Revista da Faculdade Mineira de Direito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista da Faculdade Mineira de Direito"

Transcrição

1 Revista da Faculdade Mineira de Direito

2 Edi t o r / Publisher Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira (PUC Minas) Con s e l h o Ed i t o r i a l / Publishing council Flaviane de Magalhães Barros (PUC Minas) Giacomo Marramao (Università degli Studi di Roma III) Leonardo Nemer Caldeira Brant (PUC Minas) Marcelo Andrade Cattoni de Oliveira (PUC Minas) Marcelo Campos Galuppo (PUC Minas) Marciano Seabra de Godoi (PUC Minas) Maria de Fátima Freire de Sá (PUC Minas) Maurício José Godinho (PUC Minas) Menelick de Carvalho Netto (UnB) Con s e l h o Científico / Scientific council Aldacy Rachid Coutinho (UFPr) Alexandre de Morais Rosa (Univali) Alexandre Ronaldo da Maia de Farias (UFPE) Carlos Augusto Canêdo Gonçalves da Silva (PUC Minas) Carlos Maria Romeo Casabona (Universidad de Deusto) César Augusto de Castro Fiuza (PUC Minas) Davi Monteiro Diniz (UnB) Eduardo Bianca Bittar (USP) Fausto de Quadros (Universidade de Lisboa) Fernando Horta Tavares (PUC Minas) Flaviane de Magalhães Barros (PUC Minas) Florivaldo Dutra de Araújo (UFMG) Gabriela Neves Delgado (UFMG) Giacomo Marramao (Università degli Studi di Roma III) Joaquim de Souza Ribeiro (Universidade de Coimbra) Jorge Bacelar Gouveia (Universidade Nova de Lisboa) Jorge Douglas Price (Universidad de Comahue) José Luis Bolzan de Morais (Unisinos) Leonardo Nemer Caldeira Brant (PUC Minas) Marcelo Campos Galuppo (PUC Minas) Marciano Seabra de Godoi (PUC Minas) Maria de Fátima Freire de Sá (PUC Minas) Maurício José Godinho (PUC Minas) Menelick de Carvalho Netto (UnB) Nádia Araújo (PUC RJ) Viginia Zambrano (Università degli Studi di Salerno) A indicação do Editor, Conselho Científico e Conselho Editorial é pelo prazo de 3 (três) anos, renováveis, e compreende o período entre o 2 o semestre de 2007 e o 1 o semestre de The nomination for the publisher, for the publishing council and for the scientific council is to a period of three years ( ). Indexadores / Indexers Latindex Ulrichs Biblioteca do Senado Federal (Brasil) Clase Com i s s ã o ed i t o r i a l Con s e l h o ed i t o r i a l Dir e t o r Coordenação editorial Assistente editorial Rev i s ã o EDITORA PUC MINAS Ângela Vaz Leão (PUC Minas); Graça Paulino (UFMG); José Newton Garcia de Araújo (PUC Minas); Maria Zilda Cury (UFMG); Oswaldo Bueno Amorim Filho (PUC Minas) Antônio Cota Marçal (PUC Minas); Benjamin Abdalla (USP); Carlos Reis (Univ. de Coimbra); Dídima Olave Farias (Univ. del Bío-Bío - Chile); Evando Mirra de Paula e Silva (UFMG); Gonçalo Byrne (Lisboa); José Salomão Amorim (UnB); José Viriato Coelho Vargas (UFPR); Kabengele Munanga (USP); Lélia Parreira Duarte (PUC Minas); Leonardo Barci Castriota (UFMG); Maria Lúcia Lepecki (Univ. de Lisboa); Philippe Remy Bernard Devloo (Unicamp); Regina Leite Garcia (UFF); Rita Chaves (USP); Sylvio Bandeira de Mello (UFBA) Geraldo Márcio Alves Guimarães Cláudia Teles de Menezes Teixeira Maria Cristina Araújo Rabelo Astrid Masetti Lobo Costa e Virgínia Mata Machado EDITORA PUC MINAS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Rua Pe. Pedro Evangelista, 377 Cep Coração Eucarístico Tel (31) Fax (31) Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

3 ISSN Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Faculdade Mineira de Direito Revista da Faculdade Mineira de Direito Rev. da Fac. Min. de Direito Belo Horizonte v. 11 n. 22 p º sem. 2008

4 Grã o-ch a n c e l e r Rei t o r Vic e-re i t o r a Assessor especial da Reitoria Chefe de gabinete do Reitor Pró-re i t o r e s PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Dom Walmor Oliveira de Azevedo Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães Patrícia Bernardes José Tarcísio Amorim Paulo Roberto de Sousa Ext e n s ã o Wanderley Chieppe Felippe Ges t ã o Fi n a n c e i r a Paulo Sérgio Gontijo do Carmo Gra d u a ç ã o Maria Inês Martins Inf r a -es t r u t u r a Rômulo Albertini Rigueira Log í s t i c a Sérgio de Morais Hanriot Pe s q u i s a e de Pó s-gr a d u a ç ã o João Francisco de Abreu Pla n e j a m e n t o e De s e n v o l v i m e n t o In s t i t u c i o n a l Carlos Francisco Gomes Rec u r s o s Hu m a n o s Alexandre Rezende Guimarães Arc o s Marcelo Leite Metzker Bar r e i r o Renato Moreira Hadad Bet i m Eugênio Batista Leite Con t a g e m Maria José Viana Marinho de Mattos Po ç o s de Ca l d a s Iran Calixto Abrão São Ga b r i e l Miguel Alonso de Gouvêa Valle Ser r o e Gua n h ã e s Ronaldo Rajão Santiago FACULDADE MINEIRA DE DIREITO Colegiado de Coordenação Didática Walsir Edson Rodrigues Júnior (Coo r d e n a d o r ) Edimur Ferreira de Faria Leonardo Macedo Poli Maria Cristina Seixas Vilani Coordenadorias Acadêmicas pe s q u i s a Marinella Machado Araújo at i v i d a d e s co m p l e m e n t a r e s Flaviane de Magalhães Barros Ex t e n s ã o Fernando Horta Tavares mo n i t o r i a Álvaro Ricardo de Souza Cruz mo n o g r a fi a Carlos Augusto Canedo Gonçalves da Silva Lusia Ribeiro Pereira (Coo r d e n a d o r a ad j u n t a ) Programa de Pós-graduação em Direito Marcelo Campos Galuppo (Coo r d e n a d o r ) Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais R449 Revista da Faculdade Mineira de Direito. v.1, n.1 (jan./jun ). Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, v. ISSN Semestral 1. Direito - Periódicos. I. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Faculdade Mineira de Direito. CDU: 34(05)

5 Sumário Contents 7 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje (History of the systems of thought and conditions of feasibility of the human rights discourse in Brazil today) Ada l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o 19 Justiça transicional, direitos humanos e a seletividade do ativismo judicial no Brasil (Transitional justice, human rights and the selectivity of judicial activism in Brazil) Ale x a n d r e Ga r r i d o da Si l v a José Ribas Vieira 47 A dialética entre os processos de globalização e de integração na perspectiva de construção de um espaço comunitário (The dialectics between globalization and integration processes in the perspective of a communitarian space construction) Bruno Wanderley Júnior Sil v e s t r e Eu s t á q u i o Ro s s i Pa c h e c o 65 Perigos de uma hermenêutica civil-constitucional (Dangers of a constitutionalized hermeneutics of Private Law) Cés a r Fi u z a 77 Aplicabilidade do mandado de injunção como viabilizador do exercício do direito social ao lazer (Applicability of Writ of Injunction as a vehicle for the exercise of the social right to leisure) Fernando José Armando Ribeiro Bernardo Augusto Ferreira Duarte 101 Direito civil (em crise) e a busca de sua razão antropocêntrica (Civil Law (in crisis) and the search of its anthropocentric reason) Gus t a v o Pe r e i r a Le i t e Ri b e i r o 113 A eficácia imediata dos direitos fundamentais individuais nas relações privadas e a ponderação de interesses (The immediate efficacy of individual basic rights in private relations and the balance of interests) Jos é Ro b e r t o Fr e i r e Pi m e n t a Juliana Augusta Medeiros de Barros

6 129 Uma perspectiva histórica do conceito de propriedade (A historical perspective of the concept of property) Júlio Aguiar de Oliveira Edg a r Ga s t ó n Ja c o b s Fl o r e s Fi l h o 141 Direito de propriedade intelectual, tecnologia e interoperabilidade: estudo à luz das limitações aos direitos patrimoniais de autor (Law of intellectual property, technology and interoperability: a study based on limits to copyright) Mic h a e l Cé s a r Si l v a Rob e r t o He n r i q u e Po r t o No g u e i r a Sávio de Aguiar Soares Ali s s o n Co s t a Sam u e l Mo u r a Eri c Fe r n a n d e s 157 O procedimento discursivo de elaboração das convenções de condomínio (The speech procedure of elaboration of Master Deeds in condominiums) Ren a t o Ma r c u c i Ba r b o s a da Si l v e i r a 167 Codificação e interpretação no devir histórico da experiência jurídica romana (Codification and interpretation in the historical development of the Roman juridical experience) Sau l o de Ol i v e i r a Pi n t o Co e l h o 197 O reconhecimento em Hegel: leituras de Labarrière (The concept of recognition in Hegel s Phenomenology of Spirit: Labarrière reading Hegel) The r e s a Ca l v e t de Ma g a l h ã e s Normas para os colaboradores Rules for collaborators Outros periódicos/ PUC Minas Rev. da Fac. Min. de Direito Belo Horizonte v. 11 n. 22 p º sem. 2008

7 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje (History of the systems of thought and conditions of feasibility of the human rights discourse in Brazil today) Ada l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o * Resumo Este trabalho objetiva analisar condições de possibilidade para a efetividade do discurso dos direitos humanos no Brasil após a vigência da Constituição Federal de Partindo-se do princípio da dignidade da pessoa humana e do paradigma do Estado Democrático de Direito, relacionados com a possibilidade de livre afirmação das identidades individuais e coletivas em um horizonte de cultura política de direitos humanos, desenvolve-se uma análise normativa e sociológica sobre o que deve ser o sujeito de direito e sobre as condições a que esse sujeito está submetido na sociedade brasileira contemporânea. Utiliza-se, como ponto de partida e referencial teórico desta pesquisa, a metodologia da história dos sistemas de pensamento proposta por Michel Foucault, que se destaca como ponto de reflexão interdisciplinar para a investigação crítica sobre a efetividade do discurso dos direitos humanos no Brasil atual por meio da tríplice e relacional tematização envolvendo o sujeito, o poder e o saber, ou seja, a Ética, a Política e a Ciência. Palavras-chave História dos sistemas de pensamento; Direitos humanos. Abstract This paper aims to analyze conditions of feasibility of the human rights discourse in Brazil after the promulgation of the 1988 Federal Constitution. Based on the principle of dignity of the human being and on the paradigm of the Democratic Rule of Law, related with the possibility of free affirmation of individual and collective identities in a horizon of political culture of human rights, a normative and sociological analysis is developed concerning what must be the citizen of law and the conditions this citizen is submitted to in contemporary Brazilian society. The starting point and theoretical reference of this research is Michel Foucault s methodology of history of the systems * Mestre e doutorando em Filosofia do Direito, professor da PUC Minas. 7

8 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje of thought, an outstanding landmark for interdisciplinary reflection in the critical inquiry into the effectiveness of the human rights discourse in contemporary Brazil, through the relations between citizen, social power and knowledge, that is, Ethics, Politics and Science. Key words History of the systems of thought; Human rights. Este trabalho propõe uma análise do discurso dos direitos humanos no Brasil contemporâneo a partir da metodologia da história dos sistemas de pensamento, desenvolvida por Michel Foucault. 1 Nessa perspectiva, a dignidade da pessoa humana e o Estado Democrático de Direito emergem como estruturas paradigmáticas, jurídica e politicamente institucionalizadas pela Constituição Brasileira de Assim, o discurso dos direitos humanos desponta como estrutura das práticas discursivas que configuram a sociedade brasileira contemporânea. Contudo, sustenta-se que a dimensão jurídico-normativa do discurso dos direitos humanos é insuficiente para os propósitos de uma reflexão pautada na complexa metodologia de Foucault. Considerar a relação constitutiva entre a dignidade da pessoa humana e o Estado Democrático de Direito pela história dos sistemas de pensamento, ou seja, analisar o discurso dos direitos humanos consignado na atual Constituição Brasileira pela história dos sistemas de pensamento demanda atentar para as formas de racionalidade que organizam as maneiras de fazer dos sujeitos de direito brasileiros aspecto tecnológico e para a liberdade com a qual os indivíduos-sujeitos agem aspecto estratégico (FOUCAULT, 2000, p ). Para Foucault, as estruturas de pensamento prático-discursivas de uma sociedade específica decorrem de três grandes eixos: (...) o das relações de domínio sobre as coisas, o das relações de ação sobre os outros, e o das relações consigo mesmo (2000, p ). Essas relações, em suas implicações recíprocas, revelam a complexidade da metodologia da história dos sistemas de pensamento, composta por três eixos dos quais é preciso analisar a especificidade e o intricamento: o eixo do saber, o eixo do poder e o eixo da ética (FOUCAULT, 2000, p ). O discurso dos direitos humanos, constitucionalmente positivado nos princípios da dignidade da pessoa humana e do Estado Democrático de Direito, remete às indagações: o que somos em nosso próprio tempo e espaço? Qual a semântica subjacente ao discurso de ser cidadão brasileiro hoje? Como, na sociedade brasileira sob a vigência do ordenamento jurídico-constitucional de 1988, as pessoas têm se reconhecido como sujeitos de direito? 1 A metodologia da história dos sistemas de pensamento aplicada ao discurso dos direitos humanos no Brasil atual deve responder a uma série aberta de questões e se relacionar, transdisciplinarmente, com um número não definido de pesquisas que, embora autônomas, trazem a seguinte sistematização: (...) como nos constituímos como sujeitos de nosso saber; como nos constituímos como sujeitos que exercem ou sofrem as relações de poder; como nos constituímos como sujeitos morais de nossas ações (FOUCAULT, 2000, p ). 8 Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem. 2008

9 Ad a l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o Adensando essas indagações, questiona-se: como a metodologia da história dos sistemas de pensamento pode contribuir para que as práticas discursivas dos direitos humanos em suas dimensões política, científica e ético-subjetiva se efetivem como processos de afirmação das identidades individuais e coletivas, ou seja, como processos de empoderamento individual e social? Para as respostas é necessário reconstruir o caminho crítico-investigativo da metodologia da história dos sistemas de pensamento. Faz-se também oportuno tecer algumas considerações sobre as condições de possibilidade da ciência do direito e do discurso dos direitos humanos na contemporaneidade. Michel Foucault e a história dos sistemas de pensamento Foucault desenvolve uma reflexão crítica e interdisciplinar através de um olhar normativo e sociológico (2000, p ), pois a história dos sistemas de pensamento investiga o que deve ser o sujeito e as condições a que esse sujeito está submetido. Nessa perspectiva, as tradicionais concepções jurídica e filosófica da sociedade e do sujeito modernos se fundem com a abordagem histórico-política (FOUCAULT, 1999a), trazendo maior consistência e complexidade para a tematização das condições de possibilidade dos sujeitos de direito no paradigma do Estado Democrático de Direito. A metodologia da história dos sistemas de pensamento pressupõe que a dinâmica social emerge como um complexo de relações de poder que transcende o poder político juridicamente institucionalizado. Nesse sentido as sociedades complexas contemporâneas podem ser concebidas como movidas por processos de subjetivação (FOUCAULT, 1995, p ), que se concretizam e objetivam os sujeitos de direito pela relação entre práticas discursivas. Essas estruturas discursivas ou sistemas de pensamento, contudo, se desdobram em diferentes construções socioculturais, quais sejam: os saberes científicos, os poderes político-jurídicos e as individualidades ético-subjetivas. Ao trazer a tríplice e relacional tematização da ética, da política e da ciência para a dimensão das práticas discursivas, Foucault apresenta um sofisticado método de trabalho que revitaliza as condições de análise das ciências sociais aplicadas e da filosofia social. Para Foucault, as relações sociais no sentido mais amplo são técnicas ou tecnologias de governo (2004, p ) que se materializam socialmente de duas maneiras: por estratégias entre liberdades e por estratégias de dominação (FOUCAULT, 2004, p ). Sustenta-se que as estratégias entre liberdades indicam condições de possibilidade para práticas discursivas no Estado Democrático de Direito. Já as estratégias de dominação revelam um empecilho ao exercício ético dos processos sociais de subjetivação, ou seja, trata-se de uma estratégia de exclusão e de obstrução da livre afirmação das identidades. Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem

10 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje As práticas discursivas indicam jogos de verdade 2 gestados por e, simultaneamente, geradores de processos de subjetivação. Quer dizer que, assim como as práticas discursivas podem determinar as subjetividades, a permanente busca pela livre afirmação das identidades pode ressignificar as práticas discursivas hegemônicas em uma estrutura social específica. Aplicando-se a metodologia da história dos sistemas de pensamento à complexidade característica do Estado Democrático de Direito brasileiro, percebe-se que a ambivalência que permeia tanto os processos de subjetivação quanto os sistemas de pensamento (práticas discursivas) no Brasil contemporâneo implica a incontornável necessidade de uma problematização ética. Segundo Foucault, o exercício ético da liberdade pressupõe que essa mesma liberdade seja a condição de existência do poder nas sociedades democráticas (1995, p ). Percebe-se que Foucault viabiliza uma intrincada e densa reflexão em que se conecta a problematização ética da subjetividade com as condições de possibilidade do poder, seja através da microfísica do poder, da biopolítica ou da institucionalização do poder enquanto saber científico. 3 Destaca-se, nesse panorama, a relevância que assume a permanente busca pela afirmação das identidades individuais e coletivas. Partindo-se da perspectiva ética do governo de si e dos outros, busca-se aplicar a metodologia da história dos sistemas de pensamento para sustentar que a dinâmica contemporânea dos processos sociais deve se fundar em relações democratizadas de poder. Isso porque, segundo Foucault, o problema ético nas sociedades complexas repercute nas possibilidades de se praticar eticamente a liberdade, ou seja, nas relações de poder que se exercem com o mínimo de dominação (1995, p ). Seguindo as pistas de Foucault e conectando-as aos princípios da dignidade humana e do Estado Democrático de Direito, considera-se que os jogos estratégicos entre liberdades estruturam os sistemas de pensamento, ou seja, as condições de possibilidade dos saberes e poderes que sedimentam um paradigma sociocultural. Contudo, sustentando-se o nexo paradigmático entre a modernidade clássica (Ilustração) e a modernidade tardia (contemporaneidade), nexo que se traduz em práticas discursivas ou em tecnologias de governo que expressam a tematização ética de sistemas de pensamento tão discrepantes quanto os de Kant e de Nietzsche, Foucault possibilita a leitura dos jogos estratégicos entre liberdades como uma permanente reconstrução da identidade dos sujeitos de direito (2000, p ). 2 Segundo Foucault, os jogos de verdade e seus efeitos em sociedade devem ser analisados a partir da analítica do poder, que atenua drasticamente a relevância dada ao edifício jurídico da soberania, ao aparelho estatal e às ideologias que os acompanham. Tematizam-se, assim, os operadores materiais, as formas de sujeição e de resistência, as conexões e utilizações dos sistemas locais das sujeições e das insurreições no âmbito dos dispositivos de saber. Nesse sentido Foucault acredita poder encontrar o que designa por fatos históricos maciços (FOUCAULT, 1999a, p. 40). 3 No curso no Collège de France de , intitulado Em defesa da sociedade, Foucault, depois de tematizar a analítica do poder, aponta o fenômeno da assunção da vida pelo poder, ou seja, da tomada de poder sobre o homem enquanto ser vivo. Trata-se de uma complexificação dos jogos de verdade e de poder que caracterizam as sociedades ocidentais modernas, que passam a ter, adicionadas à microfísica do poder, o biopoder ou a biopolítica (1999a, p ). 10 Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem. 2008

11 Ad a l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o Para tanto, Foucault propõe um olhar transdisciplinar e pluriperspectivo, que viabilize uma reflexão simultaneamente arqueológica e genealógica das sociedades e dos sujeitos na modernidade. Nessa perspectiva Foucault indica que a modernidade, em sua ambiguidade fundamental de lugar da emancipação e da dominação, emerge como o tempo e o espaço das formas de constituição de subjetividades e de verdades a partir de relações de poder, de estados de dominação e de técnicas de governo (2004, p ). Nesse cenário o poder desponta como instrumento de liberdade e de subjugação, objeto de resistência e de assimilação, forma de subjetivação e de sujeição. Foucault afirma que o poder só se exerce sobre sujeitos livres (1995, p ), ao que acrescenta que esse mesmo poder também é exercido por sujeitos livres. A modernidade, como um paradigma sociocultural ou estrutura de pensamento hegemônica nas sociedades ocidentais, abrange uma forma de poder que se aplica à vida cotidiana, transformando o indivíduo em sujeito. Essa mesma estrutura de pensamento, contudo, promove a atitude de transfiguração que, embora não liberte o sujeito em seu ser próprio, lhe impõe a tarefa de elaborar-se a si mesmo (FOU- CAULT, 2000, p ). Percebe-se que a modernidade se afirma como um fenômeno ambíguo e complexo por excelência. Foucault, ao propor uma hermenêutica do sujeito 4 aplicada ao sujeito moderno, demonstra que a liberdade do sujeito é seu instrumento de emancipação. Nesse sentido cabe ao sujeito moderno, por meio das técnicas de si (aspecto ético-moral), da organização social e da resistência às prescrições institucionais que reproduzem a desigualdade (aspecto político), e da insurreição dos saberes sujeitados contra os saberes hegemônicos excludentes (aspecto do saber), produzir um contrapoder que afirme o sentido edificante da subjetividade. A ciência do direito contemporânea respalda essa proposta ao tematizar, por exemplo, a identidade do sujeito constitucional (ROSENFELD, 2003) e ao demandar a semântica de povo como um conceito de combate (MÜLLER, 2000). Foucault relativizou a ideia de que em uma sociedade em que a comunicação possui um grau de transparência muito elevado os jogos de verdade são mais independentes das estruturas de poder. O problema de se tratar utopicamente as relações de comunicação um problema que, segundo Foucault (2004, p ), se percebe na teoria da ação comunicativa de Habermas encontra-se na ideia de que poderia haver um estado de comunicação no qual os jogos de verdade poderiam circular sem obstáculos e sem efeitos coercitivos. Para Foucault, não há sociedade sem relações de poder. Tais relações, contudo, não devem ser concebidas como alguma coisa má em si mesma, mas como estratégias pelas quais os indivíduos tentam conduzir e determinar a conduta dos outros. 4 Utiliza-se a expressão hermenêutica do sujeito para designar uma série de pesquisas que se complementam e que caracterizam o eixo da reflexão ético-moral da história dos sistemas de pensamento. Tais pesquisas se encontram, por exemplo, nas obras: História da sexualidade 2: o uso dos prazeres (FOUCAULT, 2003); História da sexualidade 3: o cuidado de si (FOUCAULT, 2002); A hermenêutica do sujeito (FOUCAULT, 2004). Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem

12 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje Nessa perspectiva Foucault indica que, em vez de tentar dissolver as relações de poder na utopia de uma comunicação perfeitamente transparente, deve-se atentar para os princípios jurídicos, as técnicas de gestão, a moral, o êthos e a prática de si, que permitirão, por meio dos jogos de poder e de verdade, jogar com um mínimo possível de dominação (FOUCAULT, 2004, p ). Percebe-se a proposta de uma nova ética fundada nas relações de poder que se exercem com o mínimo de dominação. Foucault propõe um ponto de articulação entre a preocupação ética e a luta política pelo respeito dos direitos fundamentais; entre a reflexão crítica contra as técnicas abusivas de governo e a investigação ética que permite instituir a liberdade individual. Partindo-se da concepção arqueológica das práticas discursivas, ou seja, da análise dos discursos constituintes de verdades e de subjetividades, é possível apreender o poder normalizador dos fatos de discurso que forjaram a emergência das ciências humanas (FOUCAULT, 1999b, p. XXI). Nesse sentido as ciências humanas derivam de uma estratégia característica da modernidade dos séculos XVIII e XIX: a invenção da racionalidade moderna, que se reflete na invenção do sujeito moderno (FOUCAULT, 1999b, p. 438). A razão moderna sedimenta a visão sistemática do mundo, em que a racionalidade implica ordem, coerência, certeza. Foucault considera que essa racionalidade, que se pretende o método de acesso à verdade e a ferramenta de emancipação do sujeito moderno, não passa de uma ritualização que mescla saberes e poderes normatizados (institucionalizados) e normalizados (naturalizados) por meio de regras válidas para toda a sociedade. Assim, as regras que passam a vincular as sociedades e os sujeitos modernos revelam estratégias de poder que adquirem vulto a partir da chancela da racionalidade científica (FOUCAULT, 2001). Foucault demonstra que tal racionalidade não é imanente à natureza das coisas, mas uma construção cultural que tem a função precisa de estabelecer determinados modos de proceder, convenientes às demandas filosóficas, políticas e econômicas de uma conjuntura específica. É assim que o homem moderno, segundo Foucault, desponta como uma invenção recente (1999b, p. 445), que já não se adapta à modernidade tardia do século XXI. Segundo Foucault, a história dos sistemas de pensamento busca determinar o que deve ser o sujeito e a quais condições ele está submetido. Por meio de tal metodologia indaga-se qual o status do sujeito, que posição ele deve ocupar na figuração do real ou no imaginário para se tornar sujeito legítimo deste ou daquele tipo de conhecimento (FOUCAULT, 2004, p ). A história dos sistemas de pensamento busca, ainda, analisar os modos de subjetivação e de objetivação que, segundo Foucault, se distinguem de acordo com o tipo de saber em questão. Para Foucault, a objetivação e a subjetivação não são independentes, uma vez que do seu desenvolvimento mútuo e da sua ligação recíproca se originam jogos de verdade (2004, p ), ou seja, regras segundo as quais, a respeito de certas coisas, aquilo que um sujeito pode dizer decorre da questão do verdadeiro e do falso. 12 Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem. 2008

13 Ad a l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o Assim a história dos sistemas de pensamento revela-se como a história da emergência dos jogos de verdade em que o sujeito é colocado como objeto de saber possível. Nesse sentido indaga-se pelos processos de subjetivação e de objetivação que fazem com que o sujeito possa se tornar, na qualidade de sujeito, objeto de conhecimento (FOUCAULT, 2004, p ). Analisando a formação dos procedimentos pelos quais o sujeito é levado a se observar, se decifrar e se reconhecer como campo de saber possível, Foucault pretende estudar a constituição do sujeito como objeto para ele próprio. Esse estágio de pesquisas, contudo, é a culminação de um projeto geral que se iniciou com a análise do aparecimento e da inserção da questão do sujeito em domínios e segundo a forma de um conhecimento científico, e prosseguiu com a análise da constituição do sujeito enquanto objetivado por uma divisão normativa por meio de práticas como as da psiquiatria e da penalidade. Nos últimos trabalhos de Foucault a história dos sistemas de pensamento revela-se como a história da subjetividade, ou seja, a história de como o sujeito faz a experiência de si mesmo em um jogo de verdade, no qual se relaciona consigo mesmo. Para tanto, Foucault propõe um ceticismo sistemático em relação a todos os universais antropológicos e uma inversão do procedimento filosófico de remontar ao sujeito constituinte (2004, p ). Nesse sentido Foucault indica a necessidade de se analisar as práticas concretas pelas quais o sujeito é constituído na imanência de um campo de conhecimento. Foucault sustenta que isso não significa considerar que o sujeito não exista, abstraindo-o em benefício de uma objetividade pura (2004, p ). Trata-se, antes, de fazer aparecer os processos próprios a uma experiência em que o sujeito e o objeto se formam e se transformam um em relação ao outro e em função do outro. Outro princípio de método destacado por Foucault para o empreendimento da história dos sistemas de pensamento é dirigir-se, como campo de análise, às práticas (2004, p ), ou seja, aos modos de agir e de pensar que dão a chave de inteligibilidade para a constituição correlativa do sujeito e do objeto. Pretende-se, a partir dos aportes da metodologia da história dos sistemas de pensamento, analisar o discurso dos direitos humanos não como estrutura práticodiscursiva que diz o que é o sujeito a partir de um jogo particular de verdade, mas como fatos de discurso em que os jogos de verdade não são simplesmente impostos de acordo com uma causalidade necessária ou determinações estruturais. Tais jogos refletem, ainda e principalmente, um exercício ético-subjetivo, uma relação de si para consigo próprio. Ciência do direito, discurso dos direitos humanos e história dos sistemas de pensamento A história dos sistemas de pensamento proporciona a concepção do discurso dos direitos humanos como uma prática discursiva inserida nos jogos estratégicos de subjetividade e de verdade. Tal prática, a princípio, caracteriza-se como tecnolo- Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem

14 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje gia governamental, que pode se tornar um jogo estratégico entre liberdades, o que condiz com o paradigma contemporâneo do Estado Democrático de Direito, ou pode se tornar uma estratégia de dominação, condizente com as estruturas de poder centralizadas e autoritárias, em que a cultura política de direitos humanos, garantidora da livre afirmação da identidade dos sujeitos constitucionais, encontra-se previamente impossibilitada de ser exercida. Propõe-se, no rastro do pensamento de Foucault, que a Ética, como prática refletida da liberdade e como consequência do cuidado de si, seja o parâmetro para que o discurso dos direitos humanos se efetive por meio dos jogos estratégicos entre liberdades na sociedade brasileira contemporânea. A noção de governabilidade proposta por Foucault implica a relação de si consigo mesmo (2004, p ). O governo de si e dos outros a partir do cuidado de si indica o que Foucault chama de atitude de modernidade (2000, p ): uma atitude de transfiguração através de estratégias entre liberdades em que o alto valor do presente se mostra indissociável da obstinação de imaginar e transformar (FOUCAULT, 2000, p ). Nessa perspectiva o homem moderno é aquele que busca inventar-se a si mesmo. Arnaud et al. (1999, p. 271) definem os direitos humanos como o conjunto de princípios e de normas fundamentadas no reconhecimento da dignidade inerente a todos os seres humanos, visando a assegurar o seu respeito universal e efetivo. Percebe-se que a expressão procede simultaneamente da Ética, pelos valores a ela subjacentes, como os de justiça, de liberdade, de igualdade, de fraternidade ou de solidariedade, e do Direito, pelo processo de reconhecimento e suas modalidades de exercício, bem como dos sistemas de garantia implicados (ARNAUD et al., 1999, p. 272). Santos (2006, p. 433) considera que a forma como os direitos humanos se transformaram, nas duas últimas décadas, na linguagem da política progressista e em quase sinônimo de emancipação social causa alguma perplexidade. Para o sociólogo, o fato de, após a Segunda Guerra Mundial, os direitos humanos terem sido usados como parte integrante da política da Guerra Fria, colocou-os numa posição de suspeita. Contudo, perante a crise aparentemente irreversível dos projetos de emancipação alternativos, como as práticas discursivas da revolução e do socialismo, os jogos estratégicos entre liberdades comprometidos com a livre afirmação das identidades individuais e coletivas recorrem hoje aos direitos humanos para reinventar a linguagem da emancipação. Santos indica que os direitos humanos só poderão ocupar, na contemporaneidade, o lugar de um projeto emancipatório com a adoção de uma política de direitos humanos radicalmente diferente da hegemônica, uma política que integre a composição de um complexo mais vasto de lutas pela emancipação social (2006, p. 433). Tais precauções revelam as concepções contraditórias e as violações em escala global que tornaram o discurso dos direitos humanos altamente controverso na atualidade (SANTOS, 2006, p. 437). Assim Santos demanda uma nova arquitetura de direitos humanos baseada numa nova fundamentação e com uma nova justifica- 14 Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem. 2008

15 Ad a l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o ção (2006, p. 463). Para tanto, o sociólogo se pauta na arqueologia e na genealogia foucaultianas para encontrar a transcrição oculta das origens (2006, p. 463), indicando que a construção de uma concepção intercultural e contra-hegemônica de direitos humanos implica um exercício epistemológico. Os direitos humanos, enquanto estrutura prático-discursiva implicada na construção de subjetividades, de verdades e de relações de poder compromissadas com a dignidade da pessoa humana e com o Estado Democrático de Direito, despontam atualmente como horizonte de sentido para a operatividade e para a legitimidade do Direito. Nessa mirada as doutrinas jurídicas mais consistentes afirmam que a política jurídica utópica continua sendo direito (DWORKIN, 1990, p. 488), uma vez que qualquer reflexão sobre o Direito hoje deve atentar para a pressão do direito além do direito (DWORKIN, 1990, p. 488). A assimilação do discurso dos direitos humanos pela dogmática jurídica tradicional, contudo, repercute as consequências de práticas discursivas hegemônicas em uma sociedade específica, respondendo pela permanência de um imaginário normalizado, oprimido e subserviente, em que o discurso dos direitos humanos, assimilado ao formalismo caracterizador da concepção de ciência do direito prevalecente até a primeira metade do século XX, parece assegurar um estatuto de não humanidade a determinados grupos em situação de vulnerabilidade social. Outras vezes a estrutura discursiva dos direitos humanos emerge como o cultivo de mentalidades e atitudes críticas, transgressoras em alguma medida, posto que por esse ângulo os direitos humanos representam práticas discursivas abertas, ou seja, não construídas, mas em construção e reflexivas. Essa condição de possibilidade emancipadora e emancipatória do discurso dos direitos humanos só pode ser consistentemente sustentada a partir de uma perspectiva expandida, ou seja, interdisciplinar, senão transdisciplinar, do fenômeno jurídico, pois do contrário a tensão entre a segurança e a ordem jurídicas, de um lado, e os direitos humanos, de outro, ficaria omitida pela redundância do discurso jurídico oficial, que pretende sustentar que a garantia dos direitos humanos está na preservação da segurança e da ordem jurídicas. O discurso dos direitos humanos se apresenta atualmente como uma possibilidade factível de reestruturação dos processos de subjetivação, seja por meios institucionais derivados do poder político estatal, seja pelo saber científico que conforma, por exemplo, o Direito, a Ética e a Política, seja pelos movimentos sociais, organizados ou não, que remetem às tecnologias de governo pautadas no cuidado de si e dos outros. No que concerne especificamente ao Direito, faz-se oportuno situar a ciência do direito no paradigma da complexidade ou, em uma perspectiva técnico-jurídica, no paradigma do Estado Democrático de Direito. A ciência do direito, nesse sentido, deve ser considerada como discurso de fundamentação e de aplicação do Direito, uma produção teórica de conhecimento que objetiva materializar seus jogos de po- Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem

16 A história dos sistemas de pensamento e as condições de possibilidade do discurso dos direitos humanos no Brasil hoje der e de verdade em sociedades, grupos e sujeitos específicos. Isso porque a ciência do direito hoje só tem sentido se concebida como ciência social aplicada. Assim, a efetividade do discurso dos direitos humanos, enquanto permanente processo de empoderamento individual e coletivo, implica a demanda por uma ciência do direito engajada na constituição de capital humano e social para uma sociedade específica. Para tanto, a ciência do direito deve se reestruturar, tendo como eixo central a cultura política de direitos humanos. Nesse panorama a concretização do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana reitera a permanente necessidade de livre afirmação das identidades individuais e coletivas. Essa afirmação, segundo Foucault, demanda uma ontologia crítica de nós mesmos (2000, p ), o que não deve ser considerado um corpo permanente de saber que se acumula, mas uma atitude, (...) uma via filosófica em que a crítica do que somos é simultaneamente a análise histórica dos limites que nos são colocados e prova de sua ultrapassagem possível (FOUCAULT, 2000, p ). Conclusão O pluriperspectivismo da história dos sistemas de pensamento, ao possibilitar o questionamento sobre o que deve ser o sujeito de direito e sobre quais condições esse sujeito está submetido na sociedade brasileira atual, indica condições de possibilidade alternativas para a efetividade do discurso dos direitos humanos no Brasil contemporâneo. Essas condições emergem como propícias à ressignificação da Ética, aqui considerada um complexo de jogos estratégicos entre liberdades, ou seja, uma tecnologia de governo fundada no cuidado de si e dos outros. Nessa perspectiva as relações de poder que caracterizam a dinâmica das sociedades complexas sob o paradigma do Estado Democrático de Direito devem indicar a liberdade de autoconstituição dos sujeitos de direito. Assim a dignidade humana, enquanto caracterizadora da efetividade do discurso dos direitos humanos através dos processos de superação das necessidades individuais e coletivas a partir da afirmação das identidades individuais e coletivas, implica a tarefa ético-moral de elaborar-se a si mesmo por meio do cuidado de si e dos outros. A Filosofia do Direito nas sociedades complexas viabiliza-se pela articulação da preocupação ética com a luta política pelo respeito dos direitos de todos e de todas. Nesse sentido demanda-se a complementaridade crítico-heurística entre a Ética, a Política e a Ciência, ou seja, entre a subjetividade, o poder e o saber. A cultura política de direitos humanos, como estrutura de pensamento contemporânea apta a concretizar o valor do justo, destaca-se como compromisso prioritário da Filosofia do Direito no paradigma do Estado Democrático de Direito. Isso porque, confirmada a hipótese de que o discurso dos direitos humanos revela condições de possibilidade normalizadoras e emancipatórias, as práticas discursivas 16 Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem. 2008

17 Ad a l b e r t o An t o n i o Ba t i s t a Ar c e l o dos direitos humanos, filtradas pela teoria do Direito e aplicadas socialmente pelas instituições político-jurídicas, devem refletir uma atitude de modernidade, ou seja, uma ação ética e crítica em que o eu e o outro se afirmam como um povo livre e responsável. Nessa perspectiva a Filosofia do Direito contemporânea tem o objetivo primordial de imaginar e construir conceitualmente alternativas à situação de naturalização do atual estado de exceção que caracteriza a sociedade brasileira. Referências ARNAUD, André-Jean et al. Dicionário enciclopédico de teoria e de sociologia do direito. Rio de Janeiro: Renovar, DWORKIN, Ronald. O império do direito. São Paulo: Martins Fontes, FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999b. FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de ed. São Paulo: Loyola, FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France ( ). São Paulo: Martins Fontes, 1999a. FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 10. ed. Rio de Janeiro: Graal, FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 3: o cuidado de si. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, (Ditos e escritos; 2). FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, (Ditos e escritos; 5). MÜLLER, Friedrich. Quem é o povo? A questão fundamental da democracia. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, ROSENFELD, Michel. A identidade do sujeito constitucional. Belo Horizonte: Mandamentos, SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 7-17, 2º sem

18

19 Justiça transicional, direitos humanos e a seletividade do ativismo judicial no Brasil (Transitional justice, human rights and the selectivity of judicial activism in Brazil) Ale x a n d r e Ga r r i d o da Si l v a * Jos é Ri b a s Vi e i r a ** Resumo O artigo pretende estudar as relações entre a justiça transicional, a internacionalização dos direitos humanos e o caráter seletivo do ativismo judicial no Brasil. Em primeiro lugar, o artigo analisará as dimensões da justiça transicional. Em segundo lugar, com apoio na obra de Jon Elster, serão discutidas as principais motivações, instituições, decisões e limitações impostas à justiça transicional. Por último, após a análise de casos jurídicos, serão problematizados os principais fatores responsáveis pela seletividade do ativismo judicial em matéria de justiça transicional no contexto jurídicopolítico brasileiro. Palavras-chave Justiça transicional; Direitos humanos; Judicialização da política; Ativismo judicial; Tortura. Abstract This article intends to study the relations between transitional justice, the internationalization of human rights and the selective character of judicial activism in Brazil. First, it analyzes the dimensions of transitional justice. Then, on the basis of Jon Elster s work, the main motivations, institutions, decisions and limitations imposed to transitional justice are discussed. Finally, after an analysis of juridical cases, the main factors responsible for the selectivity of judicial activism related to transitional justice in the Brazilian political and juridical context are considered. Key words Transitional justice; Human Rights; Judicialization of politics; Judicial activism; Torture. Doutorando em Direito Público pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), bolsista de pesquisa em doutorado pelo CNPq. Professor associado de Direito do Estado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professor titular de Direito Constitucional na Universidade Federal Fluminense (UFF). 19

20 Justiça transicional, direitos humanos e a seletividade do ativismo judicial no Brasil O tema da justiça transicional, retroativa ou reparadora (transitional justice), vem ganhando destaque no debate jurídico nos últimos anos na América Latina. O caso Barrios Altos no âmbito da Corte Interamericana de Direitos Humanos, no qual o Estado peruano foi responsabilizado pelo massacre de dissidentes políticos do regime autoritário de Alberto Fujimori, 1 bem como por ter anistiado de modo unilateral tais delitos, a importante decisão da Suprema Corte de Justiça da Argentina, proferida no ano de 2005, sobre a inconstitucionalidade das Leis do Ponto Final e da Obediência Devida 2 e a repercussão do caso Pinochet em termos de justiça internacional, contribuíram, sem dúvida, para o ingresso de tal temática nos fóruns jurídicos. Antes, as demandas sobre justiça transicional eram discutidas tanto do ponto de vista teórico quanto prático quase exclusivamente por militantes e atores políticos, cientistas sociais e historiadores. Após vinte anos da promulgação de nosso texto constitucional, mesmo com a estruturação de planos, secretarias e comissões pelo Poder Executivo destinados à garantia e promoção dos direitos humanos em suas múltiplas dimensões, a promulgação de importantes leis que representam um avanço significativo no tema, 3 assim como o reconhecimento e a incorporação de normas internacionais de direitos humanos ao longo dos anos 1990, 4 violações sistemáticas de tais direitos persistem e se intensificam atualmente na sociedade brasileira. A realidade constitucional brasileira, com a exceção de relevantes avanços pontuais no que se refere à sua efetividade, permanece essencialmente simbólica, muito distanciada das pretensões normativas do texto constitucional em matéria de garantia e promoção dos direitos humanos e fundamentais (NEVES, 2007). Como exemplos, podemos citar as reiteradas violações de direitos humanos praticadas pelas instituições policiais nos grandes centros urbanos, a persistência de trabalho escravo em pleno século XXI, as diferentes formas de discriminação, veladas ou não, com apoio em critérios de raça, opção sexual, gênero e deficiência, a criminalização das lutas pela reforma agrária e a violência praticada sistematicamente contra as populações indígenas. Além disso, recentes relatórios de organizações internacionais de direitos humanos apontam para a persistência, a aceitação 1 Caso Chumbipuma Aguirre y otros vs. Peru, Corte Interamericana de Direitos Humanos, sentença proferida em 14 de março de CSJN, Simón, Julio Héctor y otros, Causa n , decisão de 14 de junho de Criação em 1996 do Programa Nacional de Direitos Humanos (Decreto 1.904/96) e da Secretaria Nacional de Direitos Humanos no ano de Criação, em 1995, da Comissão Especial de Reconhecimento dos Mortos e Desaparecidos Políticos com a promulgação da Lei 9.140/95. Criação, pelo governo Lula, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, ambas com status ministerial. Atribuição de status ministerial, também, à Secretaria Nacional de Direitos Humanos, agora com o nome de Secretaria Especial de Direitos Humanos (http:// Aprovação pelo Congresso e promulgação da Lei /2006, conhecida como a Lei Maria da Penha. 4 Os Pactos Internacionais sobre Direitos Civis e Políticos e sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais foram aprovados pelo Decreto Legislativo nº 226 de 1991 e promulgados, respectivamente, pelos Decretos nº 592 e nº 593 de A Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica) foi aprovada pelo Decreto Legislativo nº 27 de 1992 e promulgada pelo Decreto nº 678 de Rev. da Fac. Min. de Direito, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p , 2º sem. 2008

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE Laboratório de Extensão - LABEX Augusto Gomes Amado Júlia Mafra Letícia Nery de Figueiredo Juliana Westmann Del Poente Thaisa

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail. Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.com Pressuposto: Direito à Convivência Familiar, um direito fundamental de

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA

22h00 às 23h30 COQUETEL E LANÇAMENTO Coquetel de boas vindas e Lançamento de livros e revistas Espaço da feira de livros 27/10, TERÇA-FEIRA 26/10/, SEGUNDA-FEIRA 20h30 às 22h00 ABERTURA Abertura oficial do 39º Encontro Anual da ANPOCS Anfiteatro Glória Cerimônia de entrega do Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica - Anfiteatro Glória 22h00

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo

Ciências Humanas. História e Geografia Professor: Renato Pellizzari e Claudio Hansen 08/10/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo Ciências Humanas Material de apoio para Aula ao Vivo 1. A charge expressa enfaticamente uma característica do processo histórico de urbanização da sociedade brasileira. A crítica contida na charge refere-se

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação.

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Maria Guiomar da Cunha Frota Escola de Ciência da Informação da UFMG. Brasil Resumo O artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Grupo de Pesquisa Institucional de Acesso à Justiça e Tutela de direitos Proposta de implementação I Objeto: Realização de estudos e pesquisas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Direito de Campos

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL CECÍLIA MACDOWELL SANTOS EDSON TELES JANAÍNA DE ALMEIDA TELES ORGANIZADORES Linga-Bibliothek Linga A/906170 desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL VOLUME II EDITORA HUCITEC São Paulo, 2009

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO ESCRITÓRIO MODELO - DOM PAULO EVARISTO ARNS Área de TUTELA COLETIVA - Projetos Sociais Para futuras contratações

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

1.1 Sobre o I Colóquio

1.1 Sobre o I Colóquio 1.1 Sobre o I Colóquio Em 2004, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) recomendou o Programa de Mestrado em Educação do Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo),

Leia mais

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005 Qualificação Horizontes BSB, 22 de novembro de 2005 Campo Qualificação Conceito: espaço social específico com autonomia relativa onde os sujeitos sociais atuam refletindo sua ação mais geral na sociedade

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO 1. Apresentação O presente relatório apresenta o segundo encontro do

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: Direito TURMA: 1º Semestre DISCIPLINA: Antropologia e Sociologia

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE CURSO 1. Identificação Disciplina: Filosofia Geral e do Direito

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais