Sobressemeadura. Gramíneas para o período outono-inverno. Importância do manejo adequado no outono-inverno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sobressemeadura. Gramíneas para o período outono-inverno. Importância do manejo adequado no outono-inverno"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Importância do manejo adequado no outono-inverno Sobressemeadura e Gramíneas para o período outono-inverno Tiago Luís Da Ros de Araújo 1 Importância do manejo adequado no outono-inverno Estacionalidade da precipitação e temperatura 1

2 Estacionalidade da produção forrageira Sobressemeadura Prática de se estabelecer culturas forrageiras anuais em pastagens formadas com espécies perenes sem destruir a vegetação existente Fonte: Beefpoint Sobressemeadura Sobressemeadura Técnica antiga Nabinger (1980) e Ball et al. (1991) já citavam o sucesso no Sul do Brasil e Sul dos Estados Unidos, respectivamente. Objetivos: produção e qualidade da forragem prolongar o período de oferta de MS 2

3 Qual espécie utilizar para sobressemear? Qual espécie utilizar para sobressemear? Crescimento de inverno ou verão podem ser introduzidas em pastagens já formadas Melhores resultados: Espécies de clima temperado em áreas de pastagens formadas com gramíneas tropicais Aveia e azevém em tifton As forrageiras dos gêneros Cynodon e Paspalum, nas condições Sudeste dos USA tem alta produção de forragem durante seis meses. Pastagens sobressemeadas com espécies anuais de inverno: acréscimo de 75 a 100 dias de suprimento de forragem de alta qualidade no final do inverno e primavera Qual espécie utilizar para sobressemear? Benefícios da associação entre espécies Espécies, época de semeadura para a introdução em áreas com gramíneas Espécie existente Espécie semeada Época de semeadura Gramíneas perenes de clima temperado Alfafa, trevo vermelho, trevo branco, cornichão Outono ou inverno para os trevos, fim do inverno para a alfafa Gramíneas perenes Aveia, centeio, trigo, Outono de clima tropical triticale, azevém, trevo branco, trevo vermelho, trevo encarnado, ervilhaca, Áreas cultivadas para Milheto, híbrido de sorgocapim Fim da primavera até o fim grãos (espécies de inverno) sudão, alfafa, trevo do verão vermelho Fonte: Ball et al., 1991 Mais eficiente utilização da luz Aumento na produção de massa seca Aumento na qualidade da forragem Melhoria na fertilidade do solo Melhor controle de plantas invasoras Maior resistência a pragas e doenças Maior estabilidade da produção entre estações Maior retorno econômico da atividade 3

4 Fatores que podem causar insucesso Redução da competição da vegetação existente Utilização de espécies não adaptadas a região Utilização de sementes de baixa qualidade Uso de sementes de leguminosas não inoculadas Avaliação da fertilidade do solo Época de semeadura inadequada ou quantidade inadequada de sementes Contato solo-semente Controle da competição da vegetação existente Controle de pragas e doenças Pastejo pesado Corte e remoção da forragem Uso de herbicidas Preparo mínimo do solo Combinações destas práticas Queima esporádica Época de semeadura Época de semeadura Quando ocorre a queda na temperatura noturna redução da competição entre as espécies Atraso na semeadura até que as gramíneas de verão estejam dormentes é desejável decréscimo na competição por água e nutrientes Brasil Central = meados do outono (abril) ocorrência de chuvas e diminuição das temperaturas noturnas Semeaduras mais precoces quando as espécies de verão ainda estão em pleno crescimento, resultam em implantação deficiente Produção das espécies de inverno continuará alta até que se inicie o crescimento das forrageiras de verão quando aumenta competição pelos fatores ambientais Um fato de extrema importância que deve se considerado: A rebrota das espécies de verão pode ser prejudicada se ocorrer acúmulo de forragem das forrageiras de inverno durante o crescimento do fim da primavera. 4

5 Contato solo semente Fertilidade do Solo Métodos para se proceder a sobressemeadura variam desde o uso de esparramadora de calcário até as máquinas apropriadas para a semeadura direta ou cultivo mínimo. Espécies forrageiras de inverno são exigentes em fertilidade do solo Aspectos relacionados à irrigação devem ser considerados para o desenvolvimento dessas culturas durante o período seco do inverno, há necessidade do fornecimento contínuo de água É importante analisar os aspectos relacionados aos custos de implantação e manutenção das áreas destinadas ao cultivo de forrageiras de inverno. Fertilidade do Solo Sobressemeadura - Considerações finais Aplicação de nitrogênio: Fundamental para o rápido crescimento das plantas Influencia o conteúdo de proteína da forragem A quantidade e a época de aplicação variam de acordo com as plantas e sistema de utilização pastejo feno silagem 5

6 Gramíneas C4 Gramíneas C3 Sorgo híbrido Sorghum sudanense x Sorghum bicolor Aveia branca Avena sativa (grãos) Milheto Pennisetum americanum Aveia amarela Avena byzantina Híbrido Milheto x Capim elefante Pennisetum americanum x Pennisetum purpureum Aveia preta Avena strigosa Gramíneas C3 HÍBRIDO DE SORGO Azevém Lolium multiflorum Cruzamento: Sorghum sudanense x Sorghum bicolor Triticale (cruzamento entre centeio e trigo) Planta anual sementes inviáveis Origem: Nordeste da África Trigo forrageiro- Triticum sp Cultivares no Brasil: AG 2501C (1998) 1P-400 (2002) BRS 800 entre outros 6

7 HÍBRIDO DE SORGO HÍBRIDO DE SORGO Principal objetivo: Fornecer alimento de boa qualidade no período em que as gramíneas tropicais perenes apresentam baixa produção Estacionalidade Características: Crescimento ereto Intenso perfilhamento Alto valor nutritivo produção de matéria seca (%) HSS Convencional Colmos tenros 10%MS Tolerante ao déficit hídrico e temperaturas baixas Sensível à lagarta Alto desempenho dos animais produção de leite ou carne jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez meses Fonte: Rodrigues, 2000 Flexibilidade de plantio Florescimento tardio HÍBRIDO DE SORGO Manejo: 80 cm Época de plantio fevereiro maio (plantio direto) Densidade de semeadura 12 a 20 kg/ha Espaçamento cm (menor > perdas) semeadura Altura de entrada 0,8 a 1,0m Altura de saída 30 cm Perdas: plantas muito altas colmos finos acamamento pisoteio 40 cm 7

8 HÍBRIDO DE SORGO 1,70 m de altura Resíduo 40 cm ÉPOCA 1 (dez/04 a fev/ 05) % de MS Kg de MS/ha Entrada Resíduo PI na entrada Folha na entrada Resíduo Perdas Densidade de semeadura (kg/ha) 20 11,7 10, , , ,5 721, ,5 12, , , ,8 794, ,4 11, , , ,2 779,3 Espaçamento entre linhas (metros) 0,40 11,5 11, ,6ª 1.288, ,4 891,1ª 0,80 11,6 11, ,4 b 1.160, ,7 639,2 b Ciclo de pastejo 11/01/05 9,5 b 7,1 b 2.405,5 b 1.207,1 781,7 b 600,8 b 16/02/05 13,6ª 16,3ª 4.063,5ª 1.238, ,4ª 929,4ª 1,0 m de altura Simili et al (2006) HÍBRIDO DE SORGO HÍBRIDO DE SORGO Vantagens: Flexibilidade de plantio e tolerância à seca Alta produção e alto valor nutritivo no outono-inverno Desempenho dos animais: 1,12 kg/animal/dia (Restle et al. 2002) kg de leite com 3 kg de concentrado (Simili) Desvantagens: Valor da semente 15,00 reais/kg não é resistente a falta de água prolongada e é susceptível a lagarta Menos de 3 ciclos na safrinha (não compensa plantar) Intoxicação por HCN: Planta contem glicosídeos cianogênicos e a enzima β-glicosidase Estresse: falta de água, frio, pastejo e pisoteio rompimento da célula vegetal Enzima transforma o composto glicosídeo cianogênico em açúcar e ácido cianídrico (HCN) Ph do rúmen = 7,0 facilita a transformação Quando ingerido e absorvido o HCN combina com a hemoglobina para formar a cianohemoglobina, impedindo o transporte de O ² para as células Quantidade de ácido cianídrico (HCN) 8

9 HÍBRIDO DE SORGO HÍBRIDO DE SORGO Sintomas: Asfixia Entorpecimento Confusão mental Cianose Convulsões Coma Dor de cabeça Enfraquecimento muscular Tratamento: Dissolver: 20g de nitrito de sódio e 30 g de hipossulfito de sódio em 500 ml de água 40 ml/ 100 kg via endovenosa Prevenção: HCN volátil emurchecimento Pastejo no sorgo acima de 60 cm de altura Pastejo após 25 dias de descanso A folha é a parte mais rica em glicosídeo Pennisetum americanum Gramínea tropical Planta anual Melhoria do solo: Cultivares utilizados: milheto comum BN1 BN2 BR 1501 Origem África - muito utilizado na alimentação humana Principal objetivo: Alimento de boa qualidade quando gramíneas tropicais perenes apresentam baixa produção devido à estacionalidade 9

10 Características: Crescimento ereto Intenso perfilhamento Alto valor nutritivo Colmos tenros Tolerante ao déficit hídrico e temperaturas baixas Alto desempenho dos animais (produção de leite ou carne) Flexibilidade de plantio Florescimento precoce Vantagens: Flexibilidade de plantio: Brasil Central Semeadura realizada no início da primavera 80 a 150 dias Início do verão de 50 a 100 dias; Início do outono variará de 30 a 60 dias Alta produção e alto valor nutritivo Tolerante à seca Sementes baratas, com produção de 500 a 1.500kg/há Não é tóxica aos animais Desempenho animal 950 g/dia Vantagens: Flexibilidade de plantio: Brasil Central Semeadura realizada no início da primavera 80 a 150 dias Início do verão de 50 a 100 dias; Início do outono variará de 30 a 60 dias Alta produção e alto valor nutritivo Desvantagens: não é resistente a falta de água prolongada Alto acamamento Florescimento precoce Tolerante à seca Sementes baratas, com produção de 500 a 1.500kg/há Não é tóxica aos animais Desempenho animal 950 g/dia 10

11 Manejo: Época de plantio: Fevereiro/março (plantio direto) Densidade de semeadura 12 a 20 kg/ha Espaçamento 40 x 80 cm (menor > perdas) Altura de entrada 50 a 70 cm ( estimula perfilhamento) Altura de saída cm Perdas: plantas muito altas colmos finos acamamento pisoteio Valores médios de altura pré e pós-pastejo, massa seca total e do resíduo de hibrido de sorgo e milheto. Altura de resíduo 15 cm Espécies Sorgo Sudão Altura pré (cm) Altura pós (cm) MS kg/ha Resíduo kg/ha 62,62 b 22,68 c 3209,28 a 1506,89 a 15 cm Milheto 75,93 a 45,29 a 4231,27 a 2093,93 a 30 cm Sorgo sudão 72,87 ab 34,36 b 4488,23 a 2589,54 a 30 cm Milheto 80,46 a 52,46 a 3977,50 a 2666,65 a Raposo (2008) Massa de colmos, folhas e material morto para hibrido de sorgo (S) e milheto (M) nas alturas de resíduo pós pastejo de 15 e ,00 Relação folha/colmo para hibrido de sorgo (S) e milheto (M) nas alturas de resíduo pós pastejo de 15 e 30 cm. Kg/ha 2000, ,00 0,00 S 15 cm M 15 cm S 30 cm M 30 cm Tratamento Colmo Folha Material morto Relação Folha/Colmo 1,50 1,00 0,50 0,00 S 15 cm M 15 cm S 30 cm M 30 cm Raposo (2008) Raposo (2008) 11

12 Híbrido milheto x capim-elefante Híbrido milheto x capim-elefante Cruzamento: Pennisetum americanum x Pennisetum purpureum Combinou a qualidade do milheto com o potencial de alta produção de massa seca do capim elefante Cultivar paraíso HíBRIDO FÉRTIL Obtenção - não é simples Híbrido obtido é estéril (triplóide-n) e para torná-lo fértil (reprodução sexuada), ou seja, hexaplóide (6n) usou-se a Colcichina com o fim de dobrar o número de cromossomos. Características: Introduzido no Brasil em 1995 pela Matsuda Planta perene de crescimento ereto Alta produção de massaseca e folhas Propagação por sementes Tolera temperaturas baixas Híbrido hexaplóide que se multiplica por sementes (MACOON, 1992) Híbrido milheto x capim-elefante Gramíneas Temperadas C3 Manejo: Semente sobre o solo preparado em linha ou a lanço, o mais superficial possível Deve passar após o plantio somente o rolo compactador O solo, deve ser bem drenado Plantio 30 dias antes do término das chuvas A altura de corte, em torno de 50cm do solo 1º corte a 120 dias após nascimento do capim 2, 3 e 4º corte 70 à 80 dias. Características: Crescimento ereto Alto valor nutritivo Baixa % de fibra e alta digestibilidade Colmos tenros e alta % de folhas Plantas anuais de regiões com temperaturas mais baixa Sul do Brasil Exigentes em umidade do solo e fertilidade Objetivo pastejo de inverno 12

13 Gramíneas Temperadas C3 Aveias Aveia branca Avena sativa (grãos) Aveia amarela Avena byzantina Aveia preta Avena strigosa Azevém Lolium multiflorum Triticale cruzamento entre centeio (Secale cereale) x trigo (Triticum sp.) Trigo forrageiro- Triticum sp Importante: Adaptação dos animais ao pastejo 1 hora por dia e aumentar gradativamente Plantas com alto teor de umidade diarréia Aveia preta e branca: rápido crescimento inicial altos rendimentos no 1º pastejo diminuindo nos cortes posteriores precoce com maior resistência às doenças Aveia amarela: duplo propósito grãos e forragem inverso da aveia preta rendimento aumenta após o 2º pastejo aumento de perfilhos quebra da dominância apical Plantio: abril/maio; 60 kg/ha; 20 cm de espaçamento Altura de pastejo: 30 cm de altura Azévem Plantas parecidas com as aveias 2 a 3 cortes durante o inverno 4 a 5 t MS/ha Plantio: abril/maio 30 a 40 kg/há à lanço Altura de pastejo: 20 cm de altura, em torno de 35 a 50 dias após o plantio Triticale Buscou-se incorporar a qualidade e a produção dos grãos do trigo e a rusticidade do centeio Resistência: ferrugem solos ácidos e pobres seca ou excesso de umidade Plantio: abril/maio 30 a 40 kg/ha espaçamento de 20 cm Altura de pastejo: 30 cm de altura, em torno de 35 a 50 dias após o plantio 13

14 Trigo Considerações finais Buscou-se incorporar a qualidade e a produção dos grãos do trigo e resistência ao pastejo Resistência: ferrugem solos ácidos e pobres seca ou excesso de umidade Plantio: abril/maio 30 a 40 kg/ha espaçamento de 20 cm Altura de pastejo: 25 cm de altura, em torno de 50 dias após o plantio Atualmente os dois cultivares mais utilizados são o umbu e tarumã Muito obrigado! 14

19/09/2009. Estacionalidade da Produção FORRAGEIRAS ALTERNATIVAS DE PASTOS PARA O PERÍODO OUTONO-INVERNO. Estacionalidade da Produção

19/09/2009. Estacionalidade da Produção FORRAGEIRAS ALTERNATIVAS DE PASTOS PARA O PERÍODO OUTONO-INVERNO. Estacionalidade da Produção Estacionalidade da Produção FORRAGEIRAS ALTERNATIVAS DE PASTOS PARA O PERÍODO OUTONO-INVERNO Estacionalidade da Produção 1 Médias de ganho de peso de novilhos mantidos em pastagens de Panicum maximum cv.

Leia mais

Gramíneas tropicais C4

Gramíneas tropicais C4 produção de matéria seca (%) 31/03/2013 1. INTRODUÇÃO FORRAGEIRAS ALTERNATIVAS DE MANEJO PARA O PERÍODO OUTONO-INVERNO Gramíneas tropicais C4 HÍBRIDO DE SORGO Híbrido de sorgo Cruzamento Sorghum sudanense

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS IMPLANTAÇ IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉ ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS Luis Fernando G. de Menezes UTFPR/DV luismenezes@utfpr.edu.br Qualidade da semente Método de estabelecimento Densidade de semeadura

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu Áreas de pastagens nativas (N) e plantadas (P) nas diferentes

Leia mais

OBJETIVOS PASTAGENS NA RECRIA DE TERNEIROS REDUÇÃO NA IDADE DE ABATE. Luís Fernando G. de Menezes

OBJETIVOS PASTAGENS NA RECRIA DE TERNEIROS REDUÇÃO NA IDADE DE ABATE. Luís Fernando G. de Menezes OBJETIVOS PASTAGENS NA RECRIA DE TERNEIROS IDADE DE ABATE IDADE DE ENTOURE Luís Fernando G. de Menezes Zootecnista, Dr. UTFPR luismenezes@utfpr.edu.br REDUÇÃO NA IDADE DE ABATE OBJETIVOS: Aumentar a taxa

Leia mais

Espécies forrageiras exóticas. Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo

Espécies forrageiras exóticas. Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Espécies forrageiras exóticas Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Espécies Forrageiras Exóticas Classificação das espécies forrageiras exóticas de importância econômica no Brasil:

Leia mais

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS PERENES DE INVERNO

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS PERENES DE INVERNO Capítulo 6 GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS PERENES DE INVERNO Renato Serena Fontaneli, Roberto Serena Fontaneli e Henrique Pereira dos Santos FESTUCA (Festuca arundinacea Schreb.) Descrição morfológica A festuca

Leia mais

Gramíneas Perenes de Inverno

Gramíneas Perenes de Inverno Capítulo 9 Gramíneas Perenes de Inverno Renato Serena Fontaneli, Roberto Serena Fontaneli e Henrique Pereira dos Santos Festuca (Festuca arundinacea Schreb.) Descrição morfológica A festuca é uma gramínea

Leia mais

Melhoramento genético de cereais de inverno

Melhoramento genético de cereais de inverno Faculdade de Agronomia Departamento de Plantas de Lavoura Melhoramento genético de cereais de inverno para ambientes subtropicais Prof. Itamar C. Nava 17 de outubro de 2012 Ambientes subtropicais Grande

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA AVEIA BRANCA FORRAGEIRA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,3:1 SEMENTES SUGESTÃO DE SEMEADURA A cultivar está registrada no Registro Nacional de Cultivares (RNC/MAPA) sob o nº. 29.873. Sementes podem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA Tássio Bonomo Murça (1), Domingos Sávio Queiroz (2), Luiz Tarcisio Salgado (3), Sabrina Saraiva Santana (4), Sérgio Dutra de Resende (5) (1) Bolsista

Leia mais

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda.

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda. SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE SISTEMAS DE ENGORDA Sistema de engorda Confinamento 27 2.397. 28 2.757. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini Semiconfinamento Pastagem de inverno Demais sistemas

Leia mais

QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE

QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE Flávia Fernanda Simili Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA flaviasimili@apta.sp.gov.br Introdução As estimativas de produções de leite provenientes

Leia mais

BRS 802: Híbrido de Sorgo de Pastejo - Alternativa de. produção de forragem. Alta Qualidade Nutritiva. José Avelino Santos Rodrigues 1

BRS 802: Híbrido de Sorgo de Pastejo - Alternativa de. produção de forragem. Alta Qualidade Nutritiva. José Avelino Santos Rodrigues 1 Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 75 ISSN 002-0099 Dezembro, 2009 Sete Lagoas, MG BRS 802: Híbrido de Sorgo de Pastejo - Alternativa de Produção de Forragem de Alta Qualidade Nutritiva

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Caráter extrativista dos sistemas de produção - Historicamente, o pecuarista

Leia mais

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA Joaquim Bartolomeu Rassini INTRODUÇÃO ALFAFA (forragem) Características agronômicas: alta capacidade de adaptação (clima, solo, altitude), alta produtividade (15 a 25

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO Mario Antonio Bianchi CCGL Tecnologia - CCGL TEC Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ Workshop Latino-Americano sobre

Leia mais

Adubos verdes para Cultivo orgânico

Adubos verdes para Cultivo orgânico Adubos verdes para Cultivo orgânico Introdução A técnica conhecida como adubação verde é a utilização de plantas com finalidades específicas para melhorar o solo. A principal diferença da adubação verde

Leia mais

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM.

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. SEMENTES BIOMATRI É SINAL VERDE PARA A PRODUTIVIDADE. Apresentamos nossa linha de produtos para a safra 2017/2018,

Leia mais

RESISTÊNCIA MECÂNICA DO SOLO A PENETRAÇÃO E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO MILHO SOB DISTINTAS PLANTAS DE COBERTURA E DOSES DE NITROGÊNIO

RESISTÊNCIA MECÂNICA DO SOLO A PENETRAÇÃO E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO MILHO SOB DISTINTAS PLANTAS DE COBERTURA E DOSES DE NITROGÊNIO RESISTÊNCIA MECÂNICA DO SOLO A PENETRAÇÃO E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO MILHO SOB DISTINTAS PLANTAS DE COBERTURA E DOSES DE NITROGÊNIO Herberto José Lopes 1 ; Francieli Steffler Weber 2 ; Guilherme Vitória

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras LZT 520 Plantas Forrageiras e Pastagens Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras MORFOLOGIA E DESENVOLVIMENTO ESTRUTURAL RELACIONADOS COM A PRODUÇÃO E O MANEJO DE PASTAGENS Duas famílias Poaceae (Gramineae)

Leia mais

Formação e manejo de capineiras

Formação e manejo de capineiras Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Formação e manejo de capineiras Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-NEEF/DZ/CCA/UFC

Leia mais

Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Atlas Série Gold Incrustrada 10 kg/ha. Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Plantio entre linhas (plantadeira)

Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Atlas Série Gold Incrustrada 10 kg/ha. Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Plantio entre linhas (plantadeira) Espécie Ciclo Tipo Cultivar Azevém Anual Diplóide / Italiano Concord Azevém Anual Tetraplóide Titan Azevém Anual Tetraplóide Winter Star Azevém Anual Tetraplóide KLM 138 Azevém Bianual Tetraplóide / Híbrido

Leia mais

Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes

Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes DISCIPLINA: PRODUÇÃO ANIMAL 2 Dra. Fabiola Rego Grecco fabiola_rego@yahoo.com.br CLASSIFICAÇÃO Família C4 Família C3 Gramíneas tropicais e subtropicais

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,7:1 4,4:1 15,0:1 SUGESTÃO DE SEMEADURA Para produção de forragem Épocas de semeadura: abril e maio para as regiões Norte e Oeste do Paraná; de março a maio para a

Leia mais

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO Fabio César Bratti 1, Laércio Sartor 1* [orientador], Priscila Wielewski 1, Julio Cezar Machado

Leia mais

ADUBAÇÃO VERDE. Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira (UAGRA/CCTA/UFCG) AGRICULTURA GERAL. Objetivos principais. Objetivos específicos

ADUBAÇÃO VERDE. Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira (UAGRA/CCTA/UFCG) AGRICULTURA GERAL. Objetivos principais. Objetivos específicos CONCEITOS: ADUBAÇÃO VERDE AGRICULTURA GERAL ADUBAÇÃO VERDE POMBAL PB 1) Consiste no aproveitamento de plantas cultivadas ou crescidas espontaneamente no próprio local ou importadas de outras áreas 2) É

Leia mais

Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto

Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto Estabelecimento de pastagens: escolha da planta forrageira, preparo do solo e semeadura/plantio Introdução Premissa básica para produção animal em pasto é a existência de pasto Necessidade d deassociação

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS Prof. Dr. André Mendes Jorge Pesquisador do CNPq Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu NECESSIDADE DE INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA Manejo intensivo

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE Palestrante: Allan Henrique da Silva Introdução Primeiro cereal criado pelo homem; Reduzir a deficiência de alimento; Uso: Forragem verde e feno Silagem Grãos secos para

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto)

Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto) Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto) Descrição Família Gramíneas Ciclo vegetativo Forma de crescimento Ruziziensis Perene Touceira Adaptação Tipo de

Leia mais

Gramíneas Anuais de Verão

Gramíneas Anuais de Verão Capítulo 10 Gramíneas Anuais de Verão Renato Serena Fontaneli, Roberto Serena Fontaneli e Henrique Pereira dos Santos Milheto ou Capim Italiano (Pennisetum americanum) Descrição morfológica Milheto é uma

Leia mais

DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO

DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO DESAFIOS DA CULTURA DO SORGO RIO GRANDE DO SUL Antônio Carlos Girotto Júnior Eng. Agrônomo Crea RS136668 RTV Santa Helena Sementes/Grupo Agroceres INTRODUÇÃO O Sorgo - Sorghum bicolor (L.) Moench Origem:

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS. Miguel Dall Agnol UFRGS

Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS. Miguel Dall Agnol UFRGS Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS Miguel Dall Agnol UFRGS Há mesmo a necessidade de novas cultivares de forrageiras? Porque em outras culturas, é comum a compra de cvs? Em forrageiras,

Leia mais

Oportunidades de Otimização do Sistema com Produção Animal

Oportunidades de Otimização do Sistema com Produção Animal Mosaico do Agronegócio 2016 Painel. Terras baixas: arroz-soja-milho-pecuária Oportunidades de Otimização do Sistema com Produção Animal Jamir Luís Silva da Silva Jamir.silva@embrapa.br Porto Alegre, 9

Leia mais

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado.

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. Híbridos de SORGO Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. 1G233 Estabilidade produtiva, com qualidade de grãos Altura: 1,15m semiaberta

Leia mais

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016 06/09/2016 FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS Professor: Eng. Agr. Dr. Otoniel G. L. Ferreira Importância

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL, PESCA E COOPERATIVISMO PROGRAMA DE SEMENTES FORRAGEIRAS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL, PESCA E COOPERATIVISMO PROGRAMA DE SEMENTES FORRAGEIRAS PROGRAMA DE SEMENTES FORRAGEIRAS PORTO ALEGRE, JANEIRO DE 2012 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DOSUL TARSO GENRO SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO RURAL, PESCA E COOPERATIVISMO IVAR PAVAN DIRETOR GERAL

Leia mais

SAF implantado em linhas e em média diversidade de arbustos e árvores.

SAF implantado em linhas e em média diversidade de arbustos e árvores. 74 Fotos: Milton Parron Padovan SAF implantado em linhas e em média diversidade de arbustos e árvores. SAF de base pecuária com árvores nativas implantadas em linhas. SAF com arranjo de espécies vegetais

Leia mais

Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais

Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais Importância das Pastagens na Produção de Leite dos Campos Gerais Eng. Agr. Dr. Igor Quirrenbach de Carvalho O que vamos ver hoje? Fundação ABC Como é a produção de leite no Brasil? Como reduzir os custos

Leia mais

Apresentação da disciplina. Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo

Apresentação da disciplina. Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Apresentação da disciplina Forragicultura e pastagens Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Ementa A disciplina visa estudar as bases conceituais das espécies forrageiras nos diferentes sistemas de produção

Leia mais

Qualidade e produção. PB. Proteína bruta DMS. Digestibilidade da matéria seca PREPARAÇÃO DO TERRENO SEMENTEIRA

Qualidade e produção. PB. Proteína bruta DMS. Digestibilidade da matéria seca PREPARAÇÃO DO TERRENO SEMENTEIRA Misturas Anuais MISTURA BIODIVERSA DE SEMENTES DE AZEVÉNS E LEGUMINOSAS ANUAIS RAPIDEZ & VERSATILIDADE DE UTILIZAÇÃO Rigorosa selecção de sementes de gramíneas e leguminosas de elevada produção Rápido

Leia mais

Caracterização das gramíneas do Gênero Panicum

Caracterização das gramíneas do Gênero Panicum UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL Caracterização das gramíneas do Gênero Panicum Setembro/2012 Nome científico: Panicum maximum Jacq. cv.

Leia mais

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte 7/4/216 Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte Carl R. Crozier Estudos Aplicação de Dejeto Líquido de Suínos (DLS) (Sobrenadante) Produtividade e acúmulo de nitrato em Capim Bermuda (Cynodon

Leia mais

de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I

de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I ϙ" ϙ>curso ➐ 頴眖頴蘟眜眜眜 de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I MANEJO DE PASTAGENS: Bases e ajuste da taxa de lotação (carga animal) Gelci

Leia mais

USO DA IRRIGAÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE

USO DA IRRIGAÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE USO DA IRRIGAÇÃO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE Prof. Dr. Luís César Dias Drumond Prof. Adjunto da UFV - Campus Rio Paranaíba irriga@ufv.br - (34) 9194-7326 GAPPI MANEJO ESTRATÉGICO DE PASTAGENS

Leia mais

"Estratégias de manejo de plantas

Estratégias de manejo de plantas 1 "Estratégias de manejo de plantas daninhas para maximizar a produtividade na cultura do milho". Eng. Agr. Prof. Dr. Diecson Ruy Orsolin da Silva UFSM campus Frederico Westphalen "VI SIMPÓSIO DE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

Gramíneas do Gênero Cynodon

Gramíneas do Gênero Cynodon Introdução Gramíneas do Gênero Cynodon O conhecimento das diversas características de cada forrageira é de suma importância para sua correta utilização Garantindo a produtividade e perenidade das espécies,

Leia mais

Comunicado Técnico. Avaliação de aveia quanto a produção de folhas e colmos na matéria seca

Comunicado Técnico. Avaliação de aveia quanto a produção de folhas e colmos na matéria seca Comunicado Técnico Janeiro, 63 ISSN 1981-26X São Carlos, SP 26 Foto capa: Odo Primavesi Avaliação de aveia quanto a produção de e na matéria seca Ana Cândida Primavesi 1 Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1,2

Leia mais

Melhoramento Genético do Arroz

Melhoramento Genético do Arroz CULTURA DO ARROZ 7 - Cultivares Melhoramento Genético do Arroz Brasil -1937 - O IAC iniciou um programa de melhoramento de arroz com enfoque para o sistema de terras altas. -1938 O IRGA (RS) iniciou o

Leia mais

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno.

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno. PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE José Tiago Rambo Hoffmann 1 ; Leandro Werlang 1 ; Rogério Klein 1 ; Marcos Paulo Zambiazi 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antônio Feldman

Leia mais

Palavras-Chave: atividade leiteira; consórcios forrageiros; fósforo; matéria orgânica; Rede Leite

Palavras-Chave: atividade leiteira; consórcios forrageiros; fósforo; matéria orgânica; Rede Leite PASTAGEM DE TIFTON 85 CONSORCIADO COM FORRAGEIRAS DE INVERNO PASTEJADAS E SUBMETIDAS À0 FENAÇÃO NO PERÍODO ESTIVAL: ÍNDICE DE FERTILIDADE E RECOMENDAÇÕES DE CALAGEM E ADUBAÇÃO 1 Leonir Terezinha Uhde 2,

Leia mais

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A pastagem vista como um ecossistema Crescimento de uma gramínea Crescimento de uma leguminosa Do que as plantas precisam para crescer? Fotossíntese Quanto

Leia mais

Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1

Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1 Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1 ALMEIDA, R. G. 2, COSTA, J. A. A. 2, KICHEL, A. N. 2, ZIMMER, A. H. 2,

Leia mais

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia --.. --- FOL 4820 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rondônia Ministério da Agricultura e do Abastecimento Nº 03, dez./97, p.1-4 Formação e manejo de bancos

Leia mais

Degradação de Pastagens: processos e causas

Degradação de Pastagens: processos e causas Cursos de capacitação de multiplicadores do Plano ABC Degradação de Pastagens: processos e causas Bruno Carneiro e Pedreira Pesquisador em Forragicultura e Pastagens 29/11/2011 Estatísticas Brasil maior

Leia mais

Pastagem para ovinos e caprinos

Pastagem para ovinos e caprinos Pastagem para ovinos e caprinos Hábitos alimentares Classes Ruminante Não ruminante Selecionadores de concentrado, frutos e folhas Brotos e folhas de árvores e arbustos (baixa fibra) Consumidores intermediários

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO E TROPICAL

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO E TROPICAL Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) Universidade de São Paulo GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO E TROPICAL Disciplinas: ZAZ 2313 Forragicultura I Professores Responsáveis: Profa.

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi

Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi A P R O D U Ç Ã O A N I M A L Gherman

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima 1 Everton Diel Souza, 2

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

Produção de Forrageiras de Inverno Sobressemeadas à Lanço em Pastagem de Brachiaria brizantha

Produção de Forrageiras de Inverno Sobressemeadas à Lanço em Pastagem de Brachiaria brizantha Produção de Forrageiras de Inverno Sobressemeadas à Lanço em Pastagem de Brachiaria brizantha Loreno Egídio Taffarel 1, Deise Dalazen Castagnara 2, Eduardo Eustáquio Mesquita 3, Marcela Abbado Neres 3,

Leia mais

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA: Manejo de Rebanhos em Pastejo MÉTODOS DE PASTEJO II Lotação rotacionada método que utiliza subdivisão

Leia mais

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

TESTE DE ADAPTABILIDADE DE FESTUCA (Festuca arundinacea) NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

TESTE DE ADAPTABILIDADE DE FESTUCA (Festuca arundinacea) NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA TESTE DE ADAPTABILIDADE DE FESTUCA (Festuca arundinacea) NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA SOUZA, Danieli Cristina¹; PROENÇA, Flávia Maria Nunes²; ROSSA, Überson Boaretto 3 ; BIANCO, Elder 4.

Leia mais

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANUAIS DE VERÃO

GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANUAIS DE VERÃO Capítulo 7 GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANUAIS DE VERÃO Renato Serena Fontaneli, Roberto Serena Fontaneli e Henrique Pereira dos Santos MILHETO ou CAPIM ITALIANO (Pennisetum americanum) Descrição morfológica

Leia mais

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS Rodrigo Salvador 1 ; Guilherme Vitória 2 ; Herberto Lopes 3 ; Francieli Steffler Weber 4 ; Romano Roberto Valicheski 5 ; Sidinei Leandro Klöckner

Leia mais

Circular. Técnica FORRAGEIRAS DE INVERNO

Circular. Técnica FORRAGEIRAS DE INVERNO FORRAGEIRAS DE INVERNO 01 As forrageiras de inverno, ou forrageiras de clima temperado, são plantas que apresentam seu melhor crescimento em temperaturas entre 20 e 25ºC. Nessas condições, podem constituir

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

Cultivo de Girassol na Bolívia

Cultivo de Girassol na Bolívia Cultivo de Girassol na Bolívia Pando Beni La Paz Cochabamba SantaCruz de la Sierra Oruro Potosi Chuchisaca Tarija Cultivo de Girassol em Santa Cruz de la Sierra Bolivia Condições para o cultivo de girassol

Leia mais

Comunicado Técnico. Recomendação da sobressemeadura de aveia forrageira em pastagens tropicais ou subtropicais irrigadas

Comunicado Técnico. Recomendação da sobressemeadura de aveia forrageira em pastagens tropicais ou subtropicais irrigadas Comunicado Técnico Dezembro, 61 ISSN 1517-1116 São Carlos, SP 2005 Recomendação da sobressemeadura de aveia forrageira em pastagens tropicais ou subtropicais irrigadas Patricia Perondi Anchão Oliveira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção,

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I ESTABELECIMENTO/FORMAÇÃO DE PASTAGENS Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP UNESP Campus

Leia mais

Pastagens para Caprinos

Pastagens para Caprinos IX Encontro de Caprinocultores do Sul de Minas e Média Mogiana Pastagens para Caprinos Silvio Doria de Almeida Ribeiro 1/78 Espírito Santo do Pinhal, 19 de maio de 2007 2/78 1 7/78 O que plantar? Gramíneas

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PLANEJAR 1- PLANEJAR-METAS-PRIORIDADES 2- A.M.O.R 4-ASSOCIATIVISMO 5-S.I.N.O.P 7- CHUTAR A VACA

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

Requisitos de Clima e Solo da espécie

Requisitos de Clima e Solo da espécie Requisitos de Clima e Solo da espécie Clima O amendoim forrageiro apresenta ampla faixa de adaptação, desenvolvendo-se bem desde o nível do mar até aproximadamente 1.800 m de altitude, em áreas com precipitação

Leia mais

COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito.

COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito. LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES COLHEITA DE SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ INTRODUÇÃO Planta produtora de grãos: Vegetação Florescimento Frutificação

Leia mais

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO Localização V. Jequitinhonha 430 km Vitória TURMALINA VEREDINHA MINAS NOVAS CAPELINHA ITAMARANDIBA ÁREA TOTAL DRENAGEM TOTAL

Leia mais

1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em

1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em Cesar José da Silva Alceu Richetti Márcio Akira Ito Carmen Regina Pezarico Opções para Diversificação na Segunda Safra 1O que é. São culturas de inverno que podem ser utilizadas em alternativa ao tradicional

Leia mais

Semente de Aveia Preta (avena strigosa)

Semente de Aveia Preta (avena strigosa) Semente de Aveia Preta (avena strigosa) Semente Gramínea Descrição Família Gramíneas Comum Anual Erecta Adaptação Tipo de solo Corrigidos/Adubados Cigarrinha CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS: Gramínea cespitosa,

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DO SORGO PARA O SEMIÁRIDO ALAGOANO

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DO SORGO PARA O SEMIÁRIDO ALAGOANO GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SEAGRI SUPERINTENDÊNCIA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO RURAL

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

DESEMPENHO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE CAPIM ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM) NA REGIÃO NOROESTE-RS 1

DESEMPENHO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE CAPIM ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM) NA REGIÃO NOROESTE-RS 1 DESEMPENHO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE CAPIM ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM) NA REGIÃO NOROESTE-RS 1 Jaqueline Raquel Tomm Krahn 2, César Oneide Sartori 3, Jordana Schiavo 4, Nailene Denise Dreilich Schneider

Leia mais

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SEMENTES DE CAPIM SUDÃO (SORGHUM SUDANENSE (PIPER) STAPF), PELAS ANÁLISES DE PUREZA E GERMINAÇÃO NOS ANOS DE 2007 A 2014 1 Vanderleia Cristina Bertoldo 2, Emerson André Pereira

Leia mais

Palavras-chave: Integração Lavoura-pecuária; Desenvolvimento Forrageiro; Ccrescimento de Plantas. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Integração Lavoura-pecuária; Desenvolvimento Forrageiro; Ccrescimento de Plantas. 1. INTRODUÇÃO HORMÔNIOS REGULADORES DE CRESCIMENTO E SEUS EFEITOS SOBRE OS PARÂMETROS MORFOLÓGICOS DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS 1 PELISSARI, G 2.; CARVALHO, I. R 2. SILVA, A. D. B 2.; FOLLMANN, D. N 2.; LESCHEWITZ, R 2

Leia mais

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia)

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Nossa experiência de... Integração lavoura-pecuária ROTEIRO DA

Leia mais

ÉPOCA DE SOBRESSEMEADURA DE GRAMÍNEAS ANUAIS DE INVERNO E DE VERÃO NO CAPIM-TIFTON 85: PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO BOTÂNICA 1

ÉPOCA DE SOBRESSEMEADURA DE GRAMÍNEAS ANUAIS DE INVERNO E DE VERÃO NO CAPIM-TIFTON 85: PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO BOTÂNICA 1 ÉPOCA DE SOBRESSEMEADURA DE GRAMÍNEAS ANUAIS DE INVERNO E DE VERÃO NO CAPIM-TIFTON 85: PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO BOTÂNICA 1 Época de sobressemeadura de gramíneas anuais de inverno e de verão... 739 Tifton

Leia mais

Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas

Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas Cultivares comerciais de milho não transgenico de instituições publicas características Espécie variedade Finalidades (aptidões) Regiões indicadas Cor Tamanho/tipo planta Ciclo Resistência Há algum indicativo

Leia mais