PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS"

Transcrição

1 PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

2 ÍNDICE PÁGINAS 1. PROPÓSITO COMPETÊNCIAS CONCEITOS ORGANIZAÇÃO DOS CARGOS ESPECIALIDADES ADMISSÃO DE PESSOAL POLÍTICA SALARIAL Remuneração Promoções BENEFÍCIOS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS DISPOSIÇÕES FINAIS VIGÊNCIA ANEXOS Anexo A - Detalhamento das Especialidades de Nível Fundamental Anexo B - Detalhamento das Especialidades de Nível Médio Anexo C - Detalhamento das Especialidades de Nível Superior Anexo D - Perfil para Enquadramento nos Cargos nas Admissões de Pessoal 1. Cargo de Nível Fundamental 2. Cargo de Nível Médio 3. Cargo de Nível Superior Anexo E - Tabelas Salariais 1. Nível Fundamental 2. Nível Médio 3. Nível Superior Anexo F Correspondência dos Cargos deste PCS com os Cargos do PCS anterior Anexo G Correspondência das Especialidades deste PCS com as Especialidades do PCS anterior 2

3 1. PROPÓSITO 1.1 O Plano de Cargos e Salários (PCS) da EMGEPRON, elaborado conforme previsto no Estatuto da Empresa, tem como propósito estabelecer as diretrizes e os procedimentos referentes aos cargos necessários às atividades da Empresa e à sua correspondente política salarial. 1.2 Cargo e Salário é uma especialização da área de Recursos Humanos, que tem como propósito introduzir e manter um conjunto de normas e procedimentos que visam estabelecer estruturas de cargos e salários compatíveis com as necessidades da Empresa. Sua principal ferramenta é o Plano de Cargos e Salários (PCS), que define a estrutura de cargos adequados às atividades da Empresa e os níveis salariais a serem praticados. 2. COMPETÊNCIAS 2.1 De acordo com dispositivos estatutários da EMGEPRON e legislação vigente, aos seguintes órgãos da Empresa e Autoridades, a seguir indicados, compete: a) à Diretoria: submeter ao Conselho de Administração propostas de modificações do PCS; b) ao Conselho de Administração: autorizar as propostas de modificações do PCS; c) ao Comandante da Marinha: autorizar as modificações do PCS, após autorização do Conselho de Administração; d) ao Ministro da Defesa: autorizar as modificações do PCS, após autorização do Comandante da Marinha; e e) ao órgão competente do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão: aprovar o Plano de Cargos e Salários. 2.2 À Diretoria Administrativa e Financeira da EMGEPRON compete promover as ações necessárias à permanente atualização do PCS. 3

4 3. CONCEITOS Para os efeitos deste Plano são utilizados os seguintes conceitos: 3.1 Cargo Efetivo: é o que será preenchido através de concurso público. 3.2 Cargo de Direção: é o que será preenchido por indicação do Comandante da Marinha, ratificada pelo Ministro da Defesa e nomeado pelo Presidente da República. 3.3 Emprego Comissionado: é o que pode ser preenchido por livre escolha do Diretor-Presidente, dentro do limite autorizado. 3.4 Ocupante de Cargo: é toda pessoa que tem Contrato Individual de Trabalho com a Empresa, bem como os militares e servidores civis cedidos à Empresa. 3.5 Especialidades: são as subdivisões dos cargos, que denotam a habilitação profissional específica necessária para admissão na Empresa. 3.6 Nível de Cargo Efetivo: escolaridade exigida para a admissão na Empresa e para o exercício do cargo. 3.7 Faixa Salarial: conjunto de padrões salariais. 3.8 Padrão Salarial: unidade salarial dentro da faixa salarial, em cada nível. 3.9 Promoção: ascensão salarial do empregado, sem mudança do cargo Progressão Funcional: elevação salarial, concedida a título de incentivo, aos empregados que tiverem se destacado na Empresa. 4

5 4. ORGANIZAÇÃO DOS CARGOS 4.1 As descrições e as siglas dos cargos efetivos são os seguintes: CARGOS EFETIVOS DA EMGEPRON DESCRIÇÃO SIGLA NÍVEL AUXILIAR DE PROJETOS NAVAIS AXPN FUNDAMENTAL TÉCNICO DE PROJETOS NAVAIS TCPN MÉDIO ANALISTA DE PROJETOS NAVAIS ANPN SUPERIOR 5. ESPECIALIDADES 5.1 As Especialidades dos níveis Fundamental, Médio e Superior são as constantes dos Anexos A, B e C. 5.2 O detalhamento das tarefas e atribuições dos cargos, funções e especialidades, constará de Manuais, complementando as informações contidas nos Anexos A, B e C. 5.3 Ao Departamento de Recursos Humanos compete manter atualizados os referidos manuais. 5.4 As Especialidades constantes deste PCS, necessárias à atuação da Empresa, poderão ser alteradas em função do desenvolvimento de suas atividades, desde que obedecido o limite de quantitativo de pessoal autorizado. 5.5 As especialidades poderão ser subdivididas em sub-especialidades sempre que for necessária habilitação profissional específica e especializada para admissão na Empresa. 5

6 6. ADMISSÃO DE PESSOAL 6.1 O preenchimento de cargos do Quadro de Pessoal da EMGEPRON é feito de acordo com o previsto nos dispositivos legais vigentes. 6.2 O Quadro de Pessoal da EMGEPRON é constituído de empregados contratados sob o regime da CLT, mediante Concurso Público. 6.3 Conforme previsto na sua lei de criação, também fazem parte da força de trabalho da Empresa, militares da ativa e da reserva da Marinha e servidores públicos civis colocados à disposição da Empresa, que continuam recebendo suas remunerações pelos órgãos de origem. 6.4 A Empresa também poderá contratar, em caráter temporário, independente de provas de habilitação em Concurso Público, empregados para exercerem empregos comissionados ou designar, para esses empregos, empregados do seu Quadro de Pessoal, nos termos do Estatuto da Empresa e legislação em vigor. 6.5 O total de empregos comissionados não poderá exceder a 2% do limite de quantitativo de pessoal autorizado. 6.6 Nas admissões de pessoal, o perfil para enquadramento inicial nos cargos em cada nível, pelas diversas Categorias, considera a experiência e o nível de escolaridade de cada um, conforme Critérios para Enquadramento Inicial, constantes do Anexo D. 6.7 Ao ser admitido, o empregado será enquadrado no padrão salarial da Categoria do Nível do seu Cargo conforme detalhado no Anexo D e constante no Edital do respectivo concurso. 6.8 Após a admissão do empregado, não é permitido, de acordo com dispositivos legais vigentes, que haja mudança do seu cargo nem a transposição de um nível para outro, a não ser pela realização de novo Concurso Público. 6

7 7. POLÍTICA SALARIAL É o conjunto de princípios e diretrizes que orientam os assuntos referentes à remuneração e aos benefícios a que têm direito os empregados da Empresa. 7.1 Remuneração Os empregados da EMGEPRON admitidos por Concurso Público serão regidos por este PCS Os empregados contratados em caráter temporário, para exercerem empregos comissionados, e os militares e servidores civis cedidos à Empresa, serão regidos pelo Plano de Empregos Comissionados, conforme disposto no subitem A remuneração é composta de: a) Salário-base; b) Gratificações: - Gratificação por Tempo de Serviço; - Gratificação de Função; - Gratificação de Atividade Estratégica; e - Gratificação de Qualificação; c) Outras gratificações, indenizações e adicionais, estabelecidas em leis específicas O salário-base é o valor correspondente a cada padrão salarial constante das tabelas salariais As tabelas salariais dos empregados (Níveis Fundamental, Médio e Superior) possuem 36 (trinta e seis) padrões salariais cada, numerados, cardinalmente, em ordem crescente, de 1 a 36, a partir do menor valor salarial O enquadramento do empregado na tabela salarial dar-se-á em um determinado padrão salarial, quando de sua admissão. Os padrões salariais serão 7

8 representados pela letra indicativa do Nível (F, M ou S), seguida do número cardinal, de 1 a As tabelas salariais a vigorarem com a aprovação deste PCS são as constantes do Anexo E A Gratificação por Tempo de Serviço será concedida na base de 5% por qüinqüênio (cinco anos de efetivo serviço), limitado ao teto de 7 (sete) quinquênios, calculados sobre o valor do salário-base, devida a partir do mês em que o empregado completar cada cinco anos de efetivo serviço na Empresa, observado o disposto no subitem A Gratificação de Função é inerente ao exercício de função de Assessor, Coordenador, Gerente, Chefes de Departamento, de Divisão, de Seção, de Setor e de Gabinete e de Secretário do Diretor Presidente, sendo devida quando for efetivamente exercida Fazem jus à Gratificação de Função: a) Assessores do Diretor-Presidente: 30% (trinta por cento); b) Chefe de Gabinete do Diretor-Presidente: 25% (vinte e cinco por cento); c) Secretário do Diretor-Presidente: 15% (quinze por cento); d) Chefes de Departamentos e Coordenadores: 30% (trinta por cento); e) Chefes de Divisões e Gerentes: 20% (vinte por cento); e f) Chefes de Seções e de Setores: 10% (dez por cento) Os militares da ativa e inativos e os servidores públicos civis colocados à disposição da Empresa, quando exercerem uma das funções constantes do subitem , farão jus ao previsto no Plano de Empregos Comissionados Aquele que exercer, simultaneamente, mais de uma função, somente fará jus ao percentual de maior valor da Gratificação de Função Os percentuais da Gratificação de Função serão calculados sobre o valor do maior padrão do nível a que pertence o ocupante da função. 8

9 A Gratificação de Atividade Estratégica é devida aos empregados considerados detentores de conhecimentos de natureza estratégica, nos seguintes percentuais, definidos pelo Diretor Presidente quando de sua concessão, não cumulativos entre si, calculados sobre o salário-base do empregado: - Tipo A: 50% (cinqüenta por cento); - Tipo B: 40% (quarenta por cento); - Tipo C: 30% (trinta por cento); - Tipo D: 20% (vinte por cento); e - Tipo E: 10% (dez por cento) A Gratificação de Atividade Estratégica é cumulativa com as demais Gratificações A concessão da Gratificação de Atividade Estratégica é limitada em 20% (vinte por cento) do limite de quantitativo de pessoal autorizado A Gratificação de Qualificação poderá ser concedida ao empregado em razão de conhecimentos adicionais adquiridos com a conclusão de curso(s) que tenha(m) correlação com a sua área de atuação e/ou que contribua(m) para o seu desempenho na Empresa, nos seguintes percentuais e situações, observado o disposto nos subitens seguintes: a) 15% - em se tratando de título de Doutor; b) 10% - em se tratando de título de Mestre; c) 8% - em se tratando de Certificado de Pós-Graduação ou conclusão de MBA; e d) 5% - em se tratando de empregado de Nível Médio ou Fundamental portador de Curso Superior Os percentuais da Gratificação de Qualificação serão calculados sobre o menor salário-base da Tabela Salarial do Nível Superior O empregado enquadrado em mais de uma das alíneas do subitem somente fará jus ao percentual de maior valor. 9

10 A Gratificação de Qualificação não será concedida quando o curso constituir requisito para ingresso no cargo A Gratificação de Qualificação poderá ser paga cumulativamente com as demais gratificações previstas neste PCS, sendo limitada a 20% (vinte por cento) do limite de quantitativo de pessoal autorizado A concessão inicial da Gratificação de Qualificação dependerá de avaliação do seu enquadramento nos critérios ora estabelecidos para a sua concessão, nas situações previstas no subitem Os empregados que, por ocasião da implantação deste PCS estiverem realizando algum curso enquadrável nas situações previstas no subitem , poderão solicitar a concessão inicial prevista no subitem , após a conclusão do curso, desde que a referida conclusão ocorra no prazo máximo de um ano após a implantação deste PCS As concessões posteriores às mencionadas nos subitens e só ocorrerão por indicação de empregados, pela Empresa, para a realização de cursos de interesse da EMGEPRON Os empregados que forem transferidos de área deverão ser submetidos à nova análise e a concessão da Gratificação de Qualificação dependerá do cumprimento das regras previstas para novas concessões Serão pagas aos empregados outras Gratificações, Indenizações e Adicionais estabelecidos em leis específicas A concessão e o cancelamento das gratificações serão formalizados por Ordem de Serviço, exceto a Gratificação de Tempo de Serviço, que será concedida automaticamente, quando o empregado completar cada quinquênio A concessão de quaisquer vantagens de caráter remuneratório fica limitada ao percentual mínimo legal estabelecido na Constituição Federal, na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e nos demais normativos vigentes. 10

11 Não é permitida a concessão de empréstimos pecuniários, a qualquer título, de licença-prêmio, de abono de assiduidade e de férias em período superior a trinta dias, bem como a incorporação à remuneração da Gratificação de Função, da Gratificação de Atividade Estratégica, da Gratificação de Tempo de Serviço e da Gratificação de Qualificação Promoções seguir: Os procedimentos referentes às promoções dos empregados são os indicados a No exercício do seu cargo, o empregado será continuamente avaliado quanto ao seu desempenho, através de procedimentos estabelecidos em instrução normativa interna, com a finalidade de orientar as suas promoções As promoções ocorrerão, normalmente, em 1º de julho de cada ano, sendo de um padrão salarial a cada promoção, podendo ser, em caráter excepcional, de até três padrões salariais As promoções serão concedidas pelos critérios de antigüidade e por merecimento As promoções por antigüidade deverão abranger, no mínimo, a 1/5 do total anual de promoções Para ser indicado para promoção, o empregado terá que preencher os seguintes requisitos: a) possuir, no mínimo, um ano na Empresa; b) não ter sofrido pena disciplinar no ano anterior ao da promoção; e c) não estar afastado, exceto por licença maternidade. 11

12 7.2.6 Para ser indicado para promoção por merecimento, além dos requisitos mencionados no subitem 7.2.5, o empregado deverá obter uma pontuação, no mínimo, superior a 50% (cinqüenta por cento) na média do ano anterior, no processo de Avaliação de Desempenho realizado pela Empresa, conforme instrução normativa interna Os procedimentos e o cronograma de eventos e prazos para processamento das promoções serão detalhados em instrução normativa interna Os 05 (cinco) empregados escolhidos, a cada ano, como Empregados- Padrão, conforme previsto em instrução normativa interna, farão jus a uma promoção extraordinária, de um padrão salarial, a partir do mês de agosto Além das promoções previstas nos itens e 7.2.8, ocorrerá a cada três anos, no mês de setembro, uma progressão funcional que será concedida, a título de incentivo, aos empregados que tiverem se destacado na Empresa Para fazer jus à progressão funcional, o empregado deverá preencher, cumulativamente, os seguintes requisitos técnicos e profissionais, nas condições a seguir mencionadas, nos últimos cinco anos: a) possuir, no mínimo, cinco anos ininterruptos, na Empresa; b) não possuir nenhuma pena disciplinar ou ética na Empresa; c) ter obtido, nos últimos 5 (cinco) anos uma média de avaliação de desempenho igual ou superior a 80% da avaliação máxima, no processo de Avaliação de Desempenho adotado pela Empresa; d) não ter solicitado licença sem vencimento; e e) não ter sido cedido a outros Órgãos O empregado que preencher todos os requisitos elencados no subitem , terá seu salário-base reajustado em um padrão salarial O primeiro processo para progressão funcional dos empregados será feito três anos após a aprovação deste PCS, obedecido ao disposto no subitem

13 O empregado que tiver o seu salário reajustado por um processo de progressão funcional só poderá concorrer a novo processo após o prazo mínimo de três anos As promoções estarão condicionadas aos limites financeiros autorizados pela legislação em vigor e à disponibilidade de recursos financeiros da Empresa. 8. BENEFÍCIOS 8.1 A EMGEPRON proporciona aos seus empregados os seguintes benefícios, além daqueles determinados em lei: a) Assistência Médico-Social; b) Seguro de Vida em Grupo; c) Auxílio Alimentação; e d) Assistência Odontológica. 8.2 A participação da Empresa no total dos gastos com o custeio da Assistência Médico-Social e do Seguro de Vida em Grupo, não poderá exceder a 50% (cinqüenta por cento). 8.3 As Normas e os procedimentos referentes aos benefícios serão detalhados em instruções normativas internas, obedecido ao disposto neste PCS e aos dispositivos legais vigentes. 9. DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 9.1 Os empregados tomarão conhecimento deste PCS e assinarão um Termo de Adesão, ratificando as modificações introduzidas, pelo qual passam a ter os direitos nele contidos, bem como as obrigações dele decorrentes. 9.2 A correspondência entre os cargos deste PCS com os do PCS anterior constam do Anexo F. 13

14 9.3 A correspondência entre as especialidades deste PCS com os do PCS anterior são as constantes do anexo G. 9.4 O Plano de Empregos Comissionados, previsto no subitem 7.1.2, deverá ser elaborado pela Empresa, no prazo máximo de 120 dias, a partir da aprovação deste PCS, devendo ser submetido à aprovação das autoridades competentes. 9.5 Até que seja aprovado o Plano de Empregos Comissionados, previsto no subitem 7.1.2, os empregados não admitidos por Concurso Público, que percebiam remuneração prevista neste PCS, continuarão a recebê-la, na fase de transição até a aprovação supramencionada. 10. DISPOSIÇÕES FINAIS 10.1 A Gratificação de Tempo de Serviço não será concedida aos empregados que forem admitidos a partir da vigência deste PCS A Diária e a Indenização de Transporte serão pagas por ocasião de viagens a serviço da Empresa, dentro de critérios e valores estabelecidos em instrução normativa interna A Indenização de Combustível será paga por ocasião de deslocamento a serviço em viatura particular, conforme procedimentos estabelecidos em instrução normativa interna Os casos omissos serão decididos pela Diretoria e, se for o caso, pelas implicações decorrentes, ratificados pelo Conselho de Administração. 11. VIGÊNCIA Este PCS entrará em vigor na data da sua aprovação, com efeitos financeiros a vigorarem a partir de 1º de outubro de 2007, conforme tabelas salariais do anexo E. 14

15 ANEXO A DETALHAMENTO DAS ESPECIALIDADES DE NÍVEL FUNDAMENTAL CARGO : AXPN - AUXILIAR DE PROJETOS NAVAIS AUXILIAR FABRICAÇÃO AUXILIAR MANIPULAÇÃO ARTÍFICE MUNIÇÃO ARTIFICE PIROTECNIA ARTIFICE VELAME E POLEAME ALMOXARIFADO ESCRITÓRIO GARÇOM FABRICAÇÃO E MONTAGEM LABORATÓRIO MANUTENÇÃO SEGURANÇA SEGURANÇA DO TRABALHO SERVIÇOS GERAIS BOMBEIRO BOMBEIRO MOTORISTA BOMBEIRO HIDRÁULICO / ENCANADOR CARPINTEIRO COZINHEIRO DESENHISTA FERRAMENTEIRO JARDINEIRO MARCENEIRO MESTRE AJUSTADOR MESTRE CONSTRUÇÃO CIVIL MOTORISTA MOTORISTA VIATURAS ESPECIAIS ESPECIALIDADE OFICIAL INDUSTRIAL AFIADOR DE FERRAMENTAL OFICIAL INDUSTRIAL AJUSTADOR MECÂNICO OFICIAL INDUSTRIAL CARPINTEIRO NAVAL OFICIAL INDUSTRIAL CHAPEADOR ESMERILHADOR OFICIAL INDUSTRIAL CHAPEADOR MONTADOR OFICIAL INDUSTRIAL ELETRICISTA OFICIAL INDISTRIAL ENCANADOR OFICIAL INDUSTRIAL FABRICAÇÃO E MONTAGEM FORJADOR FRESADOR FUNDIDOR FUNILEIRO FUNDIDOR GALVANOPLASTIA FUNDIDOR INSTRUMENTISTA FUNDIDOR ISOLADOR TÉRMICO 15

16 OFICIAL INDUSTRIAL LAMINADOR DE FIBRA DE VIDRO OFICIAL INDUSTRIAL MANUTENÇÃO OFICIAL INDUSTRIAL MAÇARIQUEIRO OFICIAL INDUSTRIAL MECÂNICO OFICIAL INDUSTRIAL MODELADOR DE FUNDIÇÃO OFICIAL INDUSTRIAL MONTADOR OFICIAL INDUSTRIAL OPERADOR DE FORNO OFICIAL INDUSTRIAL PINTOR OFICIAL INDUSTRIAL PLAINADOR OFICIAL INDUSTRIAL PROGRAMADOR DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS OFICIAL INDUSTRIAL PROGRAMADOR DE MÁQUINAS CNC OFICIAL INDUSTRIAL RETIFICADOR OFICIAL INDUSTRIAL SERRALHEIRO OFICIAL INDUSTRIAL SOLDADOR OFICIAL INDUSTRIAL TORNEIRO FERRAMENTEIRO OFICIAL INDUSTRIAL TORNEIRO MECÂNICO OPERADOR EQUIPAMENTO MÓVEL OPERADOR INDUSTRIAL MÁQUINAS OPERADOR INDUSTRIAL - PRENSA DE FORJAMENTO OPERADOR JATO ABRASIVO OPERADOR MANOBRA DE PESO OPERADOR MÁQUINAS CNC CENTRO DE USINAGEM OPERADOR MÁQUINAS CNC FRESADOR OPERADOR MÁQUINAS CNC TORNEIRO OPERADOR RAIOS X PANTOGRAFISTA PEDREIRO PINTOR PINTOR NAVAL SERVENTE INDUSTRIAL VIGILANTE ZELADOR 16

17 ANEXO B DETALHAMENTO DAS ESPECIALIDADES DE NÍVEL MÉDIO CARGO : TCPN TÉCNICO DE PROJETOS NAVAIS ESPECIALIDADE ALMOXARIFE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO ADMINISTRAÇÃO ASSISTENTE ADMINISTRATIVO COMPRAS ASSISTENTE ADMINISTRATIVO MATERIAL ASSISTENTE ADMINISTRATIVO RECURSOS HUMANOS AUXILIAR DE BIBLIOTECA AUXILIAR DE ENFERMAGEM AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO TRABALHO MANIPULADOR METROLOGISTA MODELISTA OPERADOR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES PROGRAMADOR COMPUTADOR SUPERVISOR SEGURANÇA TÉCNICO ANÁLISES QUIMICAS TÉCNICO BIOTECNOLOGIA TÉCNICO CERÂMICA TÉCNICO COMBATE A INCÊNDIO TÉCNICO CONTABILIDADE TÉCNICO CONTROLADOR DE MUNIÇÃO TÉCNICO DESENHISTA TÉCNICO EDIFICAÇÕES TÉCNICO ELETRICIDADE TÉCNICO ELETRÔNICA TÉCNICO DE ELETROTÉCNICA TÉCNICO ENFERMAGEM TÉCNICO FABRICAÇÃO E MONTAGEM TÉCNICO FARMÁCIA TÉCNICO GAMAGRAFIA TECNICO IMPLANTAÇÃO TECNICO INDUSTRIAL ESTRUTURAS TÉCNICO INDUSTRIAL MÁQUINAS TÉCNICO INFORMÁTICA TÉCNICO INSTRUMENTAÇÃO TÉCNICO LABORATÓRIO TÉCNICO MECÂNICA TÉCNICO METALURGIA TÉCNICO MUNIÇÃO TÉCNICO OPERAÇÃO DE PROCESSOS TÉCNICO OPERADOR - CIRCUITO TERMOHIDRÁULICO TÉCNICO OPERADOR - REATOR NUCLEAR 17

18 TÉCNICO OPERADOR - SUBESTAÇÃO TÉCNICO PROGRAMAÇÃO E CONTROLE TÉCNICO PROJETISTA TÉCNICO PROJETISTA FERRAMENTAL TÉCNICO SANEAMENTO AMBIENTAL TÉCNICO QUALIDADE TÉCNICO QUÍMICA TÉCNICO RADIOLOGIA TÉCNICO RADIOPROTEÇÃO TÉCNICO SECRETARIADO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO TÉCNICO SOLDAGEM TÉCNICO TELEPROCESSAMENTO TÉCNICO TRATAMENTO TÉRMICO E SUPERFICIAL TÉCNICO TUBULAÇÕES TELEFONISTA TOPÓGRAFO 18

19 ANEXO C ANEXO C DETALHAMENTO DAS ESPECIALIDADES DE NÍVEL SUPERIOR CARGO : ANPN - ANALISTA DE PROJETOS NAVAIS ESPECIALIDADE ADVOGADO ANALISTA ADMINISTRAÇÃO ANALISTA ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS ANALISTA DE GAMAGRAFIA ANALISTA INSTALAÇÕES E PROCESSOS NUCLEARES ANALISTA DE PROCESSOS ANALISTA DE PROJETOS MILITARES ANALISTA DE RADIOPROTEÇÃO ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS ANALISTA DE SISTEMAS DE ARMAS ANALISTA DE SISTEMAS ANALISTA TÉCNICO ARQUITETO ASSESSOR ESPECIALIZADO BIBLIOTECÁRIO BIÓLOGO CIRURGIÃO DENTISTA CONTADOR COORDENADOR ECONOMISTA ENGENHEIRO AGRONOMO ENGENHEIRO ARMAMENTO ENGENHEIRO CIVIL ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRÔNICO ENGENHEIRO ELETRO-ELETRÔNICO ENGENHEIRO MATERIAIS ENGENHEIRO MECÂNICO ENGENHEIRO MECATRÔNICA ENGENHEIRO METALÚRGICO ENGENHEIRO NAVAL ENGENHEIRO PRODUÇÃO ENGENHEIRO QUÍMICO ENGENHEIRO SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICO FARMACÊUTICO FÍSICO FISIOTERAPEUTA INSPETOR DE QUALIDADE INSPETOR NAVAL MÉDICO AUDITOR MÉDICO CLINICA MÉDICA MÉDICO DO TRABALHO MÉDICO ORTOPEDISTA MÉDICO OTORRINOLARINGOLISTA MÉDICO RADIOLOGISTA 19

20 MUSEÓLOGO NUTRICIONISTA OCEANÓGRAFO OPERADOR CAD OPERADOR CIRCUITO TERMOHIDRÁULICO OPERADOR REATOR NUCLEAR PEDAGOGO ORIENTADOR EDUCACIONAL PEDAGOGO / SUPERVISÃO EDUCACIONAL PRÁTICO DE MERCANTE/AGENTE DE MANOBRAS QUÍMICO TECNÓLOGO VISTORIADOR NAVAL 20

21 ANEXO D PERFIL PARA ENQUADRAMENTO NOS CARGOS NAS ADMISSÕES DE PESSOAL 1 - CARGO DE NÍVEL FUNDAMENTAL CATEGORIA FAIXA SALARIAL CRITÉRIOS PARA ENQUADRAMENTO INICIAL I F - 1 a F 2. Possuir o NÍVEL FUNDAMENTAL. Sem exigência de experiência prévia. II F - 3 a F 5 III F - 6 a F 15. Possuir o NÍVEL FUNDAMENTAL;. Ter, no mínimo, 2 anos de experiência comprovada na sua área de atuação ou especialidade.. Possuir o NÍVEL FUNDAMENTAL e, preferencialmente, um curso concluído dentro de sua área de atuação ou especialidade;. Ter,no mínimo, 5 anos de experiência comprovada na sua área de atuação ou especialidade. IV F - 16 a F 19. Possuir o NÍVEL FUNDAMENTAL e, preferencialmente, dois cursos concluídos dentro de sua área de atuação ou especialidade;. Ter,no mínimo, 10 anos de experiência comprovada na sua área de atuação ou especialidade. V F - 20 a F Possuir o NÍVEL FUNDAMENTAL e, preferencialmente, três cursos concluídos dentro de sua área de atuação ou especialidade;. Ter,no mínimo, 15 anos de experiência comprovada na sua área de atuação ou especialidade. 21

22 ANEXO D PERFIL PARA ENQUADRAMENTO NOS CARGOS NAS ADMISSÕES DE PESSOAL 2 - CARGO DE NÍVEL MÉDIO CATEGORIA I FAIXA SALARIAL M - 1 a M - 3 CRITÉRIOS PARA ENQUADRAMENTO INICIAL - Possuir o curso de nível médio. Para o exercício de profissão regulamentada, possuir certificados de conclusão de curso, bem como registro junto a Conselho e/ou Sindicatos.. Sem exigência de experiência prévia. II M - 4 a M 7 - Possuir o curso de nível médio. Para o exercício de profissão regulamentada, possuir certificados de conclusão de curso, bem como registro junto a Conselho e/ou Sindicatos;. Ter, no mínimo, 2 anos de experiência comprovada na sua área de atuação. III M - 8 a M 14 - Possuir o curso de nível médio. Para o exercício de profissão regulamentada, possuir certificados de conclusão de curso, bem como registro junto a Conselho e/ou Sindicatos;. Ter, no mínimo, 5 anos de experiência comprovada na sua área de atuação. - Possuir o curso de nível médio IV M - 15 a M 18 - Para o exercício de profissão regulamentada, possuir certificados de conclusão de curso, bem como registro junto a Conselho e/ou Sindicatos;. Ter, no mínimo, 10 anos de experiência comprovada na sua área de atuação. - Possuir o curso de nível médio V M - 19 a M Para o exercício de profissão regulamentada, possuir certificados de conclusão de curso de especialização ou equivalente, bem como registro junto a Conselho e/ou Sindicatos;. Ter, no mínimo, 15 anos de experiência comprovada na sua área de atuação. 22

23 ANEXO D PERFIL PARA ENQUADRAMENTO NOS CARGOS NAS ADMISSÕES DE PESSOAL 3 - CARGO DE NÍVEL SUPERIOR CATEGORIA FAIXA SALARIAL CRITÉRIOS PARA ENQUADRAMENTO INICIAL. Possuir certificado de curso de nível superior reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação; I S - 1 a S - 3. Possuir registro junto a Conselho e/ou Sindicatos para exercícios de profissão regulamentada.. Sem exigência de experiência prévia.. Possuir certificado de curso de nível superior reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação; II S - 4 a S 8. Possuir registro junto a Conselho e/ou Sindicatos para exercícios de profissão regulamentada; e. Ter, no mínimo, 2 anos de experiência comprovada na sua área de atuação ou especialidade.. Possuir certificado de curso de nível superior reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação. III S 9 a S 13. Possuir registro junto a Conselho e/ou Sindicatos para exercícios de profissão regulamentada.. Ter, no mínimo, 5 anos de experiência comprovada na sua área de atuação.. Possuir certificado de curso de especialização ou equivalente de nível superior reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação. IV S -14 a S 18. Possuir registro junto a Conselho e/ou Sindicatos para exercícios de profissão regulamentada.. Ter, no mínimo, 10 anos de experiência comprovada na área de atuação.. Possuir certificado de curso de especialização ou equivalente de nível superior reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação. V S - 19 a S Possuir registro junto a Conselho e/ou Sindicatos para exercícios de profissão regulamentada.. Ter, no mínimo, 15 anos de experiência comprovada na área de atuação. 23

24 ANEXO E Tabelas Salariais Vigência a partir de 1º/10/2007 NÍVEL FUNDAMENTAL NÍVEL MÉDIO NÍVEL SUPERIOR ( antigo Nível Auxiliar ) Padrões Salário-Base Padrões Salário-Base Padrões Salário-Base Salariais (R$1,00) Salariais (R$1,00) Salariais (R$1,00) F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S F M S

25 ANEXO F 1 Nível Fundamental CORRESPONDÊNCIA DOS CARGOS DESTE PCS COM OS CARGOS DO PCS ANTERIOR De: ARTÍFICE, AUXILIAR, BOMBEIRO, BOMBEIRO HIDRÁULICO / ENCANADOR, CARPINTEIRO, COZINHEIRO, DESENHISTA, FERRAMENTEIRO, JARDINEIRO, MARCENEIRO, MESTRE, MOTORISTA, OFICIAL INDUSTRIAL, OPERADOR, PANTOGRAFISTA, PEDREIRO, PINTOR, SERVENTE, VIGILANTE e ZELADOR. Para: AUXILIAR DE PROJETOS NAVAIS 2 Nível Médio De: ALMOXARIFE, ASSISTENTE ADMINISTRATIVO, AUXILIAR DE BIBLIOTECA, AUXILIAR DE ENFERMAGEM, METROLOGISTA, MODELISTA, OPERADOR, PROGRAMADOR, SUPERVISOR, TÉCNICO, TELEFONISTA e TOPÓGRAFO. Para: TÉCNICO DE PROJETOS NAVAIS 3 Nível Superior De: ADVOGADO, ANALISTA, ANALISTA DE SISTEMAS, ANALISTA TÉCNICO, ARQUITETO, BIBLIOTECÁRIO, BIÓLOGO, CIRURGIÃO - DENTISTA (*), CONTADOR, ECONOMISTA, ENGENHEIRO, ESTATÍSTICO, FARMACÊUTIC, FÍSICO, FISIOTERAPEUTA, INSPETOR DE QUALIDADE, INSPETOR NAVAL, MÉDICO (*), MUSEÓLOGO, NUTRICIONISTA, OCEANÓGRAFO, OPERADOR, PEDAGOGO, PEDAGOGO / SUPERVISÃO EDUCACIONAL, QUÍMICO, TECNÓLOGO, VISTORIADOR NAVAL. Para: ANALISTA DE PROJETOS NAVAIS (*) 4 HORAS 25

26 ANEXO G CORRESPONDÊNCIA DAS ESPECIALIDADES DESTE PCS COM AS ESPECIALIDADES DO PCS ANTERIOR 1 Nível Fundamental De: BOMBEIRO/BOMBEIRO BOMBEIRO/MOTORISTA MOTORISTA/MOTORISTA MOTORISTA/VIATURAS ESPECIAIS OFICIAL INDUSTRIAL/PINTOR PINTOR/PINTOR PINTOR/NAVAL OFICIAL INDUSTRIAL /FERRAMENTEIRO OFICAL INDUSTRIAL/AFIADOR FERRAMENTAL OFICIAL INDUSTRIAL/FUNDIDOR OFICIAL INDUSTRIAL /FORJADOR OFICIAL INDUSTRIAL/OPERADOR DE FORNO OFICIAL INDUSTRIAL/MODELADOR CARPINTEIRO OFICIAL INDUSTRIAL/CARPINTEIRO NAVAL OFICAL INDUSTRIAL/CHAPEADOR ESMERILHADOR OFICIAL INDUSTRIAL/CHAPEADOR MONTADOR OFICIAL INDUSTRIAL/SOLDADOR OFICIAL INDUSTRIAL /SERRALHEIRO OFICIAL INDUSTRIAL/RETIFICADOR OFICIAL INDUSTRIAL/TORNEIRO MECÂNICO OFICIAL INDUSTRIAL/AJUSTADOR MECÂNICO OFICIAL INDUSTRIAL/PLAINADOR OFICIAL INDUSTRIAL/FURADOR As demais especialidades não sofreram alterações Para: BRIGADISTA MOTORISTA PINTOR FERRAMENTEIRO FUNDIDOR CARPINTEIRO CALDEIREIRO TORNEIRO AJUSTADOR MECÂNICO 2 Nível Médio De: ALMOXARIFE ASSISTENTE ADM/MATERIAIS ASSISTENTE ADM/ADMINISTRAÇÃO ASSISTENTE ADM/COMPRAS ASSISTENTE ADM/RH TÉCNICO ANÁLISES QUÍMICAS TÉCNICO/QUÍMICA TÉCNICO/SOLDAGEM TÉCNICO INDUSTRIAL/ESTRUTURAS TÉCNICO/TRATAMENTO TÉCNICO INDUSTRIAL TÉCNICO/METALURGIA TÉCNICO/ELETROTÉCNICA TÉCNICO/ELETRICIDADE TÉCNICO/MANUTENÇÃO ELÉTRICA TÉCNICO/OPERADOR DE SUBESTAÇÃO TÉCNICO/MECÂNICA TÉCNICO/OPERADOR CIRCUITO TERMOHIDRÁULICO As demais especialidades não sofreram alterações Para: ALMOXARIFE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO TÉCNICO/QUÍMICA TÉCNICO INDUSTRIAL/ ESTRUTURAS TÉCNICO / METALURGIA TÉCNICO/ ELETROTÉCNICA TÉCNICO/ MECÂNICA 26

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Plano de Cargos, Salários e Carreiras versão 13 Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Crea SP 2015 Crea-SP- 1.1 DA UNIFICAÇÃO DE CARGOS E ALTERAÇÕES DE REQUISITOS PARA INGRESSO 1. ESTRUTURA

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

Unidade: IMBEL - Escritório de Brasília Total de Inscritos para a Unidade: 342 NIVEL : Médio Código da Função. Nome da Função

Unidade: IMBEL - Escritório de Brasília Total de Inscritos para a Unidade: 342 NIVEL : Médio Código da Função. Nome da Função Concurso Público de Provas para formação de Castro Reserva de Pessoal - 2008 por Unide / 1 Unide: IMBEL - Escritório de Brasília Total de para a Unide: 342 Nome M03 Assistente Administrativo 84 1 M04 Assistente

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012.

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Altera e inclui dispositivos da Resolução Unesp nº 32, de 28 de julho de 2011. O VICE-REITOR NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar Page 1 of 11 Voltar Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." LEI Nº 11.374 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Ver também: Decreto 14.488 de 23 de maio de 2013 - Regulamenta

Leia mais

LEI N.º 1.491, DE 27 DE JUNHO DE 2008.

LEI N.º 1.491, DE 27 DE JUNHO DE 2008. LEI N.º 1.491, DE 27 DE JUNHO DE 2008. Cria vagas e função no Quadro Permanente da Prefeitura Municipal de Paranaíba, alterando-se o Anexo I, da Lei nº 1000, de 04 de maio de 1998, Anexo III da Lei n.º

Leia mais

Média salarial - Brasil

Média salarial - Brasil Média salarial - Brasil Área geral Área específica Cargo Valor / Assuntos Gerente de Assuntos / Assuntos Coordenador, Supervisor ou Chefe de Assuntos / Assuntos Analista de Assuntos Pleno / Assuntos Analista

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA REMUNERATÓRIA BÁSICA PCS dos servidores comissionados PCS dos servidores efetivos (quadro geral) PCS dos servidores do magistério SERVIDORES

Leia mais

RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS

RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS Quadro de Cargos de Provimento Efetivo Quadro Próprio do Magistério Quadro Suplementar da Secretaria Municipal de Saúde Forma de investidura: Aprovação

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI Nº. 2523, DE 02 DE AGOSTO DE 2011. CARGOS E SALÁRIOS PADRÕES MENSAIS DOS SERVIDORES DE PROVIMENTO EFETIVO (Fixação do Vencimento Mensal dos Cargos de Provimento Efetivo) Horária Semanal Vencimento

Leia mais

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006.

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. O Prefeito Municipal de Tijucas do Sul, Estado do Paraná: A Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Reorganiza o quadro de pessoal da administração direta

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.704, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Estabelece pisos salariais para os novos cargos criados nesta lei, concede reajuste salarial aos servidores públicos civis, militares, ativos, inativos e pensionistas

Leia mais

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais: RESOLVE:

O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais: RESOLVE: UERJ ATO EXECUTIVO DE DECISÃO ADMINISTRATIVA CODIFICAÇÃO FOLHA AEDA 11/REITORIA/2014 1 2 Dispõe sobre os perfis para enquadramento dos servidores técnico-administrativos ao plano de cargos, carreiras e

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

QUADRO GERAL DE SERVIDORES EFETIVOS em 17.07.2015 CARGO Nº DE VAGAS OCUP. OBSERVAÇÕES Administrador de Empresa 2 0 Agente Vigilância em Saúde 30 27

QUADRO GERAL DE SERVIDORES EFETIVOS em 17.07.2015 CARGO Nº DE VAGAS OCUP. OBSERVAÇÕES Administrador de Empresa 2 0 Agente Vigilância em Saúde 30 27 QUADRO GERAL DE SERVIDORES EFETIVOS em 17.07.2015 CARGO Nº DE VAGAS OCUP. OBSERVAÇÕES Administrador de Empresa 2 0 Agente Vigilância em Saúde 30 27 Agente Fiscalização de Transito e Transporte 30 23 Almoxarife

Leia mais

Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS

Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS GRH DEZEMBRO/2011 NOVO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PCCS CONTRATAÇÃO DA FGV EM 2007 PARA ESTUDO E PROPOSTA DE UM NOVO PCCS Estudo

Leia mais

LEI Nº 8.824 DE 22 DE SETEMBRO de 2003

LEI Nº 8.824 DE 22 DE SETEMBRO de 2003 Publicada D.O.E. Em 23.09.2003 LEI Nº 8.824 DE 22 DE SETEMBRO de 2003 Reorganiza os cargos de provimento permanente do Quadro de Pessoal das Instituições de Ensino Superior do Estado da Bahia. O GOVERNADOR

Leia mais

BOLSA DE SALÁRIOS valores de Julho pagos até o 5º dia útil de Agosto, em real Tabela Geral

BOLSA DE SALÁRIOS valores de Julho pagos até o 5º dia útil de Agosto, em real Tabela Geral BOLSA DE SALÁRIOS valores de Julho pagos até o 5º dia útil de Agosto, em real Tabela Geral DIRETORES E GERENTES Diretores administrativo 5.841 27.954 13.757 0,0 adm. e financeiro 4.289 32.002 13.646 2,1

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

assistente técnico de vendas

assistente técnico de vendas Anexo I - Quadro de Cargos Situação Atual Situação Nova Vagas administrador de rede administrador de rede 2 advogado advogado 12 analista de compras analista de compras e contratos 3 analista de comunicação

Leia mais

DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*.

DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*. DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*. Define o número de vagas por cargo que serão disponibilizados em Concurso Público a ser deflagrado pela Prefeitura Municipal de Amargosa. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

LEI N.º 1.480, DE 21 DE MAIO DE 2008.

LEI N.º 1.480, DE 21 DE MAIO DE 2008. LEI N.º 1.480, DE 21 DE MAIO DE 2008. Altera o Anexo III da Lei n.º 1.000 de 04 de maio de 1998, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Paranaíba, Estado de Mato Grosso do Sul. FAÇO saber que

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

SINSEPREM - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Presidente Médici RO. CNPJ: 11: 314.436/0001-71

SINSEPREM - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Presidente Médici RO. CNPJ: 11: 314.436/0001-71 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO GERAL EM FAVOR DOS SERVIDORES MUNICIPAIS 1 Que seja contratada empresa especializada para elaboração do Laudo Técnico Pericial de Insalubridade e Periculosidade, devidamente acompanhado

Leia mais

ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA

ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA ANEXO II TABELA DE CONCORRÊNCIA Código Cargo Atual Cargo Novo/ Função Perfil Nível 7301 AUXILIAR OPERACIONAL Auxiliar Universitário Serviços Operacionais 1 6100 OFICIAL I/ESPECIALIDADE 7502 FOTÓGRAFO Fotógrafo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

GABARITO DEFINITIVO DA PROVA OBJETIVA, Realizada em 18/03/2012. 1. Nível Fundamental. 2. Nível Médio

GABARITO DEFINITIVO DA PROVA OBJETIVA, Realizada em 18/03/2012. 1. Nível Fundamental. 2. Nível Médio GABARITO DEFINITIVO DA PROVA OBJETIVA, Realizada em 18/03/2012 1.1. Cargo: 301 Ajudante Geral (Apoio ou Produção) 302 Cozinheiro 303 Guarda de Segurança (masculino ou feminino) e 304 Guarda de Segurança

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL LEI COMPLEMENTAR N. 057, DE 20 DE OUTUBRO DE 2011

ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL LEI COMPLEMENTAR N. 057, DE 20 DE OUTUBRO DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA DO SUL 1 LEI COMPLEMENTAR N. 057, DE 20 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre alterações no Plano de Classificação de Cargos e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Fátima do

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA TABELA DE SALÁRIOS TABELA DE SALÁRIOS -Abril/2011 Jn Cargo Classe Padrão 40 AUX. DE ADMINISTRACAO AD04 854,58 40 ASS. DE ADMINISTRACAO I AD05 905,65 40 ASS. DE ALMOXARIFE AD05 905,65 40 ASS. DE ADMINISTRACAO

Leia mais

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho

ADE. ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho ADE ADICIONAL DE DESEMPENHO Perguntas e respostas para esclarecer dúvidas sobre a concessão do Adicional de Desempenho Sumário 1. O que é o Adicional de Desempenho? 2. Qual legislação dispõe sobre o ADE?

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB PLANO DE CARREIRA Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB 1. Conceitos básicos 1.1. Avaliação Profissional é o conjunto composto por três avaliações: Avaliação por Competências, Prova

Leia mais

10 9 1 Nível Fundamental Incompleto. 40h 788,00 50,00. 5 4 1 Nível Fundamental Incompleto. 40h 788,00 50,00

10 9 1 Nível Fundamental Incompleto. 40h 788,00 50,00. 5 4 1 Nível Fundamental Incompleto. 40h 788,00 50,00 DISTRIBUIÇÃO DAS : Total das vagas oferecidas no Concurso Público. : Vagas de ampla concorrência. PD: Vaga destinada à pessoa com deficiência (subitem 3.2 do Edital). 1 2 3 4 5 6 Auxiliar de Serviços da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. PROCESSO DE REMOÇÃO INTERNA DE SERVIDORES DOCENTES. Considerando

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR Lei Estadual de Acesso a Informação, nº 18.028/2013, regulamentada pelo Decreto nº 7.904/2013. A regulamentação dos salários dos empregados da

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXTRATO do Edital nº 00/0, de 0 de Dezembro de 0 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS NO ÂMBITO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS PMP A PREFEITURA MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS - PMP, no uso de suas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

BOLSA DE SALÁRIOS valores de fevereiro pagos em março de 2014, em real consulta na internet: www.datafolha.com.br/salarios

BOLSA DE SALÁRIOS valores de fevereiro pagos em março de 2014, em real consulta na internet: www.datafolha.com.br/salarios 1 DIRETORES E GERENTES Diretores administrativo 7.181 41.859 28.597 0,8 adm. e financeiro 9.882 44.258 25.142 0,0 comercial 7.900 51.518 30.347 1,3 financeiro 7.900 44.470 27.009 1,0 industrial 14.622

Leia mais

Contribuição Sindical. Conceito

Contribuição Sindical. Conceito Contribuição Sindical Conceito A Contribuição Sindical é um tributo federal (art. 149 da CF), descontada em folha de pagamento e que deve ser recolhida compulsoriamente pelos empregadores, conforme estabelecido

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto Poder Executivo Lei Ordinária Sancionada em 22/05/2012 Adilson de Jesus Santos Prefeito Municipal LEI ORDINÁRIA Nº 0967/2012 De 22 de Maio de 2012 (do PLO 002/2012 autor: Poder Executivo) EMENTA - Dispõe

Leia mais

PREFEITURA DE CALDAS NOVAS EDITAL 001/2015

PREFEITURA DE CALDAS NOVAS EDITAL 001/2015 CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NOS CARGOS DO QUADRO PERMANENTE DO PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DA PREFEITURA DE CALDAS NOVAS. EDITAL COMPLEMENTAR N. 2 AO EDITAL N. 001/2015 O Prefeito de Caldas Novas,

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

DECRETO n. 11.293 DISPÕE SOBRE A CONSOLIDAÇÃO DA TABELA DE CARGOS EFETIVOS DO QUADRO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DECRETO n. 11.293 DISPÕE SOBRE A CONSOLIDAÇÃO DA TABELA DE CARGOS EFETIVOS DO QUADRO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO n. 11.293 DISPÕE SOBRE A CONSOLIDAÇÃO DA TABELA DE DO QUADRO DE PESSOAL DA PREFEITURA MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. NELSON TRAD FILHO, Prefeito Municipal de Campo Grande, Capital do Estado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITAPEVA

CÂMARA MUNICIPAL DE ITAPEVA (continuação do Autógrafo nº 051/02) ANEXO - I QUADRO DE PESSOAL - CARGOS EM COMISSÃO CRIADOS A SEREM REGIDOS PELO ESTATUTO DOS Quant. Denominação de Cargo Ref./Tabela Requisitos para Admissão 16 Assessor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil . Minuta de Lei n o de de de 2013 Dispõe sobre o Plano de Carreiras, Cargos e Remuneração dos servidores efetivos a Secretaria e Estado da Saúde SES-GO e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00.

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. Autor: Poder Executivo Cria a carreira de Gestor Governamental e os respectivos cargos na Administração Pública Estadual e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 001/2014. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais;

RESOLUÇÃO CFP Nº 001/2014. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais; RESOLUÇÃO CFP Nº 001/2014 Ementa: Aprova o Plano de Carreiras, Cargos e Salários dos Trabalhadores do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

2 PORTUGUES 10 B A D C C C B C B C 6 CONHECIMENTOS GERAIS 10 B D C C C C C C B C 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C

2 PORTUGUES 10 B A D C C C B C B C 6 CONHECIMENTOS GERAIS 10 B D C C C C C C B C 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C Cargo: 1 - ADVOGADO 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C Cargo: 2 - AGENTE DE SAÚDE 8 SAÚDE PÚBLICA 10 A X A A C C C C A D 22 ESPECÍFICA 10 C C C D B C D D A C Cargo: 3 - AGENTE FUNERÁRIO 13 ESPECÍFICA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE OUTUBRO DE 2011. Estabelece os valores da hora trabalhada e os critérios para o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso no âmbito da Agência Nacional

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUABA GRANDE Estado do Rio de Janeiro Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUABA GRANDE Estado do Rio de Janeiro Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 104/2012 DE 22 DE MARÇO DE 2012. DETERMINA IZAÇÃO DE VENCIMENTOS- BASE AOS CARGOS QUE PERCEBEM REMUNERAÇÃO ABAIXO OU PRÓXIMA AO SALÁRIO MÍNIMO NACIONALMENTE UNIFICADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

Estado do Amapá Assembleia Legislativa. LEI Nº 1.569, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 1 (Publicada no DOE n.º 5096, de 28.10.2011)

Estado do Amapá Assembleia Legislativa. LEI Nº 1.569, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 1 (Publicada no DOE n.º 5096, de 28.10.2011) LEI Nº 1.569, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 1 (Publicada no DOE n.º 5096, de 28.10.2011) Dispõe sobre a Estrutura Organizacional e de Cargos e Salários do Quadro de Pessoal da do Estado do Amapá. O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

SUBSÍDIOS E REMUNERAÇÕES CARGOS DE PREFEITO, VICE-PREFEITO E SECRETÁRIOS MUNICIPAIS CARGOS COMISSIONADOS E FUNÇÕES GRATIFICADAS

SUBSÍDIOS E REMUNERAÇÕES CARGOS DE PREFEITO, VICE-PREFEITO E SECRETÁRIOS MUNICIPAIS CARGOS COMISSIONADOS E FUNÇÕES GRATIFICADAS PORTAL DA TRANSPARÊNCIA ATOS DE PESSOAL - JULHO/2012 - Página 1 Competência: Julho/2012 SUBSÍDIOS E REMUNERAÇÕES S DE PREFEITO, VICE-PREFEITO E SECRETÁRIOS MUNICIPAIS PREFEITO MUNICIPAL R$ 11.914,77 VICE-PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARELHAS Palácio Severino da Silva Oliveira GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARELHAS Palácio Severino da Silva Oliveira GABINETE DO PREFEITO LEI N 2309/2013, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013. EMENTA: CRIA CARGOS E QUANTITATIVOS DE VAGAS PARA QUADRO PERMANENTE DE PESSOAL DO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Parelhas, Estado do Rio Grande

Leia mais

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999 1 SUMÁRIO SISTEMA DE REMUNERAÇÃO TÍTULO I DOS CONCEITOS...3 TÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...3 TÍTULO III ESTRUTURA DE CARGOS E SALÁRIOS...4 TÍTULO IV DA TABELA SALARIAL...9 TÍTULO V DO INGRESSO E

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS.

PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. PROPOSTA DE PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS POFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO: MAGISTÉRIO E FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS. Seção 1 Disposições Preliminares Art. 1º- Fica criado o Plano Unificado de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE SETEMBRO DE 2010 EMENTA: Dispõe sobre a participação de servidores ocupantes de cargos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Súmula: "Dispõe sobre o Plano de Carreiras, Cargos e Vencimentos- PCCV, dos servidores da Secretaria de Saúde do Estado do Paraná". CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Fica instituído

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências Art. 1º É criada a Universidade Federal de Goiás, com sede em Goiás, capital do Estado de Goiás,

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 004/2015 POR PROVA DE TÍTULOS

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 004/2015 POR PROVA DE TÍTULOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 004/2015 POR PROVA DE TÍTULOS A Secretária Municipal de Educação de Biguaçu, no uso de suas

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO Normas e Procedimentos 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A UNIVESP instituiu, por deliberação de seu Conselho de Curadores, o PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP, com as características

Leia mais

Boletim do Exército Nº 23/2014. Brasília, DF, 6 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 23/2014. Brasília, DF, 6 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 23/2014 Brasília, DF, 6 de junho de 2014. BOLETIM DO EXÉRCITO Nº 23/2014 Brasília, DF, 6 de junho de 2014.

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO, CONCESSÃO E USUFRUTO DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS DE QUE TRATA A NS Nº 570 de 22/05/2006 CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1.1 A licença

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco Resolução CEPE N XXX/200 Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CEPE,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LE N. 2.398, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 Dá nova redação e acresce dispositivos à Lei n. 2.260, de 31 de março de 2010 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei. FAÇO SABER que

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS 1 Manual de Cargos, Salários e Carreira Página 2 de 15 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Premissas... 4 2. Estrutura do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Leia mais

Regulamento da Carreira Técnica do ISPA

Regulamento da Carreira Técnica do ISPA Regulamento da Carreira Técnica do ISPA PREÂMBULO O presente regulamento apresenta os princípios de orientação de gestão da carreira técnica do ISPA e considera os seguintes pressupostos: a) Simplificação

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

GUIA DO PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS

GUIA DO PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS GUA DO PLANO DE CARRERA, CARGOS E SALÁROS SOBRE O PLANO DE CARRERA, CARGOS E SALÁROS O Plano de Carreira, s e Salários (PCCS) é um instrumento de gestão que objetiva o desenvolvimento profissional e a

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais