UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE MESTRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE MESTRADO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE MESTRADO PREDISPOSIÇÃO A CONFIAR EM EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO FINANCEIRA: A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS RELATIVAS A ORGANIZAÇÕES E VALORES DOS GESTORES CREDORES. ROGÉRIO SILVEIRA MONTEIRO São Paulo 2005

2 ROGÉRIO SILVEIRA MONTEIRO PREDISPOSIÇÃO A CONFIAR EM EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO FINANCEIRA: A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS RELATIVAS A ORGANIZAÇÕES E VALORES DOS GESTORES CREDORES. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie para a obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas. Orientadora: Profª. Drª Maria Luisa Mendes Teixeira São Paulo 2005

3 REITOR DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Professor Doutor Manasses Claudino Fonteles COORDENADORA GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO Professora Doutora Sandra Maria Dotto Stump COORDENADOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESA Professora Doutora Eliane Pereira Zamith Brito

4 ROGÉRIO SILVEIRA MONTEIRO PREDISPOSIÇÃO A CONFIAR EM EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO FINANCEIRA: A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS RELATIVAS A ORGANIZAÇÕES E VALORES DOS GESTORES CREDORES. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie para a obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas. Aprovado em: / / BANCA EXAMINADORA

5 À minha amada esposa Thelma R Mezzalira. Aos meus filhos Pedro e Fernanda. Ao meu avô Victor Dias da Silveira (in memoriam).

6 AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho significa uma conquista que supera os aspectos práticos do término do mestrado e representa a concretização de um compromisso estabelecido comigo mesmo, com a minha família, com a minha orientadora, com o Mackenzie. É uma obra muito mais coletiva do que individual. É o resultado do emprego da dedicação, tolerância, paciência, confiança de todos aqueles que de alguma forma percorreram ao meu lado esta etapa da minha vida. A Deus, elevo meu agradecimento inicial por ter me concedido a oportunidade de trilhar este caminho. Aos meus pais, que me apoiaram e ajudaram. Aos meus colegas da Siegen, em especial a Rubens S Camurça, que muito me ajudaram, estimularam e compreenderam. E em especial, meu agradecimento a minha orientadora Maria Luisa Mendes Teixeira, que muito mais do que presente em todos os momentos, dedicou sua experiência e conhecimentos, sua amizade e atenção para despertar minha capacidade de ir além, de ousar, de inovar e de acreditar que eu era capaz de realizar esta obra.

7 RESUMO A incerteza, complexidade e risco do ambiente organizacional tornam-se mais intensos em um cenário em que as empresas se encontram em situações de crise financeira. As relações entre empresas credoras e devedoras passam a responder a mecanismos, jurídicos ou não, que buscam atender às expectativas dos stakehoders envolvidos. Assim, pode-se esperar que as empresas em crise estabeleçam planos de recuperação econômico-financeira que terão o apoio, ou não, dos credores envolvidos. O constructo Confiança é apresentado na literatura como fonte de redução das incertezas, complexidade e riscos. Entretanto, a predisposição a confiar fundamenta-se em alguns elementos que antecedem a própria confiança, entre eles os valores e crenças. O objetivo geral desta pesquisa foi verificar a influência das crenças dos gestores de empresas credoras relativas a organizações na predisposição a confiar em empresas em recuperação financeira. A pesquisa descritiva exploratória foi realizada empregando a abordagem qualitativa e quantitativa com gestores que aprovam créditos para as empresas, mediante técnica etnográfica e análises estatísticas descritiva, inferenciais e multivariadas. Os resultados evidenciaram indícios que a predisposição dos gestores para liberarem créditos para empresas em recuperação financeira é influenciada não apenas pelas crenças relativas a organizações, mas também por outras variáveis, o que aponta para a importância da realização de novas pesquisas sobre o tema. Este trabalho traz uma contribuição para o ambiente acadêmico ao propor reflexões sobre a influência das crenças relativas a organizações na predisposição a confiar. Para a gestão de empresas, o estudo contribui para um entendimento das bases que sustentam as relações entre gestores de crédito e empresas em processo de recuperação, bem como introduz novos aspectos para elaboração dos planos de recuperação empresarial. Palavras-chave: Crenças relativas a organizações. Confiança. Valores pessoais. Recuperação financeira

8 ABSTRACT The uncertainty, complexity and risk of the organizational ambience become more intense in a scenario in which companies face a situation of financial crisis. The relations between creditor and debtor companies begin to respond to juridical or non-juridical mechanisms that search to attend to the expectations of the involved stakeholders. Thus, it can be expected that companies in crisis establish plans of economic-financial recovery that may or may not be supported by involved creditors. The concept of Trust is described in the literature as a source of reduction of uncertainties, complexity and risks. Nevertheless, the predisposition to trust is based on some factors that precede confidence itself, like values and beliefs. The general objective of this research was to verify the influence of creditor companies managers beliefs related to the organization in their predisposition to believe in companies under financial recovery. The exploratory descriptive research was carried out by applying a qualitative and quantitative approach with managers who approve credits to companies, through ethnographic techniques and descriptive, inferential and multivariate statistics analysis. The results appointed evident indications that the predisposition of managers to release credits for companies under financial recovery is influenced not only by the beliefs related to the organizations, but also by other variable, what indicates the importance of realizing further researches about the theme. This application brings up a contribution to the academic ambit by proposing reflections about the influence of beliefs related to organizations in the predisposition to trust. In the scope of corporate management, this study aims to contribute for the understanding of the basis that support the relations between credit managers and companies under a recovery process, as well as introducing news aspects for the elaboration of business recovery plans. Keywords: Beliefs related to organizations. Trust. Personal values. Financial recovery

9 Sumário INTRODUÇÃO 14 1 A CONFIANÇA INTERORGANIZACIONAL: AS INTENÇÕES E OS ASPECTOS COGNITIVOS A CONFIANÇA COMO ELEMENTO DE REDUÇÃO DO RISCO, DAS INCERTEZAS E DA COMPLEXIDADE O DESENVOLVIMENTO DA CONFIANÇA O desenvolvimento da confiança na abordagem sociológica A confiança intra-organizacional e a confiança inter-organizacional Estabelecendo as relações de confiança O gerenciamento das relações de confiança VALORES ORGANIZACIONAIS E CRENÇAS RELATIVAS A ORGANIZAÇÕES O PAPEL DOS VALORES PESSOAIS O PAPEL DOS VALORES CULTURAIS O PAPEL DOS VALORES ORGANIZACIONAIS VALORES OU CRENÇAS RELATIVAS A ORGANIZAÇÕES: UMA REFLEXÃO 69 3 DIAGRAMA DO CAMPO CONCEITUAL DA PESQUISA 73 4 PROCEDIMENTO METODOLÓGICO TIPO DE PESQUISA MÉTODO DE PESQUISA A pesquisa Quantitativa Plano Amostral Instrumento de coleta de dados Técnica de tratamento de dados Abordagem Qualitativa Método de Pesquisa: uma visão etnográfica QUADRO RESUMO DO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO DA PESQUISA APRESENTAÇÃO, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS A ABORDAGEM QUANTITATIVA Preparação dos dados Descrição da amostra Análise descritiva e inferencial das crenças relativas a organizações Análise descritiva dos valores pessoais dos gestores de empresas credoras. 100

10 Análise de correlações Análise das correlações entre as metas motivacionais e as crenças relativas a organizações em equilíbrio financeiro Análise das correlações entre as metas motivacionais e as crenças relativas a organizações em recuperação financeira Análise da amostra segmentada por clusters A análise dos valores pessoais por grupo de gestores de empresas credoras A análise das crenças relativas a organizações por grupo de gestores de empresas credoras Crenças Relativas a organizações em equilíbrio financeiro Crenças Relativas a organizações em recuperação financeira A análise das demais variáveis A influência da categoria da empresa A influência da categoria da empresa para o grupo um A influência da categoria da empresa para o grupo dois A influência das variáveis demográficas Síntese da análise quantitativa A ABORDAGEM QUALITATIVA Características demográficas dos entrevistados Análise dos dados Estabelecendo relações de confiança A análise dos atributos da empresa A análise dos atributos dos gestores Conhecendo as empresas e os gestores A INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE QUALITATIVA, QUANTITATIVA E AS RELAÇÕES DE CONFIANÇA: UM FOCO SOBRE AS EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO FINANCEIRA CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E SUGESTÕES PARA ESTUDOS FUTUROS. _ 208 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 218 APÊNDICE A: Questionário da pesquisa quantitativa. 222 APÊNDICE B: Roteiro para pesquisa qualitativa. 228

11 Índice de Tabelas Tabela 1: Fatores do IPVO, correspondência com metas motivacionais de valores e metas dos valores organizacionais. 68 Tabela 2 - Freqüência de variáveis outliers por caso. 91 Tabela 3 - Análise comparativa entre categorias: empresas em equilíbrio e em recuperação financeira. 93 Tabela 4 - Crenças relativas a organizações. 95 Tabela 5 - Ordenação das crenças relativas a organizações por categoria de empresa. 96 Tabela 6: Dimensões dos valores pessoais. 100 Tabela 7 - Sistema de valores: dimensões, metas e valores pessoais. 103 Tabela 8 - Ordenação dos valores pessoais por média. 106 Tabela 9 - Análise de correlações entre as metas motivacionais e as crenças relativas a organizações em equilíbrio financeiro. 110 Tabela 10: Análise de correlações entre as metas motivacionais e as crenças relativas a organizações em recuperação financeira. 111 Tabela 11 - Ordenação das dimensões dos valores pessoais por grupo de gestores. 113 Tabela 12 - Metas motivacionais por grupo de gestores. 114 Tabela 13 - Ordenação das metas motivacionais por grupo de gestores: dimensões Conservação e Abertura para Trocas. 116 Tabela 14 - Ordenação das metas motivacionais por grupo de gestores: dimensões Autotranscendência x Autopromoção. 117 Tabela 15 - Diferença de hierarquia dos valores pessoais por grupo de gestores. 120 Tabela 16 - Comparação dos resultados do teste T para crenças relativas a organizações (empresas em equilíbrio financeiro) e metas motivacionais pessoais. 127 Tabela 17 - Comparação da hierarquia de importância das crenças relativas a organizações em equilíbrio financeiro para cada grupo de gestores. 129 Tabela 18 - Comparação dos resultados do teste T para crenças relativas a organizações (empresas em recuperação financeira) e metas motivacionais pessoais. 136 Tabela 19 - Comparação da hierarquia de importância das crenças relativas a organizações em recuperação financeira para cada grupo de gestores. 138 Tabela 20: Análise de correlações entre metas motivacionais e crenças relativas a organizações - grupo um Tabela 21: Análise de correlações entre metas motivacionais e crenças relativas a organizações - grupo dois Tabela 22 - Comparação das crenças relativas a organizações do grupo um por categoria de empresa. 147 Tabela 23 - Comparação das crenças relativas a organizações do grupo dois por categoria de empresa. 151 Tabela 24 - Reagrupamento dos dados demográficos 154 Tabela 25 - Análise segmentada por variáveis demográficas Teste T 155 Tabela 26 - Análise segmentada por variáveis demográficas - Teste ANOVA 157 Tabela 27 - Dados demográficos dos entrevistados. 171

12 Índice de Quadros Quadro 1 - As expectativas em relação ao risco e as relações de confiança Quadro 2 - Atributos daqueles que recebem a confiança Quadro 3 - Modelos intra-organizacional e interorganizacional Quadro 4 - Comparação dos valores segundo Schwartz e Rokeach Quadro 5 - Quadro resumo do procedimento metodológico da pesquisa Quadro 6 - Relação entre os atributos desejáveis, as crenças relativas a organizações e as dimensões da confiança Quadro 7: Meios para identificar os atributos da empresa e dos gestores

13 Índice de Figuras Figura 1 - A estrutura de relações dos tipos de valores motivacionais. 57 Figura 2 - Quadro conceitual do campo da pesquisa. 73 Figura 3 - Disposição das dimensões em eixos bipolares. 101 Figura 4 - Sistema de valores pessoais da amostra geral. 105 Figura 5 - Disposição das dimensões bipolares por grupo. 115 Figura 6 - Sistema de valores pessoais por grupo. 118 Figura 7 - Caricatura do cluster um. 123 Figura 8 - Caricatura do cluster dois. 124 Figura 9 - Síntese da influência nas atitudes dos gestores 206

14 14 INTRODUÇÃO Para Castell (1999), as sociedades são historicamente estruturadas de acordo com as relações de produção, experiência e poder. Na perspectiva do presente estudo, as relações de produção, experiência e poder sofreram transformações históricas que caracterizaram as eras, ou fases, denominadas de era Industrial, Pós-Industrial e Informacional. Dentre as inúmeras transformações, destacam-se nesse estudo o incremento das incertezas, a complexidade e riscos do ambiente organizacional. O risco, a incerteza e a complexidade são características do modelo econômico, político e social iniciado a partir da era pós-industrial (De Masi, 2000; Castells, 1999; Nahm, 2002) e a minimização de seus impactos passaram a ser contemplados na formulação das estratégias das organizações. Os impactos provocados pelas incertezas, complexidades e risco tornam-se intensificados nos momentos em que uma organização entra em dificuldades financeiras, chegando a uma etapa pré-falimentar ou concordatária. Nos últimos anos, o tema Falência e Concordata vem sendo estudado de forma crítica pela sociedade brasileira em virtude das implicações existentes no tema, não só particulares, mas no contexto organizacional em que a empresa está inserida (ASTRAUSKAS, 2003). A nova legislação de Falência e Concordatas procura atender às críticas da sociedade brasileira no que tange à apresentação de um plano de recuperação judicial que deverá apresentar as estratégias e o prazo para recuperação da empresa, avaliado e supervisionado por uma comissão de credores, trabalhadores e representantes da empresa o Comitê de Recuperação.

15 15 Ora, é evidente que esse plano não deve ser apenas um documento oficial para fins jurídicos. Ele deverá contemplar as expectativas dos diversos stakeholders envolvidos, quanto à recuperação da normalidade operacional da empresa, à redução dos níveis de risco e ao resgate dos créditos pendentes. O plano de recuperação judicial, nesse momento, deixa de ser apenas uma estratégia de atuação ou um simples plano de negócios de uma organização e assume uma perspectiva mais ampla, buscando uma coalizão de interesses para alcançar o seu fim. Neste sentido, Astrauskas (2003) reconhece a aderência da metodologia de planejamento estratégico à elaboração do plano de recuperação judicial. No entanto, é importante realçar que existem outras formas que procuram aproximar credores e devedores com o objetivo de promover a recuperação financeira da empresa. Essas formas podem estar amparadas por procedimentos legais, tais como a Lei de Falência e Concordatas, bem como outros tipos de acordos entre as partes. Quando se fala nas expectativas das instituições envolvidas deve-se levar em conta que a percepção do risco, os níveis de incertezas e a complexidade do ambiente organizacional estão acentuadas em uma situação de recuperação financeira. Para Das e Teng (2001), o risco e a percepção do risco são variáveis que possuem uma proeminente posição nos estudos sociais. Para esses autores, o risco está relacionado às variações de resultados segundo o grau de importância daquele que está incorrendo no risco e a percepção do risco está relacionada a uma estimada probabilidade de um determinado resultado. Adicionalmente, os autores também colocam que a percepção do risco aumenta à medida que as instituições relacionam-se entre si de forma cooperada, pois se torna necessária a preocupação com o comportamento e a competência entre as partes. A incerteza e a complexidade das relações ocorrem nas inúmeras interações sociais e psicológicas entre os diversos agentes que agem e reagem a partir de ilimitadas possibilidades

16 16 contingenciais (LUHMANN, 1996) dentro de um fluxo temporal da vida social (LEWIS e WEIGERT, 1985). Dessa forma, a dificuldade da seleção de ações desejáveis (vs. indesejáveis) torna o mundo mais incerto e complexo, dificultando a co-ordenação das expectativas e interações entre os agentes sociais e aumentando o risco inerente de toda relação. Um dos constructos bastante estudado pelos pesquisadores como fonte de redução do risco, das incertezas e da complexidade é a confiança (SHEPPARD, 1995). Muitas escolas, das mais diversas abordagens, reconhecem que a confiança é um dos pontos centrais quando se quer considerar a estrutura e a qualidade dos relacionamentos entre as organizações (BACHMANN, 2001). Das e Teng (2001) colocam que a confiança reduz a probabilidade e o impacto dos resultados indesejados, o que esses autores definem como risco. Já Luhmann (1996) assegura que a confiança diminui as incertezas ao definir suposições sobre o futuro comportamento dos agentes sociais. Entretanto, é importante considerar que a predisposição para confiar fundamenta-se em alguns elementos que antecedem à própria confiança. Esses elementos são reconhecidos pelos agentes sociais que atribuem ao outro uma boa razão para se confiar. Uma análise cuidadosa desses elementos sugere que eles podem ser considerados como valores pessoais e organizacionais. Segundo Schwartz (2001), os sistemas de valores subdividem-se em: sistema central, onde estão alocados os valores pessoais, e sistemas menos centrais, relativos aos diversos domínios da vida. Os domínios relativos a organizações estão associados aos valores organizacionais, os quais podem ser influenciados por valores culturais (TAMAYO, MENDES e PAZ, 2000) e valores pessoais (OLIVEIRA E TAMAYO, 2004) e afetam o comportamento organizacional.

17 17 O comportamento organizacional pode ser afetado também pelos valores relativos à culturas organizacionais preferenciais (VANDENBERGHE e PEIRÓ, 1999) ao influenciarem o comportamento do indivíduo no trabalho. Aqui se coloca uma primeira questão: os valores relativos a culturas organizacionais preferenciais influenciarão apenas o comportamento do indivíduo no trabalho, ou outros comportamentos relativos a organizações? Poderiam afetar a predisposição dos gestores credores a confiar em organizações em recuperação financeira? E neste caso, poderiam ser denominados de valores? Os valores, segundo Schwartz (2001) possuem conteúdo motivacional ao se constituírem em metas transituacionais que orientam a vida das pessoas. Portanto, para que os valores relativos a culturas organizacionais sejam relacionados a outros comportamentos que não os do indivíduo no trabalho e possam ser denominados valores, propriamente ditos, é necessário que sejam validados empiricamente. Este não foi, porém, o propósito deste trabalho e, por este motivo, preferiu-se denominar a esses possíveis valores como crenças relativas a organizações. Desta maneira, neste trabalho acreditou-se que a predisposição que o credor de uma empresa específica tem em confiar em uma empresa em recuperação financeira esteja sustentada, entre outros elementos, nas crenças que ele possua relativas a organizações capazes de se recuperar de crises financeiras, o que conduziu ao seguinte problema de pesquisa proposto para este trabalho: As crenças relativas a organizações influenciam a predisposição dos gestores de organizações credoras a confiar em empresas em de recuperação financeira?

18 18 Tendo em vista o problema desta pesquisa, adotou-se a seguinte hipótese: As crenças relativas a organizações influenciam a predisposição dos gestores de organizações credoras a confiar em empresas em recuperação financeira. A variável independente são as crenças relativas a organizações. As crenças relativas a organizações são entendidas como crenças individuais, hierarquicamente organizadas, no que se refere aos tipos preferenciais de organização que orientam a avaliação e decisões no que se referem às organizações específicas. Como variável dependente, considera-se a predisposição a confiar em empresas em recuperação financeira. A predisposição a confiar corresponde na abordagem sociológica dos estudos de confiança à capacidade que um agente social (gestores de organizações credoras) possui de acreditar no outro agente social (empresas em recuperação financeira) ao assumir suposições sobre seu comportamento futuro. O objetivo geral desse trabalho consistiu em analisar a influência das crenças relativas a organizações sobre a predisposição dos gestores de empresas credoras a confiar nos empresas em recuperação financeira. No entanto, para alcançar este fim, alguns objetivos específicos foram alcançados. Inicialmente, buscou-se identificar as crenças relativas a organizações dos gestores de empresas credoras. Tendo em vista a expectativa de que os valores pessoais possam influenciar as crenças do indivíduo, este trabalho também buscou identificar os valores pessoais dos gestores das organizações credoras para posteriormente avaliar a existência de indícios da influência dos valores pessoais sobre as crenças relativas a organizações. Para investigar se o relacionamento entre empresas credoras e empresas em recuperação financeira está sustentado por relações de confiança, analisaram-se as dimensões de competência, de

19 19 integridade, cognitivas e afetivas da predisposição a confiar em empresas em recuperação financeira. Este trabalho procurou contribui para o ambiente acadêmico ao propor reflexões sobre a influência das crenças relativas a organizações na predisposição a confiar. Adicionalmente, este estudo permitiu verificar a influência dos valores pessoais sobre as crenças relativas a organizações. Para a gestão de empresas, o estudo contribuiu para verificar em que base se sustenta as relações entre os gestores de empresas credoras e as empresas em recuperação financeira, bem como permitiu traçar um perfil destes gestores, tanto quanto aos princípios que os orientam na suas decisões por concederem créditos como por aqueles que orientam suas vidas.

20 1 A CONFIANÇA INTERORGANIZACIONAL: AS INTENÇÕES E OS ASPECTOS COGNITIVOS 20 O estudo do constructo confiança é ainda considerado bastante recente dentro do âmbito acadêmico (LEWICKI, McALLISTER e BIES, 1998). A busca pela compreensão do motivo pelo qual as pessoas confiam e como a confiança permeia as relações sociais faz parte dos estudos de psicologia, sociologia, antropologia, ciências políticas, economia e do comportamento organizacional (LEWIS e WEIGERT, 1985; LEWICKI, MCALLISTER e BIES, 1998; BACHMANN, 2001). Todos reconhecem que a confiança é o fundamento para uma relação interpessoal e para a cooperação, bem como é a base para a estabilidade nas instituições sociais e nos mercados. Entretanto, as diferentes abordagens não apresentam uma integração dos seus conceitos, o que as tornam incompletas (LEWIS e WEIGERT, 1985). A abordagem psicológica reconhece que a confiança está presente em todos os tipos de relacionamento e a define como um ato de fé em uma pessoa, no relacionamento interpessoal e nas instituições sociais (SHEPPARD e SHERMAN, 1998). Seu foco de atenção está na relação entre o efeito da personalidade individual e os laços de confiança (LEWICKI e BUNKER, 1996). Na abordagem sociológica a confiança é reconhecida como uma propriedade de unidades coletivas, ou seja, é um atributo coletivo aplicado nas relações entre pessoas (LEWIS E WEIGERT, 1985) ou na elaboração de uma solução eficiente para o problema da coordenação das expectativas e da integração dos agentes sociais (BACHMANN, 2001). A confiança existe em um sistema social à medida que os membros daquele sistema agem de acordo com e estão seguros quanto às expectativas futuras constituídas pela presença de cada membro ou pela sua simbólica representação. Para esses autores, a confiança é uma realidade social irredutível e multidimensional.

21 21 Segundo as teorias econômicas, como, por exemplo, a Teoria dos Custos Transacionais, a confiança é depositada em uma relação quando os ganhos esperados, diante dos riscos assumidos em uma determinada opção, são superiores quando comparados à outra (WILLIAMSON, 1993). Dessa forma, a confiança é entendida como uma escolha racional (COLEMAN) de um agente econômico, que pode ser calculada em termos da probabilidade do comportamento do outro agente econômico (GAMBETTA, 1988). Ainda nessa abordagem, Williamson (1993) expõe que os resultados das relações entre os agentes econômicos são calculados racionalmente, o que por um lado permite aprofundar o entendimento das organizações econômicas e por outro provoca excessos de cautela nas decisões. A confiança é entendida como um fenômeno institucional que se fundamenta na relação de custo-benefício das transações. 1.1 A CONFIANÇA COMO ELEMENTO DE REDUÇÃO DO RISCO, DAS INCERTEZAS E DA COMPLEXIDADE. A busca crescente por soluções que ajudem a superar os desafios que envolvem crescimento organizacional, globalização, expansão por meio de alianças estratégicas, habilidade de desenvolver e manter alianças entre competidores e as relações multiculturais são permeadas pela qualidade da confiança nas relações entre as partes envolvidas (SHEPPARD, 1995). Dessa forma, a confiança é entendida como um elemento que reduz a existência do risco, das incertezas e da complexidade do ambiente, minimizando seus impactos por meio do dimensionamento das expectativas futuras dos relacionamentos interpessoais, intergrupais e institucionais. Confiar não é tomar o risco por si, mas sim a disposição para assumir riscos

22 22 (MAYER, DAVIS e SCHOORMAN, 1995), pressupondo uma escolha entre várias alternativas (LUHMANN, 1988). Uma das estratégias para a redução da complexidade e do risco é a projeção racional. Esta estratégia baseia-se nas Teorias Racionais, Teorias de Jogos ou na Teoria de Custos de Transação, cuja fundamentação está em dois atributos dos agentes econômicos: a) oportunismo; b) racionalidade limitada. Williamson (1993) define o oportunismo como a busca pelo atendimento dos interesses próprios, enquanto a racionalidade limitada é definida como o fato de todo agente econômico ser racional e desta racionalidade possuir limites. Assim, a redução da complexidade e do risco se dá pela capacidade de se calcular o comportamento futuro do agente econômico (GAMBETTA, 1988; WILLIAMSON, 1993; LEWIS e WEIGERT, 1995; BACHMANN, 2001). Por meio da coleta e do processamento de informações, pode-se prever que determinado acontecimento possui grande probabilidade de ocorrer, permitindo-se traçar planos para o presente. Dessa forma, os agentes econômicos calculam, antes de tomarem qualquer decisão, os ganhos ou perdas resultantes da decisão de confiar ou não em outro agente econômico. Trata-se de uma interpretação em termos de eficiência e credibilidade. A relação entre os agentes passa, então, a ser monitorada por instrumentos de governança, tais como contratos, leis, normas etc. (WILLIAMSON, 1993). Nesse sentido, Williamson (1993) define três tipos de confiança: a) confiança calculativa: confiança estabelecida em um agente econômico a partir de um cálculo racional da probabilidade de sucesso ou redução de custos em uma determinada transação; b) confiança pessoal: o autor utiliza a definição de John Dunn ao reconhecer a confiança pessoal como uma paixão humana, no sentido de expectativa confiante em relação a outro agente; c) confiança institucional: as relações de confiança são construídas a partir das premissas estabelecidas no relacionamento entre as instituições.

23 23 Entretanto, Lewis e Weigert (1995), Bachmann (2001) e Luhmann (1996), pesquisadores da abordagem sociológica, afirmam que o planejamento racional não é suficiente para a redução da complexidade, pois não há tempo nem recursos para racionalizar as projeções e controlar os resultados. A ignorância ou as incertezas quanto ao comportamento do outro estão relacionadas com o limite de nossa capacidade de alcançar o pleno conhecimento sobre os outros, seus motivos e suas respostas para as mudanças endógenas ou exógenas (GAMBETTA, 1988). A relação entre os agentes sociais é permeada por uma grande dose de dúvida potencial (LEWIS e WEIGERT, 1985) em relação ao seu comportamento futuro. Bachmann (2001) ensina que o comportamento futuro dos outros agentes sociais com os quais se quer interagir é completamente contingencial, existindo ilimitadas possibilidades de ações e reações que excedem sua capacidade psicológica de selecionar as desejáveis ou indesejáveis. Assim, o mundo aparenta ser incerto e muito complexo para a coordenação das expectativas e para a interação entre os agentes. Para Lewis e Weigert (1985), a complexidade é reconhecida como um efeito temporal da vida social. A interação social define o início e o fim de cada atividade. A redução da complexidade se dá à medida que a probabilidade de o outro agente social agir de forma diferente àquela esperada tender a zero. Para a abordagem sociológica, a redução da complexidade e incertezas do ambiente se dá por meio da construção de um sistema social menos complexo do que o ambiente. Para Luhmann (1995), essa redução da complexidade é essencial à vida social e sem ela o mundo seria nada não existiriam agentes sociais, mas apenas o indiferente caos. A habilidade dos agentes sociais em criar condições para a redução da complexidade passa a exercer uma função próxima a de um mecanismo de proteção à vida social e implica

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

O PAPEL DA CONFIANÇA NA CONCESSÃO DE CRÉDITO PARA EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO

O PAPEL DA CONFIANÇA NA CONCESSÃO DE CRÉDITO PARA EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO RAM Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 1 JAN./FEV. 2009 ISSN 1678-6971 O PAPEL DA CONFIANÇA NA CONCESSÃO DE CRÉDITO PARA EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO THE ROLE OF CONFIDENCE IN CREDIT CONCESSION FOR

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças.

Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças. 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças. Guia de orientações para a elaboração do Plano

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL SANTOS, Caio de Oliveira Siqueira Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-Mail: caio_oss@hotmail.com LOURENÇO, Danilo Mateus Discente da Faculdade

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com 1 2 RELAÇÕES HUMANAS E PÚBLICAS Profª Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com EXERCÍCIOS DE PROVA (CESPE/Unb Agente Administrativo/Ministério

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2013 Curso: Redes de Políticas Públicas O Desafio da Governança Turma: 01 Professores: Paulo Carlos Du Pin Calmon Arthur Trindade Maranhão Costa ROTEIRO PARA

Leia mais