BREVÍSSIMA ANÁLISE DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA EM JULGADOS DO TJMG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BREVÍSSIMA ANÁLISE DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA EM JULGADOS DO TJMG"

Transcrição

1 BREVÍSSIMA ANÁLISE DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA EM JULGADOS DO TJMG Nirlene da Consolação Oliveira 1 Eduardo Eustáquio de Assis 2 Francianne Valéria da Silva 3 RESUMO: Pelo princípio da separação patrimonial, vigente no Direito empresarial brasileiro, a responsabilidade pelos atos e negócios jurídicos praticados pela pessoa jurídica fica limitada ao seu patrimônio, a menos que seja esta utilizada para acobertar abuso de direito da Personalidade Jurídica, situações em que a sociedade se desvia de sua finalidade e de seu objeto social ou se configura a confusão patrimonial, dificultando a satisfação de créditos. Para tais casos, a desconsideração da proteção à pessoa jurídica é a prestação jurisdicional possível em nosso ordenamento, abstratamente prevista no artigo 50 do Código Civil de 2002 e aplicada, excepcionalmente, no caso concreto, em julgados nem sempre pacíficos. PALAVRAS-CHAVE: Pessoa jurídica; desconsideração da personalidade jurídica; abuso de direito; dissolução irregular. Introdução Inicialmente, a teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica desenvolveu-se nos países cujo Direito se alicerça no sistema common law. Grande parte da doutrina destaca o caso Salomon vs. Salomon & Co. Ltd., 1897, julgado pela House of Lords, na Inglaterra, como sendo o precursor na aplicação da teoria da desconsideração. 1 Graduada em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras de Caratinga MG. Pós-graduada lato sensu em Linguística Aplicada à Língua Portuguesa pela PUC/MG.Pós-graduada lato sensu em Educação Infantil e Alfabetização pela Universidade Castelo Branco. Graduanda em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas Prof. Alberto Deodato. Professora de Língua Portuguesa na RME/BH 2 Graduando em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas Prof. Alberto Deodato 3 Graduanda em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas Prof. Alberto Deodato 1

2 O instituto da Desconsideração da Personalidade Jurídica surgiu no nosso ordenamento, como lembra Marçal Justen Filho (1987), a partir das situações concretas para as quais o operador do direito buscou soluções semelhantes ao que hoje conhecemos como a Desconsideração da Personalidade Jurídica ou disregard doctrine, outra denominação para a mesma teoria. Objetivando alargar as possibilidades de imputar responsabilidades aos sócios, consoante Mônica Gusmão (2011), o afastamento temporário da personalidade jurídica pretende obstar que a sociedade venha encobrir comprovados atos fraudulentos, lesivos a credores. O atual Código Civil agasalhou, em seu artigo 50, a teoria da desconsideração, criando a possibilidade de aplicação pelo judiciário que, se provocado pela parte ou pelo Ministério Público, pode desconsiderar a autonomia patrimonial da pessoa jurídica, estendendo os efeitos de certas e determinadas obrigações ao patrimônio particular dos sócios ou administradores da pessoa Jurídica, em caso de abuso da Personalidade Jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou confusão patrimonial, na letra da lei reportada. Milton Paulo de Carvalho (2006), citado no artigo de Gabriela Helou Garcia (2008), entende que o artigo 50 CC/02 trouxe, além do direito material, orientações de caráter processual, ancoradas nos princípios do devido processo legal e da inércia da jurisdição. Contudo, vem ressaltar que nenhuma lei, nem mesmo o Código Civil, estabelece o procedimento específico para a Desconsideração da Personalidade Jurídica e que, portanto, fica ao arbítrio do juiz a determinação das regras de procedimento a resguardar os direitos da pessoa jurídica, bem como dos sócios e administradores. 1. Personalidade jurídica A Personalidade Jurídica é concessão do Estado a certos entes para que estes atinjam seus objetivos, como o desenvolvimento social e econômico. A Personalidade Jurídica é, então, criação legal que viabiliza o exercício da atividade 2

3 empresarial uma vez que proporciona à pessoa jurídica capacidade formal e material, domicílio, nacionalidade e, o que também destacaremos neste estudo, a autonomia patrimonial. Assim, a responsabilidade patrimonial pelos atos e negócios jurídicos praticados pela pessoa jurídica fica limitada ao seu patrimônio, salvaguardado o patrimônio das pessoas físicas que constituem a sociedade, na qualidade de sócios ou administradores. 2. Desconsideração da Personalidade Jurídica Na proporção de suas cotas, os sócios devem responder subsidiariamente frente aos credores sendo, entretanto, observado o benefício de ordem inserto no artigo 1024 do Código Civil, que vem pôr a descoberto os bens particulares dos sócios somente após exauridos os bens sociais, não havendo, desse modo, a inclusão imediata dos sócios no polo passivo da execução. À luz de Mônica Gusmão (2011), entendemos que o instituto da Desconsideração da Personalidade Jurídica é medida aplicável à sociedade empresarial, em caráter transitório, para que, tendo o sócio agido fraudulentamente no uso de seu direito, venha a responder perante terceiros, de forma solidária e ilimitada, uma vez desconsiderada a Personalidade Jurídica. Por tratar-se de evento transitório, cuja finalidade de aplicação só legalmente se justifica para que se cumpram certas e determinadas obrigações, (art.50 cc/02), a desconsideração da Personalidade Jurídica não se confunde com a despersonalização da sociedade empresária porque esta não finda se atingida pelo instituto em estudo. É a atividade empresarial constituída com determinado objeto e seu exercício deve pautar-se pela licitude, vedados o abuso de direito e a fraude. Ocorrendo, entretanto, de a pessoa jurídica ser utilizada para acobertar atos ilícitos ou para obstar o pagamento de determinadas obrigações, pode o juiz, no curso do processo, descortinar a proteção dada à pessoa jurídica, responsabilizando os sócios e 3

4 administradores implicados, alcançando-lhes o patrimônio pessoal, concretizando-se, assim, a Desconsideração da Personalidade Jurídica. A leitura de fundamentação jurisprudencial do TJMG nos leva a crer que a Desconsideração da Personalidade Jurídica é uma medida excepcional que afasta, momentaneamente, a Personalidade Jurídica da sociedade, para chegar ao patrimônio dos sócios que é, em regra, tratado de forma autônoma ao patrimônio da sociedade. 3. A teoria maior e a teoria menor no direito brasileiro Fábio Ulhoa Coelho (2002) nos ensina que, acerca da Desconsideração da Personalidade Jurídica no direito brasileiro, destacam-se duas teorias: a teoria maior e a teoria menor. A adoção da teoria menor implica em responsabilização dos sócios o simples fato de a sociedade não possuir bens suficientes para o pagamento dos credores, não havendo necessidade da ocorrência de fraude comprovada, primando pela satisfação do credor, na sua condição de hipossuficiente. A teoria menor está presente, no nosso ordenamento, no Direito do Consumidor e no Direito Ambiental. Aqui a insolvência da pessoa jurídica, por si só, já é requisito suficiente para alcançar o patrimônio dos sócios ou administradores. A teoria maior, ao contrário, só levaria o sócio ao polo passivo se comprovada a existência de fraude, de desvio de finalidade social ou confusão patrimonial. Também denominada teoria subjetiva, pela necessidade de se obter provas do abuso da Personalidade Jurídica e da fraude, pressupostos adotados por esta teoria que não tem na insolvência razão suficiente para a Desconsideração da Personalidade Jurídica. 4

5 4. A análise da Desconsideração da Personalidade Jurídica em julgados do TJMG Ao Direito impõe-se a necessidade de atentar-se àquilo que é a sua essência: o equilíbrio. O equilíbrio permeia a prestação jurisdicional na medida em que é o princípio da ampla defesa e do contraditório a guiar o processo. E mesmo a sentença, a pôr fim em uma lide, deverá ser proporcional ao delito ou dano praticado. Sabe-se, por outro lado, que o direito brasileiro dotou a pessoa jurídica de uma proteção especial, buscando a preservação e a intangibilidade da Personalidade Jurídica, restando excepcionalíssima, como ensina a doutrina pertinente e a jurisprudência, a desconsideração de tal personalidade, somente sendo possível nos ditames do artigo 50 do Código Civil de Este escudo protetor da sociedade, na verdade, proteção também o é para os sócios que, em caso de inadimplência da sociedade, se eximem de responsabilidades que extrapolam suas cotas, desde que não comprovados os requisitos que autorizam a desconsideração. Em regra, nas lições de Rubens Requião, as pessoas físicas dos sócios não respondem pelas dívidas da pessoa Jurídica, por se tratarem de pessoas distintas e que os patrimônios são inconfundíveis pois apenas ocorre a responsabilidade subsidiária, pessoal do sócio solidário não se poderia compreender, dentro dos ditames da lógica, pudessem fatos da sociedade envolver a pessoa física do sócio, ou, ao revés, vicissitudes dos sócios comprometer a vida social. (REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial, São Paulo, Saraiva, 2003,v.1, p. 376). Assim, o que se poderia presumir um desequilíbrio sustentado pela proteção da Personalidade Jurídica, não o é porque, sendo a pessoa jurídica dotada de patrimônio próprio e controle administrativo, é de se esperar que possa ela, e sozinha, fazer frente aos credores, satisfazendo suas obrigações. 5

6 Todavia, não raros são os casos em que a sociedade não possui bens suficientes para garantir uma execução, e que o credor, vendo seu devedor diante das possibilidades previstas no artigo 50, CC/02, busca uma prestação jurisdicional, requerendo a Desconsideração da Personalidade Jurídica do ente devedor. Neste ponto, paira a preocupação que norteia este estudo. Segundo a mestra Daniela Vasconcellos Gomes (2010), o artigo 50, código civil de 2002, não é taxativo, apresentando apenas duas hipóteses de abuso da Personalidade Jurídica, a saber, o desvio de finalidade e a confusão patrimonial, estando a interpretação da ocorrência delas ao arbítrio do juiz ao se deparar com o caso concreto. O que vem a ser, então, situações que ensejariam a caracterização do abuso da Personalidade Jurídica? Na intenção precípua de entender este genérico conceito, tome-se, como conversa inicial, sujeita aos pecados de uma pesquisa incipiente, a análise dos primeiros 40 (quarenta) acórdãos listados no site do Tribunal de Justiça de Minas Gerais em 20 de janeiro de Desses quarenta acórdãos referidos, NOVE decidiram favoravelmente à solicitação de Desconsideração da Personalidade Jurídica e VINTE E OITO decidiram contrariamente à aplicação desse instituto. Os outros três tiveram questões ou de nulidade ou de extinção do processo. Note-se, ainda, em breve análise, que apenas em três processos decidiu o juiz de primeira instância em favor da Desconsideração da Personalidade Jurídica da sociedade e, em um dos casos, a decisão primeva foi ratificada pelo juiz ad quem e as outras duas foram reformadas em 2ª instância. Não é então equivocado o entendimento de que, na Justiça Mineira, no recorte estudado, o assunto da Desconsideração da Personalidade Jurídica é mesmo tratado em caráter excepcional, como dirá o desembargador Elpídio Donizetti, 2008, o ordinário é a preservação da Personalidade Jurídica e da responsabilidade civil da sociedade que firmou o negócio jurídico. Passemos agora a discorrer sobre as situações em que se enquadraram os NOVE casos em que as sociedades em questão perderam o manto protetivo de sua Personalidade Jurídica. 6

7 Nas razões de decidir nos reportados julgados estão quase unanimente declaradas expressões que se assemelham semanticamente a encerramento ou dissolução irregular da sociedade e prova inconteste de abuso de direito da Personalidade Jurídica. Se esta uniformidade de fundamentação parece pacífica entre os juízos, o mesmo não se dá quanto ao entendimento que se tem da situação fática e de direito que a ela leva. 5. Duas questões controvertidas 5.1. O que é encerramento irregular? Das negativas a provimento de recurso de Desconsideração da Personalidade Jurídica, reiteradas são as decisões em que os desembargadores alegam ausência de comprovação dos requisitos do artigo 50 CC/02. Segundo Ana Caroline Santos Ceolin, 2002, este é o terceiro dos três critérios por ela elencados, para se desconsiderar a Personalidade Jurídica. Pondera a autora que, se no nosso ordenamento não existe dispositivo que autorize a presunção de fraude, ou de qualquer outra ilicitude, o magistrado tem o dever de exigir do credor as provas de que a sociedade fora utilizada de forma abusiva e fraudulenta. Dentre tais provas, como a mais recorrida razão para desconsiderar a Personalidade Jurídica, encontra-se o encerramento irregular da sociedade. Mas a celeuma persiste quando a tarefa é o entendimento do que vem a ser tal encerramento irregular, ponto de divergência nos votos dos desembargadores. Em seu relatório, o desembargador Alberto Henrique (1), TJMG, ao dar o seu parecer sobre o encerramento irregular de uma sociedade sob judice, escreve que foi comprovada a dissolução da sociedade de forma irregular, pois não foi precedida do 7

8 pagamento das dívidas, o que, por si só, leva à Desconsideração da Personalidade Jurídica. Já a desembargadora Evangelina Castilho Duarte (2), em resposta a agravo de instrumento, entendeu como paralisadas as atividades de uma sociedade pautandose em informação da Receita Federal, pesando também pela desconsideração, o fato comprovado da inexistência de bens suficientes para garantir o pagamento do débito, fundamentando-se em pronunciamento anterior (3) do qual transcreveu que a alteração contratual da sociedade comercial só tem efeito perante terceiros quando devidamente depositada na Jucemg, constituindo irregularidade no fechamento se dessa forma não se proceder Que entendimento sobre abuso de direito fomentaria a Desconsideração da Personalidade Jurídica? A interpretação do que vem a ser abuso de direito reveste-se de grande relevância na medida em que a ilicitude dele decorrente é que vai ensejar uma ação de responsabilidade direta e solidária dos sócios, já no processo de conhecimento, ou a possibilidade de Desconsideração da Personalidade Jurídica, no processo, com a necessidade de provas incontestáveis. Mônica Gusmão (2011) nos ensina que a Desconsideração da Personalidade Jurídica não é o instituto cabível se a responsabilidade do sócio decorrer da lei, havido como ilícito o ato praticado, conforme disposição do artigo 187 do código civil sobre o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes, no uso abusivo de seu direito. Com esse entendimento, esta autora sustenta que o prejudicado pelo referido ato de abuso de direito, pode demandar o sócio diretamente porque houve a prática do ato ilícito, sendo devida, e prevista, a reparação do dano. 8

9 Por outro lado, considera abuso da Personalidade Jurídica o desvio de finalidade e este, como sendo a utilização da sociedade, pelo sócio, ainda que dentro de seu objeto social, mas com a intenção de auferir vantagens indevidas, afirmando que o ato praticado pelo sócio é fraude, apesar da vestimenta de licitude, situação em que é cabível a Desconsideração da Personalidade Jurídica. 6. A Desconsideração da Personalidade Jurídica no processo de execução ou em ação autônoma A falta de comprovação do abuso da Personalidade Jurídica é, no estudo feito, a fundamentação mais reincidente nos casos em que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais não deu provimento à Desconsideração da Personalidade Jurídica. Em seguida, quando não concomitante à fundamentação aludida, argumentam os magistrados não ter sido concedido, conforme prescreve a Constituição, o direito ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa. Esta argumentação é flagrada principalmente nos processos em que a Desconsideração da Personalidade Jurídica é requerida, incidentalmente, no bojo de um processo de execução. Embora, consoante nos esclarece Mônica Gusmão (2011), a doutrina tradicional não reconheça a desconsideração incidental, assegurando que os bens do sócio não constante no polo passivo da relação processual possam ser apenhados, sem prejuízo ao devido processo legal, a jurisprudência, com largueza, vem nos apontar a inexigibilidade de ação própria e a este respeito diz o relato da Ministra Nancy Andrighi que a aplicação da teoria da Desconsideração da Personalidade Jurídica dispensa a propositura de ação autônoma para tal. Verificados os pressupostos de sua incidência, poderá o Juiz, incidentalmente no próprio processo de execução (singular ou coletiva), levantar o véu da Personalidade Jurídica para que o ato de expropriação atinja terceiros envolvidos, de forma a impedir a concretização de fraude à lei ou contra terceiros.(4) 9

10 Em consonância com tal postura, proferiu voto o desembargador Alberto Henrique (5), TJMG, dizendo que em respeito aos princípios da razoabilidade, da celeridade e da economia processual, a medida pode ser deferida na própria execução, independente de prévio pronunciamento judicial. Entendimento contrário tem o desembargador Valdez Leite Machado que, em seu voto em relação a Agravo de Instrumento remetido ao TJMG, vem ressaltar que para ser declarada a ocorrência de excesso de mandato ou de atos praticados contra a lei ou o contrato, o caminho a seguir é o ajuizamento de ação de conhecimento, a qual garante aos litigantes o contraditório e a ampla defesa, como forma de se obter o devido processo legal. (6) Desta feita, tendo negado provimento ao recurso de Desconsideração da Personalidade Jurídica. Neste raciocínio, acompanha o desembargador Valdez Leite Machado o doutrinador Fábio Uhoa, ao nos dizer que o juiz não pode desconsiderar a separação entre a pessoa jurídica e seus integrantes senão por meio de ação judicial própria, de caráter cognitivo, movida pelo credor da sociedade contra os sócios ou seus controladores. (COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2002, V.2, 5ed., p.55). 7. Considerações finais Quem, por ventura, teria maior interesse na celeridade da justiça: o devedor ou o credor? Se considerarmos um devedor de má-fé, quantos benefícios lhe traria uma justiça lenta, cuja marcha desidiosa lhe permitisse ocultar provas, bem como desviar qualquer patrimônio hábil a satisfazer a obrigação devida. Tome por certo que a interpretação do artigo 50 do Código Civil é uma porta aberta, mas não escancarada. Se, de todo, o abuso da Personalidade Jurídica nele não está exaustivamente caracterizado, não resta, por outro lado, a menor sombra de 10

11 dúvida de que expressa também não está a necessidade de instaurar uma ação autônoma para aplicação da Desconsideração da Personalidade Jurídica. Se requerida como um incidente processual, a aplicação da teoria só é possível com a devida citação e defesa da parte contrária. Assim sendo, uma negativa apressada do juiz em aplicá-la não encontra razão e abre espaço para que aqueles que, ungidos de má-fé, ganhem tempo para fazer o estabelecimento comercial desaparecer (encerramento irregular), para ocultar provas de desvio de finalidade e blindar patrimônio das pessoas naturais que constituem a sociedade. Quando a lide chega aos tribunais não há mais como garantir o direito do credor. Referências: JUSTEN FILHO, Marçal. Desconsideração da personalidade societária no Direito brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, GARCIA, Gabriela Helou. Aspectos Processuais da Desconsideração da Personalidade Jurídica. Disponível em Acesso em 19/10/2010 GUSMÃO, Mônica. Lições de Direito Empresarial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 10ª ed COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. V.2.5.ed.rev. e atual. De acordo com o novo código civil e alterações da LSA. São Paulo: Saraiva, REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial, São Paulo, Saraiva, 2003,v.1, p GOMES, Daniela Vasconcellos. A teoria da desconsideração da personalidade jurídica e o Código Civil de Jus Navigandi, Teresina, ano 15, n. 2622, 5 set Disponível em: Acesso em 11/10/2010. CEOLIN, Ana Caroline Santos. Abusos na aplicação da teoria da DESCONSIDERAÇÃO da PERSONALIDADE JURÍDICA. Belo Horizonte: Del Rey, DONIZETTI, Elpídio. Curso Didático de Direito Processual Civil, Ed. Lúmen Júris, 10ª edição, 2008, p Notas: 11

12 1. Agravo de Instrumento Cível nº /003 TJMG Des. Alberto Henrique Data do Julgamento: 19/11/ Agravo de Instrumento nº /001 TJMG Desª. Evangelina Castilho Duarte Data do Julgamento: 03/09/ Apelação Cível n: ª Câmara Civil Relator: Des. Belizário de Lacerda Data do Julgamento: STJ MRS 12872/SP Rel. Min. Nancy Andrighi 3ª Turma j. 24/6/ Agravo de Instrumento Cível nº /003 TJMG Des. Alberto Henrique Data do Julgamento: 19/11/ Agravo de Instrumento n /001 TJMG Des. Valdez Leite Machado Data do Julgamento: 03/10/09 12

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Josyane Mansano 1 ; Marcos

Leia mais

INFORMATIVO. num. num. pessoa jurídica seja utilizada como véu protetor de realizações fraudulentas por parte dos sócios ou administradores.

INFORMATIVO. num. num. pessoa jurídica seja utilizada como véu protetor de realizações fraudulentas por parte dos sócios ou administradores. BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 12 09 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 12ª Edição Prezado Leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP O cenário atual Redirecionamento de execuções fiscais contra empresas do grupo econômico

Leia mais

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada.

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Obrigação: débito compromisso do devedor responsabilidade -

Leia mais

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA Gina Copola (abril de 2.013) I - A doutrina pátria tem se debruçado com afinco nos últimos anos sobre o controvertido tema relativo

Leia mais

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente

A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades. Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente A responsabilidade tributária na dissolução das sociedades Cristiano Carvalho Pós-Doutor U.C. Berkeley e Livredocente USP Responsabilidade Limitada Origens na Roma antiga; Desenvolvimento na Europa medieval/renascentista

Leia mais

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS QUAIS SÃO SEUS RISCOS E RESPONSABILIDADES? Thaissa Taques EMPRESAS MÉDICAS Quando a sociedade vai mal o sócio também padece, e vice-versa

Leia mais

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br A DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA POR DÍVIDAS TRABALHISTAS ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br Apresentação Palestrante: Antonio Carlos Antunes Junior Pós-graduado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 0037321-84.2011.8.19.0000 1ª

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 0037321-84.2011.8.19.0000 1ª 1ª Vara Cível de Nova Iguaçu Agravante: Sindicato dos Empregados no Comércio de Duque de Caxias São João de Meriti Magé e Guapimirim Agravado: Supermercados Alto da Posse Ltda. Relator: DES. MILTON FERNANDES

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000104277 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9000088-33.2009.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça O estudo do instituto da DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA, exige a compreensão do que a

Leia mais

que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento

que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento Desconsideração da personalidade jurídica 3. Desconsideração da personalidade jurídica sempre que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento dos consumidores O CDC foi além, consagrando, no

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO Registro: 2013.0000227069 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0051818-40.2013.8.26.0000, da Comarca de Barueri, em que é agravante ITAU UNIBANCO S/A, são agravados

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa; Doutora pela PUC/SP; Mestre pela UFC; Professora Graduação

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m

ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA 7 0 REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.351388-9/001 Númeração 3513889- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Rogério Medeiros Des.(a) Rogério Medeiros 05/11/2013 14/11/2013 EMENTA:

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : S B : JASON SOARES DE ALBERGARIA FILHO E OUTRO : T C DA C : EBER CARVALHO DE MELO E OUTRO EMENTA Direito civil e processual civil.

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores NEVES AMORIM (Presidente) e JOSÉ JOAQUIM DOS SANTOS.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores NEVES AMORIM (Presidente) e JOSÉ JOAQUIM DOS SANTOS. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000130476 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0195036-54.2012.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante TANIA MARIA SIMÕES BRAZ (JUSTIÇA

Leia mais

CASO CONATRI (Revista Forense, vol. 339, p. 312) 1. Observação preliminar

CASO CONATRI (Revista Forense, vol. 339, p. 312) 1. Observação preliminar CASO CONATRI (Revista Forense, vol. 339, p. 312) Caso Conatri 4) Ruim Barbosa Cia Ltda 1. André Garcia 2. Bernardo Leite 3. Davi Fraga 4. Filipe Cunha 5. Fabio Gondim 1. Observação preliminar Este caso

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira AC no 035.2005.000.557-4/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 035.2005.000.5 001

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES. ALAN SEBASTIÃO DE SENA CONCEIÇÃO RELATÓRIO E VOTO Anna

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO 17ª Turma

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO 17ª Turma PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO 17ª Turma 17ª TURMA RECURSO ORDINÁRIO - PJE TRT/SP Nº 1001529-71.2014.5.02.0323 RECORRENTE: SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA 267 REGISTRADO(A) SOB N

ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA 267 REGISTRADO(A) SOB N TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO > TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA 267 REGISTRADO(A) SOB N Apelação n 2 ACÓRDÃO IIIIIIIIIIIIIIIIIM *03715825* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0003477-9/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE PITANGA IMPETRANTE...: JOÃO OLÍVIO BENTO DA SILVA AUTORIDADE COATORA...: JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA COMARCA

Leia mais

A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA

A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA * Denis Domingues Hermida 1 Quando da propositura da reclamação trabalhista, cabe ao Advogado não só dirigir a sua

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 DECISÃO Processo nº: 0005814-34.2013.8.26.0229 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Mabe Brasil Eletrodomésticos Ltda Tipo Completo da Parte Nome da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG,

Nesses termos, pede deferimento. Uberaba/MG, MERITÍSSIMA JUÍZA DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE UBERABA/ MINAS GERAIS. Autos n. 701. Secretaria cível BANCO xxxx., já qualificado nos autos epigrafados da AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N.º 09/2013 OBJETO: Juízo Competente Para Deferir Pedido de Recuperação Judicial INTERESSADA: 1ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DO FORO REGIONAL DE ARAUCÁRIA/PR CONSULTA N. 09/2013: 1. Cuida-se de consulta

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO

: DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO fls.1/1 RELATOR(A) RELATORA ACÓRDÃO APELANTE ADVOGADO APELADO PROCURADOR PARA : DESEMBARGADOR FEDERAL LEOMAR BARROS AMORIM DE SOUSA : DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO : JEOVA DE SOUSA PIMENTEL

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO?

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Hellen Caroline Ordones Nery Bucair 1 INTRODUÇÃO O empresário individual,

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6)

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MAGALY APARECIDA SALORNO : ANA APULA PICCHI DANCONA VIVIANE DUARTE GONÇALVES E OUTRO(S) : SUL

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução

REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução Demócrito Reinaldo Filho Juiz de Direito em PE Na sua última reunião (do dia 22.06.04), o Fórum permanente dos

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.15.036232-5/000 Númeração 0362325- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Raimundo Messias Júnior Des.(a) Raimundo Messias Júnior 06/10/2015 08/10/2015

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 468.333 - MS (2002/0108270-6) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : GILBERTO EIFLER MORAES E OUTRO(S) RECORRIDO : LEODARCY DA SILVA ANGELIERI

Leia mais

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG.

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. PROCESSO: 007910 017400-6 / 0174006-57.2010.8.13.0079 JULIANA FERREIRA

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

INSTRUMENTO. EXECUÇÃO

INSTRUMENTO. EXECUÇÃO Agravo de Instrumento nº 783847-3, da Comarca de Sengés, Vara Única. Agravante : Banco Safra S.A. Agravada : Linea Paraná Madeiras Ltda. Relator : Desembargador Paulo Cezar Bellio. AGRAVO DE INSTRUMENTO.

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

<CABBCCABADDACABCCBBACAABDCDAABCBACBAA DDADAAAD> EMENTA: TRIBUTÁRIO ANULAÇÃO DE AUTO DE INFRAÇÃO FISCAL ITCD DOAÇÃO DE COTAS SOCIAIS TRANSAÇÃO REALIZADA ENTRE PARTICULARES SEM QUALQUER PUBLICIDADE INOCORRÊNCIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 5ª CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 5ª CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO fls. 1 Registro: 2013.0000674980 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0128623-34.2013.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível n2 200.2009.027892-61001 Origem : 13 2 Vara Cível da Comarca da Capital Relator : Desembargador Frederico Martinho da Nóbrega

Leia mais

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO.

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. A inexistência de intimação para o devedor se manifestar em relação à avaliação realizada implica em nulidade do processo. Esse fato macula de nulidade a arrematação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.765 - MT (2008/0157397-5) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR: Cuida-se de recurso especial contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Mato

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2011, do Senador Armando Monteiro, que acrescenta os arts. 15-A, 15-B e 15-C à Lei nº 6.830, de 22 de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 122610/AL (0001933-12.2012.4.05.0000) AGRTE : CRISTINA MOREIRA DE BRITO TENORIO ADV/PROC : FLÁVIO ADRIANO REBELO BRANDAO SANTOS E OUTRO AGRDO : FAZENDA NACIONAL ORIGEM: 5ª VARA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 866.249 - SP (2006/0131792-5) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. PREJUDICIALIDADE EXTERNA ENTRE AÇÃO POSSESSÓRIA E USUCAPIÃO ESPECIAL URBANO. INEXISTÊNCIA.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA APELAÇÃO CÍVEL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO APRESENTADO EM JUÍZO. RECURSO DO RÉU. A transação em juízo não exige a intervenção de advogados, restando válido o acordo pactuado no presente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.173 - MT (2010/0215316-5) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : SIRIANNI E SIRIANNI LTDA ADVOGADO : MARCELO MARTINS DE OLIVEIRA RECORRIDO : ELÉTRICA SERPAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000259028 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0061195-35.2013.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante CRISTIANO DE BRITO BANDEIRA,

Leia mais

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: BANCO DO BRASIL S/A APELANTE: CLAUDIO FELIPE CUSTODIO LESSA APELADO: OS MESMOS RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Relação de consumo.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000211966 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017429-98.2010.8.26.0011, da Comarca de, em que é apelante ILZA ARAÚJO DOS SANTOS (JUSTIÇA GRATUITA), é apelado

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0035645-81.2011.4.03.0000/SP

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0035645-81.2011.4.03.0000/SP AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0035645-81.2011.4.03.0000/SP EMENTA AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXECUÇÃO FISCAL. GRUPO ECONÔMICO DE FATO. DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA PARA ALCANÇAR EMPRESA DIVERSA. MEDIDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais