DIÁLOGO DAS FONTES: A PRESCRIÇÃO NOS CONTRATOS DE SEGURO E AS IMPLICAÇÕES DO CÓDIGO CIVIL E DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIÁLOGO DAS FONTES: A PRESCRIÇÃO NOS CONTRATOS DE SEGURO E AS IMPLICAÇÕES DO CÓDIGO CIVIL E DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS DIÁLOGO DAS FONTES: A PRESCRIÇÃO NOS CONTRATOS DE SEGURO E AS IMPLICAÇÕES DO CÓDIGO CIVIL E DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR MARÍLIA MORENO DE FREITAS BRASÍLIA 2009

2 DIÁLOGO DAS FONTES: A PRESCRIÇÃO NOS CONTRATOS DE SEGURO E AS IMPLICAÇÕES DO CÓDIGO CIVIL E DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Monografia para a conclusão do curso de Pós Graduação Lato Sensu em direito da Fundação Escola Superior do Distrito Federal e Territórios. Aluno: Marília Moreno de Freitas Orientador: Paulo Roberto Roque Antônio Khouri BRASÍLIA 2009

3 RESUMO O presente trabalho tem o objetivo de trazer à tona a discussão sobre o prazo prescricional da pretensão de ação sobre contratos de seguros quando se trata de demanda na qual o segurado pede ao segurador a restituição do valor despendido com o sinistro vista à recusa deste, configurando falha no serviço prestado. Há um prazo prescricional expressamente disposto no Código Civil, no art. 206, 1º, inc. II, de 1 (um) ano para ajuizar a ação e outro prazo disposto no Código de Defesa do Consumidor, em seu art. 27, que dita o prazo de 5 (cinco) anos. Tendo em vista que o contrato de seguro é uma espécie dos contratos tipificados no Código Civil e que, da mesma forma, é um contrato de adesão, incidindo deste modo o Código de Defesa do Consumidor, haveria, portanto, um conflito entre ambos os diplomas legais. Portanto, busca-se neste trabalho estudar as características dos contratos de seguro e do instituto da prescrição, analisada no âmbito do Código Civil e Código de Defesa do Consumidor e a solução para o conflito aparente entre estes.

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTRATO DE SEGURO Breve histórico Conceito e natureza jurídica do contrato de seguro Contrato de seguro no Código Civil Contrato de seguro no Código de Defesa do Consumidor PRESCRIÇÃO DA PRETENSAO NOS CONTRATOS DE SEGURO Conceito e natureza jurídica Prescrição ânua do Código Civil Prescrição qüinqüenal do Código de Defesa do Consumidor CONFLITO APARENTE ENTRE O CÓDIGO CIVIL E O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Adoção das teorias clássicas para a solução da antinomia entre o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor Direito intertemporal Diálogo entre o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor Solução para o conflito entre a prescrição ânua do Código Civil e a prescrição qüinqüenal do Código de Defesa do Consumidor...39 CONCLUSÃO...45 REFERÊNCIAS...47

5 5 INTRODUÇÃO Observa-se atualmente o fenômeno chamado pluralismo pós-moderno, que significa que cada vez mais se legislam sobre temas divergentes, cada um visando uma tutela diferente, com sujeitos a proteger diferentes. Tal fenômeno resulta nos inevitáveis conflitos existentes entre essas diferentes normas e princípios dentro de um mesmo ordenamento jurídico, sistemático e coerente. Com efeito, exige-se cada vez mais do intérprete do Direito para que este busque soluções inovadoras para os conflitos aparentes entre essas normas, que não sejam a adoção dos critérios arcaicos de eliminação das antinomias apresentadas por Norberto Bobbio, pelos critérios cronológico, hierárquico e de especialidade. Estes já estão por demais defasados e não se aceita mais a exclusão de uma das normas conflitantes como solução válida, porquanto se preza atualmente pela coexistência desses diplomas normativos, os quais versam sobre variados direitos, principalmente pelas novas transformações ocorridas no mundo jurídico. Observam-se transformações tanto no âmbito contratual-obrigacional, em decorrência dos grandes conglomerados econômicos e da sociedade de consumo em massa, como no âmbito principiológico, advindos do aumento da importância de defesa dos direitos humanos. Os contratos de seguros foram tratados com veemente importância comercial após a Revolução Industrial, na Inglaterra, quando, a partir de então, surgiram as sociedades securitárias as quais desenvolviam a ciência atuária com a finalidade de obtenção de lucro e não ser somente um grupo de assistência mútua. Essa atividade e outras tantas que se consolidaram no mercado de consumo, cada vez mais crescente, acabaram por ganhar tamanha importância econômica, sendo necessária uma farta e firme legislação para tratar da atividade securitária, tanto no sentido burocráticoadministrativo, fiscalizado pelo Sistema Nacional de Seguros Privados, quanto na regulação jurídica dos contratos de seguros. A regulação jurídica adveio primeiramente com o Código Civil de 1916, e atualmente a legislação principal que cuida dos seguros é o Código Civil de 2002 e o Código de Defesa do Consumidor.

6 6 Ocorre que com o advento do Código de Defesa do Consumidor, em 11 de setembro de 1990, a atividade securitária, juntamente com outras atividades negociais praticadas pela sociedade, passou a ser enfocada sob a sua ótica, constatando-se, em princípio, um certo abandono da legislação civilista em detrimento a norma consumerista. Verificou-se que a matéria de seguros está tratada nos dois diplomas legais. No Código Civil, porque foi eleito um capítulo para versar especificamente sobre os contratos de seguro. No Código de Defesa do Consumidor, porque a atividade de natureza securitária é caracterizada como uma relação jurídica de consumo, no qual o consumidor segurado é a parte vulnerável que contrata com um fornecedor segurador expert. Com efeito, surgiu, no cenário jurídico brasileiro, uma grande polêmica sobre o contrato de seguro e a respectiva legislação aplicável na ocorrência de conflitos entre segurador e segurado. Os dois diplomas legais e, apesar de terem a base principiológica semelhante, possuem diversas peculiaridades que resultam em diferentes soluções para questões jurídicas concretas. Especificamente, no que tange ao instituto da prescrição da ação, que por óbvio atinge as relações jurídicas que tratam de contratos securitários, existem diferentes prazos em cada um dos diplomas legais, sendo no Código Civil o prazo prescricional de 1 (um) ano e no Código de Defesa do Consumidor o prazo prescricional de 5 (cinco) anos. Por essas razões, deparar-se-ia com um conflito aparente de normas, sendo função do intérprete buscar soluções mais contemporâneas, diferentemente daqueloutras teorias clássicas apresentadas por Noberto Bobbio, tendo em vista a pluralidade de leis que não mais permite a exclusão de uma das normas para se chegar a denominador comum final. Necessário, portanto, analisar com mais minúcia e dedicação acadêmica o contexto de ambos diplomas legais e a forma com que cada um deles aborda o instituto da prescrição nos contratos de seguro, sempre buscando alcançar a solução mais justa e desejada pelo legislador (mens legislatoris). A proposta agora é superar os conflitos e aplicar o chamado diálogo das fontes como uma nova inter-relação entre o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor.

7 7 1. CONTRATO DE SEGURO 1.1 Breve histórico A concepção de seguro nasceu da necessidade do homem de se proteger da imprevisibilidade da vida e dos possíveis acontecimentos fúnebres que podiam lhe causar futura e provável insolvência. A perda inesperada dos bens (pois só posteriormente o seguro começa a ter como objeto a própria pessoa humana) gerava uma enorme insegurança e era preciso se unir em grupos para compartilhar e enfrentar tais situações. 1 Há doutrinadores que afirmam que algumas noções de seguro brotaram já no século XVIII a.c.. Leciona Voltaire Marensi 2 : [...] o negócio de seguros remonta a além do século XVIII a.c..o Código de Hamurabi, que surgiu ao redor de a.c., dedica 282 cláusulas ao tema bodemeria. A bodemeria era um empréstimo ou uma hipoteca contraída pelo proprietário de um navio para financiar sua viagem. Nenhum prêmio, como se conhece hoje, era pago. Se o navio fosse a pique, o empréstimo não precisava ser reembolsado Posteriormente, na antiguidade, a idéia do seguro consistia em uma mútua assistência, na qual associações formadas eram semelhantes à beneficência, por exemplo, se um proprietário de navio sofresse algum prejuízo, os demais integrantes colaboravam com pequenas quantias para que aquele refizesse o seu patrimônio. Todavia, foi na Idade Média, com as expedições marítimas, que os contratos de seguro ganharam corpo e importância quanto a sua legítima finalidade, apesar de ainda se confundirem com a figura do contrato de compra e venda. Neste modo, leciona Pedro Alvim 3 : Somente no século XIV apareceram os primeiros documentos referentes ao contrato de seguro. Pode-se imaginar que, nos primeiros tempos, suas operações ainda se confundissem com as do contrato de compra e venda, assimilando as mesmas cláusulas, sobretudo as que se referiam à promessa de compra e venda. 1 OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Contrato de seguro. Campinas: LZN, 2002, p MARENSI, Voltaire. O contrato de seguro à luz do novo código civil. 2 ed., Porto Alegre: Síntese, 2002, p ALVIM, Pedro. O contrato de seguro. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999, p. 27.

8 8 Entretanto, foi no século XVII, na Inglaterra, com o marco histórico da Revolução Industrial e a crescente experiência e complexidade das sociedades, que o seguro adquiriu concepção mais próxima dos contornos atuais 4, como conceito comercial 5. Concomitantemente, outras formas de seguro começam a serem desenvolvidas, tais como o seguro sobre a vida e a saúde ao passo que a figura do segurador adquire aspectos de uma sociedade de seguros a prêmios, ao revés das sociedades mútuas 6, o que faz com que o risco seja financiado para pulverizar a perda do patrimônio. Portanto, o modelo passa a ser não mais inspirado em uma solidariedade onde os riscos são divididos a todos, mas sim as administradoras de seguros passam a ter fins lucrativos e a fazer análises e estudos estatísticos para realizar os negócios jurídicos baseados numa probabilidade de acontecimento de um fato futuro e incerto. 7 A partir de sua ampla difusão originada pela Inglaterra, o seguro foi incorporado no Código Comercial Brasileiro de 1850, apesar de este disciplinar somente sobre seguros marítimos. 8 Sobrevieram alguns decretos regulamentando esta nova atividade, porém foi com o Código Civil de 1916 é que pretendeu-se dar-lhe ordenamento definitivo, e muito se avançou efetivamente, tendo-se em linha de conta a sua atipicidade em vários sistemas, bem como a ausência de ordenamento doutrinário e legal. 9 O seguro foi ganhando importância no mundo contemporâneo e a atividade securitária foi se deslocando para o poder estatal, ao passo que se aflorava a necessidade social e econômica da proteção contra o risco. 10 Foi quando em 1966 que o Decreto Lei n 73 dispôs em seu art.1º e 7º que as operações de seguros e resseguros seriam regidos pelo mencionado decreto lei e que seria privativa do Governo Federal a competência para legislar e fiscalizar as operações do mercado nacional de seguros, criando órgãos do poder público, dentre eles o Sistema Nacional de Seguros Privados, órgão máximo do país em matéria de seguros. Esse Decreto Lei criou ainda os órgãos que compõem o Sistema Financeiro de Seguros Privados, quais sejam o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), a 4 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: contratos em espécie. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003, v. 3, p MARENSI, Voltaire. O contrato de seguro à luz do novo código civil. 2 ed., Porto Alegre: Síntese, 2002, p Ibidem, p SIQUEIRA, Antônio César. A prescrição nos contratos de seguro e o código de defesa do consumidor. Revista de direito do consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 26, 1998, p KRIGER FILHO, Domingos Afonso. O contrato de seguro no direito brasileiro. Niterói: Labor Júris, 2000, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003, v.3, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: contratos em espécie. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003, v. 3, p. 376.

9 9 Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), as sociedades autorizadas a operar em seguros privados e os corretores habilitados. 11 Surgiram posteriormente inúmeras legislações que tratam sobre a matéria, inclusive no Código Civil de 2002, Lei nº /02, e do Código de Defesa de Consumidor, Lei nº /90, que atualmente são os dois principais institutos legais que versam sobre as normas gerais no que tange os contratos de seguros. Conforme explica Huber e Dettmer 12 : Esses órgãos regulam a atividade securitária no país, no sentido burocráticoadministrativo, editando normas gerais de contabilidade e estatística a serem observadas pelas sociedades seguradoras, organizando seu funcionamento e fiscalizando suas atividades, disciplinando as operações, delimitando capitais, enfim, tratam da área administrativa do seguro, cabendo às legislações pátrias Código Civil e Código de Defesa do Consumidor a regulamentação jurídica dos contratos de seguro. Portanto, hoje no Brasil existem inúmeras legislações que tratam sobre as mais variadas espécies de seguro ao mesmo tempo em que o legislador busca cada vez mais acompanhar o desenvolvimento dessas complexas atividades securitárias com a publicação de novos diplomas normativos juntamente com o papel do intérprete, que aplica as leis já existentes com princípios advindos das novas tendências sociais e visões negociais contemporâneas. 1.2 Conceito e natureza jurídica do contrato de seguro Afirma Celso Marcelo de Oliveira 13 que o contrato de seguro se caracteriza, primordialmente, pela obrigação contraída pelo segurador em reparar os prejuízos ocorridos ao bem assegurado, mediante o pagamento pelo segurado de quantia, denominada prêmio. Destaca-se que o segurador se obriga a reparar os danos ocorridos, dentro dos limites préestabelecidos no contrato. Vale lembrar também o conceito de Pontes de Miranda 14 : 11 HUBER, Fernanda Elaine; DETTMER, Brígida. O contrato de seguro e as implicações do código de defesa do consumidor e do código civil. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5059> Acesso em: 29 set. 2005, p HUBER, Fernanda Elaine; DETTMER, Brígida. O contrato de seguro e as implicações do código de defesa do consumidor e do código civil. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5059> Acesso em: 29 set. 2005, p OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Contrato de seguro. Campinas: LZN, 2002, p Apud SEREIAS, Vasco Porto. Seguros no novo código civil. Campinas: Syslook, 2004, p. 41.

10 10 Contrato de seguro, segundo a definição corrente, é o contrato pelo qual o segurador se vincula, mediante pagamento de prêmio, a ressarcir ao segurado, dentro do limite que se convencionou, os danos produzidos por sinistro, ou prestar capital ou renda quando ocorra determinado fato, concernente à vida humana, ou ao patrimônio. Portanto, ocorrendo o fato indesejável que cause dano ao bem posto em tutela, pelo contrato de seguro o segurador se obriga a ressarcir o segurado quanto ao dano ocorrido sobre o referido bem, tudo isso, mediante o pagamento periódico de quantia denominada prêmio. Destarte, os elementos integrantes do contrato de seguro se constituem em: partes segurador e segurado, objeto o risco, e a remuneração o prêmio. 15 Quanto às partes envolvidas no contrato, tem-se o segurador, que é aquele o qual suporta o risco, por meio do pagamento de uma quantia denominada prêmio, e o segurado, é aquele que paga o referido prêmio, vislumbrando o interesse na preservação do bem que se assegura. Importante destacar que, quanto ao segurador, apesar de ser o contrato de seguro uma relação jurídica de natureza privada, é exigido nos termos do Decreto Lei nº. 73/66 que a exploração da atividade securitária somente deverá ser exercida mediante prévia autorização do Estado, por se tratar de uma atividade que envolve interesse público. Portanto, só poderão figurar como seguradores as sociedades anônimas ou cooperativas, as quais ficarão subordinadas ao Sistema Nacional de Seguros Privados. 16 Quanto ao objeto do contrato de seguro, este se caracteriza por ser o próprio risco de ocorrência de um fato indesejável e/ou fúnebre que venha a liquidar total ou parcialmente o bem que se assegurou. Não há que se confundir o objeto do contrato, que consiste no risco, com o objeto do risco, que é o bem segurado propriamente dito. Esclarece Domingos Afonso Kriger Filho 17 : Risco é o possível perigo que ameaça a pessoa ou o seu patrimônio, consistindo o mesmo, para efeitos de seguro não no evento em si, mas na eventualidade de sua ocorrência (...) a coisa segurada, isto é, o bem cujo dano se receia incidir ou que está submetido ao sinistro, constitui-se no mero objeto do risco, sendo que sobre ela poderão recair tantos seguros quantos forem os riscos a que esteja sujeita [...] 15 KRIGER FILHO, Domingos Afonso. O contrato de seguro no direito brasileiro. Niterói: Labor Júris, 2000, p Ibidem, p KRIGER FILHO, Domingos Afonso. O contrato de seguro no direito brasileiro. Niterói: Labor Júris, 2000, p. 52.

11 11 Outro ponto importante que se traz a lume é que o risco contratado deve ser futuro e fortuito, ou seja, deve haver uma incerteza quanto ao momento e a forma do acontecimento repugnado e jamais depender da vontade do segurado. Caso contrário, pode ser configurada má-fé, ensejando até na perda do direito à indenização ou ao prêmio pago. 18 O último elemento integrante do contrato de seguro é a remuneração, ou o chamado prêmio, que significa a quantia paga, em parcelas, ao segurador para compensar o risco assumido por este. Segundo Vasco Porto Sereias, é o valor pago pelo segurado visando obter a garantia do seguro e que é recebido pela seguradora como pagamento pela assunção do risco 19. Da mesma forma, leciona Domingos Afonso Kriger Filho 20, afirmando que o prêmio é a cota parte pela qual o contratante ingressa na mutualidade de segurados. Neste diapasão, o segurado paga mensalmente o prêmio e na ocorrência do sinistro, que é o evento danoso previsto no momento da contratação do seguro, o segurador indeniza o segurado pelos prejuízos sofridos. O que se tenta, na verdade, é buscar o status quo ante, tal como pontifica Vilson Rodrigues Alves 21 que vai mais além, afirmando: Bem se vê, então, que inexiste seguro de bem, como não existe seguro de pessoa também. O que se segura é o status quo patrimonial da pessoa com o seguro dos arts , ou o status quo da pessoa com o seguro dos arts , ou seja, o segurador contratado deve restabelecer a situação fática anterior ao sinistro. A doutrina majoritária também classifica o contrato de seguro como bilateral, oneroso, consensual e aleatório. É bilateral, porque gera para ambas as partes obrigações recíprocas 22. Desta maneira, o segurado assume a obrigação de pagar o prêmio e não agravar os riscos, entre outras. O segurador obriga-se a pagar o valor contratado no caso de sinistro. 23 Por esse motivo, cabe a esse tipo de negócio exceção de contrato não cumprido, caso uma das partes tenha cumprido com o que fora pactuado e a outra não cumpriu ou o fez parcialmente. É oneroso, tendo em vista que ambas as partes exigem uma contraprestação para cumprir fielmente as clausulas do contrato. Assim, busca o segurado a garantia de reparação 18 Ibidem, p SEREIAS, Vasco Porto. Seguros no novo código civil. Campinas: Syslook, 2004, p KRIGER FILHO, Domingos Afonso, op. cit., p ALVES, Vilson Rodrigues. Da prescrição e da decadência no novo código civil. Campinas: Bookseller, 2003, p MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil: direito das obrigações: 2ª parte. 34 ed. São Paulo: Saraiva, 2003, v. 5, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: contratos em espécie. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003, v. 3, p. 378.

12 12 no caso de ocorrência do dano com seu bem e o segurador somente irá fazê-lo se houver o pagamento do prêmio pelo segurado para assumir o referido risco. 24 É consensual, haja vista depender da declaração de vontade de ambos os contraentes para que se finalize o negócio, porém não é formal, pois apesar do contrato ter a forma escrita, o Código Civil, em seu art. 758, dispõe que a prova do negócio jurídico pode se dar não só pela exibição da apólice ou do bilhete de seguro, mas como também por qualquer outro meio que se possa comprovar o pagamento do prêmio. 25 Veja-se: Art O contrato de seguro prova-se com a exibição da apólice ou do bilhete do seguro, e, na falta deles, por documento comprobatório do pagamento do respectivo prêmio. É contrato de adesão, tendo em vista que uma grande parte do seu conteúdo, se não todo, é elaborado por um dos contratantes e a aceitação pelo outro se dá sem qualquer ou com pouca discussão. Há uma inexistência da liberdade de convenção, porquanto o aceitante se limita a aderir a uma situação contratual que já está pré-definida. E mesmo que haja ressalvas por parte do segurado, não há a descaracterização do contrato em sendo de adesão, pois, mesmo nesses casos, não há uma mudança substancial no seu conteúdo. Explica a natureza de adesão desses contratos Celso de Oliveira 26 : É de adesão, uma vez que não é dada ao segurado a possibilidade de discutir as cláusulas contratuais, sendo necessário para formação do contrato apenas a sua aceitação. Tal exigência se justifica pela necessidade de uniformização das condições contratuais, devido à massificação das atividades securitárias praticadas pelas empresas. É também aleatório, apesar de uma parte da doutrina defender a comutatividade neste tipo de contrato. Não pode ser considerado um contrato comutavo, pois, mesmo tendo pré-estimada e avaliada a contraprestação a ser recebida, não há equivalência nas prestações das partes, porquanto o evento danoso é futuro e incerto, podendo ou não ocorrer. 27 Assim defende a aleatoriedade Caio Mário da Silva Pereira 28 : [...] o segurador assume os riscos, sem co-respectividade entre as prestações recíprocas, e sem equivalência mesmo que se conheça o valor global das obrigações do segurado. É por isso que se costuma acentuar que o risco é um elemento essencial 24 CASES, José Maria Trepat. Código civil comentado VIII: artigos 693 a 817. São Paulo: Atlas, 2003, p ALVES, Vilson Rodrigues. Da prescrição e da decadência no novo código civil. Campinas: Bookseller, 2003, p OLIVEIRA, Celso Marcelo de. Contrato de seguro. Campinas: LZN, 2002, p Ibidem, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, v. 3, p. 453.

13 13 no contrato de seguro, como acontecimento incerto, independente da vontade das partes. Observa-se também que não há propriamente uma indenização a ser paga pelo segurador quando constatado o sinistro, tal como o legislador do Código Civil de 2002 quis chamar e a imensa maioria de doutrinadores também o faz, erroneamente. O que há, na verdade, é o pagamento pelo segurador de sua parte na obrigação contratual. Segundo Carlos Roberto Gonçalves, indenização, reparação e ressarcimento são devidos quando ocorrer ato ilícito, dano moral ou material. É o que assinala Sílvio de Salvo Venosa 29 : No seguro, não existe propriamente uma indenização, conceito que está ligado à noção de inadimplemento e culpa, mas contraprestação contratual. Ou seja, o segurador não indeniza quando ocorre um fato ou ato danoso, apenas cumpre o que lhe toca pela avença contratual. Peca, porém, este autor ao afirmar que a natureza do contrato de seguro seria a de transferir o risco à figura do segurador: o seguro, em sua essência, constitui transferência do risco de uma pessoa a outra. 30 No entanto, não tece maiores esforços para sustentar a afirmação. Sustenta de modo diverso Antônio César Siqueira 31, defendendo que não há transferência do risco para a companhia seguradora, tendo em vista que o próprio segurado permanece com a possibilidade de acontecimento do fato danoso. Assim leciona: Não há e nunca houve no contrato de seguro uma transferência de riscos do segurado para o segurador. É o segurado que permanece na eventualidade de sofrer o sinistro e não a seguradora. Aquele que possui um seguro de saúde não transfere à seguradora os riscos de contrair uma moléstia grave, bem como aquele que é titular de apólice contra roubo de automóveis não vai poder indicar ao ladrão um veículo de propriedade da seguradora em substituição ao seu, no momento do crime. Assim, na verdade, a causa do contrato de seguro não é a transferência de risco, mas a garantia de que, uma vez verificado o dano, suas conseqüências serão reparadas mediante a distribuição dos prejuízos pelos demais segurados. 32 Desta forma, conclui Antônio César Siqueira 33 que a natureza jurídica do contrato de seguro é de contrato de garantia, tais como o da fiança e do aval. 29 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: contratos em espécie. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003, v. 3, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: contratos em espécie. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003, v. 3, p SIQUEIRA, Antônio César. A prescrição nos contratos de seguro e o código de defesa do consumidor. Revista de direito do consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 26, 1998, p Ibidem, p Ibidem, p. 24.

14 14 Outra característica da atividade securitária é de que somente será possível a sua realização se houver uma rede de segurados que se encontram num mesmo grupo de risco para sustentar a ocorrência de sinistros dos demais segurados, pois embora o contrato de seguro seja negócio jurídico isolado e autônomo entre segurador e segurado, somente se torna viável se existe base mutuaria para custeá-lo, e um amplo número de segurados. 34 Fica a cargo da ciência atuária para fazer o cálculo estatístico de ocorrência de um determinado risco para posteriormente chegar a um valor que será pulverizado pelos segurados, formando o valor mensal do prêmio. Portanto, conclui Antônio César Siqueira 35 : O contrato de seguro tem como modelo econômico o mutualista, em que os segurados com base em estudos atuariais pagam determinado prêmio, suficiente para a formação de um fundo, que garanta-os de eventuais prejuízos que individualmente venham a sofrer, além do pagamento da comissão da seguradora, que passa a ter o dever de administrar esse fundo, mantendo-o em níveis financeiros adequados ao cumprimento das obrigações contratuais. Neste diapasão, o contrato de seguro possui uma série de elementos peculiares que o caracterizam para que a atividade securitária possa ser realizada da maneira como foi estabelecida no contrato por ambas as partes. 1.3 Contrato de seguro no Código Civil Como já foi exposto anteriormente, o Código Civil de 1916 disciplinou o instituto do seguro, dando-o status definitivo no ordenamento jurídico. Da mesma forma, permaneceu no Código Civil de 2002, o qual reservou os art. 757 a 813 para tratar do instituto do seguro, o qual se divide em Disposições Gerais, Seguro de Dano e Seguro de Pessoa. O caput do art. 757 do referido diploma assim traz o conceito de contrato de seguro: Art Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados. Parágrafo único. Somente pode ser parte, no contrato de seguro, como segurador, entidade para tal fim legalmente autorizada. 34 VENOSA, Silvio de Salvo, op. cit., p SIQUEIRA, Antônio César. A prescrição nos contratos de seguro e o código de defesa do consumidor. Revista de direito do consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 26, 1998, p. 24.

15 15 Destarte, se um instituto pertence a algum diploma legal, no caso ao Código Civil de 2002, tal instituto deve ser regido pelos ditames e princípios gerais que envolvem o espírito de todo o Código Civil. Assim, o instituto do seguro, que está regulado no título que trata das várias espécies de contratos, deve obedecer aos princípios e pressupostos que regem os contratos em geral, tais como a autonomia da vontade, a capacidade das partes, a licitude do objeto e forma prescrita e não defesa em lei. 36 Nota-se que o parágrafo único do art. 757 do Código Civil de 2002 dispõe sobre a capacidade da partes, impondo que somente poderá figurar como segurador aquelas entidades autorizadas por lei, qual seja o Decreto Lei n 73, de 21/11/1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Seguros Privados, como também anteriormente citado. Ao lado do pressuposto da capacidade das partes, o mesmo artigo traz em sua redação um elemento novo, não contido no Código Civil de 1916, que diz respeito à licitude do objeto, ou o chamado interesse legítimo do segurado, significando que o seguro deve garantir o interesse do segurado baseado em princípios éticos e em relações lícitas, e não naquelas ilícitas e repudiadas pelo ordenamento jurídico. 37 Também trouxe à tona o legislador do Código Civil de 2002 os princípios tratados em outros microssistemas jurídicos para nortearem seus próprios institutos, como o princípio da boa fé, que já havia sido tratado no Código Comercial de Tal princípio está expressamente disposto no art. 422 do Código Civil de 2002, nas Disposições Gerais dos Contratos, sendo, porém, um princípio basilar de todo o ordenamento jurídico. Especificamente ao contrato de seguro, leciona Vasco Porto Sereias 38 : Ambas as partes contratantes devem agir de boa-fé, onde o segurado deve conduzirse de forma sincera e leal, vez que esta formalidade necessária ao segurador, nas declarações feitas e, não agindo assim, incorrerá nas sanções de procedimento de má-fé. A mesma boa-fé é exigida do segurador, sendo que a má-fé não se presume e sua comprovação se faz necessária. Portanto, o instituto do seguro possui um grande acervo de legislações que o regulam em suas várias espécies e disciplinam o modo como se dará sua atuação no mercado nacional, mas a sua estrutura fundamental, do ponto de vista principiológico e conceitual, se 36 HUBER, Fernanda Elaine; DETTMER, Brígida. O contrato de seguro e as implicações do código de defesa do consumidor e do código civil. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=5059> Acesso em: 29 set. 2005, p MARENSI, Voltaire. O contrato de seguro à luz do novo código civil. 2 ed., Porto Alegre: Síntese, 2002, p SEREIAS, Vasco Porto. Seguros no novo código civil. Campinas: Syslook, 2004, p. 37.

16 16 encontra hoje no Código Civil de 2002 e por isso, deve obedecer aos ditames exigidos por tal diploma legal, sem, contudo, afastar a incidência do microssistema do consumidor. 1.4 Contrato de seguro no Código de Defesa do Consumidor Para compreender a razão de a atividade securitária ser regida também pelo Código de Defesa do Consumidor, é preciso uma análise mais aprofundada sobre quais elementos são necessários para caracterizar tal atividade como uma relação jurídica de consumo. Afirma Nelson Nery Júnior 39 que os elementos constantes numa relação jurídica de consumo são: a) os sujeitos, quais sejam, o fornecedor economicamente mais forte e o consumidor primordialmente vulnerável; b) o objeto, que é o consumo de produtos e/ou serviços; c) o elemento tecnológico ou finalidade do consumo, que é a análise posterior do consumidor ser ou não destinatário final na cadeia consumerista. Neste diapasão, o caput do art. 2º do Código de Defesa do Consumidor traz o conceito de consumidor standart, ou padrão: Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Importante analisar que esse artigo traz em sua redação a finalidade do consumo, preconizada por Nelson Nery Jr., que é a expressão destinatário final, que define exatamente como consumidores aqueles que adquirem o produto ou serviço pra si e não como intermediários na cadeia de consumo. É, por conseguinte, equivocada a idéia de que qualquer pessoa física ou jurídica é por excelência fornecedora ou consumidora. Somente o caso concreto definirá a aplicabilidade ou não das normas estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor. Com efeito, o caput do art. 3º do mesmo diploma traz o conceito de fornecedor como aquele que desenvolve atividade no mercado de consumo. Ainda que não bastasse, o legislador optou por introduzir expressamente no 2 do mesmo artigo o objeto da relação ocorrida nos contratos de seguro, deixando clarividente a caracterização securitária como relação de consumo: Art. 3º, 2º. Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista. Então, para que um negócio jurídico seja caracterizado como uma relação jurídica de consumo, ou seja, para que ele esteja sob o comando do CDC, o que importa é analisar a qualificação das partes. Assim para que o contrato de seguro seja uma relação de consumo, as 39, Apud OLIVEIRA, James Eduardo. Código de defesa do consumidor. São Paulo: Atlas, 2004, p. 20.

17 17 figuras do segurador e do segurado tem que estar na classificação jurídica de consumidor e fornecedor trazida pelos artigos do CDC. Assim, se as partes envolventes no contrato securitário não se encaixarem nos conceitos consumeristas de consumidor e fornecedor, tal relação jurídica será regida nos moldes do disposto no Código Civil (artigos 757 e seguintes). Por outro lado, ocorrer a subsunção do segurado e segurador nas figuras do consumidor e fornecedor, esse contrato terá sua vigência sob a égide do Código de Defesa do Consumidor. Após a verificação da ocorrência relação jurídica de consumo no contrato de seguro, no caso concreto, ocorre a incidência de todo o que está estabelecido no Código do Consumidor, dentre eles os princípios e as exigências necessárias para a proteção da parte mais vulnerável da relação jurídica, que necessita de maior proteção legal. Os princípios do Código de Defesa do Consumidor visam proporcionar o atendimento das necessidades dos consumidores, proteger seus interesses econômicos, melhorar a sua qualidade de vida, dar transparência e harmonia nas relações entre os consumidores e fornecedores de produtos e serviços. Assim afirma Paulo Roque Khouri 40 : Essa preocupação com a justiça interna do contrato e o equilíbrio da relação contratual vai ser assumida claramente no Código de Defesa do Consumidor, cujo escopo maior é a garantia de um equilíbrio mínimo nas relações contratuais. Pode-se dizer, então, que o CDC não tolera o contrato manifestamente injusto. Importante ressaltar que mesmo havendo a incidência do CDC, quando a qualificação das partes forem consumeristas, o contrato de seguro continua sendo um negócio jurídico particularizado na legislação civilista, porquanto o surgimento da lei consumerista só veio assegurar a efetividade das regras sobre seguros contidas no Código Civil, ou seja, veio trazer regras para reequilibrar esses parceiros contratuais tão desiguais. Sobre esse contrato, mesmo tendo um regramento específico no Código Civil, também incide o Código de Defesa do Consumidor, que introduziu no sistema civil princípios gerais que realçam a justiça contratual, a equivalência das prestações e o princípio da boa-fé objetiva. Há que se observar as novas formas de integração entre ambas as legislações, consumerista e civilista, tendo em vista que a incidência de uma delas não excluirá a outra. A tendência é a incidência cumulativa do Código de Defesa do Consumidor com o Código Civil e outras normas referentes aos contratos de seguro. 40 KHOURI, Paulo R. Roque A.. Contratos e responsabilidade civil no CDC. Brasília: Brasília Jurídica, 2003, p. 73.

18 18 2. PRESCRIÇÃO DA PRETENSAO NOS CONTRATOS DE SEGURO 2.1 Conceito e natureza jurídica A extinção do direito sobre determinada coisa verifica-se de várias formas, decorrentes, por exemplo, de mudanças no ordenamento jurídico, perecimento do objeto, falecimento da pessoa, não-exercício do direito, dentre outras. Interessante notar que o nãoexercício de um direito subjetivo, o mais relevante ao estudo em voga, caracteriza-se pela inércia voluntária e abstenção de praticar os atos para tornar esse direito efetivo. 41 O não-exercício não se confunde com a renúncia ao direito, tendo em vista que nesta o titular se obriga a permanecer em estado de inércia, não podendo exercê-lo no futuro, caso queira, ao passo que aquele se limita a não praticar o direito, mas podendo exercê-lo posteriormente. Entretanto, o decurso do tempo em que o titular não se força a exercer o seu direito subjetivo possui limites ou prazos estabelecidos pela lei, objetivando, desta forma, que saia da inércia. Leciona Fábio Ulhôa Coelho 42 que embora não force ninguém a exercer seus direitos, a lei não tolera a inércia para sempre. O não-exercício de um direito por muito tempo acaba minando a segurança das relações jurídicas. Caio Mário da Silva Pereira 43 pontifica a finalidade da prescrição afirmando que esta tem, então, aliado a outros fatores, o condão de tornar imune aos ataques a relação jurídica que haja estado em vigor por certo lapso, ou, ao revés, decreta o perecimento daquela que negligentemente foi abandonada pelo sujeito. Neste liame, continua Pontes de Miranda 44 : Os prazos prescricionais servem à paz social e à segurança jurídica. Não destroem o direito, que é; cancelam, não apagam as pretensões, atendem à conveniência de que não perdure por demasiado tempo a exigibilidade ou a acionabilidade. Note-se, portanto, que no momento em que há a violação do direito, nasce a pretensão de se buscar a reparação do dano causado a esse direito e começa juntamente a contagem do prazo prescricional. Ensina Héctor Valverde Santana 45 que o início do prazo 41 COELHO, Fábio Ulhôa. Curso de direito civil. São Paulo: Saraiva, v.1, p Ibidem, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, v. 1, p MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. Campinas: Bookseller, 2000, v. 6, p SANTANA, Héctor Valverde. Prescrição e decadência nas relações de consumo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 99.

19 19 será computado a partir da violação do direito, simultâneo ao momento do nascimento da pretensão. [...] Infere-se que a fluência do prazo prescricional é absolutamente inviável antes da violação do direito sujeito a uma prestação. Ao contrário do errôneo pensamento da doutrina atual, Pontes de Miranda 46 defende com veemência que a prescrição não atinge somente a ação, que é um instituto de direito processual, mas atinge primeiro a pretensão, instituto de direito material, no sentido de que cobre a eficácia da pretensão e, pois, do direito, quer quanto à ação, que quanto ao exercício do direito mediante cobrança direta [...] ou outra manifestação pretensional. Vilson Rodrigues Alves 47 esclarece que a praescriptio sempre foi exceção: a prescrição é exceção de direito material. Uma vez que o exercício extrajudicial ou judicial da pretensão e da ação se submete a prazo, limita-se por ele, de tal modo que, extinto o prazo, fica encoberta ou encobrível a eficácia da pretensão. Com isso, a relação jurídica não perece, ao passo que se o devedor quiser satisfazer a dívida ao credor, judicial ou extrajudicialmente, não exercendo a exceção da prescrição, assim poderá proceder. Caio Mário da Silva Pereira 48 caracteriza-o como dever moral de solver, ou uma livre consciência do devedor perante a sua obrigação de pagar, independente da força coercitiva da lei. Pelo motivo de que o devedor tem a faculdade de se beneficiar da prescrição, ou seja, pode alegá-la ou não por meio da exceção, o juiz não pode decretá-la de ofício, senão nos casos previstos em lei, conforme explica Vilson Rodrigues Alves 49 : Sua eficácia somente se apaga se houver o exercício do direito de exceção de prescrição pela pessoa a quem aproveita. Se não há essa alegação, o juiz não pode supri-la de ofício, salvo se favorecer a absolutamente incapaz, diz o art. 194, 2ª parte, referindo-se à pretensão encoberta pela prescrição. De hipótese, em se dando o exercício da exceptio exceptionis, a relação intrajurídica de crédito e débito entre o autor e réu persiste, como subsiste a pretensão de direito material, apenas diminuída em sua eficácia, na exigibilidade do quantum debeatur. tempo: Vale lembrar na lição de Pontes de Miranda 50 que já assim ensinava em seu 46 MIRANDA, Pontes de, op.cit., pág ALVES, Vilson Rodrigues. Da prescrição e da decadência no novo código civil. Campinas: Bookseller, 2003, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. 11 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003, v. 1, p ALVES, Vilson Rodrigues. Da prescrição e da decadência no novo código civil. Campinas: Bookseller, 2003, p MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. Campinas: Bookseller, 2000, v. 6, p. 139.

20 20 Concebida como exceção, [...], a prescrição aproveita, também, ao devedor, ainda que ele sabia e sabe que deve. Tal proteção não é ipso iure. A exceção pode deixar de ser oposta, o que dá ao seu titular a faculdade de não na opor, ficando bem, assim, com a sua consciência. Portanto, a prescrição encobre a eficácia da pretensão, no sentido de que o devedor que a aproveita deve provar que a mesma se deu para beneficiar-se dela. 51 Do mesmo modo leciona Fábio Siebeneichler de Andrade 52, explicitando que a prescrição tem a finalidade de proteger o devedor em face da inércia do titular do direito subjetivo dentro do prazo fixado lei e que, por esse motivo, impõe-se à parte, portanto, o ônus de suscitar a prescrição em defesa (exceção). Por outro lado, para ser feita uma análise mais profunda da natureza jurídica da praescriptio, é preciso primeiramente conhecer dos pressupostos ou elementos que o compõe. De acordo com Vilson Rodrigues Alves 53, que segue os ensinamentos de Pontes de Miranda, os pressupostos da prescrição são: a) a possibilidade da pretensão ou da ação, b) a prescritibilidade dessa pretensão ou ação, c) o transcurso do prazo prescricional da pretensão ou ação não submetido às imunidades dos arts , e d) o não-exercício judicial da pretensão ou ação. Após a verificação destes pressupostos, ocorre a prescrição. Interessante notar, porém, que os três primeiros pressupostos, letras a, b e c, são de caráter fático, ou seja, independem da vontade humana, todavia repercutem no mundo jurídico, configurando-se em fatos jurídicos em sentido estrito. Poderá haver uma ou outra vez em que haja vontade humana, coincidindo juntamente com o fato jurídico em sentido estrito, mas não será elemento fundamental para este. Em contrapartida, tem-se que o último pressuposto da prescrição, letra d, se caracteriza por ser o ato humano negativo, mesmo que tenha se dado voluntária ou involuntariamente, porquanto é imprescindível para que se opere a prescrição. 51 MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. Campinas: Bookseller, 2000, v. 6, p ANDRADE, Fábio Siebeneichler de. Considerações sobre o regime da prescrição no código civil de 2002 e seus efeitos quanto à lei de defesa do consumidor. Código de defesa do consumidor e o código civil de 2002: convergências e assimetrias. Adalberto Pasqualotto (Coord.). São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005, p ALVES, Vilson Rodrigues. Da prescrição e da decadência no novo código civil. Campinas: Bookseller, 2003, pág. 75.

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Civil Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a 1- Ementa Princípios

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil 6. Tópicos Especiais em Obrigações Tópicos Especiais em Direito Civil Obrigações O professor Álvaro Villaça define a obrigação como a relação jurídica de caráter transitório que vai ser garantida pelo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO 01 Quanto aos Negócios Jurídicos, podemos dizer que: a) são seus elementos essenciais: agente capaz, objeto lícito, possível determinado ou determinável, consentimento

Leia mais

JUROS DE MORA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS EM ANDAMENTO.

JUROS DE MORA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS EM ANDAMENTO. JUROS DE MORA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS EM ANDAMENTO. Milton Gurgel Filho Os juros moratórios, incidentes sobre as ações judiciais, vêm regulados no art. 406 do novo Código Civil,

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

O Seguro garante o fiel cumprimento da construção, fornecimento e/ou prestação de serviços assumida pelo Tomador no contrato

O Seguro garante o fiel cumprimento da construção, fornecimento e/ou prestação de serviços assumida pelo Tomador no contrato G CNPJ 61.198.164/0001-60 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A aceitação do seguro estará sujeita à análise do risco. O registro deste plano na SUSEP não implica por parte da Autarquia, incentivo ou recomendação

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003 COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos Capitulo XV - Do seguro Seção I Disposições gerais ART. 757 - PELO CONTRATO DE SEGURO,

Leia mais

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos

O contrato de seguro no Novo Código Civil. Uma breve abordagem. 1. Noção geral sobre os contratos O contrato de seguro no Novo Código Civil Uma breve abordagem 1. Noção geral sobre os contratos 1.1 O Contrato como negócio jurídico Dentre as definições doutrinárias de contrato, damos início a este trabalho

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

SEGURO GARANTIA SETOR PÚBLICO

SEGURO GARANTIA SETOR PÚBLICO SEGURO GARANTIA SETOR PÚBLICO CONDIÇÕES GERAIS... 2 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO...... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. DEFINIÇÕES... 3 5. OBJETO... 3 6. RISCOS COBERTOS...

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES NO NOVO CÓDIGO CIVIL ASPECTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR ACIDENTES DO TRABALHO FLÁVIO LANDI (*) A Lei n. 10.406, publicada aos 11.1.2002, com vacatio legis de um ano, instituiu

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vícios Da Execução Fundada Em Nota Promissória[1] Waldemir Banja[2] Sabemos todos que a nota promissória, possivelmente o mais popular e o mais utilizado dos títulos de crédito entre

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

O PRAZO DE PRESCRIÇÃO E AS CAUSAS IMPEDITIVAS

O PRAZO DE PRESCRIÇÃO E AS CAUSAS IMPEDITIVAS 1 2 3 4 O PRAZO DE PRESCRIÇÃO E AS CAUSAS IMPEDITIVAS Indaga-se: considerando que o CTN apenas tratou de causas de interrupção do prazo prescricional, o referido lapso temporal está sujeito também a causas

Leia mais

A Prescrição no Contrato de Seguro

A Prescrição no Contrato de Seguro A Prescrição no Contrato de Seguro Ilan Goldberg 1 1. Introdução. 2. A Sistemática Adotada no Código Civil de 1916. 3. A Sistemática Adotada no Código Civil de 2002. 4. A Aplicação do Código de Defesa

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados. CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N.º, de de 2010. Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais

Leia mais

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1 NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO Mauro Schiavi 1 Segundo Pontes de Miranda 2, a prescrição é a exceção, que alguém tem, contra o que não exerceu, durante certo

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

Pós Ph.D J. S. Fagundes Cunha

Pós Ph.D J. S. Fagundes Cunha DA COMPETÊNCIA ABSOLUTA DO FORO DO DOMICÍLIO DO CONSUMIDOR OU DO FORO DA SEDE DA EMPRESA NA COBRANÇA DE SEGURO (INCLUSIVE DPVAT) E REVISIONAL DE CONTRATO BANCÁRIO (INCLUSIVE LEASING) Pós Ph.D J. S. Fagundes

Leia mais

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. OBJETIVO DO SEGURO... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. FORMA DE CONTRATAÇÃO... 4

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL Bruno Henrique Andrade Alvarenga O presente trabalho se pauta no estudo dos artigos 757 a 802 do Código Civil, mais especificamente no tocante ao Contrato de Seguro.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I Fls. 3 da CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 - ANEXO I SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas

Leia mais

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco.

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Da Responsabilidade Civil Objetiva É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Na doutrina brasileira a matéria vem muito bem elaborada por Caio

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

O CASO FORTUITO E A FORÇA MAIOR COMO CAUSAS DE EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE NO CÓDIGO DO CONSUMIDOR

O CASO FORTUITO E A FORÇA MAIOR COMO CAUSAS DE EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE NO CÓDIGO DO CONSUMIDOR O CASO FORTUITO E A FORÇA MAIOR COMO CAUSAS DE EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE NO CÓDIGO DO CONSUMIDOR PLÍNIO LACERDA MARTINS Promotor de Justiça do Estado de Minas Gerais O Código do Consumidor (Lei n 8.078/90)

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 Noções de Direito do Consumidor Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 AULA 01 18/06/2012 Mini Currículo P r o f e s s o r e A d v o g a d o. E s p e c i a l i s t a e m R e l a ç õ e s d e C o n s

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

Principais características:

Principais características: 1 - Entendendo a sua situação Se você contratou financiamento imobiliário através da PREVI/CARIM, saiba que são 4 (quatro) os tipos de contratos e situação possíveis. Conforme quadro comparativo abaixo,

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 19 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av.

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907, bairro Caminho das Arvores,

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

Teoria Geral das Obrigações. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Teoria Geral das Obrigações. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Teoria Geral das Obrigações Objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar a teoria geral das obrigações iniciando-se com um breve relato sobre o Direito das Obrigações, seguindo-se para os elementos

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único.

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. SOLIDARIEDADE PASSIVA É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. Decorre da lei (art.154, 828,II) ou da vontade das partes.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original

CONDIÇÕES GERAIS. Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original CONDIÇÕES GERAIS Plano de Seguro LUIZASEG Garantia Estendida Original São Paulo SP 24 de março de 2014 CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 3 DEFINIÇÃO DE TERMOS TÉCNICOS... 3 1. OBJETIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais