SOCIEDADE. Tema: Cidade Distópica Pesquisador: Francis Vogner dos Reis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE. Tema: Cidade Distópica Pesquisador: Francis Vogner dos Reis"

Transcrição

1 SOCIEDADE Tema: Cidade Distópica Pesquisador: Francis Vogner dos Reis Sinopse O tema Cidade Distópica aborda a questão da opressão que o caos de grandes centros urbanos exercem sobre a vida dos indivíduos. E é nessa realidade que a violência, o trânsito e a multidão da metrópole geram conflitos e crises em um cotidiano naturalmente atribulado, veloz e frenético. A partir dessas questões o programa discute filmes como Não por Acaso, de Philippe Barcinski, Abutres, de Pablo Trapero, Amores Brutos, de Alejandro Gonzalez Inarritu e Os 12 trabalhos, de Ricardo Elias. Apresentação dos filmes e das questões Amores Brutos (México, 2000), de Alejandro González Iñárritu Um acidente automobilístico na Cidade do México cruza a vida de três pessoas distintas. Um ex- militante político que se transforma em matador de aluguel, um homem casado que deixar esposa e filhas para viver com a amante e um rapaz que se apaixona pela esposa do irmão e decidi fugir com ela. Todos esses personagens possui relações conflituosas e a fidelidade de seus cães. A mistura de amor, traição, medo e ódio, é potencializada pela agressividade urbana e suas relações de poder e violência. A tragédia de cada um se integra ao caos da cidade. Os Doze Trabalhos (Brasil, 2006), de Ricardo Elias Heracles é um jovem negro que há pouco deixou a Febém, tem aptidão pelo desenho e vive na periferia. Na busca por trabalho, responde à indicação de seu primo Jonas e passa a trabalhar como motoboy. Em seu período de experiência ele, como o mito grego de Héracles (ou Hércules), precisa realizar 12 trabalhos na cidade de São Paulo. Os desafios do tempo, da agressividade do espaço e das relações humanas, da burocracia, do preconceito são os problemas com os quais deve lidar. A distopia da cidade de São Paulo do filme tem como

2 contraponto uma certa sensibilidade individual do personagem perante a truculência urbana. Não por Acaso (Brasil, 2007), de Philippe Barcinski Ênio é um engenheiro de trânsito que opera semáforos e assim comanda o fluxo dos automóveis no tráfego cidade de São Paulo. Essa função profissional se soma a um anseio de controle generalizado na sua vida pessoal. A relação com sua filha Bia acentua seu sentimento de perda de controle sobre as coisas. Já o outro personagem, Pedro, é dono de uma marcenaria que se especializou na construção de mesas de sinuca. Meticuloso, possui uma visão peculiar do jogo em que o controle dos resultados é antecipado por uma técnica rigorosa. Um acidente automobilístico coloca em crise o anseio pelo controle. Abutres (Argentina, 2010), de Pablo Trapero Ricardo Darín é Sosa, um advogado especializado em acidentes rodoviários, ou seja, é um urubu, porque todos os dias vai aos locais de acidente, aos setores de emergência dos hospitais e às delegacias procurando clientes. Seu função é lidar com as testemunhas, policiais, juízes e companhias de seguro. Mas uma vez o diretor Pablo Trapero, como no seu celebrado O Outro Lado da Lei, faz uma crônica da realidade urbana e de como a lógica do dinheiro e da violência media as relações dos indivíduos com a cidade, o trabalho contaminando, sobretudo, suas próprias relações pessoais. Material Anexo Nota do pesquisador: à exceção de um filme (Não por acaso) os outros filmes citados no seguinte ensaio não fazem parte da pesquisa. Porém, o tema e as questões tratadas dizem diretamente respeito ao que será discutido no programa Cidade distópica. Do trânsito ao transe- to Descontrole e desorientação em Não por acaso, A Via Láctea e A Casa de Alice A constelação de filmes produzidos nos últimos anos na cidade de São Paulo tem revelado questões importantes e convergentes. Questões que se repetem, de formas diversas, formando uma paisagem em trânsito: entre a estagnação e o deslocamento, a impossibilidade

3 e a mudança, a previsibilidade e a desorientação. Estar em trânsito, no caso de uma grande cidade como São Paulo, é pertencer a um movimento permanentemente atravessado e interrompido por situações que fogem ao controle, em que se está sujeito a todo o tipo de acaso, imprevisto e acidente. Não por acaso, aliás, nunca se morreu tanto por acidente de trânsito nessa cinematografia paulistana recente, cujos filmes têm transformado o espaço urbano e o espaço doméstico a ele correlato em um espaço de conflito privilegiado. Tal é o caso, justamente, de Não por Acaso (Phillippe Barcinski, foto acima), A Via Láctea (Lina Chamie, 2007) e A Casa de Alice (Chico Teixeira, 2007), dentre tantos outros títulos, como indica a programação da mostra Vivendo e Morrendo em São Paulo. Tal ênfase em um espaço urbano cujas vicissitudes ultrapassam as vontades e os desejos dos indivíduos, e contra o qual eles nada podem fazer, não é, decerto, recente. No texto São Paulo no cinema: expansão da cidade- máquina, corrosão da cidade- arquipélago, Ismail Xavier, em uma análise comparativa entre O invasor (Beto Brant, 2001) e São Paulo S/A (Luiz Sérgio Person, 1965), já apontava que a paisagem do cinema brasileiro dos anos , em sua vertente sério- dramática, destacou um tipo de situação em que a engrenagem do mundo ultrapassa o personagem e este se vê em lida com uma situação com a qual não consegue controlar. Nesse mesmo texto, publicado na revista Sinopse de setembro de 2006, Ismail ainda lembrava que os filmes paulistas dos anos , ao sugerir uma relação sugestiva com a cidade, traziam elementos contrastantes com as óticas de representação do cinema dos anos 60. Pois, enquanto lá havia a experiência identificada com o desenvolvimento e crescimento econômico, nos anos 2000 teríamos uma situação de impasse, relativa estagnação do desenvolvimento social e um crescimento econômico descontrolado pela hegemonia do capitalismo financeiro. Passada quase uma década, tal sensação de impossibilidade e impotência foi adensada face às contingências da vida urbana contemporânea, e, historicamente o signo da modernização do país, a cidade de São Paulo tornou- se imagem da desordem, do descontrole, da desorientação e da dissolução. Desordem e descontrole, é preciso notar, não desprovidos de perspectivas afetivas sobre a cidade e seus personagens. Essa cidade então entrópica, outrora marcada por tantos projetos de futuro, como em São Paulo Sinfonia da Metrópole (Rodolfo Lustig e Adalberto Kemeny, 1929), nos faz lembrar que não haveria mais teleologia possível, como aquela que marcara o modernismo dos anos 20 e o cinema moderno dos anos 60. Os tempos são outros e, quando a morte não vem interromper o trânsito da vida, como em A Via Láctea, temos os finais em aberto, cujos sentidos variam entre o impasse e a incógnita (caso de A Casa de Alice), ou, na melhor das hipóteses, apontam para uma doce esperança no porvir (como em Não por Acaso - foto acima).

4 A cidade e os cineastas Cabe lembrar, antes de tudo, que, para essa nova geração de cineastas paulistas, a relação com a cidade e com os efeitos da vida urbana não implica uma relação de sujeito e objeto, de eu e outro. A cidade de São Paulo não é o tema desses filmes, não é o assunto sobre o qual se fala, assim como não é, simplesmente, um cenário estático sobre o qual se desenrolam os conflitos de seus personagens. Antes, a cidade de São Paulo é um organismo vivo, um personagem, uma instância fundamental de mediação da vida social, seja isso explícito, como em Não por Acaso e A Via Láctea, seja implícito, como em A Casa de Alice (foto acima). Além de ser o meio, ou o medium, através do qual vive- se, ama- se e morre- se, para esses filmes, a cidade também se apresenta como fim. Fim, como dissemos, tanto como interrupção de uma trajetória (A Via Láctea) e suspensão de uma expectativa (A Casa de Alice) quanto como horizonte de ação e afeto (Não por Acaso), porém jamais como télos, consumação de um projeto ou garantia de uma certeza, ainda que seja a certeza produzida pela ordem da narrativa. O sociólogo e ensaísta Zygmunt Bauman certa vez notou, no ensaio Sobre a verdade, a ficção e a incerteza, que compõe seu livro O mal- estar na pós- modernidade, que as ficções modernas sempre tendiam a responder, como um vetor de força contrária, a seus momentos históricos. Assim, durante os regimes totalitários ou disciplinares, grande parte da literatura européia ofereceria formas de escape e pontos de fuga. O mesmo, porém, talvez não se dê em nossos esgarçados e permeáveis regimes democráticos, cujas ficções, sobretudo no que diz respeito a um cinema artisticamente mais expressivo, ao invés de oferecerem apanágios e sentidos coesos, incorporam e introjetam, muitas vezes amplificando, seus próprios sintomas e patologias sociais. De um cinema em trânsito, baseado em formas erráticas e contingentes de deslocamento do corpo, talvez pudéssemos falar, em alguns casos, de um cinema em transe- to : transe não apenas como conflito e morte, mas como desorientação, desnorteamento e, mesmo, colapso da percepção. Tal colapso está presente verticalmente na estrutura e em toda a seqüência de abertura de A Via Láctea, cuja montagem descontínua e a música dissonante exprimem o estado mental do professor e escritor Heitor, que, após romper um relacionamento amoroso pelo telefone, já não consegue mais ordenar suas palavras e ações, situação que o fará morrer atropelado enquanto passa em revista sua vida, delirando estar imobilizado em um carro engarrafado. Em Não por Acaso (foto), Enio, um metódico e disciplinado engenheiro de trânsito, cujo olhar onisciente sobre a cidade, tal qual um demiurgo ou um narrador do cinema clássico, não

5 permite que ele evite um acidente de trânsito que alterará o rumo de sua vida, também perde o controle sobre suas ações e emoções. Situação que o faz, ao entrar em desespero, desorganizar deliberadamente o fluxo do trânsito da cidade para conseguir impedir a partida de sua filha Bia encontro que, não por acaso, produzirá o desencontro no segundo núcleo dramático do filme. Já em A Casa de Alice, a crise e o colapso da protagonista, uma manicure casada com um taxista e mãe de três filhos homens, se dão por ela não conseguir mais ter controle sobre sua vida e sua família, quando afloram seus desejos, as traições de seu marido, as brigas entre os irmãos, o conflito de interesses com a avó e os problemas financeiros. A cidade aqui entra em cena tanto pelos deslocamentos de ônibus de Alice até o salão onde trabalha, como, sobretudo, pelo som ambiente e pelo som do radinho de pilha que atravessam essa casa tão porosa, invertendo a relação dentro e fora, espaço doméstico e rua. Nos três filmes, o que está sempre em foco são as relações afetivas e o modo como elas são atravessadas ou interrompidas pelo espaço cinético da cidade uma cidade de várias faces: doce, familiar, inóspita ou violenta, mas todas em trânsito. Uma cidade (in)diferente Como podemos perceber, a pauta atual do cinema paulista é a pauta do indivíduo em tensão com uma situação que não consegue ordenar, controlar ou, simplesmente, compreender, ao contrário da pauta da violência social e urbana, cara, tradicionalmente, ao cinema produzido no Rio de Janeiro - como em Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2003), Cidade dos Homens (Paulo Morelli, 2006), Tropa de Elite (José Padilha, 2007), Alucinados (Roberto Santucci, 2007), dentre tantos outros. Diferentemente do Rio, em São Paulo os acidentes de trânsito e as mortes que atravessam grande parte dos filmes não são provocados por qualquer conflito de classe ou ressentimento social, mas pelas vicissitudes e acasos gerados pela intensificação da vida nervosa da cidade, como diria Simmel. Pela sensação de imobilidade e impotência que acomete o indivíduo (sobretudo aquele que perde horas de seu dia nos engarrafamentos da cidade) e pelas conseqüências das ações humanas em conjunto, das quais não há demiurgo ou olhar onividente como o de Enio, controlador dos fluxos urbanos em Não por Acaso que nos faça escapar. Nesse sentido, na organização estrutural bastante clássica de Não por Acaso, por exemplo, não haveria acaso (como tanto foi cobrado do filme pela crítica, na época de seu lançamento), mas uma convergência de ações humanas que produzem determinados efeitos premissa que tornaria o filme existencialista, e não trágico, pois tudo o que há na vida, segundo sua lógica, é a responsabilidade por nossas opções e decisões. Se Enio acredita ter controle sobre sua vida

6 regrada, o que se revela uma ilusão, a instância narrativa do filme organiza e controla o crescente descontrole de seu universo diegético, como um narrador do cinema clássico que vê do alto, que detém um ponto de vista privilegiado sobre tudo e que desenvolve uma consciência extra- temporal sobre o passado e o futuro de seus personagens. A cidade em Não por Acaso não é realista, como se poderia supor apressadamente, mas uma projeção idealizada do mundo interior de seu protagonista, assim como a instância narrativa do filme, que tudo controla e observa, parece ser, às avessas, uma projeção alter- egóica daquilo que Enio mais desejaria se tornar: um personagem- autor. Aqui, é o diretor Phillippe Barcinski, como figura ideal, o alter- ego de Enio, e não o contrário o que também nos a leva a pensar que a autoria é sempre efeito do mundo por ela criado. Já A Via Láctea, se parte de uma estrutura narrativa conclusiva uma, de fato, romântica história de amor com início, meio e fim, desestrutura, desorganiza e descontrola, radicalmente, na montagem, qualquer possibilidade de linearidade e cronologia temporal. No gigantesco engarrafamento no qual se encontra, absorto e à deriva, o protagonista Heitor durante toda a narrativa, faz sol, faz chuva, faz sol novamente e escurece, até a luz cair por completo, embora já não saibamos mais se aquela experiência de imobilidade, desorientação e descontinuidade do tempo e da ação transcorre durante um único dia ou se é a soma de experiências e sensações anteriores. Ao final, quando nos damos conta, porque assim o filme nos mostra, de que Heitor está morrendo, por causa de um banal atropelamento, e de que todo esse delírio por caminhos e descaminhos da cidade em busca da reconciliação amorosa se passa em sua vida mental, percebemos que a tal Via Láctea enunciada pelo filme não diz respeito a uma instância cósmica organizadora de sentidos e destinos, tal como acontecia na tragédia clássica. Pois o cosmos, que em grego significa ordem, em A Via Láctea deixa de ordenar o mundo para gerir sua desordem. Por outro lado, a própria Via Láctea, no lugar de um espaço sideral, também passa a ser vista pelo filme como o firmamento, como um espaço transcendental o que, face à brusca e definitiva interrupção de uma vida e de um relacionamento, confere ao filme um alento metafísico. Em A Casa de Alice, diferentemente dos outros dois filmes, é o espaço doméstico, como foco privilegiado, que é permeado pelos problemas e vicissitudes da cidade, e não a cidade que é permeada pelos afetos do espaço doméstico. Ao contrário da organização mais clássica de Não por Acaso, em que a câmera, não raro, vê do alto como uma instância onisciente, ou da moderna desestruturação de A Via Láctea, em que a câmera assimila o nervosismo do trânsito ou a fixa tranqüilidade da natureza (o contraponto idílico da instância narrativa em colapso), em A Casa de Alice, a câmera, sempre na mão e na altura dos olhos, individualizada tal como mais um morador da casa, adquire uma instabilidade crônica e própria a uma remediada vida

7 de classe média baixa. Desde a primeira seqüência, somos apresentados a seus cômodos desarrumados sob a luz da manhã: uma cama de casal desfeita, um quarto com o beliche bagunçado, a sala ainda desabitada e a cozinha, o único cômodo organizado da casa. Porém, durante toda essa apresentação, os enquadramentos tremem sutilmente, como se a câmera respirasse, ligeiramente ofegante, integrada ao espaço doméstico e quase anunciando um mau presságio. A partir daí, a narrativa, construída por diversos planos- seqüência, será um caminho rumo ao descontrole e à desordem e, justamente por isso, as seqüências finais repetem as iniciais, fechando um ciclo e dando início a outro. Porém agora os quartos e a sala estão ainda mais bagunçados e a cozinha, o espaço depositário da dignidade, do zelo e do cultivo do amor na família, pela primeira vez aparece completamente suja e desordenada. No entanto, se em A Casa de Alice a dinâmica narrativa do filme parece inicialmente optar pela impressão de valorização do presente, o que faria com que cada cena não existisse em função da estrutura e do desenlace, mas em função de si mesma, como presença imanente, tal projeto não é radicalizado, talvez porque o diretor não tenha querido, ou podido, apostar nas (im)potências de uma experiência temporal menos controlada. Assim, não temos acesso a um verdadeiro senso de rotina porque a estrutura do filme parece se esforçar para eliminar tudo aquilo que não sirva a propósitos dramáticos claros e pré- determinados, tudo aquilo que não seja funcional para a narrativa, organizando o mundo de Alice excessivamente. Como cheguei a escrever na crítica ao filme, após tê- lo visto uma única vez no Festival do Rio de 2007, A Casa de Alice parte de procedimentos estéticos e dramatúrgicos modernos, mas continua refém de uma estrutura narrativa ainda bastante clássica e controladora: excesso de situações dramáticas, conflitos adensados, viradas de roteiro e soluções ex- machina, como, justamente, o acidente de trânsito que matará a rival de Alice, abrindo caminho para que ela possa ir ao encontro frustrado de seu desejo. Porém, se a dramaturgia e a montagem do filme parecem querer controlar, como um apelo por socorro, aquela instabilidade crônica e incontrolável que ameaçaria o mundo e a casa de Alice, bem como os destinos de seus personagens, o devir de Alice permanece belamente em suspensão, entre a expectativa amorosa e a desilusão. Portanto, se a casa não é mais de Alice, porque ela mesma a abandonou para seguir, ainda que desorientada, suas pulsões, agora é a própria cidade que lhe pertence, com suas esperas, errâncias, lacunas e ausências não preenchidas. Em trânsito e em transe- to, Alice é o cinema paulistano. Ilana Feldman Revista Cinética - Setembro de 2008 Disponível em

8 São Paulo em trânsito Não são poucas as seqüências ambientadas dentro de ônibus em Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas, filme que marca o retorno da dupla ao solo paulistano, depois de sua primeira parceria em Terra Estrangeira (cuja primeira parte é situada em São Paulo). O ônibus não entra em cena apenas como ambiente, mas como local dramático, tanto porque é o espaço em deslocamento de personagens em imobilidade social quanto porque é o espaço onde um garoto procura seu pai. O deslocamento como possibilidade de encontro, pois. Em outro momento, esse mesmo garoto simula dirigir um carro caído aos pedaços, sempre imóvel no quintal de sua casa (equivalente do navio encalhado em Terra Estrangeira). Fantasia a mobilidade, da qual o outro lado é o sofá em frente a TV em sua casa, pelo qual pega dinheiro da mãe para comprar seu lugar. No sofá, diante da TV, o noticiário, quando se consegue ouvir, fala de greve de motoristas e metroviários, ou seja, do risco de imobilizar a população. Enquanto isso, um dos irmãos do garoto, motoboy, anda de lá para cá, atrás da sobrevivência no trânsito. Se muda a forma de sobreviver, nos momentos próximos ao final, continua no trânsito, não mais atravessando- o, sobrevivendo nele, mas, sim, mergulhando nele, sobrevivendo dele. A imobilidade dos carros proporciona a perspectiva de mobilidade no sinal vermelho. A mobilidade na interdição. Pare! Ao final, o menino, dividido entre o sofá diante da TV, o carro caído aos pedaços e o deslocamento nos ônibus, realiza o desejo da mobilidade pelas próprias mãos. O motoboy se afundará mais no desrespeito ao sinal vermelho ao invadir um carro. Seu irmão crente sujará a mão após ser assaltado por um motoboy em posto de gasolina. Tudo remete a mobilidade: o ônibus, o motoboy, o carro invadido, o posto de gasolina. Ouvimos nos últimos planos um mantra, ande, ande, ande, que se dirige ao próprio personagem a ritualizá- lo, mas também a todos os demais. Desloquem- se. Não por acaso, a imagem derradeira é a de um ônibus em deslocamento, andando, sendo posto para andar, afastando- se da câmera para seguir rumo ao desconhecido. Se toda a dinâmica dramática e até semântica de Linha de Passe passa pelo deslocamento por São Paulo e pelo trânsito da cidade, essa dinâmica não é exatamente uma novidade nas narrativas ambientadas na cidade, mas, talvez, o principal motor de um conjunto de filmes para os quais o deslocamento e o engarrafamento são fundamentais. O fundamento em questão é justamente essa relação de tensão entre trânsito e imobilidade. O estar em trânsito é tão associado ao estar imóvel que muito trânsito não significa muito deslocamento, mas a ausência de movimento pelo excesso de carros, um estar em interdição do movimento no trânsito. Não se trata de representar o trânsito, no sentido de procurar uma imagem documento da (i)mobilidade na cidade, mas de transformar o trânsito em expressão

9 dramática, colocando- o em relação menos ou mais simbólica com o percurso e os sentidos dos personagens em jogo. Outros trânsitos Em Não por Acaso, de Philippe Barcinki, o controlador de trânsito, homem sentado diante de monitores, terá de deslocar- se pela cidade, traumatizado por uma perda (no trânsito) e com receio de outra (em trânsito). Já um outro personagem, também afetado por uma perda no trânsito, aproveita o engarrafamento para, dessa vez, corrigir simbolicamente um suposto erro anterior. A cidade mata no trânsito, mas também promove encontros. A imagem final, tão recorrente nos filmes brasileiros dos anos 2000, é de personagens em movimento, afastando- se da câmera, como o ônibus de Linha de Passe. Pai e filha, ambos com perdas no trânsito, em trânsito na cidade, de bicicleta, deslocam- se por entre os prédios, de forma lúdica, rumo a algum futuro. Há também senso de futuro na imagem final de Linha de Passe, mas é uma imagem quase mítica (e não realista), que mostra a intervenção da instância autoral no destino dos personagens (de um ou outro pelo menos), como se inventasse uma saída onde não havia, como se quisesse tomar um partido, intervir naquele mundo e naqueles percursos, de modo a criar um ponto de fuga. Mas é um ponto sem garantias. Pode- se reconhecer essa mesma abertura no último plano de Os 12 Trabalhos, de Ricardo Elias (foto), em que, depois de ter seu projeto de reconstrução de identidade ameaçado pelas contingências, um motoboy perde o tio no trânsito, mas, em compensação, paradoxalmente, ganha a chance de uma nova vida. Imagem final: o mar, moto ao lado. O trânsito como espaço dramático, porém, também é o cenário da morte. Ela está presente não somente em Os 12 Trabalhos e Não por Acaso, mas em outros filmes, desde A Hora da Estrela, de Suzana Amaral cujo desfecho é o atropelamento de Macabéia. Também se morre atropelado em A Via Láctea, filme passado dentro de uma consciência em coma, que, antes de apagar, transita pela memória e tenta atravessar o trânsito. Trânsito como interdição de um acerto de contas afetivo. São muitas as formas de se aproximar do espaço público e de trânsito de São Paulo. Pode ser por meio dos testemunhos de seus protagonistas (Em Trânsito, de Henri Gervaiseau, Motoboy Vida Lôca, de Caíto Ortiz); como informação dramática em diálogo (a morte em acidente de uma cliente em A Casa de Alice, de Chico Teixeira), como experiência do deslocamento na imobilidade (Handerson e as Horas, de Kiko Goifman, passado dentro de um ônibus). Mas há também o deslocamento por trem e metrô, como vemos na procura dos personagens de De

10 Passagem, de Ricardo Elias, que buscam um morto e respostas para a morte; e na caça à mulher ideal do protagonista de Jogo Subterrâneo, de Roberto Gervitz (foto). Os vagões serão momentos de abertura para encontros, para trocas de afetos e de possibilidades de desejo, como no flerte do jovem em De Passagem. Em Contra Todos, de Roberto Moreira, estar em trânsito, no ônibus, é o momento da subjetivação de uma adolescente, momentos dela com ela, uma intimidade em pública e no deslocamento. Uma certa paulistanidade Seria o estar em trânsito a principal característica de uma paulistanidade cinematográfica? Essa paulistanidade, como usada aqui, não é de origem, pois não se trata de uma identidade de olhar de diretores nascidos em São Paulo. Ela é da imagem e está na imagem; imagens de São Paulo, mas, sobretudo, em São Paulo. Imagens em São Paulo dizem respeito, somente, a São Paulo como espaço diegético. A paulistanidade diegética seria, portanto, a soma de todas as imagens paulistanas, com destaque, claro, para certas recorrências nessas imagens. A principal delas, antes mesmo do estar em trânsito, é o ceticismo. Há uma aproximação em alguma medida com o senso trágico em uma grande quantidade de narrativas paulistanas, como se as situações carregassem um mau presságio e como se os personagens estivessem condenados a errar, a vagar, a terminar no chão ou em deslocamento rumo a futuro qualquer, em imagens abertas e sem garantias, sem apontamentos claros, como o plano final de Bicho de 7 Cabeças, de Lais Bodansky, ou de Um Céu de Estrelas, de Tata Amaral (foto), cujos protagonistas terminam rompidos com uma ordem (talvez, uma ruptura e um luto necessários para uma posterior libertação ou mesmo reconciliação no caso de Bicho de 7 Cabeças). Se falamos em paulistanidade cinematográfica, portanto, falamos em narrativas em São Paulo, com todas as suas variações. E pela soma de todos os filmes desde os anos 90, com exceções como O Corpo, de José Antonio Garcia; Ed Mort, de Alain Fresnot; os filmes de Luiz Villaça (Por Trás do Pano, Cristina Quer Casar); e as incursões de Bruno Barreto pelos ambientes paulistanos (O Casamento de Romeu e Julieta e Caixa 2); logo se verifica a raridade do humor, traço tão ausente quanto visões conciliadoras ou desfechos com garantias de bem estar. Há quase sempre uma ausência, uma perda, um trauma, mortes, uma incapacidade de crer sem desconfianças. Sem abrir mão dessas características, as narrativas para as quais o trânsito é uma questão- chave coloca os percursos dos personagens em uma zona de deslocamento, entre um lugar e outro, entre uma coisa e outra, mantendo essa mesma indeterminação do movimento em seus finais. Indeterminação porque, no deslocamento permanente dos personagens (literal e

11 dramaticamente), só há alguma certeza sobre os rumos desse movimento quando se tomba em trânsito. Caso contrário, o trânsito é o estado de vagar : estágio a ser superado, a própria imagem de percurso dramático, com acelerações, esperas, suspensões de movimentos e acidentes. O espaço público das narrativas paulistanas é o do deslocamento e o espaço do descolamento compreende a imobilidade e o risco de vida. Mover- se é a condição e o preço a se pegar nessas narrativas. Cléber Eduardo Revista Cinética - Setembro de 2008 Disponível em Amores Brutos (2000), de Alejandro González Iñárritu Caos Urbano: a estética pós- moderna em "Amores Perros" Dra. Fabiane Pianowski1 - Universidad de Barcelona Resumo A cidade é cenário freqüente das produções cinematográfica, porém em alguns casos sua força narrativa é tamanha que acaba por protagonizar a cena. Portanto, a forma de apresentação escolhida pelo diretor pode nos mostrar qual conceito estético embasa a trama. A estética pós- moderna nos mostra uma cidade dilacerada, fragmentada, violenta e caótica e é desta forma que Alejando González Iñarritu nos apresenta a urbe no filme Amores Perros. No presente ensaio se realizou uma análise teórico- reflexiva na tentativa de compreender como a estética pós- moderna está colocada no filme. Palabras- clave postmodernidad, ciudad, cine, estética, caos Palavras- chave pós- modernidade, cidad, cine, estética, caos

12 A cidade, dentro da linguagem cinematográfica, é um elemento usado freqüentemente, afinal ela é o local onde, geralmente, a ação se desenrola. É na cidade onde a maioria das populações contemporâneas vive ou mantém contato. Segundo o historiador Giulio Carlo Argan2, o meio rural pode ser considerado urbano, na medida em que ambos, meio urbano e rural, fazem trocas e, também, pela capacidade do primeiro em penetrar nas casas, principalmente através da mídia, especialmente, pelas vias radiofônica e televisiva. Não são, portanto, só as metrópoles referências quando se trata do tema cidade, mas também as cidades de pequeno e médio porte e seus entornos rurais. Neste sentido, é esperado que o meio urbano seja cenário usual das produções cinematográficas e que, além disso, contracene como coadjuvante ou protagonista dessas produções, confirmando o processo dialético no qual nós construímos a cidade na medida em que a mesma nos constrói. Nas produções, artísticas ou não, de modo geral, é a imagem da cidade enquanto metrópole que se sobressai, na medida em que essa se coloca como um estereótipo de cidade a ser seguido por todos. Na década de 1960, Lewis Munford3 já teorizava a respeito das conseqüências das grandes metrópoles em ditar as modas e costumes, e em inferiorizar e descartar como provinciano tudo o que se diferenciasse dos hábitos dos grandes centros. Ilusora de pessoas de outros lugares, a cidade e sua fama vai além dos mares, como confirmaria poeticamente Chico Science4. Na cidade contemporânea, enquanto metrópole ou desejo de sê- la, as vidas passam velozmente, cruzam- se, mas não há tempo para conhecer esses cruzamentos e cada um segue seu caminho sem olhar para o lado, sem perceber a grande teia da qual faz parte. Portanto, analisar a imagem urbana, a vida que nela transcorre e suas relações, como uma rede intrincada e quase imperceptível, é o principal objetivo do presente ensaio, que, sob esta ótica, pretende pensar o fragmento ser/estar urbano característico da estética pós- moderna, ou seja, a simultaneidade existencial desconhecida que toca a todos e que é tratada de forma contundente no filme Amores perros 5 de Alejandro González Iñarritu. Esse filme é extremamente contemporâneo, não só por ter sido produzido neste início de século, mas sim, e principalmente, pelo tema e pela abordagem que faz do mesmo. A linguagem utilizada pelo diretor é realista na dureza das imagens, ao mesmo tempo em que se exacerba na fragmentação e não- linearidade do enredo, de modo a evidenciar uma estética pós- modernista. Segundo Martin Weinreich6, o modernismo na linguagem cinematográfica caracterizou- se por filmes sem linearidade narrativa, mostrando- se de maneira experimental e fragmentada, sendo essa expressão geralmente usada para os filmes experimentalistas europeus das décadas de 60 e 70, tal como a Blow- up (1966), de Michelangelo Antonioni e La Dolce Vita

13 (1960), de Frederico Fellini. Pós- modernismo, para Frederic Jamenson7, seria a extensão desta estética, na medida em que o modernismo é absorvido pela academia e o pós- modernismo passa então a se colocar como a nova linguagem de ruptura, atualizando este sentido. Breve entendimento da estética pós- moderna Discorrer sobre pós- modernismo é difícil porque não há um consenso sobre o que ele realmente seja. Sua concepção é plural, assim como a sua própria estrutura. Além do mais, divide conosco um mesmo tempo, de modo que sua conceituação não está de fato construída, mas se encontra em plena fase de elaboração. Portanto, sua descrição e definição são prenhes de ambigüidades e incertezas. Os sentimentos modernistas podem ter sido solapados, desconstruídos, superados ou ultrapassados, mas há pouca certeza quanto à coerência ou ao significado dos sistemas de pensamento que possam tê- los substituídos. Essa incerteza torna peculiarmente difícil avaliar, interpretar e explicar a mudança que todos concordam ter ocorrido. 8 A sensação é de que vivemos num misto de eterno déjà vu com imanente novidade, e estas duas condições determinam os modos de ver a pós- modernidade. Segundo Marshall Berman9, por exemplo, a modernidade é perpétua desintegração e renovação, agitação e angústia, ambigüidade e contradição. Desse modo, o autor a considera interminável, não havendo para ele pós- modernidade, pois é a própria ausência e incerteza de finitude que faz com que a modernidade se retroalimente e sobreviva nas suas contradições: O processo de modernização, ao mesmo tempo que nos explora e nos atormenta, nos impele a aprender e a enfrentar o mundo que a modernização constrói e a lutar para torná- lo o nosso mundo. Creio que nós e aqueles que virão depois de nós continuarão lutando para fazer com que nos sintamos em casa neste mundo, mesmo que os lares que construímos, a rua moderna, o espírito moderno continuem a desmanchar no ar.10 O pós- modernismo, portanto, ao contrário de ser considerado como uma ruptura como o modernismo que o precedeu, é visto como uma extensão deste mesmo pensamento, que, segundo Ann Kaplan11, é meramente um estado transacional entre o romantismo do século XIX e a era atual, já que especialmente nas artes, como afirma Jamenson, as subversões deixam de sê- las e passam a ser usadas na expressão pós- modernista, a partir do momento em que os modernistas são absorvidos pela academia. O reconhecimento dessas subversões, de acordo com o mesmo autor, ocorrerá na mudança de postura, pois ainda que a arte contemporânea tenha todas as mesmas características formais do antigo modernismo, ela alterou fundamentalmente sua posição em nossa cultura 12.

14 David Harvey, por sua vez, corrobora, em parte, com estas concepções a respeito da pós- modernidade, pois, para o autor, ao mesmo tempo em que ela significa a intensificação de alguns processos iniciados na modernidade - como a compressão do tempo- espaço e a ênfase na efemeridade, na fragmentação, no individualismo, na estética e no aspecto quantitativo - ela é também, sob uma ótica otimista, uma reação a estes valores. Ao contrário da modernidade, a pós- modernidade não nega o passado e a tradição, mas promove um novo olhar sobre ambos como forma de preservar a identidade individual e coletiva; tenta resgatar a espiritualidade sem deixar de lado a razão; assume a estratégia pluralista de respeito às diferenças e atenção à alteridade no processo de compreensão e apreensão do mundo. Como afirma o autor: O retorno do interesse por instituições básicas (como a família e a comunidade) e a busca de raízes históricas são indícios da procura de hábitos mais seguros e valores mais duradouros num mundo cambiante. 13 Quanto à periodização da pós- modernidade, Jamenson14 assume que a mesma ficaria em torno dos anos de 1960, quando há uma academização da arte moderna. Mike Featherstone concorda com esta idéia, pois coloca que o termo pós- modernismo teve sua popularidade na década de 60, em Nova York, quando foi usado por jovens artistas, escritores e críticos 15. É neste período também que surgem os movimentos contraculturais como o manifesto hippie, o ambientalismo, o feminismo e o pacifismo, indicando com isto uma mudança, ou tentativa de mudança, de postura frente ao que até então se apresentava. Torna- se importante distinguir aqui os termos pós- modernidade e pós- modernismo. Pós- modernismo é um conceito que, com o sufixo ismo, assume uma classificação tipológica dirigida aos produtos resultantes de uma dimensão estética. O que é completamente o oposto da noção de pós- modernidade, que num primeiro momento designa um período de tempo. É possível discernir ligações entre pós- modernismo e pós- modernidade: pós- modernismo se constrói sobre experiências da pós- modernidade, como urbanização, industrialização, tecnologia e informação. É uma característica do pós- modernismo se apropriar da condição de incerteza e assimetria. A realidade é percebida como rompimento, o homem é alienado e coisificado. Nestas condições é necessário aparecer para o indivíduo pós- moderno o preenchimento do vazio, criando- se, assim, uma nova ordem.16 Há, segundo Jamenson17, uma íntima relação do termo pós- moderno com as novas configurações da sociedade, que passa, após a Segunda Guerra Mundial, a ser descrita como

15 sociedade pós- industrial, sociedade de consumo, sociedade da mídia, sociedade do espetáculo etc. A tecnologia que irá imperar nesta nova sociedade será a da informação. O pós- modernismo ao colocar a ênfase na informação acaba por possibilitar, tanto na ciência como na arte, um vale tudo. Esse tudo vale é caracterizado por Teixeira Coelho18, a partir de Paul Feyerabend19, como o processo de inclusivismo, que tenta dar conta da complexidade dos tempos atuais. Esse inclusivismo resulta, de acordo com Coelho20, no sistema de Paralaxe, que, enquanto procedimento de análise consiste em dispor, lado a lado, blocos de significação sem que fique explícita a relação que os une. E é dessa maneira, portanto, que a arte pós- moderna se apresenta, como uma miscelânea de contradições, como afirma Featherstone21: Dentre as características centrais associadas ao pós- modernismo nas artes estão: a abolição da fronteira entre arte e vida cotidiana; a derrocada da distinção hierárquica entre a alta- cultura e a cultura de massa/popular; uma promiscuidade estilística, favorecendo o ecletismo e a mistura de códigos; paródia, pastiche, ironia, diversão e a celebração da ausência de profundidade da cultura; o declínio da originalidade/genialidade do produtor artístico e a suposição de que a arte pode ser somente repetição. As características acima expostas vão ao encontro das colocações feitas a respeito do inclusivismo pós- moderno. O enfoque dessas colocações voltado para a estética pós- moderna possibilita que no campo das artes, em qualquer uma de suas linguagens - como no cinema por exemplo, as contradições caminhem juntas, rompendo- se com os preconceitos, somando tudo a tudo, sem regras do que pode ou não valer. Tudo já foi criado, não se inventa mais a roda, assim o que se pode fazer é a reinvenção embasada no rompimento das barreiras. Rompimento esse que não significa negação, mas sim, inclusão revigorada, revisitada, renascida. Não há mais arte individual, não há mais arte coletiva, há sim o somatório de todas as posturas, na qual tudo é válido, tudo se torna possível. O artista não se vê mais obrigado a procurar aquilo que ainda não foi feito e sente- se em liberdade para voltar- se na direção que bem entender 22. Sinopse de Amores perros Na imensa cidade do México ocorre um acidente automobilístico fatal, no qual três vidas se chocam e nos revelam a animalidade da natureza humana.

16 Octávio, um jovem adolescente sem perspectivas, decide fugir com Suzana, a esposa do seu irmão. A fim de concretizar seu plano, converte Cofi, o cão também propriedade de seu irmão, num cruel veículo, usando- o em rinhas de cães, para conseguir o dinheiro necessário para poderem escapar juntos, complicando ainda mais o dramático triângulo amoroso, no qual o amor clandestino se converte num caminho sem volta. Ao mesmo tempo, Daniel, um homem de 42 anos, deixa sua esposa e suas filhas para ir viver com Valéria, uma jovem modelo. No mesmo dia em que ambos festejam sua nova vida, o destino conduz Valéria a envolver- se brutalmente no trágico acidente. As seqüelas são grandes e ela passa a estar presa a uma cadeira de rodas, tendo seus movimentos limitados e a beleza abalada. A vida de Daniel, que caminhava para a plena felicidade, desaba e se transforma num inferno de desespero e desencanto. Richi, o pequeno cão de Valéria, evidencia e exacerba esse inferno ao ficar preso debaixo do assoalho. Por último, no local do acidente, chega El Chivo, um ex- guerrilheiro comunista que depois de vários anos encarcerado e decepcionado com a vida, se torna um matador de aluguel. Ele é o modelo do desencanto e da amargura, que tem somente nos cães seus amigos fiéis. Por isso, a única vida que lhe interessa é a de Cofi. Mas, paradoxalmente, este encontro lhe abre a possibilidade de reconciliar- se consigo mesmo e com o seu doloroso passado. A história se passa num ritmo veloz, na qual as três vidas são construídas paralelamente e a princípio sem nenhuma relação umas com as outras. A rede de ligações vai surgindo na medida em que o enredo se desenrola e culmina com o entendimento do trágico acidente que costura a trama e pelo qual as vidas se cruzam e seus destinos se coligam. Caoticidade da cidade pós- moderna. Amores perros é um filme cidade. Ele é sobre a cidade e a existência humana na cidade sobre como a cidade está na vida e como a vida está na cidade. A cidade aqui não é idílica; ela é dominada pela inquietude, agitação, barulho, sujeira e sofrimento, resultado de uma cultura desintegradora. A cidade em que o homem é sozinho e alienado. A cidade onde a natureza é ausente. A cidade modelada na Babilônia, contrária ao paraíso de Jerusalém. A cidade como um inferno. A cidade é o berço da modernidade, pois foi neste e por este cenário que a industrialização e a urbanização se sedimentaram. Se, como afirmam os autores, a pós- modernidade é ao mesmo tempo uma continuação e um rompimento com a modernidade, seu cenário continua sendo a cidade, na qual as características da modernidade são exacerbadas e adquirem uma violência aterradora que tenta incessantemente romper com esta situação. Palco do transitório e do

17 efêmero, espaço de constante mudança e transformação, na cidade contemporânea o caos é a ordem. E é deste modo que a cidade de Amores perros se apresenta, instável e cheia de contradições, uma cidade pós- moderna, em que os aspectos negativos dessa condição são evidenciados: barulho, caos, intranqüilidade, miséria, solidão, velocidade etc. Sendo que as qualidades típicas que caracterizam a pós- modernidade como a fragmentação, multidão, alienação e insensatez estão na cidade revelada pelo filme, a maior cidade de todas, a cidade do México. A estrutura da cidade é também descrita de forma negativa, pois ela é constituída de elevados índices criminais, drogas, prostituição, insanidade, espaços ilegais, violência e coisas semelhantes. Nesta cidade é constante o domínio do ruído proveniente das discussões, das sirenes, dos carros velhos e dos acidentes. A polícia está visivelmente ausente e a animalidade deste caos é salientada pelas brigas de cães que norteiam todo o filme. Caracteristicamente, a família, o pilar da sociedade é, do mesmo modo que a cidade, desintegrada. Não há no filme uma simples família convencional e feliz. Octávio é apaixonado pela mulher do seu violento irmão. Daniel está se separando para morar com uma mulher mais jovem e mais bela. El Chivo há muito abandonou sua mulher e filha e perambula pela cidade acompanhado por seus cães, sua família são os cães e a imagem da filha que deixou. A simbólica ordem, que mantém a sociedade unida, torna- se desestabilizada e suas leis, normas e valores se fazem indiferentes. El Chivo é o protagonista do filme. Fato que só será percebido pelo espectador da metade do filme em diante, pois a partir de então sua vida, seu resgate do passado torna- se central na trama. Até então, as três histórias que se ligavam através do acidente se davam de forma paralela, sem predominância de uma sobre a outra. O acidente é o ponto de início do filme, pois as primeiras imagens mostram esta cena que se repetirá ao longo do filme, sob o enfoque diferente de cada um dos envolvidos. O mais interessante desta opção do diretor é nos mostrar como influenciamos as vidas que nos rodeiam sem sequer tomarmos conhecimento disso, ou seja, o quanto um ato nosso pode influenciar pessoas que muito provavelmente não chegaremos a conhecer. Esta é a configuração dos grandes espaços urbanos, uma massa de isolamentos que paradoxalmente preenche uma mesma lata. O inferno urbano é na verdade um inferno pessoal, em que cada indivíduo possui o seu próprio pedaço de sofrimento na construção do grande caos. O filme nos mostra a visão subjetiva e ao mesmo tempo crua da grande cidade através da música, das cores, das dores de cada um dos personagens, em especial de El Chivo. Nós, espectadores, a princípio não sabemos muito sobre aquele que será o protagonista da trama, El Chivo. Pouco a pouco, vamos conhecendo o seu passado, quem ele é (ou pensa que

18 é) e de onde veio. A primeira impressão de que sua vida não é nada social será confirmada no decorrer da estória. Posteriormente, descobre- se que ele possui uma família em algum lugar, mas que evita manter contato com ela. Os cães e as imagens do passado são suas únicas companhias. Ele é, portanto, o resumo da cidade isolada sozinho e incapaz de se comunicar com o mundo que o rodeia. O filme é muito realista, afinal quando o assistimos temos a impressão de que a vida urbana ali descrita é real. De forma que, os ingredientes realistas, como a batida dos carros trabalhada expressivamente, recorrem ao movimento rápido e repetitivo e nos chega como a informação exacerbada da pós- modernidade: repetida, exagerada, lobotomizando para reafirmar o estado das coisas. A música de Gustavo Santaolalla salienta o sentimento de fragmentação e ameaça a cidade. A música muda abruptamente de bonitas e líricas passagens para profundos e sinistros tons, se encaixando perfeitamente aos diferentes enquadramentos e seqüências do filme. Ela suporta a ação e cria uma atmosfera assustadora para algo ameaçador que está para ocorrer. Considerações finais O sistema de Paralaxe de Coelho, referido anteriormente, no qual coisas a princípio sem lógica são dispostas lado a lado, está presente no filme e talvez resida aqui a maior característica da estética pós- moderna. Uma vez que, as histórias vão se colocando como que desvinculadas, sem relação aparente, em que a lógica só vai sendo compreendida na medida em que as peças vão se encaixando no enorme quebra- cabeça que se apresenta, mas não de maneira explícita e linear e sim de acordo com o próprio entendimento do espectador, que une mentalmente as estórias a fim de dar linearidade à trama e alcançar o seu entendimento. Por se apresentar de maneira tão realista e ao mesmo tempo jogar com os acasos de possibilidades, não há um fim, mas aquela sensação de que a estória continua e pode estar ocorrendo ao meu ou ao seu lado. Desta forma, o filme Amores perros tem uma relação intrínseca com a vida na cidade real, porque coloca o espectador frente a frente ao seu modus vivendi, de maneira nua e crua, situando- o no caos urbano da cidade pós- moderna. Fecha de Recepción: 5 de Enero de 2008 Fecha de Aceptación: 22 de Febrero de Doctoranda en Historia, Teoría y Crítica del Arte en la Universidad de Barcelona. Possui graduação em Oceanologia pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (1998), graduação em Artes Visuais Licenciatura pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande

19 (2003) e mestrado em Educação Ambiental pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2004) e atualmente é doutoranda em História, Teoria e Crítica da arte na Universidade de Barcelona. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Visuais, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, história da arte, arte- educação, educação ambiental e produção cultural. 2 ARGAN, G. C. A história da arte como a história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, MUNFORD, L. A cidade na história. São Paulo: Martins Fontes, CHICO Science & Nação Zumbi. Da lama ao caos. Manaus: Sony, 199?. 1CD, digital, estéreo. Acompanha livreto. 5 AMORES Perros. Direção: Alejandro Gonzáles de Iñarritu. México, WEINREICH, M. The urban inferno. On the aesthetics of Martins Scorcese s Taxi Driver. Point of view: The art of film editing, n. 6, dezembro de JAMENSON, F. O pós- modernismo e a sociedade de consumo. In: KAPLAN, A. (org.). O mal estar no pós- modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p HARVEY, D. Condição pós- moderna. São Paulo: Loyola, p BERMAN, M. Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, p BERMAN, 1986, p KAPLAN, A. Introdução. In: (org.) O mal estar no pós- modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p JAMENSON, 1993, p HARVEY, 2000, p JAMENSON, FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós- modernismo. São Paulo: Studio Nobel, p WEINREICH, JAMENSON, F. Pós- modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, COELHO, T. Moderno Pós- moderno. Porto Alegre: L&PM, FEYERABEND, P. Contra o método: esboço da teoria anárquica da teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: F. Alves, COELHO, 1987, p FEATHERSTONE, 1995, p COELHO, 1987, p.136.

20 Revista Observaciones Filosoficas Disponível em "Amores Brutos" mostra pobreza meio pernóstica Alejandro González Iñárritu gosta de histórias em que várias histórias paralelas se encontram, de preferência a partir de acidentes, e não necessariamente em sincronia paralela. Iñárritu não cultiva a herança melodramática do cinema mexicano nem as comédias. Seus filmes parecem dever bem mais a Quentin Tarantino. São sérios e também violentos, como "Amores Brutos" (Telecine Cult, 22h), em que, se podemos buscar um centro, talvez ele seja as lutas de cachorros. Mas o deslocamento do espectador é ao menos em parte o fundamento de seus filmes. No caso de "Amores Brutos", há também a pobreza (e o contraste com a riqueza, bem entendido). Não a pobreza íntegra que vitimava Pedro Armendáriz nos melôs românticos de Emilio Fernandez. Trata- se de uma pobreza realista, sem charme, com pessoas se decompondo à nossa frente. O charme, ao menos para quem é tocado por ele, vem da construção. Que a mim, francamente, parece apenas meio pernóstica. Inácio Araújo Folha de S. Paulo 26 de abril de 2007 Disponível em O Cinema mexicano volta a surpreender É bom começarmos a prestar mais atenção nos filmes que estão saindo do México. De uns tempos para cá, eles têm sido uma sucessão de obras cinematográficas com um estilo muito próprio e ao mesmo tempo de um apelo universal surpreendente. No Festival de Sundance, por exemplo, há pelo menos uns dois ou três anos que o cinema mexicano tem levado para casa todos os prêmios destinados ao cinema latino- americano, com filmes da qualidade de Santitos, A Lei de Herodes e Ninguém Escreve ao Coronel. Agora é a vez de Amores Brutos (Amores Perros), finalmente lançado por aqui um ano depois de Cannes 2000 ter dado a ele o Prêmio Especial da Crítica, apesar das suas quase três horas de duração, coisa que geralmente os críticos não morrem de amores. Na sessão especial para a imprensa no último Festival de Nova York as reações mostraram que Amores Brutos poderia ser até mais longo e continuaria agradando mesmo assim.

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

Fotografias de Raquel Porto

Fotografias de Raquel Porto Fotografias de Raquel Porto A RAPARIGA QUE SABIA ANTES Não se lembra da primeira vez que aconteceu. Foi talvez na infância, não se lembra ao certo. Para ela sempre foi assim. Vê as coisas acontecerem antes

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

Maria Beatriz, 12ºA, nº23

Maria Beatriz, 12ºA, nº23 Estes dois irmãos sofrem, obviamente, com os acontecimentos do passado, uma nãoinfância : duas crianças que tiveram de crescer sozinhos, cuidar um do outro e, juntos do irmão mais novo, lidar com uma mãe

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito"

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito lazer // Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito" A pintora vai inaugurar uma exposição, em Setembro. O pretexto ideal para nos lançarmos à conversa com

Leia mais

Assim Foi um Dia PERSONAGENS

Assim Foi um Dia PERSONAGENS Assim Foi um Dia PERSONAGENS APRESENTADOR (Carlos Roberto): Alegre, enérgico. Movimenta- se bastante no palco e mexe com o público com sua performance. Apresenta um programa educativo, que busca exemplos

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying Dirigido ao ensino secundário 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo - Sinopse e ficha técnica Na vida, como no Facebook, os gostos

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

É O AMOR, de João Canijo

É O AMOR, de João Canijo É O AMOR, de João Canijo por Daniel Ribas Da experiência do amor: um filme-processo Em 2012, o festival de cinema Curtas Vila do Conde organizou o Campus / Estaleiro, um intenso programa com estudantes

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O que mobiliza esta aula é a vida cotidiana, o significado da casa e da vida doméstica, da rua e do espaço público como conformadores de nosso

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas.

ÁLCOOL E JOVENS. O que um jovem precisa saber. para evitar problemas. ÁLCOOL E JOVENS O que um jovem precisa saber para evitar problemas. Cerveja, vinhos, caipirinha, chope: elementos da vida cotidiana de muita gente. Essas bebidas ajudam a celebrar datas festivas, a selar

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

A SOCIEDADE E SEU RITMO

A SOCIEDADE E SEU RITMO UNIVERSIDADE FUMEC FACULDADE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E DA SAÚDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA PROJETO INTEGRADOR A SOCIEDADE E SEU RITMO Professora: Dunya Azevedo Aluno: Bruno do Val Benes

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

M EDo Lorena Vinturini Há muros que separam nações, há muros que dividem pobres e ricos. mas não há hoje no mundo um muro que separe os que têm medo dos que não têm medo. Mia Couto aos corajosos A

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Literatura e suportes contemporâneos: algumas questões e um relato espantoso 1

Literatura e suportes contemporâneos: algumas questões e um relato espantoso 1 Literatura e suportes contemporâneos: algumas questões e um relato espantoso 1 Ricardo Azevedo 2 Antes de mais nada, gostaria de tentar desfazer uma confusão. Nos dias de hoje, a ideia de interatividade

Leia mais

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa

Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Seu Dinheiro Como ter mais dinheiro e mais tempo, segundo Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa Mais do que garantir uma boa poupança ou otimizar a agenda, aprenda a juntar as duas coisas e fazer seu tempo

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Carlos MACEDO¹, Jerônimo PIRES¹ Letícia KIRALY¹ Mauro BORGES¹ Chico GARCIA¹ Paulo FINGER² Valéria DELUCA² Maria MELÃO²

Carlos MACEDO¹, Jerônimo PIRES¹ Letícia KIRALY¹ Mauro BORGES¹ Chico GARCIA¹ Paulo FINGER² Valéria DELUCA² Maria MELÃO² Documentário Asilo: Onde estarão suas famílias? Carlos MACEDO¹, Jerônimo PIRES¹ Letícia KIRALY¹ Mauro BORGES¹ Chico GARCIA¹ Paulo FINGER² Valéria DELUCA² Maria MELÃO² Centro Universitário Metodista IPA,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Ressonâncias do Medo na Urbanidade em O Som ao Redor

Ressonâncias do Medo na Urbanidade em O Som ao Redor Ressonâncias do Medo na Urbanidade em O Som ao Redor Por Bruno Saphira O diálogo entre cinema e urbanidade é tão antigo quanto o próprio cinema, e poderemos ver certamente formas diversificadas de abordar

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

Destaque em Que horas ela volta?, Camila Márdila volta ao set

Destaque em Que horas ela volta?, Camila Márdila volta ao set Destaque em Que horas ela volta?, Camila Márdila volta ao set Em 'Altas expectativas', ela vive um romance com Gigante Leo por Josy Fichberg 14/02/2016 7:00 Gigante Leo e Camila Márdila no set de Altas

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

José, o coleciona-dor¹. Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR

José, o coleciona-dor¹. Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR José, o coleciona-dor¹ Caio César Budel 2 Letícia Olher Ferrari 3 Fabiana Alves 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná, Guarapuava, PR Resumo O trabalho José, o coleciona-dor foi desenvolvido

Leia mais

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE Fotografia: Rumos 1 Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE RESUMO O presente artigo descreve o processo criativo e produtivo da fotografia de capa da revista A Ponte

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas MIGUEL GONÇALVES MENDES José e Pilar Conversas inéditas Copyright 2011 by Quetzal Editores e Miguel Gonçalves Mendes Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES 700 LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES Fabiana Raphaelli Dias Michels 1 RESUMO: Este artigo descreve uma cena recorrente no centro de Porto Alegre. Trata-se de um evento de

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas A EDUCAÇÃO ESPÍRITA Roteiro 5 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Indicar as diferenças existentes entre instrução e

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Testemunha 4 Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Sinopse Uma personagem, uma atriz e o passar das horas em um interrogatório do Holocausto. Apresentação O documentário acompanha a trajetória

Leia mais

VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA. Rio de Janeiro

VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA. Rio de Janeiro VIDA ETERNA NO REIKI WILTON RIBEIRO DA SILVA Rio de Janeiro 2 0 1 0 S U M Á R I O 1. INTRODUÇÃO 03 2. VIVER ETERNAMENTE 04 3. MÉTODO REIKI DE ENERGIA CÓSMICA 15 4. VIDA APÓS A MORTE 30 5. VIDA CRISTÃ 35

Leia mais

Toda Beleza na TV. Ana Mae Barbosa, Professora titular ECA-USP e Anhembi Morumbi dirigiu o MAC-USP e foi presidente da INSEA-UNESCO e da ANPAP

Toda Beleza na TV. Ana Mae Barbosa, Professora titular ECA-USP e Anhembi Morumbi dirigiu o MAC-USP e foi presidente da INSEA-UNESCO e da ANPAP Toda Beleza na TV. Ana Mae Barbosa, Professora titular ECA-USP e Anhembi Morumbi dirigiu o MAC-USP e foi presidente da INSEA-UNESCO e da ANPAP Os doze programas especiais para a Série Toda Beleza do canal

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero 4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero Neste capítulo, apresentamos a análise dos dados oriundos do contato estabelecido com leitores, editores e críticos, a fim de conhecermos sua visão

Leia mais