DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS"

Transcrição

1 GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA! Disciplina: Patologia Bucal 4º e 5º períodos DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013

2 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS TERMINOLOGIA Lesão potencialmente maligna (pré-câncer, pré-malignidade) Tecido benigno, morfologicamente alterado, que apresenta risco maior do que o normal de transformação maligna. Doença sistêmica ou hábito do paciente que não necessariamente altera a aparência clínica do Condição potencialmente maligna tecido local, porém está associada a um risco maior do que o normal de desenvolvimento de uma lesão pré-cancerosa ou de um câncer nesse tecido. Fonte: Neville et al. 3ª Ed., 2009

3 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS Lesão potencialmente maligna Leucoplasia Eritroplasia Condição potencialmente maligna AIDS Disfagia sideropênica Líquen plano

4 1- Leucoplasia DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS 2- Queilite acinica 3- Eritroplasia 4- Líquen Plano OMS (2005) 5- Fibrose Submucosa 6- Atrofia por deficiência de ferro 7- Nevo Pigmentar 8- Candidose Leucoplásica 9- HPV

5 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA Leucoceratose Definição OMS = placa ou mancha branca que não pode ser caracterizada clínica ou patologicamente como qualquer outra doença. Termo estritamente clínico Não implica uma alteração tecidual histopatológica específica

6 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA lesão pré- cancerosa mais comum (85%) sexo masculino (70%) diagnosccado acima dos 40 anos ECologia: desconhecida - DiagnósCco diferencial: Tabaco, álcool, UV, microrganismos, condições hereditárias

7 LEUCOPLASIA Diagnóstico - Biópsia - Citologia esfoliativa Diagnóstico diferencial - queimadura - candidose pseudomembranosa - hiperceratose focal - - líquen plano - estomatite nicotínica - nevo branco esponjoso - mucosa mordiscada

8 LEUCOPLASIA Características Clínicas: - Não pode ser removida por raspagem - Assintomática Apresentação Clínica das Leucoplasias Tipo Homogênea Variantes clínicas Delgada ou espessa Não homogênea Eritroleucoplasia/mosqueada Verrucosa proliferativa

9 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA FINA OU BRANDA Leucoplasia em dorso de língua

10 LEUCOPLASIA ESPESSA 90% das que exibem displasia ou carcinoma são encontradas na língua, soalho bucal e vermelhão labial

11 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA ESPESSA

12 LEUCOPLASIA VERRUCOSA PROLIFERATIVA Alto risco Disseminação lenta Predileção p/ gênero feminino (4:1) e não-fumantes Raramente regridem

13 LEUCOPLASIA VERRUCOSA PROLIFERATIVA

14 ERITROLEUCOPLASIA OU LEUCOPLASIA MOSQUEADA

15 ERITROLEUCOPLASIA OU LEUCOPLASIA MOSQUEADA

16 Eritroleucoplasia ou Leucoplasia Mosqueada

17 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA Características Associadas a MAIOR RISCO de TRANSFORMAÇÃO MALIGNA - Forma não homogênea, especialmente a verrucosa proliferativa - Presença de displasia epitelial no exame histopatológico - Localização em assoalho bucal ou língua - Com eritroplasia - Paciente não fumante

18 Teste do Azul de Toluidina (1%)

19 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA Epitélio displásico ou carcinoma são encontrados apenas em 5 a 25% dos espécimes de biópsia de leucoplasia. Potencial de transformação maligna = 4%

20 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA CaracterísCcas Histopatológicas Hiperceratose Acantose Infl.crônica no conj.subjacente

21 LEUCOPLASIA Características Histopatológicas Neville et al. 3 a Ed Página 394 a 396. Modificado de Bouquot JE et al. Head Neck, 1991.

22 EPITÉLIO NORMAL

23 EPITÉLIO COM DISPLASIA LEVE Estrato germinativo, onde as flechas mostram a lâmina basal, em rosa escuro.

24 LEUCOPLASIA Características Histopatológicas Displasia moderada

25 Leucoplasia Displasia grave Perda da estratificação epitelial Pleomorfismo Hipercromatismo nuclear Aumento da razão núcleo/citopl. Aumento do número de mitoses Mitoses atípicas acima da camada basal Laudo: lesão hiperceratótica com displasia epitelial grave

26 CARACTERÍSTICAS DAS DISPLASIAS GRAVES - Pleomorfismo celular - Hipercromatismo nuclear - Aumento da razão núcleo/citopl. - Aumento do número de mitoses - Vacuolização do citoplasma MITOSES ATÍPICAS

27 CARACTERÍSTICAS DAS DISPLASIAS GRAVES -Pleomorfismo celular - Hipercromatismo nuclear - Aumento da razão núcleo/citopl. - Aumento do número de mitoses - Vacuolização do citoplasma

28 CARACTERÍSTICAS DAS DISPLASIAS GRAVES

29 LAUDO HISTOPATOLÓGICO Fragmento de mucosa bucal revestido por epitélio pavimentoso estratificado hiperparaceratinizado apresentando pleomorfismo e hipercromatismo celular, perda da estratificação epitelial e da coesão celular, aumento da atividade mitótica. Observa-se atipias desde a camada basal até a porção média da camada espinhosa DIAGNÓSTICO: DISPLASIA EPITELIAL MODERADA

30 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS LEUCOPLASIA Tratamento - Uso de vitamina A - Excisão cirúrgica, eletrocautério, criocirurgia, cirurgia a laser

31 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS QUEILITE ACTÍNICA Queilose Actínica Alteração pré-maligna comum do vermelhão do lábio inferior que resulta de uma exposição progressiva excessiva ao espectro ultravioleta da luz solar Pessoas de pele clara com ocupações profissionais expostas ao ar livre Pessoas com mais de 45 anos, predileção p/ gênero masculino (10:1) Evolução lenta

32 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS QUEILITE ACTÍNICA Atrofia da borda do vermelhão do lábio inferior Manchas brancas

33 QUEILITE ACTÍNICA Apagamento da margem entre a zona do vermelhão e a porção cutânea do lábio. - Áreas ásperas, podem estar cobertas de escamas descamativas. - Ulceração crônica focal

34 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS QUEILITE ACTÍNICA Variados graus de displasia epitelial Infiltrado discreto de céls infl. crônicas TRATAMENTO - Maioria das alterações são irreversíveis - Bloqueadores solares p/ se evitar maiores danos - Cirurgia, Laser, Terapia fotodinâmica

35 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS ERITROPLASIA Etiologia desconhecida Características Clínicas - placa ou mácula eritematosa, assintomática, bem demarcada, textura aveludada e macia - predomina sexo masculino (55 74 anos) - assoalho bucal, palato mole

36 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS ERITROPLASIA

37 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS ERITROPLASIA Características Histopatológicas - 90% apresentam displasia epitelial grave ou carcinoma in situ - 5% apresentam carcinoma espinocelular invasivo Diagnóstico diferencial - candidose eritematosa - lesões vasculares - lesões fúngicas

38 ERITROPLASIA características histopatológicas

39 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS ERITROPLASIA TRATAMENTO - eliminação de fatores locais - criocirurgia, eletrocirurgia ou laser - excisão cirúrgica

40 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS Líquen Plano Oral Erosivo

41 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS - Alterações epiteliais carcinogênicas FIBROSE SUBMUCOSA ORAL Desordem potencialmente maligna de alto risco da mucosa oral - Rigidez mucosa causada por hiperplasia fibro-elástica e modificação do tec. conjuntivo superficial - Perturbação do equilíbrio homeostádco entre síntese e degradação da matriz extracelular

42 DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS Fibrose Submucosa Oral Sachê de betel PAAN MASALA (tabaco mascado com semente da palmeira de areca [noz de betel])

43 Fibrose Submucosa Oral

44 Fibrose Submucosa Oral

45 Fibrose Submucosa Oral Trismo, xerostomia, estomatopirose, palidez mucosa Rigidez progressiva dos tecidos subepiteliais

46 Fibrose Submucosa Oral Características Histopatológicas Deposição submucosa de colágeno denso Ausência de vascularização Fibras musculares sofrem atrofia progressiva Variados graus de displasia epitelial Não regride após remoção do hábito Tratamento: Corticosteróides intralesionais 10-15% dos casos mostram displasia epitelial 6% dos casos biopsiados mostram carcinoma

47

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Disciplina: Patologia Bucal 5º período LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Terminologia

Leia mais

Key words: Mouth Neoplasms; Oral Medicine; Head and Neck Neoplasms.

Key words: Mouth Neoplasms; Oral Medicine; Head and Neck Neoplasms. Artigo de Revisão Lesões potencialmente malignas da cavidade oral: revisão da literatura Potencially malignant oral lesions: literature review Adriana Torres da Silva 1 Sérgio Edriane Rezende 2 Resumo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período.

Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período. Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS Disciplina: Estomatologia 3º Período http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 LESÕES FUNDAMENTAIS São como as letras de um alfabeto

Leia mais

Neoplasias de células melanocíticas

Neoplasias de células melanocíticas Neoplasias de células melanocíticas PATOLOGIA II Aula Prática nº10 O termo NEVO é normalmente usado na linguagem médica com dois significados: I - O mais comum refere-se à lesão cutânea resultante da hiperplasia

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

Eritroplasia Oral: Uma Revisão de Literatura

Eritroplasia Oral: Uma Revisão de Literatura Rossane Mendonça de Oliveira Eritroplasia Oral: Uma Revisão de Literatura Rossane Mendonça de Oliveira Eritroplasia Oral: Uma Revisão de Literatura 2011 Faculdade de Odontologia Universidade Federal de

Leia mais

Matéria alba da gengiva Leucoplasia pilosa. Grânulos de Fordyce Líquen plano. Nevo branco esponjoso Linha alba

Matéria alba da gengiva Leucoplasia pilosa. Grânulos de Fordyce Líquen plano. Nevo branco esponjoso Linha alba 1 1 Lesões Brancas Lesões brancas da mucosa bucal são um grupo de desordens multifatoriais, cuja cor é produzida pela dispersão da luz sobre uma superfície epitelial alterada. O diagnóstico clínico e diferencial

Leia mais

Gratia Patricia Lucatelli Nunes. Revisão de Literatura de Leucoplasia Oral

Gratia Patricia Lucatelli Nunes. Revisão de Literatura de Leucoplasia Oral Gratia Patricia Lucatelli Nunes Revisão de Literatura de Leucoplasia Oral Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2016 Gratia Patricia Lucatelli Nunes Revisão de Literatura

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC tumores de pele não melanoma SELINALDO AMORIM BEZERRA C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC 2 0 1 0 Orlando Parise e col. Diagnóstico e Tratamento Câncer de Cabeça e Pescoço São Paulo:

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) ONCOLOGIA Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Lábeis Estáveis Perenes CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Células lábeis: São aquelas em constante renovação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO ANÁLISE MICROSCÓPICA COMPARATIVA ENTRE LEUCOPLASIAS NA LÍNGUA E EM OUTROS LOCAIS DA BOCA

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO ANÁLISE MICROSCÓPICA COMPARATIVA ENTRE LEUCOPLASIAS NA LÍNGUA E EM OUTROS LOCAIS DA BOCA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO ANÁLISE MICROSCÓPICA COMPARATIVA ENTRE LEUCOPLASIAS NA LÍNGUA E EM OUTROS LOCAIS DA BOCA BAURU 2015 PATRÍCIA PERES IUCIF PEREIRA ANÁLISE MICROSCÓPICA COMPARATIVA ENTRE LEUCOPLASIAS

Leia mais

LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO HISTOPATOLÓGICO DE LESÕES BUCAIS DA UNIVALI.

LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO HISTOPATOLÓGICO DE LESÕES BUCAIS DA UNIVALI. 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA ELIZA EUGÊNIA DAVI JACQUELINE DELLATORRE LEVANTAMENTO DA FREQUÊNCIA DAS LESÕES CANCERIZÁVEIS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO

Leia mais

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA FUNDAÇÃO TÉCNICO-EDUCACIONAL SOUZA MARQUES / FUNDAÇÃO PELE SAUDÁVEL na Carolina Conde Almeida, Daniella de Nascimento

Leia mais

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo Câncer de Pele Faculdade de Medicina UFC Catharine Louise Melo Araújo Data: 25/10/2011 Camadas da Pele Câncer de Pele Os carcinomas cutâneos são as neoplasias malignas mais comuns. O principal fator para

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não induzidas por placa MODIFICADA Associada só a placa Fatores sistêmicos Medicação Má nutrição Classificação

Leia mais

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte Capítulo 10: Psoríase página: 204 Psoríase Aspectos clínicos página: 205 10.1 Aspectos clínicos Psoríase vulgar Forma eritematosa Psoríase muito extensa. Grandes placas confluentes, essencialmente eritematosas,

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INFLAMAÇÃO CRÔNICA PARTE 4 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 INFLAMAÇÃO CRÔNICA Inflamação de duração prolongada na qual a inflamação

Leia mais

Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura. Fernando Vacilotto Gomes 1

Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura. Fernando Vacilotto Gomes 1 Lesões pré-cancerizáveis da boca: Revista de Literatura Fernando Vacilotto Gomes 1 1 Cirurgião-Dentista, Cirurgião e Traumatologista Buco-Maxilo-Faciais (PUCRS). Mestre em Odontologia/CTBMF pela Universidade

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

LESÕES DE TECIDOS MOLES ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas)

LESÕES DE TECIDOS MOLES ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas) ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas) BRANCA Sai a raspagem? Descartar hipóteses: leucoedema, estomatite nicotínica, língua geográfica, língua saburrosa / - Candidíase pseudomembranosa -Antifúngicos

Leia mais

Alterações bucais na terceira idade: uma realidade clínica do futuro cirurgião-dentista breves considerações1

Alterações bucais na terceira idade: uma realidade clínica do futuro cirurgião-dentista breves considerações1 53 Alterações bucais na terceira idade: uma realidade clínica do futuro cirurgião-dentista breves considerações1 Raíssa Gabriela Nogueira da Silva Luisa Amaral Salvio Alexandre Franco Miranda Resumo: A

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC

DIVERTÍCULO DE ZENKER. R1 Jean Versari - HAC DIVERTÍCULO DE ZENKER R1 Jean Versari - HAC Divertículo de Zenker Evaginação da mucosa e submucosa do esôfago posterior por área de fraqueza entre as partes tireofaríngea e cricofarínega do músculo constritor

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

ENVELHECIMENTO CUTÂNE0. Professora: Erika Liz

ENVELHECIMENTO CUTÂNE0. Professora: Erika Liz ENVELHECIMENTO CUTÂNE0 Professora: Erika Liz Introdução O envelhecimento é um processo biológico e dinâmico que ocorre desde o dia em que nascemos. Os tecidos gradualmente passam por mudanças de acordo

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Câncer do Laringe Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Prof. Dr. Luiz Roberto de Oliveira - 2004 Revisão Anatômica Divisão

Leia mais

Cirurgia Micrográfica de Mohs

Cirurgia Micrográfica de Mohs Cirurgia Micrográfica de Mohs O câncer de pele está cada vez mais predominante, e estima-se que cerca de 20% da população mundial desenvolverá câncer de pele em sua vida. Felizmente, o câncer de pele tem

Leia mais

Introdução à Disciplina de Patologia Oral

Introdução à Disciplina de Patologia Oral Disciplina: Patologia Oral Introdução à Disciplina de Patologia Oral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 Introdução à Disciplina de Patologia Bucal CONCEITOS Patologia - É o estudo

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: R.C.N., sexo feminino, 39 anos, com queixa de disfagia progressiva há três meses, associada com emagrecimento de

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr.

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. Cistos Odontogênicos Introdução Os cistos derivados dos tecidos odontogênicos são caracterizados como lesões de extraordinária variedade. O complexo desenvolvimento das estruturas dentárias é refletido

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

Dra Letícia Guimarães

Dra Letícia Guimarães Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica Residência em Dermatologia

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

Dermatoses Pre-cancerosas

Dermatoses Pre-cancerosas Capítulo 14: Dermatoses Pre-cancerosas página: 434 Dermatoses Pre-cancerosas página: 435 Ceratoses actínicas Placas em relevo, eritematosas e bem delimitadas, cuja superfície rugosa está coberta de escamas

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS A pele ou tegumento cutâneo reveste externamente o corpo variando em cor e espessura nas diferentes regiões, assim como também na presença de pêlos, glândulas e unhas.

Leia mais

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL 1182 LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL Caroline Ferreira1; Maria Ramos2; 1. Bolsista FAPESB, Graduanda do curso de Odontologia, Universidade

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA

Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise. Prof André Montillo UVA Luxação Congênita do Quadril (Displasia Acetabular) Doença de Legg-Perthes-Calvet Epifisiólise Prof André Montillo UVA Patologia Evolução Fisiológica A Partir dos 4 anos de idade haverá uma Obstrução da

Leia mais

CIRURGIA PERIODONTAL

CIRURGIA PERIODONTAL Disciplina de Periodontia 5 o período CIRURGIA PERIODONTAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 Instrumentos Usados em Cirurgia Periodontal CIRURGIA PERIODONTAL INSTRUMENTAIS

Leia mais

Tratamento cirúrgico da queilose actínica

Tratamento cirúrgico da queilose actínica CLÍNICO CLINICAL Tratamento cirúrgico da queilose actínica Surgical treatment of actinic cheilitis Paulo César Rodrigues VÉO 1 Rogério Estevam FARIAS 2 Raquel Simões Silva STEHLING 3 Eduardo Stehling URBANO

Leia mais

Peeling Químico - Médio

Peeling Químico - Médio Peeling Químico - Médio Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

Anatomia do Sistema Tegumentar

Anatomia do Sistema Tegumentar Anatomia do Sistema Tegumentar Introdução Embriologia Muda ou Ecdise Coloração Introdução Funções da Pele Proteção mecânica contra atritos e injúrias (queratina como linha de defesa) Proteção fisiológica:

Leia mais

Líquen Plano Oral em Lábio Inferior: Relato de Caso Oral Lichen Planus in the Lower Lip: A Case Report

Líquen Plano Oral em Lábio Inferior: Relato de Caso Oral Lichen Planus in the Lower Lip: A Case Report RELATO Revista Brasileira de Ciências da Saúde Report DOI:10.4034/RBCS.2014.18.01.08 Volume 18 Número 1 Páginas 55-62 2014 ISSN 1415-2177 Líquen Plano Oral em Lábio Inferior: Relato de Caso Oral Lichen

Leia mais

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano

TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano TUMORES CONGÊNITOS EM CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Dr. Mário Sérgio R. Macêdo Dr. Luís Alberto Albano Fases do Desenvolviento Embrionário Destino dos Folhetos Embrionário Ectoderma Epiderme e Anexos Encéfalo

Leia mais

Lesões Cancerizáveis da Cavidade Bucal

Lesões Cancerizáveis da Cavidade Bucal Lesões Cancerizáveis da Cavidade Bucal Introdução Algumas lesões podem anteceder o câncer bucal e desta forma são denominadas como lesões pré-cancerizáveis ou pré-malignas, apesar de nem todas progredirem

Leia mais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais Tecido Conjuntivo Tecido responsável pela resposta inflamatória e por todo o processo de reparo que ocorre após a agressão. Contém vasos sangüíneos, linfáticos e líquido intersticial chamado de sistema

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

Arthur Bruno Pereira Cavalcante¹, Joanna Gadelha Sarmento de Abrantes¹, João Nilton Lopes de Sousa², Keila Martha Amorim Barroso²*.

Arthur Bruno Pereira Cavalcante¹, Joanna Gadelha Sarmento de Abrantes¹, João Nilton Lopes de Sousa², Keila Martha Amorim Barroso²*. 111 Artigo de Revisão ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE LESÕES ORAIS MALIGNAS OU COM POTENCIAL DE MALIGNIZAÇÃO, COMO ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO DO CÂNCER ORAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Arthur Bruno Pereira Cavalcante¹,

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Prof. Ms. Marcelo Lima. Site:

Prof. Ms. Marcelo Lima.   Site: Prof. Ms. Marcelo Lima E-mail: profmarcelolima@yahoo.com.br Site: www.profmarcelolima.webnode.com.br INTRODUÇÃO 1. Funções: Proteção abrasões, perda de líquido, substâncias nocivas e microorganismos. Regulação

Leia mais

Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares. Distúrbios do Desenvolvimento, Distúrbios do Desenvolvimento Celular.

Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares. Distúrbios do Desenvolvimento, Distúrbios do Desenvolvimento Celular. Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares Prof. Raimundo A. Tostes, M.Sc., D.M.V. Distúrbios do Desenvolvimento, Crescimento e Diferenciação Celulares Alterações do desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Pele e anexos Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele e anexos Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Conceito

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO CERVANTES GARCIA DE SOUSA

FERNANDO AUGUSTO CERVANTES GARCIA DE SOUSA FERNANDO AUGUSTO CERVANTES GARCIA DE SOUSA ESTUDO DAS ALTERAÇÕES CELULARES SUGESTIVAS DE MALIGNIDADE NO LÍQUEN PLANO BUCAL Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia de São José dos Campos, Universidade

Leia mais

Alterações do Crescimento Celular

Alterações do Crescimento Celular Alterações do Crescimento Celular Sumário I. Introdução II. Adaptações celulares 1. Hipertrofia e Hiperplasia 2. Atrofia / Hipotrofia e Hipoplasia 3. Metaplasia 4. Displasias 5. Leucoplasias III. Conclusão

Leia mais

Histologia. Histos = tecido. Logia, estudo ou ciência. Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia

Histologia. Histos = tecido. Logia, estudo ou ciência. Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia Histologia Histos = tecido Logia, estudo ou ciência Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia Histologia Parte I- Tecidos Fundamentais Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecido muscular Tecido

Leia mais

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE GEAMBERG MACÊDO ABRIL - 2006 INTRODUÇÃO Câncer de cabeça e pescoço : 6º lugar. 90% são

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Figura 1: Fotografia da região extensora do cotovelo. Figura : Fotografia da região dorsal do tronco. Enunciado Paciente do sexo masculino, 55 anos, relata surgimento de lesões

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. CONSTITUINTES 2.1. Ovários 2.2. Tubas Uterinas 2.3. Útero 2.4. Cérvix 2.5. Vagina 2.6. Vulva 2.7. Clitóris 2.8 Uretra Ovários Glândula Exócrina e

Leia mais

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA INTRODUÇÃO A HISTOLOGIA Histologia Estuda os tecidos do corpo e como estes tecidos se organizam para constituir órgãos. Introdução

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE BUCAL AÇÃO COMUNITÁRIA DE PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER BUCAL

VIGILÂNCIA EM SAÚDE BUCAL AÇÃO COMUNITÁRIA DE PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER BUCAL 201 VIGILÂNCIA EM SAÚDE BUCAL AÇÃO COMUNITÁRIA DE PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER BUCAL Ana Flávia Prates Fonseca 1 Guilherme Gonçalves da Silva 2 Rafael Augusto Ferreira Alves 3 Simone de Melo

Leia mais

Tumores Benignos dos Tecidos Moles

Tumores Benignos dos Tecidos Moles Tumores Benignos dos Tecidos Moles Classificação - OMS (2005) Hamartoma: crescimento dismórfico de tecido original de uma região. Geralmente autolimitante e pode sofrer involução Neoplasia: crescimento

Leia mais

As lesões elementares

As lesões elementares Capítulo 2: As lesões elementares página: 8 As lesões elementares As máculas página: 9 2.1 As máculas Mácula eritematosa As máculas são manchas não infiltradas, que se diferenciam da pele adjacente pela

Leia mais

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico s e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico Nu Profa. Dra. Luciana Almeida Lopes e Prof. Dr. Hermes Pretel São Carlos 2009 Visite nosso site: www.nupen.com.br Nu Melanoplastia Melanoplastia, também

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3 o Período Disciplina: Patologia Geral INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 DISCIPLINA DE

Leia mais

Efeitos Nocivos do Fumo do Tabaco sobre o Aparelho Bucal

Efeitos Nocivos do Fumo do Tabaco sobre o Aparelho Bucal UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Efeitos Nocivos do Fumo do Tabaco sobre o Aparelho Bucal Luís Miguel São João Oliveira Leal Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Medicina (2º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II EDUARDO MADRUGA LOMBARDO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II EDUARDO MADRUGA LOMBARDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II EDUARDO MADRUGA LOMBARDO LEUCOPLASIA BUCAL: EPIDEMIOLOGIA, ASPECTOS CLÍNICOS, MICROSCÓPICOS E CONDUTA

Leia mais

Tratamento de Vulvodínea com ácido hialurônico

Tratamento de Vulvodínea com ácido hialurônico Tratamento de Vulvodínea com ácido hialurônico injeções de ácido hialurônico na vulva permitem alcançar a reparação desta área e cicatrização das fissuras melhorando a atrofia, reduzindo inflamação local,

Leia mais

Plano de aula. Aspectos Técnicos. Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais 16/04/2015

Plano de aula. Aspectos Técnicos. Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais 16/04/2015 Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais Bruno Hochhegger MD, PhD brunohochhegger@gmail.com Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS Doutor em Pneumologia pela UFRGS Pós doutor em Radiologia pela

Leia mais

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia TECIDOS Professora Débora Lia Biologia TECIDOS HISTOLÓGICOS DEFINIÇÃO : Do grego, histo= tecido + logos= estudos. Tecidos = É um conjunto de células especializadas, iguais ou diferentes entre si, que realizam

Leia mais

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Prof. João Luiz V Ribeiro Introdução Bronquite Crônica e Enfisema Pulmonar Coexistência Mesma síndrome funcional Hábito do tabagismo como principal fator etiopatogênico

Leia mais

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF. ÚLCERAS DE PERNA Úlceras de Perna Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 2 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 3 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

COLABORADOR(ES): CAMILA FAVERO DE OLIVEIRA, DELSA DEISE MACCHETTI KANAAN, NATÁLIA SPADINI DE FARIA

COLABORADOR(ES): CAMILA FAVERO DE OLIVEIRA, DELSA DEISE MACCHETTI KANAAN, NATÁLIA SPADINI DE FARIA TÍTULO: MUCOCELE EM PACIENTE INFANTIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ODONTOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): GABRIELA LASCALLA FERREIRA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Página 1 de 8. ** Professor de Anatomia e cirurgia - FOC e mestrando de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial - FOP/UPE

Página 1 de 8. ** Professor de Anatomia e cirurgia - FOC e mestrando de Cirurgia Buco-Maxilo-Facial - FOP/UPE Página 1 de 8 Relato de Caso / Case Report Mucocele in a child involving the ventral surface of the tongue Marconi Eduardo Souza Maciel Santos*, Aldemira Aparecida de Medeiros Spinelli*, Joaquim Celestino

Leia mais

Lívia Souza de Castro, Maria de Fátima Nunes, Sandra Lúcia Ventorin von Zeidler, Rejane Faria Ribeiro-Rotta

Lívia Souza de Castro, Maria de Fátima Nunes, Sandra Lúcia Ventorin von Zeidler, Rejane Faria Ribeiro-Rotta Análise histopatológica das lâminas com diagnóstico de leucoplasia arquivadas no Laboratório de Patologia Bucal da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Goiás Lívia Souza de Castro, Maria

Leia mais

Leucoplasia verrucosa proliferativa e esclerose sistêmica progressiva: coincidência casual?

Leucoplasia verrucosa proliferativa e esclerose sistêmica progressiva: coincidência casual? Leucoplasia verrucosa proliferativa e esclerose sistêmica progressiva: coincidência casual? P A T O L O G I A Maria da Penha PEDREIRA da Silva 1 Licínia B. M. de MACEDO 1 Liliana Aparecida Pimenta de BARROS

Leia mais

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Conjunto de células semelhantes e interdependentes Condição básica da multicelularidade Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Origens embrionárias dos tecidos animais: Ectoderme Mesoderme

Leia mais