Qualidade, IACS e custos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade, IACS e custos"

Transcrição

1 Qualidade, IACS e custos um ti trinómio i danadod experiência do H. Genebra Américo AGOSTINHO Serviço Prevenção e controlo da infecção Hospitais Universitários de Genebra (Suíça)

2

3 Florence Nightingale,

4 from Notes on Hospitals published in 1863

5 Ignaz Philipp Semmelweis

6 Taxa de mortalidade maternal, Clinicas i de obstétría A e B, Hospital de Viena - Austria, Maternal Mortality (%) First Second Semmelweis IP, 1861

7

8 Taxa de mortalidade maternal, Clinicas i de obstétría A e B, Hospital de Viena - Austria, Mater rnal Mor rtality Intervenção 15 Maio 1847 First Second Semmelweis IP, 1861

9 Estudo SENIC Study on the Efficacy of Nosocomial Infection Control Haley RW et al. Am J Epidemiol 1985;121(2): % 20% 10% 0% -10% -20% Sem CCI 9% Taxa de IN em 5 anos ( ) 26% 19% 18% 14% LRTI SSI UTI BSI Total 50% -30% -40% -27% Com CCI -35% -31% -35% -32%

10 SENIC Study on the Efficacy of Nosocomial Infection Control para 110 camas 1 enf. CCI por camas 1 epidemiologista clinico por hospital (1000 camas) Monitorização das infecções hospitalares Divulgação das taxas IN Haley RW et al. Am J Epidemiol 1985;121(2): participação em redes de monotorização

11 Infecções nosocomiais (Suiça) Prevalencia 10% (2.4% 13.5%) infections urinaires i 25 % pneumonies 25 % cicatrices post op 25 % autres infections io 15 % infections du sang 12 % Facteurs de risque RR admission urgente 1.64 séjour soins intensifs 1.75 voie veineuse centrale 1.73 durée de séjour > 14j 1.65 score de Mc Cabe 1.78 Sax and Pittet, for the SiwssNOSO network Arch Intern Med 02

12 Infecções nosocomiais nos cuidados intensivos Prévalence 27% (9.7% 31.6%) pneumonies 47 % infections urinaires 18 % autres 16 % infections du sang 12 % cicatrices i post-op 7 % Etude EPIC ( ) 17pays européens unités soins intensifs patients Facteurs de risque RR sonde urinaire ventilation mécanique 2.07 voie veineuse centrale 4.40 séjour 7-13 jours séjour > 14 jours Vincent JAMA 1995

13

14 1 principio da prevenção das IN Pelo menos 35-50% das IN são associadas com apenas 5 práticas de cuidados: Sondagem urinária Acessos vasculares Ventilação mecanica Procedimentos cirurgicos Higiene das mãos e Medidas de isolamento

15 IN associadas à sondagem urinária Sondagem urinária (UTI) é responsável por ~40% das IN 25-50% dos patientes são indevidamente sondados Aumenta a mortalidade d e os custos

16 Prevenção das UTI com cateterismo (CA-UTI) 2 principios irrefutáveis Sondagem somente do estrito necessário Limitar ao minimo possivel a duração da sondagem

17 Incidência da UTI, antes e depois de uma intervenção multimodal UTI Pre-intervention period (n=280) Post-intervention period (n=259) RR (95%-CI) Overall N ID* C N ID* ( ) Orthopedic surgery Intervention group ( ) Digestive surgery ( ) Control group * ID: episodes per 1000 catheter-days Stéphan F et al D Clin Infect Diseases :1544

18 Séptisemia: epidémiologia [Patients staying > 48 hours in a medical ICU] Upper respiratory tract infections 9% Surveyed patients Skin and soft tissue infections 15% 1068 Median age Other 2% 62 years (16-92) Urinary Male-female ratio 1.4 tractmedian ICU-stay 5 N=33 days (2-134) Primary infections Total surveillance 7840 days bacteremia 6% 11% Number of infections 554 in 281 patients Overall infection rate N=113 71/1000 patient-days BSI Bloodstream infections 20% N=80 Clinical 14/1000 patient-days sepsis 14% Pneumonia 29% Catheter e exit-site e infections 14% Hugonnet et al Emerging Infect Dis 2003

19 Dr, tenho uma «quê» clinica?

20 Impacte das bactériemias Iaires Mortalité brute 10% à 40% Mortalidade atribuida 2% à 15% Prolongation séjour 5 à 20 jours Aumento dos custos à Sfrs Pittet et al. JAMA 1994; Wey et al. Arch Intern Med 1988; Voss et al. Infection 1997 Pelz et al. J Int Care Med 2000; Blot et al. Am J Med 2002

21

22

23

24

25 Bactérémies nosocomiales: épidémiologie 4394 bactérémies I aires dans 205 USI mixtes ( ) National Nosocomial Infection Surveillance (NNIS) System 35 % Staphylocoque CN Staphylococcus aureus 25 Enterococci Candida spp 20 E. coli Klebsiella spp 15 Enterobacter spp Pseudomonas spp Richards CCM 1999 ICHE 2000

26 Programa de prevenção de infecção em acesso vascular nos Cuidados Intensivos

27 Fontes de infecção Factores de risco ectivos de prevenção perfusions médicaments matogène connexions cathéter tubulure site d insertion pansement

28 enção das IN associadas aos catéters venosos Mesures générales surveillance précautions stériles maximales désinfection > lavage des mains Aspects techniques échange de cathéter sur un guide antibiotiques (rinçage, topique) cathéters tunnelisés Développements récents Développements récents cathéters imprégnés

29

30 Technique de fixation du cathéter à la peau

31 tit pansement: compresses + Méfix

32 lorhexidine-gluconate impregnated dressings creased major catheter-related infections: Control dressings ChG dressings 1.40 per 1000 catheter-days HR = 0.39; p= per 1000 catheter-days Catheter-days

33 vention of vascular access line infection dical intensive care unit idence density sodes/1 000 patient-days * 3.8* 3.3* 2.6* 1997 reduction % primary BSI% -68% clinical sepsis -63% microbiologically doc. BSI 1.2* -64% insertion site infection 74%

34 Temos que agir!

35 IN / custos (SIM HUG ) ts (Sfr) % Patients (N) % % 26 %

36

37 versity of Geneva Hospitals (HUG), 1995

38 Iog Valeurs initiales SAVON CONVENTIONNEL SAVONS LIQUIDES IODURES A 0.8% CHLORHEXIDINE- DETERGENT 4% SOLUTIONS IODEES AQUEUSES 10% ISO-PROPANOL 60% HEXACHLOROPHENE- DETERGENT 3% ISO-PROPANOL 70% N-PROPANOL 60%

39 Tempo é dinheiro! ge antiseptique (ou non) des mains Friction alcoolique

40 Consommation d Hopirub aux HUG ns à 100ml Friction hydro-alcoolique 00 A CHAQUE FOIS! Avant, c est pour le patient! Après, c est pour moi!

41 5 Moments for Hand Hygiene

42 Prevenção de ILC Reduzir a quantidade de inoculum bacterial no local cirúrgico Antisepsia da pele Antibioprofilaxia per-opératoria (1h) Melhorar as condições fisiológicas do doente Diabetes COPD, Fumadores (stop 30 dias antes) Feridas, escarras, etc Técnica operatória "minimum invasive" Ambiente operatório seguro Lavagem cirurgica das mãos

43 Active surveillance Courtesy: Astagneau, SFHH 2007

44

45 «Success story parâmetros» Mudança de cultura INSTITUCIONAL Directivas (informação precisa e clara) Controlo e fedback Apoio evidente da Direcção Leadership Dinamismo, inovação e empenho pessoal Implicação do pessoal de saúde

46 The University of Geneva Hospitals (HUG), 8 years follow-up CCI: -melhor gestãos dos recursos - economia de $$ Pittet D et al, Inf Control Hosp Epidemiol 2004; 25:264

47

48 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO Questões? À vossa disposição [Congresso ICPIC 2011, Genebra Suíça, 29 Junho a 2 Julho,

HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial. Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009

HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial. Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009 HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial Centro Hospitalar do Alto Ave, EPE 04 e 05 de Maio de 2009 HIGIENE DAS MÃOS Um desafio mundial As bases do controlo de infecção assentam em medidas simples e bem estabelecidas,

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

29 Outubro, 2013 www.webbertraining.com

29 Outubro, 2013 www.webbertraining.com Nada a declarar Conflito de interesse Alexandre R. Marra Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) Patrocinadopor www.gojo.com.br Objetivos Novas e velhas

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Infecções por Candida em unidade de terapia intensiva (UTI) Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Infecções por Candida em unidade de terapia intensiva (UTI) 1.1- INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

Programa. Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016

Programa. Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016 Programa Prêmio Europeu de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015 / 2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean Care is

Leia mais

Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica

Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica Francisco Ivanildo de Oliveira Junior Hospital Municipal de Barueri Instituto de Infectologia Emílio Ribas IX Simpósio Estadual

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

infeção hospitalar! Orientação técnico-científica Desafio_infeções_Miolo3.indd 1

infeção hospitalar! Orientação técnico-científica Desafio_infeções_Miolo3.indd 1 STOP infeção hospitalar! U M DE S A F IO GU L BEN K I A N Orientação técnico-científica Desafio_infeções_Miolo3.indd 1 19/03/15 12:25 Os Desafios Gulbenkian foram concebidos para apoiar o SNS e o Ministério

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 QUALIDADE E SEGURANÇA NA ASSISTÊNCIA EM SAÚDE. ABORDAGEM DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL EM TERAPIA INTENSIVA DE ADULTOS PARA PREVENÇÃO

Leia mais

768 Rev Saúde Pública 2003;37(6):768-74 www.fsp.usp.br/rsp

768 Rev Saúde Pública 2003;37(6):768-74 www.fsp.usp.br/rsp 768 Rev Saúde Pública 2003;37(6):768-74 Uso de diagramas de controle na vigilância epidemiológica das infecções hospitalares Use of statistical process control charts in the epidemiological surveillance

Leia mais

Infecção Urinária no âmbito hospitalar: uma revisão bibliográfica 1

Infecção Urinária no âmbito hospitalar: uma revisão bibliográfica 1 Infecção Urinária no âmbito hospitalar: uma revisão bibliográfica 1 PINTO,Tainá Adrielle Pereira Pinto 2 ; PERLINE,Nara Girardon³; STUMM,Karine Eliel 4 ; BUBLITZ, Susan 5 ; CRUZ, Silvana 6 RESSEL, Lucia

Leia mais

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16 Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB Vasco Lino 2015-06-16 GCL- PPCIRA Grupo de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo das Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO Fevereiro de 2008 PNCI Autores Ana Cristina Costa Direcção de Serviços da Qualidade Clínica,

Leia mais

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS)

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor Adjunto / Disciplina de Moléstias Infecciosas

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean Care

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR A IMPORTÂNCIA DO CONTROLO DE INFECÇÃO EM MEIO HOSPITALAR Ana Cristina Costa Divisão da Segurança Clínica Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Instituto

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE LORIANE KONKEWICZ CCIH Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital de Clínicas de Porto Alegre HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Hospital

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

Improving handhygiene compliance by e-health initiatives: at distance education program. Med-e-Tel International Conference 2012 Luxembourg

Improving handhygiene compliance by e-health initiatives: at distance education program. Med-e-Tel International Conference 2012 Luxembourg Improving handhygiene compliance by e-health initiatives: at distance education program Med-e-Tel International Conference 2012 Luxembourg Porto Alegre RS Brasil - HCPA 749 beds University- affiliate Tertiary

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Lívia Lara Soares Arcoverde¹; Virgínia de Oliveira Matos² RESUMO A fim de garantir a qualidade dos serviços prestados,

Leia mais

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Rossana Sette de Melo Rêgo Francisco Montenegro de Melo Kedma de Magalhães Lima INTRODUÇÃO O cateterismo venoso

Leia mais

Rev Port Med Int 2010; 17(1) Prevenção da Bacteriemia associada a Cateter Venoso Central. Como eu, Enfermeiro, faço

Rev Port Med Int 2010; 17(1) Prevenção da Bacteriemia associada a Cateter Venoso Central. Como eu, Enfermeiro, faço Como eu, Enfermeiro, faço Prevenção da Bacteriemia associada a Cateter Venoso Central Nursing protocol Prevention of CVC associated bacteremai Andrade, A; Cardoso Pais, P; Carones, N; Ferreira, M Enfermeiros

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (ITU) EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: PROPOSTA DE MELHORIAS

PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (ITU) EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: PROPOSTA DE MELHORIAS CLÍNICA PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO (ITU) EM PACIENTES HOSPITALIZADOS: PROPOSTA DE MELHORIAS PRINCIPALES FACTORES DE RIESGO DE INFECCIÓN DEL TRACTO URINARIO (ITU) EN PACIENTES

Leia mais

Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter*

Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter* RBTI 2007:19:2:227-230 Artigo DE REVISÃO Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter* Vascular Access and Catheter Associated Blood-Stream Infections Marcelo Bonvento 1 RESUMO JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Epidemiologia da infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva

Epidemiologia da infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva Rev Panam Infectol 2009;11:32-37. ARTÍCULO ORIGINAL/ARTIGO ORIGINAL Epidemiologia da infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva Epidemiology of nosocomial infection in a intensive care unit Olcinei

Leia mais

Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt)

Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt) ARTIGO OPINIÃO Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt) 2010 Enfermeiro Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica Bloco Operatório Central

Leia mais

Soluções para a Segurança do Paciente

Soluções para a Segurança do Paciente Soluções para a Segurança do Paciente Tradução de Adélia Quadros Farias Gomes Para o Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Proqualis 2007 O Programa da Organização Mundial

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM)

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) Isabel Neves Trabalho desenvolvido pela CCI e S. Patologia Clínica

Leia mais

PERFIL DO DOENTE COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA

PERFIL DO DOENTE COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA PERFIL DO DOENTE COM INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NUM SERVIÇO DE ORTOPEDIA Orientador: Professor Doutor António Tavares 7 Agosto, 2009 Eduardo Manuel Cordeiro Bernardino III Curso de Mestrado de Gestão em

Leia mais

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP O papel do ambiente na transmissão de infecção Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP Reservatórios / Fontes Ar Enxoval Superfícies Como ocorre

Leia mais

Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, 2013. 19 Fevereiro, 2013

Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, 2013. 19 Fevereiro, 2013 O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Diretoria de Prática Médica

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL RESUMO

ARTIGO ORIGINAL RESUMO ARTIGO ORIGINAL Impacto de programa multidisciplinar para redução das densidades de incidência de infecção associada à assistência na UTI de hospital terciário em Belo Horizonte Assessing the impact of

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES Bianca Fonseca Abril 2013 Primeiro Desafio Global para Segurança do Paciente 2005 Portaria de segurança metas internacionais de segurança Por que higienizar as mãos?

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Serviços - pressão de Inverno

Serviços - pressão de Inverno Serviços - pressão de Inverno Data: 11/08/2004 Autor: Cláudia Conceição (claudiac@esoterica.pt) Este documento procura mostrar, a partir de publicações que, pelo menos para alguns serviços, parece haver

Leia mais

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Centro de Tratamento Intensivo*.

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Centro de Tratamento Intensivo*. Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Centro de Tratamento Intensivo*. Ventilator-Associated Pneumonia in the Intensive Care Unit Tiago Luiz Silvestrini 1, Carlos Eduardo Rissing da Nova Cruz 2

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES URINARIAS HOSPITALARES EM HOSPITAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES URINARIAS HOSPITALARES EM HOSPITAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES URINARIAS HOSPITALARES EM HOSPITAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO Maridalva Souza Penteado* PENTEADO, M.S. Medidas de Prevenção e Controle de Infecções Urinárias Hospitalares

Leia mais

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Infecções e Cuidados de Saúde Hospital Magalhães Lemos 12 Dezembro.2008 Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Porto,12 de Dezembro 2008 Enquadramento do Processo Negocial com os Serviços de Saúde

Leia mais

A prática do (a) enfermeiro (a) na inserção do cateter de Folley em pacientes de unidade de terapia intensiva: limites e possibilidades

A prática do (a) enfermeiro (a) na inserção do cateter de Folley em pacientes de unidade de terapia intensiva: limites e possibilidades PUBLICAÇÃO OFICIAL DO NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL SANTA CRUZ E PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E FARMÁCIA DA UNISC ISSN 2238-3360 Ano III -

Leia mais

EPI3. AULA 2 Desenhos de Estudo Busca bibliográfica na Internet. Gisele Caldas Alexandre Sandra Costa Fonseca

EPI3. AULA 2 Desenhos de Estudo Busca bibliográfica na Internet. Gisele Caldas Alexandre Sandra Costa Fonseca EPI3 AULA 2 Desenhos de Estudo Busca bibliográfica na Internet Gisele Caldas Alexandre Sandra Costa Fonseca Quais são as questões clínicas na prática cotidiana do médico? Diagnóstico O que eu tenho? Posso

Leia mais

Módulo 2 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES

Módulo 2 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES Renato Satovschi Grinbaum Coordenador: Eduardo Alexandrino Servolo de Medeiros São Paulo - SP 2004 - versão 1.0 SUMÁRIO: CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM Alane Costa Lemes Anna Flávia Lima das Graças Daniele Venâncio Fontana Priscila Esteves Dias Sobrinho INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS

CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS CUIDADOS PERIODONTAIS NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA COM PACIENTES IDOSOS Araújo, Luiza Jordânia Serafim¹ 1 Universidade Estadual da Paraíba, luizajordania@hotmail.com INTRODUÇÃO As unidades de terapia

Leia mais

DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI

DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI 2 AUTORES Ana Leça, Directora de Serviços da Qualidade Clínica Ana Cristina Costa, Chefe de Divisão da Segurança Clínica Maria Goreti Silva, Divisão

Leia mais

Prevenção e Controlo de Infecção na Prática dos Enfermeiros: Contributos da Formação

Prevenção e Controlo de Infecção na Prática dos Enfermeiros: Contributos da Formação CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA Prevenção e Controlo de Infecção na Prática dos Enfermeiros: Contributos da Formação Susana Maria Filipe Gonçalves Coimbra, Janeiro de 2012 CURSO DE MESTRADO

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

Avaliação Prospectiva da Ocorrência de Infecção em Pacientes Críticos de Unidade de Terapia Intensiva*

Avaliação Prospectiva da Ocorrência de Infecção em Pacientes Críticos de Unidade de Terapia Intensiva* RBTI 2007:19:3:342-347 Artigo Original Avaliação Prospectiva da Ocorrência de Infecção em Pacientes Críticos de Unidade de Terapia Intensiva* Prospective Assessment of the Occurrence of Infection in Critical

Leia mais

IACS. Particularidades na criança. Graça Rocha Hospital Pediátrico Coimbra

IACS. Particularidades na criança. Graça Rocha Hospital Pediátrico Coimbra Graça Rocha Hospital Pediátrico Coimbra Coimbra, 9 de Maio 2013 Sumário: IACS Aspectos gerais Diferenças na criança Estudos Conclusões 1850 Semmelweiss 1 celula humana ------ 10 células microbianas MRSA

Leia mais

Preparo da pele: tão simples quanto parece?

Preparo da pele: tão simples quanto parece? Preparo da pele: tão simples quanto parece? Larissa Cavassin Enfermeira CCIH Assuntos abordados: Banho pré-operatório Mupirocina nasal Anti-sepsia cirúrgica das mãos e uso de preparações alcoólicas PVPI

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES EM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DE ADULTO

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES EM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DE ADULTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES HOSPITALARES EM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA

Leia mais

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS Denise Brandão de Assis Diretora Técnica Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

Análise da prescrição médica associada ao diagnóstico de. cistite no contexto da Medicina Geral e Familiar

Análise da prescrição médica associada ao diagnóstico de. cistite no contexto da Medicina Geral e Familiar Análise da prescrição médica associada ao diagnóstico de cistite no contexto da Medicina Geral e Familiar Artigo realizado por: Cláudia Amorim Vaz 6º ano Mestrado Integrado em Medicina 2011/2012 - ICBAS-UP

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR A L E X A N D R A L E I T E

INFECÇÃO HOSPITALAR A L E X A N D R A L E I T E INFECÇÃO HOSPITALAR A L E X A N D R A L E I T E INFECÇÕES HOSPITALARES IH X INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE - IRAS CONCEITOS INFECÇÃO HOSPITALAR Adquirida após a admissão do paciente e que

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

public hospital located at Sao Paulo - Brazil

public hospital located at Sao Paulo - Brazil Science in Health mai-ago 2013; 4(2): 97-101 INCIDÊNCIA DE INFECÇÃO POR ACINETOBACTER EM UMA UNIDADE DE TRATAMENTO ESPECIAL DE UM HOSPITAL PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Incidence of Acinetobacter infection

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO

INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO NOSOCOMIAL INFECTION: STUDY OF PREVALENCE AT A PUBLIC TEACHING HOSPITAL INFECCIÓN HOSPITALARIA: ESTÚDIO DE PREVALÉNCIA EN UN

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE Beatriz Graeff Santos Seligman; Ricardo Kuchenbecker; Adão Rogério Leal Machado;

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

António Barros Veloso é licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Coimbra com a classificação final de 15 valores.

António Barros Veloso é licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Coimbra com a classificação final de 15 valores. Curriculum Vitae António Barros Veloso António Barros Veloso é licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Coimbra com a classificação final de 15 valores. Carreira hospitalar Internato Geral

Leia mais

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 CUIDADO PREVENTIVO EM PRECAUÇÕES DE CONTATO: ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene 3 ; MISTURA, Claudelí 4 ; ROSO, Camila Castro 5

Leia mais

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar

2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar 2 Por que o reprocessamento de materiais médico-hospitalares é necessário no âmbito hospitalar Este capítulo tem por objetivo apresentar de maneira sucinta questões pertinentes a infecção hospitalar, por

Leia mais

Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais

Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais Artigo Original Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais Incidence of bacteremia in a tertiary hospital in eastern Minas Gerais Mateus Nader Cunha 1, Valter Roberto Linardi

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO EM

CONTROLE DE INFECÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE INFECÇÕES E EVENTOS ADVERSOS UIPEA/GGTES MARÇO DE 2010 MISSÃO DA ANVISA "Proteger e promover a saúde da população garantindo

Leia mais

ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA

ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA ZUNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PUERICULTURA E PEDIATRIA MARTAGÃO GESTEIRA ROTINA DE CUIDADOS COM CATETERES DE LONGA PERMANÊNCIA EQUIPE DE TERAPIA INTRAVASCULAR COMISSÃO DE CONTROLE

Leia mais

Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção.

Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção. Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção. Raquel Sabino Departamento de Doenças Infeciosas Unidade de

Leia mais

Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress

Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress Vol.5 Julho 2013 Artigo Opinião Controlo de infeção em Portugal: evolução e atualidade Infection control in Portugal: monitoring progress Maria Goreti de Gouveia Martins da Silva 1,2 1 Enfermeira de Controlo

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 25 INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 THE HOSPITAL INFECTION IN THE INTENSIVE CARE UNIT: RISK FACTORS AND MORTALITY Larissa Martins SOSSAI 2 Caroline

Leia mais

Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de saúde

Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de saúde ARTIGO ORIGINAL Higienização das mãos no controle das infecções em serviços de saúde ADÉLIA APARECIDA M. DOS SANTOS 1 RESUMO A higienização das mãos é considerada a ação isolada mais importante no controle

Leia mais

INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO EM PACIENTES SUBMETIDOS A CIRURGIAS ORTOPÉDICAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE MINAS GERAIS

INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO EM PACIENTES SUBMETIDOS A CIRURGIAS ORTOPÉDICAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE MINAS GERAIS INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO EM PACIENTES SUBMETIDOS A CIRURGIAS ORTOPÉDICAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE MINAS GERAIS SURGICAL SITE INFECTION IN PATIENTS SUBMITTED TO ORTHOPAEDIC SURGERY AT A PUBLIC HOSPITAL

Leia mais

PARECER N.º 23 / 2011

PARECER N.º 23 / 2011 PARECER N.º 23 / 2011 ASSUNTO: PROCEDIMENTO DE CUIDADOS PERINEAIS À PUÉRPERA DURANTE O INTERNAMENTO HOSPITALAR 1. Questões colocadas Parecer sobre procedimento e actuação na execução de cuidados perineais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DO AMAZONAS FMTAM MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS E INFECCIOSAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DO AMAZONAS FMTAM MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS E INFECCIOSAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS UEA FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DO AMAZONAS FMTAM MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS E INFECCIOSAS AVALIAÇÃO DOS PACIENTES QUE ADQUIRIRAM INFECÇÃO HOSPITALAR NA UTI DA FUNDAÇÃO

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO EM PACIENTES COM SONDA VESICAL DE DEMORA INTERNADOS

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO EM PACIENTES COM SONDA VESICAL DE DEMORA INTERNADOS CLÍNICA INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO EM PACIENTES COM SONDA VESICAL DE DEMORA INTERNADOS EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO RECIFE (PE), BRASIL. URINARY TRACT INFECTIONS FOCUSED ON LONG-TERM CATHETERIZATION

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO PAGINA

ÍNDICE TÍTULO PAGINA PNCI 2004 PNCI 1 ÍNDICE TÍTULO PAGINA - NOTA INTRODUTÓRIA 3 - COMPOSIÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO PARA - ELABORAÇÃO DA RECOMENDAÇÃO 3 - NTRODUÇÃO 4 - DEFINIÇÕES DA INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO 4 - CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Semmelweis Ao ser contratado em 1846 como médico assistente na Primeira Clínica Obstétrica do Allgemeine Krankenhaus (Hospital

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE.

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE. ARTIGO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS NO CONTROLE DAS INFECÇÕES EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Adélia Aparecida Marçal dos Santos * "Tua mão seja de manhã com água fresca lavada... 24 ( LE LONG, M., 1633) Resumo A higienização

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais