FUNDO DE CATÁSTROFE. Novo fundo de catástrofe para o Seguro Rural deve sair em Entrevista: Armando Vergílio dos Santos Júnior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDO DE CATÁSTROFE. Novo fundo de catástrofe para o Seguro Rural deve sair em 2008. Entrevista: Armando Vergílio dos Santos Júnior"

Transcrição

1 ISSN [ ANO ano ] NÚMERO [ número SETEMBRO ] [ dezembro 2007 ] [ 2007 ] FUNDO DE CATÁSTROFE Novo fundo de catástrofe para o Seguro Rural deve sair em 2008 Entrevista: Armando Vergílio dos Santos Júnior Prioridade para o microsseguro no Brasil Artigos técnicos

2 EXPEDIENTE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Otávio Ribeiro Damaso (Presidente) Eduardo Hitiro Nakao (Vice-presidente) Otacílio Caldeira Júnior Pedro Wilson Carrano Albuquerque Luiz Tavares Pereira Filho Cesar Jorge Saad DIRETORIA Eduardo Hitiro Nakao (Presidente) Alberto de Almeida Pais (Vice-presidente Executivo) Sergio Caruso Vandro Ferraz da Cruz Manoel Morais de Araujo Francisco Aldenor Alencar Andrade CONSELHO FISCAL Marcio Leão Coelho (Presidente) Alexandre Cairo Rogério Baptista Teixeira Fernandes Antonio Carlos do Nascimento Sanches Lúcio Antônio Marques SEDE Av. Marechal Câmara, Castelo CEP Rio de Janeiro - RJ - Brasil Telefone: (21) GERÊNCIA REGIONAL EM SÃO PAULO R. Manoel da Nóbrega, andar - Jardim Paulista CEP São Paulo - SP - Brasil Telefone: (11) ESCRITÓRIO DE REPRESENTAÇÃO DA SECRETARIA EXECUTIVA EM BRASÍLIA SCN - Edifício Brasília Trade Center, Quadra I - Bloco C - salas a CEP Brasília - DF - Brasil Telefone: (61) SUBSIDIÁRIAS EM NOVA YORK UA Holding Corporation UAIC - United Americas Insurance Company UA Service Corporation, 805 Third Avenue - 14 th floor New York USA Telefone: ESCRITÓRIO DE LONDRES London Branch 25, Lime Street - London EC3M 7HR, United Kingdom Telefone: CONSELHO EDITORIAL Eduardo Hitiro Nakao Vandro Ferraz da Cruz Francisco Aldenor Alencar Andrade Sebastião Furtado Pena Gisele de Lima Castro Campos Renata Rocha Nunes Claudio Roberto Contador Lúcio Antônio Marques COORDENAÇÃO EDITORIAL Inah de Paula Comunicações DIREÇÃO DE ARTE Inah de Paula Comunicações REDAÇÃO Jorge Clapp e Valéria Maciel REVISÃO IRB-Brasil Resseguros S.A. e Inah de Paula Comunicações GRÁFICA Grafitto Gráfica e Editora FOTOS Alexandre Faria DISTRIBUIÇÃO IRB-Brasil Resseguros S.A. Os conceitos emitidos em artigos assinados exprimem apenas as opiniões de seus autores e são de sua exclusiva responsabilidade. Os textos publicados podem ser livremente reproduzidos, desde que citada a fonte. Publicação editada pelo IRB-Brasil Re. Circulação desta edição: mil exemplares, distribuídos gratuitamente mediante assinatura.

3 EDITORIAL Esta edição da Revista do IRB chega ao leitor em um momento especial para o mercado brasileiro. Afinal, já em 2008, começa a vigorar o novo modelo para as operações de resseguro. Além disso, com o crescimento da economia, a recuperação do poder de compra da população, a queda dos índices de desemprego e os novos investimentos em infra-estrutura, surgem diferentes oportunidades de negócios para o seguro e o resseguro. O futuro é promissor, portanto, em curto, médio e longo prazos. A matéria de capa tem como tema central o Fundo de Catástrofe do Seguro Rural. Na reportagem, o secretário adjunto para Reformas Institucionais do Ministério da Fazenda, Otávio Damaso; o gerente de Riscos de Governo do IRB-Brasil Re, Helio Abrantes; e o professor Vitor Osaki, da Universidade de São Paulo (USP), falam sobre o assunto, que ganha relevância com o incremento da demanda por seguros de agrobusiness. Outra matéria importante trata do microsseguro, nome dado às coberturas voltadas para aquelas camadas da população de menor poder aquisitivo. Viabilizar esse tipo de seguro no Brasil é uma das prioridades da Superintendência de Seguros Privados (Susep) para os próximos anos. A novidade é que a autarquia foi convidada pela International Association of Insurance Supervisors (IAIS), entidade que reúne 180 órgãos supervisores do mercado de seguros de todo o mundo, para presidir a importante comissão que estuda as perspectivas do microsseguro no mercado internacional. Esse, aliás, é um dos assuntos tratados, em entrevista exclusiva para a Revista do IRB, pelo superintendente da Susep, Armando Vergílio dos Santos Júnior. Na entrevista, ele fala ainda sobre a regulamentação da abertura do mercado de resseguro e as perspectivas para o IRB-Brasil Re dentro desse novo modelo. A Revista do IRB ouviu também o consultor Paulo Pereira, da Tillinghast Towers Perrin, e o presidente da Chubb do Brasil, Acácio Queiroz, sobre os novos seguros atrelados a produtos financeiros. Na reportagem sobre novas regras de solvência e capital mínimo foram ouvidos o diretor da Susep, Alexandre Penner, consultores de empresas de rating e seguradoras. O leitor encontrará ainda, nesta edição, as tradicionais seções Na Estante, Jurisprudência e Panorama do Mercado, além dos artigos técnicos. Boa leitura! Conselho Editorial R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 1-56, dezembro

4 Revista do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 1-54, dezembro 2007 ISSN Editorial Carta do Presidente Susep aposta que IRB-Brasil Re terá ainda mais credibilidade com abertura do mercado Entrevista com Armando Vergílio dos Santos Júnior Na Estante Panorama do Mercado Jurisprudência Matéria de Capa Novo fundo de catástrofe para o seguro rural deve sair em 2008 Em Foco Prioridade total para o microsseguro no Brasil Seguros para produtos financeiros despontam como as novas estrelas do mercado Mercado terá prazo maior para adaptação da solvência Artigos Técnicos Aspectos jurídicos da cláusula de depreciação nos contratos de seguros de danos Sergio Ruy Barroso de Mello Gerência de risco: uma visão global Marcelo Castro de Lacerda Teixeira Aquecimento global: impactos no mercado de seguros Dafne Coutinho Santos, Fernanda Arcanjo Valadão e Júlia Baars Favilla Nunes Marquises e sacadas Adilson Luiz Gonçalves

5 CARTA DO PRESIDENTE O ano de 2007 foi de muitas transformações para o mercado brasileiro de seguros e resseguros. Particularmente para o IRB-Brasil Re, a preparação para a operação em ambiente concorrencial tornou-se ainda mais desafiadora, ao longo dos últimos meses. Adequando-se à mudança há algum tempo, foi neste exercício que, de fato, foram iniciados os trabalhos já com o conhecimento dos princípios que norteariam a regulamentação do mercado aberto estabelecido na Lei Complementar nº. 126, de O IRB-Brasil Re encerra o ano com crescimento na arrecadação de prêmios em relação ao ano anterior, mesmo considerando a tendência internacional de queda nas taxas de resseguro e a valorização da moeda nacional diante do dólar dos Estados Unidos. Além das transformações internas, como o aperfeiçoamento das práticas de governança corporativa e a demanda por diretrizes de subscrição e gestão de riscos, o IRB-Brasil Re participou ativamente das discussões para a elaboração da minuta de resolução sobre as operações de resseguro, retrocessão e sua intermediação, com respaldo em seu banco de dados das operações de resseguro, com os componentes do mercado brasileiro de seguros e os representantes do Governo. Para o IRB-Brasil Re virá uma nova fase. A abertura, ao facultar a concorrência, criará oportunidades de escolher seus clientes e fazer uma melhor seleção de riscos, tanto pela não obrigatoriedade de aceitá-los, quanto pela faculdade de aceitação parcial dos negócios que lhe são ofertados. A atuação do IRB-Brasil Re terá como foco específico a seleção dos ramos a serem trabalhados e avaliação das melhores técnicas de subscrição de riscos, de forma a tornar suas operações mais compatíveis com a nova realidade de mercado. Na busca por rentabilidade atrativa, sem ignorar a necessidade de assegurar o crescimento sustentado, o IRB-Brasil Re espera contar com o apoio dos acionistas, público e privados, e merecer a preferência dos parceiros de negócios, na continuidade de adoção das práticas modernas de gestão operacional, no aperfeiçoamento da política comercial, com foco no tratamento competitivo a ser dado aos clientes, e, principalmente, na condução dos atos com visibilidade integral no mercado brasileiro de seguros e resseguros resultante do novo marco: a Lei Complementar nº. 126, de Eduardo Hitiro Nakao Presidente R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 1-56, dezembro

6 ENTREVISTA Susep aposta que IRB-Brasil Re terá ainda mais credibilidade com abertura do mercado Em um capítulo inédito da história da Superintendência de Seguros Privados (Susep), o atual superintendente, Armando Vergílio dos Santos Júnior, é o primeiro gestor da autarquia que atuou por mais de duas décadas no setor, como corretor de seguros. Em todas as apresentações públicas, desde que assumiu a Superintendência da Susep, Armando Vergílio se autodenomina um homem de mercado e afirma que, em sua gestão, haverá prioridade para a defesa do direito do consumidor, o diálogo aberto com segmentos da sociedade e outros órgãos do Governo Federal. Direto e objetivo, Armando não deixa dúvidas sobre seus planos à frente da autarquia, onde tem a intenção de desenvolver um trabalho que contribua para fomentar o crescimento do mercado. Enfático, ele não descuida do perfil fiscalizador, mas faz questão de deixar claro que a atuação de um órgão regulador não pode ser muito rígida, nem muito liberal, precisa ter a medida exata. Nesse contexto, ele afirma que vai ressaltar a vocação da Susep para orientar e disseminar uma postura preventiva em todo o mercado. Uma das bandeiras de sua gestão é a política de prevenção, com destaque para a adoção do sistema baseado em supervisão de risco. Nesta entrevista exclusiva à Revista do IRB, Armando Vergílio detalha as expectativas do mercado de seguros para 2008, quando entra em vigor a regulamentação da Lei Complementar 126, aprovada em 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro, as contratações de seguro no exterior e as operações em moeda estrangeira do setor securitário e efetiva a abertura do mercado ressegurador brasileiro. Para o superintendente da Susep, não restam dúvidas que o setor de seguros é a bola da vez no cenário econômico nacional. Ele enxerga a abertura do mercado de resseguros como uma grande oportunidade de 6 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro 2007

7 ENTREVISTA crescimento do setor em todo o país e de oferta de novos serviços, como o microsseguro, que, na sua visão, poderá ser um grande instrumento de inclusão social. Como recém-eleito presidente de uma comissão constituída na Associação Internacional de Supervisores de Seguros (International Association of Insurance Supervisors IAIS) para estudar as perspectivas do microsseguro no mercado internacional, Vergílio afirma que o microsseguro, além de ser uma forma de inserir a população que hoje não tem acesso ao seguro no país, será fundamental para que o setor alcance a tão almejada faixa de 7% do Produto Interno Bruto (PIB). Revista do IRB Qual é a expectativa do mercado com a abertura do mercado ressegurador? Que cenário é esperado para esse mercado diante da abertura? Armando Vergílio A questão da abertura do mercado de resseguros ou a descentralização do mercado de resseguros, como o IRB mesmo gosta de colocar, já era aguardada há muitos anos. O Brasil era um dos poucos países que ainda mantinha essa reserva nesse setor. E isso realmente era algo pleiteado por todo o mercado, pela sociedade civil organizada. E, felizmente, no início de 2007, foi aprovada a Lei Complementar 126. Ou seja, a abertura efetiva do mercado, e é bom que as pessoas entendam isso, não está se dando agora com a proposta de regulamentação complementar. Ela se deu com a promulgação da Lei Complementar 126. Isto é, algumas eventuais críticas ou sugestões à nossa proposta em audiência pública deveriam ser repensadas, porque temos que preservar e observar o disposto na Lei Complementar 126. A Lei Complementar é que traz quais são os conceitos e o que se objetiva com essa abertura. No nosso entendimento, o legislador brasileiro quis, com a abertura do mercado de resseguros, atingir duas questões básicas. A primeira é fomentar o desenvolvimento do mercado de seguros no Brasil, que, comparado a países similares ou em desenvolvimento, ainda é muito pequeno. Então a abertura do mercado de resseguros busca, num primeiro momento, desenvolver o mercado de seguros brasileiro. Num segundo momento, de forma muito evidente, busca criar um mercado de resseguros local. Ou seja, não é um mercado centralizado ou monopolista, é um mercado plural, porém um mercado que não existia antes. Trata-se de um mercado de resseguros local, com vários operadores, para que eles possam ser competitivos. Então o que orientou a Susep na elaboração da proposta colocada em análise, em audiência pública, foram esses dois pilares: desenvolver o mercado de seguros e criar um mercado de resseguros local. A partir de agora, nós vamos ter três tipos de resseguradores: o local, o admitido e o eventual. A nossa expectativa é muito positiva em relação ao número de resseguradores locais que poderão se instalar aqui. Estamos falando de empresas estrangeiras que já estão fazendo a análise e, obviamente, estão aguardando o fechamento da regulamentação proposta para poder realmente decidir sobre sua instalação local. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro

8 ENTREVISTA Várias outras já se manifestaram, afirmando que vão se instalar como admitidas. Ou seja, teremos um mercado ressegurador altamente competitivo, porque já partimos do pressuposto que o IRB-Brasil Re também tem se preparado ao longo dos últimos meses para ser um operador competitivo dentro desse cenário muito promissor para o mercado de seguros. Revista do IRB Nesse cenário, quais são as diferenças entre o ressegurador local, admitido e eventual? A. V O Local é uma empresa que tem que ser constituída no Brasil, dentro das regras que estão sendo propostas, com capital, com reservas, enfim, o que estabelece a Lei Complementar 126. O admitido deverá ter um escritório de representação no Brasil e, seguindo o que preconiza a Lei Complementar 126, deverá constituir algumas garantias no país, inclusive a exigência de uma conta em moeda estrangeira. Isso não é algo novo que a nossa proposta está trazendo, pois já está contido na lei. Está claro que esse tipo de ressegurador deve dar determinadas garantias de suas obrigações feitas aqui no Brasil. Para atuar no país como ressegurador eventual, basta que a empresa tenha um procurador e cadastre-se junto à Susep. Entretanto, foi estabelecida uma classificação de rating, ou seja, não serão todos que serão admitidos como eventuais. Há, por exemplo, uma vedação para resseguradores que tenham a origem de sua operação ou sua base de existência em paraísos fiscais. Mas, de modo geral, as regras vão dar oportunidades a esses três tipos de resseguradores para que eles façam as escolhas que melhor lhes convier. Já temos a afirmação de grandes resseguradores internacionais que realmente estão finalizando os estudos e os preparativos para se constituírem como resseguradores locais. E há alguns outros que já sinalizaram que, neste primeiro momento, têm a intenção de atuar como admitidos, mas que, num segundo momento, pretendem ser resseguradores locais. Revista do IRB O senhor pode nos dar alguns exemplos dessas resseguradoras? A. V Como órgão regulador não nos cabe citar nomes. Revista do IRB Qual será o papel do IRB-Brasil Re neste modelo amplo e competitivo no cenário do resseguro local? A. V Para o IRB-Brasil Re, foi reservado, tanto na lei como na regulamentação, um tratamento específico para que ele possa fazer a transição. Nós temos a certeza e a convicção, devido à administração que o IRB tem tido nos últimos tempos, de que ele está se preparando para ser um ressegurador local competitivo. O IRB-Brasil Re tem credibilidade internacional muito forte e consolidada, o que vai lhe permitir, num primeiro momento, talvez sair na frente de qualquer outro. A empresa tem uma boa estrutura de capital e tem 8 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro 2007

9 ENTREVISTA Muitos resseguradores têm demonstrado o interesse de fazer do Brasil a sua plataforma de atuação em outros países da América do Sul e da América Latina. Quem sabe o IRB não possa internacionalizar a sua atuação? 180 dias previstos pela lei para se adaptar a esta nova regulamentação, que vai entrar em vigor a partir de janeiro. Ele tem todas as condições, todos os ingredientes, para que possa crescer, partindo desse pressuposto de ter no Brasil e é isso que está se buscando uma plataforma de resseguradores para operar não só no Brasil, mas quem sabe na América Latina. Muitos resseguradores têm demonstrado o interesse de fazer do Brasil a sua plataforma de atuação em outros países da América do Sul e da América Latina. Quem sabe o IRB não possa internacionalizar a sua atuação? Dentro desse cenário, em que a previsão é haver crescimento de 100% nos próximos quatro anos, acredito que o IRB-Brasil Re tem um momento de oportunidade muito grande de se desenvolver e se consolidar como grande ressegurador internacional. O mercado de seguros do Brasil confia muito na firme e forte atuação do IRB, que continua sendo imprescindível e preponderante. Revista do IRB O senhor é o primeiro superintendente da Susep que representa o setor. Atuou como corretor durante muito tempo e se orgulha muito disso. Para os corretores, o que esta abertura do mercado de resseguros vai propiciar? A. V É um mercado novo, que até então não existia. É também um momento de muita oportunidade para os corretores poderem se adaptar e se tornarem ainda corretores de resseguros. Obviamente haverá uma competição muito grande, porque a Susep já foi procurada por vários brokers, que estão atentos a esse momento de mudança, enxergando uma oportunidade para aqui se instalarem. Acho que os corretores de seguros precisam se informar e buscar se contextualizar sobre essa nova realidade de mercado, porque, com certeza, várias situações vão mudar impulsionadas pela abertura do resseguro. Teremos um mercado muito mais competitivo, novos produtos, uma realidade distinta. Em um cenário no qual o próprio segurador cedente vai estabelecer parcerias com resseguradores distintos, e o corretor vai ter que acompanhar passo a passo. Revista do IRB O Brasil é um mercado que ainda precisa de muito impulso com relação à cultura sobre consumo de seguro. Nesse sentido, que ações a Susep pretende desenvolver nos próximos anos para dar, cada vez mais, informação a quem está contratando um seguro? Que ações preventivas e educacionais, com o objetivo de estimular a cultura de seguros e formar o consumidor de seguros no Brasil, a Susep pretende colocar em prática nos próximos anos? A.V Disseminar informações sobre o mercado e criar condições para o desenvolvimento de uma cultura de seguros é uma responsabilidade da Susep e de todo o mercado. E a Susep vem estimulando o mercado a estabelecer ações que tenham o objetivo de aperfeiçoar o nível de informações, como melhorias na prática de governança corporativa das empresas, com o estabelecimento de ouvidorias. Praticamente todas as empresas R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro

10 ENTREVISTA Disseminar informações sobre o mercado e criar condições para o desenvolvimento de uma cultura de seguros é uma responsabilidade da Susep e de todo o mercado seguradoras têm hoje uma ouvidoria. Mas a Susep pretende ir além. Estamos adotando o modelo de supervisão baseada em risco (SBR), isso significa uma mudança. Estamos ainda alterando a visão do órgão regulador em relação a sua atuação. Entendemos que essa atuação deva ser não só uma atuação, digamos, repressiva. Acredito que o órgão regulador possa ter uma atuação não só pró-ativa, mas orientadora e preventiva. Isso tudo vai ao encontro das necessidades do consumidor, que, diga-se de passagem, está cada vez mais consciente, ciente e bem informado em relação a seus direitos. Isso demanda mais atenção do mercado. Nós queremos que a Susep adote uma postura de órgão fomentador do mercado. Que ela tenha seu lado supervisor e fiscalizador reforçado, no sentido de trazer tranqüilidade para o consumidor, mas que também possa ter uma possível atuação como órgão fomentador do desenvolvimento e crescimento do setor. Obviamente a atuação toda da Susep é focada na defesa dos interesses do consumidor. Nesse aspecto, temos alguns projetos que serão desenvolvidos para 2008 e que visam a dar mais transparência, aumentar o grau de informação e, principalmente, melhorar o nível de atendimento junto ao consumidor segurado. Para isso, é necessário que empreendamos algumas ações que estão sendo planejadas, como tornar a Susep mais conhecida pela sociedade. Trabalhar para que a autarquia tenha uma capilaridade maior e que possa cumprir seu papel de levar informação a todo o mercado, porque é a partir dessa confiança do consumidor que teremos um ponto de sustentação para o crescimento. Revista do IRB Como está sendo desenvolvido esse modelo de supervisão baseada em risco? A. V Isso já está em curso. Se você observar as próprias regras de capital que estão vigorando, elas atendem a uma política de supervisão baseada em risco, dentro do que preceitua o Basiléia 2. Esse é o modelo adotado. Nós estamos buscando subsídios em outros mercados. 10 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro 2007

11 ENTREVISTA Não há um modelo específico, mas estamos fazendo análises no âmbito das modernas práticas adotadas por países cujos mercados estão desenvolvidos e consolidados. Nesse caminho, temos tido uma interação muito grande com a IAIS, adotando realmente as orientações emanadas pela entidade. Revista do IRB O senhor foi indicado recentemente para presidir uma comissão constituída na Associação Internacional de Supervisores de Seguros (International Association of Insurance Supervisors IAIS) com o objetivo de estudar as perspectivas do microsseguro no mercado internacional. Como o senhor vê a adoção do microsseguro no Brasil? A. V O microsseguro é algo novo. Temos que pensá-lo de forma bastante diferenciada. Temos que ter regras, ao mesmo tempo, mais simples e mais claras. Temos que ter um produto de baixo custo e que realmente seja interessante, importante e que corresponda às necessidades desse consumidor. Temos a possibilidade de fazer do microsseguro um importante instrumento de inclusão social no Brasil. Isso é o pressuposto principal. Para isso, é necessário que tenhamos uma regulamentação específica, que possa permitir a inclusão das classes C, D e E nesse mercado. E aí empreenderemos as ações, nós, Governo e mercado, para que se criem os instrumentos necessários ao estabelecimento do mercado de microsseguros. Isso passa por várias análises, como distribuição, alterações na legislação tributária etc. Realmente, a minha designação como presidente dessa comissão no âmbito da IAIS foi muito importante. Acredito que exista uma possibilidade muito forte de outro brasileiro ser escolhido num outro comitê da Fundação Instituto de Desenvolvimento Empresarial Social (Fides) para tratar de microsseguro. Acredito que o presidente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), Antonio Cássio dos Santos, reúna todas as condições. Ele tem sido um fiel defensor da implementação desse modelo no Brasil. Caso isso ocorra, vamos ter uma atuação sinérgica no sentido de trazer esse assunto para a ordem do dia. Acredito que isso deva ocorrer em 2008, até porque, se queremos fazer com que o mercado alcance o patamar tão desejado de 6% a 7% do Produto Interno Bruto (PIB), é necessário que se aumente a base de consumo, é necessário que se faça a inserção dessas pessoas, que hoje estão completamente excluídas desse setor. Mas, para isso, é necessário ter produtos adequados, regras claras, distribuição adequada. Enfim, esse conjunto de ações que vamos analisar e estudar, buscando o diálogo franco com o mercado e setores do Governo, que tem muito interesse, porque, repito, é uma ferramenta de inclusão social muito importante para o Brasil. Acredito que vamos poder implementar o microsseguro e outros tipos de seguros, como o seguro popular de automóvel, num curto espaço de tempo. Revista do IRB Como funcionaria o modelo de seguro popular de automóvel? A. V Há uma frota muito grande em circulação no país composta por veículos com mais de 8 ou 10 anos de fabricação. O atual modelo em vigor no mercado se torna inviável aos donos dessa frota pelo conjunto de coberturas e exigências contratuais, acabando por excluir ou impossibilitar do ponto de vista financeiro a sua aquisição por grande parte dos proprietários desses veículos. Temos que ter uma adequação de normas. Isso passa, inclusive, pela análise da utilização de peças usadas, sempre certificadas. É preciso haver alteração da legislação, é necessário haver entendimento diferenciado do ponto de vista fiscal e tributário. Quem sabe, a isenção do IOF para que se possa viabilizar. Outras questões devem ser analisadas, como aprimoramento no combate à fraude. Há ainda outra questão que merece ser analisada com muita parcimônia pelo mercado, a questão dos desmanches, salvados etc. Tudo passa pela cultura, porque é a camada da população que talvez mais precise do seguro. Um carro de 12, 13 anos é o grande patrimônio da vida dos componentes dessa camada. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro

12 ENTREVISTA Acho que regra não tem que ser nem muito rígida, nem liberal, ela tem que ser na medida Revista do IRB Diante de tantas mudanças previstas para os próximos anos no mercado de seguros nacional, como está a especialização da mão-de-obra do mercado? O senhor avalia que o surgimento de cursos de terceiro grau e pós-graduação referentes ao mercado de seguros tem sido suficiente? A. V Educação nunca é suficiente, principalmente num país como o Brasil, em que os problemas são de cunho educacional. Há muito para ser feito. Mas, nesse aspecto, confio muito na atuação da Escola Nacional de Seguros, a Funenseg, que tem realmente prestado um importante serviço nos últimos anos, e que agora, com o reconhecimento do Ministério da Educação como entidade de ensino superior, pode, neste momento tão importante, ser a grande formadora de mão-de-obra qualificada para um mercado cada vez mais exigente. E acho que a Funenseg, por ser uma entidade que congrega todos os players do mercado (são mantenedores da Funenseg os seguradores, os corretores, a Susep, o próprio IRB), vai realmente poder horizontalizar um pouco mais suas ações, ter mais presença em alguns estados onde se faz necessário, como São Paulo. E, principalmente, fazer convênios e parcerias com outras entidades que têm interesse e vêm demonstrando disposição para agir, porque é um mercado muito promissor e que desperta muito interesse. Ouvi uma palestra do ex-presidente do Federal Reserve dos EUA, Alan Greenspan, em que ele anunciava o Brasil como a bola da vez no mercado econômico internacional. E acho que o mercado de seguros é a bola da vez na economia do Brasil. Revista do IRB Com o destaque do Brasil no cenário internacional, as regras de governança corporativa serão tão rígidas como em outros países? Qual é a expectativa da Susep? A. V Acho que regra não tem que ser nem muito rígida, nem liberal, ela tem que ser na medida. Nesse aspecto, é óbvio que faremos uma atualização e modernização de alguns marcos regulatórios, no sentido até mesmo de dar garantia jurídica, nesse cenário de que estamos falando, para o investidor. É necessário que isso seja pensado. É preciso que possamos realmente fazer a atualização desses marcos regulatórios em consonância com a atualização internacional. 12 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p. 6-12, dezembro 2007

13 NA ESTANTE ESTUDOS DE RISCO E SEGURO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Autores: Vitor Augusto Ozaki, Pedro Carvalho de Mello e Humberto Francisco Silva Spolador - Ed. Funenseg - 78 págs. O livro é fruto de pesquisa realizada a partir do acervo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP, na qual foram identificados teses e trabalhos realizados nos últimos anos sobre os temas: risco, seguros, derivativos e instrumentos financeiros no agronegócio. O livro aborda assuntos como a conjuntura macroeconômica brasileira; a evolução do agronegócio e da infra-estrutura no país e seus impactos no meio ambiente; o mercado de seguro agrícola; e a importância da pesquisa acadêmica para o crescimento do setor de seguros, além de trazer um detalhado conjunto de trabalhos realizados na ESALQ, relevantes para o mercado segurador. O IMPACTO DAS CATÁSTROFES CLIMÁTICAS NA SOLVÊNCIA DAS SEGURADORAS Autor: René Hernande Vieira Lopes - Ed. Funenseg págs. O livro investiga a questão das mudanças climáticas e do aquecimento global, a incidência desses acontecimentos e suas conseqüências para o mercado de seguros. A obra traz ainda definições e conceitos sobre o tempo, clima, condições atmosféricas, efeito estufa e ciclos climáticos naturais, além das características de fenômenos como El Niño, La Niña, tornados e furacões. O trabalho destaca também a importância da modelização dos riscos climáticos para as seguradoras e resseguradoras. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro

14 NA ESTANTE MARKETING DE SEGUROS DE VIDA E SAÚDE Terceira Edição Autores: Sharon B. Allen, Mary C. Bickley, Dennis W. Goodwin, Jennifer W. Herrod e Patsy Leeuwenburg - Ed. Funenseg págs. O marketing do seguro de vida e saúde passou por significativas mudanças na última década. Embora o livro mantenha as informações básicas e sólidas sobre o marketing encontradas nas edições anteriores, a atual edição passou por uma revisão substancial em algumas áreas distribuição e marketing de relacionamento com clientes em particular para refletir as práticas atuais do setor. O livro texto faz parte do Programa de Formação LOMA (Life Office Management Association, Inc.) em português PFLP. CADERNO DE EXERCÍCIOS PARA O CURSO PFLP 320 MARKETING DE SEGUROS DE VIDA E SAÚDE Autores: Jo Ann S. Appleton, Donna L. Dorris e Melanie R. Green - Ed. Funenseg págs. O Caderno de Exercícios foi elaborado pelo LOMA para complementar o livro Marketing de Seguros de Vida e Saúde, Terceira Edição. O Caderno inclui exercícios de exame, um simulado completo e um apêndice contendo as respostas para todas as questões apresentadas. O objetivo, de acordo com os autores, é que, ao ser utilizado em conjunto com os textos, o Caderno de Exercícios ajude a dominar o material do curso. Seleção de obras disponíveis na Biblioteca de Seguros Rodrigo Médicis pertencentes ao acervo da empresa. A Biblioteca está aberta para consulta diariamente das 9 às 17 horas, na Avenida Marechal Câmara, nº térreo, Castelo, RJ. Informações pelos telefones (21) e (21) , pelo ou pelo site 14 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro 2007

15 PANORAMA DO MERCADO AIDA lança II Concurso de Monografia Jurídica A Associação Internacional de Direito do Seguro - AIDA Brasil - lançou, em outubro último, o II Concurso de Monografia Jurídica de Direito do Seguro e Previdência, com apoio da Escola Nacional de Seguros - Funenseg. O objetivo é promover o estudo e a pesquisa na área de direito do seguro, premiando os dois melhores trabalhos em duas categorias: acadêmicos e profissionais. Os vencedores do concurso serão conhecidos durante o II Congresso Brasileiro de Direito de Seguros e Previdência, que ocorrerá nos dias 13 e 14 de março de 2008, na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Para acadêmicos o tema será O Contrato de Seguro no Direito Brasileiro Contemporâneo: aspectos essenciais. Já para a categoria profissionais os temas são os mesmos do I congresso. Informações no site: Temas - Categoria Profissionais: 1. Reflexo das decisões liminares em seguro saúde; 2. A eticidade nas relações entre segurados e seguradoras; 3. A responsabilidade civil e o contrato de seguro; 4. O canal de distribuição de seguros e a responsabilidade civil do corretor e do agente de seguros; Sinistros suspeitos de fraudes Em 2006, houve suspeita de fraudes em 7,6% dos sinistros e a comprovação foi feita em 16% dos sinistros suspeitos. Isso é o que revela o 4 o Ciclo do Sistema de Quantificação da Fraude - SQF - estudo da Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização - Fenaseg - que apresenta os indicadores de fraude do mercado segurador brasileiro. O montante de sinistros levados em consideração para a pesquisa, em 2006, foi de R$ 15 bilhões. Dessa forma, os sinistros com suspeita de fraude somaram R$ 1,13 bilhão. Já os sinistros com fraude comprovada registraram o montante de R$ 180 milhões. Os ramos que apresentaram maior percentual de suspeita de fraude foram os de Transportes (14,7%), Automóvel (9,7%) e Vida (8,1%). O 4 o Ciclo do SQF compilou informações de 2002 a 2006, abrangendo todos os ramos, com exceção de Saúde e Previdência Complementar Aberta. A participação do mercado em 2006, medida pelo prêmio ganho nos ramos e períodos pesquisados, atingiu 92% e as respostas consideradas alcançaram 81%. 5. Questões tributárias em previdência privada; 6. Cláusulas limitativas e restritivas de direitos no contrato de seguro; 7. A nova sistemática do processo de execução e a sua relação com o seguro; 8. A formação e a execução do contrato de resseguro e a importância dos usos e costumes internacionais. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro

16 PANORAMA DO MERCADO PANORAMA DO MERCADO Projeto sobre Pólo Internacional de Seguros e Resseguros no Rio de Janeiro vira lei O governador Sérgio Cabral sancionou, no dia 15 de outubro de 2007, a Lei de nº De acordo com a norma, estarão sob os efeitos da sanção as seguradoras e resseguradoras, corretoras de seguros e resseguros, e empresas que contêm, em seu objeto social, auditoria, estatísticas atuariais, regulação de sinistros ou administração de riscos em seguros e resseguros. A nova lei estabelece ainda que caberá ao Poder Executivo propor incentivos às empresas do setor e regulamentar essa lei, por meio de normas complementares para seu cumprimento. Presidente do Lloyd s of London visita Brasil Rosane Bekierman Lorde Peter Levene, presidente do Lloyd s of London O presidente do Lloyd s of London, Lorde Peter Levene, visitou o Brasil de 15 a 18 de outubro de Foi recebido por autoridades no Rio de Janeiro, como o governador Sérgio Cabral, e participou de programações em São Paulo, incluindo audiência com o Ministro da Fazenda, Guido Mantega. O presidente do principal mercado de seguros e resseguros no mundo veio conhecer as oportunidades, com a abertura do resseguro, e avaliar a possibilidade de o Lloyd s of London se estabelecer no País. No Brasil, a atuação do Lloyd s of London atualmente se faz por meio de participação no programa de property que o IRB-Brasil Re mantém com mercado internacional e em negócios facultativos, envolvendo as diferentes áreas de negócios. Peter Levene encontrou-se ainda com seguradores e resseguradores. Proferiu palestra na Escola Nacional de Seguros, revelando as três tendências que devem moldar o futuro do mercado global: os desafios da globalização, as oportunidades inéditas para o Brasil, e a necessidade de que o mercado aja com muita disciplina, para administrar o ciclo e ter um mercado vigoroso no futuro. Atualmente o Lloyd s congrega 67 sindicatos e 42 agentes administrativos, e oferece capacidade de subscrição, em negócios de seguro e resseguro, em cifra superior a US$ 30 bilhões. O mercado de resseguro responde por 35% dos prêmios do Lloyd s. 16 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro 2007

17 SEGURO DE VIDA INDIVIDUAL. DOENÇA PREE- XISTENTE. NEGATIVA DE COBERTURA. PRINCÍ- PIO DA BOA-FÉ. Uma vez demonstrado pela prova documental e testemunhal que a segurada era portadora de moléstia gravíssima, - câncer uterino, há pouco extirpado -, quando da contratação do seguro, e tendo tal fato omitido ao preencher o cartão-proposta, justificada se mostra a recusa da seguradora ao pagamento da indenização perseguida. A omissão falsa ou a omissão intencional são inadmissíveis no contrato de seguro porque afastam o próprio risco, a álea, que é elemento essencial desse contrato. Exegese do do CC de Litigância de má-fé. JURISPRUDÊNCIA (STJ REsp, Unânime da 3ª T., publ. em REsp /RJ Rel. Min. Castro Filho) Consulta à Jurisprudência STJ AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA E ACI- DENTES PESSOAIS. HOMOLOGAÇÃO DE ACOR- DO. QUITAÇÃO COMPLETA. COISA JULGADA. Quem, transigindo, passa quitação total à seguradora, não pode, mais tarde, deduzir novo pedido de indenização pelo agravamento da lesão em torno da qual se efetivou a transigência. Não cabe recurso especial para interpretação de cláusula contratual (Súmula 5). (TJ-RS Ac. Unânime da 6ª Câmara Cív., publ. em Ap. Cív Rel. Des. Osvaldo Stefanello) (STJ REsp, Unânime da 3ª T., publ. em REsp /SP Rel. Min. Humberto Gomes de Barros) Consulta à Jurisprudência TJ-RS CIVIL. SEGURO. DANOS MORAIS. CLÁUSULA AUTÔNOMA. AUSÊNCIA DE CONTRATAÇÃO. COBERTURA. INEXISTÊNCIA. INDENIZAÇÃO. DESCABIMENTO. DIVERGÊNCIA JURISPRUDEN- CIAL NÃO CONFIGURADA. A previsão contratual de cobertura dos danos pessoais abrange os danos morais tão-somente se estes não forem objeto de exclusão expressa ou não figurarem como objeto de cláusula contratual independente. Se o contrato de seguro consignou, em cláusulas distintas e autônomas, os danos material, corpóreo e moral, e o segurado optou por não contratar a cobertura para este último, não pode exigir o seu pagamento pela seguradora. Ausente a similitude fática entre as hipóteses trazidas a confronto, não há falar em dissenso pretoriano. Consulta à Jurisprudência STJ CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. JUS- TIÇAS DO TRABALHO E ESTADUAL. AÇÃO DE COBRANÇA DE INDENIZAÇÃO SECURITÁRIA CUMULADA COM REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS DECORRENTES DO INADIMPLEMENTO DE SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS. ART. 114, VI, DA CF. EMENDA CONSTITUCIONAL 45/2004. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. Compete à Justiça comum estadual processar e julgar as ações de cobrança de indenização securitária cumulada com reparação moral decorrente de descumprimento contratual de seguro de vida em grupo e acidentes pessoais. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro

18 JURISPRUDÊNCIA (STJ CC., Unânime da 2ª Seç., publ. em CC 81285/SP Rel. Min. Humberto Gomes de Barros) Consulta à Jurisprudência STJ AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. SEGURO. CONTRATAÇÃO EM DUPLICIDADE. DECLARAÇÃO FALSA. FRAUDE VERIFICADA PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. VIOLAÇÃO DO ART DO CCB/1916. REFORMA. INCIDÊN- CIA DO ENUNCIADO Nº 7 DA SÚMULA DESTA CORTE. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. A pretendida reforma do aresto a quo, no qual restou consignado que a conduta da empresa lotérica, ao firmar dois contratos de seguro, a fim de garantir o valor total da mesma coisa, resultou em fraude, implica a incursão no acervo fático-probatório dos autos, encontrando óbice no Verbete Sumular nº 7, do Superior Tribunal de Justiça. RECURSO ESPECIAL. CONTRATO DE SEGURO. TRANSPORTADORA. CLÁUSULA LIMITATIVA DE RISCO. POSSIBILIDADE. ACÓRDÃO. FUNDA- MENTO NÃO IMPUGNADO. SÚMULA 283/STF. É possível, em contrato de adesão, cláusula limitativa de risco, em texto expresso e de fácil verificação. Artigos 54, 4º, do Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil anterior. Restando ausente impugnação ao fundamento do acórdão recorrido, incide, por analogia, o enunciado 283 da Súmula do Supremo Tribunal Federal. (STJ REsp, Por Maioria da 3ª T., publ. em REsp /PR Rel. Min. Castro Filho) Consulta à Jurisprudência STJ (STJ AgRg., Unânime da 4ª T., publ. em AgRg /RJ Rel. Min. Hélio Quaglia Barbosa) Consulta à Jurisprudência STJ 18 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro 2007

19 MATÉRIA DE CAPA NOVO FUNDO DE CATÁSTROFE PARA O SEGURO RURAL DEVE SAIR EM 2008 Sinal verde para o seguro rural no Brasil. Depois da criação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural em 2003, o governo estuda agora um novo modelo para o Fundo de Catástrofe Rural, que substituirá o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural (FESR). O projeto, desenhado em conjunto com a iniciativa privada, já está pronto. Passou pelos Ministérios da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento. Agora caberá ao Planalto enviá-lo ao Congresso. Caso tudo corra bem, o projeto pode ser aprovado em 2008 e, provavelmente, ainda em 2009 o novo fundo será implementado, acredita o secretário adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda e Presidente do Conselho de Administração do IRB-Brasil Re, Otávio Ribeiro Damaso. Damaso esteve diretamente envolvido no desenho do novo fundo, que ele define como uma Parceria Público-Privada (PPP). À mesa de negociações, além do governo, tiveram assento representantes de seguradoras, resseguradoras, produtores e acadêmicos. O objetivo foi discutir sugestões para um novo modelo que atendesse aos atores desse segmento. Além disso, o governo realizou um minucioso estudo de modelos em países onde esse instrumento é desenvolvido de maneira eficaz, como, por exemplo, Espanha e Estados Unidos. Otávio Ribeiro Damaso Ao final de quase dois anos, o resultado foi um programa que, na visão de Damaso, poderá ser mais um importante instrumento dentro da política governamental de incentivar o seguro rural no país. A proposta é no sentido de que as seguradoras se organizem para constituir uma companhia, sem fins lucrativos, com objetivo de oferecer proteção de catástrofe. A empresa terá recursos das companhias participantes e também obterá subvenção econômica do governo. Serão dois tipos de aporte de recursos: um anual, para a operação, e um suplementar, cujo montante ainda não foi definido, para o caso de uma catástrofe. Essa garantia será dada pelo Tesouro Nacional, sob a forma de títulos que serão depositados em uma instituição financeira federal. Estamos colocando uma garantia adicional e, dessa forma, sinalizamos às companhias que elas podem crescer, diz o secretário, sem citar números. R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro

20 MATÉRIA DE CAPA A expectativa é de que, com a criação do novo fundo, a operação em seguro rural se torne mais atrativa para as seguradoras, que poderão atuar em locais onde o clima é mais instável. Atualmente, apenas seis seguradoras operam nesse segmento no país: Aliança do Brasil, AGF Brasil Seguros, Mapfre Seguros, Nobre Seguros, Seguradora Brasileira Rural e UBF Garantia & Seguros. Recentemente a Porto Seguro anunciou sua volta ao segmento. Se tivermos dez seguradoras operando em seguro rural já será um bom número. O custo administrativo dessa operação é maior. É preciso, por exemplo, a ida ao campo, a especialização. Ao contrário de produtos como o automóvel, em que é possível fazer a cotação por telefone, no seguro rural não há uniformização, avalia o secretário. Agilidade no pagamento das indenizações é o principal problema apresentado pelo fundo vigente Lição de casa O FESR foi criado pelo decreto-lei nº 73, de , com o objetivo de manter e garantir o equilíbrio das operações agrícolas no país, bem como atender à cobertura suplementar dos riscos de catástrofe, inerentes à atividade rural. No entanto, com o passar dos anos, os diversos entraves para a sua utilização acabaram por desestimular a operação das seguradoras do mercado nesse segmento. Agilidade no pagamento das indenizações é, na opinião dos especialistas, o principal problema apresentado pelo fundo vigente. Atualmente, seguradoras e o IRB-Brasil Re recuperam do FESR a parcela de seus prejuízos, quando a sinistralidade se situa entre 100% e 150% ou é superior a 250%. Já a faixa que vai de 150% a 250% pode ser amparada por um contrato de resseguro, uma vez que não é coberta pelo FESR. Hélio Abrantes Mas, por ser um fundo atrelado à dotação orçamentária do governo, o repasse dos recursos às seguradoras, no caso de um evento catastrófico, acaba se transformando em um processo muitas vezes demorado. Esse é um problema crônico porque ele está amarrado ao orçamento do governo. Quando é necessária a solicitação de um crédito especial, por exemplo, é preciso que o pedido tramite no Congresso Nacional. O processo de pagamento pode levar até seis meses, conta o gerente de Seguros de Governo (Seguro Rural e de Crédito à Exportação) do IRB-Brasil Re, Hélio Abrantes. A partir daí o efeito é de uma grande bola de neve que acaba afetando a cadeia produtiva agrícola. Quando a seguradora não tem recursos não pode pagar a cobertura. Se o produtor não recebe a indenização, não pode quitar sua dívida com o banco. Por não ter quitado a dívida com o banco, não conseguirá um novo financiamento, pois está devendo, explica Abrantes. 20 R. do IRB, Rio de Janeiro, a. 67, n. 303, p , dezembro 2007

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO

CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO CARTA DA 1ª CONFERÊNCIA INTERATIVA DE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Em 03 de março de 2010, foi realizada no Rio de Janeiro a 1ª CONFERENCIA INTERATIVA DE PROTEÇAO DO CONSUMIDOR DE SEGURO Reunidos sob

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

"O MEC não pretende abraçar todo o sistema"

O MEC não pretende abraçar todo o sistema "O MEC não pretende abraçar todo o sistema" Data: 30/11/2008 Veículo: O Globo Editoria: Boa Chance Ministro diz que governo não vai regular MBAs e que empresas já mantêm certo controle sobre a qualidade

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro

As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro As Recentes Modificações nas Regras do Mercado de Resseguro ANDRÉ ALARCON Sócio da Área de Seguros e Resseguros BÁRBARA BASSANI Advogada da área de Seguros e Resseguros Desde o advento da Lei Complementar

Leia mais

REVISTA NACIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - RNTI

REVISTA NACIONAL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - RNTI - RNTI (publicação oficial do Setor de TIC) Atualização desde documento: 12.08.2015 Todos sabem e principalmente nós que a tecnologia da informação e comunicação está presente no dia a dia de praticamente

Leia mais

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em 11.2007. João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais Avaliando oportunidades de sucesso através de um

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 44 São Paulo, 123 (94) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I terça-feira, 21 de maio de 2013 Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 Dispõe sobre pedidos de reconsideração e recursos referentes aos resultados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros. Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org.

O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros. Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org. O Mercado Brasileiro de Seguros Gerais em Evolução: o Papel do Corretor de Seguros Paulo Marraccini paulo.marraccini@fenseg.org.br Seguros Gerais Segmento de Danos (SUSEP) Automóvel 8 ramos Patrimonial

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003 (Da Sra. Edna Macedo) Solicita ao Sr. Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, no âmbito do Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Idec, organização sem fins lucrativos e independente de empresas,

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA.

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. ANOS 75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. Fundado em 1937, URBANO VITALINO ADVOGADOS é um escritório com larga experiência e tradição jurídica, que prima pela excelência na prestação de seus serviços e atua em

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum.

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum. 1. 1.1. O referente à Certificação de Correspondentes no País Modalidade Transacional (chamado a partir de agora de ), tem por base a legislação que rege a atuação dos correspondentes no País, pela atuação

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos Prof. William Eid Junior Professor Titular

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br Lei 9.790/99 Incentivo Fiscal: contribuindo para ações de responsabilidade social Elaborado por: Miriane de Almeida Fernandes CRA 1.65.348-9 e CRC 1SP229778-P-3 Iara Hernandes Barciella, CRC 1SP184189/P-6

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14/2010 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE EMPRESA CONSULTORIA/ASSESSORIA PARA APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PROGRAMA

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

SEGUROS E RESSEGUROS

SEGUROS E RESSEGUROS SEGUROS E RESSEGUROS S EGUROS E R ESS Especialistas do setor prevêem que o mercado de seguros representará cerca de 6% do PIB até 2015 o mercado de seguros e resseguros no Brasil vem crescendo de forma

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais