UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO AGRÁRIO CLÁUDIO GRANDE JÚNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO AGRÁRIO CLÁUDIO GRANDE JÚNIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO AGRÁRIO CLÁUDIO GRANDE JÚNIOR USUCAPIÃO QUARENTENÁRIA SOBRE TERRAS DO ESTADO: Fundamentos Jurídicos, Atualidade e Repercussão na Questão Agrária Brasileira Goiânia 2012

2 TERMO DE CIÊNCIA E DE AUTORIZAÇÃO PARA DISPONIBILIZAR AS TESES E DISSERTAÇÕES ELETRÔNICAS (TEDE) NA BIBLIOTECA DIGITAL DA UFG Na qualidade de titular dos direitos de autor, autorizo a Universidade Federal de Goiás (UFG) a disponibilizar, gratuitamente, por meio da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD/UFG), sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o documento conforme permissões assinaladas abaixo, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data. 1. Identificação do material bibliográfico: [X] Dissertação [ ] Tese 2. Identificação da Tese ou Dissertação Autor (a): Cláudio Grande Júnior Seu pode ser disponibilizado na página? [X]Sim [ ] Não Vínculo empregatício do autor Procurador do Estado de Goiás Agência de fomento: Sigla: País: Brasil UF:GO CNPJ: Título: USUCAPIÃO QUARENTENÁRIA SOBRE TERRAS DO ESTADO: Fundamentos Jurídicos, Atualidade e Repercussão na Questão Agrária Brasileira Palavras-chave: Direito Agrário. Terras Públicas e Devolutas. Usucapião. História do Direito. Questão Agrária. Título em outra língua: QUARANTINER PRESCRIPTION ON STATE LANDS: Legal Grounds, Present Status and Repercussion in Brazilian Agrarian Issue Palavras-chave em outra língua: Agrarian Law. Public and Vacant Lands. Prescription. History of Law. Agrarian Issue. Área de concentração: Direito Agrário Data defesa: (dd/mm/aaaa) 24/08/2012 Programa de Pós-Graduação: Mestrado em Direito Orientador (a): Vilma de Fátima Machado Co-orientador (a):* *Necessita do CPF quando não constar no SisPG 3. Informações de acesso ao documento: Concorda com a liberação total do documento [X] SIM [ ] NÃO 1 Havendo concordância com a disponibilização eletrônica, torna-se imprescindível o envio do(s) arquivo(s) em formato digital PDF ou DOC da tese ou dissertação. O sistema da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações garante aos autores, que os arquivos contendo eletronicamente as teses e ou dissertações, antes de sua disponibilização, receberão procedimentos de segurança, criptografia (para não permitir cópia e extração de conteúdo, permitindo apenas impressão fraca) usando o padrão do Acrobat. Assinatura do (a) autor (a) Data: _18_ / _12_ / _2012_ 1 Neste caso o documento será embargado por até um ano a partir da data de defesa. A extensão deste prazo suscita justificativa junto à coordenação do curso. Os dados do documento não serão disponibilizados durante o período de embargo.

3 CLÁUDIO GRANDE JÚNIOR USUCAPIÃO QUARENTENÁRIA SOBRE TERRAS DO ESTADO: Fundamentos Jurídicos, Atualidade e Repercussão na Questão Agrária Brasileira Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito Agrário da Universidade Federal de Goiás, como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Direito Agrário Orientadora: Prof.ª Dr.ª Vilma de Fátima Machado Goiânia 2012

4 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) GPT/BC/UFG G751u Grande Júnior, Cláudio. Usucapião quarentenária sobre terras do Estado [manuscrito] : fundamentos jurídicos, atualidade e repercussão na questão agrária brasileira / Cláudio Grande Júnior f. Orientadora: Profª. Drª. Vilma de Fátima Machado. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Direito, Bibliografia. Inclui lista de siglas e abreviaturas. Apêndices. 1. Direito agrário. 2. Terras públicas. 3. Terras devolutas. 4. Usucapião. I. Título. CDU:

5 TERMO DE AVALIAÇÃO Cláudio Grande Júnior USUCAPIÃO QUARENTENÁRIA SOBRE TERRAS DO ESTADO: Fundamentos Jurídicos, Atualidade e Repercussão na Questão Agrária Brasileira Dissertação apresentada no dia 24 de agosto de 2012, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Direito Agrário da Universidade Federal de Goiás, perante a banca examinadora formada pelos seguintes professores: Orientadora: Prof.ª Dr.ª Vilma de Fátima Machado Presidenta da Banca Prof. Dr. Carlos Frederico Marés de Souza Filho (PUC-PR) Examinador Prof. Dra. Germana de Oliveira Moraes (UFC) Examinadora Prof. Dr. Arnaldo Bastos Santos Neto (UFG) Suplente Nota Final: Goiânia, 31 de agosto de 2012.

6

7 Dedico este trabalho aos meus pais (Cláudio e Maria Ivanildes), a quem sempre tenho que agradecer por todas as minhas realizações, e à minha irmã (Cláudia), que sempre me ajudou em toda minha trajetória de vida.

8

9 AGRADECIMENTOS Primeiramente, à minha esposa Eliane Cíntia, por incentivar o início deste projeto e pela posterior ajuda e paciência com os momentos que requereram maior dispêndio de tempo. Ao Prof. Cleuler, por ter me despertado o interesse na investigação da questão, quando da elaboração do pré-projeto de pesquisa para a seleção de ingresso no programa de mestrado, e pelas posteriores sugestões ao longo da pesquisa e redação desta dissertação. À orientadora do presente trabalho, Prof.ª Vilma, pelas leituras indicadas, que provocaram a primeira grande guinada no trabalho, possibilitando situar o problema jurídico no contexto da questão agrária brasileira, também pela orientação principalmente no que diz respeito ao rigor científico da pesquisa histórica e pela confiança depositada em momentos cruciais para a conclusão da dissertação com este formato e conteúdo. Ao Prof. Marés, que ofereceu material bibliográfico responsável pela segunda grande guinada no trabalho, possibilitando situar o problema no contexto de criação do instituto jurídico da propriedade da terra e de sua difusão pelo Ocidente no século XIX. À Prof.ª Germana Moraes, por ter prontamente atendido ao convite para participar da banca de avaliação da dissertação, mesmo diante do atípico volume do trabalho e do tempo não tão longo disponível para a incumbência. Ao Prof. Saulo, pelas profícuas aulas voltadas ao direito constitucional e pelas pertinentes leituras, que muito contribuíram para a elaboração desta dissertação. Do mesmo modo, ao Prof. Arnaldo Bastos, quem mais contribuiu para o engrandecimento de minha cultura jurídica desde a época da especialização em direito constitucional, o que serviu de alicerce para a construção deste trabalho de conclusão. Ao Prof. Cláudio Maia, pelas indicações bibliográficas e pela ajuda com as pesquisas. Aos Professores Rabah e Maria Cristina, pela atenção prestada ao longo da coordenação do Programa de Mestrado, principalmente por ocasião da qualificação e da defesa da dissertação.

10 Ao Prof. Eriberto, por me incentivar com as atividades acadêmicas desde a época da especialização em direito administrativo, pouco depois de eu ter ingressado na Procuradoria- Geral do Estado. Aos demais professores do Programa (João da Cruz, Falconi, Sérgio Garcez, Benedito e Pedro Sérgio), os quais, cada qual a seu jeito, contribuíram para este tabalho. A todos os colegas do mestrado, especialmente Rangel Donizete Franco, Roberto Élito Guimarães, Antônio Henriques, Vitor Freitas, Junior César, Luciana Jordão, Arthur Ramos e Gustavo Henrique, os quais estiveram mais próximos nos diálogos durante a redação da dissertação. Ao Instituto de Direito Administrativo de Goiás IDAG, por me despertar o interesse pela pesquisa acadêmica e auxiliá-la posteriormente, em especial aos associados Fabrício Motta, Juscimar Ribeiro, Taveira Neto e Frederico Telho. Também ao Ézio, pela colaboração com a pesquisa bibliográfica. Na Procuradoria-Geral do Estado, ao colega Frederico Garcia, pelo decisivo auxílio durante o processo seletivo do mestrado, a Antônio Flávio, pela ajuda para cumprir os créditos do mestrado, aos colegas com quem dividi a Procuradoria de Defesa do Patrimônio Público e do Meio Ambiente e aos demais Procuradores que me ajudaram ao longo do mestrado. À Livraria Intellectus, pela inestimável colaboração com as pesquisas bibliográficas.

11 SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES E DEFINIÇÕES JURÍDICAS IMPRESCINDÍVEIS À COMPREENSÃO DA TEMÁTICA Diferenciando Domínio e Propriedade Terras Estatais: Terras Públicas e Terras Devolutas Orientação do Direito Agrário Brasileiro pelo Princípio da Privatização das Terras Estatais Pressuposto e Fundamentos para a Privatização das Terras do Estado Conteúdo Basilar do Princípio Jurídico da Privatização das Terras Estatais O Atual Princípio Constitucional Agrário da Privatização das Terras Estatais DESCONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO DISCURSO JURÍDICO ACERCA DA USUCAPIÃO DE IMÓVEIS PÚBLICOS NO BRASIL A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL DE Novas Exigências do Sistema Econômico e do Sistema Político versus uma Tradição do Sistema Jurídico: o Embate desses Sistemas na Opção pela Proibição da Usucapião de Bens Públicos no Código Civil de Aparecimento da expressão usucapião no direito brasileiro Razões Políticas e Econômicas para a Proibição da Usucapião sobre Bens Públicos de qualquer Espécie no Código Civil de a) Tradição Jurídica de Prescrição Aquisitiva sobre Certos Bens Estatais b) Contexto Econômico e Político Contrário ao Discurso Jurídico Tradicional c) Terras Devolutas e Mandonismo Oligárquico na República Velha d) Código Civil e Usucapião A Difícil Construção do Discurso Jurídico pela Proibição da Usucapião sobre todas as Categorias de Bens Públicos Da Promulgação do Código Civil até a Revolução de a) Entendimentos pela Imprescritibilidade de todos os Bens Públicos b) Entendimentos pela Prescritibilidade de Certas Categorias de Bens Públicos... 54

12 c) Prevalência do Discurso da Prescritibilidade de Certas Categorias de Bens Públicos d) Da Imprescritibilidade das Terras Devolutas à Imprescritibilidade dos Bens Públicos em Geral Durante a Era Vargas a) Governo Provisório Pós-Revolução (1930 a 1934): reiteração de atos normativos visando proibir totalmente a usucapião sobre bens públicos b) Um Momento Decisivo: a Constituição de 1934 e a Ressalva da Possibilidade da Usucapião Pro Labore sobre Terras Estatais c) A Questão diante da Constituição de 1937 e da Política Agrária no Estado Novo d) Debate da Questão no Supremo Tribunal Federal durante o Estado Novo Da Experiência Democrática Pós-Guerra aos Governos Militares a) Terras Estatais, Usucapião e a Constituição de b) A Abrupta Superveniência do Verbete n.º 340 da Súmula do STF e seu Conturbado Cenário Político de Fundo c) Consequências da Súmula 340 do STF e a Política Agrária dos Militares A QUESTÃO DA USUCAPIÃO DE TERRAS ESTATAIS NA VIGÊNCIA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE Proibição da Usucapião de Imóveis Públicos na Constituição Federal de Extensão da Proibição a todas as Formas de Usucapião Importância do Debate sobre a Proibição na Periferia do Sistema Jurídico A Opção Constitucional pela Proibição da Usucapião sobre Imóveis Públicos Discussão da Proibição da Usucapião de Imóveis Públicos no Interior do Sistema Jurídico Críticas aos Atuais Defensores da Prescritibilidade de Terras Devolutas Quadro Geral Exemplificativo dos Atuais Defensores da Prescritibilidade de Terras Devolutas Crítica ao Entendimento de Celso Ribeiro Bastos Crítica ao Entendimento de José Cretella Júnior Crítica ao Entendimento de Uadi Lammêgo Bulos Análise do Entendimento de Juarez Freitas Críticas a outros Defensores da Prescritibilidade de Certos Imóveis Estatais Contra Argumentação e Sugestão de Penna Amorim Pereira aos Defensores da Prescritibilidade de Certas Terras Estatais Escapando da Proibição da Usucapião de Imóveis Públicos através de uma Porta para o Passado

13 4 USUCAPIÃO DE TERRAS ESTATAIS NO BRASIL ANTES DA VIGÊNCIA DO CÓDIGO CIVIL DE Origens Históricas do Domínio Estatal sobre a Totalidade das Terras Brasileiras Domínio e Propriedade, Usucapião e Prescrição de Roma até a Idade Média Formação do Estado Português Moderno e Sobrevida de Algumas Instituições Jurídicas Medievais Progressiva Modificação do Conteúdo das Antigas Sesmarias Medievais Portuguesas Empreitada Comercial Portuguesa Ultramarina Domínio da Coroa Portuguesa sobre as Terras Brasileiras Perquirindo sobre a Possibilidade de Usucapião ao longo do Processo Histórico de Privatização das Terras Estatais no Brasil Gestão e Concessão das Terras Estatais durante a Colonização a) Transplante do Instituto Jurídico das Sesmarias para o Brasil b) Impossibilidade Jurídica da Usucapio e da Prescrição Aquisitiva sobre Terras da Coroa durante a Colonização Apossamentos Particulares de Terras Estatais no Final da Colonização e na Primeira Metade do Império do Brasil a) Sesmarias versus Apossamentos Irregulares de Terras da Coroa b) Período das Posses c) Inoperância do Direito Fundamental (Propriedade) a possibilitar a Usucapião de Imóveis durante o Período das Posses Inauguração da Atual Sistemática de Privatização de Terras Devolutas pela Lei de Terras de 1850 e o Longo Processo de Efetivação do Direito à Propriedade Imobiliária no Brasil a) Liberalismo e Direito à Propriedade da Terra na Europa b) Direito à Propriedade da Terra no Brasil Império c) Usucapião e Prescrição Aquisitiva sobre Imóveis do Estado d) A Questão mais Específica acerca da Usucapião e da Prescrição Aquisitiva sobre Terras Devolutas Fechando parcialmente a porta para o passado CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

14

15 15 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AGU Advocacia Geral da União Art. - Artigo Cap. Capítulo CC Código Civil CF Constituição Federal CLT Consolidação das Leis do Trabalho DF Distrito Federal Dec. Decreto Dec.-lei Decreto-lei Des. Desembargador IDAGO Instituto de Desenvolvimento Agrário do Estado de Goiás Inc. Inciso INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário Min. Ministro MPF Ministério Público Federal Par. Parágrafo PEC Proposta de Emenda Constitucional PGE Procuradoria-Geral do Estado PGE-GO Procuradoria-Geral do Estado de Goiás PL Projeto de Lei RE Recurso Extraordinário Rel. Relator Resp Recurso Especial RF Revista Forense RT Revista dos Tribunais STF Supremo Tribunal Federal STJ Superior Tribunal de Justiça TRF Tribunal Regional Federal TJ Tribunal de Justiça TJGO Tribunal de Justiça de Goiás TJSC Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJSP Tribunal de Justiça de São Paulo TJMG Tribunal de Justiça de Minar Gerais V.g. Verbi gratia por exemplo WWW World Wide Web Teia de Alcance Mundial

16 16

17 17 RESUMO Esta dissertação analisa a antiga usucapião quarentenária sobre terras do Estado, se realmente houve tal possibilidade jurídica no Brasil, como e quando deixou de ser aceita pelo sistema jurídico, porque eventualmente, ainda hoje, se busca o reconhecimento desse tipo de usucapião, consumada antes do início da vigência do Código Civil de 1916, e como tudo isso repercute para a questão agrária brasileira. A dissertação tem por objetivo perquirir os fundamentos jurídicos originais dessa antiga usucapião, de quarenta anos, sobre bens do Estado, especialmente sobre terras devolutas, sem perder de vista algumas de suas possíveis implicações para a questão agrária. O método hipotético-dedutivo é utilizado para pesquisa e compreensão das normas jurídicas, ao lado da investigação histórica de acontecimentos, processos, instituições e julgados do passado, acompanhada do método dialético, para a superação dos pontos de divergência encontrados no material bibliográfico pesquisado. Consegue-se, assim, demonstrar como, no final do século XIX e início do século XX, se construiu um discurso jurídico sobre a prescritibilidade de certos bens do Estado, inclusive as terras devolutas. Consegue-se explicar também como esse discurso jurídico foi desmontado para se construir o atual, que preconiza a imprescritibilidade de todos os bens públicos, inclusive das terras devolutas. Os resultados evidenciam como exatamente se erigiu o entendimento exposto na Súmula 340 do STF e as limitações desta, que pouco diz sobre a usucapião de bens do Estado antes do Código Civil de Outro resultado é a demonstração da impossibilidade de se usucapir imóveis do Estado, no Brasil, antes da Lei de Terras de 1850, esclarecendo-se que somente depois dela se firmaram os pressupostos necessários para tanto, ainda que com dificuldades adicionais para as terras devolutas. Palavras-chave: 1. Direito Agrário. 2. Terras Públicas e Devolutas. 3. Usucapião. 4. História do Direito. 5. Questão Agrária.

18 18

19 19 ABSTRACT This dissertation analyzes the old quarantiner prescription on state lands, if indeed that legal institution was valid in Brazil, how and when it ceased to be accepted by the legal system, because even today it is eventually sought the recognition of such prescription, consummated before the outset of the legality of the Civil Code of 1916, and how all that affects the agrarian issue. This dissertation aims to scrutinize the original legal foundations of that old original prescription of forty years, on state assets, especially on vacant lands, without losing sight of some of its possible consequences for the agrarian issue. The hypothetical-deductive method is used for research and understanding of legal rules, alongside the historical investigation of events, processes, institutions and judgeship of the past, followed by the dialectical method to overcome points of divergence found in the bibliography search. Thus it is demonstrated how, in the late nineteenth and early twentieth century, a legal discourse on prescriptibility of certain state assets was built, including the vacant lands. It can also explains how the legal discourse was dismantled to build the current one, which preconizes the imprescriptibility of all public property, including of the vacant lands. The results make evident how exactly the understanding set out in Summula 340 of STF was built, and its limitations, which says little about the prescription of state assets before the Civil Code of Another result is the demonstration of the impossibility of state property being usucapted in Brazil before the Land Law of 1850, which made clear that only after that the conditions for both were signed, albeit with additional difficulties for vacant lands. Keywords: 1. Agrarian Law. 2. Public and Vacant Lands. 3. Prescription. 4. History of Law. 5. Agrarian Issue.

20 20

21 21 INTRODUÇÃO Esta dissertação analisa a antiga usucapião ou prescrição aquisitiva quarentenária sobre terras estatais. Anterior ao Código Civil de 1916 e tida como não prevista neste, ela ainda aflige os juristas, em razão das várias pendências históricas na formação de nossa estrutura fundiária. O trabalho objetiva espantar várias dúvidas sobre o assunto, assim perquirindo se realmente o mencionado instituto jurídico vigeu no Brasil, como e quando deixou de ser aceito pelo sistema jurídico, porque, ainda hoje, eventualmente se busca o reconhecimento desse tipo de usucapião, consumada antes do início da vigência do Código Civil de 1916, e como tudo isso repercute para a questão agrária brasileira. A pesquisa tem por justificativas a constatação de que vários julgados vêm reconhecendo a consumação da usucapião sobre terras públicas, quase sempre devolutas, quando a posse particular destas tiver transcorrido por quarenta anos antes do início da vigência do nosso primeiro Código Civil, que é considerado o diploma normativo proibidor da usucapião sobre bens públicos. Tal usucapião é chamada, indistintamente e sem critérios, de quarentenária, longissimi tempori ou imemorial. Tem sido invocada, principalmente, como matéria de defesa em diversas situações, como, exemplificativamente: para se reconhecer o domínio particular em ações discriminatórias; afastar eventual interesse do Poder Público em ações de usucapião que, em princípio, envolvam somente particulares; aceitar como particulares e, portanto, indenizáveis terras declaradas de interesse público para desapropriação, principalmente para fins de reforma agrária. No Estado de Goiás, ela já foi muito invocada pelo Judiciário para julgar conflitos fundiários, sendo ainda eventualmente utilizada. Mas, hoje, é a própria Administração Pública quem principalmente a reconhece, com a finalidade de prevenir inúmeros conflitos. Desse modo, a chamada usucapião quarentenária tem sido utilizada para definir a postura do ente estatal em diversos processos administrativos e ações judiciais. Sua invocação acaba sendo muito frequente, porque, de início, todas as terras brasileiras foram públicas, e continuam sendo as que não foram regularmente transferidas para o patrimônio de particulares. Com efeito, toda propriedade particular imobiliária deve ter cadeia dominial com origem num ato jurídico válido de transferência do bem do patrimônio público para o particular, ou em alguma presunção disso prevista em lei. Quando isto não é comprovado, invoca-se a usucapião quarentenária anterior ao Código Civil de 1916 para se

22 22 tentar legitimar a aquisição inaugural da propriedade privada sobre a terra. Na legislação de alguns Estados, ela é até mesmo prevista como uma das presunções legais de transferência da terra para o domínio privado. Contudo, a usucapião quarentenária tem sido utilizada de forma acrítica, sem se perquirir com profundidade sobre seus fundamentos jurídicos e históricos. Dessa forma, tem sido invocada indiscriminadamente para legalizar propriedades duvidosas, mas de aparente longíssima posse, aproximando-se perigosamente da grilagem. Por outro lado, a usucapião quarentenária renovou a importância dos registros paroquiais, porque agora eles também podem ser invocados para se comprovar posse por quarenta anos antes da vigência do Código Civil de 1916 e, assim, ser reconhecida a usucapião quarentenária sobre terras públicas, na maioria das vezes devolutas. De qualquer maneira, ela funciona como uma última garantia de que determinadas terras serão aceitas como de propriedade privada. Isso também é de suma importância para a validade dos negócios jurídicos que as envolvam e o desenvolvimento das atividades agrárias em moldes capitalistas. Então, na prática, a usucapião quarentenária funciona como um último fundamento jurídico para o reconhecimento do domínio privado, quando todos os outros argumentos jurídicos não se mostrarem aptos a tanto no respectivo caso concreto. Recorre-se à alegação de usucapião anterior ao Código de 1916, porque, atualmente, o sistema jurídico entende proibida a usucapião sobre todas as categorias de imóveis públicos desde o início da vigência do citado código (Enunciado n.º 340 da Súmula do Supremo Tribunal Federal). Ocorre que, apesar de a jurisprudência aceitar tal tipo de usucapião antes da codificação civil, seus fundamentos jurídicos parecem não se coadunar com a Lei de Terras de 1850, nem com a legislação imperial subsequente, muito menos com os desideratos políticos e as tendências do sistema econômico na época. Em face às omissões e aparentes contradições verificadas, esta dissertação se propõe a tentar resolver os seguintes problemas: (i) como, historicamente, se formou o atual discurso jurídico de aceitação da usucapião quarentenária sobre imóveis estatais, consumada antes do início da vigência do Código Civil de 1916; (ii) quais eram os fundamentos jurídicos originais dessa antiga usucapião de quarenta anos sobre bens estatais; e (iii) como o reconhecimento dessa usucapião se relaciona com a questão agrária brasileira. Para resolução dos problemas, trabalha-se com a primeira hipótese, a da existência de algum, ou alguns, dispositivos legais, anteriores ao Código Civil de 1916, que amparem a usucapião quarentenária, inclusive sobre terras estatais. Verificada a inexistência de dispositivo legal explícito, parte-se para a segunda hipótese, a de que o instituto foi objeto de

23 23 construção doutrinária e jurisprudencial. Ao longo das pesquisas, respectivas reflexões e redação dos resultados, várias outras hipóteses menores são formuladas, algumas descartadas e outras reformuladas, mas sempre tentando não perder de vista a influência na questão agrária brasileira da eventual possibilidade de usucapião sobre terras do Estado ao longo da história. O material utilizado consistiu em textos da legislação vigente e revogada, principalmente do Brasil e de Portugal, mas também do direito romano justinianeu e do direito de alguns outros países, além de doutrinas jurídicas atuais e de séculos pretéritos, vários textos de jurisprudência, livros de história, geografia, sociologia e economia, periódicos em geral, documentos históricos, além de consultas a textos publicados na internet. Empregou-se o método hipotético-dedutivo para pesquisa e compreensão das normas jurídicas. Mas, neste tipo de trabalho, tal método expõe ainda mais suas limitações, chegandose, algumas vezes, a não se compreender nada da simples interpretação de textos jurídicos do passado aos olhos do presente. Assim, é inevitável a investigação histórica de acontecimentos, processos e instituições do passado, bem como avaliações críticas e sobre os pontos de vista, afirmações, constatações e conclusões divergentes encontradas no material pesquisado, recorrendo-se ao método dialético para a superação dos pontos de divergência. Como referencial teórico, parte-se da compreensão do direito como sistema autopoiético, proposta por Niklas Luhmann, na qual o direito é um subsistema social operativamente fechado ao ambiente circunvizinho, porém cognitivamente aberto a ele, porque existe em função dele. Assim, realizou-se uma pesquisa histórica sobre o processo de privatização das terras estatais brasileiras e, paralelamente, analisou-se a pertinência política, econômica e social do instituto jurídico da usucapião em cada etapa histórica desse processo. Tenta-se, desse modo, entender como, embora aparentemente proibida, a usucapião sobre terras públicas não foi repelida, mas assimilada de uma forma muito peculiar pelo direito pátrio. Nessa empreitada é muito útil ter em vista a formação e transformação das famílias jurídicas proposta na obra de René David. Outra bússola teórica orientadora do trabalho é a hermenêutica filosófica de Hans- Georg Gadamer, muito bem trabalhada por Rodolfo Viana Pereira, influenciando para a estrutura espiralizada desta dissertação, que começa analisando dados jurídicos do presente e regride a um processo que tem início na República Velha, analisando sua evolução até nossos dias. Depois, volta a um passado mais remoto, do Império Romano, analisando novamente todo um processo evolutivo que chega até nossos dias.

24 24 Desse modo, a dissertação começa apresentando algumas condicionantes jurídicas do presente (Capítulo 1), volta aos tempos da República Velha, para historiar até nossos dias a desconstrução do antigo discurso jurídico, que admitia a usucapião sobre certos bens do Estado, e a construção do atual, que nega a possibilidade de usucapião sobre qualquer bem do Estado (Capítulos 2 e 3). Amparada pelos resultados colhidos nos anteriores, o derradeiro capítulo volta aos tempos romanos antigos, para pesquisar a evolução do instituto jurídico da usucapião até nossos dias, com especial enfoque na usucapião sobre bens do Estado.

25 25 1 CONSIDERAÇÕES E DEFINIÇÕES JURÍDICAS IMPRESCINDÍVEIS À COMPREENSÃO DA TEMÁTICA 1.1 DIFERENCIANDO DOMÍNIO E PROPRIEDADE Sendo a linguagem algo convencional, torna-se necessário, inicialmente, entabular certas convenções com o leitor, a fim de se obter um acordo sobre pressupostos do assunto tratado. Esta dissertação parte do pressuposto colocado por Ricardo Aronne, segundo o qual propriedade e domínio são institutos jurídicos distintos. 2 Daí a necessidade da advertência, pois a doutrina jurídica pátria majoritária trata como sinônimos propriedade e domínio. E fala-se aqui em domínio patrimonial, não o eminente do Estado, pois este é notoriamente inconfundível com a propriedade. Aronne faz uma revisão conceitual de domínio e propriedade, distinguindo os institutos. A partir da superveniência, no século XIX, do atual modelo de propriedade, a doutrina jurídica romano-germânica começou a cingir o direito de propriedade em dois aspectos, um interno e outro externo. Tal cisão se deu como reação eclética ao anterior antagonismo entre teorias realistas e personalistas sobre direitos reais. O aspecto interno da propriedade diz respeito à relação do indivíduo com o bem da vida, enquanto o externo se refere à relação do indivíduo com os demais indivíduos da sociedade. Tal bipartição se revela fundamental para o trabalho com as instituições de direitos reais. 3 Observa ainda Aronne que o conceito de domínio, no âmbito da doutrina hegemônica, segue duas linhas básicas: ou é identificado integralmente com propriedade, ou é tomado no sentido relativo a bens materiais. No segundo caso, a propriedade teria objeto mais amplo do que o domínio, pois seu objeto seria tanto a coisa corpórea como a incorpórea, enquanto o domínio somente se aplicaria à corpórea. 4 2 ARONNE, Ricardo. Propriedade e domínio: reexame sistemático das noções nucleares de direitos reais. Rio de Janeiro: Renovar, ARONNE, Ricardo. Propriedade e domínio: reexame sistemático das noções nucleares de direitos reais. Rio de Janeiro: Renovar, 1999, p. 57 e ARONNE, Ricardo. Propriedade e domínio: reexame sistemático das noções nucleares de direitos reais. Rio de Janeiro: Renovar, 1999, p. 60 a 62.

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0024.05.707278-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 27/04/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:13/05/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Belo Horizonte

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF Nota Técnica AJN/CONDSEF n. 07/2011 CONDSEF. Possibilidade de conversão de tempo de serviço prestado em condições especiais em tempo de serviço comum após o advento da Medida Provisória n. 1.663, posteriormente

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DA USUCAPIÃO DE TERRAS DURANTE A COLONIZAÇÃO E SUAS CONSEQUENCIAS PARA O INÍCIO DA FORMAÇÃO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA Cláudio GRANDE JÚNIOR ; Vilma de Fátima MACHADO FACULDADE

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal;

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal; Instrução Normativa nº 006, de 30 de setembro de 2013. O Diretor Presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo- IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 35 da

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072 GABINETE DO GOVERNADOR PARECER Nº 14.072 Licenciatura curta. Pós-graduação lato sensu. Validade. Alteração de nível. Possibilidade. O Departamento de Recursos Humanos da Secretaria da Educação encaminha

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: Direito TURMA: 9º Semestre/Noturno DISCIPLINA: Direito

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO 87 A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO A Lei 12.424, de 16 de junho de 2011, ao introduzir o art. 1240-A no Código Civil, instituiu uma nova modalidade de usucapião no direito

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 O presente artigo tem o desiderato de analisar as alterações trazidas com o advento da Lei n. 11.718/08, dentre as quais destacam-se

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA

1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA SIC 29/10* Belo Horizonte, 02 de agosto de 2010. 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA NULIDADE DE VENDA DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 2. JURISPRUDÊNCIAS SOBRE TRANSFERÊNCIA DE MANTENÇA 1. PODER JUDICIÁRIO DECLARA

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas.

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas. 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA DF Proc. No. 01920-51.2009.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: Vistos etc. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DOS ESTADOS DOS PARANÁ E SANTA CATARINA impetrou ajuizou ação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011 Contribuição previdenciária. Não incidência em relação aos valores recebidos em razão do exercício de função comissionada, após a edição da Lei 9.783/99, pelos servidores

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SEGUNDA CATEGORIA. Questão Grupo III PADRÃO DE RESPOSTA

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SEGUNDA CATEGORIA. Questão Grupo III PADRÃO DE RESPOSTA Questão Grupo III Espera-se que o candidato responda à questão conforme o que se segue. A garantia provisória de emprego (ou estabilidade temporária) está garantida, no presente caso, pelo disposto no

Leia mais

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade, Vigência, Eficácia e Vigor 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade Sob o ponto de vista dogmático, a validade de uma norma significa que ela está integrada ao ordenamento jurídico Ela

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás.

A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás. A QUESTÃO DA INDENIZABILIDADE DOS TERRENOS MARGINAIS DE RIOS FEDERAIS NAS DESAPROPRIAÇÕES AGRÁRIAS: Desapropriações feitas no Estado de Goiás. Roberto Élito dos Reis GUIMARÃES; Cleuler Barbosa das NEVES

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A contratação de servidores por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e a competência da Justiça do Trabalho. Cleber Lúcio de Almeida 1 I. Constitui objeto

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1.

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. Genesio Vivanco Solano Sobrinho Juiz do Trabalho aposentado 1.- Da Organização Sindical. Preliminares. 2.- Das Associações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE - Compete ao autor, na ação de usucapião extraordinária, preencher os requisitos legais previstos no art. 1.238 do Código

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/Nº 3676/2013 ORIGEM: PTM DE SANTA MARIA - PRT 4ª REGIÃO PROCURADORA OFICIANTE: DRA. BRUNA IENSEN DESCONZI INTERESSADO 1: ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO INTERESSADO 2: SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 Torna obrigatório o exame de ordem para todos os que quiserem inscrever-se como advogado. Autor: Deputado Almir Moura Relator:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO ESCRITÓRIO MODELO - DOM PAULO EVARISTO ARNS Área de TUTELA COLETIVA - Projetos Sociais Para futuras contratações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7*

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011.

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Ementa: Direito Administrativo e tributário. Desapropriação de imóvel urbano Responsabilidade pelo pagamento da dívida de IPTU e Compensação com o valor a ser recebido

Leia mais

NORMAS GERAIS 1 PLANO DE TRABALHO SOLICITADO AOS CANDIDATOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO

NORMAS GERAIS 1 PLANO DE TRABALHO SOLICITADO AOS CANDIDATOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO 1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL (PPGI-MP) NORMAS GERAIS 1 PLANO DE TRABALHO SOLICITADO AOS CANDIDATOS PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO Conforme decisão da Comissão Coordenadora

Leia mais

O presente processo trata da regularização jurídica da área de propriedade municipal concedida à comunidade kaigangue. A

O presente processo trata da regularização jurídica da área de propriedade municipal concedida à comunidade kaigangue. A Interessado: Demhab/ Coordenação de Urbanização Objeto: regularização urbanística do projeto de assentamento da área destinada aos Kaigangues Processo Nº: 004.003481.07.7 Parecer Nº: 1161/2010 Assentamento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais