ÍNDICE CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES EMPREGADORAS... 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 1.1. METODOLOGIA... 3 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES EMPREGADORAS... 4"

Transcrição

1

2 2 ÍDICE ÍDICE COSIDERAÇÕES IICIAIS METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DAS ISTITUIÇÕES EMPREGADORAS FORMAS HABITUAIS DE RECRUTAMETO PESO DOS DIPLOMADOS DO IST FACE AOS OUTRAS ESCOLAS REMUERAÇÃO AUAL SEGUDO A FUÇÃO AALISTA/PROGRAMADOR ARQUITECTO AUDITOR COSULTOR EGEHEIRO DO AMBIETE EGEHEIRO CIVIL EGEHEIRO ELECTROTÉCICO EGEHEIRO DE ESTRUTURAS EGEHEIRO IFORMÁTICO EGEHEIRO DE MATERIAIS EGEHEIRO MECÂICO EGEHEIRO DE PRODUÇÃO EGEHEIRO DE PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS EGEHEIRO QUÍMICO EGEHEIRO DE REDES EGEHEIRO DE SISTEMAS/ADMIISTRADOR DE SISTEMAS EGEHEIRO DE SOFTWARE/DESEVOLVIMETO EGEHEIRO DE TELECOMUICAÇÕES GESTOR DE PRODUTO/COMERCIAL/MARKETIG GESTOR/ADMIISTRADOR SALÁRIO TOTAL COMPARADO ETRE FUÇÕES VARIAÇÃO ETRE REMUERAÇÕES DOS DIPLOMADOS DO IST E RESTATES DIPLOMADOS A COSIDERAÇÕES FIAIS... 30

3 3 1. COSIDERAÇÕES IICIAIS O IST pretendeu com este estudo obter informação dos empregadores dos seus diplomados que lhe permita avaliar as condições de empregabilidade destes últimos, nomeadamente em termos de remuneração. O objectivo principal consistiu em conhecer o intervalo de remuneração que é negociado entre os diplomados e as entidades, potenciando a curto/médio prazo um aumento de 20% a 30% da média dos vencimentos iniciais dos diplomados de cada área METODOLOGIA Para determinar a evolução salarial dos diplomados do IST, utilizou-se como metodologia principal a aplicação de um curto inquérito por questionário por via electrónica a um conjunto de instituições que empregam diplomados do IST com contacto conhecido e referenciado pelo PE úcleo de Parcerias Empresariais do IST (=170). A sua elaboração foi definida com base no contributo de duas instituições que se disponibilizaram para testar o inquérito numa fase inicial, a TEKEVER e a MID. O inquérito em versão final foi lançado pela AEP durante o mês de Março de 2011, com insistências efectuadas via telefone no mês de Julho de Para efeitos comparativos, utilizaram-se também dados provenientes de inquéritos aos finalistas, aos recém graduados do 2º ciclo e aos graduados do 2º ciclo com de experiência profissional. Tabela 1 Universo / Taxas de Resposta Indicadores Caracterização º % UIVERSO TOTALIDADE DE ISTITUIÇÕES EMPREGADORAS COTACTADAS ,0% AMOSTRA TOTAL TOTAL DE RESPOSTAS 84 49,4% Caracterização Questões de caracterização da instituição 84 49,4% º de Diplomados do IST Discriminação do nº total de diplomados do IST a exercer funções na instituição empregadora 58 34,1% º DE RESPOSTAS VÁLIDAS POR GRUPOS DE QUESTÕES Formas de recrutamento Discriminação dos salários por função Discriminação das formas habituais de recrutamento dos diplomados do IST Discriminação de, pelo menos, um salário numa determinada função, num dos grupos de resposta (recém-diplomado, 3, 5, 10 ou de experiência profissional) 66 38,8% 33 19,4% Discriminação da variação dos salários por função Discriminação da variação de, pelo menos, um salário numa determinada função, num dos grupos de resposta (recém-diplomado, 3, 5, 10 ou de experiência profissional) face a diplomados de outras instituições de ensino superior 13 7,6% O principal instrumento de recolha de informação utilizado para este relatório elaborado pela AEP, permitiu encontrar uma taxa de resposta total de 49,4%, embora, conforme se pode observar na tabela acima, a expressividade percentual varie de acordo com o grupo de questões do questionário.

4 4 2. CARACTERIZAÇÃO DAS ISTITUIÇÕES EMPREGADORAS Tabela 2 Área de Actividade e Dimensão das Instituição ÁREA DE ACTIVIDADE DA ISTITUIÇÃO EMPREGADORA Actividades de informação e de comunicação (TIC'S) Consultadoria/Actividades de Investigação DIMESÃO DA ISTITUIÇÃO EMPREGADORA (º DE COLABORADORES) >=1000 S/R TOTAL (n) Indústrias transformadoras Comércio (grosso e a retalho) Electricidade, gás e água (produção e distribuição) Transportes e Logística Outras actividades Actividades financeiras e de seguros 2 2 Administração Pública 1 1 Construção 1 1 TOTAL (DIMESÃO) Gráfico 1 Dimensão/Classificação da Actividade Económica das Instituições Empregadoras ACTIVIDADES DE IFORMAÇÃO E DE COMUICAÇÃO (TIC'S) COSULTADORIA/ACTIVIDADES DE IVESTIGAÇÃO 29% 32% Grandes empresas 30% Micro e pequenas empresas 46% IDÚSTRIAS TRASFORMADORAS COMÉRCIO (GROSSO E A RETALHO) ELECTRICIDADE, GÁS E ÁGUA (PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO) TRASPORTES E LOGÍSTICA 4% 8% 8% 11% Médias empresas 24% OUTRAS ACTIVIDADES ACTIVIDADES FIACEIRAS E DE SEGUROS 4% 2% ADMIISTRAÇÃO PÚBLICA 1% COSTRUÇÃO 1%

5 5 3. FORMAS HABITUAIS DE RECRUTAMETO As instituições identificaram quais as formas habituais de recrutamento, registando -se a colocação de anúncios e os contactos pessoais como as principais, quer nas pequenas e médias empresas, quer na maioria das áreas de actividade elencadas. Ressalve-se o contributo importante apontado por um núcleo substancial de entidades em relação ao recrutamento através da Área de Transferência de Tecnologia do IST (Job Banking). Mereceram ainda um especial relevo os Program Trainees nas grandes empresas e nas actividades de produção e distribuição de electricidade, água e gás e ainda no comércio (por grosso e a retalho). Gráfico 2 Formas de recrutamento privilegiadas nas Micro e Pequenas Empresas (até 49 colaboradores) Outra forma 8% Contactos pessoais 47% IEFP 17% Program trainees Academia Head Hunters 6% 6% 8% IOV Jovem 22% Área de TT / Job Banking IST 14% Agência de emprego 0% Concurso público 0% Colocação de anúncio 56% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Gráfico 3 Formas de recrutamento privilegiadas nas Médias Empresas (de 50 a 249 colaboradores) Outra forma 5% Contactos pessoais 26% IEFP 16% Program trainees 5% Academia 16% Head Hunters 5% IOV Jovem0% Área de TT / Job Banking IST 21% Agência de emprego 11% Concurso público 0% Colocação de anúncio 74% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%

6 Colocação de anúncio Agência de emprego TT/ Job Banking IST IOV Jovem Head Hunters Academia Program trainees IEFP Contactos pessoais Outra forma 6 Gráfico 4 Formas de recrutamento privilegiadas nas Grandes Empresas (mais de 249 colaboradores) Outra forma 21% Contactos pessoais IEFP 4% 13% Program trainees 21% Academia Head Hunters 8% 8% IOV Jovem0% Área de TT / Job Banking IST 21% Agência de emprego 8% Concurso público 0% Colocação de anúncio 71% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Tabela 3 Formas de Colocação privilegiadas segundo a Área de Actividade das Instituições Empregadoras FORMAS DE COLOCAÇÃO PRIVILEGIADAS ÁREA DE ACTIVIDADE (CAE) º Transportes e Logística 3 67% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 33% 0% 33% Indústrias transformadoras 9 89% 11% 11% 11% 0% 11% 0% 11% 0% 22% Electricidade, gás e água (produção e distribuição) Consultadoria/Actividades de Investigação 7 86% 0% 0% 0% 0% 0% 29% 0% 0% 14% 24 50% 0% 25% 17% 8% 13% 8% 13% 42% 17% Construção 1 100% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Comércio (grosso e a retalho) 7 57% 14% 0% 14% 14% 0% 57% 14% 0% 0% Administração Pública 1 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Actividades financeiras e de seguros Actividades de informação e de comunicação (TIC'S) 2 100% 50% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 50% 0% 27 59% 4% 22% 4% 11% 11% 0% 15% 44% 4% Outra área de actividade 3 67% 0% 33% 33% 0% 0% 0% 0% 100% 0% ota: as instituições referiram-se a outras formas de contratação: Bases Internas de dados; Candidaturas espontâneas; Estágios curriculares; Gabinete de Estágios- GEFE, Linkedin; Sites de emprego. ota2:as respostas à forma de colocação são de escolha múltipla, isto é, uma entidade empregadora poderia dar mais do que uma opção de resposta.

7 7 4. PESO DOS DIPLOMADOS DO IST FACE AOS OUTRAS ESCOLAS Os resultados obtidos na questão acerca do número de diplomados segundo o curso do IST, permitiu calcular um rácio que identifica qual a incidência relativa dos diplomados do IST face a diplomados de cursos congéneres de outras escolas. O gráfico abaixo permite detectar que, nas instituições que responderam, os Diplomados do IST em Engenharia Aeroespacial (5,6), Engenharia Física Tecnológica (3,6), Engenharia de Materiais (2,3), Engenharia Informática e de Computadores /Taguspark (2,0), Química (1,7) prevalecem em número substancialmente superior face aos diplomados do mesmo curso de outras instituições de ensino. Gráfico 5 Rácio º médio de colaboradores diplomados no IST / º médio de colaboradores diplomados outras escolas, segundo o curso Eng. Informática e de Computadores/TP (=13) Eng. Electrónica/TP (=7) Eng. e Gestão Industrial/TP (=9) Eng. de Redes de Comunicações/TP (=9) Química (=8) Matemática Aplicada e Computação (=9) Eng. Química (=13) Eng. Mecânica (=15) Eng. Informática e de Computadores/AL (=26) Eng. Geológica e de Minas (=6) Eng. Física Tecnológica (=10) Eng. Electrotécnica e de Computadores (=26) Eng. e Arquitectura aval (=6) Eng. do Território (=6) Eng. do Ambiente (=10) Eng. de Materiais (=7) Eng. Civil (=11) Eng. Biomédica (=7) Eng. Biológica (=8) Eng. Aeroespacial (=10) Arquitectura (=10) 0,5 0,4 0,5 0,7 0,7 1,1 0,6 1,0 0,5 0,3 0,3 0,7 1,1 1,0 1,3 1,1 1,7 2,0 2,3 3,6 5,6

8 8 5. REMUERAÇÃO AUAL SEGUDO A FUÇÃO Este capítulo permite identificar as remunerações médias anuais por função para os diplomados do IST e respectiva variação percentual face a diplomados de outras escolas na mesma função. A distinção é feita ainda segundo o tipo de remuneração (fixa e variável) e segundo o nº de anos no mercado de trabalho. 5.1.AALISTA/PROGRAMADOR Tabela 4 Remunerações médias anuais e variação na função AALISTA/PROGRAMADOR IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, , ,00 0, , , , , , , , , , ,00 4 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 3 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 3 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 6 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função AALISTA/PROGRAMADOR , , , , , ,00 0, , , , , ,50 de exp. de exp. de exp. de exp.

9 9 5.2.ARQUITECTO Tabela 5 Remunerações médias anuais e variação na função ARQUITECTO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , ,00 Gráfico 7 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função ARQUITECTO , , , ,00 0, , ,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

10 AUDITOR Tabela 6 Remunerações médias anuais e variação na função AUDITOR IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , ,00 Gráfico 8 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função AUDITOR , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

11 COSULTOR Tabela 7 Remunerações médias anuais e variação na função COSULTOR IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 9 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função COSULTOR , , , , , , ,00 0, , , , , ,67 de exp. de exp. de exp. de exp.

12 EGEHEIRO DO AMBIETE Tabela 8 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DO AMBIETE IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , ,00 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 10 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DO AMBIETE , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

13 EGEHEIRO CIVIL Tabela 9 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO CIVIL IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , ,00 Gráfico 11 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO CIVIL , , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

14 EGEHEIRO ELECTROTÉCICO Tabela 10 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO ELECTROTÉCICO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0,00 750, ,00 0, , ,00 0, , ,00 0, , ,00 0, , % 0% 3% 3 10% 0% 4% 3 10% 0% 4% 3 10% 0% 5% 3 10% 0% 5% 4 2% 0% 1% 3 3% 0% 1% 3 3% 0% 1% 3 4% 0% 1% 3 4% 0% 1% Gráfico 12 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO ELECTROTÉCICO , , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

15 EGEHEIRO DE ESTRUTURAS Tabela 11 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE ESTRUTURAS IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , ,00 Gráfico 13 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE ESTRUTURAS , , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

16 EGEHEIRO IFORMÁTICO Tabela 12 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO IFORMÁTICO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, , ,00 0, , ,00 0, , , , , , , , % 0% 11% 4 30% 0% 13% 3 10% 0% 3% 2 0% 0% 0% 2 0% 0% 0% 4 20% 0% 5% 4 30% 0% 13% 3 10% 0% 3% 2 0% 0% 0% 2 0% 0% 0% Gráfico 14 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO IFORMÁTICO , , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

17 EGEHEIRO DE MATERIAIS Tabela 13 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE MATERIAIS IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , ,00 Gráfico 15 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE MATERIAIS , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

18 EGEHEIRO MECÂICO Tabela 14 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO MECÂICO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,62 0, , ,00 0, , ,00 0, , , , , , , ,00 3 2% 0% 1% 2 3% 0% 2% 2 3% 0% 2% 1 4% 4% 4% 1 5% 5% 5% 3 2% 0% 1% 2 3% 0% 2% 2 3% 0% 2% 1 4% 4% 4% 1 4% 4% 4% Gráfico 16 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO MECÂICO , , , ,00 0, , , , , ,20 de exp. de exp. de exp. de exp.

19 EGEHEIRO DE PRODUÇÃO Tabela 15 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE PRODUÇÃO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , ,00 1 0,00 0,00 0,00 Gráfico 17 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE PRODUÇÃO , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

20 EGEHEIRO DE PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS Tabela 16 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , ,00 3 0,00 0,00 0, ,00 0, , , , , , , , , , ,00 2 2% 0% 1% 2 3% 0% 2% 2 3% 0% 2% 2 4% 0% 2% 1 5% 5% 5% 2 2% 0% 1% 2 3% 0% 2% 2 3% 0% 2% 2 4% 0% 2% 1 4% 4% 4% Gráfico 18 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS , , , , , , , , ,33 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

21 EGEHEIRO QUÍMICO Tabela 17 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO QUÍMICO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , ,00 0, , , , ,00 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 19 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO QUÍMICO , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

22 EGEHEIRO DE REDES Tabela 18 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE REDES IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , ,00 1 0,00 0,00 0, , , , % 25% 25% 1 30% 30% 30% 1 0% 0% 0% 1 30% 30% 30% Gráfico 20 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE REDES , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

23 EGEHEIRO DE SISTEMAS/ADMIISTRADOR DE SISTEMAS Tabela 19 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE SISTEMAS/ ADMIISTRADOR DE SISTEMAS IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 21 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE SISTEMAS/ADMIISTRADOR DE SISTEMAS , , , , , ,00 0, , , , ,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

24 EGEHEIRO DE SOFTWARE/DESEVOLVIMETO Tabela 20 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE SOFTWARE/ DESEVOLVIMETO IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, , ,00 0, , ,00 0, , , , , , , ,00 4 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 3 0% 0% 0% 2 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 4 0% 0% 0% 3 0% 0% 0% 2 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% Gráfico 22 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE SOFTWARE/DESEVOLVIMETO , , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

25 EGEHEIRO DE TELECOMUICAÇÕES Tabela 21 Remunerações médias anuais e variação na função EGEHEIRO DE TELECOMUICAÇÕES IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , ,00 900,00 900, , , , , , , , , ,00 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% 1 5% 5% 5% Gráfico 23 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função EGEHEIRO DE TELECOMUICAÇÕES , , , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

26 GESTOR DE PRODUTO/COMERCIAL/MARKETIG Tabela 22 Remunerações médias anuais e variação na função GESTOR DE PRODUTO/ COMERCIAL/MARKETIG IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , ,00 Gráfico 24 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função GESTOR DE PRODUTO/ COMCERCIAL/MARKETIG , , , , , ,00 0,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

27 GESTOR/ADMIISTRADOR Tabela 23 Remunerações médias anuais e variação na função GESTOR/ADMIISTRADOR IDICADORES / EXPERIÊCIA EM , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, , , , , , , , , , , , , ,00 Gráfico 25 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável) na função GESTOR/ADMIISTRADOR , , , , , , ,00 0, , , , ,00 de exp. de exp. de exp. de exp.

28 28 6. SALÁRIO TOTAL COMPARADO ETRE FUÇÕES Gráfico 26 Remuneração Média Anual Total (Fixa + Variável), segundo a função ARQUITECTO EG. REDES AUDITOR COSULTOR GESTOR/ADMIISTRADOR GESTOR/ADMIISTRADOR AALISTA/PROGRAMADOR EG. SISTEMAS/ ADMIISTRADOR EG. SISTEMAS/ SISTEMAS ADMIISTRADOR SISTEMAS EG. ESTRUTURAS EG. SOFTWARE/ DESEVOLVIMETO EG. SOFTWARE/ DESEVOLVIMETO EG. IFORMÁTICO EG. TELECOMUICAÇÕES GESTOR DE PRODUTO/ COMERCIAL/ GESTOR DE PRODUTO/ MARKETIG AUDITOR COMERCIAL/ MARKETIG AALISTA/PROGRAMADOR 1º ,73 EMPREGO ,67 AOS EXP ,50 AOS EXP ,00 AOS EXP ,00 AOS EXP. ARQUITECTO AALISTA/PROGRAMADOR , , , , , , , ,00 AUDITOR ARQUITECTO , , , , , ,00 COSULTOR AUDITOR , , , , , , , ,00 DIRECTOR COSULTOR DE OBRA , , , , ,00 EG. DIRECTOR AMBIETE DE OBRA ,00 EG. CIVIL AMBIETE , , , , , ,00 EG. COSTRUÇÕES CIVIL , , , , ,00 EG. ELECTROTÉCICO COSTRUÇÕES , , , , ,00 EG. ESTRUTURAS ELECTROTÉCICO , , , , , , , , , ,00 EG. IFORMÁTICO ESTRUTURAS , , , , , , , , , ,00 EG. MAUTEÇÃO IFORMÁTICO , , , , ,00 EG. MATERIAIS MAUTEÇÃO ,00 EG. MECÂICO MATERIAIS , , , , , ,00 EG. AVAL MECÂICO , , , , ,00 EG. PRODUÇÃO AVAL , , ,00 EG. PROJECTOS/GESTOR PRODUÇÃO DE PROJECTOS , , , , , , , ,00 EG. QUALIDADE PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS , , , , ,00 EG. QUÍMICO QUALIDADE , ,00 EG. REDES QUÍMICO , , , ,00 ARQUITECTO EG. REDES AALISTA/PROGRAMADOR EG. SISTEMAS/ REDES ADMIISTRADOR SISTEMAS , , , , , , ,00 EG. SOFTWARE/ SISTEMAS/ ADMIISTRADOR DESEVOLVIMETO SISTEMAS , , , , , , , , , ,00 EG. TELECOMUICAÇÕES SOFTWARE/ DESEVOLVIMETO , , , , , , , , ,00 GESTOR EG. TELECOMUICAÇÕES DE PRODUTO/ COMERCIAL/ MARKETIG , , , , , , ,00 COSULTOR EG. ESTRUTURAS EG. IFORMÁTICO EG. TELECOMUICAÇÕES 1º EMPREGO 3 AOS EXP. 5 AOS EXP. 10 AOS EXP. 20 AOS EXP. GESTOR/ADMIISTRADOR DE PRODUTO/ COMERCIAL/ MARKETIG , , , , , , , ,00 GESTOR/ADMIISTRADOR , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, ,00 0,00

29 29 7. VARIAÇÃO ETRE REMUERAÇÕES DOS DIPLOMADOS DO IST E RESTATES DIPLOMADOS A Tabela 24 Variação nas remunerações fixas e variáveis dos diplomados do IST face aos restantes VARIAÇÃO SALARIAL VARIAÇÃO SALARIAL FUÇÃO RECÉM DIPL. 3 AOS EXP. 5 AOS EXOP. 10 AOS EXP. 20 AOS EXP. RECÉM DIPL. 3 AOS EXP. 5 AOS EXOP. 10 AOS EXP. 20 AOS EXP. AALISTA/PROGRAMADOR 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% ARQUITECTO AUDITOR COSULTOR 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% EG. AMBIETE 0% 0% EG. CIVIL EG. COSTRUÇÕES EG. ELECTROTÉCICO 3% 4% 4% 5% 5% 1% 1% 1% 1% 1% EG. ESTRUTURAS EG. IFORMÁTICO 11% 13% 3% 0% 0% 5% 13% 3% 0% 0% EG. MAUTEÇÃO EG. MATERIAIS EG. MECÂICO 1% 2% 2% 4% 5% 1% 2% 2% 4% 4% EG. AVAL EG. PRODUÇÃO EG. PROJECTOS/GESTOR DE PROJECTOS 1% 2% 2% 2% 5% 1% 2% 2% 2% 4% EG. QUALIDADE EG. QUÍMICO 0% 0% EG. REDES 25% 30% 0% 30% EG. SISTEMAS/ ADMIISTRADOR SISTEMAS EG. SOFTWARE/ DESEVOLVIMETO 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% EG. TELECOMUICAÇÕES 5% 5% 5% 5% 5% 5% 5% 5% GESTOR DE PRODUTO/ COMERCIAL/ MARKETIG GESTOR/ADMIISTRADOR

30 30 8. COSIDERAÇÕES FIAIS A produção do relatório sobre a evolução salarial permite observar algumas tendências genéricas sobre as remunerações médias anuais auferidas pelos diplomados do IST em 20 funções distintas, assim como a variação dos rendimentos face aos diplomados de outras escolas na mesma função e com os mesmos anos de experiência profissional. O contributo das instituições foi de enorme utilidade para se cons eguir ao seguinte conjunto de conclusões: As principais formas de recrutamento são colocação por anúncio, contactos pessoais e o Job Banking do IST, sendo particularmente interessante identificar algumas diferenças de acordo com a dimensão e área de actividade da instituição empregadora; assinale-se ainda que foram referidas algumas formas de colocação que estão a emergir nos processos de recrutamento linkedin, bases de dados internas ou sites de emprego, entre outras. Existem bastantes diferenças nas 20 funções analisadas, identificando-se por exemplo, que as remunerações totais anuais de, em termos médios, variam entre 11 mil euros ano no caso dos arquitectos ou os 13 mil euros dos Engenheiros de Redes até aos 22 mil euros dos Gestores de Produto ou 21 mil euros do Engenheiro Informático (admite-se outlier na única resposta à função de Engenheiro de Materiais cerca de 34 mil euros). o caso das remunerações para diplomados com de experiência, estas variam entre os 21 mil euros de um Auditor até aos 45 mil de um Gestor/Administrador ou 44 mil de um Engenheiro Informático (admite-se outlier na única resposta à função de Arquitecto cerca de 50 mil euros). o capítulo das variações, das 13 funções onde as instituições fa zem esta diferenciação, em 6 é mencionado que os diplomados do IST são compensados monetariamente de forma mais elevada que os diplomados de outras escolas (salário fixo): o o o o o o Engenheiro Electrotécnico em média, de 3 a 5%, aumentando de acordo com os anos de experiência profissional; Engenheiro Informático em média, entre 3% e 11% até aos de experiência, sendo mais evidente no grupo dos diplomados com de experiência profissional (11%); Engenheiro Mecânico - em média, de 1 a 5%, aumentando de acordo com os anos de experiência profissional; Engenheiro de Projectos/Gestor de Projectos - em média, de 1 a 5%, aumentando de acordo com os anos de experiência profissional; Engenheiro de Redes em média, de 25 a 30%, até aos de experiência profissional (não é indicada variação nos 5, 10 e de experiência); Engenheiro de Telecomunicações variação, em média, de 5%, em todos os grupos analisados de experiência profissional.

31 31 Um exercício feito a partir dos dados globais permite ainda registar que os salários têm um crescimento quase exponencial. Segundo o cálculo de uma média ponderada pelo nº de respostas em cada função, consegue determinar-se que: a passagem do para um emprego para um diplomado do IST com de experiência profissional existe um acréscimo médio de 7.291,45, o que corresponde a um aumento de 39,3% face ao salário inicial (18.569,92 ); o salto de 3 para de experiência profissional tem um acréscimo médio de 9.340,64, o que corresponde a um aumento de 36,1% face ao salário com de experiência (25.861,38 ); a passagem de 5 para de experiência profissional permite um acréscimo médio de ,69, o que corresponde a um aumento de 41,4% face ao salário com de experiência profissional (35.202,02 ); finalmente, o salto dos para os de experiência profissional permite identificar um acréscimo médio de ,83, o que corresponde a um aumento de 60,1% face ao salário com de experiência profissional (49.779,71 ); o salário médio com de experiência profissional atinge o valor de ,54, o que face ao salário inicial do mais do que triplica. Em conclusão, pode registar-se que cerca de metade das instituições remuneram melhor os diplomados do IST que os diplomados de outras escolas para as mesmas funções, sendo que existem variações substanciais nalguns casos. Por outro lado, as diferenças que se registam nas remunerações oferecidas por várias empresas à mesma função, prova que existe um limiar de negociação que pode ser mais vantajoso para os recém-diplomados do IST, não sendo de excluir uma preparação adicional aos mesmos para que possam ter mais e melhores a rgumentos nestes contextos de negociação salarial.

AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST

AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST PG4 Processo de Gestão da Qualidade SP4 Inquéritos de Avaliação dos Processos de Realização - Ensino/Aprendizagem 1- Objectivos No âmbito do SIQUIST,

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST ANÁLISE DA EVOLUÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST PG4 Processo de Gestão da Qualidade SP4 Inquéritos de Avaliação dos Processos de Realização - Ensino/Aprendizagem 1- Objectivos No âmbito do SIQUIST,

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM ENGENHARIA MECÂNICA. Rui Mendes João Fernandes

EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM ENGENHARIA MECÂNICA. Rui Mendes João Fernandes EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM ENGENHARIA MECÂNICA Rui Mendes João Fernandes 1. UMA ABORDAGEM MULTIFACETADA alunos FINALISTAS entidades EMPREGADORAS diplomados do 1º CICLO que não prosseguem

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM FÍSICA E TECNOLOGICA. Rui Mendes João Fernandes

EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM FÍSICA E TECNOLOGICA. Rui Mendes João Fernandes EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DO IST EM FÍSICA E TECNOLOGICA Rui Mendes João Fernandes 1. UMA ABORDAGEM MULTIFACETADA alunos FINALISTAS entidades EMPREGADORAS diplomados do 1º CICLO que não prosseguem

Leia mais

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DO IST 2013 Comparação entre os diplomados de 2011, 2010, 2007 e 2002 (1, 2, 5 e 10 anos após a conclusão do curso) OEIST Núcleo de Estudos e s Área de Estudos e Planeamento

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Assunto: 26ª Edição da Jobshop AEIST A Associação dos Estudantes do através do seu Gabinete de Emprego, Formação e Empreendedorismo (GEFE) tem o prazer de vos convidar a participar

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Relatório de Empregabilidade 2010/2011. Licenciaturas e Mestrados Full-time

Relatório de Empregabilidade 2010/2011. Licenciaturas e Mestrados Full-time Relatório de Empregabilidade 2010/2011 (ALUNOS QUE FINALIZARAM O CURSO EM 2009/2010) Licenciaturas e Mestrados Full-time 1 A. LICENCIATURAS 2009/2010 3 1. Informação Geral da amostra recolhida 3 1.1 Género

Leia mais

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003

REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS CURSOS TECNOLÓGICOS. Versão definitiva de10 de Abril de 2003 REFORMA DO ENSINO SECUNDÁRIO MATRIZES CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS E CURSOS TECNOLÓGICOS Versão definitiva de0 de Abril de 003 CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Componentes de Formação 0º º º Geral Português

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Ensino Regular OFERTA EDUCATIVA 2010/2011 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento estudos a nível superior. Têm a duração 3

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais

Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas

Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas II CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EFAA Quanto custa pagar impostos em Portugal? Os custos de cumprimento das empresas Cidália Mota Lopes 11 de Dezembro de 2007 ESTRUTURA I Introdução II Custos de cumprimento:

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Áreas de Atribuição do Título de Especialista

Áreas de Atribuição do Título de Especialista Áreas de Atribuição do Título de Especialista Comunicação Social Gestão Estratégica das Relações Públicas Publicidade Marketing Jornalismo Comunicação Audiovisual e Multimédia Dança Dança, englobando todas

Leia mais

Precisa-se Eng para quinta em Beja

Precisa-se Eng para quinta em Beja DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO Núcleo Distrital de Beja da EAPN Portugal ABRIL 2014 Ofertas de emprego Precisa-se Eng para quinta em Beja Precisa-se Eng. Para gestão de quinta produção de melão couves e outros

Leia mais

Os Diplomados e o Emprego na UL

Os Diplomados e o Emprego na UL Os Diplomados e o Emprego na UL NOTA PRÉVIA A Universidade de Lisboa (UL) foi pioneira no estudo da empregabilidade dos diplomados saídos dos cursos que oferece. Em 2000 e em 2005 publicaram-se dois relatórios,

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos...

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... Relatório Anual 2008/2009 INDICE Preâmbulo... 3 I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4 2 II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... 5 III Da eficiência da Gestão Administrativa

Leia mais

A n á l i s e d o P e r c u r s o F o r m a t i v o d o s F i n a l i s t a s d o I S T A n o L e c t i v o 2 0 1 2 / 2 0 1 3

A n á l i s e d o P e r c u r s o F o r m a t i v o d o s F i n a l i s t a s d o I S T A n o L e c t i v o 2 0 1 2 / 2 0 1 3 A n á l i s e d o P e r c u r s o F o r m a t i v o d o s F i n a l i s t a s d o I S T A n o L e c t i v o 2 0 1 2 / 2 0 1 3 OEIST Área de Estudos e Planeamento 2013 Rui Mendes João Fernandes 1. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:289283-2012:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:289283-2012:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:289283-2012:text:pt:html D-Francoforte no Meno: Prestação de serviços para o desenvolvimento e auditoria de sistemas

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa - Mapa de pessoal não docente - 2015

Instituto Politécnico de Lisboa - Mapa de pessoal não docente - 2015 Instituto Politécnico Lisboa - Mapa pessoal não docente - 0 () terminado, mobilida (+6+7+8) grau, ou Coornador Especialista Superior Informática Informática Informática Coornador * () (6) Orgãos Gestão

Leia mais

Áreas de Atribuição do Título de Especialista

Áreas de Atribuição do Título de Especialista Áreas de Atribuição do Título de Especialista Comunicação Social Gestão Estratégica das Relações Públicas Publicidade Marketing Jornalismo Comunicação Audiovisual e Multimédia Dança Dança, englobando todas

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 information TECHNOLOGY Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO EDIÇÃO 2013/2014

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO EDIÇÃO 2013/2014 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Por delegação de competências da Presidente do Instituto Politécnico do Porto, Delminda Augusta Pinto Lopes, Vice-Presidente, faz saber que,

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Introdução à Administração Pública Noções Fundamentais de Direito Ciência

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR

II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR II EDIÇÃO DO CONCURSO GESTÃO DE IDEIAS PARA ECONOMIZAR APRESENTAÇÃO DO CONCURSO: O concurso Gestão de Ideias para Economizar representa uma oportunidade para os estudantes se prepararem, em pequenos grupos,

Leia mais

Sistema de qualificação Sectores especiais

Sistema de qualificação Sectores especiais União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A

E S C O L A S U P E R I O R A G R Á R I A Licenciatura em Engenharia do Ambiente Ref.ª : 1722004 Ano lectivo: 2007-08 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 581/Arquitectura

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Anabela de Sousa Fontoura. Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia

Anabela de Sousa Fontoura. Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Morada(s) Anabela de Sousa Fontoura Rua da Banda Marcial de Gueifães, 350 1º esq. 4470-024 Maia Correio(s) electrónico(s) anabela.fontoura@sapo.pt Telemóvel: 91

Leia mais

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins*

A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal. Pedro Silva Martins* A Rotatividade dos Trabalhadores em Portugal Pedro Silva Martins* A rotatividade dos trabalhadores nas empresas é uma realidade bem conhecida dos gestores de recursos humanos. Seja por iniciativa do empregador

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

A Formação de Engenheiros em Portugal

A Formação de Engenheiros em Portugal A Formação de Engenheiros em Portugal Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1MIEEC05_03 Eduardo Grifo Gonçalo Silva Joana Lopes Rafael Quintão Agradecimentos Gostaríamos de fazer um agradecimento

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2014

Linha de Crédito PME Crescimento 2014 Linha de Crédito PME Crescimento 2014 As empresas têm à sua disposição, desde o passado dia 3 de março, uma nova linha de crédito para apoiar o financiamento da sua atividade. Trata-se da linha PME Crescimento

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 14 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS Os apoios a atribuir

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

Protocolo. Carreiras Profissionais

Protocolo. Carreiras Profissionais Protocolo Carreiras Profissionais A TAP e o SITAVA acordam o seguinte: 1. São criadas as seguintes novas categorias profissionais, com a caracterização funcional estabelecida em anexo: a) Analista Programador

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

Property & Construction

Property & Construction ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015 Healthcare Property & Construction & Life Sciences Property & Construction Specialists in property & construction recruitment www.michaelpage.pt Property & Construction Estudo

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC Lúcio Flávio Nunes Moreira luciof@fumec.br Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC Rua Cobre, 200 Cruzeiro 30.310-190 -

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt

ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015. Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt ESTUDO DE REMUNERAÇÃO 2015 Healthcare Human Resources & Life Sciences Specialists in human resources recruitment www.michaelpage.pt Human Resources Estudo de Remuneração 2015 Apresentamos-lhe os Estudos

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil O Mercado de Profissionais de TI no Brasil Apresentação Organizar informações sobre a dinâmica do mercado de profissionais de TIC (demanda e oferta) nos Estados com maior concentração na produção e desenvolvimento;

Leia mais

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março

Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março Decreto-Lei n.º 97/2001 de 26 de Março O presente diploma, procedendo à revisão das carreiras de informática, procura perspectivar a função informática à luz da actual realidade informática, quer do ponto

Leia mais

Conferência Nacional sobre 1º Emprego. Painel: O que fazem as instituições de Ensino Superior para apoiar o acesso ao 1º Emprego?

Conferência Nacional sobre 1º Emprego. Painel: O que fazem as instituições de Ensino Superior para apoiar o acesso ao 1º Emprego? Conferência Nacional sobre 1º Emprego Painel: O que fazem as instituições de Ensino Superior para apoiar o acesso ao 1º Emprego? Graça Pissarra 29 de Outubro de 2010 www.isa.utl.pt Instituto Superior de

Leia mais

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius.

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius. Projecto Factor PME Junho 2011 O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME www.factorpme.aip.pt www.trigenius.pt factorpme@trigenius.pt Âmbito e Objectivos

Leia mais

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 Unidades curriculares Área Tipo científica Obs Diagnóstico Molecular.................. BT Semestral 140 T: 15 TP: 5 PL: 5 S: 5 OT: 5 O: 5

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS E GESTÃO DE INFORMAÇÃO Grupo de trabalho Armando Mendes Áurea Sousa Fátima Brilhante Rita Marques Brandão Osvaldo Silva Fevereiro 2010 Enquadramento e justificação

Leia mais

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro 2006 a 2010 DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira Outubro de 2011 Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro ÍNDICE: 1. Enquadramento e apreciação dos resultados.. pág. 2 2. Estatísticas dos candidatos,

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Security (Ser. 13/1) Setembro de 2013 Designação: Invest Security (Ser. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010. Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de saúde.

SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010. Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de saúde. Exmo. Senhor Líder Parlamentar do Partido Socialista Deputado Francisco Assis P.M.P. SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010 Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 2 CURSOS DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA REGISTADOS MAS AINDA NÃO ANALISADOS PELA ANET COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL. Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais