Lei Estadual nº , DE 15 DE MARÇO DE 2006*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei Estadual nº. 6.839, DE 15 DE MARÇO DE 2006*"

Transcrição

1 Lei Estadual nº , DE 15 DE MARÇO DE 2006* (COMISSÃO ATUAL REVISADA) Dispõe sobre a atualização do Plano de Carreira, Cargos e Salários da Universidade do Estado do Pará - UEPA, e dá outras providências. (REDAÇÃO VIGENTE) Dispõe sobre a atualização do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) da Universidade do Estado do Pará - UEPA, e dá outras providências. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterada a ementa da Lei Justificativa: dar coerência ao objeto da lei que não apenas trata dos cargos e salários, mas também da remuneração, considerando que esta é um conceito mais amplo, pois abrange além do salário as demais vantagens percebidas pelos servidores. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Plano de Carreira, Cargos e Salários do pessoal do quadro de cargos de provimento efetivo da Universidade do Estado do Pará - UEPA passa a ser regulado de acordo com as disposições contidas nesta Lei. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 1º O Plano de Cargos, Carreira e Remuneração do pessoal do quadro de cargos de provimento efetivo da Universidade do Estado do Pará - UEPA passa a ser regulado de acordo com as disposições contidas nesta Lei. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterada a expressão Plano de Carreira, Cargos e Salários para Plano de Cargos, Carreira e Remuneração. Justificativa: adequar o nome do Plano, conforme justificado na ementa da lei. Art. 2º O regime jurídico da Universidade do Estado do Pará - UEPA é o da Lei nº 5.810, de 24 de janeiro de CAPÍTULO II DO PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO Art. 3º O quadro de cargos de provimento efetivo da Universidade terá a seguinte composição: I - quadro de cargos de provimento efetivo do pessoal da Carreira Docente; II - quadro de cargos de provimento efetivo do pessoal da Carreira Técnico, Administrativo e Operacional; e III - quadro de cargos de provimento efetivo de Procurador Autárquico. CAPÍTULO III 1

2 DA CONCEITUAÇÃO BÁSICA I - servidor: pessoa investida legalmente em cargo público; II - carreira: agrupamento de cargos, constituindo a trajetória profissional do servidor; III - cargo público: é o criado por lei, com denominação própria, quantitativo e vencimento certo, com o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor; IV - quadro: conjunto de cargos de provimento efetivo organizados em carreiras; V - nível ocupacional: cargos agrupados de acordo com a natureza do trabalho e o grau de complexidade de suas atribuições; VI - classe: agrupamento de cargos com as mesmas atribuições, requisitos e exigências definidos nesta Lei; VII - nível: grau de qualificação exigida para cada classe; VIII - referência: vencimento disposto horizontalmente e definido para cada classe de cargo; IX - vencimento-base: valor correspondente a cada referência da classe do respectivo cargo; X - remuneração: valor correspondente ao vencimento-base, acrescido das demais vantagens de caráter permanente atribuídas ao servidor pelo exercício de cargo público; e XI - lotação: quantitativo de cargos ocupados e vagos fixados em número adequado ao funcionamento do órgão. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 4º Para os efeitos desta Lei, entende-se por: I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV XV XVI Servidor: pessoa investida legalmente em cargo público; Carreira: agrupamento de cargos, constituindo a trajetória profissional do servidor; Plano de carreira: conjunto de princípios, diretrizes e normas que regulam o desenvolvimento profissional dos servidores titulares de cargos que integram determinada carreira, constituindo-se em instrumento de gestão do órgão ou entidade; Cargo de provimento efetivo: cargo de ocupação funcional criado por Lei, com número certo e denominação própria, definido por um conjunto de atribuições e responsabilidades atribuídas a um servidor mediante retribuição pecuniária padronizada; Cargo em extinção: é a exclusão de determinado cargo da estrutura de cargos da UEPA. Nesse caso constata-se que as atividades descritas em um cargo não mais serão executadas pelos servidores da UEPA. A decisão deverá ser submetida à apreciação do CONSUN, para aprovação, conforme a legislação vigente. Quadro de pessoal: conjunto de cargos de provimento efetivo organizados em carreiras; Nível ocupacional: cargos agrupados de acordo com a natureza do trabalho e o grau de complexidade de suas atribuições; Classe: agrupamento de cargos com as mesmas atribuições, requisitos e exigências definidos nesta Lei; Nível: grau de qualificação exigida para cada classe; Referência: graduação ascendente existente em cada cargo, determinante da progressão horizontal funcional do pessoal docente e do corpo técnico, administrativo e operacional; Vencimento-base: valor correspondente a cada referência da classe do respectivo cargo; Remuneração: valor correspondente ao vencimento-base, acrescido das demais vantagens de caráter permanente atribuídas ao servidor pelo exercício de cargo público; Lotação: quantitativo de cargos ocupados e vagos fixados em número adequado ao funcionamento do órgão; Pessoal efetivo: servidores públicos cuja investidura no respectivo cargo se deu mediante concurso público de provas ou de títulos e servidores oriundos por redistribuição; Cargo em extinção: cargo de ocupação funcional composto por servidores efetivos, extinguindo-se com sua vacância; Cargo de provimento em comissão: conjunto de atividades e responsabilidades de direção 2

3 XVII XVIII XIX XX XXI XXII XXIII XXIV XXV superior e intermediária, definidas com base na estrutura organizacional da UEPA, e de assessoramento superior e intermediário de livre nomeação e exoneração; Promoção Funcional: é a progressão funcional do servidor estável a uma posição que lhe assegure maior vencimento-base, dentro da mesma categoria funcional, obedecido os critérios de antiguidade e merecimento, alternadamente. Progressão Funcional: deslocamento funcional de servidor entre referências por promoção no mesmo cargo; Promoção por Antiguidade: é a progressão à referência imediatamente superior, observado o interstício de 02 (dois) anos de efetivo exercício. Promoção por Merecimento: é a progressão à referência imediatamente superior, mediante a avaliação do desempenho, a cada interstício de 02 (dois) anos de efetivo exercício. Interstício avaliatório: período durante o qual o servidor é acompanhado e avaliado para verificação de desempenho; Enquadramento: alocação do servidor em cargo correlato deste Plano, observados, dentre outros, os requisitos de escolaridade estabelecidos para provimento. Nível de capacitação: posição do servidor na Matriz Hierárquica dos Padrões de Vencimento em decorrência da capacitação profissional para o exercício das atividades do cargo ocupado, realizada após o ingresso; Ambiente organizacional: área específica de atuação do servidor, integrada por atividades afins ou complementares, organizada a partir das necessidades institucionais e que orienta a política de desenvolvimento de pessoal; Usuários: pessoas ou coletividades internas ou externas à Instituição Estadual de Ensino que usufruem direta ou indiretamente dos serviços por ela prestados. Alteração: Inclusão, no art. 4, dos Incisos III, IV, V, VI, X, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXI, XXII, XXIII, XXIV, XXV e Parágrafo Único. Justificativa: No artigo acima foram alterados e acrescentados os incisos citados com o objetivo de ampliar e esclarecer, conceitos e procedimentos, julgados pela comissão de grande importância para o entendimento dos servidores acerca do plano de carreira desta IES. Parágrafo Único: aplica-se ao servidor estável nos termos do artigo 19 da Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ADCT, os conceitos acima elencados. CAPÍTULO IV DO PESSOAL DOCENTE Art. 5º Os cargos de provimento efetivo do pessoal docente constituirão a carreira Docente do Magistério Superior - CDMS-01, com atribuições inerentes às atividades de docência superior, com exigência dos graus de Especialista, Mestre ou Doutor. Seção I Da Carreira do Docente Art. 6º A carreira do Magistério superior fica estruturada em classes e níveis: (REDAÇÃO VIGENTE) I - classe A, nível Auxiliar; II - classe B, nível Assistente; III - classe C, nível Adjunto; e 3

4 IV - classe D, nível Titular. Art. 6º A carreira do Magistério Superior fica estruturada em classes e níveis: (REDAÇÃO PROPOSTA) I - classe A, nível Auxiliar; II - classe B, nível Assistente; III - classe C, nível Adjunto; IV classe D, nível Associado; e V - classe D, nível Titular. Alteração: acrescentado o inciso IV classe D, nível Associado, alterado o número do inciso seguinte. Justificativa: proporcionar o desenvolvimento da carreira de docentes com título de doutor por mais 8 (oito) anos em um nível superior (Associado), permitindo que possa atingir o tempo mínimo de aposentadoria de 35 anos de magistério sem ter que ficar sem progressão após Adjunto IV, uma vez que as vagas para o Nível de Titular são limitadas na Lei do PCCR a poucos professores. 1º Cada classe e respectivo nível abrangem 4 (quatro) referências, identificadas pelos símbolos romanos I, II, III e IV, que correspondem aos vencimentos. 2 O Professor Titular terá apenas nível único. 3º Os cargos integrantes da carreira de Magistério, de que trata o caput deste artigo, constam no Anexo I da presente Lei. Secão II Das Atividades Art. 7º As atividades desenvolvidas pelos ocupantes dos cargos integrantes da carreira Docente compreendem: (REDAÇÃO VIGENTE) I - o ensino de graduação, pós-graduação e pesquisa; II - a extensão das atividades de ensino e pesquisa à comunidade, sob a forma de cursos ou serviços especiais; III - o exercício de cargos de diretoria, chefia, assessoramento e coordenação nas Unidades Acadêmicas, na própria Instituição, bem como a participação em órgãos colegiados e outras atividades previstas em lei. Parágrafo único. As funções de administração acadêmicas inerentes aos Centros e Unidades Setoriais da Universidade são privativas dos servidores integrantes da carreira do Magistério Superior. Art. 7º As atividades desenvolvidas pelos ocupantes dos cargos integrantes da carreira Docente compreendem: (REDAÇÃO PROPOSTA) I - Ensino de graduação e pós-graduação; II Atividades de pesquisa; III Atividades de extensão; IV Atividades de gestão e assessoramento; V Participação em órgãos colegiados; Alteração: alterados os incisos I, II, III, IV e incluído o inciso V do Art. 7º. Justificativa: necessidade de redução das especificações dos incisos em favor da maior generalidade 4

5 do artigo. Parágrafo Único. As funções de administração acadêmicas inerentes aos Centros e Unidades Setoriais da Universidade são privativas dos servidores integrantes da carreira do Magistério Superior. Seção III Do Ingresso na Carreira Art. 8º O ingresso na carreira do Magistério Superior dar-se-á no cargo de Professor, nas classes Auxiliar, Assistente e Adjunto, observada a titulação exigida e mediante concurso público de provas e títulos. 1º Para ingresso nas classes de que trata o caput deste artigo exigir-se-á: I - título de Especialista na área de conhecimento em que irá atuar para a classe de Professor Auxiliar; II - título de Mestre para a classe de Professor Assistente; e III - título de Doutor para a classe de Professor Adjunto. 2º Quando expedido por instituição estrangeira, o diploma referido no parágrafo anterior deve ser reconhecido de acordo com o disposto no 3º do art. 48 da LDB. 3º A abertura de concurso público será efetuada após solicitação do Departamento Acadêmico interessado ao Conselho de Centro e aprovada pelo CONSUN. 4º O concurso público será convocado por edital expedido pela Universidade, publicado no Diário Oficial do Estado, ficando condicionada a sua abertura à comprovação da necessidade de expansão e à existência de recursos no orçamento da Universidade, de acordo com o estabelecido na legislação específica. 5º A valorização dos profissionais do ensino e ao estímulo do aperfeiçoamento profissional continuado será prioridade ao preenchimento das vagas, através de promoção antes da abertura do concurso público. (REDAÇÃO VIGENTE) 5º A valorização dos profissionais docentes e o estímulo ao aperfeiçoamento profissional continuado terão prioridade ao preenchimento das vagas em cada classe, através de promoção, antes da abertura do concurso público. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração no 5º. Justificativa: foi introduzida alteração que privilegia a generalidade, alcançando todos os professores de cada classe, antes do preenchimento de vagas com os ingressantes. Art. 9º A banca examinadora para concurso será constituída de membros indicados pelo Departamento, sendo pelo menos 1 (um) não-integrante do quadro docente da Universidade. Parágrafo único. Os membros da banca examinadora deverão ter titulação superior ou igual à exigida para inscrição no concurso. Art. 10. Os atos de nomeação e exoneração dos cargos do magistério superior, bem como os de admissão e dispensa dos professores substitutos e visitantes, serão de competência do (a) Reitor (a) da Universidade. Seção IV Da Promoção e da Progressão na Carreira 5

6 Art. 11. A promoção na carreira do Magistério Superior far-se-á: I - Horizontal: elevação do docente ao nível imediatamente superior da classe em que se encontra, atendido o requisito de interstício mínimo de 2 (dois) anos e a avaliação de desempenho de acordo com os critérios estabelecidos em normas aprovadas pelo Conselho Universitário - CONSUN, ouvida a Comissão Permanente de Assuntos Docentes - COPAD; II - Vertical: elevação do docente de uma classe para outra, mediante requerimento do interessado, condicionada à existência de vagas, por meio de avaliação de desempenho de acordo com as normas aprovadas pelo Conselho Universitário - CONSUN, ouvida a comissão permanente COPAD: a) da classe de Professor Auxiliar para a de Professor Assistente: após a obtenção do título de Mestre; b) da classe de Professor Auxiliar ou de Professor Assistente para a de Professor Adjunto, após a obtenção do título de doutor e a defesa pública de trabalho científico demonstrando a linha de pesquisa desenvolvida pelo docente; (REDAÇÃO VIGENTE) b) da classe de Professor Auxiliar ou de Professor Assistente para a de Professor Adjunto: após a obtenção do título de doutor; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterada a alínea c do Art. 11. Justificativa: necessidade de exclusão da expressão e a defesa pública de trabalho científico demonstrando a consolidação da linha de pesquisa do docente, uma vez que ao obter o título de doutor o docente necessariamente já fez a defesa pública de sua tese. c) da classe de Professor Adjunto para a de Professor Associado: estar a no mínimo dois anos, no último nível da classe de Professor Adjunto (Adjunto IV), possuir título de Doutor ou Livre Docente; e se submeter a avaliação de desempenho conforme critérios definidos pelo Conselho Universitário. (NOVA ALÍNEA PROPOSTA) d) da classe de Professor Adjunto para a de Professor Titular: além do título de Doutor ou Livre Docente, o efetivo exercício de, no mínimo 5 (cinco) anos na Instituição, obedecidos os critérios definidos pelo Conselho Universitário. d) da classe de Professor Adjunto ou Associado para a de Professor Titular: além do título de Doutor ou Livre Docente, o efetivo exercício de, no mínimo 5 (cinco) anos na Instituição, obedecidos os critérios definidos pelo Conselho Universitário. Alteração: alterada a alínea d do Art. 11. Justificativa: necessidade da inclusão da classe de Professor Associado na redação. 1º O docente que se encontrar em estágio probatório não poderá concorrer à promoção de que trata este artigo. (REDAÇÃO VIGENTE) 2º A obtenção de aprovação na avaliação de desempenho será por intermédio da banca examinadora, de acordo com os critérios estabelecidos, no âmbito da Universidade, pelo Conselho Universitário, considerando as efetivas condições de trabalho dos docentes. (REDAÇÃO VIGENTE) 3º A banca examinadora de que trata o parágrafo anterior será constituída por cinco docentes com a mesma titulação exigida para a classe pretendida, sendo, no mínimo, um de outra instituição de ensino. (REDAÇÃO VIGENTE) 6

7 Alteração: exclusão dos 1º, 2º e 3º do Art. 11. Justificativa: Os Parágrafos excluídos referiam-se ao detalhamento de critérios que devem ser definidos pelo CONSUN em Resolução Própria. Art. 12. Não será considerado como de efetivo exercício do magistério, no cálculo do interstício previsto para efeito de progressão, os seguintes afastamentos: I - suspensão do exercício do cargo ou licença para atendimento de interesse particular; II - cessão do servidor para outros órgãos ou entidades; III - afastamento do exercício por penalidade disciplinar; e IV - faltas não-justificadas, em número superior a três mensais, para quaisquer atividades-fim do Departamento. Seção V Do Regime de Trabalho Art. 13. Os integrantes da carreira do Magistério Superior ficarão submetidos a um dos seguintes regimes de trabalho: I - Tempo Parcial (TP), com obrigação de prestar 20 (vinte) horas semanais de trabalho, de acordo com plano departamental; II - Tempo Integral (TI), com obrigação de prestar 40 (quarenta) horas semanais de trabalho, de acordo com plano departamental; e III - Tempo Integral com Dedicação Exclusiva (TIDE), com obrigação de prestar 40 (quarenta) horas semanais de trabalho, de acordo com plano departamental. 1º É vedado ao docente sob o regime de dedicação exclusiva exercer qualquer outro cargo, emprego, função ou atividade autônoma, com ou sem vínculo, em entidades públicas ou privadas, salvo nos casos de: (REDAÇÃO VIGENTE) 1º É vedado ao docente sob o regime de Dedicação Exclusiva exercer qualquer outro cargo, emprego, função ou atividade autônoma, com ou sem vínculo, em entidades públicas ou privadas, sob pena de sanções legais, salvo nos casos de: (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterado o 1º do Art. 13. Justificativa: o final deste parágrafo foi alterado para incluir a previsão de sanções nos casos de descumprimento das vedações nele estabelecidas, dando maior efetividade à lei. I - participação em órgão de deliberação colegiado relacionado com as funções de magistério; II - participação em comissões julgadoras ou verificadoras relacionadas com o ensino, pesquisa e extensão; III - percepção de direitos autorais e correlatos; IV - colaboração esporádica ou não habitual em atividade de sua especialidade, devidamente autorizada pela unidade, setor ou departamento no qual estivar lotado; e 7

8 V exercer cargos comissionados na própria UEPA. (NOVO INCISO PROPOSTO) Alteração: incluído o inciso V no Art. 13. Justificativa: o inciso V foi incluído em favor da adequação da espécie de cargos comissionados com a nomenclatura adotada no art. 4, XVII desta proposição. 2º A participação do docente nas formas previstas nos incisos do 1º deste artigo deverá ser autorizada pelo Reitor. 3º As Tabelas de Remuneração dos regimes de trabalho de que trata o caput deste artigo são as constantes no Anexo IV desta Lei. 4º A atribuição dos regimes de trabalho e suas alterações deverão ser aprovadas pelo respectivo Departamento Acadêmico, devendo a carga horária atribuída ao docente ser cumprida de acordo com o Plano do Departamento Acadêmico, obedecendo à indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, e homologadas pela PROGRAD. Alteração: substituição do termo COPAD por PROGRAD do 4º do Art.13. Justificativa: Neste parágrafo propõe-se a substituição da expressão homologadas pela COPAD, para homologadas pela PROGRAD, uma vez que a primeira é uma comissão de assessoramento que trata da progressão, e a segunda é a unidade responsável pelo controle das atividades docentes. 5º Ao docente em regime de 20 horas será atribuída à carga horária de 12 horas semanais em atividades de ensino; 6º O docente em regime de tempo integral (40 horas) deverá trabalhar 20 a 24 horas semanais em atividades de ensino e/ou pesquisa e/ou extensão, obedecendo a legislação vigente. (REDAÇÃO VIGENTE) 6º O docente em regime de Tempo Integral (40 horas) deverá trabalhar 20 (vinte) a 24 (vinte e quatro) horas semanais em atividades de ensino e/ou pesquisa e/ou extensão, de acordo com o Estatuto e Regimento Geral da Universidade. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: mudança na redação do parágrafo com a inclusão do texto de acordo com o Regimento Geral da Universidade Justificativa: Na prática os limites mínimos de carga horária de Ensino, Pesquisa e Extensão são definidos no Regimento Geral da Universidade (Art. 93, Parágrafo 3º) Art. 14. O regime de Tempo Integral com Dedicação Exclusiva poderá ser cancelado por solicitação do docente ou da Plenária Departamental, conforme regulamentado pelo Conselho Universitário. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 14. O regime de Tempo Integral com Dedicação Exclusiva poderá ser cancelado por solicitação do docente ou da PROPESP, conforme regulamentado pelo Conselho Universitário. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: substituído o termo Plenária Departamental no Art. 14. Justificativa: foi substituído o termo Plenária Departamental por PROPESP, adequando-se a competência para o cancelamento da TIDE à unidade acadêmica superior que realmente decide as questões encaminhadas pelas unidades acadêmicas. Seção VI Da Estrutura Salarial, Benefícios e Vantagens 8

9 Art. 15. A estrutura salarial da carreira Docente do Magistério Superior, código CDMS-01, compreende quatro classes, identificadas por letras que correspondem ao nível de qualificação do docente, sendo cada classe constituída de quatro referências, constantes do Anexo V desta Lei. Art. 16. A variação percentual entre as referências consecutivas de cada classe e respectivo nível do cargo integrante do Grupo Magistério Superior será de 5% (cinco por cento). Art. 17. A variação percentual entre a referência final de uma classe e a referência inicial da classe subseqüente é de 10% (dez por cento). Art. 18. O vencimento dos professores do magistério superior em regime de tempo integral e dedicação exclusiva será acrescido de 70% (setenta por cento) sobre o vencimento-base da referência em que se encontra. Art. 19. Serão concedidos incentivos de pós-graduação, calculados sobre o vencimento-base, nos percentuais abaixo descritos: (REDAÇÃO VIGENTE) I - 20% (vinte por cento) ao servidor que possui título de Especialista; II - 54% (cinqüenta e quatro por cento) ao servidor que possui título de Mestre; III - 108% (cento e oito por cento) ao servidor que possui título de Doutor. 1º É vedada a percepção cumulativa dos acréscimos a que se refere o caput deste artigo. 2º Os docentes farão jus à Gratificação de Escolaridade, na forma do art. 140, III, da Lei nº 5.810, de 24 de janeiro de Art. 19. Serão concedidos incentivos de pós-graduação, calculados sobre o vencimento-base, nos percentuais abaixo descritos: (REDAÇÃO PROPOSTA) I - 30% (trinta por cento) ao servidor que possui título de Especialista; II - 64% (sessenta e quatro por cento) ao servidor que possui título de Mestre; III - 118% (cento e dezoito por cento) ao servidor que possui título de Doutor. Alteração: Alteração da redação dos Incisos I, II e III, do Art. 19 Justificativa: Os percentuais de incentivos de pós-graduação foram elevados linearmente em 10% considerando a importância da valorização do servidor docente. 1º É vedada a percepção cumulativa dos acréscimos a que se refere o caput deste artigo. 2º Os docentes farão jus à Gratificação de Escolaridade, na forma do art. 140, III, da Lei nº 5.810, de 24 de janeiro de Art. 20. O período das férias anuais do docente será de trinta dias consecutivos, de acordo com o calendário acadêmico da Universidade. Seção VII Da Formação Continuada Art. 21. A formação continuada é parte do direito dos docentes ao seu aperfeiçoamento profissional e pessoal e será vinculada ao Plano Institucional da Universidade, como parte inerente e indissociável da implantação da carreira do Magistério Superior da Universidade do Estado do Pará. Art. 22. A formação continuada se dará mediante a participação do docente em cursos de pós-graduação stricto sensu e em atividades técnicas e cientificas devidamente reconhecidas como necessárias para o seu desenvolvimento profissional e pessoal, conforme deliberação do Departamento Acadêmico competente. 9

10 Art. 23. O Governo do Estado deverá garantir os recursos financeiros para o efetivo desenvolvimento da formação continuada dos docentes e dos programas de formação continuada dos docentes da Universidade do Estado do Pará, que constarão, obrigatoriamente, na proposta de orçamento da Instituição. Art. 24. O Plano Institucional que integra a política geral de pessoal docente da Universidade estabelecerá: I - afastamento, em até 20% (vinte pontos percentuais) dos professores de cada Departamento Acadêmico para formação continuada; II - criação e inserção de programas de formação continuada integrados às atividades de ensino, pesquisa e extensão da Universidade; III - obrigatoriedade de apresentação de relatórios semestrais e parecer do professor orientador do docente, no caso em que se encontre cursando mestrado e doutorado, ao Departamento Acadêmico no qual estiver lotado o docente, durante todo o período de afastamento; IV - obrigatoriedade de apresentação de relatório referente à participação em atividades técnicas e científicas ao Departamento Acadêmico em que o docente estiver lotado. Art. 25. Para implementação do Plano Institucional da Universidade do Estado do Pará, será garantido ao docente: I - afastamento integral visando à realização de cursos de mestrado e/ou doutorado e de atividades técnicas, científicas, culturais e artísticas, quando realizadas fora do Estado; (REDAÇÃO VIGENTE) I - afastamento integral visando à realização de cursos de mestrado ou doutorado e de atividades técnicas, científicas, culturais e artísticas; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Mudança na redação do Inciso I, Art. 25. Justificativa: O final deste inciso (quando realizadas fora do Estado) foi retirado pelo fato de se levar em conta que a realização de cursos de mestrado ou doutorado e de atividades técnicas, científicas, culturais e artísticas, demandam a necessidade de afastamento integral, dentro de seus respectivos prazos, mesmo quando realizados no próprio Estado. II - afastamento parcial visando à realização de cursos de mestrado e/ou doutorado e de atividades técnicas, científicas, culturais e artísticas, quando realizados na própria instituição ou cidades onde o docente trabalhar; (REDAÇÃO VIGENTE) II - afastamento parcial visando à realização de cursos de mestrado ou doutorado e de atividades técnicas, científicas, culturais e artísticas, quando: - se tratar de cursos interinstitucionais financiados pela própria Universidade; e - se tratar de cursos modulares. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Mudança na redação do Inciso II, Art. 25. Justificativa: necessidade de uma construção mais simplificada, transformando-se em itens as duas possibilidades de gerar o afastamento parcial, as quais se referem ao fato de o docente não ter necessidade de afastamento da sua sede de atuação, podendo cumprir a sua qualificação com um período menor de dedicação à docência. III - manutenção de todos os direitos e vantagens permanentes dos docentes durante o tempo de afastamento; 10

11 IV - auxílio de instalação, no valor de 100% (cem por cento) sobre a remuneração do docente, quando fixar residência em outra cidade para a realização de curso de mestrado e/ou doutorado, pago no início ou no fim do afastamento; (REDAÇÃO VIGENTE) IV - Auxílio de Instalação, no valor de 100% (cem por cento) sobre a remuneração do docente, quando fixar residência em outra cidade para a realização de curso de mestrado e/ou doutorado, pago no início do afastamento; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Mudança na redação do Inciso IV, Art. 25. Justificativa: o final deste inciso pago no início ou no fim do afastamento foi reduzido, excluindose a possibilidade de pagamento no início do afastamento, pois, se o auxílio é de instalação, deve ser pago logo no início do afastamento. V - será concedido ao docente incentivo de produção científica e técnica, no valor correspondente a 20% (vinte por cento) sobre o vencimento, por período de um ano; (REDAÇÃO ATUAL) VI - Bolsa Estadual de Estudo, inclusive se o curso de mestrado e/ou doutorado se realizar na própria Instituição ou cidade onde o docente trabalha, de acordo com os prazos fixados para os referidos cursos; VII - Auxílio Tese e Dissertação, correspondente a 80% (oitenta por cento) sobre o vencimento-base do docente, pago por ocasião da defesa da respectiva tese ou dissertação; (REDAÇÃO VIGENTE) VII - Auxílio Tese e Dissertação, correspondente a 100% (cem por cento) sobre o salário-base do docente, pago por ocasião da defesa da respectiva tese ou dissertação; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração no inciso VII do Art. 25. Justificativa: percentual elevado de 80% (oitenta por cento) para 100% (cem por cento) para corresponder ao auxílio que foi pago para a instalação inicial e propiciar condições para o deslocamento de retorno do docente. 1º Os critérios para a concessão do incentivo de que tratam os incisos V e VII serão definidos em resolução do CONSUN. 2º A concessão do incentivo de que trata o inciso VI não poderá ser cumulativa com outra bolsa de mesma natureza, bem como o docente assumirá o compromisso, devidamente formalizado, de permanecer na Instituição pelo mesmo período ou de ressarcimento das despesas realizadas em valor igual. Seção VIII Do Afastamento Art. 26. Além dos casos previstos em lei, o integrante da carreira docente do Magistério Superior poderá afastar-se de suas funções, computando o seu afastamento como de efetivo exercício do magistério, para: I - realizar curso de pós-graduação em instituições oficiais ou reconhecidas no país ou no exterior; (REDAÇÃO VIGENTE) I - realizar curso de pós-graduação em instituições oficiais ou reconhecidas no país, pela CAPES, ou no exterior, desde que convalidadas no Brasil por instituições reconhecidas pela CAPES; (REDAÇÃO PROPOSTA) 11

12 Alteração: alteração na redação do Inciso I, Art. 26. Justificativa: O final deste inciso foi alterado, pois a comissão considerou relevante atrelar os cursos de pós-graduação em instituições oficiais ou reconhecidas no país à CAPES. II realizar pós-doutoramento. (REDAÇÃO VIGENTE) Alteração: exclusão do inciso II do Art. 26. Justificativa: o inciso II foi excluído pois a comissão considerou que os cursos de pós-doutoramento são cursos de pós graduação, sendo desnecessária a repetição do item. II - participar de reuniões, congressos e outros eventos de natureza técnica, científica e educacional, artístico-cultural relacionadas às atividades acadêmicas do professor; III - prestar colaboração temporária a outra instituição pública de ensino superior, de pesquisa ou de extensão; IV - participar de eventos de deliberação coletiva da classe ou de categoria profissional. Alteração: alteração nos incisos II, III e IV do Art. 26. Justificativa: alteração somente no número dos incisos, decorrentes da supressão do inciso II. 1º O professor só poderá afastar-se para realizar curso de pós-graduação após o cumprimento do estágio probatório. 2º Para o afastamento previsto no inciso I, será considerado até dois anos para mestrado e quatro anos para doutorado, prorrogáveis a juízo das instituições envolvidas. (REDAÇÃO VIGENTE) 2º Para o afastamento previsto no inciso I, será considerado dois anos para mestrado, quatro anos para doutorado e um ano para pós-doutorado, prorrogáveis a partir de critérios definidos em Resolução do CONSUN. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração na redação do 2º, Art. 26. Justificativa: substituída a expressão a juízo das instituições envolvidas por a partir de critérios definidos em Resolução do CONSUN por se considerar que a decisão sobre a prorrogação caberá sempre à UEPA, sendo o CONSUN o órgão deliberativo máximo competente para tal decisão 3º Para afastamento previsto no inciso II, será considerado até um ano, prorrogável a juízo das instituições envolvidas. (REDAÇÃO VIGENTE) Alteração: exclusão do 3 do Art. 26. Justificativa: exclusão decorrente da exclusão do inciso II. 3º Na hipótese do inciso I, o docente cujo afastamento tiver sido concedido com ônus para o órgão fica obrigado a prestar-lhe serviços condizentes com a nova habilitação durante período igual, após a conclusão do curso, sob pena de ressarcimento ao Estado das despesas efetuadas. Alteração: alteração no 3º do Art. 26. Justificativa: alteração na numeração do parágrafo, que passa de 4º para 3º em decorrência da exclusão do 3º. 4º O afastamento do docente dependerá de pronunciamento favorável da Plenária Departamental competente, que será submetido ao autorizo do Reitor da Universidade do Estado do Pará. Alteração: alteração no 4º do Art. 26. Justificativa: alteração na numeração do parágrafo, que passa de 5º para 4º em decorrência da 12

13 exclusão do 3º. 13

14 CAPÍTULO V DO CORPO TÉCNICO, ADMINISTRATIVO E OPERACIONAL Art. 27. O Corpo Técnico, Administrativo e Operacional da Universidade do Estado do Pará - UEPA é constituído pelos ocupantes dos cargos integrantes do Nível Superior, Nível Médio Profissional, Nível Médio e Apoio Operacional. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 27. O Corpo Técnico, Administrativo e Operacional da Universidade do Estado do Pará - UEPA é constituído pelos ocupantes dos cargos integrantes do Nível Superior, Nível Médio Profissional, Nível Médio e Nível Fundamental. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração na redação, Art. 27. Justificativa: alteração promovida para acompanhar a nomenclatura adotada nos demais níveis, foi substituída a expressão Apoio Operacional por Nível Fundamental. Seção I Da Carreira do Pessoal Técnico, Administrativo e Operacional Art. 28. A carreira Técnico, Administrativo e Operacional constitui-se de níveis e cargos de provimento efetivo que compõem o Quadro de Pessoal Permanente da área-meio da UEPA, código CAAM-02, conforme Anexo II desta Lei. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 28. A carreira Técnico, Administrativo e Operacional constitui-se de níveis e cargos de provimento efetivo, Anexos II e III, que compõem o Quadro de Pessoal Permanente da área-meio da UEPA, código CAAM-02, desta Lei. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração na redação do Art. 28. Justificativa: Foram incluídas referências aos Anexos II e III o quais explicitam as carreiras, níveis e cargos existentes no Quadro de Pessoal Permanente da UEPA. Parágrafo único. Os níveis funcionais de que trata o caput deste artigo são identificados em razão da natureza do trabalho, escolaridade, aperfeiçoamento, responsabilidade e requisitos exigidos para o desempenho dos cargos. Art. 29. A carreira Técnico, Administrativo e Operacional é composta de níveis, cargos, classes e referências na forma especificada: I - Nível Superior: composto por cargos com atribuições inerentes às atividades que exigem graduação de nível superior, com atuação em áreas específicas da Universidade, sendo: a) cargo de Técnico de Nível Superior; e b) cargo de Analista de Sistemas; (REDAÇÃO VIGENTE) I - Nível Superior: composto por cargos com atribuições inerentes às atividades que exigem graduação de nível superior, com atuação em áreas específicas da Universidade, sendo doravante denominado Técnico de Nível Superior; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Exclusão das alíneas a e b, do inciso I, do Art. 29. Justificativa: As alíneas a e b foram retiradas para evitar redundância e enxugar o corpo da Lei deixando apenas as informações relevantes, uma vez que os cargos desta Lei estão disponíveis no Anexo III. II - Nível Médio Profissional: composto de cargos com atribuições voltadas para o desenvolvimento de atividades de nível médio profissionalizante, sendo: 14

15 a) cargo de Atendente de Consultório Dentário; b) cargo de Citotécnico; c) cargo de Técnico de Laboratório; d) cargo de Técnico em Contabilidade; e) cargo de Técnico em Enfermagem; e f) cargo de Técnico em Informática; (REDAÇÃO VIGENTE) II - Nível Médio Profissional: composto de cargos com atribuições voltadas para o desenvolvimento de atividades de nível médio profissionalizante. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Exclusão das alíneas, a, b, c, d, e e f do inciso II, do Art. 29. Justificativa: As alíneas a, b, c, d, e e f foram retiradas para evitar redundância e enxugar o corpo da Lei deixando apenas as informações relevantes, uma vez que os cargos desta Lei estão disponíveis no Anexo III. III - Nível médio: composto de cargos com atribuições inerentes às atividades auxiliares da área administrativa e financeira, sendo: a) cargo de Agente Administrativo; e b) cargo de Artífice de Manutenção; (REDAÇÃO VIGENTE) III - Nível Médio: composto de cargos com atribuições inerentes às atividades auxiliares da área administrativa e financeira; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Exclusão das alíneas a e b, do inciso III, do Art. 29. Justificativa: As alíneas a e b foram retiradas para evitar redundância e enxugar o corpo da Lei deixando apenas as informações relevantes, uma vez que os cargos desta Lei estão disponíveis no Anexo III. IV - Nível Operacional: composto de cargos com atribuições inerentes às atividades auxiliares da área administrativa, financeira e transporte oficial, sendo: a) cargo de Auxiliar de Laboratório; b) cargo de Auxiliar de Serviços; c) cargo de Auxiliar de Serviços de Comunicação; e d) cargo de Motorista. (REDAÇÃO VIGENTE) IV - Nível Operacional: composto de cargos com atribuições inerentes às atividades auxiliares da área administrativa, financeira e transporte oficial. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Exclusão das alíneas, a, b, c e d do inciso IV, do Art. 29. Justificativa: As alíneas a, b, c e d foram retiradas para evitar redundância e enxugar o corpo da Lei, deixando apenas as informações relevantes, uma vez que os cargos desta Lei estão disponíveis no Anexo III. 1º Os cargos de que trata este artigo são estruturados em classes, indicadas pelas letras A, B e C. (REDAÇÃO VIGENTE) 1º Os cargos de que trata este artigo são estruturados em classes, indicadas pelas letras A, B, C, D e E. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Inclusão de novas classes, D e E. Justificativa: permitir a progressão do servidor até o tempo para a aposentadoria, aos 35 anos de serviço. 2º As classes de que trata o parágrafo anterior desdobram-se em referências indicadas pelos símbolos 15

16 romanos I, II, III, e IV, que correspondem aos vencimentos. (REDAÇÃO VIGENTE) 2º As classes de que trata o parágrafo anterior desdobram-se em referências indicadas pelos símbolos romanos I, II, III, e IV, que correspondem aos vencimentos, exceto a classe E, que possui referência única I. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração no 2º do Art. 29. Justificativa: inclusão da expressão exceto a classe E, que possui referência única I, com o objetivo de esclarecer que essa classe não há progressão horizontal. 3º Os cargos integrantes da carreira de que trata o caput deste artigo constam do Anexo III desta Lei. Alteração: inclusão de um novo 3º ao Art. 29. Justificativa: considerou-se pertinente a inclusão de um novo parágrafo que esclarecesse que os cargos, pertencentes a este plano de carreira, encontram-se listados no Anexo III, desta lei, como conseqüência do enxugamento das alíneas antes existentes nos incisos deste artigo. 4º As atribuições e os requisitos de provimento dos cargos integrantes da carreira de que trata o caput deste artigo constam do Anexo IV desta Lei. Alteração: alteração no 4º do Art. 29. Justificativa: alteração promovida para adequação às alterações do número do parágrafo e do anexo onde se encontram estabelecidas as atribuições e os requisitos dos cargos. Seção II Do Provimento Art. 30. O ingresso nos cargos integrantes da carreira Técnico, Administrativa e Operacional dar-se-á, exclusivamente, por concurso público de provas ou de provas e títulos, na classe e referência inicial do cargo. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 30. O ingresso nos cargos integrantes da carreira Técnico, Administrativa e Operacional dar-se-á, exclusivamente, por concurso público de provas de conhecimentos práticos, teóricos e títulos. O ingresso dar-se-á na classe e referência inicial do cargo. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração na redação do Art. 30 Justificativa: Alteração na redação deste artigo, incluindo-se a expressão provas de conhecimentos práticos, teóricos e títulos, foi sugerida com o objetivo de esclarecer que além da prova teórica, provas práticas também poderão ser exigidas, de acordo com o cargo ofertado em concurso, como em caso de algumas profissões de nível médio profissionalizante e cargo docente. Parágrafo único. A abertura de concurso público para provimento de qualquer um dos cargos integrantes da carreira será efetuada após solicitação das unidades interessadas à Pró-Reitoria de Gestão e Planejamento, e aprovação do CONSUN, ficando condicionada a sua abertura à existência de recursos, no orçamento da Universidade, de acordo com o estabelecido na legislação específica. Art. 31. Os atos de nomeação e exoneração dos cargos referentes ao pessoal técnico, administrativo e operacional, bem como os de admissão e dispensa, serão de competência do Reitor da UEPA. Seção III Da Promoção e Progressão Funcional Art. 32. A promoção na carreira Técnico Administrativa e Operacional far-se-á: 16

17 I - horizontal: elevação do servidor ao nível imediatamente superior da classe em que se encontrar, atendido o requisito de interstício mínimo de 2 anos, através de processo de avaliação de desempenho de acordo com as normas aprovadas no Conselho Universitário, ouvida a Comissão Permanente de Assuntos Técnicos e Administrativos - COPTEC.(REDAÇÃO VIGENTE) I A progressão horizontal é a passagem do servidor estável de um nível ou referência para outro imediatamente superior em cada classe, por antiguidade e merecimento, alternadamente, obedecido o interstício mínimo de 2 (dois) anos de efetivo exercício no cargo, de acordo com as normas aprovadas no Conselho Universitário, ouvida a Comissão Permanente de Assuntos Técnicos e Administrativos COPTEC; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterado o inciso I do Art. 32. Justificativa: alteração determinada pela necessidade de tornar mais clara a redação do texto esclarecendo que se trata de uma progressão de servidor estável, por antiguidade e merecimento, observado o período de efetivo exercício no cargo. II - vertical: elevação do servidor de uma classe para outra, condicionada ao atendimento do interstício mínimo de 2 anos, por meio de avaliação de desempenho de acordo com as normas aprovadas no Conselho Universitário, ouvida a Comissão Permanente de Assuntos Técnicos e Administrativos - COPTEC. (REDAÇÃO VIGENTE) II A progressão vertical é a passagem do servidor estável de uma classe para outra imediatamente superior, na mesma categoria funcional, por antiguidade e merecimento, alternadamente, obedecido o interstício mínimo de 2 (dois) anos de efetivo exercício, de acordo com as normas aprovadas no Conselho Universitário, ouvida a Comissão Permanente de Assuntos Técnicos e Administrativos COPTEC; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterado o inciso II, do Art. 32. Justificativa: alteração determinada pela necessidade de tornar mais clara a redação do texto esclarecendo que se trata de uma progressão de servidor estável, por antiguidade e merecimento, observado o período de efetivo exercício no cargo. Parágrafo único. O servidor que se encontrar em estágio probatório não poderá concorrer à promoção de que trata este artigo. (REDAÇÃO VIGENTE) III - O servidor que se encontrar em estágio probatório não poderá concorrer à promoção de que trata este artigo; (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterado o inciso, II do Art. 32. Justificativa: foi transformado o parágrafo único do texto da lei vigente em inciso III, por ser mais coerente com a matéria tratada nos incisos do Art. 32.o Parágrafo único. Será garantido ao servidor redistribuído titular de cargo efetivo, oriundo de órgãos extintos da administração pública estadual, o direito à progressão funcional, de acordo com os critérios institucionais e a correlação de cargos. Alteração: acrescido o Parágrafo Único ao Art. 32. Justificativa: O parágrafo único foi acrescido para garantir aos redistribuídos a progressão funcional. Seção IV Do Regime de Trabalho Art. 33. A duração da jornada diária de trabalho do pessoal técnico, administrativo e operacional da UEPA será de 6 (seis) horas ininterruptas, salvo as jornadas especiais estabelecidas em lei. 17

18 Parágrafo único. Aos servidores estudantes, comprovada a necessidade, será garantida a flexibilização do horário, mediante regime de compensação. Art. 34. Na antecipação ou prorrogação da duração da jornada de trabalho será também remunerado o trabalho suplementar, na forma prevista em lei. Art. 35. O servidor ocupante de cargo comissionado ou funções gratificadas, independente da jornada de trabalho, atenderá às convocações decorrentes da necessidade de serviço de interesse da Universidade. Seção V Do Afastamento Art. 36. Além dos casos previstos em lei, os ocupantes dos cargos de natureza técnica, profissionalizante, administrativa e operacional poderão afastar-se de suas funções, sem prejuízo do tempo efetivo de serviço, para: (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 36. Além dos casos previstos em lei, os ocupantes dos cargos de natureza técnica, profissionalizante, administrativa e operacional poderão afastar-se de suas funções, sem prejuízo de remuneração e do tempo efetivo de serviço, para: (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração no caput do art. 36. Justificativa: alterado o caput do art. 36 para incluir a necessidade de ser mantida, também, a remuneração, tornando explícito esse benefício; I - participar de eventos de deliberação coletiva da classe ou de categoria profissional; II - participar de reuniões, congressos, seminários e outros eventos compatíveis com o cargo que ocupa; III - cursar mestrado, doutorado e pós-doutorado, apenas para ocupantes dos cargos de Nível Superior. (REDAÇÃO VIGENTE) III - Afastamento integral para cursar mestrado, doutorado e pós-doutorado, reconhecidos pela CAPES. Alteração : alterado o inciso III, do Art. 36. Justificativa: excluída a frase apenas para ocupantes dos cargos Técnicos de Nível Superior, para possibilitar que os técnicos que não possuem graduação possam usufruir do benefício. Também foi especificado que o afastamento, nestes casos, será integral desde que os cursos sejam reconhecidos pela CAPES, uma vez que esta desempenha papel de importância na expansão e consolidação da pósgraduação strictu sensu (mestrado e doutorado) possuindo reconhecimento e parceiras estratégicas no campo educacional, em âmbito internacional. 1º O afastamento de que trata o inciso III deste artigo poderá ocorrer na seguinte forma: a) integral, visando à realização de cursos de mestrado e/ou doutorado e de atividades técnicas e científicas, quando realizadas fora do Estado; (REDAÇÃO VIGENTE) Alteração : excluído o 1º e sua alínea a. Justificativa: excluído o 1º e sua alínea a posto que a matéria ali tratada foi incorporada ao inciso III, com o objetivo de simplificar o texto. 18

19 b) parcial, visando à realização de cursos de mestrado e/ou doutorado e de atividades técnicas e científicas, quando realizados na própria Instituição ou na cidade onde o servidor trabalhar. (REDAÇÃO VIGENTE) IV Afastamento parcial visando à realização de cursos de mestrado ou doutorado quando realizados na própria Instituição ou cidades onde o servidor trabalha, para cursos modulares e cursos interinstitucionais reconhecidos pela CAPES. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: transformada a alínea b do 1º do Art. 36 em inciso IV Justificativa: foi acrescentado o inciso IV no Art. 36º para especificar os casos em que o afastamento será parcial, observando-se que nos cursos modulares realizados na própria instituição ou cidade onde o servidor trabalha não cabe afastamento integral, assim como para as atividades técnicas e científicas não cabe afastamento. Parágrafo Único. É de competência do Reitor da Universidade do Estado do Pará a autorização dos afastamentos de que trata este artigo. Alteração: transformação do 2º do Art. 36 em parágrafo único. Justificativa: o 2º foi transformado em parágrafo único, mantida a sua redação original, em respeito à estruturação adequada do corpo desta proposta, diante das alterações anteriores, operadas no at. 36. Art. 37. O Conselho Universitário da UEPA aprovará normas complementares regulando a concessão de afastamento previsto neste artigo. Art. 38 A formação continuada é parte do direito dos servidores técnicos e administrativos ao seu aperfeiçoamento profissional e pessoal, e será vinculado ao Plano Institucional da Universidade. (REDAÇÃO VIGENTE) Art. 38. A formação continuada é parte do direito dos servidores técnicos, administrativos e operacionais ao seu aperfeiçoamento profissional e pessoal, e será vinculado ao Plano de Desenvolvimento Institucional da Universidade. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alterado o Art. 38. Justificativa: foi incluído o termo operacionais e atualizada a denominação do Plano de Desenvolvimento Institucional da Universidade, tornando o texto da proposta mais coerente com as alterações já realizadas, especialmente quanto à classe de servidores. Seção VI Da Estrutura Salarial, Benefícios e Vantagens Art. 39. A estrutura salarial dos níveis de que trata o art. 29 desta Lei compreende três classes identificadas por letras, que se desdobram em quatro referências salariais indicadas por símbolos romanos, que correspondem aos vencimentos constantes no Anexo V desta Lei.(REDAÇÃO VIGENTE) Art. 39. A estrutura salarial dos níveis de que trata o art. 29 desta Lei compreende cinco classes identificadas por letras, que se desdobram em quatro referências salariais indicadas por símbolos romanos, a exceção da última classe ( E ) que possui referência única e que correspondem aos vencimentos constantes no Anexo VI desta Lei. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: alteração na redação do Art. 39. Justificativa: novamente ratifica-se neste artigo a opção por 5 (cinco) classes, de acordo com as alterações já promovidas no art

20 Parágrafo Único. Entre as referências iniciais dos vencimentos dos cargos da carreira Técnico, Administrativo e Operacional, a relação de valores será a que está estabelecida no Anexo VI obedecendo sempre as proporionalidades entre as catergorias. Alteração: inclusão do Parágrafo Único no Art. 39. Justificativa: necessidade de estabelecer os valores das referências iniciais dos cargos da carreira Técnico, Administrativo e Operacional. Art. 40. A variação percentual entre as referências consecutivas das classes, de que trata o artigo anterior, será de 5% (cinco por cento). Art. 41. A variação percentual entre a referência final de uma classe e a referência inicial da classe subseqüente é de 10% (dez por cento). Parágrafo Art. 42. Aos servidores técnicos, administrativos e operacionais são asseguradas as seguintes gratificações e vantagens pecuniárias previstas em lei: I - Adicional de Insalubridade, Risco de Vida ou Periculosidade, nas condições e percentuais estabelecidos em lei; II - Gratificação por Serviços Extraordinários, quando autorizados e nos limites especificados em lei, no percentual de 50% (cinqüenta por cento) sobre a hora normal; III - Adicional por Tempo de Serviço, nos termos da legislação vigente; IV - Gratificação de Escolaridade, na forma do art. 140, III, da Lei nº 5.810, de 24 de janeiro de 1994; V - Gratificação Universitária, correspondente a 30% (trinta por cento) do vencimento-base. (REDAÇÃO VIGENTE) V - Gratificação Universitária, correspondente a 40% (trinta por cento) do vencimento-base. (REDAÇÃO PROPOSTA) Alteração: Alteração da redação do Inciso V do Art. 42 Justificativa: O percentual de gratificação universitária foi elevado linearmente em 10% considerando a importância da valorização do servidor técnico administrativo. 1º. A remuneração da hora extraordinária noturna, prestada no horário entre 22 horas de um dia e 5 horas do dia subseqüente, será de 25% (vinte e cinco por cento) acima da remuneração da hora extraordinária diurna. Alteração: transformado o parágrafo único do Art. 42 em 1º. Justificativa: transformado o parágrafo único, mas mantida a redação da lei vigente, alteração que se dá em favor da inclusão do 2º, seguinte. 2º A verba Gratificação Universitária será considerada para composição dos vencimentos do servidor inativo. Alteração: incluído 2º no Art

LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02.

LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02. 1 LEI COMPLEMENTAR N 100, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 - D.O. 11.01.02. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Professores da Educação Superior da Fundação Universidade do Estado de Mato

Leia mais

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI. TÍTULO I Das Disposições Preliminares TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas suas autarquias

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008. LEI COMPLEMENTAR N 320, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Publicado no D.O.E de 30/06/2008. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre alteração do Plano de Carreira dos Docentes da Educação Superior da Universidade do

Leia mais

LEI Nº 8.352 DE 02 DE SETEMBRO DE 2002

LEI Nº 8.352 DE 02 DE SETEMBRO DE 2002 Publicada D.O.E. Em 03.09.2002 LEI Nº 8.352 DE 02 DE SETEMBRO DE 2002 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público das Universidades do Estado da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS - PCCS DOCENTE Piumhi- MG Fevereiro / 2011 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES....03 CAPÍTULO II - DO QUADRO

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Reestrutura as carreiras de Analista Universitário e Técnico Universitário, integrantes do Grupo Ocupacional Técnico- Específico, criado pela Lei nº 8.889, de 01

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE RESOLUÇÃO PROJETO DE RESOLUÇÃO ESTABELECE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA FINS DE PROGRESSÃO E PROMOÇÃO NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 EMENTA: Revoga a Resolução nº 020/06-CONSU e Normatiza

Leia mais

LEI Nº 2.230, DE 2 DE MAIO DE 2001.

LEI Nº 2.230, DE 2 DE MAIO DE 2001. Plano de Cargos e Carreira UEMS LEI Nº 2.230, DE 2 DE MAIO DE 2001. Dispõe sobre o Plano de Cargos e Carreiras da Fundação Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. INDICE

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

Câmara Municipal de Curitiba

Câmara Municipal de Curitiba Câmara Municipal de Curitiba PROPOSIÇÃO N 005.00164.2014 Projeto de Lei Ordinária Redação para 2º turno EMENTA Institui o Plano de Carreira do Profissional do Magistério de Curitiba. CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CONSUNI N.º 04, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre normas de afastamento de servidores técnicoadministrativos, do quadro efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso, para qualificação stricto

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

LEI N 2.414/2003 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E VENCIMENTOS DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE IBIRAÇU E.S.

LEI N 2.414/2003 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E VENCIMENTOS DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE IBIRAÇU E.S. 1 LEI N 2.414/2003 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E VENCIMENTOS DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE IBIRAÇU E.S. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13 DO CONSELHO DIRETOR DE 05 DE OUTUBRO DE 2005. O Presidente do Conselho Diretor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Petrolina, no

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS.

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. Seção 1 Disposições Preliminares Art. 1º- Fica criado o Plano Unificado de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/95 RESOLVE

RESOLUÇÃO Nº 12/95 RESOLVE Alterações incluídas no texto: Decisão nº 131/96, de 17/12/1996 Decisão nº 184/97, de 21/11/1997 Decisão nº 149/2000, de 28/07/2000 Decisão nº 335/2009, de 28/08/2009. Decisão nº 401/2013, de 23/08/2013

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do

LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do LEI COMPLEMENTAR N.º 10, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores Municipais da Educação Infantil. Sul. PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio Grande do FAÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 060/1997. INSTITUI O PLANO DE CARREIRA E VENCIMENTOS DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. O Prefeito Municipal de Água Doce do Norte, Estado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 2.859, DE 30 DE ABRIL DE 2014. Publicada no Diário da Oficial nº 4.120 Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica Pública, e adota outras providências.

Leia mais

LEI Nº 2.355, DE 16 DE JANEIRO DE 2009

LEI Nº 2.355, DE 16 DE JANEIRO DE 2009 1 LEI Nº 2.355, DE 16 DE JANEIRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÕES DOS SERVIDORES DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2461/98. RENATO DELMAR MOLLING, Prefeito Municipal de Sapiranga, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais.

LEI MUNICIPAL Nº 2461/98. RENATO DELMAR MOLLING, Prefeito Municipal de Sapiranga, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais. LEI MUNICIPAL Nº 2461/98 Estabelece o Plano de Carreira, Remuneração do Magistério Público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências. RENATO DELMAR MOLLING, Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS Aprova a reformulação do Regulamento para concessão de afastamento de docentes para participação em programas de pósgraduação stricto sensu no âmbito do IFS. O PRESIDENTE DO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DOCENTE SEI SOCIEDADE EDUCACIONAL ITAPIRANGA

PLANO DE CARREIRA DOCENTE SEI SOCIEDADE EDUCACIONAL ITAPIRANGA PLANO DE CARREIRA DOCENTE SEI SOCIEDADE EDUCACIONAL ITAPIRANGA Dezembro de 2014 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - O presente Plano de Carreira Docente (PCD) tem como objetivo, estabelecer normas e critérios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre os Planos Acadêmicos, Regimes e Horário de

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2015 SEMED (Prazo: 30 dias) Processo Seletivo para a concessão de licença para qualificação profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E CONCEITUAÇÃO Art. 1º. A

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

LEI Nº 8.067, DE 7 DE OUTUBRO DE 2014.

LEI Nº 8.067, DE 7 DE OUTUBRO DE 2014. LEI Nº 8.067, DE 7 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e acrescenta dispositivos à Lei nº 6.829, de 7 de fevereiro de 2006, que dispõe sobre a carreira do Grupo Ocupacional Perícia Técnico- Científica do Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL PROJETO DE LEI Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei n o 7.596, de 10 de abril de 1987; sobre o Plano

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução:

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Ao Colendo Plenário A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Dispõe sobre a instituição e regulamentação de Programa de Capacitação aos servidores da Câmara

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO CEFET-MG. Minuta. Minuta

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO CEFET-MG. Minuta. Minuta Minuta Trabalho elaborado pela comissão indicada pelo Conselho Diretor Membros: Delvair Pereira de Oliveira Filho Tatiana Leal Barros Rita de Cássia Almeida Andrade Regina Rita de Cássia Oliveira Sheila

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 74, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00.

LEI COMPLEMENTAR N 74, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. 1 LEI COMPLEMENTAR N 74, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre o Quadro de Pessoal da Fundação Universidade do Estado de Mato Grosso, Plano de Carreira dos Profissionais

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006.

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CALDAS NOVAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SÁUDE LEI Nº [...],DE[...] DE [...] DE 2006. Institui o Plano de Carreiros Cargos e Vencimentos do Quadro de Pessoal da Secretaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE LEI COMPLEMENTAR nº 146, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público Municipal de Brusque. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 Aprova o novo Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal de Goiás, e revoga a Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES Artigo 1.º - O corpo docente da PUCPR é constituído pelo pessoal de nível superior que exerce atividades de ensino, pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 186/06 TÍTULO I. Das Normas Gerais

RESOLUÇÃO Nº 186/06 TÍTULO I. Das Normas Gerais RESOLUÇÃO Nº 186/06 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece normas de afastamento de pessoal docente para pós-graduação stricto sensu e estágios pós-doutoral e dá outras providências. O Reitor

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Resolução nº. 047/13-COPPG Curitiba, 06 de dezembro de 2013 O CONSELHO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO ESTADO DE SÃO PAULO ÍNDICE TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL TÍTULO II DOS CARGOS E EMPREGOS EFETIVOS CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.

LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011. LEI Nº 9.586, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 AUTORIA: PODER JUDICIÁRIO (PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO EM 15 DE DEZEMBRO DE 2011.) Dispõe sobre o plano de cargos e carreira e remuneração dos servidores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP Texto Aprovado CONSU Nº 2008-08 - Data: 02/04/2008 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP Introdução: PCCSD - UNASP O PCCSD - UNASP é um documento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

(*)OFÍCIO GP n.º 86/CMRJ Em 1º de outubro de 2013.

(*)OFÍCIO GP n.º 86/CMRJ Em 1º de outubro de 2013. (*)OFÍCIO GP n.º 86/CMRJ Em 1º de outubro de 2013. Senhor Presidente, Dirijo-me a Vossa Excelência para comunicar que, nesta data, sancionei o Projeto de Lei n.º 442-A, de 2013, de autoria do Poder Executivo,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

CAPÍTULO I DO AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

CAPÍTULO I DO AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS RESOLUÇÃO Nº. 27 - CONSUP/IFAM, de 06 de outubro de 2011. Dispõe sobre a Proposta que Regulamenta o Afastamento dos Servidores Docentes e Técnico-Administrativos do IFAM, para cursos de curta duração,

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º XXXX, DE XXX DE XXXX DE 2015. Dispõe sobre a oferta de cursos de Pós-Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.065, DE 08 DE OUTUBRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.065, DE 08 DE OUTUBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.065, DE 08 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a oferta de cursos de Pós- Graduação lato

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 019/2012/CDP Florianópolis, 03 de maio de 2012. A PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do IF-SC e pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 3.746, DE 4 DE ABRIL DE 2008. Faço saber que a Câmara Municipal de Teresina aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

LEI COMPLEMENTAR Nº 3.746, DE 4 DE ABRIL DE 2008. Faço saber que a Câmara Municipal de Teresina aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR Nº 3.746, DE 4 DE ABRIL DE 2008. Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Salários para os servidores públicos efetivos, integrantes dos Grupos Funcionais Básico, Médio e Superior do Município

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 012, DE 20 DE MAIO DE 2014 Estabelece normas para o afastamento de servidores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO PLANO DE CARREIRA DOCENTE ALFENAS 2012 TÍTULO I CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano de Carreira Docente PCD da Universidade José do Rosário Vellano UNIFENAS, mantida

Leia mais