IREI RELATÓRIO DE ESTÁGIO. 1 daguarda Polytechnic of Guarda. Licenciatura em Comunicação Multimédia. Ana Filipa Fernandes Marques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IREI RELATÓRIO DE ESTÁGIO. 1 daguarda Polytechnic of Guarda. Licenciatura em Comunicação Multimédia. Ana Filipa Fernandes Marques"

Transcrição

1 IREI folité cnico 1 daguarda Polytechnic of Guarda RELATÓRIO DE ESTÁGIO Licenciatura em Comunicação Multimédia Ana Filipa Fernandes Marques janeiro

2 Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Instituto Politécnico da Guarda RELATÓRIO DE ESTÁGIO ANA FILIPA FERNANDES MARQUES RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE LICENCIADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA JANEIRO/2015

3 FICHA TÉCNICA Discente Ana Filipa Fernandes Marques Comunicação Multimédia Estabelecimento de Ensino Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Docente orientador Prof. Doutor Carlos Francisco Lopes Canelas Supervisora na Associação Dra. Maria José Dinis Local de Estágio Associação Sócio Terapêutica de Almeida IPSS Alto da Fonte Salgueira Cabreira Portugal Tel: Fax: Duração do Estágio De 3 de Julho de 2014 a 24 de Outubro de 2014 (interrupção de 3 semanas no mês de Agosto) I

4 AGRADECIMENTOS Ao Instituto Politécnico da Guarda e à Escola Superior de Comunicação, Educação e Desporto pelas valências passadas que foram vitais para a concretização do meu percurso académico com sucesso. Ao meu docente orientador, Prof. Doutor Carlos Canelas, pelo apoio prestado durante o estágio e na elaboração do relatório. A todos os docentes que me acompanharam durante estes três anos de licenciatura um obrigada pelos ensinamentos transmitidos e por se terem mostrado disponíveis sempre que era necessário. À Associação Sócio Terapêutica de Almeida IPSS, por me terem acolhido nas suas instalações durante três meses, permitindo-me um conhecimento a nível de empresa e a nível humano. Aos meus familiares e amigos, especialmente à minha mãe, à minha avó e à minha melhor amiga, Carla Sousa, que sempre me apoiaram durante toda a licenciatura nunca deixando que desistisse. Aos meus irmãos, por verem em mim um exemplo a seguir, foi para eles um dia poderem realizar este percurso que a força nunca falhou. Ao meu namorado, que foi uma peça fundamental de ajuda a ultrapassar a distância de casa que o estágio impunha. Sem estas pessoas e entidades, este sonho não teria sido possível de realizar. II

5 RESUMO Este relatório de estágio é o culminar para a obtenção da licenciatura em Comunicação Multimédia. Nestas páginas será descrita a experiência da estagiária durante o estágio curricular na Associação Sócio Terapêutica de Almeida. O presente relatório encontra-se dividido em duas partes, sendo que no primeiro capítulo está presente a descrição da Associação e tudo o que lhe está associado. O segundo contém noções básicas do design editorial e a descrição de todas as atividades desenvolvidas pela estagiária durante o período em que exerceu funções. Por fim, é apresentada uma reflexão crítica escrita na primeira pessoa sobre a perceção acerca da sua primeira experiência profissional. Palavras-Chave: Design Editorial, Paginação, ASTA, Jornal, Livro. III

6 ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS... VII ÍNDICE DE TABELAS... VIII LISTA DE SIGLAS E ACRÓNIMOS... IX INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO I - ASTA BREVE APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO LOCALIZAÇÃO E ESPAÇO FÍSICO HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO TERAPÊUTICA DE ALMEIDA VISÃO, MISSÃO E VALORES VISÃO MISSÃO VALORES ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A MARCA ASSOCIAÇÃO SÓCIO TERAPÊUTICA DE ALMEIDA NOME SÍMBOLO LOGÓTIPO SLOGAN COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO INTERNA COMUNICAÇÃO EXTERNA CONTACTO PESSOAL/PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CORREIO ELETRÓNICO IV

7 WEBSITE REDES SOCIAIS ANÁLISE SWOT CAPÍTULO II -Relatório ESTÁGIO CRONOGRAMA NOÇÕES BÁSICAS SOBRE DESIGN EDITORIAL ESTRATÉGIAS E CONCEITOS DIAGRAMAÇÃO E LAYOUT FORMATO TAMANHOS DE PAPEL GRELHAS SUPORTE COR TIPOGRAFIA CLASSIFICAÇÃO DAS FAMÍLIAS TIPOGRÁFICAS PROGRAMAS INFORMÁTICOS UTILIZADOS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS CONSTRUÇÃO DA MARCA EU AMAI ATÍ SÍMBOLO LOGÓTIPO EXPLICAÇÃO CONSTRUÇÃO DO JORNAL EU AMAI ATÍ GUIÃO AUTO DOS PASTORES V

8 MAQUETE DO LIVRO UMA PAISAGEM À ESPERA DO NOSSO OLHAR PREPARAÇÃO DA MAQUETE CARTAZ DE ATIVIDADES VÍDEOS REFLEXÃO FINAL BIBLIOGRAFIA ANEXOS VI

9 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Mapa da Cabreira do Côa... 4 Figura 2 - Organograma da Instituição Figura 3 - Marca ASTA Figura 4 - Logótipo vetorizado Figura 5 - Marca "Eu Amai Atí" Figura 6 - Símbolo da marca "Eu Amai Atí" Figura 7 - Logótipo da marca "Eu Amai Atí" Figura 8 - Explicação da marca "Eu Amai Atí" Figura 9 - Definições do documento - Jornal "Eu Amai Atí" Figura 10 - Cabeçalho da capa do jornal "Eu Amai Atí" Figura 11 Construção dos cabeçalhos interiores nas páginas mestres Figura 12 Exemplo de duas páginas finais do jornal Eu Amai Atí Figura 13 - Definições do Print Booklet Figura 14 - Capa e contracapa do guião Figura 15 - Ensaio com o Guião "Auto dos Pastores" Figura 16 - Marca da Academia PETRARCA Figura 17 - Cartaz da Semana Europeia da Paisagem na ASTA Figura 18 - Várias propostas de capas do livro realizadas pela estagiária Figura 19 - Algumas proposta recebidas pela editora Figura 20 - Primeiras simulações do livro Figura 21 - Primeiras simulações do livro enviadas pela editora Figura 22 - Cartaz de Atividades 2014 antigo Figura 23 - Cartaz de Atividades 2014 reformulado Figura 24 - Frames do vídeo "Férias em Buarcos" Figura 25 - Frame do vídeo "Comemoração do 14º aniversário da ASTA" VII

10 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Análise SWOT à ASTA Tabela 2 - Cronograma semanal do mês de julho Tabela 3 - Cronograma semanal do mês de agosto Tabela 4 - Cronograma semanal do mês de setembro Tabela 5 - Cronograma semanal do mês de outubro Tabela 6 - Tamanhos A do sistema ISO Tabela 7 - Lista de atividades realizadas no estágio VIII

11 LISTA DE SIGLAS E ACRÓNIMOS ASTA Associação Sócio Terapêutica de Almeida CAO Centro de Atividades Ocupacionais CMYK - Cyan, Magenta, Yellow, Black DID Deficiência Intelectual e Desenvolvimental IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social PARES - Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais PRODER Programa de Desenvolvimento Rural RGB Red, Green and Blue SWOT Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats IX

12 INTRODUÇÃO A realização deste relatório de estágio enquadra-se no âmbito do estágio curricular requerido no 6.º semestre da Licenciatura em Comunicação Multimédia da Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto do Instituto Politécnico da Guarda. O estágio é uma porta que nos transporta para o mercado de trabalho onde aplicamos os conhecimentos que fomos adquirindo ao longo da licenciatura e, ao mesmo tempo, aprendemos a trabalhar com os outros e para os outros, dentro de uma empresa ou instituição, algo que será recorrente na nossa carreira profissional. O principal objetivo é descrever o trabalho desenvolvido durante os três meses de estágio na Associação Sócio Terapêutica de Almeida, doravante designada por ASTA. A ASTA é uma instituição de solidariedade social que acolhe jovens a partir dos 16 anos de idade que apresentam multideficiências. Apesar de não estar ligada à área da multimédia, esta Instituição precisava de um profissional da área para produzir dois conteúdos importantes: o jornal oficial intitulado Eu Amai Atí e a colaboração para a produção de um livro sobre a Semana Europeia da Paisagem realizada na aldeia da Cabreira nos dias 21 a 27 de Abril de O conhecimento sobre este estágio adveio do Prof. Doutor Carlos Brigas que falou comigo e posteriormente recomendou o meu nome à presidente e futuramente minha supervisora. Decidi aceitar por lidar, por um lado, com o trabalho dentro de uma instituição e, por outro, poder lidar com pessoas com necessidades especiais. O presente relatório encontra-se dividido em dois capítulos. O primeiro capítulo irá debruçar-se sobre a Instituição e os seus colaboradores, dando a conhecer a sua história e o percurso percorrido desde a génese até ao presente. Apresentará também a missão, a visão e os valores da instituição e uma análise SWOT elaborada pela estagiária. O segundo capítulo engloba a descrição das atividades desenvolvidas pela estagiária durante o período em que decorreu o estágio e noções básicas acerca do design editorial e os seus componentes. 1

13 Por fim, é apresentada uma reflexão crítica da estagiária, onde globalmente dará a sua opinião sobre a primeira experiência no mundo do trabalho, focando especialmente na importância de um técnico de multimédia numa Instituição de solidariedade social. 2

14 CAPÍTULO I - ASTA

15 1.1. BREVE APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A ASTA é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) sem fins lucrativos, tendo sido fundada pela Dra. Maria José Dinis da Fonseca em 26 de outubro de 1998, embora o início de atividades apenas tenha tido o seu arranque dois anos depois, a 2 de outubro do ano de Esta Instituição acolhe jovens com deficiência intelectual e desenvolvimental (DID) ou multideficiência, a partir dos 16 anos de idade e tem como principal objetivo conferir-lhes uma vida digna e cheia de significado. No que respeita a natureza jurídica, a ASTA é denominada como utilidade pública, pois é uma Associação que possui interesses gerais a nível nacional ou regional, colaborando com a Segurança Social. O horário de funcionamento é das 09:00h às 17:00h LOCALIZAÇÃO E ESPAÇO FÍSICO Figura 1 - Mapa da Cabreira do Côa Fonte: https://goo.gl/maps/s8mgz A ASTA está situada na aldeia da Cabreia do Côa, concelho de Almeida, distrito da Guarda. O principal propósito da fundadora era criar uma aldeia pedagógica segundo os princípios da antroposofia e a aldeia da Cabreia do Côa apresenta um conjunto de fatores ambientais que proporcionam um maior contacto com a natureza oferecendo, uma vivência natural para todos os companheiros que se encontram ou que já passaram pela instituição. 2 1 In (Acedido em 10 de Outubro de 2014) 2 Informações recolhidas junto da supervisora da Instituição. 4

16 1.2. HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO TERAPÊUTICA DE ALMEIDA 3 A ASTA foi fundada em 1998 e brotou de um sonho de Maria José Dinis da Fonseca em criar um espaço que pudesse oferecer uma alternativa de vida dignificadora para pessoas portadoras de deficiência intelectual e desenvolvimental ou multideficiência. O impulsionador deste sonho foi o seu filho Marco, portador de deficiência intelectual. As atividades começaram de forma oficial no ano de 2000, com a inserção de seis companheiros em regime de lar residencial na casa da Dra. Maria José, casa essa que foi previamente reformulada para obter as condições necessárias de forma a impulsionar o início da Instituição. Todo o projeto teve o suporte constante do Centro Regional da Guarda que desde o primeiro instante, reuniu os esforços possíveis para garantir que a ASTA usufruísse de uma sustentabilidade e crescesse enquanto instituição de solidariedade social. 4 Em 2001, a ASTA decidiu criar uma lista de contactos com pessoas que pretendessem ajudar de alguma forma a Instituição, criando assim o grupo de Amigos da ASTA que atualmente já conta com mais de 1000 inscrições. 5 Com a vontade de fazer da aldeia da Cabreira do Côa uma aldeia terapêutica repleta de nichos familiares, procederam em 2002 à recuperação e equipamento da Casa Oliveira que funcionaria como Lar Residencial. Esta casa foi construída com a ajuda de voluntariado, donativos e o apoio da Fundação Oriente. Em 2003 foi construída com o apoio da Raia Histórica Programa Leader, a Casa Cristalina. Atualmente esta residência é habitada apenas por rapazes com supervisão de um colaborador. 6 O Alto da Fonte Salgueira é considerado o centro principal desde 2004 e está situado a um quilómetro da aldeia. Concebeu uma nova vertente pedagógica, terapêutica e social, através das valências ali construídas: 3 In (Acedido em 12 de Outubro de 2014) 4 Informações recolhidas junto dos colaboradores da Instituição 5 Informações recolhidas junto dos colaboradores da Instituição 6 Informações recolhidas junto dos colaboradores da Instituição 5

17 Ateliers Verde Pino - espaço constituído por diversas oficinas, um auditório polivalente, espaços-administrativos e terapêuticos; Casa da Fonte Residencial onde ficam alojados os companheiros com uma maior dependência; Atelier de Carpintaria - outro dos ateliers disponíveis no centro de atividades ocupacionais. Em 2005 realizou-se a primeira edição da Feira da Solidariedade. A ASTA pretende com este evento mostrar os trabalhos realizados pelos companheiros ao longo do ano. O sucesso desta iniciativa é evidente e a Feira da Solidariedade já se encontra na décima edição. De forma a incentivar a prática saudável de exercício físico, foi construído em 2006 o campo de jogos no Alto da Fonte Salgueira. Em 2008 surgiu a ECO ASTA auxiliando no sentido da separação dos lixos orgânicos para a elaboração de compostagem na Associação. Este projeto foi reforçado em 2010 com a aquisição do terreno intitulado Os Três Sois onde foi possível dar sentido ao processo de compostagem bem como ao alojamento dos animais pertencentes à instituição. A aquisição do terreno foi possível graças à ASTA ter recebido o Prémio da Fundação Manuel António da Mota nesse mesmo ano. Em 2009 foi criado um espaço em Almeida designado por Canto com Alma, doado por Luís Queiroz. O objetivo era criar um vínculo com a população de Almeida através da realização de exposições dos trabalhos dos companheiros e workshops durante todo o ano. 7 No ano seguinte, em 2010, foi construída uma terceira casa no sentido de a tornar uma residência para as companheiras mais autónomas a residir na instituição. Assim, nasceu nesse ano, a Casa de São Miguel com apoio em 50% do Programa PARES. Com o apoio do Grupo de Amigos e Fundação Manuel António da Mota foi reconstruída, em 2012, mais uma casa antiga da aldeia dando origem ao Atelier 3 Ofícios. Este espaço concentra-se em trabalhar produtos endógenos da região com companheiros que possuam necessidades terapêuticas mais particulares. 7 Informações recolhidas junto dos colaboradores da Instituição 6

18 Um dos grandes projetos conseguidos por esta Instituição foi a construção e inauguração da Cozinha Pedagógica São Francisco no ano de O terreno foi doado e contou com o cofinanciamento de 75% do Programa PRODER Raia Histórica. A Cozinha Pedagógica São Francisco foi um projeto que visava por um lado, suprimir as necessidades de confeção alimentar devido ao crescimento do número de companheiros e por outro lado, tornar este espaço num atelier de cozinha. 8 O ano de 2014 trouxe para a ASTA um espaço na aldeia em que o principal objetivo é fazer trocas entre produtos e foi denominado Trocas. A Instituição pretende promover cada vez mais uma aproximação entre os habitantes e os companheiros e fazer trocas de variados tipos de produtos e trabalhos. É uma Instituição Particular de Solidariedade Social que promove a dignificação da vida humana e desenvolve mecanismos para um ambiente saudável e integrativo VISÃO, MISSÃO E VALORES Estes três elementos (missão, visão e valores) intervêm em conjunto para construir uma imagem e diretrizes sólidas para uma empresa/instituição. Podem ser determinantes entre uma imagem favorável e uma imagem desfavorável para a organização VISÃO A visão corresponde às linhas orientadoras que uma organização pretende seguir no futuro mas com um olhar claro do tempo presente em que se encontra, sendo considerada uma relação presente-futuro. A criação de uma visão exige pensar para além das atuais capacidades da organização e na relação com o seu ambiente competitivo. (Collins & Porras, 1996) Isto quer dizer que, é importante demarcar o nível a que se pretende chegar sem negligenciar a situação presente em que a organização se encontra. O objetivo é planear algo para o futuro mas com condições reais de serem concretizadas. 8 Informações recolhidas junto dos colaboradores da Instituição 7

19 Assim sendo, a ASTA promove um espaço sustentável envolvido num ambiente rural e sócio terapêutico, permitindo que as pessoas com deficiência mental ou multideficiência, obtenham ferramentas para encontrar o seu caminho, numa perspetiva biopsicossocial e espiritual MISSÃO Segundo Chiavenato (2005) a missão tem como objetivo clarificar e comunicar os objetivos da organização, os valores básicos e a estratégia organizacional. Como referido no parágrafo anterior e com um papel de grande importância em qualquer organização, a missão pretende fazer esclarecer qual o propósito de existência, sendo um guia dos objetivos futuros da empresa/instituição. Assim sendo, deverá ser simples, breve e assertiva. A missão desta Instituição é proporcionar o apoio e a integração de pessoas com deficiência mental ou multideficiência, numa ambiência terapêutica de carácter comunitário e familiar, promovendo aos jovens um desenvolvimento holístico e dignificador VALORES O valor de uma organização caracteriza-se por um conjunto de ideias elementares que representa as convicções daquilo em que esta acredita. Contribuindo para um sentido de unicidade e promoção do sentido de coerência no trabalho, os valores funcionam como componentes motivacionais. 11 Para Deal & Kennedy (1988: 21), enquanto essência da filosofia da organização para obter o sucesso, os valores fornecem um senso de direção comum para todos os empregados e um guia para o comportamento diário. 9 In (Acedido em 17 de Outubro de 2014) 10 In (Acedido em 18 de Outubro de 2014) 11 In (Acedido em 20 de Outubro de 2014) 8

20 A ASTA, nestes 14 anos de existência, definiu um conjunto de valores 12 pelos quais se rege e orienta, devendo a estes, grande parte do seu sucesso a nível institucional. Estes valores têm como base: Rigor: A ASTA promove junto dos seus colaboradores um ambiente propício ao profissionalismo e ao cumprimento das regras, para um melhor desenrolar das atividades diárias; Confidencialidade/Privacidade: Os companheiros têm a segurança de confidencialidade e privacidade dos seus dados, não sendo usados para outros fins a não ser em questões internas; Integridade/Respeito/Igualdade: Todos os jovens são tratados como seres plenos, respeitando, os princípios de integridade, respeito e igualdade. Assim sendo, os colaboradores trabalham com os jovens e não para eles, reforçando o princípio de igualdade; Solidariedade: A ASTA é uma Instituição de Solidariedade Social. Incute nos companheiros esse espirito e integra-os, em campanhas similares tanto internamente como no exterior; Cidadania: A cidadania é um ponto fulcral na ASTA. Todos os elementos desta Instituição, colaboradores e companheiros, sabem que têm responsabilidades perante eles e perante os outros, ou seja, deveres e direitos que devem ser cumpridos; Criatividade: Através dos ateliers, os jovens podem dar ímpeto à criatividade e elaborar trabalhos dignificadores, com o apoio dos responsáveis por cada espaço; Individualidade: Cada companheiro é um ser individualizado na ASTA, e assim sendo, cada um é tratado segundo as necessidades que transporta sem nunca se desassociar o sentido da igualdade entre todos; Dignidade: Esta Instituição pretende dignificar a pessoa humana em todas as suas singularidades. 12 In (Acedido em 20 de Outubro de 2014) 9

21 1.4. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Segundo Galbraith (1977: 5) entende-se o conceito de estrutura organizacional como o resultado da combinação da definição de organização e do conceito de escolha estratégica. A estrutura organizacional é concebida para ser um processo de decisão para trazer coerência entre os objetivos e propósitos para os quais a organização existe, o modelo de divisão do trabalho e de coordenação entre unidades e as pessoas que farão o trabalho. A estrutura organizacional 13 da ASTA (ver anexo II) está dividida em dois grandes grupos. O primeiro grupo é constituído pela direção social e restantes serviços inerentes ao órgão da direção. É neste primeiro grupo que são discutidos e tratados todos os problemas associados aos jovens da Instituição. O segundo grupo está subdividido em três grandes estruturas sendo que todas estão no mesmo nível hierárquico. Dentro destas estruturas encontram-se discriminados cada um dos elementos constituintes da Instituição, a saber: Estruturas residenciais A ASTA possui residências habitacionais para os jovens que se encontram em regime interno. São consideradas na atualidade cinco habitações, embora apenas três destas se encontrem em funcionamento. A Casa da Fonte é para companheiros com maiores dificuldades e as restantes casas são para os jovens mais autónomos; Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) Este centro de atividades ocupacionais divide-se em ateliers, terapias e espaços de animação e socialização. É o conjunto de iniciativas realizadas no dia-a-dia da instituição para manter os jovens integrados na sociedade. Os ateliers e as diversas terapias funcionam entre a aldeia e o Alto da Fonte Salgueira enquanto os espaços de animação e socialização são definidos em apenas alguns dias da semana; Serviços de Apoio Os serviços de apoio têm como função auxiliar a Instituição em questões mais burocráticas. Existem os serviços administrativos e financeiros que tratam de assuntos referentes à parte monetária da instituição e, por outro lado, encontra-se neste subgrupo, a gestão e manutenção das instalações e equipamentos. Neste último, pode-se encontrar a Cozinha Pedagógica São Francisco que trata da 13 Informação disponibilizada pelos serviços administrativos da Instituição 10

22 confeção das refeições diárias e o Trocas, um espaço de permuta dos mais variados tipos de produtos. Figura 2 - Organograma da Instituição Fonte: Informações fornecidas pela Instituição de estágio. 11

23 1.5. A MARCA ASSOCIAÇÃO SÓCIO TERAPÊUTICA DE ALMEIDA A marca tem como propósito representar de forma simbólica um nome, um conceito, um produto, uma entidade, uma instituição ou um serviço prestado. Essa representação é feita através de vários elementos conjugados como por exemplo: símbolo, logótipo ou slogan. Segundo o dicionário da American Marketing Association 14, a marca é uma experiência de consumidor representado por uma coleção de imagens e ideias sendo que, muitas vezes, se refere a um símbolo, um nome, um logótipo, um slogan e a um esquema de design que provoca o reconhecimento da marca. (...) Uma marca muitas vezes abrange um logótipo explícito, fontes, esquemas de cores e símbolos para representar valores subentendidos, ideias e até personalidade. Na figura 3 são apresentados os elementos fundamentais para a marca, incluindo neste universo especifico o símbolo, o logótipo e o nome. Figura 3 - Marca ASTA Fonte: ASTA NOME O acrónimo ASTA significa, tal como referido, Associação Sócio Terapêutica de Almeida. A adoção do acrónimo permite à comunidade em geral reconhecer facilmente a Instituição. Inicialmente, a presidente, por esta Instituição se situar na aldeia da Cabreira do Côa, pretendia que o nome fosse Associação Sócio Terapêutica da Cabreia. Porém, esta designação traria problemas ao nível da simplificação do acrónimo que se tornaria deste modo ASTC. 15 Assim sendo, e por consenso geral, a Instituição ficou com o nome do concelho de Almeia, concelho esse onde a aldeia fica situada. 14 In https://www.ama.org/resources/pages/dictionary.aspx?dletter=b&dletter=b (Acedido em 23 de Outubro de 2014) 15 Informação fornecida pela supervisora da Instituição 12

24 Denomina-se por Sócio Terapêutica pois a filosofia implementada dentro da Instituição assenta com base na Sócio Terapia SÍMBOLO O símbolo da ASTA é constituído pelo acrónimo ASTA por baixo de um abrigo. O significado adjacente a esta representação é o facto de a ASTA acolher todas as pessoas que possuam algum tipo de deficiência dentro do seu abrigo, ou seja, da Instituição. É um modo de evidenciar o acolhimento e a segurança que é transmitida aos jovens que residem ou frequentam a Instituição LOGÓTIPO O logótipo expõe na marca o nome da empresa/instituição de forma gráfica. No que respeita à ASTA, este é um elemento identificador pois exibe o nome e referencia que esta é uma IPSS. Figura 4 - Logótipo vetorizado FONTE: ASTA Um logótipo identifica as particularidades da Instituição e pretende ser percetível, claro, fácil de associar e memorizar. Recentemente este logótipo foi trabalhado por uma empresa de design que procedeu à sua vectorização (figura 4) SLOGAN O slogan é uma frase curta ou expressão que resume a posição da marca ou da organização. Quando uma empresa/instituição possui um slogan, este deverá constar em 16 Informações fornecidas pela supervisora e colaboradores da Instituição 13

25 todas as ações de comunicação para realçar a sua importância junto ao público-alvo e preferencialmente surgir junto à identidade visual da mesma, ou seja, aparecendo associado ao logótipo. 17 A ASTA não possui slogan na marca da Instituição pois não possui uma expressão definida para assumir essa posição COMUNICAÇÃO Para Chiavenato (2001: 165), comunicação é a troca de informações entre indivíduos. Significa tornar comum uma mensagem ou informação. Constitui um dos processos fundamentais da experiência humana e da organização social. Comunicar significa colocar algum em comum. A comunicação dentro de uma instituição é fundamental para existir um elo consistente de troca de mensagens entre a organização, os colaboradores e os jovens, e destes, para com o exterior da associação. Podemos considerar dois tipos de comunicação essenciais: a comunicação interna e a comunicação externa COMUNICAÇÃO INTERNA Segundo Kunsch (1997: 129), a comunicação interna deve apontar os sucessos, valorizar os aspetos positivos, reconhecer os esforços individuais e coletivos. Com isso, a empresa pretende aumentar a coesão (...), a solidariedade, a competência e a eficiência. Internamente, a comunicação realizada na ASTA, é realizada pessoalmente ou recorrendo às chamadas telefónicas entre os colaboradores. Como o universo de funcionários está espalhado entre o Alto da Fonte Salgueira e os Ateliers situados na aldeia, por vezes, quando a comunicação não pode ser realizada cara-a-cara, o telefone é a via mais viável. A Associação garante, assim, a fácil comunicação interna em todos os assuntos recorrentes do dia-a-dia visando, o conforto dos jovens que frequentam a Instituição. 17 In (Acedido em 26 de Outubro de 2014) 14

26 COMUNICAÇÃO EXTERNA De acordo com Serra (2007: 10), percebemos que vivemos em plena sociedade da comunicação quando nos deparamos todos os dias com as tecnologias da informação e comunicação. Elas assumiram um papel tão fundamental nas nossas vidas que não sobrevivemos mais sem elas. A comunicação externa é direcionada a todas as pessoas que são externas à Instituição, desde investidores, fornecedores, sociedade, meios de comunicação social, entre outros. A ASTA possui as seguintes formas de comunicação externa para propagar a sua mensagem aos diversos intervenientes: CONTACTO PESSOAL/PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS Com o principal intuito de dar a conhecer a Instituição à sociedade, a ASTA opta por tentar sempre manter o contacto pessoal como forma de comunicação externa. Esta comunicação pessoal é realizada através da participação da associação em diversos eventos, feiras e concursos, permitindo, mostrar o trabalho que é feito diariamente com os companheiros durante todo o ano CORREIO ELETRÓNICO O correio eletrónico passou a ser um meio fundamental entre os elementos da direção com o exterior. Este meio de comunicação é utilizado para a ASTA poder facilmente entrar em contacto com fornecedores, enviar material para os estagiários das áreas de multimédia e marketing, enviar orçamentos, entre outros assuntos. O correio eletrónico é seguido diariamente por profissionais responsáveis de tomarem decisões através deste meio e filtrarem todo o conteúdo que vem de fora da Instituição WEBSITE A ASTA foi contemplada com um website renovado inteiramente pela empresa Dom Digital situada no distrito da Guarda. No endereço poderá 15

27 encontrar os diversos aspetos da associação, conhecer um pouco da história, visualizar imagens dos companheiros, entre outros temas. A melhor característica do site é possuir um layout simples e ser de fácil utilização para o público que deseje obter mais informações REDES SOCIAIS Com o avanço das novas tecnologias, as empresas e associações necessitam de entrar na rede e conhecer os novos mecanismos que permitem o fácil passar da palavra, as redes sociais. Este recurso é nos dias atuais a melhor forma de dar a conhecer projetos. A ASTA possui uma página na rede social Facebook, onde coloca imagens das atividades dos companheiros, participação em eventos, e informações para todos aqueles que são amigos desta Associação ANÁLISE SWOT Uma análise SWOT é vital para uma organização, pois permite a análise do meio, o perceção dos fatores externos e internos de uma empresa, conseguindo obter uma lista dos pontos fortes e fracos (ambiente interno) e das oportunidades e ameaças (ambiente externo). 18 A este respeito, Silveira (2001: 213) refere que o entendimento dos fatores externos (oportunidades e ameaças) e dos fatores internos (pontos fortes e pontos fracos) contribui para formação de uma visão de futuro a ser perseguida. O termo SWOT é uma combinação dos seguintes termos em inglês: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Entende-se por força um atributo positivo que é benéfico para o melhor desenvolvimento da Instituição, enquanto por oposição, uma fraqueza é um atributo com conotações negativas, devido a esta pressupor uma lacuna interna da organização. As oportunidades são características que vêm do exterior e representam um fator positivo para 18 In https://www.administradores.com.br/producao-academica/analise-swot/3060/download/ (Acedido a 26 de Outubro de 2014) 16

Caraterização Biográfica da ASTA - Associação Sócio Terapêutica de Almeida, IPSS

Caraterização Biográfica da ASTA - Associação Sócio Terapêutica de Almeida, IPSS Caraterização Biográfica da ASTA - Associação Sócio Terapêutica de Almeida, IPSS A Associação Sócio Terapêutica de Almeida (de orientação antroposófica), é uma Instituição Particular de Solidariedade Social

Leia mais

Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais. Manual de Identidade Visual junho 2010

Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais. Manual de Identidade Visual junho 2010 1 Manual de Identidade Visual Golin Módulo II Guia Rápido de Utilização do Logotipo / Meios Digitais Manual de Identidade Visual junho 2010 Sumário 2 A marca 3 Introdução 4 Comunicação através de Símbolos

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783. Bárbara Ferreira, nº 42006. Iris Duarte, nº 37385. Docente: Fernando Carrapiço

Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783. Bárbara Ferreira, nº 42006. Iris Duarte, nº 37385. Docente: Fernando Carrapiço Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783 Bárbara Ferreira, nº 42006 Iris Duarte, nº 37385 Docente: Fernando Carrapiço Unidade Curricular: Projeto Multimédia Esta recensão foi redigida sob as regras

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. SF127 MAR.13

COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. SF127 MAR.13 COMUNIQUE A SUA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO PARA AS EMPRESAS. PARA AS PESSOAS. Sumário 1 Introdução 2 Política do Bureau Veritas Certification 3 As Marcas de Certificação

Leia mais

Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015

Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015 Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015 ÍNDICE 1 Quem somos? 2 Informações, 3 Cursos Jurídicos, 4 Edição de Livros, 5 Loja Virtual, 6 Livros Digitais, 7 Livros Impressos, 8 Livros Usados, 9 Direitos Autorais,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Perguntas Frequentes. como enviar arquivos para a Programação Visual

Perguntas Frequentes. como enviar arquivos para a Programação Visual Perguntas Frequentes como enviar arquivos para a Programação Visual 03 Sumário Configurações do Arquivo 05 Imagens e Ilustrações 08 Cores 11 Fontes e Textos 13 16 Revisão e Autorização + Lista de Checagem

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

Comunique a Sua Certificação MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO. Para as Empresas. Para as Pessoas.

Comunique a Sua Certificação MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO. Para as Empresas. Para as Pessoas. Comunique a Sua Certificação MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA MARCA DE CERTIFICAÇÃO Para as Empresas. Para as Pessoas. Bureau Veritas Certification Sumário 1. INTRODUÇÃO 2. POLÍTICA DO BUREAU VERITAS CERTIFICATION

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

Regulamento Concurso de Criação do Logótipo para o Orçamento Participativo Jovem da Freguesia De S. Teotónio. Órgão Executivo, Em de 2014

Regulamento Concurso de Criação do Logótipo para o Orçamento Participativo Jovem da Freguesia De S. Teotónio. Órgão Executivo, Em de 2014 Regulamento Concurso de Criação do Logótipo para o Orçamento Participativo Jovem da Freguesia De S. Teotónio Órgão Executivo, Em de 2014 Órgão Deliberativo, Em de 2014 REGULAMENTO DO CONCURSO Artigo 1.º

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas e padrões de utilização Versão 1.3 Alterada em 13/11/2014 Alteração: inclusão do elemento de marca registrada, após a concessão do registro da marca pelo INPI. Sumário

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO. Site http://www.areastore.com/

TERMOS DE UTILIZAÇÃO. Site http://www.areastore.com/ a TERMOS DE UTILIZAÇÃO Site http://www.areastore.com/ O presente site foi criado, pertence e é operado pela AREA Infinitas Design de Interiores, S.A., com sede no Sintra Business Park, Edifício 7, Zona

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade

Manual de Normas Gráficas. COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade Manual de Normas Gráficas COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade > Índice A Marca 05 Identidade 06. Logótipo 08. Versões 09. Margem de Segurança 10. Dimensão Mínima 11. A Cor 12 Suportes

Leia mais

ÍNDICE. 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual

ÍNDICE. 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual 09.05.2013 ÍNDICE 1. Marca 1.1 Valores 1.2 Conceito visual 2. Elementos Visuais 2.1 Construção 2.2 Área de protecção 2.3 Dimensão mínima 2.4 Tipografia 2.5 Cores 2.6 Marca Registada 3. Assinatura 3.1 Conceito

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ÍNDICE 1. MARCA Definições de Interesse... 03 Conceito... 04 Desenho... 06 Cores... 07 Tipografia... 08 Uso Incorreto da Marca... 09 Redução da Marca... 10 Versões Monocromáticas...

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp PARA USO EXCLUSIVO DOS CONSULTORES INDEPENDENTES BELCORP Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp NOVEMBRO 2011 Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp Este guia fornece orientação sobre boas

Leia mais

I. OBJETIVO CONDIÇÕES DE APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA

I. OBJETIVO CONDIÇÕES DE APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA O Programa Operacional Capital Humano (POCH), no âmbito do quadro da programação Portugal 2020, leva a cabo o concurso Dá-me um Rosto, que visa a conceção do logotipo do Programa, convidando os alunos

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

1º Trabalho Listas de Discussão

1º Trabalho Listas de Discussão 1º Trabalho Listas de Discussão Catarina Santos Meios Computacionais no Ensino 05-03-2013 Índice Introdução... 3 Resumo e análise da mensagem da lista Matemática no secundário... 4 Resumo e análise da

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO SABER USAR A INFORMAÇÃO DE FORMA EFICAZ - CONSTRUIR UM CURRICULUM VITAE CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa, a expressão latina

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13 S Apresentação...03 Especificações...05 Serviços...08 Dicas Importantes...13 02 Manual de Serviços Gráficos - DIO ES A O Departamento de Imprensa Oficial do Espírito Santo (DIO/ES) é responsável pela impressão

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

Centro de Cultura e Desporto Organização Social dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Oeiras e dos Serviços Municipalizados

Centro de Cultura e Desporto Organização Social dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Oeiras e dos Serviços Municipalizados Centro de Cultura e Desporto Organização Social dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Oeiras e dos Serviços Municipalizados Concurso para criação de um novo logotipo para o CCD 447 Oeiras REGULAMENTO

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

Contratação de Escola. Manual de Utilizador - Candidato

Contratação de Escola. Manual de Utilizador - Candidato - Janeiro de 2012 Índice Conteúdo 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Principais Orientações... 5 1.3 Normas Importantes de Acesso e Utilização da Aplicação... 5 1.4 Definições, Abreviaturas,

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

Divisão de Divulgação

Divisão de Divulgação PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P. TJAM 52 Divisão de Divulgação Elaborado por: Mário Adolfo Aryce

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional Escola Secundária de S. João do Estoril Cursos Profissionais Normas para a apresentação do relatório Professora Orientadora: Apresentação As normas que se apresentam têm por objectivo uniformizar a apresentação

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012 Uso correto da Marca ONS versão 1.0 dezembro 2012 O ONS desempenha com eficiência e eficácia seu papel no setor elétrico. A Marca ONS identifica e representa a organização e todos que a formam. Este documento

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL - 1 - 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL - 1 - 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE IEFP,I.P. MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ESTÁGIOS EMPREGO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 NIPC / NIF: 510847226 1.2 NISS: 25108472262 1.3 Denominação

Leia mais

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano. Domínio : I7 Informação. Aulas Previstas Semestre 32 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 7º ano Domínio : I7 Informação Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: A informação, o conhecimento e o mundo das

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Manual de Normas Gráficas Classe Energética do Imóvel

Manual de Normas Gráficas Classe Energética do Imóvel Manual de Normas Gráficas Classe Energética do Imóvel Manual de Normas Gráficas Classe Energética do Imóvel Índice 1. Introdução pág.05 2. Normas Gráficas pág.07 3. Regras de Aplicação pág.21 4. Aplicações

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015 VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ O Diretor do Instituto Federal do Espírito Santo e a Comissão

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

Atualização: JULHO/2011

Atualização: JULHO/2011 Uso do logo Teuto Pfizer Este material também é conhecido por manual da marca Teuto Pfizer. Ele é destinado a profissionais de comunicação, agências de publicidade, fornecedores e usuários em geral que

Leia mais

Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca

Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca Manual de Identidade Visual Diretrizes de uso e gestão da marca Manual de Identidade Visual - 1 Um projeto de identidade visual tem o propósito de desenvolver a marca e os elementos gráficos que constituem

Leia mais

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO Norma I Objetivos 1. No quadro da sua política de Responsabilidade Social, e no cumprimento da sua missão mutualista, o Montepio, através da Fundação Montepio, tem vindo a privilegiar

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO IF BAIANO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

INSTITUTO FEDERAL BAIANO IF BAIANO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUTO FEDERAL BAIANO IF BAIANO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Rua do Rouxinol, 115, Imbuí, Salvador-BA, CEP 41720-052 Tel.: (71) 3186-0045 EDITAL DE ABERTURA - Processo de Seleção de Estágio em

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Web Design; Convergência; Produção Digital; Identidade Visual.

PALAVRAS-CHAVE: Web Design; Convergência; Produção Digital; Identidade Visual. Reformulação Visual do site DNA UFF 1 Sara Alencar DIAS 2 Tamires Teixeira SANTOS 3 Isadora Soares LESSA 4 Prof. Guilherme Bento de Faria LIMA 5 Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ RESUMO O seguinte

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR INDÍCE A) Noção... 2 B) Objetivos... 2 C) Destinatários... 2 D) Serviços do Centro de Atividades e Recursos (C.A.R.)... 2 E) Atividades... 3 F) Condições

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057. ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico AEC TIC@CIDADANA Proposta de Plano Anual 2012/2013 1. Introdução A Divisão

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda.

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A é uma software house criada em 2006. A Ilustratown tem por objetivo o desenvolvimento e implementação

Leia mais

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Conselho de Gestão do IPP 21-01-2013 00 HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Preâmbulo A atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Email marketing: os 10 erros mais comuns

Email marketing: os 10 erros mais comuns Email marketing: os 10 erros mais comuns Publicado em: 18/02/2008 Não ter permissão dos contatos para enviar mensagens Um dos princípios fundamentais do email marketing é trabalhar apenas com contatos

Leia mais

Manual de Identidade Junho de 2011

Manual de Identidade Junho de 2011 Manual de Identidade Junho de 2011 Índice Identidade Visual... 2 O que é a Identidade Visual... 2 Objectivos do Manual de Identidade Visual... 2 Marca... 3 Versão Preferencial... 4 Versão Auxiliar... 4

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional Em março de 2014, o Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) da Escola Secundária de Felgueiras iniciou a sua missão de informar,

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais