SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO"

Transcrição

1 Página 1 de 16 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000100/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR078788/2012 NÚMERO DO PROCESSO: / DATA DO PROTOCOLO: 04/01/2013 Confira a autenticidade no endereço SIND.DOS TRAB.NA MOV.DE MERC.EM GERAL DE HERVAL D'OESTE, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). LUIZ ANTONIO FIDELIS; E LIMGER EMPRESA DE LIMPEZAS GERAIS E SERVICOS LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). TADEU MARGARIDA; celebram o presente ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2013 e a data-base da categoria em 1º de janeiro. CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA O presente Acordo Coletivo de Trabalho, aplicável no âmbito da(s) empresa(s) acordante(s), abrangerá a(s) categoria(s) de Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias em Geral, com abrangência territorial em Herval d'oeste/sc. CLÁUSULA TERCEIRA - PISO SALARIAL SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL A partir de 1º de janeiro de 2013, os empregados abrangidos pelo presente instrumento normativo, farão jus ao salário normativo nas seguintes bases: a) Trabalhador de Carga e Descarga de Mercadorias em Geral com menos de 1 ano de serviço, valor de R$ 876,25 (Oitocentos e setenta e seis reais e vinte e cinco centavos). Composição: piso salarial de R$ 738,45 (Setecentos e trinta e oito reais e quarenta e cinco centavos) + R$

2 Página 2 de ,80 (Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adicional de insalubridade. b) Trabalhador de Carga e Descarga de Mercadorias em Geral com mais de 1 ano de serviço, valor de R$ 926,12 (Novecentos e vinte e seis reais e doze centavos). Composição: piso salarial de R$ 788,32 (Setecentos e oitenta e oito reais e trinta e doiz centavos) + R$ 137,80 (Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adicional de insalubridade. c) Trabalhador de Carga e Descarga de Suínos, valor de R$ 951,10 (Novecentos e cinquenta e um reais e dez centavos). Composição: piso salarial de R$ 813,31 (Oitocentos e treze reais e trinta e um centavos) + R$ 137,80 (Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adicional de insalubridade. d) Conferente de Carga e Descarga de Suínos, valor de R$ 1.245,47 (Hum mil, duzentos e quarenta e cinco reais e quarenta e sete centavos). Composição: piso salarial de R$ 969,87 (Novecentos e sessenta e nove reais e oitenta e sete centavos) + R$ 275,60 (Duzentos e sententa e cinco reais e sessenta centavos) de adicional de insalubridade. e) Tratorista, valor de R$ 1.093,92 (Hum mil e noventa e três reais e noventa e dois centavos). Composição: piso salarial de R$ 956,12 (Novecentos e cinquenta e useis reais e doze centavos) + R$ 137,80 Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adiconal de insalubridade. f) Líder de Grupo de Carga e Descarga assim entendido o empregado que, além de suas tarefas normais, tenha sob sua orientação e responsabilidade, no mesmo setor de trabalho, de 05 (cinco) a 15 (quinze) empregados. Valor de R$ 1.092,52 (Hum mil e noventa e dois reais e cinquenta e dois centavos). Composição: piso salarial de R$ 954,72 (Novecentos e cinquenta e quatro reais e setenta e dois centavos) + R$ 137,80 (Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adicional de insalubridade. g) Encarregado de Carga e Descarga assim entendido o empregado que, além de suas tarefas normais, tenha sob sua orientação e responsabilidade, no mesmo setor de trabalho, acima de 16 empregados. Valor de R$ 1.210,33 (Hum mil, duzentos e dez reais e trinta e três centavos). Composição: piso salarial de R$ 1.072,53 (Hum mil, setenta e dois reais e cinquenta e três centavos) + R$ 137,80 (Cento e trinta e sete reais e oitenta centavos) de adicional de insalubridade. Parágrafo Primeiro - Fica assegurado aos empregados de atividades operacionais, não descritos acima, o salário base de R$ 689,00 (Seiscentos e oitenta e nove reais).

3 Página 3 de 16 Parágrafo Segundo: O adicional de insalubridade para esta categoria será de 20% (vinte por cento) sobre o valor do salário base, descrito no Parágrafo Primeiro desta Cláusula, e será pago nos locais que a legislação assim o exigir. Parágrafo Terceiro: Para os trabalhadores constantes na alínea d o adicional de insalubridade será de 40%, sobre o valor do salário base da categoria, descrito no Parágrafo Primeiro desta Cláusula. Parágrafo Quarto: O trabalhador que exercer a função de líder de grupo ou encarregado, quando não houver mais interesse pelas partes na continuidade do exercício da função e desde que haja concordância entre elas, retornarão à função de trabalhador de carga e descarga, passando a perceber salários e benefícios compatíveis com a função exercida a partir daquele momento, conforme descritas nos parágrafos anteriores desta cláusula e desde que haja manifestação por escrito da parte interessada, devidamente homologada pelo Sindicato. Parágrafo Quinto A evolução salarial dos trabalhadores constantes das alíneas a para a alínea b, ocorrerá após o funcionário completar 01 (um) ano de serviços prestados na mesma função, e somente será considerado para base do mês de reajuste, o mês subseqüente, não considerando o mês proporcional. Parágrafo Sexto: Para a alteração salarial dos trabalhadores com mais de um ano de serviço prestados na mesma função, não serão computados contratos de trabalho anteriores, sendo válido para a contagem de tempo, apenas o contrato de trabalho em vigência. Parágrafo Sétimo: O funcionário que estiver em gozo de benefício previdenciário suspenderá a contagem de tempo de serviço para fins de reajuste, constante da Cláusula Terceira e suas alíneas, enquanto permanecer nesta condição, o que, após o seu retorno, continuará a contagem do tempo de serviço, até completar o período mínimo necessário, para usufruir deste direito. CLÁUSULA QUARTA - CORREÇÃO SALARIAL REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS Fica assegurado aos trabalhadores pertencentes a esta categoria profissional, com exceção dos pisos salariais estipulados na cláusula terceira deste acordo, o reajuste salarial, a partir de 1º de janeiro de 2013, pela aplicação do percentual de 8,5% (oito vigula cinco por cento), referente à recomposição do salário de 01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de Parágrafo Único: Com a celebração do presente acordo, as partes dão por satisfeitos e quitados, quaisquer percentuais e valores no período que antecede a 01 de janeiro de 2013, revogando-se cláusulas contrárias de convenções anteriores. PAGAMENTO DE SALÁRIO FORMAS E PRAZOS CLÁUSULA QUINTA - DEPÓSITO BANCÁRIO

4 Página 4 de 16 A empresa está autorizada a efetuar depósito bancário relativo a salários, adiantamento salarial, férias, 13º salário, juros do PIS, em conta corrente de seus empregados, bastando o mesmo fornecer o número da conta corrente e o banco no ato de sua contratação. Parágrafo Único: A empresa somente efetuará os depósitos em bancos com os quais mantém operações. DESCONTOS SALARIAIS CLÁUSULA SEXTA - AUTORIZAÇÃO PARA DESCONTO Poderão ser efetuados descontos nos salários dos empregados, devendo obedecer aos limites legais: 1- de convênios efetuados pela empresa, 2- de prejuízos causados pelo empregado, ao empregador ou a terceiros, desde que comprovados a sua culpa ou dolo; OUTRAS NORMAS REFERENTES A SALÁRIOS, REAJUSTES, PAGAMENTOS E CRITÉRIOS PARA CÁLCULO CLÁUSULA SÉTIMA - PAGAMENTO DE HORAS EXTRAS, ADICIONAL NOTURNO E INTERVALO INTRAJORNADA Considerando haver dificuldades por parte do empregador, no que tange ao recolhimento dos cartões ponto, por ser a atividade desenvolvida em locais distantes da sede da empresa, fica esta autorizada a efetuar o pagamento das horas extras, do adicional noturno e de possíveis intervalos intrajornada não concedidos, no mês subseqüente ao da prestação de serviço, respeitando para efeito de cálculo o salário do mês do pagamento. GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS CLÁUSULA OITAVA - HORAS EXTRAS ADICIONAL DE HORA-EXTRA As horas extras que não forem compensadas serão pagas com adicional de 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da hora normal. Parágrafo Primeiro A troca de jornadas na qual há labor em feriados e dias de descanso em substituição de outra folga é considerada como jornada normal para todos os efeitos legais. ADICIONAL NOTURNO

5 Página 5 de 16 CLÁUSULA NONA - ADICIONAL NOTURNO Fica assegurado ao empregado que prestar serviço em horário noturno, compreendido entre às 22h00min (vinte e duas horas) e 05h00min (cinco horas), um adicional de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o valor da hora normal. Parágrafo Único: A jornada que ultrapassar do horário acima descrito, não será computada como prorrogação da jornada noturna. CLÁUSULA DÉCIMA - ABONO ASSIDUIDADE PRÊMIOS A empresa concederá um abono assiduidade, que será pago mediante um vale ( ticket, vouchers ou similares), conforme valores e condições previstos abaixo, que poderá ser descontado em estabelecimento comercial conveniado em cada região. Dada a natureza jurídica de premiação não integra o salário para efeitos legais e poderá ser suprimido a qualquer tempo, não gerando direito adquirido. Parágrafo Primeiro: Poderá a empresa estipular abonos diferentes para os seus empregados, por função e/ou região de atuação, devido às peculiaridades da atividade, sem que gerem equiparação. Parágrafo Segundo: O valor do abono obedece à mesma divisão de função e tempo de serviço, descrita na Cláusula Terceira, não sendo acrescido na remuneração de férias e 13º salário: a) Trabalhador de Carga e Descarga de Mercadorias em Geral com menos de 1 ano de serviço, abono no valor de R$ 71,00 (Setenta e um reais). b) Trabalhador de Carga e Descarga de Mercadorias em Geral com mais de 1 ano de serviço, abono no valor de R$ 80,00 (Oitenta reais). c) Trabalhador de Carga e Descarga de Suínos, abono no valor de R$ 55,00 (Cinquenta e cinco reais). d) Conferente de Carga e Descarga de Suínos, abono no valor de R$ 37,00 (Trinta e sete reais). e) Tratorista, abono no valor de R$ 80,00 (Oitenta reais). f) Líder de Grupo de Carga e Descarga, abono no valor de R$ 55,00 (Cinquenta e cinco reais).

6 Página 6 de 16 g) Encarregado de Carga e Descarga, abono no valor de R$ 80,00 (Oitenta reais). Parágrafo Terceiro: O empregador fornecerá aos seus empregados, a relação dos estabelecimentos conveniados, por região. Parágrafo Quarto: Para ter direito no mês, o beneficio descrito no caput desta cláusula o empregado deverá cumprir os seguintes requisitos: a) Não ter falta ao trabalho no mês; b) Não ter atestado médico no mês; c) Não ter acidente de trabalho por culpa do empregado; d) Não atrasar o início do carregamento por culpa do empregado; e) Não haver atraso durante o carregamento por culpa do empregado; f) Apresentar-se no trabalho uniformizado; g) Usar os EPI s; h) Usar cinto de segurança durante o transporte para o trabalho e vice-versa; i) Não receber no mês carta de advertência ou suspensão; j) Não estar em gozo de Benefício Previdenciário ou Licença Maternidade; AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - FORNECIMENTO DE REFEIÇÃO Naqueles postos de trabalho onde a empresa não forneça alimentação ao empregado, será fornecido valealimentação aos trabalhadores nos moldes do Programa de Alimentação do Trabalhador (Lei nº 6321/76 e Portaria nº 3/02 da Secretaria de Inspeção do Trabalho), por dia de efetivo trabalho, nos seguintes valores: Jornada igual ou superior a 200 horas p/ mês: R$ 9,30 (Nove reais e trinta centavos). Jornada 12x36: R$ 9,30 (Nove reais e trinta centavos). Jornada igual ou superior a 180 horas p/ mês: R$ 7,60 (Sete reais e sessenta centavos). Jornada igual ou superior a 100 horas p/ mês: R$ 6,00 (Seis reais).

7 Página 7 de 16 Parágrafo Primeiro: Nos locais onde a empresa fornece alimentação, em refeitório próprio ou de terceiros, o empregado não fará jus à diferença de valores, entre o valor pago pela empresa pela alimentação em relação aos valores acima estipulados, ficando acordado que os valores acima são especificamente para os trabalhadores lotados em locais onde a empresa não fornece alimentação, ficando claro que o objetivo é o fornecimento da alimentação ao trabalhador. Parágrafo Segundo: As empresas descontarão 20% do valor da alimentação ou vale-alimentação fornecido aos empregados, conforme permitido pelo art. 4º da Portaria nº 3 da Secretaria de Inspeção do Trabalho de Parágrafo Terceiro: O benefício concedido terá caráter indenizatório, tendo em vista a adesão da empresa ao PAT. SEGURO DE VIDA CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - SEGURO DE VIDA A empresa manterá de forma gratuita, Seguro de Vida em Grupo em nome do empregado, com prêmio de 15 (quinze) vezes o salário normativo do empregado, em caso de morte ou invalidez permanente decorrente de acidente de trabalho. Em caso de morte natural o prêmio será de 7,5 (sete vezes e meia) o salário normativo do empregado. Pela gratuidade ao empregado, do fornecimento do Plano de Seguro de Vida, o mesmo não tem conotações salariais, mas, deverá ser considerado como um benefício social ao empregado. CONTRATO DE TRABALHO ADMISSÃO, DEMISSÃO, MODALIDADES DESLIGAMENTO/DEMISSÃO CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - VERBAS RESCISÓRIAS A quitação das verbas rescisórias será efetuada em conformidade com o que determina o artigo 477 da CLT. Parágrafo Único: Em caso de não comparecimento do empregado para recebimento das verbas rescisórias em se tratando de rescisão sujeita a homologação no Sindicato, este deverá declarar a ausência do funcionário. Na hipótese da rescisão ser realizada na sede da empresa esta comunicará a entidade sindical a ausência, ficando desobrigada nos dois casos do pagamento da multa prevista no parágrafo 8º, do artigo 477 da CLT. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - FÉRIAS PROPORCIONAIS EM PEDIDO DE DEMISSÃO Fica assegurado ao empregado que pedir demissão e que tenha 01 (um) mês de trabalho o direito, às férias proporcionais. Parágrafo Único: O empregado terá direito a 1/12 (um doze avos), obedecendo-se à fração de 15 dias.

8 Página 8 de 16 CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - DESPESAS COM A RESCISÃO CONTRATUAL A empresa fica obrigada a pagar todas as despesas efetuadas pelos empregados que forem chamados para acerto de contas fora da localidade onde prestam seus serviços. CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - ASSISTÊNCIA SINDICAL NAS RESCISÕES DE CONTRATO DE TRABALHO As homologações das rescisões de contrato de trabalho, resguardadas as disposições contidas na CLT sobre a matéria, serão efetivadas perante o Sindicato Profissional da base territorial onde o trabalhador prestar seus serviços para os empregados com 1 (um) ano ou mais de serviço. AVISO PRÉVIO CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - AVISO PRÉVIO ADICIONAL No caso de demissão sem justa causa de empregado com no mínimo 08 (oito) anos ininterruptos de serviço na Empresa, será pago um aviso prévio adicional equivalente a um salário-base do empregado, vigente no mês do desligamento. Parágrafo Primeiro: Os 30 dias de aviso prévio adicional apresentado no Caput desta cláusula terão meramente cunho indenizatório. MÃO-DE-OBRA TEMPORÁRIA/TERCEIRIZAÇÃO CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA - TRABALHADOR AVULSO O presente acordo coletivo de trabalho autoriza a requisição de trabalhadores avulsos por parte da empresa, intermediados pela entidade sindical ora subscrita como força supletiva de trabalho. RELAÇÕES DE TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO, NORMAS DE PESSOAL E ESTABILIDADES QUALIFICAÇÃO/FORMAÇÃO PROFISSIONAL CLÁUSULA DÉCIMA NONA - FORMAÇÃO PROFISSIONAL Considerando os incentivos que a Empresa concede aos seus funcionários, para que estes melhorem sua qualificação pessoal, educacional e profissional assegurando uma maior empregabilidade acorda-se que o tempo dispensado pelo funcionário para freqüência a cursos de formação genéricos ou profissionalizantes, realizados fora da jornada de trabalho dos mesmos, não serão considerados como tempo de serviço ou à disposição da Empresa, para todos os efeitos legais.

9 Página 9 de 16 CLÁUSULA VIGÉSIMA - TRANSFERÊNCIA TRANSFERÊNCIA SETOR/EMPRESA Além das despesas legais, a Empresa pagará um adicional de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o salário-base do empregado nas transferências provisórias, sendo desobrigadas de efetuarem o pagamento deste adicional, em qualquer circunstância, se estas forem definitivas, importando na mudança do funcionário de um município para outro. Parágrafo Único: A empresa fica desobrigada do pagamento citado neste Caput, se for solicitado à transferência de domicílio, formalmente, pelo empregado. ESTABILIDADE MÃE CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA - EMPREGADA GESTANTE Será garantida estabilidade à empregada gestante, desde a concepção até 60 (sessenta) dias após o término do auxílio previdenciário. ESTABILIDADE PORTADORES DOENÇA NÃO PROFISSIONAL CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA - AUXÍLIO-DOENÇA É garantido ao empregado afastado, beneficiário do auxílio-doença, o emprego ou indenização em forma de salário, durante 30 (trinta) dias após seu retorno ao trabalho, ou alta médica previdenciária. Parágrafo Único: Não se aplica nesta cláusula nos casos de: a) rescisão contratual por justa causa; b) pedido de demissão; c) término do contrato por prazo determinado. ESTABILIDADE APOSENTADORIA CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA - APOSENTADORIA É garantida a estabilidade no emprego aos empregados optantes pelo regime do FGTS, durante 12 (doze) meses imediatamente anteriores à aquisição do direito à aposentadoria, por tempo de serviço integral, desde que o empregado tenha mais de 5 (cinco) anos de serviços, ininterruptos, prestados ao mesmo empregador. Parágrafo Primeiro: Para fazer jus à estabilidade prevista no caput desta cláusula o empregado interessado deverá comunicar expressa e formalmente à Empresa que se encontra abrangido pela estabilidade, além de

10 Página 10 de 16 apresentar os documentos que comprovem o efetivo tempo de serviço. Parágrafo Segundo: Não se aplica o disposto nesta cláusula nos casos de: a) rescisão contratual por justa causa; b) pedido de demissão; c) encerramento das atividades de prestação de serviços do tomador do serviço, junto à empresa empregadora. Parágrafo Terceiro: Adquirido o direito, extingue-se a garantia de estabilidade. JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA - BANCO DE HORAS Acordam as partes que será adotado sistema de compensação das horas excedentes da jornada normal de trabalho pela empresa, de acordo com o art. 59, 2º, da CLT, nos seguintes termos: I O excesso de horas de um dia será compensado com a diminuição da jornada em outro dia, considerando-se para cada hora trabalhada em excesso, uma hora de folga; II A empresa obriga-se a anotar a freqüência dos empregados (cartão ponto, registro de ponto, etc.) que trabalhem em horas extras, de forma que permita, mensalmente, o acompanhamento individual pelo trabalhador das horas laboradas como extras, e para as necessárias constatações do Sindicato Laboral ou pela fiscalização do Ministério do Trabalho; III As horas extras trabalhadas serão compensadas no mesmo mês. Aquelas que não o forem serão pagas como extras junto com o salário do mês subseqüente aquele da prestação de serviços. Em contrapartida, o saldo negativo, ou seja, eventual redução de jornada sem compensação será desconsiderado, não podendo ser utilizado no mês subseqüente; IV Ocorrendo dispensa do empregado, este fará jus ao número de horas excedentes como hora extra, a ser pago por ocasião da rescisão do Contrato de Trabalho; Parágrafo Primeiro - Em decorrência da peculiaridade da atividade, fica autorizado o empregador a prorrogar a jornada de trabalho do empregado, mesmo nas atividades consideradas insalubres.

11 Página 11 de 16 Parágrafo Segundo - Em razão da peculiaridade da atividade, o empregador poderá necessitar, por motivo de força maior, realização ou conclusão de serviços inadiáveis, ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo manifesto, da prestação de serviços extraordinários que excedam o limite legal de dez horas diárias. Em contrapartida quando o total de horas extras realizadas e não compensadas ultrapassar o limite de 32 (trinta e duas) horas extras/mês a empresa se obriga a remunerá-las com o percentual de 70% em relação à hora normal. CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA - JORNADA DE TRABALHO Com base no Art. 7º, inciso XIII, Capítulo II da Constituição Federal, fica facultado à empresa e respectivos empregados, respeitando-se o número de horas de trabalho contratual semanal, celebrar acordo de prorrogação e compensação de horário de trabalho, visando à compensação de horas não trabalhadas em outro dia da semana. O referido acordo deverá conter a anuência do sindicato obreiro. INTERVALOS PARA DESCANSO CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA - INTERVALO PARA REPOUSO E ALIMENTAÇÃO As partes concordam que o intervalo intrajornada poderá ser suprimido por motivo de força maior, realização ou conclusão de serviços inadiáveis, ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo manifesto. Nestes casos a empresa está obrigada a remunerar apenas o período faltante, com um acréscimo de 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho. Parágrafo Primeiro - Considerando a especificidade dos serviços, fica permitido, independentemente de acordo escrito entre empregador e empregado, que o intervalo entre turnos da mesma jornada de trabalho, seja superior a 02 h (duas horas). FALTAS CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA - LIBERAÇÃO DE ESTUDANTE As faltas ao trabalho do empregado estudante em dias de exames supletivos e vestibulares, cujos horários coincidirem com o horário de trabalho e desde que o estabelecimento de ensino oficial seja na sede do trabalho ou localizada no pólo regional, serão abonadas pela Empresa, desde que expressamente comunicada com antecedência mínima de 72 (setenta e duas) horas e comprovação posterior do comparecimento e realização de tais exames. CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA - ABONO DE FALTA AO PAI/MÃE TRABALHADORA Fica assegurado abono de falta à mãe trabalhadora, mediante comprovação por declaração médica, em caso de necessidade de consulta médica ou de 01 (um) dia de trabalho, em caso de solicitação médica para acompanhamento do filho (a) de até 12 (doze) anos de idade. Sendo o filho (a) inválido ou excepcional, sem limite de idade. O abono de falta do pai trabalhador somente ocorrerá se o mesmo for separado judicialmente ou divorciado e detiver a guarda do filho (a), desde que devidamente comprovado.

12 Página 12 de 16 CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA - FÉRIAS FÉRIAS E LICENÇAS DURAÇÃO E CONCESSÃO DE FÉRIAS Havendo necessidade, com anuência da entidade sindical e concordância dos interessados, a Empresa poderá parcelar as férias dos empregados em 2 (dois) períodos, um dos quais não poderá ser inferior a 10 (dez) dias corridos, ressalvados os casos previstos no parágrafo 1º do artigo 134 da CLT. Parágrafo Único: As férias individuais ou coletivas não poderão iniciar em dias que não houver expediente de trabalho. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL CLÁUSULA TRIGÉSIMA - FORNECIMENTO DE UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAIS (EPI S) A Empresa fornecerá gratuitamente aos seus empregados, quando por lei ou por ela exigido, uniformes e demais equipamentos de proteção individual. Parágrafo Primeiro: O empregado se obriga ao uso, manutenção e limpeza adequada dos EPI s e uniformes que receber e a indenizar a Empresa por extravio ou por danificá-los propositalmente. Parágrafo Segundo: Extinto ou rescindido seu contrato de trabalho, o empregado deverá devolver para a Empresa, todos os EPI s e uniformes de seu uso conforme declaração de recebimento dos referidos materiais, sob pena da Empresa descontar na rescisão contratual os valores dispensados para aquisição dos mesmos. Parágrafo Terceiro: Quando houver troca de uniformes no início e no final da jornada só deverá ser computado na jornada o tempo despendido para tanto se este ultrapassar 5 (cinco minutos) em cada período. EXAMES MÉDICOS CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA - PERÍODO DE VALIDADE DOS EXAMES MÉDICOS OCUPACIONAIS Fica a empresa autorizada a prorrogar o prazo de validade dos exames médicos demissionais, por possuir o Código Nacional de Atividade Empresarial, sob nº , com grau de risco 3, em mais 90 (noventa) dias, conforme preconiza o item da NR 07 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO.

13 Página 13 de 16 Parágrafo Único: Fica o empregado obrigado a comparecer em local e horário, previamente agendado, para a realização dos exames médicos ocupacionais, quando este for convocado, sendo que, o não comparecimento do empregado sem a devida justificativa, sujeitará o mesmo ao desconto em sua folha de pagamento do valor correspondente à consulta, quando o profissional da área da saúde, cobrar da empresa. ACEITAÇÃO DE ATESTADOS MÉDICOS CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA - ATESTADOS MÉDICOS E ODONTOLÓGICOS A empresa reconhecerá a validade dos atestados médicos e odontológicos firmados por profissionais particulares ou credenciados pelo SUS, para justificar as faltas ao serviço, se apresentadas à empresa até 24 (vinte e quatro) horas após o ocorrido, com ressalva deste prazo para os casos de internamentos, em que a apresentação do atestado deverá ocorrer até 24 (vinte e quatro) horas após a alta médica. Parágrafo Primeiro: Os atestados médicos apresentados pelos empregados deverão obrigatoriamente conter o CID Código Internacional de Doenças. Parágrafo Segundo: Sempre que a empresa entender necessário os atestados serão avaliados e acompanhados pelos profissionais da área médica da Empresa. PROFISSIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA - SESMT ÚNICO Fica facultada à empresa a constituição de Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SESMT comum, organizado pelo sindicato patronal correspondente ou pelas próprias empresas interessadas, visando à promoção da saúde e da integridade do trabalhador da categoria nos seus locais de trabalho, em conformidade com o disposto no item da NR 4 do Ministério do Trabalho. RELAÇÕES SINDICAIS SINDICALIZAÇÃO (CAMPANHAS E CONTRATAÇÃO DE SINDICALIZADOS) CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA - SINDICALIZAÇÃO A Empresa se compromete a colaborar com as entidades na sindicalização de seus empregados, pelos meios a seu alcance, especialmente nas admissões. ACESSO DO SINDICATO AO LOCAL DE TRABALHO CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA - ACESSO DO REPRESENTANTE SINDICAL À EMPRESA

14 Página 14 de 16 Ao dirigente sindical no exercício de suas funções, será garantido acesso às dependências da Empresa, mediante prévia comunicação do presidente ou seu substituto, sujeitando-se as normas de procedimento e conduta existentes. Parágrafo Único: O dirigente Sindical obrigatoriamente será acompanhado por um representante do empregador. CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA - CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL A título de contribuição ao Fundo de Assistência ao Empregado, a empresa abrangida pelo presente Acordo Coletivo de Trabalho da categoria pagará ao Sindicato Profissional o correspondente a 2,75% (dois virgula setenta e cinco por cento), do valor do salário base de seus empregados, durante a vigência do Acordo Coletivo, que deverá ser revertido em benefício ao trabalhador através de serviços assistenciais na área de saúde, educação e qualificação profissional para o trabalhador e seus dependentes. Parágrafo Primeiro: O repasse dos valores correspondentes à contribuição assistencial será feito pela Empresa, até o sétimo dia útil, juntamente com a planilha demonstrativa de valores. Parágrafo Segundo: O sindicato prestará contas trimestralmente da aplicação de tais recursos em conformidade com o disposto no caput desta cláusula através de relatório no qual indicará o nome do trabalhador e o benefício concedido. Parágrafo Terceiro: Do valor a ser recolhido por força desta cláusula, a empresa obriga-se a depositar o percentual de 80% (oitenta por cento) para o Sindicato profissional, que assina o presente instrumento, e o percentual de 20% (vinte por cento), para a FETRAMMASC Federação dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias em Geral e Auxiliares na Administração de Armazéns Gerais, Similares, Conexos e Assemelhados do Estado de Santa Catarina. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA - MENSALIDADE SINDICAL A Empresa procederá ao desconto em folha de pagamento, dos valores relativos à mensalidade sindical, mediante apresentação pela entidade sindical profissional, da autorização individual do empregado. O repasse dos referidos valores se dará a crédito do Sindicato até o 5º dia útil do mês subseqüente ao do desconto. OUTRAS DISPOSIÇÕES SOBRE RELAÇÃO ENTRE SINDICATO E EMPRESA CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA - QUADRO DE AVISOS A Empresa facilitará a colocação em seu quadro de avisos, os editais, avisos e convocações da entidade sindical, para conhecimento dos trabalhadores.

15 Página 15 de 16 DISPOSIÇÕES GERAIS MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA - RELAÇÕES DE TRABALHO As partes acordam que, antes de qualquer encaminhamento administrativo ou judicial, notificarão a parte adversa na tentativa de conciliação, observando no que forem aplicáveis, as normas do artigo 613 da CLT, inclusive na renovação ou reformulação das condições por este acordo estipuladas. Parágrafo Único: Baseados no instituto da livre negociação, as partes reunir-se-ão novamente, sempre que necessário, para avaliação de eventuais reivindicações da categoria. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA - DO FORO As partes elegem o Foro da Comarca de Joaçaba SC, para dirimir qualquer duvida quanto ao cumprimento do presente Acordo Coletivo de Trabalho, independente de qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA PRIMEIRA - PREÂMBULO As cláusulas desse acordo coletivo não podem ser interpretadas de forma apartada, pois resultaram de um processo de negociação, no qual ambas as partes cederam e tiveram suas vantagens, devendo, portanto, ser analisadas em sua totalidade, sob pena de desconsideração da mesma como um todo, tanto no que concerne aos benefícios para os empregados quanto para a empresa. Parágrafo Único: O presente instrumento será em todas as suas cláusulas e condições válidas para a empresa acordante, bem como em suas filiais, em relação aos trabalhadores da cidade de HERVAL D OESTE E REGIÃO. DESCUMPRIMENTO DO INSTRUMENTO COLETIVO CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA - PENALIDADES Fica estipulada uma multa de 2% (dois por cento) do Salário Normativo da Categoria, em favor do empregado prejudicado, por descumprimento das obrigações de fazer, instituídas neste acordo. LUIZ ANTONIO FIDELIS PRESIDENTE SIND.DOS TRAB.NA MOV.DE MERC.EM GERAL DE HERVAL D'OESTE

16 Página 16 de 16 TADEU MARGARIDA DIRETOR LIMGER EMPRESA DE LIMPEZAS GERAIS E SERVICOS LTDA

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 20/3/2014 10:43 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000166/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/03/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001874/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.003144/2014-04

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002408/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058446/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001895/2015-09 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 1 de 6 18/06/2014 08:16 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001241/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR025405/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003285/2014-51

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000212/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021394/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003027/2013-64 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001604/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039885/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.001487/2011-85 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012425/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060338/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46263.004405/2014-31 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002667/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027436/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.005491/2011-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000792/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016119/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 47193.000049/2012-58

Leia mais

O Piso Salarial da categoria, a partir de 01 de maio de 2015, será de R$ 865,00 (Oitocentos e sessenta e cinco reais).

O Piso Salarial da categoria, a partir de 01 de maio de 2015, será de R$ 865,00 (Oitocentos e sessenta e cinco reais). CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000185/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022722/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.001751/2015-15 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000601/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016325/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000436/2015-60 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP010191/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054036/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46262.003848/2010-91 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000214/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027655/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46085.000793/2011-36 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000123/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023370/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.002929/2011-79 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 10 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000052/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001722/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.001204/2012-75

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SIND DOS EMP VEN E VIAJ DO C P P V E VEN DE P FAR DO DF, CNPJ n. 00.449.181/0001-38, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). MARIA APARECIDA ALVES

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072168/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 11/11/2015 ÀS 17:47 SINDICATO DOS EMPREG VEND E VIAJ DO COM NO ESTADO DO RS, CNPJ n. 92.997.394/0001

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002684/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/12/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR071744/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.047000/2011-10

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001498/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039452/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012508/2013-39 DATA DO PROTOCOLO: 01/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000693/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067928/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.022304/2012-64 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000422/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.005494/2011-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002293/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR056684/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46303.001097/2014-78 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002450/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055380/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005486/2013-10 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003161/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR083843/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.003527/2014-86 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP013233/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053585/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46423.000422/2014-19 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000334/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039626/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001278/2014-33 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001531/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061722/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.018555/2014-16 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001993/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR056972/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.015336/2015-17 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 11 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001368/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038297/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009223/2012-30 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000742/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016555/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008711/2013-20 DATA DO PROTOCOLO: 09/08/2013 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001219/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031663/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46303.000596/2015 29 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005920/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024432/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002845/2015-54 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000954/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029028/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009096/2013-50 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002051/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053283/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004990/2014-75 DATA

Leia mais