METODOLOGIA Exposição de conteúdos. Leitura de textos. Estudo dirigido. Pesquisa: estudo comparativo das gramáticas existentes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA Exposição de conteúdos. Leitura de textos. Estudo dirigido. Pesquisa: estudo comparativo das gramáticas existentes."

Transcrição

1 1 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: MORFOSSINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA I C/Horária total: 76 Prof. Responsável: VANDA B. BARUFFALDI C/Horária sem.: 04 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA A presença do curso de morfossintaxe justifica-se pela necessidade do conhecimento explícito da estrutura da língua, que possibilitará a organização de frases, orações, períodos e textos. EMENTA Dos fundamentos teóricos da gramática normativa à organização do texto: leitura e análise crítica das gramáticas, estudando a estrutura e o funcionamento da língua de acordo com a norma culta. O semestre privilegiará o estudo da sintaxe. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE O estudante deverá concluir que é imprescindível valorizar, em todos os níveis de escolarização, o conhecimento das estruturas da língua. Deverá notar, igualmente, que, desde que adequadamente direcionados, esses conhecimentos são capazes de auxiliar a compreensão e a produção de textos. OBJETIVOS GERAIS Proporcionar ao aluno o conhecimento explícito da morfossintaxe da língua portuguesa. Oferecer uma reflexão acerca dos fatos da linguagem Possibilitar uma leitura crítica das gramáticas existentes. Estudar a estrutura e o funcionamento da língua. Dar continuidade ao desenvolvimento da recepção e construção textuais UNIDADES TEMÁTICAS 1. Conceito de morfologia e sintaxe. O período simples A organização do período simples Análise dos termos da oração Translação de primeiro grau: representação das relações sintáticas por meio de estemas. 3. A complicação do período A subordinação e as relações de hierarquia A coordenação e as relações de equivalência A hipotaxe e a parataxe O paralelismo sintático 4. O processo de subordinação Tipos de subordinação Translação de segundo grau: representação através de estema 5. O processo de coordenação Tipos de coordenação Coordenação e ênfase A falsa coordenação 6. Padrões estruturais do período 7. Sintaxe de colocação, regência e concordância 8. Laboratório de redação: a morfossintaxe aplicada ao texto METODOLOGIA Exposição de conteúdos. Leitura de textos. Estudo dirigido. Pesquisa: estudo comparativo das gramáticas existentes. AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento.

2 Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BECHARA, Evanildo Cavalcante. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, CARONE, Flávia de Barros. Morfossintaxe. 3. ed. São Paulo: Ática, CUNHA, Celso Ferreira de. Nova Gramática do português contemporâneo. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 001. GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 00. COMPLEMENTAR ALMEIDA, Nilson Teixeira de. Regência verbal e nominal. São Paulo: Atual, BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática: opressão? Liberdade? São Paulo: Ática, BORBA, Francisco da Silva. Teoria sintática. São Paulo: T. A. Queiroz, CAMARA, J. Mattoso. Princípios de lingüística geral. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1995. CARONE, Flávia de Barros. Subordinação e Coordenação: confrontos e contrastes, São Paulo: Ática, KURY, Adriano da Gama. Novas lições de análise sintática. 4. ed. São Paulo: Ática, LUKIANCHUKI, Cláudia. Concordância verbal e nominal. São Paulo: Atual, KOCH, T.; SILVA, M. C. Lingüística aplicada ao português: sintaxe. São Paulo: Cortez, 00. OLIVEIRA, Ubaldo L. A estrutura sintática da frase. São Paulo: Selinunte, PERINI, Mário A. Para uma nova gramática do português. 6. ed. São Paulo: Ática, PERINI, Mário A. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, PINHEIRO, João B. Gonçalves. Análise sintática, São Paulo: Atual, 1998.

3 3 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: LÍNGUA INGLESA III C/Horária total: 76 Prof. Responsável: ELENIR ALMEIDA SILVA / INÊS T. BARRANCOS C/Horária sem.: 04 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA O aprendizado de língua estrangeira é, igualmente, uma demanda da vida acadêmica e profissional do aluno de Letras. O curso proporcionará, além do conhecimento em nível intermediário da língua, a inserção em novas culturas (a dos falantes de língua inglesa) e, tanto quanto relevante, o contato com diversas metodologias de aprendizado que ampliará a visão de mundo do educando nos níveis educacional, social, tecnológico e profissional. EMENTA A disciplina Língua Inglesa III integra as habilidades: produção escrita, leitura, compreensão auditiva e fonologia. Em produção escrita aspectos lingüísticos previamente fundamentados são desenvolvidos para a construção de estruturas textuais. Em leitura, tratar-se-á do uso instrumental da língua a fim de propiciar o desenvolvimento de técnicas e estratégias de leitura. No laboratório de línguas, a habilidade de compreensão auditiva, em nível pré-intermediário, visa estabelecer vínculos cognitivos com o código sonoro. O estudo da fonética propiciará ao profissional o desenvolvimento de seu trato articulatório e o capacitará a pronunciar corretamente palavras mediante leitura dos símbolos fonéticos para a complementação de sua competência comunicativa e lingüística. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE As estratégias utilizadas em aula para o aprendizado do idioma poderão ser empregadas pelo futuro professor em seu trabalho docente. OBJETIVOS GERAIS Desenvolver e adquiri/expandir: aspectos voltados à compreensão auditiva. Saber interagir ativamente no listening comprehension, utilizando estratégias top-down, bottom-up e identificação de keywords Aquisição de conhecimentos necessários que garantam ao aluno sua inserção no mercado de trabalho. Tais conhecimentos compreendem o domínio das estruturas gramaticais em nível pré-intermediário assim como a capacidade de redigir. Desenvolver e adquirir/expandir aspectos teóricos e práticos na compreensão de textos em língua inglesa nos níveis básicos e pré-intermediários e àqueles voltados para a pronúncia na língua inglesa. Compreensão Auditiva: The weekend; Transportation; Movies; Touring a City; Roommates Produção Escrita: Gêneros: narrativa (mudança de foco); biografia; cartão postal; carta informal de agradecimento. Leitura: Níveis de Leitura: compreensão geral do texto; compreensão de partes específicas do texto; compreensão detalhada do texto Inferência de Significado Prediction Aspectos estruturais, lexicais, morfológicos e discursivos da língua Referências textuais, além da utilização de textos autênticos na categoria narrativa e descritiva, e por fim, Registro (literário e jornalístico). Fonologia: todos os fonemas vocálicos que compreendem as unidades de 1 a 0 do livro citado de fonética citado como bibliografia básica. METODOLOGIA Aulas práticas e expositivas; exercícios de compreensão oral, textual (geral e específica); atividades escritas; uso do quadro negro, textos avulsos retirados de revistas, jornais e livros de literatura e gramática; atividades individuais e em grupos e uso do laboratório de línguas (livro, gravador, cd player, vídeo e fitas cassetes. AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF.

4 Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA Básica de Compreensão auditiva Richard, Jack C. Tactics for Listenig Developing. Oxford University Press, Básica de Produção Escrita e Leitura Strange, Derek. Reading and Writing. New York: Oxford University Press, Básica de Fonología Baker, and Goldstein, Sharon. Pronunciation Pairs. Cambridge University Press, (units 1 0) COMPLEMENTAR Konder, Rosa W. English Dictionary for Portuguese Speakers. São Paulo, Longman. Ao Livro Técnico S/A, 1995 Molinsky,Stevens;Bliss, Bill. Word by word dictionary.n.y. Longman,1994. Munhoz, Rosângela. Inglês Instrumental Estratégias de Leitura. NOVOTEXTO Murphy, Raymond. Essential Grammar in Use. Cambridge University Press, NEWSWEEK - Edições Variadas Parker,T. Stael,M. PASSWORD English Dictionary for Speakers of Portuguese. São Paulo: Martins Fontes, 001. Schumacher,Cristina; White,Lacy; Zanettini, Marta.Guia de pronúncia do inglês. Rio de Janeiro, Campus,1991. Taylor, James at alle. (Vol. 1) Reading: Structure and Strategy. Mexico, Macmillan Heinemann Press,

5 5 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLINGÜÍSTICA C/Horária total: 38 Prof. Responsável: VANDA BARTALINI BARUFFALDI C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA A disciplina insere-se no currículo porque trata das questões da linguagem de modo crítico permitindo, dessa forma, ao aluno, uma visão mais abrangente dos fenômenos lingüísticos; além disso, caminha paralelamente ao estudo da Língua Portuguesa fornecendo uma base consistente e reflexiva na compreensão conhecimento da língua e sua organização interna, ao tratar todo e qualquer aspecto da língua de modo científico e destituído de preconceitos. EMENTA Nos estudos de sociolinguística, a ênfase abrangerá as variações da língua, sendo estudadas tanto as características da modalidade escrita como as da modalidade falada; será abordada também a influência dos fatores lingüísticos e extralingüísticos na organização da linguagem. Será tratada, ainda, a organização e os passos da pesquisa sociolingüística. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE O conhecimento da existência de outras variedades de comunicação lingüística permitirá ao futuro docente que compreenda e respeite a expressão de seus alunos, sabendo utilizá-la para ampliar o estudo do português. OBJETIVOS GERAIS 1. Mostrar que os fatos da língua podem ser tratados de modo científico;. Desenvolver o espírito crítico e a reflexão acerca do fenômeno da linguagem humana; 3. Apontar alternativas para o tratamento dado pela gramática tradicional às questões da língua. UNIDADES TEMÁTICAS A) O Estruturalismo Americano: explicações e definições, estudadas a partir de: Chomsky e a gramática gerativa-transformacional: o aspecto sintático da língua 1) A estrutura profunda da frase e a sua organização na estrutura superficial ) A relação, a combinação, e a aproximação B) Sociolingüística 1) A importância do conhecimento desta teoria na compreensão e conscientização da Língua Falada ) Os níveis de Linguagem 3) A língua culta 4) A língua padrão 5) O regionalismo 6) O dialeto e o sotaque 7) Diferenciação 8) A gíria C) A pesquisa sociolingüística 1) Aplicação da Teoria ) O método de pesquisa sociolingüístico 3) Paradoxo do entrevistador, a coleta, a organização, a metodologia, a interpretação D) Exemplos de pesquisa de campo

6 6 METODOLOGIA Aulas expositivas Retroprojetor Leituras Exercícios Fichamento de artigos / textos Pesquisa Exercícios Explanação teórica Análise textual Análise de textos e reescritura dos mesmos AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA LOPES, Edward. Fundamentos da lingüística contemporânea. São Paulo: Cultrix, LEMOS, J. M. Para Compreender Labov, Vozes. R.J. 000 MOLLICA, M.C. Introdução à sociolingüística. São Paulo: Contexto. PRETI, Dino. Sociolingüística: os níveis da fala. São Paulo: Nacional, 1977 TARALLO, Fernando. A Pesquisa Sociolingüística. São Paulo, Ática. 1ª edição 1985 COMPLEMENTAR BASÍLIO, M. Teoria lexical. São Paulo: Ática, FONSECA, Maria Stella Vieira da; NEVES, Moema Facure (orgs.). Sociolingüística. Rio de Janeiro: Eldorado, FRANZONI, Patrícia Hilda. Nos bastidores da comunicação autêntica: uma reflexão em lingüística aplicada. São Paulo: Unicamp, 199. LYONS, John. As idéias de Chomsky. São Paulo: Cultrix, LYONS, Jonh (org.). Novos horizontes em lingüística. São Paulo: Cultrix, ORLANDI, E. P.; GUIMARÃES, E.; TARALLO, F. Vozes e contrastes: discurso na cidade e no campo. São Paulo: Cortez, PERINI, Mário Sofrendo a gramática. São Paulo, ática. 1997

7 SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, SÃO PAULO, (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Subsídios à proposta curricular de língua portuguesa para o 1º e º graus. Coletânea de textos. São Paulo, Se/CENP, v.1 e 3. SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, SILVA, Maria Cecília de Souza e Silva. Lingüística Aplicada ao Português: sintaxe São Paulo, Cortez.5ª edição TARALLO, Fernando (org.). Fotografias sociolingüísticas. Campinas: Unicamp,

8 8 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA INGLESA C/horária total: 38H Prof. Responsável: ELIZABETH APARECIDA SOUZA DE MIRANDA c/horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA Justifica-se a discipina de metodologia da produção de texto em língua inglesa no curso de letras, considerando-se que a partir da década de 70, esta habilidade passa a ser tratada não como subsidiária de outras habilidades no ensino de línguas estrangeiras, mas como um modo de linguagem que ocorre em virtude de condições de enunciação diversas das da oralidade, por exemplo, e que se apresenta sob a forma de diferentes gêneros e textos, devendo ser caracterizada na sua forma constitutiva. Merece, portanto, um capítulo particular no curso de letras. EMENTA Estudo crítico do cruzamento de diferentes gêneros e formas discursivas em L.E. que percorrem o universo da significação, unindo texto/contexto, as características sócio-culturais (interação, época, local, interlocutores e participantes) entre ambas, L.E. e L.M. Apresentação desses diversos gêneros em L.E. como instâncias de aquisição da língua inglesa e para a formação discursiva do futuro professor de inglês. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE O exercício da produção de texto tornará o futuro professor mais bem aparelhado para auxiliar seu aluno a se expressarem em língua inglesa tanto em sua modalidade oral como na escrita. OBJETIVOS GERAIS.Oferecer subsídios teóricos e práticos que permitam ao futuro professor de língua inglesa construir uma prática pedagógica fundamentada na concepção do professor de língua estrangeira reflexivo..possibilitar a construção de uma metodologia de ensino que vise a real formação do leitor e produtor de texto em L.E. nas escolas de ensino fundamental e médio..viabilizar a elaboração de planos de ensino e planos de aula que envolva pesquisas bibliográficas, seleção e análise de material pedagógico, que implicam uma atividade investigativa que deve se estimulada.. Intervenção, através de entrevistas junto aos professores e alunos das escolas, que representam uma forma de investigação da prática docente e do processo de aprendizado da língua inglesa nas escolas de ensino fundamental e médio. Esta investigação servirá de ponto de partida para oficinas e minicursos de formação de professores de L.E. a serem apresentados futuramente pelos estagiários. UNIDADES TEMÁTICAS.Os métodos de ensino de L.E. e o desenvolvimento de habilidades escrever: um perfil histórico; A construção de títulos em gêneros diversos: um processo discursivo polifônico e plurissêmico;. O desenvolvimento de estratégias: brainstorming, collecting information, developing a point of view;.coesão;. Coerência;. Organização lógica da idéias;. Aspectos interculturais; METODOLOGIA. Aulas presenciais;. Prática individual em laboratório multimídia;. Discussão (geral e em grupos) de problemas típicos da produção de texto em inglês;. Prática intensiva (noções teóricas concernentes à prática); workshops;. Orientação (feedback) da aprendizagem (individual). AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF.

9 Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CORACINI, M.J. O Jogo discursivo na sala de aula de leitura. Língua materna e língua estrangeira. Campinas: Ponto, ZEMACH, Dorothy. Paragraph Writing. Oxford: Macmillan, 005. COMPLEMENTAR MOITA, Lopes.Oficina em lingüística aplicada. Campinas: Mercado das Letras, TOTIS, Verônica.Língua Inglesa: Leitura. São Paulo: Cortez,

10 10 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: TEORIA LITERÁRIA II C/Horária total: 38 Prof. Responsável: SÍLVIA QUINTANILHA MACEDO C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA O estudo da narrativa substitui o exame inicial da lírica, atento à diversidade das formas literárias, isto é, das diferentes maneiras do texto se estabelecer. Cabe aqui examinar os elementos que constituem a narrativa, segundo uma teoria pertinente, destinada a orientar a leitura e a análise da prosa ficcional. EMENTA Análise de textos narrativos, de acordo com um aparato teórico específico capaz de viabilizar o estudo da prosa ficcional. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE O instrumental oferecido pela aulas tornará o futuro docente apto a orientar análises de textos literários. OBJETIVOS GERAIS Fazer com que os alunos reconheçam as diferenças entre os textos segundo a Teoria dos Gêneros. Estudar as diferentes modalidade de prosa ficcional. Análise de conto, romance e novela a partir de teoria previamente examinada. Introduzir diferentes linhas analíticas que se ocupam da prosa ficcional. UNIDADES TEMÁTICAS Indicar os diferentes elementos estruturais que compõem o texto ficcional. Estudar o tema, enredo, personagem, tempo, espaço, foco narrativo. Estabelecer uma perspectiva analítica que considera a obra ficcional como resultado da integração de seus elementos. Compreender o surgimento da narrativa segundo uma perspectiva histórica. Priorizar o estudo de obras ficcionais brasileiras, principalmente aquelas de caráter moderno. METODOLOGIA Aulas expositivas. Discussões gerais. Exercícios em grupo. AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma

11 11 escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ABDALA JR., Benjamin. Introdução à análise da narrativa. São Paulo, Scipione, CANDIDO, Antonio e outros. A personagem de ficção. São Paulo, Perspectiva, REUTER, Yves. Introdução à análise do romance. São Paulo, Martins Fontes, COMPLEMENTAR AGUIAR E SILVA, Vítor. A estrutura do romance.coimbra, Livraria Almedina AUERBACH, Erich. Mimesis. São Paulo, Perspectiva, BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo, Cultrix / Edusp, CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão. São Paulo, Tese e antítese. São Paulo, Companhia Editora Nacional, RAMOS, Graciliano. São Bernardo. Rio de Janeiro, J. Olympio, 1975 ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro, J. Olympio,1970. WATT, Ian. A ascensão do romance.. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

12 1 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: LITERATURA BRASILEIRA II C/Horária total: 38 Prof. Responsável: MARIA CÈLIA PAULILLO C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA O Romantismo brasileiro é considerado, pela maioria dos críticos de renome, o período onde se pode, efetivamente, falar de uma literatura nacional, que propõe uma ruptura com a literatura européia e uma volta às nossas raízes. Desta forma, estudar o período significa estudar um momento de reflexão não sobre a nossa literatura, mas também sobre a formação de nossa visão de identidade enquanto povo e nação. EMENTA O Curso faz uma abordagem, através de alguns autores, da Poesia Romântica: as três gerações, da Prosa Poética de Álvares de Azevedo, do Romance Urbano e Indianista e do Teatro. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE As informações obtidas no curso acerca do Romantismo brasileiro tornarão o professor apto a analisar, com seus alunos sobretudo os do ensino médio a analisarem os textos produzidos nesse período literário. OBJETIVOS GERAIS O curso deve propiciar o conhecimento do período romântico, nos aspectos estéticos, históricos e ideológicos da produção artística e literária, visando formar leitores sensíveis e críticos a essa produção. Iniciar os alunos na leitura e crítica do texto dramático. UNIDADES TEMÁTICAS A) Poesia romântica: as três gerações poéticas: Gonçalves Dias, Casimiro de Abreu, Álvares de Azevedo e Castro Alves B) Romance Urbano, Indianista e Regionalista: Joaquim Manuel de Macedo, José de Alencar, Bernardo Guimarães, Taunay e Manuel Antônio de Almeida. C) A prosa poética de Álvares de Azevedo: Noite na Taverna D) Teatro: o drama romântico Alencar e outros - e a comédia de Martins Pena METODOLOGIA Aula teórica Exibição de Filme Seminário sobre as obras dos principais escritores dado pelos alunos Análise e discussão de textos AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida.

13 13 Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CÂNDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Global, RONCARI, Luiz. Literatura brasileira: dos primeiros cronistas aos últimos românticos. São Paulo: EDUSP, COMPLEMENTAR BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, CASTELO, José Aderaldo. A Literatura Brasileira: Origens e Unidade. ( ). São Paulo: Edusp, 1999, v. 1 e. COUTINHO, Afrânio. Introdução à literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, LUCAS, Fábio. Do barroco ao moderno. São Paulo: Ática, MASSAUD, Moisés. História da literatura brasileira: barroco e arcadismo. São Paulo: Cultrix.. A Literatura Brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, PRADO. Décio de Almeida. O Drama Romântico Brasileiro. São Paulo: Perspectiva, PROENÇA FILHO, Domício. Estilos de época em literatura. São Paulo: Ática, 199. Literatura Brasileira. VESTIBULANDO. São Paulo: TV Cultura/Fundação Padre Anchieta, s.d. (vídeo)

14 14 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: LITERATURA PORTUGUESA III C/Horária total: 38 Prof. Responsável: ANTONIO DA SILVA ANDRADE / ALÍRIO TAVARES C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA O estudo da Literatura Portuguesa II, integrante do currículo pleno do curso de Letras, é oferecido no 3º semestre letivo. Esse estudo está norteado por princípios humanísticos e pela crença de que os estudos teórico-literários se constituem em subsídios fundamentais para que o aluno desenvolva e amplie sua capacidade intelectual. Justifica-se, assim, a inclusão da disciplina como forma de propiciar um contato consciente e efetivo com os gêneros literários da cultura portuguesa, seus principais autores e obras representativas, bem como os reflexos na vida literária brasileira. EMENTA A disciplina deverá propiciar uma visão geral e sistematizada da história da cultura Portuguesa, aprofundando a análise crítica por meio da leitura de obras consideradas fundamentais nos diversos movimentos estéticos da Literatura Portuguesa, do Classicismo ao Arcadismo. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE Conhecer a literatura portuguesa ampliará não apenas os conhecimentos gerais do futuro professor acerca da literatura universal, como lhe oferecerá mais instrumentos para orientar análises de textos literários produzidos no Brasil. OBJETIVOS GERAIS Estimular a leitura e a análise literária de textos representativos; oferecer visão sistematizada dos diversos movimentos literários; analisar de forma aprofundada, com metodologia adequada, algumas obras representativas; pesquisar o contexto sócio-político-cultural dos movimentos literários e das obras lidas; propiciar condições adequadas para que os alunos elaborem trabalhos acadêmicos. UNIDADES TEMÁTICAS A) O classicismo em Portugal; A épica camoniana: Os Lusíadas. B) O Barroco: a oratória de Padre Vieira. C) O Arcadismo: Bocage - produção neoclássica e pré-romântica. METODOLOGIA Exposição dialogada; estudo dirigido; exibição de filmes; elaboração de resumo e/ou resenha; seminário e/ou dramatização dos textos indicados; elaboração de monografia de final de semestre, em equipe de trabalho e/ou individualmente. Os alunos deverão visitar teatros, cinemas, museus, bibliotecas especializadas e/ou outros eventos conforme disponibilidade e oferta. AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido

15 15 pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA MASSAUD, Moisés. A literatura portuguesa. 7. Ed. São Paulo: Cultrix, 199. MASSAUD, Moisés. A literatura portuguesa através de textos. 4. Ed. São Paulo: Cultrix, SARAIVA, Antonio José; LOPES, Oscar. História da literatura portuguesa. 16. Ed. Porto: Porto, COMPLEMENTAR AMORA, Antonio Soares (org.). Presença da literatura portuguesa. 9. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand, Vls. I a IV. BRAGA, Teófilo. História da literatura portuguesa. Europa América, Vols. I a VII. CAMÕES, Luis Vaz de. Os Lusíadas. Rio de Janeiro: Ed. Ouro, 000. SPINA, Sigismundo et alii. Estudos de Literatura, Filologia e História. São Paulo: Edifieo, 001. SPINA, Sigismundo et alii. Presença da literatura portuguesa. São Paulo: Difel, 1998.

16 16 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: LITERATURA DA LÍNGUA INGLESA I C/horária total: 38 Prof. Responsável: ELIZABETH AP DE SOUZA MIRANDA C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA A escolha da literatura inglesa I no terceiro semestre do curso de letras se justifica na medida em que se considera a questão da cronologia histórica desta literatura que começa, em nosso curso, no século VIII e que se estende até o início do século XVII. EMENTA Apresentação, análise e discussão das principais obras dos escritores mais consagrados da produção literária inglesa dos seus primórdios até o século XVII. Este trabalho deve encaminhar o futuro professor de língua inglesa para uma prática pedagógica mais rica na medida em que contribui para que o aluno desenvolva interações comunicativas reais. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE O conhecimento da expressão literária em língua inglesa não apenas ampliará os recursos lingüísticos do futuro professor como também lhe oferecerá instrumental para introduzir seus alunos na visão de mundo das culturas anglosaxãs; OBJETIVOS GERAIS Levar os alunos à fruição do texto literário de Língua Inglesa a fim de propiciar a construção de sua Paidéia e de sua própria antologia de obras, escritores, poetas e críticos. A apreensão de um panorama geral desta literatura assim como o universo cultural que ela apresenta inclui-se em nosso objetivo UNICADES TEMÁTICAS 1. Old and Middle English Literature- the Anglo Saxon Period: Beowulf (autor desconhecido) e The Canterbury Tales de Geoffrey Chaucer.. The Renaissance and The English Revolution; The Elizabethan Drama: Christopher Marlowe e William Shakespeare. METODOLOGIA Desenvolvimento da percepção e reflexão para os aspectos éticos e estéticos, através de exercícios de sensibilização para a leitura. Leitura e análise de textos literários originais. Introdução à crítica e a criação na tradução literária. Atividades culturais: apresentação de leitura dramatizada; representação de cenas dos textos dramatúrgico;leitura de poemas, trabalhos escritos da análise das obras literárias. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BURGESS, Anthony. A Literatura Inglesa.Tradução de Duda Machado. São Paulo: Ática, THORNLEY, G.C.An Outline of English Literature.London: Longman, BRADLEY, A.C. A Tragédia Shakespeariana.Tradução de Alexandre Feitosa Rosas.São Paulo:Martins Fontes,009. COMPLEMENTAR BORGES, J.LUIS. Curso de literatura inglesa.são Paulo: Martins Fontes, 00. FRANK, Kermode.A linguagem de Shakespeare.Tradução de Bárbara Heliodora.Rio de Janeiro:Record,006 FRYE, Northrop. Sobre Shakespeare. Tradução de Simone Lopes de Mello. São Paulo: EDUSP, BLOOM, Harold. Shakespeare: a invenção do humano.tradução de José Roberto O Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, HELIODORA, Bárbara.Reflexões Shakesperianas. Rio de Janeiro: Lacerda, 004. KOTT, Jan. Shakespeare nosso contemporâneo. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac&Naif, 003.

17 17 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO I C/Horária total: 38 Prof. Responsável: MASSAIOSHI NAGASE C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA Justifica-se esta disciplina como responsável por fornecer ao futuro professor conhecimentos em Psicologia do desenvolvimento humano e do processo de ensino e aprendizagem, para que ele melhor se prepare para uma atuação competente na escola. EMENTA Estudo, análises e reflexões da Psicologia e dos Fatores que interferem no processo do desenvolvimento e aprendizagem. Concepções teóricas atuais da Educação com ênfase na análise crítica do conhecimento. APROVEITAMENTO DA DISCIPLINA PARA A PRÁTICA DOCENTE Conhecer e compreender o comportamento psicológico dos alunos auxiliará o docente em suas relações com as turmas com as quais terá de trabalhar. OBJETIVOS GERAIS Possibilitar ao futuro professor o domínio de conteúdos referentes à sua prática, no que diz respeito ao processo de ensino e aprendizagem (Psicologia da Aprendizagem), à luz das diferentes abordagens em Psicologia e sua ênfase na Educação. UNIDADES TEMÁTICAS 1. O conhecimento Psicológico Psicologia e Ciência Multideterminação do Humano: uma visão da Psicologia Métodos da Investigação Científica Histórico da Psicologia. Desenvolvimento e Aprendizagem Hereditariedade e ambiente Maturação e aprendizagem Características do processo de desenvolvimento 3. Teorias Psicológicas da Aprendizagem Ênfase comportamentista Behaviorismo Ênfase Fenomenológica Gestalt O interacionismo de Jean Piaget METODOLOGIA Aulas expositivas Debates Leituras Debates de filmes e peças teatrais Resumos AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF.

18 Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BOCK. Ana et alii PSICOLOGIAS. São Paulo: Saraiva.l995 COMPLEMENTAR FALCÃO, Gerson. Psicologia da Aprendizagem. São Paulo, Ática, KOFFKA, Kurt. Princípios da Psicologia da Gestalt. Editora Cultrix, KÖHLER, W. Psicologia da Gestalt, Belo Horizonte, Itatiara, PIAGET,Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Difel, PIAGET,Jean. Psicologia Social: O Homem em Movimento. São Paulo: Brasiliense, PIAGET,Jean. Seis Estudos em Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, RAPPAPORT, Clara. Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo. E.P.U., SABINI, M. A. Psicologia Aplicada à Educação. E. P. U SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento Humano. São Paulo, Funbec, SKINNER, B. F. Walden II, E. P.U VASCONCELOS, Celso. Para onde vai o Professor? São Paulo, Liberdade,

19 19 UNIFIEO - Pró-Reitoria Acadêmica Curso: LETRAS Série: 3º SEM Disciplina: Literatura Latina C/Horária total: 38 Prof. Responsável: HOMERO O. M. NOGUEIRA C/Horária sem.: 0 Departamento: LETRAS Período: MAT/NOT JUSTIFICATIVA O estudo da literatura latina proporcionará ao aluno conhecimento de obras e fatos que se relacionam com a vida dos romanos e da sua influência no curso da Civilização Ocidental. EMENTA Esta disciplina dedica se ao estudo das épocas literárias com suas obras representativas e à discussão do panorama político social. OBJETIVOS GERAIS Colocar o aluno em contato com textos da literatura latina, cotejando-os com outros de literaturas modernas. UNIDADES TEMÁTICAS Introdução:A literatura latina. I.Fase primitiva 1- Momento histórico..carmina Fratrum Arualium 3.Carmina Saliorum II. Fase helenística 1. Momento histórico. As origens do teatro latino 3. A Aulularia de Plauto III.Fase clássica 1. Época de Cícero 1.1 Momento histórico 1. Pro Archia de Cícero 1.3 A obra de Catulo 1.4 De rerum natura de Lucrécio. Época de Augusto.1 Momento histórico. As Metamorfoses de Ovídio.3 Bucólicas, Geórgicas e Eneida de Vergilio.4 A obra horaciana IV.Fase pós-clássica 1. Momento histórico. Medeia de Sêneca 3. O Satyricon de Petrônio METODOLOGIA Aula expositiva Recursos audio-visuais disponíveis, tais como documentários, filmes históricos. Estudo dirigido pela leitura de textos. Pesquisa, seminários.

20 0 AVALIAÇÃO Art.63 O aproveitamento escolar será aferido por uma prova semestral e um exame final oral. Parágrafo Único: O exame final oral poderá ser substituído por outra modalidade de avaliação, como provas escritas, trabalhos de pesquisa e seminários, de acordo com a natureza do curso, por Portaria do Coordenador do Curso homologada pelo Pró-Reitor Acadêmico, ouvido o Departamento. Art. 64. As notas da prova semestral e do exame final oral serão expressas em números inteiros, de zero a dez. Art. 65. A média final (MF) é a média aritmética entre as notas da prova semestral (P) e do exame final oral (EF), segundo a fórmula: MF = P + EF. Art. 66. O Calendário Escolar poderá estabelecer um mesmo período destinado à realização da prova semestral escrita e do exame final oral. Art. 67. Não haverá segunda chamada nem prova substitutiva. Art. 68. O aluno que obtiver média final inferior a seis, mas igual ou superior a dois, poderá requerer, no prazo definido pela Secretaria Geral, exame de segunda época, desde que satisfeita a freqüência mínima exigida. Art. 69. O aluno que obtiver média final inferior a dois é considerado reprovado, sem direito à segunda época. Art. 70. O exame de segunda época constará de duas provas realizadas preferencialmente em dias diferentes, uma escrita outra oral, cada uma avaliada por nota expressa em número inteiro, de zero a dez. Art. 71. A média final de segunda época (MF ª época) será a média aritmética das duas provas definidas no artigo anterior (MEx ª época) mais a média final, dividido por dois, segundo a fórmula: MF ªépoca = (MEx ª época) + MF. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CARDOSO, Zélia de Almeida. A literatura latina. São Paulo, Martins Fontes, 003. LEONI, G. D. A Literatura de Roma. São Paulo: Nobel, COMPLEMENTAR GIORDANI, Mário Curtis. História de Roma. Petrópolis: Vozes, NOVAK, Maria da Glória. Poesia lírica latina. São Paulo, Martins Fontes, 003.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20J Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso literário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS - EaD Autorizado pelo... Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância em Licenciatura em Letras

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: TÉCNICO EM ALIMENTOS FORMA/GRAU: ( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

Disciplina: O conto em LI Ementa: Análise crítica e interpretação de contos extraídos da produção literária em língua inglesa. Carga Horária: 60h

Disciplina: O conto em LI Ementa: Análise crítica e interpretação de contos extraídos da produção literária em língua inglesa. Carga Horária: 60h 1º Semestre Disciplina: Introdução aos Estudos Literários Ementa: Estudo crítico das noções de literatura. Revisão das categorias tradicionais de gêneros literários e estudo dos novos gêneros ficcionais.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE COLEGIO ESTADUAL DARIO VELLOZO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL Rua Haroldo Hamilton, 271 Centro - CEP 85905-390 Fone/Fax 45 3378-5343 - Email: colegiodariovellozo@yahoo.com.br www.toodariovellozo.seed.pr.gov.br

Leia mais

ANEXO 2. ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS

ANEXO 2. ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS ANEXO 2 ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS CÓDIGO DISCIPLINA 1 HE981 Introdução à literatura 2 HE982 Prática Escrita 3 HE983 Literatura Comparada

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO

Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: ESPANHOL APLICADO A SERVIÇOS TURÍSTICOS BÁSICO Eixo Tecnilógico: Apoio Educacional Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta:

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA 1º sem 2011 PROFESSOR: DANIELLA BASSO BATISTA PINTO Disciplina: PORTUGUÊS NO DIREITO E LATIM JURÍDICO Etapa: (X)1ª ( ) 2ª Turmas: (X) F - (X) G - (X) H - (X) P 1. OBJETIVOS: Introdução à

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1 CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1 Reconhecido pelo Decreto Estadual N.º 11.025, de 14.05.14, D.O.E. nº 9.206 de 15.05.14. Para

Leia mais

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho;

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho; RESOLUÇÃO N o 10/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Humanas e Artes. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de estruturas gramaticais básicas em situações comunicativas de registros culto e coloquial. Introdução à fonética e fonologia

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental Código: CTB - 112 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 3 Colegial A 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional de 12º H Português Planificação Anual - Módulos: 10,11 e 12 Ano Letivo: 2015/2016 Módulos Compreensão Âmbito dos Conteúdos Avaliação Leitura/descrição / Expressão de imagens oral Testes

Leia mais

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA MISSÃO O curso de Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa deve ter o compromisso de promover no estudante um processo contínuo de reflexão sobre o papel

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

SALA DAS SESSÕES DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, em Cuiabá, 27 de abril de 2009.

SALA DAS SESSÕES DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, em Cuiabá, 27 de abril de 2009. RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 74, DE 27 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre as alterações curriculares e o Projeto Pedagógico do Curso de Letras, licenciatura, com habilitação em Português e Literaturas, do Instituto

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08 PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Teorias Educacionais e Curriculares CÓDIGO: NPED 03 FASE DO CURSO: 2ª SEMESTRE LETIVO: 2º 2013 CARGA HORARIA SEMESTRAL/

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA Curso Reconhecido pela Resolução nº do Conselho Nacional de Educação/CNE A implantação do curso é uma solicitação que vem sendo feita pelos próprios

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Turno: VESPERTINO/NOTURNO Vespertino currículo nº 2 Noturno currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto Federal nº 32.242, de 10.02.53,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 PLANO DE CURSO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 PLANO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: ARTE E CULTURA Código: --- Pré-requisito: --- Período Letivo: 2013.1

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Supervisor do Curso Titulação Nome do Curso Características

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE n 367/2005*

RESOLUÇÃO CEPE n 367/2005* RESOLUÇÃO CEPE n 367/2005* Estabelece o currículo pleno do curso de Letras- Habilitação: Bacharelado em Estudos Literários, a ser implantado a partir do ano letivo de 2006. CONSIDERANDO a lei nº 9394/96

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Docente(s) Lucinéa Marcelino Villela Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Extensão EE Arlindo Bittencurt Código: 091.07 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR CARGO: FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA I PROVAS COMUNS ÀS FUNÇÕES DE FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA E FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA/FARMACÊUTICO.

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012.2 04 Turma Nome da Disciplina - Curso SEMANAL MENSAL 04 16 Pedagogia Economia af Língua Portuguesa I 1 EMENTA Acentuação gráfica. Paráfrase. O novo acordo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES

DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES 422 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES PROFESSORES Alice Maria Correia Jham Ana Maria Ferreira Barcelos Aparecida de Fátima Bueno Cristiane Cataldi dos Santos Paes Cristina da Rosa Bustamante Francis Paulina

Leia mais

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo.

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo. Leitura, Interpretação e Produção de Textos. Estrutura e Organização de trabalhos acadêmicos. Pesquisa Cientifica. Elaboração de Projeto de Pesquisa. Proporcionar a inserção do aluno no trabalho acadêmico,

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Visão diacrônica das correntes estéticas da Literatura Portuguesa do período medieval ao final do séc. XIX. Abordagem crítica dos seguintes movimentos: Trovadorismo, Humanismo, Renascimento,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Período: 77.1 79.2 OBJETIVOS: Levar o aluno a conhecer e sistematizar o processo das técnicas e das formas, das técnicas e das principais concepções poéticas e ideológicas dos movimentos de vanguarda européia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS PROJETO NIVELAMENTO Assis-SP 2014 1 INTRODUÇÃO Unidade na

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: : Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração/Bacharelado FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA Patrícia Cristina de Oliveira (UEM UENP/Jacarezinho) Vera Maria Ramos Pinto (UEL UENP/Jacarezinho) Introdução

Leia mais

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia INGLÊS BÁSICO Ceilândia, Outubro de 2014. Reitoria Wilson Conciani Reitor Adilson Cesar de Araújo Pró - Reitoria

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais