PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO MINSITÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA LEI COMPLEMENTAR Nº, DE DE DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO MINSITÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA LEI COMPLEMENTAR Nº, DE DE DE"

Transcrição

1 PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO MINSITÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA LEI COMPLEMENTAR Nº, DE DE DE Dispõe sobre o Plano de Carreira, Cargos e Remuneração dos Servidores Efetivos dos Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo do Ministério Público da Paraíba e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta lei estabelece o Plano de Carreira, Cargos e Remuneração PCCR dos Servidores Efetivos dos Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo do Ministério Público do Estado da Paraíba, com fundamento no 2º do artigo 127 da Constituição Federal de 1988, e nas diretrizes de: I qualidade e produtividade dos serviços públicos prestados pelo Ministério Público; II valorização do servidor; III qualificação profissional; IV progressão funcional, baseada na avaliação de desempenho funcional; V remuneração compatível com a natureza da função, a complexidade do cargo e a qualificação do ocupante. Art. 2º. A remuneração dos Servidores Efetivos dos Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo do Ministério Público do Estado da Paraíba é composta pelo vencimento e pelas vantagens pecuniárias instituídas por lei. Art. 3º. Para os efeitos desta lei, entende-se por: I Cargo público unidade básica da estrutura organizacional com denominação específica de atribuições, deveres e responsabilidades cometidas a um servidor; II Cargo de provimento efetivo aquele ocupado por servidor admitido mediante concurso público de provas ou de provas e títulos; III Quadro Permanente de Pessoal Efetivo o conjunto de cargos de provimento efetivo estabelecido no Plano de Carreira, Cargos e Remuneração PCCR de que trata esta lei; IV Nível o desdobramento que identifica a posição do cargo na Estrutura dos Grupos Ocupacionais segundo o grau de qualificação e escolaridade formal exigida para o seu ocupante, compreendendo: 1

2 a) Nível Fundamental constituído dos cargos que exigem dos seus ocupantes escolaridade de Nível de Ensino Fundamental completo; b) Nível Médio constituído dos cargos que exigem dos seus ocupantes escolaridade ou formação técnico profissional equivalente ao Nível Médio; c) Nível Superior constituído dos cargos que exigem dos seus ocupantes conhecimentos profissionais ou especializados, com formação de nível superior completo. V Plano de Carreira conjunto de normas que disciplinam o ingresso e instituem oportunidades e estímulos ao desenvolvimento pessoal e profissional dos servidores de forma a contribuir com a qualificação dos serviços prestados pelos órgãos e instituições, constituindo-se em instrumento de gestão da política de pessoal; VI Classe graduação ascendente do cargo, determinante da promoção horizontal; VII Padrão componente do sistema remuneratório que indica a posição do servidor na escala de vencimento da carreira em função do nível do cargo e nível de classificação; VIII Progressão funcional a movimentação do servidor de um Padrão para o seguinte dentro de uma mesma Classe, observado o interstício mínimo de um ano para os servidores na Classe A e de dois anos para as demais classes, além dos outros requisitos estabelecidos nesta lei; IX Promoção a movimentação do servidor do último Padrão de uma Classe para o primeiro Padrão da Classe seguinte, observado o interstício mínimo de dois anos em relação à progressão funcional imediatamente anterior e demais requisitos estabelecidos nesta lei, exceto quanto à passagem do último Padrão da Classe D para o primeiro Padrão da Classe Especial (E), que deverá obedecer ao interstício mínimo de três anos e demais requisitos estabelecidos nesta lei; X Sistema de Avaliação de Desempenho Funcional conjunto de procedimentos administrativos direcionados para a aferição do desenvolvimento funcional do servidor ocupante de cargo do Quadro Permanente de Pessoal Efetivo; XI Adicional de Qualificação o percentual incidente sobre o vencimento do cargo efetivo, decorrente dos conhecimentos adicionais adquiridos pelo servidor detentor de diplomas ou certificados de cursos de ensino médio, graduação e pós-graduação, em sentido amplo ou estrito; XII Vencimento a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, com valor fixado em lei; XIII Enquadramento processo por meio do qual o servidor ativo será incluído no Plano de Carreira, Cargos e Remuneração; XIV Cursos oficiais todas as atividades de formação e aperfeiçoamento funcionais organizadas ou indicadas pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional CEAF; XV Cursos reconhecidos todas as atividades de formação e aperfeiçoamento funcionais realizadas por órgãos e entidades estranhos ao Ministério Público Estadual, competindo ao CEAF expedir o respectivo reconhecimento, mediante procedimento administrativo em que se verifique a idoneidade do curso e a pertinência temática com o exercício do cargo ou função. Art. 4º. Os cargos de provimento efetivo estão definidos nos Anexos de I e II desta lei. CAPÍTULO II DA EXTINÇÃO DE CARGOS DO QUADRO DE PROVIMENTO EFETIVO Art. 5 Ficam extintos os cargos de provimento efetivo de Agente de Promotoria constantes do quadro e plano de carreira dos servidores dos serviços auxiliares de apoio administrativo do Ministério Público da Paraíba, que estejam vagos na data da publicação desta Lei. Art. 6 Ficam extintos, com a vacância, os cargos de provimento efetivo de Agente de Promotoria, não abrangidos pelo disposto no artigo anterior. 2

3 CAPÍTULO III DO QUADRO DE PROVIMENTO EFETIVO Art. 7º. Os Cargos de Provimento Efetivo serão organizados em Quadros Permanentes e estruturados em Níveis e Cargos, conforme disposto nos Anexos I e II. Art. 8º. A Carreira do Quadro de Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo do Ministério Público da da Paraíba é constituída dos seguintes cargos: I Analista Ministerial; II Técnico Ministerial; III Auxiliar Ministerial; 1º. As atribuições dos cargos, observadas as áreas de atividades e especializações profissionais, são as descritas no Anexo IV. 2º. Os cargos de Provimento Efetivo do Quadro de Serviços Auxiliares do Ministério Público, Técnico de Promotoria de todas as especialidades, ficam transformados em Analista Ministerial, conforme Anexo II. 3º. Os cargos de Provimento Efetivo do Quadro de Serviços Auxiliares do Ministério Público de Auxiliar Técnico de Promotoria, Oficial de Promotoria I, Oficial de Promotoria II, Oficial de Diligência I, Oficial de Diligência II, ficam transformados em Técnico Minsiterial, conforme Anexo II. 4º. Os cargos de Provimento Efetivo do Quadro de Serviços Auxiliares do Ministério Público de Agente de Promotoria, em processo de extinção nos termos do artigos 5º e 6º deta Lei, passam a receber a denominação de Auxiliar Ministerial, os quais devem ser extintos com a vacância. 5º- Os servidores que foram admitidos no Cargo de Agente de Promotoria, por meio de concurso público regulado pelo edital n.º 001/2006-MPPB, de 17 de novembro de 2006, cumprindo os requisitos exigidos pela Lei nº 7.873, de 28 de novembro de 2005, com a Resolução CPJ n.º 021/ PGJ/PB, Resolução CPJ nº 010/2006 PGJ/PB e a Resolução CPJ nº 012/2006 PGJ/PB, que estipulam o nível médio como escolaridade formal exigida para o respectivo cargo, ficam enquadrados na condição de Técnico Ministerial. 6º. Aplicam-se aos cargos dispostos no parágrafo anterior todas as disposições contidas nesta lei. Art. 9º. Os atuais servidores do Ministério Público Estadual serão enquadrados de acordo com as respectivas atribuições e requisitos de formação profissional, observando-se a correlação entre a situação atual e a situação vigente após a publicação desta lei. CAPÍTULO IV DA CODIFICAÇÃO Art. 10º. A codificação dos cargos de provimento efetivo, disposta de acordo com a Anexo I desta lei, obedecerá ao sistema alfanumérico, da seguinte forma: I três letras maiúsculas, sendo as duas primeiras para identificar o Nível e a terceira para identificar a Classe; II dois algarismos para identificar o Padrão na ordem sequencial dentro da mesma classe. CAPÍTULO V DO INGRESSO NA CARREIRA Art. 11. A investidura em cargo de provimento efetivo dar-se-á mediante habilitação em concurso público de provas ou de provas e títulos na Classe e Padrão inicial do cargo. 3

4 Art. 12. Constituem requisitos de escolaridade para investidura em cargo público: I - de Nível Médio, certificado ou comprovante de escolaridade de conclusão do Ensino Médio ou de habilitação legal de igual nível, quando se tratar de atividade profissional regulamentada; II - de Nível Superior, diploma de conclusão de curso superior, expedido por Instituição de Ensino Superior reconhecida nos termos da lei. CAPÍTULO VI DO DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA Art. 13. A carreira dos Servidores Efetivos dos Serviços Auxiliares de Apoio Administrativo do Ministério Público da Paraíba é composta por quatro classes, sendo as classes A, B, C e D compostas, cada uma, por cinco padrões, e a Classe Especial (E), composta por cinco padrões, assim distribuídos: I- Classe A Padrão 01 ao 04; II- Classe B Padrão 05 ao 08; III- Classe C Padrão 09 ao 12; IV- Classe D- Padrão 13 a 16; IV- Classe Especial (E) Padrão 17 ao 18. Parágrafo único. A Classe Especial (E), composta por quantidade de padrões e percentuais de progressão diferenciados em relação às demais classes, tem como principal objetivo incentivar a permanência do servidor na Carreira, mesmo após este ter preenchido todos os requisitos para sua passagem à inatividade. Art. 14. A progressão funcional, somente aplicável ao servidor que estiver desempenhando suas funções no Ministério Público Estadual, ocorrerá de acordo com os critérios abaixo estabelecidos: I obtenção de, no mínimo, sessenta horas de participação em cursos e/ou eventos de aperfeiçoamento funcional relacionados com o seu cargo ou função, realizados oficialmente pelo CEAF, no decorrer do período disposto no inciso VIII, do artigo 3, desta lei, exceto para os servidores na Classe A dos diversos níveis, no qual a carga horária exigida será de trinta horas; II obtenção de parecer favorável da Comissão de Avaliação de Desempenho dos Servidores do Ministério Público do Estado da Paraíba constituída nos termos da resolução referida no art. 23, parágrafo único, desta lei. 1º - O disposto no inciso I deste artigo, não impede que o servidor obtenha maior quantidade de horas de participação em cursos oficiais, desde que não seja ultrapassado o limite de trinta horas por ano. 2º- A exigência para cumprimento do inciso I perderá a eficácia se a Adminsitração Superior, por meio do CEAF ou outro Órgão da Instituição, não efetuar os cursos e treinamentos ou não oferecer vagas para todos os servidores que se inscrevam nos mesmos, de forma que a progressão referida no caput deste artigo, ocorrerá por mero decurso do período disposto no inciso VIII, do artigo 3, desta lei; Art. 15. A promoção, somente aplicável ao servidor que estiver desempenhando suas funções no Ministério Público Estadual, dependerá, cumulativamente, do resultado de avaliação formal de desempenho, frequência e aproveitamento de cursos oficiais ou reconhecidos pelo Ministério Público Estadual, na forma abaixo delineada: 4

5 I obtenção de, no mínimo, cento e vinte horas de participação em cursos e/ou eventos de aperfeiçoamento funcional relacionados com o seu cargo ou função, realizados oficialmente pelo CEAF, no decorrer do período disposto no inciso IX, do artigo 3, desta lei; II obtenção de parecer favorável da Comissão de Avaliação de Desempenho dos Servidores do Ministério Público do Estado do Estado da Paraíba, constituída nos termos da resolução referida no art. 23, parágrafo único, desta lei. 1º. O disposto no inciso I deste artigo, não impede que o servidor obtenha maior quantidade de horas de participação em cursos oficiais, desde que não seja ultrapassado o limite de sessenta horas por ano. 2º- A exigência para cumprimento do inciso I perderá a eficácia se a Adminsitração Superior, por meio do CEAF ou outro Órgão da Instituição não efetuar os cursos e treinamentos, ou não oferecer vagas para todos os servidores que se inscrevam nos mesmos, de forma que a promoção referida no caput deste artigo, ocorrerá por mero decurso do período disposto no inciso IX, do artigo 3, desta lei; Art. 16. A progressão funcional e a promoção não acarretarão mudança de cargo. Art. 17. O Procurador Geral de Justiça, em até cento e oitenta dias após a publicação desta lei, designará uma Comissão de Promoção e Progressão Funcional, constituída de três servidores efetivos e estáveis, a qual caberá a análise do preenchimento dos requisitos constantes no art. 12, incisos I e II e art. 13, incisos I e II, todos desta lei. Art. 18. Após o enquadramento previsto nos artigos 8 e 9 desta lei, deverá ser observado o interstício mínimo de dois anos para o desenvolvimento na carreira. CAPÍTULO VII DOS DIREITOS E DAS VANTAGENS Art. 19. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, com valor fixado em lei. Parágrafo Único. Nenhum servidor receberá vencimento inferior ao salário mínimo nacional. Art. 20. Remuneração é o vencimento do cargo acrescido das seguintes vantagens pecuniárias: I- indenizações; II- gratificações; III adicionais; IV- representação. SEÇÃO I DAS INDENIZAÇÕES Art. 21. Constituem verbas indenizatórias e são devidas ao servidor: I ajuda de custo; II diárias; III auxílio alimentação; IV auxílio saúde; V auxílio moradia; VI auxílio natalidade; 5

6 VII auxílio funeral; VIII auxílio transporte; IX indenização de férias não gozadas; X licença especial convertida em pecúnia; e XI outras prevista em Lei. 1º As verbas indenizatórias não têm natureza de parcela remuneratória e, nos termos da legislação em vigor, sobre elas não incidem contribuições previdenciárias, bem como imposto de renda retido na fonte. 2º As verbas indenizatórias devidas ao servidor serão anualmente revistas, sempre na mesma data, em índice nunca inferior ao da inflação. 3º As verbas indenizatórias terão os valores, critérios e as condições de sua concessão, estabelecidos por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO I DA AJUDA DE CUSTO Art. 22. A ajuda de custo destina-se a compensar as despesas realizadas pelo servidor no interesse do serviço público. Art. 23. Será concedida ajuda de custo ao servidor que for designado, de ofício, para ter exercício e cumprir atribuições funcionais em órgão do Ministério Público localizado em outra cidade, por período igual ou superior a 120 (cento e vinte) dias. Art. 24. Poderá ser concedida ajuda de custo ao custeio das despesas do servidor com o curso de graduação ou pós-graduação. Parágrafo único. A ajuda de custo terá os valores, critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO II DAS DIÁRIAS Art. 25. O servidor que, a serviço se afastar da sede de trabalho, em caráter eventual ou transitório, para outro ponto do território do estado, do país ou do estrangeiro, fará jus ao recebimento de passagens e diárias, para cobrir as despesas de acomodação, alimentação e locomoção urbana. 1º A diária será concedida por dia de afastamento. 2º A diária será paga ao servidor, preferencialmente, antes do afastamento do mesmo. 3º O servidor que receber diárias e não se afastar da sede, por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las integralmente, no prazo de 05 (cinco) dias. 4º O servidor que se afastar acompanhando outro servidor ou membro do Ministério Público, fará jus ao recebimento de diárias no mesmo valor que este fizer. 5º O valor pago à título de diária, não poderá ser inferior a 1/30 (um trinta avos) da remuneração mensal devida ao servidor quando o deslocamento ocorrer dentro do Estado da Paraíba; a 2/30 (dois trinta avos) da remuneração mensal devida ao servidor quando o deslocamento ocorrer para outro estado da federação; e 3/30 (três trinta avos) da remuneração mensal devida ao servidor quando o deslocamento ocorrer para fora do país. 6º Caberá ao Colégio de Procuradores de Justiça, por meio de resolução, estabelecer o regulamento dos critérios, a forma de cálculo e o reajuste do valor da diária. SUBSEÇÃO III DO AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO 6

7 Art. 26. O auxílio alimentação será devido mensalmente aos servidores em atividade, a ser pago em pecúnia, na folha de pagamento do mês anterior ao de competência, independente de solicitação, inclusive nas férias, licenças e afastamentos. Parágrafo único. O auxilio alimentação terá os valores, critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO IV DO AUXÍLIO SAÚDE Art. 27. O auxílio saúde será devido mensalmente aos servidores em atividade, a ser pago em pecúnia, na folha de pagamento do mês anterior ao de competência, independente de solicitação, inclusive nas férias, licenças e afastamentos. 1. Será facultado ao servidor, dispor do valor pago à titulo de auxilio saúde para pagamento de plano de saúde ou odontológico, por consignação em folha de pagamento, mediante convênio. 2. O auxilio saúde terá os valores, critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO V DO AUXILIO MORADIA Art. 28. O auxílio-moradia consiste no ressarcimento das despesas comprovadamente realizadas pelo servidor com aluguel de moradia ou com meio de hospedagem administrado por empresa hoteleira, no prazo de um mês após a comprovação da despesa pelo servidor. Parágrafo único. O auxilio moradia terá os valores, critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO VI DO AUXILIO NATALIDADE Art. 29. O auxílio natalidade, será devido ao servidor por motivo de nascimento de filho, em valor equivalente ao vencimento do servidor, inclusive no caso de natimorto. Parágrafo único. O auxilio natalidade terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO VII DO AUXILIO FUNERAL Art. 30. O auxílio funeral, será devido ao cônjuge sobrevivente ou ao companheiro e, em sua falta, aos herdeiros do servidor falecido, ainda que aposentado ou em disponibilidade, na importância equivalente a um mês da remuneração ou provento, que o servidor percebia, para atender as despesas de funeral. Parágrafo único. O auxilio funeral terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO VIII DO AUXILIO TRANSPORTE 7

8 Art. 31. O auxílio transporte, será pago ao servidor que realiza despesa com a utilização de meio próprio de locomoção para a execução de serviços externos ou cumprimentos de diligências, a ordem de administração. 1º O valor pago a título de auxilio transporte, não poderá ser inferior a vinte e cinco por cento do vencimento do servidor que fizer jus. 2º. O auxilio transporte terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO IX DA INDENIZAÇÃO DE FÉRIAS NÃO GOZADAS Art. 32. A indenização de férias não gozadas poderá, ser paga ao servidor, em face da acumulação de um ou mais períodos aquisitivos, não usufruídos por imperiosa necessidade do serviço, devendo corresponder a 1/3 (um terço) das férias, tomando-se por base de cálculo o valor da remuneração que a ela fizer jus, observada a conveniência da Administração. Parágrafo único. A indenização de férias não gozadas terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO X DA LICENÇA ESPECIAL CONVERTIDA EM PECÚNIA Art. 33. A licença especial convertida em pecúnia, poderá ser paga ao servidor, tomando-se por base de cálculo o valor da remuneração do servidor, que a ela fizer jus no momento em que for deferido seu pagamento, observada a conveniência da Administração. Parágrafo único. A licença especial convertida em pecúnia terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SEÇÃO II DAS GRATIFICAÇÕES Art. 34. Serão devidos aos servidores os seguintes gratificações: I- gratificação natalina; II- gratificação especial por atividade ministerial; III- gratificação especial por exercício parecerista; IV- gratificação de interiorização. SUBSEÇÃO I DA GRATIFICAÇÃO NATALINA Art. 35. A gratificação natalina corresponde a 1/12 (um doze avos) da remuneração a que o servidor fizer jus, no mês de dezembro, por mês de exercício no respectivo ano. 1º A fração igual ou superior a 15(quinze) dias será considerada como mês integral. 2º A gratificação será paga integralmente até o dia que corresponder ao pagamento do mês de dezembro de cada ano, podendo ser concedida em duas parcelas iguais no decorrer do ano. 3º O servidor exonerado perceberá sua gratificação natalina proporcional aos meses de exercício, calculada sobre a remuneração do mês de exoneração. 8

9 Art. 36. A gratificação natalina não será considerada para cálculo de qualquer vantagem pecuniária. SUBSEÇÃO II DA GRATIFICAÇÃO ESPECIAL POR ATIVIDADE MINISTERIAL Art. 37. A gratificação especial por atividade ministerial, será paga ao servidor público efetivo proveniente de outros órgão ou esfera de poder, que esteja à disposição do Ministério Público da Paraíba. 1º. O valor pago a título de gratificação especial por atividade ministerial não poderá ser inferior ao salário mínimo nem superior ao menor vencimento pago pelo Ministério Público da Paraíba. 2º. A gratificação especial por atividade ministerial terá os critérios e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO III DA GRATIFICAÇÃO ESPECIAL POR EXERCÍCIO PARECERISTA Art. 38. A gratificação especial por exercício parecerista será paga ao servidor que trabalhe efetivamente emitindo pareceres técnicos ou jurídicos nos procedimentos e processos administrativos que tramitem no âmbito do Ministério Público da Paraíba. Parágrafo único. A gratificação especial por exercício parecerista será devida no valor de 15% (quinze por cento) do vencimento do servidor que a fizer jus. SUBSEÇÃO IV DA GRATIFICAÇÃO DE INTERIORIZAÇÃO Art. 39. A gratificação de interiorização será paga ao servidor, inclusive quando investido em cargo em comissão ou função de confiança, que passar a desempenhar as atribuições do seu cargo em local de difícil provimento, identificada em resolução do Colégio de Procuradores. Parágrafo único. O valor da gratificação de que trata o caput deste artigo corresponderá a cinquenta por cento do vencimento do servidor. SEÇÃO III DOS ADICIONAIS Art. 40. Serão devidos aos servidores os seguintes adicionais: I- adicional por tempo de serviço; II- adicional noturno; III- adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigosas ou penosas; IV- adicional de férias; V- adicional de qualificação; e VI- adicional por encargo de curso ou concurso. SUBSEÇÃO I DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO Art. 41. O adicional por tempo de serviço é devido a razão de 1% (um por cento) por ano de efetivo de serviço público, incidente sobre a remuneração do servidor. 9

10 Parágrafo único. Não será devido adicional por tempo de serviço ao servidor que esteja em estágio probatório. SUBSEÇÃO II DO ADICIONAL NOTURNO Art. 42. O adicional noturno é devido ao servidor que desempenhar suas atividades no horário compreendido entre 22 (vinte e duas) horas de um dia às 05 (cinco) horas do dia seguinte, terá o valor hora de um dia considerado 25% (vinte e cinco por cento) maior, computando-se cada hora com 52m30s (cinquenta e dois minutos e trinta segundos). SUBSEÇÃO III DO ADICIONAL PELO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES INSALUBRES, PERIGOSAS OU PENOSAS Art. 43. O adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigosas ou penosas é devido ao servidor que trabalha com habitualidade em locais insalubres ou em contato permanente com substância tóxica, radioativa ou com risco de vida. Parágrafo único. O adicional pelo exercício de atividades insalubres, perigosas ou penosas terá os critérios, valores e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SUBSEÇÃO IV DO ADICIONAL DE FÉRIAS Art. 44. O adicional de férias será devido ao servidor, por ocasião das férias e independente de solicitação, em valor correspondente a 1/3 (um terço) da remuneração do período das mesmas. Parágrafo único. No caso de o servidor exercer cargo comissionado ou função de confiança, a respectiva vantagem será considerada no cálculo do adicional que trata o caput deste artigo. SUBSEÇÃO V DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO Art. 45. O adicional de qualificação será devido ao servidor que auferir titulação na escolaridade, nos seguintes percentuais: I- 40% para o título de Doutorado; II- 30% para o título de Mestrado; III- 15% (quinze por cento) para o título de Especialização ou Aperfeiçoamento que tenham como pré-requisito a graduação, desde que contem com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas/aula; IV- 10% para o título de Graduação; V- 5% (cinco por cento) para a conclusão de Cursos de Desenvolvimento Funcional com carga horária igual ou superior a 120 (cento e vinte) h/a, ministrados pela Escola Superior do Ministério Público ou outra congênere ou de reconhecida proficiência pela Procuradoria-Geral de Justiça. 1º O adicional de qualificação incidirá exclusivamente sobre o vencimento do cargo/função do servidor, e integrará sua remuneração para todos os efeitos legais. 2º Para os fins deste artigo, considera-se Doutorado, Mestrado, Especialização ou Graduação em 10

11 Curso Superior, a conclusão de curso de pós-graduação, graduação ou sequencial, conforme o caso, devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação, com a outorga formal do respectivo título. 3º O percentual previsto no inciso IV não se aplica aos servidores cujo cargo tenha por requisito de investidura a conclusão de ensino superior. SUBSEÇÃO IV ADICIONAL POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO Art. 46. O adicional por encargo de curso ou concurso será devido ao servidor que, em caráter eventual: I - atuar como instrutor em curso de formação, de desenvolvimento ou de treinamento regularmente instituído no âmbito do Ministério Público; II - participar de banca examinadora ou de comissão para exames, para análise curricular, para correção de provas, para elaboração de questões de provas ou para julgamento de recursos intentados por candidatos; III - participar da logística de preparação e de realização de concurso público envolvendo atividades de planejamento, coordenação, supervisão, execução e avaliação de resultado, quando tais atividades não estiverem incluídas entre as suas atribuições permanentes; IV - participar da aplicação, fiscalizar ou avaliar provas de seleção ou de concurso público ou supervisionar essas atividades. Parágrafo único. O adicional por encargo de curso ou concurso terá os critérios, valores e as condições de sua concessão, estabelecidas por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça. SEÇÃO IV DA REPRESENTAÇÃO Art. 47. O servidor investido em cargo em comissão ou em função de confiança fará jus à percepção de representação, na seguinte forma: I- 1,0 (um) inteiro do vencimento ao servidor investido em função de confiança; II- 2,0 (dois) inteiros do vencimento ao servidor investido em cargo em comissão. Parágrafo único. O servidor efetivo ocupante de cargo em comissão poderá optar pela remuneração do respectivo cargo comissionado ou do cargo efetivo. Art. 48. Conceder-se-á ao servidor licença: CAPÍTULO VIII DAS LICENÇAS I- para tratamento de saúde; II- à gestante, à adotante e a paternidade; III- por motivo de doença em pessoa da família; IV- por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro; V- para o serviço militar obrigatório; VI- para atividade política; VII- prêmio por assiduidade; 11

12 VIII- para tratar de interesses particulares; IX- para desempenho de mandato classista; X- por acidente em serviço. 1º As licenças previstas nos incisos I, II, III e X serão precedidas pela Junta Médica Oficial do Ministério Público. 2º O servidor não poderá permanecer em licença de mesma espécia por período superior a 24 (vinte e quatro) meses, salvo nos casos dos incisos IV, V, VI, VII e IX deste artigo. 3º É vedado o exercício de atividade remunerada durante o período das licenças previstas nos incisos I, III, V e X deste artigo. SEÇÃO I DA LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE Art. 49. Será conceddia ao servidor licença para tratamento de saúde, a pedido ou de ofício, com base em perícia médica, sem prejuízo da remuneração a que fizer jus. Art. 50. A inspeção médica será feito pela Junta Médica do Ministério Público. 1º Sempre que necessário, a inspeção médica será realizada na residência do servidor ou no estabelecimento hospitalar onde se encontrar internado. 2º Inexistindo médico do órgão no local onde se encontra o servidor, será aceito atestado emitido por médico particular. Art. 51. Findo o prazo da licença, o servidor será submetido a nova inspeção médica, que concluirá pela volta ao serviço, pela prorrogação ou pela aposentadoria por invalidez com proventos integrais. Art. 52. O atestado e o laudo da Junta Médica não se referirao ao nome ou a natureza da doença, salvo quando se tratar de lesões produzidas por acidente em serviço, doença profissional ou qualquer doença desde que autorizado pelo servidor. Art. 53. O servidor que apresentar indícios de lesões orgânicas ou funcionais será submetido a inspeção médica. SEÇÃO II DA LICENÇA À GESTANTE, À ADOTANTE E A PATERNIDADE Art. 54. Será conceddia a licença a servidora gestante por 180 (cento e oitenta) dias consecutivos, sem prejuízo de sua remuneração. 1º A licença poderá ser concedida apartir do oitavo mês de gestação, por requerimento da interessada, salvo antecipação por prescrição médica. 2º No caso de nascimento prematuro ou de não requerimento da interessada na hipótese do parágrafo anterior, a licença terá início a partir do parto. 3º Em se tratando de natimorto ou de aborto, a servidora terá direito a 30(trinta) dias de repouso remunerado, findo o prazo a esta será submetida a exame médico, e, se julgada apta reassumirá o exercício. Art. 55. Pelo nascimento e adoção de filhos, o servidor terá direito a licença paternidade por 30 (trinta) dias consecutivos. Art. 56. Para amamentar o próprio filho, até a idade de seis meses, a servidora lactante terá direito, 12

13 durante a jornada de trabalho, uma hora de descanso que poderá ser parcelada em dois períodos de trinta minutos. Art. 57. A servidora que adotar ou obtiver guarda judicial de criança de até um ano de idade, serão concedidos 90 (noventa) dias de licença remunerada. Parágrafo único. No caso de adoção ou guarda judicial de criança com mais de 01 (um) ano de idade, o prazo de que trata este artigo será de 30 (trinta) dias. SEÇÃO III DA LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE EM PESSOA DA FAMÍLIA Art. 58. Poderá ser concedida licença ao servidor por motivo de doença do cônjuge ou companheiro, dos pais, dos filhos, do padrasto ou madrasta e enteado, ou dependente que viva a suas expensas, mediante comprovação pela Junta Médica do Ministério Público. 1º A licença somente será deferida se a assistência direta do servidor for indispensável e não puder ser prestada simultaneamente com o exercício do cargo. 2º A licença será concedida sem prejuízo da remuneração do cargo efetivo. SEÇÃO IV DA LICENÇA POR MOTIVO DE AFASTAMENTO DO CÔNJUGE OU COMPANHEIRO Art. 59. Poderá ser concedida licença, por prazo indeterminado e sem remuneração, ao servidor para acompanhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro estado da federação, para o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. Parágrafo Único. No deslocamento de servidor cujo cônjuge ou companheiro também seja servidor público, civil ou militar, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, poderá haver exercício provisório em órgão do Ministério Público da Paraíba, desde que para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. SEÇÃO V DA LICENÇA PARA O SERVIÇO MILITAR Art. 60. Ao servidor convocado para o serviço militar será concedida licença, na forma e condições previstas na legislação específica. Parágrafo único. Concluído o serviço militar, o servidor terá até 30 (trinta) dias sem remuneração para reassumir o exercício do cargo. SEÇÃO VI DA LICENÇA PARA ATIVIDADE POLÍTICA Art. 61. O servidor terá direito a licença remunerada, durante o período que mediar entre a sua escolha em convenção partidária, como candidato a cargo eletivo, até o 15º (décimo quinto) dia seguinte a realização pleito. Parágrafo Único. O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde desempenha suas funções e que exerça cargo de direção, chefia, assessoramento, arrecadação ou fiscalização, dele será afastado, a partir do dia imediato ao do registro de sua candidatura perante a Justiça Eleitoral, até o 15º (décimo quinto) dia seguinte a realização pleito. 13

14 SEÇÃO VII DA LICENÇA ESPECIAL POR ASSIDUIDADE Art. 62. Após 5 (cinco) anos de ininterrupto exercício, o servidor fará jus a 3 (três) meses de licença especial, a título de prêmio por assiduidade, sem prejuízo de sua remuneração. 1º É facultada, a juízo da administração, a conversão em pecúnia de 1/3 (um terço) da licença, com base na remuneração do servidor, na forma do artigo 33. 2º A licença poderá ser gozada de uma só vez ou fracionada em períodos de 01 (um) mês. Art. 63. Não se concederá licença especial por assiduidade ao servidor que, no período aquisitivo: I- sofre penalidade disciplinar de suspensão; II- afastar-se do cargo em virtude de: a) licença para tratar de interesses particulares; b) licença por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro; c) haver sofrido condenação a pena privativa de liberdade por sentença definitiva. Parágrafo Único. As faltas injustificadas ao serviço retardam a concessão da licença prevista neste artigo, na proporção de 01 (um) dia para cada falta. SEÇÃO VIII DA LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES Art. 64. A critério da Administração Superior, poderão ser concedidas ao servidor ocupante de cargo efetivo, desde que não esteja em estágio probatório, licenças para o trato de assuntos particulares pelo prazo de até três anos consecutivos, sem remuneração. Parágrafo único. A licença poderá ser interrompida, a qualquer tempo, a pedido do servidor ou no interesse do serviço. SEÇÃO IX DA LICENÇA PARA DESEMPENHO DE MANDATO CLASSISTA Art. 65. É assegurado ao servidor o direito à licença sem prejuízo de sua remuneração para o desempenho de mandato em confederação, federação, associação, sindicato representativo da categoria ou entidade fiscalizadora da profissão ou, ainda, para participar de gerência ou administração em sociedade cooperativa constituída por servidores públicos para prestar serviços a seus membros, conforme disposto em regulamento e observados os seguintes limites: I - para entidades com até 300 associados, um servidor; II - para entidades com 301 a 500 associados, dois servidores; III - para entidades com mais de 500 associados, três servidores. Parágrafo Único. A licença terá duração igual à do mandato, podendo ser prorrogada, no caso de reeleição. SEÇÃO X DA LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO Art. 66. Será licenciado, com remuneração integral, o servidor acidentado em serviço. 14

15 Art. 67. Configura acidente em serviço o dano físico ou mental sofrido pelo servidor, que se relaciona mediata ou imediatamente, com as atribuições do cargo exercido. Art. 68. Equipara-se ao ao acidente em serviço, o dano: I- decorrente de agressão sofrida, e não causada, pelo servidor no exercício do cargo; II- sofrido no percurso de sua residência ao local de trabalho e vice-versa. Art. 69. O servidor acidentado em serviço que necessite de tratamento especializado poderá ser tratado em instituição privada, garantindo-se o direito de reembolso ou custeio direito por conta dos recursos do Ministério Público. CAPÍTULO IX DOS AFASTAMENTOS SEÇÃO I DO AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO ÓRGÃO OU ENTIDADE Art. 70. O servidor poderá ser cedido para ter exercício em outro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios nas seguintes hipóteses: I- para exercício de comissão e função de confiança, a critério do Procurador-Geral de Justiça; II- em casos previstos em lei específica. 1º A seção se dará por ato do Procurador-Geral de Justiça. 2º Mediante autorização expressa do Procurador-Geral de Justiça, o servidor poderá ter exercício em outros órgãos da Administração Pública Estadual Direta desde que não possua quadro de pessoal próprio, para fim determinado e prazo certo. SEÇÃO II DO AFASTAMENTO PARA EXERCÍCIO DE MANDATO ELETIVO Art. 71. Ao servidor investido em mandato eletivo aplicam-se as seguintes disposições: I - tratando-se de mandato federal, estadual ou distrital, ficará afastado do cargo; II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração; III - investido no mandato de vereador: a) havendo compatibilidade de horário, perceberá as vantagens de seu cargo, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo; b) não havendo compatibilidade de horário, será afastado do cargo, sendo-lhe facultado optar pela sua remuneração. 1º No caso de afastamento do cargo, o servidor contribuirá para a seguridade social como se em exercício estivesse. 2º O servidor investido em mandato eletivo ou classista não poderá ser removido, redistribuído ou relotado de ofício para localidade diversa daquela onde exerce o mandato. SEÇÃO III DO AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR 15

16 Art. 72. O servidor poderá ausentar-se do Estado ou do País para estudo ou missão oficial, mediante autorização do Procurador-Geral de Justiça, sem prejuízo de sua remuneração. 1º A ausência não excederá a 4 (quatro) anos, e finda a missão ou estudo, somente decorrido igual período, será permitida nova ausência. 2º Ao servidor beneficiado pelo disposto neste artigo não será concedida exoneração ou licença para tratar de interesse particular antes de decorrido período igual ao do afastamento, ressalvada a hipótese de ressarcimento da despesa havida com seu afastamento. Art. 73. O afastamento de servidor para servir em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere dar-se-á com perda total da remuneração. SEÇÃO IV DO AFASTAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 74. O servidor poderá, no interesse da Administração, e desde que a participação não possa ocorrer simultaneamente com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário, afastar-se do exercício do cargo efetivo, com a respectiva remuneração integral, para participar em programa de pós-graduação em instituição de ensino superior no País. 1º Os afastamentos para realização de programas de mestrado e doutorado somente serão concedidos aos servidores titulares de cargos efetivos no respectivo órgão ou entidade há pelo menos 3 (três) anos para mestrado e 4 (quatro) anos para doutorado, incluído o período de estágio probatório, que não tenham se afastado por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença capacitação ou com fundamento neste artigo nos 2 (dois) anos anteriores à data da solicitação de afastamento. 2º Os servidores beneficiados pelo afastamento previstos neste artigo terão que permanecer no exercício de suas funções após o seu retorno por um período igual ao do afastamento concedido. 3º Caso o servidor venha a solicitar exoneração do cargo ou aposentadoria, antes de cumprido o período de permanência previsto no 3º deste artigo, deverá ressarcir o Ministério Público dos gastos com seu aperfeiçoamento. 4º Caso o servidor não obtenha o título ou grau que justificou seu afastamento no período previsto, aplica-se o disposto no 3º deste artigo, salvo na hipótese comprovada de força maior ou de caso fortuito, a critério do Procurador-Geral de Justiça. CAPÍTULO X DAS CONCESSÕES SEÇÃO I DO AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO ÓRGÃO OU ENTIDADE Art. 75. Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor ausentar-se do serviço: I- por 1 (um) dia, para doação de sangue; II- por 2 (dois) dias, para se alistar como eleitor; III- por 1 (um) dia, na data do respectivo aniversário; IV- por 8 (oito) dias consecutivos em razão de: a) casamento; 16

17 b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou padrasto, filhos, enteados, menor sob guarda ou tutela, irmãos e afins; c) conclusão de curso superior. Art. 76. Será concedido horário especial ao servidor estudante, quando comprovada a incompatibilidade entre o horário escolar e o da repartição, sem prejuízo do exercício do cargo. 1º Para efeito do disposto neste artigo, será exigida a compensação de horário, respeitada a duração semanal do trabalho. 2º Também será concedido horário especial ao servidor portador de deficiência, quando comprovada a necessidade por junta médica oficial, independentemente de compensação de horário. 3º As disposições do parágrafo anterior são extensivas ao servidor que tenha cônjuge, filho ou dependente portador de deficiência física, exigindo-se, porém, neste caso, compensação de horário. Art. 77. Ao servidor estudante que mudar de sede no interesse da administração é assegurada, na localidade da nova residência ou na mais próxima, matrícula em instituição de ensino congênere, em qualquer época, independentemente de vaga. Parágrafo único. O disposto neste artigo estende-se ao cônjuge ou companheiro, aos filhos, ou enteados do servidor que vivam na sua companhia, bem como aos menores sob sua guarda, com autorização judicial. CAPÍTULO XI DO TEMPO DE SERVIÇO Art. 78. O tempo de serviço do servidor estadual é computado de acordo e para os fins previstos na Constituição Federal. Art. 79. São considerados como de efetivo exercício os afastamentos em virtude de: I- férias; II- exercício de cargo em comissão ou equivalente, em órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, Municípios e Distrito Federal; III- exercício de cargo ou função de governo ou administração, em qualquer parte do Estado ou do território nacional; IV- o tempo de serviço público prestado a União, Estados, Municípios e Distrito Federal; V- participação em programas de treinamento regularmente instituídos; VI- desempenho de mandato eletivo; VII- júri e outros serviços obrigatórios por lei; VIII- missão ou estudo no exterior, quando autorizado o afastamento; IX- para servir em outro órgão ou entidade; X- para participação em programa de pós-graduação; XI- licenças: a) à gestante, à adotante e a paternidade; b) para tratamento da própria saúde; c) por motivo de acidente em serviço ou doença profissional; d) prêmio por assiduidade; e) para o desempenho de mandato classista ou participação de gerência ou administração em sociedade cooperativa constituída por servidores para prestar serviços a seus membros; f) por motivo de doença em pessoa da família; g) compulsória como medida profilática; 17

18 h) por convocação para o serviço militar; XII- deslocamento para a nova sede; XIII- participação em competição desportiva nacional ou convocação para integrar representação desportiva nacional, no País ou no exterior; XIV- afastamento para servir em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere. Art. 80. Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria e disponibilidade: I- o tempo de serviço em atividade privada, vinculada à Previdência Social; II- a licença para tratamento de saúde de pessoal da família do servidor, sem remuneração; III- a licença para atividade política. CAPITULO XII DO DIREITO DE PETIÇÃO Art. 81. É assegurado ao servidor o direito de requerer aos Poderes Públicos, em defesa de direito ou interesse legítimo. Art. 82. O requerimento será dirigido à autoridade competente para decidi-lo e encaminhado por intermédio daquela a que estiver imediatamente subordinado o requerente. Art. 83. Cabe pedido de reconsideração à autoridade que houver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não podendo ser renovado. Parágrafo único. O requerimento e o pedido de reconsideração de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados no prazo de 5 (cinco) dias e decididos dentro de 30 (trinta) dias. Art. 84. Caberá recurso: I - do indeferimento do pedido de reconsideração; II - das decisões sobre os recursos sucessivamente interpostos. 1º O recurso será dirigido à autoridade imediatamente superior à que tiver expedido o ato ou proferido a decisão, e, sucessivamente, em escala ascendente, às demais autoridades. 2º O recurso será encaminhado por intermédio da autoridade a que estiver imediatamente subordinado o requerente. Art. 85. O prazo para interposição de pedido de reconsideração ou de recurso é de 30 (trinta) dias, a contar da publicação ou da ciência, pelo interessado, da decisão recorrida. Art. 86. Quando benéfico ao servidor, o recurso será recebido com efeito suspensivo, salvo a juízo da autoridade competente, por decisão devidamente fundamentada. Parágrafo único. Em caso de provimento do pedido de reconsideração ou do recurso, os efeitos da decisão retroagirão à data do ato impugnado. Art. 87. O direito de requerer prescreve: I - em 5 (cinco) anos, quanto aos atos de demissão e de cassação de aposentadoria ou 18

19 disponibilidade, ou que afetem interesse patrimonial e créditos resultantes das relações de trabalho; II - em 120 (cento e vinte) dias, nos demais casos, salvo quando outro prazo for fixado em lei. Parágrafo único. O prazo de prescrição será contado da data da publicação do ato impugnado ou da data da ciência pelo interessado, quando o ato não for publicado. Art. 88. O pedido de reconsideração e o recurso, quando cabíveis, interrompem a prescrição. Art. 89. A prescrição é de ordem pública, não podendo ser relevada pela administração. Art. 90. Para o exercício do direito de petição, é assegurada vista do processo ou documento, na repartição, ao servidor ou a procurador por ele constituído. Art. 91. A administração deverá rever seus atos, a qualquer tempo, quando eivados de ilegalidade. Art. 92. São fatais e improrrogáveis os prazos estabelecidos neste Capítulo, salvo motivo de força maior. CAPÍTULO XIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 93. Aos atuais servidores do Ministério Público da Paraíba é assegurado o enquadramento na Classe e Padrão correspondentes ao vencimento atualmente percebido, reajustado em 5%, ou ao imediatamente superior, em caso de não correspondência exata dos valores, conforme disposto no anexo III. Art. 94. O Sistema de remuneração compreende as Classes e respectivos Padrões de Vencimento correspondentes aos diversos níveis dos Cargos Efetivos. 1º. Os vencimentos dos cargos de provimento efetivo a que se refere o caput deste artigo são os dispostos na tabela constante do Anexo I e terão uma progressão de 2,5% ( dois e meio por cento) de um Padrão para outro, dentro da mesma Classe, e de 15 % (quinze por cento) do último Padrão de uma Classe para o primeiro Padrão da Classe imediatamente posterior, considerando as Classes A, B, C e D e os Padrões que as compõem. 2º. Com referência exclusiva à Classe Especial (E), os vencimentos dos cargos de provimento efetivo a que se refere o caput deste artigo terão uma progressão de 5% (cinco por cento) do último Padrão da Classe D para o primeiro Padrão da Classe Especial (E), sendo a progressão entre os Padrões que a compõem de 2% (dois por cento). Art. 95. Será concedida ao servidor que ainda não alcançou a última referência da carreira prevista na Resolução CPJ nº 003/93, a promoção e/ou progressão funcional para o Padrão subsequente da mesma Classe ou da seguinte, correspondente ao período igual ou superior a um ano completo da data do último avanço horizontal concedido por tempo de serviço. 1º. Ao servidor que ainda não obteve avanço horizontal por tempo de serviço, a contagem dos anos será efetuada a partir da data da entrada em exercício no cargo. 2º. A promoção ou progressão funcional de que trata o caput deve ser observada imediatamente após ocorrer o enquadramento de que trata o Anexo III. Art. 96. Aos servidores que atualmente se encontrarem na última referência da carreira prevista na Resolução CPJ nº 003/93, há mais de um ano, será permitida a progressão funcional para o Padrão imediatamente posterior àquele decorrente do enquadramento constante no Anexo III desta lei. 19

20 Art. 97. O servidor eleito para desempenho de mandato classista e/ou mandato eletivo, caso licenciado, terá direito, durante o seu afastamento, a sua remuneração, contando-se o tempo de seu afastamento para todos os efeitos legais, como se em exercício estivesse. Art. 98. As despesas resultantes da execução desta Lei Complementar correrão à conta das dotações consignadas ao Ministério Público do Estado da Paraíba, e, se houver necessidade, serão suplementadas. Art. 99. Os servidores investidos em cargo em comissão ou função de direção, chefia ou assessoramento terão substitutos designados pelo Procurador-Geral de Justiça. 1º O substituto assumirá automaticamente e cumulativamente, sem prejuízo do cargo que ocupa, o exercício do cargo em comissão ou função de direção ou chefia, nos afastamentos, impedimentos legais ou regulamentares do titular e na vacância do cargo. 2º O substituto fará jus à retribuição pelo exercício do cargo em comissão ou função de direção, chefia ou assessoramento, nos casos dos afastamentos ou impedimentos legais do titular, paga na proporção dos dias de efetiva substituição. 3º No caso da substituição por motivo de férias, em período integral, o substituto tem direito à retribuição pelo exercício do cargo em comissão ou função de direção ou chefia, desde o primeiro dia de efetiva substituição. 4º É facultado ao Procurador-Geral de Justiça designar servidor para responder pelo expediente, sem prejuízo das funções do seu cargo e com ônus para os cofres públicos. Art O disposto nesta Lei Complementar aplica-se aos aposentados e pensionistas, nos termos do art. 40, 8º, da Constituição Federal. Art Aplicam-se aos servidores do Ministério Público da Paraíba, subsidiariamente, as normas da Lei Orgânica do Ministério Público da Paraíba, da legislação federal referente ao Ministério Público dos Estados, a Lei Orgânica do Ministério Público da União e, na falta destas, o Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado da Paraíba. Art Os vencimentos dos servidores do Ministério Público da Paraíba serão reajustados anualmente, sempre no mês de janeiro, observados os seguintes critérios: I- O índice de reajuste será o mesmo que for verificado no incremento da receita corrente líquida do Estado ou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor INPC/IBGE, o que foi maior; II- O reajuste será o equivalente aos índices acumulados em todo o exercício anterior, desprezados os índices mensais eventualmente negativos dentro do período; III- As vantagens pecuniárias não vinculadas ao vencimento base serão reajustadas anualmente utilizando-se os mesmos índices e datas; IV- A revisão geral anual, na forma desta Lei, é extensiva aos aposentados e pensionistas do Ministério Público da Paraíba. Art Esta Lei Complementar entrará em vigor na data de sua publicação. Art Revogam-se todos os dispositivos normativos que abordem matéria disposta nesta Lei Complementar, naquilo em que lhes for contrário. 20

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011. LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.) Dispõe sobre o plano de cargos e carreira e remuneração dos servidores

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012 Licença e afastamento Hipóteses em que o servidor não presta serviço, sem perder o cargo. Há 7 hipóteses de licença e 4 hipóteses de afastamento. SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO Paula Freire Licenças:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a criação de estágio para estudantes de pós-graduação, denominado PGE Residência, no âmbito da Procuradoria-Geral do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

REGIME JURÍDICO e ESTATUTO dos SERVIDORES PÚBLICOS do MUNICÍPIO de ARMAÇÃO DOS BÚZIOS

REGIME JURÍDICO e ESTATUTO dos SERVIDORES PÚBLICOS do MUNICÍPIO de ARMAÇÃO DOS BÚZIOS REGIME JURÍDICO e ESTATUTO dos SERVIDORES PÚBLICOS do MUNICÍPIO de ARMAÇÃO DOS BÚZIOS Lei Complementar nº 15, de 15 de janeiro de 2007. Elaborado pelo Departamento de Redação Oficial 1 ÍNDICE TÍTULO I

Leia mais

Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90

Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90 Estatuto do Servidor Público Extrema/MG LEI 789/90 De 11 de Outubro de 1990 "Dispõe sobre o Regime Jurídico Único dos servidores públicos do Município, das autarquias e das fundações municipais." O Prefeito

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José do Vale do Rio Preto Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal de São José do Vale do Rio Preto Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 047 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO VALE DO RIO PRETO. Dispõe sobre o Regime Jurídico Único e o Plano de Carreira dos Servidores Públicos do Município

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

Estatuto do servidor público do Tocantins Lei 1818/2007

Estatuto do servidor público do Tocantins Lei 1818/2007 Estatuto do servidor público do Tocantins Lei 1818/2007 1 Lei 1818/2007 O estatuto regulamenta as relações(férias, licenças, afastamentos, vantagens) entre o servidor e o seu empregador, o Estado. Quem

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PERDA DA FUNÇÃO MULTA PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS

SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PERDA DA FUNÇÃO MULTA PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS PENAS RESSARCIMENTO INTEGRAL PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS MULTA PERDA DA FUNÇÃO SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. Enriquecimento Ilícito X X (inclusive

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 5.247, DE 26 DE JULHO DE 1991. INSTITUI O REGIME JURÍDICO ÚNICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DO ESTADO DE ALAGOAS, DAS AUTARQUIAS E DAS FUNDAÇÕES PÚBLICAS

Leia mais

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Reestrutura as carreiras de Analista Universitário e Técnico Universitário, integrantes do Grupo Ocupacional Técnico- Específico, criado pela Lei nº 8.889, de 01

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA)

CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) CONSELHO SUPERIOR (CANCELADA) Resolução-CSDP nº 062, de 10 de setembro de 2010 Dispõe sobre a concessão de férias aos Defensores Públicos do Estado do Tocantins e dá outras providências. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça MINIST ÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Procuradoria-Geral de Justiça LEI Nº 5891, DE 17 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre o Quadro Permanente dos Serviços

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de férias aos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Título V Dos Direitos e Vantagens...14 Capítulo I Do Vencimento e da Remuneração...14 Capítulo II Das Vantagens...15 Seção I Das Indenizações...

Título V Dos Direitos e Vantagens...14 Capítulo I Do Vencimento e da Remuneração...14 Capítulo II Das Vantagens...15 Seção I Das Indenizações... ÍNDICE Título I Disposições Preliminares...05 Título II Do Provimento e da Vacância...06 Capítulo I Do Provimento...06 Seção I Disposições Gerais...06 Seção II Do Concurso Público...06 Seção II Da Nomeação...06

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS Na página 115, onde se lê: 31. Pelo menos cinquenta por cento dos cargos em

Leia mais

Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Águas Formosas.

Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Águas Formosas. LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 1.206/07 Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Águas Formosas. O Povo do Município de Águas Formosas /MG, por seus representantes, na Câmara Municipal,

Leia mais

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE DIPES/PROGP 2013 Para esclarecer dúvidas sobre seu pagamento, procure imediatamente sua unidade pagadora. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS - FOLHA NORMAL FUND. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores Municipais da Educação Infantil. Sul. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do FAÇO

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006.

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. Institui o Plano de Carreiros Cargos e Vencimentos do Quadro de Pessoal da Secretaria

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE LEI COMPLEMENTAR nº 146, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público Municipal de Brusque. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR N.º 008, de 16 de novembro de 1999. Institui o Estatuto dos Servidores Públicos da Administração Direta e Indireta dos Poderes do Município de Palmas. Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Secretaria de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Secretaria de Recursos Humanos UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Secretaria de Recursos Humanos MANUAL DO SERVIDOR PETROLINA, MARÇO / 2011 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Recursos Humanos da Universidade Federal do Vale do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI COMPLEMENTAR Nº. 474 De 22 de junho de 2006. Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Ourinhos e dá outras providências. A Câmara Municipal de Ourinhos, aprovou em sessão do

Leia mais

ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS LEI COMPLEMENTAR N.º 04/90

ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS LEI COMPLEMENTAR N.º 04/90 ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS LEI COMPLEMENTAR N.º 04/90 ATUALIZADA ATÉ A LC 400/2010 TÍTULO I...6 CAPÍTULO ÚNICO...6 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES...6 TÍTULO II...7 DO PROVIMENTO, PROGRESSÃO, VACÂNCIA,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre:

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Iracema e dá outras providências.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA SUBSTITUIÇÃO DE CHEFIA Cód.: SCH Nº: 106 Versão: 9 Data: 15/12/2015 DEFINIÇÃO É o período em que o servidor permanece no exercício de cargo ou função de direção ou chefia nos afastamentos, impedimentos

Leia mais

ATO APGJ Nº 211/09 REGULAMENTA O PROGRAMA DE ESTÁGIO REMUNERADO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ATO APGJ Nº 211/09 REGULAMENTA O PROGRAMA DE ESTÁGIO REMUNERADO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ATO APGJ Nº 211/09 REGULAMENTA O PROGRAMA DE ESTÁGIO REMUNERADO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 133 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR N.º 133 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR N.º 133 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Estatuto dos Servidores Públicos Municipais Não-Me-Toque/RS Não-Me-Toque/RS, 12 de novembro de 2013. 1 LEI COMPLEMENTAR N.º 133 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE CAÇADOR, faço saber a todos os habitantes do Município, que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte

O PREFEITO MUNICIPAL DE CAÇADOR, faço saber a todos os habitantes do Município, que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte LEI COMPLEMENTAR nº 056, de 20 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Município de Caçador e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAÇADOR, faço saber a

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 7 DE MARÇO DE 2007 A PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL E DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA E OS PRESIDENTES DOS TRIBUNAIS SUPERIORES, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, DO CONSELHO

Leia mais

Universidade Estadual de Roraima- UERR. Normas e Procedimentos para Requerimentos

Universidade Estadual de Roraima- UERR. Normas e Procedimentos para Requerimentos Universidade Estadual de Roraima- UERR Normas e Procedimentos para Requerimentos Boa Vista PRODES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA AUXÍLIO NATALIDADE Definição: Benefício que é devido ao servidor (a) por

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS - PCCS DOCENTE Piumhi- MG Fevereiro / 2011 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES....03 CAPÍTULO II - DO QUADRO

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE GURUPI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO TOCANTINS MUNICÍPIO DE GURUPI GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.755, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regime Jurídico e o Plano de Carreira e Remuneração dos Docentes de Ensino Superior da Faculdade UNIRG e dá outras providências. O PREFEITO DO, Estado do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 27/2012 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Art. 2º Para os efeitos desta Lei, servidores são legalmente investidos em cargos públicos, de provimento efetivo ou comissão.

Art. 2º Para os efeitos desta Lei, servidores são legalmente investidos em cargos públicos, de provimento efetivo ou comissão. Lei Complementar nº 65/2007 de 05/09/2007 Ementa Súmula: Consolida a legislação referente ao Regime Jurídico Estatutário instituído pela Lei Complementar nº 07/93, e dá outras providências. (Alterada pelas

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL

ESTATUTO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL ESTATUTO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCOS - BA LEI N 517, DE 28 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos municipais e dá outras providências.

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS CONSELHO SUPERIOR

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS CONSELHO SUPERIOR MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 71, DE 12 DE JUNHO DE 2006 DOU nº 104, Seção 1, pág. 59, de 1º/JUN/06 (Revoga a Resolução

Leia mais

LEI Nº. 2.898/2006, DE 31 DE MARÇO DE 2006 ESTATUTO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ARACRUZ ES Título I Do Regime Jurídico Estatutário Capítulo I

LEI Nº. 2.898/2006, DE 31 DE MARÇO DE 2006 ESTATUTO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ARACRUZ ES Título I Do Regime Jurídico Estatutário Capítulo I LEI Nº. 2.898/2006, DE 31 DE MARÇO DE 2006 ESTATUTO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ARACRUZ ES Título I Do Regime Jurídico Estatutário Capítulo I Disposições Preliminares art.1º Capítulo II Do Provimento

Leia mais

Código: MAP-DIPES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Presidência do TJAC 1 OBJETIVO Este Manual define critérios e procedimentos

Leia mais

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996

LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 LEI Nº 7.169, DE 30 DE AGOSTO DE 1996 Republicada em 7/9/1996 Institui o Estatuto dos Servidores Públicos do Quadro Geral de Pessoal do Município de Belo Horizonte vinculados à administração direta, (VETADO)

Leia mais

LEl COMPLEMENTAR N 011, DE 11 DE MAIO DE 1992 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR:

LEl COMPLEMENTAR N 011, DE 11 DE MAIO DE 1992 A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI COMPLEMENTAR: Secretaria Municipal da Casa Civil LEl COMPLEMENTAR N 011, DE 11 DE MAIO DE 1992 Redações Anteriores Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Goiânia. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

Leia mais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais Dispõe sobre as Carreiras dos Servidores do Quadro de Pessoal de Provimento Efetivo dos Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, fixa valores de vencimento básico; cria

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 13/2007 A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ

LEI COMPLEMENTAR Nº 13/2007 A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ LEI COMPLEMENTAR Nº 13/2007 Súmula: Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Castro, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ D E C R E T A

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006.

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. Regulamenta a jornada de trabalho, o controle de freqüência, serviços extraordinários dos servidores do Ministério Público da União e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DO QUADRO DE PESSOAL

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DO QUADRO DE PESSOAL LEI Nº 10.432, DE 20 DE JANEIRO DE 2015* AUTORIA: MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA Dispõe sobre o regime jurídico, os cargos, a carreira e a remuneração dos servidores públicos do Quadro de Serviços Auxiliares

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais