FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DA FACDO. Araguaína

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DA FACDO. Araguaína 2010.2"

Transcrição

1 FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DA FACDO Araguaína

2 Faculdade Católica Dom Orione Rua Santa Cruz nº 557, Centro Araguaína / Tocantins - CEP Telefone: Pe. Francisco de Assis Silva Alfenas Diretor Geral - FACDO Prof. Ronan Pinho Nunes Garcia Diretor Acadêmico - FACDO Deusamara Dias Barros Vaz Diretora Administrativa - FACDO Sérgio Roberto Braga Soares Secretário Geral Danielle Mastelari Levorato Coordenadora do Curso de Direito Helena Mendes da Silva Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Extensão - NUPEX Prof. Dr. Pe. Antônio Sagrado Bogaz Coordenador do Núcleo Pedagógico - NUPED Prof. Dr. João Henrique Hansen Assessor Pedagógico 2

3 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO DA FACDO COMISSÃO DE REVISÃO E REDAÇÃO DE DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS (Portaria nº 011 de 29/07/2008) Pe. Francisco de Assis Silva Alfenas Diretor Geral Prof. Ronan Pinho Nunes Garcia Diretor Acadêmico Profa. Maria das Graças Aires de Medeiros Andrade Representante da Comissão Própria de Avaliação Profa. Danielle Mastelari Levorato Coordenação do Curso de Direito José Hilário Rodrigues Representante do Corpo Docente no Conselho Superior Prof. Humberto Tenório Gomes Representante do Corpo Docente Profa. Elza Rodrigues Barbosa Peixoto Representante do Corpo Docente Revisora do Projeto Pedagógico de Curso Thiago Spacassasi Nazario Representante do Corpo Discente Profa. Lúcia Maria Barbosa do Nascimento Pesquisadora Institucional Profa. Pollyanna Marinho Medeiros Redatora 3

4 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO DE DIREITO DA FACDO Profa. Danielle Mastelari Levorato Coordenadora do Curso de Direito da FACDO Adriana Matos Maria Docente Bruno Gonçalves Carneiro Docente Darlan Gomes Docente Edmárcio Testa Docente Elza Rodrigues Barbosa Peixoto Docente Helena Mendes da Silva Docente Humberto Tenório Gomes Docente José Francisco Medanha Docente Lúcia Maria Barbosa do Nascimento Docente Mirian Aparecida Deboni Docente Patrícia da Silva Negrão Docente Rafael Xavier de Souza Docente Rodrigo Eder Felicio Docente Rogério Siqueira dos Santos Docente Tatiana S. D. Lemos Afonso Docente 4

5 São Luís Orione Que a Faculdade Católica Dom Orione seja referência na formação acadêmica dos jovens no norte do Brasil, na produção técnica, científica e cultural com serviços modernos e responsabilidade social, vivenciando o carisma de São Luis Orione. (Visão de futuro O Sonho) Visão de Futuro da FACDO, elaborada pelo conjunto de seus Colaboradores, durante a realização de seu Planejamento Estratégico entre 30 de novembro de e 1º de dezembro de

6 SUMÁRIO CONTEÚDOS PÁG. Apresentação 11 TÍTULO I Da Organização Didático-Pedagógica Capítulo I Da Instituição 1.1 Dados de Identificação A Trajetória Histórica da Instituição O Pólo Missão da Instituição Políticas Institucionais Políticas de Ensino Políticas de Pesquisa e Extensão Políticas de Pós-Graduação Políticas de Apoio ao Discente Políticas de Apoio Docente Políticas de Acompanhamento de Egresso Infraestrutura Experiência na Área Educacional Áreas de Atuação na Graduação Administração Institucional Administração Acadêmico-Administrativa Órgãos Acadêmicos Superiores Conselho Superior Colegiado de Cursos Núcleo Docente Estruturante Composição dos Órgãos Acadêmicos Superior

7 1.12 Órgãos Suplementares Comissão de Ética e Pesquisa Da Secretaria Geral Da Coordenação Executiva de Avaliação Institucional Acompanhamento Sistemático dos Objetivos Ouvidoria...40 Capítulo II Do Curso de Direito 2.1 Dados de Identificação do Curso A Trajetória Histórica do Curso e sua Relevância Social Missão do Curso de Direito Coordenação do Curso de Direito Do Colegiado do Curso Núcleo Docente Estruturante Concepção do Curso e Eixo Norteador Objetivo Geral Objetivos Específicos Perfil do Egresso Competências e Habilidades Metodologia de Ensino no Curso de Direito A Matriz Curricular Institucional Matriz Curricular do Curso de Direito Eixo de Formação Básica ou Fundamental Eixo de Formação Profissional Formação Profissional Eletiva Formação Prática Demonstrativo do Cumprimento das Diretrizes Curriculares

8 Da política de Transição Interdisciplinaridade e Interação entre Teoria e Prática Integração Ensino, Pesquisa e Extensão Ementário do Curso de Direito Ementário das Disciplinas Eletivas Das Atividades Complementares Do Estágio Supervisionado e da Prática Jurídica Regulamento do Estágio Supervisionado e da Prática Jurídica Da Monografia Do regulamento da Monografia Linhas de Pesquisa Atividades de Extensão Da Produção Científica Da Monitoria Do Regulamento da Monitoria Capítulo III Do corpo Docente, Discente e Técnico Administrativo 3.1 Do Corpo Docente Relação dos Professores Regime de Trabalho Da Capacitação Docente Do Plano de Carreira Apoio Psicopedagógico ao Docente Apoio Pedagógico ao Discente Extra-classe Do Corpo Discente Do Calendário Escolar Do Processo Seletivo

9 3.2.3 Da Matrícula Da transferência e do Aproveitamento de Estudos Do Sistema de Avaliação do Processo Ensino-aprendizagem Do Nivelamento Monitorias Programa de Atendimento Psicopedagógico ao Discente Orientação aos Estagiários Recepção dos Novos Alunos Participação em Eventos Visitas a Organizações Bolsas de Estudo e Crédito Educativo Semana Jurídica Aula Magna Acompanhamento de Egressos Sistema Acadêmico Representação Discente Simulado Organização Estudantil Do Corpo Técnico-Administrativo Da capacitação do Corpo Técnico-Administrativo Programas de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo Capítulo IV Do Espaço Físico 4.1 Visão Geral Biblioteca Política de Expansão e Atualização da Biblioteca Acervo da Biblioteca

10 4.3 Dos Laboratórios de Informática Auditórios e Multimeios Núcleo de Prática Jurídica Espaço Físico do Núcleo de Prática Jurídica Salas de Aula Espaço de Convivência Considerações finais Referências

11 APRESENTAÇÃO O Curso de Direito da Faculdade Católica Dom Orione, atento à filosofia de trabalho da própria Instituição e considerando o que preceitua seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), estrutura-se, nesta nova proposta, de modo a ser referência na formação acadêmica dos jovens no norte do Brasil, com o oferecimento de um ensino voltado para a formação acadêmica, para que este profissional possa ser agente transformador da sociedade em que vive. Neste sentido, o presente Projeto Pedagógico visa reestruturar o Curso de Direito da FACDO, observando as atuais diretrizes normativas impostas pelo Ministério da Educação, notadamente a Resolução CNE/CES n. 09, de 29/09/2004, que dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Direito e demais normas aplicáveis ao curso, sem perder de vista a sua vocação humanista e sua responsabilidade social no meio em que está inserido. Para tanto, desde o segundo semestre do ano de 2008, quando se iniciaram os trabalhos de revisão do PPC do Curso de Direito da FACDO, o objetivo foi modernizar o curso, sem perder de vista a sua essência filosófico-pedagógica, em especial, o carisma de São Luis Orione, já contemplado no PDI. Atento a estes preceitos, o Núcleo Docente Estruturante debruçou-se sobre o novo PDI e no PPI da FACDO, com o fim de elaborar o presente Projeto Pedagógico, trabalhando para obter uma revisão consistente, coerente e que pudesse trazer para o Curso de Direito a filosofia institucional. Esta realidade é observável na nova matriz curricular, que contempla disciplinas específicas que impulsionam a formação humanista do aluno do Curso de Direito da FACDO, bem como uma nova estruturação dos conteúdos de tais disciplinas, que reforçam a importância do eixo fundamental, deixando-os consistentes e em perfeito equilíbrio com os conteúdos dos eixos profissionais e práticos previstos, nas Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Direito. O apego à responsabilidade social está bastante evidenciado no modo de pensar e desenvolver o eixo prático do Curso, contemplando um estágio supervisionado voltado para a formação de um aluno atento às demandas da comunidade local e regional e o estímulo às ações que vão ao encontro da população desassistida de orientação jurídica de qualidade, assim como atividades complementares bem definidas e amplas, que contemplam o ensino, a pesquisa e a extensão. 11

12 No Trabalho de Conclusão de Curso, que se faz com a defesa de uma monografia individual, o acadêmico da FACDO é convidado vivenciar a iniciação científica, em observância às normas da ABNT e estimulado a apresentar trabalhos que possam contribuir para a sociedade local e regional, com vistas a apresentar soluções para as demandas sociais que assolam essa população, contribuindo assim, de forma bastante propositiva, para a melhoria da sua qualidade de vida, em busca de uma sociedade mais justa e solidária. A carga horária do curso foi revisada para atender às diretrizes da Resolução CNE/CES n. 02, de 18 de junho de 2007 e também ao conceito de hora-aula adotado pela Resolução CNE/CES n. 03, de 02 de julho de O presente PPC foi objeto de grande discussão e amadurecimento por parte da comunidade acadêmica da FACDO, de modo que retrata a essência da filosofia institucional na oferta dos cursos de graduação e representa uma nítida evolução e amadurecimento se comparado com o PPC existente quando da autorização do curso. 12

13 TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CAPÍTULO I Da Instituição 1.1 Dados de Identificação Mantenedora da IES: Fundação Educacional Dom Orione Nome da IES: Faculdade Católica Dom Orione FACDO Endereço: Rua Santa Cruz, 557, Araguaina-TO; fone: (63) ; Denominação do Curso: Direito Modalidade: Bacharelado Titulação Conferida: Bacharel em Direito Ano de início de funcionamento do Curso: 2006 Duração do curso: 5 anos (Carga Horária = 4760 h/a) Autorização: Portaria nº 4.044, de 25 de novembro DE 2005, publicada no D.O.U nº. 227-A, de 28 de novembro de 2005 Regime Escolar: Semestral Número de Turmas Oferecidas por semestre: 02 (duas) Turnos Previstos: Noturno Número de Vagas Oferecidas por ano: 200 vagas (100 para cada semestre letivo) 1.2 A Trajetória Histórica da Instituição A História da Instituição faz parte da atuação da Congregação Orionita no Brasil, principalmente na Região Norte, instalando-se na cidade de Araguaína-TO em 1952, com obras nos campos da religião, educação e saúde, o que constituiu-se como base para fomentar a criação da Fundação Educacional Dom Orione, em meados dos anos 90. Então, sob a proposta educacional de São Luiz Orione, que dizia aos seus religiosos noi dobbiamo essere avanti ai tempi (Nós precisamos estar à frente dos tempos), as 13

14 autoridades da Congregação Orionita, em 1996, criaram a ordem no mundo. A Fundação, sem fins lucrativos, é ligada diretamente à Pequena Obra da Divina Providência (DOM ORIONE), foi criada para atender aos anseios dos religiosos Orionitas que trabalhavam na região para a criação de uma faculdade - a Faculdade Católica Dom Orione que iniciou sua atividade como instituição de ensino superior no dia 1º. de agosto de 2005, com o Curso de Administração, e no primeiro semestre do ano de 2006, também se iniciou o Curso de Direito. Assim, a Faculdade Católica Dom Orione, instituída e mantida pela Fundação Educacional Dom Orione, com os seus 05 (cinco) anos de existência atende às necessidades do município de Araguaína e de outros da região geoeducacional, responsabiliza-se pela difusão do ensino, da iniciação à pesquisa do desenvolvimento das Artes, Ciências e Letras e a formação de profissionais de nível superior. 1.3 O Pólo A criação da Faculdade Católica Dom Orione representa o ponto de chegada de uma caminhada da Congregação dos padres de Dom Orione, presente há 50 anos no atual Estado do Tocantins. Durante décadas o grande pilar da economia de Araguaína foi a pecuária. Hoje, além da pecuária o município conta com outras frentes de desenvolvimento econômico, a exemplo do centro comercial localizado ao longo da Avenida Cônego João Lima e o DAIARA Distrito Agro Industrial de Araguaína, o que reflete na crescente necessidade de mão-deobra especializada para atender às novas demandas do mercado de trabalho. Atualmente a cidade conta com duas instituições privadas de ensino superior na modalidade presencial com oferta de cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Medicina, Odontologia, Pedagogia e Sistema de Informação. Na rede pública federal, por uma única IES, onde são ofertados os cursos de Biologia, Cooperativismo, Física, Geografia, História, Letras, Logística, Matemática, Medicina Veterinária, Química, Turismo e Zootecnia. É notória a falta de pessoas qualificadas em algumas áreas e mesmo com a migração de profissionais de outras cidades, percebe-se a existência de lacunas no mercado de trabalho que podem ser preenchidas com a qualificação da mão-de-obra local e regional. Outra questão relevante é o desejo das pessoas em cursar uma determinada graduação cuja oferta de vagas é baixa ou inexistente, o que implica em deslocamentos para outros grandes centros. 14

15 As ações do governo (nas esferas Federal, Estadual e Municipal) também motivam os mercados e, consequentemente, à criação de novos cursos de graduação. A possibilidade de retomada do projeto da Zona de Processamento de Exportação ZPE e o atual traçado da Ferrovia Norte-Sul, são exemplos de políticas públicas que motivaram o surgimento de cursos superiores (tecnológicos) em Logística na região norte do Tocantins. 1.4 Missão da Instituição Como foi estabelecido em seu PDI, a instituição compromete-se a adotar como missão: Ofertar ensino superior de qualidade, fundamentado no carisma de São Luís Orione, no universalismo científico e no respeito à diversidade cultural, contribuindo para o desenvolvimento da sociedade com ética e vivência dos preceitos cristãos, para assim fomentar a formação do ser humano para a construção de uma sociedade justa e solidária, e ainda ser a referência na formação acadêmica dos jovens no norte do Brasil, na produção técnica, científica e cultural com serviços modernos, responsabilidade social, vivenciando o carisma de São Luís Orione. O Carisma de São Luís Orione se vislumbra em Renovar o homem e a sociedade em Cristo, isso significa que sua preocupação primordial era formar uma juventude cristã, conscientizando os jovens sobre a importância dos valores humanos e cristãos, mostrando a centralidade e prioridade dos seres humanos em relação a qualquer progresso material ou evolução tecnológica e despertando a responsabilidade desses jovens na transformação social. Para colocar essa idéia no plano concreto, o fundador, Luis Orione se espelhou em seu grande mestre Dom Bosco que, sendo um educador, alicerçou seus procedimentos pedagógicos no método preventivo, ou seja, em antecipar, o aparecimento de situações e hábitos negativos, estimulando o educador a se dispor pacientemente como presença significativa e amorosa junto a juventude, criando dessa forma um ambiente que estimule e desenvolva o gosto pelas experiências positivas e pelo bem. Esse método baseia-se na razão, na religião e no amor. Usa a razão quando ela ajuda a avaliar a realidade com sentido crítico; a religião como inspiração nas atitudes de respeito perante as situações da vida e o amor como acolhimento incondicional das pessoas. A partir desse método preventivo, desenvolveu um sistema educativo próprio chamado paterno-cristão que traz como essência o amor comum a toda pedagogia cristã, tem como núcleo a escola como uma família moral e bem disciplinada e conduzida à frente com muito afeto no Senhor e com muito cuidado e como fundamento não somente a 15

16 razão e amabilidade, mas a fé e a religião católica. O trabalho desenvolvido por esses orionitas e pelos colaboradores que introjetaram a filosofia e o método educativo de São Luis Orione, lançou a semente da busca por uma educação integrada e de qualidade, que favoreça cada vez mais a função educativa e a convivência entre educadores e educandos, fazendo da escola um lugar que enquanto se aprende, também se vive (Paulo Freire). Dom Orione afirmava que o amor educativo é o principal alicerce que torna educadores e educandos membros de uma mesma família. Esse ensinamento se constitui de três dimensões: A Razão se refere aos processos de compreensão de si e do mundo, de descoberta da verdade, do bem, do belo, da segurança; A Religião se refere à busca e descoberta do sentido da vida e de Deus; O Amor se refere à aceitação de si mesmo, à abertura para os outros e para a vida, à alegria de viver. O objetivo educativo Orionita dá origem a um ambiente inspirado num modelo familiar de relação e de conduta, a processos educativos participativos, experiências de vivência de valores que caracterizam o despertar do senso crítico-libertador, a prática da solidariedade e da participação. 1.5 Políticas Institucionais A FACDO imbuída pelo espírito humanista de educar e embasada nos princípios de São Luís Orione, bem como envolvida com o conceito de Responsabilidade Social, busca a criação de condições efetivas para a instituição aproximar-se e vincular-se à comunidade externa, por meio da atuação direta de setores/unidades da faculdade. O trabalho desenvolvido por entidades de Representação Estudantil Centros Acadêmicos, Consultorias Juniores, por organizações de alunos (sem vínculos com entidades representativas) e, busca transpor os muros institucionais e possibilitar o encontro, a vinculação e o cruzamento de interesses e necessidades do conhecimento acadêmico com o conhecimento e a prática da vida. Com isso, elaborar e implantar projetos e propostas, junto à comunidade externa afinada com a perspectiva de um comprometimento que 16

17 transcende leituras e abordagens oficiais. Desta forma, estabelece objetivos de atuação que visam: a) Proporcionar a junção entre a teoria e a prática contribuindo para aumentar o grau de contato e coerência do trabalho acadêmico com a comunidade interna e externa; b) Fomentar a disponibilidade de conhecimentos e recursos das várias ciências para a utilização no cotidiano das relações internas e externas, para promover um conhecimento instigador; c) promover alianças e parcerias com os grupos com os quais a FACDO atua e trabalha com projetos e propostas de extensão na comunidade. Partilhar, trocar interesses e benefícios mútuos. Objetivamente, a FACDO também procura sensibilizar, conscientizar e despertar a comunidade para as fundamentais questões ambientais, ecológicas e coletivas, nos espaços da faculdade, expandindo para outras situações da vida, como: a) Minimizar os problemas relacionados à destruição e morte de rios provocados pelo chamado desenvolvimento por meio dos grandes projetos de barragens e investimentos na monocultura; b) Conscientizar para os riscos e prejuízos ambientais relacionados às queimadas; c) Despertar para a cultura urbana de tratamento dos dejetos e saneamento básico, desenvolvendo campanhas de conscientização para o uso racional dos recursos naturais ecologicamente sustentáveis. O envolvimento da FACDO com a formação humanística do discente inclui investimentos em uma infraestrutura que proporcione um ambiente cultural, com o desenvolvimento de oficinas diversas, em parceria com vários departamentos da instituição, principalmente nas seguintes áreas: a) Na música, artes variadas, laboratório de criação, concretizando-se na atividade da Quarta Cultural que é realizada no horário de intervalo, conferindo-lhe a liberdade de expressão proporcionando à comunidade acadêmica acesso à arte e cultura de qualidade; b) No teatro, em parcerias com o grupo Ciganu s, grupo de teatro existente na cidade há mais de vinte anos, trabalhando assuntos relacionados à cultura local e regional bem como outros grupos livres e vinculados a outras IES. Ainda, neste sentido, a FACDO conta com OS VISIONÁRIOS grupo de teatro acadêmico, que tem por objetivo sensibilizar os alunos em relação a diversos temas da vida; c) Organização de festividades comunitárias em períodos específicos, tais como: festa de recepção aos calouros, festa junina e semana cultural, podendo ocorrer também análise de outras propostas oriundas da comunidade. 17

18 1.5.1 Políticas de Ensino Todos os esforços da docência devem estar voltados para a construção e o desenvolvimento de uma proposta educacional pautada na verdadeira autonomia humana, possibilitando-se, assim, o enfrentamento das durezas da própria vida e do complexo mundo do trabalho. Seguindo atentamente o paradigma contemporâneo do ensino superior centrado no próprio estudante: aprender a ser, a fazer, a conhecer e a viver juntos. Aprender a ser, implica em aprender que a palavra existir significa descobrir os próprios condicionamentos, descobrir a harmonia ou a desarmonia entre a vida individual e social. Para fundamentar o ser, é preciso antes esmiuçar as nossas incertezas, crenças, condicionamentos questionando-os sempre. Para isto o espírito científico é um precioso guia. Aprender a fazer é um aprendizado da criatividade. Fazer significa criar algo novo, trazer à luz as próprias potencialidades germinativas. Edificar uma verdadeira pessoa também quer dizer assegurar-lhe condições máximas de realização de suas potencialidades criadoras, para que venha a exercer uma profissão em conformidade com suas predisposições interiores. Aprender a fazer significa, certamente, a aquisição de uma profissão, bem como dos conhecimentos e das práticas associadas a ela. Mas, especialmente, de edificar um núcleo de conhecimentos, suficientemente flexível para permitir, caso necessário, um rápido acesso à outra área profissional. Aprender a conhecer significa o aprendizado dos métodos que nos ajudam a distinguir o que é real do que é ilusório e ter acesso aos saberes de nossa época. O acesso ao mundo da ciência arremessa o homem contra os comodismos e a aceitabilidade das coisas, passando da passividade à atividade, como dispositivo de racionalidade. Aprender a conhecer é ser capaz de enxergar a presença e a carência de elos entre as várias modalidades de saberes, é a capacidade para estabelecer pontes entre eles e suas significações na vida cotidiana e, por fim, entre os saberes e significados e as nossas capacidades interiores. Aprender a conhecer é poder re-significar as próprias coisas, gestos, palavras, pensamentos e ações. No caso do ensino, é mantido um programa de valorização permanente de ações com o intuito de atualizar, informar e refletir sobre as práticas e formação do corpo docente. Cursos temáticos de capacitação são ministrados com a preocupação de elevar o nível profissional dos professores, com assessoria de renome. São ações que permitem a inclusão do docente ao perfil profissional da FACDO de forma mais rápida e eficaz. 18

19 Para os discentes, frequentemente, a FACDO promove atividades que envolvem os alunos nas mais diferentes ações sociais, por meio de atividades ligadas ao Núcleo de Pesquisa e Extensão, assim como ao Núcleo de Prática Jurídica e a Empresa Júnior (Curso de Administração). Assim, a produção cultural ganha relevância pela participação dos discentes nos veículos de comunicação da faculdade (informativos) e realização nas excursões de caráter cultural, com objetivos bem delineados. Também, na participação das atividades da Feira Época e na Exposição Agropecuária de Araguaína, na participação efetiva da Cavalgada tradicional que antecede à Exposição Agropecuária da cidade e, finalmente, nas atividades especificas da Semana do Direito e da Administração. Os objetivos destas atividades estão sempre pautados na condução e participação das discussões que resguardam a cidadania, a democracia e reflete criticamente sobre a desigualdade social, a destruição do meio ambiente, a inserção no mercado de trabalho. Outra atividade que demonstra o comprometimento da instituição com o ensino são os convênios efetivados para fins de estágio com o IEL (Fieto), Justiça do Trabalho, SEBRAE, BASA. Merece destaque a realização das semanas acadêmicas dos cursos de Direito e de Administração com temas pertinentes à realidade dos profissionais e assessoria de qualidade. É ainda oportuno citar as atividades de permuta de bolsa de estudo com prestação de serviços para os estudantes mais carentes. Muito significativa é a ação conjunta entre a faculdade e os centros acadêmicos na realização do Trote Solidário quando, os alunos mantêm um contato direto com a comunidade na entrega de cestas de alimentos recolhidos e doação de sangue que, concomitantemente participam de uma ação humanitária de conscientização ao combate à violência Políticas de Pesquisa e Extensão As ações de extensão da FACDO atendem princípios democráticos fundamentais ao pleno funcionamento de suas atividades. Seus projetos e planos não asseguram apenas a efetivação dos princípios de Responsabilidade Social, mas a sua elaboração nas atividades pautadas, principalmente, em temas relacionadas a responder as demandas de promoção da cidadania, questões ambientais, culturais e formação do núcleo de pesquisa. Tais preocupações colocam a FACDO como referência das faculdades na região do Norte do Estado. No que tange à orientação de conteúdos, os alunos são orientados a aproximar-se da comunidade com ações diretamente voltadas para os bairros da periferia da cidade, quando na disciplina de Sociologia Jurídica realizam, em equipe, um contato com 19

20 entrevistas para compreenderem a atuação da Justiça e a satisfação da comunidade sobre este serviço. As visitas periódicas à aldeia dos Apinagé, onde os discentes convivem e participam das atividades in loco, promovem a abertura para novas realidades. Deste modo, podemos afirmar que a FACDO destaca-se por cumprir de forma simples, seu papel na Educação para a Cidadania, no comprometimento efetivo, irradiando, por ações diretas e indiretas, o carisma de São Luiz Orione. Destacam-se a preocupação com a publicação das atividades e organização de eventos, muitos promovidos pelo NUPEX e assumidos, integralmente, na sua integridade com recursos da FACDO. Os eventos vão desde as Semanas de Encontros Jurídicos, Semana da Administração, Dia do Administrador, Semana Cultural, participação nos encontros regionais de Administração e de Direito, publicação anual da Revista São Luis Orione com artigos dos próprios professores da Instituição. A publicação dos Informativos do Curso de Direito e do Curso de Administração contam com artigos dos discentes sobre questões teóricas e práticas relevantes. Também há ações de assistência voltadas às comunidades carentes como a de Quilombolas. No sentido de envolver os alunos na produção científica, a FACDO tem oferecido bolsas para aqueles que se envolverem com atividades de pesquisa e, ainda, são recompensados pelas horas/atividade no curso, enriquecendo seus currículos. A seleção dos participantes respeita rigorosos critérios apresentados à comunidade acadêmica por meio de editais que permitem a participação de todos os interessados em igualdade de condição. Outro compromisso institucional relevante se refere aos conteúdos oferecidos nas disciplinas que primam pela qualidade do curso com a característica da participação dos discentes efetivamente na realização de debates de obras clássicas, proporcionando assim um contacto direto com os pensadores. O objetivo é ampliar o campo intelectual do acadêmico, cumprindo os propósitos traçados no perfil do egresso. A educação superior desenvolvida pela FACDO tem como primado de racionalidade a garantia de investimento no trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive. Defende a pesquisa em associação com a extensão para promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição. A FACDO proporciona aos estudantes incentivo à participação em eventos de natureza científica, cultural em áreas e saberes diversos. Encontros na área do Direito e 20

21 Administração na cidade de Araguaína, e em outras localidades, oferecendo e organizando ou patrocinando e apoiando eventos. A Revista São Luis Orione, de natureza técnico-científica, com a sua segunda edição publicada, denominada assim em homenagem ao patrono da IES São Luis Orione, é um veículo de divulgação e difusão de pesquisa, artigo, resumo, resenha e outros trabalhos de rigor, do corpo docente, professores de outras instituições que contribuem com a FACDO, e também da produção do discente fruto de reflexão acurada e sob o auspício de professororientador Políticas de Pós-Graduação Refletindo sobre a história da Faculdade Católica Dom Orione, analisando o mercado externo junto ao cenário de forças e pontenciais da Instituição e considerando a vocação da região em que está inserida foram definidos cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos à comunidade acadêmica, como Gestão em Agronegócio, Metodologia do Ensino Superior, Gestão Hospitalar e Saúde Pública, Gestão Estratégica com Ênfase em Logística, todos com carga horária de 360 (trezentas e sessenta horas), todas criadas pela observação das necessidades locais, como é o caso do Agronegócio, que constitui a base da economia tocantinense e as exigências do mercado que primam pela gestão de negócios na área da saúde pública e estratégia no enfoque logístico. Obviamente, preocupa-se com a preparação de docentes para o ensino superior com o fito de contribuir para uma melhor qualidade do ensino. Na área do Direito há previsibilidade para que sejam implantadas três pós-graduações, em 2011, com os seguintes temas: Direito Ambiental e Sustentabilidade, Direito Processual Penal e Direito Processual Civil Políticas de Apoio ao Discente O Apoio Psicopedagógico é uma ferramenta útil para o desenvolvimento de capacidades, sendo um mecanismo de motivação capaz de produzir efetivamente a interação entre aluno e professor, entre aluno e aluno e aluno e sociedade. Assim, a Instituição disponibiliza uma série de programas e atividades que auxiliam o Discente na sua formação como profissional e cidadão atuante e consciente de suas ações na sociedade, que se constituem nos seguintes: a) Programa de Atividades de Extensão tem por fim consubstanciar o ensino e difundir a pesquisa em benefício da comunidade acadêmica e da sociedade em geral; b) Programa de Nivelamento como melhoria da aprendizagem do discente, como fator de 21

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO AO DISCENTE SÃO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação do Ministério da Educação, as Atividades Complementares passaram a figurar como importante componente dos Cursos Superiores

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 14/2008, DE 25 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o planejamento, acompanhamento e registro das Atividades Complementares, necessárias à integralização

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais