TREINAMENTO. v6/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO. www.combc.net v6/2013"

Transcrição

1 re TREINAMENTO GRUPOS FAMILIARES Diariamente perseveravam unânimes n templ, partiam pã de casa em casa e tmavam as suas refeições cm alegria e singeleza de craçã, luvand a Deus e cntand cm a simpatia de td pv. Enquant iss, acrescentava-lhes Senhr, dia a dia, s que iam send salvs" (Ats 4:46-47) v6/2013

2 Apresentaçã A Igreja d Sécul XXI tem buscad uma nva visã de cult e adraçã a Deus, líderes se empenham em ditar nvs rums, numa tentativa frenética de levar pv há uma nva dimensã de fé. Em cada mment da história da Igreja, Deus tem derramad uma nva unçã, necessária a seu cresciment espiritual e preparaçã para vencer as barreiras erguidas pels inimigs da Niva. Assim, s primeirs cristãs passaram pr mments sublimes sabend uvir d Senhr quais as estratégias para sua épca. A multiplicidade de cnheciment vem afetand de frma significativa a nssa era, trazend em suas asas hmens jactanciss e amantes de si mesm, que tentam prvar a td mment que a sua visã é a visã de Crist n presente. Vcês sã sal para a humanidade; mas, se sal perde gst, deixa de ser sal e nã serve para mais nada. É jgad fra e pisad pelas pessas que passam. Mateus 5:13 Essa é a visã de Jesus para qualquer temp, que façams a diferença neste mund, sb pena de serms pisads, sem mesm ser ntads. Quant a mdel, nã pdems ser rígids, pis, assim a graça d Senhr nã seria multifrme, restand a nós amr fraternal, a bediência à palavra e a direçã d Espírit Sant. O bjetiv precípu na elabraçã desse material é a preparaçã de líderes de Grups Familiares e hspedeirs / Anfitriões, que precisam estar cientes de sua imprtância n que tange a ensin, cmpartilhar de experiências, a interseçã, a cmunhã e a evangelism a ser realizad pel grup. A Cmunidade Batista Cristã é uma Igreja que enfatiza a frmaçã de cristãs cmprmetids cm cresciment qualitativ d rein celestial. Ns últims temps Deus tem se mvid de frma inacreditável, buscand trazer nva vida, nv pder e um cresciment sem igual para nssa Igreja. Os Pequens Grups e u grups familiares se cnfiguram também cm uma excelente estratégia na cnquista desses bjetivs. Acima, primeir grup ATOS da COMBC Que Senhr derrame a sua unçã, seu bálsam sbre a nssa Igreja, trnand-a capaz de discernir a Sua vntade. Deus Abençe, rica e pdersamente. Na Paz de Jesus Crist! Pastr Pedr Nia "Que Deus de nss Senhr Jesus Crist, Pai da glória, vs dê espírit de sabedria e de revelaçã n plen cnheciment dele; send iluminads s lhs d vss craçã, para que saibais qual seja a esperança da sua vcaçã, e quais as riquezas da glória da sua herança ns sants." Ef 1:

3 SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA IGREJA COMO ERA O CRISTIANISMO PRIMITIVO? POR QUE TER UM CULTO NA IGREJA? PORQUE DOS GRUPOS FAMILIARES? PERFIL DO LÍDER ESTÁGIOS DA REUNIÃO DO GRUPO FAMILIAR ETAPAS DE CRESCIMENTO DE UM GRUPO FAMILIAR PROBLEMAS COMUNS NA LIDERANÇA

4 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA IGREJA Ats 2:46 "Diariamente perseveravam unânimes n templ, partiam pã de casa em casa e tmavam as suas refeições cm alegria e singeleza de craçã, luvand a Deus e cntand cm a simpatia de td pv. Enquant iss, acrescentava-lhes Senhr, dia a dia, s que iam send salvs." A Cmunidade Batista Cristã nasceu de um grup familiar, que se reunia as segundas-feiras n bairr Brisamar. E prque nã dar cntinuidade a esta visã de Deus para sua Igreja? Frmar discípuls adradres, cmprmetids cm cresciment espiritual e a edificaçã d Rein de Deus. Acima, Pr. Pedr Nia e participantes d Grup Familiar da Igreja Metdista em uma reuniã de cnfraternizaçã n bairr Brisamar (Outubr de 1999) A palavra igreja vem d greg ekklesia, que tem rigem em kale ("cham u cnvsc"). Na literatura secular, ekklesia referia-se a uma assembléia de pessas, mas n Nv Testament (NT) a palavra tem sentid mais especializad e faz referência à reuniã de crentes cristãs para adrar a Crist. Jesus havia dit as judeus que Deus faria uma Nva Aliança cm aqueles que lhe fssem fiéis (Mt 16.18); ele havia selad esta aliança cm seu própri sangue (Lc 22.20). De md que s cristãs primitivs prclamavam cm usadia haverem herdads s privilégis que Israel cnhecera utrra. Nã eram simplesmente uma parte de Israel - eram nv Israel (Ap 3.12; 21.2; Mt 26.28; Hb 8.8; 9.15). Os primeirs cristãs frmavam uma cmunidade estreitamente unida em Jerusalém após dia de Pentecste. Esperavam que Crist vltasse muit em breve. Paul descreve a igreja cm "um só crp em Crist" (Rm 12.5) e "seu crp" (Ef 1.23). Em utras palavras, a igreja encerra numa cmunhã única de vida divina tds s que sã unids a Crist pel Espírit Sant mediante a fé. Esses participam da ressurreiçã (Rm 6.8), e sã a 4

5 um temp chamads e capacitads para cntinuar seu ministéri de servir e abençar a utrs (1C ). Estã ligads numa cmunidade que persnifica rein de Deus n mund. Em Jerusalém cristianism era um estil de vida, em Rma se trnu uma instituiçã gvernamental, na Eurpa se trnu uma cultura, ns Estads Unids se trnu um empreendiment, e n Brasil? Cm Deus pretendia que a Igreja fsse desde princípi? A Igreja de duas asas Uma asa para celebraçã em grups grandes e a utra para s pequens grups de cmunhã. Utilizand ambas as asas, a Igreja cnsegue var alt e se aprximar da presença de Deus e ainda sbrevar gracisamente as águas n seu prpósit de pescar e apascentar vidas cm amr COMO ERA O CRISTIANISMO PRIMITIVO? Ats 5:42 E tds s dias, n templ e de casa em casa, nã cessavam de ensinar e de pregar Jesus, Crist. Os primeirs livrs d NT fram cartas escritas pr essas pequenas cmunidades, para que pudessem suprtar as perseguições, tentações e dificuldades vividas na épca. (Filipenses, Críntis, Efésis etc... ) Tud que tinham era a mensagem da cruz e a cmunhã; Nada mais... Nenhuma psiçã, Nenhum prestígi, Nenhum mdel u filsfia... Nada... Os cristãs primitivs nã eram pessas de psiçã, mas havia um pder secret entre eles, e este era resultad d md pel qual eram membrs uns ds utrs. O pder d amr de Deus. 3. POR QUE TER UM CULTO NA IGREJA? Atividades especiais de ministéri pdem acntecer n encntr na igreja. Um cult na igreja é um temp especial da reuniã d pv de Deus. Demnstra a unidade d crp de Crist n mund. Celebra a natureza de Deus cm Deus altíssim. Fmenta uma experiência hmgênea entre grups hetergênes. Pde ser mens ameaçadr para alguns incréduls. É um lugar nde a cngregaçã cm um td pde cmprmeter-se cm a visã da Igreja Lcal. (Nesse pnt sugerims que s participantes explrem site Lá encntraram estuds, declaraçã de fé, rgangrama da Igreja, calendári de atividades e etc.) Nã deixems de cngregar-ns... Hebreus 10:25 Entã te darei graças na grande cngregaçã; entre muitíssim pv te luvarei Salms 35:18 5

6 4. PORQUE DOS GRUPOS FAMILIARES? Fundamentam-se primrdialmente n mdel bíblic iniciad pr Jesus Crist, n chamad de seus discípuls (Marcs ), Jesus subiu um mnte, chamu s que ele quis, e eles fram para pert dele. Entã esclheu dze hmens para ficarem cm ele e serem enviads para anunciar evangelh. A esses dze ele chamu de apóstls. Psterirmente na cmunhã alcançada pr sua Igreja ainda em fase embrinária segund (Ats ). Tds s que criam estavam junts e unids e repartiam uns cm s utrs que tinham. Vendiam as suas prpriedades e utras cisas e dividiam dinheir cm tds, de acrd cm a necessidade de cada um. Tds s dias, unids, se reuniam n páti d Templ. E nas suas casas partiam pã e participavam das refeições cm alegria e humildade. O amr pelas almas cnstitui-se valr fundamental para aquele que está em Jesus, assim Espírit sant irá mver s crações rum às vidas que se encntram destruídas e destituídas de qualquer esperança. Hje, Grup familiar é uma reuniã semanal de um pequen grup de cristãs em uma residência u qualquer utr lugar nde um líder, facilita a leitura da Palavra de Deus, a raçã e cuidad cm as necessidades das pessas, cm prpósit definid e clar de apascentar s mais jvens na fé e ganhar para Jesus, parentes, vizinhs, clegas de escla, trabalh etc. O alv desses Grups nã é smente a cmunhã, apesar de ser impssível um grup se reunir semanalmente e nã criar cmunhã. O alv se discerne na abreviaçã d nme "ATOS", qual seja, Adrar a Deus, Testemunhar a palavra de Deus, Orar e Interceder pels fiéis e sbretud, praticar a slidariedade através de ats de justiça e misericórdia. Agind assim, utras vidas que estã em trevas serã atraídas pela luz d Td-Pders brilhand em cada um de vós. (Isaías 9) Na direçã d Espírit Sant, institui-se nme d Grup ATOS ns lares, utilizand-se de um acróstic das letras d livr de Ats ds apóstls. N passad, estes grups familiares fram à base para muitas pessas receberem testemunh ds apóstls, e aceitarem evangelh da nva aliança. Em nss cntext para que haja equilíbri nesse mver deverá crrer uma tensã cnstante entre estes quatr pilares fundamentais: 4.1. (A)draçã: Mment reservad as cântics de exaltaçã e luvr a Deus. Enlev espiritual na vertical, hmem diretamente cm Deus. Essa é uma parte extremamente imprtante da reuniã. O fc agra se mve das pessas para Senhr. O crp que se reuniu recnhece agra a sua Cabeça. Se esse estági fr bem planejad e líder estiver em cmunhã íntima cm Espírit Sant, as pessas irã perceber a presença e pder d Senhr (T)estemunh, Mment de leitura e meditaçã da palavra de Deus prtunizand testemunh ds participantes através das perguntas nrteadras cntidas n material dispnibilizad. Uma reflexã infrmal nde tds devem ser estimulads a participar. O fc se mve agra para a palavra de Deus. O material a ser utilizad já deve se encntrar nas mãs ds cmpnentes e visitantes e será a base para a ministraçã da palavra (O)raçã, tds sã incentivads a "falar" cm Senhr. Agradecer pel que tems recebid e fazerms pedids pelas causas impssíveis. Os irmãs sã desafiads a rarem uns pels utrs, numa crrente de fé e esperança em Jesus Crist. A batalha espiritual requer uma pstura diferenciada para s líderes, s crentes nã pdem se cmprtar cm se estivessem em um cult cmum, mas devem estar cientes que iram ministrar sbre a vida de alguém que pde estar trazend uma carga espiritual demasiadamente pesada - Traumas, amargura, falta de perdã, pacts cm as trevas, idlatria 6

7 etc. Nesse cntext, a raçã deverá ser supervisinada u indicada pel líder cm a cncrdância d grup (S)lidariedade, parte imprtante nas reuniões ns lares, cmpartilhar. A Bíblia diz que nã pdems abençar a famint sem antes lhe dar aliment. Precisams encntrar unidade cm utras pessas, descbrir prquê de se viver em cmunidade, e ficarms unids pr laçs de amizade e slidariedade. Cm uma verdadeira cmunidade que têm anseis e metas em cmum. N grup cada pessa pderá descbrir que tem valr, que pde ser amada e é capaz de amar. Vivems uma experiência maravilhsa cm s Grups ATOS ns lares. E entendems que nã é uma prpsta "nva", mas alg que Deus instituiu desde s primórdis da Igreja. Os detalhes deste "prjet" sã encntrads n livr de Ats capítul dis. Psterirmente, encntrams tendências e adaptações cm, Jhn Wesley ( ) n grande avivament d sécul XVIII. Os resultads sã visíveis, principalmente, na qualidade de vida cristã de cada um, em especial, ns relacinaments familiares. Infelizmente, encntrams uma tendência de pequens grups em eliminar a evangelizaçã, dand ênfase exclusiva à edificaçã própria, prduzind pessas calcificadas espiritualmente. Mas, nós da Cmunidade Batista Cristã, sabems que, smente cm à aplicaçã ds valres acima citads (A.T.O.S.) pdems prduzir equilíbri necessári a grup que restaura s murs a redr das famílias. Os relacinaments, sã mair valr da Bíblia. Tda a palavra de Deus é uma história de relacinaments: desej de Deus é se relacinar cm hmem, à quebra desse relacinament fi feita pel pecad e a restauraçã deste relacinament é feita através de Jesus. O nv Testament é endereçad a nós cristãs, e mstra cm devems ns relacinar mutuamente. Na verdade Cristianism nã é cm utras religiões nas quais hmem tenta alcançar a Deus. N cristianism Deus prvidenciu um caminh para relacinament. Fi através deste relacinament cm Deus que pela primeira vez que s crentes sã chamads de cristãs em Ats 11:26. O cntext que inicia n versícul 19 é muit interessante pis nesse relat, cmeça a dispersã ds judeus que levu a evangelizaçã de utrs pvs... Send perseguids, s cristãs fram ainda mais eficazes na evangelizaçã PERFIL DO LÍDER OU FACILITADOR DO GRUPO Em 1Timóte está escrit: D mesm md, s diácns devem ser hmens de palavra e séris. Nã devem beber muit vinh, nem ser gananciss. Eles devem se apegar à verdade revelada da fé e ter sempre a cnsciência limpa. Primeir devem ser prvads e depis, se frem aprvads, que sirvam a Igreja. A espsa d diácn também deve ser respeitável e nã deve ser faladeira. Ela precisa ser mderada e fiel em tud. O chamad à liderança traz uma série de respnsabilidades entre as quais, a de capacitadr e facilitadr, cm bjetiv de ajudar a cada um a descbrir e usar s seus dns espirituais, bem cm levar cada um a ter um craçã de serv, ministrand a utrs cm amr de Deus. A família de Crist funcina melhr quand cada cristã pde seguir s passs de alguém que está um puc adiante, e que tem a vntade de ajudar aqueles que estã um puc atrás. Assim se frma uma crrente de pessas que se precupam e cuidam uma das utras. Era exatamente iss que Jesus tinha em mente quand ru: 7

8 Eu mstrei quem tu és para aqueles que tiraste d mund e me deste. Eles eram teus, e tu s deste para mim. Eles têm bedecid à tua mensagem e agra sabem que tud que me tens dad vem de ti. Pis eu lhes entreguei a mensagem que tu me deste, e eles a receberam, e ficaram sabend que é verdade que eu vim de ti, e creram que tu me enviaste. Eu peç em favr deles. Nã peç em favr d mund, mas pr aqueles que me deste, pis sã teus. Tud que é meu é teu, e tud que é teu é meu; e a minha natureza divina se revela pr mei daqueles que me deste. Agra estu ind para pert de ti. Eles cntinuam n mund, mas eu nã estu mais n mund. Pai sant, pel pder d teu nme, nme que me deste, guarda-s para que sejam um, assim cm tu e eu sms um. Quand estava cm eles n mund, eu s guardava pel pder d teu nme, mesm nme que me deste. Tmei cnta deles; e nenhum se perdeu... Jã a ALGUNS ITENS NECESSÁRIOS AO LÍDER EM SUA AUTO-AVALIAÇÃO: COMPROMISSO COM O MINISTÉRIO: Fidelidade a Deus e a Liderança. Cnheciment ds princípis da COMBC. Servir pr amr a Crist, nã para ganhar atençã pessal... Freqüentadr da Escla Bíblica Dminical (Quem ensina precisa aprender) Estar dispst a participar de uma reuniã QUINZENAL cm a Liderança. HABILIDADES ESPIRITUAIS: Estar familiarizad cm s dns e abert a recebê-ls; Ser sensível à vz e a agir de Deus. Ter hábits de raçã e cnsagraçã HABILIDADES DE RELACIONAMENTO: Desenvlver dns para dinâmica de grup. Desenvlver capacidade para resluçã de cnflits. Fazer cntat cm s membrs regularmente. (apascentar - Tel, etc) HABILIDADES PARA SE ORGANIZAR: Disciplina e cumpriment de hráris Preparaçã física d lcal (leitura d Material). Saber delegar tarefas as membrs d grup. Ter sabedria para ajudar n desenvlviment de um auxiliar em ptencial. HABILIDADES DE ACONSELHAMENTO: Saber quand encaminhar a pessa a utr cnselheir. Ser capaz de uvir cm sabedria. (tardi para falar) Tg 1:19 Nã dar sermã u brnca quand alguém cmpartilhar alg íntim. CONHECIMENTO: Ser cnhecedr das escrituras Cnhecer e experimentar sinais e maravilhas e Estar preparad para a batalha espiritual. DEVE AINDA: Ser cumpridr de hrári nas celebrações, grups e demais reuniões Ter amr pela raçã, jejum, leitura da Palavra e bns livrs Ser uma pessa de planejament e metas Acertar as pendências financeiras Nã permitir negócis dentr ds encntrs espirituais Ter um craçã geners melhr é dar d que receber -Tm 6:18 Gvernar bem a própria casa Tm 5:8 Nã permitir pecads n mei nde estiver Reunir uma vez pr semana cm seu líder 8

9 6. ESTÁGIOS DA REUNIÃO DO GRUPO FAMILIAR Estes grups crrem em lares, escritóris, fábricas, esclas, estacinaments, praças públicas, praças de alimentaçã de shppings, restaurantes, e até mesm nas dependências da igreja. É imprtante que seja um lcal fix, cm hrári previamente cmbinad. A estrutura deste grup é basicamente: Um líder, um trainee (líder em treinament), membrs d crp lcal, hspedeir/anfitriã e cnvidads d Grup. Nã deve ultrapassar 15 pessas para facilitar diálg entre tds. Havend aument desse númer grup pderá se multiplicar. É precis mtivar a igreja e permitir que s Grups se rganizem espntaneamente pr afinidades É recmendável que Grup tenha um pequen cadern de antações, e que líder incentive cada cmpnente que indique pel mens três nmes de pessas d seu círcul pessal de amizade que deseja atrair para as reuniões d Grup, cm fim de ganhá-ls para Crist. A partir da primeira reuniã, passa-se a rar diariamente pr estas vidas, clamand a Senhr pela cnversã dessas almas, pedind a Senhr que prepare s seus crações de tal frma que, quand frem cnvidadas, elas sintam desej de cmparecer às reuniões. O Grup deverá também cmbinar um u dis dias pr semana para jejuar pela libertaçã dessas almas. 1º ESTÁGIO DA INFORMALIDADE... (ENCONTRO) Durante esse estági pdem ser servids refrescs, refrigerantes, assim que, enquant as pessas vã chegand, entram num ambiente infrmal e nada intimidadr. Quand as pessas estã relaxadas e estã sentadas, líder faz algumas perguntas. Iss da prtunidade para cada um falar. As perguntas de apresentaçã: As perguntas de apresentaçã têm sid usadas cm um quebra-gel pr centenas de pessas para se cnhecerem. Pdems usá-las quand um nv grup é frmad. Elas pdem ser usadas cm cada nva pessa que visite grup. Tda a sua família reside aqui n Estad? Quand vcê se despertu para realidade de Deus? Quais mtivs lhe trazem a esse lugar? O grup nã deve se furtar a acnselhar e até ajudar pessas d grup, desde que ist nã se trne um mviment assistencialista, prtunizand a chegada de lbs aprveitadres. OBS.: O temp frmal da reuniã nã deve ultrapassar 90 minuts. Iss nã impede que após as rações finais grup permaneça em cmunhã. PRINCIPAIS VANTAGENS DO GRUPO FAMILIAR 1. Favrecem estud da Bíblia; 2. Sã um mei de envlviment e cmunhã para a mair parte das pessas; 3. Atraem pessas que repelem as igrejas; 4. Atraem e agradam pessas de tdas as idades; 5. Atingem pessas de tdas as camadas scias; 9

10 6. Sã ambientes mais terapêutics para as pessas feridas; 7. Permitem a expressã d verdadeir amr; 8. Cnduzem à prática cristã, a invés de ensinaments teórics; 9. Prmvem a cnslidaçã d evangelh n craçã d nv-cnvertid; 10. Levam nv crente a firmar um cmprmiss séri cm Crist; 11. Encrajam a raçã mútua, e de md mais pessal; 12. Facilitam trabalh de açã scial da Igreja; 13. Permitem que mais líderes nasçam e se desenvlvam; 14. Prpiciam um cresciment qualitativ ds membrs da Igreja lcal; 7. ETAPAS DE CRESCIMENTO DE UM GRUPO FAMILIAR Durante a vida d grup, ele irá passar pr quatr etapas de cresciment. Esteja atent para elas para que vcê pssa ministrar cm eficácia. O grup tem uma vida limitada. Alguns ans de experiência demnstram que pdem estagnar após um cert períd. Inicialmente as pessas nã querem ficar juntas. Mas depis diss, tendem a ficar juntas pr muit temp. Send assim, cm passar d temp, tds d grup irã beneficiar-se pela multiplicaçã e desenvlviment de nvs relacinaments. Clque a multiplicaçã sadia e natural, cm um ds bjetivs d grup. Trabalhe para que mment d nasciment de um nv grup acnteça. Paralelamente a iss, esteja rand para que Deus levante e capacite um auxiliar para se trnar um nv líder. Nssa cmunidade tem um exempl real de multiplicaçã. Quand em 2003 cmeçams s trabalhs na CmBC, smente Pr. Pedr era "grup" de Luvr... Cm a vinda de nvs irmãs, s grups fram se frtalecend e se multiplicand. Hje tems mais de 6 grups de levitas rganizads e sadis. O mesm tem acntecid cm a dança, cm teatr etc. O Apstl Paul, geru um grande discípul, que mais tarde ajudaria em sua tafefa de apascentar rebanh de Crist. Paul sabia que Timóte precisava da palavra de Deus para fazer trabalh de evangelista. Ele nã rdenava que Timóte se apiasse na sua "experiência", e nem que ele estudasse telgia para aprender pregar. Em vez diss Paul mandu: "tem cuidad de ti mesm e da dutrina...prque, fazend assim, salvarás tant a ti mesm cm as teus uvintes" (1Timóte 4:16) CONHECENDO O OUTRO: FASE DO TERMÔMETRO As primeiras impressões que tems de pessas sã baseadas, freqüentemente em relacinaments d passad. Talvez alguém lhe diga: Vcê nã é bem cm eu pensava que fsse na primeira vez que vi! Essa é uma reaçã cmum. Talvez sejam necessáris dis u mais encntrs, até que s membrs superem as suas falsas impressões uns ds utrs. O prcess de se cnhecer pde ser acelerad pela realizaçã de um encntr infrmal. Ex: um almç entre s membrs d grup OS CONFLITOS (TRANSIÇÃO) Quand as pessas finalmente cmeçam a se entender mutuamente, s sistemas de valres passam a entrar em chque. Cm exempl pdems citar uma pessa que fala demais e faz cm que grup fique chatead pr causa desse dmíni indesejad. Lembr-me de uma irmã que frequentava um de nsss Grups e falava sem parar. Chamei-a n final de uma reuniã e cnversei em particular. Percebi que vivia num lar pressr, e que s únics mments que tinha para se expressar eram, justamente, ns encntrs d Grup ATOS. Disse a ela que suas experiências muit ns abençavam, mas que utrs 10

11 irmãs também gstariam de se expressar. Ela entendeu e mais tarde se trnu uma líder de grup. Após quatr u cinc encntrs, s cnflits vêm à tna na discussã d grup. Vai crrer entã efeit lixa. Nesse estági as pessas vã cmeçar a cnfiar umas nas utras suficiente para tlerar as suas diferenças e trabalhar cm elas. É precis cmpartilhar cm grup, que s cnflits sã naturais e fazem parte de um cresciment a ser alcançad pr tds. Lidere prtunizand as participantes cmpartilharem sentiments prfunds. Enquant vcê trabalha s cnflits, a identidade d grup será estabelecida, e um nv cmprmiss para cm grup irá surgir ETAPA DA COMUNIDADE (AÇÃO) Nesse estági s membrs d grup irã a encntr uns ds utrs de uma frma bastante especial. N entant, precisams salientar que nã é smente um períd de enriqueciment; é também um períd perigs! A partir d mment que s membrs estabelecem relacinaments significativs, pdem querer se enclausurar, para nã serem perturbads. Cas iss venha a acntecer grup vai se trnar um mnstr fei e egísta. Lg que líder perceber que s laçs entre s membrs estã muit frtes, lidere grup para alcançar utrs e fcalizar em atividades de multiplicaçã MINISTRAR AOS OUTROS (MINISTÉRIO) Desde s primeirs encntrs d grup será necessária uma ministraçã específica quant as bjetivs que se pretendem alcançar. Em primeir plan a edificaçã própria é primrdial, mas cm decrrer d temp deverá dar lugar a ministraçã as incréduls, que serã a renvaçã e mais tarde a multiplicaçã d grup. Se grup perde desej de evangelizar, ganhar almas, naturalmente tende a se trnar inócu e desmtivad, levand a estagnaçã e a mrte d grup. A grande mla prpulsra de um grup familiar é a renvaçã e u chegada de nvs membrs cm nvas necessidades, gerand nvs desafis para s cmpnentes. 8. PROBLEMAS COMUNS NA LIDERANÇA O líder nã pde estar incente quant às questões de cnflits pelas quais pderá passar. Alguns tips de resistências sã mais cmuns e mtiv prque as destacams é prque desejams que vcê seja um breir preparad e aprvad. 2 Tm 2:15 Os ataques na mente Se a mente é um camp de batalhas e sabems que é, a nssa psiçã é de lutar bravamente pela nssa vitória. Infelizmente, muits líderes aceitam passivamente s bmbardeis d inimig, lançand dards inflamads de acusaçã que prduzem desânim e dúvida AS PERGUNTAS DENOTAM O GRAU DE CONTAMINAÇÃO MENTAL: Será que fui mesm chamad para ser um líder? Será que a Meu grup familiar vai crescer? Será que já estu prnt para liderar? Será que su a pessa certa para estar à frente deste grup? Será que estu prnt para discipular alguém? 11

12 O será na mente d líder é um geradr de desânim e de incredulidade e faz de cada líder uma vitima ds seus maires meds. A verdade é que prpósit d diab a lançar dúvidas é influenciar s líderes para que desistam. Ele quer derrubá-ls, afastá-ls da liderança e d chamad de Deus. Se vcê passa pr quaisquer desses cnflits em sua mente, rejeite-s agra mesm, n nme de Jesus! Saiba que quem estabeleceu cm líder fi Senhr, que é também pders para livrá-l das prvações. 2 Cr 3:5,6. Se vcê lidera u ainda nã cmeçu a liderar -, e ainda tem dúvidas quant a chamad d Senhr para vcê, re para que Deus lhe mstre. Ele pderá lhe mstrar pessalmente, ainda que eu creia que Ele já tem lhe mstrad e vcê nã tenha vist. Prtant, creia: vcê fi chamad e é a pessa certa para encarg! Ser um ministr. Eu também fui atacad pel inimig quand d iníci ds trabalhs na CmBC. Tinha apenas 5 ans de cnvertid e me achava incapaz para liderar um grup de 3 famílias cristãs. Mas Senhr agiu de frma surpreendente, e mesm cntrariand alguns, a CmBC cresceu e se frtaleceu em Crist... Glórias a Deus! 8.2. NÃO ACEITE ACUSAÇÕES SUTIS DO TIPO: Vcê nã tem unçã! Vcê nã cnsegue dar fruts que permaneçam Vcê nã cnsegue levar visitante! As pessas nã te aceitam cm líder! E utras d gêner. A Bíblia ns prmete que acusadr vai ser expuls naquele Dia (Ap 12.10); mas hje devems ferecer a ele resistência implacável, prque nenhuma acusaçã pde prevalecer cntra nós, desde que Jesus ns livru de tda cndenaçã (Rm 8.1). E é através de nós mesms que Ele cnquistará nssa geraçã! 8.3. A ANSIEDADE POR CAUSA DA MULTIPLICAÇÃO A Palavra de Deus ns diz para nã andarms ansiss pr cisa alguma, e iss inclui a multiplicaçã d Grups ATOS. Devems trabalhar cnfiantes, n descans e na dependência d Espírit de Deus, afinal fc NÃO é a multiplicaçã, iss deve uma sadia cnsequência. Clar que iss nã significa cruzar s braçs e ficar à espera ds resultads, prque tems muit trabalh a ser feit. Mas significa que precisams primeir rar, jejuar, ser sensíveis à vz de Deus n nss espírit e fazer que ns fi determinad sem precupações. Ele Senhr vai acrescentar vida às sementes que plantams e vams clher que Ele ns der. At 2: AS DIFICULDADES FINANCEIRAS Nã sã pucs s líderes que abandnam a sua liderança, mtivads pr alguma crise financeira. Prblemas financeirs parecem gigantes e serã de fat, se derms a eles crédit mair que chamad de Deus para nós. Devems cmbater as investidas d diab nessa área, cnfessand a Palavra de Deus e aplicand a mesma em nssas vidas. Lideres nã pdem ter uma vida financeira desequilibrada, pis devem gvernar bem sua casa e, iss inclui suas finanças. Pr iss um planejament financeir ajuda a vigiar esta área tã difícil ns dias de hje. Leia nss Livr "Finanças: Uma visã cristã de prsperidade", tenh certeza que vai lhe ajudar nessa área. O segred para rmperms as resistências na área financeira é investirms em almas. Se vcê se precupar em ganhar vidas para Senhr, experimentará milagre de Deus em suas finanças! 12

13 O Dízim é um at regular através d qual crente fiel põe à parte dez pôr cent de suas rendas, e ferece a Senhr cm recnheciment pelas bençãs recebidas. Dar dízim nã é uma atitude que se tma cm uma impsiçã. Entretant quand deixams de bservar essa prática bíblica, estams ruband a Deus: Rubará hmem a Deus? Tdavia, vós me rubais, e dizeis: em que te rubams? Ns dízims e nas fertas alçadas (Mal 3:8). Vale a pena ser fiel n dizim, prque nã smente estarems cumprind a palavra de Deus, cm send abençads, tant material cm espiritualmente (Ma l 3:10). Princípi espiritual inquestinável (I Cr 9:1-2, 10, 11, 13); Princípi natural: quem planta clhe. (I Cr 9:3 e 10); Uma rdem d Senhr Jesus. (I Cr 9:14) Hnra, gratidã, recnheciment e dever. (Gl 6:6; Rm 15:27) Salári, pagaments e despesas. (1Tm 5:17-18; Mt 10:10; Lc 10:7) 8.5. O MEDO DO FRACASSO Infelizmente, muits líderes têm vivid cm reféns d med. Med de nã serem bemsucedids cm líderes de Grups Familiares, med de nã cnseguirem crescer e se multiplicar, med de serem expsts quand nã suberem as respstas para tdas as perguntas, med de rarem pr enferms e a cura nã se manifestar, etc. Med é uma palavra que nã pde existir principalmente na vida d líder. Mair é aquele que habita em nós e a Sua Palavra é clara: devems ser frtes e crajss! (Js 1.9). Se Ele ns enviu, Ele cuidará das resistências! Se vcê já fracassu, iss nã imprta agra. Levante a cabeça e cmece de nv. Prssiga. Líderes bem-sucedids e realizads n ministéri nã sã s que nunca fracassaram, mas sim, s que usaram fracass cm uma pnte, e que encntraram d utr lad à vitória s esperand de braçs aberts A VIDA DE CRUZ / TESTEMUNHO Também agra nss exempl de vida é Senhr Jesus. Viver n princípi da cruz diz respeit a lançarms fra eg, abrirms mã da nssa vntade e prazeres em prl d Rein e d nss próxim. Filipenses 2:4 "Que ninguém prcure smente s seus própris interesses, mas também s ds utrs. Tenham entre vcês mesm md de pensar que Crist Jesus tinha: Ele tinha a natureza de Deus, mas nã tentu ficar igual a Deus. Pel cntrári, ele abriu mã de tud que era seu e tmu a natureza de serv, trnand-se assim igual as seres humans. E, vivend a vida cmum de um ser human, ele fi humilde e bedeceu a Deus até a mrte mrte de cruz." Para mund, vida de cruz significa derrta, próbri, humilhaçã. Para nós significa unçã, pder e autridade de Deus que, smad, se traduz em abundante vitória. Jesus fi bem-sucedid em Seu curt ministéri, prque sempre esclheu a vntade d Pai. Líderes que vivem sufcads e em cnflits cnstantes ainda nã entenderam que princípi da vitória é abrir mã da própria vntade para realizar a de Deus. O apóstl Paul pde ser um grande mtivadr para nós, prque passu pr lutas, desafis, bstáculs, prblemas e cnflits ds mais diverss (2C ; Fl ), mas venceu cada um deles pr seu estil de vida e cnfiança inabalável n Deus que tem prpósit para tud que faz. Ele fi um grande líder, fez imprtantes discípuls e teve um ministéri bem-sucedid, apesar de tud. Tme a decisã de ser um líder cnfiante, destemid e usad. De nã lhar para as circunstâncias, de nã viver pr vista. Viva pr fé e enfatize pder de Deus nã as 13

14 dificuldades. Seja bstinad pel prpósit de Deus e dê a vida pr Ele! Nã há vitória sem luta. Deus esclheu vcê para esta hra e s membrs d seu grup cntam cm vcê. Talvez vcê pense que nã fi chamad a liderar um grup. Tud bem, talvez seu chamad seja para hspedar um grup. E sua casa se trne, uma casa de paz! Lucas 10:5 "A entrardes numa casa, dizei antes de tud: Paz seja nesta casa! 6 Se huver ali um filh da paz, repusará sbre ele a vssa paz..." Ou quem sabe, Deus queira que vcê esteja junt a utrs facilitadres, intercedend e abençand utras vidas. Tds sã chamads a participarem, send cm facilitadres, hspedeirs/anfitriões u participantes. Adquira seu Banner d Grup ATOS e cmece agra mesm a servir a Deus cm Alegria Deus abençe ricamente. Pr. Pedr Nia 14

15 COMUNIDADE BATISTA CRISTÃ FICHA PARA CONTROLE DE FREQUÊNCIA GRUPO : DIA/Encntrs: HORÁRIO: LOCAL: TEL: LIDER: AUX: Nº V/M NOME DO PARTICIPANTE / / FaceBk / Telefne Data Data Data Data Data Data Data Data Legenda: V/M (Visitante u Membr da CmBC)

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34 The Glbal Leadership Summit Ntas d Facilitadr Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duraçã 62:34 Resum da Sessã Lições de liderança e estratégias que geram resultads tangíveis em nssas

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Por onde começamos a crescer, a expandir?

Por onde começamos a crescer, a expandir? EXPANSÃO e CRESCIMENTO Parte 1 1 Pr nde cmeçams a crescer, a expandir? O prdut final d nss cresciment deve ser a Expansã d Rein de Deus. Ist significa realizar as bras de Crist, prclamar a salvaçã e libertaçã

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

QUATRO + PARA + DE DEUS Pr. Leandro Caiado 2012

QUATRO + PARA + DE DEUS Pr. Leandro Caiado 2012 QUATRO + PARA + DE DEUS Pr. Leandr Caiad 2012 1- + Priridade Busquem, pis, em primeir lugar Rein de Deus e a sua justiça, e tdas essas cisas lhes serã acrescentadas (Mateus 6.33). - Nã há prmessa mais

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Segunda Carta aos Pentecostalenses

Segunda Carta aos Pentecostalenses Segunda Carta as Pentecstalenses Sbre Pentecstes, Pentecstalism e s Pentecstalenses Que Espírit de Deus permeie tda a Igreja Pder e Unçã! E que s irmãs e irmãs em Crist recebam cnteúd desta epístla cm

Leia mais

Bill Bright 7 Passos Básicos para Jejuar e Orar com Sucesso COMO COMEÇAR 0 SEU JEJUM

Bill Bright 7 Passos Básicos para Jejuar e Orar com Sucesso COMO COMEÇAR 0 SEU JEJUM Bill Bright 7 Passs Básics para Jejuar e Orar cm Sucess COMO COMEÇAR 0 SEU JEJUM Cm iniciar e cnduzir seu jejum determinará em grande parte seu sucess. Seguind estes passs básics para jejum, vcê fará de

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

TREINAMENTO. www.combc.net

TREINAMENTO. www.combc.net re TREINAMENTO GRUPOS FAMILIARES Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com

Leia mais

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos Cinc Passs para Prteger Nssas Crianças 1º Pass: Infrme-se sbre s Fats 2º Pass: Reduza Oprtunidades 3º Pass: Cnverse sbre Assunt 4º Pass: Recnheça s Sinais 5º Pass: Reaja de Frma Respnsável Cinc Passs para

Leia mais

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo A Aventura da Cnsciência Satprem 1 Sri Aurbind u a Aventura da Cnsciência Satprem 1- Um Ocidental Talents Reintegrar Espírit n Hmem e na Matéria: "Os céus além sã grandes e maravilhss, mas maires e ainda

Leia mais

Jornal dos alunos do Externato Passos Manuel

Jornal dos alunos do Externato Passos Manuel Jrnal ds aluns d Externat Passs Manuel An XXXI * Númer 85 * Julh 2014 3º Trimestre * 1,50 Nesta ediçã: Atividades Dia Mundial d Livr 25 de Abril Dia da Mãe Dia Internacinal das Famílias Festa Uma incrível

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL

DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL Disciplina Empreendedrism Prfessr(a) Sônia Maria de Barrs Lureir Módul II 2009.1 - Empreendedrism Prfessr(a): Sônia Maria de Barrs Lureir Disciplina: Empreendedrism Carga Hrária:

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal?

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal? 1) A faculdade mediúnica é indíci de algum estad patlógic u simplesmente anrmal? - As vezes anrmal, mas nã patlógic. Há médiuns de saúde vigrsa. Os dentes sã pr utrs mtivs. 2) O exercíci da faculdade mediúnica

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Não lembra? Então, responda: Qual foi o discípulo que negou Jesus 3 vezes? A resposta dessa é fácil, certo? Foi Pedro.

Não lembra? Então, responda: Qual foi o discípulo que negou Jesus 3 vezes? A resposta dessa é fácil, certo? Foi Pedro. Vams cmeçar cm uma pergunta: Qual fi discípul que se levantu perante Sinédri para testemunhar sbre Jesus? Pense quant temp fr necessári para respnder. Nã lembra? Entã, respnda: Qual fi discípul que negu

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 5 IBMC 03/11/12 INTRODUÇÃO Vídeo: Como ter a

Leia mais

O cristianismo que vivemos

O cristianismo que vivemos O cristianismo que vivemos TEXTO BÍBLICO BÁSICO Lucas 12.16-21,0-2 16 - E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 - E arrazoava ele entre si, dizendo:

Leia mais

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES:

1ª reunião do GD de TIC 03/03/2016 Cenpec. Registro da reunião INFORMES: 1ª reuniã d GD de TIC 03/03/2016 Cenpec Registr da reuniã INFORMES: Bett Brasil Educar 2016 (mai) já tems a prgramaçã, é pssível que Cenpec ganhe alguns cnvites; será imprtante terms representantes d GD

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Programa de 4 semanas DIETA DETOX. Live Love Raw

Programa de 4 semanas DIETA DETOX. Live Love Raw Prgrama de 4 semanas DIETA DETOX Live Lve Raw DESINTOXICAR! 4 semanas para limpar rganism das txinas acumuladas Smthies cremss e super sabrss EXPERIMENTAR! Uma frma delicisa de experimentar alguns ds benefícis

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH IV PALESTRA MOTIVACIONAL Prf. Felipe Lima Data: 23.05.2010 lfg@sugenius.cm.br MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MEMORIZAÇÃO NUMÉRICA Tabela de cnversã 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S L D T F Z R V X CH G J M N B P K

Leia mais

O QUE É PA-KUA? PA-KUA É UM CONHECIMENTO ORIENTAL, COM APROXIMADAMENTE 5.000 ANOS DE

O QUE É PA-KUA? PA-KUA É UM CONHECIMENTO ORIENTAL, COM APROXIMADAMENTE 5.000 ANOS DE QUE É? É UM CNHECIMENT RIENTAL, CM APRXIMADAMENTE 5.000 ANS EXISTÊNCIA, QUE FI SENVLVID PARA SER APLICAD EM TDS S ASPECTS DA VIDA. SIGNIFICAD DA PALAVRA É : MANUAL BAS VINDAS ESCLA BRASÍLIA/DF LIGA INTERNACINAL

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments)

Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments) Capítulo Vinte e Três (Chapter Twenty-Three) Os Sacramentos (The Sacraments) Jesus só deu à Igreja dois sacramentos: batismo nas águas (veja Mt. 28:19) e a Santa Ceia (veja 1 Co. 11:23-26). Estudaremos

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A3 Análise Temp de

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Flávia Cristina Gonçalves de Aquino Graciella Calsolari Figueiredo RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE: UMA AMIZADE?

Flávia Cristina Gonçalves de Aquino Graciella Calsolari Figueiredo RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE: UMA AMIZADE? Flávia Cristina Gnçalves de Aquin Graciella Calslari Figueired RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE: UMA AMIZADE? Sã Paul 2014 1 Flávia Cristina Gnçalves de Aquin Graciella Calslari Figueired RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE:

Leia mais

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 Bletim da Vila Nca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 DIA 9, PALESTRA SOBRE SEGURANÇA Dia 9 de dezembr de 2008 às 20:00 hras, na Creche Barnesa de Limeira, R Antôni de Gebara, 75, Cap

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Pr. Zaquel Medeiros. A um passo do INFERNO Pr. Zaquel Medeiros

Pr. Zaquel Medeiros. A um passo do INFERNO Pr. Zaquel Medeiros A um pass d INFERNO Pr. Zaquel Medeirs Ediçã especial para distribuiçã gratuita pela Internet através d site Letras Santas. O Letras Santas gstaria de receber suas críticas e sugestões. Sua piniã é muit

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum Da Declaraçã à Açã ds Váris Interessads Direts Primeira reuniã d fórum Centr de Cnvenções Brasil 21 Brasília, DF, 8 e 9 de mai de 2012 AGENDA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Sugestões para Voluntários de Leitura. Brochura de apoio

Sugestões para Voluntários de Leitura. Brochura de apoio Sugestões para Vluntáris de Leitura Brchura de api 1 Vluntáris de leitura Os vluntáris de leitura sã pessas que se dispõem a prmver prazer de ler entre as crianças dand genersamente algum d seu temp, lend

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Dads sbre investiment da FAPESP revelam articulaçã entre geraçã d cnheciment e sua aplicaçã A ESP investiu, n an 2000, R$ 550,7 milhões fment à atividade científica e

Leia mais

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira Prjet O Índi e suas influências na cultura brasileira 6 a 9 ANO 2014 ESCOLA ESTADUAL TUBAL VILELA DA SILVA PROFESSORA: GEANE F. BALIEIRO ENSINO RELIGIOSO. Escla Estadual Tubal Vilela da Silva Prfessra

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

REVENDO A VISÃO E A NOSSA ESTRUTURA

REVENDO A VISÃO E A NOSSA ESTRUTURA AS CINCO FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CÉLULA REVENDO A VISÃO E A NOSSA ESTRUTURA A célula tem muitas funções na igreja local, mas queremos ver o que na nossa opinião seriam as funções mais essenciais e indispensáveis.

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Introdução Almejamos uma nova compreensão da espiritualidade, que nos impulsione a realizar o projeto integral de Deus, expressando assim genuína adoração (Jo 4.23-24).

Leia mais

SUA SEGURANÇA COM DEUS

SUA SEGURANÇA COM DEUS SUA SEGURANÇA COM DEUS Deus deseja que você tenha convicções em sua vida espiritual. Seu pai celestial não quer que você viva com dúvidas e inseguranças acerca de sua condição espiritual e relacionamento

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais