QUE HISTÓRIA É ESSA?: O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E SUAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO DE HISTÓRIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUE HISTÓRIA É ESSA?: O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E SUAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO DE HISTÓRIA."

Transcrição

1 QUE HISTÓRIA É ESSA?: O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E SUAS ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO DE HISTÓRIA. INTRODUÇÃO CAROLINA MARIA ABREU MACIEL * Nos últimos anos, o Brasil vem passando por um momento no qual suas memórias começam a ser reveladas. Em 2011, aprovamos a Comissão Nacional da Verdade e suas investigações, mesmo encontrando diversos empecilhos (resistência de alguns setores das Forças Armadas, ocultamento de informações, etc..), em 2014, data que rememoramos meio século do golpe civil-militar foi entregue a sociedade brasileira o relatório final da CNV. Muitas informações relevantes foram encontradas e várias ações foram reconhecidas pelo Estado brasileiro, como por exemplo, as certidões de óbito onde caracterizavam a morte de militantes como suicídio ou por outros tipos de problemas foram modificadas e, enfim, foi reconhecido como mortes decorrentes de torturas praticadas pelos órgãos repressivos. As memórias dos anos de repressão, prisão, tortura e assassinatos, que, por muito tempo, foram relegadas ao esquecimento, vão mostrando-nos que as feridas ainda não foram cicatrizadas. Antonio Torres Montenegro (2005: 4) afirma que nenhum passado passa, todo passado é presente. A questão é saber como ele se insere nas práticas cotidianas e, por extensão, como influi na maneira de pensar, sentir e agir no presente. Assim, ao entendermos que o passado está bastante presente em nossa sociedade, o desvelar dessas memórias subterrâneas 1, que por tanto tempo foram silenciadas, se mostra de extrema importância. Basta ver que todos os anos, nos meses de março e abril, a mídia veicula como as memórias sobre o golpe/revolução de 1964 ainda permanecem em conflito. Não é, pois, o mero transcorrer do tempo que distancia o passado do presente. Há dias que, próximos na temporalidade, estão distantes das significações que marcam a nossa existência. E já se foi meio século que a Ditadura de 1964 se instaurou, mesmo assim, ela é um dado presente. Uma experiência que se esgueira nas dobras dos dias, que se insinua nas heranças das gerações que sucedem as décadas de * Aluna do Mestrado Acadêmico em História e Culturas MAHIS, pela Universidade Estadual do Ceará, vinculada a linha de pesquisa: Práticas Urbanas. Sendo pesquisadora do grupo de Estudo e Pesquisa sobre História e Documento: Reflexões sobre fontes históricas GEPHD, certificado pelo CNPQ. 1 Para Michel Pollak, as memórias subterrâneas se opõem a uma memória oficial e permanecem, por longos períodos, silenciadas pelos órgãos que estão no poder. Assim, essa memória oficial passa a ser aceita e/ou imposta pelo poder estabelecido.

2 2 Por isso, se ficarmos atentos, veremos os ecos daquele tempo em muitas paisagens históricas da nossa existência. Nosso questionamento em torno da relação História/compreensão da História pelos militares surgiu a partir da leitura de um informativo da Associação Nacional de História ANPUH, divulgado em junho de 2011, o qual problematizava o ensino de história nos Colégios Militares Brasileiros. No artigo intitulado A História Ensinada às Crianças e Adolescentes dos Colégios Militares, discorre-se sobre a adoção de um livro didático de História do Brasil utilizado pelas escolas militares, no qual o período de 1964 a 1985 é chamado de Revolução Democrática. Outro indício que referendou a validade do tema foi a pesquisa acerca de algumas diretrizes que fundamentam o ensino da disciplina história nos Colégios Militares. Em nossas pesquisas, encontramos nos sítios oficiais do Sistema de Ensino Militar, no que se refere à Linha didático-pedagógica para o estudo de história nos Colégios Militares, o seguinte argumento: A História será estudada como conhecimento fundamental para o cidadão culto. Por tanto (sic), não é necessário reescrever a História, como alguns tem feito nestes últimos anos, procurando denegrir nossos vultos maiores e estabelecer versões ideológicas ou descobrindo outras que nunca encontraram apoio nos fatos. Há, aqui, claramente, a aceitação de que existe uma disputa pelo direito de enunciação das versões históricas. Nessa constante disputa de versões acerca da História do Brasil procuramos refletir sobre a construção dos currículos de história, nessas instituições de ensino castrenses, que têm objetivos educacionais diferentes das escolas civis. Como afirma Antonio Carlos Ludwig, os alunos paisanos são preparados para atuar diretamente no setor produtivo como força de trabalho. Os discentes fardados, enquanto categoria social, não são formados para essa finalidade, e sim para aplicar a violência quando a segurança nacional for ameaçada [...].(LUDWIG, 1998: 26). Apesar do tom generalizante que marca a fala do Ludwig, não se pode desconsiderar a existência de distinções entre as razões de existir dos ensinos civis e militares. No campo educacional, atualmente, podem ser vistas reminiscências dos anos de ditadura em muitos projetos voltados à educação do país. Pois, de acordo com Dermeval Saviani (2008: 298), [...] esse legado do regime militar consubstanciou-se na institucionalização da visão produtivista de educação. Esta resistiu às críticas de que foi alvo nos anos de 1980 e mantém-se como hegemônica, tendo orientado a elaboração da nova LDB, promulgada em 1996, e o Plano Nacional de Educação, aprovado em 2001.

3 3 No Senado, tramitam projetos de leis 2 que visam ressuscitar disciplinas que tem como objetivo retornar para uma educação moral e ética, por um regresso à obediência e ao estabelecimento da ordem. Em 2012, o Estado de São Paulo, através de uma reformulação do currículo do ensino básico, efetivou a exclusão das disciplinas de história, geografia e ciências, nos anos iniciais do ensino fundamental 3. Helena Altmann (2002), pesquisadora da educação, afirma que a preferência por certas disciplinas com caráter tecnológico têm influência do modelo econômico que o Brasil adotou desde as décadas de Favoritismo que reverbera nas propostas educacionais atuais. Outro fator que nos inquietou, nesses últimos anos, foi a apresentação das novas bases educacionais do Estado de São Paulo, cujo tópico Prioridade para a competência da leitura e da escrita afirma não ser possível nos identificarmos como cidadãos se não tivermos o domínio da leitura e da escrita. Em uma cultura letrada como a nossa, a competência de ler e de escrever é parte integrante da vida das pessoas e está intimamente associada ao exercício da cidadania 4. Porém, entendemos que não basta traduzirmos os códigos linguísticos para compreendermos o papel que exercemos como sujeitos do nosso tempo. Muito além de um decifrar de letras, para colocarmo-nos como sujeitos participantes na construção da sociedade é preciso tecer reflexões sobre as relações sociais patentes no presente. A história nos serviria para, como afirma Durval Muniz (2001: 19), repensar nossas relações, repensar aquilo que nos fez ser o que somos. Deve ser esse o papel da história. A história deve ter essa capacidade fantástica de nos impor uma reflexão sobre como chegamos a ser o que somos. Com o intuito intensificar os debates acerca da História ensinada no Brasil, esta pesquisa se propõe, a perscrutar como o período do golpe civil-militar vem sendo tratado pelas escolas militares e como sua proposta de ensino corrobora para a continuidade de uma 2 Em 2012, o Senador Sérgio Sousa - (PMDB-PR) apresentou ao Senado Federal o projeto de lei n. 2/2012, que altera a redação dos artigos 32 e 36 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para inserir novas disciplinas obrigatórias nos currículos dos ensinos fundamental e médio. As disciplinas a serem incluídas no currículo no ensino fundamental é Cidadania, mora e ética, já no ensino médio a disciplina seria Ética Social e Política. Na justificativa, o Senador diz estar convencido que (...) dessa forma, estaremos oferecendo a nossa sociedade instrumentos para o fortalecimento da formação de um cidadão brasileiro melhor: por um lado, pela formação moral, ensinando conceitos que se fundamentam na obediência a normas, tabus, costumes ou mandamentos culturais, hierárquicos ou religiosos; por outro lado, pela formação ética, ensinando conceitos que se fundamentam no exame dos hábitos de viver e do modo adequado da conduta em comunidade, solidificando a formação do caráter; e finalmente para sedimentar o exercício de uma visão crítica dos fatos sociais e políticos que figuram, conjunturalmente, na pauta prioritária da opinião pública, oferecendo aos jovens os primeiros contatos com as noções de democracia, sem caráter ideológico, ensinando-o a construir seu pensamento político por sua própria consciência. 3 Resolução S.E 81, de 16 de dezembro de Estabelece diretrizes para a organização curricular do ensino fundamental e do médio nas escolas estaduais. 4 Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias/secretaria da Educação - São Paulo: SEE, p. 15, 2010.

4 4 versão que aos poucos vem sendo questionada pela historiografia e, no âmbito estatal, através das investigações feitas pela Comissão Nacional da Verdade. AS INSTITUIÇÕES MILITARES DE ENSINO: BREVE HISTÓRICO. Pensarmos sobre a história e a educação nas instituições militares no Brasil, especificamente impõe como primeiro desafio a parca produção de trabalhos que se dedicam à pesquisa desses locais de formação dos futuros oficiais da nação. Nesse tópico, retomaremos algumas leituras acerca das primeiras escolas com esse caráter militar no Brasil, pensando suas continuidades e métodos de ensino. A primeira instituição com características próximas de uma educação militar foi a Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, instaurada em 1792, no Rio de Janeiro. Aos fins do século XVIII, os acontecimentos da Europa sobretudo, na França e na Inglaterra e na América do Norte, além daqueles vinculados à Inconfidência Mineira, indicavam aos governantes do Brasil que a formação de um corpo militar era uma questão cada vez mais premente. No Ceará, somente no ano de 1889 uma instituição para formação de oficiais das forças armadas é inaugurada. A Escola Militar do Ceará trouxe um sentimento de modernidade para a sociedade fortalezense. Janote Pires (2010) afirma que a instalação de uma escola desse caráter era mais uma marca do progresso de Fortaleza. De acordo com Simone Vieira de Mesquita (2011), o ensino militar era um campo específico de formação, voltado à educação de uma elite brasileira. O ensino militar apresenta-se como campo específico de ensino. Desde seu início é possível perceber uma intenção elitista. Seu foco é a formação de uma elite guerreira, responsável por criar e desenvolver estratégias de defesa e de combate para defender o território brasileiro de conflitos externos e internos. (MESQUITA, 2011:. 17) Antonio Carlos Will Ludwig (1998), embora em muitos momentos de seu texto simplifique a dinâmica da sua análise histórica, aproximando-se de uma leitura hermética do marxismo, ao tratar da formação das elites militares, compartilhará das interpretações de Simone Mesquita, descrevendo em sua pesquisa que por serem originários das camadas nobres da sociedade, não haveria dificuldade para que os futuros militares assimilassem a ideologia dominante, pois essa estava em consonância com o que é cultivado em casa. Nas suas palavras,

5 5 Os setores dominantes têm consciência de que a força das armas, deve estar nas mãos de grupos confiáveis. [...] Devido à educação familiar recebida, os discentes em questão trazem dentro de si uma predisposição favorável à sua assimilação, já que os valores e concepções dominantes também são cultivados em casa. (LUDWIG, 1998: 23-24) Porém, em seu livro Casarão do Outeiro memórias e ilustrações, Janote Pires e Klein Filho (2007) ampliam essa afirmativa, dando ênfase ao fato de que os cadetes, nomeação dada aos alunos, vinham de diversos lugares do país e que seriam de camadas sociais diferenciadas. De acordo com Janote Pires, um ponto importante para se entender a formação de um espírito nobre e intervencionista entre os cadetes foi a disseminação das ideias positivistas, sendo o ícone da implantação desses ideais, o major Benjamin Constant. Analisando o regulamento que reorganizou as escolas militares do Exército, no início da República, incluindo-se nesse rol a Escola Militar do Ceará, nota-se o predomínio do saber científico. A ideia de soldado como um cidadão armado e com um dever social é marcante, ficando esse regulamento conhecido como Regulamento Benjamin Constant devido à influência do Ministro da Guerra na composição desse estatuto, no qual se defendia a visão do soldado como cooperador do progresso. (MARQUES, 2010: 229) Ludwig (1998) afirma que para entendermos sobre as práticas metodológicas que serviam de base para a formação educacional nestas escolas, deveríamos primeiramente nos colocar em diálogo com as teorias educacionais de reprodução. Ludwig apresenta alguns dos autores formuladores destas teorias e exemplifica qual o papel da escola que tinha como fundamento essa prática teórica. Nas palavras do autor, Uma dessas teorias afirma, por exemplo, que a escola se comporta como uma unidade fabril, pois o processo educativo que se desenvolve em seu interior pode ser visto como um modo de produção que abrange professores e alunos, e cujo conhecimento é considerado simultaneamente capital e propriedade privada. Essa teoria, cujo autor é M. Sarup, dá a entender que a escola ao proporcionar ao aluno uma vivência numa situação econômica simulada o predispõe às exigências do capitalismo. (LUDWIG, 1998: 25) No governo Médici ( ) o Brasil passou por um momento de intenso progresso econômico. Naquele período, uma das metas governamentais era o desenvolvimento da indústria em todo território nacional, para que o país continuasse a se afastar do seu passado eminentemente agrícola. Por isso, esse novo modelo societal coadunava-se com a ideia de uma escola, como a apresentada acima, produtora de cidadãos que facilitariam o ingresso do país na ordem econômica mundial, aptos ao trabalho fabril, dóceis, ordeiros e disciplinados. Esses dois conceitos, ordem e disciplina, aliás, eram o sustentáculo do ensino proposto por estas instituições militares. A ação e a formação militar impunham (impõem) como fundamento de sua existência a hierarquia, seja dos sujeitos, seja dos gestos. Uma miscelânea

6 6 de códigos é incorporada pelo militar que, com seu corpo, expõe o ordenamento e a disciplinarização de sua condição de sujeito. A disciplina, como afirma Michel Foucault (2011: 133), associa-se aos métodos que permitem o controle minucioso das operações do corpo, que realizam a sujeição constante de suas forças e lhes impõem uma relação de docilidade-funcionalidade. Ela articula-se a uma economia do corpo, cuja característica não é apenas a sua mecanicidade econômico-produtiva, mas espraia-se pelo controle, pela ordem, portanto, dos movimentos, pela métrica e estética dos gestos. Corpos manobrados e manobráveis, cuja movimentação instaura um novo sentido das gestualidades, visualizado na sequência controlada das ações, na ordem, enfim. Ainda nas palavras de Foucault, O momento histórico das disciplinas é o momento em que nasce uma arte do corpo humano, que visa não unicamente o aumento das suas habilidades, mas a formação de uma relação que no mesmo mecanismo o torna tanto mais obediente quanto mais útil é. Forma-se então, uma política de coerções que consiste num trabalho sobre o corpo, numa manipulação calculada dos seus elementos, dos seus gestos, dos seus comportamentos. O corpo humano entra numa maquinaria de poder que o esquadrinha, o desarticula e o recompõe. A disciplina fabrica assim corpos submissos e exercitados, os chamados "corpos dóceis". A disciplina aumenta as forças do corpo (em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças ela dissocia o poder do corpo faz dele por um lado uma "aptidão", uma "capacidade" que ela procura aumentar; e inverte por outro lado a energia, a potencia que poderia resultar disso, e faz dela uma relação de sujeição estrita. (FOUCAULT, 2011: ) Assim, para Foucault (2011: 146), no que concerne ao controle das atividades, o tempo penetra no corpo, e com ele todos os controles minuciosos do poder. Esse controle temporal seria um meio do corpo não permanecer no ócio, assim, retomando o princípio de utilidade. Os gestos e as posturas corporais estariam ligados ao bom uso do corpo disciplinado. Dentro desse ambiente de formação e adestramento do corpo útil, não se pode deixar de pensar o papel do ordenamento das atividades executadas pelos discentes do CMF, para que não se tenha uma perca de capacidade produtiva, valor fundamental para manter o progresso do sistema e a ordem dominante. A rotina diária é um dos procedimentos mais eficazes para incutir a ideia de ordem na cabeça dos alunos. Existem horários e tipos de indumentária para realizar diariamente, e de modo repetitivo, atividades devidamente previstas e programadas nos diversos calendários escolares, tais como alimentar-se, marchar, assistir às aulas, fazer provas, dormir, estudar, participar de campeonatos etc. Essas atividades [controladas] são executadas quase sempre por toques de capainha, toques de corneta, ordens verbais e gestos corporais, colaborando sobremaneira para automatizar a conduta discente. (LUDWIG, 1998: 34)

7 7 E o ensino de história nestas instituições? Qual a história dessa disciplina escolar nesse ambiente? As reformas ocorridas na educação nos anos 1970, ao modificarem a estrutura curricular do ensino no país, encontraram na história que se pretendia ensinar os meios legitimadores do seu programa intervencionista. O ESTADO MILITAR E AS REFORMAS EDUCACIONAIS Oportuno é dizer que esperamos, da História e dos historiadores, a sua contribuição para a instrumentação de nossa economia, de nossa sociologia, de nossa ciência política, de uma educação cívica e democrática brasileira, a sua contribuição para a evolução e o aprimoramento das instituições e dos homens, assim como para o fortalecimento do caráter nacional. 5 A passagem acima nos permite tecer reflexões acerca do entendimento do papel da História e dos historiadores pelo governo ditatorial, pós A História seria uma das forças que auxiliariam o país em seu programa de desenvolvimento, Brasil um país do Futuro. A década de 1970 foi marcada pelas reformas educacionais que iriam inserir o país no hall de países desenvolvidos. Em meio às transformações em prol do progresso, o ensino de História não poderia ficar de fora, haja vista, sua importância para a construção da autêntica sociedade democrática, tão desejada pelos governantes fardados. Sabemos que nestes 21 anos de governo ditatorial ( ), os militares não só constituíram mudanças nas matrizes curriculares das Ciências Humanas, mas foram além, pois, segundo Elza Nadai (1993: 157), algumas escolas foram fechadas, professores foram presos e tiveram que responder a processos-crimes. Assim, nesse contexto de efervescência social, a educação brasileira sofreu sérios ajustes para se adequar à Lei de Segurança Nacional, um modelo de ação e compreensão do Estado que legitimava as atrocidades e impunidades ocorridas no período de exceção. Vários foram os mecanismos utilizados pelo Conselho Federal de Educação (CFE) para que essa legitimação ocorresse de modo organizado e eficaz. Destaca-se, nesse sentido, a publicação do Decreto - lei nº 869, de 12 de setembro de 1969, que dispõe sobre a inclusão da Educação Moral e Cívica como disciplina obrigatória, nas escolas de todos os graus e modalidades, dos 5 Trecho do discurso intitulado: Não se governa sem História, pronunciado pelo Presidente Emílio Garrastazu Médici, em 1970, no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Texto publicado integralmente em livro pelo Departamento de Imprensa Nacional em 1971, sob o Título A verdadeira paz.

8 8 sistemas de ensino do País, e dá outras providências. 6 A partir de tal dispositivo, em todas as esferas e níveis do sistema educacional brasileiro, obrigatoriamente haveria uma disciplina com teor cívico: Educação Moral e Cívica (EMC) ofertada no ensino do primeiro grau, Organização Social e Política Brasileira (OSPB) no segundo grau e Estudo dos Problemas Brasileiros (EPB) no ensino superior 7. Para os militares intervencionistas, essa organização curricular ajudaria na formação do novo modelo de cidadão, pautado nos valores do civismo e do patriotismo. Já em fevereiro de 1969, meses antes da aprovação do decreto citado, foi aprovado o parecer nº 3/69, cujas motivações explicitavam os elementos fundamentais que regeriam o entendimento sobre a formação de um cidadão-cívico, tido pelos governantes como modelo a ser adotado em toda a Nação. Segundo seus formuladores, havia determinados fatores que colocariam em perigo a sociedade brasileira e justificariam a assinatura do decreto. Primeiramente, a incapacidade da família de afastar da formação das crianças e jovens brasileiros o fantasma de uma possível influência das revoluções comunistas. Em segundo lugar, a dificuldade enfrentada pela Escola em lidar com mudanças socioculturais, com o deslocamento da mulher para o trabalho fora do lar resultando, segundo sua avaliação, na fragilidade e descuido da educação moral dos filhos. No quadro da Guerra Revolucionária, a população materializa a um só tempo, o objetivo e o agente da luta. A conquista dessa população pelo marxismo-leninismo será tanto mais fácil quanto maior fôr [sic] a permeabilidade da consciência das massas à redução de hábil propaganda subversiva. A família moderna facilita, de certo modo, a implantação e a evolução da Guerra Revolucionária, de vez que perturbada pela evolução econômica e social e por solicitações de tôda [sic] ordem, ela não assegura, de modo completo, sua função educadora. Freqüentemente dissociada, particularmente em razão do trabalho da mulher fora do lar e da conjuntura econômica que a aflige, seus membros se vêm obrigado a operar fora do quadro familiar típico, cada qual atraído por um pólo exterior. A principal consequência dêsse [sic] estado de coisas é a flagrante deficiência na educação moral dos filhos. Por outro lado a escola moderna ainda não tomou a si o encargo de compensar essa lacuna. 8 (Grifo Nosso) Em 1971, o governo decretou a Lei Nº cujo objetivo era regulamentar o Decreto-lei nº 869/69, sobre o ensino da Educação Moral e Cívica. Após a promulgação da Lei 5.692/71, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB), sancionada em 11 de 6 BRASIL. Decreto-lei nº 869, de 12 de setembro de Dispõe sobre a inclusão da Educação Moral e Cívica como disciplina obrigatória, nas escolas de todos os graus e modalidades, dos sistemas de ensino do País, e dá outras providências. Disponível em: (Acesso em: 01/10/2013) 7 Com a Lei nº 9.394/96 a terminologia Ensino de primeiro e segundo graus foi substituída por Educação Básica, sendo esta dividida em Educação Infantil, Educação Fundamental e Ensino Médio. 8 BRASIL. Parecer nº 3/69, de 04 de fevereiro de 1969, do CFE. Torna obrigatório o ensino da disciplina Educação Moral e Cívica. In: Documenta nº97, Rio de Janeiro, jan/fev

9 9 agosto de 1971, disciplinas como história e geografia foram bastante afetadas, pois passaram por uma fusão que gerou a disciplina de Estudos Sociais. Com a inserção da EMC e OSPB, o ensino de história, geografia, sociologia e filosofia, disciplinas formadoras das Ciências Humanas, foram amplamente prejudicadas; como a redução de suas cargas horárias em favorecimento das disciplinas ligadas às Ciências Exatas e Tecnologias. Além da perda da autonomia e individualidade na construção de um pensamento crítico, suprimido e esvaziado. A resolução nº 8 do CFE diminuiu a atuação dessas disciplinas das Ciências Humanas minimizando possibilidades de crítica mais reflexiva sobre a sociedade incorporando nos currículos de 1º e 2º grau as matérias: Comunicação e Expressão (língua nacional), Estudos Sociais (geografia, história e organização social e política brasileira) e Ciências (matemática e as ciências físicas e biológicas). 9 O conteúdo de história, ditado pelo Conselho Federal de Educação, teve como principais metas o ensino que cultuava mitos e heróis. De acordo com Selva Guimarães Fonseca, historiadora da educação, Os conteúdos que formam o conjunto denominado Estudos Sociais são generalizantes. A especificidade do objeto de conhecimento histórico não aparece em sua totalidade. A preocupação do ensino de Estudos Sociais não é refletir sobre a história construída pelos homens, mas localizar e interpretar fatos, utilizando instrumental das Ciências Sociais em geral e não da História especificamente. (FONSECA, 1993: 42) A fusão das disciplinas de história, geografia e as demais ciências sociais em estudos sociais não era uma originalidade do período militar, pois a ideia de incluir os Estudos Sociais no currículo escolar surgiu no Brasil no final da década de 20 do século XX, no bojo do movimento conhecido por Escola Nova. (SANTOS, 2011: 5). Essa junção visava não só a formação dos futuros cidadãos dóceis e coparticipes dos valores da ditadura, mas também a desqualificação dos docentes, que vem explícita na criação dos cursos de curta duração, que formavam os profissionais, aligeiradamente, usando como justificativa a falta de professores para o ensino de estudos sociais. Para Selva Guimarães Fonseca, Todas essas estratégias foram acompanhadas por um ataque central à formação dos professores. No inicio do ano de 1969, amparado pelo Ato Institucional nº 5. de dezembro de 1968, o governo, através do Decreto-lei nº 547, de 18 de abril de 1969, autoriza a organização e o funcionamento de cursos profissionais superiores de curta duração. 10 Ao admitir e autorizar habilitações intermediárias em nível superior para atender às carências de mercado, o Estado revela ser desnecessária uma formação longa e sólida em determinadas áreas profissionais, quais sejam, as licenciaturas encarregadas de formar mão-de-obra para a 9 BRASIL. Resolução nº 8/71, de 1º de dezembro de 1971, do CFE. Fixa o núcleo-comum para os currículos do ensino de 1º e 2º graus, definindo-lhe os objetivos e a amplitude. In: Documenta 133, Rio de Janeiro, dez, Decreto-lei n. 547 de 18/04/1969 CFE. (FONSECA: 1993, p. 26)

10 10 educação. Enquanto isso, outras áreas de formação profissional mantiveram os mesmos padrões de carga horária e duração. (FONSECA, 1993: 26-27) Depois de pautarmos algumas dessas reformas educacionais empreendidas no período do golpe faremos uma análise comparativa dos dizeres sobre o golpe nos livros didáticos que foram utilizados no período procurando perceber quais as mudanças e/ou permanências nos manuais de atuais utilizados pelo sistema de ensino militar. OS DIZERES SOBRE 1964 NOS LIVROS DIDÁTICOS, ONTEM E HOJE. Ao analisarmos os livros didáticos utilizados no período posterior à intervenção militar de 1964, propormos uma análise comparativa com o material didático que é utilizado nas instituições de ensino militar na atualidade. Assim, buscamos identificar as mudanças e/ou permanências de uma temporalidade distante cronologicamente, meio século se passou desde o golpe civil-militar, porém presente nos estabelecimentos de ensino militar. Dito de outro modo, o que propomos é uma reflexão acerca das disputas que permeiam a construção das versões da História desse período traumático do Brasil. Principalmente, por estarmos vivendo um momento em que essas versões se mostram contraditórias, onde de um lado a História vem sendo ensinada nessas instituições com o intuito de manter uma memória que a todo momento é contradita pelas investigações da CNV e pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. Primeiramente, para analisarmos os dizeres sobre o golpe civil-militar nos livros didáticos adotados pelos Colégios Militares, na atualidade, devemos refletir sobre a materialidade e produção da Coleção Marechal Trompowsky, pois é através da análise deste livro que poderemos compreender qual visão da História os alunos dessas instituições têm acesso. Porém, não podemos esquecer que a relação ensino-aprendizagem é mais do que a leitura e explicação do conteúdo presente nos livros. O método do professor e o conhecimento prévio dos alunos interferem diretamente no que é dito e imposto como verdade no livro didático. Destarte, este trabalho busca analisar o conteúdo em si do material de consulta dos alunos, já que o livro é o principal recurso onde os discentes vão buscar apoio durante as aulas. Para a análise deste trabalho utilizamos a sexta edição da Coleção Trompowsky, publicada em Publicação realizada pela Biblioteca do Exército, a BibliEx, que é

11 11 responsável pelos materiais de interesse das Forças Armadas 11. A coleção tem como autores Cel. Prof. Aldo Demerval Rio Branco Fernandes, Profa Neide Annarumma e Profa. Wilma Ramos de Pinho Barreto e Cap. Prof. Maurício de Siqueira Mallet Soares, professores também responsáveis pelo Projeto História do Sistema Colégio Militar 12. A apresentação do livro é feita pelo diretor do Departamento de Ensino Preparatório e Assistencial (DEPA), General de Brigada José Carlos dos Santos. No texto o general afirma que não existe uma unanimidade no que se refere à adoção de um livro texto único para o ensino da História no âmbito do Sistema Colégio Militar do Brasil, porém, ao unificar os currículos e limitar as opções de livros adotando assim a coleção citada, a proposta da DEPA é provocar um apoio a família militar, pois quando os pais são transferidos de uma guarnição à outra, o aluno não terá problemas com a mudança de escola. A apresentação do livro é bem mais que uma descrição do que os alunos podem esperar da publicação, mas sim, uma amostragem dos objetivos do Sistema de Ensino dos Colégios Militares, pois neste mesmo texto o diretor do DEPA, afirma que a premissa desse sistema é a busca pelo despertar, no corpo discente, a vocação para a carreira das armas. Deste modo, para que esta vocação venha à tona e a missão dos CMs seja cumprida, se faz necessário à importância que as Forças Armadas tiveram ao longo da História do Brasil. Assim, o discurso apresentado no livro sempre vai permear a exaltação do papel da instituição militar nos períodos de crise na política brasileira. Tanto que logo no sumário da edição encontramos o período por nós privilegiado neste estudo com a alcunha de A REVOLUÇÃO DE Quando retornamos aos anos contemporâneos ao pós-golpe de 1964 e analisamos os livros didáticos de História, estes vão nomear a investida militar de Revolução, mesmo termo empregado nos livros atuais adotados pelos CMS. Cristina Adelina Assunção, afirma que nos livros publicados durante o período a intervenção era definida como necessária para a manutenção da ordem no país. Assim, legitimando o processo golpista. a tomada do poder pelos militares é descrita como necessária e a denominação empregada à queda do regime democrático foi o termo Revolução de Março. Expressão criada pelos próprios agentes do golpe, a qual cria a ideia de uma renovação, de uma mudança estrutural da organização social, contudo a política do 11 No site oficial da BibliEx, o órgão apresenta seu papel (missão) na difusão de materiais de interesse das Forças Armadas. Contribuir para o provimento, a edição e a difusão de meios bibliográficos, de informações necessárias ao desenvolvimento e aperfeiçoamento da cultura profissional-militar e geral do público interno e externo. Cf. 12 O Projeto História do SCMB é fundamentado através da LDB e da linha didático-pedagógica para o ensino de história no SCMB. Tem como objetivo a produção do material didático de História dos níveis de ensino ofertados pelos CMs. Cf.

12 12 Estado militar fora, na verdade, extremamente autoritária e conservadora. (ASSUNÇÂO, 2009: 61) Nos livros analisados pela autora 13, o Governo de João Goulart, com exceção dos livros de Sérgio Buarque de Hollanda e Marlene Ordoñez & Célia Puff, vai ser apresentado como um governo de caráter esquerdista e com medidas populistas. Se fizermos uma comparação com o texto que descreve o mesmo período aos alunos dos CMs, observamos que, no material atual, as ações do presidente são descritas com incapazes. Como podemos ver na citação abaixo: O governo de João Goulart encontrou sérias dificuldades em razão da inflação, do insucesso da política das reformas e da oposição feita por significativa parcela da opinião pública, da Igreja e das Forças Armadas. Seu governo não soube enfrentar com firmeza e equilíbrio necessários o extremismo crescente que, na época, se manifestou. (FERNANDES et. al., 2006:191) (Grifos nossos) Os diversos termos utilizados na descrição do governo de Goulart têm como objetivo a legitimação da ação golpista e tenta a todo o momento desmoralizar os movimentos sociais que se mostravam ativos na cena política nos anos Como por exemplo, na passagem em que definem as greves como desnecessárias e ilegais, onde desqualificam os militares que não coadunavam com a ideologia da Segurança Nacional. No tópico, ainda tratando do Governo de João Goulart, A Igreja, as Forças Armadas e o meio estudantil, as Forças Armadas são retratadas como única instituição que poderia intervir contra as investidas subversivas. Porém, mesmo com a solidez de sua organização e por seu espírito democrático, as forças subversivas se utilizavam de métodos para abalar a hierarquia e a disciplina da instituição, através do enfraquecimento de seus salários. Ao tratar da Igreja, o texto afirma que o Partido Comunista (PC) ao perceber que esta instituição seria um dos entraves à instalação da doutrina no Brasil, usa da tática da infiltração em seus quadros, porém não somente a Igreja sofre com esta manobra do PC, o 13 A autora usou como fontes para a pesquisa os seguintes livros: História do Brasil: segunda série ginasial de Euclides Pereira e João de Deus (1964), Compêndio de História do Brasil para o curso ginasial de Vicente Tapajós (1969), História do Brasil II para o ensino médio de Washigngton dos Santos e Umberto Augusto Medeiros (1969), História do Brasil: Da Colônia à República de Francisco M. P. Teixeira e José Dantas (1970), História do Brasil de Arnaldo Fazolli Filho de 1977, Ensino Moderno de História do Brasil de L. g> Motta Carvalho e História do Brasil: ocupação do espaço, formação da cultura 5ª serie e História para a escola moderna de Julierme de Abreu Castro. Em sua dissertação, a autora diz que os últimos três livros citados são da década de 1970, mas que ela não conseguiu precisar o ano de publicação. Já entre os manuais que a autora, também, utiliza na análise se destacam História do Brasil: Estudos Sociais de Sergio Buarque de Hollanda (1975), História do Brasil: colegial e vestibulandos de Maria Célia Puf e Marlene Ordoñez (1970), Brasil: uma história dinâmica de Ilmar Mattos, Ella Dottori e José Werneck L. da Silva (1972). Este último não faz referência ao período da Ditadura, mas cita a deposição de João Goulart.

13 13 livro afirma que outros segmentos sociais, também, são infiltrados pelos subversivos. O movimento estudantil é tratado como um alvo fácil de corromper-se por sua ingenuidade. Ao comentar como se deu o levante das lideranças democráticas, o Golpe se transforma em Revolução. De acordo com o material didático a Revolução foi levada a efeito, não por extremistas, mas por grupos moderados e respeitadores da lei e da ordem. Quando voltamos a leitura para os livros de História escritos nesse período, o discurso mostra-se o mesmo que apresentamos acima. Num momento de caos social, fomentado pelas lideranças subversivas e ao alinhamento do Presidente à estas forças, as Forças Armadas não podiam manter-se estáticas e a intervenção é legitimada pela ameaça comunista. Cristina Adelina Assunção (2009: 61), afirma que nessas publicações as reformas de base, propostas pelo governo, são medidas com caráter ideológico e os agitadores políticos estavam inseridos em todos os escalões do governo, nos sindicatos, entre os estudantes e ruralistas, esse tipo de insinuação estava sempre presente nos discursos conservadores. Na Coleção Marechal Trmposwsky, os anos de governo militar são expostos aos alunos como o momento de grandeza do país. Todos os problemas que o Brasil herdou dos governos passados seriam milagrosamente resolvidos. Cada presidente, cujo rosto estampa seus feitos durante a governança, apresentam aos discentes uma história onde os conflitos são sanados, pois a preservação da ordem legitimava as ações arbitrárias dos governantes. A decretação do Ato institucional nº 5, é posta como a solução para o combate do terrorismo. Ao citar que Costa e Silva enfrentou e sufocou a Guerrilha de Caparaó, o texto oculta suas ações violentas e a todo momento tenta dar ao estudante conceitos negativos aos movimentos contestatórios ao regime ditatorial. Para combater as atividades terroristas, o Governo aplicou, inicialmente, os dispositivos previstos pela Constituição de Sem contar com o apoio do partido governista a aliança Renovadora Nacional (ARENA)-, decidiu o presidente decretar o AI5; mas sua aplicação não terminou com a onda de atentados terroristas e demais ações praticadas pelos integrantes das diferentes facções comunistas. (FERNANDES et. al., 2006: 198) O capítulo concernente ao período da Ditadura Militar, apresentado aos alunos das instituições militares, mostra uma versão da História que a muito tempo vem sendo debatida e revisada. Porém, de acordo com a linha didático-pedagógica para o ensino de história nesses Colégios, essas versões que contradizem a verdade militar, é apenas uma estratégia para apagar ou distorcer o papel grandioso que as Forças Armadas representam para o país. No decorrer das páginas da coleção não há uma frase se quer que mostre o outro lado, as outras versões sobre a temática. Pois, o documento que rege a concepção de História dessas escolas

14 14 se perdeu nas várias temporalidades e é carregado por uma visão de História absoluta, onde a verdade histórica é apenas uma. Limitando os discentes ao debate, à verdadeira construção do conhecimento histórico, que se dá pelo embate das fontes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. Pra que serve a História? Fragmento de aula proferida em , para mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco. Transcrito e revisado por Edwar Castelo Branco. Texto disponível para download em: ALTMANN, Helena. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p , jan./jun, ANPUH. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA. Informativo Eletrônico da ANPUH, n. 14. São Paulo, jun Disponível em Acesso em 23/06/2013. ASSUNÇÃO, Cristina Adelina de. A ditadura militar retratada nos livros didáticos de História do Brasil de 1964 a Dissertação defendida no Programa de Pós-graduação em História Social, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em DE CERTEAU, Michel. A invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da história ensinada. Campinas, SP: Papirus, FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 39ª ed., Petrópolis, RJ: Vozes, JOSGRILBERG, Fabio B.. Lugares controlados. In: Cotidiano e invenção: os espaços de Michel de Certeau. São Paulo: Escrituras, 2005, v.1. p LUDWIG, Antonio Carlos Will. Democracia e ensino militar. São Paulo: Cortez, MARQUES, Janote Pires. A escola militar no Ceará: práticas pedagógicas e cotidiano estudantil. ( ). RIC, Fortaleza, t.cxxiv (2010), p MARQUES, Janote Pires; KLEIN FILHO, Luciano. O Casarão do Outeiro: memórias e ilustrações. Fortaleza: ABC Editora, MÉDICI, Emílio Garrastazu. A verdadeira paz. Departamento de Imprensa Nacional, 2ª Edição, MESQUITA, Simone Vieira de. História do Ensino Secundário no Ceará: entre documentos, revistas, jornais e memórias do Colégio Militar de Fortaleza ( ). Dissertação defendida no Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, da Universidade Federal do Ceará, em MONTENEGRO, Antonio Torres. Oralidade, Memória e História: questões metodológicas. Encuentro Internacional de Historia Oral Oralidad y Archivos de la Memoria Mayo 5, 6 y 7 de NADAI, Elza. O Ensino de História no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História. Vol. 13, nº 25/26. São Paulo: AMPUH/Marco Zero, POLLAK, Michel. Memória, esquecimento e silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, SANTOS, Beatriz Boclin Marques dos. A HISTÓRIA E OS ESTUDOS SOCIAIS: O Colégio Pedro II e a reforma educacional da década de Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH; 17 a 22 de julho; Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

15 SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do regime militar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p , set./dez SILVA, Marcos Antônio, FONSECA, Selva Guimarães. Ensino de história hoje: errâncias, conquistas e perdas. Revista brasileira de História. São Paulo, v.31, nº60,

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO

NÍVEIS DE ENSINO DICIONÁRIO NÍVEIS DE ENSINO Estruturas verticais hierárquicas que compõem a educação escolar. Atualmente, a educação escolar brasileira está organizada em dois níveis de ensino: a educação básica e a educação superior.

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais