IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE NA ADMINISTRAÇÃO DIRETA ESTADUAL Setembro/2011 Equipe técnica/pgdi Secretaria da Educação Eliana Martinelli Avagliano Alessandra Zorzetto Moreno Miriam Gonçalves Ricardo Silvestre Rogério Madeira de Moura Campos

2 ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO Estrutura e Atribuições O Arquivo Público do Estado é Unidade da Casa Civil: Preservar, Departamento difundir e darde acesso Preservação aos documentos e Difusão de de valor Acervo histórico do Poder Executivo Paulista Formular e implementar a política pública de arquivos e gestão documental para a Administração Pública do Estado de São Paulo Departamento de Gestão do Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo Orientar o desenvolvimento e a implementação de sistema informatizado de gestão de documentos Decreto nº /2009, art. 2º

3 ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO Estrutura e Atribuições

4 DIAGNÓSTICOS

5 DIAGNÓSTICOS

6 SISTEMA DE ARQUIVOS DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto n , de 19 de outubro de 1984: Institui o Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo Implementar um programa de gestão documental: definir normas e procedimentos comuns para todos os arquivos e protocolos da administração estadual, definindo critérios técnicos para a preservação e eliminação de documentos públicos; Facilitar o acesso aos documentos gerados pelos órgãos públicos; Assegurar a proteção e a preservação dos documentos arquivísticos do Poder Público Estadual.

7 PODER PÚBLICO E O PATRIMÔNIO DOCUMENTAL Constituição de 1988, art. 216, 2.º Cabem à administração pública, na forma de lei, a gestão da documentação governamental e as providências para franquear sua consulta a quantos dela necessitem

8 PODER PÚBLICO E O PATRIMÔNIO DOCUMENTAL É dever do poder público a gestão documental e a proteção especial a documentos de arquivo, como instrumento de apoio à administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e como elemento de prova e informação. Lei Federal de Arquivos n.º 8.159/91, art. 1.º

9 RESPONSABILIDADE DO AGENTE PÚBLICO PELA PRESERVAÇÃO ADEQUADA DOS DOCUMENTOS A responsabilidade pela preservação adequada dos arquivos públicos é das pessoas físicas e jurídicas que os produziram ou receberam no exercício de atividades públicas. Decreto federal nº 4.073/2002, arts 15 e 16

10 GESTÃO DOCUMENTAL Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos: Produção Classificação Avaliação Tramitação Uso Arquivamento Reprodução Que assegura a racionalização e a eficiência dos arquivos. Decreto n.º /2004, art. 8.º

11 DOCUMENTOS PÚBLICOS DE ARQUIVO Todos os documentos produzidos, recebidos e acumulados por um órgão no exercício de suas atribuições (administrativas e técnicas, finalísticas) processos, expedientes e avulsos textuais e digitais mapas, plantas, cartazes fotografias encadernados

12 BENEFÍCIOS DA GESTÃO DOCUMENTAL Agilidade no acesso às informações e documentos públicos Preservação dos documentos que integram o patrimônio documental Eliminação criteriosa dos documentos desprovidos de valor que justifiquem sua guarda Agilidade no processo de tomada de decisões Eficiência no planejamento, execução, controle e avaliação das ações governamentais Transparência das ações administrativas

13 Avaliação: define os vetores da política de preservação O que deve ser preservado? Documentos de valor permanente e guarda definitiva: valor histórico, probatório e informativo que devem ser definitivamente preservados Os documentos de valor permanente são inalienáveis e imprescritíveis (Lei federal de arquivos nº 8.159/1991, art. 10) O que pode ser eliminado? Documentos que esgotados os prazos de guarda podem ser eliminados sem prejuízo para a coletividade ou a memória da instituição

14 Avaliação: instrumento de preservação ou... A avaliação documental é acionada como o recurso técnico mais eficaz (na verdade, o único legitimado pela arquivologia) para a escolha de documentos históricos arquivísticos, passíveis de integrar o patrimônio documental de uma sociedade, em razão da sua capacidade de expressar a memória desse grupo. (José Maria Jardim, Ciência da Informação - Vol 25, número 2, 1995).

15 ... de eliminação Eliminação de documentos com critérios técnicos e parâmetros legais X Crimes contra o patrimônio documental (destruir, inutilizar ou deteriorar documentos) patrimônio público Ministério Público Estaduais Inquéritos Civis e Ações Civis Públicas

16 CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO DOCUMENTAL Quaisquer ações que impliquem em destruição, inutilização ou deterioração do patrimônio documental público é considerada crime contra o patrimônio cultural, com penas previstas na legislação: Lei federal n.º 9.605/98, art. 62 Decreto federal n.º 9.605/98, art. 62 Código Penal, art. 305

17 CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO DOCUMENTAL Código Penal Art. 305 Destruir, suprimir ou ocultar, em benefício próprio ou de outrem, ou em prejuízo alheio, documento público ou particular verdadeiro, de que não podia dispor. Pena reclusão de dois a seis anos, e multa, se o documento é público, e reclusão, de um a cinco anos, e multa, se o documento é particular.

18 Valores primário ou imediato - decorre da razão pela qual o documento foi gerado no exercício de atividades: administrativo jurídico-legal fiscal técnico secundário ou mediato (potencial como fonte para a pesquisa) fonte de informação para pesquisa em qualquer área do conhecimento (arquitetura, médica, jurídica, histórica etc) prova assegura direitos do cidadão e do Estado

19 Por quê produzir um processo de convênio? Burocracia inútil? valor jurídico valor fiscal valor administrativo Registrar um acordo bilateral Estabelecer obrigações mútuas Definir penalidades para o não cumprimento das obrigações acordadas pelas partes Prestar contas ao Tribunal de Contas dos gastos de recursos públicos Autorizar a execução das atividades previstas (controlar recursos humanos,utilização de materiais de consumo e permanente, utilização de carros oficiais etc) Existe ainda um valor probatório e informativo relevante? As informações podem ser recapituladas em outros documentos?

20 O que é valor histórico? Senso comum: Antiguidade - documentos com mais de 30 anos Aspectos sensoriais (características materiais de objetos físicos) - amarelado, manuscrito, corroído por insetos Agente produtor autógrafos de personalidades importantes (o documento é um monumento ) Critério técnico: Valor informativo relevante: potencial como fonte para a pesquisa exige análise de contexto/produção Valor de prova: assegura direitos e obrigações Atenção às demandas da sociedade e não apenas às do governo (patrimônio público).

21 Ciclo de vida dos documentos 1.ª idade ARQUIVO CORRENTE Documentos vigentes, freqüentemente consultados 2.ª idade ARQUIVO CENTRAL e/ou ARQUIVO INTERMEDIÁRIO 3.ª idade ARQUIVO PERMANENTE Final de vigência; documentos que aguardam prazos longos de prescrição ou precaução Raramente consultados Aguardam a destinação final: eliminação ou guarda permanente Documentos que perderam a vigência administrativa, porém são providos de valor secundário ou histórico-cultural

22 SISTEMA DE ARQUIVOS DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretarias Autarquias Empresa Pública Sociedade de Economia Mista Ministério Público Procuradoria Geral do Estado ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA Municípios Defensoria Pública Fundações Organizações Sociais Entidades privadas encarregadas de serviços públicos

23 COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Decreto nº , de 18 de abril de 1989 Determina a criação de Comissões de Avaliação de Documentos de Arquivo São grupos permanentes e multidisciplinares instituídos nos órgãos, entidades e empresas da Administração Pública Estadual, nos termos do Decreto n /1989 e do Decreto n /2004. Atualmente são 84 comissões instituídas nos órgãos e entidades da Administração Paulista Estadual (Cerca de 730 agentes públicos envolvidos no trabalho)

24 COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Composição: Representantes das áreas jurídica, de administração geral, de administração financeira e de arquivo e por representantes das áreas específicas da documentação a ser avaliada (5, 7 ou 9 membros) Decreto nº de 18 de abril de 1989

25 COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Instituída pela Resolução SE-235, de 19/10/1993 (DOE de 20/10/1993). Reestruturada pela Resolução SE-60, de 17/08/2000 (retificação do DOE de 13/06/2000)/ DOE de 17/08/2000. Coordenada pela Sr.ª Neusa Maria Ramos Tobias.

26 COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO ATRIBUIÇÕES Propagar em seu órgão ou entidade os procedimentos e normas de gestão documental; Elaborar e aplicar os Planos de Classificação e Tabelas de Temporalidade de Documentos; Conduzir a eliminação de documentos e definir critérios de amostragem dos documentos destinados a eliminação; Comunicar ao Arquivo do Estado a eventual existência de outros documentos de arquivo produzidos em decorrência do exercício de atividades-meio não indicados no Plano de Classificação e na Tabela de Temporalidade de Documentos da Administração Pública do Estado de São Paulo: Atividades-Meio, para sua incorporação; Coordenar o processo de transferência e recolhimento de documentos ao APE, quando for o caso; Incorporar os instrumentos de gestão nos sistemas informatizados utilizados nos protocolos e arquivos de seus respectivos órgãos. Decreto n /2004, arts. 34 ao 38

27 METODOLOGIA PARTICIPATIVA

28 METODOLOGIA PARTICIPATIVA SAESP orientação técnica diretorias/gerências dessas áreas apoio CADAs coordenação dos trabalhos Integração áreas produtoras de documentos das atividades-meio e das atividades-fim colaboração

29 METODOLOGIA PARTICIPATIVA ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO Departamento de Gestão do SAESP Órgãos e Entidades que integram o SAESP Sede/Capital Unidades descentralizas Capital/Interior

30 Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo Legislação que orienta o trabalho Lei federal n , de 8 de janeiro de 1991 Dispõe sobre a política nacional de Arquivos públicos e privados Decreto n , de 19 de outubro de 1984 Institui o Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo Decreto n , de 18 de abril de 1989 Determina a criação de Comissões de Avaliação de Documentos de Arquivo Decreto n de 27 de agosto de 2004 Define normas para avaliação, preservação e eliminação de documentos públicos Decreto n de 27 de agosto de 2004 Oficializa o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade dos Documentos da Administração Pública do Estado de São Paulo: Atividades-Meio

31 Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo Legislação que orienta o trabalho Instrução Normativa APE/SAESP nº 1, de 10 março de 2009 Estabelece diretrizes e define procedimentos para a Gestão, a preservação e o acesso contínuo aos documentos arquivísticos digitais da Administração Estadual Direta e Indireta Instrução Normativa APE/SAESP nº 2, de 2 de dezembro de 2010 Estabelece critérios para a avaliação da massa documental acumulada e procedimentos para a Eliminação, transferência e recolhimento de documentos à Unidade do Arquivo Público do Estado Decreto n , de 27 de abril de 2009 Reorganiza a Unidade do Arquivo Público do Estado, da Casa Civil, e dá providências correlatas

32 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE - PGDI Elaborado pelo Departamento de Gestão do SAESP para assegurar o acompanhamento, monitoramento e avaliação permanente dos órgãos setoriais integrantes do Sistema de Arquivos. Prevê o deslocamento temporário dos técnicos do Departamento de Gestão do SAESP aos órgãos setoriais do Sistema de Arquivos com o objetivo de realizar a imersão na realidade local. Nessas incursões, a equipe do Departamento de Gestão do SAESP oferecerá in loco um pacote de serviços, de acordo com as necessidades específicas de cada Secretaria.

33 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE OBJETIVOS Auxiliar na implementação da gestão documental Iniciar uma nova rotina Acabar com o acúmulo desordenado de documentos

34 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE AÇÕES 1. Identificação e tratamento técnico de documentos permanentes 2. Aplicação do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade das Atividades-Meio 3. Elaboração do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade de Documentos das Atividades-Fim

35 IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TÉCNICO DE DOCUMENTOS PERMANENTES Art São considerados documentos de guarda permanente: III - Todos os processos, expedientes e demais documentos, produzidos, recebidos ou acumulados pelos órgãos da Administração Público Estadual até o ano de Decreto nº /2004

36 IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TÉCNICO DE DOCUMENTOS PERMANENTES Art. 32 Os documentos de guarda permanente não poderão ser eliminados após a microfilmagem, digitalização ou qualquer outra forma de reprodução, devendo ser preservados pelo próprio órgão produtor ou recolhidos ao Arquivo Público do Estado Decreto nº /2004

37 IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TÉCNICO DE DOCUMENTOS PERMANENTES Identificar e separar os documentos anteriores a 1940; Desmetalizar; Higienizar; Acondicionar; Preservar no próprio órgão ou no Arquivo Público do Estado; Dar acesso a documentação Decreto nº /2004 e Instrução Normativa APE/SAESP nº 2/2010

38 Recolhimento de documentos ao Arquivo Público do Estado Critérios Sobre a documentação antiguidade dos documentos; complementaridade dos fundos já custodiados pelo Estado; Recolhimento de conjuntos documentais completos; Demandas de pesquisadores; Arquivo Público do Sobre a formalização O recolhimento deve ser solicitado e autorizado pelo dirigente do órgão (Secretário de Estado) e aprovado pelo Coordenador do Arquivo Público, que deverão oficializar o procedimento por meio da assinatura do Termo de Recolhimento de Documentos.

39 APLICAÇÃO DO PLANO DE CLASSIFICAÇÃO E DA TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS ATIVIDADES-MEIO São instrumentos básicos da gestão de documentos os Planos de Classificação de Documentos e as Tabelas de Temporalidade de Documentos Decreto nº /2044, art. 9º

40 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO Decreto nº /2004 Instrumento de gestão documental que identifica os tipos documentais e lhes atribui uma codificação numérica e uma nomenclatura padronizada para todo o Estado

41 TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS Decreto nº /2004 Instrumento de gestão documental que define os prazos de guarda e a destinação para cada um dos tipos documentais identificados

42 ÍNDICE

43 ÍNDICE Contas da Eletropaulo Contas da Embratel Conta de água } USE Processo de pagamento de contas de utilidade pública Aquisição de café Compra de papel } USE Processo de aquisição de material de consumo

44 AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS Fazer a separação entre os documentos: que esgotados os prazos de guarda, têm como destinação final à eliminação que esgotados os prazos de guarda na Unidade produtora, ainda devem cumprir os prazos prescricionais e precaucionais na Unidade com atribuições de Arquivo, até a sua destinação final, que poderá ser a eliminação ou a guarda permanente destinados à guarda permanente

45 ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS Decreto nº /2004, arts. 24 a 30 Selecionar amostras Relação de Eliminação de Documentos Edital de Ciência de Eliminação Fragmentar documentos Termo de Eliminação de Documentos Doar ao Fundo os documentos fragmentados em suporte papel

46 ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS Decreto nº /2004, arts. 24 a 30

47 ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS Decreto nº /2004, ANEXO II

48 ELIMINAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS Decreto nº /2004, ANEXO III

49 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE PGDI 06 de abril de 2011: DG-SAESP realiza o Encontro com as Comissões de Avaliação de Documentos de Arquivo da Administração Direta, no Palácio dos Bandeirantes para apresentação do Programa.

50 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE PGDI 25 de abril de 2011: DG-SAESP encaminha ofícios aos Chefes de Gabinete, informando sobre o Comitê Gestor do SPdoc e o Programa de Gestão Documental Itinerante. 27 de maio de 2011: DG-SAESP encaminha ofícios aos Procuradores-Chefes das Secretarias de Estado informando sobre as ações do Programa de Gestão Documental Itinerante e encaminhando publicação que consolida atos normativos que regulam a política estadual de arquivos e de gestão documental.

51 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE PGDI Atribuições dos parceiros Arquivo Público do Estado, por meio do Departamento de Gestão do SAESP: Prestar orientação técnica às Comissões de Avaliação de Documentos de Arquivo (Decreto nº /2009, art. 13) Comissão de Avaliação de Documentos de Arquivo da Secretaria da Educação: Coordenar e acompanhar os trabalhos de gestão documental na Secretaria (Diretorias de Ensino, Escolas, etc.) Servidores da Secretaria: Executar os trabalhos de gestão documental

52 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE PGDI Ações realizadas nas Secretarias Mais de 40 eventos, entre visitas técnicas, palestras, oficinas e treinamentos para os funcionários que atuam nas unidades de protocolo e arquivo dos diversos órgãos do Estado.

53 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE EDUCAÇÃO 2 de junho de 2011: Apresentação da palestra "A implementação do Programa de Gestão Documental Itinerante na Administração Direta, na reunião quinzenal dos dirigentes das 28 Diretorias de Ensino da Região Metropolitana da Capital, realizada na COGSP.

54 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE EDUCAÇÃO 29 de junho de 2011: Apresentação da palestra "A implementação do Programa de Gestão Documental Itinerante na Administração Direta", para os servidores da Secretaria da Educação responsáveis pelas áreas de Administração, Finanças e Protocolo, em reunião realizada na COGSP.

55 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE EDUCAÇÃO 31 de agosto de 2011: Apresentação da palestra "A implementação do Programa de Gestão Documental Itinerante na Administração Direta", para os dirigentes e supervisores de Ensino das 22 Escolas mais antigas da Capital

56 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA Sede da Secretaria Presidente Venceslau - SP

57 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO Sede da Secretaria

58 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE FAZENDA Sede da Secretaria

59 PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL ITINERANTE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Convivência Imigrantes

60 CONTATO / DG-SAESP Avenida Cruzeiro do Sul, CEP Santana São Paulo/SP fone/fax: (11)

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Volume 114 - Número 164 - São

Leia mais

CADA Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso. Tema: PLANO DE CLASSIFICAÇÃO E TABELA DE TEMPORALIDADE

CADA Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso. Tema: PLANO DE CLASSIFICAÇÃO E TABELA DE TEMPORALIDADE CADA Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso Tema: PLANO DE CLASSIFICAÇÃO E TABELA DE TEMPORALIDADE SAESP Sistema de Arquivo do Estado de São Paulo Instituído em 1984, por meio do Decreto nº 22.789,

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

Sistema Informatizado Unificado de Gestão Arquivística de Documentos e Informações - SPdoc

Sistema Informatizado Unificado de Gestão Arquivística de Documentos e Informações - SPdoc 77ª REUNIÃO GETIC Sistema Informatizado Unificado de Gestão Arquivística de Documentos e Informações - SPdoc Prof. Dr. Carlos de Almeida Prado Bacellar Coordenador do Arquivo Público do Estado e do Casa

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E ATOS PREPARATÓRIOS PARA SUA ELIMINAÇÃO

GESTÃO DOCUMENTAL CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E ATOS PREPARATÓRIOS PARA SUA ELIMINAÇÃO Ministério Público P do Estado de São Paulo GESTÃO DOCUMENTAL CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS E ATOS PREPARATÓRIOS PARA SUA ELIMINAÇÃO DOCUMENTO DE ARQUIVO CICLO DE VIDA LOCAL DE GUARDA VALOR DO DOCUMENTO

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais

Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Modelo de texto de lei para criação de arquivos municipais Observação: este modelo foi gentilmente encaminhado ao Arquivo Público Mineiro pela equipe que trabalhou no projeto do texto legal para criação

Leia mais

dispõe que é dever do poder público a proteção especial aos documentos administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e tecnológico ;

dispõe que é dever do poder público a proteção especial aos documentos administração, à cultura e ao desenvolvimento científico e tecnológico ; INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018/2008/SEA Orienta sobre os procedimentos relativos ao Plano de Classificação de Documentos de Arquivo do Estado de Santa Catarina e da Tabela de Temporalidade e Destinação de

Leia mais

MANUAL DE RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS AO ARQUIVO GERAL DA USP

MANUAL DE RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS AO ARQUIVO GERAL DA USP MANUAL DE RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS AO ARQUIVO GERAL DA USP 1 - Objetivo O presente manual tem por objetivo estabelecer critérios para recolhimento dos documentos gerados e/ou acumulados pelas unidades/órgãos

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Comissão Permanente de Avaliação de Documentos

Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais. Comissão Permanente de Avaliação de Documentos 1 Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais Comissão Permanente de Avaliação de Documentos Implantação da Gestão Documental no COREN-MG e criação do Plano de Classificação e Tabela de Temporalidade

Leia mais

Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo - SAESP

Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo - SAESP ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo SAESP Manual de Aplicação do Plano de Classificação TREINAMENTO Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo - SAESP e Tabela de Temporalidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 PORTARIA Nº 970/PRES, de 15.08.2013 de agosto de 2013 Institui a Política de Gestão Documental da Fundação Nacional do Índio Funai.

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico Organizado por: Dirlei Maria Kafer Gonçalves CRB14/637 Edição revista, ampliada

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I

Prefeitura Municipal de Cerejeiras CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07 Avenida das Nações, 1919 Centro CEP: 76.997-000 Cerejeiras Rondônia L E I LEI MUNICIPAL Nº.1.834/2010 Cerejeiras - RO, 23 de Novembro de 2010. Dispõe sobre a Criação do Arquivo Público Municipal, na estrutura Administrativa do Município de Cerejeiras dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

Levantamento da Produção Documental do MPPR

Levantamento da Produção Documental do MPPR Levantamento da Produção Documental do MPPR Atividade-meio Curitiba/PR, Julho de 2014 1/3 PROGRAMA Módulo I: Noções Básicas de Gestão Documental; Módulo II: Gestão Documental do MPPR; Módulo III: Levantamento

Leia mais

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS O Coronel PM Diretor de Recursos Humanos, no uso das atribuições legais previstas nos Incisos I e III do Artigo 7º do Regulamento do Sistema de Recursos Humanos (R-103), aprovado

Leia mais

PLANO DE DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS (MINUTA)

PLANO DE DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS (MINUTA) PLANO DE DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL UFFS (MINUTA) 1 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...04 2 CONCEITOS BÁSICOS E IMPORTÂNCIA...05 3 INSTRUMENTOS DE DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS...06

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL,

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, LEI N.º 836/2007, DE 12 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a oficialização e denominação do Arquivo Público Municipal e sobre a política municipal de arquivos públicos e privados no âmbito do Município, cria

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL DA CODEVASF RES. nº 669/2010 maio 2010 FOR-101 SUMÁRIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental

Projeto de Modernização da Gestão Documental Projeto de Modernização da Gestão Documental GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Jorge Braga Neto Secretaria de Administração do Município jorge.braga@fortaleza.ce.gov.br

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

Eliminação de Documentos: saiba como...

Eliminação de Documentos: saiba como... Eliminação de Documentos: saiba como... Ano 2, edição 6, Setembro de 2014 O Centro de Recrutamento e Seleção realiza sua primeira eliminação documental com acompanhamento do Centro de Documental. O Centro

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB Celio Roberto Freire de Miranda(1); Isabel Cristina Lourenço Freire(1); Michele da Silva(1) Alana Miraca

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 8 5 Diretrizes... 8 6

Leia mais

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos Gestão Documental Gestão Documental Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos em fase corrente e intermediária, visando

Leia mais

Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I

Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I República de Moçambique Autoridade Nacional da Função Pública Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I EDITORIAL

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011

Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011 Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011 Dispõe sobre a guarda, destinação e digitalização de documentos nos arquivos do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010 : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento e desarquivamento dos autos processuais findos oriundos das Unidades Organizacionais (UO s) do TJ/AM Área-Fim. 2. Campo

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

Procedimentos para Recolhimento de Documentos de Guarda Permanente

Procedimentos para Recolhimento de Documentos de Guarda Permanente Procedimentos para Recolhimento de Documentos de Guarda Permanente ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO 2014 1 Coleção Gestão Documental N 1 2014 GoVeRno Do estado De são Paulo Governador Geraldo Alckmin

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGJUR-043 00 1 de 16

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGJUR-043 00 1 de 16 Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor da Divisão de Gestão de Documentos (DIGED) Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Diretor-Geral da Diretoria Geral de Apoio

Leia mais

Arquivos Públicos Municipais

Arquivos Públicos Municipais CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Criação e Desenvolvimento de Arquivos Públicos Municipais Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania Rio de Janeiro 2014 Copyright 2014 by Conselho

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED)

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED) III Congresso Consad de Gestão Pública PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED) Alessandra Baptista Lyrio Cristiani Storch Perez Herlon Nardoto Gomes Sandro Pandolpho da Costa

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Arquivo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

CARTILHA RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS DE GUARDA PERMANENTE

CARTILHA RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS DE GUARDA PERMANENTE CARTILHA RECOLHIMENTO DE DOCUMENTOS DE GUARDA PERMANENTE Coleção Gestão Documental Nº 1 Fevereiro 2014 1 Governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretário-Chefe da Casa Civil Edson Aparecido

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

Procedimentos para Eliminação de Documentos Públicos

Procedimentos para Eliminação de Documentos Públicos MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS LOGÍSTICOS Cartilha Procedimentos para Eliminação de Documentos Públicos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12

20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12 20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO

GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO GESTÃO DE DOCUMENTOS - CONCEITO - LEGISLAÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO/APLICAÇÃO - TREINAMENTO CC(T) CLÁUDIA DRUMOND DIRETORIA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DOCUMENTAÇÃO DA MARINHA DPHDM CONCEITO Considera-se Gestão

Leia mais

Id: 1567758 GLOSSÁRIO A ABERTURA DE PROCESSO Ver AUTUAÇÃO ABERTURA DE VOLUME É a abertura (criação) de volume a partir de um processo. Sempre que o volume do documento atingir aproximadamente 200 páginas

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe de Vara Cível Analisado por: Chefe de Serventia Judicial Aprovado por: Juiz de Direito 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI Sonia Maria/Ronal Guedes Informações Iniciais Sobre o MCTI Criação e finalidade A unidade

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ÓRGÃO SUPLEMENTAR Art.1º. Ao ARQUIVO CENTRAL da UFPA, Órgão Suplementar

Leia mais

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU

INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU 1 INTRODUÇÃO A GESTÃO DOCUMENTAL NO TCU Organizado por: Ana Claudia de Carvalho Cabral Lopes 2012 2 SUMÁRIO Conteúdo SUMÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 INTRODUÇÃO... 5

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA APRESENTAÇÃO 1 Essa é a primeira de uma série de aulas de Arquivologia voltadas para o concurso do TSE/TRE s, mas que certamente serão aproveitadas em diversos concursos de nível médio que cobrem Arquivologia,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015

Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 Revogado pela Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO I ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL CRIAÇÃO, CAPTURA E DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS

TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS TERMO DE REFERÊNCIA DE CONSULTORES POR PRODUTOS Projeto OEI/BRA/09/005 Desenvolvimento da Gestão Estratégica do Ibram e dos Museus Brasileiros para o Fortalecimento Institucional na Formulação e Implantação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002. Estabelece normas e procedimentos para o arquivamento de processos e documentos administrativos. 1 - FINALIDADE

Leia mais