FACULDADE DE DIREITO UnB NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE PÚBLICA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE DIREITO UnB NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE PÚBLICA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA"

Transcrição

1 FACULDADE DE DIREITO UnB NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE PÚBLICA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO À DISTÂNCIA EM DIREITO SANITÁRIO O PERFIL CONSTUTICIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FRENTE ÀS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE: SAÚDE DO TRABALHADOR Geraulides Mendonça Castro São Luís 2003

2 1 FACULDADE DE DIREITO UnB NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE PÚBLICA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO À DISTÂNCIA EM DIREITO SANITÁRIO O PERFIL CONSTUTICIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FRENTE ÀS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE: SAÚDE DO TRABALHADOR Geraulides Mendonça Castro Monografia apresentada ao Curso de Especialização à distância em Direito Sanitário para Membros do Ministério Público e da Magistratura Federal. São Luís 2003

3 AOS MEUS PAIS. 2

4 3 AGRADECIMENTOS A Deus, autor e condutor de minha vida. À minha tutora Ella Karla que acompanhou pari passu as atividades por mim executadas durante o curso, tirando dúvidas e respaldando certezas. Ao meu orientador Dr. Paulo Roberto Ramos Barbosa, que embora assoberbado com suas atividades, em momento algum se retraiu diante do encargo de orientarme. À amiga Adélia, que sempre emprestou o seu apoio e contribuiu de forma decisiva para a escolha do orientador. A Remédios, bibliotecária, e toda a sua equipe, que dada à escassez de doutrina e jurisprudência no tema abordado, não mediram esforços na busca de elementos para a consecução deste fim. Ao meu companheiro Aureliano Neto, pela compreensão durante as horas de estudo que foram furtadas de seu convívio. Ao meu irmão Domingos Augusto, que tem colaborado muito mais comigo que eu com ele. Aos meus pais e demais irmãos, que em todos os momentos me acompanharam e emprestaram suas torcidas, desde os sonhos mais simples até os mais altaneiros.

5 4 SUMARIO 1. INTRODUÇÃO A CONSTITUIÇÃO REPUBLICANA DE 1988 E O SUS A SAÚDE DO TRABALHADOR A organização da atenção à saúde do trabalhador Meio ambiente, globalização e as condições de vida e saúde do trabalhador O dano ambiental Ações de saúde do trabalhador A vigilância em saúde do trabalhador O Estado A atuação dos empregadores A atuação dos trabalhadores A atuação da justiça do trabalho O MINISTÉRIO PÚBLICO PERFIL CONSTITUCIONAL O Ministério Público e a dignidade do ser humano A Atuação do Ministério Público frente às ações de saúde do trabalhador O Ministério Público e o meio ambiente do trabalho CONCLUSÃO 39 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS O PERFIL CONSTUTICIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FRENTE ÀS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE: SAÚDE DO TRABALHADOR

6 5 Geraulides Mendonça Castro 1. INTRODUÇÃO O conceito de saúde é dado de diferentes maneiras, e muito apropriado seria concebê-lo como o completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de afecções ou enfermidades. Enfim, o gozo do grau máximo de saúde que se pode alcançar é um dos direitos fundamentais de todo ser humano, sem distinção de raça, religião, ideologia política ou condição econômica ou social (OMS). A definição de saúde pública teve delineamento no Renascimento. Contudo, é no Estado Liberal Burguês que a definição de saúde pública se forma com mais nitidez. Na França, apareceram as primeiras leis que tratavam da higiene urbana, da noção de insalubridade e do controle sanitário de fronteiras. No começo do século vinte, foi despertada a consciência dos governantes em relação à proteção à saúde como política de governo, surgindo assim a prevenção primária, com atuação sobre o meio ambiente; a prevenção secundária, cujo sentido era impedir o aparecimento de doenças, principalmente por meio de vacinação; e a terciária, visando limitar a prevalência de incapacidades crônicas ou de recidivas. Atualmente, no Brasil, o direito à saúde tem status constitucional de direito público subjetivo, fundamental à dignidade da pessoa humana. Por sua vez, a Constituição de 1988 define os princípios que regem a política pública de saúde, caracterizando-a como direito de todos e dever do Estado. Promotora de Justiça do Estado do Maranhão, Cursante da Especialização à distância em Direito Sanitário

7 6 No que se refere especificamente à Saúde do Trabalhador, renomados autores concordam no que diz respeito aos aspectos que influenciam o processo saúde-doença dos trabalhadores, a estrutura de atendimento das demandas e as indagações relativas ao flagelo de sua saúde, eis que são diferentes em lugar, organização social e época que se desenvolvem. As implementações tecnológicas no setor industrial e comercial, de produção e gerência de mão-de-obra, têm introduzido formas de vida diferentes, necessidades novas, bem como taxas de morbidades também diferentes. Destarte, o viver, o adoecer das pessoas difere da primeira metade do século XX, em modo e motivação, ligados intimamente à chamada Reestruturação Produtiva, de forma generalizada, pois o avanço da informática e comunicação não deixa fora os rincões mais distantes e inacessíveis do planeta. Assim, surgem inevitavelmente os problemas que, além de variados, possuem envergadura tal, que vão desde a concentração do poder político e econômico, desembocando em uma desigualdade crescente, bem assim como a deterioração da qualidade de vida, expressa na poluição e degradação ambiental, o desemprego estrutural, o crescimento de formas variadas de violência, o fortalecimento de movimentos extremistas, entre outros. Não obstante tais entraves, vive-se melhor hoje que há três décadas atrás, por exemplo. A chamada reestruturação produtiva trouxe radicais transformações no perfil do trabalho e dos trabalhadores, dos determinantes da saúde-doença nestes últimos; no estabelecimento de outros aspectos na relação da morbi-mortalidade vinculada ao trabalho, e na organização e práticas de saúde e segurança no trabalho. Reestruturar produtivamente os setores de mão-de-obra implicou necessariamente numa exigência de qualificação que atenda aos avanços tecnológicos, exigindo qualificação dos trabalhadores, exclusão impiedosa de desqualificados ou não qualificados a gosto, idosos, jovens e outros, que por qualquer razão, na celeridade do processo, não alcançaram o grau de adaptação imposto. Assim, o desemprego avançou de forma galopante e a oferta de trabalho diminuiu. Enquanto isso, como saída vislumbrada, o setor informal de trabalho vai preenchendo a demanda de mão-de-obra ociosa.

8 7 Como conseqüência desse quadro, a capacidade de compra de bens e serviços essenciais ao bem-estar dos indivíduos e de suas famílias restou sensivelmente diminuída, bem assim como verdadeiro trauma psíquico com a perspectiva de demissão nas empresas por força da redução de seus quadros, advindo daí o desenvolvimento de mecanismos de defesa para garantir a estabilidade no emprego e o aumento dos conflitos interpessoais no trabalho. É de se notar que, se as inovações tecnológicas melhoraram as condições de trabalho em muitos aspectos, principalmente no que se refere à eliminação de alguns fatores de risco ocupacional, deve-se observar também que foram introduzidos aspectos negativos, máxime no que concerne aos aspectos psicológicos do trabalhador, como sua exposição a solventes, cujos efeitos neuro-comportamentais podem ser desastrosos. Convém ressaltar que a terceirização e quarteirização das atividades têm consagrado o que se convencionou chamar de divisão social e técnica do trabalho, trazidas pela nova forma de administrar, que inclue em sua mão-de-obra os desqualificados, vulneráveis e inadaptados ao trabalho, porque este demanda conhecimento específico ou avançado, expondo-os a toda sorte de perigo, eis que encarregam-se de atividades penosas, perigosas e insalubres. A flexibilização dos contratos de trabalho, onde há perda de conquistas conseguidas com lutas árduas da classe trabalhadora é um outro aspecto da reestruturação produtiva, onde se abre mão de direitos pela garantia do trabalho, enquanto meio de sobrevivência. Como conseqüência nefasta de tudo isso, outras doenças que antes tinham determinantes diversos, agora surgem umbilicalmente ligadas ao trabalho desenvolvido, levando os trabalhadores à exaustão pelo ritmo acelerado, pelas responsabilidades assumidas e pelo grau de complexidade das atividades. Dessa forma, doenças cardio-vasculares, crônico-degenerativas e ósteo-musculares, e outras no contexto psíquico, são alguns exemplos de males que acometem os trabalhadores.

9 8 Destaca-se ainda o meio ambiente do trabalho, enquanto habitat laboral dos trabalhadores, e o cuidado para que seja hígido e equilibrado, abrange o direito de viver com qualidade. Necessário ressaltar que a intervenção nesses aspectos deve passar necessariamente por uma conjugação de esforços e ações, tanto dos empregadores e suas organizações, bem assim como o próprio Estado, eis que este, como gestor do SUS, tem a responsabilidade de executar as ações de saúde do trabalhador. Enfatiza-se pois, dentro do tema a ser discutido a atuação do Estado, destacando-se o papel do Ministério Público diante das questões que se referem à Saúde do Trabalhador e à salubridade no seu ambiente de trabalho. 2. A CONSTITUIÇÃO REPUBLICANA DE 1988 E O SUS. A Saúde, nos termos da Constituição de 1988, é um direito público subjetivo fundamental, estando no rol dos direitos sociais, incluído no art. 6º e definido no art.196 como direito de todos e dever do Estado, dele podendo usufruir todos os cidadãos, independentemente da existência de vínculo empregatício formal, não sujeito ao arbítrio do governante ou à possibilidade de reforma. O direito à saúde produz efeitos inclusive contra terceiros, e tamanho o seu valor e importância, que sujeita os responsáveis pela prestação as medida judiciais pertinentes, quando prestam os serviços de saúde de forma irregular ou simplesmente não o prestam. Todo brasileiro tem direito à prevenção e recuperação da saúde. São indispensáveis o diagnóstico precoce, o tratamento médico-hospitalar, os exames e os outros serviços prestados pela rede pública de saúde. Assim, o SUS é um modelo de atendimento que conta com mais de uma década de existência. Desde sua implantação na Constituição de 1988, as políticas de saúde têm buscado o cumprimento de suas diretrizes básicas, destacando-se a universalidade, integralidade, equidade e descentralização.

10 9 A universalidade disciplina o acesso às ações e serviços de saúde como direito universal e igualitário de todos os cidadãos, sem qualquer discriminação. Pelo princípio da integralidade, as ações e serviços de saúde não devem sofrer solução de continuidade no atendimento ao ser humano, que tem de ser feito de forma integral, quer no aspecto assistencial, quer no aspecto preventivo, através das ações de promoção, no sentido de eliminar ou controlar as causas das doenças e agravos; proteção, que implica na prevenção de riscos e exposições às doenças; e recuperação, que são ações que evitam a morte das pessoas já adoecidas. A descentralização nada mais é a redistribuição das responsabilidades pelas ações e serviços de saúde entre os vários níveis de governo, com a participação da comunidade. ser atendido conforme as suas necessidades. Pelo princípio da equidade, todo cidadão é igual perante o SUS e deve Dentre os princípios que regem a organização do SUS, podem-se destacar a regionalização e hierarquização, resolubilidade, participação dos cidadãos, complementariedade do setor privado. O Sistema Único de Saúde surgiu como uma política de resgate da dívida social que o Brasil tinha para com seus cidadãos, constituindo-se em uma radical transformação no sistema de saúde brasileiro, eis que a política de saúde até então vigente tinha fracassado em relação aos seus objetivos, demonstrando total inadequação em muitos aspectos, dos quais podem ser destacados: O aparecimento de todos os tipos, ligadas ao modelo de desenvolvimento social e econômico do País e que o sistema de saúde não tinha condições de enfrentamento; Má distribuição das ações de saúde no sistema até então vigente, com serviços além da demanda em alguns lugares e ausência em outros; Concentração de poder, levando a decisões, no mais das vezes em desacerto com a linha de atuação perseguida;

11 10 Poucos recursos em relação às necessidades de atendimento e em paralelo com outros países; Má aplicação dos recursos destinados à saúde, com desperdício estimado nacionalmente em pelo menos 30%; Pouca cobertura assistencial da população, com parcelas da população excluídos do atendimento, especialmente os mais pobres, e nas regiões mais carentes; Indefinição ou falta de nitidez das competências entre os órgãos e as instâncias político-administrativas do sistema; Ações mal definidas dos órgãos públicos e privados; Política salarial insatisfatória para os profissionais da área de saúde, em virtude de baixos salários e falta de política de valorização profissional; A qualidade dos serviços oferecidos, em termos de equipamentos e serviços profissionais, aquém do necessário e aceitável; Falta de critérios e de transparência dos gastos públicos; Ausência de sugestões da população na formulação e na gestão das políticas de saúde; Ausência de mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação dos serviços; grande insatisfação e preocupação da população com o atendimento à sua saúde. O SUS é definido pelo art. 4 a Lei nº 8.080/90 como sendo o conjunto de ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições Públicas Federais, Estaduais e Municipais, da Administração Direta e Indireta e das Fundações mantidas pelo Poder Público e complementarmente pela iniciativa privada. Portanto, o SUS é uma nova formulação política e organizacional para o reordenamento dos serviços e ações de saúde estabelecida pela Constituição de 1988 e leis infraconstitucionais. O SUS é assim um novo sistema de Saúde que está em construção, implicando em um sistema que possui um conjunto de unidades de serviços, e ações que interagem para um fim comum. Daí conclui-se que o direito à saúde defluiu de preceito constitucional, como direito público subjetivo a prestações estatais, ao qual corresponde o dever dos poderes públicos de formulação e execução das políticas que venham a garantir esse direito.

12 11 3. A SAÚDE DO TRABALHADOR No que concerne à saúde do trabalhador, é importante ressaltar que a Vigilância em Saúde do Trabalhador está pautada nos princípios do SUS, vinculada aos Sistemas Nacionais de Vigilância Sanitária e Epidemiológica, articulada com a área assistencial, sendo necessário um conhecimento prévio da realidade para um atuar eficaz, de forma a minimizar os danos que a atividade e o ambiente possam acarretar e comprometer a qualidade de vida do trabalhador. Torna-se imperioso, no entanto, que se realize um diagnóstico situacional condizente com a realidade dos trabalhadores para que a atuação seja eficiente e atinja os objetivos determinados. A concretização do SUS como modo de assistência à saúde tem por objetivo atuar para consolidar as leis e garantir seu aperfeiçoamento em relação à saúde do trabalhador. Deste modo, é fundamental desenvolver as atividades vigilância epidemiológica e sanitária direcionada aos trabalhadores; a avaliação e controle de riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo de trabalho; proporcionar informação ao trabalhador, aos sindicatos e as empresa sobre os riscos de acidentes de trabalho, doenças profissional e do trabalho, e prestar assistência aos trabalhadores, sendo isso garantido no nível primário de assistência do SUS. O instrumento legal destinado a esclarecer e orientar o papel das esferas do governo na proteção e defesa da saúde, e direcionando suas respectivas atuações para garantir o cuidado da saúde, é a Lei Orgânica da Saúde (Lei n.º 8080/90). Por outro lado, a Lei nº 8.142/90 dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS, condicionando o recebimento de recursos financeiros à existência do Conselho Municipal de Saúde. A Carta-Cidadã de 1988 é o manancial de onde se extraem os instrumentos legais e são definidas as políticas de saúde e segurança no trabalho. Como sobredito, enfoque maior será dado ao papel do Ministério Público frente a tais ações, sem desmerecer as responsabilidades de outros atores sociais, de

13 12 importância fundamental, no que se refere ao desenvolvimento de Ações de Atenção à Saúde do Trabalhador A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO TRABALHADOR A Constituição Federal de 1988 incorporou, com a criação do Sistema Único de Saúde, a noção do direito universal à saúde, determinando, dentre outros, o atendimento obrigatório ao trabalhador acidentado ou adoecido pelo trabalho. Por outro lado, dispõe a Lei nº 8.080/90 que, para os fins legais, Saúde do Trabalhador é um conjunto de atividades que se destina, através das ações de vigilância epidemiológica e sanitária, à promoção e proteção da saúde dos trabalhadores, assim como visa à recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho. Em que pese o conceito e sua abrangência, e no âmbito da descentralização, nota-se que no Brasil é pequeno o número de municípios que executam regularmente as ações previstas de saúde do trabalhador, em geral, simplesmente provendo atendimentos aos acidentados no trabalho, e menor ainda é a disponibilidade de serviços especializados em doenças profissionais ou do trabalho MEIO AMBIENTE, GLOBALIZAÇÃO E AS CONDIÇÕES DE VIDA E SAÚDE DO TRABALHADOR. As realizações da humanidade têm passado por um processo de análise profunda nos últimos anos, em razão da ameaça à sobrevivência do planeta como resultante de múltiplos fatores, destacando-se a dinâmica populacional, o empobrecimento da população, os gastos desnecessários do modelo consumista de vida, o que tem originado a percepção para o fato de variados setores sociais. Tal percepção adveio da observância da limitação da capacidade regenerativa e de absorção de resíduos do ecossistema natural, quanto

14 13 a poluição do ar e da água, a chuva ácida, o lixo tóxico e nuclear, e dos limites dos recursos naturais, da pesca e das florestas, por exemplo. Ressalte-se que a Conferência da Terra (ECO 92), realizada no Rio de Janeiro, em 1992, referendou a Agenda 21, como um programa de ação mundial para a promoção do desenvolvimento sustentável, envolvendo modificação de conceitos e práticas referentes ao desenvolvimento econômico e social, mas sua efetiva implementação permanece indefinida. Neste contexto, cresce a consciência de que as questões ambientais devem ser consideradas como problemas de saúde pública, ao mesmo tempo que se constata a precariedade existente no âmbito da sociedade e do governo, em seus distintos níveis, para promover políticas e ações integradas. No quadro em que são situadas as questões de perigo ao meio ambiente, aparece a gênese dos problemas nos ambientes e em processos de trabalho, e a um só tempo, constituem-se, também, condições de risco para a saúde dos trabalhadores, havendo uma união indissociável entre as questões de Saúde Ambiental e de Saúde dos Trabalhadores, o que direciona ações idênticas para prevenção e controle das condições de risco, sendo que a solução mais adequada está ligada a um repensar do modelo de desenvolvimento. A Gestão Integrada de Meio Ambiente e Saúde e Segurança no Trabalho tem sido o canal onde se congregam as iniciativas de tais questões a nível de empresa, das organizações dos trabalhadores e em atuações conjuntas, embora circunstanciais, a nível dos órgãos públicos e ações conduzidas pelas Promotorias de Justiça. A bem verdade, a legislação brasileira tem caminhado proficuamente nesse sentido, e exemplo disso é a lei que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente (Lei nº /98). A integração entre as questões ambientais e de saúde do trabalhador, principalmente no que se refere às atividades como a Indústria Química e nos estabelecimentos que utilizam radiações ionizantes, na busca da prevenção dos chamados Acidentes Maiores tem sido a preocupação da OIT e a OMS.

15 14 Há que se ressaltar ainda o fenômeno da Globalização, que nos últimos anos ascendeu à condição de paradigma para os campos da Economia, da Política, da Ciência, da Cultura, de Informação e do Espaço. E, nesse processo, as relações entre o trabalho e a saúde dos trabalhadores conseguiram atenção e cuidado. Como afirmam os estudiosos Domingos Lino e Elizabeth Costa Dias 1, as corporações transnacionais em constante ascensão caracterizam o processo de Globalização, onde se identificam nitidamente: o crescimento em número, poder e investimento direto das corporações transnacionais; a emergência de um mundo capitalista, cujos expoentes estão bem definidos na figura dos Estados Unidos, União Européia e Japão; a promoção de livre comércio no interior e entre esses blocos, através da agenda de ampliação e das regulamentações impostas pelas corporações transnacionais; diminuição da soberania e poder dos Estados Nacionais; diminuição da preocupação com o setor social, por intermédio da redução dos seus gastos, causando o aumento da marginalização, em todos os sentidos, de grande parte da população do globo; aumento da instabilidade nos setores produtivos e financeiro, caracterizada por pagamentos internacionais, e nos padrões monetários; distribuição desigual e até cruel das riquezas dentro e entre as nações; aumento do stress ambiental agudo e ainda outros. Adotando ainda o posicionamento dos citados autores, observa-se que a esfera do trabalho, inevitavelmente, sofre substanciais mudanças com esse modelo de produção e distribuição de riquezas, onde os pobres e ricos convivem nos mesmos lugares e nas mesmas posições. Os ricos, cada vez mais ricos, não têm limites e nem fronteiras que impeçam sua extensão. O quadro capitalista acima descrito influi de forma decisiva sobre o trabalho, a oferta e exigências do emprego, o meio ambiente e a saúde do trabalhador e da população. Para Domingos Lino e Elizabeth Costa Dias, é curial compreender os impactos da reestruturação produtiva sobre o mundo do trabalho e, dentre outros aspectos, apresentam-se o avanço tecnológico, enfatizando-se à automação, substituindo o trabalho humano; a diminuição das atividades de manufatura do homem; o declínio da atividades de manufatura e o crescimento do setor de serviços; a introdução de novos processos de 1 LINO Domingos, DIAS Elizabeth Costa TEXTO : A GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E OS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES

16 15 produção e gestão do trabalho, gerando novos riscos para a saúde e o meio ambiente; a proliferação de pequenas unidades de produção, com maior dificuldade para sua organização; aumento da mobilidade das unidades de produção e das empresas, resultando em aumento da competição global pelo emprego; aumento dos níveis de desemprego em várias regiões da terra; aumento da intensidade e duração do trabalho, levando ao aumento de stress e das doenças dele decorrentes; aumento do trabalho realizado no domicílio, do trabalho em tempo parcial e sazonal, levando à precarização do trabalho; diminuição dos níveis de remuneração e pagamento pelo trabalho realizado. O emprego de novas tecnologias de produção associadas às novas técnicas de gestão e ao progressivo avanço tecnológico dos produtos exigem a recuperação da inteligência da produção, e como consectário tem-se o trabalho reprofissionalizado, exigindo qualificação dos profissionais, exclusão dos desqualificados ou inadaptados. Destarte, é mínima a possibilidade de libertação da opressão das fadigas e penas causadas pelo trabalho. E, quando há tal possibilidade, de pouco interesse tem sido aos trabalhadores, cuja busca tem sido pela garantia efetiva do trabalho, enquanto meio de sobrevivência, situação esta que tem ficado cada vez mais difícil diante da exigência de qualificação imediata. A observação feita pelas Nações Unidas diz que, nos próximos dez anos, o planeta terá que gerar, no mínimo, um bilhão de empregos; no entanto, esta mesma observação aponta para a existência, no mundo, de 37 mil multinacionais, com 200 mil filiais espalhadas pelos vários países, que respondem por 33% dos ativos globais. No entanto, geram apenas 5% do emprego global. Mantida a tendência atual, alguns estudos têm demonstrado que no início do próximo século, apenas 25% da população economicamente ativa seria de trabalhadores permanentes, qualificados e protegidos pela legislação, 25% de trabalhadores estariam nos chamados setores informais, pouco qualificados e desprotegidos, e 50% dos trabalhadores estariam desempregados ou subempregados, em trabalhos sazonais, ocasionais e totalmente desprotegidos. Na realidade, o que já se pode observar, constituindo uma preocupação crescente de âmbito mundial, é a possibilidade de uma sociedade de trabalhadores sem trabalho, gerando múltiplos problemas decorrentes da alteração da fonte básica da identidade

17 16 psicológica, de inserção social e socialização definidas pelo trabalho remunerado, que viabiliza o acesso a bens e serviços e o exercício de direitos de cidadania, produzindo, entre outras conseqüências, novas formas de adoecimento, individual e coletivo, e profundas repercussões na vida social. A Globalização traz inúmeras conseqüências negativas e igualmente às acima mencionadas, tem prejuízos inestimáveis para toda a humanidade. Cita-se por exemplo, o aquecimento global decorrente, entre outros fatores, do uso intensivo de combustível de origem fóssil; a diminuição da camada de ozônio, devido à proliferação do uso de Cloro- Fluor-Carbono (CFC), em todo mundo, em aerossóis, refrigeração e solventes; a poluição da água, solo e ar; por contaminantes diversos, particularmente, metais pesados e pesticidas; a diminuição de recursos renováveis e não renováveis; a desertificação; a extinção de inúmeras espécies de animais e plantas. Por outro lado, como detentores das patentes das tecnologias, as Corporações dificultam sobremaneira a substituição de produtos utilizados por aquelas. Apesar das observações feitas por alguns estudiosos, ainda não se têm contabilizado os danos causados pelo processo da Globalização em sua inteireza, salvo alguns setores da produção como da informática, atividades com vídeo-terminais, processos automatizados e robótica. Na chamada reestruturação produtiva, busca-se o aumento da produção e redução dos custos, o que implica diminuição da oferta de empregos e remuneração, sem que as condições de trabalho sofram melhoras. As garantias dos trabalhadores vão diminuindo e suas responsabilidades aumentando consideravelmente. Em relação à saúde e segurança dos trabalhadores, os impactos têm sido traduzidos em verdadeiras epidemias, observadas universalmente, das doenças ocupacionais por movimentos repetitivos, incluídas no grupo das LER (Lesões por Esforços Repetitivos). Outras doenças, pouco específicas e mal conhecidas, têm aparecido, sob a forma discreta ou graves de manifestações de stress ou de sofrimento mental, decorrentes das novas exigências impostas aos trabalhadores, com solicitação de mais atenção, disponibilidade e responsabilidade por toda uma linha de produção.

18 17 Se compararmos com as doenças decorrentes dos processos antigos de produção, podemos observar que seus fatores de stress se davam na forma da monotonia, tarefas repetitivas, eliminando a capacidade de inovação e criação dos trabalhadores. O contrário sucede agora com os novos sistemas de produção, que trazem outros incentivos, e em contrapartida introduzem outros fatores de stress, particularmente a insegurança e a competição. Elizabeth Dias e Domingos Lino citam como exemplo mais marcante da ocorrência de alta incidência da síndrome de morte rápida e inexplicada, sudden unexpected death syndrome (SUDS), entre trabalhadores tailandeses em Cingapura e outros semelhantes, ao que tudo indica, decorrem de uma combinação de fatores provocados por mudanças bruscas no estilo de vida próprios de culturas milenares, para outras típicas de países altamente industrializados, de vida urbana, em ambiente altamente competitivos, nas quais o stress causado por trabalhos físicos intensos, em situação de sobre trabalho, somam-se a micro-ambientes hostis. O fenômeno da morte por excesso de trabalho é conhecido como karoshi no Japão, caracterizado por morte súbita, depois de exaustivo trabalho prolongado, ocorre usualmente entre adultos na faixa de 30 a 40 anos. Dessa forma, entre os problemas de saúde-doença dos trabalhadores, relacionados às condições de trabalho e meio ambiente, há de se destacar a persistência de altos índices de doenças relacionadas ao trabalho e de acidentes, socialmente distribuídos de modo desigual. De outro modo, a qualidade e as condições de trabalho e meio ambiente no "setor informal", trazem dificuldades quase insuperáveis. A uma, pela quase impossibilidade de intervenção, quer nos ambientes, quer nas condições de trabalho. A duas, porque os trabalhadores estão descobertos de qualquer registro ou garantias trabalhistas e previdenciárias, e que os serviços públicos de saúde encontram-se inadequados ou simplesmente de extrema dificuldade de fruição. Nesse aspecto, é quase nenhum o poder de negociação e enfrentamento, pela clandestinidade em que vivem os trabalhadores. Nos países subdesenvolvidos, subsistem antigas formas de produção, com baixa capacitação tecnológica, processos artesanais e ou mecanizados inspirados no setor industrial, nos princípios fordistas e tayloristas, sob relações de trabalho diversas, desde o

19 18 trabalho escravo, distintas formas de parcerias, trabalho informal e alta rotatividade de mão de obra. Existindo esse duplo padrão de produção, existe também o chamado duplo perfil de morbi-mortalidade, eis que as antigas doenças profissionais, como as intoxicações por chumbo e mercúrio, a silicose e outras doenças pulmonares, e altos índices de acidentes do trabalho convivem com uma ocorrência elevada de casos de Lesões por Esforços Repetitivos, câncer e o sofrimento mental O DANO AMBIENTAL Dano é qualquer agressão que causa um prejuízo a um bem jurídico. No que pertine ao dano ambiental, tem-se aquele que causa a destruição ou lesão ao meio ambiente. Para a Lei n.º 6.938/81, conhecida como Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, poluição é a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, a segurança e o bem estar da população ou afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente (art. 3º, III); e, poluidor, a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, responsável, direta ou indiretamente, por atividade causadora de degradação ambiental (art. 3º, IV). Assim, a degradação no ambiente do trabalho, resultante de atividades que prejudicam a saúde, a segurança e o bem-estar dos trabalhadores, ocasiona poluição no meio ambiente do trabalho, impondo ao poluidor a obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados independente da existência de culpa (art. 4º c/c art. 14 da Lei n.º 6.938/81). Há de se entender a poluição do meio ambiente de trabalho como o conjunto de fatores que prejudicam a saúde, o bem-estar e a segurança dos trabalhadores. A doença profissional, segundo a infortunística, tem considerado a doença profissional como aquela produzida ou desencadeada pelo exercício de trabalho

20 19 peculiar a determinada atividade, e como doença do trabalho, aquela adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente. A doença ocupacional é considerada acidente de trabalho para fins previdenciários, conforme estabelece a Lei n.º 8.213/91 (art. 20, I e II). Alguns autores, como Júlio César de Sá da Rocha 2, têm entendimento diverso, no que concerne ao direito ambiental, a fim de que as doenças profissionais sejam enquadradas como resultantes da poluição nos ambientes de trabalho, o que faria incidir não só as disposições do direito previdenciário, mas também o regime sistemático contido na Lei de Política Nacional do Meio Ambiente e na Constituição Federal (art. 225). São vários os exemplos de doenças profissionais ocasionadas pelas condições dos ambientes do trabalho, como a silicose, pneumoconiose dos trabalhadores de carvão e, ainda, dermatoses ocupacionais, trabalho em condições hiperbáricas (barotraumas, intoxicação pelo gás-carbônico, etc.), trabalho em ambientes de altas temperaturas, efeitos da exposição ao ruído (disacusia neurosensorial), intoxicação profissional por agrotóxicos, chumbo, manganês, arsênio e etc. Há que se ressaltar, que embora necessário, o crescimento da indústria, principalmente no Brasil, vem contribuindo para a deterioração da qualidade de vida, percebidas principalmente no surgimento das chamadas Doenças Ocupacionais, além da contaminação de rios, do ar e do solo, por gases, minerais tóxicos e outros poluentes lançados na água. A nocividade maior concentra-se nas atividades de papel e celulose, alumínio, minério de ferro e siderurgia primária, extração de petróleo e petroquímica. Olhando para a atividade rurícola, vê-se que os agrotóxicos usados em tais atividades contaminaram um grande número de trabalhadores em épocas passadas, e, a priori, as causas não foram identificadas pelos médicos, levando a óbito muitos lavradores, devido a esse fato. Devido a sua alta incidência, a FUNDACENTRO realizou pesquisa no sentido de identificar a causa mortis de muitos trabalhadores e os resultados foram desastrosos, com percentuais elevadíssimos, demonstrando a realidade e o modelo de nossa produção agrícola e do desenvolvimento a que se está submetido. 2 ROCHA, Júlio Cesar de Sá TEXTO DIREITO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO: PAPEL DOS SINDICATOS DA DEFESA DA SAÚDE DOS TRABALHADORES

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2012

PROJETO DE LEI N /2012 PROJETO DE LEI N /2012 EMENTA: INCLUI COMO ITEM OBRIGATÓRIO NA CESTA BÁSICA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE (sua cidade), ESCOVAS DENTAIS INFANTIL E ADULTA, CREME DENTAL E FIO DENTAL. A Câmara Municipal

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Manoel Messias Melo Secretário Nacional de Saúde do Trabalhador CUT Brasil 1 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil Brasília, 23 de novembro de 2011 Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil 1. Senhoras e senhores, boa tarde. 2. Inicialmente, eu gostaria de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações 1 CONVENÇÃO N. 148 Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações I Aprovada na 63ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1977), entrou em vigor no plano internacional em 11.7.79. II Dados referentes

Leia mais

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução ANEXO XI Saúde Indígena Introdução A Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, aprovada na 114ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (em 8/11/2001) e sancionada pelo Ministro

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Serviços de Saúde do Trabalho

Serviços de Saúde do Trabalho 1 CONVENÇÃO N. 161 Serviços de Saúde do Trabalho I Aprovada na 71ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1985), entrou em vigor no plano internacional em 17.2.88. II Dados referentes

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 29 Para efeitos desta lei complementar considera-se segurança, saúde e ambiente de trabalho

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Coordenação Engº Civil e de Segurança

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais