ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS"

Transcrição

1 ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS JANEIRO / 2007

2 ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO 3 RECOMENDAÇÕES 4 QUADRO RESUMO 5 EXEMPLO DE CÁLCULO 6 CONSIDERAÇÕES GERAIS 7 GRUPO "A" 8 A.1 INSS A.2 FGTS A.3 SESI A.4 SENAI A.5 SENAI ADICIONAL (+500 EMPREGADOS) A.6 INCRA A.7 SALÁRIO EDUCAÇÃO A.8 SEGURO ACIDENTE TRABALHO - SAT (INSS) A.8.1 A.9 SEBRAE SAT- adicional (INSS) GRUPO "B" 9 B.1 REPOUSO SEMANAL REMUNERADO B.2 FERIADOS E DIAS SANTIFICADOS B.3 FÉRIAS + 1/3 CF B.4 AUX. ENFERMIDADE AC. TRABALHO B.5 13 o SALÁRIO B.6 LICENÇA PATERNIDADE GRUPO "C" 13 C.1 MULTA SOBRE FGTS (DISPENSA SEM JUSTA CAUSA ) C.1.1 MULTA SOBRE FGTS - adicional (DISPENSA SEM JUSTA CAUSA) C.2 AVISO PRÉVIO INDENIZADO C.3 ADICIONAL POR AVISO PRÉVIO ( 1/12 avos s/ férias e 13 o ) C.4 INDENIZAÇÃO ADICIONAL (ART. 9 o LEI 7.238/84) GRUPO "D" 15 D.1 INCIDÊNCIA DO GRUPO "A" SOBRE GRUPO "B" D.2 REINCIDÊNCIA FGTS S/ ADICI. AVISO PRÉVIO NO 13º E EM 1/3 FÉRIAS D.2.1 REINCIDÊNCIA FGTS S/ ADICI. AVISO PRÉVIO NO 13º E EM 1/3 FÉRIAS adicional Página 2 de 16

3 Histórico Em março de 1985, na preocupação de atender as associadas, com especial atenção às suas áreas de orçamentos e de relações trabalhistas, desenvolveu o SICEPOT-MG sua versão sobre os Encargos Sociais - Conceituação, Incidência e Composição do Custo, cuja finalidade era a proposição de critérios visando a padronização de procedimentos para o cálculo do impacto das obrigações sociais incidentes sobre o salário do trabalhador. No curso dos últimos anos foram processadas alterações no trabalho, com adaptação a novos encargos criados ou simples ajustamentos de alíquotas. Com a promulgação da Constituição de outubro/88, estruturada no fundamento social, e a vigência da Lei 8.212/91, que dispõe sobre a organização previdenciária, e a Lei complementar 70/91, que instituiu o Cofins, novas regras e obrigações foram agregadas às já existentes, obrigando o SICEPOT-MG a uma revisão mais ampla do estudo, adaptando-o aos novos parâmetros constitucionais e legais, que originaram a edição datada de setembro de A versão/96 dos Encargos Sociais e Trabalhistas do SICEPOT-MG se fez necessária em função da adequação de alíquotas dos encargos constantes do Grupo A : SESI e SENAI, determinadas pela lei no 5.107/66 e Decreto lei no 6.246/44, e a introdução do encargo do SEBRAE através da lei 8029/90, modificada pela lei 8.154/90 e regulamentada pelo decreto /90. As alterações do Grupo A motivaram uma revisão geral no texto, oportunidade na qual se questionou o percentual até então adotado no TURN OVER. A versão de 92 trabalhava com 16% ao mês, número considerado elevado para os parâmetros atuais. A Assessoria Técnica Econômica e Conjuntural do SICEPOT-MG, através da sua pesquisa de rotatividade de mão de obra, aferiu o TURN OVER mensal do ano de 1995, chegando a resultado próximo de 8%. Esse número foi então adotado naquele estudo, e permanece no presente, conforme pode ser constatado no Grupo C - item C.2 - AVISO PRÉVIO INDENIZADO, no qual o TURN OVER é uma das variáveis consideradas. Essa modificação foi responsável por uma redução de mais de 11% no total dos encargos sem horas extras e de mais de 17% com horas extras. A versão Agosto/1997 introduziu somente a modificação originada em conseqüência da MP , de 30/04/97, que caiu por incostitucionalidade em dezembro de 1997, motivando a emissão da versão de Janeiro/98, que retornou às condições da versão 96, retirando a incidência gerada pela referida Medida Provisória. A versão Junho/1999, amplia o estudo dos encargos sociais, incluindo os cálculos para uma hora extra diária e para atividades que oferecem risco de vida (Adicional de Periculosidade). No cálculo da hora extra foi corrigido o valor da mesma, obedecendo o acordo coletivo da categoria. Na versão Janeiro/2002 dos Encargos Sociais e Trabalhistas, foram incluídos os cálculos para as Atividades Insalubres. Além disso, também foi instituída uma nova metodologia para cálculo dos valores correspondentes aos encargos sociais, de forma a melhor se adequar à realidade operacional das empresas. A presente versão, Janeiro/2007, continua sofrendo influência da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, no que diz respeito ao adicional de 10% (dez por cento) na multa por rescisão de contrato sem justa causa, incidente sobre o saldo do FGTS, passando de 40% para 50%, valor devido a partir de 28 de setembro de 2001, inclusive. Porém, se tornou indevido, a partir de janeiro/07 (incusive), o adicional de 0,5% (cinco décimos por cento) na contribuição social devida pelos empregadores, incidente sobre a remuneração efetivamente paga no mês, que passava de 8,0% para 8,5%. Página 3 de 16

4 Recomendações As recomendações expostas desde o primeiro trabalho permanecem, todavia, válidas, quais sejam: ressaltar as características de individualidade dos encargos diretamente ligados à política de administração trabalhista de cada empresa; aqueles se diferenciam no espaço e no tempo, segundo as preocupações e objetivos da organização; a sistematização aplicada é intencional, pois visa proporcionar ao usuário um roteiro didático de modo a facilitar possíveis adaptações. Há, ainda, a considerar, outros tipos de encargos sociais não arrolados no presente estudo, por sua eventual participação na atividade habitual da empresa ou, embora se revestindo de encargos sociais, sua incidência não se relaciona com outras diferenciadas. Cita-se: a) O adicional noturno, por sua conotação esporádica. A execução de tarefas em horário noturno exige a participação desse adicional. Na ocorrência, o cálculo para cobertura de seus custos poderá ser facilmente desenvolvido segundo metodologia e conceitos aqui admitidos; b) PIS - É também entendido como encargo social, contudo, sua incidência ocorre sobre a Receita Operacional da empresa e não sobre o salário, o que faz excluí-lo do presente estudo; c) Juros e correção monetária, que se juntam ao saldo existente na conta do FGTS do empregado, quando da rescisão de seu contrato de trabalho sem justa causa, que por razões de impossibilidade de sua mensuração foram também descartados; d) O Vale Transporte, por suas dificuldades naturais de mensuração, considerando-se a regionalização e benefícios através do Imposto de Renda; e) Também por suas dificuldades intrínsecas, por sua conceituação técnica e por outras, e desconhecendo a existência de pesquisas atualizadas que possibilitem calcular um custo médio, foram descartados os encargos sobre a hora itínere ; f) Por suas razões peculiares de aplicação, deixam também de ser abordados os custos decorrentes da prestação da assistência gratuita aos filhos de empregados, estabelecida pelo inciso XXV da Constituição Federal. Julga-se oportuno alertar sobre a necessidade de ajustamento de alguns parâmetros admitidos na execução deste estudo, exposto de forma que mais atende a intuição e dedução do que propriamente ao estabelecimento técnico e fundamentado. São, entre outros: Auxílio Enfermidade e Acidente de Trabalho: admitidos 06 (seis) dias/ano. Demissão por Justa Causa. Considerada uma taxa de 2% (dois por cento) anualmente, para todo o efetivo da empresa. Por estas interpretações complexas, por vezes subjetivas, deixa-se ao critério do usuário a decisão de incluir aqueles custos aqui citados no rol de registros considerados como encargos sociais. Página 4 de 16

5 Quadro Resumo Encargos Sociais (%) 1 COMPONENTES HORA NORMAL HORA EXTRA HN HN(i) HE HE(i) Grupo A A.1 INSS 20,00 20,00 20,00 20,00 A.2 FGTS 8,00 8,00 8,00 8,00 A.3 SESI 1,50 1,50 1,50 1,50 A.4 SENAI 1,00 1,00 1,00 1,00 A.5 SENAI adicional (+500 EMP.) 0,20 0,20 0,20 0,20 A.6 INCRA 0,20 0,20 0,20 0,20 A.7 SALÁRIO EDUCAÇÃO 2,50 2,50 2,50 2,50 A.8 SEGURO ACIDENTE 3,00 3,00 3,00 3,00 TRABALHO SAT(INSS) A.8.1 SAT adicional (INSS) - a - a A.9 SEBRAE 0,60 0,60 0,60 0,60 Total Grupo A... 37,00 37,00 + a 37,00 37,00 + a Grupo B B.1 Repouso Sem. Remunerado 19,20 19,20 19,20 19,20 B.2 Feriados 4,62 4,62 4,62 4,62 B.3 Férias +1/3 CF 12,63 12,63 12,63 12,63 B.4 Auxílio Doença 2,22 2, B.5 13º Salário 11,08 11,08 11,08 11,08 B.6 Licença Paternidade 0,12 0, Total Grupo B... 49,87 49,87 47,53 47,53 Grupo C C.1 Multa sobre FGTS (dispensa s/ 4,17 4,17 4,17 4,17 justa causa) C.1.1 Multa sobre FGTS adicional 1,04 1,04 1,04 1,04 (dispensa s/ justa causa) C.2 Aviso Prévio Indenizado 10,42 10,42 10,42 10,42 C.3 Adicional por aviso prévio (1/12 1,98 1,98 1,98 1,98 avos s/ férias e 13 o ) C.4 Indenização Adicional Art. 9º 0,87 0,87 0,87 0,87 Lei 7.238/84 Total Grupo C... 18,48 18,48 18,48 18,48 Grupo D D.1 Incidência do Grupo A sobre o Grupo B 18,45 Total A * Total B 17,59 Total A * Total B D.2 Reincidência do FGTS sobre o 0,14 0,14 0,14 0,14 adic. aviso prévio no 13º e em 1/3 férias D.2.1 Reincidência do FGTS sobre o 0,11 0,11 0,11 0,11 adic. aviso prévio no 13º e em 1/3 férias adicional D.3 Licença maternidade 0,05 0, Total Grupo D... 18,75 Total D 17,84 Total D 1 Total Geral ,10 Totais (A+B+C+D) 120,85 Totais (A+B+C+D) HN: Encargos Sociais incidentes sobre as Horas Normais para qualquer tipo de atividade, inclusive periculosas, exceto atividades insalubres; HN(i): Encargos Sociais incidentes sobre as Horas Normais para as atividades insalubres; HE: Encargos Sociais incidentes sobre as Horas Extras para qualquer tipo de atividade, inclusive periculosas, exceto atividades insalubres; HE(i): Encargos Sociais incidentes sobre as Horas Extras para as atividades insalubres; Página 5 de 16

6 Exemplo de Cálculo Para facilitar a compreensão da metodologia de cálculo dos Encargos Sociais e Trabalhistas com base no presente estudo, apresentamos a seguir um exemplo prático: Suponhamos que ao fazer o levantamento das horas trabalhadas de um de seus funcionários, que trabalha em atividade considerada não perigosa e não insalubre, durante o mês de janeiro de 2007, a empresa constate o seguinte: Nenhuma falta registrada; Horas normais trabalhadas: 168 Hh Horas extras trabalhadas: 15 Hh, das quais: 12 Hh com adicional de 50% e 3 Hh com adicional de 80%; Considerando que o salário do funcionário seja de R$400,00 (quatrocentos reais) por mês, em regime de horista, tem-se: Salário hora: R$400,00 / 220 => R$ 1,82 / hora Daí, tem-se: Remuneração paga ao empregado: Horas normais: 220 Hh * R$ 1,82 / hora = R$ 400,00 Hora extra (50%): 12 Hh * R$ 1,82 / hora * 1,50 = R$ 32,76 (remuneração adicional de 50%) Hora extra (80%): 3 Hh * R$ 1,82 / hora * 1,80 = R$ 9,83 (remuneração adicional de 80%) Total = R$ 442,59 (não computados os descontos de INSS, vale transporte, etc.) Encargos sociais: (168 * 2,2410) + (12 * 1,50 * 2,2085) + (3 * 1,80 * 2,2085) = 2,3397 => 133,97% ( ) Custo Total para a empresa: R$ 1,82 / h * 2,3397 * 183 h = R$ 779,26 Conclusão: i. Para o cálculo do valor dos encargos sociais a serem pagos sobre as horas normais, basta efetuar a seguinte multiplicação: hn * es * sh, onde: hn: total de horas normais trabalhadas; es: encargos sociais incidentes sobre a hora normal trabalhada; sh: salário hora do trabalhador. ii. iii. iv. Para o cálculo do valor dos encargos sociais a serem pagos sobre as horas extras, basta efetuar a seguinte multiplicação: F * he * es * sh, onde: F: fator equivalente ao adicional incidente sobre a hora extra trabalhada (ex: para as duas primeiras horas extras de cada dia de Segunda a Sexta, paga-se um adicional de 50% sobre a hora. Então F=1,50); he: total de horas extras trabalhadas com o mesmo adicional; es: encargos sociais incidentes sobre a hora extra trabalhada; sh: salário hora do trabalhador. No caso do cálculo do valor dos encargos sociais a serem pagos sobre as horas normais e horas extras de trabalhadores que desenvolvem atividades em condições de periculosidade (NR-16), procede-se da mesma forma explicitada na conclusão (i) e (ii), respectivamente. Esclarece-se, entretanto, que o valor da hora normal (sh) já deverá estar afetada do adicional de 30% de periculosidade. No caso do cálculo do valor dos encargos sociais a serem pagos sobre as horas normais e horas extras de trabalhadores que desenvolvem atividades em condições de insalubridade (NR-15), procede-se da mesma forma explicitada na conclusão (i) e (ii), respectivamente. Esclarece-se, entretanto, que o valor da hora normal (sh) já deverá estar afetada do respectivo adicional de insalubridade (ver: Considerações Gerais, na página seguinte), bem como os percentuais de encargos sociais (es) a serem considerados são aqueles apresentados no quadro resumo para horas normais e horas extras para as atividades insalubres. Observação: Não é correto calcular o custo devido aos encargos conforme abaixo, pois, procedendo desta maneira, estaríamos considerando a incidência do repouso semanal duas vezes, uma ao dividir o salário por 220 horas e a outra na própria composição dos encargos. Obviamente tal cálculo nos conduz, equivocadamente, a custos maiores para a empresa: Horas normais trabalhadas no mês: 168 Hh * 124,10% * R$ 1,82 / h = R$ 379,45 Horas extras trabalhadas no mês a 50%: 1,50 * 12 Hh * 120,85% * R$ 1,82 / h = R$ 39,59 Horas extras trabalhadas no mês a 80%: 1,80 * 3 Hh * 120,85% * R$ 1,82 / h = R$ 11,88 Total = R$ 430,92 => custo total: R$ 430,92 + R$ 442,59 = R$ 873,51 Página 6 de 16

7 CONSIDERAÇÕES GERAIS Para fins de cálculo do valor correspondente aos encargos sociais incidentes sobre as Horas Extras, Atividades Perigosas e Atividades Insalubres, as horas remuneradas devem estar afetadas pelos percentuais de acréscimo estabelecidos na convenção da categoria 2001/2002 (horas extras), e na Lei de 22/12/1977 Seção XIII Das atividades insalubres ou perigosas Portaria de 08/06/ NR s 15 e 16: 50% sobre as duas primeiras horas extras realizadas de Segunda a Sexta-feira; 80% sobre as horas extras realizadas aos sábados e as realizadas acima das duas primeiras horas extras de Segunda a Sexta-feira; 100% sobre as horas extras realizadas aos domingos e feriados; 30% sobre todas as horas trabalhadas em condição de periculosidade (NR16 Atividades e Operações Perigosas); Atividades Insalubres: G x SM / SE = i Onde: i : Percentual de acréscimo em função da atividade insalubre; G : Percentual de acréscimo ao salário mínimo em função do Grau de Risco da atividade insalubre: G = 0,4 - atividade insalubre de Grau Máximo - 40% de acréscimo sobre o Salário Mínimo; G = 0,2 - atividade insalubre de Grau Médio - 20% de acréscimo sobre o Salário Mínimo; G = 0,1 - atividade insalubre de Grau Mínimo - 10% de acréscimo sobre o Salário Mínimo; (Lei de 22/12/1977 Portaria de 08/06/1978 NR 15 Atividades e Operações Insalubres ) SM = Salário Mínimo vigente, SE = Salário do Empregado em carteira Para fins de cálculo do Adicional Noturno, correspondente ao trabalho das 22 horas às 5 horas, deve-se considerar o seguinte: Hora noturna: 60 / 52,5 Adicional: 20% Adicional Noturno: 1,20 * (60 / 52,5) = 37,14% Página 7 de 16

8 GRUPO A Os encargos deste grupo incidem diretamente sobre a folha de pagamento e recaem sobre o custo da mão-deobra e os pagamentos feitos ao empregado. Portanto, os percentuais de incidência são os mesmos, independente da ocorrência de horas extras ou condições de periculosidade. A exceção fica por conta do Adicional do SAT, incidente somente nas atividades insalubres, para fins de aposentadoria especial, que pode ser de 6%, 9% ou 12%. A.1 - INSS O percentual corresponde a 20% (vinte por cento). Incide sobre a remuneração efetivamente paga ao empregado, conforme dispõe o art. 22 da Lei 8.212, de 24/07/91, regulamentada pelo decreto 356, de 07/12/91, art. 25. A.2 - FGTS Corresponde a 8% (oito por cento) da remuneração efetivamente paga no mês a cada empregado, criado pela Lei n o 5.107/66, art. 2 o, disciplinado pelo Lei 8.036, de 11/05/90, e regulamentado pelo Decreto de 08/11/90. A.3 - SESI Incidência de 1,5% (um e meio por cento) sobre a remuneração total paga aos empregados, conforme dispõe o artigo 23 o da Lei 5.107/66. A.4 - SENAI Incidência de 1,0% (um por cento) sobre a remuneração total paga aos empregados, conforme dispõe o artigo 1º do Decreto Lei 6.246/44. A.5 - SENAI - adicional Incidência de 0,2% (dois décimos por cento) sobre o total da remuneração paga aos empregados, conforme dispõe o art. 10 o do Decreto nº /67. Nota: O percentual de 0,2% somente é devido pelas empresas com mais de 500 empregados. A.6 - INCRA Incidência de 0,2% (dois décimos por cento) sobre o total da remuneração paga aos empregados, conforme disposição contida nos artigos 3 o do Decreto n o /67, 1 o item I do decreto-lei n o 1.146/70, 15, item II da Lei Complementar n o 11/71, 1 o do Decreto Lei n o 1.867/81 e Lei 7.787/89. Página 8 de 16

9 A.7 - SALÁRIO EDUCAÇÃO Incidência de 2,5% (dois e meio por cento) sobre o total da remuneração paga aos empregados, conforme os seguintes textos legais: Art. 3 o do Decreto n o /67, art. 3 o, item 1 o do Decreto n o /82 e Lei 7.787/89. A.8 - SEGURO CONTRA ACIDENTES DO TRABALHO SAT (INSS) Incidência de 3% (três por cento) sobre o total da remuneração paga aos empregados, nos termos do art. 22, item II Letra A da Lei 8.212, de 24/07/91, regulamentada pelo decreto 356, de 07/12/91 art. 26, item III. Nota: 1 - Para efeito do seguro contra acidente do trabalho, a atividade da construção civil foi enquadrada no grau de risco 3 (riscos graves), com a alíquota de 3%. Nota: 2 - Ver decreto 356, art. 26 o, parágrafo 1 o, atividade preponderante. A.8.1 SAT - adicional (INSS) Alíquota adicional instituída pela Lei nº de 11/12/98. Valores válidos a partir da competência de março /2000. Destinado ao financiamento de aposentadoria especial prevista nos artigos 57 e 58 da Lei 8213/91, concedida em razão de efetiva exposição à agente nocivo decorrente de riscos ambientais do trabalho e incidente sobre o total das remuneração pagas, devidas ou creditadas no decorrer do mês, aos segurados empregados e trabalhadores avulsos sujeitos a condições especiais (insalubridade). O percentual de acréscimo ao SAT (adicional) para concessão de aposentadoria especial, corresponde: A.9 - SEBRAE a = 12% - aposentadoria especial aos 15 anos de trabalho; a = 9% - aposentadoria especial aos 20 anos de trabalho; a = 6% - aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho; (INSS Decreto de 29/11/99) Incidência de 0,6% sobre o total da remuneração paga aos empregados, conforme dispõe o art. 8 o, parágrafo 3 o da Lei 8.029/90, modificada pela Lei 8.154/90 e regulamentada pelo Decreto /90. GRUPO B Os encargos deste Grupo correspondem aos direitos pagos diretamente ao empregado na folha de pagamento. Estão sujeitos à incidência do GRUPO A. Para se chegar aos percentuais que o compõem, torna-se necessário detalhar os parâmetros básicos do cálculo: Total dias do ano Domingos - 52 Feriados - 12,5 Férias (30 d. - 4,33) - 25,67 Afastamento por Enfermidade - 3 Afastamento por Acidente de Trabalho - 3 Coincidência + 2 Total Dias de Efetivo Trabalho/ano 270,83 Total Dias de Efetivo Trabalho/mês 22,57 B.1 - REPOUSO SEMANAL REMUNERADO (RSR) Trata-se de direito previsto no título II, capítulo II, artigo 7º, item XV da CF, e art. 1º da Lei nº605/49, art. 66 a 72 da CLT. Corresponde ao número de horas relativas ao R. S. R.. Página 9 de 16

10 Considerando-se 270,83 o número de dias de efetivo trabalho durante o ano e 52 domingos existentes neste período, pode-se calcular: RSR = (dias repouso remunerado/ano x horas remuneradas/dia) / (dias efetivo trabalho/ano x horas efetivo trabalho/dia) x 100. RSR = [(dr x hr) : (da x hd)] x 100 RSR = [(52 x 7,333)] / [(270,83 x 7,333)] x 100 RSR = [ 381,3160 / 1.985,9964 ] x 100 RSR = 19,20% B.2 - FERIADOS Trata-se de direito previsto no art. 1º da Lei 605/49, e art. 70 da CLT, estabelecendo o pagamento dos dias feriados e santificados. Conforme demonstrativo a seguir detalhado, correspondem a 12,5 dias (considerados em Belo Horizonte). Feriados Oficiais: 1 o de janeiro - Confraternização Universal - Lei 662 de 06/04/49 21 de abril - Tiradentes - Lei de 08/12/50 1 o de maio - Dia do Trabalho - Lei 662 de 06/04/49 7 de Setembro - Independência do Brasil - Lei 662 de 06/04/49 12 de outubro - Nossa Senhora Aparecida - Lei de 30/06/80 15 de Novembro - Proclamação da República - Lei 662 de 06/04/49 25 de dezembro - Natal - Lei 662 de 06/04/49 Municipais: Data Móvel - 3 a. feira de Carnaval - Lei de 16/01/67 Data Móvel - 4 a. feira de Cinzas (até 12:00 horas) - Lei de 16/01/67 Data Móvel - 6 a. feira da Paixão - Lei de 16/01/67 Data Móvel - Corpus Christi - Lei de 08/02/67 15 de agosto - Assunção de Nossa Senhora - Lei de 08/02/67 08 de dezembro - Imaculada Conceição - Lei de 08/02/67 Página 10 de 16

11 Considerando-os em 12,5 dias por ano, tem-se que o número de horas relativas aos feriados por ano correspondem a: FS = (dias feriados ano x horas remuneradas/dia)/ (dias efetivo trabalho/ ano x horas efetivo trabalho/dia) x100. FS = [ (fa x hr) / (da x hd) ] x 100 B.3 - FÉRIAS FS = [ ( 12,5 x 7,333 ) / ( 270,83 x 7,333 ) ] x 100 FS = [ 91,6625 / 1.985,9964 ] x 100 FS = 4,62% Representa o descanso dado ao empregado depois de 12 meses de serviços prestados. 30 dias corridos, quando o empregado não tiver faltado ao serviço mais de 5 vezes; 24 dias corridos, quando tiver de 6 a 14 faltas; 18 dias corridos, quando tiver de 15 a 23 faltas; 12 dias corridos, quando tiver de 24 a 32 faltas. Quando o empregado faltar mais de 32 dias ao trabalho, perderá o direito às ferias. A legislação em vigor faculta ao empregado converter 1/3 do período de férias a que tiver direito, em abono pecuniário, no valor da remuneração que é devida nos dias correspondentes. Trata-se de direito assegurado aos empregados, conforme artigo 129 a 148 da CLT, e 7º, inciso XVII da CF. Para fins de cálculo, considera-se o direito do empregado gozar 30 dias de férias, por não ter faltado mais de 5 (cinco) dias: FE = (dias gozo férias - repouso x horas remuneradas/ dia x abono 1/3)/ (dias efetivo trabalho/ano x horas efetivo trabalho/dia) x 100. FE = [(fe x hr x af) / (da x hd)] x 100 FE = [(25,67 x 7,333 x 1,333)] / [(270,83 x 7,333)] x 100 FE = [ 250,9214 / 1.985,9964 ] x 100 FE = 12,63% B.4 - AUXÍLIO DOENÇA E ACIDENTE DE TRABALHO Trata-se de abono de faltas por doença e acidente do trabalho até 15 dias, conforme estabelece a lei n o 3.607/60. Os 15 primeiros dias de Afastamento por Enfermidade e Acidente do Trabalho serão pagos pelo empregador. Após este período, a responsabilidade do pagamento é da Previdência Social. Página 11 de 16

12 Estatisticamente, a empresa é onerada, em média, 6 (seis) dias de afastamento por ano; assim, tem-se que o custo com o pagamento do auxílio enfermidade corresponde a: AET = (dias licença) / ( dias efetivo trabalho/ano) x 100. AET = (L / da) x 100 AET = (6 / 270,83) x 100 AET = 2,22% Encargo não incidente sobre a hora extra B.5-13º SALÁRIO Como definido na CLT (art. 3º), é devido a todo empregado e aos trabalhadores avulsos, independentemente de sua remuneração. A gratificação de Natal corresponde a 1/12 da remuneração devida em dezembro ao empregado, por mês de serviço, entendido como tal a fração igual ou superior a 15 dias. As faltas legais ou justificadas não influem no 13º salário. O pagamento é feito em duas parcelas, a primeira no período compreendido entre fevereiro e novembro de cada ano, e a segunda até o dia 20 de dezembro. A primeira parcela poderá ser paga por ocasião do recebimento das férias, desde que o empregado tenha feito a solicitação por escrito ao empregador, no mês de janeiro. (Lei nº 4.749/65). Nota: No caso de horas extras habituais, deve-se apurar a média aritmética do número de horas extras prestadas no período, multiplicando-a pelo salário/hora extra ou noturno, conforme o caso, percebido no mês de dezembro. O 13º Salário corresponde ao pagamento de uma gratificação anual, com base de 1(um) salário assegurado ao empregado conforme art. 7º item VIII da CF e lei 4090/62. O custo com o pagamento do 13º salário corresponde a: 13º = (dias remunerados por mês x horas remuneradas/dia)/ (dias efetivo trabalho / ano x horas efetivo trabalho/dia) x º = (d x hr) / (da x hd) x º = (30 x 7,333) / (270,83 x 7,333) x º = 220 / 1.985,9964 x º = 11,08% B.6 - LICENÇA PATERNIDADE Este é mais um encargo criado pela constituição Federal de 88. Foi definida nas Disposições Transitórias da Constituição (art. 10º, parágrafo 1º) como sendo de 5 (cinco) dias. Trata-se de direito assegurado pelo art. 7º inciso XIX da constituição Federal. Seu custo foi calculado com dados estatísticos de uma empresa da construção pesada com empregados e um número médio anual de 300 nascimentos. Página 12 de 16

13 LP = ( no médio nascimento/ano / no empregados x incidência anual) x ( dias licença/ano / dias efetivos trabalho/ano) x 100 LP = ( n / e x a ) x (L / da) x 100 LP = ( 300 / x 1 ) x ( 5 / 270,83 ) x 100 LP = 0, x 0, x 100 LP = 0,12% Encargo não incidente sobre a hora extra GRUPO C Os encargos do GRUPO C correspondem às obrigações trabalhistas que não têm incidência dos demais encargos. Neste grupo, relaciona-se: C.1 - MULTA SOBRE FGTS (RESCISÃO CONTRATO TRABALHO SEM JUSTA CAUSA): Corresponde à multa devida pela empresa ao empregado, no caso de Dispensa Sem Justa Causa. Está prevista no art. 6º da Lei nº 5.107/66, tendo sido alterada de 10% para 40% do saldo do FGTS, conforme art. 10º, inciso I das Disposições Transitórias da Constituição Federal de 88. Corresponde a: MR = (Incidência anual x taxa FGTS x horas remunerada/mês x meses duração obra/ano x multa rescisão contrato/fgts) / (dias efetivo trabalho/ano x horas efetivo trabalho/dia) x 100 MR = [ (a x i x hr x m x mu) / ( da x hd ) ] x 100 MR = [(0,98 x 0,08 x 220,00 x 12 x 0,40)] / [(270,83 x 7,333)] x 100 MR = [ 82,7904 / 1.985,9964 ] x 100 MR = 4,17% C MULTA SOBRE FGTS - adicional (RESCISÃO CONTRATO TRABALHO SEM JUSTA CAUSA): Corresponde ao adicional de 10% (dez por cento) incidente sobre o saldo do FGTS, criado pela Lei Complementar 110/2001. Devido a partir de 28 de setembro de 2001, inclusive. MRA = [(0,98 x 0,08 x 220,00 x 12 x 0,10) / (270,83 x 7,333)] x 100 MRA = [ 20,6976 / 1.985,9964 ] x 100 MRA = 1,04% C.2 - AVISO PRÉVIO INDENIZADO É um direito estabelecido no artigo 7º, inciso XXI da CF. No caso de Dispensa Sem Justa Causa tem-se que considerar os seguintes elementos: Página 13 de 16

14 a hr t = incidência anual = 98% dos empregados são demitidos sem justa causa. = horas remuneradas/mês = 220 = (30 x 7,333) para hora normal = 8% TURN-OVER, rotatividade média mensal da construção pesada, conforme estatística do ano de 95. he = horas efetivas trabalho/mês = 165,51 = (22,57 x 7,333) para hora normal AP = (incidência anual x horas remuneradas/mês x TURN-OVER)/ (horas efetivo trabalho /mês) x 100. AP = [(a x hr x t) / he] x 100 AP = (0,98 x 220 x 0,08) / (165,51) x 100 AP = (174,248 / 165,51) x 100 AP = 10,42% C.3 - ADICIONAL POR AVISO PRÉVIO (1/12 avos sobre férias e 13 o salário) É um direito estabelecido no artigo 487 da C.L.T. AAP = 1 / 12 x (Férias + 13 o Salário) AAP = 1 / 12 x (FE + 13 o ), onde: FE = (Item B.3 Férias); 13 o = (Item B.5 13 o Salário) AAP = 1 / 12 x (FE + 13 o ) AAP = 1 / 12 x (12,63% + 11,08%) AAP = 1,98% C.4 - INDENIZAÇÃO ADICIONAL (ART. 9º LEI 7.238/84) Esta indenização correspondente a 1 (um) salário mensal do empregado e deve ser paga sempre que a empresa efetuar uma Dispensa Sem Justa Causa nos 30 dias que antecedem à data base da Convenção Coletiva de Trabalho, conforme dispõe o artigo 9º da Lei 7.238/84, Instrução Normativa 2 SNT de 12/03/92. Probabilidade de 1 em 12 da dispensa acontecer no período especificado. Corresponde a: IN = (Aviso Prévio) / 12 IN = (AP) / 12 IN = 10,42 / 12 IN = 0,87% Página 14 de 16

15 GRUPO D Os encargos deste grupo correspondem às taxas de reincidência dos encargos sociais básicos. São os seguintes: D.1 - INCIDÊNCIA DO GRUPO A SOBRE O GRUPO B Todos os encargos do Grupo B sofrem incidência do grupo A. O percentual corresponde, portanto, à multiplicação de um pelo outro, como segue: Grupo A X Grupo B. HN 37,00% * 49,87% = 18,45% HE 37,00% * 47,53% = 17,59% HN - insalubre (37,00 + a)% * 49,87% HE - insalubre (37,00 + a)% * 47,53% D.2 REINCIDÊNCIA DO FGTS SOBRE O ADICIONAL DO AVISO PRÉVIO NO 13 o E SOBRE O ADICIONAL DO AVISO PRÉVIO EM 1/3 DAS FÉRIAS Corresponde à reincidência do FGTS (8%) sobre o adicional do aviso prévio no 13º Salário e sobre o adicional do aviso prévio em 1 / 3 das férias, acrescido do percentual estabelecido pelo art. 10 o, inciso I das Disposições Transitórias da Constituição Federal (40%), no caso de Dispensa Sem Justa Causa, ou seja: MF = [ Adic. aviso prévio 13 o salário + (1 / 3 x Adic. aviso prévio férias)] x (FGTS) x (1 + Multa Rescisão Contrato) MF = [ 13 o salário / 12 + (1 / 3 x FE / 12)] x FGTS x (1 + Multa), onde: FE = (Item B.3 Férias); 13 o salário = (Item B.5 13 o Salário); FGTS = 8% Multa = 40% MF = [ 11,08% / 12 + (1 / 3 x 12,63 / 12) x 0,08 x (1 + 0,40)] MF = [( 0,92% + 0,35% ) x 0,08 x 1,40] MF = 0,14% D.2.1 REINCIDÊNCIA DO FGTS SOBRE O ADICIONAL DO AVISO PRÉVIO NO 13 o E SOBRE O ADICIONAL DO AVISO PRÉVIO EM 1/3 DAS FÉRIAS - adicional Corresponde à reincidência do FGTS (8%) sobre o adicional do aviso prévio no 13º Salário e sobre o adicional do aviso prévio em 1 / 3 das férias, acrescido do adicional de 10% (dez por cento) incidente sobre o saldo do FGTS, criado pela Lei Complementar 110/2001. Devido a partir de 28 de setembro de 2001, inclusive. MFA = [ Adic. aviso prévio 13 o salário + (1 / 3 x Adic. aviso prévio férias)] x (FGTS) x (1 + Multa Adicional Rescisão Contrato) MFA = [ 13 o salário / 12 + (1 / 3 x FE / 12)] x FGTS x (1 + Multa), onde: FE = (Item B.3 Férias); 13 o salário = (Item B.5 13 o Salário); FGTS = 8% Multa = 10% MFA = [ 11,08% / 12 + (1 / 3 x 12,63 / 12) x 0,08 x (1 + 0,10)] MFA = [( 0,92% + 0,35% ) x 0,08 x 1,10] MFA = 0,11% Página 15 de 16

16 D.3 - LICENÇA MATERNIDADE Não há custo direto para a empresa pois, quem paga a Licença Maternidade é o INSS. A ampliação da licença de 84 dias (12 semanas) para 120 dias como definida na Constituição Brasileira, apenas impedirá de contar com o trabalho da gestante por mais 36 dias. Porém, considerando que os Encargos Sociais da gestante durante a licença é ônus da empresa, devido a contratação temporária de outra profissional, pode-se escrever como fórmula teórica: LM = {(Encargos Sociais pagos da empregada gestante + Enc. Sociais da substituição temporária) x (número gestantes/ano x meses licença/gestante): {(número empregados x meses duração obra/ano)} x 100 LG = {(Esg + Est) x g x Im)} : {( e x m)} x 100 LG = {(0, ,80) x 6 x 4)} : {( x 12)} x 100 LG = 28,032 : x 100 LG = 0,05% Encargo não incidente sobre a hora extra Página 16 de 16

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011

INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Publicado no DOE em 17 de março de 2011 INSTRUÇÃO Nº 003/ 2011 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual sobre os encargos sociais a serem utilizados na fixação

Leia mais

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais.

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. 1. Introdução 1.1 Trata-se de atualização dos estudos relativos aos percentuais máximos de encargos sociais admissíveis nas contratações de serviços

Leia mais

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Encargos Sociais SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL Encargos Sociais SUMÁRIO - ENCARGOS SOCIAIS 1. Encargos Sociais...03 1.1. Memória de Cálculo dos Percentuais Adotados...04 1.2.

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014

ANEXO - II MEMÓRIA DE CÁLCULO. PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 ANEXO - II PROCESSO Nº 23216.000072/2014-31 APRESENTAÇÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS n 06/2014 A presente Memória de Cálculo demonstram os passos seguidos para a fixação

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A

ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A 1 de 12 ENCARGOS SOCIAIS HORISTA A. GRUPO A A.1 INSS 20,00% A.2 SESI 1,50% A.3 SENAI 1,00% A.4 INCRA 0,20% A.5 SEBRAE 0,60% A.6 Salário-educação 2,50% A.7 Seguro contra acidente de trabalho 3,00% A.8 FGTS

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS CONSTRUÇÃO CIVIL ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Janeiro de 2004 Setor de Economia ENCARGOS SOCIAIS DO CUB Apresentação Além do salário, vários outros custos devem ser calculados ou estimados

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO)

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES Inicialmente é necessário esclarecer que este estudo permite ser moldado às características de cada empresa,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 42/2014 Serviços de Limpez za da Federação: SP Data de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013 Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Planilha de Custo e Formação de Preços (Em conformidade à Portaria nº 7, de 09/03/2011

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário 21/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 54/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Amapá Data de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO

CLÁUSULA 3ª AUXÍLIO-ALIMENTAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si firmam, de um lado, a DME DISTRIBUIÇÃO S/A - DMED, sediada à Rua Pernambuco, 265, centro, Poços de Caldas MG, CNPJ nº 23.664.303.0001/04, doravante denominada apenas

Leia mais

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ESCOVAS E PINCÉIS DE SÃO PAULO e SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE JUNCO E VIME E VASSOURAS E DE ESCOVAS

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos

Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos Encargos sociais nas empresas: demonstrativo de cálculo - procedimentos SUMÁRIO 1. Introdução 2. Cálculo dos Encargos 2.1. Enquadramento de FPAS 2.2. Enquadramento no SAT/RAT 2.3. Outras entidades (Terceiros)

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

Encargos Sociais. Limites Máximos

Encargos Sociais. Limites Máximos Encargos Sociais Limites Máximos Sugeridos 1. Introdução Conforme solicitação do Senhor Diretor da SEAD encaminhamos breve estudo sobre a aplicação de percentuais de encargos sociais máximos aceitáveis.

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011.

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. PORTARIAS PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. Altera o anexo III da Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril 2008, que dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos proponentes em licitações

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO

ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO Matéria Trabalhista SUMÁRIO ENCARGOS SOCIAIS NAS EMPRESAS DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO 1. Introdução 2. Cálculo dos Encargos 2.1. Enquadramento de FPAS 2.2. Enquadramento no SAT/RAT 2.3. Outras entidades (terceiros)

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011

ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 ENCARGOS SOCIAIS DO TRABALHO NOS CUSTOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - MAIO/2011 I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios à empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE O nosso item do edital de hoje será: EMPREGADO DOMÉSTICO Algo que devemos atentar de início é ao fato de não aplicarmos a CLT ao empregado doméstico,

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO DO 13ª SALÁRIO Versão Obrigatória 2.10a Suporte Follha - Winner Página 1 27/10/08 COPYRIGHT As informações contidas neste documento, sobre produtos e/ou serviços são de propriedade

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

FGTS Nome: Vilma Toshie Kutomi 14/08/2013

FGTS Nome: Vilma Toshie Kutomi 14/08/2013 FGTS Nome: Vilma Toshie Kutomi 14/08/2013 (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço)? Foi instituído em 1966 (Lei 5.107) e é atualmente regulado pela Lei nº 8.036/90 e pelo Decreto 99.684/90. Qual o objetivo

Leia mais

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da da Folha de Pagamentos José Pastore Setembro de 2014 Custos do Trabalho Mudança de Cálculo Alterações legais Lei nº 13.043/2014 (MP651/2014)

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Projeto Legalize sua doméstica e pague menos INSS = Informalidade ZERO CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Realização Jornal Diario de Pernambuco

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total ANEXO... PLANILHA DE CUSTOS 2º TURNO Quantidades (veículos/diárias): Tipo da contratação: ( ) Terceirizada ( ) Regime da CLT ( ) Cooperativa (Lei nº 5.764/71) ( ) Regime Tributário: ( ) Lucro Real ( )

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Estudo técnico dos encargos sociais.

Estudo técnico dos encargos sociais. Estudo técnico dos encargos sociais. Apresentamos como sugestão, para a discussão o presente estudo técnico que sendo aprovado por esta Secretaria, certamente indicará os percentuais quando aplicados sobre

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000009/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000380/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.000250/2013-67 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001186/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054961/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.013060/2015-81 DATA DO

Leia mais