Análise ergonômica do trabalho de motociclistas profissionais da cidade de Viçosa-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise ergonômica do trabalho de motociclistas profissionais da cidade de Viçosa-MG"

Transcrição

1 Análise ergonômica do trabalho de motociclistas profissionais da cidade de Viçosa-MG José de Fátima Juvêncio Professor do Departamento de Educação Física - (UFV) - Resumo: A ergonomia tem sido utilizada, pelas ferramentas de que dispõe, para auxiliar os pesquisadores e outros usuários para a prevenção e falhas e possíveis danos ao ser humano trabalhador. Os motociclistas profissionais constituem uma categoria relativamente nova para o enfoque ergonômico. A profissão tem sido abordada apenas em revistas apenas sob o ponto de vista de acidentes de transito. Os objetivos nesta pesquisa foram: conhecer os indicadores do perfil profissional dos sujeitos da amostra (fatores humanos);e analisar, através da análise ergonômica do trabalho (AET), o trabalho do motociclista prestador de serviço na cidade de Viçosa. Esta pesquisa caracterizou-se como um estudo de caso, descritivo longitudinal, de abordagem quantitativa e qualitativa, e numa perspectiva exploratória buscando ampliar a informação sobre algumas variáveis a respeito dos sujeitos amostrados. A amostra do estudo foi formada por 38 sujeitos, selecionados aleatoriamente. A abordagem ergonômica denotou aspectos comuns entre os profissionais que utilizam o ambiente laboral do transito como sua área, onde todos os perigos foram mencionados, e, em comparação com os resultados do questionário de Fatores Humanos nada foi realçado em significância.a população profissional focalizada nesta pesquisa precisa ter melhor atendimento medico e ser melhor orientada em relação ao desempenho das tarefas de transportar mercadorias em suas motocicletas. Palavras-chaves: motociclista profissional; ergonomia e análise ergonômica do trabalho. 1. Introdução à temática da pesquisa Já há algum tempo as questões com gerenciamento do meio ambiente, seres humanos, trabalho, saúde ocupacional e segurança têm sido alvo de pesquisas e estudos visando à implementação tanto da qualidade dos serviços prestados nas diversas áreas de atuação, como também, sem deixar de merecer crédito, a saúde e a segurança do trabalhador e sua circunvizinhança. A ergonomia tem sido utilizada, pelas ferramentas de que dispõe, para auxiliar os pesquisadores e outros usuários para a prevenção e detecção de falhas e possíveis danos ao ser humano trabalhador. Dentro deste aspecto alguns detalhes do cotidiano podem passar despercebidos, mas que vêm pontuar ações administrativas em todas as localidades onde existe uma população habitada. Assim é o caso do serviço prestado por motociclistas (denominados popularmente de motoboys ) na cidade de Viçosa Minas Gerais. 1

2 A problemática que envolve tal atividade laboral já foi estudada por alguns ângulos de observação e por diferentes segmentos da comunidade brasileira. No estudo de Diniz (2003) percebe-se que: os motociclistas profissionais constituem uma categoria relativamente nova. Em pesquisa realizada, notou-se que a profissão, até o momento, tem sido abordada apenas em revistas semanais e jornais. Nas revistas especializadas em motofrete, as abordagens versam sistematicamente sobre os problemas relativos à inexistência de regulamentação da categoria em algumas cidades, sobre os valores monetários para frete e sobre o piso salarial estabelecido em acordos coletivos (DINIZ, 2003). No entanto, em cidades com menos de (cem mil) habitantes, como é o caso de Viçosa MG, alguns estudos ficam limitados à ocorrência de acidentes e seu desenvolvimento no âmbito administrativo municipal. Muitos jovens e adultos (na sua maioria desempregada) podem sonhar com uma alternativa laboral com uso da motocicleta. Esta percepção em Viçosa já está ao nível de senso comum, não é necessário pesquisar para notar que esta população existe e precisa de trabalho. Corroborando com esta afirmativa Pochmann (1999), em seu estudo afirma que: no Brasil, o desassalariamento crescente da população economicamente ativa e a expansão do trabalho informal têm ocorrido paralelamente à ausência de estimulo à industrialização, à inexistência de políticas macroeconômicas para reinserção internacional do País e ao enfraquecimento do estatuto do trabalho (POCHAMANN, 1999). Novamente Diniz (2003) afirma, ainda, que dessa forma, os desempregados e os jovens inexperientes que compõem o mercado informal da economia encontram nas demandas crescentes de serviços que estabeleçam a conexão fornecedor-cliente, uma alternativa para a restrição do emprego noutras áreas. Mediante o que foi escrito acima o presente estudo pretende conhecer os indicadores do perfil profissional dos sujeitos da amostra (fatores humanos) e analisar, através da análise ergonômica do trabalho (AET), o trabalho do motociclista prestador de serviço na cidade de Viçosa. 2. Material e método 2.1 Caracterização do estudo e considerações gerais Esta pesquisa caracterizou-se como um estudo de caso, descritivo longitudinal, de abordagem quantitativa e qualitativa, e numa perspectiva exploratória buscando ampliar a informação sobre algumas variáveis a respeito dos motociclistas prestadores de serviço com relação ao seu trabalho e sua saúde ocupacional. Conforme Barbetta (1998), quando os possíveis resultados de uma variável são atributos ou qualidades, a variável é dita qualitativa. As perguntas extraídas do questionário utilizado na presente pesquisa apresentam esta característica, pois seus dados são 2

3 categorizados, indicando certas qualidades / atributos. O presente estudo foi realizado na cidade de Viçosa, distante 240 km da capital mineira (Belo Horizonte), com representação total de trinta e oito sujeitos, todos do sexo masculino. A jornada de trabalho dos sujeitos amostrados é muito variada, em decorrência do produto que entrega, podendo ser de 08h00min horas até as 18h00min horas, como também em regime de 24 horas ( all time ). Estes horários também variam nos dias da semana, tanto indo de segunda-feira até sexta-feira, como todos os dias independentemente. Os trabalhadores da amostra efetuam tarefas que envolvem pressão temporal (cumprimento de prazos), requisição mental e processo de tomada de decisão, além de uma qualificação especial ao lidar com trânsito na cidade. Ainda, fazia parte das tarefas dos trabalhadores o atendimento individualizado ao cliente e, por conseguinte, o gerenciamento de informações para as ações diárias. Neste item o fator relacionamento com o cliente merece uma atenção discriminada. De acordo com a Classificação Brasileira de Ocupações (BRASIL, MTE, CBO, 2006), os profissionais motociclistas têm o código número e a denominação de Motociclista no transporte de documentos e pequenos volumes Motoboy e desempenham as seguintes funções: Coletam e entregam documentos, valores, mercadorias e encomendas. Realizam serviços de pagamento e cobrança, roteirizam entregas e coletas. Localizam e conferem destinatários e endereços, emitem e coletam recibos do material transportado. Preenchem protocolos, conduzem e consertam veículos. 2.2 População e amostra A amostra do estudo será formada por motociclistas prestadores de serviços, na cidade de Viçosa, num total de 38 (trinta e oito) sujeitos, selecionados aleatoriamente numa população estimada de 180 (cento e oitenta) profissionais que atendiam as exigências para fazer parte na amostra. Esta amostra foi calculada (anexo 2) tendo por base enquête sumária sobre idade e tempo na profissão onde se aplicou fórmula desenvolvida por Costa Neto (1997) em que: sendo: t 2. s e n i = 2 2 n i = o número de sujeitos; t = coeficiente tabelado (distribuição de Student); s = a variância; 3

4 2.4 Procedimentos e = precisão estatística desejada (5% de erro máximo). Para caracterização do perfil dos participantes foi utilizado um questionário devidamente testado e validado em outros estudos conduzidos por este orientador. Foi elaborado com questões fechadas, mescladas, com o propósito de delinear os fatores humanos e funcionais gerais. 3. Resultados e discussão 3.1. Perfil profissional dos participantes do estudo No primeiro objetivo da pesquisa (conhecer os indicadores do perfil profissional dos sujeitos da amostra - fatores humanos) foi possível apurar a idade em anos (25,07 ± 6,92) e o tempo em meses (33,47 ± 31,46). Estes dados revelam uma categoria bastante jovem empregada nesta profissão ao mesmo tempo em que denota a variabilidade de se estar empregado, mostrando a dificuldade de emprego na cidade de Viçosa e a concorrência para este tipo de trabalho. A grande variabilidade de tempo na profissão reflete a situação do trabalho formal no País e, sem surpresas, também o é no município pesquisado. Resultados semelhantes foram encontrados na pesquisa da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET, 1992) onde 65,59% dos entrevistados tinham entre 21 e 30 anos. Nessa pesquisa em São Paulo os solteiros representavam a maioria, ou seja, 73,09% e na pesquisa em Viçosa os números são idênticos, ou seja, foram encontrados 78,94% solteiros e 21,06% casados. Com relação à escolaridade, 28,94% (11 sujeitos) haviam concluído o ensino fundamental e 71,06% (vinte e sete motoboys) terminaram o ensino médio. Nenhum cursou o ensino superior na presente pesquisa. A grande maioria (34) tem predominância manual destra, contra apenas 4 motociclistas que são canhotos. Este detalhe parece não ter relação direta com o desenvolvimento da profissão, porém os canhotos comentaram da dificuldade em aprender a conduzir a motocicleta que tem os comandos direcionados para pessoas destras. No quesito remuneração salarial, 21 sujeitos consideram sua renda total como razoável (55,26%), 11 como sendo boa (28,96%), seis como sendo insatisfatória (15,78%) e nenhum como sendo ótima. Talvez este dado possa estar relacionado ou possa explicar porque 12 motoboys fazem hora extra no intuito de compensar e/ou complementar sua renda mensal total. Do total da amostra 57,90% fazem intervalo para almoço ou outra forma de descanso, enquanto apenas dezesseis sujeitos (42,10%) alegaram não ter este tempo disponível. Tal fato pode comprometer a saúde do profissional, porém a pesquisa não evidenciou este detalhamento no seu desenvolvimento. Um fato que chamou a atenção dos pesquisadores reside no uso adequado dos equipamentos de proteção individual que os motoboys utilizam. Todos declararam usar e demonstraram sua utilidade relatando casos de possível acidente onde este EPI ajudou a minimizar os danos causados ao seu organismo. No estudo de Diniz (2003), além de ser 4

5 observado o uso do capacete, o mesmo também faz menção ao veiculo de trabalho, como segue: A manutenção deficiente das motocicletas e as improvisações dos equipamentos de segurança agravam os riscos de acidentes de trabalho. As estratégias coletivas de defesa utilizadas pelos motociclistas para evitar as multas e as demais condições apresentadas demonstram que as relações de trabalho precisam ser melhoradas (DINIZ, 2003). A análise das filmagens permitiu observar que há motociclistas que não usam jaquetas, calças de couro e botinas. Ao serem confrontados com as cenas do filme, eles justificam: É por causa do clima mesmo. Num calor desse, como você vai andar de jaqueta e de bota? O depoimento indica a necessidade de se desenvolver uma pesquisa para a criação de vestimentas que protejam o motociclista e sejam compatíveis com o clima tropical. Indagados sobre a saúde, 35 motociclistas declararam que atualmente não tem algum problema de saúde e, apenas, três responderam afirmativamente. Destes 35 sujeitos, 18 sentem alguma dor localizada, e do total da amostra 60,53% declararam que passam a maior parte do tempo de seu trabalho em sua moto, o que pode explicar, em parte, esta dor localizada. No entanto, 42,10% nunca visitam o médico para avaliações preventivas, 34,21% visitam uma vez por ano, 21,05% raramente o fazem e 2,64% uma vez a cada seis meses. Os sujeitos desta amostra responderam não fazer uso do tabaco em sua grande maioria (trinta e quatro profissionais) correspondendo a 89,47% do total. Os outros 10,53% o fazem em uso restrito, não ultrapassando a média de três cigarros ao dia. Com relação à bebida alcoólica 11 não bebem, 12 bebem somente em ocasiões especiais, 14 fazem uso da bebida aos sábados, domingos e/ou feriados e nenhum ingere diariamente. Parece que as respostas sobre ingestão de bebida alcoólica vão ao encontro do desempenho da profissão e o receio, senão temor, de ser multado dirigindo embriagado. O fator segurança no transito parece ser perseguido com esta atitude, embora nenhum tenha esboçado explicitamente tal idéia. Já com relação à ingestão de café durante o trabalho todos fazem uso desta bebida, porém em proporções assim descrita: uma xícara 11; menos de três xícaras 19; entre três e seis xícaras 08. Em decorrência, talvez diretamente, a média de horas de sono por dia ficou em 7,44 horas, com pouca (1,44 hs) variação entre os respondentes. Vinte e dois (22) sujeitos afirmaram que nunca sofreram acidente nesta profissão, representando 57,89% dos pesquisados, contra 42,11% (16 sujeitos) que já se acidentaram na função de motoboy. Destes 16 motoboys acidentados informaram que as principais partes do corpo atingidas foram: 5 nas mãos, 7 nos braços, 1 na cabeça, 1 no abdômen, 2 nos pés e pernas. De posse destes dados, e, certamente, em parte devido a estes acidentes, a maioria acha o trabalho perigoso (25), 11 informam mais ou menos e, apenas 2 não concordam que o trabalho seja perigoso. Questionados sobre os acidentes 68,42% creditam a causa na organização do transito, 21,05% na pressão para que o trabalho seja rápido ou produtivo e 5,26% acham que a causa é a fadiga. Um outro dado obtido pelo 5

6 questionário diz respeito da decisão de escolha desta profissão, onde vinte sujeitos responderam por falta de outras oportunidades ; doze porque gosta deste tipo de trabalho ; e seis por outros motivos. 3.2 Condições de trabalho dos participantes do estudo O segundo objetivo visou analisar as condições de trabalho desta população economicamente ativa no município de Viçosa-MG através da Análise Ergonômica do Trabalho AET, seguindo protocolo específico desta ferramenta metodológica e de acordo com Santos e Fialho (1997) Análise da demanda A demanda estudada teve sua origem: na intenção dos autores desta pesquisa em investigar o trabalho dos motoboys durante sua jornada de trabalho, nas condições de trabalho da cidade de Viçosa (menos de habitantes), na reclamação geral dos trabalhadores sobre dores nas costas. Trata-se, então, de uma demanda mista, onde no primeiro momento é induzida pelos investigadores, que em função do estudo estiveram a campo, buscando dados para sua confecção. E, também, é uma demanda oriunda dos trabalhadores na medida em que estes se queixam das fortes dores nas costas advindas desta tarefa Reformulação da demanda Nesta fase existiu a possibilidade de um pré-diagnóstico e alguns indicadores observáveis tornaram-se claros. Após o segundo contato com sujeitos da amostra, onde se aplicou o questionário e fez-se a entrevista, pôde-se, então, reformular a demanda, delimitando-a como principal problema real que os mesmos se queixam: dores nas costas. Assim, a possível dor localizada nas costas pode estar relacionada com a postura adotada pelo motoboy durante a realização das tarefas Análise da tarefa A livre organização da tarefa a ser feita é apenas uma organização do modo operatório e peculiar aos sujeitos, em algumas empresas, pois na condição de empregado sua forma concebida de desempenhar a tarefa é a que ele adota e está sendo seguida, porém com ajustes temporais. Neste caso leva-se em consideração a atitude individual e a necessidade da personalidade, onde a ordem dos movimentos e das ações já está memorizada e são repetidas em cada entrega a ser feita, até que um fenômeno externo ocorra (por exemplo, acidentes, desvio de rotas, ou a observação de um ergonomista). Neste estudo de caso os sujeitos iniciam a tarefa fazendo um pré-arranjo de suas rotas e dos pedidos a serem atendidos. Estas ações têm sua origem na encomenda do cliente, onde fatores de altura, peso e tipo de mercadoria a serem entregues são levados em consideração. Em seguida faz o chekup da motocicleta e inicia sua jornada. Nesta fase a postura adotada afasta o tronco do guidão da motocicleta, propicia uma média inclinação do tronco à frente, fazendo com que os músculos da parte inferior das costas também tenham participação efetiva no desenrolar da tarefa. Não existe um sistema de produção definido como existente em linhas de produção do trabalho formal, 6

7 porém de acordo com a demanda dos clientes ao fazerem o pedido do produto e, principalmente, o prazo para esta entrega. De fato não existe, também, domínio sobre tempos ociosos e do modo de realizar as ações para esta tarefa. O operador age conforme seu padrão rotineiro. Como citada anteriormente a regulação de se ter uma produção maior ou menor é de total responsabilidade do operador, e de acordo com os pedidos que são realizados. Esta regulação influi diretamente na saúde do mesmo Dados referentes ao homem Os dados dizem respeito às características físicas dos sujeitos com profissionais do sexo masculino e apresentaram um IMC = 27,81 kg/m 2 ; mínimo = 18,58 kg/m 2 para resultados gerais de (24,06 ± 2,00), na sua maioria destra. Outros dados retirados da aplicação do questionário forneceram mais detalhes como já foi explicitado anteriormente. Fato que chama a atenção diz respeito os motoboys considerarem o trabalho perigoso, e nesta ocupação por opção própria estão desamparados pela legislação previdenciária (os informais) Dados referentes às entradas São consideradas entradas a mão-de-obra, ferramentas, máquinas, equipamentos e materiais. De fato as entradas que esta situação de trabalho possui diz respeito ao homem, as condições determinadas e aos resultados esperados. Pode-se afirmar que estes são os componentes que se trata o sistema homem-tarefa aqui descrito. É onde a entrevista e o questionário puderam aferir os dados necessários para a análise da tarefa. Guérin et al. (2001) afirma que no seu aspecto mais geral, essa maneira espontânea de falar do trabalho da e na empresa revela o que é uma tarefa... é um resultado antecipado fixado dentro de condições determinadas. Assim também ocorre na ocupação de motoboys na cidade de Viçosa. Entradas relativas ao homem cabem dizer de sua experiência anterior, o aprendizado para o conhecimento tácito, a pratica na condução da motocicleta, sua capacidade fisiológica para o trabalho e as conseqüentes variáveis de que um ser vivo possui, e suas outras capacidades (mental, psicológica, espiritual). Nesse estudo de caso os operadores possuem suficiente tempo na ocupação, estão sempre em contato com tecnologias novas e diferentes formas de manipular os materiais, através de intercâmbios freqüentes com outros profissionais da cidade e de outras localidades. Sua idade e conformação física agem como facilitadores para a tarefa, e suas outras capacidades, embora não mensuradas, apontam para uma forte e evidente qualificação profissional. Para as condições determinadas tem-se material próprio, ferramentas e máquinas adequadas para o manuseio da motocicleta. A mercadoria é entregue de acordo com os pedidos dos clientes e os prazos estipulados. A sala de espera, ou local onde recebem a tarefa, está relativamente adequada, no que diz respeito ao conforto térmico (ventilação forçada por aparelhos), conforto lumínico (lâmpadas fluorescentes laterais ao objeto de trabalho e na altura especifica para esta fase de confecção da prancha), conforto acústico propiciado pelos protetores auditivos (para o trabalhador) e a sede está isolada, pela distância, de outras residências próximas no local. O ambiente só oferece riscos de umidade e mofo se não forem tomadas medidas preventivas. Não existem riscos provenientes de 7

8 substâncias altamente tóxicas, porém existe uma grande poluição advinda do resultado da tarefa (gases expelidos pela motocicleta e outros veículos) exigindo atenção constante de autoridades. Com relação aos resultados esperados na tarefa tem-se, baseado em outras atividades, um desenho mental ideal, porém, de acordo com o pedido do cliente, a variação de rota e ação será seguida para atender especificamente este cliente. O cuidado com a qualidade do produto se faz nesta tarefa, onde a mercadoria deve chegar ao cliente como ele encomendou. Com estas informações externas ao ambiente de trabalho (entradas) a situação de trabalho para esta tarefa configura-se como artificial e como tal baseia-se, sobretudo no conhecimento tácito do operador. Nesse sentido o trabalho do motoboy é algo dificilmente visível e exprimível... é altamente pessoal e difícil de formalizar... conclusões, insights e palpites subjetivos incluem-se nessa categoria de conhecimento (NONAKA, 1997). O operador aprendeu a tarefa em centros formadores de condução e com amigos já empregados. Foi melhorando sua técnica de acordo com a quantidade de produtos a serem entregues, de tal maneira que após alguns erros e acertos, possui hoje um mecanismo mental, visual, criativo, e físico de como fazer a entrega Dados referentes às saídas Por ser uma tarefa eminentemente artificial, o resultado da tarefa de deverá resultar numa entrega competente da mercadoria, sem riscos para esta ou para o operador. Por isso não se pode ter erros na rota traçada e nem no desempenho de conduzir a motocicleta. Por isso alguns profissionais consideram a tarefa a mais importante no processo das entregas rápidas no município. Foi seguido, na íntegra, o Guia de Observação Análise da Tarefa (SANTOS & FIALHO, 1996) e utilizadas as técnicas de: 1. observação direta, ou aberta (pesquisador); 2. observação indireta, ou armada (filmagem digital), 3. entrevista dirigida (do tipo semi-estruturada); 4. checklist, elaborado e desenvolvido pelo Laboratório de Ergonomia e Estudos de Informática, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, da Universidade Federal de Santa Catarina Guia de Observação Análise da Tarefa a) Identificação e definição do posto de trabalho analisado - denominação do posto de trabalho: prestação de serviços com motociclista profissional motoboy ; empresa: informal. Denominação omitida para garantir o sigilo da investigação e resguardar o profissional, de acordo com parâmetros éticos propostos; localização: bairro residencial no município ; serviço ao qual o posto está subordinado: nenhum; - posto de trabalho a montante: nenhum; posto de trabalho a justante: local da entrega; b) Tarefas e operações a serem executadas no posto de trabalho 8

9 c) Consequências - resultado do trabalho: efetiva entrega da encomenda, em condições de qualidade e funcionabilidade; - conseqüência dos erros eventuais sobre o produto: recompor o pedido, refazer a rota; - conseqüências dos erros sobre o responsável do posto: prejuízo financeiro, perda de credibilidade perante os consumidores; d) Acesso ao posto de trabalho - modo normal de acesso profissional ao posto: escolha do próprio trabalhador, acesso às ruas, vielas, avenidas da cidade de Viçosa; - modo normal de formação do pessoal recém admitido: treinamento, experiência e indicação profissional; - formação do operador atual do posto de trabalho: aprendizado com outros profissionais da área, habilitação oficial do CONTRAN. e) Métodos de trabalho - tarefa prescrita para o posto: detalhamento e concordância com o pedido do cliente; - forma de apresentação da tarefa: parte escrita (quando do pedido) e parte oral (quando consultado o cliente); - qual é o grau de precisão da apresentação da tarefa: parte explicita (endereço, quantidade, especificidade) e parte implícita (idealizada pelo operador); - por quais métodos de trabalho a tarefa é apresentada: após concordância com o cliente o operador anota quesitos necessários para a tarefa e, posteriormente, verificando o endereço de entrega, inicia a sua ação de entrega. - qual a margem de iniciativa ao titular do posto: condicional com patrão e cliente. f) Controle - quem controla: o próprio operador no transito e pelo patrão na distribuição de cotas entre os funcionários; - quando: durante todo o processo; - onde: no posto de trabalho; - como: verificando rotas, endereços, dimensões; - poder para sanção: condicional ao pedido. g) Condições físicas e fisiológicas do trabalho - características do espaço e dos locais de trabalho: ambiente externo com riscos de segurança a vida do operador, ambiente interno adequado para a tarefa, mediamente 9

10 confortável nos aspectos de temperatura e luminosidade, e pouco confortável no aspecto acústico, com picos de até 96 db (A) quando se utiliza a motocicleta, distâncias pré-concebidas em função da mercadoria e rota, falta de componentes danosos ao ser humano (umidade, mofo), com presença de poluição (resíduos advindos da tarefa) durante todo o processo, locais destinados às ferramentas e mercadorias de um lado da sala e local destinado; - horários: livre, controlado pelo patrão na sua auto-regulação baseada na demanda de pedidos durante as épocas especificas (no verão, uma maior quantidade). Preferencialmente o operador trabalha mais no período da manhã; - riscos devidos às condições físicas de trabalho: cortes e ferimentos advindos de possíveis acidentes, existência de perigo de choque elétrico, perigo de incêndio, corte provocado por queda de máquinas; - ritmo de trabalho: médio a intenso, dependendo da demanda de pedidos e da época em que estes são formulados; - posturas de trabalho: danosas a coluna vertebral durante todo o processo, uma vez que o operador trabalha sobre a motocicleta, podendo ocasionar lombalgias (dor lombar localizada na região inferior da coluna, situada em uma área entre o ultimo arco costal e a prega glútea); - fadiga: inexistente na maioria da tarefa do operador, pois o mesmo controla seu tempo de trabalho e de repouso, predominando uma atividade aeróbica; - outros fatores fisiológicos: a exposição aos resíduos do transito na cidade pode ocasionar problemas ao trato respiratório do operador, assim como possíveis ocorrências de dermatites ou outras formas de doenças de pele. O ruído durante a tarefa é minimizado pelo uso adequado do capacete, porém suscetível de provocar cefaléias, tonturas e zumbidos temporários. h) Condições psicossociais do trabalho - relações interpessoais: não existe nesta tarefa, porem apenas nas fases seguintes para entrega da mercadoria; - estilo de comando da chefia: direcional; - grau de flexibilidade dos métodos e horários de trabalho: condicional; - relações com outras equipes: não há; - relações com os superiores: durante a recepção da tarefa e da rota; - relações com os colegas: sua relação com outro colega é amigável, cordial e franca, mas sempre lembrando de uma possível hierarquia de comando; - relação com os subordinados: não há; 10

11 - relações sociais de trabalho: consideração = alta; status = não há; vantagem do posto = não há; remuneração = considerada boa pelo operador; possibilidade de promoção = não se aplica Análise das atividades Neste estudo de caso o trabalhador vive uma realidade onde seu aprendizado sobre a ocupação aconteceu (e acontece), sobretudo na prática. Inicia-se a análise da atividade em termos gestuais, ressaltando que este tipo de análise foi selecionado tendo como referencial os objetivos do estudo multicasos. Desta forma, e segundo Bezerra (1998) trata-se da análise dos comportamentos de trabalho que o motoboy desenvolve durante a tarefa analisada. Os gestos para realizar a tarefa são, na sua maioria, artificiais e aprendidos em auto-escola ou centros de formação de condutores (CFC). De uma forma geral os deslocamentos são moderados, pois não existe nenhuma distancia superior a 50 km. O sujeito executa movimentos de preensão manual com ambas as mãos e está em constante ajuste de sua postura sobre a motocicleta. Os movimentos gerais são de adução dos braços e antebraços, com grande envolvimento dos músculos do ombro. Dependendo da postura adotada, em certos momentos do trajeto, a musculatura da parte das costas (principalmente da musculatura paravertebral) do operador também é muito utilizada. Considerando a tarefa desde o ponto inicial até o final o sujeito executa variada quantidade de gestos motores, tais como: elevação lateral dos braços, supinação e pronação das mãos, contrações do antebraço sobre o braço, extensão do braço direito, torsões laterais do tronco, semi-agachamentos, inclinações à frente, apoios diversos sobre a prancha, manutenção do equilíbrio com oscilação da posição dos membros inferiores e utilização da musculatura abdominal. Neste sentido pôde-se perceber que o sujeito, analisado neste estudo de caso, obedece a sinais de fadiga localizada no membro superior (alternância de gestos), verifica constantemente a qualidade do produto na proporção que este vai se moldando, tem liberdade para atender eventos externos (caso ocorram) e dispõe de responsabilidade para executar a tarefa em ritmos variados (ora lentamente, ora com certa velocidade). 4. Diagnóstico Nesta fase da análise é apresentado (de forma sintética) o levantamento realizado pelas fases anteriores. Levou-se, também, em consideração um pré-diagnóstico já concebido pelo pesquisador, o qual serve para construir o planejamento das observações sistemáticas... em certos casos, essas observações apenas trarão uma confirmação e uma demonstração dos elementos que o ergonomista tinha enunciado em seu pré-diagnostico (GUÉRIN, 2001). Por outro lado, também, necessário se faz esclarecer que se trata de uma tarefa artificial e por ser assim não envolve grandes mudanças ou, que o diagnóstico e possível intervenção ergonômica, pretendam solucionar todos os problemas detectados. Nessa ocupação, o trabalhador necessita de mais informação sobre as possíveis situações de risco físico e ergonômico presentes e, sobretudo, oferecer possibilidades de correção e minimização no manuseio da motocicleta e sua condução no transito desta cidade. Não se trata de um trabalho intermitente, porém os ciclos não são homogêneos, alternando-se tempo de trabalho e tempo de repouso sem uma definição pré-estabelecida. Na fase da tarefa os dois braços são utilizados 11

12 num movimento de preensão e na fase agonista dos músculos, como na fase decorrente de antagonismo detectou grande sobrecarga. Detectou-se, também, que na maioria das rotas o sujeito utiliza apenas um sentido, não realizando nenhuma mudança ou atividade ao retornar. Esta atitude pode caracterizar perda de tempo se a demanda de pedidos for muito alta. Com relação aos materiais e ferramental pôdese observar que os mesmos não possuem o desgaste comum de outras maquinas, o que facilita, em parte o trabalho. As condições ambientais estão, em parte, satisfatórias para a tarefa, onde existem exaustores ligados continuamente e um ventilador na posição vertical para auxiliar na regulação do conforto térmico (caso seja necessário) durante os dias mais quentes na sala de recepção das tarefas. O ruído não incomoda o operador que utiliza capacete durante a tarefa, porém este fato não previne a perda auditiva induzida por ruído no transito local. Os sujeitos, em geral, não utilizam luvas, pois afirmam que iriam prejudicar sua sensibilidade, facilitando assim a possibilidade de acidentes. Não é uma tarefa muito extenuante, porém exigente do ponto de vista cognitivo, com grande utilização da memória de longo termo. Foi, também, observado e anotado um excesso de utilização do braço direito, denotando significativa carga de trabalho sobre as estruturas anatômicas deste membro. 5. Caderno de Encargos e Recomendações Ergonômicas Para confecção do caderno de encargos e recomendações ergonômicas foi considerado o ambiente laboral em geral, com especificidade sobre os aspectos nocivos ao trabalhador referente a riscos físicos (ruído) e riscos ergonômicos (exigência de postura inadequada) presentes no desempenho da tarefa. Também foram anotadas recomendações sobre organização do trabalho. Como foram observados e medidos picos de até 96 db (A) durante algumas etapas da tarefa sugeriu-se ao operador o uso constante de protetor auditivo, desde o inicio da tarefa até o final. Estes momentos já são possíveis de detecção pelo motoboy, restando apenas adquirir o hábito de utilização permanente. Foi observado que os trabalhadores fazem uso, esporadicamente, uma espécie de colete protetor para a coluna. Porém este acessório não é suficiente para proteção da parte baixa da coluna e sua compressividade já está comprometida. Foi, então, sugerido a troca por outro tipo de colete, onde existem diversas formas e marcas no mercado nacional, para que a compressão na altura da cintura seja mais contundente, e possa, de fato oferecer uma parcela de ajuda na prevenção de lesões desta região anatômica. Alvarez (1996) afirma que apesar de incertezas científicas sobre efetividade, utilizar coletes de proteção para as costas como esperança de se prevenir altos custos e possibilidade de incapacidade em empregados está ficando comum no posto de trabalho. Esta mudança seria uma prevenção a mais para a saúde do trabalhador, uma vez que as posturas inadequadas adotadas são necessárias a execução da tarefa, da manutenção do equilíbrio e de acordo com o tamanho da mercadoria a ser entregue. Também, foi sugerida uma consulta médica especializada para o conhecimento pleno da realidade das estruturas anatômicas que oferecem dor e concorrem com a diminuição da qualidade de vida relacionada à saúde do motoboy. Somente após esta consulta e com o devido diagnóstico médico é que alguma intervenção deverá ser realizada. Enquanto isto não ocorre foi sugerido ao trabalhador 12

13 alguns exercícios de alongamento, oriundos da ginástica laboral, para serem realizados antes e depois da tarefa com cada prancha produzida. Sugeriu-se, também, no aspecto global, uma pequena mudança na forma de conduzir sua motocicleta, momento onde a extensão dos braços se faz mais nitidamente e com frequência. 6. Conclusões e recomendações A abordagem ergonômica denotou aspectos comuns entre os profissionais que utilizam o ambiente laboral do transito como sua área, onde todos os perigos foram mencionados, e, em comparação com os resultados do questionário de Fatores Humanos nada foi realçado em significância. A população profissional focalizada nesta pesquisa precisa ter melhor atendimento medico e ser melhor orientada em relação ao desempenho das tarefas de transportar mercadorias em suas motocicletas. Além disto, faz-se necessário, como recomendações, participação em cursos de atualização sobre legislação, condução, direção no transito; participação em reuniões periódicas no município para traçar rotas mais econômicas para o patrão e para a saúde global dos motoboys; discussão de referencial salarial para atendimento ao cumprimento das tarefas com mais competência e qualidade. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MEDICINA DE TRÁFEGO; FACULDADE CAPITAL. Acidentes de motociclistas. Jornal da ABRAMET, São Paulo, maio-junho, n.4, p.4-6. ALVAREZ, B. R Qualidade de vida relacionada à saúde de trabalhadores. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, AMELL T. K, KUMAR S., NARAYAN, Y., COURY, G. Effect of trunk rotation and arm position on gross upper extremity adduction strength and muscular activity. Ergonomics, v. 43, n. 4, p , ARAÚJO, M.F. Qualidade de vida do trabalhador: uma abordagem qualitativa do ser humano através de novos paradigmas. Florianópolis: Ed. do Autor, BERNARD, B. P., FINE, L. Musculosketal disorders and workplace factors. Cincinnati, EUA: Department of Health and Human Services, NIOSH, BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações. Disponível em: < Acesso 07 de novembro de CHAFFIN, D.B., ANDERSSON,G.B. Biomecânica Ocupacional. Belo Horizonte: Ergo, DINIZ, E. P. H Entre as exigências de tempo e os constrangimentos do espaço: as condições acidentogênicas e as estratégias de regulação dos motociclistas profissionais.dissertação. (Departamento de Engenharia de Produção). Universidade Federal de Minas Gerais. POCHMANN, M. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. São Paulo: Contexto, VIEIRA, A. A qualidade de vida no trabalho e o controle da qualidade total. Florianópolis-SC: Insular, WISNER, A. A inteligência no trabalho. Textos selecionados de Ergonomia. São Paulo: UNESP, FUNDACENTRO,

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO AET, Estuda uma situação de trabalho visando adaptá-la ao homem a partir da análise das condições técnicas, ambientais e organizacionais, buscando revelar as diferenças entre os trabalhos formal e o real.

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso CENSO DE ERGONOMIA Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso Descrição Geral Trata-se de uma ferramenta formulada à base de questionário podendo ser auxiliada por entrevista, através

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho Ciretran de Vitória/ES Ciretran Vitória/ES, situado à Avenida Nossa Senhora da Penha, nº1388, Vitória - ES foram encontradas várias condições inadequadas de

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P 4 )

PROVA DISCURSIVA (P 4 ) PROVA DISCURSIVA (P 4 ) Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS DA PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho 1 1. INTRODUÇÃO Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho A construção civil é um dos campos de trabalho mais delicados da sociedade, em virtude

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística;

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

O objetivo deste Termo é regular as condições de uso, cadastro e validação do Usuário da 99motos

O objetivo deste Termo é regular as condições de uso, cadastro e validação do Usuário da 99motos INTRODUÇÃO Bem-vindo ao aplicativo mobile 99motos e website da 99motos, certifique-se de ter lido e entendido os Termos de Uso e Política de Privacidade, denominados termos, que consistem em contrato firmado

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho VII Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho MANIPULAÇÃO MANUAL DE CARGAS (MMC) Fatores de Risco e Avaliação Ana Sofia Colim A Problemática da MMC Legislação Decreto-Lei 330/93 Métodos de Avaliação de

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Caroline PASSOS 1 ; Débora RODRIGUES 2 ; Rafaela LEITE 3 ; Wemerton EVANGELISTA 4. 1 Estudante de Engenharia de Produção.

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL.

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. Orlando José de Almeida Sócio do Homero Costa Advogados Natália Cristina

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese

Fatores psicossociais e organização do trabalho. Romildo G. Brusiquese Fatores psicossociais e organização do trabalho Romildo G. Brusiquese São Paulo, 23 de outubro de 2012 Há relação entre fatores psicossociais e organização do trabalho?????????? Teoria Organização do Trabalho:

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO EDITAL Nº 001/2012/FCRIA PROJETO ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS COM A CIDADANIA SOCIAL CONTRATO 6000.0065086.11.2/PETROBRAS/GEA/FCRIA A DO ESTADO DO AMAPÁ FCRIA executa o Projeto ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Avaliação de Trabalho e Saúde entre Trabalhadores de uma Empresa de Supressão Vegetal do Município de Alta Floresta-MT

Avaliação de Trabalho e Saúde entre Trabalhadores de uma Empresa de Supressão Vegetal do Município de Alta Floresta-MT Avaliação de Trabalho e Saúde entre Trabalhadores de uma Empresa de Supressão Vegetal do Município de Alta Floresta-MT ¹KELLY DOS REIS, ² FRANCIANNE BARONI ZANDONADI ¹Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT)

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista 1. Introdução Este documento tem por objetivo apresentar a solução de software e serviço que atenderá a Lei nº 12.619 de 30 de abril de 2012,publicada no Diário

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais