GUIA DO CANDIDATO Informações para Registro de Candidaturas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO CANDIDATO Informações para Registro de Candidaturas."

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO Neste ano de 2012, teremos Eleições em todos os municípios do nosso país. As regras para escolha e registro de candidatos estão contidas na Lei nº 9.504/97 e também na Resolução nº /2011/TSE, cuja leitura recomendamos. Para participar das eleições, os partidos, coligações e candidatos deverão se submeter aos procedimentos relativos ao registro perante a Justiça Eleitoral. Elaboramos o Guia do Candidato Informações para Registro de Candidaturas, em forma de perguntas e respostas, para facilitar o entendimento das fases que envolvem o registro dos candidatos. 1

2 SUMÁRIO Cargos em disputa... 4 Condições de elegibilidade Quais os cargos disputados nas eleições municipais de 2012? 2. Que requisitos o cidadão deve preencher para ser candidato? 3. Quem não pode ser candidato? 4. O que é incompatibilidade para ser candidato? Convenções partidárias O que é convenção partidária? 2. E se as normas não estiverem previstas no Estatuto? 3. É possível o registro de candidatura avulsa? 4. Quando serão realizadas as convenções para a escolha dos candidatos? 5. Quem pode convocar e realizar as convenções partidárias? 6. Em que locais podem ser realizadas as convenções partidárias? 7. Qual o objetivo das convenções partidárias? 8. Como serão registradas as decisões tomadas na convenção? 9. Quem poderá anular as deliberações tomadas na convenção partidária? Número de candidatos Como são escolhidos os números dos candidatos? 2. Como podem ser formados os números dos candidatos? 3. Como é definido o número de vagas para o cargo de vereador de um município? 4. Quantos candidatos o partido e a coligação podem lançar? 5. Para o cargo de Vereador, qual o número de candidatos por sexo? 6. Como são feitos os cálculos dos percentuais mínimos e máximos? 7. A apuração dos percentuais por sexo é feita com base no número de candidatos efetivamente lançados ou no número máximo de vagas? Nome dos candidatos Como é definida a opção de nome do candidato que constará na urna eletrônica? 2. Como o candidato poderá saber se o mesmo nome foi indicado por outro candidato? 3. Como será resolvida a homonímia (mesmo nome para urna)? Coligações O que é uma coligação? 2. Como se forma uma coligação? 3. Quais são as regras para composição das coligações? 4. As coligações podem ter nomes? 5. Quem representa a coligação perante a Justiça Eleitoral? 6. Quem representa o partido que concorre isolado perante a Justiça Eleitoral? 7. Quais as semelhanças entre coligação e partido isolado? 8. O que é dissidência partidária? 9. Após as convenções, que providências devem ser tomadas pelos candidatos escolhidos na convenção? 2

3 Pedido de registro O que é Sistema CANDex? 2. Quando o partido/coligação poderá requerer o registro das candidaturas? 3. Os dados dos candidatos podem ser consultados na internet? 4. O que é DRAP e RRC? 5. Quem pode assinar o pedido de registro das candidaturas? 6. O que fazer se o partido não solicitar, até o dia 5 de julho, o pedido de registro do candidato? 7. Como proceder para registrar uma candidatura individual? 8. A partir de que data será permitida a propaganda eleitoral? 9. Quais documentos devem ser apresentados no pedido de registro? 10. Quais certidões adicionais devem ser apresentadas pelos candidatos com foro especial? 11. E se o candidato deixar de apresentar algum documento? 12. Quais providências os candidatos deverão tomar após o pedido de registro? Impugnação ao pedido de registro de candidatura O que é impugnação ao pedido de registro de candidatura? 2. O que é notícia de inelegibilidade? 3. O que o candidato impugnado deve fazer? Renúncia, substituição de candidato Se o candidato, após solicitar o registro, desistir de concorrer? 2. Um candidato que deixar de concorrer poderá ser substituído? 3. Quais os prazos de substituição para candidato a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereador? 4. Se o candidato a Prefeito ou Vice-Prefeito for indicado por coligação, como será feita a substituição? 5. E se a substituição do candidato a Prefeito ocorrer bem próxima ao dia da eleição? 6. Se na convenção não forem preenchidas todas as vagas para o cargo de Vereador? Julgamento dos pedidos de registro Quando ocorre o julgamento dos pedidos de registro? 2. Como é feito esse julgamento? 3. Se o pedido de registro for indeferido, o candidato poderá recorrer? 4. E se o recurso não tiver sido julgado antes das eleições? 5. Os partidos poderão verificar as fotos de seus candidatos na urna eletrônica antes das eleições? 6. Como os partidos e candidatos poderão saber se o pedido de registro foi deferido? Referências legais Contatos da SECRE Ficha técnica

4 CARGOS EM DISPUTA 1 - Quais os cargos disputados nas eleições municipais de 2012? Prefeito e Vice-Prefeito (eleições majoritárias) Vereador (eleições proporcionais) CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE 2 - Que requisitos o cidadão deve preencher para ser candidato? Ele deve preencher as seguintes condições de elegibilidade exigidas pela Constituição Federal e pela legislação eleitoral: a) Nacionalidade brasileira, comprovada no momento do alistamento eleitoral; b) Pleno exercício dos direitos políticos (capacidade de votar e ser votado); c) Alistamento eleitoral, obrigatório a todo cidadão entre 18 e 70 anos; d) Domicílio eleitoral na circunscrição até o dia , com título eleitoral do município pelo qual pretenda concorrer; e) Filiação partidária deferida pelo partido até o dia ; f) Idade mínima, levando-se em consideração a data da posse: Cargo Idade mínima Data da posse Prefeito e Vice-Prefeito (Art. 29, III, da Constituição Federal) Vereador (Art. 174, 2º, da Constituição Estadual de MG) 4

5 3 - Quem não pode ser candidato? Aquele que não preencher as condições de elegibilidade anteriormente descritas e os inelegíveis abaixo mencionados: a) Os analfabetos e os inalistáveis (conscritos - aqueles que estão prestando o serviço militar obrigatório e os menores de 16 anos); b) Os que se enquadrarem nas hipóteses previstas na LC 64/90 e na Constituição Federal/88; c) O prefeito reeleito ao mesmo cargo, ou ao cargo de Vice, para mandato consecutivo, no mesmo Município; d) Os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau, do Prefeito, no território de jurisdição deste, ou de quem os haja substituído, dentro dos 6 meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição; e) Aqueles declarados como inelegíveis por decisão judicial. 4 - O que é incompatibilidade para ser candidato? É o impedimento decorrente do exercício de cargo, emprego ou função pública. Exemplos: O servidor público, que precisa afastar-se (desincompatibilizar-se) de suas funções para poder concorrer a cargo eletivo. O Prefeito que, para concorrer a outros cargos, deve renunciar ao mandato até 6 meses antes das eleições. CONVENÇÕES PARTIDÁRIAS 1 - O que é convenção partidária? É a reunião de filiados de um partido com a finalidade de eleger aqueles que concorrerão ao pleito. As normas para sua realização são previstas no estatuto do partido. 2 E se as normas não estiverem previstas no Estatuto? Não havendo previsão estatutária, o Órgão Nacional estabelecerá as normas e as publicará no Diário Oficial da União até 10 de abril de É possível o registro de candidatura avulsa? Não. Para ser registrado como candidato, o cidadão, além de ser filiado ao partido, deverá ser escolhido na convenção. 4- Quando serão realizadas as convenções para escolha dos candidatos? 5

6 Serão realizadas entre os dias 10 e 30 de junho de Quem pode convocar e realizar as convenções partidárias? A Comissão Provisória ou o Diretório Municipal, que deverá estar anotado no TRE até a data da realização da convenção. 6 - Em que locais podem ser realizadas as convenções partidárias? Em algum espaço particular ou em prédios públicos. No caso de prédios públicos, estes poderão ser utilizados gratuitamente, desde que se faça a comunicação ao responsável pelo local com antecedência mínima de 72 horas antes do evento, responsabilizandose por quaisquer danos causados em decorrência de sua realização. 7- Qual o objetivo das convenções partidárias? As convenções têm por objetivo deliberar sobre os seguintes assuntos: a) Formação ou não de coligação; b) Quais cargos o partido irá disputar; c) Escolha dos candidatos às eleições majoritárias e/ou proporcionais; d) Sorteio do número dos candidatos. e) Escolha de representante e/ ou delegado(s), conforme o caso; f ) Definição dos valores máximos de gastos por cada cargo em disputa. 8 - Como serão registradas as decisões tomadas na convenção? As decisões deverão constar na ata da convenção, que deverá ser lavrada em livro próprio do partido, aberto e rubricado pela Justiça Eleitoral. Posteriormente, deverá ser digitada e assinada para ser entregue ao Cartório Eleitoral, quando do pedido de registro das candidaturas. 9 - Quem poderá anular as deliberações tomadas na convenção partidária? O Órgão de Direção Nacional do partido, quando forem contrariadas as diretrizes legitimamente estabelecidas nos termos do estatuto partidário. A anulação deverá ser comunicada ao Juiz Eleitoral até o dia Se, por este motivo, houver necessidade de escolha de novos candidatos, o pedido de registro deverá ser apresentado nos 10 dias seguintes à deliberação. NÚMERO DE CANDIDATOS 6

7 1 - Como são escolhidos os números dos candidatos? Os números dos candidatos são definidos na convenção. Se o candidato ocupa cargo eletivo ou concorreu com o número, terá preferência na sua utilização. 2 - Como podem ser formados os números dos candidatos? O candidato ao cargo de Prefeito deve concorrer com o número do seu partido (mesmo se estiver coligado). O candidato ao cargo de Vereador deve concorrer com o número do seu partido seguido de 3 algarismos. 3 - Como é definido o número de vagas para o cargo de vereador de um município? É definido na Lei Orgânica do Município, devendo ser observado o art. 29 da Constituição Federal, que prevê mínimo de 9 e máximo de 55 vereadores, de acordo com a respectiva faixa populacional. 4 - Quantos candidatos o partido e a coligação podem lançar? Para Prefeito e Vice-Prefeito, cada partido e cada coligação podem lançar 1 candidato para cada cargo. A apresentação será em chapa única. Para o cargo de Vereador, cada partido que concorre isolado pode lançar até 150% do número de vagas e cada coligação pode lançar até o dobro. No cálculo do número total de candidatos a serem apresentados, a fração resultante será sempre desprezada, se inferior a meio, e igualada a um, se igual ou superior. 5 - Para o cargo de Vereador, qual o número de candidatos por sexo? Do número de vagas requeridas, cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. 6 - Como são feitos os cálculos dos percentuais mínimos e máximos? Toda fração resultante do cálculo do percentual mínimo (30%) será sempre igualada a um e, desprezada, no cálculo do percentual máximo (70%). 7 - A apuração dos percentuais por sexo é feita com base no número de candidatos efetivamente lançados ou no número máximo de vagas? 7

8 Os percentuais de sexo serão apurados tendo como referência o número de candidatos efetivamente lançados pelos partidos e coligações. NOME DOS CANDIDATOS 1- Como é definida a opção de nome do candidato que constará na urna eletrônica? O candidato indica a opção de nome com a qual deseja concorrer, que pode ser o prenome, sobrenome, cognome, nome abreviado, apelido ou nome pelo qual é mais conhecido, desde que não se estabeleça dúvida quanto a sua identidade, não atente contra o pudor e não seja ridículo ou irreverente. 2 - Como o candidato poderá saber se o mesmo nome foi indicado por outro candidato? Até o dia 8 de julho, o Cartório Eleitoral publicará edital contendo os nomes de todos os candidatos apresentados pelo partido ou pela coligação. Esta lista conterá o número, nome completo e nome para urna. 3 - Como será resolvida a homonímia (mesmo nome para urna)? Será verificado se os candidatos com a mesma opção de nome concorreram com o nome indicado ou se são conhecidos por ele em sua vida política, social ou profissional. Caso nenhum deles tenha preferência sobre o uso do nome, os dois serão notificados para que cheguem a um acordo. Ao final, o Juiz decidirá a questão. COLIGAÇÕES 1 - O que é uma coligação? É o agrupamento de dois ou mais partidos com o objetivo de atuar na disputa eleitoral. A coligação deve funcionar como um só partido no relacionamento com a Justiça Eleitoral e no trato dos interesses interpartidários. 2 - Como se forma uma coligação? As regras para formação de coligações estão previstas nos estatutos partidários ou nas normas publicadas pelo Órgão Nacional do partido para a eleição respectiva. É importante esclarecer que as coligações partidárias são definidas quando da realização da convenção, e essa deliberação deve constar na ata da convenção de cada um dos partidos coligados. 3 - Quais são as regras para composição das coligações? 8

9 As coligações podem ser formadas apenas para eleição majoritária (cargos de Prefeito e Vice-Prefeito), apenas para eleição proporcional (cargo de Vereador) ou para ambas (Prefeito, Vice-Prefeito e Vereador). Para o cargo de Vereador, poderão ser formadas coligações que são subgrupos advindos da coligação majoritária, mas um partido estranho à coligação majoritária não poderá integrar as coligações proporcionais. Coligação Principal Majoritária (Prefeito e Vice-Prefeito) Partidos coligados: A, B, C, D Coligação A/B Possibilidades de formação de coligações proporcionais - Vereador (Subgrupos da majoritária) Coligação C/D Coligação A/C Coligação B/D Coligação B/C Coligação A/D Coligação A/B/C e D pode ou não sair isolado Atenção: Um partido E não poderá integrar as coligações proporcionais, pois não faz parte da coligação majoritária. Partidos que estiverem concorrendo isoladamente na majoritária podem coligar-se na proporcional. Partidos que concorrerem coligados na majoritária poderão lançar isoladamente candidatos na eleição proporcional. 4 - As coligações podem ter nomes? A coligação terá denominação própria, que poderá ser a união das siglas dos partidos que a compõem. O nome escolhido não pode coincidir, incluir ou fazer referência a nome ou número de candidato, nem conter pedido de voto para partido político. 5 - Quem representa a coligação perante a Justiça Eleitoral? A coligação será representada por pessoa designada, que terá atribuições equivalentes às de presidente de partido e, ainda, por até 3 delegados indicados pelos partidos que a compõem. A indicação de delegados da coligação é facultativa. Essa indicação é feita no pedido de registro de candidaturas. 6 - Quem representa o partido que concorre isolado perante a Justiça Eleitoral? O partido que concorre isolado é representado pelo Presidente do Órgão Municipal ou por até 3 delegados previamente credenciados perante o Cartório Eleitoral. 9

10 7- Quais as semelhanças entre coligação e partido isolado? Desde a realização da convenção até a diplomação dos eleitos, as coligações gozam dos mesmos direitos e obrigações dos partidos políticos, funcionando como um só partido no seu relacionamento com a Justiça Eleitoral. Durante o período compreendido entre a data da convenção e o termo final do prazo para a impugnação do registro de candidatos, o partido coligado só poderá agir isoladamente para questionar a validade da própria coligação. 8 - O que é dissidência partidária? A dissidência partidária interna ocorre quando mais de um pedido de registro coletivo de candidatura de um mesmo partido for requerido por pessoas diferentes, em disputa pela representação do órgão partidário. Nesse caso, os dois pedidos serão recebidos e processados e caberá ao Juiz Eleitoral decidir qual deles tem legitimidade para concorrer. 9 - Após as convenções, que providências devem ser tomadas pelos candidatos escolhidos na convenção? Após a escolha em convenção, os candidatos devem providenciar os documentos necessários ao pedido de registro. Os partidos e coligações deverão providenciar a digitação dos dados de seus candidatos no Sistema CANDex, que é de utilização obrigatória. PEDIDO DE REGISTRO 1 - O que é o Sistema CANDex? CANDex é o sistema utilizado para inserir dados dos partidos, coligações e candidatos. Para os candidatos também devem ser digitalizadas no CANDex a fotografia, as certidões apresentadas e a proposta de governo, esta última apenas no caso de candidatos ao cargo majoritário. O CANDEX pode ser obtido nas páginas do TSE e do TRE ( ou no Cartório Eleitoral, desde que fornecida a mídia pelos interessados. 2 - Quando o partido ou a coligação poderá requerer o registro das candidaturas? Após a realização da convenção, o pedido poderá ser requerido, quando já estiverem reunidos os documentos necessários dos partidos/coligações e dos candidatos, digitados os dados no CANDex, impressos os formulários e gravado o pedido em CD para entrega no Cartório Eleitoral. A data limite para o pedido de registro das candidaturas pelos partidos e coligações é o dia 5 de julho até as 19 horas. 10

11 Importante: A partir do dia 5 de julho de 2012, os prazos correrão ininterruptamente, inclusive aos sábados, domingos e feriados, permanecendo abertos os Cartórios Eleitorais em regime de plantão. 3 Os dados dos candidatos podem ser consultados na Internet? Sim. Os dados de todos os candidatos podem ser consultados na página do TRE/MG ( ou do TSE ( pelo link de Divulgação de Candidaturas. 4 - O que é DRAP e RRC? DRAP - Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários - é o formulário de pedido de registro de candidaturas, que é impresso pelo Sistema CANDex, contendo os dados do partido ou da coligação e a lista de todos os candidatos com pedido de registro requerido. RRC - Requerimento de Registro de Candidaturas - é o formulário utilizado para o pedido de registro de candidaturas, contendo os dados, a fotografia e os documentos de cada candidato. 5 - Quem pode assinar o pedido de registro das candidaturas? Quem assina o pedido de registro das candidaturas é chamado subscritor do pedido. No caso de coligação, o DRAP poderá ser assinado por seu representante ou por seus delegados ou pelos presidentes dos partidos coligados ou, ainda, pela maioria dos membros dos órgãos de direção dos partidos. No caso do partido que concorre isolado, o DRAP será assinado pelo presidente do Órgão Partidário Municipal ou delegado autorizado. Partido isolado Presidente do partido ou delegado autorizado Coligação Representante da coligação ou Presidentes dos partidos coligados ou Delegado(s) ou Maioria dos membros dos órgãos de direção dos partidos. 11

12 6 - O que fazer se o partido não solicitar, até o dia 5 de julho, o pedido de registro do candidato? Se o partido ou a coligação não requerer o registro de seus candidatos, estes poderão fazê-lo, observando o prazo máximo de 48 horas seguintes à publicação do edital coletivo dos candidatos. 7 - Como proceder para registrar uma candidatura individual? O candidato deverá baixar o programa CANDex ( preencher os dados, imprimir o formulário RRCI, assiná-lo e entregá-lo no Cartório Eleitoral juntamente com a documentação e o CD contendo os dados gravados. 8 - A partir de que data será permitida a propaganda eleitoral? A propaganda eleitoral será permitida somente após o dia 05 de julho de Quais documentos devem ser apresentados no pedido de registro? Os partidos e coligações devem apresentar o formulário DRAP, impresso pelo CANDEX, e cópia(s) digitada(s) da(s) ata(s) de convenção(ões). Para cada um dos candidatos deverão ser apresentados os seguintes documentos: RRC, impresso pelo CANDEX, assinado pelo candidato e pelo representante do partido ou da coligação, contendo a foto do candidato (fotografia 5X7); Declaração de bens, impressa pelo CANDEX, assinada pelo candidato; Cópia de documento oficial de identificação; Proposta de governo para o candidato ao cargo de Prefeito; Comprovante de escolaridade ou declaração de próprio punho; Comprovante de desincompatibilização ou afastamento, se for o caso. Certidões criminais: 12

13 Justiça Federal Subseção de MG - Na Capital: Av. Augusto de Lima, 1.549, Barro Preto - (31) Justiça Comum Juizado Especial: Av. Juscelino Kubitscheck, Coração Eucarístico - (31) No Interior: Certidão fornecida pelo Cartório Criminal, inclusive pelo Juizado Especial Criminal da Comarca em que o candidato é eleitor Quais certidões adicionais devem ser apresentadas pelos candidatos com foro especial? Candidatos com foro Especial devem apresentar também as seguintes certidões: Certidão da Câmara Municipal Prefeito Justiça Comum - 2º grau: TJMG - R. Goiás, (31) / Justiça Federal - 2º grau: TRF1 Governador Deputado Estadual STJ - STJ - Superior Tribunal de Justiça SAFS QUADRA 6, LOTE 1, TRECHO 3 - Brasília/DF Tel: (61) Assembléia ALMG Assembléia Legislativa de MG - Justiça Comum - 2º grau: TJMG - R. Goiás, (31) / Justiça Federal - 2º grau: TRF1 Deputado Federal ou Senador Militar Certidão do STF Certidão do TJM ou do STM dependendo do cargo que ocupa Observações: * Além da via impressa, as certidões devem ser digitalizadas e anexadas ao pedido no CANDex. * Os candidatos estão dispensados de apresentar certidão de filiação partidária, domicílio, quitação eleitoral e crimes eleitorais. Estas informações são buscadas no banco de dados da Justiça Eleitoral. 13

14 11 E se o candidato deixar de apresentar algum documento? Nesse caso, o candidato será intimado via fax, no número indicado no RRC, para apresentar o documento faltante no prazo de 72 horas a contar do recebimento da intimação, sob pena de indeferimento do pedido de registro. O candidato deve acompanhar o seu processo de pedido de registro e ficar atento aos prazos legais Quais providências os candidatos deverão tomar após o pedido de registro? Após o pedido de registro de candidaturas pelos partidos e coligações, os candidatos poderão acompanhar a publicação do edital de candidatos, que deverá ser publicado/afixado pelo Cartório Eleitoral até o dia 8 de julho de A partir do pedido de registro, os partidos, as coligações e os candidatos poderão consultar no site da Receita Federal, na internet, o número do CNPJ a ser utilizado pelo candidato. A partir da publicação do edital de candidatos, os dados serão divulgados na internet para acompanhamento dos interessados em IMPUGNAÇÃO AO PEDIDO DE REGISTRO DE CANDIDATURA 1- O que é impugnação ao pedido de registro de candidatura? Após o pedido de registro de candidatura, é publicado edital com os nomes dos partidos e das coligações concorrentes e seus respectivos candidatos. Até 5 dias após a publicação, qualquer candidato, partido político, coligação ou Ministério Público Eleitoral poderá impugnar o pedido em petição fundamentada, tendo como motivo ausência de condições de elegibilidade, causa de inelegibilidade ou incompatibilidade, ou descumprimento de formalidade legal. 2 - O que é notícia de inelegibilidade? No mesmo prazo da impugnação, qualquer cidadão, em gozo de seus direitos políticos, poderá dar notícia de inelegibilidade ao Juízo Eleitoral, apresentando petição fundamentada em duas vias. 3- O que o candidato impugnado deve fazer? O candidato impugnado será notificado para contestar a impugnação no prazo de 7 dias. 14

15 RENÚNCIA E SUBSTITUIÇÃO DE CANDIDATO 1 - Se o candidato, após solicitar o registro, desistir de concorrer? O candidato poderá, por ato de sua vontade, renunciar a candidatura a qualquer tempo. Para isso, deve encaminhar ao Juiz Eleitoral documento datado e assinado, com firma reconhecida por tabelião ou assinada por duas testemunhas. O Juiz Eleitoral homologará a renúncia. 2 - Um candidato que deixar de concorrer poderá ser substituído? Nos casos de renúncia, falecimento, indeferimento, cassação ou cancelamento do registro, poderá ser feita a substituição do candidato, desde que sejam atendidos os prazos para este procedimento. 3 - Quais os prazos de substituição para candidato a Prefeito, Vice-Prefeito e Vereador? Se a substituição for de Prefeito e Vice-Prefeito, ela poderá ser solicitada a qualquer tempo antes da eleição, desde que observado o prazo de 10 dias do fato ou da decisão judicial que deu origem à substituição. Se a substituição for de Vereador, ela somente poderá ser solicitada até o dia , ou seja, 60 dias antes das eleições. Deve ser atendido também o prazo de 10 dias do fato ou da decisão judicial que deu origem à substituição. A substituição de candidatos ao cargo proporcional deve atender ao percentual por sexo. 4 - Se o candidato a Prefeito ou a Vice-Prefeito for indicado por coligação, como será feita a substituição? Se o candidato for de coligação, a substituição deverá ser feita por decisão da maioria absoluta dos órgãos executivos de direção dos partidos coligados, podendo o substituto ser filiado a qualquer partido dela integrante, desde que o partido ao qual pertencia o substituído renuncie ao direito de preferência (art. 67, 3º da Res /2011/TSE). 5 - E se a substituição do candidato a Prefeito ocorrer bem próxima ao dia da eleição? Se a substituição do candidato ao cargo de Prefeito ocorrer em data próxima à realização da eleição e não houver mais tempo para nova preparação das urnas eletrônicas, o substituto concorrerá com o nome, número e fotografia do substituído, computando-se para o substituto os votos atribuídos ao substituído. 6 - Se, na convenção, não forem preenchidas todas as vagas para o cargo de Vereador? Nesse caso, o partido ou a coligação poderá indicar candidatos para o preenchimento das vagas restantes. São as chamadas vagas remanescentes, que podem ser preenchidas até o dia

16 Os pedidos de registro em vagas remanescentes devem ser feitos pelo CANDex e devem atender aos percentuais total e por sexo. JULGAMENTO DOS PEDIDOS DE REGISTRO 1 - Quando ocorre o julgamento dos pedidos de registro? Após toda a tramitação processual, os pedidos de registro de candidatura serão julgados pelo Juiz Eleitoral, que proferirá a sentença. 2- Como é feito esse julgamento? Primeiramente, o Juiz Eleitoral julga os DRAPS, processos dos partidos/coligações, como aptos ou não a participar das eleições. Em seguida, julga os processos dos candidatos. O pedido de registro do candidato, a impugnação, a notícia de inelegibilidade e a homonímia (opções de nomes iguais), se houver, serão julgadas em uma só decisão. 3 - Se o pedido de registro for indeferido, o candidato poderá recorrer? Caso o pedido de registro seja indeferido, caberá recurso ao TRE no prazo de 3 dias. Se a decisão do Juiz Eleitoral for mantida pelo TRE, poderá haver recurso ao TSE. 4 - E se o recurso do candidato não tiver sido julgado antes das eleições? O candidato concorrerá na situação sub judice, ficando a validade dos votos por ele obtidos condicionada ao deferimento do registro de sua candidatura. Nesse caso, os votos obtidos serão divulgados como nulos. 5 - Os partidos poderão verificar as fotos de seus candidatos na urna eletrônica antes das eleições? Após o julgamento dos processos, o Cartório Eleitoral notificará os partidos, coligações e candidatos para comparecerem a uma audiência de verificação dos dados e das fotografias constantes na urna eletrônica. 6 - Como os partidos, coligações e candidatos poderão saber se o pedido de registro foi deferido? Os partidos, as coligações e os candidatos devem acompanhar a tramitação dos pedidos de registro, atentando para as decisões e prazos para recurso. Após o julgamento dos processos, será publicada lista dos partidos/coligações e dos candidatos que estão aptos a concorrer ao pleito. Constarão dessa lista todos os candidatos deferidos e aqueles que ainda tenham recurso pendente de julgamento. 16

17 REFERÊNCIAS LEGAIS Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97) Lei Complementar nº 64/90 Res. nº /2011/TSE (Registro de Candidaturas) Res. nº /2011/TSE (Calendário Eleitoral) Telefones: (31) / CONTATOS SECRE: 17

18 FICHA TÉCNICA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS Presidente Desembargador José Altivo Brandão Teixeira Vice-Presidente Desembargador Antônio Carlos Cruvinel Diretora-Geral Elizabeth Rezende Barra Secretária Judiciária Bárbara Maria Marotta Coordenadora de Registros Eleitorais e Partidários Annelise Barbosa Duarte Chefe da Seção de Controle e Registros Eleitorais Celma Beatriz Itaboraí Elaboração SECRE/CRP/SJU Ilustrações Seção de Gestão do Conhecimento/CED/SGP Diagramação e editoração Assessoria de Comunicação do TRE-MG 18

REGISTRO DE CANDIDATURA. Eduardo Rangel

REGISTRO DE CANDIDATURA. Eduardo Rangel REGISTRO DE CANDIDATURA Eduardo Rangel 1 Conceito: É a fase inicial do chamado microprocesso eleitoral na qual um partido político ou coligação requer, junto a Justiça Eleitoral, a inscrição de seus candidatos

Leia mais

Dispõe sobre a escolha e registro de candidatos nas eleições de 2016

Dispõe sobre a escolha e registro de candidatos nas eleições de 2016 Dispõe sobre a escolha e registro de candidatos nas eleições de 2016 Possuir domicílio eleitoral na respectiva circunscrição; Estar com sua filiação deferida, até o dia 02 de abril de 2016, em qualquer

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO Informações para registro de candidaturas

GUIA DO CANDIDATO Informações para registro de candidaturas ÍNDICE Eleições municipais... 3 Cargos em disputa... 3 Requisitos para participação dos partidos políticos... 3 Requisitos para participação dos candidatos... 3 Condições de elegibilidade... 4 Convenções

Leia mais

Resolução Nº , de 15/12/2015 Dispõe sobre a escolha e registro dos candidatos para as eleições 2016.

Resolução Nº , de 15/12/2015 Dispõe sobre a escolha e registro dos candidatos para as eleições 2016. 1 Resolução Nº 23.455, de 15/12/2015 Dispõe sobre a escolha e registro dos candidatos para as eleições 2016. Elaborada já considerando as modificações trazidas pela Lei nº 13.165 de 29/09/2015 (Reforma

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ELEIÇÃO MUNICIPAL 2016

ORIENTAÇÕES GERAIS ELEIÇÃO MUNICIPAL 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS ELEIÇÃO MUNICIPAL 2016 Tópico 01: Providências que antecedem a realização das convenções municipais Partido em âmbito municipal: a) constituição de órgão de direção municipal e anotação

Leia mais

DOMICÍLIO ELEITORAL (art. 11, 2º, Res. TSE nº /15) FILIAÇÃO PARTIDÁRIA (art. 11, 2º, Res. TSE nº /15)

DOMICÍLIO ELEITORAL (art. 11, 2º, Res. TSE nº /15) FILIAÇÃO PARTIDÁRIA (art. 11, 2º, Res. TSE nº /15) Qualquer cidadão pode pretender investidura em cargo eletivo, respeitadas as condições constitucionais e legais de elegibilidade e de incompatibilidade, desde que não incida em quaisquer das causas de

Leia mais

GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016

GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016 GUIA DAS CONVENÇÕES DAS ELEIÇÕES 2016 Modelos de EDITAL DE CONVOCAÇÃO CÉDULA DE VOTAÇÃO ATA DA CONVENÇÃO PALAVRA DO PRESIDENTE Prezados filiados do PSD Pará, O PSD está cada vez mais forte e unido em todo

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO Informações para Registro de Candidaturas

GUIA DO CANDIDATO Informações para Registro de Candidaturas Prezados Amigos, Belo Horizonte, maio de 2012. O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE/ MG) formalizou uma série de normas para o registro de candidaturas e a propaganda eleitoral. A estas orientações,

Leia mais

Direitos Eleitoral - Parte 1

Direitos Eleitoral - Parte 1 Direitos Eleitoral - Parte 1 Com base no Código Eleitoral- Lei 4737/65, Lei n. 9.096/95, Lei 13165/2015, entre outras fontes do direito eleitoral e em questões de provas anteriores do Qconcursos.com. 1.

Leia mais

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos...

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos... ÍNDICE Cargos em disputa... 2 Condições de elegibilidade... 2 Convenções partidárias... 3 Coligações partidárias... 4 Número dos candidatos... 5 Candidatura avulsa... 6 Pedido de registro... 6 Documentos...

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL 137ª Zona Eleitoral/PE

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL 137ª Zona Eleitoral/PE RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016 PJE/137ªZE O Ministério Público Eleitoral, no exercício de suas atribuições constitucionais e legais conferidas pelos artigos 127, caput, e 129, IX, da Constituição Federal e nos

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO 2016 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores 07/3/2016 1 Art. 1º - Os setoriais municipais que tiverem mais de um ano de funcionamento

Leia mais

Registro de Candidaturas

Registro de Candidaturas Registro de Candidaturas Registro de Candidaturas Legislação: - Código Eleitoral - Lei n. 4.737, de 15/7/1965; - Lei Complementar n. 64, de 18/5/1990; - Lei n. 9.504, de 30/9/1997; - Resolução TSE n. 23.450/2015,

Leia mais

PSDB - ELEIÇÕES 2016

PSDB - ELEIÇÕES 2016 Resolução CEE-PSDB/SC n 284/2016 A DO PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA PSDB, DIRETÓRIO DE SANTA CATARINA, no uso das competências que lhe confere o Estatuto Partidário, com o objetivo de orientar

Leia mais

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE Estabelece normas para as eleições.

LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE Estabelece normas para as eleições. LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997. Estabelece normas para as eleições. O grande mérito desta lei é o de, a princípio, tornar permanentes as regras para todas as eleições,pois, até sua edição, o que

Leia mais

VISÃO GERAL DO PROCESSAMENTO DE REGISTRO DE CANDIDATURAS

VISÃO GERAL DO PROCESSAMENTO DE REGISTRO DE CANDIDATURAS VISÃO GERAL DO PROCESSAMENTO DE REGISTRO DE CANDIDATURAS Resolução TSE nº 23.455/2015 Secretaria Judiciária -TRE/CE Conceito: Inscrição na Justiça Eleitoral das pessoas escolhidas em convenção partidária

Leia mais

CAPÍTULO II DAS NORMAS PARA A ESCOLHA DE CANDIDATOS E FORMAÇÃO DE COLIGAÇÕES EM NÍVEL MUNICIPAL

CAPÍTULO II DAS NORMAS PARA A ESCOLHA DE CANDIDATOS E FORMAÇÃO DE COLIGAÇÕES EM NÍVEL MUNICIPAL Resolução CEN-PSDB n 003/2016 A COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL do PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA - PSDB, no uso da competência que lhe confere o art. 65 c/c o art. 61 do Estatuto, e na forma do que

Leia mais

Regras - Eleições 2013

Regras - Eleições 2013 Regras - Eleições 2013 Diretoria Executiva e Conselho Fiscal 1 - Composição 1.a A Diretoria Executiva será composta de 09 (nove) membros eleitos sendo 6 (seis) membros efetivos e 3 (três) suplentes. I

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Promotoria de Justiça da 1ª Zona Eleitoral/MS. RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016 PJE/1ª Zona Eleitoral

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Promotoria de Justiça da 1ª Zona Eleitoral/MS. RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016 PJE/1ª Zona Eleitoral RECOMENDAÇÃO Nº 03/2016 PJE/1ª Zona Eleitoral O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, no exercício de suas atribuições constitucionais e legais, na esfera eleitoral, conferidas pelos artigos 127, caput, e 129,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA REGULAMENTO DA ELEIÇÃO PARA CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL Em atendimento

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS A Comissão Eleitoral constituída nos termos do Art. 80 do Estatuto do IAB RS, vem, através deste Regulamento Eleitoral Eleições 2016, editado nos termos do parágrafo único do Artigo 80 do Estatuto do IAB

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO

REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO REGULAMENTO ELEITORAL DO SICOOB JUDICIÁRIO Art. 1º - Este Regulamento disciplina os procedimentos que regem as eleições previstas no artigo 69 do Estatuto Social da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO

Leia mais

MANUAL DE CONVENÇÕES E DE REGISTRO DE CANDIDATOS

MANUAL DE CONVENÇÕES E DE REGISTRO DE CANDIDATOS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL DE CONVENÇÕES E DE REGISTRO DE CANDIDATOS Secretaria Judiciária Coordenadoria da Gestão de Documentação O presente manual tem por objetivo orientar

Leia mais

Jaime Barreiros Neto REFORMA ELEITORAL. Comentários à Lei , de 29 de setembro de 2015

Jaime Barreiros Neto REFORMA ELEITORAL. Comentários à Lei , de 29 de setembro de 2015 Jaime Barreiros Neto REFORMA ELEITORAL Comentários à Lei 13.165, de 29 de setembro de 2015 Barreiros Neto-Reforma Eleitoral-1ed.indb 3 30/05/2016 09:16:57 Capítulo 2 A LEI 13.165/2015 E AS REGRAS RELATIVAS

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA REGULAMENTO DO PROCESSO DE ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL NO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO O Fórum Estadual

Leia mais

DAS ELEIÇÕES. SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE)

DAS ELEIÇÕES. SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE) SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE) - Conjunto de normas que rege e organiza as eleições. - Processo eleitoral: do alistamento até a diplomação. Eleições: I. Princípio Majoritário Para os

Leia mais

RECOMENDAÇÃO PRE-MG n.º 001/2014

RECOMENDAÇÃO PRE-MG n.º 001/2014 RECOMENDAÇÃO PRE-MG n.º 001/2014 Recomenda aos Órgãos de Direção Regionais dos Partidos Políticos condutas que devem ser adotadas no Requerimento de Registro de Candidatura. O PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL

Leia mais

Manual Convenções 2016

Manual Convenções 2016 Manual Convenções 2016 Com as alterações da legislação eleitoral a partir da última reforma de 2015. Democratas Paraná Rua Napoleão Lopes, 75, São Francisco, Curitiba/PR, CEP 80530-090 Fone/Fax: 41 3206-6473

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 959/16

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 959/16 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 959/16 Dispõe acerca do processamento dos requerimentos de registro de candidatura relativos às eleições de 2016. O TRIBUNAL

Leia mais

CURSO DE DIREITO DIREITO ELEITORAL. Prof. Gilberto Kenji Futada SISTEMAS ELEITORAIS

CURSO DE DIREITO DIREITO ELEITORAL. Prof. Gilberto Kenji Futada SISTEMAS ELEITORAIS CURSO DE DIREITO Prof. A CF/88 prevê dois sistemas para a escolha dos representantes que, em nome do titular da soberania, o povo, exercerão o poder: Sistema Majoritário a) Presidência da República b)

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO ELEITORAL DO SINDUSCON-ES SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - Este Regulamento Eleitoral é parte integrante

Leia mais

Catalogação na Publicação (CIP)

Catalogação na Publicação (CIP) GUIA AOS ELEITORES Catalogação na Publicação (CIP) P221 Pará. Ministério Público. Guia aos eleitores: Perguntas e respostas sobre as eleições municipais de 2016 / Elaboração e Organização de José Edvaldo

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Energias Alternativas e Renováveis

Universidade Federal da Paraíba Centro de Energias Alternativas e Renováveis EDITAL DIRETORIA Nº 01/2017 Estabelece normas para eleição dos representantes docentes junto ao Conselho Universitário CONSUNI e ao Conselho Superior de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE do da Universidade

Leia mais

Edital COLTEC - EBAP Nº 06/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO

Edital COLTEC - EBAP Nº 06/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO Edital COLTEC - EBAP Nº 06/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO A Diretora Geral da EBAP, da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora Tânia Margarida Lima Costa, no uso de suas atribuições legais, torna

Leia mais

ATO DELIBERATIVO 30/2017. O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições,

ATO DELIBERATIVO 30/2017. O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições, ATO DELIBERATIVO 30/2017 O Conselho Deliberativo da Fundação CELESC de Seguridade Social - CELOS, no uso de suas atribuições, CONSIDERANDO o que dispõe o 2 do Art. 24 e o 2º do Art. 31 da versão 6 do Estatuto

Leia mais

1º SIMULADO DE DIREITO ELEITORAL P/ TRE/RS E TRE/AC FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC)

1º SIMULADO DE DIREITO ELEITORAL P/ TRE/RS E TRE/AC FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) Prezados(as) Alunos(as)! Visando ajudar a todos os concurseiros nesta corrida em prol da aprovação nestes 2 concursos de Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) vigentes, TRE/RS e TRE/AC, disponibilizo abaixo

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DOS CONSELHOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA PORTARIA CONSEG N.º 01/2014

COORDENADORIA ESTADUAL DOS CONSELHOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA PORTARIA CONSEG N.º 01/2014 COORDENADORIA ESTADUAL DOS CONSELHOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA PORTARIA CONSEG N.º 01/2014 Define as Normas e Procedimentos que regerão o calendário e o processo eleitoral dos Conselhos Comunitários de

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015 Altera o art. 14 da Constituição Federal, para acrescentar hipótese de inelegibilidade. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES CASSI 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES CASSI 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES CASSI 2014 Artigo 1º No período de 09.04.2014 a 22.04.2014 será realizado processo de consulta ao Corpo Social da CASSI para eleição de representantes dos associados em

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

O PT de Floriano, presidido pelo Celso Vieira (imagem), definiu os prazos para tomar as decisões sobre as Eleições Municipais de 2016.

O PT de Floriano, presidido pelo Celso Vieira (imagem), definiu os prazos para tomar as decisões sobre as Eleições Municipais de 2016. O PT de Floriano, presidido pelo Celso Vieira (imagem), definiu os prazos para tomar as decisões sobre as Eleições Municipais de 2016. Num comunicado enviado ao piauinoticias o presidente Celso informou

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COMISSÃO ELEITORAL. A eleição será realizada por voto secreto, sendo permitida por aclamação, quando se tratar de chapa única.

ORIENTAÇÕES PARA COMISSÃO ELEITORAL. A eleição será realizada por voto secreto, sendo permitida por aclamação, quando se tratar de chapa única. ORIENTAÇÕES PARA COMISSÃO ELEITORAL A eleição será realizada por voto secreto, sendo permitida por aclamação, quando se tratar de chapa única. I- No caso de voto por procuração, exigir sempre o reconhecimento

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016 A Comissão Eleitoral da Fundação de Previdência Complementar do Estado de Minas Gerais PREVCOM-MG, constituída pela Diretoria Executiva em sua 71ª reunião

Leia mais

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT 2017 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT Partido dos Trabalhadores Diretório Nacional 18/7/2017 1 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT Art. 1º - Os setoriais nacionais e estaduais que tiverem

Leia mais

TÍTULO I CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE

TÍTULO I CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE CAMPUS RIO POMBA EDITAL DE CONVOCAÇÃO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DOS SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DO CAMPUS RIO POMBA NO CONSELHO SUPERIOR (CONSU) E NO CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019

REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019 REGULAMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES DO CONSELHO DIRETOR E DO CONSELHO FISCAL GESTÃO 2018/2019 I Da eleição Artigo 1º. A eleição do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal da Associação Nacional de Transportes

Leia mais

ARTIGO 15 - DOS CANDIDATOS E DO REGISTRO DE CHAPAS Os candidatos aos cargos da Diretoria Executiva Geral e das Diretorias Executivas Regionais

ARTIGO 15 - DOS CANDIDATOS E DO REGISTRO DE CHAPAS Os candidatos aos cargos da Diretoria Executiva Geral e das Diretorias Executivas Regionais ARTIGO 15 - DOS CANDIDATOS E DO REGISTRO DE CHAPAS Os candidatos aos cargos da Diretoria Executiva Geral e das Diretorias Executivas Regionais deverão ser Associados Efetivos, Especialistas, Eméritos ou

Leia mais

EDITAL Nº 003, DE 10 DE ABRIL DE 2015

EDITAL Nº 003, DE 10 DE ABRIL DE 2015 EDITAL Nº 003, DE 10 DE ABRIL DE 2015 DISPÕE SOBRE O PROCESSO UNIFICADO DE ESCOLHA PARA CONSELHEIROS TUTELARES O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) do Município de Castanhal-PA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL A comissão eleitoral designada pela Chefia de Departamento do Instituto Federal de Goiás, campus Água

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.373 INSTRUÇÃO Nº 1450-86.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a escolha e o registro

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL DA FNA TRIÊNIO DIRETRIZES GERAIS

REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL DA FNA TRIÊNIO DIRETRIZES GERAIS REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL DA FNA TRIÊNIO 2017-2019 DIRETRIZES GERAIS Art. 1º. As eleições da Diretoria Executiva, Diretores Regionais e do Conselho Fiscal

Leia mais

EDITAL Nº. 02/2016 ELEIÇÃO DOS MEMBROS DOS CONSELHOS ADMINISTRATIVO E FISCAL DO IPREM-POSSE

EDITAL Nº. 02/2016 ELEIÇÃO DOS MEMBROS DOS CONSELHOS ADMINISTRATIVO E FISCAL DO IPREM-POSSE EDITAL Nº. 02/2016 ELEIÇÃO DOS MEMBROS DOS CONSELHOS ADMINISTRATIVO E FISCAL DO IPREM-POSSE DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS DURANTE AS ELEIÇÕES DOS CONSELHOS ADMINISTRATIVO E FISCAL DO IPREM-POSSE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.455 INSTRUÇÃO Nº 535-95.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a escolha e o registro dos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ELEITORAL

ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ELEITORAL ÓRGÃOS (art.118, CF e art. 12, CE) 1. Tribunal Superior Eleitoral: órgão máximo da Justiça Eleitoral, com sede na capital federal e jurisdição em todo o território nacional. 2. Tribunais Regionais Eleitorais:

Leia mais

Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica

Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Artigo lo. As normas e disposições estatutárias terão seus procedimentos regulamentados por este Regimento Interno. Das Representações Regionais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.156 INSTRUÇÃO Nº 105 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre a escolha e registro de candidatos nas eleições. O Tribunal Superior Eleitoral,

Leia mais

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT 2016 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT Comissão Executiva Nacional Partido dos Trabalhadores 26/1/2016 1 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT Art. 1º - Os setoriais nacionais e estaduais que

Leia mais

SUBSTITUTIVO ADOTADO

SUBSTITUTIVO ADOTADO Comissão Especial destinada a proferir parecer à Proposta de Emenda à Constituição nº 282-A, de 2016, do Senado Federal, que "altera a Constituição Federal para vedar as coligações nas eleições proporcionais,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FUNDAÇÃO ATLÂNTICO DE SEGURIDADE SOCIAL ELEIÇÃO 2013

REGULAMENTO ELEITORAL DA FUNDAÇÃO ATLÂNTICO DE SEGURIDADE SOCIAL ELEIÇÃO 2013 REGULAMENTO ELEITORAL DA FUNDAÇÃO ATLÂNTICO DE SEGURIDADE SOCIAL ELEIÇÃO 2013 DO REGULAMENTO Art. 1º Este Regulamento Eleitoral tem por objetivo definir as normas procedimentais que regerão a Eleição de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Reitoria Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4437.8494 reitoria@ufabc.edu.br PORTARIA DA REITORIA Nº

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL. DCE da UFMS

REGIMENTO ELEITORAL. DCE da UFMS REGIMENTO ELEITORAL DCE da UFMS Das disposições que regulamentam o processo de eleição da Diretoria do DCE da UFMS O Conselho de Entidades de Base, em reunião realizada em dia 08/03/2017, estabelece as

Leia mais

CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL CGADB. Resolução 01/ Comissão Eleitoral

CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL CGADB. Resolução 01/ Comissão Eleitoral CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL CGADB Resolução 01/2012 - Comissão Eleitoral Eleições 2013 / Normas e Prazos Brasília Distrito Federal Comissão Eleitoral da CGADB Considerando que compete

Leia mais

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades

REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I. Da Comissão Eleitoral. Capítulo I Das Generalidades REGIME TO ELEITORAL DO SI DICATO DOS SERVIDORES MU ICIPAIS DE CA ELA - RS TÍTULO I Da Comissão Eleitoral Das Generalidades Art. 1º - A Comissão Eleitoral do Sindicato dos Servidores Municipais de Canela

Leia mais

ELEIÇÕES 2016 TABELA DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO

ELEIÇÕES 2016 TABELA DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÕES 2016 TABELA DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO UM GUIA DE ORIENTAÇÃO O período eleitoral, durante todo o exercício de 2016, deve receber por parte dos administradores públicos, assessores e servidores municipais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xxxxxx. INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº xxxxxx. INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº xxxxxx INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Dispõe sobre a escolha e o registro de candidatos nas eleições de 2010. O TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

Diário de Bordo. Legislação Eleitoral 3

Diário de Bordo. Legislação Eleitoral 3 1 2 Diário de Bordo Assunto Página Legislação Eleitoral 3 Requisitos do Partido 4 Convenções Partidárias 4 Coligações 5 Comitê Financeiro 7 Quantidade de Candidatos 7 Requisitos para ser Candidato 9 Desincompatibilização

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA DIRETORIA DO C.A.B.N. PARA O ANO LETIVO 2017 EDITAL 01/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA DIRETORIA DO C.A.B.N. PARA O ANO LETIVO 2017 EDITAL 01/2017 EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO PARA DIRETORIA DO C.A.B.N. PARA O ANO LETIVO 2017 EDITAL 01/2017 A comissão eleitoral eleita em Assembleia Geral realizada no dia 22 Março de 2017, vem a público convocar

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL. MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2010

JUSTIÇA ELEITORAL. MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2010 JUSTIÇA ELEITORAL MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2010 Abril 2010 GESCAPE TSE Material disponível em http://www.tse.jus.br 1 SUMARIO 1. INSTALAÇÃO DO CANDEX... 3 1.1.

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 1 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 O Diretor Clínico do Hospital das Clínicas Samuel Libânio - HCSL faz saber aos membros do Corpo Clínico desta Instituição que estão abertas as inscrições para as eleições

Leia mais

CENTRO MÉDICO DE RIBEIRÃO PRETO

CENTRO MÉDICO DE RIBEIRÃO PRETO 1 1 CÓDIGO ELEITORAL DO SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - As eleições para preenchimento dos cargos eletivos do Centro Médico de Ribeirão Preto se regerão em conformidade com o Estatuto Social

Leia mais

EDITAL 001/CE/UFFS/2017

EDITAL 001/CE/UFFS/2017 EDITAL 001/CE/UFFS/2017 Eleição dos representantes docentes, técnicos administrativos e discentes, para composição da Comissão Própria de Avaliação CPA. O PRESIDENTE DA COMISSÃO ELEITORAL da Universidade

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME SECRETARIA DA CULTURA E TURISMO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME SECRETARIA DA CULTURA E TURISMO REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL QUE IRÃO COMPOR O CONSELHO MUNICIPAL DE POLITICA CULTURAL. 1. DAS INSCRIÇÕES 1.1. Poderá se inscrever para participar do processo eleitoral,

Leia mais

Convenções Partidárias Municipais

Convenções Partidárias Municipais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO Convenções Partidárias Municipais Eleição Suplementar Itatinga/SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO MANUAL... 02 2. LEGISLAÇÃO BÁSICA A SER OBSERVADA... 03 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Dos Direitos Políticos e Dos Partídos Políti Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional DOS DIREITOS POLÍTICOS Art. 14. A soberania popular

Leia mais

CURSO DE DIREITO DIREITO ELEITORAL. Prof. Gilberto Kenji Futada SISTEMAS ELEITORAIS. A CF/88 prevê inelegibilidades absolutas e relativas

CURSO DE DIREITO DIREITO ELEITORAL. Prof. Gilberto Kenji Futada SISTEMAS ELEITORAIS. A CF/88 prevê inelegibilidades absolutas e relativas CURSO DE DIREITO Prof. A CF/88 prevê inelegibilidades absolutas e relativas Inelegibilidades Absolutas a) Inalistabilidade A plena disposição dos direitos políticos ativos (votar) é condição para o exercício

Leia mais

Resolução TSE /14 RESOLUÇÃO N , DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

Resolução TSE /14 RESOLUÇÃO N , DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 Resolução TSE 23.405/14 RESOLUÇÃO N. 23.405, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 Instrução n. 126-56.2014.6.00.0000 Classe 19 Brasília Distrito Federal Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2017 ELEIÇÃO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO CAMPUS PETROLINA

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2017 ELEIÇÃO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO CAMPUS PETROLINA COMISSÃO ELEITORAL EDITAL Nº 01/2017 ELEIÇÃO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DO CAMPUS PETROLINA A Comissão Eleitoral, no uso de suas atribuições legais, torna pública a convocação dos discentes, regularmente matriculados

Leia mais

EXPEDIENTE ATUALIZAÇÃO DO TEXTO E PESQUISA DA LEGISLAÇÃO. Secretaria Judiciária Flávia de Castro Dayrell

EXPEDIENTE ATUALIZAÇÃO DO TEXTO E PESQUISA DA LEGISLAÇÃO. Secretaria Judiciária Flávia de Castro Dayrell EXPEDIENTE ATUALIZAÇÃO DO TEXTO E PESQUISA DA LEGISLAÇÃO Secretaria Judiciária Flávia de Castro Dayrell Coordenadoria de Jurisprudência, Legislação e Arquivo Cláudia Eneida de Rezende Mikael Coordenadoria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MAGISTRADOS ESTADUAIS ANAMAGES ELEIÇÕES ANAMAGES 2017

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MAGISTRADOS ESTADUAIS ANAMAGES ELEIÇÕES ANAMAGES 2017 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MAGISTRADOS ESTADUAIS ANAMAGES ELEIÇÕES ANAMAGES 2017 Regulamento das Eleições Diretas para a Diretoria Executiva e os Conselhos Deliberativo e Fiscal da Associação Nacional dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O CONSELHO UNIVERSITÁRIO NORMAS PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA O TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Será realizada eleição para escolha de representantes do Corpo Docente para o Conselho Universitário

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo Normas regulamentadoras sobre a consulta prévia à comunidade, relativa à eleição para a indicação dos nomes para concorrerem, em chapa única, ao cargo de Diretor (a) e Vice-Diretor (a) do Campus Diadema

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 19

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 19 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 17 Guia de leitura da Coleção... 19 CAPÍTULO I DIREITO ELEITORAL: NOÇÕES INTRODUTÓRIAS... 21 1. Conceito, objeto e objetivos do Direito Eleitoral... 21 2. A democracia

Leia mais

Eleições municipais Reforma eleitoral Principais mudanças Dr. JOSÉ ANTONIO ROSA

Eleições municipais Reforma eleitoral Principais mudanças Dr. JOSÉ ANTONIO ROSA Eleições municipais 2016 Reforma eleitoral Principais mudanças Dr. JOSÉ ANTONIO ROSA OBJETIVOS DA REFORMA A reforma eleitoral Lei. N.º 13.165/2015, alterou substancialmente a Lei 9.504/97- Lei Eleitoral,

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 7

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 7 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 7 Preparação e Receptor de arquivos. Art. 6º Alterar a redação do item 10 do dia 2 de outubro domingo, nos seguintes termos: 10.

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 O presente Regimento Eleitoral tem como finalidade normatizar o processo eleitoral para o Conselho de Administração e para o Conselho Fiscal da

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO 001/2016

EDITAL DE ELEIÇÃO 001/2016 EDITAL DE ELEIÇÃO 001/2016 Convoca Eleição para a Presidência do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Santa Maria da Vitória, Bahia. A Presidente do CAPREVAS Instituto de Previdência

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL. MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2012

JUSTIÇA ELEITORAL. MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2012 JUSTIÇA ELEITORAL MANUAL DO MÓDULO EXTERNO DO SISTEMA DE CANDIDATURAS - CANDex ELEIÇÕES 2012 GT-CAND TSE Material disponível em http://www.tse.jus.br - 1 - 1. INSTALAÇÃO DO CANDEX... 4 1.1. ONDE OBTER...

Leia mais

Regimento Interno, torna público edital de eleições para o provimento de cargos do conselho Fiscal e Deliberativo.

Regimento Interno, torna público edital de eleições para o provimento de cargos do conselho Fiscal e Deliberativo. ELEIÇÔES ACERGS quinta-feira 06 de agosto de 2015 Edital Nº03/2015 Processo Eleitoral ACERGS O Presidente da Associação de Cegos do Rio Grande do Sul ACERGS, no exercício das funções que lhe confere o

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 020/81

RESOLUÇÃO CFN N.º 020/81 RESOLUÇÃO CFN N.º 020/81 DISPÕE SOBRE O PROCESSO ELEITORAL, ELEIÇÕES E POSSE DOS CONSELHEIROS FEDERAIS. O Conselho Federal de Nutricionistas no uso das atribuições que lhe confere a Lei 6.583, de 20 de

Leia mais

Associação dos Blogueiros do Estado de Pernambuco

Associação dos Blogueiros do Estado de Pernambuco ASSOCIAÇÃO DOS BLOGUEIROS DO ESTADO DE PERNAMBUCO - ABLOGPE EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA, CONSELHO FISCAL E ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA EDITAL Nº 001/2017 O Presidente da Comissão Eleitoral

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - FACAPE EDITAL DE ELEIÇÃO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - GESTÃO 2017

DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - FACAPE EDITAL DE ELEIÇÃO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - GESTÃO 2017 DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - FACAPE EDITAL DE ELEIÇÃO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - GESTÃO 2017 O Diretório Acadêmico de Ciência Da Computação D.A de Computação FACAPE,

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO ELEITORAL

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO ELEITORAL ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DA COMISSÃO ELEITORAL Art. 1º A Comissão Eleitoral é formada pelo 2º secretário da Associação Médica do Espírito Santo (AMES), como membro

Leia mais

Edital de Convocação de Eleição para Diretoria do Diretório Central Estudantil (DCE) do IF Sudeste MG - Campus Barbacena

Edital de Convocação de Eleição para Diretoria do Diretório Central Estudantil (DCE) do IF Sudeste MG - Campus Barbacena Edital de Convocação de Eleição para Diretoria do Diretório Central Estudantil (DCE) do IF Sudeste MG - Campus Barbacena Art. 1º -O presente edital tem por finalidade regulamentar as eleições do Diretório

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL DO SAERGS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA E CONSELHO FISCAL

REGIMENTO ELEITORAL DO SAERGS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA E CONSELHO FISCAL REGIMENTO ELEITORAL DO SAERGS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA E CONSELHO FISCAL I DA ELEIÇÃO Art. 1º - A eleição da Diretoria e do Conselho Fiscal do Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul SAERGS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo definir as normas que

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E INSCRIÇÕES PARA ELEIÇÕES DO CENTRO ACADÊMICO XI DE MAIO PLEITO 2017/2018

EDITAL DE CONVOCAÇÃO E INSCRIÇÕES PARA ELEIÇÕES DO CENTRO ACADÊMICO XI DE MAIO PLEITO 2017/2018 EDITAL DE CONVOCAÇÃO E INSCRIÇÕES PARA ELEIÇÕES DO CENTRO ACADÊMICO XI DE MAIO PLEITO 2017/2018 A Comissão Eleitoral, composta conforme disposições do Estatuto do Centro Acadêmico XI de Maio, torna público

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS)

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A DAR PARECER ÀS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO RELACIONADAS À REFORMA POLÍTICA (PEC 182, DE 2007, E APENSADAS) SUBSTITUTIVO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 14,

Leia mais