Empresas não conseguem cumprir exigências de responsabilidade ambiental SEGUROS DOSSIER MENSAL SOBRE O MERCADO SEGURADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas não conseguem cumprir exigências de responsabilidade ambiental SEGUROS DOSSIER MENSAL SOBRE O MERCADO SEGURADOR"

Transcrição

1 SEGUROS DOSSIER MENSAL SOBRE O MERCADO SEGURADOR VidaEconómica ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1332, de 5 fevereiro de 2010, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Empresas não conseguem cumprir exigências de responsabilidade ambiental cinco seguradoras detêm metade dos automóvel Caixa Seguros reforça projecto de Assurfinance ISP fiscaliza sítios de corretores na Internet

2 II Resultados provisórios da produção confirmam tendência Cinco companhias concentram metade dos automóvel A concentração no mercado segurador continua a evidenciar-se e em quase todos os ramos metade da produção do mercado está concentrada em apenas cinco companhias. Apesar disso, as cinco líderes de mercado viram a sua produção cair em Fidelidade Mundial, Tranquilidade e Império Bonança sofreram no ano passado quebras de produção superiores a 10%, mas continuam a assegurar presença na lista das cinco detentoras com maior quota de mercado no ramo automóvel. A estas três juntam-se a AXA, que também caiu 6,3%, e a Zurich, com uma quebra mais ligeira, de 2,1%. De acordo com os dados provisórios divulgados pelo Instituto de Seguros de Portugal, as cinco companhias concentram 55,4% do mercado de seguro automóvel, mas foi a Império Bonança quem viu o seu posicionamento mais abalado neste ranking, tendo sido ultrapassada pela AXA e pela Zurich. A Império Bonança ocupa agora a quarta posição no mercado de seguro automóvel português, com a Fidelidade Mundial, do mesmo grupo segurador, a manter-se na liderança. Juntas, as duas operadoras do grupo CGD concentram 26,9% da quota de mercado no seguro automóvel. A Lusitania, por ter somado este ano a sua produção à da Real, cuja carteira entretanto adquiriu, é uma das poucas seguradoras tradicionais a registar uma subida na sua produção. À Lusitania juntam-se apenas a Açoreana, a Ocidental, a Victoria, a Chartis Europe e a Groupama nas variações positivas. No total, a produção de seguro automóvel caiu 7,5%, tendo passado de euros em 2008 para os euros em Juntas, as 24 operadoras do ramo viram a sua produção de automóvel decrescer em 138 milhões de euros no ano passado. O cenário é agravado porque já em 2008 a produção do seguro automóvel havia caído em mais de 134 milhões de euros. Com a quebra de mais 138 milhões em 2009, o mercado de seguro automóvel perde 272,5 milhões de euros de produção em apenas dois anos. Na origem deste fenómeno está a tendência de descida do preço médio no seguro automóvel, que já tem vindo a ser registada há vários anos e que tem contribuído para degradação dos resultados das seguradoras neste ramo em particular. Em contraciclo continuam as operadoras de venda directa, cuja produção subiu em euros em Neste negócio, a subida de 177,3% na produção da Logo valeu-lhe a ultrapassagem da N Seguros, que, ainda assim, também viu a sua produção crescer no ano passado. A Via Directa, que opera sob a marca OK! Tele, mantém a liderança neste segmento. Concentração generalizada Mas não é só no seguro automóvel que o mercado português apresenta elevados níveis de concentração. É, aliás, no seguro de saúde que 56,4% do mercado está actualmente dominado por apenas três operadores: Fidelidade Mundial, Ocidental e Império Bonança. Já no ramo de Incêndio, metade do mercado é também detido por cinco companhias, com as duas marcas do grupo CGD a liderar o ranking, a que se juntam Tranquilidade, Allianz e AXA. Em Acidentes de Trabalho, ramo em que as seguradoras têm enfrentado também o fenómeno da degradação do prémio médio, Fidelidade, a Mundial, AXA, Império Bonança, Zurich e Lusitania concentram agora 55,9% do mercado. No Ramo Não Vida, em geral, a concentração ocorre de igual forma, com metade do mercado detido por cinco companhias, à semelhança do que já Seguro Automóvel: Quotas de mercado 2009 Companhias Quota de mercado Fidelidade Mundial 16,8% AXA 10,6% Zurich 10,4% Império Bonança 10,1% Tranquilidade 7,5% Fonte: ISP Seguro Automóvel: Produção Ano Produção Anual (em euros) * * Produção provisória Fonte: ISP acontecia no ano anterior. A Fidelidade e a Império Bonança somam, juntas, 27,2% da quota de mercado. A AXA mantém a terceira posição, com uma quota de 8,4%, e Tranquilidade e Zurich detêm quotas iguais, de 7,4%. A outra metade do mercado é disputada por 47 companhias de. ANA SANTOS GOMES Liberty oferece seguro de vida a Bebés do Ano Pedro Calixto e Rodrigo Dias, os primeiros bebés a nascer em 2010, precisamente às zero horas, receberam da Liberty Seguros um seguro de vida valido por 21 anos, com capital de 50 mil euros. Este é já o sexto ano consecutivo em que a seguradora presenteia os primeiros bebés do ano com este seguro de vida. Desde 2005 já foram oferecidos nove de vida, procurando a Liberty com esta iniciativa aumentar a protecção e segurança das famílias abrangidas, uma vez que as apólices garantem ao bebé o capital de 50 mil euros em caso de falecimento de um dos progenitores. Se à data da morte do progenitor a criança for ainda menor de idade, o valor do capital será entregue ao cônjuge sobrevivo. Victoria Seguros tem novo director comercial A Victoria Seguros contratou José Filipe Coelho para assumir a sua Direcção Comercial. Aos 43 anos, José Filipe Coelho ficará responsável pela gestão da rede de agentes da companhia em todo o país, contando com a experiência acumulada ao longo de 20 anos na área comercial. Licenciado em Gestão pela Universidade Autónoma de Lisboa, José Filipe Coelho frequentou o Programa de Gestão e Marketing para Executivos da Universidade Católica Portuguesa e no seu currículo profissional constam 10 anos na Allianz Portugal. Antes de ingressar na Victoria, José Filipe Coelho era partner da Prudens Broker.

3 III Autoridade competente já começou a pedir provas da garantia financeira Empresas não conseguem cumprir responsabilidade ambiental Um mês após a entrada em vigor da obrigatoriedade de constituir garantia financeira para responsabilidade ambiental, muitas empresas ainda não conseguiram cumprir a lei e foram já detectadas pela entidade fiscalizadora. A oferta no mercado segurador é escassa, mas vários operadores preparam-se para lançar novos produtos até ao final do primeiro semestre. Até lá, as empresas descobertas arriscam penalizações pesadas e procuram desesperadamente um seguro urgente. Foi no modelo espanhol de transposição da directiva comunitária que Portugal se inspirou para decretar a obrigatoriedade de constituir garantia financeira. Em Espanha, a legislação que transpôs a directiva comunitária foi publicada a 23 de Outubro de 2007, tendo entrado em vigor no dia seguinte, com efeito retroactivo para os danos causados desde 30 de Abril daquele ano. No entanto, a obrigatoriedade de as empresas constituírem garantia financeira que acautele a sua eventual responsabilidade ambiental só entrará em vigor a 30 de Abril de 2010, quatro meses depois de ter ocorrido em Portugal. Mas as diferenças vão muito mais além desta diferença de datas de O que diz a lei O Decreto-Lei N.º 147/2008, de 29 de Julho, prevê no artigo 22º que as empresas identificadas em anexo como potencialmente poluentes sejam obrigadas a constituir uma ou mais garantias financeiras próprias e autónomas, alternativas ou complementares entre si, que lhes permitam assumir a responsabilidade ambiental inerente à actividade por si desenvolvida. A lei prevê que as garantias possam ser constituídas através de apólices de seguro, garantias bancárias, participações em fundos ambientais ou criação de fundos próprios para este fim. Muitas empresas que nos têm contactado sentem-se perdidas, relata Ana Cristina Borges, consultora de riscos da MDS. Pedem-nos de responsabilidade ambiental para amanhã, o que é impossível. A avaliação do risco ambiental de uma empresa demora algum tempo e grande parte das empresas estava longe de estar preparada para estas novas exigências, constata a responsável da MDS. Ana Cristina Borges tem a caixa de cheia de pedidos de cotação e o telefone não pára de tocar. Desde cedo a MDS foi uma das empresas mais dinâmicas na divulgação e interpretação das obrigatoriedades legais que o Decreto-Lei 147/2008 impunha para 1 de Janeiro de 2010, mas só no final de 2009 tal evangelização se converteu em procura efectiva. Agora, com a obrigatoriedade já em vigor, é um corrupio constante nas instalações da consultora. Sem que tenha sido publicada qualquer regulamentação que especifique as características obrigatórias do seguro de responsabilidade ambiental ou de qualquer outra garantia financeira para o mesmo fim, muitas empresas terão entrado em 2010 descobertas nesta matéria. Não contavam, no entanto, que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), entidade competente para fiscalização nesta área, as notificasse logo nos primeiros dias de Janeiro para pedir prova da constituição da garantia financeira. Além da cópia da garantia, a APA quer também aceder à fundamentação técnica da escolha do capital subscrito e ao valor do prémio pago pela empresa por esta subscrição. O prazo para entrega dos documentos terminou a 29 de Janeiro. Contactada pela Vida Económica, a APA não revelou, até à hora de fecho desta edição, quantas respostas recebeu, nem que procedimento pretende adoptar em seguida para com as empresas que não atenderam à solicitação da agência. Não sabemos se a APA vai já começar a aplicar coimas ou não, o que podemos confirmar é que ninguém esperava esta brutalidade da agência. O mercado aguardou até ao final de 2009 por uma regulamentação que nunca chegou a existir e a lei entra em vigor assim mesmo, sem critérios orientadores, e de imediato começam a pedir provas do cumprimento das novas exigências. Ninguém entende esta actuação, lamenta Paula Rios, administadora da MDS. O seguro de responsabilidade ambiental é apenas uma das garantias financeiras possíveis para responder às novas exigências legais, mas é precisamente aquela que tem sido mais viável para as empresas porque transfere a responsabilidade para uma seguradora, não obrigando a empresa a dispor do capital que constitui o valor da garantia. Poderá, no entanto, ser complementada posteriormente por outra garantia. Todavia, o seguro de responsabilidade ambiental actualmente em comercialização no mercado também não responde a todas as exigências legais, desde logo porque impõe limites à responsabilidade assumida e também porque exclui danos causados com dolo. Ainda assim, entre não ter qualquer cobertura ou subscrever uma cobertura insuficiente, muitas empresas têm optado pela segunda hipótese. Mercado já mexe À data da entrada em vigor da obrigatoriedade de constituição de garantia financeira, a 1 de Janeiro de 2010, o mercado de de responsabilidade ambiental era dominado por operadores estrangeiros, que aqui colocavam apólices adoptadas do seu portefólio internacional. A Chartis Insurance (ex-aig Europe) concentrava grande parte das apólices subscritas e foi mesmo chamada a regularizar o primeiro sinistro de responsabilidade ambiental ocorrido em Portugal, na sequência do derrame de duas Inspiração espanhola pela metade aplicabilidade dos imperativos legais. Na verdade, a partir de 30 de Abril começarão a ser publicadas em Espanha as ordens ministeriais que fixarão as datas do início da obrigatoriedade para cada sector industrial, prevendo-se que diferentes datas sejam estabelecidas para diferentes sectores. Assim, a obrigatoriedade de constituir garantia financeira começará gradualmente a ser imposta aos diferentes sectores de actividade que a ela estão sujeitos. No que diz respeito a regulamentação, também o país vizinho está muito mais avançado. Contactado pela Vida Económica, José Luís Heras, director do Pool Español de Riesgos Medioambientales entidade criada há 16 anos para administrar um convénio de co-seguro para a subscrição conjunta de riscos do meio ambiente confirma que foi publicado em Dezembro de 2008 um regulamento muito detalhado sobre os vários aspectos relacionados com a avaliação do risco, a reparação do dano e os requisitos para os ou outras garantias financeiras que venham a ser contratadas. Para dar resposta às novas exigências legais em matéria de responsabilidade ambiental, o pool espanhol tem já 16 companhias de a disponibilizar para cobrir este risco e fora da pool há ainda mais quatro companhias multinacionais que também incluem este seguro na sua oferta. José Luís Heras confirma também à Vida Económica que a procura deste seguro por parte das empresas está a aumentar muito significativamente neste último ano e acreditamos que se seguirá um aumento desta procura até à data em que a garantia passa a ser obrigatória. Software de avaliação ambiental apresentado dia 10 Para dar resposta às necessidades das empresas na avaliação dos seus riscos ambientais, que suportarão a definição do capital a segurar, a E-Value, consultora especializada em matérias ambientais, desenvolveu em parceria com a Critical Software o projecto SARAe Sistema para Avaliação da Responsabilidade Ambiental das Empresas. O projecto, que inclui o software Sara Tech, é co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FE- DER) através do Programa Operacional Factores de Competitividade, no âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN). A apresentação do projecto esta agendada para 10 de Fevereiro, em Lisboa. toneladas de fuelóleo na Vala Nova, concelho de Benavente, em Setembro de A Vida Económica contactou, entretanto, os principais operadores do mercado segurador e todos confirmaram que ainda não dispõem, no momento, de qualquer oferta neste âmbito. A AXA Portugal revela, no entanto, a intenção de lançar o seu seguro de responsabilidade ambiental ainda no decurso do primeiro trimestre, enquanto a Allianz Portugal, a Liberty e a Zurich assumem compromisso semelhante a ser cumprido até ao final do primeiro semestre. Já a Generali e a Lusitania preferem não se comprometer com datas, mas confirmam que estão a estudar o assunto. Por seu turno, Açoreana, Tranquilidade, Victoria e Groupama não assumem qualquer iniciativa neste sentido. ANA SANTOS GOMES

4 IV breves ISP fiscaliza sítios dos corretores na Internet O Instituto de Seguros de Portugal está a fiscalizar todos os sítios de corretores de na Internet para averiguar se os respectivos conteúdos respeitam os deveres de informação a que os corretores estão obrigados, incluindo os documentos de prestação de contas. A operação de fiscalização do ISP surge depois da entidade de regulação do sector ter detectado algumas incorrecções técnicas nos conteúdos disponibilizados online pelos corretores e também algumas desactualizações de conteúdos face aos regimes jurídicos do contrato de seguro e da actividade de mediação de e res actualmente em vigor. Tendo em conta a utilização generalizada da Internet e constituindo os conteúdos apresentados naqueles sítios fonte de informação relevante, quer para os clientes, quer para o público em geral, o Instituto de Seguros de Portugal sublinha a necessidade de a informação disponível estar devidamente actualizada, podendo ser adoptada uma linguagem acessível ao consumidor mas que respeite, do ponto de vista técnico, os critérios de rigor a observar por todos os operadores do mercado segurador, salienta o ISP em comunicado. AXA renova oferta para microempresários A AXA Portugal está a disponibilizar aos microempresários condições especiais de subscrição de. A iniciativa surge na sequência de um protocolo assinado pela seguradora com a Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), que prevê a oferta de condições especiais na subscrição de de acidentes de trabalho, acidentes pessoais, saúde e automóvel. Este acordo vai beneficiar 572 microempresários. Tranquilidade renova seguro de saúde Um seguro de saúde individual, disponível a partir de 6 euros mensais, é uma das principais novidades da campanha publicitária que a Tranquilidade lançou esta semana na rádio, imprensa, internet e pontos de venda. Dirigida ao segmento individual e ao segmento de pequenas e micro-empresas, esta nova campanha vem reforçar o posicionamento da Tranquilidade no mercado de de saúde e de vida, nomeadamente através da reformulação da oferta de saúde Sanos e também do seguro de vida risco. Na reformulação do seguro de saúde, a Tranquilidade lança agora duas novas coberturas: o Sanos Light, que inclui pequenas e médias intervenções cirúrgicas e internamento, e o Sanos Extra Care, que integra a cobertura de doenças graves e possibilita capitais mais elevados de internamento. Já o Sanos Negócio e o Tranquilidade Protecção Vida vêm complementar a protecção de seguro de acidentes de trabalho com coberturas de seguro de saúde e de vida. Allianz mantém sistema de gestão da qualidade Cinco anos depois de ter obtido a primeira certificação de qualidade, no âmbito do seguro automóvel, a Allianz viu a certificadora Bureau Veritas Certification manter o reconhecimento do seu sistema de gestão de qualidade. A auditoria realizada pela BVC reforçou a aposta desta seguradora na focalização no cliente. Os elevados padrões de qualidade de serviço registados nos seus processos de trabalho e nas relações com os clientes fazem da Allianz Portugal uma empresa de confiança e um sólido parceiro de negócio, anuncia a seguradora em comunicado. Envolvimento de todos os colaboradores, capacidade técnica e competência demonstrada na área comercial são alguns dos itens que mereceram maior destaque por parte da entidade certificadora, revela também a Allianz. A qualidade é um compromisso de todos e este facto foi determinante para o sucesso da recente auditoria da qualidade, reconhece Pedro Madureira, director de Marketing da Allianz Portugal, segundo o qual a companhia continua a ser a única seguradora cuja prestação de serviços inerentes à actividade está certificada para a maioria dos ramos, o que acreditamos ser uma referência de peso para os nossos clientes. Seguradoras ajudam vítimas do sismo no Haiti O grupo Zurich anunciou a criação de um programa global interno de recolha de contribuições para as vítimas do terramoto no Haiti. A Z Zurich Foundation pretende reunir 170 mil euros entre os trabalhadores do grupo em todo o mundo, que deverão reverter a favor de organizações de caridade que se encontrem a prestar assistência no Haiti. Também o grupo AXA deu início a uma operação de solidariedade a favor do Haiti, através da Fundação AXA Corações em Acção. A fundação compromete-se a duplicar o valor angariado pelos colaboradores do grupo que, por sua vez, se compromete a triplicar a quantia angariada. O total de contribuições será entregue à AMI e destina-se à compra de bens essenciais para a população haitiana. Novos produtos disponíveis para a mediação Projecto de assurfinance tem 2500 mediadores da Caixa Seguros Depois de uma experiência de assurfinance bem sucedida, em que os mediadores de da Fidelidade e Império Bonança chegaram a vender mais de 300 milhões de euros em crédito à habitação para a Caixa Geral de Depósitos, o grupo aposta agora no alargamento do projecto a novos mediadores e a novos produtos bancários. Produtos disponíveis em Assurfinance Particulares Crédito à Habitação Leasing imobiliário Leasing Auto Cartão Leve Pacotes Caixa + Conta Gestão Automática de Tesouraria O grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD) reforçou o seu canal externo de vendas e alargou o leque de produtos disponíveis para comercialização através da mediação de. Se até aqui a CGD contava com 700 mediadores para vender crédito à habitação, agora conta com 2500 promotores bancários para vender seis produtos para o segmento de particulares e cinco produtos para empresários em nome individual e microempresas. No novo modelo de assurfinance, cada mediador de está afecto a uma agência da CGD e o seu negócio captado irá reverter directamente para os resultados dessa agência. O projecto está aberto a mediadores exclusivos e multimarca, criteriosamente seleccionados pela Caixa Seguros e pela CGD, e que assumem a categoria de Promotor Caixa, garantindo a cobertura do território nacional e chegando mesmo a algumas localidades onde a CGD não estava presente. Além dos Promotores Caixa, o projecto de Assurfinance inclui a criação de 250 lojas assurfinance em escritórios detidos por mediadores exclusivos da Fidelidade Mundial ou da Império Bonança. Estes mediadores foram já seleccionados pelo grupo CGD, em função dos prémios de captados no passado e da sua localização geográfica. No exterior das lojas será colocada uma placa com referência à CGD, beneficiando os mediadores da notoriedade que o banco confere ao seu negócio. Estes mediadores não estão, no entanto, nos termos da lei, autorizados a realizar operações bancárias, devendo estas ser concretizadas por este junto da agência da CGD a que está afecto. Empresários em nome individual e micro-empresas Leasing imobiliário Leasing Auto Cartão caixaworks Netcaixa Conta Gestão Automática de Tesouraria A estes mediadores junta-se ainda um grupo mais restrito, de apenas 30 mediadores, convidados pelo grupo CGD para constituírem pólos de angariação de negócio em zonas estratégicas para o banco. Todos os profissionais que integram o projecto de Assurfinance dispõem de acesso ao portal Caixaxclusivo, que lhes dará apoio na captação de negócio bancário. 9% do crédito à habitação da CGD Para dar formação aos mediadores que integram o projecto assurfinance, a CGD disponibilizou uma equipa de 30 dinamizadores, que está já espalhada pelo país a concluir as acções de formação ministradas ao nível regional. Até ao final de Março o projecto estará totalmente operacional, garante Paulo Sousa, responsável da CGD pelo projecto assurfinance. As primeiras experiência de assurfinance da Caixa Seguros e da CGD tiveram início no final de 2005, com a venda de crédito à habitação através da mediação de, que chegaram a ultrapassar os 300 milhões de euros anuais. Já em plena crise financeira, e com o negócio de crédito à habitação sujeito a um controlo mais apertado, o assurfinance continuou a revelar-se uma estratégia vencedora, com a CGD a captar no ano passado 250 milhões de euros em crédito à habitação através dos mediadores de. Em 2010, é intenção do grupo CGD que as vendas de crédito à habitação em assurfinance representem 9% do total de crédito à habitação novo captado pelo banco.

5 V Responsáveis da CGD e Caixa Seguros confirmam expectativas de sucesso para o novo projecto comum Assurfinance será crucial para a retenção de clientes O assurfinance potencia a venda cruzada e com ela a fidelização do cliente intensificase, garantem Paulo Sousa e Miguel Vilarinho, respectivamente responsáveis da CGD e da Caixa Seguros para este projecto. Depois das experiências bem sucedidas em crédito à habitação, foi preciso preparar um novo projecto de grande dimensão, que rentabilizasse as vendas e potenciasse a relação dos clientes com o banco e as seguradoras. Vida Económica As primeiras experiências de Assurfinance na Caixa Seguros remontam ao final de Porque demorou tanto a chegar aqui? Paulo Sousa Na verdade, não demorou muito, se repararmos bem nesta oferta e nestes produtos todos. Que outra rede de canais externos vende 250 milhões de euros em Portugal e num ano que não foi dos mais fáceis? Não há. E não me parece que tenha levado muito tempo. Estas coisas têm de ser feitas de forma pensada e estruturada porque também corremos riscos e aqui conseguimos um modelo que tende para reclamações zero. E para isso é preciso tempo para aculturar, para formar e para pôr tudo a funcionar bem. Miguel Vilarinho E é preciso ter também em atenção todo o contexto jurídico porque este projecto tem uma componente de imagem da CGD muito forte, que antes não tinha. Até aqui os promotores limitavam-se a cumprir as instruções do Banco de Portugal, tinham o seu cartão de promotor e ponto final. Mas aqui estamos a avançar com a imagem da CGD na rua e tivemos de estudar bem estas questões legais. Sabíamos que o projecto estava a correr bem com o crédito à habitação e que queríamos dar mais um passo, mas tudo tinha de ser bem passado. Ainda demos um passo intermédio quando os mediadores passaram a vender o cartão Leve, embora não estando oficialmente dentro do contexto do Assurfinance. Mas os limites de utilização da imagem da CGD, a relação dos mediadores com o banco e a nossa intervenção, tudo teve de ser muito bem estudado. As experiências do estrangeiro estavam sujeitas a enquadramentos legais diferentes, logo não podiam servir totalmente de exemplo. VE E preferiram esperar para lançar depois de outros operadores um projecto com maior dimensão. PS Sim, preferimos. Trabalhámos bem o monoproduto, estruturámos a rede de mediação e a sua relação com a CGD, estruturámos as questões jurídicas e operacionais e só depois alargámos a oferta e a dimensão da rede. MV Se este projecto fosse mal lançado, poderia trazernos consequências muito graves, porque estamos a falar da associação à imagem da CGD. VE A experiência do passado diz-vos que os clientes não oferecem resistência a tratar de assuntos bancários com mediadores de? MV Até nos diz o contrário. A experiência diz-nos que os clientes angariados através do mediador de são clientes de gama alta ou com elevado potencial para virem a tornar-se clientes de gama alta. PS Esta experiência tem ajudado muito o cross-selling e o upgrade da relação com o banco. Nós estudámos bem a experiência feita com o crédito à habitação e de facto concluímos que o assurfinance foi muito positivo para o incremento da relação com o banco. MV O mediador tem geralmente uma disponibilidade total para o seu cliente, não tem um horário de funcionamento limitado, como uma agência do banco, está disponível a todas as horas e a partir do momento em que começa a comercializar produtos da CGD ele passa a estar também disponível para responder a questões nessa área. A relação que os mediadores de conseguem estabelecer com os seus clientes é geralmente mais forte do que a relação que as agências dos bancos e das seguradoras conseguem ter com os seus clientes. Este projecto ajuda a melhorar a qualidade do serviço prestado ao cliente, garante Paulo Sousa. VE Que vantagens tem este projecto para os mediadores? MV Há três grandes vantagens. Primeiro, conseguem uma venda cruzada mais efectiva, conseguindo vender mais produtos por cliente, o que significa que conseguem também maior fidelização. Em segundo, as lojas assurfinance ganham a imagem da CGD, o que para qualquer mediador funciona como selo de qualidade. Em terceiro, os mediadores conseguem uma remuneração complementar. PS A banca também ganha porque consegue captar novos clientes e ganha quota de mercado nos produtos que comercializa em assurfinance. Além disso, conseguimos ganhar presença geográfica em zonas que actualmente temos pouco exploradas porque a capilaridade da rede de mediação é elevada. E como mantemos a estrutura de custos fixos, porque os custos são variáveis e só existem quando há venda, conseguimos aumentar a escala e, logo, a rentabilidade. VE Que feedback têm recebido sobre este projecto? MV Temos diferentes tipos de opiniões. Há mediadores que já perceberam o potencial deste canal e estão a ter já enorme sucesso. Depois há um segmento de mediadores que está a encarar de forma muito activa as potencialidades deste projecto. Há ainda um segmento que está ainda a explorar o assurfinance e só faz algumas operações. E, finalmente, há um outro segmento de mediadores que ainda não experimentaram porque há sempre que tenha resistência à mudança. VE Que formação, está a ser dada aos mediadores que se preparam para integrar o projecto? PS É uma formação variada, não só sobre os produtos, mas também sobre as regras da actividade, direitos do consumidor, técnica bancária, ética e conduta, entre outros. Há abordagens diferentes para quem já estava a lidar com assurfinance e para quem entra de novo nesta actividade. A CGD tem uma rede de 30 dinamizadores espalhada pelo país para dar esta formação aos mediadores. VE Com este projecto a CGD chega a localidades onde não estava presente? PS Sim, embora não tenhamos contabilizado quantas. Acontece mais no interior do país. Já nos grandes centros urbanos o aumento da caplaridade vê-se de outra forma. É que, apesar de nós já lá estámos com uma agência, a nossa presença pode sempre ser alargada com um mediador. VE Como se evita que o mediador seja encarado como concorrência da agência bancária? PS Este modelo só funciona se a agência vir o mediador como ponto de angariação de negócio para a sua agência. Todo o negócio captado pelo mediador é canalizado para a agência. A relação dos clientes com os mediadores de é geralmente mais forte do que a relação com as agências bancárias, confirma Miguel Vilarinho. VE Com que expectativas partem para este primeiro ano do novo projecto de assurfinance? MV Em todos os produtos que vamos comercializar temos como objectivo atingir uma quota de 9% da produção nova da CGD. Consideramos que é a nossa quota natural. PS Queremos que este projecto nos ajude a melhorar a qualidade do serviço prestado ao cliente, seja pela proximidade, seja pela qualificação dos promotores, seja pelo conhecimento das necessidades que os mediadores têm relativamente aos seus clientes em carteira. Nós consideramos que tudo isso junto significa servir melhor os nossos clientes. Depois, consideramos que este projecto pode claramente melhorar a rentabilidade da nossa operação bancária e melhorar o nosso nível de retenção de clientes. MV Para as seguradoras, servirá também como ferramenta de retenção de clientes. Na nossa análise concluímos que os clientes que subscreveram crédito à habitação através de mediador de em 2009 têm um índice de posse de duas vezes superior ao dos clientes que não têm assurfinance. Com o dobro do índice de posse de conseguimos melhorar dez vezes a sua taxa de fidelização. Além disto, ainda há o efeito adicional de ter mais produtos no banco. Constrói-se uma relação forte e de qualidade, que dificilmente se perde. PS E ainda mais. Conseguimos dirigir-nos ao cliente segmentado, com propostas de valor diferenciadas para cada grupo-alvo. O que desenhámos para a oferta de produtos baseia-se numa abordagem segmentada, tendo em conta o potencial dos clientes-alvo, quer particulares, quer empresas. VE Este é um projecto directamente relacionado com a crescente profissionalização do mediador de? MV Este projecto contribui para a profissionalização dos mediadores, conseguindo que o mediador se torne maior e melhor. Muitos mediadores que se dedicavam aos como actividade complementar estão agora a ver no projecto de assurfinance motivação para se dedicarem à banca e aos como actividade principal. E hoje a percentagem de mediadores profissionais deve ter triplicado. E a profissionalização é a única forma de sobrevivência na mediação de. VE Como deverá evoluir o assurfinance em Portugal? MV É natural que evolua muito. Quando se caminha para uma quota de quase 10% em crédito à habitação da CGD, já é sinal que o assurfinance se implantou com sucesso. Resta saber se conseguimos o mesmo sucesso noutros produtos, mas estou convencido que sim. Há espaço para alargar a oferta nos próximos anos. ANA SANTOS GOMES

6 VI calendário de eventos da actividade seguradora Fevereiro/2010 Consulte online em Data 8 e 9/02/10 8 e 9/02/10 Evento Annual conference on European insurance law Curso: Proactividade Comercial 10/02/10 Sessão técnica sobre Modelos Internos em Solvência II: Aspectos qualitativos 10/02/10 Curso: O Novo Regime Jurídico de Acidentes de Trabalho 24 a 26/02/10 Local Contactos e informações Organização Cidade Endereço Telefone Fax Web page Germany Trier ERA Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS apseguradores.pt pt Lisboa Av. da República, 76 ISP Porto Hotel Vila Galé Porto Verlag Dashofer dashofer.pt Forinvest Espanha Valência Instituto Valenciano de Finanzas 12/02/10 Curso: O Novo Regime Jurídico de Acidentes de Trabalho 24/02/10 (início) 24/02/10 (início) Curso: Agentes e corretores de Curso: Mediadores de ligados 3/03/10 1ª Conferência interactiva de protecção do consumidor de seguro feriavalencia.com Lisboa Hotel Radisson Verlag Dashofer dashofer.pt E-Learning R. Rodrigo Fonseca, 41 APS apseguradores.pt E-Learning R. Rodrigo Fonseca, 41 APS apseguradores.pt Brasil Rio de Janeiro FUNENSEG funenseg.org.br dashofer.pt feriavalencia.com dashofer.pt pt pt consultório jurídico Não pense que não há crocodilos porque a água está calma Cobertura de associados garantida pela Chartis APROSE renova seguro de responsabilidade civil profissional Luiz Filipe Acta Corretores de Seguros, SA Do total de mediadores inscritos junto do ISP só uma parte ínfima é que se dedica, de alma e coração, à mediação de Costuma-se dizer que o fado, por ser a canção nacional, nos apega ao destino e à fatalidade. No caso dos e mais propriamente de quando algo ou alguém pretende fazer um seguro, há sempre quem conheça o tio da sobrinha, da amiga da prima, de quem por acaso até é conhecida do Zé Tó, que é aquela figura que aparece no café do senhor Pedro e que costuma falar com o Alfredo que, segundo consta, além de contabilidade, trata de documentações, viagens, bailaricos e. Se estivesse no circo, seria o faz-tudo. Ora, quando existem pessoas singulares e colectivas (nisto o tecido empresarial português não está isento) a tratar com alfredos ou chicos-espertos que não vêem no cliente outra coisa que não a comissão que o mesmo lhe pode dar, então convenhamos, do que estará à espera que lhe aconteça no dia que tiver a necessidade de recorrer ao seguro. Milagres? Talvez o sujeito também faça bruxaria, mas consertar um carro por inspiração divina ou repor os nossos bens no estado anterior ao sinistro não coberto por falta de aconselhamento profissional só mesmo se sair a lotaria ou o Euromilhões. Vem isto a propósito da excelente revista editada em boa hora pelo Instituto de Seguros de Portugal, que nos tem habituado com os seus artigos de elevada craveira técnica e profissional, e que duma forma continuada nos fornece uma mostra e amostra actualizada do que se faz em em Portugal. Na sua última edição datada de Dezembro de 2009, podemos constatar alguns dados interessantes, como sejam da existência de 537 seguradoras autorizadas a operar em Portugal no 1º. Semestre de 2009, contra 532 no final de Ou seja, mais 1%. Os corretores de passaram a 100, quando, em finais de 2008, havia 103, ou seja, crescimento negativo de 3%. No que concerne aos mediadores de, passou a haver , contra os no final de 2008, ou seja, mais 3,15%. E aqui reside o principal problema desta actividade, pois do total de mediadores inscritos junto do organismo de supervisão só uma parte ínfima, inferior a 10%, é que se dedica, de alma e coração, ao exercício da sua actividade de mediação de, sendo profissionais de pleno direito. É o que muitas vezes acontece com os licenciados em direito, em que existem uns que procuram aprofundar cada vez mais os seus conhecimentos para estarem à disposição e encontrarem soluções para os clientes que os procuram e outros, porque não conseguem ou não sabem, e com os seus cursos se empregam até como caixa de supermercados, embora também possam advogar nas horas vagas. Parece o nosso fado, pena é que os clientes não se esforcem muitas vezes por procurarem junto das associações de mediadores os verdadeiros profissionais e aí terem no site uma resposta cabal ao que procuram. Relembro aqui aquele provérbio malaio: não pense que não há crocodilos só porque água está calma. O azar acontece quando menos espera. A APROSE deu por concluídas com sucesso as negociações com a Chartis Insurance (ex-aig Europe) e procedeu já à renovação para 2010 do contrato de seguro de responsabilidade civil profissional que cobre o risco de negligência, de erro e de omissão emergente da actividade dos mediadores de regularmente inscritos na associação. Nos termos da legislação em vigor, consagrada no Decreto-Lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, os corretores e agentes de são obrigados demonstrar, anualmente, que dispõem, ou que irão dispor, à data do início da actividade, de um seguro de responsabilidade civil profissional que abranja todo o território da União Europeia, e cujo capital seguro deve corresponder a um mínimo de euros por sinistro e de euros por anuidade, independentemente do número de sinistros, excepto se a cobertura estiver incluída em seguro fornecido pela ou pelas empresas de em nome e por conta da qual ou das quais vai actuar.

7 VII Martins da Silva critica política comercial de preços baixos As seguradoras vão sofrer as consequências dos seus próprios erros Ter permitido a criação da figura do mediador de ligado foi um dos principais erros da Lei da Mediação, acusa Martins da Silva, que encontra aí o caminho aberto para os mediadores pouco profissionais. O sócio-gerente da Regra Feliz acredita, no entanto, que as seguradoras ainda vão voltar a reconhecer o valor da mediação qualificada, aquela que, em seu entender, melhor protege os clientes e melhor defende as seguradoras, até mesmo em matéria de custos. Vida Económica Porquê a denominação Regra Feliz? Martins da Silva O nome surgiu por mero acaso. Existia outro nome aprovado e quando fomos constituir a empresa pretendíamos alterar o pacto social, todavia, como isso demorava mais um mês, para não atrasar mais, aceitámos pesquisar os nomes disponíveis e foi aí que encontrámos a Regra Feliz, que agora considero ter sido um nome muito feliz. VE Como e quando se constituiu a empresa? MS A Regra Feliz foi uma indirecta imposição legal. Sou mediador de desde 1971 e a minha mulher desde Com a anterior lei estávamos ambos salvaguardados em termos de transferência de carteiras. A nova Lei da Mediação, de 2006, alterou a situação com a perda das carteiras, por morte, a favor das seguradoras, o que é perfeitamente abusivo, e apenas protege as seguradoras, mas infelizmente é o que está em vigor. Em face disso, a única alternativa era constituir uma empresa para não correr o risco de perder a mais-valia da clientela e dos contratos de seguro e manter a sua continuidade. É neste enquadramento que surge a Regra Feliz, que foi uma boa regra para corrigir a situação. VE Como caracteriza o mercado de em que actua a empresa? MS A Regra Feliz vai continuar o rumo que sempre teve, consciente e deliberadamente, e foi por mim seguido desde o início da actividade, na procura prioritária do cliente individual. Os clientes empresa chegam-nos através desses clientes, naturalmente, e sem termos necessidade de os procurar. É verdade que temos mais papéis a tratar, mas também temos uma carteira com muito mais estabilidade, um melhor equilíbrio de clientela e, em geral, menor sinistralidade. VE Considera existir um número excessivo de mediadores no nosso país? MS A nova lei de 2006, ao criar os mediadores ligados, veio destruir completamente toda a anterior filosofia da valorização da Mediação de Seguros em Portugal. Por um lado, criam-se excessivas exigências de transparência e profissionalização; por outro lado, deteriora-se essa profissionalização com os agentes ligados através da banca e de outras empresas. Penso que é uma situação passageira, pois a deterioração vai ser de tal dimensão que dentro de cinco ou seis anos, senão menos, terão que inverter a situação e voltar a dar valor a quem realmente o tem e melhor protege o cliente, e defende as seguradoras, que é sem dúvida o mediador qualificado, com enormes vantagens de custos para as seguradoras a vários níveis, que o marketing veio deteriorar. VE Há seguradoras mais próximas dos mediadores? Quais? Os mediadores retribuem o tratamento? MS Temos realmente algumas seguradoras que têm como canal privilegiado os corretores e mediadores, destacando-se nessa perspectiva, que eu conheço melhor, a Global, a Generali, a Liberty, a Mapfre, a Victoria e a Zurich, não ligadas directamente a bancos. Penso que são retribuídas pelos mediadores, e não o são mais, pela actual exigência dos contratos dos mediadores com as seguradoras, que amarram o mediador na sua continuidade de produção às seguradoras onde têm mais produção, e de onde, por vezes, gostariam de sair, mas não podem, para não perderem os benefícios adicionais, atendendo à dimensão das suas carteiras. VE O ano 2009 foi muito complicado na mediação de. A que razões atribui tal resultado? MS Os maus resultados das seguradoras em 2009 são o reflexo do que referi na situação anterior do aumento de oferta através dos mediadores ligados, pois para entrar no mercado aviltam os preços, provocando a sua redução excessiva. Todavia, as seguradoras onde estão colocados os negócios, para não os perderem, acompanham os preços, e gera-se assim a diminuição de receitas. Além disso, a publicidade dos directos, tal como foi efectuada, pelo preço, e não pela qualidade, ajudou imenso a deteriorar a mentalidade pública para a baixa de preços, sem ligar a garantias. Com a crise económica, e sem nada de novo que se produza, aumentam as transferências de uma seguradoras para outras, sempre a mais baixos preços. Mas a sinistralidade mantém-se ou aumenta. Desta maneira se origina a perda de lucros das seguradoras, pela diminuição de receitas, que vai manterse por uns anos, porque inverter o ciclo, para aumentar os preços, vai ser muito complicado e originar novas transferências. Os erros têm um preço e pagam-se caro. As seguradoras estão empenhadas em conquistar mercado de qualquer modo, sem respeitarem regras e sem darem atenção a quem lhes pode dar melhor lucro a menores custos, e, como tal, sofrerão as consequências dos seus próprios erros, pois são elas que se estão a prejudicar-se a si próprias. Dentro de cinco ou seis anos, senão menos, as seguradoras terão que voltar a dar valor a quem realmente o tem e melhor protege o cliente, alega Martins da Silva VE Como vê o movimento associativo em Portugal, e, em particular, na mediação de? MS O associativismo na mediação de é difícil, mas muito necessário. Pessoalmente, como presidente da Direcção da Associação Comercial de Corretores e Agentes de Seguros (Acomsegur) e como secretário da mesa da Assembleia-Geral da APROSE, estou nas duas associações de cariz diferente, mas complementar. Nesse sentido, preocupa-me a ausência de associados nas Assembleias-Gerais da APROSE, que revelam um total desinteresse por quem nos pode defender ao nível nacional junto do Governo e seus órgãos representativos. Penso que isso tem muito a ver com a independência e orgulho de cada corretor ou mediador, desprezando os outros, num total individualismo. Cada um preocupa-se com a sua empresa e consigo mesmo e os outros que se cuidem. É isto que devia ser corrigido, mas não se consegue sem aproximações ao nível regional, que alguns não pretendem com medo de perder prerrogativas, em vez de as procurarem partilhar. VE Crê que descentralização e regionalização das representações associativas poderia reforçar o movimento? MS É a única solução que vejo. Apenas se as pessoas se encontrarem localmente poderão começar a interessar-se mais pelos seus assuntos profissionais. Claro que isso implica uma maior atenção e participação da Direcção e o seu apoio e resposta e a criação de delegados regionais motivados. Na Acomsegur, essa proximidade foi a melhor coisa que se estabeleceu e só a partir daí se pode avançar para um maior interesse e participação, de todos, neutralizando o individualismo, que é o pior dos males na nossa actividade. É necessário que os corretores e agentes se comecem a encontrar como amigos e não como rivais. PUB

8 VIII consultório jurídico Base de incidência de cálculo das garantias financeiras dos corretores de Na qualidade de corretor de, tenho algumas dúvidas acerca dos fundos sobre que devem incidir o cálculo das garantias financeiras que minha empresa, nessa qualidade, tem de prestar permanentemente. Agradecia os vossos comentários à questão. Como é sabido, integrando as condições específicas de acesso à categoria de corretor de, quer estes revistam a natureza jurídica de pessoa singular ou colectiva, os mediadores em questão são obrigados, nos termos da alínea d) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 19º do DL n.º 144/2006, de 31/07, na redacção dada pelo DL n.º 359/2007, de 2/11, a demonstrar que dispõem, ou de que vão dispor à data do início da actividade, de garantia bancária ou de seguro-caução destinado, por um lado, a cobrir o pagamento de créditos dos tomadores de, segurados ou beneficiários face ao corretor e que respeitem aos fundos (estornos, indemnizações, etc.) que lhe foram confiados com vista a serem transferidos para essas pessoas, e, por outro, a cobrir o pagamento de créditos dos clientes face ao corretor, resultantes de fundos que este recebeu com vista a serem transferidos para as empresas de para pagamento de prémios que não se incluam no âmbito do n.º 4 do artigo 42.º do mesmo diploma, ou seja, quando o corretor, no acto do recebimento do prémio pago pelo tomador, não procede à entrega do recibo emitido pela própria seguradora. De igual modo, mais se prescreve que a garantia bancária ou o seguro de caução em apreço devem garantir o valor mínimo de euros ou, nos anos subsequentes ao do início de actividade, se superior, o valor corvaceira gomes Departamento Jurídico/Director Executivo da APROSE correspondente a uma percentagem incidente sobre uma parcela dos fundos movimentados pelo corretor de, que a Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29/12, no n.º 1 do artigo 13º-A, fixou em 4% sobre a totalidade dos fundos confiados ao corretor pelos tomadores de para serem entregues às empresas de, e por estas para serem entregues aos tomadores, segurados ou beneficiários, durante o exercício económico precedente ao de subscrição ou de renovação da garantia bancária ou do seguro-caução. Ultrapassados os problemas que surgiram aquando da entrada em vigor do DL n.º 144/2006 no tocante à contratação das garantias financeiras por parte dos corretores de, designadamente quanto às dificuldades levantadas pela (in)determinabilidade dos respectivos beneficiários que a NR n.º 19/2007-R, de 31/12, veio, de alguma forma, resolver, importa, todavia, tecer dois comentários no que diz respeito à base de incidência para efeito de cálculo do valor a garantir. Prescreve-se assim, no n.º 2 do artigo 13º- A da NR n.º 17/2006-R, que dos fundos movimentados pelo corretor e que constituem a base de incidência de cálculo das garantias financeiras se devem excluir aqueles relativamente aos quais ao corretor foram outorgados, pela empresa de numa redacção legal anterior também aqui se incluíam os tomadores, segurados e beneficiários, poderes para o seu recebimento. Com o preceito em apreço, o legislador expurga da base de incidência para efeito de cálculo das garantias financeiras a que haja lugar o valor dos prémios de cobrados pelo corretor relativamente aos quais entregou aos tomadores o recibo de prémio emitido pelas seguradoras porquanto se encontra investido por estas para os receber em seu nome e por sua conta e nessa medida se consideram como pagos directamente às seguradoras, gerando o respectivo efeito liberatório. Dever-se-á, assim, excluir e expurgar, para cálculo das garantia financeiras, o valor dos prémios recebidos e relativamente aos quais o corretor possui poderes de cobrança, ou seja, tal como acontece com a esmagadora maioria dos corretores, se ao acto de cobrança subjazem, praticamente sempre, poderes delegados pelas seguradoras para tal fim, então o valor mínimo da garantia financeira será, neste âmbito, de euros. No caso de o corretor proceder à cobrança de prémios sem que tenha poderes atribuídos para tal pelas seguradoras a quem os prémios dizem respeito, nesse caso, a base de incidência para cálculo da garantia financeira será o valor total dos prémios assim recebidos e relativamente aos quais o corretor não está, obviamente, em condições de entregar aos tomadores o recibo de prémio emitido pelas seguradoras em questão. Contudo, o n.º 4 do artigo 42º do DL n.º 144/2006, apenas considera os prémios entregues pelo tomador ao corretor como se tivessem sido pagos à empresa de no caso de o corretor entregar, simultaneamente ao mesmo tempo, ao tomador o recibo de prémio emitido pela seguradora, o que permite a interpretação de que, se por qualquer motivo, mesmo havendo delegação de poderes de cobrança, a entrega do recibo emitido pela seguradora não for simultânea ao acto do pagamento do prémio, o prémio assim cobrado não geraria, de imediato, o efeito liberatório do pagamento e deveria constituir base de incidência para cálculo das garantias financeiras. Esta interpretação, por ser demasiadamente literal e restritiva, não se nos afigura correcta, quer por não respeitar a ratio da lei quer por não contemplar as inúmeras situações em que, por qualquer razão não envio atempado ao corretor, por parte das seguradoras, do recibo do prémio; extravios ou atrasos no correio; indisponibilidade temporária do sistema informático da seguradora ou do corretor que permitem a emissão local; nos de grupo em que o corretor é o tomador e centraliza o pagamento do prémio face à seguradora, recebendo e titulando com um recibo próprio junto de cada segurado, etc., não é possível ao corretor proceder à entrega simultânea do recibo do prémio emitido pela seguradora ao tomador. Assim, somos do entendimento que, no pressuposto de que haja atribuição pelas seguradoras, dos necessários poderes e capacidade de cobrança, os prémios cobrados pelos corretores no uso de tais poderes e faculdades geram o efeito liberatório e não deverão constituir base de incidência de cálculo das garantias financeiras a que os mesmos se encontram obrigados, mesmo na circunstância em que, por qualquer motivo, não possam proceder, no momento do pagamento do prémio por parte do tomador, à entrega simultânea do recibo emitido pelas seguradoras só estando em condições de o fazer posteriormente. O segundo comentário tem a ver com os estornos e indemnizações movimentados pelos corretores de. No que diz respeito a estes fundos, constata-se que o mercado adoptou, desde tempos imemoriais, o procedimento de, quando há lugar ao seu pagamento, serem os próprios corretores a efectuarem-no, dentro de determinados condicionalismos e sempre que autorizados pelas seguradoras, por compensação dos prémios devidos pelos próprios tomadores, se os houver, ou por compensação dos prémios a entregar às seguradoras a que dizem respeito, nas prestações de contas, se suficientes. Ora, este procedimento, de acordo com um entendimento ainda não oficializado do Instituto de Seguros de Portugal mas cuja transmissão não devemos ignorar, é incorrecto, designadamente quando articulado com as regras legais de movimentação, registo e controlo das contas-clientes, onde têm de ser obrigatoriamente depositados os prémios, os estornos e indemnizações que se efectuem por intermédio dos mediadores com poderes de movimentação de fundos, uma vez que estas apenas podem ser movimentadas a débito nos casos previstos no n.º 2 do artigo 25º da NR n.º 17/2006-R, entre as quais não se prevê, na opinião do ISP, a compensação de estornos ou indemnizações com os prémios de. Em conformidade com o entendimento supra referido, não sendo legalmente permitida a compensação de estornos e de indemnizações por encontro com prémios, as seguradoras teriam, quando pretendessem proceder ao pagamento de estornos e de indemnizações por intermédio dos corretores, de entregar as estes últimos verbas específicas para o efeito, as quais constituiriam atento o risco, sempre e em qualquer circunstância, base de incidência para cálculo das garantias financeiras, dado que a revisão regulamentar de 2008 afastou a possibilidade de as quantias em questão serem excluídas do cálculo, em virtude de haver outorga de poderes ao corretor por parte dos tomadores, segurados e beneficiários para o recebimento em seu nome. Obviamente que, também assim o entendemos, se o corretor recebe das seguradoras verbas específicas para, por sua vez, proceder ao pagamento de estornos e de indemnizações junto dos tomadores, segurados e beneficiários, as verbas assim recebidas deverão, por um lado, ser depositadas nas contas-clientes para posterior transmissão a quem de direito, e, por outro, também deverá o seu valor total anual ser considerado para efeito de cálculo das garantias financeiras, uma vez que, por força da lei, só são tratados como tendo sido pagos ao tomador de seguro, segurado ou beneficiário depois de estes terem recebido efectivamente esses montantes, havendo o risco até esse momento de os não receberem e relativamente aos quais as garantias financeiras deveriam responder. Já no que respeita aos estornos e indemnizações pagos aos tomadores, segurados e beneficiários por via de compensação sem entrega de quantias específicas para o efeito por parte das seguradoras, não nos parece, de acordo com alguma doutrina, que tal procedimento esteja absolutamente vedado, em rigor, pela lei, pelo que atenta a ausência de risco as verbas assim entregues a título de estorno e de indemnização não deveriam ser consideradas no cálculo das garantias financeiras.

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente no apoio aos cuidados de Saúde da Comunidade Farmacêutica,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Condições de acesso ao Programa de Passageiro Frequente TAP Victoria para Clientes do Banco Popular

Condições de acesso ao Programa de Passageiro Frequente TAP Victoria para Clientes do Banco Popular Condições de acesso ao Programa de Passageiro Frequente TAP Victoria para Clientes do Banco Popular 1. Âmbito O Banco Popular e a TAP estabeleceram um acordo de parceria (Contrato de Parceiro de Marketing

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

B. O mercado de seguros de doença

B. O mercado de seguros de doença B. O mercado de seguros de doença 1. Tipos de coberturas associadas ao risco de doença Os seguros de doença e algumas coberturas específicas de outros riscos com eles intimamente relacionados têm vindo

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ATENDIMENTO AO LEITOR SEMANÁRIO SOL Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ou ligue 210 434 000 Horário de Atendimento

Leia mais

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L

Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Encontre connosco as respostas que procura. Venha conhecer a nossa equipa e o nosso trabalho. P O R T O P O R T U G A L Bem-vindo ao escritório de advogados global, vocacionado para o apoio jurídico a

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS APRESENTAÇÃO PARCEIROS: Introdução Preparámos-lhe esta apresentação porque acreditamos que são importantes para si e para a sua Entidade os seguintes princípios: OPORTUNIDADE

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

SEGURO DOENÇA FAMILIARES GOLD

SEGURO DOENÇA FAMILIARES GOLD SEGURO DOENÇA FAMILIARES GOLD Este seguro foi desenvolvido para permitir estender ao seu agregado familiar as garantias de que já beneficia por ser titular do cartão Unibanco Gold. Assim, terá mais tranquilidade

Leia mais

b. País de constituição Data de constituição / /

b. País de constituição Data de constituição / / Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com facturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE POLÍTICA GERAL

COMISSÃO PERMANENTE DE POLÍTICA GERAL PARECER DA COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL SOBRE O PROJECTO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL QUE CRIA A AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO E QUALIDADE DO SERVIÇO AO CIDADÃO, DESIGNADA POR RIAC. Horta, 05 de Setembro

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA Ao abrigo do n.º 5 e do n.º 2 do artigo 17º, dos artigos 16º, 34º e da alínea a) do n.º 2 do artigo 23º dos Estatutos, convoco os senhores Associados para uma

Leia mais

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Carlos Figueiredo 06/05/2010 Índice O Regime de Responsabilidade Ambiental Garantia Financeira

Leia mais

Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel

Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel A VENDA DO SEU IMOVEL Tudo o que precisa de saber Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel ANTÓNIO TRINDADE Consultor Imobiliário atrindade@remax.pt Wellcome Home Mediação Imob., Lda

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA

SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA Se tem empregada(o) doméstica(o) é legalmente responsável pelas consequências de qualquer acidente que lhe aconteça durante o período de trabalho em sua casa. Porque se trata

Leia mais

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS VICENTE MENDES GODINHO* * Departamento de Autorizações e Registo 1. INTRODUÇÃO Em 27 de Janeiro de 2007 entrou em vigor o Decreto-Lei

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais