Laudo técnico: Pesquisa Melhores Empresas para Começar a Carreira Sumário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laudo técnico: Pesquisa Melhores Empresas para Começar a Carreira - 2014 Sumário"

Transcrição

1 Laudo técnico: Pesquisa Melhores Empresas para Começar a Carreira Sumário 1. Descrição da pesquisa Parceria VOCÊ S/A/ Cia. de Talentos / FIA Diretrizes da pesquisa Os Índices da pesquisa Regras para participação na pesquisa Quais empresas podem participar Formas de inscrição Quais empregados podem responder Formulários dos jovens e da empresa Fundamentação teórica A Composição do Índice do Formulário dos Jovens A Composição do Índice do Formulário da Empresa Metodologia Critérios de classificação das empresas Lotes de senhas para os questionários dos empregados jovens com vínculo empregatício Cálculo da amostra mínima para empregados jovens Visitas às empresas Dúvidas

2 1. Descrição da pesquisa 1.1 Parceria VOCÊ S/A/ Cia. de Talentos / FIA A VOCÊ S/A apresenta a quarta edição do Guia VOCÊ S/A As Melhores Empresas para Começar a Carreira, tendo como principal objetivo auxiliar os jovens em início de carreira a identificar quais são as melhores empresas para iniciar a vida profissional. As empresas participantes serão analisadas com base na percepção de seus empregados jovens e nas suas políticas e práticas organizacionais de gestão de pessoas. A parceria com a Fundação Instituto de Administração (FIA) e a Cia de Talentos foi essencial no desenvolvimento desse projeto. A FIA, por meio do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP), é, desde 2006, a responsável pela metodologia e pela execução da pesquisa que define anualmente As Melhores Empresas para Você Trabalhar do Brasil, agregando, portanto, inestimável valor a esse estudo ao desenvolver a metodologia e os questionários ora utilizados. Por sua vez, a experiência de mais de 20 anos na gestão de jovens profissionais da Cia de Talentos junto a importantes empresas nacionais e multinacionais que atuam no Brasil contribui para que os instrumentos de avaliação abordem os aspectos essenciais de desenvolvimento profissional dos jovens e estejam totalmente alinhados à realidade deste público. Os professores da FEA- USP e coordenadores do MBA- RH e do Progep- FIA, Joel Dutra e André Fischer, e Sofia Esteves, presidente do grupo DMRH, do qual a Cia de Talentos faz parte, coordenam a metodologia de pesquisa e sua operação. Preservando a confidencialidade de todos os envolvidos, o material de pesquisa para elaboração do Guia é utilizado em projetos acadêmicos dos cursos de graduação e pós- graduação da FEA- USP e da FIA. Também subsidia estudos realizados pela Cia de Talentos que ajudam a mapear as tendências para a área de recursos humanos. Ao final do processo seletivo, as empresas participantes que cumprirem alguns critérios recebem o Sumário Executivo com o resultado de sua participação. 1.2 Diretrizes da pesquisa Quatro diretrizes são perseguidas pela equipe técnica do Guia: Os métodos e procedimentos adotados são transparentes e simplificados, preservando- se a legitimidade científica e estatística da pesquisa; A pesquisa é adequada ao máximo à realidade empresarial brasileira; A metodologia é suscetível a processos periódicos de atualização; Todos os conteúdos e os critérios adotados pela pesquisa se sustentam em uma base teórica sólida e atualizada sobre gestão de pessoas. 2

3 1.3 Os Índices da pesquisa As pontuações obtidas nas várias etapas da pesquisa resultam nos seguintes índices: Índice de Satisfação do Jovem com a Empresa (ISJE): é formado por dados relativos à visão do empregado sobre a empresa. É obtido por meio de pesquisa em meio eletrônico com os jovens, com base no levantamento de percepção individual sobre a organização em que trabalham. O ISJE equivale a 70% do total de pontos na apuração do IFJ; Índice de Qualidade de Gestão da Empresa (IQGE): é formado por dados relativos ao que empresa oferece a seus empregados. É obtido por meio de informações fornecidas pela empresa em um formulário eletrônico sobre seus processos de gestão de pessoas voltados para os jovens. Esse índice equivale a 15% do total de pontos na apuração do IFJ; Índice de Felicidade do Jovem (IFJ): é composto dos índices acima, além da nota da Visita*. O IFJ possui a seguinte fórmula de cálculo: (ISJE x 0,70) + (IQGE x 0,15) + (Visita x 0,15). *Visita: dados obtidos por meio de visitas dos jornalistas às empresas pré- classificadas com base no resultado do ISJE. Equivale a 15% do total de pontos na apuração do IQGE. 2. Regras para participação na pesquisa 2.1 Quais empresas podem participar Podem participar empresas: Com um mínimo de 200 empregados (contando os estagiários) atualmente; Que, dentre o conjunto total de empregados (contando os estagiários), 70 ou mais que atendam aos critérios listados no tópico 2.3; Que estejam operando no mercado brasileiro e/ou internacional há mais de cinco anos. 2.2 Formas de inscrição Uma organização pode se inscrever de três formas: Como empresa: isso pressupõe que todos os seus empregados, inclusive os de filiais, estão aptos a participar da seleção randômica que escolherá aqueles que responderão à pesquisa. 3

4 Como grupo empresarial: os questionários devem ser respondidos por empregados de todas as empresas do grupo. Como divisão de negócios: um grupo pode escolher uma divisão/atividade/linha de negócios para ser avaliada. No caso, todas as empresas que fazem parte dessa divisão devem responder à pesquisa. A inscrição deve ser feita com o CGC/CNPJ principal daquela atividade. Podem participar, no máximo, três divisões de negócio. Exemplo: uma rede hoteleira não pode concorrer com apenas um de seus hotéis, mesmo que eles tenham CGC/CNPJ diferentes entre si. Deverão concorrer com todas as unidades que pertencem à divisão/atividade/linha de negócios. Também está proibido que uma empresa participe apenas com a área administrativa do seu negócio, deixando outras áreas de fora, mesmo que tenham CGC/CNPJ diferentes entre si. ATENÇÃO: O não cumprimento destes critérios poderá ser motivo de desclassificação em qualquer momento da pesquisa. 2.3 Quais empregados podem responder Todos os empregados (contando os estagiários) que obedecerem aos critérios a seguir serão convidados a responder à pesquisa (formulário do jovem). 1. Ter entre 18 e 26 anos de idade (nascidos de 1987 a 1995). 2. Ter vínculo empregatício ou contrato de estágio com a empresa há pelo menos seis meses em 31 de agosto de Estão excluídos os jovens que se enquadrem como terceiros. Os estagiários participantes da pesquisa devem ter Termo de Compromisso de Estágio vigente entre a instituição de ensino e a organização. 3. Formulários dos jovens e da empresa 3.1 Fundamentação teórica A carreira pode ser definida como a sequência evolutiva de experiências de trabalho vivenciadas por uma pessoa ao longo do tempo (ARTHUR; HALL; LAWRENCE, 1989, p. 8). Tal definição tem a dimensão temporal como um aspecto central: a carreira dá uma perspectiva de movimento às interações que se desenvolvem entre uma pessoa e a sociedade (ARTHUR et al., 1989). Neste sentido, pode- se compreender que o desenvolvimento da carreira está conectado ao desenvolvimento da fase adulta da vida do próprio indivíduo. Para Super (1980), os diversos papéis desempenhados pelas pessoas ao longo da vida, incluindo os de 4

5 estudante, de trabalhador e de aposentado, estão ordenados cronologicamente, ganhando ou perdendo importância de acordo com o estágio da vida do indivíduo. Levinson (1986) propõe que o desenvolvimento da vida adulta, jovem e madura, é composto por quatro eras: antes da vida adulta (do nascimento aos 16 anos), vida adulta jovem (dos 17 aos 45 anos), vida adulta intermediária (dos 46 aos 65 anos) e vida adulta madura (acima dos 65 anos). Cada era é composta de períodos alternados de estabilidade e de transição. Nos períodos de estabilidade, as pessoas perseguem objetivos para realizar os valores significativos de sua vida, tentando criar uma estrutura ou um estilo de vida desejados. Como nenhum estilo de vida permanece adequado para sempre, os períodos de transição são marcados pelo questionamento e pela reavaliação da estrutura de vida estabelecida. Destes períodos é que surgem as decisões de mudanças. Para o estudo do início da carreira, é de crucial importância entender a primeira metade da segunda era: vida adulta jovem. Para Levinson (1980), a vida adulta jovem se inicia por um período de transição, que acontece normalmente dos 17 aos 22 anos, no qual as pessoas emergem da adolescência, tentando criar um espaço para si mesmas na sociedade: dão início ao processo de separação de seus pais ao começarem a ser menos dependentes financeira e emocionalmente deles. Além disto, dão os primeiros passos em direção à vida adulta, imaginando ou experimentando alguns papéis adultos. No período seguinte, dos 22 aos 28 anos, o jovem constrói uma estrutura de entrada na vida adulta, que é um período estável no qual ele entra no mundo adulto enfrentando duas tarefas potencialmente conflitantes: (1) explorar a vida adulta ao experimentar diferentes papéis (por exemplo, diferentes empregos, relacionamentos), mantendo, ao mesmo tempo, suas próprias opções em aberto e (2) criar uma estrutura de vida estável. A transição dos 30 anos, que ocorre dos 28 aos 33 anos, estimula uma reavaliação da estrutura de vida individual vigente, provendo uma oportunidade para reflexão, crescimento e um redirecionamento da vida. Estes três primeiros períodos compreendem a fase inicial da vida adulta jovem, na qual o indivíduo está se empenhando para se tornar um adulto de verdade. A tarefa principal dessa fase é formar, refinar e perseguir um sonho - uma visão poderosa de como se quer viver a própria vida. Esse período da vida, conforme Greenhaus, Callanan e Godshalk (2000), coincide com os estágios de carreira de entrada na organização e do período de estabelecimento do início da carreira. O estágio de entrada na organização, segundo os autores, se inicia com a procura por um emprego, podendo levar diversos meses para ser concluído. Normalmente, este estágio ocorre entre as idades de 18 e 25 anos, dependendo do nível de escolaridade do indivíduo. Sua principal tarefa é selecionar um trabalho e uma organização que possam satisfazer os valores de carreira e o uso dos talentos pessoais. Todavia, muitos indivíduos baseiam suas escolhas de emprego e de organização para a qual trabalhar em informações não realistas ou incompletas, gerando expectativas ilusoriamente infladas. Conforme Schein (1964 apud GREENHAUS et al., 2000), graduados, ao escolherem seu primeiro emprego, buscam: (1) oportunidade de promoção, (2) fazer algo importante, (3) responsabilidade, (4) 5

6 oportunidade de usar aptidões especiais e sua formação educacional, (5) desafio e aventura, (6) oportunidade de ser criativo e original, (7) alto salário. Este conjunto é bastante semelhante às expectativas típicas das pessoas sobre seu futuro emprego identificadas por Greenhaus et al. (2000). Os autores ainda alertam que é comum que pessoas com níveis inflados de expectativas experimentem considerável desilusão e insatisfação quando se deparam com a realidade do ambiente de trabalho. Tal contraste é apresentado na tabela 1. Tabela 1 Comparações entre expectativas e experiências. Um candidato pode esperar que Um novo empregado pode experimentar que Eu terei um grande grau de liberdade para decidir como o meu trabalho será Meu chefe determina muito o quê eu faço e como eu o faço feito A maior parte dos meus projetos será interessante e significativa Parece que eu tenho uma quantidade sem fim de tarefas mundanas e triviais Eu receberei ajuda e feedbacks Eu realmente não sei o que estou fazendo construtivos do meu chefe Promoções e salário aumentarão com base no quão bem eu farei meu trabalho Estarei apto para aplicar as últimas técnicas e tecnologias para ajudar a organização Estarei apto a balancear minhas responsabilidades de trabalho e família sem muita dificuldade Fonte: traduzido de Greenhaus et al. (2000), p no meu trabalho Promoções e dinheiro são apertados e parecem estar baseados em fatores que não meu desempenho As pessoas resistem em adotar minhas sugestões, mesmo quando as formas antigas são ineficientes Minhas responsabilidades de trabalho e de família frequentemente interferem umas nas outras Uma explicação para que as expectativas dos jovens sobre seu futuro trabalho sejam infladas pode ser dada pelo fato de eles estarem passando por uma transição de carreira: de estudante para empregado (GREENHAUS et al., 2000). Existem inúmeras diferenças interessantes entre o papel de estudante e o de empregado. Os estudantes têm seus projetos completados em ciclos curtos de três ou quatro meses, rapidamente obtendo um senso de fechamento e realização. Em contraste, os projetos de trabalho não são tão breves ou claramente delimitados, podendo durar por anos ou nunca serem completados. Contribuindo para seu senso de realização, estudantes normalmente são promovidos todo ano. No mundo do trabalho, promoções não são tão regulares ou frequentes e são usualmente baseadas em níveis de desempenhos extraordinários e não meramente aceitáveis. Além disso, existem diferenças nas relações de estudantes com professores e de empregados com supervisores. Os estudantes estão acostumados a receber feedbacks frequentes, claros e objetivos sobre 6

7 seu desempenho por meio das provas, já o feedback vindo de um superior no trabalho é menos frequente e menos explícito. Já tendo selecionado uma ocupação e um trabalho, a primeira tarefa basal do início da carreira é se estabelecer em sua carreira e organização. Assim, Greenhaus e seus colaboradores (2000) apontam que o período do estabelecimento do início da carreira reflete a questão dominante do início da vida adulta: encontrar um nicho para si mesmo no mundo adulto e se esforçar para realizar o sonho dentro do caminho escolhido. Nesse período de estabelecimento, a principal tarefa do indivíduo é aprender sobre o trabalho, dominando seus aspectos técnicos, e sobre as normas, valores e expectativas da organização e se tornar aceito como um contribuinte competente, em outras palavras, o entrante deve aprender como funcionar na organização e isto, costumeiramente se dá pela socialização organizacional. Esta pode ser vista como um processo de aprendizagem pelo qual o indivíduo muda de um velho papel (talvez o de estudante) para o novo papel de empregado. Neste sentido, o ambiente organizacional tem um papel fundamental: as práticas e ações organizacionais adotadas podem contribuir para que seus jovens empregados se tornem competentes e felizes. A tabela 2 apresenta as categorias e os temas que tem impacto no desenvolvimento de carreira dos iniciantes e que são abordados nos questionários do jovem e da empresa. Tabela 2 Categorias e temas abordados nos questionários. Categorias Temas Desenvolvimento Aprendizagem informal; treinamentos e cursos; profissional desenvolvimento; preparo para se tornar líder Promoção; meritocracia; carreira internacional; salário e Carreira e benefícios; reconhecimento não- financeiro; desafios; reconhecimento trabalho enriquecedor e realizador; contribuição; inovação; criatividade; autonomia Ambiente físico e psicossocial; internet e equipamentos; Qualidade de vida diversidade; expediente de trabalho Líder educador e conhecedor, confiável, próximo e Liderança transparente; feedback Empresa reconhecida e ética; responsabilidade Identidade socioambiental; integração à cultura organizacional Desenvolvimento profissional A boa empresa não é apenas aquela que apresenta lucro, mas a que também oferece ambiente no qual as pessoas boas podem desenvolver seus conhecimentos especializados e também suas virtudes (ARRUDA; WHITAKER; RAMOS, 2001). Segundo Eboli (2002), é fundamental que as práticas de treinamento e desenvolvimento e de educação corporativa favoreçam uma atuação profissional 7

8 impregnada de personalidade, criando condições para o desenvolvimento do conhecimento criador, do empreendedorismo e o florescimento de líderes eficientes. A postura voltada para a aprendizagem contínua e para o autodesenvolvimento é um estado de espírito, um processo de constante crescimento e fortalecimento de indivíduos talentosos e competentes. Carreira e reconhecimento Costa (2010) afirma que em função de mudanças na configuração do trabalho - novas tecnologias, fusões de empresas e entrada da mulher no mercado -, bem como das mudanças nas configurações familiares, a diversidade de desejos e necessidades individuais de carreira aumentou dentro das organizações. Assim, embora a remuneração praticada pela empresa continue expressando a valorização atribuída aos empregados e os benefícios ainda reflitam a preocupação da empresa com o bem- estar de seus trabalhadores, a organização, para manter a pessoa entregando o máximo das suas competências e obtendo realização naquilo que faz (COSTA, 2010, p. 153) deve buscar conciliar as expectativas de carreira dos seus empregados com as demandas organizacionais. Herzberg (2003) afirma que os estímulos para as necessidades de crescimento são prioritariamente os conteúdos das tarefas laborais. Dentre eles estão realização, o trabalho em si mesmo, autonomia e responsabilidade. Para o autor, o conteúdo do trabalho deve ser enriquecido de forma que forneça oportunidades de crescimento psicológico ao empregado para lhe trazer motivação efetiva. Dessa forma, o trabalho adquire seu papel mediador entre o mundo subjetivo e o mundo objetivo, no qual o indivíduo se apropria do mundo objetivo, construindo- se e ao mesmo tempo transformando o mundo real. O trabalho enriquecido propicia aos trabalhadores sua realização como sujeitos, na medida em que são capazes de construir e executar projetos de vida que permitam uma relação humanizadora com o mundo objetivo (COUTINHO, 1993, p. 120). Qualidade de vida Outro aspecto essencial para o jovem em início de carreira é a preocupação efetiva da empresa com a saúde das pessoas com as quais estabelece uma relação de trabalho. A questão da saúde não é apenas uma questão ligada a um bom plano de assistência médica, envolve também aspectos educacionais e de preocupações com a integridade. A integridade do empregado não está reduzida ao aspecto físico, se estende também ao psicológico e social. Adicionalmente, Borges e Yamamoto (2004) afirmam que a adoção das novas tecnologias pelas empresas, tais como a informática e a automação, bem como a revolução nos meios de comunicação, principalmente com o advento da internet, trouxeram a flexibilização dos processos produtivos e das relações de trabalho, que, em conjunto com a competição industrial global, fez com que o paradigma da 8

9 submissão do trabalhador às máquinas e aos processos padronizados preconizados pelo modelo de produção taylorista- fordista fosse substituído por políticas de gestão nas quais o bem- estar dos trabalhadores se tornasse central para o bom desempenho organizacional. Destarte, pode- se notar que o ambiente físico do trabalho também fornece um arcabouço para o modelo de gestão passível de ser adotado pela organização. Empresas que se apoiam na tecnologia atual acabam por ter mais recursos para proporcionar a seus funcionários desafios e diversidade de tarefas e de processos no trabalho, bem como maior flexibilidade no expediente laboral. Liderança O gestor tem um papel essencial no desenvolvimento profissional do jovem ao lhe prover tarefas desafiadoras e lhe dar autonomia para desenvolver uma sensação de sucesso psicológico. No período de estabelecimento, jovens requerem que seu líder atue como coach, provedor de feedback, modelo e protetor de uma forma receptiva e que ajude a construir a autoestima. De fato, os supervisores devem se ver como desenvolvedores de carreira de seus subordinados e devem ser treinados e recompensados por cumprirem esse papel (GREENHAUS et al., 2000). Identidade O clima organizacional é formado pela identificação das pessoas com a empresa, principalmente em relação aos desafios, cultura vencedora, reconhecimento, equidade, liderança, oportunidade de carreira, programas de treinamento, bolsas de estudo, ambiente de aprendizagem e ambiente acolhedor (TEIXEIRA, 2002). O nível de integração das pessoas à empresa e à sua estratégia, ou seja, o quanto os empregados acreditam que a empresa corresponde aos seus valores pessoais, à sua forma de pensar e agir, é um indicador fundamental da construção da identidade com a organização A Composição do Índice do Formulário dos Jovens Essas cinco categorias nortearam a elaboração do formulário que é aplicado aos empregados que fazem parte do público- alvo das empresas participantes. O Índice de Satisfação do Jovem com a Empresa (ISJE) foi criado para verificar como os jovens percebem sua empresa e as 55 questões foram divididas proporcionalmente da seguinte forma: Categorias Número de questões Percentual sobre o total Carreira e reconhecimento 17 30% Desenvolvimento profissional 11 20% Qualidade de vida 10 18% 9

10 Liderança 9 16% Identidade 8 16% Total % Além destas 55 questão, existem 5 assertivas de sondagem que não contam para o ISJE por terem a finalidade de verificar a percepção dos jovens sobre algumas ações de gestão de pessoas ainda bastante novas nas organizações A Composição do Índice do Formulário da Empresa Essas cinco categorias também orientaram a construção do formulário que é aplicado aos gestores de recursos humanos das empresas participantes. O IQGE (Índice de Qualidade de Gestão da Empresa) foi criado para aferir o que a empresa oferece aos empregados jovens, e sua pontuação foi dividida proporcionalmente da seguinte maneira: Categorias Carreira e reconhecimento Desenvolvimento profissional Qualidade de vida Liderança Identidade Total Percentual sobre o total 30% 20% 20% 15% 15% 100% IMPORTANTE: Alguns dos dados solicitados no questionário da empresa no segundo semestre de 2013 são referentes ao período de janeiro a agosto de Após o encerramento da primeira etapa da pesquisa, será necessário que sua empresa informe também os dados relacionados ao período de setembro a dezembro de O envio destas informações adicionais, quando solicitado, é obrigatório. O não envio implica na desclassificação da empresa. 4. Metodologia 4.1 Critérios de classificação das empresas Para a classificação das empresas, foram definidas as seguintes etapas: 1ª Etapa: pré- classificação 10

11 Objetivo: eliminar do processo de pesquisa as empresas que não atingirem uma aprovação mínima predeterminada. Serão consideradas aprovadas para continuar no processo de classificação as empresas que cumprirem os seguintes requisitos: A. Não tiverem pontuação igual à zero nas categorias que compõem o Índice de Qualidade de Gestão da Empresa (IQGE). B. Alcançar a taxa mínima de respondentes condizente com o número de empregados jovens da empresa (tópico 4.3). C. Obtiverem pontuação igual ou maior do que 60 no Índice de Satisfação do Jovem com a Empresa (ISJE). Essa pontuação representa um percentual, que é aferido pela soma das proporções das respostas 4 e 5 (concordo parcialmente e concordo totalmente) nas afirmativas do formulário do jovem. D. Para esta etapa, fica limitado a 100 o número de empresas pré- classificadas e, portanto, visitadas pelos jornalistas da VOCÊ S/A. 2ª Etapa: definição das empresas que estarão listadas no Guia Objetivo: selecionar as melhores empresas do Guia, que será publicado em maio. As empresas serão classificadas em ordem decrescente na pontuação do Índice de Aprovação da Empresa (IAE) e as melhores colocadas estarão presentes na lista do Guia VOCÊ S/A As Melhores Empresas para Começar a Carreira, que será publicado em maio de Questionários Os questionários serão administrados exclusivamente via web. Portanto, todas as empresas, no ato da inscrição, deverão preencher uma planilha padrão com informações sobre todos os seus empregados jovens, que se enquadrem nos critérios do público- alvo da pesquisa (tópico 2.3), além de indicar o nome completo e o e- mail do profissional de recursos humanos que ficará responsável pelo preenchimento do formulário da empresa (ATENÇÃO: o responsável pela pesquisa não precisa ser, necessariamente, o principal executivo de RH, mas sim um profissional que estará disponível para contato com a equipe da pesquisa). O convite aos jovens empregados para responder o questionário será por amostragem, ou seja, apenas os jovens selecionados randomicamente, por meio de um sistema automatizado, serão convidados a respondê- lo. A redação da Você S/A enviará, em até 10 dias, lotes de senhas para o acesso ao questionário dos jovens via web que deverão ser distribuídas pela empresa aos jovens selecionados. Deve- se seguir a seleção randômica feita no site do Guia. 11

12 A empresa tem até 40 dias corridos, contados a partir da data de postagem dos lotes de senhas pela redação da Você S/A pelo correio, para completar o questionário da empresa e atingir a amostra mínima de questionários dos jovens respondidos, desde que faça o upload da planilha de empregados em até 3 dias após a inscrição na pesquisa. Caso a empresa não faça o upload da planilha em até 3 dias, o prazo de 40 dias corridos começa a ser contado a partir do quarto dia após a efetivação da inscrição na pesquisa, mesmo que os lotes não tenham sido postados pela redação Lotes de senhas para os questionários dos empregados jovens com vínculo empregatício Para cálculo dos lotes de senhas para os questionários, tem- se o algoritmo: Se o número de jovens é menor ou igual a 100, então o tamanho do lote é igual a 100; Se o número de jovens está entre 100 e 200, então tamanho do lote é igual a 200; Se o número de jovens está entre 201 e 500, ou seja, 201 jovens 500, então tamanho do lote é igual a 300; Se o número de jovens está entre 501 e 1.500, ou seja, 501 jovens 1.500, então tamanho do lote é igual a 400; Se o número de jovens está entre e 2.500, ou seja, jovens 2.500, então tamanho do lote é igual a 500; Se o número de jovens está entre e 5000, ou seja, jovens 5.000, então tamanho do lote é igual a 600; Para qualquer outro caso, tamanho do lote é igual a Cálculo da amostra mínima para empregados jovens Para cálculo da amostra mínima, tem- se o algoritmo: Se o número de empregados jovens é menor ou igual a 150, então: o Amostra mínima é igual a número de jovens vezes 0,75; o Porém, se amostra mínima é maior que 100, então amostra mínima é igual a 100; Se o número de empregados jovens está entre 151 e 300, ou seja, 151 jovens 300, então: o Amostra mínima é igual a número de jovens vezes 0,70; o Porém, se amostra mínima é maior que 190, então amostra mínima é igual a 190; Se o número de empregados jovens está entre 301 e 500, ou seja, 301 jovens 500, então: 12

13 o Amostra mínima é igual a tamanho do lote (300) vezes 0,65, ou seja, 195 jovens; Para qualquer outro caso: o Amostra mínima é igual a tamanho do lote vezes 0,60. Ø Se o número de jovens está entre 501 e 1.500, ou seja, 501 jovens 1.500, então: Amostra mínima é igual a tamanho do lote (400) vezes 0,60, ou seja, 240 jovens; Ø Se o número de jovens está entre e 2.500, ou seja, jovens 2.500, então: Amostra mínima é igual a tamanho do lote (500) vezes 0,60, ou seja, 300 jovens; Ø Se o número de jovens está entre e 5.000, ou seja, jovens 5.000, então: Amostra mínima é igual a tamanho do lote (600) vezes 0,60, ou seja, 360 jovens; Ø Se o número de jovens está igual ou acima de 5.001, ou seja, jovens, então: Amostra mínima é igual a tamanho do lote (900) vezes 0,60, ou seja, 540 jovens. Exemplo de cálculo de lote e amostra mínima Exemplo 1: Empresa A tem jovens O lote é de 400, pois Se o número de jovens está entre 501 e 1.500, ou seja, 501 jovens 1.500, então tamanho do lote é igual a 400 A amostra mínima geral é de 240, pois Para qualquer outro caso (se número de jovens é maior que 500), então amostra mínima é igual a tamanho do lote (400) vezes 0,60 Exemplo 2: Empresa B tem 450 jovens O lote é de 300, pois Se o número de jovens está entre 201 e 500, ou seja, 201 jovens 500, então tamanho do lote é igual a 300 A amostra mínima geral é de 195, pois Se número de jovens está entre 301 e 500, ou seja, 301 jovens 500, então amostra mínima é igual a tamanho do lote (300) vezes 0,65 O que a empresa NÃO pode fazer? Ø Influenciar ou constranger de alguma forma os empregados para que eles respondam a pesquisa; Ø Reunir os empregados para que eles respondam o questionário coletivamente. Vale lembrar que o jovem é convidado a responder a 13

14 pesquisa, e, por isso, a empresa não deve marcar horário e local de forma coercitiva para que ele compareça; Ø Oferecer prêmios de qualquer espécie para que os empregados respondam os questionários; Ø Insinuar que haverá punições caso a empresa não se classifique no Guia; Ø Empregados do RH não podem auxiliar os jovens a responder o questionário. O que a empresa PODE fazer? Ø A empresa pode disponibilizar um espaço para que os jovens acessem computadores e respondam, mas esse espaço deve ser fora da área de RH, assim como não pode haver acompanhamento de empregados da área; Ø Caso seja necessário, portadores de necessidades especiais, por exemplo, podem obter ajuda de um empregado que seja seu par na empresa (mesmo nível hierárquico) para responder o questionário; Ø O empregado também pode preencher o questionário de casa para que seus familiares o auxiliem. Denúncias de irregularidades serão apuradas pelas equipes da revista VOCÊ S/A e da FIA e, se confirmadas, podem implicar a desclassificação da empresa. 5. Visitas às empresas De acordo com uma subamostra predefinida, as empresas pré- classificadas receberão a visita de um jornalista e serão realizadas: duas dinâmicas de grupo com empregados jovens e entrevista com o responsável pela área de RH, conforme roteiro padronizado, para análise do ambiente e confronto dos resultados da pesquisa com a realidade organizacional. Não podem participar da dinâmica de grupo: Empregados da área de recursos humanos Empregados da assessoria de imprensa e/ou comunicação interna Secretários de diretoria e/ou presidência Qualquer empregado que, na composição da mesa, tenha posição de chefia mesmo que indireta em relação a um ou mais membros do grupo. Em caso de discordância entre os dados apurados nos formulários e os apurados na dinâmica, a empresa pode ser desclassificada. 14

15 6. Dúvidas Caso permaneça com dúvida sobre o processo da pesquisa, escreva para ou ligue para (11) Se a dúvida for sobre a metodologia e perguntas do questionário, escreva para ou ligue para (11)

16 Referências bibliográficas ARRUDA, M. C. C.; WHITAKER, M. C.; RAMOS, J. M. R. Fundamentos de Ética Empresarial e Econômica. São Paulo: Atlas, ARTHUR, M. B.; HALL, D. T.; LAWRENCE, B. S. (Eds.) Handbook of Career Theory. Cambridge: Cambridge University Press, BORGES, L. O.; YAMAMOTO, O. H. O Mundo do Trabalho. Em: J. C. ZANELLI; J. E. BORGES- ANDRADE; A. V. B. BASTOS, Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil, pp Porto Alegre: Artmed, COSTA, L. V. Conciliação de expectativas de carreira entre as pessoas e organizações. Em: J. S. DUTRA (Org.), Gestão de Carreiras na Empresa Contemporânea, pp São Paulo: Atlas, COUTINHO, M. C. Subjetividade e Trabalho. Em: D. H. P. S. LUCCHIARI, Pensando e Vivendo a Orientação Profissional, pp São Paulo: Summus, EBOLI, E. O Desenvolvimento das Pessoas e a Educação Corporativa. Em: M. T. F. FLEURY (Org.), As Pessoas na Organização. São Paulo: Gente, GREENHAUS, J. H.; CALLANAN, G. A.; GODSHALK, V. M. Career management. 3 th ed. Orlando, FL: The Dryden Press, HERZBERG, F. One More Time: How do You Motivate Employees? Harvard Business Review, p , jan LEVINSON, D. J. A conception of adult development. American Psychologist, v. 41, n. 1, p. 3-13, SUPER, D. E. A life- span, life- space approach to career development. Journal of Vocational Behavior, v. 16, p , TEIXEIRA, J. E. Clima organizacional: empregados satisfeitos fazem bem aos negócios. Em: G. BOOG; M. BOOG (Coord.), Manual de Gestão de pessoas e equipes, v. 2. São Paulo: Gente,

POLÍTICA DE USO DO BANCO DADOS. Pesquisa As Melhores Empresas para Você Trabalhar Dados edição 2012. 1. A pesquisa

POLÍTICA DE USO DO BANCO DADOS. Pesquisa As Melhores Empresas para Você Trabalhar Dados edição 2012. 1. A pesquisa POLÍTICA DE USO DO BANCO DADOS Pesquisa As Melhores Empresas para Você Trabalhar Dados edição 2012 1. A pesquisa Parceria FIA e Você S/A A Fundação Instituto de Administração (FIA), por meio do Programa

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional Objetivo da Pesquisa de Clima Organizacional: Conhecer de forma sistematizada o clima

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015 PCD 125.62 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA / UFJF PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015 Projetos: Escritório

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Gestão de Pessoas. Roseli Garcia roseli.garcia@boavistaservicos.com.br

Gestão de Pessoas. Roseli Garcia roseli.garcia@boavistaservicos.com.br Gestão de Pessoas Roseli Garcia roseli.garcia@boavistaservicos.com.br 5 de Setembro de 2012 A Boa Vista combina profundo entendimento sobre o varejo e o consumidor brasileiro, com o conhecimento de inovação

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: 100 MELHORES REVISTA ÉPOCA GREAT PLACE TO WORK 2006 É uma ferramenta de diagnóstico que mensura a percepção dos colaboradores sobre o relacionamento com a organização,

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

PRÊMIO MELHOR EMPRESA PARA SE TRABALHAR NO ESPÍRITO SANTO. Regulamento

PRÊMIO MELHOR EMPRESA PARA SE TRABALHAR NO ESPÍRITO SANTO. Regulamento Regulamento A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos - Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição não governamental que dissemina conhecimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 Universidade Federal de Juiz de Fora Diretoria de Gerenciamento de Projetos EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 PROJETO DE EXTENSÃO: Gerenciamento de Projetos Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento de Competências

Modelo de Desenvolvimento de Competências Modelo de Desenvolvimento de Competências 2.300 colaboradores O JL - Jornal de Londrina é o veículo de comunicação que Londrina escolheu para acompanhar as notícias da cidade, do Brasil e do mundo e entender

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO O PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD), EM PARCERIA COM A SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Laudo Técnico. Pesquisa Melhores Empresas Para Você Trabalhar 2014

Laudo Técnico. Pesquisa Melhores Empresas Para Você Trabalhar 2014 Laudo Técnico Sumário Pesquisa Melhores Empresas Para Você Trabalhar 2014 1. Descrição da Pesquisa... 2 1.1. Parceria FIA / Você S/A... 2 1.2. Diretrizes da Pesquisa... 2 1.3. Os Índices da Pesquisa...

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES ANÁLISE DE REQUISITOS PARA RELATOR E AVALIADOR DA BANCA EXAMINADORA ESBOÇO ESQUEMÁTICO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Esta breve análise pretende abordar

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH Executive MBA em Liderança e Gestão de RH B.I. INTERNATIONAL O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único de Educação. Nossa premissa é desenvolver em cada aluno,

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira a elevação do potencial pessoal e profissional para superar desafios e atingir resultados. E a dedicação exclusiva da Korkes

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

2ª EDIÇÃO DO PRÊMIO MULHER DE NEGÓCIOS DE CAIEIRAS REGULAMENTO

2ª EDIÇÃO DO PRÊMIO MULHER DE NEGÓCIOS DE CAIEIRAS REGULAMENTO REGULAMENTO Este Regulamento estabelece normas, condições e diretrizes para a realização da II Edição do Prêmio Mulher de Negócios de Caieiras, promovido pela Prefeitura Municipal de Caieiras, Secretaria

Leia mais

Estimativas Profissionais Plano de Carreira Empregabilidade Gestão de Pessoas

Estimativas Profissionais Plano de Carreira Empregabilidade Gestão de Pessoas By Marcos Garcia Como as redes sociais podem colaborar no planejamento e desenvolvimento de carreira (individual e corporativo) e na empregabilidade dos profissionais, analisando o conceito de Carreira

Leia mais

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania Edital nº 05 / 2015 ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania O Programa Polos de Cidadania da Faculdade de Direito da UFMG faz saber que até 16 de junho de 2015 receberá inscrições

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC

6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC 6 6 de novembro de 2006 - Blumenau - SC Promoção Apoio Apresentação Com a criação do Dia Municipal do Empreendedor, e também encaminhado no âmbito estadual e nacional, a ACIB Jovem consolida um esforço

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA

CURSO DE EXTENSÃO GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA 1 Gestão de pessoas na organização contemporânea FIA Veduca 40h Sobre o curso O curso trabalhará com os participantes uma compreensão das tendências e desafios para a gestão de pessoas, procurando traçar

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Assessoria em RH e Desenvolvimento Profissional

Assessoria em RH e Desenvolvimento Profissional Assessoria em RH e Desenvolvimento Profissional Apresentação A 4T Treinamentos desde o seu nascimento vem oferecendo ao mercado produtos que colaborem com o desenvolvimento profissional das equipes e colaboradores

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975.

SUPER, D. E. & BOHN JUNIOR, M. J. Psicologia Ocupacional. São Paulo, Atlas, 1975. Desenvolvimento Ocupacional 25/04/2011 ARAUJO, L; CALVOSA, M. Relações de Trabalho: Planejamento e Novas Oportunidades de Carreira para o Trabalhador. In: Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Pesquisa de Perfil, Expectativas e Percepção de Qualidade. Alunos de Programas de MBA 2013

Pesquisa de Perfil, Expectativas e Percepção de Qualidade. Alunos de Programas de MBA 2013 Pesquisa de Perfil, Expectativas e Percepção de Qualidade Alunos de Programas de MBA 2013 Tópicos Sobre a Anamba Objetivos da Pesquisa Metodologia Principais Resultados Sobre a Anamba Tem por missão contribuir

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em MBA Gestão Estratégica de Pessoas, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014

REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 REGULAMENTO Prêmio IEL de Estágio 2014 Curitiba, Fevereiro de 2014 Sumário 1. O PRÊMIO... 3 2. OBJETIVOS... 4 3. CATEGORIAS DE PREMIAÇÃO... 5 4. ETAPAS DE AVALIAÇÃO... 5 5. PREMIAÇÃO... 5 6. PARTICIPAÇÃO/INSCRIÇÃO...

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul PROGRAMA GUIA ESPM-Sul Programa de Acompanhamento Discente e Excelência Profissional Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul Pensamento ESPM. São Paulo, 25/04/2014.

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 Junho/2011 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. QUEM PODERÁ CONCORRER... 3 3. QUE TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER APOIADOS... 4 4. QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Edital Processo Seletivo Programa Formare Aprendiz Santos Brasil 2016 1 Edital Processo Seletivo Programa Formare

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA CARTA CONVITE 001/2011 PROFISSONAIS FORMADORES NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO A Secretaria de Estado da Educação/SEE, por meio da Superintendência Executiva,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais