PROFISSIONAIS ll:: REURSOS J-l.to1JWJS. Lm Grupo a Procura de sua Legitimação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFISSIONAIS ll:: REURSOS J-l.to1JWJS. Lm Grupo a Procura de sua Legitimação"

Transcrição

1 "'1111'11111'111111'11/11'" /1 ' ~- -~-..._ / PROFISSIONAIS ll:: REURSOS J-l.to1JWJS Lm Grupo a Procura de sua Legitimação

2 Para Lair, Tatiana, Gabriela e Patrícia

3 ,.-. ESCOLA DE Ar»4INISTRAÇAO OC EWRESAS DE SAO PAlA..O DA FLNJAÇAO GE11l..IO VARGAS \\ I. \, ; JE... sruza DUTRA PROFISSIONAIS OC REcrnsoS JUoWIlS Um Grupo a Procura de sua Legitimação i 1,r-.'\,.:,, '. :...: l. I". J.' j' ". ", i ~'.. -~ Fundação ~tulio Vargas Esç.ola de Admini&b'ação.. FGV CI~Empresas de SAo Paulo Bjbfjote~ Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação da EAESP/FGV - Area de Concentração: Teoria e Comporta-o mente Organizacionais, como requisito para obtenção de Título de Mes tre em Administração. Orientador: Prof. Roberto Venosa 51(0 PAULO 1987

4 DUTRA, Joel Souza. Profissionais de Recursos Humanos: Um grupo a Procup. (Disserta- ra de sua Legitimação. São Paulo, EAESP/FGV, ção de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação da EAESP/FGV, Area de Concentração: Teoria e Comportamento. Organizacionais). Resumo: Trata do processo de autonomização dos profissionais de re _ cursos humanos como um grupo profissional legítimo no mundo das em _ presas. Estuda a produção e circulação de bens simbólicos a partir do estudo de um grupo informal fechado de profissionais de RH. Estuda a gênese, objetivos e rituais do grupo, assim como a estratégia de ascenção profissional e social de seus integrantes e os valores profes sados pelo grupo. Palavras-Chaves: Recursos Humanos - Legitimidade - Ascenção Profis _ sional - Grupos Profissionais - Carreira Profissional - Grupos In _ formais

5 AGRADECIMENTOS Queremos formalizar o nosso agradecimento ao Professor Roberto Venosa pela dedicação e estímulo durante as realizações do trabalho. Aos colegas de Turma que trilharam o mesmo caminho e por fazê-lo antes de mim, conseguiram clarificá-lo e tornar menos árdua a minha ca _ minhada, em especial gostaria de formalizar meus agradecimentos ao Heitor Jácomo Martelli e à Heloisa Maria Longo. Aos entrevistados que se colocaram a minha inteira disposição apesar de serem pessoas bastan te ocupadas.

6 It-VICE INTRCXLÇAO PARTE I - PERSPECTIVAS TEORICAS Capítulo 1 Produção e Circulação de Bens Simbólicos - Processo de Autonomização - Sistema de Produção e Circulação de Bens Simbólicos Reprodução de Bens Simbólicos e Consagração 13 Capítulo 2 O Grupo 17 - A Influência do Grupo sobre o Indivíduo 17 PARTE II - ANALISE 00 ~lfo OC ESTlIXl Capítulo 3 Introdução a Análise do Grupo Estudado 25 - Características dos Grupos Pesquisados 26 Características dos Grupos Estudados mais Profundamente 34, Capítulo 4 Contexto de Surgimento dos Grupos - Introdução - Recursos Humanos na Década de Sessenta - Recursos Humanos na Década de Setenta Capítulo 5 O Grupo Estudado - Gênese do Grupo - Objetivos do Grupo - Rituais

7 Capítulo 6 o Grupo como Estratégia de Ascenção Profissional - A Carreira Profissional - Surgimento do Grupo na Carreira - DJ Relacionamento informal dentro do Grupo e sua Influência Capítulo 7 Valores Professados pelo Grupo - Introdução - O Modelo Idealizado - Atuação do profissional na Empresa - Principais Areas de Preocupação - Papel das Associações Profissionais PARTE rrr - ANALISE DOS CASOS ESTlDAOOS Capítulo 8 Os Casos Estudados - Características dos Entrevistados - projeto de Ascenção Social Capítulo 9 O Grupo e o Mundo Externo - Como o Grupo é visto - Exclusividade para o Grupo - Como o Grupo é visto por outros Profissionais PARTE IV - CONCLUSAO Capítulo 10 Conclusão - Sobre o Profissional de Recursos Humanos - Sobre o Grupo Estudado - Sobre a Area de Recursos Humanos - Considerações Finais BIBLIOGRAFIA 137

8 INTRODUÇAO

9 - 2 - INTRODUÇlW Quando eu fazia meu curso de especialização tomei contato com ai guns conceitos básicos de antropologia social que me inquietaram. Me inquietava, na época, também entender mais profundamente o grupo de profissionais de recursos humanos, ao qual me inserira/ recentemente. Ao entendê-lo me entenderia também. A partir de então me resolvi a fazer o curso de mestrado e inciei um longo percurso nesta busca. Hoje acredito que tenha encontrado algumas respostas, que longe de eliminar minhas inquietações as alimentam mais. Estudei os grupos informais de profissionais de recursos humanos, por acreditar que nesses grupos teriam surgido os primeiros val~ res básicos de conduta dos profissionais de recursos humanos,meus estudos' me conduziram, porém, a um único grupo, no meu entender o mais representativo nesse processo. Esse grupo foi formado após um concurso para escolha dos expoentes da área na época, os quais representavam a vanguarda em recursos humanos, pessoas que contestavam o "Gerubal Pascoal Che fe ~ do Pessoal" e ainda contes tam. o grupo em questão tinha uma particularidade, era um grupo fech~ do, grande inovação naquele momento, ou seja, havia um número li mitado de integrantes, o que possibilitou um aglutinamento muito forte dos integrantes em torno de idéias e projetos. As reposi _ ções eram e são efetuadas dentro de um ritual que procura prese~ var as características do grupo. O grupo em questão tem sido o

10 - 3 - estereótipo do grupo informal e seus integrantes muito respeitados na comunidade de recursos humanos.seus integrantes tem sido os presidentes da principais Associações de Administradores de Recursos Humanos do Pais, ou tem ocupado nas mesmas as princi pais posições. o grupo não tem sido somente o ponto de geração e circulação de valores, mas também criou fortes tentáculos nas associações profissionais para difusão em larga escala de seus valores. Além do grupo ter criado tentáculos nas associações profissio nais tem introduzido seus membros em associações e sindicatos p~ tronais e órgãos governamentais ligados a área de recursos humanos. A tônica principal da produção e circulação de valores, dentro / da comunidade de recursos humanos e desta para o mundo das empr~ sas, tem sido a legitimação do profissional de RH nas empresas, uma busca de igualdade aos profissionais de finanças, marketing/ e produção. Nesse processo os profissionais de RH procuraram ocu par seus espaços a partir das brechas que lhes foram abertas com o respaldo de um discurso de legitimação articulado pelos / grupos informais e difundido em larga escala pelas associações / profissionais. Tenho esperança de que o estudo do processo de legitimação do profissional de RH no mundo das empresas e da produção e circul~ ção de bens simbólicos, auxilie o entendimento de processos de mesma natureza em outros agrupamentos profissionais.

11 P A R T E I PERSPECTIVAS TEORICAS

12 - 5 - Capítulo l " Assim como, segundo Hegel, a ignorância da Lei não constitui uma circunstância atenuante diante de um tribunal, a ninguém é permitido ignorar a lei cultural, nem mesmo aqueles que só vão descobri-la diante / do tribunal das situações sociais capazes/ de impor-lhes o sentimento de sua indignidade." (Pierre Bourdieu) Produção~e Circulação~deBens Simbólicos (1) Para bem entendermos o surgimento de um espaço de atuação para os profissionais de recursos humanos dentro das empresas é fundamental entendermos como se dá o processo de autonomiza - ção desse profissional. A autonomia do profissional de RH, ou seja, o reconhecimento desse profissional como um igual aos profissionais de finanças, marketing e produção no mundo das empresas, se dá a partir da autonomização progressiva do sistema de produção, circulação e consumo de bens simbólicos. f essa autonomização progressiva que irá distinguir o profissional de RH dos demais profissionais da empresa, que criará, dentro do próprio campo de profissionais de RH, maneiras de distinção, de "status". (1) Inspirado no texto de Pierre Bourdieu, "O Mercado de Bens Simbólicos", tradução de Sérgio Micelli em Economia das Tro - cas Simbólicas, São Paulo, Perspectiva, Coleção Estudos, 1982 pág. 99.

