Formulário Relatório Final - Componente Científica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formulário Relatório Final - Componente Científica"

Transcrição

1 Formulário Relatório Final - Componente Científica 1. Identificação do Projecto Referência do Projecto: PTDC/AGR-CFL/69733/2006 Investigador Responsável: Maria Margarida Branco de Brito Tavares Tomé Instituição Proponente: Instituto Superior de Agronomia (ISA/UTL) Data de Início: Data de Fim: Financiamento Concedido: ,00 2. Caracterização Sumária do Projecto Objectivos do Projecto (indicar endereço electrónico do(s) site(s) criado(s), quando aplicável) O objectivo principal do projecto consistiu na selecção de um modelo para aplicação generalizada para a estimação da produtividade primária líquida (PPL) e do balanço do carbono para a floresta de produção em Portugal (eucalipto e pinheiro bravo). De forma a atingir os objectivos, o projecto reuniu uma equipa de investigadores especializada em diferentes áreas que vão desde a inventariação florestal tradicional baseada em trabalho de campo com monitorização de parcelas permanentes e de campos experimentais de monitorização intensiva, o processamento de dados de detecção remota, a monitorização dos fluxos de carbono até à modelação do crescimento de florestas mediterrânicas e estimação da produtividade primária líquida e balanço de carbono com recurso a modelos de base fisiológica. O projecto baseou-se na comparação, teste, calibração e eventual modificação de quatro modelos de base fisiológica recentemente utilizados por algumas das instituições participantes: 3PG, FOREST-BGC e CASA. Foi também realizado algum trabalho, inicialmente não previsto, com o modelo YieldSAFE. Os procedimentos de validação foram aplicados às versões originais dos modelos, assim como a versões adaptadas às espécies e às condições ambientais de Portugal. Estes testes foram realizados em diferentes escalas espaciais e utilizando diferentes tipos de dados, desde dados biométricos obtidos em parcelas permanentes e/ou inventários florestais para efeito de gestão até dados de monitorização de fluxos de carbono e medições de parâmetros fisiológicos ou de variáveis micro-meteorológicas tais como a monitorização da agua no solo. Os resultados destas validações foram analisados numa tentativa de compreender a - 1 -

2 sensibilidade dos vários parâmetros e módulos de cada modelo. Os desvios entre os dados reais e as correspondentes simulações foram interpretados e identificadas as possíveis causas para tais desvios, com base num conhecimento da estrutura e módulos de cada modelo. Quando possível os modelos foram melhorados, por exemplo por alteração de módulos existentes ou introdução de novos módulos. O objectivo de testar os vários modelos foi o de estudar a possibilidade de partilhar/trocar módulos entre os modelos, após adquirir uma melhor compreensão da sensibilidade das simulações aos diferentes processos incluídos nos modelos. Finalmente, os diversos modelos melhorados foram aplicados para obter uma estimativa espacializada da produtividade primária líquida com base em detecção remota e/ou dados de inventário florestal. Página web: Breve descrição das actividades desenvolvidas bem como dos desvios ocorridos durante a execução do projecto Desvios ocorridos durante a execução do projecto: O começo dos trabalhos propostos no âmbito do projecto sofreu um atraso devido ao facto de a verba correspondente à primeira tranche de financiamento só ter sido recebida em Setembro de 2007, quatro meses após o início do projecto. Em consequência, o processo de concurso para contratação de bolseiro pós-doc, com divulgação internacional, foi apenas realizado após esta data o que, conjuntamente com toda a burocracia associada à contratação de um estrangeiro, levou a que o bolseiro só iniciasse as suas actividades a 1 de Janeiro de Foi solicitada uma alteração orçamental entre rubricas no orçamento da Fundação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FFCT) devido à transferência da Instituição participante Instituto do Mar para a FFCT. Uma vez que a FFCT segue uma política de overheads distinta da da instituição anterior, houve necessidade de reformular o orçamento do projecto, solicitando-se alteração entre rúbricas de acordo com a carta enviada à FCT a 9 de Maio de A análise das bases de dados que reúne toda a informação necessária aos modelos utilizados no âmbito deste projecto, revelou a existência de algumas falhas que necessitaram de ser colmatadas. A recolha desta informação, nomeadamente a nível de clima e de solos, tornou-se num processo moroso, dependente de outras instituições, o que levou ao atraso na obtenção dos dados sobre as áreas de estudo

3 No que respeita à tarefa 2, verificou-se ser inviável a criação de uma base de dados de formato comum a todos os ensaios (objectivo inicialmente proposto) devido ao grande número de observações e à grande heterogeneidade do tipo de medições efectuadas em cada um dos ensaios. Assim, optou-se por manter/melhorar as bases de dados já existentes, as quais além de possuírem uma estrutura sensivelmente semelhante entre si, encontram-se bem organizadas, são de fácil consulta e adequam-se aos objectivos do projecto. Ainda no que diz respeito à tarefa 2, os trabalhos de campo realizados por parte da equipa da UTAD, envolveram pessoas que não faziam, inicialmente, parte do projecto (António Joaquim Rodrigues, Carlos A. M. Guerra Fernandes, Carlos Pinto de Brito, Luís Filipe Roxo Almeida e Marco Paulo Dinis Guerra) e que foram posteriormente incluídas. No segundo ano do projecto, a equipa participante decidiu incluir no estudo o modelo Yield-Safe para além dos outros modelos inicialmente propostos. Este modelo não foi contudo utilizado em grande parte das tarefas, apenas na análise comparada dos modelos. Em Dezembro de 2009 foi solicitada a integração de quatro novos membros na equipa do ISA, Mariana Silva Pedro, Hugo Sauto Quiroga, Francesco Minunno e João Pedro Abranches Freire. A integração de Mariana Silva Pedro teve como objectivo realizar a sua tese de mestrado no âmbito do projecto MODNET, na validação e aplicação do modelo 3PG à Mata Nacional de Leiria. Os elementos Hugo Sauto Quiroga e Francesco Minunno colaboraram activamente no âmbito deste projecto, respectivamente nas tarefas 3 Carbon fluxes data e 7 Model validation against carbon fluxes, physiological measurements and micro-metereological variables. O primeiro tem vindo a realizar trabalhos de validação dos fluxos de carbono por detecção remota, tendo desenvolvido a sua tese de mestrado na avaliação das trocas de carbono entre o eucaliptal e a atmosfera. Quanto a Francesco Minunno, está a desenvolver a tese de Doutoramento de título Assessment of carbon sequestration by forests (Eucalyptus globulus, Pinus pinaster and Quercus suber) in Portugal using process-based simulation models. No âmbito da sua tese está incluída a calibração do modelo 3PG com recurso a estatística Bayesiana, integrada no projecto MODNET. O doutor João Freire é neste momento o responsável pela gestão da base de dados da Mata Nacional de Leiria pelo que a sua contribuição foi também essencial. Em Janeiro de 2010 foi solicitado a integração, na equipa da UTAD de Luís Roxo Almeida uma vez que ele tem sido um elemento activo no trabalho desenvolvido pelo grupo desta instituição. Em Março de 2010 a FCT concedeu um prolongamento do projecto até 30 de Outubro de 2010 devido aos atrasos na iniciação dos trabalhos propostos e às dificuldades encontradas na recolha de - 3 -

4 toda a informação necessária sobre as áreas de estudo para inicializar os modelos utilizados no âmbito deste projecto. Em Outubro foi novamente concedido um adiamento do fim do projecto até 30 de Novembro devido a atrasos, por parte da FCT, nas respostas a pedidos de transferências de verbas entre rúbricas feitas por algumas das instituições participantes. A Fundação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL solicitou a participação do Dr. Markus Reichstein do Max Planck Institut für Biogeochemie, Jena, como Consultor do projecto, de forma a permitir a sua colaboração em aspectos relacionados com a modelação baseada em processos de fluxos e reservatórios de carbono ao nível do ecossistema. Os indicadores de realização foram, dum modo geral, cumpridos, sendo ultrapassados em 3 items e ficando ligeiramente abaixo do previsto em 2 items. Na verdade houve compensação entre items, como explicamos de seguida. A - Publicações Livros 0 previstos, 0 alcançados Artigos em revistas internacionais 4 previstos, 4 já publicados, 1 submetido e 4 em preparação Artigos em revistas nacionais 2 previstos, 1 publicado (compensado com o acréscimo de artigo em revistas internacionais) B - Comunicações Comunicações em encontros científicos internacionais - 12 previstas, 19 apresentadas Comunicações em encontros científicos nacionais 6 previstas, 5 apresentadas C - Relatórios 3 previstos, 3 alcançados D - Organização de seminários e conferências 1 prevista, 1 organizada E - Formação avançada Teses de Doutoramento 2 previstas, 1 concluída, mas outra em curso Teses de Mestrado 2 previstas, 6 concluídas F - Modelos 3 previstos (calibração e melhoramento), 3 modelos melhorados G - Aplicações computacionais 3 previstas, 3 finalizadas (uma para cada modelo) H - Instalações piloto 5 previstas (monitorização), 6 monitorizadas I - Protótipos laboratoriais 0 previstos J - Patentes 0 previstas L - Outros - Seminars for the general public 3 previstos, 0 realizados (optou-se por não realizar estes seminários, visto que no final do 1º ano não havia material suficiente para tal, no 2º ano realizou-se o 6º Congresso Florestal Nacional, onde foram apresentadas diversas - 4 -

5 comunicações sobre o projecto e no 3º ano realizou-se o Congresso Final do projecto onde foram, igualmente, apresentadas diversas comunicações sobre o projecto). Descrevem-se de seguida, resumidamente, os trabalhos realizados no âmbito de cada uma das tarefas do projecto, salientando-se, em cada uma, os desvios em relação à programação inicial: Tarefa 1- Planning, coordination and dissemination No âmbito do projecto foi desenvolvida uma página Web, com o endereço para divulgação e apresentação dos resultados obtidos. Esta página foi sendo actualizada periodicamente, pelo que contém os elementos mais relevantes sobre o projecto. A página manter-se-á activa e irá sendo actualizada no que diz respeito às publicações, visto que ainda se encontram em fase de finalização algumas publicações originadas no projecto. Ao longo do período abrangido pelo projecto foram realizadas diversas reuniões com todas as instituições envolvidas a fim de ir analisando os resultados obtidos e planeamento as actividades futuras. Algumas alterações ao plano inicial foram tomadas nestas reuniões: incluir no projecto o modelo YieldSAFE, nomeadamente na fase de comparação dos modelos; restringir as aplicações do modelo CASA às resoluções espaciais de certa dimensão (uma vez que o seu input são dados de detecção remota não se adequa para níveis espaciais da ordem de uma parcela permanente ou de áreas relativamente pequenas); restringir a aplicação ao nível da área de gestão à Mata Nacional de Leiria, visto que as áreas geridas pelas empresas de celulose, inicialmente seleccionadas, não têm medições nas mesmas parcelas em número suficiente para fazer as validações que se tinha planeado. Em Outubro de 2009 teve lugar o 6º Congresso Florestal Nacional, no qual foram apresentadas diversas comunicações preparadas no âmbito do projecto. Em Outubro de 2010 foi organizado, no âmbito do projecto (em colaboração com o projecto PTDC/AGR-CFL/68186/ Mixed forests. Modelling, dynamics and geographical distribution of productivity and carbon storage in mixed forest ecosystems in Portugal), o Congresso Internacional IUFRO conference "Pure and Mixed Forests in a Changing World 2010 na Universidade de Trás os Montes e Alto Douro onde foram apresentados por parte dos vários investigadores participantes alguns dos resultados obtidos. Os documentos encontram-se introduzidos no site do projecto. Não foram realizados os seminários para o grande público inicialmente previstos na proposta por se ter concluído serem suficientes a apresentação de comunicações ao 6º Congresso Florestal Nacional, assim como à IUFRO Conference organizada no final do projecto

6 Tarefa 2-Test site selection and characterization Numa primeira fase do projecto procedeu-se à selecção das áreas de estudo para aplicação dos modelos 3PG, CASA, Forest BGC e Yield-Safe. Ao nível local (parcela) procedeu-se a uma análise cuidada das bases de dados dos ensaios e parcelas permanentes de eucalipto e de pinheiro bravo e das bases de dados de clima e solos já existentes. Esta análise teve como objectivo identificar e seleccionar os sites que reuniam as informações de melhor qualidade para a calibração e validação dos modelos nesta escala, bem como melhorar e colmatar falhas de informação. Ao nível das áreas de gestão foram seleccionadas, na região Centro do país, duas áreas de eucalipto: Espirra, entre Palmela e Vendas Novas e Silvicaima, em Castelo Branco e uma área de pinheiro bravo (Mata Nacional de Leiria). Ao nível do inventário regional, foram seleccionadas duas áreas no Norte do país, uma com eucalipto (Amarante) e outra com pinheiro bravo (Boticas) e uma no Centro onde estão representadas ambas as espécies em povoamentos puros e mistos (Lousã). Posteriormente, as áreas de Espirra e Silvicaima vieram a mostrar-se pouco interessantes do ponto de vista da validação, visto que o número de medições sucessivas na mesma parcela não eram suficientes para o tipo de validação que se pretendia fazer. Para as áreas seleccionadas foram criadas e organizadas bases de dados de forma a reunir toda a informação no que diz respeito à localização e caracterização dos ensaios/parcelas permanentes de eucalipto e pinheiro bravo, (cartográfica, biométrica), assim como do clima e dados fisiológicos e micro-meteorológicas, necessária à inicialização de cada um dos modelos. Por fim, foram realizados documentos de trabalho, publicados no site do projecto, onde se reuniu toda a informação que diz respeito à localização e caracterização dos ensaios/parcelas permanentes existentes de eucalipto e de pinheiro bravo bem como das áreas seleccionadas, descrição das bases de dados climáticas, fisiológicas e micro-meteorológicas existentes. Não se verificaram desvios em relação ao programa de trabalhos, para além da decisão de organizar os dados em bases de dados separadas e não numa macro-base de dados (pelas razões acima expostas). Tarefa 3-Carbon fluxes data Os fluxos de carbono, vapor de água, calor sensível e momento foram medidos periodicamente e sem interrupções desde o início do projecto numa plantação de eucalipto localizada na Herdade da Espirra. Os resultados obtidos no âmbito desta tarefa foram essenciais para as tarefas 4 e 7. Não se verificaram desvios em relação ao programa de trabalhos

7 Tarefa 4-Remote sensing data and associated climate datasets O objectivo principal desta tarefa foi a identificação e organização de um conjunto de dados de detecção remota das propriedades biofísicas da vegetação e do clima de forma a identificar a qualidade das informações disponíveis sobre diferentes escalas de avaliação dos modelos. Estes conjuntos de dados forneceram um suporte essencial para a estimação dos fluxos líquidos do ecossistema entre 1982 e 2006 realizados no âmbito da tarefa 8. Não se verificaram desvios em relação ao programa de trabalhos. Tarefa 5-Model analysis, calibration and adaptation No início da execução desta tarefa foi realizada uma discussão sobre a calibração dos modelos 3PG, CASA e Forest BGC. Uma vez que cada um dos modelos é baseado num conjunto de parâmetros que podem variar entre espécies e que, em alguns casos, podem precisar de ser adaptados às condições ambientais locais, foi definida uma metodologia e elaborado um documento de trabalho que reúne todos os parâmetros que cada um dos modelos utiliza, de forma a facilitar a sua comparação, bem como a descrição detalhada de cada um deles. (documento disponível no site do projecto em resultados). Uma vez reunidos e organizados todos os parâmetros essenciais a cada um dos modelos, procedeu-se à calibração dos modelos. Para o modelo 3PG existia já uma calibração para o eucalipto, pelo que os trabalhos se centraram essencialmente no pinheiro bravo. Foram contudo realizados algumas melhorias na calibração do modelo para o eucalipto, em particular a aplicação de técnicas de estatística Bayesiana, que permite utilizar também dados dos fluxos de carbono, tendo-se obtido bons resultados. Foi ainda realizado um estudo para a variação dos parâmetros relacionados com a alocação de hidratos de carbono face a diferentes densidades de plantação. O modelo FOREST-BG foi avaliado quanto à sua performance, para o caso de povoamentos puros de Eucalipto, de forma a construir metodologias de aperfeiçoamento das estimativas de PPL com base neste modelo. Os resultados obtidos permitiram uma aplicação mais eficaz do modelo, com correcção das estimativas com base em índices de vegetação obtidos por detecção remota. Para o modelo CASA, foi desenhada uma experiência de optimização para um conjunto de sítios da rede CarboEurope, para os quais existem disponíveis dados dos fluxos e reservatórios de carbono. Os parâmetros foram optimizados individualmente para cada sítio considerando funções objectivo univariadas apenas considerando fluxos de carbono e multivariadas integrando fluxos e reservatórios de carbono. Foram implementadas e optimizadas individualmente várias experiências - 7 -

8 de modelação, sendo o modelo modificado de forma a avaliar a sensibilidade da simulação dos fluxos de produção líquida do ecossistema (NEP) às variações dos reservatórios da vegetação. Não se verificaram desvios em relação ao programa de trabalhos. Tarefa 6: Model validation against permanent plot and forest inventory data Foi planeado e iniciado o trabalho de validação do modelo 3PG para o eucalipto ao nível local, iniciando-se o trabalho com os ensaios de compassos. Durante este trabalho, identificou-se a necessidade de melhorar o modelo existente para a predição de proporção de copa (Soares e Tomé, 2001) e optou-se por desenvolver um novo modelo para esta variável. O modelo 3PG foi entretanto implementado em programa FORTRAN apropriado para a validação do modelo e foi utilizado para validar o modelo contra os dados de várias parcelas permanentes. Foi realizada uma validação do modelo 3PG para pinheiro bravo utilizando-se para tal os dados da Mata Nacional de Leiria (para alguns povoamentos existem dados quinquenais desde 1970). A análise da performance do modelo FOREST-BGC centrou-se nas áreas estudo de Lousã, Amarante e Boticas. Como mencionado na tarefa 1, verificou-se que o modelo CASA não se adaptava bem a dados de áreas pequenas, visto ser inicializado com dados de detecção remota, pelo que o modelo CASA não foi validado a este nível espacial. O único desvio em relação ao planeamento inicial foi a não utilização do modelo CASA nesta tarefa, pelas razões já mencionadas. Tarefa 7: Model validation against carbon fluxes, physiological measurements and micrometeorological variables Esta tarefa centrou-se nos dados da Torre de Espirra e portanto no eucalipto. No que diz respeito aos modelos, os trabalhos centraram-se no modelo 3PG e no modelo CASA. No modelo 3PG os dados da torre de fluxos foram utilizados quer para validação, quer para calibração com base em técnicas de estatística Bayesiana. Todo o trabalho realizado com o modelo CASA se baseou na utilização de dados de fluxos provenientes de várias torres localizadas na zona mediterrânica, uma das quais foi a Torre de Espirra

9 A validação do modelo FOREST-BGC com os dados da torre de fluxos de Espirra, está ainda em curso. Não se verificaram desvios em relação ao programa de trabalhos, para além do atraso verificado na validação do modelo FOREST-BGC com os dados da torre de fluxos de Espirra, o qual estará concluído muito em breve. Tarefa 8: Model application at country level using remote sensing as input O modelo 3PG foi programado em FORTRAN e incluído no simulador regional SIMPLOT, o qual é inicializado com dados de inventário florestal nacional e projecta anualmente o crescimento da floresta, o qual é controlado por um conjunto de variáveis: volume cortado, área ardida, área plantada, área abandonada. No âmbito desta tarefa foi realizada, com o apoio da Universidade do País Basco, a programação e a validação do programa do modelo FOREST-BGC, que funciona em ambiente DOS, de forma a apresentar uma interface amigável. Em relação ao modelo CASA foram realizadas diversas simulações regionais dos fluxos dos ecossistemas. Não se verificaram desvios em relação ao planeamento inicial. Tarefa 9: Analysis and discussion of the performances of each model and conclusions Esta tarefa foi sendo realizada à medida que o projecto foi avançando, tendo início com as diversas reuniões realizadas para a preparação do documento Working paper with the comparison of the three models focusing mainly the model weaknesses. A partir daí começamos a verificar as diferenças existentes entre os modelos, em particular entre o modelo CASA e os outros modelos. O modelo CASA foi desenvolvido especificamente para aplicação com dados de detecção remota (fpar), enquanto que os outros modelos são inicializados com dados de biomassa medidos no campo, os quais são actualizados anualmente. É óbvio que os modelos 3PG e FOREST-BGC também podem funcionar com valores de fpar obtidos de detecção remota e é precisamente este um dos trabalhos que está em curso, a comparação dos modelos 3PG e CASA para a estimação da PPL para a floresta de produção em Portugal. Nesta tarefa optou-se por não realizar um artigo científico baseado na comparação dos 3 modelos, tendo este sido substituído por um artigo, em curso, para comparação dos modelos 3PG e CASA para a estimação da PPL para a floresta de produção em Portugal

10 Objectivos atingidos O projecto cumpriu o objectivo a que se tinha proposto, nomeadamente a selecção e calibração de um modelo para a estimação da produtividade primária líquida e do balanço de carbono para a floresta de produção em Portugal. Os 3 modelos 3PG, FOREST-BGC e CASA foram calibrados e validados e cada um deles implementado em software que permite a estimação, a nível nacional, da produtividade primária líquida e do balanço de carbono. Realização Financeira (justificação sumária dos desvios ocorridos durante a execução do projecto) Não ocorreram desvios na execução financeira do projecto uma vez que todos os pedidos de transferências foram aceites e que os saldos remanescentes das várias instituições são muito pequenos. Regista-se um saldo ligeiramente superior para a rúbrica Missões da instituição IST, a qual se deve ao facto de, por razões burocráticas (nomeadamente o atraso da FCT em responder aos pedidos de transferência de rúbricas), a verba só ter estado disponível no final do 1º ano. estando esta verba alocada à monitorização contínua da torre de fluxos de Espirra, não foi possível recuperar o atraso, embora a monitorização tenha sido garantida sem financiamento. 3. Instituições que Participam no Projecto Designação Nº Pessoas Mês Desistiu Instituto Superior de Agronomia (ISA/UTL) 80 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) 43 Instituto Superior Técnico (IST/UTL) 30 Fundação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FFCT/FCT/UNL)

11 4. Equipa de Investigação Nome Cargo / Função Tarefas %Tempo Dt. Entrada Dt. Saída Maria Margarida Branco de Brito Tavares Tomé Inv. Responsável 1, 2, 5, 6, 7, 8, 9 25% Abel Martins Rodrigues Investigador 1, 3, 7, 9 20% Ana Paula Soares Marques de Carvalho Investigador 1, 2, 5, 6, 8, 9 15% Carlos Manuel de Arruda Pacheco Investigador 1, 2, 7, 9 10% Domingos Manuel Mendes Lopes Investigador 1, 2, 4, 5, 8, 9 10% Francesco Minunno Investigador 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9 5% Gabriel Paulo Alcantara Pita Investigador 1, 3, 7, 9 20% Hugo Sauto Quiroga Investigador 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9 50% João António Gomes da Silva Mateus Investigador 1, 3, 7, 9 30% João Manuel Dias Santos Pereira Investigador 1, 3, 5, 7, 9 10% João Pedro Abranches Freire Investigador 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9 5% José Augusto Lopes Tomé Investigador 1, 5, 7, 9 15% Luís Filipe Roxo Almeida Investigador 3, 6, 7 20% Luis Mendes Godinho Milheiriço Fontes Investigador 1, 2, 5, 6, 7, 8, 9 20% Maria Julia Fonseca Seixas Investigador 1, 8, 9 5% Mariana da Silva Pedro Investigador 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9 80% Teresa de Jesus Fidalgo Fonseca Investigador 1, 2, 5, 9 5% Elemer Briceño E. Bolseiro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 100% António Joaquim Rodrigues Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% Carlos Alberto Madeira Guerra Fernandes Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% Carlos Pinto de Brito Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% César Augusto da Maia Gomes Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% João Henrique Nunes Palma Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 5% Leónia do Carmo Santos Nunes Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 20% Marco Paulo Guerra Dinis Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% Sérgio Filipe Machado Carvalho Outro 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 15% Tarefas: (1) Planning, coordination and dissemination; (2) Test site selection and characterization; (3) Carbon fluxes data; (4) Remote sensing data and associated climate datasets; (5) Model analysis, calibration and adaptation to species and Portuguese conditions; (6) Model validation against permanent plot and forest inventory data; (7) Model validation against carbon fluxes, physiological measurements and micro-meteorological variables; (8) Model application at country level using remote sensing as input; (9) Analysis, discussion of performances of each model and conclusion

12 5. Indicadores de Realização Física Indicadores Quantidade realizada A - Publicações Livros 0 Artigos em revistas internacionais 5 Artigos em revistas nacionais 1 B - Comunicações Comunicações em encontros científicos internacionais 19 Comunicações em encontros científicos nacionais 6 C - Relatórios 3 D - Organização de seminários e conferências 1 E - Formação avançada Teses de Doutoramento 1 Teses de Mestrado 6 Outras 0 F - Modelos 3 G - Aplicações computacionais 3 H - Instalações piloto 5 I - Protótipos laboratoriais 0 J - Patentes 0 L - Outros Seminars for the general public 0 6. Publicações Ano Publicações 2011 Carvalhais, N., Tomé, M., (em preparação). Evaluating the potential of different modeling frameworks to estimate net primary production of the product ion forest in Portugal Nunes, L.C.S.. Estudo da dinâmica de carbono em povoamentos de Eucalyptus globulus com recurso ao FOREST-BGC e a detecção remota. Tese apresentada no âmbito do 2º ciclo de Engenharia Florestal. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro,

13 2008 Carvalhais, N., Reichstein, M. and Seixas, J. Uncertainty analysis of net ecosystem fluxes over the Iberian Peninsula. Geophysical Research Abstracts, Vol. 10, EGU2008-A-10933, 2008, SRef- ID: /gra/EGU2008-A-10933, EGU General Assembly Alexandre, P.M.M. Calibração do modelo 3-PG para povoamentos de pinheiro bravo (Pinus pinaster) em Portugal. Dissertação para obtenção do Grau de Mest re em Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais. Instituto Superior de Agronomia Quiroga, H.S. Validação dos fluxos atmosféricos de carbono por detecção remota Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente, Instituto Superior Técnico Briceño-Elizondo, E., Tomé, M., Soares, P., Tomé, J., Fontes, L. e Pacheco, C.M. Evaluation of performance of 3-PG for spacings trials. Forest, Wildli fe and Wood Sciences for Society Development. International Scientific Conference Organized on the occasion of the 90th anniversary of the Forestry Fa culty in Prague. Czech University of Life Sciences Prague and Faculty of Forestry and Wood Sciences. Prague, April Rodrigues, A., Pita, G, Mateus, A. & Pereira, J.S. Recovering of carbon fixation in a eucalyptus site after felling. EGU General Assembly 2009, Vienna, Abril page_mp&act=sea rch 2009 Minunno F., Cerasoli S., Mateus J., Pita G., Rodrigues A. & Pereira J.S. Eddy covariance fluxes and gas exchange measurements can improve Carbon balan ce estimates by process based models in forest ecosystem. 6º Congresso Florestal Nacional, Açores Outubro tal_nacional.htm 2009 Carvalhais, N., Reichstein, M., Collatz, G.J., Mahecha, M., Migliavacca, M., Neigh, C., Seixas, J. & E. Tomelleri. Implications of the ecosystem stead y state assumption for NEP estimates from site level to regional scales, in Eight International Carbon Dioxide Conference, Jena, Germany, September (ICDC8_Carvalhais_et_al.pdf) 2010 Pita, G., Rodrigues, A., Mateus, J. & Pereira, J.S. Impact of tree felling and drought in carbon fixation over a Portuguese Eucalyptus site. EGU Gener al Assembly 2010, May 2010, Vienna, Austria 2010 Carvalhais, N., Reichstein, M., Collatz, G.J., Mahecha, M., Montagnani, L., Papale, D., Rambal, S., & J. Seixas. Addressing the carbon cycle steady st ate assumption: learning from multiple constraints approaches, European Geosciences Union General Assembly, Vienna, Austria, May. (Carvalhais et al 2010 EGU.pdf) 2010 Tomé, M., Fontes, L., Minnuno, F., Tomé, J. and Pereira, J.S. (2010). Long-term net primary production and carbon budget prediction at different spati al scales using the 3-PG model. XXIII IUFRO World Congress Forests for the Future: Sustaining Society and the Environment. Seoul, Republic of Korea, August In Parrota, J.A. and Carr, M.A. (eds) The International Forestry Review. Vol. 12 (5)

Modelação da Sustentabilidade da Produção de Madeira e do Armazenamento de Carbono de Eucaliptais ao Nível da Unidade de Gestão LISBOA

Modelação da Sustentabilidade da Produção de Madeira e do Armazenamento de Carbono de Eucaliptais ao Nível da Unidade de Gestão LISBOA Modelação da Sustentabilidade da Produção de Madeira e do Armazenamento de Carbono de Eucaliptais ao Nível da Unidade de Gestão Paula Soares 1, Margarida Tomé 1, José Tomé 1, José Guilherme Borges 1, Susana

Leia mais

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Nuno Guiomar (Investigador/Colaborador da Universidade de Évora) João Paulo Fernandes

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Detecção Remota para extracção de

Detecção Remota para extracção de Detecção Remota para extracção de informação geográfica urbana: cartografia fractal das áreas edificadas e estimativa do potencial fotovoltaico dos edifícios José António Tenedório Universidade NOVA de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

Curriculum Vitae Francisca Guedes de Oliveira

Curriculum Vitae Francisca Guedes de Oliveira Curriculum Vitae Francisca Guedes de Oliveira Identificação Pessoal Nome: Francisca Rodrigues Sarmento Guedes de Oliveira Data de Nascimento: 29 de Setembro de 1973 Estado Civil: Casada, 3 filhos Morada

Leia mais

Potencialidades de utilização de Informação Geográfica Voluntária

Potencialidades de utilização de Informação Geográfica Voluntária FCTUC Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC INESCC Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores em Coimbra Potencialidades de utilização de Informação Geográfica Voluntária Cidália C. Fonte Faculdade

Leia mais

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010 26 A 29 de abril. GUIMARãES 2010 geotecnia e desenvolvimento sustentável Convite A Sociedade Portuguesa de Geotecnia (SPG) e o Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho (DEC-UM) têm a honra

Leia mais

Contributions for the Project. University of Aveiro Project EuSTD web Final Meeting @ Castelo Branco Portugal 23 rd 24 rd September 2009

Contributions for the Project. University of Aveiro Project EuSTD web Final Meeting @ Castelo Branco Portugal 23 rd 24 rd September 2009 Contributions for the Project University of Aveiro Project EuSTD web Final Meeting @ Castelo Branco Portugal 23 rd 24 rd September 2009 Project Web Site: http://cms.ua.pt/eustd web/ project web sites Moodle

Leia mais

Em 1998 - Licenciatura em Gestão Agrária pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro 14 valores.

Em 1998 - Licenciatura em Gestão Agrária pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro 14 valores. CARMEM TERESA PEREIRA LEAL DADOS PESSOAIS Local de trabalho: Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Avenida Almeida Lucena, 1 5000-660 Vila Real cleal@utad.pt

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente"

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente" Coruche, 31 Maio 2014 Financiamento: FCT Instituições envolvidas:

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama UTILIZACÍON DE IMÁGENES SATELITALES PARA EL INVENTARIO DE BIOMASSA FLORESTAL SATELITE IMAGES TO FORECAST FOREST BIOMASS III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território RELATÓRIO DA CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano Lectivo 2008/2009 Porto, Dezembro 2009 1 Índice 1. O curso de 2º ciclo em Ecologia,

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012 APCP Newsletter Editorial A APCP lança agora, pela primeira vez, a sua Newsletter. Será distribuída em formato digital e também em papel, uma vez por ano. É mais uma forma de tornar públicas as actividades

Leia mais

Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control

Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control Serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control Serviços HP Care Pack Dados técnicos O serviço de instalação e arranque HP para o HP Insight Control fornece a implementação e configuração

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL

GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Curso Novo Ficha Académica de Curso GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Pós-Graduação Curso Pós-Graduação em GESTÃO DE RISCO E PROTEÇÃO CIVIL Unidade Orgânica ULP / FCNET Grau ECTS 65 ECTS Horas de Contacto

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa:

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa: Decreto n.º 2/93 Protocolo de Cooperação no Âmbito da Administração Local entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO MEMÓRIAS DO TRABALHO A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DA HISTÓRIA ORAL RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Memórias do trabalho a preservação da memória e da história oral realizou-se

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Gonçalo Prates 1 e Virgílio Mendes 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Algarve 2 LATTEX e Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA CENTRO DE ESTUDOS FLORESTAIS Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos Projecto MODNET, Tarefa 2 Lisboa, 2010 INDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA...

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

Inovação no Planeamento Operacional Florestal

Inovação no Planeamento Operacional Florestal MEIO: WWW.NATURLINK.PT CORES P&B TIRAGEM: ONLINE PÁGINA 01 À 08 R. Castilho 5, 1º andar, Sals 17, 1250-066 LISBOA T. +351 21 153 64 51 PERIODICIDADE: DIÁRIA Nº EDIÇÃO: ONLINE RUBRICA: DESTAQUES DATA: JUNHO

Leia mais

Criação de um SIG para gestão de resíduos de pinheiro bravo

Criação de um SIG para gestão de resíduos de pinheiro bravo Criação de um SIG para gestão de resíduos de pinheiro bravo PEDRO, Nuno & ARANHA, José Resumo A valorização dos recursos florestais e, consequentemente, a promoção de um desenvolvimento rural sustentável,

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Formulário Relatório Final - Componente Científica

Formulário Relatório Final - Componente Científica 1 of 5 21-01-2015 11:41 «Voltar ao Projecto Formulário Relatório Final - Componente Científica Nota Informativa: O formulário de Relatório Final (RF), automaticamente disponibilizado após a concretização

Leia mais

1983 - Licenciatura em Economia, pela Universidade Técnica de Lisboa (Instituto Superior de Economia e Gestão).

1983 - Licenciatura em Economia, pela Universidade Técnica de Lisboa (Instituto Superior de Economia e Gestão). Nome: Rui José da Cunha de Sousa Nunes Nascimento: 12 de Janeiro de 1957, Lisboa Estado Civil; Descendência: Casado; três filhos Email: rnunes@ualg.pt HABILITAÇÕES ACADÉMICAS 1996 - Ph.D. em Economia,

Leia mais

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de PM10 em pedreiras Paulo de Pinho Sérgio Lopes Luís Lemos Departamento de Ambiente da Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS LABORATÓRIO DE GESTÃO DE PROJECTO Carlos Frias Manuel Seixas Sérgio Junior FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO 22 Março 2013 Filipe Mota Manuel Melo Tiago

Leia mais

20000 Lead Implementer

20000 Lead Implementer ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead PARA IMPLEMENTAR E GERIR SISTEMAS DE GESTÃO DE SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos

Leia mais

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS Nome: Carlos de Barros Rodrigues Filiação: José Alves Rodrigues e Adelaide de Barros Fernandes Data de Nascimento: 5 de Outubro de 1953 Estado Civil: Divorciado Naturalidade:

Leia mais

Leónia do Carmo Santos Nunes

Leónia do Carmo Santos Nunes Leónia do Carmo Santos Nunes DADOS PESSOAIS Morada Institucional Centro de Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves, Instituto Superior de Agrononia, Tapada da Ajuda, 1349-017 Lisboa PORTUGAL Contactos Telefone:

Leia mais

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Lisboa, 10 de Junho de 2011 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PRODUÇÃO CIENTÍFICA 5 3. FACTORES DE IMPACTO 9 4. FINANCIAMENTO DE I&D 11 Nota Prévia:

Leia mais

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014 ALBERTINO CLÁUDIO DE BESSA VIEIRA Colocado em 3138 Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras ALBERTO RAFAEL SILVA PEIXOTO Colocado em 3064 Instituto Politécnico

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA AMBIENTE ARTUR MANUEL BORDALO MACHADO FIGUEIRINHA Área: FARMÁCIA LUÍS MANUEL FERNANDES SIMÕES Área: GEOLOGIA DO AMBIENTE E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Dissertação: Condicionantes

Leia mais

EQUAÇÕES PARA ESTIMAÇÃO DO VOLUME E BIOMASSA DE DUAS ESPÉCIES DE CARVALHOS: Quercus suber e Quercus ilex

EQUAÇÕES PARA ESTIMAÇÃO DO VOLUME E BIOMASSA DE DUAS ESPÉCIES DE CARVALHOS: Quercus suber e Quercus ilex Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia Departamento de Engenharia Florestal EQUAÇÕES PAA ESTIMAÇÃO DO VOLUME E BIOMASSA DE DUAS ESPÉCIES DE CAVALHOS: Quercus suber e Quercus ilex

Leia mais

BTT, AMBIENTE E TURISMO modelos de desenvolvimento local Conferência Aberta/Participativa

BTT, AMBIENTE E TURISMO modelos de desenvolvimento local Conferência Aberta/Participativa Conferencistas Yu- Fai Leung North Carolina State University, Estados Unidos da América Catherine Pieckering Griffith University, Austrália A prática recreativa e/ou desportiva do BTT nos últimos anos

Leia mais

SIMPLOT Simulador Regional de Eucalipto Baseado em Parcelas de Inventário

SIMPLOT Simulador Regional de Eucalipto Baseado em Parcelas de Inventário 207 SIMPLOT Simulador Regional de Eucalipto Baseado em Parcelas de Inventário Susana Barreiro e Margarida Tomé UTL. Instituto Superior de Agronomia. Departamento de Engenharia Florestal. Tapada da Ajuda,

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica A Megajoule Criada em Fevereiro de 2004 contando os seus fundadores com mais de 10 anos de experiência na

Leia mais

Partilha de experimentação online em cursos de engenharia, suportada por redes de sensores e atuadores sem fios

Partilha de experimentação online em cursos de engenharia, suportada por redes de sensores e atuadores sem fios Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior CNaPPES.15 3 de Julho de 2015, Leiria, Portugal Partilha de experimentação online em cursos de engenharia, suportada por redes de sensores

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

Ana Teresa Moreira Verdasca Formação Académica Doutoramento em Sociologia Económica e das Organizações 2010

Ana Teresa Moreira Verdasca Formação Académica Doutoramento em Sociologia Económica e das Organizações 2010 Curriculum Vitae Nome Morada Contactos Ana Teresa Moreira Verdasca Rua Jorge de Sena, Lote 1, 5ºE 1750-129 Lisboa anaverdasca@socius.iseg.ulisboa.pt Formação Académica 2010 2008 Doutoramento em Sociologia

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/10/G32 Terceira Comunicação Nacional do Brasil à

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services Um serviço fiável e rápido de substituição de hardware que é uma alternativa rentável e conveniente à reparação no local de

Leia mais

Desenvolvimento de uma aplicação SIG Open Source para criação de mapas de risco e perigosidade florestal

Desenvolvimento de uma aplicação SIG Open Source para criação de mapas de risco e perigosidade florestal Desenvolvimento de uma aplicação SIG Open Source para criação de mapas de risco e perigosidade florestal Lia Duarte Assistente convidada, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, liaduarte@fc.up.pt

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Instituto de Investigação Interdisciplinar da Universidade de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição

Leia mais

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 2011 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES COM O PATROCÍNIO DE: ÍNDICE A NOSSA PROPOSTA DE VALOR 3 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 4 Estrutura e Coordenação 5 Conteúdos e Corpo Docente 6 Introdução: Health Servuction

Leia mais

PROJECTO DE APLICAÇÃO EM INTERNET PARA APOIO À DECISÃO NA REGA POR GRAVIDADE

PROJECTO DE APLICAÇÃO EM INTERNET PARA APOIO À DECISÃO NA REGA POR GRAVIDADE PROJECTO DE APLICAÇÃO EM INTERNET PARA APOIO À DECISÃO NA REGA POR GRAVIDADE André Pereira Muga Unipessoal (apmuga@apmuga.com) Centro de Estudos de Engenharia Rural (CEER) Instituto Superior de Agronomia,

Leia mais

2. Sociedades académicas e profissionais a que pertence

2. Sociedades académicas e profissionais a que pertence 1/8 1. Dados Pessoais NOME : MORADA: Joana Amaral Paulo Bairro dos Caniços Rua Fernando Pessoa nº6/1ºdto 2625-077 Póvoa de Santa Iria Portugal TELEFONE: 219596270 966670443 E-MAIL: joanaap@isa.utl.pt DATA

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012

Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Grupo de Investigação de Interacções Discursivas 2011-2012 Composição do Grupo Investigadores doutorados: 7 Colaboradores doutorados : 1 Colaboradores não doutorados: 1 Bolseiros de doutoramento: 2 Bolseiros

Leia mais

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa 1 Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa Comissão Europeia Centro Comum de Investigação Instituto para o Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IES)

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

(QUERCUS ROTUNDIFOLIA E QUERCUS SUBER)

(QUERCUS ROTUNDIFOLIA E QUERCUS SUBER) INVENTÁRIO DE BIOMASSA FLORESTAL COM IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL (QUERCUS ROTUNDIFOLIA E QUERCUS SUBER) Adélia M. O. de Sousa José R. Marques da Silva Ana Cristina Gonçalves Paulo A.

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009 1. Introdução A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactos (REDE) é um projeto da APAI Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes, única filiada de língua

Leia mais

Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo Verde 21 e 22 de Julho de 2010

Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo Verde 21 e 22 de Julho de 2010 Mestrado e Pós-graduação em C&SIG Seminário Final do 2º semestre (2ª EDIÇÃO) Universidade de Cabo 21 e 22 de Julho de 2010 As sessões do Seminário Final do 2º semestre na UniCV estão programadas para os

Leia mais

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS Dados Biográficos e Formação Académica Nasceu em 1978 no Porto. Em 5 de Junho de 2000 licenciou-se em Geografia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR

VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR VALIDAÇÃO COM NIVELAMENTO GEOMÉTRICO DA SUBSIDÊNCIA DETECTADA NA CIDADE DE LISBOA COM PSINSAR Maria João HENRIQUES 1, José Nuno LIMA 1, Ana Paula FALCÃO 2 e Sandra I. HELENO 2 1 Laboratório Nacional de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ASSEMBLEIA MUNICIPAL N.º 05/08 ACTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2008 1 Aos dezanove dias do mês de Novembro do ano de 2008, nesta

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução CONTEÚDOS Este livro escrito em parceria por 9 co-autores, de entre académicos e profissionais de engenharia, fornece uma ajuda preciosa na aquisição de conhecimentos e de competências, tidas como necessárias

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

PROJECTO. Portal Português de Ciência e Cultura Científica. www.mocho.pt. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

PROJECTO. Portal Português de Ciência e Cultura Científica. www.mocho.pt. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra PROJECTO @BANDA.LARGA Portal Português de Ciência e Cultura Científica www.mocho.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Relatório de Circunstância/ Síntese Coimbra, 10 de Março

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE DEVELOPMENT PLAN. Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc. Versão v1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE DEVELOPMENT PLAN. Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc. Versão v1.0 PERIVER PLATAFORMA Periver_SoftwareDevelopmentPlan_2008-04-22-v1.0.doc Versão v1.0 22 de Abril de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data v0.1r Luís Gomes e André Ligeiro

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

De estagiário ESA a empreendedor

De estagiário ESA a empreendedor De estagiário ESA a empreendedor Fabrice Brito Terradue Srl Estágios Tecnológicos no CERN, ESA, ESO 30 de Abril 2010 - Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva O meu percurso Percurso académico Licenciado

Leia mais

FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO 12ºL

FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO 12ºL 2013 2014 FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO 12ºL Plano de Formação Aplicação para dádiva de sangue CARATERIZAÇÃO A Formação em Contexto de Trabalho será concretizada com base na simulação de um conjunto

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

FORMAÇÃO AVANÇADA: GESTÃO, DIRECÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS 1 FUNDAMENTAÇÃO Numa altura em que as empresas de construção se debatem com uma elevada concorrência de mercado que leva à apresentação em fase de concurso com preços anormalmente baixos, necessitam de

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais