DIVERGÊNCIAS RELEVANTES ENTRE COOPERATIVAS DE CRÉDITO E BANCOS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVERGÊNCIAS RELEVANTES ENTRE COOPERATIVAS DE CRÉDITO E BANCOS RESUMO"

Transcrição

1 DIVERGÊNCIAS RELEVANTES ENTRE COOPERATIVAS DE CRÉDITO E BANCOS RESUMO 1 Joana Pilot Franciozi O fenômeno da globalização proporciona à sociedade constantes transformações de cunho social, econômico e político, gerando maior acesso aos produtos e serviços, e conseqüentemente a competitividade no mercado financeiro torna-se mais acirrada. As cooperativas de crédito destacam-se como uma excelente alternativa de inclusão no sistema financeiro, elas contribuem para o desenvolvimento econômico e social, oportunizando as melhores soluções financeiras aos associados e por estarem próximas das pessoas, prezam pela excelência no atendimento, o que as diferenciam dos bancos comerciais. O presente artigo versa sobre o cooperativismo de crédito, resgatando sua historia e tem como principal objetivo diferenciar as duas formas de sociedade que existem no sistema financeiro, que propiciam os mesmos produtos e serviços, porém com perfis distintos: as sociedades cooperativas de crédito, focando no bem estar social e no capital humano e os bancos comerciais que visam apenas seus lucros. Primeiramente utilizou-se pesquisa exploratória, complementada por uma pesquisa bibliográfica e análise documental que auxiliaram no desenvolvimento do trabalho proposto. Sendo assim, as vantagens das cooperativas de crédito em relação aos bancos são facilmente destacadas, como o compromisso com o desenvolvimento econômico e social dos associados e da comunidade, a participação do associado na gestão da cooperativa, a ausência de lucro, retorno das sobras ao final do exercício e o padrão de atendimento ao associado que é o proprietário do negócio. Sendo que para descobrir os verdadeiros benefícios que o cooperativismo de crédito proporciona o melhor mesmo é vivenciá-lo. 1 INTRODUÇÃO Hoje o processo de globalização da economia exige novas alternativas de organização, novas perspectivas de trabalho e seus vínculos com os aspectos sociais, políticos e educativos, necessitando a participação efetiva das pessoas na busca de alternativas economicamente viáveis, tecnicamente praticáveis, socialmente desejáveis, politicamente justas e ambientalmente corretas. As cooperativas de crédito destacam-se como um modelo de negócio emergente no Brasil, proporcionando desenvolvimento socioeconômico de forma sustentável e inclusiva, além de contribuir no desenvolvimento das economias locais, o setor cooperativista de crédito se apresenta como alternativa com viabilidade econômica e de responsabilidade social. Ao contextualizar sua história, pode-se constatar que o fortalecimento das cooperativas esteve atrelado ao próprio processo de desenvolvimento da economia brasileira. O estudo fundamenta-se em pesquisa exploratória, que Segundo Gil (2008, p.27) é desenvolvida no sentido de proporcionar uma visão geral acerca de determinado fato.

2 Pesquisa bibliográfica é aquela desenvolvida a partir de material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Apesar de praticamente todos os outros tipos de estudos exigirem trabalho dessa natureza, há pesquisas exclusivamente desenvolvidas por meio de fontes bibliográficas. Na pesquisa documental, Gil (2008, p. 51) define como os documentos de primeira mão como os que não receberam qualquer tratamento analítico, tais como: documentos oficiais, reportagens de jornal, cartas, contratos, diários, filmes, fotografias, gravações. Os documentos de segunda mão são os de que alguma forma os que já foram analisados, tais como: relatórios de pesquisa, relatórios de empresas, tabelas estatísticas, entre outros. Sabe-se que os bancos em sua maioria visam ao final de cada exercício, lucros exponenciais em seus balanços, enquanto as cooperativas de crédito apresentam modestas sobras, no entanto, não deixam de oferecer aos seus associados produtos e serviços similares aos bancários, com taxas e tarifas competitivas. O presente estudo tem por objetivo comparar essas duas formas societárias, cooperativas de crédito e bancos, no intuito de analisar as principais vantagens competitivas de uma instituição financeira cooperativa. 2 2 ORIGEM DO COOPERATIVISMO E DOS BANCOS Inúmeras formas de cooperação entre os homens foram experimentadas desde a antiguidade. O cooperativismo moderno, no entanto, na forma como hoje são conhecidas as sociedades cooperativas, surgiu em 1844, na cidade inglesa de Rochdale, quando 28 tecelões fundaram uma cooperativa de consumo. A primeira cooperativa de crédito não demoraria a surgir. Três anos depois, em 1847, Friedrich Wilhelm Raiffeisen, natural da Remânia, criou no povoado de Weyerbusch/Westerwald a primeira associação de apoio para a população rural, que, embora não fosse ainda uma cooperativa, serviria de modelo para a futura atividade cooperativista de Raiffeisen. A primeira cooperativa, fundada por ele em 1864, chamava-se HeddesdorferDarlehnskassenveirein (Associação de Caixas de Empréstimo de Heddesdorf). As cooperativas criadas por Raiffeisen, tipicamente rurais, tinham como principais características a responsabilidade ilimitada e solidária dos associados, a singularidade de votos dos sócios, independentemente do número de quotas-parte, a área de atuação restrita, a ausência de capital social e a não-distribuição de sobras, excedentes ou dividendos. Ainda hoje, esse tipo de cooperativa é bastante popular na Alemanha.

3 Um prussiano, Herman Schulze, foi o pioneiro no que tange às cooperativas de crédito urbanas. Em 1856, organizou sua primeira associação de dinheiro antecipado, uma cooperativa de crédito na cidade alemã de Delitzsch. As cooperativas fundadas por Herman Schulze passariam a ser conhecidas como cooperativas do tipo Schulze-Delitzsch, atualmente conhecidas na Alemanha como bancos populares. Essas cooperativas diferenciavam-se das cooperativas do tipo Raiffeisen por preverem o retorno das sobras líquidas proporcionalmente ao capital, à área de atuação não-restrita e ao fato de seus dirigentes serem remunerados. Inspirado nos pioneiros alemães, o italiano Luigi Luzzatti organiza a constituição, em 1865, na cidade de Milão, da primeira cooperativa cujo modelo herdaria seu nome, a cooperativa do tipo Luzzatti. No Brasil, as cooperativas criadas com essa denominação, bastante populares nas décadas de 40 a 60, tinham como principais características a nãoexigência de vínculo para a associação, exceto algum limite geográfico (bairro, município etc.), quotas de capital de pequeno valor, concessão de crédito de pequeno valor sem garantias reais, não-remuneração dos dirigentes e responsabilidade limitada ao valor do capital subscrito. Nas Américas, o jornalista Alphonse Desjardins idealizou a constituição de uma cooperativa com características distintas, embora inspirada nos modelos preconizados por Raiffeinsen, Schultze-Delitzsche e Luzzatti. A primeira cooperativa criada por Desjardins foi à província canadense de Quebec, em 6 de dezembro de Esse tipo de cooperativa, que é conhecida hoje no Brasil como cooperativo de crédito mútuo, tinha como principal característica a existência de alguma espécie de vínculo entre os sócios, reunindo grupos homogêneos como os de clubes, trabalhadores de uma mesma fábrica, funcionários públicos etc. Existem relatos de sistemas financeiros desde a antiguidade, onde os povos fenícios já utilizavam várias formas diferentes de realizar pagamentos, como documentos de créditos. Na medida em que ocorreu o surgimento da moeda no período das grandes civilizações, começaram a surgir pessoas que ofereciam serviços bancários, porém esses serviços eram bastante pequenos e restritos, sendo inclusive, vistos de forma negativa pela sociedade da época. Com a expansão do comércio no fim da Idade Média, a função passa-se a transformarse em trabalho formal e imprescindível para a sociedade. Nas feiras da Europa Central, quando as pessoas chegavam com valores em ouro para trocar co ouro produto, era o banqueiro que fazia a pesagem das moedas, avaliação da autenticidade e qualidade dos metais, em troca de uma comissão. 3

4 No século XVII foi quando os bancos se firmaram, com lançamento do dinheiro de papel (papel-moeda) pelo Banco de Estocolmo. Neste período, vários países europeus começaram a produzir sua própria moeda. Devido a Revolução Industrial, outros bancos surgiram a partir do século XIX, foi criado o banco industrial, fundado pelos irmãos Pereire na França, o CréditMobilier, cuja função era de mobilizar grandes somas de dinheiro para auxiliar o desenvolvimento industrial. Atualmente, os bancos são regulados pelo Banco Central de cada país. O Banco Central possui a função de emitir dinheiro, capturar recursos financeiros e regularem os bancos comerciais e industriais, assim elas estabelecem regras e controlam o sistema financeiro geral de cada país HISTÓRIA DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO NO BRASIL No Brasil o cooperativismo de crédito iniciou em Nova Petrópolis/RS, em 1902, por iniciativa do Padre suíço Theodor Amstad que, juntamente com outras 19 pessoas, fundou a 1ª Cooperativa de Crédito da América Latina. A partir desta iniciativa, logo nos primeiros anos as cooperativas espalharam-se pelo Rio Grande do Sul e pelo Brasil. Em 1964, por ocasião da Ditadura Militar e de uma legislação mais restritiva, as cooperativas do Brasil enfrentaram duras restrições e o crescimento sustentado foi retomado apenas após importantes conquistas através da Constituição de (PORTAL DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO, 2011). De acordo com Pinheiro (2008, p. 27), a Cooperativa mencionada no parágrafo anterior foi denominada de Caixa de Economia e Empréstimos Amstad, posteriormente batizada de Caixa Rural de Nova Petrópolis. Essa cooperativa continua em atividade até hoje, sob a denominação de Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Pioneira da Serra Gaúcha Sicredi Pioneira/RS. A partir desta iniciativa pioneira, muitas outras Cooperativas de Crédito surgiram no Brasil, totalizando. Conforme mencionado por Pinheiro, em junho de 2008 a estrutura do sistema cooperativo era a seguinte: Em junho de 2008, o sistema cooperativo de crédito no Brasil encontrava-se estruturado com dois bancos cooperativos, sendo um múltiplo e o outro comercial, cinco confederações, uma federação, 38 cooperativas centrais e cooperativas singulares, com pontos de atendimento, somando mais de três milhões de associados. Dentre as singulares, 152 eram de livre admissão de associados, 74 eram de empresários, 386 eram de crédito rural e 881 eram dos demais tipos. (PINHEIRO, 2008, p.12).

5 Sobre os bancos Cooperativos e Confederações, hoje o país tem dois bancos cooperativos, o Bancoob, mantido pelo Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob), e o Bansicredi, mantido pelo Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi). O Sicoob e o Sicredi são duas das quatro maiores confederações de cooperativas brasileiras. As outras são o Sistema Unicred do Brasil, que atua com profissionais da área de saúde, e o Cresol (Cooperativas de Crédito Solidário), de agricultores familiares. O Brasil possui ainda a Federação Nacional das Cooperativas de Crédito Mútuo (Fenacred). 5 3 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE AS COOPERATIVAS DE CRÉDITO E OS BANCOS No setor financeiro, estão inseridas as cooperativas de crédito e os bancos convencionais, existem semelhanças no funcionamento das entidades, no entanto é de conhecimento que possuem focos distintos. As cooperativas privilegiam as pessoas, gerando recursos para sua manutenção, expansão e diversificação, enquanto os bancos privilegiam o capital e o acúmulo de patrimônio através de margens de lucros cada vez maiores. As cooperativas constituem-se na maior organização não governamental do planeta, pois é uma alternativa socioeconômica alicerçada em valores e princípios cuja essência é a construção de uma vida melhor para milhares de pessoas, que buscam prosperidade e progresso, ganhos através de trabalho coletivo, na proporção de seus esforços e em prol da iniciativa. Considerando que os membros da cooperativa como donos e usuários, não confundem os excedentes apurados com o lucro, as pessoas cooperam para satisfazer necessidades econômicas recíprocas, em áreas distintas e a preço justo. Nas cooperativas de crédito o destinatário das soluções é o próprio associado, dono do empreendimento, enquanto que nos bancos o cliente ou usuário é um terceiro, estranho a empresa. Segundo Meinen (2012), é nisso, possivelmente que reside a essência da distinção. Com efeito, é muito diferente o grau de preocupação e de envolvimento no ambiente cooperativo, onde se lida com o próprio dono do negócio. Na relação bancária convencional, não há qualquer compromisso entre empresa e cliente. Aliás, os interesses são rigorosamente opostos. No caso das cooperativas de crédito, a desatenção com a expectativa do usuário gera conseqüências imediatas aos administradores da sociedade, enquanto que nas relações financeiras tradicionais a inconformidade de um cliente não passa de um simples protesto, invariavelmente sem resultado algum.

6 Por ser uma instituição sem fins lucrativos, as cooperativas repassam os custos das operações e serviços, reduzindo o preço final pago pelos cooperados e aumentando a remuneração dos investimentos, atenta também as necessidades de reinvestimentos. A atuação da cooperativa é de caráter mais social, atendendo prontamente as necessidades específicas dos cooperados e da sociedade onde está inserida, otimizando a distribuição e a circulação da renda, podendo e devendo atuar como agente de desenvolvimento local. A atuação do banco é de caráter eminentemente econômico, direcionando o capital para as aplicações mais lucrativas, mesmo que desvinculadas de produção e consumo, que é o que gera a riqueza do país. As cooperativas de crédito têm como objetivo a administração da carteira de empréstimo, de captação e prestação de serviços aos cooperados, independente de obter vantagens para si, em detrimento do resultado do sócio. As operações estão restritas ao quadro social, que é composto por pessoas físicas e jurídicas. O resultado obtido no final do exercício, o qual se chama de sobras, são distribuídos entre os sócios, proporcionalmente ao volume de operações que realizam durante o período. A destinação das sobras é decidida em assembléia, cuja participação é aberta a todos os sócios. Como instrumento de fomentação da economia local, as cooperativas de crédito reinvestem o seu resultado monetário na própria comunidade, produzindo um círculo virtuoso, na medida em que os recursos da comunidade, tanto pessoas físicas quanto jurídica, forem destinados a cooperativa, estas os recolocam na mesma região, redistribuídos, geram renda e aumentam o poder aquisitivo da população, que passam a consumir mais, logo as empresas passam aumentam seu faturamento e geram novos empregos, recolhem mais impostos, o poder púbico tem condições de investir em projetos de desenvolvimento econômico e social, o que faz ampliar a capacidade produtiva, chegando ao resultado final de melhora na qualidade de vida na área de abrangência da cooperativa. Por se tratar de uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, que dispõe de norma legal específica, não estão sujeitas a falência, e são constituídas para prestar serviços aos associados. As cooperativas precisam acumular reservas para apoiar e buscar restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro se caso uma entidade estiver passando por dificuldades. Com a finalidade de proteção do patrimônio do cooperado, as cooperativas estão trabalhando para a criação de um fundo único, o Fundo Garantidor de Crédito (FEGCoop). Sabe-se que o sistema SICOOB já dispõe de um Fundo Garantidor do Sicoob (FGS) para proteção dos recursos dos seus mais de 2 milhões de cooperados, que 6

7 garante ao associado investidor o valor de R$70.000,00 por CPF em caso de quebra da instituição. O que torna as cooperativas de crédito seguras e sólidas, é que elas têm que cumprir regras operacionais e diretrizes de governança semelhante as dos bancos, e são obrigadas a manter fundos sistêmicos, que garantem o pagamento dos depósitos dos associados, cumprindo as diretrizes da Basiléia, os gestores possuem seus nomes submetidos ao BACEN, portanto devem ser idôneos e qualificados. Ainda, há supervisão do conselho administrativo e fiscal, fiscalização do BACEN, as cooperativas são submetidas à auditoria independente, interna e permanente das Centrais, são monitoradas indiretamente por suas confederações, por seus bancos cooperativos e pelos correspondentes fundos garantidores. O objetivo das cooperativas está no atendimento às demandas de produtos e serviços financeiros, que suportam as necessidades de crédito e poupança de seus associados, com mais flexibilidade no relacionamento de negociação com seus cooperados, alinhadas às possibilidades financeiras dos mesmos. Embora haja foco no financeiro, há de se evidenciar que qualquer que seja a cooperativa, ela está embasada no social, logo, pressupõe-se que em sua gestão haja meta e equilíbrio entre o econômico e o social. Isso se torna claro quando se refere a alguns princípios como interesse pela comunidade, formação, informação e educação. As cooperativas de crédito desenvolvem programas de educação cooperativa com intuito de proporcionar aos cooperados conhecimento sobre a filosofia cooperativista, princípios e valores e incentivar a participação constante do associado em sua cooperativa. E também oferece assistência financeira, com intuito de auxiliar o cooperado a organizar sua vida financeira de forma saudável. Pode- observar no quadro a seguir, resumidamente alguns aspectos que separam as organizações: 7 Diferenças entre cooperativas de crédito e bancos Bancos Cooperativas de crédito a) São sociedades de capital a) São sociedades de pessoas b) O poder é exercido na proporção de números de ações b) O voto tem peso igual para todos (uma pessoa, um voto) c) As deliberações são concentradas c) As decisões são partilhadas entre muitos

8 8 d) Os administradores são terceiros (homens do d) Os administradores líderes são do meio mercado) (associados) e) O usuário das operações é mero cliente e) O usuário é o próprio dono (cooperado) f) O usuário não exerce qualquer influência na f) Toda a política operacional é decidida definição dos produtos e na sua precificação pelos próprios usuários/donos (associados) g) Podem tratar distintamente cada usuário g) Não podem distinguir: o que vale para um vale para todos (art. 37 da Lei nº 5.764/71) h) Preferem o público de maior renda e as h) Não discriminam, servindo a todos os maiores corporações públicos i) Priorizam os grandes centros i) Não restringem, tendo forte atuação nas comunidades mais remotas j) Têm propósito mercantilista j) A mercancia não é cogitada (art. 79, parágrafo único, da Lei nº 5.764/71 k) A remuneração das operações e dos serviços k) O preço das operações e dos serviços tem não tem parâmetro/limite como referencia os custos e como parâmetro as necessidades de reinvestimento l) Atendem em massa, priorizando, ademais, o l) O relacionamento é personalizado, autoserviço individual, com o apoio da informática m) Não tem vinculo com a comunidade e o m) Estão comprometidas com as público-alvo comunidades e os usuários n) Avançam pela competição n) Desenvolvem-se pela cooperação o) Visam ao lucro por excelência o) O lucro está fora do seu objeto, seja pela sua natureza, seja por determinação legal (art. 3 da Lei nº 5.764/71) p) O resultado é de poucos donos (nada é p) O Excedente (sobras) é distribuído entre dividido com os clientes) todos (usuários), na proporção das operações individuais, reduzindo ainda mais o preço final pago pelos cooperados e aumentando a remuneração de seus investimentos q) No plano societário, são regulados pela Lei q) São reguladas pela Lei Cooperativista e das Sociedades Anônimas por legislação própria Fonte: Livro Meinen et AL (2012, p. 51)

9 9 4 O CRESCIEMTNO DO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO As cooperativas d crédito, desde 1902, vem manifestando sua importância junto ao meio econômico do Brasil, e na medida em que promovem a aplicação de seus recursos em favor da própria comunidade, onde está localizada. Com seu foco voltado para o social, as cooperativas tendem a buscar o equilíbrio entre a situação econômica e a social, são estruturas constituídas de forma democrática e estão baseadas nas necessidades de serviços e produtos financeiros das pessoas, sendo que os benefícios gerados deverão, necessariamente, retornar aos sócios. Com a alteração da legislação em 2003, possibilitou as cooperativas a expandir no país, pois entre as mudanças está a possibilidade de criar cooperativas de livre adesão, o que significa que qualquer pessoa ou empresa, independente da atividade, pode se unir a uma dessas instituições. O cooperativismo de crédito tem um papel fundamental para o desenvolvimento de diversas comunidades e regiões do país, no entanto sua participação é um tanto quanto tímida em relação ao sistema financeiro nacional. De acordo com os dados divulgados pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), as cooperativas respondem por menos de 3% do mercado financeiro comercial. A diversificação dos serviços financeiros é responsável pela expansão do setor nos últimos anos. Para se tornarem cada vez mais competitivas, além de empréstimos, as cooperativas passaram a operar com cartões de crédito e débito, seguros, previdência complementar, consórcio, câmbio, etc. Também, tornou-se necessário investimento em tecnologia, ampliando a rede de atendimento, comodidade aos sócios por meio de operações de débito automático e transações pela internet e smartphone. O segmento cooperativista de crédito está em pleno crescimento e supera a evolução do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Em dez/11 o total de ativos do mercado financeiro brasileiro era de R$5,1 trilhões, sendo representados por 137 bancos, cooperativas de crédito e 295 outras instituições. Segundo dados do BACEN (dez/11), os ativos financeiros estão distribuídos: Banco do Brasil com 18% dos ativos, Itaú Unibanco com 15,87%, Bradesco com 12, 97%, CEF com 9,95%, Santander Real co 8,41 %, HSBC com 2,85%, e em sétimo lugar as cooperativas de crédito com 2,25%. Analisando os montantes emprestados, na carteira de crédito as cooperativas de crédito detinham em dez/2011º total de R$49 bilhões, representando 2,45% do total emprestado no

10 país. No terceiro trimestre de 2012 a participação das cooperativas no total das operações de crédito do SFN representa em torno de 2,7%, e as estimativas do setor é chegar 10% ou mais no prazo de cinco anos. Segundo dado divulgado pelo Sicoob realizou-se um levantamento em setembro de 2012, onde foi constatado que o cooperativismo de crédito é mais forte nas regiões Sul, onde está presente em mais de 87% dos municípios, na região Sudeste, na qual 50,7% das cidades possuem uma entidade construída. A cooperativa de crédito do Brasil detém 16% da rede de atendimento do país, das mais de 26 mil agências bancárias e de cooperativas, 19% são de Cooperativas de Crédito. Conforme Ocupando a 5ª colocação no ranking de maior rede de atendimento. Isto significa que 1 a cada 5 agências bancárias existentes no país é de cooperativa. Segundo pesquisa encomendada pela Organização das Cooperativas do Reino Unido, em todo o mundo, o número de pessoas ligadas a cooperativas chega a 1 bilhão, bem acima do número de acionistas de empresas com capital. Entre os países da BRINCS Brasil, Rússia, Índia, China e África DO Sul existem quatro vezes mais sócios de cooperativas do que acionistas diretos. Cerca de 15% da população é associada de cooperativas, enquanto apenas 3,8% são acionistas de empresas de capital aberto. As três maiores populações cooperativistas estão localizadas na Índia (242 milhões), China (160 milhões) e EUA (120 milhões). Uma em cada cinco pessoas nas Américas é membro de uma cooperativa. Port (2012) A realidade do Brasil é diferente do que dos países desenvolvidos, onde o papel dos bancos cooperativos é fundamental para todo o continente Europeu, tingindo cerca de 130 milhões de clientes, 700 mil empregados, 60 mil agências e 17% dos depósitos financeiros, pode-se destacar a França, Holanda, Espanha e Alemanha. Nos Estados Unidos a performance do cooperativismo de crédito também impressiona pelos seus números, pois são mais de 85 milhões de associados, 661 bilhões de dólares de ativos, 423bilhoes de dólares de empréstimos e mais de 570 bilhões de dólares de depósitos CONCLUSÕES Não há como negar a importância do cooperativismo no presente e para o futuro da humanidade. O cooperativismo contribui para um mundo melhor e mais justo, obviamente se este cooperativismo seja responsável, lícito, atuante e transparente. Há vários anos, o cooperativismo de crédito vem registrando níveis de crescimento superior aos bancos privados e públicos. Desde os anos 1990, o Banco Central tem intensificado sua aproximação

11 e seu envolvimento com o cooperativismo de crédito, com o objetivo de aprimorar o marco regulatório e trabalhar para fortalecer este segmento, por sua importância como instrumento de inclusão financeira e para o aumento da concorrência, o que contribui para a construção de um Sistema Financeiro sólido, eficiente e inclusivo. No que se refere à vantagem competitiva das cooperativas de crédito, destaca-se o foco no capital humano, no lado social de unir as pessoas com a intenção de atingir um único objetivo. Á medida que possuem um baixo spread bancário, permitindo, assim, menores taxas para empréstimos e melhores taxas para aplicações, em comparação com as instituições financeiras convencionais. O cooperado tem ainda a vantagem de obter devolução, na forma de distribuição dos resultados, de parte dos juros que pagou. Contudo, o grande diferencial esta no relacionamento entre cooperativa e associados, desde que, pratique adequadamente os princípios, valores e diferenciais societários, gerando benefícios jamais cogitados pela concorrência. Neste estudo, pode-se observar que as cooperativas são tão seguras quanto os bancos, na condição de agentes do sistema financeiro nacional, têm de propugnar pela solidez, eficiência, competitividade e inclusão. O mercado financeiro brasileiro apresenta expressiva concentração nos maiores bancos do país, juntos os cinco maiores bancos detêm 65,5% dos ativos do mercado brasileiro. As sociedades Cooperativas, representadas por suas Cooperativas Singulares, Centrais, Confederações e pelos 2 Bancos Cooperativos e mais de seis milhões de associados, possuem 2,4% dos ativos do país, ocupando a 7ª posição no ranking nacional de ativos totais. Conclui-se que o cooperativismo vive seu melhor momento, os bancos comerciais têm diminuído a margem, aproximando-se das condições das cooperativas. Uma das soluções para lidar com esse cenário é a organização sistêmica e o portfólio de produtos e serviços completo e acessível ao associado. Portanto, é necessária uma efetiva aproximação inter sistêmica de todas as cooperativas de crédito para aproveitar-se dos benefícios do ganho de escala e da racionalidade administrativa, unificando-as e fomentando a competitividade. 11

12 12 REFERÊNCIAS Banco Central do Brasil 50 maiores bancos e o consolidado do Sistema Financeiro Nacional - - Acessado em 20/03/2013. Fundo Garantidor de Crédito GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, MEINEN, Ênio e Port, Marcio. O Cooperativismo de crédito ontem, hoje e amanhã. Editora Confebrás Brasília, Organização das Cooperativas do Brasil - - Acessado em 20/03/2013. PINHEIRO, Marcos Antônio Henrique, Cooperativismo de Crédito, Histórico da Evolução Normativa no Brasil, 5ª Ed., Banco Central PINHO, Diva Benevides e PALHARES, Valdecir Manoel Affonso. O Cooperativismo de crédito no Brasil: do século XX ao século XXI. Santo André: Editora Confebrás Esetec, Portal do Cooperativismo de Crédito - - Acessado em 20/03/2013. Sicoob - - Acessado em 20/03/2013.

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais Cooperativas de crédito e seus impactos sociais A estrutura do cooperativismo de crédito brasileiro Inseridas no meio econômico financeiro do país desde 1902, as cooperativas de crédito se apresentam com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE

O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE O FOMENTO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS FINANCEIRAS COM OS PEQUENOS NEGÓCIOS: A ATUAÇÃO DO SISTEMA SEBRAE Robson Vitor Gonçalves de Matos robson.matos@sebrae.com.br Resumo Em 2002 o Conselho

Leia mais

O Cooperativismo como Vantagem Competitiva: Uma Análise entre as Sociedades Cooperativas e os Bancos Comerciais

O Cooperativismo como Vantagem Competitiva: Uma Análise entre as Sociedades Cooperativas e os Bancos Comerciais O Cooperativismo como Vantagem Competitiva: Uma Análise entre as Sociedades Cooperativas e os Ana Carolina C. L. da Silva Universidade Severino Sombra, Centro de Letras, Ciências Socais Aplicadas e Humanas,

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1 Lúcia Regina Vieira Zermiani 2 RESUMO Governança corporativa ou o governo das sociedades ou das empresas é o conjunto de processos, costumes, políticas,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS Painel: Crédito Cooperativo e Desenvolvimento COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO TEMAS A SEREM ABORDADOS: Características

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO.

IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. IMPORTÃNCIA DA ATUAÇÃO DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL NA CIDADE DE GARÇA E REGIÃO PARA ATENDER O SEGUIMENTO AGROPECUÁRIO. GASPARELLO, Cibele Ferreira. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e

Leia mais

História do Cooperativismo de Crédito no Brasil

História do Cooperativismo de Crédito no Brasil História do Cooperativismo de Crédito no Brasil Sumário 1 Origem do cooperativismo de crédito... 7 2 O cooperativismo de crédito no Brasil... 9 2.1 O surgimento do cooperativismo de crédito no Brasil...

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Seminário Internacional: Regulación y Supervisión de Cooperativas de Ahorro y Crédito em América Latina y el Caribe

Seminário Internacional: Regulación y Supervisión de Cooperativas de Ahorro y Crédito em América Latina y el Caribe Seminário Internacional: Regulación y Supervisión de Cooperativas de Ahorro y Crédito em América Latina y el Caribe Organização das Cooperativas Brasileiras São Paulo, 06 de junho de 2013 Agenda I Ambiente

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

2T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

2T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 2T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1 Carlos Roberto Linhares 2 RESUMO Governança corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas,

Leia mais

Cooperativismo > História História do Cooperativismo

Cooperativismo > História História do Cooperativismo Cooperativismo > História História do Cooperativismo A origem do que hoje chamamos cooperativa tem data marcada: 21 de dezembro de 1844. Nesse dia, 27 tecelões e uma tecelã do bairro de Rochdale, em Manchester,

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RESUMO

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RESUMO A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO Murilo Cezar Cucolo - FAFIJAN RESUMO O objetivo do presente estudo é levantar a importância da comunicação interna como

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Sicoob Central Cecresp. Institucional

Sicoob Central Cecresp. Institucional Sicoob Central Cecresp Institucional Gestão DIRETOR PRESIDENTE Carlos Augusto de Macedo Chiaraba Sicoob Nossacred DIRETOR VICE PRESIDENTE Francisco Rao - Sicoob Crediconsumo CONSELHEIROS Antonio João Batista

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS

Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS Florianópolis, 11 de maio de 2009. Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária - Cresol Central SC/RS A/C Cláudio Risson - Presidente Orientação: Lei Complementar n. 130, de 17 de Abril

Leia mais

Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade da região de Joinville Univille marlhice@yahoo.com.br jani.floriano@univille.

Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade da região de Joinville Univille marlhice@yahoo.com.br jani.floriano@univille. PARTICIPAÇÃO EM OPERAÇÕES FINANCEIRAS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB CREDISC DE JOINVILLE EM RELAÇÃO À SICOOB CREDISC EM TODO ESTADO DE SANTA CATARINA 2007 a 2010 Marlhice Hafemann Jani Floriano Universidade

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura

Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura Objetivos, ações e resultados do projeto Governança Cooperativa Elvira Cruvinel Ferreira Ventura Brasília, 25 de abril de 2008 http://www.bcb.gov.br/?govcoop 1 O Projeto Governança Cooperativa Diretrizes

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

O papel da CRESOL CREDISEARA no financiamento e apoio aos pequenos agricultores rurais em Seara (SC) e municípios vizinhos

O papel da CRESOL CREDISEARA no financiamento e apoio aos pequenos agricultores rurais em Seara (SC) e municípios vizinhos O papel da CRESOL CREDISEARA no financiamento e apoio aos pequenos agricultores rurais em Seara (SC) e municípios vizinhos Marcio Giacomolli 1 Resumo O cooperativismo de crédito representa hoje no Brasil

Leia mais

Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil. FELABAN, julho de 2011

Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil. FELABAN, julho de 2011 Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil FELABAN, julho de 2011 Agenda Panorama da economia brasileira : 2006 a 2010 Questões fundamentais Definindo conceitos Indicadores de bancarização : 2006 a 2010

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 Publicada no DOE(Pa) de 25.10.91. Alterada pelas Leis 6.007/96, 6.375/01, 6.619/04, 6.719/05, 7.242/09. Regulamentos: Decretos 2.037/97, 5.011/01, 1.565/09. Disposições

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil RODRIGO PEREIRA BRAZ Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 06 de junho de 2013 Agenda Estrutura

Leia mais

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen desenvolvimento reg para nossa região. Credicampo Credicampo o Sicoob Credicampo é comprometido com o desenvolvimento dos seus associados. O Sicoob

Leia mais

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Rural Mercantil do Brasil Banestes RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Saldo devedor do Crédito Rural em R$ mil 16.000.000 14.000.000 12.000.000 10.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 5,9 %

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

RISCO CALCULADO. Sicredi investe em soluções analíticas e amplia a visão gerencial da carteira de crédito EFICIÊNCIA COLABORATIVA

RISCO CALCULADO. Sicredi investe em soluções analíticas e amplia a visão gerencial da carteira de crédito EFICIÊNCIA COLABORATIVA Rapidez nos cálculos garante vantagens competitivas aos bancos Ano VII número 22 2013 John Sato, superintendente de Crédito e Risco do Banco Cooperativo Sicredi RISCO CALCULADO Sicredi investe em soluções

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

O que é o conglomerado Caixa...

O que é o conglomerado Caixa... CAIXA FEDERAL QUAL CAIXA QUEREMOS? Março 2015 O que é o conglomerado Caixa... A Caixa é uma instituição financeira constituída pelo Decreto-Lei 759/1969, sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério

Leia mais

Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand

Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi reduz em 20% os custos de gestão de portfólio com CA Clarity PPM On Demand PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Empresa: Sicredi Funcionários: +12.000 EMPRESA

Leia mais