13 - 6 - PROCESSO DE AUTONOMIZAÇAo Muito embora tenha sempre existido dentro das empresas, de forma explícita ou implícita, sistemas de gestão de RH, faz muito pouco tempo que os profissionais de RH puderam avocar para si a responsabilidade por esses sistemas, o que foi I possível em função do desenvolvimento econômico do país,com o consequente crescimento das empresas e aumento da complexidade operacional das mesmas. Em paralelo ocorreram uma série de transformações: a) Os profissionais existentes na área de RH se juntaram I formando grupos abertos e associações, onde surgiram princi pios de legitimação dos mesmos, processo que se acelera com o surgimento de grupos fechados. Os grupos fechados, atrav~ de suas normas de acesso e de eleição dos elementos inte- I grantes, estabelecem distinções dentro do campo de profis - sionais de RH e, por consequência, também fora do campo; b) Desenvolvimento da área de RH dos EUA na década de 60.Fa to significativo por serem as empresas multinacionais, na - quela época, reconhecidas como "de ponta" em recursos humanos. A influência dos EUA se fazia sentir em nosso país a partir da pressão das matrizes sobre suas subsidiárias em adotar o mesmo modelo estrutural lá existente, onde a áreal de RH era encarada no mesmo nível das demais; c) Fortalecimento das associações de profissionais de RH I que, tendo aumentado sua penetração junto a sociedade comol um todo, passa a ser um importante meio de difusão de princípios de legitimidade dos profissionais de RH dentro das

14 - 7 - empresas e de difusão de parâmetros de sucesso profissional.1 Durante esse processo os profissionais de RH passam a aspirar posições dentro das empresas de nível equivalente aos profis-.sionaisdas demais áreas, não só em termos de posicionamento dentro da estrutura organizacional como também a nível de res ponsabilidade e autoridade no processo decisório e nas defini çaes estratégicas. Todo o processo de legitimação e estabelecimento de parâmetros de sucesso foi efetuado tomando como base o mu~do das empre - sas, ou seja, foi a partir daquilo que é valorizado no mundol das empresas é que foram construídos os padrões de comportamento valorizados no profissional de recursos humanos. Dessa forma para que o profissional pudesse ascender dentro da es - trutura de uma empresa teria que necessariamente dominar a linguagem, o jeito de ser daqueles profissionais que já OCUp! vam posições de poder dentro da mesma. Além de se legitimar no mundo das empresas, de ser encarado I como um igual aos demais, o profissional de RH passou a se / distinguir como um elemento que dominava uma especialização I importante no mundo das empresas. Uma especialização que não estava ao alcance de todos, mas somente daqueles que tinham I uma vivência e formáção profissional específica. ~ nesse contexto que se procura definir as fronteiras da área de recur - sos humanos, as fronteiras dessa especialidade técnica dentro da empresa e sua valorização, que se procura formar um cursol de especialização a nível superior com o objetivo de formar I profissionais e que começam a surgir cursos a nível de pós graduação.

15 ampo pr.of.íss o processo de autonomização da especialização de recursos humanos conduz à constituição de uma categoria profissional dis tinta e legítima dentro e fora do mundo das empresas, o mesmo processo conduz à transformação da relação que os profissio _ nais de RH mantêm com os demais profissionais e entre si, resul tando na consti tu íção de um.c í ona l r.e.lat.í vamen te autônomo e na elaboração concomitante de uma nova defini - ção da função profissional de RH dentro e fora do mundo das empresas. O movimento dos profissionais de RH em direção à sua autono _ mia se realiza em ritmos diferentes. Foi um processo iniciado por um pequeno grupo de profissionais que, por sua biografia/ e em função do tipo de empresa onde trabalhavam, começaram e~ se movimento. Na época havia uma grande concentração desses / profissionais na cidade de São Paulo e a proximidade física / permitiu que, através dos grupos informais de profissionais,/ se organizasse o movimento. Começam a surgir, a partir daí,p~ blicações,artigos em revistas de negócios (legítimas no mundo das empresas), congressos, palestras, seminários, etc. O grupo que inicia esse movimento obtém sucesso junto aos pr~ fissionais de RH por portar símbolos importantes no mundo das empresas, por exemplo ser diretor bu o primeiro homem de RH / em empresas de grande porte ou tidas como empresas de suces - so, seus membros são dignos de crédi to e têm condições de escrever e falar em nome dos profissionais de RH. É dentro desse / contexto que se desenvolve o sistema de produção de bens simbólicos destinados à comunidade de RH, estabelecendo o tipo / idealizado do profissional de RH, e destinados ao mundo em g~ ral, institucionalizando o especialista em RH.

16 - 9 - o SISTEMA DE PRODUçAO E CIRCULAÇAo DE BENS SIMBéLICOS Segundo Bourdieu (2) " o sistema de produção e circulação de bens simbólicos define-se como o sistema de'relações objeti vas entre diferentes instâncias definidas pela função que I cumprem na divisão do trabalho de produção, de reprodução e de difusão de bens simbólicos" e explica, no caso da produção artística, que o campo de produção de bens simbólicos I deriva da oposição que se estabelece entre o campo da prod~ ção erudita, destinada aos próprios artistas, e o campo dai indústria cultural, destinada ao grande público. Tentando I transplantar essa visão para o campo estudado vamos verificar que a produção de bens simbólicos se estrutura a partir da interação entre o campo de produção para o mundo das empresas e do campo de produção para os profissionais de RH.I De um lado temos a produção do que é RH no mundo das empresas, como deve estar constituída, como deve estar posicion! da na estrutura da empresa, qual a sua importância, como de ve ser vista a gestão dos recursos humanos, etc. De outro I lado temos a definição desses valores dentro da própria comunidade de RH, definindoo tipo idealizado de profissional, comportamento adequado dentro da empresa, instrumentos e técnicas de gestão de RH, forma de utilização dos mesmos p~ 1o p ro fissiona1 de RH, etc. o campo de produção para os profissionais de RH, que vamosl chamar de campo de produção erudita, não é um campo fechado, ou seja, esse campo não está imune às influências do mundol das empresas, são os bens simbólicos estabelecidos no mundo (2) BORDIEU, Pierre, op.cit. pág.105

17 10 - das empresas é que conferem legitimidade ao profissional de RH perante os demais, é em função de seu "status" dentro da empr~ sa e o "status" da empresa onde trabalha que o credencia a falar por e para os profissionais de RH. Dessa forma as demarcações internas estão muito ligadas aos princípios externos de / divisão, por exemplo: empresa ou empresas onde trabalha, cargo ocupado, nível de relacionamento com empresários de sucesso,ni vel de relacionamento com autoridades governamentais, etc. o campo de produção para profissionais de RH está muito ligado ao campo de produção para o mundo das empresas, na medida em / que ambos visam a legitimação de RH. A produção erudita tem / muita ligação com as mutações ocorridas no mundo das empresas, não é de se estranhar, portanto, a influência dos movimentos / sindicais a partir de 78 sobre a produção erudita e a demarcação de influências dentro desse campo. As atividades ligadas a relações sindicais se tornaram nobres desbancando as áreas / mais técnicas como treinamento, que vinha ascendendo, salários, etc. A importância dada a relações sindicais está muito ligada ao fato de terem os movimento sindicais aberto grande espaço / para RH nas empresas. A diferenciação do profissional de RH junto aos demais está / muito ligada ao seu discurso e sucesso na legitimação de RH no mundo das empresas. Os grupos informais de RH têm muita influência na diferenciação do profissional, existem grupos forma - dos por primeiros homens de RH em empresas expressivas nos segmentos onde atuam, pertencer a esses grupos significa o reconhecimento da diferença, é portar o símbolo da diferença. Os grupos informais acabam estabelecendo as leis do campo de produção uma vez que seus integrantes são reconhecidos como ele - mentos de sucesso eo seu discurso acatado, uma vez que os pa-

18 11 râmetros de aceitação ou rejeição de elementos para o grupo são os que estabelecem os contornos da diferenciação. São I os integrantes desses grupos os eleitos para proferir pale~ tras, participar de simpósios e congressos, dirigir associ~ ções de profissionais, colaborar em revistas especializadas, etc. É dentro dos grupos que são produzidos os bens simbólicos e através dos mesmos que são circulados. Há uma disputa entre os grupos informais pelo monopólio dai manipulação dos bens simbólicos, os grupos se destacam nãol pela sua produção enquanto grupo, porém pela produção individual de seus membros. São os membros do grupo que distin guem o grupo dos demais. Tudo se passa como uma ação indivi dual para um processo de conquista de espaço no mundo das empresas, participando de associações patronais, órgãos do governo, liderando negociações, etc., porém cada elemento I do grupo é um espelho para o outro elemento, cada histórial de sucesso deve ser seguida e reproduzida no grupo por ou - tro elemento, e o feixe das histórias de sucesso marcam as leis do campo. As obras do campo de produção erudita não são acessíveis a todos os profissionais, são destinadas ao manejo por aqueles que vivenciam a área rle RH, incorporando cdnceitos do direi to, psicologia e sociologia. No processo de legitimação incorpora-se também códigos manejados pela área financeira, I marketing e produção com o objetivo de se falar a mesma lin guagem da empresa e ao mesmo tempo falar a sua própria linguagem. Os profissionais de RH não familiarizados com o processo de legitimação tendem a permanecer na esfera do conhe

19 12 - cimento técnico, só tendo acesso ao linguajar técnico, e os profissionais de outras áreas só assimilam a mensagem de le gitimação da área, entendendo-a co~o um processo de aproximação ao mundo das empresas não tendo acesso ao linguajar / técnico. É quem domina o código como um todo é que tem chan ce a aspirar o reconhecimento no campo de produção erudita/ e no campo de produção para o mundo das empresas, é que tem a condição de se tornar um produtor e consumidor nesses cam pos, enfim são os que dominam o código como um todo é que têm a condição de se diferenciar perante os demais. A produção erudita, embora tenha um liberdade de criação / maior do que a produção mais voltada ao mundo das empresas, está muito vinculada às normas estabelecidas pela linguagem legítima no mundo d~s empresas, em função da estratégia embutida em toda produção erudita de legitimação, ou seja, os produtores e consumidores da produção erudita estão num pro cesso de legitimação e conquista de espaço dentro das empr~ sas, portanto, as regras de ascensão e reconhecimento aen _ tro do mundo das empresas impregnam sobremaneira toda prod~ ção erudita. Toda produção que não leve em conta as regras estabelecidas pelo mundo das empresas tende a ser consi~era da ilegítima, sendo banida ou reinterpretada, adaptada à / linguagem legítima do campo. Tende a ser considerada uma / produção herética aquela que vê única e exclusivamente os interesses do homem na relação do mesmo com as empresas, um discurso mais próximo àquele proferido pelos sindicatos de trabalhado~es ou aquela produção que coloca a área de recu! sos humanos como instrumento da empresa para manipulação / dos trabalhadores. Essas produções em função do seu

20 13 - conte~do tendem a ser banidas completamente ou reinterpret! das segundo os interesses do campo. A pr6pria 16gica de fu~ cionamento do campo protege a integridade do campo de prod~ ção erudita, muito mais do que quaisquer proibiçôes, somen~ te os produtores dotados dos signos mais indis6utiveis da consagração, ou seja, aqueles mais indicados como porta-vo~ zes da comunidade de RH por serem mais conformados às suas/ normas, é que podem a se aventurar fora dos limites do campo das práticas legitimas sem atrair a reprovação da comuni dade. REPRODUÇÃO DE BENS SIMBÓLICOS E CONSAGRAÇÃO A produção erudita vai cada vez encontrando mais elementos/ em condições de decodificá-la e reproduzi-la, na medida em que vão sendo criados cursos especializados a nivel de graduação e p6s:graduação e que são convidados para ministrar/ aulas nesses cursos ou para organizá-los os mesmos produtores legitimas das obras eruditas. Na medida em que esses / cursos são efetuados por escolas de renome no mundo das empresas, como por exemp~o USP,FGV, etc. ocorre a consagração dos bens simb6licos veiculados. A consagração dos bens simbólicos ocorre também quando são/ referendados 'por empresários de sucesso, por autoridades go vernamentais e por docentes de escolas de renome. o sistema de ensino representa um papel essencial na reprodução e consagração de bens simbólicos para os profissio- / nais de RH e para o mundo das empresas. O sistema de ensino não só cria o espaço para transmissão de bens simbólicos p~

21 14 - los pr6prios profissionais de RH, consagrando assim a mensagem e quem a transmite, como cria espaço também. para a formação de produtores e reprodutores desses bens, através de trabalhos I acadêmicos, formação de docentes, realização de estudos e pesquisas, etc. Segundo Bourdieu (3) " no interior do sistema (sistema de instâncias de reprodução) assim construido, defi _ nem-se as relações que vinculam objetivamente o campo de prod~ ção erudita ao sistema das instituições que possuem atribuição especifica de cumprir uma função de consagração ou que, adema~, cumprem tal função assegurando a conservação e a transmissão I seletiva dos bens culturais, ou então, trabalhando em favor da reprodução de produtores dispostos e aptos a produzir um tipol determinado de bens culturais e de consumidores dispostos e aptos a consumi':'los." o sistema de ensino está acordado desde a pouco para a área de RH como um segmento importante. Outros segmentos trazem mais I prestigio às instituições de ensino, tal como finanças, marketing, produção, etc. Na medida, porém, em que RH vá se legitimando no mundo das empresas haverá cada vez mais interesse pelas escolas nesse segmento, gerando, assim, um efeito de causa lidade circular, ou seja, na medida em que a área se legitimai mais no mundo das empresas as instituições de ensino tendem a investir mais nesse segmento, causando maior legitimidade a RH no mundo das empresas. Segundo Bourdieu (4) "o sistema de ensino cumpre inevitavelme.!2 te uma função de legitimação cultural ao converter em cultural legitima, exclusivamente através do efeito de dissimulação, o arbitrário cultural que uma formação social apresenta pelo me- (3) BOURDIEU, Pierre, op. cit.pág.118 (4) BOURDIEU, Pierre, op. cito pág. 120

22 15 - ro fato de existir, e, de modo mais preciso, ao reproduzir, pela delimitação do que merece ser transmitido e adquirido e do que não merece, a distinção entre obras legitimas e as ilegitimas e, ao mesmo tempo, entre maneira legitima e ile~ gitima de abordar obras legitimas." O sistema de ensino em nosso pais tende a ter delegada a salvaguarda da ortoxia I cultural e na medida que se torna na principal instância de conservação e consagração dos bens simbólicos produzidos I cumprirá, no interior do sistema de produção e circulação I dos bens simbólicos, uma função homóloga à da Igreja, que deve fundar e delimitar sistematicamente a nova doutrina vi toriosa ou defender a antiga contra os ataques proféticos, estabelecer o que tem e o que não tem valor ~agrado,e ia culcar tudo isso na fé dos leigos. (5). O sistema de ensino, em função da hierarquia interna de legitimidades, sanciona diferenças aos individuos no mundo I das empresas (6), portanto, na medida em que uma determinada instituição de ensino, com alto grau de credibilidade no mundo das empresas, passa a incorporar os produtos do sist~ ma de produção de bens simbólicos, além de legitimá-los, I transfere os mesmos a um grupo de individuas diferenciadosl por pertencer àquela instituição, o que aumenta o efeito de causalidade circular, ou seja, quanto maior for o destaquei que RH consiga dentro dessas instituições de ensino, maior será o nível de atração para si de elementos diferenciadosl (5) BOUROIEU, Pierre, op. cito pág.120 (6) f comum vermos anúncios de jornal a procura de alunos I formados pela FGV e USP, por se acreditàr que sejam elementos mais capazes do que os formados por outras escolas.

23 16 - por pertencer à instituição, o que gera maior legitimidade a RH no mundo das empresas, o que por sua vez reforça a p~ sição de RH nas instituições de ensino atraindo mais ele _ mentos diferenciados. A partir da pressão exercida pelos sistemas de reprodução e conservação de bens simbólicos os profissionais de RH / tendem a procurar dar legitimidade ao seu comportamento e discurso, incorporando os parâmetros professados por aqueles que detêm a legitimidade. Como descreve Bourdieu (7),~ se~imento de estar excluido da cultura legitima é a expressão mais sutil da dependência e da vassalagem, pois im plica na impossibilidade de excluir o que exclui, única ma neira de excluir a exclusão", sendo assim, os elementos / desprovidos "da cultura legitima concebem a si mesmos como heréticos e não como cismáticos". Os sistemas de reprodução e conservação, particularmente o sistema de ensino, contribuem para a imposição generaliza~ da da legitimidade dominante, legitimando a sua absorção / ao mesmo tempo que desvaloriza as produções não legitimas, tendendo, por essa via, a impedir o surgimento ou a consti tuiçãode contralegitimidades. (7) BOURDIEU, Pierre, op. cit.pág.132

24 17 - Capítulo 2 o Grupo INTRODUçAO Nossbobjetivoé estudar. um. gr~p~_de prof~ssionai~ de recursos humanos, grupo esse representativo junto à comunidade de RH do país, e responsável pela formação e circulação de valo res para toda essa comunidade. Cumpre, portanto, estabelecermos alguns marcos teóricos que/ balizem a influência do grupo sobre o indivíduo. A INFLUÊNCIA DO GRUPO SOBRE O INDIVÍDUO A influência do grupo sobre o indivíduo é uma questão que vem ocupando muitos teóricos, principalmente os de psicolo _ gia social. As experiências mais marcantes, quando nos referimos à influência do grupo sobre as opiniões e percepção do indivíduo, foram as realizadas por Muzafer Sherif (1) (1936) e Salomon Asch (2) (1951). Sherif procurou demonstrar a in _ fluência das normas do grupo, ou do meio social, sobre a / percepção e formação de opiniões do indivíduo. Sherif observou que os quadros de referência que a pessoa leva para a si tuação que está vivenciando têm muita influência na sua / (1) SHERIF, Muzafer, "The Psychology of Social Norms", New York, Harper Torchbooks, 1966 (2) ASCH, Salomon E., "Influências da Pressão do Grupo" na / Modificação e Deformação de Jul~amentos", em Dinâmica de Gru po: Pesquisa e Teoria, organizado por Dorwin Cartwright e AI vin Zander, São Paulo, Herder, 1967 pág. 231

25 18 - maneira de a enxergar e a norma social ou a norma do grupo funciona como esse quadro de referência.sherif estava pre~ cupado em como surgem as normas, criou, então, condições / de laboratório, onde colocou pessoas numa situação sem es - trutura nítida, essas pessoas não poderiam se valer de qual quer quadro de referência. (3) Os experimentos revelaram / que quando o indivíduo, que antes estabeleceu individualmen te normas e parâmetros para o que viu, é posto numa situa - ção de grupo, junto a outros elementos que como ele estabeleceram antes normas e parâmetros individuais em relação a mesma ocorrência, tende, em conjunto com os demais, para / uma convergência das normas e parâmetros, ou seja, tende a abandonar as normas e parâmetros desenvolvidos individualmente em favor daquelas que surgem ém grupo. ~ interessante notar que quando o elemento enfrenta novamente a situação / sozinho, tende a levar em conta as normas e parâmetros adq~ ridos em grupo. (4) Aschprocurou estudar as condições sociais e pessoais que levam os individuos a resistir ou a submeter-se a pressões/ coletivas, quando essas são percebidas como contrárias à realidade. Asch concluiu, através de experimentos realiza - dos com estudantes de escolas superiores, que "apesar da / tensão das condições, uma proporção substancial de indivi - duos, conservou sua independência durante todo o experimento, ao mesmo tempo uma minoria substancial se submeteu, modificando seus julgamentos de acordo com a maioria. Segundo Asch independência e submissão são função conjunta dos se - guintes fatores básicos: (3) SHERIF, Muzafer, op. cito pág.136 a 142 (4) SHERIF, Muzafer, op. cito pág.104 e 105

26 19 - a) o caráter da situação estimuladora - variações de clare za estrutural apresentam uma influência decisiva, com a diminuição da clareza das condições estimuladoras, au - menta a influência da maioria; b) o caráter das forças do grupo - os indivíduos são extremamente sensíveis às qualidades estruturais da opos! ção do grupo; c) o caráter do indivíduo - houve grandes e, na verdade,n~ táveisdiferenças individuais na mesma situação experimental..." (5) As experiências de Sherif e Asch nos mo$tram a influência/ que o grupo pode ter na formulação de normas e parâmetros/ para a percepção da realidade e para a formação de opi- / niões, mostraram também a influência que a pressão do grupo pode ter na reformulação de normas e parâmetros. Esses/ autores são criticados, entretanto, pela simplicidade dos experimentos realizados, pelo fato de terem sido realiza - dos em laboratórios e não no mundo real e pelo fato de se restringirem ao comportamento do grupo e não à estrutura / do grupo. (6) Deutsche e Gerard (7) consideram que nas experiências de Sherif e Asch os sujeitos desses experimentos não se sen - (5) ASCH, Salomon E., op. cito pág.243 e 244 (6) OLMESTED, Michael S. "O Pequeno Grupo Social",São Paulo, Herder, 1970, págs.76 a 95. (7) DEUTSCH, Nortn e Harold B.Gerard, "Um estudo de Influ ências Sociais Normativas e Informativas sobre o Julgamen to Individual~ em Dinâmica de Grupo: Pesquisa e Teoria,o~. cit.pág.245.

Benefícios aos associados da ABQV

Benefícios aos associados da ABQV Faça a diferença na sua empresa. Junte-se a nós. Associe-se à ABQV. O bene fício é mútuo. Mais qualidade de vida para os seus co laboradores. Maior produtividade para a sua empresa. Empresa Mantenedora

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado.

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. ARNALDO NISKIER I - RELATÓRIO 0 Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro solicita

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA. (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA (Doutorado, Mestrado e Especialização) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO DO PRÉMIO COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE ANTÓNIO SÉRGIO 2015

REGULAMENTO REGULAMENTO DO PRÉMIO COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE ANTÓNIO SÉRGIO 2015 REGULAMENTO REGULAMENTO DO PRÉMIO COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE ANTÓNIO SÉRGIO 2015 I. DISPOSIÇÕES GERAIS 1º OBJETO O presente regulamento define o regime de atribuição do prémio Cooperação e Solidariedade

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUTO METODISTA DE ENSINO SUPERIOR UF SP ASSUNTO: Recredenciamento do curso de pós-graduação em Comunicação Social, com área

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho.

Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho. Pense antes de imprimir. A natureza agradece. MBA em Gerenciamento de Projetos Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho. O que é ser bem-sucedido? Para sua carreira,

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP Texto Aprovado CONSU Nº 2008-08 - Data: 02/04/2008 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP Introdução: PCCSD - UNASP O PCCSD - UNASP é um documento

Leia mais

Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho

Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho 1 Sociologia no ensino médio. A categoria trabalho: Uma leitura a partir do conteúdo programático e dos procedimentos teórico-metodológicos nos colégios da rede pública estadual em Goiânia * Heloiza Souza

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria CPG-PPGSA 004/2015 de 24 de agosto de 2015. Pág. 1 O presidente do Comitê de Pós-graduação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

Av. João Negrão, 1285, Rebouças Curitiba Paraná CEP 80230-150 Fone/Fax: (41) 3535-1662 Homepage: http://www.ifpr.edu.br

Av. João Negrão, 1285, Rebouças Curitiba Paraná CEP 80230-150 Fone/Fax: (41) 3535-1662 Homepage: http://www.ifpr.edu.br EDITAL Nº 003/2014 CÂMPUS CURITIBA IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 729, de 14/05/2014, torno

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a MASTER ASSESSORIA EDUCACIONAL criou o Cursos de Mestrado e Doutorado em Administração, os quais procuram enfatizar

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Universidade Federal da Bahia CONSELHO DE COORDENAÇÃO CÂMARA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NORMAS COMPLEMENTARES PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO SRICTO SENSU (MESTRADO E DOUTORADO) NA UFBA CAPÍTULO

Leia mais

Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho.

Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho. Pense antes de imprimir. A natureza agradece. MBA em Gestão da Saúde Se vencer na vida fosse apenas sobre trabalho, a expressão seria vencer no trabalho. O que é ser bem-sucedido? Para sua carreira, é

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 1 CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 Michele Rissardi 2 RESUMO: Diante da implantação da pedagogia histórico-crítica, tem-se a idéia corrente de que essa nova pedagogia levaria a formação

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012 Revisão 2.3 Julho/2012 Rio de Janeiro www.assespro-rj.org.br/premioempresas Assespro-RJ Praça Pio X, 55, 9º andar Cep:20070-900 Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

RUA JOÃO NEGRÃO, 1285 REBOUÇAS. CURITIBA PARANÁ. TELEFONE: (41) 3535-1662

RUA JOÃO NEGRÃO, 1285 REBOUÇAS. CURITIBA PARANÁ. TELEFONE: (41) 3535-1662 EDITAL Nº XX/25 PROGEPE - IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 729, de 14/05/24, torno público

Leia mais

Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas

Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas TEMA III: A CONSTRUÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL DE TRABALHADORES COMO SUPERAÇÃO DE EXCLUSÃO DO

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL

DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL Paulo Erlich* O Mentoring (Mentoria) vem sendo reconhecido mundialmente como um dos melhores métodos para desenvolvimento do indivíduo em diversas

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE ALAGOAS FAL 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA

FACULDADE ESTÁCIO DE ALAGOAS FAL 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA FACULDADE ESTÁCIO DE ALAGOAS FAL 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA A FACULDADE ESTÁCIO DE ALAGOAS divulga processo seletivo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

MARKETING CARE NEWSLETTER

MARKETING CARE NEWSLETTER MARKETING CARE NEWSLETTER Destaques desta Edição Por José Maria de Carvalho C o n t e Ú d o Conhecimento MARKETING DIGITAL O que é Marketing Digital? Quais as aplicações na área da Saúde? BRANDING & MARCA

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DOCENTES DEZEMBRO/2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS Presidente : Adélio Araujo de Faria Vice- presidente : Dirceu José Rocha 1ª Secretário : Euza Mércia Araujo Drummond

Leia mais

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila

A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais. Professor MS Lauro d Avila A Gestão dos Processos de Comunicação e Relacionamentos Organizacionais Professor MS Lauro d Avila Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos Resumo O artigo tem como objetivo constatar e comentar

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à INTERESSADO/MANTENEDORA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UF SP ASSUNTO RENOVAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL Nível de Mestrado. RELATOR: SR.CONS. Layrton Borges

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

Estimativas Profissionais Plano de Carreira Empregabilidade Gestão de Pessoas

Estimativas Profissionais Plano de Carreira Empregabilidade Gestão de Pessoas By Marcos Garcia Como as redes sociais podem colaborar no planejamento e desenvolvimento de carreira (individual e corporativo) e na empregabilidade dos profissionais, analisando o conceito de Carreira

Leia mais

1.1 RECRUTAMENTO E MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.1 RECRUTAMENTO E MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.1 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR

Leia mais