FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO WALTER GOMES DE CARVALHO NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO WALTER GOMES DE CARVALHO NETO"

Transcrição

1 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO WALTER GOMES DE CARVALHO NETO PREGÃO ELETRÔNICO: Evolução na Contratação de Bens e Serviços na Administração Pública JOÃO PESSOA 2013

2 WALTER GOMES DE CARVALHO NETO PREGÃO ELETRÔNICO: Evolução na Contratação de Bens e Serviços na Administração Pública Trabalho de Conclusão de Curso -TCCapresentado à Faculdade de Ensino Superior da Paraíba FESP - Curso de Graduação em Direito para atender exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em direito. Área de Concentração: Direito Administrativo Orientadora: Profa. Luciana Villar João Pessoa 2013

3 G633p Carvalho Neto, Walter Gomes de Pregão eletrônico: evolução na contratação de bens e serviços na administração pública./ Walter Gomes de Carvalho Neto. João Pessoa, f. Orientadora: Profa. Luciana Villar Artigo (Graduação em Direito) Faculdade de Ensino Superior da Paraíba FESP. 1. Licitação 2. Pregão Eletrônico 3. Administração Pública I. Título. BC/FESP CDU: 349.6(043)

4 WALTER GOMES DE CARVALHO NETO PREGÃO ELETRÔNICO: Evolução na Contratação de Bens e Serviços na Administração Pública Trabalho de Conclusão de Curso TCCapresentado à Fesp Faculdades Ensino Superior da Paraíba Curso de Graduação em Direito para atender exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito. Aprovada em: / / BANCA EXAMINADORA Profa. Luciana Vilar Orientadora Membro da Banca Examinadora Membro da Banca Examinadora

5 1 PREGÃO ELETRÔNICO: Evolução na Contratação de Bens e Serviços na Administração Pública WALTER GOMES DE CARVALHO NETO * RESUMO O presente trabalho tem como finalidade analisar de uma forma geral a finalidade do mecanismo de aquisição de bens e serviços, através do processo licitatório. Faremos um delineamento histórico sobre as formas já utilizadas pelo serviço público para contratar. A referida pesquisa será efetuada com base nos procedimentos metodológicos bibliográficos. No seu processo de análise será empregado o método dedutivo onde é responsável pela generalização, ou seja, para uma questão geral, as licitações, tratada particularmente (pregão). O trabalho será conduzido com ênfase na temática da contratação de bens e serviços pela administração pública, através do pregão eletrônico. Palavras-chave: Licitação. Pregão Eletrônico. Administração Pública. 1 INTRODUÇÃO Este trabalho científico tem como objetivo geral demonstrar que o pregão eletrônico é a forma mais eficaz da Administração Pública contratar com os particulares. Para a realização desse trabalho, a pesquisa será conduzida sob a forma bibliográfica com ênfase na temática da contratação de serviços e bens pela administração pública, através do pregão eletrônico. A bibliografia é arquivo de documentos, tais como, livros, leis, entre outros de um determinado assunto ou de deliberado autor que chegue a satisfazer como fonte para consulta. Contudo, traremos para discussão a evolução das modalidades de contratação de bens e serviços, pela administração pública, onde o legislador, através das novas leis, tem a finalidade de criar melhores métodos de contrair bens e serviços, buscando sempre uma maior economicidade, eficiência e transparência nos atos administrativos. Assim, a finalidade deste trabalho é de propor uma discussão, analisando, a forma mais eficaz de um gestor público contratar, para que seja atingido o interesse coletivo de uma * Concluinte do Curso de Direito da Faculdade de Ensino Superior da.

6 2 forma a satisfazer todos os princípios morais, éticos e legais, previstos nos princípios norteadores da administração pública. Partindo do pressuposto de que a licitação, nas suas diversas modalidades é a forma instituída por lei para que as instituições de direito público possam efetuar compras e contratações, evitando fraudes e possibilitando que tal aquisição seja eficiente, a modalidade de licitação, pregão eletrônico seria um dos meios mais eficientes para o serviço público contratar, a que mais respeita os princípios da legalidade, imparcialidade, publicidade, eficiência e moralidade. Para analisar esse problema verificaremos teoricamente as possibilidades de desvio de dinheiro público. 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS Inicialmente, importa saber que o Estado influencia sensivelmente na economia nacional, desse modo, é preciso ser levado em consideração à dimensão e potencial de compra, para concretização de obras públicas, bem assim, a preservação da Administração Pública. Portanto, para existir uma melhor organização na demanda seguindo ao princípio da moralidade e da eficiência administrativa, reclama uma normatização afunilada, razão pela qual é exigido um processo de licitação. A atividade da administração é de buscar sempre o interesse público. Esse interesse será atingido, em matéria de negócios jurídicos firmados com os administrados, quando a feitura de obras e serviços, passa pelo crivo do procedimento licitatório. De acordo com Hely Lopes Meireles, a licitação é um procedimento administrativo pelo qual é selecionada a proposta mais vantajosa para a administração pública. O princípio da igualdade é observado durante todo o processo de licitação, uma vez que, seleciona a melhor proposta. Todos os administrados e interessados são tratados de igual forma pela administração pública, tendo tratamento isonômico no processo e ulterior contratação. O legislador ao criar regras para a construção de contratos entre os particulares e a administração pública, procurou resguardar o interesse público, velando pela legalidade, por isto, instituiu o instituto da licitação, de modo a afastar as fraudes nas contratações públicas. A Carta Magna em seu artigo 37 inciso XXI versa sobre a obrigação de licitar, ao passo que reserva exceções nas hipóteses previstas na Lei 8.666/93, onde a o delinear as regras gerais para o procedimento licitatório e os contratos da administração pública, adequa o

7 3 princípio da competência privativa do ente União por força do art. 22 e 37, XXI da Carta Política. É de suma importância saber que a licitação, corresponde a um procedimento em que o ente da administração pública, ao agir na sua função, convida todos os interessados a firmar contrato com ele, mas, dentro dos moldes e condições traçadas no instrumento de convocação, onde serão apresentadas propostas, dentre as quais será escolhida a mais adequada para a formalização do negócio jurídico. Partindo dessa simples conceituação, percebe-se que a finalidade da licitação é garantir que qualquer ente da administração pública, possa selecionar a melhor opção de adquirir o maior empenho em resguardar aos administrados a possibilidade de concorrer na participação das contratações públicas. Nesse passo, é preservado um duplo interesse público, o respeito ao patrimônio público, uma vez que se pretende escolher a proposta mais vantajosa, por meio da concorrência e, ainda a observância aos princípios administrativos da isonomia e da impessoalidade, que norteiam a participação dos particulares no processo licitatório, posto que, não se admite, por meio desses comandos, criar distinções os participantes. A licitação tem que observar ainda três exigências: Uma concessão decorrente de ato administrativo mais amplo, que possibilite uma maior fruição aos particulares em se tratando de seu patrimônio; A criação de exigências jurídicas que exija condições a serem preenchidas pelos administrados, sendo assim, nem todos têm acesso a concorrer nos procedimentos licitatórios; Possibilidade de concorrência, onde o processo licitatório deve ser feito por no mínimo dois interessados. Celso Antônio Bandeira de Melo vaticina acerca do objeto da licitação pública ao dizer: São licitáveis unicamente objetos que possam ser fornecidos por mais de uma pessoa, uma vez que a licitação supõe disputa, concorrência, ao menos potencial, entre ofertantes (...). Só se licita bens homogêneos, intercambiáveis, equivalentes. Não se licitam coisas desiguais. Cumpre que sejam confrontáveis as características do que se pretende e que quaisquer dos objetos em certame possam atender ao que a administração almeja. (MELO, Celso Antônio, 2004). De acordo com as palavras mencionadas em relação ao objeto da licitação, o destacado autor protege que não há pertinência na licitação quando o objeto é singularizado, ou ainda, quando só existe um só ofertante, a saber, um só produtor, ou um só fornecedor.

8 4 Em linhas gerais, o instituto da licitação é compulsório e viável, posto que, a administração pública, em especial, seus entes, deve possibilitar aos prováveis participantes o acesso por meio do tratamento isonômico de competirem em igualdade condições, com o fito de ser escolhida a melhor e mais vantajosa proposta. Igualmente, faz-se necessário expor sobre o conceito e natureza jurídica do pregão eletrônico que constitui a espécie de pregão que faz uso dos mecanismos da tecnologia da informação. O ambiente utilizado refere-se à internet. Há uma previsão no art. 2º, parágrafo 2º da lei /2002, que recebe regulação do Decreto 5.450/2005, diferencia-se da modalidade presencial de pregão, posto que, o pregoeiro não se mostra fisicamente, bem assim, todos os demais envolvidos, onde a sessão pública ocorre toda pela internet. Para Carvalho Filho (2008, p.200) licitação refere-se ao: O procedimento administrativo vinculado por meio do qual os entes da Administração Pública e aqueles por ela controlados selecionam a melhor proposta entre as oferecidas pelos vários interessados, com dois objetivos a celebração de contrato, ou a obtenção do melhor trabalho técnico, artístico ou científico. Consoante às palavras acima, a licitação possui natureza jurídica de procedimento, constituindo um encadeamento de atos, que formam o contrato, que por sua vez é o instrumento geralmente utilizado na celebração de negócios jurídicos. A licitação é indispensável para que a administração pública possa contratar, sob pena de invalidar o certame. Com o avanço da tecnologia a administração pública também foi atingida por seus efeitos, onde se criou uma modalidade de licitação que dispensa a presença física dos participantes, ocorrendo todo trâmite virtualmente, mitigando assim a burocracia que é de praxe. Nessa esteira é importante frisar as palavras de Carvalho Filho (2008): As modalidades licitatórias prevista na Lei 8.666/93, em muitos casos, não conseguiram dar a celeridade desejável à atividade administrativa destinada ao processo de escolha de futuros contratantes. As grandes reclamações oriundas de órgãos administrativos não tinham como alvo os contratos de grande vulto e de maior complexidade. Ao contrário, centravam-se nos contratos menores ou de mais rápida conclusão, prejudicados pela excessiva burocracia do processo regular de licitação. Com o advento da lei /02 as contratações tornaram-se mais céleres e eficientes, proporcionando agilidade nos certames licitatórios.

9 5 Destarte, o decreto de nº 5.450/2005 aduz os métodos inerentes ao desenvolvimento do pregão eletrônico, os preceitos básicos são também àqueles observados no pregão na modalidade presencial. Discute-se, todavia, mudanças estatuídas na lei /2002 através do decreto que regulamenta a mencionada lei. Vaticina Justen Filho (2005, p. 221), a esse respeito: Art. 2º, 1º, da Lei Esse dispositivo autoriza a utilização dos recursos da Tecnologia da Informação para o pregão, nos termos de regulamentação específica. Isso não justifica a adoção de regras jurídicas totalmente desvinculadas da Lei Portanto, nenhuma solução inovadora da ordem jurídica pode ser produzida através do decreto regulamentar do pregão eletrônico. Dando sequência o referido autor ressalta que: A situação mais evidente relaciona-se com a alteração da sistemática de apresentação das propostas. A Lei nº alude, de modo expresso, à apresentação de propostas em envelopes solução que não é contemplada no âmbito do pregão eletrônico. Outra alteração relaciona-se com a seleção dos licitantes que passarão à etapa de lances: enquanto a Lei nº determina que a competição se fará apenas entre os proponentes que preencham determinados requisitos, o Dec. Nº estabelece que todos os proponentes classificados estarão autorizados a participar da fase de lances. (JUSTIN FILHO, 2005, p.221) São inúmeras as inovações observadas para a Administração contratante mediante aplicação do pregão eletrônico, em razão de suas características procedimentais. A menor complexidade de seu procedimento tem duas consequências diretas a serem destacadas: uma maior celeridade na contratação e o valor final do contrato mais vantajoso. Isso pode ser considerado o ápice da eficácia da contratação por entidade pública. Estudar a modalidade de pregão eletrônico garante maior respeito ao erário público e auxilia nas atividades mercadológicas. Por força do princípio da eficiência, essa modalidade de licitação é bastante importante para a sociedade visto que a otimização dos gastos públicos traz vários benefícios para a sociedade em geral e também para a Administração Pública, tornando o processo de compras governamentais que velem pela agilidade e economicidade. A administração pública direta e indireta de qualquer um dos poderes dos entes federados, exceto os casos previstos na legislação pertinente ao assunto, estão obrigados a contratar mediante processo de licitação pública. Com a chegada da versão de licitação chamada pregão, despertam debates acerca daquilo que deve ser licitado e de quem está submetido a sua aplicabilidade, principalmente na modalidade eletrônica.

10 6 No dizer de Silva (2005), Licitação é um procedimento administrativo destinado a provocar propostas e a escolher proponentes de contratos de execução de obras, serviços e compras ou de alienações do Poder Público. Por seu turno, Melo (2005), entende que Licitação é um certame que as entidades governamentais devem promover e no qual abrem disputa entre os interessados em com elas travar determinadas relações de conteúdo patrimonial, para escolher a proposta mais vantajosa às conveniências públicas. O manuseio de meios tecnológicos diminuem o quantitativo de documentos físicos utilizados nos concursos permitindo que o status cadastral da figura do fornecedor possa ser visualizado eletronicamente, por meio do SICAF (Sistema de Cadastro Unificado de Fornecedores), contribuindo para o inicio e término das sessões dentro do tempo previsto permitindo uma diminuição considerável nas negociações. O entrosamento dos organismos informatizados com o fim de suprir as necessidades da administração pública é indispensável para alcançar uma maior produtividade nas atividades administrativas. As modificações advindas da internet levaram os administradores públicos a se preocuparem com o modelo de negócios vigentes e questionarem a competição entre as empresas. A internet transformou a maneira de relacionamento e trabalho entre os sujeitos, ou ainda como fazem negócios, alterando também o relacionamento entre empresas e entre governo e sociedade. Os efeitos revolucionários da Informação estão apenas no início. Ocorre que, não se trata apenas da informática como causa desse desenvolvimento. O grande trunfo deve-se ao denominado e-commerce, o despontar da internet como veículo de suma importância no mundo dos negócios, especialmente no fornecimento de bens e serviços. O Governo Federal trabalha no aperfeiçoamento da legislação, com a finalidade de criar formatos novos de aquisição de bens e serviços com o escopo de racionalizar os processos, aperfeiçoar e efetivando o resultados contratuais. Importa ressaltar que a Medida Provisória nº 2.026/2000, foi o primeiro mecanismo de regras a dispor sobre o Pregão Eletrônico em nosso ordenamento jurídico pátrio. Veja-se, nessa toada, que no dia 21 de dezembro de 2000, foi editado o Decreto nº 3.697, visando regular o pregão em sua versão eletrônica, estatuindo todo o ritual normativo, através da disposição da tecnologia da informação, para adquirir bens e serviços comuns, na seara da União.

11 7 Ao versar quanto ao Pregão Eletrônico, o Decreto nº 3.697/2000, não tratava amplamente, todas as fases do rito licitatório eletrônico, constando várias referências ao Decreto nº 3.555/2000, que trata do pregão presencial. Classificado do tipo menor preço (art. 2º), o pregão eletrônico deve ter as propostas julgadas com requisitos objetivos que possam avaliar o menor preço, levando em consideração os prazos para desempenho do contrato e do fornecimento, as particularizações técnicas, as bases mínimas de performance e de qualidade (art. 2º, 2º). Essa modalidade de contratação usa recursos de tecnologia da informação, onde a comunicação entre os agentes públicos que desenvolvem a licitação ocorre através da Internet, ampliando a gama de envolvidos (participantes), garantindo uma notável transparência ao rito do concurso, uma vez que, qualquer cidadão pode acompanhar a sessão pública e ter acesso a todos os atos relacionados ao a licitação pública. Segundo o art. 3º da Lei do Pregão Eletrônico, Os participantes deverão ser previamente credenciados perante o provedor do sistema eletrônico a autoridade competente do órgão promotor da licitação, o pregoeiro, os membros da equipe de apoio e os licitantes que participam do pregão na forma eletrônica. Na seara de princípios que guiam a modalidade licitatória do pregão eletrônico são (art. 5º): a legalidade; a impessoalidade; a moralidade; a igualdade; a publicidade; a eficiência; a probidade administrativa; a vinculação ao instrumento convocatório; o julgamento objetivo; a razoabilidade; a competitividade; a proporcionalidade. É preciso destacar que o Pregão Eletrônico não se refere a uma nova versão licitatória diferente do Pregão, trata-se de uma espécie de pregão, de concurso competitivo, entendimento reforçado por Scarpinella (2003, p. 167), que nos ensina que "[...] a forma eletrônica do pregão não equivale a uma nova e distinta modalidade licitatória. Trata-se da mesma modalidade licitatória criada e descrita na Lei nº /2002 [...]". Avaliando os resultados positivos pelo uso do Pregão Eletrônico, a União passou a utilizar amplamente essa modalidade no cenário federal, com o fito de torná-la a mais utilizada entre as formas de aquisição de bens e serviços comuns. O art. 5º, parágrafo único prevê que a interpretação das normas disciplinadoras do pregão eletrônico será feita em favor da ampliação da disputa entre os interessados, desde que não comprometam o interesse da administração, o princípio da isonomia, a finalidade e a segurança da contratação. Todo procedimento licitatório compõe-se de duas fases. Bruno (2005) diz que:

12 8 O procedimento licitatório positivado entre nós conta com duas fases bem definidas, sendo a primeira delas uma etapa interna, realizada intramuros, quando não há participação dos futuros interessados na contratação, seguida, então, após a publicidade do instrumento do instrumento convocatório, da fase denominada pública, em que os interessados participam efetivamente de todo o processamento, restando à Administração ou ao órgão licitante o papel de atuação enquanto magistrado, no que tange á observância das regras previamente estabelecidas e à conseqüente escolha da melhor proposta. Com a finalidade de viabilizar o uso do Pregão Eletrônico, foi editado o Decreto nº 5.450, que enfim, estatuiu a compulsoriedade do uso do pregão nas aquisições de bens e serviços comuns, amoldando-se a evolução do próprio pregão em sede federal. A forma eletrônica passou a ser o padrão na administração pública. O art. 4º do mencionado Decreto (BRASIL, 2005, p. 3) versa nestes termos: Art. 4o Nas licitações para aquisição de bens e serviços comuns será obrigatória a modalidade pregão, sendo preferencial a utilização da sua forma eletrônica. 1o O pregão deve ser utilizado na forma eletrônica, salvo nos casos de comprovada inviabilidade, a ser justificada pela autoridade competente. As outras modalidades licitatórias: concorrência, Tomada de Preços e Convite não foram totalmente preteridos, serão usados quando o que será contratado não se coadunar a definição jurídica de bens e serviços comuns. O que o Decreto nº 5.450/2005 trouxe de novo está relacionado à aplicação do Pregão para a aquisição de bens e serviços comuns, e a assimilação da versão eletrônica com mecanismo de preferência, se coaduna com a sua sedimentação e prioridade. Consoante Niebuhr (2005) Sistematizar a informação é uma das características que mais marcaram a evolução tecnológica e reduzir distâncias, acelerar a comunicação e aproximar pessoas, facilitando a comunicação do conhecimento. Essa novidade da informação sistematizada chegou à licitação pública por meio da modalidade pregão na forma eletrônica. Gasparini (2007) denomina o pregão eletrônico como sendo: A espécie de pregão em que a disputa pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços comuns à Administração Pública é feita a distância, em sessão pública, por meio de proposta de preços e lances visando melhorá-las, apresentados pela internet. Admitir o pregão e efetivá-lo na sua forma eletrônica tornou viável um eminente incentivo à competição entre os fornecedores, no qual passaram a dar uma credibilidade maior às contratações públicas e aos concursos licitatórios, pois nesta modalidade se reduz sensivelmente as possibilidades de fraudes, conluios, conchavos, e todos os demais meios duvidosos e fraudulentos.

13 9 Assim como os outros, o procedimento do pregão eletrônico é dividido em duas fases, sendo uma preparatória ou interna, constituída pelo conjunto de atos e atividades de caráter preparatório a cargo do órgão administrativo e outra externa ou pregão propriamente dito, constituída pelos atos e atividades que contam com a participação da administração e de terceiros. Fernandes (2006) coloca que Na fase interna se desenvolvem os atos iniciais como a definição do objeto, os preparatórios da convocação, as regras do desenvolvimento do certame e da futura contratação, ou seja, trata-se da preparação para o ato convocatório. O termo inicial dessa fase encontra sua justificativa na necessidade da contratação e requisição do objeto, que deve ser detalhado e especificado no termo de referência. Após, devem ser definidas as exigências para habilitação, diferenciando-se em relação ao pregão presencial quanto à exigência do fornecedor ter seu cadastro sempre em dia no SICAF. Em se tratando dos critérios de aceitação das propostas, incumbe ao pregoeiro observar a relação de pertinência entre o exigido pelo edital e o apresentado pelo licitante, bem como definir as sanções por inadimplemento, pois existe regra própria em relação às penalidades cabíveis que devem ser interpretadas de forma restrita. O art. 55 da Lei Nº 8.666/93 define as regras que fixam as sanções e cláusulas contratuais, uma vez que as normas do pregão só serão válidas até o fim do procedimento. No término, será elaborado um edital contendo o endereçamento eletrônico no seu preâmbulo como também, de modo objetivo, as informações conexas à participação dos licitantes no concurso. A escolha do pregoeiro e da equipe de apoio é feita pela autoridade competente dentre os servidores do órgão ou entidade promotora de licitação. Quanto a fase externa, a mesma tem marco inicial com a publicação do edital, tendo as etapas posteriores regidas de acordo com a metodologia do pregoeiro, pois não existem especificações descritas na legislação. Segundo as regras estabelecidas na Lei nº /02, a convocação é feita pelo aviso do edital, primando que só serão credenciados os licitantes cadastrados no sistema específico utilizado pela contratante. As propostas serão enviadas eletronicamente pelos licitantes até a data e hora marcada para a abertura da sessão, tendo os participantes a prerrogativa de tirar ou colocar novamente as referidas propostas. De acordo com o edital será aberta a sessão pública na qual ocorrerá por meio virtual, sendo como um dos sistemas da União mais usados para contratação por pregão eletrônico, o COMPRASNET, da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento. Procede-se na sequência que segue: abertura da sessão, exame de conformidades das propostas, seleção dos lançadores, etapas de lances, condições para o

14 10 lance, enceramento do momento de lances, negociações, discrepância do sistema, exame de habilitação, recurso e saneamento, período limite para apresentar a documentação. Ao final da sessão, teremos a fase recursal onde o pregoeiro não poderá adjudicar, rechaçando primeiramente a licitação, caso haja recurso e seja dado provimento ao mesmo. Não havendo motivação de recurso, o pregoeiro adjudicará o licitante vencedor, caso contrário, a adjudicação será feita pela autoridade superior. Tudo aquilo que o pregoeiro considerar importante será registrado em Ata, na qual será elaborada pela administração, devendo estar disponível aos licitantes do concurso como também para a sociedade. Desse modo, o processo se concluirá com a homologação, ou seja, com a ratificação do processo pela autoridade superior e posterior convocação do licitante vencedor para assinatura do contrato. Destarte, não resta dúvidas de que a utilização de licitação tipo menor preço é própria para a contratação na Gestão Pública, pois os bens e serviços previstos são comuns, sendo recomendada a utilização da modalidade Pregão Eletrônico, pois tudo indica que tal modalidade afigurar-se-á como a solução mais econômica, além de mais célere e ágil, possibilitando assim a aquisição de preços mais baixos. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao chegar ao fim, conclui-se que é incontestável a eficiência e vantagens que o pregão eletrônico oferece como forma de licitação diante das outras modalidades. É um modelo inovador para a Administração Pública e para as empresas, visto que, para ser utilizado, as organizações devem adaptar-se às mudanças tecnológicas para que possam participar dos concursos virtuais e se manterem competitivas no mercado. O processo de aquisição de bens e serviços da Administração Pública é regulado respectivamente pela gama de leis, a saber, Lei nº /93, Lei nº /02 e ainda pelo Decreto 5.450/05. Vimos que a aplicabilidade da modalidade de pregão eletrônico contribuiu sobremaneira para a administração pública nas suas contratações. Foi verificado que a tecnologia da informação contribui por demais para as negociações com os particulares, uma vez que, dispensa o uso exacerbado de papéis durante o procedimento licitatório, abrindo o leque para todos os interessados, ainda que estejam em longínquos lugares, contribuindo assim, para competitividade e melhores vantagens para o poder público. O pregão pode ser de forma presencial ou eletrônica, sendo duas espécies do mesmo gênero. Independente de sua forma de realização, o seu objeto será aquisição de bens e

15 11 serviços comuns, ou seja, bens e serviços, aonde seus modelos de desenvolvimento e qualidade venham a ser definidos por edital, com influência mercadológica. Esta forma de licitação importa no emprego pleno do princípio da eficiência, com a celeridade e menor rigor do processo licitatório, invertendo as etapas para assim, gerar mais efetividade. Foi visto, que todos os participantes têm a possibilidade de verem suas propostas serem analisadas sem os obstáculos de praxe. Por proporcionar resultados satisfatórios tendentes a reduzir significativamente os valores das ofertas, como assim de desencadear maior fluência nas contratações. O Pregão Eletrônico é importante para atender o princípio da economicidade. Vislumbra-se que a Administração Pública, em todas as suas esferas, após o surgimento da modalidade de pregão eletrônico, passou a contratar ainda mais com as empresas, pois se valorizou a competição isonômica e justa, ponderando que o padrão clássico exibe maiores chances de eventos fraudulentos ou atos de corrupção, sendo exemplos disso o favorecimento individualizado das empresas nas licitações públicas relevando o interesse dos particulares em detrimento do interesse público. O pregão está em perfeita consonância com o nosso hodierno momento legislativo, que vem sedimentando uma ideia de seriedade e maior responsabilidade nos gastos com o erário. Importa frisar que a coletividade não admite nem tolera os atos de agentes públicos corruptos, que desrespeitam o dinheiro público e o próprio contribuinte. Atualmente, são inúmeras as investigações de fraudes nos processos licitatórios, com a descoberta de favorecimentos e do privilégio dado aos interesses individuais, prejudicando a supremacia do interesse público. Desse modo, discute-se acerca das demais modalidades tradicionais de licitação, posto que devam adotar meios que guardem transparência no manejo com o dinheiro público. Importa frisar que, o Pregão Eletrônico é considerado a forma mais democrática de licitação. A aplicabilidade da modalidade de pregão eletrônico oxigena e dinamiza as compras, preza por uma maior competitividade, transparência, eficiência e economia de tempo e gastos públicos para aquisição de bens e serviços. Resta ao final, que o pregão em seu formato eletrônico, tornou-se a melhor via para a Administração Pública contratar com os particulares, uma vez que, salvaguarda os princípios constitucionais que regem a atividade pública, em especial, na prestação eficaz dos serviços públicos.

16 12 A modalidade do pregão eletrônico constitui novidade no mundo das licitações, onde cada vez mais substituirá as ultrapassadas formas licitatórias constantes da Lei n /93 (Lei das Licitações Públicas). ELECTRONIC TRADING SESSIONS: Evolution in the Contracts of Goods and Services in Public Administration ABSTRACT This study aims to analyze a general purpose mechanism for acquisition of goods and services, through the bidding process. We will design history on the forms already used by the public for hire. Such a search will be performed based on bibliographic methodological procedures. In its analysis process will be employed where the deductive method is responsible for generalization, ie, to a general question, bids, particularly treated (trading). The work will be conducted with emphasis on the issue of procurement of goods and services by the government, through the electronic trading system. Keywords: Bidding. Electronic Trading. Public Administration. REFERÊNCIAS ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito administrativo descomplicado. 14. ed. rev., atual e ampl. Rio de Janeiro: Impetus, BITENCOURT, Sidney. Pregão Eletrônico. 2. ed. rev. atual. ampl. Rio de Janeiro: Temas e Idéias, Curso básico de licitação. 2. ed. Rio de Janeiro: Temas & Idéias, BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de Youssef Saio Chali. 8. ed. São Paulo: Atlas, Decreto nº 5.450, de 31 de Maio de Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/decreto/d5504.htm>. Acesso em: 15 maio Decreto nº 5.504, de 05 e Agosto de Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/decreto/d5450.htm>. Acesso em: 15 maio Portal de Compras do Governo Federal COMPRASNET. Disponível em: <http://www.comprasnet.gov.br/>. Acesso em: 15 maio Lei de 17 de julho de Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Disponível em

17 13 <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/decreto/d5450.htm.>. Acesso em: 16 out Lei de 21 de junho de Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm.>. Acesso em: 22 out CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 19. ed. ver., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, CATALANI, Luciane. E-commerce. Rio de janeiro: FGV Editora, p. GASPARINI, Diogenes. Direito administrativo. 12. ed. Rev. e atual. São Paulo: Saraiva, GASPARINI, Diógenes. Pregão presencial e eletrônico. Belo Horizonte: Fórum, JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à legislação do pregão comum e eletrônico. 4. ed. São Paulo: Dialética, Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. 12. ed. São Paulo: Dialética, Pregão (comentários à legislação do pregão comum e eletrônico). 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Dialética, Curso de direito administrativo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 25. ed. São Paulo: Malheiros Editores, MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 19. ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, MOREIRA BRUNO, Reinaldo. Direito administrativo. Belo Horizonte: Del Rey, MOTTA, Carlos Pinto Coelho. Pregão: teoria e prática: nova e antiga idéia em licitação pública. 2. ed. atual. São Paulo: NDJ, NIEBUHR, Joel de Menezes. Pregão presencial e eletrônico. 4. ed. rev., atual. e ampl. Curitiba: Zênite Editora, 2006, p. 40, 43, 47 e 50. PALAVÉRI, Marcelo. Pregão nas licitações municipais. Belo Horizonte: Del Rey, PEREIRA JÚNIOR, Jessé Torres. Comentário à lei de licitações e contratos da administração pública. 6. ed. São Paulo: Renovar, SCARPINELLA, Vera. Licitação na modalidade de pregão. São Paulo: Malheiros, 2003, p. 81.

18 14 SILVA, De Plácido e. Vocabulário jurídico conciso. Rio de Janeiro: Forense, SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, p. 672.

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FAJS Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Curso de Direito Turno: Vespertino Disciplina: Direito Administrativo I Professor: Hédel Torres LICITAÇÕES E CONTRATOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

Noções Gerais das Licitações

Noções Gerais das Licitações Noções Gerais das Licitações Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I Publicação no semestre 2014.1 do curso de Direito. Autor: Albérico Santos Fonseca

Leia mais

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de Goiás Rua 26, nº521, Bairro Santo Antônio CEP: 74.853-070, Goiânia GO Site: http://www.cosemsgo.org.br E-mail: cosemsgoias@gmail.com Fone: (62)

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009

RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009 RESPOSTA A RECURSO ADMINISTRATIVO CONCORRÊNCIA N 006/2009 Trata-se de procedimento licitatório, modalidade Concorrência, cujo objeto é a contratação de empresa do ramo da construção civil para execução

Leia mais

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar os principais aspectos do procedimento licitatório. Iniciaremos com a abordagem do conceito de licitação,

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda.

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda. ILMO. SR. DR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO N. 79/2012 DA FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E A EXTENSAO - FAPEX Pregão Eletrônico nº 79/2012 WEGH ASSESSORIA E LOGISTICA INTERNACIONAL LTDA, com sede na Rua

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA DIREITO ADMINISTRATIVO -PRINCÍPIOS DA ADMINSTRAÇÃO PÚBLICA -PODERES DA ADMINSTRAÇÃO PÚBLICA -ATOS ADMINISTRATIVOS -ESTRUTURA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA -LICITAÇÃO -CONTRATOS ADMINISTRATIVOS -BENS

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 432 LICITAÇÃO Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Discente do Curso

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE BALANÇO PATRIMONIAL POR MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES.

APRESENTAÇÃO DE BALANÇO PATRIMONIAL POR MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES. APRESENTAÇÃO DE BALANÇO PATRIMONIAL POR MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NAS LICITAÇÕES. Renata Lopes de Castro Bonavolontá Advogada especialista em Direito Público pela ESMP/SP. Advogada do Escritório

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 ANNA CAROLINA AZEVEDO BEZERRA 1 JOÃO MARCELO DOS SANTOS SILVA 2 RESUMO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP O Decreto Municipal Nº 49.511/08 regulamenta, no âmbito do Município de São Paulo, as normas definidas na Lei Complementar nº 123/06, que criou o Estatuto

Leia mais

Gabarito 1 Gabarito 2 Gabarito 3 Gabarito 4 11 1 51 21 E E E E PARECER

Gabarito 1 Gabarito 2 Gabarito 3 Gabarito 4 11 1 51 21 E E E E PARECER 11 1 51 21 E E E E Houve interposição de recursos em que os recorrentes, resumidamente, aduziram que a questão deveria ser anulada ou ter o gabarito modificado em virtude de que haveria duas opções com

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO LICITAÇÃO I - CONCEITO - pode-se conceituar licitação como um procedimento administrativo vinculado pelo qual um ente público abre a todos os interessados, que se sujeitem as condições

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Contratação de advogado - inexigibilidade de licitação Wagner Rodolfo Faria Nogueira * INTRÓITO: Uma das grandes divergências encontradas na Lei nº 8.666/93 diz respeito a contratação

Leia mais

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI.

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Camanducaia/MG, 23 de Janeiro de 2013 AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Departamento Regional / BA. Gerência de Suprimentos. Rua Edístio Pondé, n. 342, STIEP, Salvador/BA, CEP. 41.770-395.

Leia mais

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 1 ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 Por: Flavia Daniel Vianna Advogada especialista e instrutora na área das licitações e contratos administrativos. Pós-graduada

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor Brasília Julho/2006

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação.

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Página 1 de 5 PARECER JURÍDICO Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Legislação aplicável: Lei 8.666/93. Lei 12.440/11. Como é de conhecimento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 19 de outubro de 2015. ASSUNTO: ENCAMINHAMENTO AO PRESIDENTE: DECISÃO DA PREGOEIRA EM RELAÇÃO AO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária SEMANAL MENSAL D-43tc 7º 04 04 60 Turma Nome da Disciplina - Curso 2009.2 DIREITO ADMINISTRATIVO II - DIREITO PRÉ-REQUISITO D.36 DIREITO ADMINISTRATIVO I(MATRIZ

Leia mais

Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará

Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará Conheça a nova maneira de vender para o Governo do Pará 1. APRESENTAÇÃO 2. O QUE É O SISTEMA DE COTAÇÃO ELETRÔNICA 3. QUE BENS E SERVIÇOS SERÃO TRANSACIONADOS NO SISTEMA 4. QUEM PODE VENDER OU CONTRATAR

Leia mais

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO - PROGEST Av. José de Sá Maniçoba, S/N Sala 30 Centro, Petrolina-PE - CEP. 56.304-205 Telefax: (87) 2101-6713

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro Brasília 2005 MINISTRO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado, DECRETO N 42.434, DE 09 DE SETEMBRO DE 2003, DOERS. Regulamenta, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a modalidade de licitação denominada pregão, por meio eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 18 de agosto de 2014. MENSAGEM Nº 032/2014 Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com meus cordiais e respeitosos cumprimentos,

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 PERGUNTAS E RESPOSTAS OT Nº 001/11 ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 Este trabalho visa a orientar os agentes administrativos,

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Lilian Verônica Gusmão Miranda 1 Rafat Issa 2 Rosana Borges Silva 3 Francisco Del Ducca Corrêa 4 RESUMO As compras nos setores públicos têm passado

Leia mais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Alterações na LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

Aprovado na 54ª reunião do Conselho de Administração e Assembleia. Geral Ordinária do dia 03/04/2014

Aprovado na 54ª reunião do Conselho de Administração e Assembleia. Geral Ordinária do dia 03/04/2014 REGULAMENTO PARA CONTRATAÇÕES,, COMPRAS DE BENS E SERVIÇOS,, OBRAS E ALIENAÇÕES.. Aprovado na 54ª reunião do Conselho de Administração e Assembleia Geral Ordinária do dia 03/04/2014 0 DAS CONTRATAÇÕES

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS

LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS LICITAÇÃO, CONTRATOS E COMPRAS GOVERNAMENTAIS CURSO DE GESTÃO PÚBLICA THIAGO MONTEIRO BONATTO Porque a Administração Pública deve estabelecer contratos especiais em suas contratações de serviços e aquisições?

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e DECRETO No. 24.818 de 27 JANEIRO DE 2.005 Regulamenta a realização de pregão por meio da utilização de recursos de tecnologia da informação, denominado pregão eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

A CRISE DO MENSALÃO E O PREGÃO ELETRÔNICO

A CRISE DO MENSALÃO E O PREGÃO ELETRÔNICO A CRISE DO MENSALÃO E O PREGÃO ELETRÔNICO Stênio Ribeiro de Oliveira Após a eclosão da crise política do Mensalão, havia premência para demonstrar iniciativas administrativas contundentes de que o governo

Leia mais

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS APRESENTA: CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS INCLUINDO NOVA LEI 7.892/13 DATA: 31 DE AGOSTO E 01 DE SETEMBRO LOCAL: BRASILIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SISPP - SISTEMA DE PREÇOS PRATICADOS Manual do Usuário Brasília

Leia mais

FINALIDADE: Solicitação de Parecer Transporte de Resíduos da Área da Saúde

FINALIDADE: Solicitação de Parecer Transporte de Resíduos da Área da Saúde ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER N 100/2005 ORIGEM: Procuradoria Municipal ASSUNTO: Parecer FINALIDADE:

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA:

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA: CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: Contrato. Obras e serviços de engenharia. Faturamento em nome de fornecedor/fabricante que não participou da licitação.

Leia mais

Questões comentadas sobre Licitação

Questões comentadas sobre Licitação 1 2 Para adquirir a apostila de 350 Questões Comentadas sobre Licitação acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL

Leia mais

Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para:

Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo <araujo.m40@gmail.com> Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para: Marcelino David Bandt Da Costa De: Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para: Marcelino David Bandt Da Costa Assunto: Pedido de

Leia mais

JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO. e Distribuição Eireli ME e Enterprise Comércio e Soluções em TI Ltda EPP, ora

JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO. e Distribuição Eireli ME e Enterprise Comércio e Soluções em TI Ltda EPP, ora Processo: nº 43404/2015-7 Objeto: Aquisição de Equipamentos de TI. Modalidade: Pregão Eletrônico 09/2015 JULGAMENTO SOBRE IMPUGNAÇÃO Cuida-se de reposta ao Pedido de Impugnação ao Edital interposto pelas

Leia mais

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal no PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Outubro/2006 Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança Manual de Compras Hospital Estadual da Criança 2015 1 1- OBJETIVO Definir diretrizes e procedimentos para as compras de materiais e contratação de serviços, visando: A) Diminuição de custos; B) Racionalização

Leia mais

1º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. Quadro de Avisos:

1º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. Quadro de Avisos: Quadro de Avisos: Informo o lançamento dos seguintes cursos aqui no Ponto dos Concursos: Lei nº 8.112/90 em Exercícios (CESPE); Lei nº 8.666/93 em Exercícios (CESPE); Direito Administrativo - PACOTE DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

A ILUSTRÍSSIMA SENHORA SHEILA BATISTA DOS SANTOS PREGOEIRA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO CENTRAL DE COMPRAS

A ILUSTRÍSSIMA SENHORA SHEILA BATISTA DOS SANTOS PREGOEIRA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO CENTRAL DE COMPRAS A ILUSTRÍSSIMA SENHORA SHEILA BATISTA DOS SANTOS PREGOEIRA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO CENTRAL DE COMPRAS C.C.P TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO ESPITIRO SANTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP -

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP - MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP - SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS Manual do Usuário Brasília

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO Pregão Presencial nº: 003/2009-UNEMAT. Processo Administrativo Unemat nº 007/2009-CPL. Processo Administrativo SAD Nº 340.148/2009/SAD. Referência: Pregão Presencial para a Locação

Leia mais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Logística e Serviços Gerais Brasília

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL: 063/2015 JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL OBJETO: Aquisição de equipamentos, sistemas, serviços e outros itens necessários à implantação do gerenciamento eletrônico da freqüência dos

Leia mais

Nota Técnica nº 36/2014

Nota Técnica nº 36/2014 Nota Técnica nº 36/2014 Assunto: Licitação para contratação de agência de publicidade. Procedimentos. Caros clientes e colegas: A GEPAM, no intuito de orientar seus clientes, vem esclarecer sobre a Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE EDITAIS,

ELABORAÇÃO DE EDITAIS, ELABORAÇÃO DE EDITAIS, TERMOS DE REFERÊNCIA E PROJETOS BÁSICOS Os cuidados necessários no planejamento das licitações O direito de preferência para bens e serviços produzidos no Brasil As regras de sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 2 DE MARÇO DE 2011 (*) Estabelece os procedimentos a serem adotados para aquisição de materiais e bens e contratação

Leia mais

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas Matheus Rocha Faganello 1 Resumo: Análise do Regime Diferenciado de Contratações como um regime paralelo à atual Lei Geral

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: O foi desenvolvido com o objetivo de simplificar e agilizar o processo de aquisição de materiais e serviços, atendendo as exigências

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES Processo n. º 01158-5.2006.001 Interessado: PORTO SEGURO CIA. DE SEGUROS GERAIS Referência: Recurso Administrativo. Modalidade

Leia mais

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital.

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital. É possível a uma Fundação de Apoio a uma Universidade, participar da Concorrência nº 002/2013, sabendo-se que a execução técnica das atividades de elaboração do Manual de Contabilidade Regulatório será

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública.

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. PROJETO DE LEI N 3005 DE 2008 Business Online Comunicação de Dados Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. Autor: Regis de Oliveira

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

POLÍTICA ANTITRUSTE DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política Antitruste das Empresas Eletrobras

POLÍTICA ANTITRUSTE DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política Antitruste das Empresas Eletrobras Política Antitruste das Empresas Eletrobras Versão 1.0 19/05/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Referências... 3 4. Princípios... 4 5. Diretrizes... 4 5.1. Corrupção, Suborno & Tráfico

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3

PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República na Paraíba PREGÃO PRESENCIAL N 07/2011-PR/PB PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 3 Referência: Processo n.º 1.24.000.001591/2011-14. Interessado: OMEGATI COMÉRCIO

Leia mais

CURSO ON-LINE LEI Nº 8.666/93 EM EXERCÍCIOS (CESPE) CURSO REGULAR PROFESSOR: ANDERSON LUIZ APRESENTAÇÃO

CURSO ON-LINE LEI Nº 8.666/93 EM EXERCÍCIOS (CESPE) CURSO REGULAR PROFESSOR: ANDERSON LUIZ APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Prezados(as) alunos(as), Meu nome é Anderson Luiz, sou Analista de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União (CGU), da área de Correição. Lotado na Corregedoria-Geral da União, atuo

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1. Com relação à afirmação o convite é a modalidade de licitação, da Lei 8.666/93, que

Leia mais