O PROJETO A FORMAÇÃO EM SERVIÇO PARA INTEGRAÇÃO DAS TIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROJETO CRI@TIVIDADE: A FORMAÇÃO EM SERVIÇO PARA INTEGRAÇÃO DAS TIC"

Transcrição

1 O PROJETO A FORMAÇÃO EM SERVIÇO PARA INTEGRAÇÃO DAS TIC Resumo: VOSGERAU, Dilmeire Sant Anna Ramos Profª. Mestrado em Educação/PUCPR ENDLICH, Estela Gerente de Tecnologias/SME PINTO, Andréa Schoch Marques BOLSI, Cristiane Este artigo relata os resultados do primeiro ano do projeto uma parceria entre a universidade e a rede municipal de ensino, contemplando o estudo de uma nova proposta de formação inicial e continuada de professores para a integração das tecnologias da informação e comunicação à prática pedagógica. Por se tratar de uma parceria que nasceu de uma necessidade do próprio sujeito pesquisado (a rede municipal de ensino), e que busca pela ação da pesquisa atender ao processo de formação continuada, optamos por encaminhar a pesquisa seguindo os pressupostos da pesquisa-ação-formação, da qual participaram 110 professores e 13 assessores-formadores ligados à Secretaria da Educação do Município, 10 pesquisadores, sendo estes docentes e discentes do Mestrado em Educação e do curso de graduação em Pedagogia. Neste primeiro ano pretendia-se, com essa pesquisa, estudar as possibilidades de formação continuada de professores de Ensino Fundamental 1º e 2º Segmentos para integração das TIC, propondo-se a formação de um professor-mentor, ou seja, professores de formação pedagógica que atuariam em diferentes projetos da escola e, entre estes projetos, situam-se a integração do laboratório de informática às práticas pedagógicas do professor regente em sala de aula. Entre os resultados deste primeiro ano, destacamos a mudança de percepção dos professores quanto à finalidade do laboratório de informática da escola, que passa a ser considerado uma extensão da sala de aula e não uma sala de recreação, estabelecendo para tal ligações formais com ele por meio da elaboração de planos de aula com o professor-regente. Palavras-chave: formação inicial de professores; formação continuada de professores; tecnologias da informação e comunicação; pesquisa-ação-formação

2 Introdução 3554 Se por um lado percebemos que as tecnologias da informação e comunicação (TIC) fazem parte do cotidiano de grande parte das crianças e adolescentes, por outro lado pesquisas internacionais, como de Dagiene (2003), Wilhelmsen e Enger (2003)Viens e Rioux (2001), Laferrière et al.(2000) nos mostram as dificuldades da integração dessas tecnologias no cotidiano do professor, tendo em vista a utilização destes recursos para favorecer o processo ensino-aprendizagem. Apontam, como alternativa na formação para esta integração, a pesquisa-ação, sobretudo os modelos fundamentados em parcerias entre escola e universidade. No Brasil, esta realidade é ainda mais avassaladora, visto que a pesquisaação implica o agenciamento de recursos físicos, humanos e financeiros, nem sempre disponíveis para educação, onde ainda permanecem modelos de formação baseados em oficinas pontuais de capacitação técnica, iniciados por volta dos anos 90. Neste período, diversos modelos de integração da informática nas escolas propunham a contratação de um técnico-especialista permanente nos laboratórios. Seguida a esta proposição, encontra-se a oferta de capacitações técnico-pedagógicas pontuais. Contudo, conforme demonstramos mais adiante, algumas pesquisas mostram que apenas a contratação de um técnico-especialista e capacitações técnico-pedagógicas isoladas não são suficientes para que ocorra uma integração efetiva das Tecnologias da Informação e Comunicação às atividades pedagógicas realizadas cotidianamente pelo professor. Após oito anos de implantação de recursos tecnológicos em suas escolas, a rede municipal de ensino confirma essas pesquisas e avança propondo um novo modelo de formação, no qual se pretende passar da capacitação na utilização dos recursos, para uma formação para integração dos recursos à prática pedagógica. A busca por um modelo de formação A Secretaria Municipal da Educação de Curitiba SME preocupada com a oferta de uma educação voltada para o futuro, começou, a partir de 1998, a desenvolver ações para propiciar o acesso às novas tecnologias no processo ensino-aprendizagem a todos os alunos da rede municipal de ensino de Curitiba, bem como possibilitar a utilização dessas ferramentas pela comunidade. A SME, por meio do projeto Digitando o Futuro, disponibilizou recursos para a implementação de laboratórios de informática com conexão à Internet em todas as suas escolas. Até 2005 foram implantados laboratórios na quase totalidade das escolas da rede, ou

3 3555 seja, de 168 escolas, 163 já estão com laboratórios instalados. Além dos laboratórios, seguindo a premissa de oferecer novos recursos ao público atendido nas escolas municipais, no ano de 2003, todas as escolas receberam kits tecnológicos Lego e Robótica, como mais um recurso para ser utilizado no processo ensino-aprendizagem. A partir do ano de 2002, a SME percebeu a necessidade da criação de um serviço interno que atendesse a utilização pedagógica desses recursos tecnológicos disponíveis nas escolas: a gerência de Tecnologias Digitais. Essa gerência passou a oferecer capacitação a todos os profissionais da educação. Até o ano de 2005 foram capacitados em média sete mil profissionais no uso dos recursos tecnológicos. Mas o que mostra a realidade é que somente a capacitação não garante a utilização dessas ferramentas. Conforme pesquisa realizada no final do ano de 2004 (CURITIBA, 2004), os professores ainda se sentem inseguros ao trabalhar com seus alunos no laboratório. Outra pesquisa realizada pela SME (CURITIBA, 2005) demonstrou que durante o período em que os professores participam de uma capacitação, sentem-se mais seguros para o uso dos recursos na sala de aula, no entanto, quando esta termina, a insegurança retorna e eles voltam a realizar suas atividades com seus recursos tradicionais. Este resultado se assemelha aos da pesquisa apresentada por Wilhelmsen e Enger (2003), na qual os autores sugerem que, para que a integração aconteça, existem fatores relativos à mediação a serem considerados: 1. fatores de ordem pessoal: competência, motivação e atitude; 2. fatores de reforço: valorização e clima social; 3. fatores habilitadores: o acesso a computadores e tempo destinado ao planejamento e colaboração. Com base no diagnóstico das pesquisas e na literatura científica da área, propusemos um novo modelo de qualificação em serviço, tendo como princípio o conceito de mentoring, ou seja, a formação com o acompanhamento do mentor. Propomos uma passagem da capacitação para a formação, processo no qual se pretende aprofundar os conteúdos apresentados em um eventual treinamento, transformando-o, verdadeiramente, em uma formação plena (SANTOS, 2004, p. 1). Dessa forma, o professor-mentor tem o apoio necessário para replicar com seus pares, na sua unidade, o conhecimento aprendido como participante do projeto. Assim, oferecemos, àqueles professores de sala de aula que se sentem inseguros, um parceiro que está dentro do seu contexto escolar e que pode ajudá-lo a aprender junto com os alunos.

4 3556 Apresentamos, neste artigo, uma das questões que neste primeiro ano de pesquisa pudemos responder: Como o modelo de pesquisa-ação baseado na formação do professor-mentor favorece a integração das TIC na sala de aula? O conceito de mentoring A palavra mentor tem sua origem na literatura clássica, com um personagem criado por Homero, em A Odisséia. Nesse clássico da literatura grega, Homero narra a história de um rei que ao partir para a guerra deixa a seu fiel e sábio amigo, cujo nome era Mentor, a responsabilidade de acompanhar a educação de seu único filho, Telêmaco. Mentor não tinha o poder de decidir por Telêmaco, e sim deveria orientá-lo para que ele, mesmo com a ausência de seu pai, que era a quem era atribuída a responsabilidade de educação dos filhos homens, amadurecesse e se tornasse capaz de assumir as responsabilidades necessárias a um futuro rei. A presença de Mentor nos momentos onde deviam ser tomadas decisões de ordem prática era essencial. Nessas ocasiões, o sábio e experiente Mentor tinha como tarefa mostrar ao jovem e inexperiente Telêmaco os diferentes caminhos que poderiam ser trilhados e antever com ele, na medida do possível, as possíveis conseqüências da sua escolha, para que ele próprio decidisse por onde seguir (BELLODI; MARTINS, 2005). Mesmo que autores como Bellodi e Martins (2005) utilizem em seus estudos sobre tutoria os termos mentor e tutor como sinônimos, optamos em nossa pesquisa em utilizar o termo professor-mentor, para diferenciar da concepção de tutor utilizada em educação a distância. Na educação a distância, o tutor é sempre alguém que possui duas características essenciais: domínio do conteúdo técnico-científico e, ao mesmo tempo, habilidade para estimular a busca de resposta pelo participante (EMERENCIANO, SOUSA e FREITAS, 2002, p. 3). Utilizando essa definição, estaríamos limitando a função do tutor para momentos exclusivos de situações formais de ensino e aprendizagem e minimizando a importância dos conhecimentos tácitos, os quais pretendemos valorizar no modelo de formação proposto. Dentro do contexto desta pesquisa, o professor-mentor é aquele que possui mais experiência prática em determinadas situações, o que o permite guiar e apoiar seus colegas. É importante destacar que não existe uma hierarquia de funções, ele não avalia, mas participa, partilha e colabora (HUDSON e SKAMP, 2002).

5 3557 Para Hudson (2002), o mentor oferece ao seu protegido o modelo e o apoio necessário para que ele possa se sentir seguro no desenvolvimento das competências e habilidades já possuídas pelo mentor. Para que isso ocorra, Hudson e Skamp (2002) propõem cinco requisitos: atributos pessoais, conhecimentos pedagógicos, retroação, modelos e um sistema de acompanhamento. Como atributos pessoais são indicadas algumas características, como: entusiasmo para o ensino (BYBEE, 1978); fonte de inspiração para os colegas (MORAN, 1990); atitude positiva em relação ao ensino (RIORDAN, 1995); desenvolvimento sua prática reflexiva e estimular a do outro (SCHON, 1987); ser seguro e estar confortável para falar sobre o ensino; criativo para descobrir formas de aliviar as ansiedades de seu protegido ; confiável. O conhecimento pedagógico-prático necessário para o exercício da função de professor-mentor abrange: acompanhamento para o desenvolvimento e execução do planejamento; discussão do programa de mentoring; auxílio na gestão da sala; auxílio na organização de horários; auxílio na busca e seleção de estratégias de ensino; auxílio na resolução e redução de problemas; provimento de explicações claras; capacidade de desenvolver no protegido as competências e habilidades necessárias para a resolução de problemas; obtenção de equipamentos; discussão da avaliação do processo em realização; discussão de questões técnicas. Quanto à retroação, é importante que: sejam observadas as situações de ensino-aprendizagem; sejam fornecidas retroações orais, claras e precisas; sejam fornecidas retroações escritas. Como modelos, os professores-mentores devem:

6 3558 se mostrar entusiasmados; discutir o conhecimento sobre o ensino; dar conta de ( se viram ) resolver problemas; utilizar a linguagem escolar; compartilhar exemplos; apresentar modelos; auxiliar os professores em tópicos que eles têm dificuldades. O sistema de acompanhamento necessário pressupõe: o conhecimento dos objetivos, políticas e procedimentos do currículo escolar; a associação deste conhecimento à prática educativa; a elaboração de instrumentos que orientem o planejamento; a elaboração de instrumentos que permitam o acompanhamento do protegido. Tendo como pressuposto os enunciados teóricos, procedemos a pesquisaação no ano letivo de 2006, onde tentamos aliar os saberes teóricos e práticos, mesmo sabendo que nem sempre eles foram considerados complementares, como assinala Lahaye e Pourtois (2002, p. 49), A separação entre a pesquisa (saberes teóricos) e a ação (saberes práticos) advém de uma tradição filosófica ocidental longínqua, que separa desde Platão e Aristóteles, a theoria e a praxis : de um lado o que se refere a conhecimento e de outro o que vem da ação. A filosofia distingue então suas duas questões fundamentais: de um lado o que eu posso saber?, esta questão é relativa às condições das possibilidades de conhecimento e às limitações do conhecimento, por outro lado, o que eu devo fazer?, esta interrogação trata da ética da ação humana. Metodologia A pesquisa ação-formação visa à aproximação entre estes dois pólos, por meio de um projeto de formação integrador. Segundo Charlier, Daele e Deschryver (2002, p. 350), este tipo de pesquisa caracteriza por um projeto de ação em grupo, onde no encaminhamento de pesquisa são associados professores em formação e seus formadores. A originalidade desta modalidade de pesquisa está na complementaridade dos encaminhamentos postos em prática simultaneamente. A pesquisa ajuda regular a formação e ela mesma suporta a pesquisa. Um projeto de pesquisa-ação-formação se propõe a mobilizar três vértices: a pesquisa, a ação e a formação (CHARLIER e CHARLIER, 1998).

7 3559 A formação ocorreu pela atuação da gerência de tecnologias da SME com o apoio da PUCPR, capacitando o professor-mentor a planejar as atividades de integração das TIC no laboratório. A ação correspondeu à atuação do professor-mentor com seus pares dentro de seu contexto escolar, tendo o apoio técnico-pedagógico da gerência de tecnologias e apoio científico da PUCPR. A pesquisa ocorreu em consonância com os quatro atores: gerência de tecnologias, professores da rede pública municipal, alunos do curso de pedagogia e pesquisadores da PUCPR (mestrandos em educação e bolsistas PIBIC). Participaram do projeto, ligados à gerência de tecnologias: 13 assessores em tecnologias digitais para educação que atuaram como formadores; como professores participantes, contamos com 110 professores da rede municipal; ligados à PUCPR: 10 alunos de graduação em pedagogia, voluntários; 4 bolsistas-pesquisadores PIBIC; 1 alunopesquisador com trabalho de conclusão de curso; 4 mestrandos-pesquisadores em educação e 3 professores-pesquisadores do mestrado em educação. Cada um dos participantes identificados como pesquisadores possuiu seu próprio foco na investigação, o que é analisado no decorrer das cinco etapas do projeto, listadas abaixo e que serão apresentadas em artigos posteriores: 1) Conscientização da importância do planejamento para integração das TIC: encontro presencial, onde os professores são chamados a participar do projeto; 2) Atendimento individual ao planejamento realizado pelo professor: inscrição ao projeto por meio do ambiente virtual de formação TELEDUC, orientação individual ao planejamento realizado pelos professores e participação nas oficinas; 3) Acompanhamento da aplicação do planejamento: atendimento aos professores na própria escola, participação no ambiente TELEDUC, realização de oficinas e encontros mensais de objetivação da aprendizagem experimentada; 4) Mostra de trabalhos e objetivação da aprendizagem: apresentação e discussão dos planejamentos executados durante o ano e objetivação e reflexão das aprendizagens experimentadas; 5) Avaliação formativa da pesquisa: grande encontro final entre pesquisadores, alunos de graduação, formadores e professores participantes do projeto, tendo como foco a avaliação dos procedimentos da pesquisa realizada. O processo de formação do professor-mentor Por meio de uma convocação, foi solicitada a participação de todos os professores da rede municipal que estavam envolvidos nos laboratórios de informática. Participaram do encontro aproximadamente 145 professores, representando parcialmente as 168 escolas da rede.

8 3560 Nesse encontro em grande grupo, foi explicado o encaminhamento da pesquisa ação-formação que seria realizada. Na mesma ocasião, a equipe de Educação a distância fez uma formação para a utilização do ambiente virtual TELEDUC, que foi utilizado para o acompanhamento das atividades realizadas no projeto. A equipe de pesquisadores da PUCPR animou uma discussão sobre a importância do planejamento para a integração das TIC na prática pedagógica, como, também, ofereceu alguns exemplos de planejamentos. Não foi determinado um modelo único de planejamento, pois parte-se do princípio de que este dever emergir das necessidades individuais do contexto escolar. Por outro lado, um dos objetivos da pesquisa é conhecer os modelos de planejamentos utilizados pelos professores, para que ao final do projeto possamos ter alternativas de modelos adaptados às necessidades dos professores da rede municipal. Nesse encontro, pelos questionamentos dos professores, ficou evidente o desejo deles de haver um professor experiente que articule os trabalhos no laboratório de informática, e não apenas um técnico em informática. Dando seqüência ao projeto, todos os professores que estavam no encontro inicial foram inscritos pela equipe de formação no ambiente virtual TELEDUC. Destes que foram inscritos, 39 solicitaram o cancelamento da inscrição no ambiente, alguns por terem participado do encontro apenas como representante da escola, outros por falta de disponibilidade de tempo e outros ainda por falta de infra-estrutura da escola, por exemplo, máquinas com problemas, máquinas roubadas, etc. No entanto, 31 novos professores, que não estavam presentes no encontro inicial, solicitaram inscrição no ambiente para participação no projeto. Com as desistências que ocorreram durante o processo, finalizamos o ano com 110 professores. Como exemplifica uma das 24 mensagens postadas no fórum do TELEDUC, por um dos professores, o projeto parece responder aos anseios iniciais dos professores: Penso que o mesmo vai trazer um maior envolvimento entre os professores das escolas que atuam nos laboratórios, bem como será ótimo podermos trocar experiências e somarmos idéias diferentes para desenvolvermos da melhor forma possível atividades com a informática que venham a enriquecer os conhecimentos adquiridos pelos alunos. Foi disponibilizada, no ambiente, uma agenda virtual onde o professormentor se inscreveu para atendimento individualizado com as responsáveis pelas áreas da gerência de tecnologias digitais.

9 3561 Participaram da coleta de dados nesta etapa: 6 alunos de graduação, 2 alunos PIBIC e 2 mestrandos. Para os alunos de graduação foi uma experiência ímpar, dois deles afirmaram que não imaginavam que tantos professores utilizavam a tecnologia, mesmo sem terem uma formação específica para tal. Ressaltamos aqui que nem todos os professores inscritos já haviam participado das capacitações oferecidas pela rede. Com essa afirmação, pudemos refletir com os alunos de graduação algumas generalizações feitas no ambiente acadêmico, como a estagnação do professor na busca pela inovação da sua prática. Paralelo a este atendimento, foram oferecidas oficinas de aperfeiçoamento para os professores que desejassem conhecer o uso pedagógico de diversos recursos. Em um segundo momento, os professores refizeram os planejamentos apresentados inicialmente e eles foram discutidos e validados em encontros agendados com a equipe de formação. Uma mudança importante ocorreu, por sugestão da própria equipe de formação. Na primeira vez de correção dos planos, os atendimentos eram agendados individualmente, mas como alguns professores solicitavam para acompanhar a orientação do colega, nesta segunda vez de apresentação dos planos as orientações aconteceram em pequenos grupos. Durante os noves meses de realização do projeto, foram lançados dentro do ambiente TELEDUC seis questionamentos, que abordavam: a descrição da organização do trabalho no laboratório de informática na escola em que o professor-mentor atuava; reflexões acerca da própria prática pedagógica dentro dos Laboratórios de Informática; a elaboração do planejamento para integração das TIC; a coesão e coerência entre os elementos apresentados no interior de um planejamento; o papel do professor no laboratório de informática; o papel do professor-mentor na escola. Esses questionamentos eram respondidos por meio da criação de um diário de bordo individual, postados no ambiente virtual TELEDUC, assim como os relatórios semestrais.

10 Resultados de análises preliminares do 1º ano referentes ao modelo proposto de formação o professor-mentor 3562 No primeiro ano de implantação do projeto, a partir dos relatórios enviados pelos professores e por meio da participação deles no ambiente TELEDUC, pudemos contatar alguns resultados positivos e significativos no processo de integração das TIC na sala de aula. Os professores-mentores conseguiram perceber que, com a demonstração de preocupação com o ato de planejar para utilização do laboratório de informática, seus pares passaram a ver o laboratório como um meio para trabalhar conteúdos de sala de aula e não mais sala de joguinhos. Isso os levou a confirmar a necessidade da integração do planejamento do laboratório com o da sala de aula. As orientações individuais para o planejamento levaram o professor a aprimorar o planejamento para que ele tenha uma finalidade real circular: planejar, executar, avaliar, refletir. Quanto ao acompanhamento oferecido pela equipe de formação, segundo os professores participantes, este gerou segurança, seriedade e valorização. Enquanto a equipe de formação esperava que os professores participantes se sentissem como mentores, para eles, a ação da equipe de formação foi o modelo do que deveria ser o professor-mentor. Quanto aos recursos existentes nas escolas, como elas têm autonomia para a aquisição de novos recursos, muitas vezes a equipe da Gerência de Tecnologia não tem como saber quais as reais necessidades da escola. Esse acompanhamento permite também um monitoramento do uso do laboratório, podendo a SME realizar as intervenções necessárias. Com este apoio dado ao professor que mais se envolve como o laboratório, melhora também a condição de manutenção dos equipamentos. Mesmo com as dificuldades apresentadas por alguns professores no início do curso quanto à utilização de um ambiente virtual para assessoramento, pudemos constatar que este permitiu o acompanhamento em tempo real, dispensando a necessidade da presença física. No encontro de final de ano, a motivação dos professores era contagiante, porém eram unânimes em afirmar a importância do envolvimento da equipe pedagógica e administrativa da escola para que a prática experimentada este ano possa ressoar amplamente, sensibilizando assim os demais professores da escola. A motivação dos formadores da rede municipal, dos professores participantes, dos mestrandos e graduandos perante a possibilidade de aproximação da

11 3563 universidade com a escola faz com que possamos buscar a pequena luz que se acende ao final do túnel, acreditando que um dia teremos um número maior de escolas de ensino fundamental brasileiras sendo acompanhadas por projetos de pesquisa-ação, que fortaleça e dêem respaldo científico às inovações e prática de quem vive a realidade da educação o professor. REFERÊNCIAS ALTET, Marguerite. Análise das práticas dos professores e das situações pedagógicas. Porto: Porto Editora, BELLODI, P. L.; MARTINS, M. A. Tutoria - mentoring na formação médica. São Paulo: Editora Casa do Psicólogo, BYBEE, R. Science educators perceptions of the ideal science teacher. School Science and Mathematics, 78(1), 13-22, CHARLIER, B.; DAELE, A.; DESCHRYVER, N. Intégration pédagogique des TIC: recherches et formation. Revue des sciences de l'éducation. v. 28, n. 2, , Disponível em: <http://www.erudit.org/revue/rse/2002/v28/n2/007358ar.pdf>. Acesso em: 20 fev CURITIBA. SME - Secretaria Municipal da Educação. Gerência de Tecnologias Digitais. Projeto TEIA: relatório de atividades. SME: Curitiba, CURITIBA. Trabalhando com o recurso LEGO e as Revistas ZOOM nas Escolas Municipais de Curitiba /2005. SME: Curitiba, DAGIENE, V. Focus on the Pedagogical Dimension in ICT Literacy for Teachers. IN: IFIP Working Groups 3.1 and 3.3 Working Conference: ICT and the Teacher of the Future, held at St. Hilda s College, The University of Melbourne, Australia 27th 31st January, Disponível em: <http://crpit.com/confpapers/crpitv23dagiene.pdf>. Acesso em: 15 mar EMERENCIANO, M. S. J.; SOUSA, C. A. L.; FREITAS, L. G. Ser presença como educador, professor e tutor. IN: ABED Associação Brasileira de Educação a Distância, 10 set Disponível em: foid=124&sid=120. Acesso em: 15 jun HUDSON, P. Mentors and modelling primary science teaching practices. The Electronic Journal of Science Education, 7 (1). Retrieved 2 August, Disponível em: Acesso em: 16 abr

12 3564 HUDSON, P.; SKAMP, K. Mentoring preservice teachers of primary science. The Electronic Journal of Science Education, 7 (1). Retrieved 2 February, 2004, Disponível em: Acesso em: 16 abr LAFERRIÈRE, T.; MASSICOTTE, É.; JACQUES, P. Formation d'enseignantes et d'enseignants à l'intégration des TIC au curriculum dans le cadre d'un partenariat. Université Laval (Réseau d'écoles associées et Rescol à la source. An I, étude de cas), Disponível em: <http://www.tact.fse.ulaval.ca/fr/html/etudecas.html>. Acesso em: 10 abr LAHAYE, W.; POURTOIS, J. P. Les fondements politiques de la recherche et de l'action en sciences de l'éducation. In: J. Donnay e M. Bru. Recherches, pratiques et savoirs en éducation. Bruxelles: DeBoeck, LANKARD, B. A. The role of mentoring in career education. Trends and issues alerts. US., Ohio. ERIC ED , MORAN, S. Schools and the beginning teacher. Phi Delta Kappan, 72(3), , RIORDAN, G. Teachers perceptions of collaboration and clinical supervision. IN: Annual Meeting of the American Educational Research Association. San Francisco, CA, SANTOS, A. C. P. Formação ou treinamento? A formação do professor para o uso dos recursos informatizados. Disponível em: <http://www.comunic.ufsc.br/artigos/art_formacao.pdf>. Acesso em: 20 mar SCHON, D. (1987). Educating the reflective practitioner. California: Jossey Bass. VIENS, J.; RIOUX, S. De la difficile actualisation des principes pédagogiques socioconstructivistes. In: Actes du 13 e Congrès international de l association mondiale des sciences de l éducation (AMSE). Sherbrooke: Éditions du CRP, WILHELMSEN, B. U.; ENGER. K. The Complexity of In-service teacher Training in the Implementation of ICT-Based Learning Programmes. IN: CSCL Computer Supported Collaborative Learning, University of Bergen (Norway), Disponível em: <http://www.nsd.uib.no/skoleveven/kaos/dokumenter/wilhelmsen_cscl_03_ pdf>. Acesso em: 20 mar

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS CONHEÇA OS FUNDAMENTOS O QUE É O COACHING? Coaching é um processo de aceleração de resultados que consiste no desenvolvimento de competências e habilidades profissionais

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO GLEIDIS ROBERTA GUERRA (CEMEI CLEBERSON DA SILVA - PMM), DEIGLES GIACOMELLI

Leia mais

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com

Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com Um ensino forte e bilíngue é o passaporte do seu filho para um mundo de oportunidades. É por isso que propomos uma cultura internacional, com disciplinas ministradas em português e inglês, e uma metodologia

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA EDITAL Nº 18/2015 CIPEAD/PROGRAD/UFPR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA A Universidade Federal do Paraná (UFPR), através do Departamento de Administração

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS Autor: Claudio Wagner Locatelli Mestrando do Programa de Ensino, História e Filosofia das

Leia mais

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Caracterização do problema: No ano de 2006, o Ministério da Saúde e as Secretarias

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

EDITAL Nº 016/2015 CIPEAD/PROGRAD/UFPR

EDITAL Nº 016/2015 CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL Nº 06/205 CIPEAD/PROGRAD/UFPR CHAMADA DE SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA PARA ATUAR NO PROGRAMA PNAP NAS DIVERSAS OFERTAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UFPR NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015

CÂMPUS CAMPOS BELOS. Divulgação do edital 31 de março de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO EDITAL N 007, DE 31 DE MARÇO 2015 SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Elaboração do programa das disciplinas

Elaboração do programa das disciplinas Elaboração do programa das disciplinas Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Questões fundamentais O que pretendo alcançar? Uma disciplina

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD 1. APRESENTAÇÃO O Secretário de Estado de Educação tem o prazer de convidar-lhe a participar do Curso Sistema

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais