SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL"

Transcrição

1 Página 1 de 16 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000040/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002245/2014 NÚMERO DO PROCESSO: / DATA DO PROTOCOLO: 21/01/2014 Confira a autenticidade no endereço SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDUSTRIAS DA CONSTRUCAO PESADA E AFINS DO ESTADO DO PARA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). GIOVANI RESENDE SILVA; E CONSORCIO CONSTRUTOR BELO MONTE, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). JOSE MARIA RIBEIRO GONCALVES ; celebram o presente ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 01º de novembro de 2013 a 31 de outubro de 2014 e a data-base da categoria em 01º de novembro. CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA O presente Acordo Coletivo de Trabalho, aplicável no âmbito da(s) empresa(s) acordante(s), abrangerá a(s) categoria(s) TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO PESADA, com abrangência territorial em PA. CLÁUSULA TERCEIRA - PISO SALARIAL SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Na vigência do presente Acordo Coletivo, o PISO SALARIAL fica definido como sendo o de nível V da Tabela Salarial das Funções Nominadas, inserida abaixo, no valor de R$ 3,83 (três reais e oitenta e três centavos) por hora ou R$ 842,60 (oitocentos e quarenta e dois reais e sessenta centavos) por mês. Os Pisos Salariais das Funções Nominadas serão praticados em 05 (cinco) níveis, de conformidade com a Tabela a seguir: TABELA SALARIAL DAS FUNÇÕES NOMINADAS V IV III II I SALÁRIO/HORA R$ 3,83 R$ 4,06 R$ 5,72 R$ 6,04 R$ 7,41 SALÁRIO/MÊS R$ 842,60 R$ 893,20 R$ 1.258,40 R$ 1.328,80 R$ 1.630,20 Funções Nominadas - Os níveis salariais constantes da Tabela Salarial das Funções Nominadas, comportam as seguintes funções: Nível V - Servente ou Braçal, Contínuo, Office-Boy, Mensageiro, Zelador, Arrumadeira, Auxiliar de Serviços Gerais, Ajudante Geral; Nível IV - Meio-Oficial em relação aos cargos nominados no nível III desta tabela, e mais:, Bombeiro de Abastecimento, Lubrificador, Borracheiro, Montador de Gabião, Guincheiro, Telefonista, Enfermeiro, Vigia e demais funções assemelhadas;

2 Página 2 de 16 Nível III - Pedreiro, Carpinteiro, Ferreiro-Armador, Bombeiro Hidráulico ou Encanador, Eletricista de Baixa Tensão, Pintor, Marteleteiro, Betoneiro, Operador de Bate-Estacas, Operador de Grua, Operador de Guindaste, Operador de Munck, Operador de Trator de Pneus, Cozinheiro, Secretária, Sondador, Vigilante Orgânico, Mecânico de Equipamentos ou Máquinas Leves, Vulcanizador, Oficial de Construção e/ou Manutenção de Linha Férrea, Condutor de Veículo A (veículos até 6 toneladas de peso bruto), Auxiliar Administrativo, Almoxarife e Apontador, estes 3 últimos com escolaridade de ensino médio completo; Nível II - Montador de Estrutura Metálica, Montador de Linha de Transmissão, Montador Industrial, Montador Eletromecânico, Maçariqueiro, Soldador de Solda Elétrica, Soldador de Oxi-Acetileno, Soldador de manutenção de Ferrovia, Eletricista de Montagem, Eletricista de manutenção, Eletricista Montador industrial, Condutor de Veículo ``B (Veículos com mais de 6,0 toneladas e menos de 20,0 toneladas de peso bruto); Nível I - Topógrafo, Eletrotécnico, Operador de Trator de Esteiras ou de Lâmina, Operador de Motoscraper, Operador de Moto-Niveladora, Operador de Acabadora de Asfalto ou de Concreto, Operador de Retro escavadeira, Operador de Pá-Carregadeira, Operador de Draga, Mecânico de Equipamentos ou Máquinas Pesadas, Soldador de Raios-X, Eletricista de Alta Tensão, Técnico de Nível Médio em Centro de Formação Tecnológica, Condutor de Veículo C (veículos com mais de 20 toneladas de peso bruto). CLÁUSULA QUARTA - REAJUSTE SALARIAL REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS Acordam as partes que a partir de 01 de novembro de 2013 os salários dos Empregados abrangidos pelo presente Acordo Coletivo de Trabalho, encontram-se reajustados de acordo com os valores de piso salarial já exposto através da clausula Piso Salarial e as condições abaixo. Parágrafo Primeiro: Os Empregados admitidos a partir de 01/11/2013, já serão contratados com os salários resultantes deste Acordo Coletivo. Parágrafo Segundo: Os salários dos empregados da categoria profissional demandante, não nominados na cláusula anterior, serão reajustados conforme segue abaixo: - Os salários dos empregados que possuam cargos classificados como níveis 1, 2, 3 e 4, de acordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO, serão reajustados pela aplicação do percentual de 11,0% (onze porcento); e - Os salários dos empregados que possuam cargos classificados como nível 5 ou acima, de acordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO, serão reajustados pela aplicação do percentual de 6,5% (seis e meio porcento). Parágrafo Terceiro: Aos empregados que possuam cargos classificados como nível 5 ou acima, de acordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO (chefes de setor, mestres de obra, assistentes, desenhistas projetistas, profissionais de formação superior), admitidos após 1º de novembro de 2012, o percentual de reajuste salarial definido no parágrafo anterior poderá ser aplicado proporcionalmente à data de sua admissão no CONSÓRCIO, respeitada a isonomia salarial para a mesma função, bem como os valores ora estipulados para os pisos salariais. PAGAMENTO DE SALÁRIO FORMAS E PRAZOS CLÁUSULA QUINTA - PAGAMENTOS DOS SALÁRIOS O pagamento será efetuado até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente, devendo o CONSÓRCIO fornecer, no ato do pagamento, envelope, contracheque ou assemelhado que contenha o timbre, carimbo ou qualquer outra modalidade de identificação do mesmo, devendo neles constar todas as verbas que acresçam ou onerem a remuneração e o valor do depósito do FGTS. O pagamento também poderá ser efetuado através do sistema de Cartão Salário. Parágrafo Único: Fica acertado entre as partes que o CONSÓRCIO irá liberar os seus empregados no sábado subsequente ao dia de pagamento.

3 Página 3 de 16 OUTRAS NORMAS REFERENTES A SALÁRIOS, REAJUSTES, PAGAMENTOS E CRITÉRIOS PARA CÁLCULO CLÁUSULA SEXTA - SALÁRIOS DE SUBSTITUIÇÃO Substituição Definitiva - Ao Empregado admitido para a mesma função de outro dispensado será garantido igual salário na função, sem considerar vantagens e/ou promoções salariais pessoais adquiridas pelo substituído. Substituição Eventual Nas substituições de caráter meramente eventual ou naquelas decorrentes de ausência do titular por prazo contínuo de até 30 (trinta) dias, o Empregado substituto não fará jus ao salário do substituído. Substituição Provisória Nas substituições provisórias, assim consideradas aquelas decorrentes de ausência do titular com previsãode retorno, por motivo de viagem a serviço, afastamento e licença de qualquer natureza, por prazo superior a 30 (trinta) dias, o Empregado substituto fará jus a adicional salarial de 15% por acúmulo de função, a ser pago em parcela separada e específica no contracheque, enquanto perdurar a substituição. Estágio Probatório para Reclassificação Os Empregados que exercerem no canteiro de obra, de forma contínua sem qualquer interrupção, função diversa daquela constante em seucontrato de trabalho, deverá ser submetido ao processo de reclassificação, a ser efetivado no prazo de 90 (noventa) dias, desde que esteja devidamente aprovado no exercício da função proposta. GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ADICIONAL DE HORA-EXTRA CLÁUSULA SÉTIMA - ADICIONAIS DE HORAS EXTRAS As horas extras realizadas de segunda a sexta-feira serão remuneradas com o adicional de 60% (sessenta por cento). As horas extras trabalhadas aos sábados, após a jornada normal, serão remuneradas com o adicional de 60% (sessenta por cento) até a 8ª hora, a partir da 9ª hora em diante o adicional de hora extra será de 75%. As horas trabalhadas em dias de feriado ou emdias destinados ao repouso semanal remunerado serão remuneradas com adicional de 100% (cem por cento) da hora normal. CLÁUSULA OITAVA - HORAS NOTURNAS ADICIONAL NOTURNO A remuneração do trabalho realizado no horário compreendido entre 22 (vinte e duas) horas de um dia e 5 (cinco) horas do dia seguinte terá um acréscimo de 20% (vinte por cento) sobre o valor da hora normal diurna. Parágrafo Primeiro: O CONSÓRCIO compromete-se a respeitar a jornada reduzida prevista no artigo 73 da CLT. Parágrafo Segundo: Para o cálculo do valor do adicional noturno deverá ser utilizada a seguinte fórmula: VAN = (VHN X 0,20) X N, onde: VAN = Valor do Adicional Noturno VHN = Valor da Hora Normal

4 Página 4 de 16 N = Número de Horas Noturnas Trabalhadas. O valor encontrado deverá ser adicionado na remuneração mensal do Empregado. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE CLÁUSULA NONA - ADICIONAL DE PERICULOSIDADE Faz jus ao adicional de periculosidade definido no art. 193, 1 da CLT, o Empregado exposto a risco acentuado, assim considerado em laudo técnico, decorrente de contato permanente ou intermitente a explosivos ou a inflamáveis, excetuados os casos de exposição eventual, assim entendida a exposição fortuita ou a exposição por tempo extremamente reduzido, ainda que habitual (Súmula 364 do TST). Parágrafo Único: Faz jus ao adicional de periculosidade de 30% (trinta por cento), o empregado exposto a condição de risco elétrico em sistemas elétricos de potência, conforme definido no Quadro de Atividades/Área de Risco, anexo à Lei 7.369/85 e ao Dec /86, excluindo-se de tal abrangência os sistemas de consumo. PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS CLÁUSULA DÉCIMA - PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS As partes se comprometem a manter os critérios e condições para Participação nos Lucros ou Resultados, nos termos da Lei n /2000, com vigência a partir de 1º de janeiro de 2012, firmado através de Instrumento Normativo específico, alterando apenas o valor do prêmio por atendimento aos resultados nele pactuados para o valor correspondente a 28 horas/mês. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - ALIMENTAÇÃO AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO O CONSÓRCIO fornecerá refeições (café da manhã, almoço e jantar) aos seus Empregados alojados junto aos canteiros de obras, elaborando um cardápio básico adequado às necessidades orgânicas dos mesmos, respeitando os hábitos, usos e costumes das Regiões, bem como manterá padrão de qualidade e higiene compatíveis com a legislação vigente, sempre sob a supervisão de Nutricionistas habilitados. Parágrafo Primeiro: Os valores unitários cobrados dos empregados pelas refeições servidas nas frentes de serviço ou canteiros de obras não poderão ultrapassar o percentual de 15% (quinze por cento) do custo da sua elaboração, nos termos do PAT, limitado, esse desconto, no valor máximo de R$ 0,55 (cinquenta e cinco centavos) por refeição, e de R$ 0,12 (doze centavos) por café da manhã ou lanche. Parágrafo Segundo: O CONSÓRCIO praticará formas que permitam a distribuição das refeições de modo que os Empregados possam recebê-las no menor espaço de tempo, a fim de que nãofique prejudicado o seu período de repouso. Todo empregado deverá fazer suas refeições e cafés no refeitório. Não será permitido fornecimento de refeições nas frentes de serviços fora dos locais destinados para esta finalidade. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - CESTA BÁSICA O CONSÓRCIO fornecerá mensalmente Cesta Básica/Vale Alimentação para os seusempregados que tenham trabalhado em período igual ou superior a 15 dias no mês anterior ao de sua concessão, conforme segue abaixo: - R$ 260,00 (duzentos e sessenta reais) aos empregados que exerçam cargos classificados como níveis 1 e 2, de acordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO;(ajudantes, faxineiros, lavadores, meio oficiais, sinaleiros, operadores diversos, oficiais da construção civil, eletricistas, pintores, borracheiros, torneiros, marinheiros, motoristas, mecanicos, topografo I, auxiliares,)

5 Página 5 de 16 - R$ 220,00 (duzentos e vinte reais) aos empregados que exerçam cargos classificados como níveis 3 e 4, deacordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO; (líderes, técnicos, encarregados, auxiliares tecnicos, instrutores, profissionais liberais) e - R$ 190,00 (cento e noventa reais) aos empregados que exerçam cargos classificados como nível 5, de acordo com a tabela de remuneração adotada pelo CONSÓRCIO (chefes de setor, mestres de obra, assistentes, desenhistas projetistas, profissionais de formação superior). Parágrafo Primeiro: O empregado que tiver 1 (uma) falta injustificada no mês, sofrerá odesconto de 25% (vinte e cinco por cento) no valor da Cesta Básica/Vale Alimentação. A partir da 2ª (segunda) falta injustificada, no mês, perderá o direito integral do benefício naquele mês. Parágrafo Segundo: A concessão da cesta básica não enseja salário in natura e não integra o salário do empregado para quaisquer fins: trabalhista, previdenciário e fiscal. Parágrafo Terceiro: O crédito do valor se dará até o 5º (quinto) dia útil de cada mês subsequente ao vencido. Parágrafo Quarto: No mês de concessão de férias o empregado fará jus à cesta básica prevista nessa cláusula. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - TRANSPORTE AUXÍLIO TRANSPORTE O CONSÓRCIO fornecerá transporte próprio, em substituição ao transporte público regular, devendo observar as normas de segurança, conforto e higiene, conforme a NR-18. O tempo despendido pelos empregados no referido transporte será remunerado com base no entendimento da súmula 90 do TST, ficando ajustado que essas horas serão remuneradas com o acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre a hora normal. Parágrafo Primeiro: As partes estipulam os seguintes tempos médios de trajeto para cada sítio: Sítio Pimental 3 (três) horas diárias, sendo 1:30 (uma hora e trinta minutos) no percurso de ida e 1:30 (uma hora e trinta minutos) no percurso de volta. Sítio Belo Monte / Canais E Diques 2:30 (duas horas e trinta minutos) diárias, sendo 1:15 (uma hora e quinze minutos) no percurso de ida e 1:15 (uma hora e quinze minutos) no percurso de volta. Portos e Acessos 2 (duas horas) diárias sendo 1:00 (uma hora) no percurso de ida e 1:00 (uma hora) no percurso de volta. Parágrafo Segundo: Quando o CONSÓRCIO fornecer transporte aos Empregados com a finalidade de levá-los a prática de lazer, não serão computadas as horas respectivas na jornada de trabalho, para qualquer fim, em especial para os fins previstos na Sumula 90 do TST. Parágrafo Terceiro: Ocorrendo alterações nas condições das rodovias, do transporte público ou outro fato que o justifique, a duração dos percursos poderá ser revisada pelas partes e será objeto de negociação com o aditamento desta cláusula. AUXÍLIO EDUCAÇÃO CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - SALÁRIO EDUCAÇÃO O CONSÓRCIO poderá habilitar-se junto à Delegacia do Ministério da Educação - DEMEC, com vistas à adoção de esquema misto de repasse do Salário-Educação aos empregados, nos termos do Artigo 9º do Dec. Nº /82.

6 Página 6 de 16 AUXÍLIO SAÚDE CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - ASSISTÊNCIA MÉDICO HOSPITALAR O CONSÓRCIO disponibilizará aos seus empregados assistência médica através de convênios firmados com hospitais da região. Parágrafo Único: O CONSÓRCIO assegurará a todo o profissional que venha a contrair enfermidade ou sofrer acidente no local da Obra, a assistência médico-hospitalar, compatível com a doença ou acidente, arcando com as despesas de transporte, alimentação e medicamentos até o momento da remoção para Hospital ou Casa de Saúde contratada, conveniada ou reconhecida pelo SUS. CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - AUXÍLIO CRECHE AUXÍLIO CRECHE Enquanto no CONSÓRCIO trabalharem pelo menos 30 (trinta) empregadas com mais de 16 (dezesseis) anos de idade e se este não possuir creche própria poderá optar entre celebrar o convênio previsto no 2º, do artigo 389 da CLT, ou reembolsar diretamente à empregada as despesas comprovadamente havidas com a guarda, vigilância e assistência de filho legítimo ou legalmente adotado, em creche credenciada, de sua livre escolha, até o limite de R$ 300,00 (trezentos reais), mensalmente, por filho (a) com idade de 0 (zero) até 6 (seis) meses de idade. Parágrafo Único: O auxílio creche objeto desta cláusula por seu caráter indenizatório, não enseja salário in natura e não integra o salário do empregado para quaisquer fins: trabalhista, previdenciário e fiscal. CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - SEGURO DE VIDA SEGURO DE VIDA O CONSÓRCIO concederá gratuitamente a todos os seus Empregados Seguro de Vida em grupo, garantindo indenização correspondente a 24 (vinte e quatro) vezes o salário-base do Empregado nos casos de morte natural e a 48 (quarenta e oito) vezes o salário base do empregado nos casos de morte acidental. Parágrafo Único: O CONSÓRCIO, quando solicitado, fornecerá ao SINTRAPAV, os nomes das companhias seguradoras, valores dos capitais segurados. OUTROS AUXÍLIOS CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA - AUXÍLIO A FILHO EXCEPCIONAL O CONSÓRCIO ressarcirá mensalmente as despesas efetuadas com saúde e educação de filhos excepcionais de seus empregados, até o limite de R$ 300,00 (trezentos reais) por filho, nas seguintes condições: - O empregado que tenha filho excepcional deverá fazer a comprovação através de documentos fornecidos, preferencialmente, por instituição especializada no tratamento de excepcionais ou pela Previdência Social. - As despesas a que se refere o caput desta cláusula serão pagas diretamente à instituição especializada que prestou o atendimento ou serviço educacional ao filho excepcional. CLÁUSULA DÉCIMA NONA - COMPLEMENTO DO 13º SALÁRIO Ao empregado afastado em razão de auxílio-doença ou acidente do trabalho será garantida a complementação do 13º salário no primeiro ano de afastamento. Esta complementação será igual à diferença entre o valor pago pela Previdência Social, até o limite a que teria direito, caso viesse a receber

7 Página 7 de 16 diretamente pelo empregador. CONTRATO DE TRABALHO ADMISSÃO, DEMISSÃO, MODALIDADES NORMAS PARA ADMISSÃO/CONTRATAÇÃO CLÁUSULA VIGÉSIMA - RECRUTAMENTO E CONTRATAÇÃO É assegurado ao candidato recrutado diretamente pelo CONSÓRCIO fora do local da prestação dos serviços, transporte condigno, alojamento e alimentação, desde o momento em que for recrutado no local de origem, sem qualquer ônus para o mesmo. A data de início do contrato de trabalho do candidato alojado será aquela em que o mesmo esteja completamente pronto para o início da prestação dos serviços, depois de concluídostodos os testes e exames médicos admissionais. Em caso de não aproveitamento do candidato, o mesmo terá garantido seu retorno nas mesmas condições do seu recrutamento. CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA - CONTRATO DE EXPERIÊNCIA O contrato de experiência será por prazo de 90 (noventa) dias, que poderá ser fracionado em dois períodos de 45 dias cada. Caso o candidato venha a ser admitido para a mesma função no CONSÓRCIO da qual fora dispensado, pelo próprio CONSÓRCIO, até 12 (doze) meses antes, não lhe será exigido novo período de experiência. Parágrafo Único: Nos casos de auxílio-doença, auxílio enfermidade, acidente do trabalho e outros afastamentos previstos em Lei, o contrato de experiência será interrompido ou suspenso até o retorno do Empregado ao trabalho. CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA - ADMISSÃO Na admissão a Carteira do Trabalho e Previdência Social (CTPS) será entregue pelo Empregado contra recibo assinado pelo CONSÓRCIO, que deverá anotá-la no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, devendo ser entregue ao mesmo, no ato da admissão, contra recibo por ele assinado, cópia do Contrato Individual de Trabalho e de todos os demais documentos por ele assinados na ocasião. DESLIGAMENTO/DEMISSÃO CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA - DAS RESCISÕES DOS CONTRATOS INDIVIDUAIS DE TRABALHO O CONSÓRCIO ao dispensar o seu Empregado fica obrigado a efetuar o pagamento dos valores correspondentes a rescisão contratual nos prazos estabelecidos na legislação específica sobre o assunto. Sempre que ultrapassar o prazo acima fica o CONSÓRCIO sujeito as penalidades impostas pela legislação vigente. O Consorcio informará mensalmente à Entidade Sindical Profissional, a relação nominal dos empregados desligados, para fins de controle e atualização do seu cadastro de associados. Parágrafo Primeiro: As homologações das rescisões dos contratos individuais de trabalho com mais de um ano de tempo de serviço, serão feitas obrigatoriamente perante a Entidade Sindical e somente na falta deste nas unidades da Gerência Regional do Trabalho existentes na jurisdição. As homologações serão efetuadas de acordo com a legislação vigente. As rescisões de contratos de trabalho de menores e empregados analfabetos, com qualquer tempo de serviço, que não possuírem representantes legais, deverão ocorrer nas entidades supra referidas.

8 Página 8 de 16 Parágrafo Segundo: O Sindicato Profissional não poderá se recusar a proceder a homologação, em caso de dúvida quanto às parcelas constantes do Termo de Rescisão do Contrato do Trabalho, cabendo-lhe, entretanto, a prerrogativa de apor ressalva sobre pretensa lesão de direito. Parágrafo Terceiro: O Empregado recrutado pelo CONSÓRCIO fora do domicilio de trabalho, cuja passagem de vinda tenha sido custeada/reembolsada pelo CONSÓRCIO, terá garantido o custeio das despesas de transporte e alimentação para seu retorno a sua base familiar declarada no contrato de trabalho. Parágrafo Quarto: O CONSÓRCIO fornecerá alimentação e alojamento ao Empregadodemitido, até o total desligamento do mesmo, com o recebimento das verbas rescisórias. Parágrafo Quinto: Caso o Empregado alojadovenha a praticar atos contra o patrimônio do CONSÓRCIO, ou de outro alojado, o mesmopoderá ser penalizado com base na legislação trabalhista vigente e responderá pelos prejuízos causados, podendo o CONSÓRCIO fiscalizar os alojamentos para verificações de rotina, serviços de manutenção e garantia da segurança patrimonial e pessoal dos Empregados. CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA - AVISO PRÉVIO AVISO PRÉVIO A CONSÓRCIO concederá aviso prévio de até 90 dias, proporcional ao tempo de trabalho, conforme previsão na Lei /2011. Parágrafo Único:- O Aviso Prévio será indenizado, nos termos do Art. 477 da CLT. MÃO-DE-OBRA TEMPORÁRIA/TERCEIRIZAÇÃO CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA - CONTRATAÇÃO DE SUBEMPREITEIROS O CONSÓRCIO informará mensalmente à Entidade Sindical Profissional, a razão social, o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) o endereço e a relação de efetivos das empresas subempreiteiras contratadas para atuar em seus respectivos Canteiros de Obras. Parágrafo Único: As empresas subempreiteiras contratadas para a execução das obras de responsabilidade do CONSÓRCIO deverão seguir o presente Acordo Coletivo de Trabalho, em todosos seus termos, cabendo ao CONSORCIO a entrega de uma cópia do presente acordo coletivo na assinatura do contrato. OUTRAS NORMAS REFERENTES A ADMISSÃO, DEMISSÃO E MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA - PALESTRA DE INTEGRAÇÃO No período destinado a palestra de integração dirigida a empregados recém admitidos, será liberado 20 (vinte) minutos para que um representante do SINTRAPAV apresente a entidade. RELAÇÕES DE TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO, NORMAS DE PESSOAL E ESTABILIDADES QUALIFICAÇÃO/FORMAÇÃO PROFISSIONAL CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA - QUALIFICAÇÃO DE MÃO DE OBRA O CONSÓRCIO se compromete a priorizar a capacitação de mão de obra da região.

9 Página 9 de 16 POLÍTICAS DE MANUTENÇÃO DO EMPREGO CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA - DA NÃO CUMULAÇÃO As presentes garantias de emprego estabelecidas neste Acordo Coletivo de Trabalho não se acumulam, em nenhuma hipótese, com os prazos de estabilidade previstos na legislação vigente ou que venham futuramente a ser definidos com a mesma finalidade. Excetuam-se das garantias de emprego e salário os casos de encerramento de atividades de setores do CONSÓRCIO, término de contrato por prazo determinado, pedido de demissão e despedida por justa causa. ESTABILIDADE MÃE CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA - EMPREGADA GESTANTE Fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada gestante, desde o inicio da gravidez, até 6 (seis) meses após o parto. ESTABILIDADE SERVIÇO MILITAR CLÁUSULA TRIGÉSIMA - EMPREGADO EM IDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MILITAR Serão garantidos emprego e salário ao empregado em idade de prestação de Serviço Militar desde o alistamento até a incorporação e nos 30 (trinta) dias após o desligamento da unidade em que serviu. ESTABILIDADE ACIDENTADOS/PORTADORES DOENÇA PROFISSIONAL CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA - ESTABILIDADE PROVISÓRIA, AUXÍLIO O CONSÓRCIO concederá garantia de emprego e salário ao empregado acidentado ou portador de doença ocupacional, pelo prazo de 12 (doze) meses contados da data da cessação do recebimento do auxílio acidentário previdenciário, nos termos da Lei 8.213/91, vigente. ESTABILIDADE APOSENTADORIA CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA - EMPREGADOS EM VIAS DE APOSENTADORIA O CONSÓRCIO concederá garantia de emprego e salário aos empregados que necessitem de até 18 meses para aquisição de aposentadoria integral por tempo de serviço, desde que tenham 05 (cinco) anos contínuos de trabalho no CONSÓRCIO, exceto nos casos de rescisão fundada em justa causa ou encerramento de atividade do empregador, desde que assistido pelo Sindicato Laboral em caso de acordo. Ao completar o tempo de serviço que antecede o beneficio da garantia de emprego, o empregado deverá comunicar o CONSÓRCIO essa condição, para conhecimento e controle. A omissão do Empregado isenta o CONSÓRCIO de qualquer ônus adicional por ocasião de seu desligamento, bem como qualquer indenização em espécie pelo período da garantia definido, nas clausulas acima. OUTRAS ESTABILIDADES CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA - EMPREGADOS REABILITADOS O CONSÓRCIO concederá garantia de emprego e salário ao empregado reabilitado pelo órgão competente que se encontrava afastado em função de acidente do trabalho, pelo prazo previsto na legislação vigente.

10 Página 10 de 16 Parágrafo Primeiro: A função para a qual o Empregado tenha sido reabilitado, pelo órgão competente, terá de ser compatível com as funções existentes no CONSÓRCIO. Parágrafo Segundo: O salário do Empregado reabilitado, pelo órgão competente, será correspondente ao salário inicial da nova função, exceto quando o mesmo já perceber salário superior, o qual será preservado. JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA - COMPENSAÇÃO Fica autorizada a celebração de acordo individual de compensação de jornada de trabalho, entre o CONSÓRCIO e seus Empregados, respeitados sempre o limite da jornada semanal legal prevista para o respectivo cargo. A compensação de dias prensados (dias úteis entre feriados e fins de semana, na proporção 1:1), caso seja de interesse do CONSÓRCIO, será submetida a plebiscito junto aos empregados e somente autorizada mediante aprovação por maioria simples e informação prévia à entidade sindical profissional. CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA - EMPREGADO ESTUDANTE Não poderá ser exigida do empregado estudante a prestação de serviços em horas extraordinárias desde que o mesmo comprove mensalmente sua condição de estudante assíduo. Parágrafo único: Será abonada a falta do empregado estudante desde que: Seja por motivo de prova em estabelecimento regular de ensino no horário de sua jornada regular de trabalho; O empregado pré avise a CONSÓRCIO através de carta, com antecedência mínima de 48 horas sua necessidade de faltar; O empregado comprove em até 48 horas seu comparecimento à prova através de atestado fornecido pelo respectivo estabelecimento de ensino. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA - DIA DO INDUSTRIÁRIO DA CONSTRUÇÃO PESADA Fica instituído o dia 15 de junho de cada ano como o DIA DO INDUSTRIÁRIO DA CONSTRUÇÃO PESADA, sendo que esse dia recaindo nos dias úteis de terça-feira, quarta-feira ou quinta-feira, o mesmo poderá ser transferido para ser comemorado na segunda-feira ou sexta-feira mais próxima, ou outra data a ser definida mediante entendimentos com a Entidade Sindical. Havendo necessidade de trabalho nessa data, o mesmo será remunerado com adicional de 100% (cem por cento). CONTROLE DA JORNADA CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA - JORNADA DE TRABALHO A jornada de trabalho será de 7:20h diárias de segunda-feira a sábado, totalizando 44h (quarenta e quatro horas) semanais e 220h (duzentas e vinte horas) mensais, podendo ser acrescidas de até 2 horas extraordinárias diárias, na forma da Lei. Parágrafo Primeiro: Fica autorizada a execução de jornada de trabalho sob o regime/escala de12 x 36 (12 horas de trabalho por 36 horas de descanso), para as funções ligadas às tividadesde Segurança Patrimonial e Serviços de Saúde, como Vigia, Vigilante, Médicos, Enfermeiros, Assistentes Sociais e demais

11 Página 11 de 16 empregados envolvidos nessas atividades, fazendo com que os empregados nessa situação trabalhem, alternativamente, 36 horas semanais (8 horas a menos da jornada semanal legal de 44 horas) e 48 horas semanais (4 horas a mais da jornada semanal legal de 44 horas). Parágrafo Segundo: Fica o CONSÓRCIO autorizado a praticar escala de trabalho 5x1, ou seja, cinco dias de trabalho para um dia de repouso, somente nos SETORES de serviços essenciais, os quais sejam: O Setor de Elétrica, Bombeamento, Cozinha, Segurança Trabalho, Ambulatório Médico, Lazer, Manutenção de Canteiro e Controle de Alojamento. Parágrafo Terceiro: Fica ratificada a autorização para adoção de Escala de Revezamento de Turnos quinzenal, sendo 7:20h diárias normais de segunda-feira a sábado, que poderão ser acrescidas de 2 (duas) horas suplementares pagas como extras, nos termos da Súmula nº 16 da jurisprudência predominante do Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região. A adoção desta escala poderá ser feita parcialmente, apenas para atividades específicas do CONSÓRCIO, ou para todas as áreas de trabalho, e obedecerá a uma escala de revezamento a ser definida pelo CONSÓRCIO e divulgada para seus trabalhadores nela enquadrados. FALTAS CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA - AUSÊNCIAS JUSTIFICADAS O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço, sem prejuízo de seu salário: - Pelas horas necessárias para a realização de Prova Escolar em Estabelecimento Oficial, quando coincidentes com o horário de trabalho, sendo obrigatória a comunicação ao CONSÓRCIO com 24 (vinte e quatro) horas de antecedência e posterior comprovação. - Por até 2 (dois) dias, quando a internação ocorrer no mesmo município, e por até 3 (três) dias em caso de internação em município distante maisde 60km do local de trabalho em casosde internação hospitalar de Cônjuge, Companheiro, Companheira, filho e dependentes legalmente habilitados pela Previdência Social. Havendo necessidade de acompanhamento, por prazo superior a 3 (três) dias, até 10 (dez) dias, em virtude de viagem parafora da localidade laboral, os dias de falta não serão abonados, porém não serão computados para prejuízo deférias, PLR, Cesta básica ou qualquer outra punição ao Empregado. Todas as situações deverão ser devidamente comprovadas, mediante documento da internação ocorrida. - 4 (quatro) horas 1 (uma) vez ao ano para recebimento do PIS/PASEP, exceto quando pagas pelo próprio CONSÓRCIO, através da folha de pagamento. - 4 (quatro) horas para recebimento do FGTS da rescisão do emprego imediatamente anterior, excluindo eventuais diferenças e saldos remanescentes, sendo meio expediente para dar entrada no pedido e meio expediente para receber o pagamento, o que deverá ser devidamente comprovado. - Até 2 (dois) dias consecutivos em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa, declarada em sua carteira de trabalho e Previdência, sendo necessária a comprovação através da apresentação de cópia da devida documentação. - Até 3 (três) dias em virtude de casamento, comprovado mediante apresentação de cópia da Certidão. - Por 5 (cinco) dias em caso de nascimento do filho no decorrer da primeira semana, mediante apresentação da documentação do nascimento. - Por 1 (um) dia a cada 12 (doze) meses de trabalho em caso de doação de sangue. Jornadas Especiais (mulheres, menores, estudantes). CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA - DAS FÉRIAS FÉRIAS E LICENÇAS DURAÇÃO E CONCESSÃO DE FÉRIAS

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012425/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060338/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46263.004405/2014-31 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP010191/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054036/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.003848/2010-91 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RO000020/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR007017/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46216.000322/2012-76

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualii.. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001782/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000954/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029028/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009096/2013-50 DATA DO

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000422/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.005494/2011-54 DATA

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000063/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR074702/2010 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001069/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034655/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009004/2011-70 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002667/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027436/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.005491/2011-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013233/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053585/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46423.000422/2014-19 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 16 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002289/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/06/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029012/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.007137/2012-42

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002547/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069674/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.031201/2012-86 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000601/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016325/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000436/2015-60 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001071/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/12/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057155/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.017363/2009-25 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000287/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037320/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.002586/2015-19 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001615/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039038/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003927/2015-01 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001531/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061722/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.018555/2014-16 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000742/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016555/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008711/2013-20 DATA DO PROTOCOLO: 09/08/2013 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002408/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058446/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001895/2015-09 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001092/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005184/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.004081/2014-14 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - FECOMERCIO-MG, CNPJ n. 17.271.982/0001-59, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001762/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023628/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008636/2011-76 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000797/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024575/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.013979/2015-56 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006627/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032153/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.003055/2013-24 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 10 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000052/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001722/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.001204/2012-75

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000718/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041087/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008416/2013 73 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 14 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP000833/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR075627/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 47998.000435/2013-65 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000015/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000163/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000147/2011-48 DATA DO

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/internet/mediador.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/internet/mediador. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000571/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060788/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.009441/2012-01 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais