Uma análise do comportamento dos consumidores de seguros na Cidade do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma análise do comportamento dos consumidores de seguros na Cidade do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Uma análise do comportamento dos consumidores de seguros na Cidade do Rio de Janeiro Instituto de Pesquisa Grifo Research Francisco Galiza Consultor, Mestre em Economia (FGV) Catedrático em Rating e Estatísticas Gerenciais (ANSP) Agosto/2003 1

2 SUMÁRIO: Página 1) Introdução 3 2) Cenário Econômico 6 3) Metodologia da Pesquisa 14 4) Resultados Obtidos ) Perfil do Entrevistado ) Conhecimento/Participação do Setor ) Qualidade do Atendimento ) Opinião sobre Produto ) Comportamento Futuro 39 5) Análise Conjunta ) Principais Variáveis ) Probabilidade de Seguro 55 6) Conclusões 58 7) Questionário 61 8) Gráficos 67 2

3 1) Introdução 3

4 O objetivo principal deste estudo foi analisar algumas das principais características do consumidor de seguros na Cidade do Rio de Janeiro, tomando como base os dados obtidos em pesquisa quantitativa realizada nos meses de junho e julho de Paralelamente, e para efeito de comparação, analisamos também alguns aspectos do consumidor não segurado. Para este fim, os seguintes tópicos foram desenvolvidos: i) No próximo capítulo, uma análise do cenário econômico do mercado segurador carioca, dando destaque ao tamanho, ao faturamento e às características empresariais. Este cenário foi comparado a dados brasileiros e mundiais. ii) No capítulo 3, uma descrição da metodologia usada na pesquisa, realizada pelo Instituto Grifo Research, e que teve como objetivo mensurar os diversos aspectos econômicos e estratégicos já mencionados. iii) No capítulo 4, uma análise econômica dos resultados obtidos, dividida em tópicos (Perfil do Entrevistado, Conhecimento do Setor, Qualidade do Atendimento, Opinião sobre o Produto e Comportamento Futuro). iv) No capítulo 5, a abordagem é dividida em duas partes. Primeiro, uma análise cruzada de diversas variáveis, dando destaque sobretudo a demanda por seguro, avaliada em função de alguns componentes (renda e características pessoais, por exemplo). Em uma segunda parte, a determinação de um modelo econométrico, que teve como objetivo calcular a probabilidade de um consumidor ter ou não seguro. Os resultados obtidos poderão ser úteis nas estratégias futuras em relação a este mercado. v) No capítulo 6, as conclusões principais deste estudo. vi) No capítulo 7, o questionário utilizado na pesquisa. 4

5 vii) Ao final, no capítulo 8, a apresentação de alguns gráficos mais relevantes, obtidos a partir dos números gerados anteriormente. Por eles, todos as conclusões principais são abordadas. 5

6 2) Cenário Econômico 6

7 Em termos econômicos, o Estado do Rio de Janeiro tem presença importante na economia brasileira, conforme indicado nas tabelas 2-1 e 2-2. Tabela 2-1 Renda (R$ milhões), População (mil) e Renda per Capta (R$/habitante) Regiões Brasil 2000 Regiões Renda Composição População Composição Renda per % % Capta Norte ,6% ,6% Nordeste ,1% ,1% Sudeste ,8% ,6% Sul ,6% ,8% Centro-Oeste ,0% ,9% Brasil ,0% ,0% Fonte: IBGE Tabela 2-2 Renda (R$ milhões), População (mil) e Renda per Capta (R$/habitante) Sudeste Brasil 2000 Estados Renda Participação População Participação Renda per % % Capta Minas Gerais ,6% ,5% Espírito Santo ,0% ,8% Rio de ,5% ,5% Janeiro São Paulo ,7% ,8% Sudeste ,8% ,6% Fonte: IBGE A partir dos dados de 2000 (o do último censo), a Renda (ou seja, o PIB) do Estado do Rio de Janeiro foi de R$ 137,9 bilhões, 12,5% do total do país. Com 14,4 milhões de habitantes (8,5% da população nacional), isto resultou em uma renda per capta de R$ 9.571/habitante, 48% maior do que o valor da média do país inteiro (R$ 6.473/habitante) neste mesmo ano. Já, em 2002, o PIB per capta do país em moeda nacional foi de R$ 7.567/habitante (utilizando-se agora como fonte o IPEA, em moeda de 2002), o que resultou em um PIB/capta médio de US$ 2.590/habitante. Supondo que, 2 anos após o censo, fosse mantida a proporção econômica entre o Estado do 7

8 Rio de Janeiro e todo o país, teríamos, em 2002, e para este mesmo estado, um valor de PIB per capta de, aproximadamente, US$ 3.833/habitante. Agora, quando analisamos a participação das regiões do país no mercado segurador brasileiro, encontramos os valores assinalados nas tabelas 2-3 e 2-4. Pelos números, vemos que, no caso do Estado do Rio de Janeiro, a sua participação em 2002 em seguros foi praticamente equivalente à da renda (14,3% para 12,5%). Tabela 2-3 Faturamento do Mercado de Seguros - Regiões do País Valores em R$ milhões Regiões Valores Composição % Norte 298 1,0% Nordeste ,7% Sudeste ,5% Sul ,9% Centro-Oeste ,0% Brasil ,0% Fonte: SUSEP, ANS Tabela 2-4 Faturamento do Mercado de Seguros - Região Sudeste Valores em R$ milhões Grupos 2002 Participação % Minas Gerais ,2% Espírito Santo 224 0,7% Rio de Janeiro ,3% São Paulo ,2% Sudeste ,5% Fonte: SUSEP, ANS 8

9 Tabela 2-5 Seguros e Renda (Valores em US$ bilhões); População (milhões) Estado do RJ e Países Diversos 2001 Seguros Renda População Estado do RJ * 1, ,3 Brasil 10, ,2 Argentina 7, ,4 Chile 2, ,4 México 11, ,3 EUA 904, ,8 Reino Unido 218, ,5 França 113, ,2 Espanha 36, ,4 Rússia 9, ,0 Japão 445, ,1 Fonte: Swiss Re, IPEA, IBGE * Estimado em função das proporções relativas anteriores Tabela 2-6 Indicadores Diversos Seguros/capta e PIB/capta (Valores em US$/habitante) 2001 Seguros/Renda Seguros/Capta PIB/Capta Estado do RJ 2,45% Brasil 2,14% Argentina 2,60% Chile 4,25% México 1,81% EUA 8,97% Reino Unido 15,34% França 8,67% Espanha 6,25% Rússia 3,05% Japão 11,07% Fonte: Swiss Re, IPEA, IBGE Um cálculo interessante de ser feito é comparar os números do mercado de seguros entre os países, supondo que o Estado do Rio de Janeiro pudesse ser comparado como tal. Neste sentido, os números deste estado foram determinados a partir dos números brasileiros de 2001, como função das proporções anteriores. Isto é, 14,3% do faturamento em seguros, 12,5% do 9

10 PIB, 8,5% da população. Os dados resultantes estão apresentados nas tabelas 2-5 e 2-6. Nesta situação, por exemplo, o Estado do Rio de Janeiro teria um Faturamento de Seguros/Capta de US$ 108/capta, contra US$ 113/capta no México. No mesmo período, o valor do mercado brasileiro foi de US$ 64/habitante. Já em termos de participação na renda, teríamos uma relação, no Estado do Rio de Janeiro, de 2,45%, contra 2,14% no Brasil. Tabela 2-7 Posição no Ranking Regiões Selecionadas Seguros/Renda Seguros/Capta Estado do RJ Brasil Argentina Chile México EUA 10 4 Reino Unido 2 3 França 13 9 Espanha Rússia Japão 5 2 Fonte: Swiss Re, IPEA, IBGE Os números da tabela 2-7 indicam as posições do ranking das regiões selecionadas, determinadas também pelas referências citadas. Em termos de Seguros/Renda, o Brasil ocupava, em 2001, a 59 ª posição. Caso analisássemos somente o Estado do Rio de Janeiro, este ocuparia a 55 ª, ganhando 4 posições. Já, em termos de Seguros/Capta, as posições mudariam da 57 ª para 54 ª, respectivamente. 10

11 Um outro aspecto importante, na análise econômica deste estado, se refere ao posicionamento dos grupos seguradores atuantes no mesmo. Assim, na tabela 2-8, apresentamos o ranking do faturamento de 2002 (faturamento e composição percentual) dos 53 grupos então registados. Nesta mesma tabela, informamos na última coluna o quanto que este estado representa na receita de cada grupo segurador, como proporção ao faturamento desta empresa em todo o país (ou seja, o valor variaria entre 0 e 100%). Tabela Ranking do RJ 2002 Valores em R$ mil Grupos 2002 Participação % Importância no Faturamento (%) 1 BRADESCO ,35% 17,84% 2 SUL AMÉRICA ,97% 15,97% 3 AIG-UNIBANCO ,57% 24,10% 4 ITAÚ ,47% 15,07% 5 HSBC/CCF ,22% 19,60% 6 PORTO SEGURO ,11% 6,74% 7 REAL ,82% 14,23% 8 AGF ,19% 8,78% 9 ROYAL/CGU ,70% 35,97% 10 MAPFRE ,70% 8,91% 11 AXA ,63% 47,97% 12 GENERALI ,45% 30,21% 13 ICATU-HARTFORD ,42% 26,28% 14 ALIANÇA DO BRASIL ,34% 8,27% 15 ZURICH ,04% 27,38% 16 CAIXA SEGUROS ,80% 3,50% 17 LIBERTY PAULISTA ,76% 7,64% 18 HANNOVER ,73% 13,36% 19 CONAPP ,71% 99,98% 20 CHUBB ,62% 12,85% 21 FEDERAL ,56% 52,81% 22 PRUDENTIAL ,56% 47,01% 23 MARÍTIMA ,50% 2,95% 24 ALFA ,43% 17,36% 25 TOKIO MARINE ,39% 7,82% 11

12 Tabela Ranking do RJ 2002 Valores em R$ mil (continuação) Grupos 2002 Part. % Importância no Faturamento (%) 25 TOKIO MARINE ,39% 7,82% 26 UNIMED ,38% 7,91% 27 ÁUREA ,36% 54,38% 28 EXCELSIOR ,36% 18,58% 29 PHENIX ,35% 10,49% 30 UBF ,32% 19,86% 31 NATIONWIDE ,27% 19,98% 32 MINAS-BRASIL ,25% 3,67% 33 GOLDEN CROSS ,24% 100,00% 34 BBM ,24% 100,00% 35 SINAF ,23% 100,00% 36 SABEMI ,17% 29,55% 37 CANADA LIFE ,17% 100,00% 38 J. MALUCELLI ,15% 13,72% 39 YASUDA ,11% 1,59% 40 SOMA ,08% 17,36% 41 SANTOS ,07% 7,11% 42 PREVIDÊNCIA DO SUL ,06% 4,77% 43 ALIANÇA DA BAHIA ,05% 2,74% 44 SALUTAR ,04% 99,98% 45 ROMA 891 0,02% 1,42% 46 RURAL 722 0,02% 2,21% 47 MET LIFE/SEASUL 264 0,01% 0,25% 48 CONFIANÇA 223 0,01% 0,24% 49 MBM 191 0,00% 2,06% 50 AMIL 140 0,00% 99,87% 51 BANESTES 88 0,00% 0,14% 52 COSESP 4 0,00% 0,00% 53 KYOEI DO BRASIL 1 0,00% 0,00% TOTAL ,00% 14,75% Fonte: SUSEP, ANS Observamos que o grupo Bradesco é o 1 º colocado no Estado do Rio de Janeiro em 2002, com um faturamento de R$ milhões, embora este estado só represente 17,8% de sua receita total. Em segundo lugar, vinha o grupo Sul América, com R$ 773 milhões (18,0% do faturamento total do estado e 16,0% de seu perfil de faturamento). 12

13 Como complemento, na tabela 2-9, organizamos, em termos estatísticos, o grau de importância do faturamento, a partir dos dados extraídos da tabela anterior (ou seja, a última coluna). Por uma questão metodológica, haveria 3 faixas distintas. Para uma participação no estado abaixo de 10%, 42% dos 53 grupos pertencem a esta categoria, quando consideramos a presença como pequena. Entre 10% e 30% da receita, 34% dos grupos (ou seja, 18 grupos), uma participação média. E, por fim, para uma receita no estado maior do que 30%, 24% dos grupos, uma situação qualificada como participação alta. Dos 53 grupos atuantes no mercado carioca, 7 obtêm a sua receita exclusivamente deste estado (ou seja, com uma receita concentrada acima de 99%). Assim, por este critério, cada empresa pode se comparar em relação às demais, em termos estratégicos. Tabela Ranking do RJ 2002 Faixas de Importância Faixas Qualificação Quantidade Participação % Até 10% Pequena 22 42% De 10% a 30% Média 18 34% Acima de 30% Alta 13 24% TOTAL % Fonte: SUSEP, ANS 13

14 3) Metodologia da Pesquisa 14

15 a) Características Gerais Os modelos de amostragem permitem, através de técnicas estatísticas específicas, levantar informações sobre conjuntos mais amplos de elementos (chamados de população de referência ou universo), por intermédio da investigação de sub-conjuntos desta população, chamados de amostra. Em vista destes princípios, o trabalho em questão consistiu em uma pesquisa quantitativa, realizada com os consumidores de seguros da Cidade do Rio de Janeiro. A pesquisa teve como objetivo principal levantar o perfil, as características pessoais e operacionais, as expectativas e as perspectivas dos clientes em relação aos produtos de seguros e ao mercado como um todo. Alguns pontos dos não clientes foram também levantados, para efeito de comparação. A partir daí, diversos estudos e comparativos econômicos foram desenvolvidos, conforme apresentados nos capítulos seguintes. Especificamente, a pesquisa foi realizada através de entrevistas telefônicas (duas entrevistadoras trabalhando ao mesmo tempo), no horário de 10 às 18 horas, no período de 1 a 25 de julho, de segunda à sexta-feira. Cada pesquisa durou de 10 a 15 minutos. Os responsáveis técnicos por esta pesquisa foram os Professores Rosângela Catunda Cerqueira e Marcos Huber Mendes. 15

16 b) Plano Amostral Na definição do plano amostral da pesquisa, coordenado pelo instituto de pesquisa Grifo Research, tivemos as seguintes características iniciais: A amostragem seria realizada em meio físico, a partir das Listas Telefônicas Residenciais de 2003 da Rio Listas relativas a assinantes residenciais da cidade do Rio de Janeiro, que são apresentadas em cinco volumes, representando respectivamente os critérios de divisão em regiões geográfica definidos por esta empresa (Sul, Norte, Oeste, Barra e Tijuca/Meier). No momento do cálculo das amostras, não se dispunha dos totais de domicílios de cada lista mencionada ou de outras estatísticas que pudessem auxiliar no cálculo da amostragem e portanto, utilizou-se, como informação auxiliar para base de cálculo da amostra, a tabela Tabela Domicílios particulares permanentes, por condição de ocupação do domicílio, segundo as Mesorregiões, as Microrregiões, os Municípios, os Distritos, os Subdistritos e os Bairros - Rio de Janeiro, do Censo Demográfico de O Plano Amostral foi realizado considerando a estimativa de proporção simples de uma característica em relação ao universo. Foram desenvolvidos dois Planos Amostrais idênticos, um para aplicação em responsáveis por domicílios que tenham seguro e um outro para os responsáveis por domicílios que não tenham seguro. Em função dos recursos disponíveis, considerou-se, como critério para base dos Planos Amostrais, um total de aproximadamente 400 entrevistas por cada Plano. Ou seja, 800 entrevistas ao todo. Este total já se 16

17 demonstrou adequado para as analises realizadas em pesquisas anteriores. A partir das informações disponíveis e das limitações impostas, e com o objetivo de simplificar o trabalho da seleção das amostras, foi considerado o seguinte Plano Amostral: Ser realizada uma Amostra Aleatória Simples em cada região da Rio Listas. O dimensionamento das amostras em cada região da Rio Listas foi realizado considerando a variância máxima na estimação da proporção, de maneira a não ser necessário verificar, através de amostra piloto, se existe uma boa aproximação da estimativa da variância, pela variância amostral, com a variância da população. A precisão relativa do estimador e seu respectivo grau de confiança foram especificados com os mesmos valores em cada amostra e de forma a atender as premissas acima. Assim, o tamanho da amostra a ser realizada, tanto para assinantes com seguro, como para assinantes sem seguro, considerando minimamente, de acordo com as premissas e limitação acima, uma precisão relativa de dr = 0,10, com grau de confiança θ = 0,93, deve ser de, aproximadamente, 81 assinantes em cada uma das cinco regiões da Rio Listas. Nota-se que não ocorreu variabilidade no tamanho da amostra em função da população amostrada. Isto acontece a partir da consideração de variância máxima na estimação da proporção, o que torna a fórmula de cálculo da amostra, neste caso, praticamente invariante em relação ao tamanho da amostra. 17

18 c) Amostra Realizada e Precisão Alcançada Como não foi possível, por parte da Rio Listas, a disponibilização das Listas de 2003, utilizaram-se as Listas de 2000, que apresentaram como divisão geográfica apenas as regiões Norte, Sul, e Oeste (Tijuca /Meier foram incluídos na região Norte; e Barra, na região Oeste). Durante a realização da pesquisa, foram considerados os cuidados necessários para garantir a aleatoriedade das amostras, principalmente quando da necessidade de substituição de elementos da mesma. De acordo com os critérios utilizados para a amostragem, e com a divisão da Cidade do Rio de Janeiro em regiões da Rio Listas de 2000, a precisão relativa, o grau de confiança e o percentual da amostra em cada região amostrada são apresentados na tabela 3-1. Como se observa todas as regiões tiveram precisão relativa e grau de confiança iguais ou acima dos pretendidos (de 93%). As regiões Oeste e Norte alcançaram uma precisão relativa de 8%, com grau de confiança de 95%, e a região Sul alcançou uma precisão relativa de 10%, com grau de confiança de 95%. Tabela 3-1 Grau de Confiança da Amostra Região Amostras Precisão Grau de % Rio Listas Com Sem Relativa Confiança Seguro Seguro Oeste % 95% 36,0% Norte % 95% 39,5% Sul % 95% 24,5% Total ,0% 18

19 4) Resultados Obtidos 19

20 O questionário foi separado didaticamente em 5 partes, como se observa na parte final deste texto. Na primeira, buscou-se mensurar o conhecimento e o grau de participação do segurado carioca neste mercado e, a partir daí, quais os fatores mais importantes na escolha de um seguro. Na segunda parte, calculou-se a eficiência do atendimento por parte das seguradoras, no caso dos consumidores que já utilizaram este serviço. Em seguida, analisamos a opinião sobre as características de um produto específico (os benefícios acessórios mais comuns existentes em um seguro de automóvel). Na quarta, avaliamos o comportamento futuro dos atuais segurados em relação a este produto. Ou seja, se eles pretendem comprar seguro de novo, etc. Por fim, uma análise de algumas características econômicas e sociais do entrevistados (tanto segurados, como não segurados) Em complemento a estas perguntas, obtivemos também, ao final do questionário, algumas características socio-econômicas do entrevistado (o sexo, a renda, o grau de escolaridade e a idade). Assim, ao longo deste capítulo, estas análises foram correlacionadas entre si, avaliando-se, inicialmente, a existência ou não de ligação entre os fatores e, caso afirmativo, o grau de magnitude. Por simplificação, a avaliação dos fatores neste capítulo foi separada segundo o próprio padrão utilizado no questionário. 20

21 4.1) Perfil do Entrevistado Como o objetivo de qualificar o entrevistado, foram feitas uma série de perguntas sobre a situação econômica e social do entrevistado. Os resultados são mostrados a seguir. Tabela 4-1 Sexo do Responsável pelo Domicílio Sexo Quantidade % Masculino ,9% Feminino ,1% Total ,0% Na tabela 4-1, apresentamos a distribuição do sexo do responsável pelo domicílio. Pelos números apresentados, aproximadamente 61% são do sexo masculino. Já, na tabela 4-2, a distribuição de idade deste mesmo cidadão, que tem 53,3 anos, em média. Tabela 4-2 Sexo do Responsável pelo Domicílio Idade (anos) Quantidade % 20 a ,8% 30 a ,0% 40 a ,9% 50 a ,8% Acima de ,0% Sem Resposta 5 0,6% Total ,0% Idade Média 53,3 21

22 Na tabela 4-3, apresentamos o grau de escolaridade. A maior parte dos entrevistados tem o 2 º Grau completo (34,3% da amostra), vindo logo a seguir o 3 º Grau, com 32,6% do total. Tabela 4-3 Idade do Responsável do Domicílio Idade (anos) Quantidade % 1o. Grau ,6% 2o. Grau ,3% 3o. Grau ,6% Pós-Graduação 53 6,6% Sem Resposta 23 2,9% Total ,0% Na tabela 4-4, apresentamos o estado civil dos entrevistados. A grande maioria deles (quase 55%) tem o estado civil casado. Na tabela 4-5, se os mesmos têm filhos ou não. Do mesmo modo, a grande maioria tem filhos. Tabela 4-4 O Estado Civil do Responsável do Domicílio Estado Civil Quantidade % Casado ,8% Solteiro ,1% Viúvo ,1% Separado/Divorciado 71 8,9% Sem Resposta 9 1,1% Total ,0% Tabela 4-5 O Responsável tem filhos? O responsável tem filhos? Quantidade % Sim ,9% Não ,6% Sem Resposta 4 0,5% Total ,0% 22

23 Nas tabelas 4-6 e 4-7, algumas características do patrimônio do responsável pelo domicílio. Inicialmente, a existência ou não de alguns bens de consumo. A máquina de lavar é a mais comum (com 82% dos domicílios) e, por último, o computador, com 49%. Em seguida, o perfil da renda mensal. Em média, foi calculada (a parte) como sendo de R$ Possivelmente, este número mais elevado (assim como a idade e o grau de escolaridade) é positivamente influenciado pelo fato de as entrevistas terem sido feitas por telefone, o que sinalizaria um maior nível de renda do pesquisado. Tabela 4-6 A residência entrevistada possui estes bens? Bens Sim Não Sem Total resposta Forno Microondas 52,5% 45,8% 1,8% 100,0% Máquina de Lavar 82,0% 15,9% 2,1% 100,0% Microcomputador 48,9% 48,9% 2,3% 100,0% Vídeo Cassete 69,3% 28,4% 2,4% 100,0% Automóvel 51,8% 46,0% 2,3% 100,0% Total 60,9% 37,0% 2,2% 100,0% Tabela 4-7 Renda Média do Responsável Renda Mensal Quantidade % Menos de R$ 0,5 mil ,0% De R$ 0,5 mil a R$ 1,0 mil ,3% De R$ 1,0 mil a R$ 2,0 mil ,3% De R$ 2,0 mil a R$ 4,0 mil ,4% De R$ 4,0 mil a R$ 8,0 mil 84 10,5% De R$ 8,0 mil a R$ 16,0 mil 26 3,3% Mais de R$ 16,0 mil 5 0,6% Sem Resposta ,8% Total ,0% 23

24 4.2) Conhecimento/Participação do Setor A tabela 4-8 apresenta as 3 principais perguntas realizadas neste item, que teve como objetivo avaliar o grau de conhecimento e de participação do segurado no mercado carioca. Tabela 4-8 Perguntas Realizadas neste Item Perguntas Realizadas Além dos obrigatórios, o senhor ou sua família possui algum outro seguro? Se sim, de qual seguradora e qual produto? Em se tratando de seguros e previdência, que nomes de empresa lhe vêm à cabeça? Na aquisição do seguro, quais foram os fatores mais importantes na escolha? a) Além dos obrigatórios, o senhor ou sua família possui algum outro seguro? Se sim, de qual seguradora e qual produto? Neste caso, descartou-se, de início, aqueles seguros obrigatórios (por exemplo, o de automóvel (conhecido também como DPVAT)). Assim, com relação a primeira pergunta, separou-se a escolha em 7 produtos (vida, automóvel, residencial, previdência, capitalização, saúde e outro ramo). Dos 400 entrevistados que disseram ter algum tipo de seguro (independente do valor), muitos disseram ter mais de 1 produto, fato que proporcionou 755 seguros citados. Esta situação está mostrada na tabela 4-9. Tabela 4-9 Escolha de Produtos Ramos Quantidade % Perfil % Segurados Vida % 68% Auto % 63% Residencial % 36% Previdência 35 5% 9% Capitalização 25 3% 6% Saúde 23 3% 6% Outro 3 0% 1% Total % 24

25 O ramo que lidera a escolha foi o vida (68% dos segurados, sobre uma base de 400, disseram que possuem este produto). Este seguro foi lembrado em 36% de todas as citações (total de 755). Logo a seguir, tivemos o ramo automóvel, com 63% dos segurados. Este maior número no ramo vida pode ser explicado pelo fato de este produto ser oferecido por muitas empresas para seus funcionários, como benefício adicional na contratação profissional. A tabela 4-10 indica isto. Do total de 272 citações de seguro de vida, 31% se referem ao produto de vida em grupo (oferecido para grupos com perfil similar; muitas vezes, para empresas). Caso excluíssemos este tipo de produto da amostra, a presença do seguro de vida na amostra de seguros baixaria de 68% para 47%. Tabela 4-10 Seguro de Vida Perfil de Produtos Vida Perfil % Individual 69% Grupo 31% Total 100% Tabela 4-11 Produtos de Seguradoras mais Comprados Seguradora Quantidade % Perfil Sul América 98 13% Bradesco 83 11% AIG-Unibanco 69 9% Itaú 55 7% Banco do Brasil 52 7% Porto Seguro 51 7% HSBC 22 3% Real 24 3% Caixa 20 3% AXA 11 1% Outras % Não Sei % Total % 25

26 Quando analisamos a venda de cada seguradora individualmente, avaliamos também as mais citadas (tabela 4-11). Neste caso, temos, em primeiro lugar, a Sul América, com 13% do total, vindo, logo a seguir, o Bradesco, com 11%. Já a tabela 4-12 apresenta a escolha segundo cada perfil de ramo específico. Inicialmente, o seguro de vida. Tabela 4-12 Seguro de Vida Compras Seguradora Quantidade % Perfil % Segurados Bradesco 37 14% 9% Sul América 28 10% 7% AIG-Unibanco 24 9% 6% Banco do Brasil 19 7% 5% Itaú 16 6% 4% HSBC 12 4% 3% Real 11 4% 3% Caixa 6 2% 2% Porto Seguro 5 2% 1% Outras 59 22% 15% Não Sei 55 20% 14% Total % 68% Na análise dos dados da amostra dos segurados que têm seguro de vida, o Bradesco foi o mais citado (em 14% das citações deste ramo e em 9% de todos os segurados), vindo a seguir a Sul América. Na tabela 4-13, apresentamos esta mesma estatística para os seguros de automóvel. Agora, neste caso, a Sul América é a mais citada, em 18% dos segurados deste produto. Em seguida, a Porto Seguro, com 15% e o Bradesco, com 9%. 26

27 Tabela 4-13 Seguro de Auto Compras Seguradora Quantidade % Perfil % Segurados Sul América 45 18% 11% Porto Seguro 39 15% 10% Bradesco 22 9% 6% Itaú 17 7% 4% AIG-Unibanco 19 8% 5% Banco do Brasil 11 4% 3% Real 9 4% 2% AGF 8 3% 2% AXA 7 3% 2% Vera Cruz 4 2% 1% Generali 3 1% 1% Hannover 3 1% 1% HSBC 3 1% 1% Outras 24 9% 6% Não Sei 39 15% 10% Total % 63% A tabela 4-14 apresenta as citações no ramo de seguros residenciais. Agora, o produto mais comentado foi o da seguradora Sul América, com 14% do total, vindo a seguir a AIG-Unibanco, com 12%. Tabela 4-14 Seguro Residencial Compras Seguradora Quantidade % Perfil % Segurados Sul América 20 14% 5% AIG-Unibanco 17 12% 4% Itaú 16 11% 4% Bradesco 10 7% 3% Banco do Brasil 8 6% 2% Porto Seguro 7 5% 2% Caixa 6 4% 2% HSBC 6 4% 2% Real 2 1% 1% Outras 14 10% 4% Não Sei 38 26% 10% Total % 36% 27

28 Tabela 4-15 Previdência Privada Compras Seguradora Quantidade % Perfil % Segurados Banco do Brasil 7 20% 2% Itaú 5 14% 1% Bradesco 5 14% 1% AIG-Unibanco 3 9% 1% Sul América 2 6% 1% Outras 8 23% 2% Não Sei 5 14% 1% Total % 9% Tabela 4-16 Capitalização Compras Seguradora Quantidade % Perfil % Segurados Banco do Brasil 7 28% 2% Caixa 6 24% 2% Bradesco 3 12% 1% AIG-Unibanco 2 8% 1% Outras 5 20% 1% Não Sei 2 8% 1% Total % 6% As tabelas 4-15, 4-16 e 4-17 apresentam as mesmas situações, agora para os produtos de previdência, capitalização e seguro-saúde. As lideranças pertencem ao Banco do Brasil, nos dois primeiros casos e, no Bradesco, no último. 28

29 Tabela 4-17 Seguro-Saúde Compras Quantidade % Perfil % Segurados Bradesco 6 26% 2% Sul América 3 13% 1% AIG-Unibanco 3 13% 1% Outras 6 26% 2% Não Sei 5 22% 1% Total % 6% Quando analisamos os números como um todo, dois aspectos se destacam. Primeiro, a diversidade de lideranças, dependendo do tipo de ramo escolhido. Segundo, o nível de desconhecimento de qual seguradora o consumidor está comprando o seguro. Esta característica é mostrada na tabela Dependendo do tipo de produto, o grau de desconhecimento do segurado foi variado, podendo chegar a 26%. Por exemplo, o grau mais baixo foi nos produtos de capitalização, com 8%. Na média do setor, o valor foi de 19%. Tabela 4-18 Nível de Desconhecimento por Seguradora Diversos Produtos Nível de Desconhecimento Vida 20% Auto 15% Residencial 26% Previdência 14% Capitalização 8% Saúde 22% Total 19% 29

30 b) Em se tratando de seguros e previdência, que nomes de empresa lhe vêm à cabeça? Uma outra pergunta do questionário foi avaliar quais seguradoras foram as mais lembradas, independente de o consumidor ter comprado ou não o produto com esta empresa. Cada consumidor poderia escolher de 0 a 4 seguradoras, e estes números foram comparados posteriormente às seguradoras citadas nas compras. Tabela 4-19 Indicadores do Consumidor Lembradas e Compras Seguradoras % Lembradas (L) % Compradas (C) Indicador L/C Sul América 38% 16% 2,3 Bradesco 22% 14% 1,6 Porto Seguro 10% 8% 1,2 Itaú 9% 9% 1,0 Banco do Brasil 5% 9% 0,5 AIG-Unibanco 3% 11% 0,3 HSBC 2% 4% 0,5 Real 2% 4% 0,6 Caixa 1% 3% 0,4 AXA 1% 2% 0,6 Outras 7% 20% 0,3 Total 100% 100% Na tabela, foram excluídas as respostas não sei. Os dados são apresentados na tabela 4-19 e as seguintes conclusões foram obtidas. A seguradora mais lembrada nas entrevistas foi a Sul América, em 38% das citações, embora a companhia só tenha tido 16% das compras. Por outro lado, na Bradesco Seguros, os números são mais próximos. Ou seja, tivemos 22% das lembranças e 14% das compras. A partir daí, um indicador estratégico interessante foi calcular a relação entre a proporção da quantidade de citações de lembranças 30

31 e de compras. De certo modo, este número poderia mostrar a força da marca na cabeça do consumidor. Ou seja, um valor maior indica que, mesmo não comprando os seus produtos, o consumidor sabe que a companhia existe e negocia seguros. Este número é a última coluna da tabela, sendo calculado pela divisão das proporções dos dois percentuais. Na análise dos números, a Sul América é a primeira, com um índice de 2,3 (isto é, ela é 2,3 mais lembrada do que comprada). Logo a seguir, vem o grupo Bradesco, com um indicador de 1,6. 31

32 escolha? c) Na aquisição do seguro, quais foram os fatores mais importantes na Uma das perguntas do questionário foi o de avaliar a quantidade de fatores relevantes para a compra realizada. Assim, as variáveis mais citadas estão mostradas na tabela Tabela 4-20 Fatores para a Compra de um Seguro Fatores Quantidade % Bons Preços 92 23% Influência do Banco 69 17% Plano da Empresa 67 17% Solidez da Seguradora 66 16% Influência do Corretor 42 10% Produto segundo as necessidades 32 8% Influência de Amigos 19 5% Experiência com a Seguradora 19 5% Total % Na análise dos números, o fator Bons Preços é o mais importante para o segurado, com 23% da citações, vindo a seguir a Influência do Banco. Em terceiro lugar, temos o fato de o seguro ser oferecido pela empresa em que o consumidor trabalha. Ou seja, aqui, o consumidor funciona de forma passiva. A solidez da seguradora e a influência do corretor de seguros são também aspectos importantes. 32

33 4.3) Qualidade do Atendimento A tabela 4-21 apresenta as duas principais perguntas realizadas neste item, que teve como objetivo avaliar a qualidade dos serviços prestados pelas seguradoras. Tabela 4-21 Perguntas Realizadas neste Item Perguntas Realizadas Você já usou o Seguro nos últimos 3 anos? Se sim, quais deles? Dê uma nota sobre a sua experiência durante a utilização do seguro, em diversos fatores analisados. a) Você já usou o seguro nos últimos 3 anos? Se sim, quais deles? A primeira avalia o grau de utilização dos seguros nos últimos 3 anos e, em seguida, em quais ramos. As tabelas 4-22 e 4-23 indicam estes pontos. Tabela 4-22 Já usou o seguro nos últimos 3 anos? Já usou o seguro? Quantidade % Sim 92 23% Não % Não Sei 8 2% Total % Tabela 4-23 Quais seguros? Quais seguros? Quantidade % Auto 85 93% Vida 4 4% Demais 3 3% Total % Pela amostra, observamos que, dos consumidores que atualmente têm seguro, 23% o utilizaram nos últimos 3 anos. Surpreendentemente, 2% dos segurados não souberam responder esta pergunta. 33

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Até Outubro/2004

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. Até Outubro/2004 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL Até Outubro/2004 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Janeiro/2005 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Rating de Seguros

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2010

RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL. 1º Semestre/2010 RANKING DAS SEGURADORAS BRASIL 1º Semestre/2010 Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Setembro/2010 Responsável Técnico: Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras 2010 Mensagem do Presidente Não há progresso sem mudanças O processo de mudança continua a cada instante que passa. Não vivemos uma época de mudanças, mas uma mudança de época.

Leia mais

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização.

RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS. Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. RESENHA DO RESULTADO DO MERCADO DE SEGUROS Janeiro a Dezembro de 2008 Faturamento e Rentabilidade dos Segmentos de Seguros, Previdência Privada e Capitalização. Dados Realizados em 2008 e Estimados para

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras º- semestre 202 Mensagem do Presidente O que mudou em 202. O agrupado de informações sobre um determinado grupo é fundamental para que possamos avaliar o comportamento de cada um

Leia mais

Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP)

Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) Uma proposta para o ranking das seguradoras brasileiras Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) I) Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras 2013 Ranking das - 2013 1 2 Ranking das - 2013 Mensagem do Presidente Ambiente favorável ao corretor O Sincor-SP tem a satisfação de apresentar mais uma edição do Ranking das, assinado pelo economista

Leia mais

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das ESECS-PJ Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros A G O S T O / 2 0 1 3 O Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros Pessoa Jurídica (ESECS-PJ) é fruto de um trabalho de

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras º Semestre 0 Mensagem do Presidente SUMÁRIO: I) Critérios II) Ranking de Seguros II.) Total (sem VGBL) II.) Automóvel II.) Patrimonial 0 II.) Pessoas (sem VGBL) II.) Riscos Financeiros II.) Transportes

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras 2014 Ranking das - 2014 1 2 Ranking das - 2014 Mensagem do Presidente Crescendo em situação econômica desafiadora Costumo dizer que atuamos em um setor que segue crescendo, até mesmo, em momentos desfavoráveis

Leia mais

O objetivo deste artigo é fazer uma análise sobre a classificação de riscos. Fenacor desde 1996. Este estudo é feito semestralmente, a partir das

O objetivo deste artigo é fazer uma análise sobre a classificação de riscos. Fenacor desde 1996. Este estudo é feito semestralmente, a partir das Classificação de Riscos no mercado segurador brasileiro Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Responsável técnico pelo projeto de classificação de risco das empresas de seguros, patrocinado pela Fenacor

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas

Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas Mercado de Seguros no Brasil - Situação Atual e Perspectivas Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2005 1 Sumário: I) Introdução II) Cenário Econômico - Brasil II.1) PIB II.2) Taxas de Inflação

Leia mais

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 I) Critérios www.ratingdeseguros.com.br 1) Os dados usados serão os números de 2007 e do 1º Semestre de 2008. 2) Os prêmios serão dados nas

Leia mais

23/02/2010. Tarcísio José Massote de Godoy

23/02/2010. Tarcísio José Massote de Godoy 23/02/2010 Tarcísio José Massote de Godoy Agenda Grupo Segurador Brasil e Mercado Segurador Mundial Mercado de Seguros na América Latina Mercado de Seguros, Previdência e Capitalização Seguros e Previdência

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE 2010 X 2009

MERCADO BRASILEIRO DE 2010 X 2009 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS 2010 X 2009 1 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RESULTADOS DE 2010 X 2009 A SUSEP divulgou hoje os números do Mercado de Seguros referente ao Exercício de 2010. Essa divulgação

Leia mais

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010

O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas. www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 O Cenário Atual do Mercado Segurador Brasileiro e suas Perspectivas www.ratingdeseguros.com.br Francisco Galiza Junho/2010 Sumário 1) Passado: História Econômica do Setor 2) Presente: Situação Atual 3)

Leia mais

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva

Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Mercado Segurador em 2015 - Uma Visão Executiva Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2009 Sumário 1) Situação Atual 2) Mercado Segurador em 2015?? (1ª Pesquisa Dezembro/2008) 3) Mercado Segurador

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL:

VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 2015 1- MERCADO GLOBAL: VIDA EM GRUPO JAN A AGOSTO 1- MERCADO GLOBAL: O segmento de Vida em Grupo detém o segundo lugar no ranking de vendas do Mercado, representando 10,92% das vendas totais em contra 10,48% do ano passado.

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 18 Aluguel de Imóveis (versão para informação e comentários)

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF]

[ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] [ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF] ESTUDO DE MERCADO REFERENTE AO TOTAL ARRECADADO ENTRE PRÊMIOS E CONTRIBUIÇÕES NO MERCADO Realizado Acumulado - 2009 / 2010 -

Leia mais

Porto Seguro S.A. Conference Call 3T06

Porto Seguro S.A. Conference Call 3T06 Porto Seguro S.A Conference Call 3T06 1 Ranking Brasileiro de Seguros Terceira maior Companhia 19,9% 14,9% 8,4% 7,6% 6,9% 5,4% 3,7% Bradesco Sul América Porto Seguro Unibanco Itaú Mapfre Tokio Marine Obs:

Leia mais

TRABALHO FEMININO EM CORRETAGEM DE SEGUROS - CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS

TRABALHO FEMININO EM CORRETAGEM DE SEGUROS - CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS TRABALHO FEMININO EM CORRETAGEM DE SEGUROS - CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Junho/2006 Francisco Galiza Agradecemos o apoio do Sincor-SP neste estudo. Naturalmente, os erros, porventura existentes na realização

Leia mais

ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014

ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014 ANÁLISE DOS PRÊMIOS EMITIDOS GRUPOS / UNIDADE DA FEDERAÇÃO I SEMESTRE 2014 lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 PRÊMIOS EMITIDOS: De acordo com os números divulgados pela SUSEP (07/08/2014)

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES

SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES SEGURO PRESTAMISTA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: As características do seguro prestamista fazem com que o período de vigência seja de acordo

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA I TRIMESTRE - 2012 1 INTRODUÇÃO: A SUSEP divulgou os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao I Trimestre de 2011. Esses números são calcados

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a OUT/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201510_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0

Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0 Dados de Fevereiro/2013, Relatório Número 4 Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0 Em fevereiro, o ICES foi 114,0, com a mesma trajetória de ajuste do mês anterior, mas em uma intensidade bem menor.

Leia mais

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco.

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco. MERCADO DE SEGUROS BRASILEIRO RESIDENCIAL JANEIRO A JULHO DE 2008 Esse poderá ser o primeiro grande produto do chamado micro seguro. De fato a dificuldade para sua aplicabilidade para as camadas menos

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Ranking das Seguradoras

Ranking das Seguradoras Ranking das Seguradoras 0 Mensagem do Presidente O mercado e a bússola Mais uma vez, temos a satisfação de publicar o ranking das companhias seguradoras, uma vez que um dos grandes desafios do setor é

Leia mais

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil 2ª Pesquisa de opinião pública sobre Energia Elétrica Brasil Julho de 2015 Pesquisa de opinião pública sobre Energia elétrica Brasil Junho de 2014 IBOPE Metodologia Pesquisa quantitativa com aplicação

Leia mais

Apresentação Corporativa 2015

Apresentação Corporativa 2015 Apresentação Corporativa 2015 Agenda Visão Geral da Indústria de Seguros Evolução do Mercado Segurador Ambiente Competitivo Fatores Chave de Crescimento e Rentabilidade Quem Somos Nossos Negócios Estratégia

Leia mais

CAPA SEGUROS DE AUTOMÓVEIS. Comparamos várias apólices e mostramos a você quais são as melhores para o seu bolso e para as suas necessidades.

CAPA SEGUROS DE AUTOMÓVEIS. Comparamos várias apólices e mostramos a você quais são as melhores para o seu bolso e para as suas necessidades. 10 Dinheiro&Direitos 58 outubro-novembro 2015 SEGUROS DE AUTOMÓVEIS Comparamos várias apólices e mostramos a você quais são as melhores para o seu bolso e para as suas necessidades. Não precisa pa Sabemos

Leia mais

PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO. Seguros de Pessoas

PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO. Seguros de Pessoas PAINEL OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO MERCADO DE SEGUROS MINEIRO Seguros de Pessoas SEGUROS DE PESSOAS Brasil por UF SP e RJ detém 60% do mercado; MG se mantém em 3º no Brasil, com 7,6% de participação;

Leia mais

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Janeiro / 2013 kpmg.com/br Realizado em colaboração com Sumário Sumário Executivo...04 Objetivo da Pesquisa...05 Evolução

Leia mais

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil

Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Situação Atual e Perspectivas do Mercado de Distribuição de Seguros no Brasil Janeiro / 2013 kpmg.com/br Realizado em colaboração com Sumário Sumário Executivo...04 Objetivo da Pesquisa...05 Evolução

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014

PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL. Janeiro 2014 PESQUISA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA SPC BRASIL Janeiro 2014 PESQUISA DO SPC BRASIL REVELA QUE 81% DOS BRASILEIROS SABEM POUCO OU NADA SOBRE SUAS FINANÇAS PESSOAIS Os brasileiros ainda estão muito distantes

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a SET/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201509_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS AUTOMÓVEIS I BIMESTRE -2013 1 O segmento de Automóveis encerrou o mês de janeiro com um volume de produção de R$ 4,3 bilhões contra R$ 3,4 bilhões de 2012, um crescimento

Leia mais

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil

Pesquisa de opinião pública. sobre. Energia elétrica. Brasil 2ª Pesquisa de opinião pública sobre Energia Elétrica Brasil Outubro/ 2015 Pesquisa de opinião pública sobre Energia elétrica Brasil Junho de 2014 IBOPE Metodologia Pesquisa quantitativa com aplicação

Leia mais

As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013

As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013 As perspectivas de longo prazo do seguro de automóvel Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Novembro/2013 Sumário: 1) Alguns Números do Mercado de Seguros no Brasil 2) Oportunidades e Desafios do

Leia mais

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil

Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Um estudo amostral dos seguros de automóveis no Brasil Francisco Galiza Autor do livro Economia e Seguro: Uma Introdução, publicado pela Funenseg 1) Introdução: Uma configuração atual do ramo O objetivo

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RC GERAL I BIMESTRE -2013 1 O segmento de RC Geral encerrou o I Bimestre com um volume de produção de R$ 130 milhões contra R$ 124 milhões de 2012, um crescimento nominal

Leia mais

TOKIO MARINE AUTO (O MELHOR, O MAIS COMPLETO)

TOKIO MARINE AUTO (O MELHOR, O MAIS COMPLETO) Corretor Tokio Marine possui inúmeros benefícios diferenciados, além de proporcionar a seus clientes um dos melhores produtos com serviços completos e com excelente custo x benefício. Vantagens ao Cliente.:

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO JAN A OUTUBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de invalidez permanente

Leia mais

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES

CASTIGLIONE SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES SEGURO ACIDENTES PESSOAIS JAN A SETEMBRO DE 2015 SUSEP SES 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro de Acidentes Pessoais garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários em caso de morte acidental, em caso de

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE AVIAÇÃO AGOSTO DE 2007 OPP141 IBOPE/ MQI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar informações sobre aviação. - Brasil. PERÍODO DE CAMPO - De 07 a

Leia mais

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 Sumário: 1) Desafios econômicos do setor de seguros (Brasil e Mundo) 2) Princípios sobre Modelos

Leia mais

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru

Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru. NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru -EMDURB Plano de Transporte Coletivo da Cidade de Bauru PTC Bauru NT09 Pesquisa de imagem e opinião sobre o serviço de transporte coletivo municipal de Bauru Junho/2013 1- Apresentação O Plano de Transporte

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Porto Seguro S.A. Receitas Totais

Porto Seguro S.A. Receitas Totais Porto Seguro S.A. Porto Seguro S.A. Receitas Totais R$ m ilhões 2006 2005 Variação Receitas Totais 4.548,1 3.849,9 18,1% (R$ milhões) 4.548,1 3.849,9 2.384,6 2.758,5 3.232,4 2002 2003 2004 2005 2006 CAGR

Leia mais

Objetivo nº Conhecer a opinião dos médicos do Estado de S ão São P a Paulo lo sobre sobre a atuação dos planos ou seguros de aúde.

Objetivo nº Conhecer a opinião dos médicos do Estado de S ão São P a Paulo lo sobre sobre a atuação dos planos ou seguros de aúde. Avaliação dos planos de saúde Estado de São Paulo Objetivo Conhecer a opinião dos médicos do Estado de SãoPa Paulo losobrea atuação dos planos ou seguros de sa aúde. Metodologia Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Certificação Digital e Corretoras de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Outubro/2011

Certificação Digital e Corretoras de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Outubro/2011 Certificação Digital e Corretoras de Seguros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Outubro/2011 Sumário I) Cenários Econômicos do Setor e do País II) Estudos Teóricos sobre Distribuição III) Dois

Leia mais

Proposta SESS. Sistema Eleitoral Seis Sigma Vereadores - Campina Grande. Equipe de planejamento Agosto de 2012

Proposta SESS. Sistema Eleitoral Seis Sigma Vereadores - Campina Grande. Equipe de planejamento Agosto de 2012 Proposta SESS 2012 Sistema Eleitoral Seis Sigma Vereadores - Campina Grande Equipe de planejamento Agosto de 2012 G6S - Grupo 6 Sigma O Grupo 6 Sigma se sente honrado em poder oferecer mais um produto

Leia mais

1ª RODADA NOVA S/B-IBOPE Comunicação de Interesse Público PESQUISA TELEFÔNICA NACIONAL SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL. IBOPE Opinião

1ª RODADA NOVA S/B-IBOPE Comunicação de Interesse Público PESQUISA TELEFÔNICA NACIONAL SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL. IBOPE Opinião 1ª RODADA NOVA S/B-IBOPE Comunicação de Interesse Público PESQUISA TELEFÔNICA NACIONAL SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas

Leia mais

Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br outubro/2005 I) Critérios Este estudo compara as taxas de juros praticadas no parcelamento

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Clube Vida em Grupo CVG

Clube Vida em Grupo CVG Clube Vida em Grupo CVG Edward Lange Agosto, 2013 Agenda 1 2 3 4 Allianz SE Allianz Brasil Estratégia Vida e Saúde 1 Allianz SE Concorrentes Globais Prêmio Emitido Líquido EUR Bi Allianz 52,3 46,9 99,2

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

Qualidade da Internet Banda Larga

Qualidade da Internet Banda Larga Qualidade da Internet Banda Larga Secretaria de Transparência Coordenação de Controle Social DataSenado Novembro de 2014 www.senado.leg.br/datasenado 1 Um terço dos entrevistados já ouviu falar do Programa

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião

Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião Sumário Executivo Pesquisa de opinião pública Crise Econômica Mundial e as Políticas Sociais do Governo, na Opinião dos Brasileiros Vox Populi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Indústria Seguradora do Brasil. Visão Executiva da Situação Atual e Perspectivas para 2015

Indústria Seguradora do Brasil. Visão Executiva da Situação Atual e Perspectivas para 2015 Indústria Seguradora do Brasil Visão Executiva da Situação Atual e Perspectivas para 2015 2009 Sumário Introdução 4 Cenário Econômico de Seguros 6 Pesquisa com Empresas 8 Recomendações 18 Conclusões do

Leia mais

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Opinião do brasileiro sobre Voluntariado Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Índice 2 Objetivo e Metodologia Perfil demográfico da população brasileira Exercício da Atividade Voluntária

Leia mais

PRÊMIO BANDEIRANTE 2015. XVI Edição. Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é?

PRÊMIO BANDEIRANTE 2015. XVI Edição. Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é? PRÊMIO BANDEIRANTE 2015 XVI Edição Onde o seu voto faz toda a diferença. O que é? Idealizado pelo Sindicato dos Corretores e das Empresas Corretoras de Seguros, de Capitalização e de Previdência Privada

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA Exercício 2008 RELATÓRIO FINANCEIRO & CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Exercício 2008 GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL Relatório 1. Institucional

Leia mais

Indústria Seguradora do Brasil

Indústria Seguradora do Brasil Indústria Seguradora do Brasil Visão Executiva da Situação Atual e Perspectivas para 2015 2ª Edição 2010 Índice Introdução 3 Cenário Econômico de Seguros no Brasil 4 Pesquisa com Empresas 8 Recomendações

Leia mais

TAXAS DE JUROS DE FRACIONAMENTO NO SEGURO DE AUTOMÓVEL

TAXAS DE JUROS DE FRACIONAMENTO NO SEGURO DE AUTOMÓVEL TAXAS DE JUROS DE FRACIONAMENTO NO SEGURO DE AUTOMÓVEL 1 º Levantamento 13 seguradoras Este estudo é patrocinado pelo SINCOR-SP (www.sincorsp.org.br) Julho/2004 Responsável Técnico: Francisco Galiza Sócio,

Leia mais

ESECS-PJ 2015. Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros

ESECS-PJ 2015. Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros ESECS-PJ 2015 Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros FENACOR, 2015. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. Diretoria Executiva Armando Vergílio dos

Leia mais

(MLRV) SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO RESIDENCIAL JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O Seguro Residencial na atualidade tem um objetivo primordial à proteção das residenciais

Leia mais