagens envolvidas, transmutando da linguagem natural para linguagens formais, quando necessário. No caso desse trabalho, a linguagem matemática. Com esses elementos teóricos em mão, e com o objetivo de descobrir em que ponto o processo não se realiza proficientemente na leitura, interpretação e resolução do gênero problema matemático, decidiu-se realizar um trabalho prévio de leitura e interpretação de textos de tipos e gêneros variados e em diversas semioses. Os textos selecionados envolviam especialmente a língua portuguesa, em gêneros diversos, e leitura, interpretação e resolução do gênero problemas matemáticos. Após um trabalho prévio, foram aplicados

3 protocolos contínuos (até esse ponto da pesquisa, dois protocolos), privilegiando-se os gêneros envolvidos e as disciplinas escolhidas. Aplicação dos protocolos e tratamento dos dados Num universo de 28 alunos, do primeiro ano do ensino técnico integrado com ensino médio de eletromecânica, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, participantes deste projeto, 25 informantes participaram efetivamente da aplicação do primeiro protocolo, denominado protocolo diagnose. Esses primeiros protocolos tiveram o objetivo de revelar uma situação inicial, tanto para a abordagem em linguagem materna quanto para em linguagem matemática. Nesse protocolo, privilegiouse, em linguagem materna, o gênero lírico e as questões deram ênfase às características do gênero e à capacidade imaginativa do informante, privilegiou-se, também, elementos tanto textuais quanto paratextuais (título, distribuição do texto no papel, etc). Dois pontos chamaram a atenção, a grande margem de acerto na primeira questão, aproximadamente 96%, e a pequena margem de acerto nas outras questões, não perfazendo inclusive 50% de acertos em todo o protocolo, o que já demonstra uma dificuldade em leitura e interpretação, conforme se encontra representado no Gráfico GRÁFICO 1 PROTOCOLO LINGUÍSTICO DIAGNOSE - GÊNERO LÍRICO QUANTIDADE DE ACERTOS POR QUESTÕES PROPOSTAS Significa que ou os informantes não estavam familiarizados com a leitura e interpretação do gênero escolhido, ou tinham de fato problemas de leitura e interpretação de textos (vide ANEXO A). Essas duas possibilidades foram consideradas para o trabalho

4 subsequente com os textos em língua materna em sala de aula. No que diz respeito à área matemática, o que se observa no trabalho em sala, especialmente, é que grande parte dos alunos sentem muita dificuldade em transformar um texto do gênero problema em um modelo matemático. Os primeiros problemas selecionados foram levantados justamente para verificar e efetivar essa posição, proposta também por estudiosos, tais como, Moretti (2002), Medeiros (2001) e Duval (2009), que aprofundaram questões relativas não só à leitura, interpretação e resolução do gênero problemas matemáticos, mas também desdobramentos específicos na resolução de operações matemáticas. Segundo Duval (2009), O que interessa de maneira mais prática aos que ensinam matemáticas e aos formadores dos que ensinam são ferramentas que permitem analisar os trâmites matemáticos no quadro da resolução de problemas. (DUVAL, 2009, p. 10), e só é possível se houver um trabalho efetivo em relação à escrita do problema, Considerando o pensamento e a fala independentes e puros, e estudando cada um separadamente, são forçados a ver as relações entre ambos como uma mera conexão mecânica e externa entre dois processos distintos. A análise do pensamento verbal em dois elementos separados e basicamente diferentes independe qualquer estudo das relações intrínsecas entre a linguagem e o pensamento (VYGOTSKY, 2008, p. 3). Desse modo, existe o pensamento sem a linguagem, porém a linguagem transmite pensamento. Observa-se então que é preciso criar condições para um efetivo domínio da linguagem matemática, expressa em problemas matemáticos em linguagem natural, trabalhando-os pontual e regularmente, em sua especificidade interpretativa, de modo a formar um repertório que seja internalizado pelos alunos. O modo como aprendemos nossa língua materna, com a utilização sistemática, produção e leitura, o que nos conduz ao aperfeiçoamento, deve ser aplicado à linguagem matemática, com vistas ao desenvolvimento de formação leitora para problemas matemáticos. Com a aplicação do protocolo diagnóstico relativo à linguagem matemática, foram verificadas dificuldades com alguns problemas matemáticos em específico, conforme demonstra o Gráfico 2, evidentemente por falta de repertório ou de conhecimentos prévios.

5 GRÁFICO 2 PROTOCOLO MATEMÁTICO DIAGNOSE - PROBLEMAS DIVERSOS QUANTIDADE DE ACERTOS POR QUESTÕES PROPOSTAS Nota-se que num universo de 25 informantes atingidos e que efetivamente participaram da atividade, menos de 50% dos informantes tiveram um bom nível de acerto das questões, embora em cada questão proposta tenha havido acertos. Voltando à sala para corrigir e analisar um pouco mais as dificuldades dos informantes, observou-se o que afirma Garofalo e Lester (1985): estudantes acreditam que problemas verbais podem ser resolvidos por uma aplicação direta de uma ou mais operações aritméticas e que as operações corretas a serem usadas podem ser determinadas meramente pela identificação de palavras-chave; pouco planejamento ou busca de significado é necessário (GAROFALO e LESTER, 1985, apud MEDEIROS, 2001, p. 209). Com base nisso, foram trabalhadas um pouco mais as habilidades dos informantes, buscando sistematizar com eles as razões pelas quais não conseguiram convergir e tratar os problemas, já que foi constatado que as maiores dificuldades foram na convergência dos problemas ou em um tratamento inadequado, quando havia a convergência. O tratamento, segundo Duval (2009), é a transformação no interior de um mesmo registro, pega-se um dado inicial e o transforma em um dado terminal; já a conversão, diz respeito a semioses/linguagens distintas, é a transformação que se faz ao passar de um registro a

6 outro, pega-se um objeto que se encontra representado em determinada semiose/linguagem e o representa em uma outra semiose/linguagem, preservando-se seus principais aspectos. Nesse momento inicial da pesquisa, denominado diagnose, buscou-se apenas radiografar a capacidade leitora em ambas as áreas, linguagem natural materna e linguagem matemática. Nessa etapa, ainda não foi possível verificar efetivamente a relação entre as duas áreas e de que modo a capacidade geral de leitura e interpretação as afeta e/ou as inter-relaciona. Após a aplicação dos dois primeiros protocolos, observou-se que seria mais produtivo e mais pontual delimitar o assunto na área de problemas matemáticos, com o intuito de focalizar mais a pesquisa e o trabalho com o gênero problemas matemáticos, sendo assim, foi escolhido o tema função afim para os protocolos seguintes. Concomitantemente, houve um efetivo trabalho em sala de aula na área de leitura e interpretação textual em língua materna, escolhendo-se gêneros diversos, objetivando a aplicação dos protocolos linguísticos que se seguiriam. Buscou-se também melhorar a capacidade de interpretação dos problemas de função afim, com um efetivo trabalho em sala, para o desenvolvimento do projeto e aplicação dos protocolos matemáticos posteriores. A partir de então, trabalhou-se de modo a comprovar as hipóteses levantadas, quer seja, verificar se a capacidade de leitura e interpretação matemática e linguística estavam relacionadas, ou se haveria dificuldades estritas que concerniriam diretamente ao gênero problema matemático. Entretanto, ao corrigir e confrontar o primeiro protocolo aplicado (protocolo diagnose) com o protocolo seguinte, constatou-se que houve um pequeno avanço em relação ao protocolo anterior, tanto na área de matemática quanto na área de língua portuguesa. Isso ocorreu após as orientações para a aplicação dos protocolos e estudos pontuais e específicos de leitura e interpretação. Um dado já esperado foi revelado neste momento da pesquisa, a de que um específico e diferenciado trabalho de interpretação, considerando-se as características próprias das disciplinas envolvidas, poderia melhorar a capacidade de interpretação do ponto de vista estrito. Isso foi conseguido e se encontra expresso por meio do salto quantitativo de acertos nos protocolos. Significa dizer que a capacidade leitora tem relação direta com a estruturação do gênero e suas especificidades. Assim, com o andamento da pesquisa, foi observado que a interferência da capacidade geral na capacidade pontual não se confirmou, quer seja, ser leitor proficiente

7 de gêneros textuais em linguagem natural, nem sempre significa ser leitor eficiente de problemas matemáticos. Isso pode ser confirmado pelo resultado discrepante de um informante que obteve 90% de acerto no protocolo linguístico e apenas 45% no protocolo matemático, ou no caso de um informante que acertou 85% no protocolo matemático e apenas 35% no protocolo linguístico, comprovando que a recíproca é verdadeira. Essas discrepâncias são reveladoras para este trabalho e corroboram, com base nas teorias de Duval (2009), que há uma dificuldade pontual e textual relativa à leitura e interpretação de problemas matemáticos. Embora tenha havido, conforme expressa o Gráfico 3 abaixo, uma melhora significativa da quantidade de acertos por questão no protocolo linguístico, constatou-se, pelas discrepâncias e pela média, que nem sempre péssimos leitores em língua materna eram leitores ruins em linguagem matemática GRÁFICO 3 PROTOCOLO 2 ARTIGO DE REVISTA E VÍDEO QUANTIDADE DE ACERTOS POR QUESTÕES PROPOSTAS A hipótese de que há uma dificuldade pontual, independentemente da capacidade geral de leitura e interpretação, torna-se a hipótese mais forte do trabalho, tendo em vista a leitura dos dados. Percebeu-se que ou a problemática consiste em uma dificuldade de conversão e o informante não conseguiu sequer realizar a montagem do modelo matemático, ou a montagem teve equívoco de referência, ou seja, montou o problema com um modelo matemático incoerente com relação ao problema proposto, isto é, conseguiu convergir e montar o problema, mas teve alguma dificuldade de tratamento. Um exemplo disso é a queda no nível de acerto das questões 2 e 4, expressa no Gráfico 4. (vide ANEXO

8 B). GRÁFICO 4 PROTOCOLO 2 PROBLEMAS FUNÇÃO AFIM QUANTIDADE DE ACERTOS POR QUESTÕES PROPOSTAS No que diz respeito às questões de tratamento, nota-se que há uma relação direta com a congruência dos elementos representacionais da semiose matemática, quando os elementos já estiverem convergidos, a passagem de uma representação a outra se faz espontaneamente quando elas são congruentes, quer dizer, quando as três condições seguintes são preenchidas: correspondência semântica entre as unidades significantes que as constitui, mesma ordem possível de apreensão dessas unidades nas duas representações, e conversão de uma unidade significante da representação de partida em uma só unidade significante na representação de chegada. (DUVAL, 2009, p. 18) Possivelmente, do ponto de vista dos informantes, nas questões 2 e 4 não houve percepção da congruência entre dados iniciais que prejudica a conversão em dados finais, para que a conversão fosse bem-sucedida. Resultados Parciais Ainda não foram levadas a cabo todas as ações propostas pela pesquisa, mas foi possível avaliar que há graus de dificuldades envolvidos com o gênero problema matemático que dizem respeito aos dois movimentos cognitivos já expressos, convergir e tratar, tomando-se por base a proficiência ou não na resolução do problema. Num primeiro momento, foi possível avaliar que de fato esses dois movimentos cognitivos são necessários especificamente para leitura e interpretação do gênero problemas matemáticos, fato que não ocorre quando se trata de gêneros em linguagem natural, não necessariamente

9 transmutáveis para linguagens formais. Infere-se, pelas análises já empreendidas dos protocolos matemáticos, em especial, que a mobilização dos conhecimentos que esse gênero textual promove não está somente na interpretação textual em si, mas também no conhecimento prévio da linguagem matemática e na habilidade de convergir/traduzir para uma linguagem formal, específica da área e em seguida ter domínio eficiente das relações entre seus constituintes. Nota-se que para interpretar o problema é necessário tirar dados que se enquadrem em algum modelo matemático já internalizado, realizando-se os dois movimentos cognitivos já citados, em que o leitor do problema deve transformar da linguagem natural para uma linguagem formal, indo de constituintes linguísticos a constituintes matemáticos. A abordagem dessas dificuldades pode conduzir aos reais obstáculos em relação à leitura e interpretação de textos, pontualmente, no caso da disciplina matemática. No entanto, em se tratando de linguagens, o que se tem visto na prática é que a formação de repertório gramatical (sintaxe, semântica e pragmática), aqui compreendido do ponto de vista matemático (vide Duval (2009)), precisa ser trabalhada ao longo de toda uma vida estudantil. Referências DUVAL, Raymond. Semiósis e pensamento humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. (Trad.). Lênio Fernandes Levy e Marisa Rosâni Abreu da Silveira. São Paulo: Livraria da Física, ORLANDI, Eny Pulcinelli. Texto e Leitor: Aspectos cognitivos da leitura. 13. ed. Campinas, SP: Pontes, MORETTI, Méricles. O papel dos registros de representação na aprendizagem de matemática, Contrapontos, Itajaí, ano 2, set./dez., n. 6, p , MEDEIROS, Cleide. Modelos Mentais e Metáforas na Resolução de Problemas Matemáticos Verbais, Ciência e Educação, v. 7, n.2, p , VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. 4. ed. (Trad.). Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

10 Anexos ANEXO A - Protocolo linguístico diagnose - Gênero lírico Trem de ferro Café com pão Café com pão Café com pão Virgem Maria que foi isto maquinista? Agora sim Café com pão Agora sim Café com pão Voa, fumaça Corre, cerca Ai seu foguista Bota fogo Na fornalha Que eu preciso Muita força Muita força Muita força Oô.. Foge, bicho Foge, povo Passa ponte Passa poste Passa pato Passa boi Passa boiada Passa galho De ingazeira Debruçada Que vontade De cantar! Oô... Quando me prendero No canaviá Cada pé de cana Era um oficia Ôo... Menina bonita Do vestido verde Me dá tua boca Pra matá minha sede Ôo... Vou mimbora voou mimbora Não gosto daqui Nasci no sertão Sou de Ouricuri Ôo... Vou depressa Vou correndo Vou na toda Que só levo Pouca gente Pouca gente Pouca gente... Manuel Bandeira 1) O título tem relação com o poema? Justifique e determine. 2) Para expressar os sons do trem, o poeta recorre a várias repetições, desde simples sons até palavras inteiras. Com base nisso, responda: a) Qual a estrofe representa a falta de força do trem? b) Qual a estrofe representa a recuperação de forca do trem? c) Quais versos, distribuídos ao longo do poema, representam os sons da roda do trem? 3) Há no poema algumas relações opositivas, que dizem respeito não só ao trem, mas também ao próprio eulírico, aponte-as e explique o que poeta quis expressar com elas. 4) Que atmosfera é criada com o poema? 5) Desenvolva: O trem representa... 6) Reconte o poema.

11 ANEXO B - Protocolo matemático - Problemas Função Afim 1. (Ufsm 2006) Durante o percurso de x km, o Sr. Jones tem o hábito de fazer três paradas de 10 min cada uma. Usando uma velocidade média de 60 km/h, a função que permite calcular o tempo, em horas, que ele leva para percorrer os x km é a) f(x) = (x + 30)/60 b) f(x) = (x/60) + 30 c) f(x) = 6x + 30 d) f(x) = (6x + 3)/6 e) f(x) = x (½) 2. Num certo aeroporto, Nelly caminhava calmamente à razão de um metro por segundo; ao tomar uma esteira rolante de 210 metros, Nelly continuou andando no mesmo passo e notou ter levado um minuto para chegar ao fim da esteira. Se Gugu ficar parado nesta esteira, quanto tempo levará para ser transportado? A) 1min20s B) 1min24s C) 1min30s D) 1min40s E) 2min 3.(Ufsm 2004) TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO Da frieza dos números da pesquisa saíram algumas recomendações. Transformadas em políticas públicas, poderiam reduzir a gravidade e as dimensões da tragédia urbana do trânsito. A primeira é a adoção de práticas que possam reduzir a gravidade dos acidentes. A segunda recomendação trata dos motociclistas, cuja frota equivale a 10% do total, mas cujos custos correspondem a 19%. O 'motoboy' ganha R$ 2,00 por entrega, a empresa, R$ 8,00. É um exército de garotos em disparada. O pedestre forma o contingente mais vulnerável no trânsito e necessita de maior proteção, diz a terceira recomendação da pesquisa. Entre a 0h e as 18h da quinta-feira, as ambulâncias vermelhas do Resgate recolheram 16 atropelados nas ruas de São Paulo. Fonte: "Folha de São Paulo" Conforme o texto, num dia de trabalho, são necessárias 12 entregas para um motoboy receber R$24,00. Por medida de segurança, a empresa limitará a 10 a quantidade de entregas por dia. Como compensação, pagará um adicional fixo de p reais ao dia a quem atingir esse limite, porém reduzirá para R$1,80 o valor pago por cada entrega. O valor de p que manterá inalterada a quantia diária recebida pelo motoboy, ou seja, R$ 24,00, será a) R$ 5,40 b) R$ 5,60 c) R$ 5,80 d) R$ 6,00 e) R$ 6,20 4. (Ufg 2005) Um reservatório de água tem a forma de um cubo de arestas com 10 m. Por causa de um vazamento, a cada hora perde-se 5% do volume total do reservatório. a) Se o reservatório estiver completamente cheio no início do vazamento, em quanto tempo ele estará vazio? b) Se o vazamento permanecer por 12 horas, quantos litros de água restarão no reservatório?

Avaliação Português 6º ano Unidade 7

Avaliação Português 6º ano Unidade 7 I. Leia este trecho de um poema de Manuel Bandeira, poeta pernambucano. Em seguida, responda ao que se pede. Trem de ferro Café com pão Café com pão Café com pão Virge Maria que foi isso maquinista? Agora

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

FUNÇÃO DO 2 GRAU. Chamamos de função do 2 grau, ou também função quadrática, toda função que assume a forma: onde

FUNÇÃO DO 2 GRAU. Chamamos de função do 2 grau, ou também função quadrática, toda função que assume a forma: onde FUNÇÃO DO GRAU Professora Laura 1. Definição Chamamos de função do grau, ou também função quadrática, toda função que assume a forma: f : R R; f ( x) ax bx c onde a, b, c R e a 0. Podemos classificar as

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA

ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA ANÁLISE DAS DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM TRIGONOMETRIA Resumo DIONIZIO, Fátima Queiroz UEPG faqdionizio@hotmail.com BRANDT, Célia Finck UEPG brandt@bighost.com.br Eixo Temático:

Leia mais

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO CINTIA APARECIDA BENTO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL), EDDA CURI (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL). Resumo Este artigo

Leia mais

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14 Sumário Introdução 11 Os marcos teóricos de referência 14 Eixos didáticos convergentes 16 Anexo 1. Memória viva 19 Anexo 2. Algumas datas 22 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES

AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES AS VARIÁVEIS VISUAIS NA COORDENAÇÃO DE REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE INEQUAÇÕES A PARTIR DA COMPARAÇÃO DE FUNÇÕES MARIANI, Rita de Cássia Pistóia URI Santiago/RS rcpmariani@urisantiago.br

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. José Zucco

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. José Zucco PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP José Zucco Produto Final da Dissertação apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 27 de julho de 2010, Programa de Mestrado Profissional

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 Uma análise da compreensão do conceito de função afim de alunos do 2º ano do Ensino Médio Mikaelle Barboza

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA

FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA FUNÇÕES POLINOMIAIS DO SEGUNDO GRAU MEDIADOS PELO SOFTWARE GEOGEBRA NA PERSPECTIVA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA Modalidade: Relato de experiência Izaias Cordeiro Néri Mestrando em Educação

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS NO ESTUDO DAS EQUAÇÕES DO 2º GRAU: UMA ALTERNATIVA METODOLÓGICA

AS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS NO ESTUDO DAS EQUAÇÕES DO 2º GRAU: UMA ALTERNATIVA METODOLÓGICA AS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS NO ESTUDO DAS EQUAÇÕES DO 2º GRAU: UMA ALTERNATIVA METODOLÓGICA Vanessa Isabel Cataneo Alcionê Damasio Cardoso Marleide Coan Cardoso RESUMO: Atualmente, a matemática na educação

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Viajando através da Poesia

Mostra de Projetos 2011. Viajando através da Poesia Mostra de Projetos 2011 Viajando através da Poesia Mostra Local de: Arapongas Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (campo não preenchido)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR GUIDI, Janete Aparecida 1 - UEM SHIMAZAKI, Elsa Midori 2 - UEM Grupo de Trabalho Formação de professores

Leia mais

O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA

O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA O USO DAS LINGUAGENS MATERNA E MATEMÁTICA POR ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM GEOMETRIA PLANA Katiane de Moraes Rocha Mestranda da UFMS, Cidade Universitária. mr.katiane@gmail.com Marilena Bittar

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO

INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO INTERDISCIPLINARIDADE E LETRAMENTO, O LÚDICO, COMO INSTRUMENTO DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO PEDAGÓGICO Ana Patrícia da Silva Xavier¹ E-mail: anapx@gmail.com Emanuelle Almeida da Costa² E-mail: manu.biologia@live.com

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais

A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar. Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem. Considerações Iniciais A Formação do Leitor no Contexto da Instituição Escolar Palavras chave: leitura-leitor-texto-ensino-aprendizagem Considerações Iniciais Este artigo trata da formação do leitor-proficiente: aquele que,

Leia mais

A primeira é a adoção de práticas que possam reduzir a gravidade dos acidentes.

A primeira é a adoção de práticas que possam reduzir a gravidade dos acidentes. CIC DAMAS DISCIPLINA MATEMÁTICA PROFESSOR GILMAR SANTOS FUNÇÃO AFIM TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufsm 2004) Recomendações Da frieza dos números da pesquisa saíram algumas recomendações. Transformadas

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS Gilianne Vicente dos Santos; Aline Giseli da Silva Lima; JacineideVirgínia Borges O. da Silva

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior

AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Rafael Silva Patrício, rafaeluepa@hotmail.com Maysa da Silva Leite Almeida, maysalmeida23@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

4º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. 29, 30 de junho e 01 de julho de 2015

4º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. 29, 30 de junho e 01 de julho de 2015 4º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática 29, 30 de junho e 01 de julho de 2015 EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E EDUCAÇÃO INFANTIL: O DESENVOLVIMENTO DE ESQUEMAS MENTAIS Paulo Meireles Barguil

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

APRENDIZAGEM DOS OBJETOS DE (IN) DEPENDÊNCIA LINEAR A DISTÂNCIA: AS DIFICULDADES À LUZ DAS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS.

APRENDIZAGEM DOS OBJETOS DE (IN) DEPENDÊNCIA LINEAR A DISTÂNCIA: AS DIFICULDADES À LUZ DAS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS. APRENDIZAGEM DOS OBJETOS DE (IN) DEPENDÊNCIA LINEAR A DISTÂNCIA: AS DIFICULDADES À LUZ DAS REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS. Juliana Pereira G. de Andrade Universidade Federal de Pernambuco - UFPE julianaandradd@gmail.com

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO V Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 4 o ano (3 a série) Período: TARDE Data: 9/6/2010 PORTUGUÊS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

Corrigir ou não corrigir: eis a questão

Corrigir ou não corrigir: eis a questão Corrigir ou não corrigir: eis a questão Resumo Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo Temático 1: Leitura é problema de quem? O presente artigo tem por finalidade

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Lançamentos

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis - Lançamentos Exercícios de Aprofundamento 15 Fis - Lançamentos 1. (Pucrj 15) Uma bola é lançada com velocidade horizontal de,5 m / s do alto de um edifício e alcança o solo a 5, m da base do mesmo. Despreze efeitos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA Lúcia de Fátima Melo do Nascimento Secret. Municipal de Educ. do Natal RN / Depart. de Ensino / Setor de Ensino Fundamental Colégio Imaculada Conceição

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

POESIA EM SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DE TREM DE FERRO

POESIA EM SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DE TREM DE FERRO POESIA EM SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DE TREM DE FERRO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Gilvan da Costa Santana (UFS) 1 Edineide Santana Cardoso da Silva (UFS) 2 Através da leitura, atividade de grande

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO 3.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES

2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO 3.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES Disciplina: PORTUGUÊS Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO - Ano

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE PROBLEMAS RESOLVIDOS POR ALUNOS DO PROJOVEM URBANO DO MUNICÍPIO DO RECIFE ENVOLVENDO A GRANDEZA VOLUME

ANÁLISE DE PROBLEMAS RESOLVIDOS POR ALUNOS DO PROJOVEM URBANO DO MUNICÍPIO DO RECIFE ENVOLVENDO A GRANDEZA VOLUME ANÁLISE DE PROBLEMAS RESOLVIDOS POR ALUNOS DO PROJOVEM URBANO DO MUNICÍPIO DO RECIFE ENVOLVENDO A GRANDEZA VOLUME Ana Paula Nunes Braz Figueiredo Universidade Federal de Pernambuco apnbf@yahoo.com.br Angeline

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA Aline Fabiana Amorim Santos 1 (Graduanda/UFS) Evellin Heide Souza Aragão (graduanda/ufs) Laura Camila Braz de Almeida

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora...

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... 03 1 Conceitos... 05 1.1. Avaliação... 05 1.2. Competência... 05 1.3. Habilidades... 06 1.4. Competência leitora... 06 1.5. Competência matemática...07 1.6. Competência científica...07

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO

O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO - SISTEMA DE APRENDIZAGEM MÚTUO UNIFICADO MASSILÂNIA BEZERRA DE OLIVEIRA 1, CAIO ALVES DE MOURA 1, CAIQUE AUGUSTO CAMARGO DE ANDRADE 1,

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções.

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções. 12 NOME DA AULA: Escrevendo músicas Duração da aula: 45 60 minutos de músicas durante vários dias) Preparação: 5 minutos (se possível com introduções Objetivo principal: aprender como definir e chamar

Leia mais

O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA

O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA Segundo sua criadora, a psicóloga Maria Marta Ferreira, o Programa RAFCAL (Reeducação Afeto Cognitiva do Comportamento Alimentar) é uma proposta que, enfatiza

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EM MATO GROSSO: organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação Cancionila Janzkovski Cardoso UFMT (Coordenadora Geral do PNAIC/MT) Objetivo Apresentar

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática.

Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática. Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática. Elizabeth Adorno de Araujo i PUC-Campinas elizabetharaujo@puc-campinas.edu.br Nária Aparecida

Leia mais

O PIBID e o Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensino-aprendizagem de química e cultura do RN

O PIBID e o Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensino-aprendizagem de química e cultura do RN O PIBID e o Teatro científico como metodologia motivacional no processo de ensino-aprendizagem de química e cultura do RN Ronaldo Oliveira da Frota 1 Lindeberg Ventura de Sousa 2 RESUMO O PIBID é promovido

Leia mais

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1

UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 UNIVERSIDADE E ESCOLA: parceria na formação de professores na perspectiva do letramento 1 Magna Maria Jesus Bueno, Aldelicia Batista dos Santos, Giselle Ribeiro da Silva 1, Cleonice Maria Cruz de Oliveira

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS E TABELAS NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

A LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS E TABELAS NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO A LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS E TABELAS NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Adriana Pagan Ana Paula Leite Sandra Magina PUC-SP, Brasil dripagan@yahoo.com.br; apfleite_edumat@hotmail.com;sandra@pucsp.br

Leia mais

AVALIAR PARA MELHORAR AS APRENDIZAGENS E OS RESULTADOS. Isabel Fialho e Helena Parreira

AVALIAR PARA MELHORAR AS APRENDIZAGENS E OS RESULTADOS. Isabel Fialho e Helena Parreira AVALIAR PARA MELHORAR AS APRENDIZAGENS E OS RESULTADOS Isabel Fialho e Helena Parreira Relatório da OCDE Avaliação de Sistemas Educativos (Portugal) Santiago (2012) A avaliação formativa é mais visível

Leia mais

JOGOS TEATRAISE A CONSTRUÇÃO SIMBÓLICA (VIOLA SPOLIN E JEAN PIAGET)

JOGOS TEATRAISE A CONSTRUÇÃO SIMBÓLICA (VIOLA SPOLIN E JEAN PIAGET) JOGOS TEATRAISE A CONSTRUÇÃO SIMBÓLICA (VIOLA SPOLIN E JEAN PIAGET) TANCREDE, Onira de Ávila Pinheiro 1 ; CAMARGO, Robson Corrêa de 2 Resumo: No presente estudo procuro entender de que maneira os aspectos

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais