ENGENHARIA, ORIGENS E EVOLUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGENHARIA, ORIGENS E EVOLUÇÃO"

Transcrição

1 ENGENHARIA, ORIGENS E EVOLUÇÃO Ana Júlia Ferreira Rocha - Gilberto Teixeira da Silva Ana Maria C. Babbini Marmo Magda Aparecida Salgueiro Duro - Leila Figueiredo de Miranda Yara Maria Botti Mendes de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie, Departamento de Engenharia de Materiais, Civil e Elétrica. Escola de Engenharia - Rua da Consolação, n o 896, Consolação - CEP São Paulo SP Resumo: Neste estudo é apresentada sucintamente a história do ensino de engenharia. Esta história teve início há milhões de anos, quando nossos ancestrais começaram a elaborar as suas primeiras armas e ferramentas, dando início ao desenvolvimento tecnológico. Conhecimentos e técnicas se acumularam e foram transmitidas de geração para geração e, com o advento da linguagem escrita, tais conhecimentos nas mãos certas, foram sendo aperfeiçoados. Sim, como as de Leonardo da Vinci, idealizador de diversos dispositivos muito à frente de seu tempo. Porém, se considerarmos a engenharia como um conjunto organizado de conhecimentos com base científica aplicado à construção em geral, esta é relativamente recente, datada aproximadamente no século XVIII. Já os primeiros engenheiros diplomados surgiram na França na École Nationale des Ponts et Chaussés, seguida pela Ècole Polytechnique. Em outros países também surgiram outras escolas de engenharia, como em Lisboa com a Academia Real de Artilharia, Fortificação e Desenho, nos Estados Unidos com a Academia de West Point, na Áustria com o Instituto Politécnico de Viena e no Brasil com a Academia Real de Artilharia, Fortificação e Desenho. No Brasil, o ensino de engenharia teve origem no ensino militar e só posteriormente aparece, pela primeira vez, a denominação Curso de Engenharia Civil. A seguir, no Brasil, foram criadas a Escola Politécnica de São Paulo, a Escola de Engenharia de Pernambuco, a Escola de Engenharia Mackenzie em São Paulo, e outras. Palavras-chave: Ensino de engenharia, Engenharia no Brasil. 1 INTRODUÇÃO Se procurarmos uma definição de Engenharia, encontraremos: Engenharia é a arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas à criação de estruturas, dispositivos e processos que se utilizam para converter recursos naturais em formas adequadas ao atendimento das necessidades humanas (FERREIRA, 1986). Dentro deste enfoque a Engenharia teve início a partir do instante em que o homem primitivo passou a 2P37-1

2 elaborar instrumentos que lhes permitiram suprir suas necessidades imediatas. No passado, muitos foram aqueles que se destacaram por projetos brilhantes no ramo da engenharia, como Leonardo da Vinci no Codex Atlanticus no qual muitas páginas são dedicadas a moinhos d água, diversos aparelhos hidráulicos, guinchos, escavadeira, roscas de Arquimedes, bombas d água e outros, conforme ilustram as Figuras 1 e 2. Figura 1 - Roda d Água com Taças 1503, esboço do Codex Atlanticus (DOESER, 1995). Figura 2 - Projeto para Roscas de Arquimedes e Bombas d Água esboço do Codex Atlanticus (DOESER, 1995). Segundo (TELLES, 1994), no seu livro História da Engenharia no Brasil, a engenharia quando considerada como arte de construir é evidentemente tão antiga quanto o homem, mas, quando considerada como um conjunto organizado de conhecimentos com base científica aplicado à construção em geral é relativamente recente, podendo-se dizer que data do século XVIII. Os primeiros engenheiros diplomados tiveram a sua formação acadêmica promovida pela ENPC - École Nationale des Ponts et Chausseés, estabelecimento de ensino que foi fundado em Paris, em 1747, por iniciativa de Daniel Trudaine (PARDAL, 1986). É a faculdade de engenharia mais antiga do mundo. Considerada por sua formação de engenheiros, ela vem se transformando ao longo dos anos em um estabelecimento de ensino superior de alto nível, 2P37-2

3 bem adequada às evoluções do mundo moderno, formando engenheiros dotados de uma competência dupla: técnica e gerencial. Em 1729, o engenheiro militar francês General Bernard Forrest Belidor publicou o primeiro livro que compilou o que havia até então na ciência do engenheiro (La Science dês Ingéniurs) e também foi pioneiro em fazer um estudo científico das estruturas de arcos e muros de arrimo, o que hoje é conhecimento aplicado na engenharia civil. Foi o engenheiro inglês John Smeaton, um dos descobridores do cimento Portland (século XVIII), que usou pela primeira vez o termo engenheiro civil como caracterização profissional, para distinguir dos engenheiros militares (TELLES, 1994). Em 1794, Gaspar Monge e Lazare Carnot fundaram a Ècole Polytechnique, que se tornou modelo de outras escolas de engenharia. A missão da Ècole Polytechnique consistia em oferecer a seus alunos uma formação adequada para desenhar e realizar projetos completos e inovadores do mais alto nível, fundamentada a uma sólida cultura multidisciplinar, e treinamento com o objetivo de desenvolver atitudes de liderança, visando no futuro à ocupação de cargos no âmbito administrativo, científico, tecnológico e pesquisa. Com professores renomados como Fourrier, Lagrange, Monge, conforme ilustra a Figura 3, Poisson, entre outros, o curso tinha a duração de três anos e eram ministradas disciplinas básicas de engenharia, para posteriormente os discentes complementarem seus conhecimentos em outras escolas especializadas: Ècole de Mines, Ponts et Chausseés, entre outras. Figura 3 - Gaspard Monge Fonte: (2005) 2P37-3

4 A Figura 4 vem ilustrar a importância da estrutura física do Laboratório de Pesquisa da Ecole Polytechnique. Figura 4 - O 1 o Laboratório de Pesquisa da Ecole Polytechnique, fundado por L. Leprince-Ringuet Fonte: (2005) É importante verificar que, a separação na estruturação curricular, entre as diversas ciências que participam na formação do engenheiro, colocando-se primeiramente (em bloco) as básicas, depois as fundamentais de engenharia e, por fim, as aplicadas de engenharia, remonta já às primeiras escolas (Bringuenti, 1993). Segundo (Telles, 1994), conforme a Tabela 1, de 1790 a 1821, foram criados os primeiros cursos regulares de engenharia, após a École Nationale des Ponts et Chausseés. Tabela 1 - Primeiros cursos regulares de engenharia, após a École Nationale des Ponts et Chausseés e em outros países (TELLES, 1994) Lisboa/Portugal Academia Real de Artilharia, Fortificação e Desenho 1792 Brasil Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho 1802 West Point/Estados Academia de West Point Unidos 1803 Espanha (sem informação de nome e local) 1815 Viena/Áustria Instituto Politécnico de Viena 1821 Berlim/Alemanha (sem informação de nome e local) 2 O PRIMEIRO CURSO DE ENGENHARIA DO BRASIL Foi criada por carta régia de 1699, com enfoque para o ensino militar a Aula de Fortificação, que promovia conhecimentos de engenharia e, posteriormente (1738), conhecida como Aula do terço de Artilharia. Não era um ensino regulamentado com programa de ensino, sabendo-se apenas que tinha a duração de cinco anos, conforme Pardal, Em 17 de dezembro de 1792, a Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, na cidade do Rio de Janeiro foi pioneira em ter o curso formal de engenharia no Brasil, segundo 2P37-4

5 registros de (PARDAL, 1986) e (TELLES, 1994). Numa época em que poucos países, além da França, possuíam escolas para a formação regular de engenheiros, a criação da Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho repercutiu muito e veio suceder a antiga Aula de Fortificação do Rio de Janeiro que tinha como característica o enfoque para o ensino militar, tendo já o caráter de um verdadeiro instituto de ensino superior, com organização comparável aos demais de sua época. Esta Academia foi também precursora em linha direta e contínua, da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, preparando oficiais para o exército. Conforme (TELLES, 1994), Os oficiais de infantaria e de cavalaria faziam apenas os três primeiros anos, os de artilharia os cinco primeiros, e os de engenharia o curso completo. O sexto ano era dedicado exclusivamente à engenharia civil. Da Casa do Trem (atualmente parte do Museu Histórico Nacional), a Academia Real Militar, criada pela lei de 04 de dezembro de 1810, foi a próxima escola com ensino regulamentado. O ensino nessa Escola abrangia um curso teórico de Ciências Matemáticas, Físicas e Naturais, um curso de Engenharia e Ciências Militares, e um curso de Engenharia Civil voltado para as técnicas de construção de estradas, pontes, canais e edifícios, ministrado aos não-militares, ou seja, aos civis que freqüentavam as aulas. A Academia Real Militar teve sua sede transferida, em 1812, para o Largo de São Francisco de Paula, ocupando o primeiro prédio construído no Brasil para abrigar uma escola hoje dita superior. A Escola situada no Largo de São Francisco é considerada o Berço da Engenharia Brasileira, funcionando ali até Atualmente, o prédio está ocupado pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. O curso de engenharia da Academia Militar, Figura 5, tinha duração de 7 anos. A Academia posteriormente recebeu às denominações de Escola Militar e, em 1858, de Escola Central. Figura 5 - A Academia Militar foi transformada em Escola Central, permitindo o estudo de civis e militares (1860). Fonte: (2005) Com a transferência do Ministério do Exército para o Ministério do Império em 1874, a Escola Central passou a ser denominada Escola Politécnica. A Escola Central promovia formação de bacharéis em ciências e, engenheiros civis e também foram criadas outras especialidades de engenharia. Seus programas de ensino se tornaram modelo para todas as escolas de engenharia brasileiras até o inicio do século XX e devido a sua fama educacional, muitas são denominadas, ainda hoje de Escola Politécnica, nome que agora nossa escola retoma. 2P37-5

6 Personagens ilustres da história brasileira tiveram a sua formação acadêmica em classes e salas da Escola Politécnica da UFRJ. Alguns deles tiveram uma projeção tão grande na vida nacional que até hoje são homenageados pela sociedade brasileira com os seus nomes em ruas, túneis, avenidas, monumentos. Logo abaixo a Tabela 2 ilustra a Evolução Histórica das Escolas de Engenharia do Brasil. Tabela 2 - Evolução Histórica das Escolas de Engenharia do Brasil. Fonte: Revista de Ensino de Engenharia (v 10, n 3, nov/1983) com correções baseadas em (PARDAL, 1986 e 1996) e (TELLES, 1994) Real Academia de Artilharia Fortificação e Desenho Subordinada ao Exército Formação de Engenheiros e de Oficiais do Exército * Academia Real Militar Academia Imperial Militar Academia Militar e de Marinha Academia Militar da Corte ( 1 ) Escola Militar da Corte Escola Central ( 2 ) Escola Militar e de Aplicação do Exército Escola Politécnica Independente do Exército Formação de Engenheiros 1896 Escola Politécnica do Rio de Janeiro Escola de Engenharia Militar Escola Nacional de Engenharia 1933 Escola Técnica do Exército 1965 Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Militar de Engenharia (IME) P37-6

7 ( 1 ) Resultado da fusão da Academia Militar e de Guardas-Marinha que voltaram a separar-se em ( 2 ) Aparece pela primeira vez a denominação Curso de Engenharia Civil. Como se pode observar na obra dos autores consultados, pode se verificar que o ensino de engenharia teve origem no ensino militar com conhecimentos pertinentes à formação militar e aprendizado de técnicas próprias à construção com finalidades militares, como pontes, fortificações, calçamento, calçadas, entre outros, mas que também se usava na construção civil. A partir de 1874, começou a ser empregado no Brasil, a denominação engenharia civil com a desvinculação da Escola Central do Ministério da Guerra, passando a ser a Escola Politécnica. Conforme bibliografia consultada, o ensino de engenharia não militar, no Brasil, também se iniciou pela engenharia hoje conhecida como engenharia civil. Em 1835, foi fundado na Província de São Paulo, o Gabinete Topográfico. Este estabelecimento foi avaliado como o segundo em ensino de estabelecimento no Brasil e funcionou até 1838, reabriu em 1840 e fechou outra vez em O modelo para a maioria das escolas de engenharia do Brasil têm sido a Escola de Engenharia da UFRJ, logo, ao pesquisar a evolução do ensino de engenharia no país, quanto a estruturação, formação, métodos e recursos didáticos, teremos que colocar em destaque esta Escola que sempre serviu de referência para as outras. 3 ESCOLAS DE ENGENHARIA NO BRASIL DEPOIS DA UFRJ Foi o imperador D. Pedro II quem, com a sua vasta erudição e interessado pela riqueza do solo brasileiro que em 1874, contratou, por indicação do cientista francês Auguste Daubrée, o seu discípulo, o engenheiro Claude-Henri Gorceix ( ), que, na ocasião, estava na Grécia, realizando uma série de pesquisas geológicas. Gorceix retornou, não só aceitando o convite como, também, prontificando-se a ministrar o ensino da mineralogia e da geologia. E, então, em 1876, criava-se a Escola de Minas de Ouro Preto. Ainda no século XIX, foram fundadas mais 5 escolas de engenharia e entre 1910 e 1914, tivemos o registro de mais cinco. Até então 12 escolas de engenharias, sendo que quatro 4 estavam em Minas Gerais. Os Cursos de engenharia no Brasil até o meados do século XX tiveram o seu início a partir de1893. A seguir são apresentados em ordem cronológica e organizados pelos autores, baseados em (OLIVEIRA, 2000), as seguintes fundações: Fundação da Escola Politécnica de São Paulo, denominada hoje USP com os seguintes cursos iniciais em Civil e Industrial (período 2 anos), Agronômico e Mecânica (período 3 anos) e Agrimensor (período 2 anos); 1895 Fundação da Escola de Engenharia de Pernambuco, denominada hoje UFPE com os seguintes cursos iniciais em Agrimensor (período 2 anos) e Civil (período 5 anos); 1896 Fundação da Escola de Engenharia Mackenzie, denominada hoje UPM com o curso inicial em Civil (período 5 anos); 1896 Fundação da Escola de Engenharia de Porto Alegre, denominada hoje UFRG com o curso inicial em Civil; 2P37-7

8 Fundação da Escola Politécnica da Bahia, denominada hoje UFBA com os seguintes cursos iniciais em Geógrafo (período 4 anos) e Civil (período 5 anos); Fundação da Escola Livre de Engenharia, denominada hoje UFMG com os seguintes cursos iniciais em Civil (período 5 anos); Fundação da Faculdade de Engenharia do Paraná, denominada hoje UFPR com o curso inicial em Civil; Fundação da Escola Politécnica de Pernambuco, denominada hoje UFPE com os seguintes cursos iniciais em Civil e Química Industrial; Fundação do Instituto Eletrotécnico de Itajubá, denominado hoje EFEI com os seguintes cursos iniciais em Mecânica e Elétrica (período 3 anos); Fundação da Escola de Engenharia de Juiz de Fora, denominada hoje UFJF com o curso inicial em Civil Eletrotécnico (período 4 anos). A Primeira Escola de Engenharia particular do Brasil foi fundada em 1896, na cidade de São Paulo, apresentada pela Figura 6. Figura 6 Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, denominada hoje EE-UPM. Fonte: Centro Histórico da UPM Atualmente, verifica-se um número assustador de escolas de engenharia no Brasil. Muitas das quais, sem condições de oferecer cursos de qualidade, por não apresentar corpo doscente devidamente preparado e desprovidas de recursos tais como: laboratórios, oficinas, espaço físico, entre outros. 2P37-8

9 4 OS ENFOQUES PEDAGÓGICOS NOS CURSOS DE ENGENHARIA Com fundamentação nos principais fontes consultadas, publicações dos professores (PARDAL, 1986 e 1996) e (TELLES, 1994), verifica-se a consideração dispensada aos métodos e técnicas de ensino/aprendizagem nesses cursos de engenharia. Ë na Carta de Lei de 4 de dezembro de 1810, que criou a Academia Militar (considerada como a 1 a escola de engenharia do Brasil, até bem pouco tempo atrás), que apresenta de forma estruturada a organização de um curso de engenharia no Brasil. Alguns itens da estrutura deste curso podem ser denominados pedagógicos. Os termos ensinar, explicar e dar (o conteúdo), usados no cotidiano pedagógico, o destaque das disciplinas básicas e das aulas práticas e, ainda, a recomendação de que os professores deveriam escrever seus próprios compêndios (livros), são práticas muitas vezes usadas no ensino de hoje. Essas diretrizes contidas na Carta de Lei fundamentavam-se no que regia a Escola Politécnica de Paris. Algumas expressões de elogios eram comuns ao referir-se aos tópicos de disciplinas e aos seus autores de referência. Como exemplo, cita-se a recomendação de exercícios e aplicações para alunos em relação a Trigonometria: de que lhe mostrará suas vastas aplicações, trabalhando muito em exercitá-los nos diversos problemas e procurando desenvolver aquele espírito de invenção, que nas ciências matemáticas conduz à maiores descobertas. A Carta de Lei, estruturada em uma série de Capítulos ou Títulos, continha ainda outros aspectos pedagógicos, tanto em relação aos deveres e direitos dos alunos como às atribuições de seus mestres: dos exercícios diários e semanais; da obrigatoriedade dos alunos se dedicarem aos estudos da forma dos exames no final do ano letivo; das aulas predominantemente expositivas ; da responsabilidade dos estudantes em saber reproduzir o que o professor ensinava; da importância das aulas práticas. Ressalta-se que as recomendações citadas guardam muita semelhança com o praticado no ensino de engenharia da atualidade. Vale salientar um trecho do Título VIII da Carta de Lei que explica como ocorriam os exames: A forma de exame será também diferente e se fará sobre todo o compêndio que se explicará, escolhendo cada examinador o ponto que quiser e dando o livro ao candidato, para que leia ali e depois explique fechando o livro; pois que assim é que se pode ficar no conhecimento que o estudante sabe todo seu compêndio e está no caso de se servir dele em qualquer circunstância, que lhe seja necessário. Este formato de exame, vigorou em muitas escolas até a década de 60. Cobrança esta que foi utilizada como inspiração para as atuais provas, baseadas nas apostilas e listas de exercícios que o professor passa para os estudantes. Segundo (TELLES, 1994), o enfoque pedagógico do ensino superior no Brasil, durante décadas, enfocava a memória, paralisando o desenvolvimento da inteligência; ensinava o aluno a discorrer com acerto, mas não lhe ensinava a pensar e refletir. Severas críticas sobre a existência de poucas aulas práticas e sobre o fato de o curso de engenharia ser pouco prático atravessaram os séculos e chegaram aos dias atuais. Como se pode observar não se registra uma grande revolução nos métodos e técnicas de ensino/aprendizagem na engenharia. Os avanços tecnológicos permitem o uso de ferramentas 2P37-9

10 modernas, melhorando a qualidade de ensino. Porém, será que tais recursos não vêm sendo utilizados aplicando-se metodologias antigas? O ensino de engenharia tem sido objeto de discussões e reformulações numa escala sem precedentes. As razões de tal atenção são múltiplas e variadas, devendo-se destacar, no entanto, o impacto que um conhecimento tecnológico atual e dinâmico, que deve ser o objeto central do ensino de engenharia, pode exercer sobre a competitividade de empresas (ANDRADE, 1997). Uma mudança está ocorrendo, no sentido de que a didática e a pedagogia vêm ocupando o seu devido espaço na bagagem de conhecimento e de formação do professor de engenharia. Ao professor de engenharia não basta mais dominar o conhecimento científico e técnico dos conteúdos e os meios disponíveis para ministrar esse conteúdo. É necessário que o docente conheça e aplique métodos e técnicas de ensino/aprendizagem consistentes, que possam contribuir para a formação de profissionais em condições de atualizar-se e atender às demandas da sociedade (OLIVEIRA, 2000). 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Para que possamos avaliar a evolução ou o retrocesso do ensino de engenharia se faz necessário uma retrospectiva dos objetivos que nortearam a fundação das escolas de engenharia no Brasil e no mundo, no que tange ao conjunto organizado de conhecimentos com base científica aplicado à construção em geral. Atualmente, verifica-se uma tendência ao tecnicismo pragmático que reduz tudo ao conjunto de técnicas e regras sem o conveniente embasamento científico ocasionado pelo despreparo didático-pedagógico envolvidos no processo ensino-aprendizagem. Assim, alguns professores são formados na graduação e pós-graduação, como copiadores de conteúdos, sem que haja uma preocupação em se formar educadores com didática apropriada. Dessa maneira, a preocupação é quantitativa, de maneira que o conteúdo seja transmitido em sua totalidade, porém sem a preocupação de que ele seja assimilado e compreendido, paralisando o desenvolvimento da inteligência, oferecendo ao aprendiz a discorrer com acerto, mas não lhe ensinando a pensar e refletir. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABOUT EP - Uma história breve do Ecole Polytechnique. Disponível em: <www.polytechnique.edu> Acesso em 5 maio ANDRADE, E. de P; BRITO, G. S. X.; OLIVEIRA, M. L. A. Aspectos cognitivos do ensino de engenharia face às exigências da competitividade e da inovação tecnológica. In: XVII ENCONTRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Gramado. Anais do Congresso, Gramado: RS, BRINGUENTI, I. O ensino de engenharia na escola politécnica da USP: fundamentos para o ensino de engenharia. São Paulo EPUSP, DOESER, L. Vida e obra de Leonardo Da Vinci. Rio de Janeiro: Ediouro, FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, P37-10

11 NAVEIRO, R. M.; OLIVEIRA, V. F. O projeto de engenharia, arquitetura e desenho industrial. Juiz de Fora: Ed. UFJF, OLIVEIRA, V. F.. Uma proposta para melhoria do processo de ensino/aprendizagem nos cursos de engenharia. Rio de Janeiro, Tese (Doutorado) - COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. OLIVEIRA, V. F. Teoria, prática e contexto. In: VI ENCONTRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA. Itaipava. Anais do Congresso. Itaipava: RS, O Berço da Engenharia Brasileira. PARDAL, P & LEIZER, L. Revista de Ensino de Engenharia, n. 16, dezembro, p , PARDAL, P. 140 anos de doutorado e 75 de livre docência no ensino de engenharia no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, TELLES, P. C. S., História da engenharia no Brasil: século XX. Rio de Janeiro: Clavero, TELLES, P. C. S, História da engenharia no Brasil: séculos XVI a XIX. Rio de Janeiro: Clavero, VINCENTI, W. G., What engineers know and how they know it. Baltimore/London: Johns Hopkins University Press, ENGINEERING, ORIGINS AND EVOLUTION Abstract: In this study the history of the engineering education is presented succinctly. This history had begun millions of years, when our ancestral ones had started to elaborate the first weapons and tools, starting the technological development. Knowledge and techniques had accumulated and had been transmitted from generation to generation and, with the advent of the written language, such knowledge in the certain hands, they had been being perfected. Yes, in the certain hands, as Leonardo da Vinci s, idealizer of a sort of devices ahead of his time. However to consider engineering as an organized set of knowledge with applied scientific base to the construction in general, this is relatively recent, dated approximately in Century XVIII. The first certified engineers had appeared in France in the École Nationale DES Ponts et Chaussés, followed by the Ècole Polytechnique. In other countries other schools of engineering had also appeared, as in Lisbon with the Academia Real de Artilharia, Fortificação e Desenho, in the United States with the Academy of West Point, in Austria with the Polytechnical Institute of Vienna and in Brazil with the Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho. In Brazil, the engineering education had origin in military education and later it only appears, for the first time, the denomination Course of Civil Engineering. Then, in Brazil, it had been created the Polytechnical School of São Paulo, the School of Engineering of Pernambuco, the School of Engineering Mackenzie in São Paulo, and others. Key-words: Education of Engineering, Engineering in Brazil. 2P37-11

CRESCIMENTO DO NÚMERO DE CURSOS E DE MODALIDADES DE ENGENHARIA: PRINCIPAIS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS

CRESCIMENTO DO NÚMERO DE CURSOS E DE MODALIDADES DE ENGENHARIA: PRINCIPAIS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS CRESCIMENTO DO NÚMERO DE CURSOS E DE MODALIDADES DE ENGENHARIA: PRINCIPAIS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS Vanderlí Fava de Oliveira vanderlí@engprod.ufjf.br Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de

Leia mais

OS CURSOS DE ENGENHARIA NA MODALIDADE EAD: PROPOSTA DE CURSOS NA ÁREA DE COMPUTAÇÃO, PRODUÇÃO E ELÉTRICA

OS CURSOS DE ENGENHARIA NA MODALIDADE EAD: PROPOSTA DE CURSOS NA ÁREA DE COMPUTAÇÃO, PRODUÇÃO E ELÉTRICA OS CURSOS DE ENGENHARIA NA MODALIDADE EAD: PROPOSTA DE CURSOS NA ÁREA DE COMPUTAÇÃO, PRODUÇÃO E ELÉTRICA Curitiba PR 05/2015 Edson Pedro Ferlin Uninter eferlin@live.com Neil Franco de Carvalho Uninter

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL A história da engenharia confunde-se com a história da própria

Leia mais

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 Paulo César da Costa Pinheiro Departamento de Engenharia Mecânica da UFMG Av. Antônio Carlos 6627 31270-901 Belo Horizonte, MG DIPLOMAS OBTIDOS NAS ESCOLA DE ENGENHARIA

Leia mais

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país.

Unidades em ótimas localizações; Apostilas desenvolvidas pelos nossos professores com questões correspondentes aos concursos militares de todo o país. Especialista na área militar; Excelente preparação para o ingresso na carreira militar; 41 anos de dedicação ao Ensino; Aperfeiçoamento da comunicação intrapessoal e interpessoal; Estimulação a mudanças

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Resgate histórico dos ternos pitagóricos como ferramenta pedagógica para o ensino do Teorema de Pitágoras

Resgate histórico dos ternos pitagóricos como ferramenta pedagógica para o ensino do Teorema de Pitágoras Resgate histórico dos ternos pitagóricos como ferramenta pedagógica para compreensão do Teorema de 1 Georgiane Amorim Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil georgianeamor@hotmail.com

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI).

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). FACULDADES DE CIÊNCIAS APLICADAS SP 1 Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). HEITOR GURGULINO DE SOUZA

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS

ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS ENGENHARIA PRINCÍPIO E PERSPECTIVAS HISTÓRICAS O QUE É ENGENHARIA Engenharia é a ciência, a arte e a profissão de adquirir e de aplicar os conhecimentos matemáticos, técnicos e científicos para a criação,

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC)

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Aula 03 História da Engenharia Edgar Alberto de Brito A história da Engenharia Engenharia na Pré-História. Atividade na Antiguidade. Atividade na era Moderna e Contemporânea. Aspectos

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - PEP ANEXO AO EDITAL UFRJ/COPPE/PEP/ 250/2014

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

CRESCIMENTO, EVOLUÇÃO E O FUTURO DOS CURSOS DE ENGENHARIA

CRESCIMENTO, EVOLUÇÃO E O FUTURO DOS CURSOS DE ENGENHARIA CRESCIMENTO, EVOLUÇÃO E O FUTURO DOS CURSOS DE ENGENHARIA Vanderlí Fava de Oliveira RESUMO O objetivo deste artigo é, a partir da análise do crescimento do número de cursos e de modalidades de engenharia,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ RETIFICAÇÃO Nº 08 DO EDITAL Nº 12/2015 DO IFPR CONCURSO DE DOCENTE O Reitor Substituto do INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR, no uso da competência que lhe confere a Portaria

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete do Ministro

Ministério da Educação. Gabinete do Ministro Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 556, de 25 de fevereiro de 2005 (DOU nº 39, Seção 1 página 23, de 28/2/2005) O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições e tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COMISSÃO DE ENSINO INTERDEPARTAMENTAL. Joinville, 08 de Junho de 2011.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COMISSÃO DE ENSINO INTERDEPARTAMENTAL. Joinville, 08 de Junho de 2011. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COMISSÃO DE ENSINO INTERDEPARTAMENTAL Joinville, 08 de Junho de 2011. Ilmo. Sr Diretor de Ensino Prof. Dr. José de Oliveira Att: Relatório final da avaliação

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Naval e Offshore na UPE desenvolvem a capacidade para planejar, desenvolver

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu

Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu Centro Pastoral, Educacional e Assistencial Dom Carlos - CPEA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 06/2013 VIZIVALI A FACULDADE

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO EDUCAÇÃO CONTINUADA E CAPACITAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES DOS CURSOS SUPERIORES DE ENGENHARIA: INICIANDO A DISCUSSÃO Sandra Maria Dotto Stump - sstump@mackenzie.com.br

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM

ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE MATERIAIS DA UPM Leila Figueiredo de Miranda

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSORES - 2015/1 Edital nº 01/2015

SELEÇÃO DE PROFESSORES - 2015/1 Edital nº 01/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES - 25/1 Edital nº /25 O Diretor Acadêmico da FAESA torna pública a abertura de inscrição, para seleção de professores de educação superior com titulação de doutor, mestre ou especialista,

Leia mais

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA O PAPEL DOS CONSELHOS PROFISSIONAIS Parecer CNE/CES n 20/2002 Não cabe ao órgão profissional definir condições de funcionamento de cursos

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AMBIENTAL E DE SAÚDE PÚBLICA: IMPORTANTE COMPONENTE CURRICULAR PARA RECÉM INGRESSOS NO CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular

Leia mais

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista.

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista. Rua do Salete, 50, Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 2108-8562 / 2108-8503 home page: www.cairu.br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO NO SEGUNDO SEMESTRE DE 2010 E PRIMEIRO DE 2011 EDITAL

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento de Educação Continuada Docente. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

Duplo-Diploma na Área das Engenharias

Duplo-Diploma na Área das Engenharias Duplo-Diploma na Área das Engenharias Prof. Dr. Ricardo M. Naveiro Coordenador de Relações Internacionais Escola Politécnica da UFRJ Memórias do passado Sumário Cenário econômico mundial Histórico dos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

Acompanhamento de um Projeto Didático

Acompanhamento de um Projeto Didático Acompanhamento de um Projeto Didático Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@usp.br Universidade de São Paulo, Escola Politécnica Av. Professor Luciano Gualberto, travessa 3, n 380 05508-010 São

Leia mais

EDITAL Nº 006 SELEÇÃO PÚBLICA Inmetro - 2014 CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE

EDITAL Nº 006 SELEÇÃO PÚBLICA Inmetro - 2014 CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO EDITAL Nº 006 SELEÇÃO PÚBLICA Inmetro - 2014 CURSO

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural Nelson Lage Da Costa Mestrando em Ensino de Ciências na Educação Básica da UNIGRANRIO Caixa Postal 77.180 Centro Nova Iguaçu

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais