PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO. Flávia Vasconcellos Sella

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO. Flávia Vasconcellos Sella"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UEL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UEM MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Flávia Vasconcellos Sella ESTRUTURA E AGÊNCIA NO MEIO RURAL: UM ESTUDO DO PROJETO REDES DE REFERÊNCIA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DA TEORIA NEOINSTITUCIONAL Londrina 2009

2 FLÁVIA VASCONCELLOS SELLA ESTRUTURA E AGÊNCIA NO MEIO RURAL: UM ESTUDO DO PROJETO REDES DE REFERÊNCIA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DA TEORIA NEOINSTITUCIONAL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração Mestrado em Administração da Universidade Estadual de Maringá em consórcio com a Universidade Estadual de Londrina, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Administração. Orientadora: Profª. Drª. Elisa Yoshie Ichikawa Londrina 2009

3 FLÁVIA VASCONCELLOS SELLA ESTRUTURA E AGÊNCIA NO MEIO RURAL: UM ESTUDO DO PROJETO REDES DE REFERÊNCIA PARA A AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DA TEORIA NEOINSTITUCIONAL Dissertação aprovada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Administração, do Programa de Pós- Graduação em Administração (PPA- UEL/UEM), sob apreciação da seguinte banca examinadora: Aprovada em 18 de dezembro de Profª. Drª. Elisa Yoshie Ichikawa Orientadora PPA-UEM/UEL Profª. Drª. Amália Maria Goldberg Godoy Convidada - UEM Profª. Drª. Maria Iolanda Sachuk Membro - PPA-UEM/UEL

4 À minha família, aos amigos e à professora Elisa - que nunca desistiu de mim, mesmo tendo eu tantas vezes desistido.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, à minha família, ao PPA professores e colegas; à EMATER/PR e ao IAPAR, que tanto se dispuseram a ajudar; aos agricultores, que fizeram parte das entrevistas e tornaram o trabalho concreto; e aos amigos, em especial à professora e orientadora Elisa, e à Cely, que tornaram tudo isso possível.

6 RESUMO O Brasil tem na agropecuária uma de suas principais atividades econômicas, seja por suas condições naturais ou pelo próprio processo de colonização que teve. Desta forma, o setor conta com tecnologia e pesquisa para ajudar a se desenvolver. Porém, os agricultores nem sempre adotam as práticas derivadas destas pesquisas, por não se identificarem com elas, daí a necessidade de tecnologia e projetos para adaptar os conhecimentos do laboratório para o campo. Neste contexto, o Paraná decidiu adotar o Projeto Redes de Referência para a Agricultura Familiar, um projeto do Governo do Paraná, em conjunto com o Institute d Élevage, o BIRD - Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento, a EMATER/PR (Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural) e o IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná). O Projeto consiste em escolher propriedades representativas de características regionais e sistemas de produção, com informações sobre solo, mão-de-obra e produção para que, a partir de diagnóstico de necessidades, fossem sugeridas ações para incremento de produtividade e melhora de qualidade de vida dos agricultores. A partir de parâmetros técnicos e econômicos, estas práticas seriam validadas e difundidas para as outras unidades por elas representadas. Assim, nesta dissertação, procurase compreender como o Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar influenciou as ações gerenciais e técnicas dos produtores rurais no Paraná, inseridos e não inseridos no Projeto no período de 1998 a A partir da apresentação do Projeto, das ações relativas à condução gerencial e técnica dos produtores inseridos e não inseridos no Projeto, interpretouse as manifestações de estrutura e capacidade de agência dos produtores inseridos e dos não inseridos no Projeto. Isso foi realizado com base nas prescrições do Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar, nos esquemas interpretativos dos produtores entrevistados e nas suas ações relativas à condução gerencial e técnica no período estudado, sob ótica da Teoria Neoinstitucional e Teoria da Estruturação. Estas teorias estudam como as organizações (e aqui se pode incluir as propriedades rurais), estão ligadas por interdependências técnicas, estruturais, normativas e cognitivas, o que pode gerar o isomorfismo, ou seja, respostas e estruturas semelhantes, e legitimadas, às pressões ambientais, sociais e políticas. Porém, estas respostas podem ser diversas a depender das diferentes lógicas institucionais e estímulos que as empresas sofrem, como enxergam as mudanças e do contexto relacional entre os que propõem a mudança e os que a adotam, além da influência de redes de relacionamento e filtros de adoção de inovações. Ou seja, as respostas às estruturas sociais dependem da interpretação que o agente tem delas, enquanto as reproduzem ou modificam, enquanto as traduzem para sua própria realidade, o que autores denominam capacidade de agência. Com a pesquisa, percebeu-se que há esta capacidade de agência nas ações da maioria dos agricultores inseridos e não inseridos no Projeto. Viu-se também que, pelos atores terem agência, podem gerar diferentes respostas aos mesmos estímulos, mas sempre de forma limitada e a limitar a estrutura do Projeto. Palavras-chave: Estrutura e Agência, Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar, Teoria Neoinstitucional, Teoria da Estruturação.

7 ABSTRACT One of Brazil s main economic activities is the agriculture and cattle raising industry, so it is for its natural conditions or for its colonization process. Therefore this sector has intensive research and tecnology to help its development. But, the farm men not always adopt the practices from these researches because they not constantly recognize themselves with them, thus there is the necessity of projects and studies to adapt the research knowledge to the field. Hence Parana adopted the Projeto Redes de Referência para a Agricultura Familiar, a Government of Parana Project togheter with the Institute d Élevage, IBRD International Bank for Reconstruction and Development, EMATER/PR (Parana`s Institute of Technical Assistence and Rural Extention) and IAPAR (Agronomic Institute of Parana). The Project chooses representative proprierties with regional characteristics and production sistems, with information about the earth, workforce and production so, from needs diagnosis, production rasing information and well fare actions for the farmers can be done. Then, from technical and economic parameters, these practices would be validated and difunded to the other units for them represented. Accordingly, in this paper, we have aimed to understand how the Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar has influenced the management and thechnical actions of the Parana s husbandmen, in and off the Project, from 1998 until With the Project and the farmer s action toward management and thechnical conduction presentation, it has been interpreted the structure and agency capacity of the farmers in or off the Project. Based on the prescriptions of the Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar, the interviewed farmers interpretative schemas and in their actions related to the management and thechnical conduction in the period studied, under the neoinstitutional theory and the estructuration theory. These theories study how the organizations (and the rural enterprises) are connected thru technical, structural, normative and cognitive inter-dependencies, what can provoque the isomorfism, in other words, similar answers and structures and legitimated by enviromental, social and political pressures. However these answers can be diverse depending on the different institutional logics and stimulus that the organizations sufer, how they understand the changes and on the reletional context between those who propose the change and those who adopt them, besides the relationship network and the innovation adoptions filters. Meaning: the answers to the social structures depend of the interpretation that the agent has of them, while they modify or reproduce them, while they translate them to their own reality, what authors call agency capacity. With this research it can be concluded that there is agency in the actions of the majority of the farmer inside and outside the Program. And that, because the actors have agency, they produce different answers to the same stimulus, but always in a limited way and limiting the Project Structure. Key-words: Structure and Agency, Redes de Referência para Agricultura Familiar Project, Neoinstitutional Theory, Structuration Theory.

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Diferenças entre velho e novo institucionalismo Quadro 2 Os pilares institucionais Quadro 3 Perspectiva do ambiente institucional versus ambiente técnico Quadro 4 Contexto efetivo da Teoria Neoinstitucional Quadro 5 Critérios para definição da categoria social do produtor rural Quadro 6 Padrões nas categorias e tempo scripts dos produtores entrevistados

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Processo de institucionalização Figura 2 Estruturação de Giddens Figura 3 Funcionamento da agência Figura 4 Circuito de reprodução Figura 5 Mapa do Paraná destacando as mesorregiões onde foi inicialmente implantado o Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar Figura 6 Modelo seqüencial de institucionalização Figura 7 Etapas do trabalho das redes de referência Figura 8 Municípios onde existem estabelecimentos das redes e suas principais atividades econômicas que compõem sistemas de produção em estudo... 79

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS APAE Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais ASTRUF Associação dos Trabalhadores Rurais do Assentamento da Fazenda São Francisco BIRD Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento COOPAVEL Cooperativa Agroindustrial de Cascavel CRESOL Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária EMATER/PR Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária IAPAR Instituto Agronômico do Paraná INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária MST Movimento dos Trabalhadores Sem Terra PIB Produto Interno Bruto PROAGRO Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PRONAF Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar SEAB Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento UEM Universidade Estadual de Maringá

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-EMPÍRICA A TEORIA NEOINSTITUCIONAL Instituições: fontes cognitivas do agir ESTRUTURA E AGÊNCIA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PERGUNTAS DE PESQUISA DEFINIÇÃO CONSTITUTIVA E OPERACIONAL DELINEAMENTO DA PESQUISA DADOS: FONTES, COLETA E INTERPRETAÇÃO Fontes de dados Instrumentos de coleta de dados Sujeitos da pesquisa Interpretação dos dados APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS O PROJETO REDES DE REFERÊNCIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR OS PRODUTORES RURAIS Os agricultores inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar Os agricultores não inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar AS AÇÕES REALIZADAS As ações realizadas por agricultores inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar As ações realizadas por agricultores não inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar AS MANIFESTAÇÕES DE ESTRUTURA E CAPACIDADE DE AGÊNCIA ENTRE OS DOIS GRUPOS DE AGRICULTORES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS A) ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS PRODUTORES INSERIDOS NO PROJETO B) ROTEIRO DE ENTREVISTA DOS PRODUTORES NÃO INSERIDOS NO PROJETO...180

12 11 1 INTRODUÇÃO O Brasil tem na agropecuária uma de suas principais atividades econômicas, sendo que um a cada três reais gerados no país é derivado do agronegócio, ou seja, segundo estatísticas do Ministério da Agricultura, 33% do Produto Interno Bruto (PIB), 42% das exportações totais e 37% dos empregos brasileiros vêm da agricultura. Estes resultados são alcançados pela vocação do país para a agricultura, devido à quantidade de mananciais, qualidade do clima e solo etc., pela própria cultura e processo de colonização e pelo incentivo até hoje dado ao setor. Além disso, nas últimas décadas, houve muita pesquisa em ciência e tecnologia gerada em institutos de pesquisas pelo Brasil, para o incremento das atividades no meio rural (MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, 2007). No Paraná, o órgão oficial de pesquisa agropecuária é o IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná). Ele foi estabelecido com a finalidade de execução da pesquisa técnico-científica e a formação e treinamento de pessoal especializado, visando o desenvolvimento da agricultura paranaense. Segundo Borgonhoni (2005), o Instituto auxilia na formulação e implementação de políticas públicas para o Estado, sendo o órgão encarregado de receber as demandas advindas dos diversos atores sociais e identificar oportunidades que possam contribuir para a inovação de produtos e processos agropecuários. Um exemplo disso é o Projeto Redes de Referência para a Agricultura Familiar. Na década de 1990, iniciou-se um intercâmbio de técnicos do IAPAR e do Institut de l Élevage, da França, para aplicação de um projeto de pequenos agricultores no Paraná, com os objetivos de: (a) levantar demandas de pesquisa a partir de diagnósticos nas propriedades; (b) realizar testes, ajustes e validação de tecnologias; (c) ofertar tecnologias e/ou atividades que ampliem a eficiência dos sistemas de produção; (d) disponibilizar informações e propor métodos para orientar os agricultores na gestão da propriedade rural; (e) servir como pólo de difusão e capacitação de técnicos e agricultores e subsidiar na formulação de políticas de promoção da agricultura familiar (EMATER/PR, 2007). Com essa perspectiva, um conjunto de propriedades representativas de determinado sistema de produção familiar foi escolhido. A intenção era que, após o processo de otimização visando à ampliação de sua eficiência e sustentabilidade, conduzido por agricultores e

13 12 técnicos (pesquisadores do IAPAR e extensionistas do EMATER/PR 1 ), estas propriedades servissem como referência técnica e econômica para as outras unidades por elas representadas (EMATER/PR, 2007). Assim, as propriedades inseridas no Projeto foram divididas em diferentes sistemas de produção, segundo características como solo, clima, mão-de-obra e maquinário disponível. De cada sistema foi escolhida uma propriedade para testes de novos arranjos produtivos para servir de referência posterior às outras propriedades semelhantes. Estas, não são semelhantes apenas por fatores geográficos, mas por fatores culturais e sociais. Segundo Meyer e Rowan (1991), as empresas de forma geral (e aqui se pode incluir as propriedades rurais), estão ligadas por interdependências técnicas e por trocas. Existe um paralelismo entre as organizações e o ambiente; afinal, as primeiras refletem a realidade construída socialmente no segundo. Este paralelismo entre as organizações é denominado, na Teoria Neoinstitucional, de isomorfismo, o que significa que o ambiente designa alguns valores e modelos legitimados institucionalizados - para as organizações, que para nele sobreviverem, devem segui-los. Mas, acreditar na aplicação irrestrita destes modelos é acreditar na pura reprodução dos mesmos. Se assim fosse, todas as práticas institucionalizadas seriam reproduzidas sem modificação. A literatura fala em agência para explicar a capacidade de reconstrução dos modelos por atores individuais (GIDDENS, 2003; SCOTT, 2001). Ou seja, segundo Machado-da-Silva et al. (2005), agência é a capacidade de agir, influenciada por estruturas referenciais, não apenas a reprodução das mesmas. O homem vive em sociedade, e para tanto, necessita de segurança em suas atitudes perante si e os outros. Assim, conforme vive, aprende como se portar em determinadas situações a partir de conseqüências desejadas. Giddens (2003) explica que, a partir desta aprendizagem, a qual é individual e ao mesmo tempo coletiva - dada que é social - em que os atores criam, recriam e reproduzem modelos, certas práticas passam a ser tidas como corretas em alguns contextos é a institucionalização ou processo de criação de estruturas. 1 Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural

14 13 Nota-se, portanto, que certas práticas são aceitas e reproduzidas (ou não) a partir da interpretação dos atores dos contextos e das respostas que julgam convenientes segundo suas intenções. Desta forma, mesmo em situações semelhantes, os indivíduos podem agir de formas diferentes, afinal, os contextos ambientais podem ser captados de forma diferente. É o que a literatura hoje denomina de tradução e edição, ou seja os indivíduos traduzem e editam as práticas do meio para sua própria realidade, seguindo as estruturas, mas de forma a adaptá-las a sua realidade. Com esta perspectiva e trazendo para o cenário desta dissertação, o que se pode perceber é que os pequenos produtores da agricultura familiar no Paraná estão inseridos no que Guarido Filho e Machado-da-Silva (2001) chamam de contexto objetivamente orientado por relações de trocas e, segundo Lourenzani (2003), dependentes de políticas governamentais, tecnologias, mercados específicos e de condições edafo-climáticas variadas. E, além desse contexto efetivo, há a interpretação desse contexto, que depende da realidade socialmente construída. Assim, o que se quer pesquisar aqui é a visão subjetiva do ambiente desses produtores, ou seja, investigar se a interpretação do contexto dos pequenos agricultores inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar é diferente dos não inseridos. A partir disso, pretende-se estudar as manifestações de estrutura e capacidade de agência entre os dois grupos de agricultores, com base em suas ações realizadas desde o início do Projeto até Detalhando a colocação acima, no caso do Projeto Redes de Referência, é de se presumir que a partir de testes, observação e divulgação dos instrumentos utilizados pelos agricultores, extensionistas e pesquisadores, as estruturas foram sendo institucionalizadas e passando a servir de modelo às outras. Ou seja, com a pesquisa procura-se compreender não apenas efeitos de instituições, mas seu processo de formação (ou não) e seus significados. Com isso, pretende-se interpretar a influência do Projeto Redes de Referência na capacidade de agência dos agricultores contemplados e não contemplados no Projeto. Essa preocupação surgiu ao estudar dissertações anteriores sobre o assunto (SALDANHA, 2005; ARAÚJO, 2007), que investigaram o Projeto Redes de Referência sob outra perspectiva, mas que deixaram em aberto essa nova possibilidade, de se executar pesquisas empíricas que unam

15 14 preceitos da teoria da estruturação de Giddens (2003) e abordagem neoinstitucional, tendo como objeto de pesquisa a área agrícola. Baseado nestas considerações, o problema de pesquisa que se coloca para investigação é o seguinte: Como o Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar influenciou as ações gerenciais e técnicas dos produtores rurais no Paraná, inseridos e não inseridos no Projeto, no período de 1998 a 2009? 1.1 OBJETIVOS Objetivo geral Com base no problema de pesquisa anteriormente colocado, o objetivo geral desta dissertação é: Entender como o Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar influenciou as ações gerenciais e técnicas dos produtores rurais no Paraná, inseridos e não inseridos no Projeto no período de 1998 a Objetivos específicos Para a consecução do objetivo geral acima colocado, os objetivos específicos a serem alcançados neste trabalho são: 1) Apresentar o Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar, descrevendo a sua atuação no Paraná de 1998 a 2009; 2) Descrever as ações relativas à condução gerencial e técnica dos produtores inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar; 3) Descrever as ações relativas à condução gerencial e técnica dos produtores não inseridos no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar;

16 15 4) Interpretar as manifestações de estrutura e capacidade de agência dos produtores inseridos e dos não inseridos no Projeto, com base nas prescrições do Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar, nos seus esquemas interpretativos e nas suas ações relativas à condução gerencial e técnica no período estudado. 1.2 JUSTIFICATIVA O setor agropecuário é de suma importância para a economia e a sociedade brasileira. Assim, estudar este contexto, bem como possíveis arranjos e formas de gestão, sua implantação e processo são de grande valia aos estudos organizacionais. Ainda mais quando se estuda pequenos agricultores, que necessitam da terra para seu sustento e os projetos a eles sugeridos pelos sucessivos governos e seus aparelhos de Estado, que têm conseqüências administrativas, econômicas e sociais. A Teoria Neoinstitucional entra nesse contexto como forma de tentar explicar como se dão as manifestações de estrutura e a capacidade de agência entre os pequenos agricultores, considerando o meio institucional no qual estão inseridos. Especialmente aqueles inseridos no Projeto Redes de Referência para a Agricultura Familiar, um projeto cujos atores agricultores, institutos de pesquisa, órgãos de extensão rural e governo, principalmente são altamente institucionalizados, nem sempre possuem os mesmos objetivos, mas que neste contexto estão intimamente ligados, afinal as propriedades dos agricultores são os palcos de pesquisa e de desenvolvimento de tecnologia para outras propriedades e para os próprios pesquisadores do IAPAR e extensionistas da EMATER/PR. Neste contexto de pluralidade institucional e das relações entre diferentes atores com específicas relações de poder, dá-se palco a uma relação extremamente rica para tentar estudar empiricamente como se dá a interação entre estes atores; o que ela determina; quais são as pressões institucionais sofridas pelos agricultores inseridos (e os não inseridos) e o que estas relações significam para eles. Com este trabalho, procura-se auxiliar, então, no aprofundamento de uma teoria baseada não apenas em estudos de efeitos institucionais, mas de seu processo de formação e significação para o campo e para as organizações individuais.

17 16 Assim, a pesquisa traz relevância prática, por estudar outras nuanças do Projeto seu significado subjetivo e intersubjetivo para seus atores. E teórica, pois visa estudar como e porque estas organizações funcionam como o fazem e quais as conseqüências deste funcionamento. E, de forma mais específica, compreender as relações de estrutura e agência - relação de dualismo muito estudada na teoria organizacional - a qual teve até um volume especial da Organizational Studies em 1997, cujos artigos intercalaram conceitos de mudança institucional, também objeto de volume especial de revista científica, a Academy of Management Journal, em 2002, se mostra relevante para a pesquisa atualmente. 1.3 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO A dissertação está organizada de modo a atingir seus objetivos. O primeiro capítulo introduz, contextualiza, apresenta a problemática em questão e a justificativa do trabalho. O segundo capítulo apresenta a Teoria Neoinstitucional, abordagem que norteia o estudo, assim como apresenta os conceitos de estrutura e agência. No terceiro capítulo, procura-se mostrar o percurso metodológico para atingir os objetivos da pesquisa. O quarto apresenta o Projeto Redes de Referência para a Agricultura Familiar e também contém a apresentação e interpretação dos dados primários, coletados a partir das entrevistas realizadas, e secundários, a partir de análise de documentos relativos ao Projeto de cunho oficial produzidos pela EMATER/PR e IAPAR - e cunho acadêmico, dissertações e artigos sem vínculo direto com os Institutos de pesquisa e extensão. Por fim, são colocadas as conclusões do trabalho, organizadas de forma a mostrar a consecução dos objetivos da dissertação.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-EMPÍRICA Este capítulo tem como intento apresentar a sustentação teórica do trabalho, para chegar ao seu fim principal: entender como o Projeto Redes de Referência influenciou as ações gerenciais e técnicas dos produtores de leite inseridos e não inseridos no Projeto no período de 1997 a Serão apresentados diferentes enfoques dentro desta abordagem, para evidenciar suas especificidades e aprofundar seu entendimento. 2.1 A TEORIA NEOINSTITUCIONAL Reed (1998) é um dos autores que argumentam que as teorias sobre as organizações podem ser vistas como processos de ação e criação em períodos específicos, conforme a legitimação do conhecimento e enfoque da condição histórico-social vigente. Seria um modo de ver o mundo, pelo qual pesquisadores procuram explicá-lo, influenciando assim os meios e resultados das pesquisas. Essa idéia pode ser complementada pela seguinte afirmação: as ciências sociais diferenciam das naturais, pois ajudam a criar-se (GIDDENS, 2003, p. XL). Segundo Scott (1991), com o advento do capitalismo, as organizações formais passaram a ter papel fundamental nos estudos sociais, como peças essenciais no sistema sociológico. Desde então, segundo Greenwood et al. (2002), inúmeras teorias procuram entender como e porque as organizações funcionam como o fazem e quais as conseqüências destas ações. Assim, existem várias teorias sobre as organizações, cada qual representando o estado da arte de um momento específico. Neste contexto, emerge a Teoria Neoinstitucional. Na visão de Scott (2001), esta teoria, ao lado da Teoria da Ecologia Organizacional, procura explicar as diversidades nos campos organizacionais (organization fields). Estes campos seriam sistemas compartilhados de significados formados por organizações com alto grau de interação, estruturas, informações e percepções intra-organizacionais compartilhadas e padrões de coalizões (DIMAGGIO; POWELL, 1991; GREENWOOD et al., 2002; SCOTT, 2001; TOLBERT; BARLEY, 1997). Assim, os campos não são mais apenas locais de proximidade geográfica e relações cara a cara, como o velho institucionalismo descrevia. Mas, ambientes formados por indústrias, profissões, agentes de governo e outros agentes que compartilham significados, estruturas e

19 18 percepções e sentimento de mutualidade. Um exemplo de campo organizacional seria o da agricultura, que abrange propriedades rurais dos mais diversos tamanhos, cooperativas, governo, agências e autarquias, cooperativas, institutos de pesquisa, empresas de transporte, entre outros. Tolbert e Zucker (2006) defendem a idéia de que a Teoria Neoinstitucional parte da premissa de que as organizações, por estarem inseridas em sistemas os campos - se inter-relacionam. A afirmação de Meyer e Rowan (1991, p. 41) reforça essa opinião: organizações formais são sistemas de atividades coordenadas e controladas que emergem quando seu trabalho imerge em complexas redes de relações técnicas e trocas. Neste sentido, Greenwood et al. (2002) discorrem que as influências das redes sociais e contexto institucional explicam inclusive os mitos racionalizados, ou seja, o entendimento comum criado por interação social - do meio apropriado de se fazer as coisas ou prescrições de conduta apropriada. Em sua pesquisa, estes autores narram as ações da Associação de Contadores do Canadá e de Alberta para mudar o foco de seus serviços da área de contabilidade e auditoria para mais funções (como consultoria, por exemplo). Para tanto, utilizaram pressões de caráter normativo mudanças no estatuto da associação de profissionais - e coercitivo mudança na lei que regulava a profissão, além de instrumentos cognitivos com artigos publicados e muita mídia sobre a mudança. E, após vinte anos de pressões institucionais, o aumento do escopo de atribuições foi finalmente institucionalizado no campo como o jeito certo de ser uma empresa ou profissional de contabilidade. Owen-Smith e Powell (2008) explicam que as redes sociais são criadoras e condutoras de idéias e práticas. Enquanto as instituições moldam estruturas e condicionam seus efeitos, as redes geram categorias e hierarquias que definem instituições e contribuem para sua eficácia. Desta forma, organizações são impelidas a incorporar práticas e procedimentos que são institucionalizados por profissionais, hierarquias e reforçados pela opinião pública. Estes autores estudaram sobre significados compartilhados e estruturas emergidas de interação repetida. Ou seja, pesquisaram como redes informais podem condicionar campos. Eles estudaram como fatores institucionais influenciam decisões por meio de pesquisa sobre redes relacionais e adoção de certos tipos de administração. Resultado: corporações com dirigentes que se formaram em escolas de elite estavam mais propensos a certas adoções que

20 19 quem não estudara não. Assim, o background institucional e conexões influenciam em estratégias corporativas. Ou seja: as práticas tinham influências institucionais e efeitos de rede. Desta forma, a rede é canal de efeitos institucionais como referência de práticas. E redes e instituições influenciam-se mutuamente (OWEN-SMITH; POWELL, 2008). Meyer e Rowan (1991) complementam esta idéia, defendendo que as relações nos diferentes campos determinam procedimentos organizacionais, os quais nem sempre são os mais eficientes, mas que aumentam as perspectivas de sobrevivência das empresas por sua legitimidade social. Estes autores defendem que há dois tipos de empresas, aquelas que adotam novas práticas por fatores econômicos, por serem eficazes a seus problemas, e aquelas que adotam estas práticas de forma tardia, para legitimar-se ao campo. Ou seja, estes autores defendem que as empresas, para legitimarem-se, adotam muitas vezes, práticas não consoantes com suas necessidades para se legitimarem perante o campo, condição sine qua non para sua sobrevivência. Porém, como estas não seriam necessariamente as melhores práticas para a organização, muitas utilizam o que Meyer e Rowan (1991) denominam de decoupling activities: as empresas seguiriam certos preceitos institucionais perante o campo; no entanto, na prática, realizam práticas diversas. Neste sentido, uma empresa pode se mostrar ao campo como adotante de práticas de responsabilidade social, como ajuda a entidades filantrópicas, para obter marketing gratuito e apoio do campo organizacional, porém seus funcionários trabalham em ambiente insalubre. Ainda sobre decoupling activities, Boxenbaum e Jonsson (2008) ressalvam que estas também podem ser fontes de mudanças intra-organizacionais. Utilizando a situação acima, seria como se, de tanto pregar responsabilidade social e se mostrar como tal, a empresa acabasse percebendo seus funcionários e/ou a gerência - a situação de insalubridade e a modificasse. Assim, a Teoria Neoinstitucional estuda a relação entre organização e ambiente e como aquelas se adaptam a relações e pressões dele e delas derivadas. Esta teoria procura, nas influências de redes sociais e no contexto institucional, explicar como se comportam as organizações (GREENWOOD et al., 2008). Neste sentido, Haunschild e Chandler (2008) adicionam à teoria de Meyer e Rowan (1991), que organizações adotantes de certas práticas de forma tardia não o fazem apenas para legitimar-se perante a sociedade, mas que algumas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA Projeto de Tese Influência

Leia mais

Painel 6: Glauco Schultz

Painel 6: Glauco Schultz Painel 6: Desafios da administração rural na gestão do agronegócio Glauco Schultz FCE/IEPE/UFRGS PPG Desenvolvimento Rural e PPG-Agronegócios 24/05/2012 Prof. Glauco Schultz 2 Roteiro da apresentação Tendências

Leia mais

Dennis Seiji Taquemori. ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado

Dennis Seiji Taquemori. ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado Dennis Seiji Taquemori ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC-Rio como requisito parcial para

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ Rafael Fuentes Llanillo 1, Edson Luiz Diogo de Almeida 2, Dimas Soares Júnior 3, Márcio Miranda 4 Sérgio Luís Carneiro

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DO AMBIENTE. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DO AMBIENTE. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DO AMBIENTE Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Análise do Ambiente A análise do ambiente constitui uma das principais etapas da administração estratégica, pois o seu monitoramento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

Profissionalização de Organizações Esportivas:

Profissionalização de Organizações Esportivas: Eduardo de Andrade Pizzolato Profissionalização de Organizações Esportivas: Estudo de caso do Voleibol Brasileiro Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Linha epistemológica e estratégia de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Linha epistemológica e estratégia de pesquisa 3 Metodologia Com o intuito de se detalhar a metodologia de pesquisa aplicada, esse capítulo foi estruturado da seguinte forma: Linha epistemológica e estratégia de pesquisa: se apresentam a linha e a

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas BOIRAL, O. ISO 9000: Outside the iron cage. Organization Science, v. 14, n. 6, p. 720-737, nov-dez 2003. CARVALHO, C. A. P.; VIEIRA, M. M. F.; LOPES, F. D. Contribuições da

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO Página 1 de 165 PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ADVOGADO MISSÃO DO CARGO: Contribuir para o desenvolvimento institucional, por meio de ações

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Claire Cerdan CIRAD-UFSC Introdução Ilustrar o uso do patrimônio cultural como elemento

Leia mais

Termo de Referência PROBIO II 103/2014

Termo de Referência PROBIO II 103/2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PUBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar. Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR

InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar. Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR InovarH Rede de inovação e aprendizagem em gestão hospitalar Autoria: Vera Lúcia Peixoto Santos Mendes RESUMO INTEGRADOR Esta sessão coletiva tem como objetivo apresentar para a comunidade de estudiosos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E DECISÃO ESTRATÉGICA: O CASO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA (CSTs) DA OPET.

ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E DECISÃO ESTRATÉGICA: O CASO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA (CSTs) DA OPET. ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E DECISÃO ESTRATÉGICA: O CASO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA (CSTs) DA OPET. Autoria: Diego Maganhotto Coraiola, Marystela Assis Baratter, Adriana Roseli Wünsch Takahashi

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder Comunicação Interna na Gestão do Relacionamento com os Funcionários 1 Mestranda Vera Elisabeth Damasceno Corrêa PPGCOM/UFRGS 2 e Professora do Curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas de Taquara

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

Gestão financeira rural: um estudo no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar do Paraná

Gestão financeira rural: um estudo no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar do Paraná Flavia Vasconcellos Sella, Elisa Yoshie Ichikawa & Paulo Lopes Gestão financeira rural: um estudo no Projeto Redes de Referência para Agricultura Familiar do Paraná Flavia Vasconcellos Sella UEL Elisa

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO X CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO X - CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 10. Considerações e Aspectos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel

O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Andre dos Santos Souza O conceito de organizações de aprendizagem em uma empresa de telefonia móvel Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração de Empresas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais