Mercados informação global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercados informação global"

Transcrição

1 Mercados informação global Áustria Ficha de Mercado Setembro 2010

2 Índice 1. País em Ficha 3 2. Economia Situação económica e Perspectivas Comércio Internacional Investimento Turismo Relações Económicas com Portugal Comércio Serviços Investimento Turismo Relações Internacionais e Regionais Condições Legais de Acesso ao Mercado Regime Geral de Importação Regime de Investimento Estrangeiro Quadro Legal Informações Úteis Endereços Diversos Fontes de Informação Informação Online AICEP Portugal Global Endereços de Internet 33 2

3 1. O País em Ficha Área: km 2 População: 8,4 milhões de habitantes (2009, estimativa) Densidade populacional: 100,2 hab./km 2 (2009, estimativa) Designação oficial: Forma de Estado: Chefe do Estado: Chanceler Federal: República da Áustria República Federal Heinz Fischer (eleito em Abril de 2010, segundo mandato) Werner Faymann (SPÖ) Data da actual Constituição: A base legal da República da Áustria decorre da Constituição de 1920, da alteração de 1929, do Tratado de Viena de 1955 e da Lei Constitucional de Neutralidade Permanente de Principais Partidos Políticos: Partido Social Democrático (SPÖ); Partido Popular da Áustria (ÖPV); Partido da Liberdade (FPÖ); Aliança para o Futuro da Áustria (BZÖ). Os Verdes. Capital: Viena (1.550 mil habitantes) (censo de 2001) Outras cidades importantes: Graz; Linz; Salzburgo; Bregenz; Innsbruck. Religião: A maioria da população é cristã; cerca de 72% é católica romana e 5% protestante. Língua: Alemão. Unidade monetária: Euro (EUR). 1 EUR = 1,39 USD (média de 2009); Risco País: Risco de crédito Risco político AA Risco de estrutura económica A Risco país A (AAA = risco menor; D = risco maior) Ranking em negócios Índice 7,7 (10 = máximo) Ranking geral 19 (entre 82 países) (EIU Setembro 2010) 1 (1 = risco menor; 7 = risco maior) (COSEC Julho ) Grau da abertura e dimensão relativa do mercado (2009): Exp. + Imp. / PIB = 72,1% Imp. / PIB = 36,4% Imp. / Imp. Mundial = 1,1% (2008) Fontes: The Economist Intelligence Unit (EIU) Setembro 2010 WTO World Trade Organization; COSEC 3

4 2. Economia 2.1 Situação Económica e Perspectivas Em termos de padrões internacionais, a economia austríaca é uma das mais avançadas e modernas do mundo, sendo dominada pelos serviços: em 2008, mais de 2/3 do VAB tinha por origem o sector terciário, à volta de 31% o sector secundário e apenas 2% o sector primário. Segundo o EIU, o PIB per capita da UE27, em PPC, representava apenas 76,5% do PIB per capita austríaco, sendo este o 4º maior dos países comunitários em 2009, prevendo-se, todavia, o seu ligeiro retrocesso para o 5º lugar em 2014, em consequência, antes de tudo, dos efeitos negativos da crise económico-financeira mundial na economia austríaca. Em 2009, a Áustria investia 2,73% do PIB (2,47% em 2005) em I&D, propondo-se o Governo subir estas despesas para 3% do PIB em 2010; ocupava o 3º lugar no conjunto dos países europeus em termos de percentagem de PIB gasto em I&D, em As energias renováveis representavam, em 2008, cerca de 27% da energia consumida, bem acima dos cerca de 7,8% da média da UE27; cerca de 69% da electricidade produzida provinha de fontes renováveis. Em consequência dos pacotes de medidas de estímulo à economia e de protecção do modelo social, bem como da acção dos estabilizadores automáticos, o défice orçamental subiu de -0,5% do PIB em 2008 para -3,6% do PIB em 2009, prevendo-se o seu aumento para -5,1% do PIB em A partir de 2011, graças à implementação prevista do programa de consolidação fiscal, o défice orçamental deverá cair para -4,2% do PIB naquele ano, continuando o seu movimento descendente até -2,9% do PIB em Mesmo assim, há que realçar que a situação fiscal austríaca é menos má do que a de muitos outros países membros da UE. A redução do défice orçamental apresenta-se, agora, sem dúvida, como a grande prioridade da política económica governamental nos próximos anos, devendo até mesmo as medidas de estímulo à economia ficarem subordinadas à concretização daquele objectivo prioritário. Tendo em vista a redução do défice orçamental para menos de 3,0% do PIB a partir de 2013, o programa governamental de consolidação fiscal para é uma combinação de cortes de despesas e aumento de receitas. Neste período, numa proporção de 60%:40%, o programa prevê cortes nas despesas no montante de 3,5 mil milhões de euros e o aumento de receitas no montante de 2,4 mil milhões de euros. Continua sendo, também, preocupação das autoridades competentes o risco de exposição dos bancos austríacos às economias dos PECO, uma vez que, segundo o Banco Nacional de Áustria (BNA), a quota de mercado dos bancos austríacos naquela região era de 22% em finais de 2008, representando o montante de empréstimos por eles concedidos àquele grupo de países cerca de 120% do PIB austríaco. 4

5 Todavia, há que realçar que, não obstante terem sido já nacionalizados dois bancos, o Kommunalkredit, em finais de 2008, e o Hypo Group Alpe Adria, em Dezembro de 2009, os três maiores bancos austríacos Bank Áustria, Raiffeisen Zentralbank (RZB) e Erste Group -, se afiguram bem capitalizados, tendo o RZB e o Erste Group passado sem dificuldade o teste de resistência em cenário adverso, de Julho último. Principais Indicadores Macroeconómicos Unidade a 2011 a 2012 a População Milhões 8,3 8,4 a 8,4 a 8,4 8,4 8,5 PIB a preços de mercado 10 9 EUR 272,2 282,0 273,4 293,6 304,5 313,6 PIB a preços de mercado 10 9 USD 372,5 414,6 380,8 379,7 376,0 376,3 PIB per capita USD a Crescimento real do PIB % 3,4 1,9-3,4 1,9 0,9 1,1 Consumo privado Var. % 0,9 0,5 0,8 1,1 0,8 1,3 Consumo público Var. % 2,4 2,3 1,2 1,7 0,2 0,9 FBCF Var. % 3,2 0,6-7,8 2,8 2,1 2,2 Taxa desemprego médio % 4,4 3,8 4,8 4,9 4,8 4,7 Taxa de inflação média % 2,2 3,2 0,4 2,1 1,9 1,7 Dívida pública % do PIB 59,5 62,7 66,4 a 67,9 b 71,3 b 72,6 b Saldo do sector público % do PIB -0,6-0,5-3,6 a -5,1 b -4,2 b -3,3 b Balança corrente 10 9 USD 13,2 13,4 8,7 5,4 1,9 0,4 Balança corrente % do PIB 3,5 3,2 2,3 1,4 0,5 0,1 Taxa de câmbio média 1EUR=USD 1,37 1,47 1,39 1,29 1,24 1,20 Fonte: Economist Intelligence Unit (EIU) Setembro 2010 Notas: (a) Estimativa (b) Previsão No período de , o PIB cresceu a uma taxa média de 2,9% ao ano, superando a da UE27 (2,2%). As exportações líquidas e a procura interna foram, em proporções mais ou menos idênticas, os factores determinantes do crescimento, sendo, no âmbito da procura interna, o contributo do consumo superior ao da formação bruta de capital fixo. Há que realçar, contudo, a desaceleração assinalável da taxa de crescimento do PIB de 3,4% em 2007 para 1,9% em 2008, reflectindo já o impacto negativo da crise financeira mundial, acentuado no último trimestre de 2008, na economia austríaca. Em relação a 2008, o PIB austríaco, reflectindo o aprofundamento da crise económico-financeira mundial, registou, em 2009, uma quebra de 3,4%, dando, de longe, para o efeito, as exportações líquidas o maior contributo negativo, enquanto que no âmbito da procura interna surge à cabeça a contracção assinalável da formação bruta de capital fixo. Há que realçar que a economia austríaca registou em 2009 a sua maior recessão desde a Segunda Guerra Mundial. Todavia, a taxa negativa de 5

6 crescimento do PIB austríaco, em 2009, foi mesmo assim inferior à taxa de crescimento do PIB da UE27 (-4,2%). Segundo as estimativas mais recentes, a recuperação económica deverá processar-se, em 2010, a um ritmo marcadamente mais rápido do que o inicialmente previsto, mas desacelerar em 2011 e 2012, contrariando as previsões anteriormente anunciadas. Com efeito, em 2010, a taxa de crescimento do PIB deverá agora elevar-se a 1,9% (0,7% anteriormente), e a 0,9% e 1,1% em 2011 e 2012, respectivamente (1,1% e 2,0%, anteriormente). Em 2010, as exportações líquidas (devido em parte à recuperação económica notável da Alemanha, e não só, principal parceiro comercial de Áustria), e, em menor medida, a procura interna, serão determinantes para o crescimento do PIB; a partir de 2011, o consumo privado e a formação bruta de capital fixo assumirão o papel de locomotiva do crescimento, embora a um ritmo mais lento. Em resumo, a necessidade de se pôr fim aos estímulos fiscais à economia, em combinação com o início da implementação do programa de austeridade fiscal austríaco (bem como em outros países comunitários), levará à desaceleração prevista do crescimento económico a partir de Estima-se que, em 2010, o PIB austríaco cresça a um ritmo mais rápido do que o da UE27 (1,4%), mas que, em 2011 e 2012, fique aquém da taxa de crescimento do PIB da UE27 (1,1% e 1,5%). A taxa de inflação média que atingiu os 3,2% em 2008 (2,2% em 2007), devido principalmente aos preços mais elevados do petróleo e dos produtos alimentares no mercado internacional, bem como à evolução acentuadamente assimétrica do emprego (+2,3%, em relação a 2007) e da produtividade do trabalho (-0,4%), caiu para 0,4% em 2009, reflectindo a forte contracção da procura interna (-1,0%) e da actividade económica (-3,4%), em combinação com as quebras mais ou menos acentuadas dos preços dos combustíveis e matérias-primas no mercado mundial. Contudo, pode dizer-se que, de uma maneira geral, a taxa de inflação austríaca tem-se mantido em linha com a média da Zona Euro. Em 2010, em consonância com a recuperação da actividade económica e procura interna, reflectindo o aumento dos preços dos combustíveis e matérias-primas no mercado internacional, bem como das rendas da habitação e, de um modo geral, o aumento dos preços importados resultante da depreciação do euro, a taxa de inflação deverá subir para 2,1%, devendo manter-se à volta de 1,8% em 2011 e 2012, acompanhando então a desaceleração do crescimento do PIB e da procura interna. A taxa média de desemprego, que caíra de 5,2% em 2005 para 3,8% em 2008, subiu para 4,8% em 2009, reflectindo o impacto negativo do agravamento da crise económico-financeira mundial na economia austríaca, devendo manter-se à volta dos 4,8% no triénio O crescimento económico previsto para 2010, 2011 e 2012 resultará mais do aumento da produtividade do trabalho (1,0% em média ao ano) que do emprego (0,3% em média ao ano). 6

7 Há que realçar que, em 2008, a Áustria contava com uma taxa de emprego de 72% no grupo etário dos 15 aos 64 anos, consideravelmente superior à média da UE27 (66%), ocupando o 4º lugar no âmbito comunitário. Em Julho de 2010, a Áustria registava uma taxa de desemprego de 3,9%, a mais baixa desde Setembro de 2008, a qual era também a mais baixa da UE27, cuja taxa média ascendia a 9,6% em Junho. Em consequência dos efeitos negativos da crise económico-financeira na economia austríaca e das medidas tomadas no sentido da sua superação, o saldo orçamental terá subido de -0,5% do PIB em 2008 para -3,6% do PIB em 2009, prevendo-se a sua aceleração para -5,1% em 2010; o défice orçamental deverá regredir para 4,2%, 3,3% e 3,1%, em 2011, 2012 e 2013, respectivamente. Apenas em 2014, segundo as previsões do EIU, deverá ficar no âmbito dos critérios de Maastricht (-2,9% do PIB). O aumento do défice orçamental para 5,1% do PIB em 2010, ficar-se-á a dever, antes de tudo, às medidas governamentais tomadas em apoio da procura interna, enquanto que a sua diminuição, a partir de 2011, resultará da implementação de medidas de austeridade fiscal, embora a situação fiscal austríaca continue sendo claramente menos má do que a de muitos outros países membros da UE. Espelhando o agravamento da crise económico-financeira mundial e a persistência de seus efeitos negativos na economia austríaca, interrompeu-se em 2008 a tendência decrescente da dívida pública em função do PIB, quando subiu de 59,5% em 2007 para 62,7% em 2008, acelerando para 66,4% em 2009, e prevendo-se a continuação do seu agravamento nos próximos anos, até 74,4% em Poderá mesmo vir a verificar-se um risco moderado de maior crescimento da dívida pública, caso venha a ser necessária a intervenção governamental em socorro da banca muito exposta às economias dos PECO (os empréstimos da banca austríaca a estes países representam cerca de 120% do PIB austríaco). O saldo da balança corrente caiu abruptamente de 13,4 mil milhões de USD em 2008 para 8,7 mil milhões de USD em 2009, ou seja, de 3,2% do PIB para 2,3% do PIB, em consequência, antes de tudo, da deterioração do saldo da balança comercial de -0,1% para -0,8% do PIB e da diminuição do saldo da balança de serviços de 4,6% para 4,2% do PIB, enquanto que as participações das balanças de rendimentos e transferências no PIB se mantiveram praticamente estáveis. Os efeitos negativos da crise económico-financeira mundial na economia austríaca, reflectidos também na deterioração dos termos de troca do seu comércio externo em 2,3 pontos percentuais, ajudam a explicar igualmente aqueles resultados. As previsões do EIU apontam para uma desaceleração do saldo da balança corrente para 1,4% do PIB em 2010, até 0,1% do PIB em 2012, seguida de participações negativas crescentes de 0,1% e 0,6% do PIB em 2013 e 2014, respectivamente. 7

8 2.2 Comércio Internacional No âmbito das relações comerciais internacionais, a Áustria ocupa uma posição relativamente elevada no ranking mundial, quer como exportador (25º lugar em 2008), quer como importador (22º lugar em 2008), sendo, no seio da UE27, o 9º maior exportador e importador. Todavia, no período de , a posição da Áustria no ranking mundial de exportadores regrediu 3 lugares e no de importadores 4 lugares, tendo também a sua quota, tanto nas exportações como nas importações mundiais, caído de 1,2% para 1,1%, naquele período. Não obstante, no período de , as exportações cresceram a uma taxa média de 14,6% ao ano, e as importações a uma taxa média de 14,2% ao ano, o que se traduziu numa ligeira melhoria da taxa de cobertura das importações pelas exportações de 98,5% para 99,7%, com um pico de 101,1% em 2007, tendo o saldo comercial registado, no cômputo geral, uma evolução algo errática. Em relação a 2008, dado o grau relativamente elevado de abertura da economia austríaca ao exterior (86,6% em 2008), e reflectindo o agravamento da crise económico-financeira mundial, em 2009, as exportações registaram uma taxa negativa de crescimento de 24,3% e as importações 22,9%, o que se espelhou num forte aumento do saldo negativo da balança comercial de 0,6 para 3,0 mil milhões de USD (400,0%). Dado tratar-se de uma economia relativamente pequena mas cada vez mais aberta ao exterior, com a participação das exportações de bens e serviços na formação do PIB subindo de 34,9% em 1995 para 58,3% em 2008, e a das importações de 35,6% para 52,8%, bem acima da média da UE27 (41,3% e 41,0%, em 2008, respectivamente), foi marcante o impacto negativo da crise económico-financeira mundial na formação do PIB austríaco, reflectido numa diminuição assinalável da participação daquelas duas variáveis no mesmo em 2009 (51,2% e 47,1%, ou seja, -7,1 e -5,7 pontos percentuais, respectivamente). É de realçar que o EIU não prevê a ultrapassagem dos valores das exportações/importações de bens alcançados pela Áustria em 2008 antes de 2014, deixando bem claro o forte impacto negativo que aquela crise terá na economia do país. Evolução da balança comercial (10 9 USD) Exportação fob 119,2 133,8 162,9 179,2 135,7 Importação fob 121,0 133,4 161,1 179,8 138,7 Saldo -1,8 0,4 1,8-0,6-3,0 Coeficiente de cobertura (%) 98,5 100,3 101,1 99,7 97,8 Posição no ranking mundial Como exportador 22ª 24ª 23ª 25ª n.d. Como importador 18ª 22ª 22ª 22ª n.d Fontes: EIU; WTO World Trade Organisation

9 A UE27 é de longe o principal parceiro comercial da Áustria, tendo-lhe, em 2009, absorvido cerca de 71,8% das suas exportações e fornecido 78,0 das suas importações, destacando-se claramente a Alemanha como primeiro parceiro comercial, tanto do lado das exportações, como das importações, seguida, mas muito aquém, da Itália, França, República Checa, Hungria, Reino Unido, etc., como clientes, e da Itália, Holanda, República Checa, França, Hungria, etc., como fornecedores. Em especial, é de realçar a posição dominante da Alemanha na balança comercial austríaca, adquirindo 30,1% das suas vendas ao exterior e vendendo-lhe 44,5% das suas compras no exterior, acusando, portanto, a balança comercial um forte défice com aquele país (cerca de -22,4 mil milhões de USD, em 2009). Em 2009, Portugal ocupava o 40º lugar no ranking de clientes, com uma quota de 0,40%, e o 41º lugar no de fornecedores, com uma quota de 0,19%, tendo, em relação a 2007, perdido uma posição como cliente e ganho uma como fornecedor. Fora da UE, destacavam-se a Suíça, no 3º lugar e uma quota de 4,5% e, os EUA, no 4º lugar com uma quota de 3,9%, no ranking de clientes. Relativamente aos fornecedores destacaram-se a Suíça, no 3º lugar e uma quota de 6,4% e a China, no 7º lugar e uma quota de 2,4%. A Áustria é um bom exemplo de como tirar partido de uma boa posição geográfica. Com efeito, em 2009, 63,3% das suas importações tinham por origem os seus países vizinhos (República Checa, Eslováquia, Hungria, Eslovénia, Itália, Alemanha e Suíça), e 53,2% das suas exportações tinham por destino esses mesmos países. Segundo o WTA, a balança comercial austríaca com a UE27 registava em 2009 um saldo negativo de cerca de ,2 milhões de USD, tendo atingido os seus maiores saldos negativos com a Alemanha e a Holanda (cerca de e milhões de USD, respectivamente) e os seus maiores saldos positivos com o Reino Unido e a Polónia (cerca de e milhões de USD, respectivamente). São de realçar igualmente os maiores saldos comerciais negativos, tendencialmente crescentes, registados com a Suíça e Cazaquistão (cerca de e milhões de USD, respectivamente), bem como os maiores saldos positivos com os EUA e a Rússia (cerca de e milhões de USD, respectivamente), países fora da UE. 9

10 Principais Clientes Mercado Quota Posição Quota Posição Quota Posição Portugal 0,39 39ª 0,32 41ª 0,40 40ª Alemanha 29,02 1ª 28,74 1ª 30,11 1ª Itália 8,03 2ª 7,64 2ª 7,35 2ª Suíça 3,83 4ª 3,68 5ª 4,48 3ª EUA 4,80 3ª 4,20 3ª 3,87 4ª França 3,42 5ª 3,50 7ª 3,78 5ª República Checa 3,38 7ª 3,88 4ª 3,78 6ª Hungria 3,30 8ª 3,60 6ª 3,25 7ª Reino Unido 3,39 6ª 3,00 8ª 3,00 8ª Polónia 2,38 9ª 2,75 9ª 2,73 9ª Rússia 2,38 10ª 2,72 10ª 2,34 10ª UE ,77 Fonte: WTA World Trade Atlas Principais Fornecedores Mercado Quota Posição Quota Posição Quota Posição Portugal 0,18 42ª 0,19 43ª 0,19 41ª Alemanha 44,91 1ª 43,84 1ª 44,54 1ª Itália 6,94 2ª 6,94 2ª 6,53 2ª Suíça 4,41 3ª 4,85 3ª 6,41 3ª Holanda 4,13 4ª 3,98 4ª 3,90 4ª República Checa 3,05 6ª 3,39 5ª 3,36 5ª França 3,07 5ª 3,02 6ª 3,09 6ª China 1,95 9ª 2,47 8ª 2,44 7ª Hungria 2,37 7ª 2,58 7ª 2,23 8ª Eslováquia 1,84 10ª 1,96 10ª 2,12 9ª Bélgica 2,16 8ª 2,04 9ª 2,04 10ª UE ,01 Fonte: WTA World Trade Atlas 10

11 Principais Produtos Transaccionados 2009 Exportações / Sector % Importações / Sector % Máquinas e aparelhos, eléctricos e mecânicos 29,0 Máquinas e aparelhos, eléctricos e mecânicos 23,3 Veículos e outro material de transporte 10,1 Veículos e outro material de transporte 11,0 Produtos farmacêuticos 5,4 Combustíveis/óleos minerais, etc. 9,9 Plásticos e suas obras 4,5 Plásticos e suas obras 4,3 Ferro fundido, ferro e aço 3,9 Produtos farmacêuticos 3,7 Papel e cartão, obras de pasta de celulose 3,6 Obras de ferro fundido, ferro ou aço 3,0 Obras de ferro fundido, ferro ou aço 3,6 Instrumentos de óptica e precisão 2,5 Combustíveis/óleos minerais, etc. 3,3 Pérolas, pedras e metais preciosos, etc. 2,5 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira 3,3 Móveis, mobiliários médico-cirúrgico, etc. 2,4 Instrumentos de óptica e precisão 2,6 Ferro fundido, ferro e aço 2,1 Fonte: WTA - World Trade Atlas Os últimos dados disponíveis relativos aos principais produtos transaccionados pela Áustria, em 2009, permitem relevar os seguintes aspectos: -- preponderância dos produtos de maior valor acrescentado de ambos os lados da balança comercial, embora com maior peso do lado das exportações. Com efeito, no conjunto dos dez primeiros capítulos pautais acima indicados, as máquinas e aparelhos, eléctricos e mecânicos e os veículos e outro material de transporte e suas partes representavam 39,1% do valor global das exportações austríacas e 34,3% do valor global das importações. Se a estes juntarmos os produtos farmacêuticos e os instrumentos de óptica e precisão, a quota dos produtos de alta e média-alta tecnologia sobe para 47,1% do lado das exportações e para 40,5% do lado das importações, o que reflecte bem o grau de desenvolvimento da economia austríaca; -- igualmente um peso relevante de produtos intermédios e combustíveis em ambos os lados da mostra da balança comercial (22,2% do lado das exportações e 21,8% do das importações). Há que realçar que o peso relativamente elevado dos combustíveis (9,9%) no valor global das importações, em 2009, se prende também, além do factor preço, com a participação acentuada de 69,4% de energia importada no consumo energético primário total do país (53,1%, em média, na UE27, em 2007). De um modo geral, pode dizer-se que a estrutura exportadora austríaca é constituída basicamente por produtos de grau de intensidade tecnológica média/alta de elevado valor acrescentado, que ocupam posições importantes nos mercados internacionais, em especial no mercado alemão. As mercadorias mais exportadas, em conformidade com o peso dos sectores mais importantes no output industrial, dizem respeito a máquinas e aparelhos, componentes, peças e automóveis para transporte de mercadorias, produtos siderúrgicos, produtos médicos e farmacêuticos, papel e cartão, 11

12 plásticos e produtos alimentares. O facto de Viena ter sido tradicionalmente sede de multinacionais dos sectores eléctrico e electrónico, assim como de produtos farmacêuticos, embora, nos últimos anos, se tenha verificado alguma deslocalização, explica, em parte, também, a sua estrutura exportadora. Há que realçar que o fenómeno da globalização trouxe uma integração crescente da economia austríaca na divisão internacional do trabalho, com uma importância crescente das importações de produtos intermédios destinados ao seu sector exportador. Em verdade, pode dizer-se que, até certo ponto, as importações estão parcialmente condicionadas pelas exportações. Tendo em vista uma percepção mais abrangente da estrutura das importações austríacas, indicam-se a seguir os 15 primeiros itens de produtos importados, em 2008 (NC, a 4 dígitos): 15 Principais Produtos Importados NC Designação % do total 8703 Automóveis de passageiros e outros veículos de transporte de passageiros, etc. 5, Óleos de petróleo ou minerais betuminosos, exc. óleos brutos; preparações, etc. 3, Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos 2, Medicamentos, em doses ou acondicionados para venda a retalho 2, Partes e acessórios dos veículos automóveis das posições 8701 a , Ouro (incl. platinado), em formas brutas ou semimanufacturadas, ou em pó 1, Gás de petróleo e outros hidrocarbonetos gasosos 1, Aparelhos eléctricos para telefonia ou telegrafia, por fios etc; videofones 1, Máquinas automáticas p/ processamento dados/unidades; leitores magnéticos etc 1, Partes reconhecíveis c/o exclusiva/principalmente p/ motores das pp 8407/08 1, Energia eléctrica 1, Outros móveis e suas partes 1, Sangue humano; anti-soro; vacinas, culturas de microrganismos e prod. semelhantes 0, Hormonas naturais ou sintéticas, seus derivados 0, Suportes para gravação de som ou semelhantes, não gravados 0,81 Fonte: WTA 2.3 Investimento Com excepção de 2007, a Áustria vem sendo um receptor relativamente modesto de IDE, quer em termos absolutos, quer em relação à dimensão de sua economia, com oscilações significativas de posição no ranking mundial, como resulta dos dados abaixo expostos. Com efeito, em 2008, ocupava uma posição intermédia no ranking mundial de países receptores de IDE 28º lugar, tendo regredido 9 lugares em relação a No período de , em termos absolutos, as oscilações nos montantes recebidos de IDE têm sido também significativas, com um pico em

13 A Áustria encontrava-se bastante bem posicionada - 18º lugar, no ranking de países emissores de IDE, tendo subido 2 lugares em relação a Em termos absolutos, os montantes investidos no exterior têm superado sempre os montantes entrados no país, no mesmo período. Sem dúvida que os fluxos de IDE têm contribuído para um crescimento mais dinâmico da economia austríaca. Com efeito, segundo o EIU, no período de , os fluxos de IDE representaram em média 12,1% do PIB (com um pico de 26,9% em 2005) e mais de 55% da formação bruta de capital fixo ao ano; em 2007, as empresas de capital estrangeiro respondiam por cerca de 7% do emprego austríaco, do qual 62,4% alocado no sector dos serviços e 37,6% no sector produtivo de bens. Segundo os dados do EIU, a crise económico-financeira mundial terá influenciado negativamente os fluxos de IDE, em 2009, tanto entrados como saídos, tendo registado quebras de 46,1% e 84,1%, respectivamente, em relação a Prevê, para 2010, a continuação da contracção dos fluxos de IDE entrados (-39,7%), mas o aumento de fluxos saídos (+66,7%), apontando, assim para uma estabilização mais rápida da economia austríaca. Sem dúvida que a Áustria tem sabido oferecer boas oportunidades de investimentos lucrativos aos investidores estrangeiros, como o testemunham o aumento rápido do IDE acumulado e a elevada percentagem de lucros reinvestidos (30,2% em média em 2006, 2007 e 2008) no capital investido. Com efeito, segundo o BNA, num prazo de apenas 7 anos, de , o IDE acumulado terá subido de cerca de 33,5 para 108,1 mil milhões de euros, ou seja, mais de 3,2 vezes. Em finais de 2007, o IDE acumulado no país representava cerca de 40% do PIB e mais de euros per capita. Como principais países de origem do IDE acumulado, em 2007, surgiam a Alemanha com 25,1% do total, a Itália com 22,1%, os EUA com 9,1%, a Suíça com 6,1%, a Holanda com 6,1%, o Japão com 4,3%, o Reino Unido com 3,0%, a Rússia com 2,8% e a França com 2,7%. É de realçar que 76,4% do IDE acumulado de origem estrangeira provinha de Europa, 65,5% da UE27. Em termos de destino sectorial, em finais de 2007, destacavam-se, de longe, os serviços com 89,1% do IDE acumulado, seguidos da produção de bens com 10,9% do total. No âmbito dos serviços surgiam à cabeça os sectores do imobiliário, de aluguer, TIC e I&D com 48,0% do total do IDE acumulado, seguidos da banca e seguros com 23,4%, do comércio e reparações com 14,1% e dos transportes, armazenamento e comunicações com 3,3%. No âmbito do sector produtivo de bens surgiam à cabeça as indústrias de produtos químicos, a borracha e os plásticos com 2,9% do total do IDE acumulado, seguidas das de electricidade, gás e água com 1,4%, do papel e produtos de papel e de impressão com 1,3%, das máquinas e equipamentos com 1,2%, do sector alimentar, das bebidas e do tabaco com 1,1%, etc. 13

14 O IDE austríaco, acumulado no estrangeiro, ascendia, em finais de 2007, a cerca de 102,6 mil milhões de euros, tendo como principais países destinatários a Alemanha com 14,4% do total do IDE acumulado, a República Checa com 7,4%, a Hungria com 7,2%, a Croácia com 6,8%, a Roménia com 5,5%, a Suíça com 4,8%, o Reino Unido com 4,4% e a Eslováquia com 4,2%. É de realçar que 90,2% do IDE acumulado no estrangeiro se encontrava, em 2007, alocado na Europa 65% do qual na UE27. Em finais de 2007, destacavam-se os serviços com 73,8% do IDE acumulado no estrangeiro. A produção de bens, com 26,2%, representou a outra parcela de IDE. No âmbito dos serviços surgiam à cabeça os sectores da banca e seguros com 33,3% do total do IDE acumulado, seguidos do imobiliário, aluguer, TIC e I&D com 26,3%, comércio e reparações com 11,0% e dos transportes, armazenamento e comunicações com 2,0%. No âmbito do sector produtivo de bens surgiam à cabeça as indústrias de produtos químicos, borracha e plásticos com 5,3% do total do IDE acumulado, seguidas da indústria extractiva com 3,3%, de produtos de minerais não metálicos com 2,8%, máquinas e equipamentos com 2,5%, de papel e produtos de papel e de impressão com 2,2%, etc. Investimento Directo (10 6 USD) Investimento estrangeiro na Áustria Investimento da Áustria no estrangeiro Posição no ranking mundial Como receptor 19ª 33ª 16ª 28ª n.d. Como emissor 20ª 23ª 15ª 18ª n.d. Fontes: UNCTAD World Investment Report 2009; EIU 2.4 Turismo A Áustria conta com um sector turístico altamente desenvolvido, importante mesmo a nível mundial. As receitas dos turistas estrangeiros montavam a 5,9% do PIB austríaco em 2008, representando, portanto, um contributo importante para o saldo positivo da balança de transacções correntes. Há que realçar que a Áustria pertence ao grupo mais atractivo de destinos turísticos do mundo, sendo, em 2008, o terceiro país mais atractivo de Europa. No período de , a Áustria registou um aumento contínuo do número de turistas estrangeiros em visita ao país, tendo, em 2008, recebido um pouco mais de 21,9 milhões de turistas (+13,2% em relação a 2004); o número de dormidas acusou um aumento de 9,6% e as receitas de 41,1%, em relação a 2004, o que reflectirá provavelmente uma melhoria qualitativa da oferta e a visita de um número crescente de turistas de maior poder de compra. 14

15 A grande maioria dos turistas é originária da UE27 (80% do total em 2008), vindo, de muito longe, à cabeça a Alemanha com 45,6% do número total de turistas, seguida da Holanda (5,5%), Itália (5,5%), Reino Unido (4,4%), França (2,5%), Bélgica (2,2%), etc. Fora da UE27 destacavam-se a Suíça e os EUA, com 5,2% e 2,8% do número total de turistas, respectivamente. Há que realçar que, segundo a WTO, o número de turistas austríacos em visita ao estrangeiro ter-se-á elevado aproximadamente a 9,7 milhões (+15,5% em relação a 2004), tendo despendido um pouco mais de 11,4 mil milhões de USD (+29,4% em relação a 2004). Indicadores do Turismo Turistas a (10 3 ) Dormidas b (10 3 ) Receitas (10 6 USD) Fonte: Nota: WTO World Tourism Organization (a) Que permanecem pelo menos uma noite no país (b) Dormidas na hotelaria global 3. Relações Económicas Portugal - Áustria 3.1 Comércio O mercado austríaco afigura-se com uma importância intermédia para a economia portuguesa, tanto como cliente (22ª posição em 2009), como fornecedor (16ª posição em 2009). Todavia, no período de , a sua posição como cliente regrediu 5 lugares, mas como fornecedor melhorou 6 lugares. Em especial, é relevante o facto de, em relação a 2008, a Áustria ter ganho, em 2009, algum peso relativo e melhor posicionamento (3 lugares) como cliente na balança comercial portuguesa, sendo ainda mais notável tal evolução como fornecedor, pois aumentou o seu peso relativo aproximadamente 32% e subiu o seu posicionamento 9 lugares, o que significa que, em termos relativos e no cômputo geral, as relações bilaterais não sofreram significativamente com a crise económico-financeira mundial. Segundo o Worl Trade Atlas (WTA), em termos da balança comercial austríaca, Portugal posicionava-se, em 2009, como 40º cliente com 0,40% do total das exportações austríacas, e como 41º fornecedor com 0,19% das importações austríacas, assumindo, portanto, posições menos relevantes do que as da Áustria na nossa balança comercial. 15

16 Importância da Áustria nos Fluxos Comerciais com Portugal Como cliente Como fornecedor Posição 17ª 20ª 22ª 25ª 22ª % 0,56 0,53 0,52 0,50 0,60 Posição 22ª 24ª 18ª 25ª 16ª % 0,65 0,64 0,87 0,60 0,79 Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística No período de , a balança comercial luso-austríaca foi continuamente desfavorável a Portugal, tendo o défice subido de cerca de 161,2 para 217,1 milhões de euros (+34,7%), com um pico de -325,5 milhões de euros em A taxa de cobertura das chegadas pelas expedições caiu de 51,9% em 2005, para 46,5% em 2009, em consequência das dinâmicas diferentes de evolução das taxas médias de crescimento das expedições e chegadas, de 2,2% e 8,0%, respectivamente, naquele período, e, em especial, da evolução assimétrica das expedições e das chegadas, de -3,1% e 6,3%, respectivamente, em 2009, em relação a Face à crise económico-financeira mundial, é de realçar, tendo em consideração a evolução das duas componentes da balança comercial luso-austríaca, em 2008 e 2009, a maior sensibilidade da economia austríaca às mudanças conjunturais mas, também, a sua capacidade de reacção/adaptação mais rápida às novas circunstâncias. Com efeito, enquanto que as nossas expedições contraíram, em cadeia, em 2008 e 2009, as chegadas de Áustria, após uma quebra brusca de 27,1% em 2008, aumentaram 6,3% em Em relação a período homólogo de 2009, nos primeiros seis meses de 2010, as chegadas acusaram uma contracção marcadamente superior à das expedições, resultando daí uma melhoria sensível da taxa de cobertura das chegadas pelas expedições, bem como uma redução assinalável do défice comercial (-56,8%). Evolução da Balança Comercial Bilateral (10 3 EUR) Evo. % a 05/09 Jan/Jul 2009 Jan/Jul 2010 Var % b 10/09 Expedições , ,2 Chegadas , ,0 Saldo Coef. Cobertura (%) 51,9 51,9 37,9 51,1 46, ,9 68,6 -- Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística Notas: (a) Média aritmética das taxas de crescimento anuais no período (b) Taxa de variação homóloga 16

17 As expedições portuguesas para a Áustria acusam um grau de concentração relativamente elevado, uma vez que 48,8% do valor expedido, em 2009, diz respeito apenas a três grupos de produtos vestuário com 21,8%, máquinas e aparelhos com 15,4% e veículos e outro material de transporte com 11,6%. Dos restantes grupos de produtos, destacam-se, ainda, em 2009, os grupos de metais comuns (7,6% do total expedido), plásticos e borracha (7,2%), madeira e cortiça (5,2%), matérias têxteis (4,9%), produtos alimentares (4,8%), e matérias têxteis (4,8%). Há que realçar que a participação dos bens de capital, no total expedido, subiu de 26,9% em 2005, para 28,1% em 2009, garantindo, assim, um ligeiro aumento da representatividade dos produtos de maior valor acrescentado no total expedido, ainda que em detrimento dos bens de amplo consumo. No seu conjunto, em 2009, a estrutura das expedições apresentava-se, por grandes agrupamentos de produtos, relativamente equilibrada, com os produtos de maior valor acrescentado, os bens de capital, com 28,1% do total, os bens de amplo consumo com 35,1% (40,8% em 2005) e o os produtos intermédios com 34,0% (27,8% em 2005). Em termos de grau de intensidade tecnológica, a estrutura das expedições era, em 2009, dominada pelos produtos de baixa tecnologia com 48,6% do total expedido, vindo depois, bastante aquém, os produtos de média-alta tecnologia (25,7%), de média-baixa tecnologia (19,1%) e de alta tecnologia (6,6%). Todavia, é de realçar a redução assinalável do peso dos produtos de baixa tecnologia na estrutura expedidora de 57,7% em 2005 para 48,6% em 2009 (-9,1 pontos percentuais), em favor dos produtos de média-baixa e alta tecnologia (+7,4 e 4,4 pontos percentuais, respectivamente); os produtos de média-alta tecnologia registaram uma diminuição seu peso relativo em 2,7 pontos percentuais. Numa óptica de NC a 4 dígitos, a estrutura das expedições era, em 2009, caracterizada pelos soutiens, cintas, suspensórios, etc., e artefactos semelhantes mesmo de malha (14,1% do total expedido), automóveis de passageiros e outros veículos de transporte de passageiros, etc. (7,9%), pneumáticos novos, de borracha (5,8%), molas e folhas de molas, de ferro ou aço (5,2%), aparelhos eléctricos de iluminação/sinalização, limpadores de pára-brisas, etc. (4,1%), tabaco não manufacturado, desperdícios de tabaco (3,8%), aparelhos receptores para radiotelefonia/radiotelegrafia/radiodifusão, etc. (3,0%), etc. Finalmente, há que realçar que as expedições portuguesas para a Áustria mostram padrões de negócios relativamente estáveis. Com efeito, tomando como referência os dez primeiros capítulos da NC (a dois dígitos) de 2005, registava-se, em 2009, o aparecimento de apenas três novos capítulos nas expedições, ou seja, uma taxa de variabilidades de 30%, reflectindo assim nichos de mercado mais ou menos adequados à procura do mercado austríaco. 17

18 Todavia, numa perspectiva de balança comercial austríaca e análise mais fina, constata-se que, em 2009, segundo o WTA, do conjunto dos primeiros 20 grupos de produtos portugueses (NC a quatro dígitos) mais expedidos para a Áustria apenas 2 se encontravam entre os primeiros 20 grupos de produtos mais importados por aquele país de todo o mundo, o que aponta para um intercâmbio intrassectorial ainda pouco complexo e diversificado. De acordo com os dados do INE, o número de empresas portuguesas que têm vindo a expedir produtos para a Áustria caiu de 720 em 2004 para 679 em 2008 (último ano disponível), reflectindo provavelmente o aumento da concorrência de leste no mercado austríaco a partir de Expedições por Grupos de Produtos (10 3 Euros) 2005 % 2008 % 2009 % Vestuário , , ,8 Máquinas e aparelhos , , ,4 Veículos e outro material de transporte , , ,6 Metais comuns , , ,6 Plásticos e borracha , , ,2 Madeira e cortiça , , ,2 Produtos alimentares , , ,8 Matérias têxteis , , ,8 Minerais e minérios , , ,5 Calçado , , ,9 Pastas celulósicas e papel 221 0, , ,1 Produtos agrícolas , , ,9 Instrumentos de óptica e precisão 626 0, , ,1 Peles e couros 917 0, , ,0 Produtos químicos , , ,7 Combustíveis minerais 2 0,0 0 0,0 0 0,0 Outros produtos , , ,6 Valores confidenciais , , ,9 Total , , ,0 Fonte: INE - Instituto Nacional de Estatística O grau de concentração das chegadas, em 2009, é significativamente superior ao das expedições, uma vez que 56,6% das aquisições diz respeito apenas a dois grupos de produtos veículos e outro material de transporte com 31,2% e máquinas e aparelhos com 25,4%. 18

19 Dos restantes grupos de produtos, destacam-se ainda os de produtos químicos (7,1% do total adquirido), metais comuns (6,3%), matérias têxteis (5,6%), pastas celulósicas e papel (4,9%), e plásticos e borracha (4,3%). Há que realçar que a participação dos bens de capital no total expedido subiu de 49,3% em 2005, para 58,4% em 2009 (+9,1 pontos percentuais), registando-se, assim, uma maior de representatividade dos produtos de maior valor acrescentado no total adquirido, em detrimento dos produtos intermédios. No seu conjunto, a estrutura das chegadas é, por grandes agrupamentos de produtos, acentuadamente desequilibrada, em favor dos produtos de maior valor acrescentado, os bens de capital, com 58,4% do total adquirido, e, em menor medida, dos produtos intermédios com 34,9% (40,8% em 2005), e em detrimento dos bens de amplo consumo, cujo peso relativo ascende apenas a 7,2% do total adquirido (8,5% em 2005). Em termos de grau de intensidade tecnológica, a estrutura das chegadas é, em 2009, dominada pelos produtos de média-alta tecnologia, com 59,3% do total das chegadas, seguida dos produtos de baixa tecnologia (19,6%), alta tecnologia (10,6%) e de média-baixa tecnologia (10,5%), caracterizando-se, portanto, as chegadas por um grau de intensidade tecnológica significativamente superior ao das expedições. Numa óptica de NC a 4 dígitos, a estrutura das chegadas era, em 2009, caracterizada pelas automotoras, mesmo para circulação urbana com 23,0% do total adquirido, veículos e carros blindados de combate, armados ou não, e suas partes (4,7%), sangue humano, anti-soro, vacinas, culturas de microrganismos e produtos semelhantes (3,7%), partes e acessórios destinados a máquinas (3,2%), peles depiladas de outros animais, preparadas (2,4%), papel e cartão revestidos de caulino ou de outras substâncias orgânicas (2,2%), partes e acessórios dos veículos automóveis (2,0%), etc. Finalmente, há que realçar que as chegadas mostram padrões de negócios relativamente estáveis. Com efeito, tomando como referência os dez primeiros capítulos pautais (a dois dígitos) de 2005, registava-se, em 2009, o aparecimento de apenas dois novos capítulos pautais nas chegadas, ou seja, uma taxa de variabilidade de 20%, reflectindo assim nichos de mercado mais ou menos adequados à procura do mercado português. 19

20 Chegadas por grupos de produtos (10 3 Euros) 2005 % 2008 % 2009 % Veículos e outro material de transporte , , ,2 Máquinas e aparelhos , , ,4 Produtos químicos , , ,1 Metais comuns , , ,3 Matérias têxteis , , ,6 Pastas celulósicas e papel , , ,9 Plásticos e borracha , , ,3 Produtos alimentares , , ,8 Peles e couros , , ,5 Instrumentos de óptica e precisão , , ,8 Madeira e cortiça , , ,4 Minerais e minérios , , ,8 Calçado , , ,4 Produtos agrícolas , , ,2 Vestuário , , ,2 Combustíveis minerais 107 0,0 81 0,0 52 0,0 Outros produtos , , ,8 Valores confidenciais , , ,2 Total , , ,0 Fonte: INE Segundo os dados do INE, o número de empresas portuguesas que vêm adquirindo produtos no mercado austríaco caiu de em 2004 para em 2008 (último ano disponível). 3.2 Serviços Em 2009, a Áustria posicionou-se como 18º mercado cliente dos serviços portugueses, tendo absorvido 0,85% das vendas totais ao exterior, e 15º fornecedor de serviços ao nosso país (0,70% das chegadas totais de serviços). Nos primeiros seis meses de 2010, a Áustria assumia o 17º lugar no ranking de clientes, com uma quota de mercado de 0,91%, e o 15º lugar no de fornecedores, com um a quota de mercado de 0,68%, apontando, portanto, para posições e quotas relativamente estáveis. 20

Alemanha - Síntese País

Alemanha - Síntese País Informação Geral sobre a Alemanha Área (km 2 ): 356 970 km 2 Chanceler Federal: Angela Merkel População (milhões hab.): 81 (estimativa 2014) Risco de crédito (*): Capital: Berlim Risco do país: A (AAA

Leia mais

Bélgica - Síntese País

Bélgica - Síntese País Informação Geral sobre a Bélgica Área (km 2 ): 30 528 Primeiro-Ministro: Charles Michel População (milhões hab.): 11,1 (estimativa 2014) Risco de crédito: (*) Capital: Bruxelas Risco do país: A2 (AAA =

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

França - Síntese País

França - Síntese País Informação Geral sobre França Área (km 2 ): 543 965 Primeiro-Ministro: Manuel Valls População (milhões hab.): 66,3 (estimativa janeiro ) - Insee Risco de crédito: (*) Capital: Paris Risco do país: A (AAA=risco

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre Espanha Área (km 2 ): 504 880 Primeiro-Ministro: Mariano Rajoy População (milhões hab.): 47,1 (estimativa ) Risco de crédito: (*) Capital: Madrid Risco do país: BBB (AAA = risco

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Exportações Importações Posição e Quota da Suíça no Comércio Mundial de Bens - 2014 22ª 1,3% 26ª 1,1% Fonte: WTO - World Trade Organization

Exportações Importações Posição e Quota da Suíça no Comércio Mundial de Bens - 2014 22ª 1,3% 26ª 1,1% Fonte: WTO - World Trade Organization Informação Geral sobre a Suíça Área (km 2 ): 41 285 Vice-Presidente Federal: Johann Schneider-Amman População (milhões hab.): 8,11 (estimativa 2014) Risco de crédito: (*) Capital: Berna Risco do país:

Leia mais

República da Guiné - Síntese País

República da Guiné - Síntese País Informação Geral sobre a Rep. da Guiné Área (km 2 ): 245 857 Primeiro-Ministro: Mohamed Said Fofana População (milhões hab.): 11,8 (estimativa 2013) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior)

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0 Informação Geral sobre a Palestina População (milhões hab.): 4,5 (estimativa 2014) Unidade monetária: Shequel de Israel (ILS) e Língua oficial: Árabe Dinar Jordano (JOD) Chefe de Estado: Mahmoud Abbas

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Austrália - Síntese País

Austrália - Síntese País Informação Geral sobre a Austrália Área (km 2 ): 7 682 400 Primeiro-Ministro: Tony Abbott População (milhões hab.): 23,6 (estimativa 2014) Risco de crédito: (*) Capital: Camberra Risco do país: BBB (AAA

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr.

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr. Informação Geral sobre a Líbia Área (km 2 ): 1 759 540 Primeiro-Ministro: Abdullah al-thini População (milhões hab.): 6,3 (estimativas ) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2011 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. França Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar França Condições Legais de Acesso ao Mercado Julho 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Exportações 82.213 65.434 62.538 53.583 44.990-13,8 39.853 62.848 57,7 Importações 23.679 28.230 38.501 16.980 14.662-3,5 14.187 11.454-19,3 Saldo 58.534 37.204 24.037

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

África do Sul - Síntese País

África do Sul - Síntese País Informação Geral sobre a África do Sul Área (km 2 ): 1 219 090 Vice-Presidente: Cyril Ramaphosa População (milhões hab.): 53 (2013) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Pretória

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Cabo Verde - Síntese País

Cabo Verde - Síntese País Informação Geral sobre Cabo Verde Área (km 2 ): 4 033 Primeiro-Ministro: José Maria Neves População: 504 000 (estimativa 2014) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Praia Unidade

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Suíça Ficha de Mercado Junho 2010 Índice 1. País em Ficha 3 2. Economia 4 2.1 Situação Económica e Perspectivas 4 2.2 Comércio Internacional 8 2.3 Investimento 12 2.4 Turismo

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre o Haiti Área (km 2 ): 27 750 Primeiro-Ministro: Laurent Lamothe População (milhões hab.): 10,3 () Risco de crédito : 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Port-au-Prince

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Maio 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global EUA Ficha de Mercado Outubro 2011 Índice 1. País em Ficha 3 2. Economia 4 2.1. Situação Económica e Perspectivas 4 2.2. Comércio Internacional 6 2.3. Investimento 10 2.4. Turismo

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 4 Abril 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 8 2 1. Regime

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais