FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS POUSO ALEGRE MINAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS POUSO ALEGRE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS POUSO ALEGRE MINAS GERAIS José Antônio Pereira* OS REFLEXOS DO PACTO FEDERATIVO NA SOCIEDADE BRASILEIRA Trabalho à ser entregue para avaliação da disciplina METODOLOGIA E ANALISE DO DISCURSO JURIDICO, ministrada pelo Prof. Dr. Rafael Simioni no 1º Semestre de 2014 para cumprimento de créditos do mestrado da Faculdade de Direito do Sul de Minas. *mestrando em direito Agosto de 2014

2 RESUMO O presente trabalho tratará das perspectivas do Federalismo, trazendo no seu conteúdo alguns aspectos históricos que possam contribuir para as respostas ligadas ao atual momento que o Brasil encontra-se. É deveras importante aduzir dentro desta visão a principiologia do tema do pacto federativo e os seus contornos constitucionais. A hipótese de maior relevância nesta pesquisa estará imbricada nos desafios dos entes federados em manterse neste contexto atual de centralização de recursos junto a União. Outro viés que será objeto das reflexões será o comportamento da sociedade atual e quais impactos que ela recebe, sobretudo, quando se observa uma total dissonância entre os entes federados em se tratando da divisão do bolo arrecadado. O destinatário dos recursos públicos e suas políticas é a população, será que as políticas públicas dos municípios são suficientes para atender estes gargalos sociais? A sociedade detém ferramentas que permitem uma conversação dela com os entes? O papel do poder legislativo como canal de acesso para estas reinvidicações é efetivo? Com estas hipóteses este trabalho buscará identificar estas demandas e refletir a forma mais adequada de respeitar o pacto federativo, sem, contudo, prejudicar a população, sobremodo, a sociedade mais carente.

3 INTRODUÇÃO A escolha do tema a ser desenvolvido neste trabalho tem o condão de chamar a atenção sobre alguns aspectos relevantes adstritos a este modelo de federalismo, e quão isto implica diretamente na vida da sociedade brasileira. O pacto federativo tem sua origem num primeiro instante nas políticas norte americanas, que, no caso, engendram suas formatações políticoadministrativas num contexto federativo, destacando ainda que o presidencialismo tem um peso importante nesta perspectiva. O trabalho tentará trazer algumas destas experiências, e, como isto de alguma forma contribuiu para que nossos congressistas originários trouxessem na Constituição de 1988 alguns conceitos deste sistema. Portanto, o aspecto sintético da historia deste tema representa como ponto crucial para reflexão dos conceitos e aplicações do pacto federativo. Por isto, é importante no agasalhamento e na formatação deste trabalho as origens do tema, porém, a proposta inicial é tentar fazer um cotejo entre a atual circunstância formal desta repartição de receitas entre os entes federados, e, conseqüentemente seus efeitos na sociedade, sobretudo, quando se discute Políticas Públicas. Neste sentido parece interessante inicialmente neste trabalho tratar da origem constitucional do tema, abordando aspectos formais e práticos, e, indubitavelmente, algumas posições firmadas pelo Supremo Tribunal Federal. Num segundo momento, objetiva-se trazer para discussão as grandes dificuldades trazidas pelos entes municipais em suprir as necessidades básicas da população, e, quais são as possibilidades mediatas de compor, ou mesmo, minimizar esta situação. A população mora no município, logo, dele que tira-se os meios sociais para equalizar a aplicação dos projetos de políticas públicas. Neste contexto, como é possível estes entes sobreviverem quando ocorre uma usurpação clara de receitas que ficam vinculadas ao poder da União Federal? Existem mecanismos dentro deste tal pacto federativo para mitigar tal condição? Portanto, será também nesta perspectiva que este capítulo buscar alcançar.

4 Não se pode deixar de tratar sobre os canais de acesso da sociedade para cobrarem esta situação instalada, qual seja: de caos federativo. Estes canais de acesso são eficazes? Portanto, esta hipótese será objeto de discussão no terceiro capitulo, inclusive tentando trazer algumas experiências no tocante ao trabalho do poder executivo. O destoamento da distribuição de renda entre a população esta vinculada a eventuais consequências do descompromisso com o pacto federativo? Nesta visão material e constitucional a teoria da comunicação parece estar corrompida, ou mesmo, deficiente, sendo também um dos objetos da reflexão desta parte do trabalho. No quarto capitulo, tentar-se-á demonstrar a ocorrência dos reflexos do pacto federativo na sociedade, sobretudo, na égide dos seus direitos e garantias fundamentais. A estruturação da sociedade depende muitas vezes da intervenção direta do Estado que de forma evidente otimiza políticas publicas que permitem mesmo existindo esta constatável diferença entre os entes federados, não permitindo, contudo, que os administrados sofram com estas dissonâncias técnicas e políticas. Nesta perspectiva, este capítulo fará uma analise no sistema legislativo, tentando, sobremodo, identificar se existem projetos de lei que visem reestruturar esta tensão entre os entes e suas aplicações práticas. Já na conclusão deste trabalho, a proposta será refletir as nuances mais importantes de cada vertente levantada, porém, sem perder o rumo de fazer uma vinculação entre o ente federado e a sociedade, que, como já salientado, é a destinatária destas políticas sociais. Ao que parece, e, dentro da proposta deste trabalho o marco teórico destas reflexões são alcançadas por Habermans, sendo tal constatação prevista, sobremodo, quando se busca este canal de comunicação entre o entre federado e a população. Verifica-se claramente a fragilidade destas políticas relacionadas a discussão das divisões das receitas públicas, podendo, inclusive ser objeto de analise a questão do pré-sal, donde, invariavelmente a União irá reter em quase sua totalidade as grandiosas receitas da exploração destas bacias de petróleo. Ora, este fato é prova inegável desta tensão entre os entes federados, inclusive, sendo objeto de discussão junto ao Supremo Tribunal

5 Federal. Será que a idéia de repartir é muito mais plausível do que concentrar? Será também nesta vertente que o trabalho irá orbitar, sem, contudo, ter a ousadia de se fazer alguma conclusão açodada, mesmo, porque, e, pela complexidade depreendida dos temas em discussão, a verticalização na busca de respostas poderá trazer uma intranqüilidade acadêmica, pois, todavia, o objetivo maior proposto é a discussão e reflexão que permearão na relação ente federado e sociedade. CAPITULO 1. A ORIGEM DO TEMA PACTO FEDERATIVO NA NOVA ORDEM CONSTITUCIONAL. Nesta visão prefacial é importante delinear o conceito constitucional deste tema e a historicidade da sua origem, destacando o fundamento legal e suas aplicações no mundo jurídico. Fazendo então um decote histórico do federalismo pode-se observar que a sua gênese a priori ocorreu já na Constituição de 1788 dos Estados Unidos, donde, poder-se-á observar o permeamento deste conceito, inclusive, a luz das questões brasileiras fica clareada as dificuldades e imperfeições deste modelo federalista. No contexto constitucional brasileiro a fundamentação legal iniciase no caput do artigo 18 da CF, referindo-se claramente sobre a organização político administrativa, e, enfatizando sobre a autonomia dos entes federados, quais sejam: União, Estados, Municípios e Distrito Federal. É de se notar que o Estado Federal, desde que foi moldado o seu arcabouço pela matriz norte-americana, não faz dúvida que se identificam como protagonista no arranjo federativo a União e os Estados. De fato, a vivencia da federação pressupõe a harmonização da diversidade de interesses estaduais com a necessidade de tomada de decisões comuns que transcendem a tais interesses e a todos apliquem. Na consideração, pois, dessa peculariedade é que se concebeu, ao lado dos Estados, a União, como poder central apto a dispor sobre aspectos unitários da Federação.

6 O Brasil republicano não fugiu a regra. Assim, já na Constituição de 1891 (art.1º) foi previsto constituir-se a Federação pela União dos Estados em que se converterem as Províncias do Império, sendo que as Constituições de 1934 (art.1º) e de 1937 (art. 3º), 1946 e 1967 alçaram à condição de integrantes da Federação também o Distrito Federal e os territórios. Na Constituição de 1988 alinhou-se as anteriores, no que diz respeito a presença da União, dos Estados e do Distrito Federal entre os componentes da ordem federativa, mas eliminou, em relação aos territórios, a mesma condição. O que se observa com estas informações históricas que o arranjo da federação passou por diversas fases e estruturações constitucionais, todavia, a essência foi sempre tentar harmonizar estas estruturas federadas, de forma que possam, cada um assumindo sua responsabilidade constitucional prover as necessidades sociais a toda população. Desse modo, a Republica brasileira se organiza na forma de uma federação 1, cujo os entes (União, Estados-membros, Distrito Federal e Municípios), formam um sistema constitucional vigente, uma união indissolúvel (artigo 1º da Constituição Federal de 1988). Para tanto, esta formatação normativa passa para uma série de fatores, que vão desde a forma política do Estado e seu papel, e, passa pelo conjunto de regras constitucionais que o concretizam, principalmente pela construção jurisprudencial. Estas informações jurídico-formais, neste momento, tem o condão de pavimentar a premissa da força normativa face as atuais circunstâncias vividas pela federação, destacando que na práxis observa-se uma centralização visual no tocante ao acumulo das receitas tributárias que, no caso, ficam sob a égide da União Federal. Neste contexto, há de ressaltar que o aspecto cooperativo entre os entes seria uma forma de acolher esta nova perspectiva vinculada a harmonia entre os Estados, evitando, contudo, o que se chama na atualidade de guerra fiscal, situação esta que, inclusive, 1 MARRAFON, Marco Aurélio. Acerca da diferença entre federalismo enquanto fundamento teórico e principio reitor e a federação enquanto forma de organização do Estado. Belo Horizonte: Del Rey, P. 32,

7 demonstra a fragilidade deste pacto federativo determinado pela Constituição Federal. A formatação destas posições está sobremaneira vinculada a dimensão sociológica que faz com que a organização política da Nação se desenvolva de modo a diminuir as desigualdades regionais (artigo 3º, inciso III, CF/88), sendo tal perspectiva apenas consolidada se ocorrerem a harmonização dos entes federativos. É importante destacar nesta leitura que não se poderia engessar o sistema federativo, principalmente pelo viés salientado, qual seja: sociológico. O enrijecimento deste sistema não contribui definitivamente a uma democracia plena, trazendo a tona resquícios dos paradigmas estadualistas e centralizadores na cultura da política brasileira. O que se pode neste momento observar é que a Constituição prevê regras de convívio entre os entes federativos, de forma a fixar competências, distribuindo de forma equilibrada os encargos e receitas com vistas a aliviar as tensões internas. É necessário neste instante, e, já observando nas leituras anteriores que a grande tensão entre os entes esta justamente na distribuição dos recursos arrecadados, e o destinatário destas políticas públicas que residem nos municípios. Parece que numa visão meramente constitucional o sistema de freios e contrapesos entre os entes federativos e a população pode ser aplicado, possibilitando, contudo um incremento maior da participação política nesta leitura proposta 2 CAPITULO 2 A POPULAÇÃO COMO DESTINATÁRIA DE POLITICAS PUBLICAS E A LIMITAÇÃO DOS MUNICIPIOS. A perspectiva inicial tratada neste trabalho no capitulo primeiro foi de fundamentar a existência constitucional do pacto federativo. Quando se diz pacto, se diz acordo, contudo, esta firmação no sentido da práxis é muitas 2 Cf. LAUFER, Heins. OS PRINCIPIOS E A ESTRUTURA ORGANIZATIVA DO ORDENAMENTO FEDERATIVO. In. O federalismo na Alemanha: Konrad Adenauer Stiftung, P (serie traduções n.o 7)

8 vezes distante, quando, inevitavelmente, sabe-se que existe uma efetiva e enorme distância de autonomia, sobretudo, financeira dos municípios, em que pese a previsão constitucional estampada no texto. A amalgama destes dois capítulos está justamente na ligação entre a sociedade que a destinatária das políticas públicas administradas pelo Estado. O resultado desta tensão social entre Estado União, Estados e Município é sentida claramente pela sociedade que reside no município. Podese trazer a esta fundamentação a centralização dos recursos públicos originários do sistema tributário nacional, que, consoante texto constitucional dever-se-ia estes resultados serem partilhados de forma igualitária entre os entes federados. A critica nesta versão de igualdade está exatamente de como se realiza esta partilha. Dentro da organização da federação, a sociedade que reside nos municípios irá receber as políticas públicas, tais como: saúde, Educação, Segurança, dentro outras, todavia, nestas repartições das receitas como o Fundo de Participação do Município é insuficiente para sistematizar todas estas políticas, ficando a população a mercê desta insuficiência, principalmente as menos favorecidas. Ora, se conforme dito já nesta condição todas as receitas fossem acordadas e bem compartilhadas, as políticas sociais do município, ao menos, e, em tese poderiam minimizar esta situação de tensão entre a sociedade e Estado. A ideologia acadêmica observada é diferente da formalidade constitucional disposta, isto ocorre, porque criou-se na práxis uma nova sistemática de concentração de poder. Este poder se manifesta, neste caso, quando se fala de concentração de arrecadação tributária pela União e a problemática está na divisão do bolo arrecadatório, donde, contudo, dar-se-á uma nova dimensão ao falado pacto federativo. Dentro desta harmonização federativa é inevitável discutir a quem caberia o papel de mitigar esta situação deste desequilíbrio? Parece possível entender que o papel do legislativo seria um destes canais, possibilitando intervenções diretamente no poder executivo dentro do seu papel constitucional, fiscalizando efetivamente o que ocorre com esta depreciação federativa que diuturnamente são divulgados na mídia.

9 Esta visão inclusive é acoplada a ideia de Canotilho 3, que, inclusive, traz em sua essência a importância da base federativa, no caso, município. Para buscar a proteção social desta sociedade que fica na base dos municípios talvez além dos representantes do povo, dever-se-ia ampliar estes canais de discussão, tornando estas tensões mais dirigentes chegando diretamente ao seu destinatário legitimo, no caso da UNIÃO FEDERAL. Tais perspectivas deveras serão objeto de discussão nos próximos capítulos. Nesta visão, pode-se chegar a reflexão de que não parece razoável alterar o texto constitucional para estes ajustes, até porque os artigos citados estão em consonância, bastando, todavia, e, neste caso citado, emendar apenas alguns aspectos vinculados a divisão e separação dos tributos relacionados com as contribuições sociais que vinculam e creditam esta receita fiscal em sua totalidade junto a União, não fazendo parte do bolo a ser partilhado com os demais entes. Nesta mesma situação pode-se destacar o pré-sal recém descoberto. Parte deste ativo será canalizado na União Central para ser dividido aos Estados e Municípios, que, inevitavelmente irão sofrer esta desigualdade de distribuição de recursos. O viés desta reflexão esta exatamente na formatação de um modelo de distribuição de riquezas entre os entes federados, construindo uma visão clara e efetiva desta repartição de receitas e direitos entre todos os entes federados, buscando este ideal constitucional. A limitação do município encontra-se instalada no aspecto da efetividade das políticas sociais, sendo a ponta do eixo federativo, porém, com base nas tensões dispostas sabe-se que esta efetividade fica fragilizada, muitas vezes porque a distribuição destes recursos orçamentários ficam defasados neste ente federativo, não permitindo tratar com igualdade estes direitos e garantias da sociedade. Portanto, o limite descrito neste capitulo do poder municipal este adstrito na má formatação das conveniências federativas. Por outro lado, conforme será observado nos capítulos finais deste trabalho, as autoridades constituintes do Estado, sobremodo, municipal, deveriam ter a 3 CANOTILHO, José Joaquim Gomes. MENDES, Gilmar Ferreira. SARLET, Ingor W. STRECK, Lênio. COMENTARIOS A CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013.

10 responsabilidade de levantar estas questões de forma contundente, e, usar todos os canais de acesso ao poder central para minimizarem esta desestruturação federativa, principalmente, quando se observa a carga de responsabilidade totalmente desigual entre o entes: União, Estados, e Municípios. CAPITULO 3 DOS CANAIS DE ACESSO DA POPULAÇÃO PARA MITIGAR AS DEFICIENCIAS DESTE ATUAL PACTO FEDERATIVO. A avaliação no contexto apresentado orbitou até neste instante nas limitações da práxis do ente federativo municipal em relação aos demais entes, e, necessariamente os reflexos destes gargalos junto a sociedade que é como dito, a destinatária das políticas públicas implantadas e, em que poderão ser ainda objeto de aperfeiçoamento constitucional, destacando, contudo, ainda algumas experiências no sentido da evolução social em comparação com a higidez desta atual constituição. Para tanto, a dimensão democrática destes pontos devem ser objeto de um modelo participativo e comunicativo 4. O Processo Democrático tem por objetivo intermediar a Sociedade (um Sistema estruturado Segundo como leis do Mercado, Interesses Privados) e o Estado (Como aparato da Administração Pública). Nesta Perspectiva, uma política tem uma função de agregar Interesses Sociais e os impor ao aparato Estatal; É essencialmente uma Luta por posições que permitam dispôr de Poder administrativo que se ocupem das posições de Poder. O Processo de Formação da Vontade e da Opinião Política e Determinado Pela Concorrência entre agentes coletivos agindo estrategicamente para MANTER OU Conquistar posições de Poder. Por esse modo, esta compreensão de Política opera com num Conceito de Sociedade centrada no Estado (Como cerne do Poder Político). Como Localidade: Não é Possível eliminar a separação entre Estado e Sociedade, visa-se Supera-la apenas através do processo democrático. No entanto, uma conotação normativa de Equilíbrio de Poder e Interesses é frágil e precisa ser complementada estatal e juridicamente. Mas Ela se orienta Pelo Lado de saída da avaliação dos Resultados da atividade Estatal. O Êxito do Processo é medido pela concordância dos cidadãos em relação a pessoas e Programas, quantificados. 4 BERNADES, Wilba Lucia Maia. FEDERAÇÃO E FEDERALISMO. Belo Horizonte: Del Rey, 2010.

11 Do viés comunicativo é necessário descrever as experiências relativas ao Estado Brasileiro, quais sejam, nas atuais conjunturas e diante desta formatação a sociedade fica apática e inoperante diante da efetividade de políticas públicas aos entes, e, neste caso, abre-se para o debate a fragilidade dos municípios neste modelo. Para Habemans 5 a realização dos direitos esta na legitimidade. O autor Rafael Simioni em sua obra citada destaca que a eficácia do direito como instrumento de mudança social exige lealdade das massas, exige legitimidade, exige que todos os destinatários do direito sejam ao mesmo tempo, seus autores. Ora, o que se percebe nesta conjuntura é que a sociedade tem uma carência enorme na busca destes direitos, de um lado pela própria acomodação, ou mesmo, a falta de estrutura e conhecimento de cidadania adstrita ao aperfeiçoamento educacional. De outro lado, destaca-se a falta de compromisso e dever institucional dos políticos que representam estas massas no poder legislativo em todos os níveis, Federal, Estadual e Municipal. No meio destas deficiências ainda se traz o desequilíbrio orçamentário entre os entes federados, com destaque, como já dito do ente municipal, estando o mesmo na ponta da aplicação das políticas públicas institucionalizada e constitucionalmente prevista, estando a massa social carente subordinada a efetivação destas políticas assistenciais. A essência do pluralismo político deveria ser definitivamente aplicada nestas condições, sobremodo, quando se identifica que o sufrágio eleitoral do carente e do rico deveria ter o mesmo peso. E mais, quando estes representantes são eleitos pelas massas carentes, sua voz é abrandada e o eco destas discrepâncias se dissipa sem, contudo, atingir seu fim especifico, no caso, a minimização destas mazelas sociais. O pacto federativo teria a função na visão federalista de proporcionar um equilíbrio entre todos os níveis de governo, para tanto, não se verifica esta condição atualmente, mesmo estando tal premissa esculpida na norma constitucional vigente. O movimento da sociedade deveria avançar para seus representantes que terão a função institucional de cobrar do poder central modificações, principalmente, em relação a distribuição das riquezas apropriadas 6. Muitas vezes os municípios menores não conseguem atingir um nível de desenvolvimento humano por lhes faltarem 5 SIMIONI, Rafael Lazzarotto. DIREITO E RACIONALIDADE COMUNICATIVA. Curitiba: Juruá, COLEMAN R. John. ECONOMIA E MUDANÇAS SOCIAIS. (tradução de Maria Antonieta Troia). Rio de Janeiro. Ed. Fórum, 1969.

12 oportunidades de recursos públicos, inviabilizando projetos, e deixando uma limitação clara do Estatal municipal. Por estas razões, o novo pacto federativo deve ser baseado no resgate de maior autonomia dos Estados-membros, distrito federal e municípios, aliado à abertura de novos âmbitos de integração democrática com os cidadãos e as estratégias de solidariedade entre os entes, formando um novo conceito de acordo federativo, não apenas do ponto de vista formal, mas também material. No entanto, as dificuldades de analise e aprovação de propostas de reforma no parlamento são provas das preponderâncias de interesses econômicos imediatos de parte de todos os atores envolvidos. Tal situação expõe a lógica predatória e não cooperativa na relação dos entes federativos 7. Tal condição fica ajustada, quando se observa os artigos 29 a 31, da CF/88 que deu maior abrangência das competências da União, e de outro lado passaram a contar com a titularidade dos Estados e de seu principal tributo (ICMS), e, ainda elevou-se a autonomia Federativa dos municípios. Estas deferências todas no sentido de fomento da democracia em diferentes ambitos de competência levaram a um arranjo bastante próprio da federação. 8. CAPITULO 4 DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DA SOCIEDADE. A perspectiva apresentada no capitulo três deste trabalho trouxe a possibilidade de se refletir sobre a importância da cooperação federativa entre os entes e de que forma a sociedade pode cobrar estas exigências, ressaltando do seu poder constitucional entre aos seus representantes políticos. A fragilidade do pacto federativo esta justamente nesta apatia do Estado central em promover mudanças na práxis desta distribuição dos recursos centralizados aos demais entes. O que fica inequivocamente demonstrado é que a base arrecadatória é deveras maior que os demais entes, 7 BARACHO, José Alfredo de Oliveira. TEORIA GERAL DO FEDERALISMO. Belo Horizonte: Fumarc/UCMG, FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. DIREITO CONSTITUCIONAL: Teoria Geral do Estado. São Paulo: Editora Revista dos tribunais, 2011.

13 e para piorar, a própria legislação tributária brasileira traz um verdadeiro novelo de normas, carreando para uma desenfreada situação do que chama-se de custo Brasil 9. A idéia central deste capítulo quarto é justamente trazer as conseqüências desta desarmonia fiscal entre os entes federados e as conseqüências canalizadas na sociedade atual 10. Rigorosamente, as garantias fundamentais são também direitos e o fato é que a nossa ordem constitucional lhes dá tratamento indistinto, embora não raro se saliente o seu caráter instrumental de proteção de defesa, de direitos. As garantias traduziam-se quer no direito dos cidadãos a exigir dos poderes públicos a proteção dos seus direitos, quer no reconhecimento de meios processuais adequados a essa finalidade (ex.: direito de acesso aos tribunais para defesa dos direitos, princípios do nullum crimen sine lege e nulla poena sine crimen) A noção de garantias fundamentais difere, entretanto, da de garantias institucionais. Isto porque a Constituição ministra proteções que não são dirigidas diretamente ao indivíduo, não lhe garantindo posições subjetivas autônomas, mas a instituições que resguardam valores considerados essenciais pela obra constituinte. A imbricação entre os direitos e garantias fundamentais e as garantias institucionais, todavia, é maior ou menor conforme o caso; Canotilho 11 refere, por exemplo, a indissociabilidade do direito de constituir família da proteção do 9 COSTA, Da Sandra Bueno Cardoso e GAMEIRO, Augusto Hauber. ENTENDENDO O CUSTO BRASIL: Disponível: > acessado em 22 de agosto de Alguns autores definem Custo Brasil como o conjunto de todos os gastos internos que acabam onerando produtos ou serviços brasileiros. Outros o descrevem como sendo impostos em cascata, corrupção na máquina burocrática, distorções presentes na estrutura tributária e custos com transportes terrestres, portos e comunicações. Existe, ainda, quem trate Custo Brasil relacionado às exportações, enfatizando as desigualdades comerciais que o Brasil enfrenta em relação a grandes potências mundiais. 10 BAUMAN, Zygmunt (tradução de Eliana Aguiar). CAPITALISMO PARASITÁRIO. Rio de Janeiro, Ed.Zahar, CANOTILHO, José Joaquim Gomes. DIREITO CONSTITUCIONAL E TEORIA DA CONSTITUIÇÃO. 5ª Ed. Coimbra: Almedina, 2002.

14 instituto família, e a proteção do direito à liberdade de imprensa da proteção da instituição imprensa livre. A autonomia municipal reveste-se da especial proteção proteção qualificada, da garantia institucional. Por esta contextualização, enfatizando a premissa da fragilidade do município é que se prende as deficiências aduzidas na proposta desta parte do trabalho. Ora, sendo o ente municipal o mais sensível entre os demais, logo, a efetivação dos direitos sociais desta população fica a mercê desta gestão centralizada, que, como já salientada alhures deforma a capacidade de implementação de políticas públicas, nas áreas mais sensíveis desta organização: saúde, educação, segurança, sendo políticas públicas diretamente vinculadas a população menos abastada. Ao olhar desta situação, fica observada a lacuna destas políticas, e, sabe-se que tais conquistas estão estampadas no texto constitucional. Neste sentido, e, quando a sociedade não faz jus com plenitude destas conquistas, ou mesmo, as utilizando de forma muito aquém do mínimo necessário, aparece definitivamente este aspecto social negativo, ferindo os direitos e garantias previstos no artigo 5º da Constituição Federal vigente. A tradução e a leitura que se tem desta situação foi experimentada nas manifestações de 2013 já demonstrando esta inquietude, todavia, mesmo sendo tímida e com falta de estruturação em relação as reinvidicações, é possível observar algumas pequenas mudanças no conceito de democracia brasileira. Esta sinalização pela primeira vez trouxe a sociedade e as autoridades constituintes deste país uma nova reflexão, que, talvez se transforme em um realinhamento das elites locais e regionais, permitindo, contudo, que se instaure as condições necessárias para a cooperação federativa entre todos os níveis Estatais. CAPITULO 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS. O presente trabalho teve como foco acadêmico a discussão sobre o federalismo atual, e os reflexos desta fragilidade na sociedade atual,

15 destacando a minimização de políticas públicas no ente Município, sobremodo quanto se identifica que dentro da distribuição de recursos públicos e políticas públicas é o mais deficitário. Conforme fora proposto no inicio deste trabalho, a ideia era levantar a discussão dentro das perspectivas aventadas. Neste sentido o primeiro capítulo delimitou o fator da historicidade do pacto federativo, destacando, contudo, que a teleologia inicia-se na essência da Constituição americana de Os traços políticos desta forma de conceito federalista fora acolhida pelas várias vertentes das constituições publicadas aqui no Brasil. A visão da distribuição dos recursos públicos entre os entes também foi objeto de reflexão, aparecendo a primeira tensão que consolida pela concentração do poder financeiro pela União Federal, e quão isto pode desvirtuar a cooperação entre todos os níveis Estatais. Já no segundo capítulo estas previsões se tornam efetivas, sobremodo, porque traz para discussão a questão especifica da centralização de arrecadação tributária pelo poder central, concomitantemente, traz ao trabalho o exemplo do pré-sal, que soa de forma clara esta guerra de interesses, ficando a sociedade menos favorecida com o ônus desta tensão, principalmente quando se fala de políticas públicas sociais. As discussões acima propostas dever-se-iam criar possibilidades de acesso da sociedade para tentar buscar alternativas, ou mesmo, demonstrar seu descontentamento social. Por isto o terceiro capítulo trouxe quais as deficiências dos verdadeiros representantes do povo nos vários níveis, e, ainda pela falta de formação da população, sobretudo, para postular seus direitos, o poder central não se sente pressionado para aplicar mudanças necessárias que viabilizem a cooperação e harmonia entre os entes. Enfatizando sobre os canais institucionais de acesso, orbitou-se o quarto capítulo em discutir sobre os direitos e garantias fundamentos usurpados pelo poder central, visto que havendo esta concentração de recursos orçamentários prejudica a efetivação de políticas públicas. O que se verifica neste estudo é que formalmente a Constituição Federal traz em seu bojo a harmonização federativa, todavia, materialmente estes conceitos estão longe de atingir o mínimo necessário.

16 A definição de pacto federativo cria uma série de pré-conceitos que numa primeira visão poderiam trazer uma segurança social evidente. Por outro lado, e, pelo conteúdo demonstrado na elaboração deste trabalho pode-se identificar que esta realidade encontra-se em dissonância. O objeto central desta discussão está justamente no aspecto fiscal ligado a divisão de receitas entre os entes, e a efetiva concentração destas receitas no ente federal. Ora, por mais que estejam definidas estas políticas no âmbito constitucional, o que se concluí é que o Município fica apenas com o ônus desta divisão, principalmente, porque é dele toda logística aplicativa das políticas públicas criadas nos gabinetes do poder central, cabendo ao ente municipal com sua pouca estrutura efetivá-la. O resultado desta distorção de políticas sociais é creditado à sociedade, sobremodo, a menos favorecida que vive a míngua, e a espera de uma solução imediata das autoridades constituídas, donde, na maioria das vezes encontrase aquém deste compromisso. Quando isto acontece, surgem no cenário, situações excepcionais, dentre elas: o ativismo judicial, guerra fiscal entre os Estados membros pela falta de planejamento e objetividade da legislação tributária. Enfim, todos estes gargalos somente serão superados quando a sociedade começar a entender como isto acontece, e, como suas posições poderão chegar aos representantes institucionais, e, institucionalmente ao poder central. Acontecendo isto, poder-se-á contar com uma estrutura políticoadministrativa compatível e capaz de tornar o Brasil realmente numa das grandes potencias internacionais, com destaque na excelência da distribuição de políticas sociais, mitigando, sobremaneira as distorções do atual pacto federativo. BIBLIOGRAFIAS. 1.BERNADES, Wilba Lucia Maia. FEDERAÇÃO E FEDERALISMO. Belo Horizonte: Del Rey, BARACHO, José Alfredo de Oliveira. TEORIA GERAL DO FEDERALISMO. Belo Horizonte: Fumarc/UCMG, BAUMAN, Zygmunt (tradução de Eliana Aguiar). CAPITALISMO PARASITÁRIO. Rio de Janeiro, Ed.Zahar, 2010.

17 4.CANOTILHO, José Joaquim Gomes. DIREITO CONSTITUCIONAL E TEORIA DA CONSTITUIÇÃO. 5ª Ed. Coimbra: Almedina, MENDES, Gilmar Ferreira. SARLET, Ingor W. STRECK, Lênio. COMENTARIOS A CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. São Paulo: Saraiva/Almedina, COSTA, Da Sandra Bueno Cardoso e GAMEIRO, Augusto Hauber. ENTENDENDO O CUSTO BRASIL: Disponível: > acessado em 22 de agosto de COLEMAN R. John. ECONOMIA E MUDANÇAS SOCIAIS. (tradução de Maria Antonieta Troia). Rio de Janeiro. Ed. Fórum, FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. DIREITO CONSTITUCIONAL: Teoria Geral do Estado. São Paulo: Editora Revista dos tribunais, LAUFER, Heins. OS PRINCIPIOS E A ESTRUTURA ORGANIZATIVA DO ORDENAMENTO FEDERATIVO. In. O federalismo na Alemanha: Konrad Adenauer Stiftung, P (serie traduções n.o 7). 10.MARRAFON, Marco Aurélio. Acerca da diferença entre federalismo enquanto fundamento teórico e principio reitor e a federação enquanto forma de organização do Estado. Belo Horizonte: Del Rey, P. 32, SIMIONI, Rafael Lazzarotto. DIREITO E RACIONALIDADE COMUNICATIVA. Curitiba: Juruá, 2007

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

O Advogado Público Federal e a Construção de um Sistema Tributário mais Justo

O Advogado Público Federal e a Construção de um Sistema Tributário mais Justo O Advogado Público Federal e a Construção de um Sistema Tributário mais Justo Allan Titonelli Nunes A atividade financeira do Estado moderno está ligada à necessidade de se captar recursos públicos para

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Projeto Pensando o Direito

Projeto Pensando o Direito Projeto Pensando o Direito Pensando o Direito: democracia e processo legislativo 1. Democracia e elaboração normativa A democratização da elaboração normativa no Brasil tem sido limitada, de forma quase

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS 13/10/2015 Natalina Ribeiro ORÇAMENTO PÚBLICO O Orçamento Público é um dos principais instrumentos de planejamento das políticas de governo. Histórico do

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ MOUSQUER, Maria Elizabete Londero ² ; RUVIARO, Lidiane ³;WESLING, Fabricia; CESAR, Josiane Canto; ¹ Trabalho de Pesquisa UFSM ² Orientadora

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com PLANO DIRETOR E POLÍTICAS PÚBLICAS NA EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS: Planos Habitacionais

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO Pacto Federativo no Brasil: Coordenação Federativa das Ações de Vigilância Sanitária 2015 PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO DITADURA ESTADO CENTRAL X DEMOCRATIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

Um país melhor é possível

Um país melhor é possível Um país melhor é possível Um país melhor é urgente... 53 milhões de pobres vivem com renda familiar mensal de um salário mínimo; Desses, 20 milhões são indigentes ou vivem com renda de até ½ salário; Os

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Conceitos Organização político-administrativa, em sentido próprio, significam por um

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais

A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : O Processo de Convergência aos Padrões Internacionais Conselho Federal de Grupo de Estudo da Área Pública do CFC Coordenador Adjunto: Joaquim Liberalquino

Leia mais

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Este primeiro relatório de análise da reforma universitária, com base na reunião de 29 e 30 de março, ocorrida em Brasília, procura construir um mapa qualitativo dos argumentos levantados

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais