CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Rafael Reckziegel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Rafael Reckziegel"

Transcrição

1 CURSO D NGNHARIA CIVIL Rfel Reckiegel AVALIAÇÃO D CORTINAS S CO ANCORAG D TIRANTS: STUDO PARA CONTNÇÃO D UA SCAVAÇÃO NO UNICÍPIO D LAJADO-RS Snt Cru o Sul 0

2 II Rfel Reckiegel AVALIAÇÃO D CORTINAS S CO ANCORAG D TIRANTS: STUDO PARA CONTNÇÃO D UA SCAVAÇÃO NO UNICÍPIO D LAJADO-RS Trblho e conclusão resento o Curso e ngenhri Civil Universie e Snt Cru o Sul (RS), r obtenção o título e Bchrel em ngenhri Civil. Orientor: Dr. João Rorigo Guerreiro ttos Snt Cru o Sul 0

3

4 IV AGRADCINTOS Gostri e grecer tos s essos ue me jurm neste longo cminho e grução e ue semre estrão n minh memori. Aos meus is, Ver Inês e ilton José Reckiegel, elo eterno crinho e comreensão com ue tiverm em to minh vi. Pelos ensinmentos e eucção ue me tornrm n esso ue hoje eu sou. A minh irmã, Brun Reckiegel, ul semre ue contr em uluer situção. Aos meus migos, ue comrtilhrm comigo muitos os momentos e tensão e nsiee com forc e legri o longo e to trjetóri cêmic. Aos colegs e trblho, ue irimente contribuem r o meu crescimento rofissionl e essol. Ao meu orientor, rofessor João Rorigo elos ensinmentos, el ciênci e eicção com ue me uxiliou n conclusão este trblho. s emis essos ue contribuírm iret ou iniretmente r tingir este objetivo.

5 V LISTA D FIGURAS Figur - Ilustrção o ensio SPT... 5 Figur - muxo tivo, no reouso e ssivo... 0 Figur - Plnos e escorregmento entro e um mss e solo... Figur - Vrição os emuxos e terr tivo e ssivo, ressão hirostátic e sobrecrg uniforme... Figur 5 uros... Figur - Cortin tirnt x cortin em blnço... Figur 7 - Detlhe e escvção seno execut e imlntção o inel rémolo... 7 Figur - Detlhe e sistem e erfil metálico e lc ré-mol... Figur - suem tíico e tirnte... Figur 0 - Aresentção e resultos F... Figur - Loclição e corte esuemático o terreno... Figur - geológico o esto o RS... Figur - nsio SPT... 5 Figur - Digrm e emuxos... Figur 5 - oelos estuos referentes o comrimento e fich... 7 Figur - oelos estuos referentes os eslocmentos horiontis... Figur 7 - Lnçmento estrutur - esforços... Figur - Deformções cortin sem tirntes... 0 Figur Deformções cortin com tirntes... Figur 0 - Ftor e segurnç x Profunie o N.A Figur - Cortin sem tirntes e sem resenç 'águ... 7 Figur Cortin com tirntes sem resenç águ... 7 Figur - sessur contenção x eslocmento horiontl sem N.A.... Figur Deslocmento horiontl x esessur cortin sem N.A. (escl logrítmic)... Figur 5 - Cortin sem tirntes e lençol freático n suerfície... Figur - Cortin com tirntes e lençol freático intermeiário... 0 Figur 7 - Cortin sem tirntes e lençol freático n suerfície...

6 VI Figur - Cortin com tirntes e lençol freático n suerfície... Figur - sessur contenção x eslocmento horiontl com N.A. n suerfície... Figur 0 - Deslocmento horiontl x esessur cortin com N.A n suerfície... (escl logrítmic)... Figur - nsio SPT F0... Figur - nsio SPT F Figur - muxos tuntes cortin sem tirntes... 5 Figur - muxos tuntes - cortin com tirntes Figur 5 - muxos tuntes - vrição nível gu... 5

7 VII LISTA D TABLAS Tbel - Clssificção e solos... 7 Tbel - Peso esecífico e solos rgilosos... 7 Tbel - Peso esecífico e solos renosos... 7 Tbel - Coesão e rgils... Tbel 5 - Prâmetros geotécnicos: Gibbs & Holt... Tbel - Prâmetros geotécnicos: Skemton... Tbel 7 - Comrimento s fichs...

8 VIII LISTA D QUAÇÕS ução... ução... ução... ução... ução 5... ução... ução 7... ução... ução... ução 0... ução... 0 ução... 0

9 IX LISTA D ABRVIATURAS ABNT Associção Brsileir e Norms Técnics c coesão solo. cm - centímetro móulo e Young ou móulo e eformbilie o solo - emuxo tivo o - emuxo no reouso - emuxo ssivo f comrimento fich. FS - ftor e segurnç globl H - ltur e contenção - coeficiente e emuxo tivo o - coeficiente e emuxo em reouso - coeficiente e emuxo ssivo m - metro F - étoo e elementos finitos mm - milímetro N - Número e goles no ensio SPT Ʃ - somtório os momentos tivos Ʃ - somtório os momentos ssivos SPT - Stnrt enetrtion test rofunie no mciço e solo. 'φ - ângulo e trito efetivo o solo. - eso esecífico o solo. σ v ' - tensão efetiv verticl. σh ' - tensão horiontl efetiv. σ ' - tensão norml efetiv. σ - tensão norml.

10 X SUÁRIO. INTRODUÇÃO..... Justifictiv..... Objetivos..... Limitção o tem..... Orgnição o trblho.... RVISÃO BIBLIOGRÁFICA..... Stnr enetrtion test - SPT..... Crcterição e râmetros geotécnicos rtir o ensio SPT sforços solicitntes Teori e Rnkine uções..... struturs e contenção Cortins stcs rnch Prees ifrgm Perfil rncho Tirntes..... Determinção o comrimento e fich étoo numérico: elementos finitos.... TODOLOGIA..... Loclição e crcterístics áre em estuo..... Crcterição o solo e efinição e râmetros..... Determinção o comrimento fich..... Ftores e segurnç Deslocmentos horiontis.... APRSNTAÇÃO ANÁLIS DOS RSULTADOS..... Determinção o comrimento fich..... Ftores e segurnç..... Deformções...

11 XI... Cortin sem resenç e lençol freático Cortin com lençol freático intermeiário Cortin com lençol freático n suerfície CONCLUSÕS Prâmetros geotécnicos Comrimento fich Ftores e segurnç Deformções RFRÊNCIAS... 7 ANXO A... ANXO B APNDIC A... 5 APNDIC B APNDIC C... 5 APNDIC D...

12 . INTRODUÇÃO Atulmente, o esço urbno está ltmente isuto e ossui lto vlor e investimento visto su grne imortânci econômic. Com isso, surge necessie e roveitmento mior áre ossível o terreno, inclusive construções bixo o nível nturl o terreno. Dess form, engenhri geotécnic esenvolveu soluções construtivs r tener esse ensmento. As estruturs e contenções e solos ermitirm, or exemlo, crição e subsolos freuentemente utilios como estcionmentos e eifícios, contenção e cortes e terros, murros e rrimo, execução e construções em limites e iviss e um série e outrs licções. sts obrs estão resentes em váris áres engenhri civil como snemento, estrs, ontes, metros, estbilição e encosts, entre outrs. Devi est imortânci e or não hver muitos trblhos ness áre, ue o utor conteml ns róxims ágins reseito esse ssunto... Justifictiv O crescimento centuo construção civil lio o umento no orte s eificções e os terrenos com relevos centuos n região o Vle o Turi obrigrm s construtors buscrem soluções geotécnics r lcnçr seus objetivos econômicos. Nesse contexto surge necessie contenção e solos. O utor observ ue, n região cit, existe certo escso com esses tios e estruturs. Normlmente, estuos os solos, rojetos e imensionmentos estruturis são isensos, utilino-se no lugr métoos tricionis bseos ns exeriêncis e rofissionis. ste trblho não tem como fim julgr esses tios e execuções e sim, crcterir o uão imortnte é o correto imensionmento trvés e softwres e rofissionis ulificos. Atrvés e resultos obtios o longo o trblho, o mesmo tem como fim resentr o imensionmento, esforços e eslocmentos o ul ests cortins ossm vir estr submetis.

13 .. Objetivos O resente trblho tem or objetivo gerl estur o comortmento e um estrutur e contenção o tio cortin r um escvção em um terreno no municíio e Ljeo-RS. Pr tingir esse objetivo gerl, foi necessário tingir os objetivos esecíficos seguir: Crcterição o erfil o terreno e obtenção os râmetros geotécnicos os solos rtir e ensios e songens Stnr enetrtion test (SPT); Dimensionmento o comrimento e fich cortin com e sem resenç e tirntes, bseno-se ns teoris e euilíbrio limite; Avlição influênci oro-ressão no ftor e segurnç (FS) cortin, simulno elevções o lençol freático ós su construção; e Avlição o eslocmento estrutur e contenção emregno o métoo os elementos finitos, vrino esessur estrutur... Limitção o tem ste trblho limit-se o estuo e cálculo e cortins levno em consierção os râmetros geotécnicos obtios rtir o ensio SPT e não rtir e ensios e lbortório; utilição teori e Rnkine r cálculo os emuxos; r elevção o nível o lençol freático, serão estuos três situções e unto o comrimento fich cortin, serão estus us situções, ocorrênci ou não sobrecrg vriável extern... Orgnição o trblho Além este citulo introutório, est issertção ivie-se em mis utro, escritos bixo: No citulo é reli um revisão bibliográfic ue embs o trblho, borno sobre execução o ensio SPT e eterminção os râmetros geotécnicos rtir o mesmo. Relt tmbém s teoris clássics e tensões horiontis em um mss e solo e os cálculos os emuxos. Por fim, trt reseito e tios e contenções e sectos básicos sobre tirntes. No cítulo trt metoologi ot no resente trblho. Aresent-se o locl e s crcterístics o cso, o ensio SPT oto r o resente trblho

14 e form como se roceeu r obtenção os resultos. Tmbém ilustr reseito o rogrm numérico ffel, crcterino o softwre e resentno os os e entr. O cítulo resent os resultos roostos elo trblho: râmetros geotécnicos, comrimentos e fichs, ftores e segurnçs e os resultos obtios ns simulções numérics, com s evis nlises e iscussões. Por fim, o citulo 5 resent s conclusões obtis no resente trblho.

15 . RVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste cítulo resent-se um breve revisão sobre sectos imortntes r o nmento o trblho. Dess form, reliou-se um exlicção sobre execução o ensio e SPT (Stnr Penetrtion Test) e su interretção r eterminr os râmetros geotécnicos. Ain trt os esforços horiontis oriunos os solos, ou sej, os emuxos tivos e ssivos ue gem n estrutur e os tios e estruturs e contenção ossíveis no enfoue rincil às cortins... Stnr enetrtion test - SPT A rogrmção e songens eve stisfer exigêncis mínims ue grntm o reconhecimento s conições o subsolo. A Norm Brsileir NBR 0/ regulment tis exigêncis, resentno recomenções unto o número, loclição e rofunie e songens e simles reconhecimento. Seguno est norm, s songens evem ser, no mínimo, e um r c 00 m² e áre e rojeção o eifício em lnt, té 00 m². ntre 00 m² e 00 m² eve-se fer um songem r c 00 m² ue exceerem 00 m². Acim e 00 m² o número e songem eve ser fixo e coro com construção. O número mínimo eve reseitr: () us songens r áre e rojeção em lnt o eifício té 00 m², e (b) três r áre entre 00 m² e 00 m². m csos e estuos e vibilie ou e escolh o locl, o número e songens eve ser fixo e form ue istânci máxim entre els sej e 00 m, com um mínimo e três songens. ntrno no mérito os ensios e songem, Hchich et l () cit ue o Stnr Penetrtion Test (SPT) é, e longe, o ensio mis executo n miori os íses o muno e tmbém no Brsil. Isto eve-se su rticie e seu bixo custo, resentno resultos stisftórios. Não exige necessie e lbortório r nlise os resultos. A Norm Brsileir NBR /00 rescreve o métoo e execução e songens e simles reconhecimento e solos, com SPT, cujs finlies, r licções em engenhri civil, são: A eterminção os tios e solos em sus resectivs rofunies e ocorrênci;

16 5 A osição o nível águ e Os ínices e resistênci à enetrção (N) c metro. O ensio SPT, escrito or Schni (000), constitui em um mei e resistênci inâmic conjug um songem e simles reconhecimento. A erfurção é reli or trgem e circulção e águ utilino-se um tréno e lvgem como ferrment e escvção. Amostrs reresenttivs o solo são colets c metro e rofunie or meio e mostror-rão, e iâmetro externo e 50 mm. O roceimento e ensio consiste n crvção este mostror no funo e um escvção (revesti ou não), usno um eso e 5,0 kg, cino e um ltur e 750 mm. O vlor e N é o número e goles necessário r fer o mostror enetrr 00 mm, ós um crvção inicil e 50 mm. Figur - Ilustrção o ensio SPT Fonte: Schni (000).. Crcterição e râmetros geotécnicos rtir o ensio SPT O ensio SPT tem sio uso r inúmers licções, ese mostrgem r ientificção os iferentes horiontes, revisão tensão missível e

17 funções irets em solos grnulres, té correlções com outrs roriees geotécnics (SCHNAID, 000). A rimeir licção tribuí o SPT consiste n simles eterminção o erfil e subsolo e ientificção táctil-visul s iferentes cms rtir o mteril recolhio no mostror-rão. Usulmente, literturs como e Schni (000), recomenm correção o vlor meio e número e goles (Nst) consierno o efeito energi e crvção e o nível e tensões. A eficiênci o sistem e mostrgem SPT é função s ers or trito e róri inâmic e trnsmissão o conjunto. Atulmente, rátic interncionl sugere normlir o número e goles com bse no rão mericno e N0. A seguir, é ilustr eução: N 0 ( nergilic. ) NSPT (Schni, 000) () 0,0 Seguno Norm Brsileir, com cionmento mnul o mrtelo, fornece-se um mei e energi e % e energi teóric e ue livre. A clssificção o mteril é normlmente obti combinno escrição o testemunho e songem com s meis e resistênci à enetrção. O sistem e clssificção resento n tbel, mlmente utilio no Brsil e recomeno el NBR /00 (nexo A), é bseo, em meis e resistênci à enetrção sem uluer correção unto à energi e crvção e nível e tensões. O SPT oe tmbém ser utilio n rátic e engenhri r obtenção e râmetros serem otos n nálise e roblems geotécnicos. Váris são s correlções existentes, ms é imortnte lembrr-se semre s limitções su utilição. A seguir, são resents s tbels utilis r relição e réclssificção o solo, ou sej, vlores sugerios el litertur rtir os vlores obtios nos ensios e songem SPT s:

18 7 Solo Tbel - Clssificção e solos Ínice e resistênci à enetrção (N) Designção Areis e siltes renosos Argils e siltes rgilosos Fof (o) 5 Pouco comct (o) einmente comct (o) 0 Comct (o) > 0 uito comct (o) uito mole 5 ole 0 éi (o) Rij (o) > Dur (o) Fonte: NBR /00 Anexo A Tbel - Peso esecífico e solos rgilosos N (goles) Consistênci Peso esecífico (kn/m³) uito ole 5 ole 5 0 éi 7 Rij > Dur Fonte: Gooy, 7 u Citr et l (00) Tbel - Peso esecífico e solos renosos N (goles) Consistênci Peso esecífico (kn/m³) Sec Úmi Stur 5 Fof 5 Pouc comct einmente comct Comct 0 > 0 uito comct 0 Fonte: Gooy, 7 u Citr et l (00)

19 Tbel - Coesão e rgils N (goles) Consistênci Coesão (kp) < uito ole <0 ole 0 5 éi Rij uito rij >0 Dur >00 Fonte: Alonso () Conforme relt Schni (000), o número e goles o ensio SPT fornece um mei e resistênci e é rtic comum estbelecer correlções entre N e ensie reltiv Dr ou ângulo e trito efetivo o solo ɸ. ntre els, s mis usuis e utilis são: D r N 0, ' 0 σ v (Gibbs e Holt, 57 u Schni, 000) () D r N 0, ' 0 7 σ v (Skemton, u Schni, 000) () One: D r σ ' v0 ensie reltiv tensão efetiv e reouso, em kp; N número e goles obtio no ensio SPT (, D ) tn φ ' 0, 7 (e ello, 7 u Schni,000) () One: D r r ensie reltiv tnφ' ângulo e trito efetivo o solo

20 .. sforços solicitntes As obrs geotécnics são, freuentemente, submetis um vriee e solicitções. O engenheiro eve sber ou ntecir o tio e mgnitue s solicitções ue obr geotécnic eve suortr. C tio e solicitção, ou certs combinções els, oe fer com o ue o sistem reson e mneir iferente. A norm ABNT NBR :00 clssific s ções em rovenientes suerestrutur, ecorrentes o terreno, oriun águ suerficil e subterrâne e ções excecionis. stá ultim consier s solicitções ue ocorrem em obrs ns roximies (escvções, terros, túneis), tráfego e veículos esos e euimentos utilios n construção, exlosão, colisão e veículos, entre outrs. sts solicitções, lics em um obr geotécnic, são trnsferis n form e tensões r o solo. Conforme Buhu (0), o cálculo istribuição e tensões no interior o solo oriuns e crgs e suerfície reuer suosições ue simlificm grosseirmente o comortmento o solo. A ção e um mciço e terr sobre s obrs com ele em contto é chmo e emuxo e terr (CAPUTO, 7). A eterminção o seu vlor é e funmentl imortânci n nálise e rojeto e obrs volts contenção e solos. Normlmente ele é clculo or um fix e lrgur unitári estrutur, não se consierno s forçs ue tum sobre s suerfícies lteris ess fix. A mgnitue o emuxo eene rofunie o onto o solo ul esej relir o estuo, configurção geométric, s roriees o solo (ângulo e trito interno, coesão, eso esecífico), o fluxo e osição o nível águ, eformção sofri el estrutur, inclinção o terrleno, entre outrs. De coro com Cvlcnte (00), n nture, um mciço e terr oe se encontrr em três situções e euilíbrio: em reouso, em esto ssivo ou em esto tivo. Assim têm-se: muxo tivo (): ressão exerci elo mciço e terr sobre estrutur e contenção uno existe tenênci e o solo eformr estrutur ul cee com euenos eslocmentos. Devio esse ftor, o mciço tene exnir-se. muxo ssivo (): ressão exerci el estrutur sobre o mciço e terr uno existe tenênci e ue estrutur comrim o solo. Nesse cso, há um eslocmento no sentio contrário o o emuxo tivo.

21 0 muxo no reouso (o): ressão exerci uno o mciço e terr não sofre exnsão nem comressão (eslocmento nulo). Figur - muxo tivo, no reouso e ssivo Fonte: Cuto (7) Um estrutur e contenção oe sofrer simultnemente emuxo tivo e ssivo. O emuxo tivo o mciço e solo ue está seno contio é euilibro em rte elo emuxo ssivo, uxilino o eslocmento o muro. Ain trtno e esforços solicitntes, seguno Crig (007), resistênci ssiv eve ser clcul mitino-se ue não há sobrecrg e suerfície e ressão tiv eve ser clcul mitino ue exist um sobrecrg e suerfície e, no mínimo, 0 kn/m².... Teori e Rnkine Usulmente n mecânic os solos, n eterminção os vlores e emuxos, são utilis us teoris: um roost or Coulomb (77) e outr resent or Rnkine (57). No resente trblho será utili ens teori e Rnkine. Conforme é relto or Buhu (0), o moelo é bseo ns seguintes consierções: O muro e contenção é verticl. Não há trito n interfce muro e solo.

22 A suerfície o solo é horiontl e não há tensão cislhnte nos limites horiontl e verticl. O muro é rígio e se estene em um rofunie e mss e solo seco, homogêneo e isotróico. Cuto (7) firm ue, or esconsierr o trito solo-muro, teori e Rnkine tene oferecer resultos mis elevos e emuxo tivo, iferentes e outros moelos mis elboros, mostrno-se conservtivo. O utor in resslt ue, or ser e fácil e rái licção, crescentno-se o fto e ue ificilmente oe-se contr com vlores recisos r o trito entre o solo e o muro, esse é um moelo muito utilio n rátic. Rnkine, o esenvolver su teori, bseou-se n hiótese e ue um ligeir eformção o solo é suficiente r gerr um esto limite lástico em too o mciço. Se com isso for suer resistênci o cislhmento o solo, o mciço oe movimentr-se, gerno esto tivo (no cso exnsão o solo) ou esto ssivo (no cso e retrção) (DOINGUS, 7). Originlmente, o esenvolvimento teori ignor coesão (c) o solo r o levntmento o emuxo (CRAIG, 0). Contuo, sbe-se ue solos coesivos (ex.: rgils) comortm-se iferentemente e solos não coesivos (ex.: reis). Logo, teori recebe um esenvolvimento mis generlio em ue é consierno tmbém o vlor e coesão o solo.... uções Consierno ue um estrutur e contenção estej totlmente enterr, ou sej, ue s us fces estejm em contto com mesm untie e solo. l ermnece rígi e sem movimento, então s tensões efetivs verticis e horiontis corresonem o emuxo em reouso. Suono um rotção sobre rte inferior o muro conforme figur. A rotção necessári, e conseuentemente s eformções lteris, r rouir lnos e escorregmentos n fce frontl o muro é muito mior ue necessári r fce osterior ree. Isso ocorre, ois mss o solo n fce osterior o muro está contribuino r rutur o mesmo, enunto mss e solo n fce frontl o muro está resistino à rutur.

23 Figur - Plnos e escorregmento entro e um mss e solo Fonte: Buhu (0) Neste cso, tensão verticl não será lter em uluer elemento, ms tensão efetiv horiontl no elemento B (figur b) será reui, enunto r o elemento A (figur ) será ument. Atrvés os lnos e escorregmento e s tensões efetivs horiontis e verticis, etermin-se os coeficientes e emuxo: senφ ' φ' tn² 5º senφ ' senφ ' φ' tn² 5º senφ ' (5) () One: coeficiente e emuxo tivo coeficiente e emuxo ssivo Ø ângulo e trito interno o solo Com eterminção os coeficientes e emuxo, é ossível obter s tensões horiontis no esto tivo e Rnkine e o s tensões horiontis e no esto ssivo:

24 σ ' σ ' σ ' ' σ ' ' (7) () One: σ tensão no esto tivo ' σ tensão no esto ssivo ' ' σ tensão efetiv verticl ' eso esecífico o solo rofunie Seguno Buhu (0), os coeficientes e emuxo tivo e ssivo são licos somente em tensões efetivs. Pr solos cim o lençol freático: ' st () nunto r solos bixo o lençol freático, uno oro-ressão está seno consier no emuxo o solo: ' ( ) st w (0) Figur - Vrição os emuxos e terr tivo e ssivo, ressão hirostátic e sobrecrg uniforme Fonte: Buhu (0)

25 O vlor o emuxo é áre o igrm e emuxo, ou sej, envolve no seu cálculo tensão horiontl e ltur cm e solo, como oe ser observo n figur. A forç resultnte é locli no centroie o igrm e istribuição e emuxo e terr. N mesm figur, oro-ressão e sobrecrg vriável () estão seno consiers sers o emuxo oriuno o solo. m ocsiões ns uis orção e solo estiver submeti um sobrecrg uluer, ess crg é trnsmiti totlmente o longo o solo. Porém, su trnsmissão horiontl o esforço sofre influênci o solo em ue está se rogno, ou sej, eve ser multilic elo coeficiente e emuxo. Diferentemente oro-ressão, ue trnsmite seus esforços uniformemente em tos s ireções... struturs e contenção Como efine Hchich et l. (), contenção é too elemento ou estrutur estino contror-se emuxos ou tensões gers em mciço cuj conição e euilíbrio foi lter or lgum tio e escvção, corte ou terro. São utilis uno se esej mnter um iferenç e nível n suerfície o terreno e o esço não é suficiente r vencer o esnível trvés e tlues. Dentre os rinciis tios, oemos citr os muros, escormentos, cortins e reforços e solo. Figur 5 uros Fonte: Ato e Hchich et l () Hchich et l () relt ue muros são estruturs corris e contenção constituís e ree verticl ou use verticl, oi em um função rs ou

26 5 rofun. Poem ser construís em lvenris (tijolos ou ers) ou em concreto (simles ou rmo), ou in, e elementos eseciis. Bsicmente, os muros são estruturs em ue o eso rório é resonsável el su estbilie, or isso normlmente são enominos muros e grvie. Contuo, tulmente são utilis técnics r umentr su estbilie como: crição e contrforte, umento n bse fce em ue o mciço será contio, crição e entes r umento e resistênci o eslimento, entre outrs. Os escormentos são estruturs rovisóris executs r ossibilitr construção e outrs obrs. São utilios mis comumente r ermitir execução e obrs enterrs ou o ssentmento e tubulções embutis no terreno. O rocesso e reforço e solo consiste em se introuir no mciço, elementos ue ossum elev resistênci à trção (fits metálics, mnts geotêxtis, mlhs e ço) ou comressão (cl e cimento). As cortins são contenções ncors ou ois em outrs estruturs, crcteris els euens eformbilies. Aborremos no róximo item os rinciis tios e técnics emregs em cortins, visto ue o resente trblho vis nlisr esse tio e estrutur.... Cortins Dois tios e cortins são freuentemente executs no cmo geotecni. Um é cortin em blnço (sem ncorgem) ue, seguno Buhu (0), usulmente é utili r conter solos um ltur inferior m. O outro é um cortin tirnt ou escor e normlmente utili, e coro com o mesmo utor, r suortr escvções rofuns e como estruturs e contenção e orl mrítim. Cortins em blnço eenem resistênci ssiv o solo r su estbilie, enunto ue s tirnts eenem e um combinção e tirntes e resistênci ssiv o solo r su estbilie. O comrimento estc ue fic totlmente enterro (ns us fces) recebe o nome e fich. A figur emonstr esse etlhe e resent os ois tios citos nteriormente.

27 Figur - Cortin tirnt x cortin em blnço Fonte: Ato e Joert Jr. (007)... stcs rnch Cortins e estc rnch são flexíveis e são construís usno lcs e ço ou e concreto e euen esessur ou meir. São crvos iniviulmente um o lo o outro, com engstes lteris ue ermitem su conexão r construir cortin. Como vntgem, resslt-se velocie n execução, custo cometitivo e licção vri, ese terminis ortuários ssgens e nível rooviário. Usulmente utili-se como estrutur temorári ois ermite reutilição, ou sej, os erfis metálicos oem ser retiros e osicionos em outrs obrs.... Prees ifrgm As rees ifrgm são rees contínus e concreto rmo. São concrets em inéis ntes o início escvção, constituino um estrutur bstnte rígi. São utilis uno s escvções evem ser relis ns roximies e construções ue não oem sofrer reclues iferenciis excessivos. l não necessit rebixmento o lençol freático e elimin o fluxo e águ r entro escvção, oeno constituir s rees estrutur efinitiv.

28 7 Os inéis e concreto resentm form retngulr e vrim e comrimento e um seis metros e coro com rojeto. ste tio e contenção resent um form iferenci e execução, ois o locl escvo r construção ois inéis é reenchio or um lm bentonític enunto o concreto não for vertio. Tl lm tem função e euilibrr ressão exerci elo solo e el águ nuele momento, e form evitr o esmoronmento o locl escvo. Figur 7 - Detlhe e escvção seno execut e imlntção o inel ré-molo Fonte: Joert Jr (007) Termin escvção, coloc-se n extremie lterl um tubo e ço ue ermite, urnte concretgem, crição e um engte entre o inel em execução e o seguinte ser executo. m segui, coloc-se rmção e lic-se um concreto bstnte lástico com o uxilio e tubos, reencheno o burco e bixo r cim, exulsno lm. st é recolhi r osterior reroveitmento. Normlmente, s rees-ifrgm são lics como contenções e rees e subsolo enterrs, roteção e costs mrítim e contenções em cortes rooviários.

29 ... Perfil rncho Joert Jr. (007) coment ue este tio e contenção é obtio el crvção e erfis metálicos estruturis (lminos ou solos) junto às iviss o terreno ser escvo. A crvção é feit trvés e bte-estc. sses erfis metálicos ficm esços entre si seno ue o esçmento é efinio or rojeto. Os vãos são reenchios com rnchões e meir ou estruturs ré-mols, servino como form r confecção ree ou té mesmo, ree efinitiv conforme figur 0. Os erfis tem função e receber os esforços s lcs e trnsmitir o solo. Atulmente vem se utilino bstnte s estruturs ré-mols visto ue servem como form r concretgem cortin. São e fácil mnuseio, o rocesso é inustrilio o ue grnte ulie e confibilie mior, rie n montgem, menor número e mão e obr envolvi. Figur - Detlhe e sistem e erfil metálico e lc ré-mol Fonte: Joert Jr (007).5. Tirntes O tirnte é um elemento liner c e trnsmitir esforços e trção entre sus extremies: extremie ue fic for o terreno é cbeç e extremie ue fic enterr é conheci or trecho ncoro, e esign or comrimento ou bulbo e ncorgem. O trecho ue lig cbeç o bulbo é conhecio or trecho livre ou comrimento livre. (HACHICH et l, )

30 Figur - suem tíico e tirnte Fonte: Hchich et l () A grne miori os tirntes é constituí or um ou mis elementos e ço, usulmente brrs, fios ou corolhs. O emrego esse elemento se eve o grne vlor e resistênci à trção ue ele ossui. A função básic o tirnte é trnsmitir um esforço externo e trção r o terreno trvés o bulbo. O bulbo não eve se romer or rrncmento e nem eformr em emsi em função e crgs e long urção nem or efeito e fluênci, com um mrgem e segurnç eu. A ABNT NBR 5-00 estiul um vlor mínimo e ftor e segurnç e,5 r o imensionmento e tirntes em tos s sus conições, embor Cuto (7) recomene utilir o vlor e no mínimo. Dentre s rinciis vntgens utilição e tirntes, oem ser cits: Obtém reção entro o rório mciço; Poe ultrssr uluer obstáculo urnte erfurção; Poem ser instlos e rotenios n estrutur e contenção, à mei ue escvção vi seno execut; Poe ultrssr uluer obstáculo urnte erfurção.

31 0.. Determinção o comrimento e fich O objeto e estuo o resente trblho são cortins e su rofunie é etermin el ltur e escvção mis o comrimento enterro, seno este enomino como fich. st e no cso e hver resenç e tirntes, são os rinciis resonsáveis or grntir estbilie estrutur. Pr eterminção fich sem ncorgem or tirntes, o somtório s forçs e emuxos é relio no onto e rotção estrutur e eve ser nulo. O mesmo encontr-se n bse contenção, ou sej, no onto mis rofuno cortin. No cso s contenções com resenç e tirntes, o somtório e momentos será em relção o onto e ncorgem o tirnte, ou sej, o onto e inserção o mesmo n cortin-solo. Normlmente, ele ocorre,50 metros suerfície, oeno hver mis tirntes. o 0 FS FS 0 () Cuto (7) coment ue usulmente é utilio um ftor e segurnç igul, consierno-se ssim ens um rcel o emuxo ssivo, ois ue, r su comlet mobilição, seri necessári um grne eformção. Crig (0), em su obr, slient ue não evem ser licos coeficientes às ressões neutrs em um nlise e tensões efetivs. O resulto esse somtório e momentos será um função olinomil e º gru. A mesm é resolvi elo rocesso e interções té obter-se o comrimento e fich. Além utilição e um ftor e segurnç no emuxo ssivo, lgums literturs reveem um créscimo e 0% no comrimento fich, or segurnç. f, () f res

32 .7. étoo numérico: elementos finitos Os métoos numéricos são e grne vlor em engenhri e funções, já ue s obrs geotécnics estão se tornno c ve mis comlexs, lém ccie e nlise e euilíbrio limite e e nlise limite. Deve-se comreener formulção básic, interretção e resultos e os erigos e s limitções e uso estes rogrms. (BUDHU,0) Atulmente, há três métoos numéricos mis utilios n nlise e obrs geotécnics. O métoo s iferençs finits (DF), métoo os elementos finitos (F) e o métoo e elementos e contorno (C). Pr o resente trblho será boro o F, técnic mis utili elos rofissionis áre. Conforme Aeveo (00), o F tem como objetivo eterminção o esto e tensão e eformção e um sólio e geometri rbitrári sujeito ções exteriores. A iei centrl o métoo é iscretir o omínio, reresentno-o, in ue e form roxim, or um reunião e um número finito e elementos. No cso e um omínio lno, os elementos oem ser triângulos ou uriláteros. A formulção o F reuer existênci e um eução integrl, e moo ue sej ossível substituir integrl sobre um omínio comlexo or um somtório e integris estenios subomínios e geometri simles. Se for ossível clculr tos s integris estenis os subomínios, bst efetur o somtório corresonente o seguno membro r obter integrl esteni too o omínio. C subomínio corresone um elemento finito e geometri simles, or exemlo, um triângulo. N resolução e um roblem elo métoo os elementos finitos são envolvis lgums ets, conforme coments seguir: Discretição o meio contínuo: nesse rocesso, o meio contínuo (coro físico, estrutur ou sólio ser nliso) é subiviio meinte linhs e suerfícies imgináris em um número finito e elementos. Suõe-se ue os elementos estão conectos or um número iscreto e ontos, chmos nós. Seleção o moelo e eslocmentos: é efinio o cmo e eslocmentos entro e c elemento, em função os eslocmentos nois em c elemento. Cálculo mtri e rigie: mtri e rigie é comost elos coeficientes s euções e euilíbrio, erivos rtir geometri,

33 roriees ou leis constitutivs ots em c elemento. As forçs istribuís tuntes no meio são convertis em forçs nois euivlentes, obteno-se ssim, um relção e euilíbrio entre mtri e rigie, o vetor e eslocmentos nois, e o vetor e forçs nois. As mtries e rigie e c elemento são ssocis, formno ssim um sistem globl. Cálculo s incógnits o roblem: no cso e roblems lineres, os eslocmentos são clculos e form iret, usno técnics lgébrics como métoo e Guss. Pr o cso e roblems não lineres, s soluções são obtis or um seuênci e ets, one em c et ocorre moificção mtri e rigie e/ou vetor e forçs. A rtir o cmo e eslocmentos nois obtémse, e mneir únic, o esto e eformção em c elemento. sts eformções juntmente com s eformções iniciis e s leis constitutivs e c mteril efinirão o esto e tensão no elemento e no seu contorno. N figur 0 são resentos resultos extríos o trblho e Aeveo (00) referente um console curto. Os vlores oem ser ilustros or cores e elos seus eslocmentos, fcilitno o entenimento o comortmento ue estrutur resentrá. Figur 0 - Aresentção e resultos F Fonte: Ato Aeveo (00)

34 . TODOLOGIA.. Loclição e crcterístics áre em estuo O cso ser estuo foi ielio com bse em um terreno no birro oinhos Águ cie e Ljeo, Rio Grne o sul. Neste locl retene-se executr contenção e um s fces o terreno r se fer-se ossível utilição como cesso e veículos r os subsolos o eifício. Figur - Loclição e corte esuemático o terreno Fonte: Autor Qunto su formção geológic, o m geológic o esto o Rio Grne o Sul ilustr, conforme figur, ue Ljeo ertence formção Serr Gerl Fácies Grmo. stá é form, seguno mesm fonte, or errmes bsálticos grnulres finos méio.

35 Figur - geológico o esto o RS Fonte: Ato e m geológico o Rio Grne o Sul (00).. Crcterição o solo e efinição e râmetros Como relto nteriormente neste trblho, otou-se el relição e ensio SPT r crcterição o solo. Dos três furos relios no locl, selecionou-se o ensio ue resentou os vlores mis ltos e números e goles, resultno em râmetros geotécnicos miores, conseuentemente, esforços miores n contenção. N figur é resento o ensio SPT utilio r relição os estuos. De coro com os resultos obtios nesse ensio, iviiu-se em o solo em três cms té o limite e enetrção. ste ocorreu os metros e rofunie. Pr eterminção e iferencição esss cms observrm-se sus crcterístics e gruou-s em fixs semelhntes. As mesms form iviis seguinte form: Cm A 0 metros metros Cm B metros metros Cm C metros metros

36 5 Figur - nsio SPT Fonte: Autor Utilino s tbels e o resente trblho, form obtios os vlores e eso esecífico o solo. Aós reliou-se correção o número e goles (N0), eterminou-se o número e goles méio cm fim e encontrr ensie reltiv e o ângulo e trito r c região o solo. Os coeficientes form eterminos nlisno o centro cm estu. Ain, seguno o ensio SPT, o nível águ somente oe ser observo rtir e 0,0 metros e rofunie. Com isso, r imensionmento e eterminção os râmetros geotécnicos, o solo foi consiero totlmente seco.

37 A coesão não foi consier neste estuo evio à litertur (tbel ) resentr vlores muito ltos r coesão em solos como este resento. O iel, neste tio e situção, seri relir um ensio e comressão trixil ou e cislhmento ireto r obter o rel número coesão. Prtino esss consierções, eterminou-se ensie reltiv or us euções: métoo e Gibbs & Holt (eução ) e Skemton (eução ). m segui, foi ossível encontrr o ângulo e trito, o coeficiente e emuxo tivo e ssivo, trvés s euções, e 5, resectivmente... Determinção o comrimento fich A rtir s informções obtis o longo o trblho (eso esecífico, coeficientes e emuxos, entre outros), eterminrm-se s tensões horiontis utilino s euções 7 e. Com els, juntmente com rofunie, foi ossível clculr os emuxos tivos e ssivos. Determinou-se os centros e grvies os resectivos emuxos e estes simlificos em forçs resultntes, seno ue seus routos roorcionrm os momentos. A figur retrt o igrm e emuxos o ul os sistems estão submetios. Figur - Digrm e emuxos ) Sem tirntes b) Com tirntes Fonte: Autor

38 7 Vle ressltr novmente ue não form consieros os emuxos cusos el oro-ressão evio o ensio e SPT reltr ue o nível águ está situo lém os 0,0 metros. Por fim, licrm-se s euções e, resultno n função olinomil e terceiro gru. stá é resolvi trvés e rocessos e iterções. Pr tl imensionmento, utiliou-se ftor e segurnç (FS) igul, conforme comento nteriormente. Nest et, buscou-se observr influênci sobrecrg vriável sobre o comrimento fich. Pr isto, relirm-se ois moelos r c situção (com ou sem tirntes) one num eles consierou-se crg e noutro não, conforme figur 5. st, r fim e imensionmento, foi utilio o vlor e 0 kn/m². Figur 5 - oelos estuos referentes o comrimento e fich Fonte: Autor.. Ftores e segurnç Inicilmente, r eterminção o comrimento e fich cortin, utilise um ftor e segurnç (FS) igul, n eução, minorno s forçs e emuxo ssivo. Além esse ftor, ument o seu comrimento em 0%, ssumino ess form um coeficiente mior. Porém, à mei ue o nível águ elev-se no solo, esse mesmo ftor começ sofrer lterções. Determinrm-se os ftores e segurnç r os csos one não houvesse resenç águ, com o lençol freático no nível escvção e com ele no nível o terreno nturl. Sbeno-se o comrimento e fich, utiliou-se eução r

39 eterminr os momentos tuntes n estrutur e, conseuentemente, o vlor esse ftor..5. Deslocmentos horiontis sturm-se s eformções ns cortins obtis no softwre e cálculo ffel Structure, versão 0 ltform Gritec. ste rogrm, com bse no métoo os elementos finitos, reli nálises estátic e inâmic e estruturs D e D. le ermite nlisr e otimir os comortmentos e estruturs e concreto rmo, ço e meir. O estuo está ivio em três csos: sem resenç e lençol freático, elevção o lençol freático té o nível escvção e elevção o nível águ té suerfície o solo ser contio conforme eviencio no orgnogrm bixo. Figur - oelos estuos referentes os eslocmentos horiontis Fonte: Autor O objetivo ess simulção é verificr o comortmento estrutur uno submeti crgs nteriormente não revists. Um estes csos é resenç águ, ue oe ser exemlific em cso rel, como vrição o nível o lençol freático. Inicilmente não há resenç o mesmo conforme ensio SPT, o ue não imlic ue futurmente não oss hver águ. Fortes chuvs, lterções nos terrenos e solos viinhos oem vir lterr osição o lençol em relção à suerfície.

40 Pr isso, vliou-se elevção o nível águ em relção à suerfície o solo ser contio, ou sej, o outro lo escvção. Isso reercutiu no lnçmento s crgs oro-ressão n estrutur. Com resenç águ, sbe-se ue os râmetros geotécnicos lterm ocsionno lterção nos esforços. Contuo, or simlificção, estes vlores não form lteros. O softwre utilio no resente trblho é utilio em lrg escl n uro, não seno e lto conhecimento no Brsil. A estrutur lnç r simulção brngeu, resumimente, um suerfície ln (lc) e esforços horiontis. xistem no merco rogrms esenvolvios esecilmente r nlise e roblems envolveno solos, como é o cso o softwre Plxis. Porém, o rogrm utilio ermitiu esenvolver os objetivos o trblho. Figur 7 - Lnçmento estrutur - esforços ) muxos tivos b) muxos ssivos Fonte: Autor Form utilios os vlores obtios rtir o imensionmento geotécnico cortin (comrimento e fich) e obtenção os esforços e emuxos resentos nos cítulos nteriores. Prâmetros geotécnicos rtir o métoo e Skemton e cortin utili consierno sobrecrg vriável. Por tnto, r lnçmento o cso no softwre foi imrescinível conhecer nteriormente os esforços e cortin ser estu. O eslocmento foi o o fornecio elo softwre. Inicilmente, lnçou-se um estrutur retngulr com s imensões lrgur o terreno e rofunie cortin obti. Pr observr eformções

41 0 ecorrentes n cortin, lternou-se esessur contenção r conseguir tingir vlores e eformções stisftórios. Pr isso, trblhou-se com esessurs e 0, 0, 0 e 50 centímetros. O mteril esecifico r est estrutur foi concreto rmo, ssumino um móulo e elsticie e 0 GP. Aós, licou-se sobre els s crgs horiontis istribuís otno form e tréio e comreeneno vlores oriunos os emuxos, sobrecrgs vriáveis e oro-ressão ul estrutur está submeti. A figur 7 retrt sermente os ois tios e emuxos, tivo e ssivo. No moelo est imgem, não const oro-ressão. As crgs referentes os emuxos ssivos form iviis elo mesmo ftor e segurnç oto nteriormente (FS). Figur - Deformções cortin sem tirntes ) Vist isométric b) Vist frontl Fonte: Autor Por fim, eterminrm-se os oios r estrutur. Nos ois csos, com e sem tirntes, engstou-se to bor inferior, tornno- um oio liner fixo. No cso os tirntes, osicionrm-se oios ontuis rotulos (ermitem o giro), situos,50 metros bor lterl e esços c metros. O rogrm ermite nlisr os eslocmentos or mlhs tringulres ou uriláters. Aotou-se form uriláter, formno mlhs e 50 centímetros e lo. Teno concluío o lnçmento estrutur, estiul-se os csos e crgs ue neste trblho, or trtr-se e resultos envolveno estos limites e serviço, utiliou-se coeficientes igul, ou sej, s solicitções lnçs não sofrerm nenhum mjorção. O rogrm nlis os os, clcul o moelo e

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES ECC 1008 ESTRUTURS DE CONCRETO ESTRUTURS DE FUNDÇÕES Prof. Gerson ocyr Sisniegs lv PPEL DS FUNDÇÕES Trnsmitir s ções d suerestrutur o terreno So o secto d Segurnç: Reseitr resistênci do solo Reseitr resistênci

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A]

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A] . (Ufrgs 0) Assinle lterntiv ue preenche corretmente s lcuns no fim o enuncio ue segue, n orem em ue precem. Três esfers metálics iêntics, A, B e C, são monts em suportes isolntes. A esfer A está positivmente

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAL DE SAPATAS

PROJETO ESTRUTURAL DE SAPATAS UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT RI CENTRO DE TECNOLOGI Dertmento de Estruturs e Construção Civil Discilin: ECC 1008 Estruturs de Concreto PROJETO ESTRUTURL DE SPTS Gerson ocyr Sisniegs lv Snt ri, dezembro de

Leia mais

EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios)

EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios) Fundções PEF 3405 EMPUXOS DE TERRA (resumo) MUROS DE ARRIMO (princípios) Prof. Fernndo A. M. Mrinho Prof. Luiz Guilherme de Mello Prof. Wldemr Hchich Empuxo Pssivo: É tensão limite entre o solo e o ntepro,

Leia mais

Retomada dos conceitos

Retomada dos conceitos etom os conceitos rofessor: s resoluções estes exercícios estão isponíveis no lno e uls este móulo. onsulte tmbém o nco e uestões e incentive os lunos usr o imulor e Testes. 1 N esc figur, os egrus istm

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal esolução s tivies complementres Físic F Grvitção universl p. 7 err possui pens um stélite nturl, Lu. Pesquise pr responer. ) Quis os períoos e rotção e e trnslção Lu em torno err? b) Por que err é possível

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta

MÉTODOS MATEMÁTICOS 2 a Aula. Claudia Mazza Dias Sandra Mara C. Malta MÉTODOS MATEMÁTICOS Aul Clui Mzz Dis Snr Mr C. Mlt Introução o Conceito e Derivs Noção: Velocie Méi Um utomóvel é irigio trvés e um estr cie A pr cie B. A istânci s percorri pelo crro epene o tempo gsto

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Índice TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA

Índice TEMA TEMA TEMA TEMA TEMA Índice Resolução de roblems envolvendo triângulos retângulos Teori. Rzões trigonométrics de um ângulo gudo 8 Teori. A clculdor gráfic e s rzões trigonométrics 0 Teori. Resolução de roblems usndo rzões

Leia mais

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos Cinemátic e Dinâmic e Engrengens. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos Pulo Flores José Gomes Universie o Minho Escol e Engenhri Guimrães 04 ÍNDICE. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos..... Introução.....

Leia mais

Pré-Universitário Professor(a)

Pré-Universitário Professor(a) Série Rumo o ITA Ensino ré-universitário rofessor() Aluno() Teixeir Jr. See Nº TC Turm Turno t / / ísic Neste mteril e revisão iremos trblhr o fenômeno interferênci luz, relizo por Thoms Young, e outro

Leia mais

FÍSICA. Resoluções. 1 a Série Ensino Médio. Após a inversão dos movimentos, os módulos das velocidades foram trocados.

FÍSICA. Resoluções. 1 a Série Ensino Médio. Após a inversão dos movimentos, os módulos das velocidades foram trocados. LIMÍD DE FÍSIC Resoluções 01 0 E 03 D r o sistem vetoril cito n questão, tem-se o seguinte: + + c S c Inverteno qulquer um os vetores, tem-se seguinte situção: S S vetor som o inverter qulquer um os vetores,

Leia mais

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes 1 Ensios e Extrção e Prâmetros Utilizos em Moelgem e Máuin Síncron e Íms Permnentes Sebstião E. M. e Oliveir, Sebstião F. Q. e. Roch Resumo: Este trblho present um proceimento pr obtenção s retâncis síncrons

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

3.1 Integral Tripla em um bloco retangular e o Teorema de Fubini

3.1 Integral Tripla em um bloco retangular e o Teorema de Fubini Objetivos 3. Os objetivos dest Aul são: introduzir o conceito de integrl tril; enuncir o Teorem de Fubini que, nlogmente o cso d Integrl ul, ermite clculr integrl tril or meio d integrl reetid; utilizr

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-09b UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-09b UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012 F-8 Físic Gerl I Aul exlortóri-09b UNICAMP IFGW userne@ifi.unic.br F8 o Seestre e 0 Forçs e interção O resulto líquio forç e interção é fzer rir o oento liner s rtículs. Pel t f t f lei e Newton: f Ft

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE ALINE KOCHOLIK 1,, MÁRCIA C. M. INCOTE 1,, ANDRÉA L. COSTA 1, JOSEMAR

Leia mais

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si.

A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes, muros, e de pilares alinhados, próximos entre si. 7 Fundções 7.1 Spts 7.1.1 Spts Corrids 7.1.1.1 Introdução A spt corrid é normlmente utilizd como poio direto de predes, muros, e de pilres linhdos, próximos entre si. pilres vig de rigidez spt corrid )

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNVERSDDE DE SÃO PULO ESOL POLTÉN Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic URSO ÁSO DE RESSTÊN DOS TERS FSÍULO Nº 5 Flexão oblíqu H. ritto.010 1 FLEXÃO OLÍU 1) udro gerl d flexão F LEXÃO FLEXÃO

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS.

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS. LIST N3 FLEXÃO E TENSÕES NORMIS. Nos problems que se seguem, desprer o peso próprio (p.p.) d estrutur, menos qundo dito explicitmente o contrário. FÓRMUL GERL D FLEXÃO,: eixos centris principis M G N M

Leia mais

VI.1.1 DIFUSÃO EM FASE LÍQUIDA: 1- SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIDAS DILUÍDAS: EQUAÇÃO DE Wilke e Chang (1955):

VI.1.1 DIFUSÃO EM FASE LÍQUIDA: 1- SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIDAS DILUÍDAS: EQUAÇÃO DE Wilke e Chang (1955): VI.. IFUSÃO EM FSE LÍQUI: - SOLUTO NÃO ELETROLÍTICO EM SOLUÇÕES LÍQUIS ILUÍS: EQUÇÃO E Wilke e Chang (955): 0 B B 8 M 7,4 0 T V B IFUSIVIE. O SOLUTO( ) NO SOLVENTE B 0,6 b 0,5 cm 2 s ; T TEMPERTUR O MEIO

Leia mais

Seções mistas em vigas

Seções mistas em vigas ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Regulmentção Estrutur mist elementos estruturis (ljes, vigs, pilres e ligções) seções mists ço-concreto. Seções mists em vigs Seções mists em pilres Ljes

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE MECÂNICA DOS FLUIDOS

FENÔMENOS DE TRANSPORTE MECÂNICA DOS FLUIDOS Universidde ederl Rurl do Semi-Árido ENÔMENOS DE TRANSPORTE MECÂNICA DOS LUIDOS ESTÁTICA DOS LUIDOS UERSA Universidde ederl Rurl do Semi-Árido Prof. Roberto Vieir Pordeus Nots de ul enômenos de Trnsorte

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

MATEMÁTICA Questões de 01 a 04

MATEMÁTICA Questões de 01 a 04 GRUPO TIPO MT. MTEMÁTIC Questões de. Um correi trnsortdor deosit rei num monte de formto cônico reto um t constnte de m /. No monte que se form, rzão entre ltur e o rio d bse ermnece constnte e igul. )

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

TRIGONOMETRIA. Para graduar uma reta basta escolher dois pontos e associar a eles os números zero e um.

TRIGONOMETRIA. Para graduar uma reta basta escolher dois pontos e associar a eles os números zero e um. TRIGONOMETRIA Pr grdur um ret bst escolher dois ontos e ssocir eles os números zero e um. A B 0 Com isto, ode-se reresentr n ret qulquer número rel. Pr grdur um circunferênci utilizremos o rio igul, onde

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Torção. Tensões de Cisalhamento

Torção. Tensões de Cisalhamento orção O esuo ese cpíulo será iviio em us pres: 1) orção e brrs circulres ) orção e brrs não circulres. OÇÃO E BS CICULES Sej um brr circulr com iâmero e comprimeno., solici por um momeno e orção, como

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

Carga e Matéria / Lei de Coulomb. Carga elétrica. Conservação da carga. Unidades de carga elétrica. Quantização da carga elétrica. Ensino.

Carga e Matéria / Lei de Coulomb. Carga elétrica. Conservação da carga. Unidades de carga elétrica. Quantização da carga elétrica. Ensino. Série Rumo o ITA Ensino Pré-Universitário Professor() Mrcos Hrolo See Aluno() Nº TC Turm Turno Dt / / Físic Crg e Mtéri / Lei e Coulomb Crg elétric A prtir o início este século, váris experiêncis nos possibilitrm

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS Eivil Secção de Mecânic Estruturl e Estruturs MEÂNI I ENUNIOS E ROLEMS Fevereiro de 2010 ÍTULO 3 ROLEM 3.1 onsidere plc em form de L, que fz prte d fundção em ensoleirmento gerl de um edifício, e que está

Leia mais

Congruências de grau 2 e reciprocidade quadrática. Seja p > 2 um número primo e a,b,c Z com a não divisívelpor p. Resolver

Congruências de grau 2 e reciprocidade quadrática. Seja p > 2 um número primo e a,b,c Z com a não divisívelpor p. Resolver Polos Olímicos de Treinmento Curso de Teori dos Números - Nível 3 Crlos Gustvo Moreir Aul 9 Congruêncis de gru e recirocidde qudrátic 1 Congruêncis de Gru Sej > um número rimo e,b,c Z com não divisívelor.

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA

FORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA 1 ORÇA LONGITUDINAL DE CONTATO NA RODA A rod é o elemento de vínculo entre o veículo e vi de tráfego que permite o deslocmento longitudinl, suportndo crg verticl e limitndo o movimento lterl. Este elemento

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

a) -36 b) -18 c) 0 d)18 e) 36 a, na qual n IN- {0} e a 2, 2 aritmética, cujo décimo termo é: a) 94 b) 95 c) 101 d) 104 e) 105

a) -36 b) -18 c) 0 d)18 e) 36 a, na qual n IN- {0} e a 2, 2 aritmética, cujo décimo termo é: a) 94 b) 95 c) 101 d) 104 e) 105 Colégio Snt Mri Exercícios de P.A. e P.G. Professor: Flávio Verdugo Ferreir. (UFBA) A som dos 0 e 0 termos d seqüênci bixo é: 8 n n 8. n ) -6 b) -8 c) 0 d)8 e) 6. (Unifor CE) Considere seqüênci n, 8 Qul

Leia mais

Análise de Algoritmos Gabarito da Primeira Prova

Análise de Algoritmos Gabarito da Primeira Prova Análise e Algoritmos Gbrito Primeir Prov Tópios: Funmentos e nálise e lgoritmos e lgoritmos pr orenção Instituto e Ciênis Exts, Universie e Brsíli 22 e bril e 2009 Prof. Muriio Ayl-Rinón Funmentos: relções

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Carga Elétrica-Lei de Gauss

1 a Lista de Exercícios Carga Elétrica-Lei de Gauss 1 1 ist de Eercícios Crg Elétric-ei de Guss 1. Um crg de 3, 0µC está fstd 12, 0cm de um crg de 1, 5µC. Clcule o módulo d forç ue tu em cd crg. 2. ul deve ser distânci entre dus crgs pontuis 1 = 26, 0µC

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Aula 02: Revisão de Probabilidade e Estatística. Sumário. O que é estatística 02/04/2014. Prof. Leonardo Menezes Tópicos em Telecomunicações

Aula 02: Revisão de Probabilidade e Estatística. Sumário. O que é estatística 02/04/2014. Prof. Leonardo Menezes Tópicos em Telecomunicações // Aul : Revisão de Probbilidde e sttístic Prof. Leonrdo Menezes Tóicos em Telecomunicções Sumário O que é esttístic O que é robbilidde Vriáveis letóris Distribuição de Probbilidde Alicções Mementos O

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades MTMÁTI Seu pé direito ns melhores fculddes 0. João entrou n lnchonete OG e pediu hmbúrgueres, suco de lrnj e cocds, gstndo $,0. N mes o ldo, lgums pessos pedirm 8 hmbúrgueres, sucos de lrnj e cocds, gstndo

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2.

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2. Mtemátic Aotno-se os vlores log = 0,30 e log 3 = 0,48, riz equção x = 60 vle proximmente: ), b),8 c) 4 ),4 e),67 x = 60 log x = log 60 x. log = log (. 3. ) x = x = log + log 3 + log log 0 log + log 3 +

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA ÁLGEBRA AULA

CURSO DE MATEMÁTICA ÁLGEBRA AULA CURSO DE MATEMÁTICA ÁLGEBRA AULA 7 POLINÔMIOS & EQUAÇÕES POLINOMIAIS PROF. MARCELO RENATO Outuro/8 mrcelorento.com RESUMO TEÓRICO Prof. Mrcelo Rento. SOMA DOS COEFICIENTES DE UM POLINÔMIO Pr clculr som

Leia mais

Exercícios 3. P 1 3 cm O Q

Exercícios 3. P 1 3 cm O Q Eercícios 3 1) um ponto e um cmpo elétrico, o vetor cmpo elétrico tem ireção horizontl, sentio ireit pr esquer e intensie 10 5 /C. Coloc-se, nesse ponto, um crg puntiforme e -2C. Determine intensie, ireção

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Força Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss

1 a Lista de Exercícios Força Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss 1 1 ist de Eercícios Forç Elétric Cmpo Elétrico ei de Guss 1. Um crg de 3, 0µC está fstd 12, 0cm de um crg de 1, 5µC. Clcule o módulo d forç ue tu em cd crg. 2. ul deve ser distânci entre dus crgs pontuis

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Física A Semiextensivo V. 2

Física A Semiextensivo V. 2 GRIO Físic Semiextensio V. Exercícios 01) Menino em relção o trilho: V = 3 + 3 = 6 m/s Menino em relção o trilho: V = 3 3 = 0 04) subi 0) E R,0 m/s elocie o rio elocie o brco esci R = 16 = = 16 + R = +

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem.

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem. EFOMM 2010 1. Anlise s firmtivs bixo. I - Sej K o conjunto dos qudriláteros plnos, seus subconjuntos são: P = {x K / x possui ldos opostos prlelos}; L = {x K / x possui 4 ldos congruentes}; R = {x K /

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Sólidos semelhantes. Segmentos proporcionais Área Volume

Sólidos semelhantes. Segmentos proporcionais Área Volume Sólios semelntes Segmentos proporcionis Áre olume Sólios semelntes Consiere um pirâmie cuj se é um polígono qulquer: Se seccionrmos ess pirâmie por um plno prlelo à se, iiiremos pirâmie em ois outros sólios:

Leia mais

Capítulo VI GEOMETRIA ANALÍTICA NO PLANO

Capítulo VI GEOMETRIA ANALÍTICA NO PLANO Cítulo VI GEOMERIA ANALÍICA NO LANO Cítulo VI Geometri Anlític no lno Cítulo VI istem de Coordends no lno. Dois sistems, de coordends rectngulres no lno dizem-se igulmente orientdos se for ossível trnsortr

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais