Porcelanas da antiga MANUFATURA IMPERIAL. de Viena

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porcelanas da antiga MANUFATURA IMPERIAL. de Viena"

Transcrição

1 B. M

2 Porcelanas da antiga MANUFATURA IMPERIAL de Viena é BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

3 V- Porcelanas da antiga MANUFATURA IMPERIAL de Viena Exposição realizada na Bibliotéca Nacional do Rio de Janeiro, de 8 de Julho a 20 de Julho. RIO DE JANEIRO 1958

4 U )

5 ALTO PATROCÍNIO de Sua Excelência o Senhor Doutor CLÓVIS SALGADO, Ministro de Estado da Educação e Cultura e de Sua Excelência o Senhor Doutor HERMANN GOHN, Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Áustria.

6 EXPOSITORES SILVIO ABREU FIALHO JOÃO DE BELLIS GALERIA DEBRET ELZA FROTA RIBEIRO DORVAL WANDA ROMAN LACERDA LACERDA LANDAU JOSÉ MESQUITA MARKETA L. MÜLLER ROBERT SACHS ALFREDO SEQUEIRA FILHO MARIANO ADOLFO CLARISSE SOARES STEIN STRANSKY

7 No cumprimento do seu programa de difusão da cultura e da arte pelos meios que lhes são próprios, a Biblioteca Nacional tem procurado sempre aprimorar as suas exposições. Em cooperação com a Embaixada da Áustria, apresenta agora esta mostra de Porcelanas da Antiga Manufatura Imperial de Viena. O presente catálogo, elaborado pela Sociedade Cultural Austro- Brasileira, é o roteiro da Exposição. Rio de Janeiro, 8 de julho de 1958 CELSO FERREIRA DA Diretor Geral CUNHA

8 Nenhum lugar é mais digno de acolher uma das manifestações da cultura austríaca a da sua velha mas sempre bela porcelana que a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, tradicional expressão da cultura brasileira. Nem mais digno, nem mais próprio, por que é a instituição de D. João VI, sogro e admirador de Dona Leopoldina, que recebe alguns frutos de uma outra instituição que floresceu graças ao gênio da ilustre Maria Teresa d'austria, avó daquela nossa arquiduquesa e primeira Imperatriz do Brasil. Assim, de novo, o Ministério da Educação e Cultura ', por parte do Brasil, e a minha Embaixada, por parte da Áustria, se unem e juntos desfrutam da obra comum dos Bragança e Habsburgo. Mais uma vez se unem o Brasil e a Áustria. Ao ensejo da inauguração da exposição de porcelanas antigas da Manufatura Imperial de Viena, desejo, agradecendo ao povo carioca a sua acolhida e aos colecionadores que tão gentilmente cederam suas belas peças, tornando-a possível, também agradecer a todos os que colaboraram na organização da referida mostra e especialmente ao Senhor Diretor Geral da Biblioteca Nacional, Dr. Celso Ferreira da Cunha, que possibilitou a realização desta mostra. Dr. HERMANN GOHN Embaixador da Áustria

9 Graças à feliz iniciativa da Embaixada da Áustria e da Sociedade Cultural Austro-Brasileira, teve o Rio de Janeiro ensejo de ver, nestes últimos anos, duas mostras de arte realmente notáveis: a exposição de Ender, o pintor austríaco que nos princípios do século XIX, a instâncias de Metternich, visitou e pintou o Brasil, e cujos desenhos são hoje tão estimados e disputados pelos museus e pelos colecionadores de bom-gôsto, e a exposição de desenhos do Albertina, o admirável museu, sem igual no mundo inteiro. Hoje, inaugura-se sob os auspícios de Sua Excia. o Sr. Dr. Hermann Gohn, Embaixador da Áustria, a terceira mostra dêsse mesmo ciclo tão bem iniciado a exposição de porcelana antiga de Viena e com uma peculiaridade digna de menção: com elementos obtidos no Brasil, graças à boa vontade de colecionadores aqui residentes. Vamos ver, pois, uma exposição de arte austríaca, naturalizada brasileira... A porcelana de Viena forma, com Saxe e Sèvres, a trindade ilustre da louça artística ocidental. Fundada em 1718 é, por conseguinte, depois de Meissen, que se instalou em 1710, a mais antiga manufatura de porcelana dura ou seja, da verdadeira porcelana da Europa. Mas, contràriamente àquelas duas fábricas, não teve origem oficial, porque surgiu graças aos esforços ingentes de Claudius Inocêncio Du Paquier, que foi, de 1718 a 1744, o seu diretor e principal proprietário. Êsse é o 1. período da Manufatura de Viena e suas peças, atualmente raríssimas e dificilmente identificáveis, têm como características a rudeza da pasta e a pobreza da decoração, sem marcas distintivas ou indicações de qualquer outra espécie. Dificuldades financeiras, dificuldades técnicas e pouca aceitação dos mercados, então servidos por Saxe e pela China, levaram Du Paquier à ruina e não fôsse a clarividência da Imperatriz Maria Teresa a manufatura fecharia para sempre as suas portas. Em 1744, o Estado encampa a obra de Du Paquier e com esta encampação tem início o chamado segundo período. Viena torna-se Manufatura Imperial e daí a sua marca: o escudo dos Habsburgos. O valor artístico melhora e a técnica se apura e a porcelana se apresenta já bem ao gôsto e à moda do século XVIII é o chamado período rococó. A porcelana de Viena de então, nesse espaço que vai de 1744 a 1784, se apresenta ora à feição da louça de Meissen, ora imitando a 13

10 inimitável porcelana mole de Sèvres, ora seguindo as linhas da velha porcelana chinesa. Não tem, de um modo geral, grande relêvo. Mas, em compensação, se expande e se eleva na estatuária. Realmente, o terceiro período, o grande período, o período Sorgenthal, que elevou a Manufatura ao prestígio de que desfruta no mundo inteiro, é a época dos belos coloridos, das finas miniaturas e das ricas decorações; mas o segundo período, se não apresenta a riqueza do desenho e da côr, significa, na vida da Manufatura Imperial, a grande época da forma, graças aos grandes modeladores que possui: Leopold Dannhauser, Josef Niedermayr, Franz Caradea, Anton Grassi. São dessa época vários grupos que podemos apreciar nesta Exposição, entre êles um modelado por Dionysius Pollion e o outro por Josef Dangel, excelentes escultores da porcelana do século XVIII. Dirigem a Manufatura Imperial, no segundo período, Maierhofer von Grünbühel, de 1744 a 1758; Josef Wolf von Rasenfeld, de 1758 a 1770, e Kessler, de 1770 a Em 1784 é nomeado diretor o barão de Sorgenthal. Com êle se inicia o terceiro período da Manufatura, não porque, como da outra feita, tivesse havido qualquer mudança de estrutura, mas sim por fôrça dos altos níveis de bom gôsto e riqueza da fabricação, que deram à Manufatura Imperial de Viena o lugar de destaque que tem no mundo da porcelana. A maioria das peças desta Exposição é daquela época, e do início do quarto período, quando ainda se mantinha a tradição de bom gôsto implantada com Sorgenthal. Infelizmente não é possível apresentarmos um exemplar decorado pelo grande mestre do período Sorgenthal, aspiração de todo colecionador de Viena e de muito museu importante: Michael Moritz Daffinger. E a razão é simples: Daffinger, o maior miniaturista de seu tempo, se dignou digo bem: se dignou decorar algumas xícaras e pratos de encomenda, cujo total não chega a doze... Em compensação, podem ser vistas peças de bons miniaturistas e decoradores como, entre outros, Georg Lamprecht, Josef Nigg, Anton Schaller, Johann Fórstler, Leopold Lieb e Anton Kothgasser. Com a morte de Sorgenthal, começa o quarto e último período da Manufatura. Salvante o primeiro dos diretores de tal época, os demais conduzem-na, às vêzes sem culpa, à decadência e ao fim. A história dêsse período é igual a do primeiro, ao inverso. E são diretores: Niedermayr, de 1806 a 1827; Benjamin Scholz, de 1827 a 1834; Baumgarthner, de 1834 a 1844; Leithner, 1844 a 1856, e Alexandre Lõwe, de 1856 até o fim: *» * 14

11 Esta exposição foi possível graças ao Dr. Celso Ferreira da Cunha, Diretor Geral da Biblioteca Nacional e à diligência da Sociedade Cultural Austro-Brasileira. Mas não podemos deixar esquecida a boa vontade e o entusiasmo dos seus participantes, que colecionaram, e emprestaram suas peças, algumas preciosíssimas. Cumpre ainda ressaltar manda a justiça o papel da Galeria Debret, dirigida por esta simpática dupla, Adolfo Stein e Roberto Sachs, especialistas em assuntos de arte, que trouxeram para o Brasil estou certo a maioria das peças que vamos ver. Rio de Janeiro, julho de 1958 DORVAL LACERDA

12 Da coleção João de Bellis: 1 Pequeno conjunto (cabaret), composto de bandeja, bule de café, leiteira, açucareiro e caneca, decorado com cena do Paraíso e outras cenas, de Aparelho composto de quatro xícaras, bule de chocolate, bules de café e de chá e açucareiro, de estilo Empire e Directoire, decorado por Johann Garo, de Prato, com medalhões em estilo grego-romano, de Anton Kothgasser, de Prato, de Prato decorado por Karl Hinterberger, de Prato com cena campestre, de Prato com medalhão, Diana e Amor, de Prato com medalhão, Marte montado em um carneiro, estilo pompeano, de ' Prato com medalhão em grisaille, de Prato com medalhão, Marte e Vénus, de Prato com medalhão, natureza morta, decorado por Leopold Parmann, de Prato com borda decorada com chinoiserie, de Prato com medalhão, Cena Campestre, decorado por Franz Kastner, de Prato com medalhão, Júpiter e Io, (segundo o famoso quadro de Correggio), decorado por Johann Teufel (ver o n. 27), de Prato com cena central em grisaille, de Prato grande com medalhão representando as 4 partes do mundo, segundo um quadro de Rubens do Museu de Viena, de Caneca, de Caneca, com medalhão, vista de Viena com a Igreja Santo Estêvão (Cadetral de Viena), decorado por Anton Kothgasser, de Caneca com cena em grisaille, de Caneca com medalhão, anjinho, decoração floral de Josef Nigg, de Caneca decorada em trompe l'oeil no estilo de Niderwiller, reproduzindo gravuras, cêrca de Caneca decorada por Johann Schiffauer, de

13 23 Caneca, de Caneca com medalhão, Lição de Pintura na caneca e Vénus, Apolo e Cupido no pires, em cinza. Decorado por Konrad Wassermayr, de Xícara com medalhão, retrato do Duque de Reichstadt (filho de Napoleão Bonaparte). Decorado por Johann Teufel, de Xícara, tôda decorada com flores, de Xícara com medalhão, Júpiter e Io (ver o n. 14). Decorada por Johann Griesler, de Xícara com medalhão, retrato do Imperador Francisco II vestido de imperador romano. Em volta e no pires legenda e música do hino nacional da Áustria Imperial (tradução: "Deus conserve nosso Imperador" etc.) a música sendo de autoria de Josef Haydn. Decorada por Johann G. Gment, de Xícara com medalhão, cena reprodução de um quadro de Hendrik M. Sorgh, de Vaso "Medicis" decorado com flores sôbre fundo ouro (o Museu do Prado em Madrid possui um vaso semelhante), de Xícara com decorações no gôsto de Boucher, cêrca de Xicara com decorações de estilo Louis XVI, decorada por Leopold Tobola, de 1788 Da coleção Silvio de Abreu Fialho: 33 Xícara decorada por Franz Bernhart, de Xícara decorada por Karl Herzer, de Xícara, de Xícara decorada por Ch. Wieringer, de Xícara decorada por Johann G. Gment, de 1826 Da coleção Elsa F. Ribeiro: 38 Caneca com tampa, de Xícara com retrato de Franz Wild, de Xicara (trembleuse) decorada por M. Schulz, cêrca de Xicara Urembleuse) decorada por E. Reichard, " " " 42 Vaso com vista de Melk, assinado ARLT, séc. XIX 43 Vaso, pendant 44 Xícara em camafeu, de Cafeteira, séc. XIX 46 Prato com cena da vida de Semíramis, de

14 N. 1 DO CATÁLOGO

15 N." 62 DO CATÁLOGO

16 Da coleção Roman Landau: 47 Aparelho de café e chocolate, de viagem, para seis pessoas, decorado com figuras e paisagens. Provém das coleções Bleichroeder e Arnhold, da 2. a metade do séc. XVIII Da coleção Mariano Soares: 48 Três aquarelas originais, preparatórias para decoração de pratos, uma assinada W. Pechot, com carimbo da Manufatura Imperial, meados do séc. XIX 49 Xícara com medalhão, retrato de uma princesa austríaca, decorada por Karl Herzer, de Caneca com medalhão, Vista do Wasserglacis em Viena, de Tigela, séc. XVIII 52 Caneca com medalhão, Apolo e Centauro, no pires retrato em silhouette, de Xícara decorada por J. Kuerner e J. Griesler, de Xícara decorada com flor de café, de Açucareiro em estilo Empire (incompleto), de Leiteirinha, cêrca de Xícara decorada por Michael Schulz, de Estatueta, "Soldado estudioso", em biscuit, de 1858 Da coleção Alfredo Sequeira 59 Xícara com medalhão: "Abschied vom Leben" (símbolo da morte de um ente querido). Pires decorado por J. Griesler, de Xícara com medalhão, "Maison de Plaisance I. R. au Prater a Vienne", decorada por J. Geyer e M. Fromhold, de Xícara decorada por Johann Georg Gment, de Xícara, para chocolate, chamada "Perueckenschale" ilustrando a moda das cabeleiras; inscrições: "A La Tracasière" e "A La Capricieuse", cêrca de 1760 Da coleção Robert Sachs: 63 Série de quatro estatuetas em madeira, "As Quatro Estações", executadas como modelos para as estatuetas de porcelana, meados do séc. XVIII 64 Estatueta em madeira, "Hércules e o Leão". Modêlo, meados do séc. XVIII 65 Estatueta, "Caçador", cêrca de

17 Da coleção Clarisse Stransky: 66 Sopeira, travessas, pratos de um serviço de mesa (parte do serviço acha-se no Palazzo Borrommeo, Isola Bella), fim do séc. XVIII 67 Xícara, cêrca de Caneca, de Xícara decorada por Josef Geyer, de Xícara, de Bonbonniere, cêrca de Tigelinha para maquilagem, estilo séc. XVIII, fabricação mais recente Da coleção Marketa L. Müller: 73 Xícara (med. Vénus e Amor), decorada por Cl. Tobola, de Xícara com vista de Schoenbrunn (Viena), de Xícara, de Xícara, de Caneca com tampa (med. Heitor e Andrômaca), séc. XIX 78 Xícara estilo Império, de Xícara decorada por Josef Megerle, de Xícara, de Xícara, cêrca de 1780 Da coleção Adolfo Stein: 82 Grupo, "Casal de namorados". Modelado por Anton Payer, cêrca de Grupo, "Alegoria da Escultura", cêrca de Grupo, "Alegoria da Poesia", cêrca de Grupo, "Os mexeriqueiros", de Xícara para chocolate, decorada com chinoiserie. Do período Du Paquier, cêrca de 1730 Da coleção José Mesquita: 87 Prato fundo, de Prato fundo, fim do séc. XVIII 89 Legumeira, cêrca de Série de seis pratos decorados com flores por Anton Friedl, Josef Megerle, Josef Claas etc., de

18 N. 109 DO CATÁLOGO

19

20 Da coleção da Galeria Debret: pratos de mesa, de amostra, formando um conjunto, decorados por J. Pfnotsch, F. Gartner, J. Daffinger, J. Hinterberger e outros, fim do séc. XVIII 92 Um par de pratos com vistas (inspiradas de quadros antigos, Th. Michau), de Um par de pratos decorados por G. Robram, cêrca de Xícara de estilo neogótico, de Bule de café, travessa e 2 xícaras de um conjunto de 8 peças, fim do séc. XVIII 96 Leiteirinha, açucareiro, xícara e travessa decorados por Johann Teufel, de Caneca, de Caneca, cêrca de Caneca, de Caneca tipo "Hausmaler", de Caneca decorada por Gottfried Schmidt, cêrca de Caneca tipo "Hausmaler", de Caneca (com dedicatória no pires), de Caneca, de Caneca, de Xícara, de Bule de café e 2 canecas (parte de conjunto) decorado por Johann Strefler e outros, cêrca de Cesta, decorada por F. Lehrenbecher, cêrca de Grupo, "A Lição de Música". Modelado por Dionysius Pollion. Antigamente na col. Sir Bernard Eckstein, cêrca de Grupo, "Felicidade Paternal", cêrca de Grupo, "Crianças com Pavão e Cachorro", cêrca de Grupo, "Menina com Gaiola". Modelado por Josef Dangel, cêrca de Estatueta, "A Vendedora de Uvas". Modelado por J. Ulrich Mohr, cêrca de Estatueta, "Vendedor de Charcuterie". Modelado por Anton Payer, cêrca de Estatueta, "Vendedor de Chocolate". Modelado por Anton Payer, cêrca de Estatueta, "Vendedor de Biscoitos". Modelado por Josef Gwandtner, cêrca de Estatueta, "A Chapeleira", cêrca de Estatueta, "Cupido em estilo turco". Modelado por Josef Dangel, cêrca de Estatueta, "Cavalheiro sentado", de

21 120 Leiteira Império, de Prato com cena da guerra dos turcos com a Áustria, cêrca de Prato com vista de Viena, de Prato, de Prato, "Ora I di Notte", de Gobelet. Decorado por Bernhard Rosner, de Prato com vista da praça Höhen-Markt, em Viena, de Par de estatuetas, "Camponeses", cêrca de Grupo, "Júpiter e Juno". Modelado por Anton Payer, cêrca de Estatueta, "Menina e Cachorro", de Grupo, "O Descanço do Caçador". Modelado por Josef Dangel, cêrca de 1750 Da coleção Wanda-Dorval Lacerda: 131 Caneca com miniatura assinada por Johann Fõrstler, de Caneca com miniatura assinada por Anton Schaller, de Caneca com vista do convento de São Domingos, em Siena, de Caneca com vista de um antigo palácio do príncipe Della Rocella, em Nápoles. Decorada por Leopold Tobola, de Caneca com vista da igreja São Pedro, em Roma. Pintada por Jakob Sternreiter, de Caneca com vista do Parque e do castelo de Neuwaldeck, em Dornbach, pintada por Johann Carmanioly, dourada por Johann Schilling, de Caneca com vista, Gruta de Pausílipo, assinada, de Caneca, de Caneca decorada por Josef Neumann, de Caneca com miniatura de Karl Pfluger, de Caneca com vista da Josefs Platz em Viena, decorada por Franz Gartner, de Caneca com vista da "Assemblée aux cafés, dans la grande allée du Prater", de Caneca, de Caneca decorada por Franz Schulz, de Caneca decorada por Anton Kothgasser, de Caneca decorada por Josef Jordan, de Xícara Diretorio, de Xícara, de d 149 Caneca, de 1804 I 28 'S v \ ç <5 \ I í J

22 N.» 150 DO CATALOGO

23 N. 155 DO CATÁLOGO

24 150 Caneca grande, com pés de garra. Vista da igreja de Santo Estêvão, em Viena. Decorada por Anton Kothx gasser, de Caneca, de Caneca com vista do "Hohenmarkt" (mercado), em Viena. Decorada por Johann Fiala, de Caneca decorada por Andreas Hagi, de Xícara Diretorio, com pés de garra, de Xícara Diretorio, com retrato do Imperador Francisco II, pintada por Karl Herzer, de Xícara com medalhão, retrato de Franz Bernhardt, de Xícara com medalhão, retrato do arquiduque Carlos de Habsburgo, de Pequeno serviço, amarelo camurça e ouro, decorado por Karl Herzer, de Xícara com medalhão, retrato do Imperador Francisco José, jovem, pintada por Johann Bayer, de Xícara. Na xícara o exterior e no pires o interior da igreja de Santo Estêvão, catedral de Viena, de Xícara. Na xícara: "K. K. privil. Theater in der Jaegerzeil No 511." No pires: "Fuerstlich Esterhazysches Palais. Mariahilfer Hauptstrasse No 42.", de Xícara Império, de Xícara com miniatura d'après David Teniers, de Johann Griesler, de Xícara Diretorio, decorada por Johann Teufel, de Caneca com tampa. Inscrição na xícara: "Zum Angedencken von Ihrem Freunde Johann Foerstler". No pires: "Im Jahr 1805". Decorada por Johann Foerstler, de Caneca, de Caneca. Inscrição na xícara e no pires: "Ansicht des Kupferhammers in Pottenstein". Assinada: I. Schurfried, de Caneca, decorada por Jakob Sternreiter, de Caneca, de Xícara com flores, decorada por Josef Nigg, de Caneca, decorada por Franz Janscha, de Caneca, de Caneca, decorada por Karl Bittner, de Xícara Diretorio com medalhão, Educação de Aquiles, de Xícara com medalhão, retrato de Franz Schubert por Josef Kuerner, de Xícara, de Xícara com medalhão, retrato de Paganini por Johann Fiala, de

25 178 Xícara, de Xícara com medalhão, retrato do Imperador Francisco II, de Caneca. Inscrição: Marcelo exorta Pompeu a defender a República. Pintada por Anton Kothgasser, de Caneca, de Xícara decorada por Georg Lamprecht, de Caneca decorada por Johann Weichselbaum, "Arion", de Xícara decorada por Karl Hinterberger, de Caneca, de Caneca decorada por Josef Selmoser, de Aparelho Império composto de dois bules e quatro xícaras, com retratos do Duque e da Duquesa de Saxe nos bules e de suas filhas nas xícaras. Assinado por Leopold Lieb, de Par de xícaras, cêrca de Xícara decorada por Franz Reinelly, de Xícara, "O cêrco de Viena pelos Turcos", cêrca de Caneca com paisagem de Josef Drexler e figuras de Michael Spatz, de Xícara decorada por Ignaz Rabel, de Xícara, "La Bonté", decorada por Josef Megerle, de Xícara, cêrca de Xícara com retrato do Marechal Poniatowski, de Xícara com retrato de Nicolaus Josephus Jacquin, pintada por Johann Fiala, de

26 COMPOSTO E IMPRESSO NAS O F I C I N A S DA EMP. GRAF. OUVIDOR S. A. A RUA DO LAVRADIO, 162/166 RIO DE JANEIRO BRASIL

27

28 «4*

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Porcelana. Açucareiro monograma azul. Referência: 7726. Preço: 44,85

Porcelana. Açucareiro monograma azul. Referência: 7726. Preço: 44,85 Porcelana Açucareiro monograma azul Referência: 7726 Preço: 44,85 Bandeja Baguette Reprodução de aguarela do Mosteiro de São Bento da Saúde atribuída a Jean Lewicki (século XIX) Referência: 7277 Preço:

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

PINTURA BARROCA. A pintura barroca é uma pintura realista, concentrada nos retratos no interior das casas,

PINTURA BARROCA. A pintura barroca é uma pintura realista, concentrada nos retratos no interior das casas, PINTURA BARROCA A pintura barroca é uma pintura realista, concentrada nos retratos no interior das casas, Senhora escrevendo uma carta com a criada, Vermeer, 1670, Dublin, National Gallery of Ireland nas

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço:

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço: O OLHAR VIAJANTE Casa Fiat de Cultura apresenta, a partir de 22 de outubro, 184 obras de viajantes europeus que retrataram o Brasil ao longo do século XIX A chegada da corte portuguesa ao Brasil e a conseqüente

Leia mais

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza aaa Barroco Origem em Roma no final do século XVI; Disseminado por toda a Europa e, através dos colonizadores espanhóis e portugueses, pelas Américas; Pouco influente nos países protestantes. Suas características

Leia mais

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE ARTE RUPESTRE Arte rupestre é o nome da mais antiga representação artística da história do homem. Os mais antigos indícios dessa arte são

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

Pintores alemães no Brasil durante o século XIX

Pintores alemães no Brasil durante o século XIX Maria Elizabete Santos Peixoto Pintores alemães no Brasil durante o século XIX ArteData Maria Elizabete Santos Peixoto Pintores alemães no Brasil durante o século XIX ArteData 8 Maria Elizabete Santos

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Amarílis Maria de Medeiros Chaves

Amarílis Maria de Medeiros Chaves Amarílis Maria de Medeiros Chaves Amarílis Chaves nasceu em Belo Horizonte, onde muito cedo despertou para as Artes Plásticas, nunca mais tendo parado este percurso, sempre na procura do traço certo, da

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX HISTÓRIA DA ARTE II Século XIX O Neoclassicismo na Europa Contexto Histórico - Século XVIII: Idade das Luzes - Descoberta de Herculano (1713) e Pompéia (1748) - Na Europa: guerras (esgotamento das riquezas)

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA À ARGENTINA Centro Cultural

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Versão em Português CROÁCIA / ESLOVENIA / BÓSNIA / MONTENEGRO GRANDE TOUR DOS BALCAS

Versão em Português CROÁCIA / ESLOVENIA / BÓSNIA / MONTENEGRO GRANDE TOUR DOS BALCAS Versão em Português CROÁCIA / ESLOVENIA / BÓSNIA / MONTENEGRO GRANDE TOUR DOS BALCAS GRANDE TOUR DOS BALCAS FRANCE SUISSE ITALIA AUSTRIA ESLOVANIA LJUBLJANA OPATIJA ZAGREB CROÁCIA BÓSNIA E HERZEGOVINA

Leia mais

Roteiro de visita: A mão afrobrasileira nas Artes Visuais

Roteiro de visita: A mão afrobrasileira nas Artes Visuais Esse roteiro propõe um percurso pelo Núcleo de Artes da exposição permanente do Museu Afro Brasil. Com ele, o visitante terá oportunidade de conhecer e observar obras de arte produzidas por mãos afro-brasileiras.

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

Azulejo Coleção do Museu de Évora

Azulejo Coleção do Museu de Évora Azulejo Coleção do Museu de Évora De facto, é a força cenográfica da arte do Azulejo, a sua disponibilidade para animar espaços arquitetónicos (vejam-se os revestimentos integrais de padronagem do século

Leia mais

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos.

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. As importações da Holanda I O Azul e Branco A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. Concebidos por pintores

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

Arte e Medicina - Representação do Corpo Humano na Colecção Ceroplástica do Museu Sá Penella, Hospital dos Capuchos

Arte e Medicina - Representação do Corpo Humano na Colecção Ceroplástica do Museu Sá Penella, Hospital dos Capuchos Arte e Medicina - Representação do Corpo Humano na Colecção Ceroplástica do Museu Sá Penella, Hospital dos Capuchos Arte e Medicina sempre estiveram directamente ligadas ao conhecimento do corpo e da figura

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

MARCIA XAVIER QUERIDA

MARCIA XAVIER QUERIDA MARCIA XAVIER QUERIDA Abertura: 2 de agosto das 14 às 18 horas Período da exposição: de 5 a 23 de agosto de 2014 Local: Casa Triângulo Rua Pais de Araújo 77 [Itaim Bibi] 04531-090 São Paulo/SP Tel.: 55

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio

Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Revisão Arte 1 Ano Ensino Médio Um olhar sobre a Arte/ Aprendendo a olhar as artes plásticas/ Arte pré-histórica: Paleolítico e Neolítico/ Arte no Brasil da pré-história Assim como o conceito de Arte,

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO.

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. TURMA 701 3º Bimestre Aula 13 Frottage ou Frottagem. A palavra Frottage vem do francês frotter, que significa esfregar. A técnica é bem simples, consiste em colocar

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

Família Real no Brasil. A Arte nesse período

Família Real no Brasil. A Arte nesse período Família Real no Brasil A Arte nesse período A FORMAÇÃO DO SISTEMA DE ARTE NO BRASIL Fatos e datas Importantes: 1804 França faz o bloqueio continental, que impedia todos os países Europeus a negociar com

Leia mais

A imponente Catedral gótica - Duomo de Verona. Catedral gótica de Milão. Catedral de Beauvais, França

A imponente Catedral gótica - Duomo de Verona. Catedral gótica de Milão. Catedral de Beauvais, França IDADE MÉDIA A imponente Catedral gótica - Duomo Catedral Gótica de Verona Catedral gótica de Milão Catedral de Beauvais, França Abóbada Teto Pináculo Torre Gárgula Parte externa da calha para escoar água.

Leia mais

AS NOTAS E MOEDAS DE EURO

AS NOTAS E MOEDAS DE EURO AS NOTAS E MOEDAS DE EURO Desde 1 de Janeiro de 2002, as notas e moedas de euro fazem parte do quotidiano de mais de 300 milhões de pessoas na área do euro. Este folheto descreve as sete notas e as oito

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: pintura - di cavalcanti Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: pintura - di cavalcanti Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: pintura - di cavalcanti Prof. IBIRÁ Literatura DI CAVALCANTI Introdução Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo, mais conhecido como Di Cavalcanti, foi um importante

Leia mais

Arte Cristã Primitiva

Arte Cristã Primitiva Arte Cristã Primitiva 1º Ano 1º Bimestre 2015 A clandestinidade Dois Momentos 1º - Clandestino e perseguidos pelos romanos 2 - Aceitação da religião cristã Os primeiros cristãos de origem humilde, reuniam-se

Leia mais

V LEILÃO VISTA ALEGRE. Palácio Fronteira Lisboa

V LEILÃO VISTA ALEGRE. Palácio Fronteira Lisboa V LEILÃO VISTA ALEGRE Palácio Fronteira Lisboa 2002 1 Mamadeira em vidro moldado 100.00 130.00 2 Frasco de farmácia em vidro moldado 100.00 110.00 3 Copo em cristal lapidado 70.00 170.00 4 Aquário com

Leia mais

A Idade Média e O Renascimento

A Idade Média e O Renascimento Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série:

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor(a): Rosilene Ardengui 7º Ano CALIGRAFIA TÉCNICA OU

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

Figura 14 Barão de Viana Autor José Antonio da Cunha Couto Óleo sobre tela, 65 x 54 cm Museu de Arte da Bahia

Figura 14 Barão de Viana Autor José Antonio da Cunha Couto Óleo sobre tela, 65 x 54 cm Museu de Arte da Bahia 42 Couto foi possuidor de uma obra pictórica extensa, sendo o retratista que mais produziu em seu tempo, conhecido pelo colorido e pelas expressões fisionômicas dos seus retratos 12. Em Alves (1976, p.59),

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta ISSN 2236-0719 Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta Universidade Estadual de Campinas Outubro 2011 Apresentação de Mesa-Redonda - 5 Carlos Gonçalves Terra

Leia mais

Ricardo Pereira Artista Plástico. Nascido em Recife, PE, em 1961. Graduação: Bacharelado em Pintura Escola de Belas Artes - (EBA) UFRJ - 1989

Ricardo Pereira Artista Plástico. Nascido em Recife, PE, em 1961. Graduação: Bacharelado em Pintura Escola de Belas Artes - (EBA) UFRJ - 1989 CURRÍCULO Ricardo Pereira Artista Plástico Nascido em Recife, PE, em 1961. FORMAÇÃO: CURSOS: Graduação: Bacharelado em Pintura Escola de Belas Artes - (EBA) UFRJ - 1989 Oficina de Xilogravura EBA/UFRJ

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Ruth Sprung Tarasantchi Depto de Artes Plásticas da ECA/USP Foi em 1981 que o Museu de Arte de São Paulo (MASP), juntamente com o Museu Paulista, mostraram uma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 8. POLÍTICA INTERNACIONAL Majestade

Leia mais

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica ARTE PALEOCRISTÃ ARTE PALEOCRISTÃ Também chamada de Arte das Catacumbas, desenvolveu-se dentro do Império Romano, quando surgiram os primeiros núcleos cristãos.

Leia mais

Informativo Capal Edição especial Expoleite 21/08/15

Informativo Capal Edição especial Expoleite 21/08/15 Informativo Capal Edição especial Expoleite 21/08/15 43 Expoleite recebe cerca de seis mil visitantes e reforça sua tradição Com a visita de mais de 6 mil pessoas, a 43 edição da Expoleite Arapoti, realizada

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

MORITZ, Karl Philipp. Viagem de um alemão à Itália. Tradução e. (Coleção A Formação da Estética). RESENHA. Roma: Última Estação do Espírito

MORITZ, Karl Philipp. Viagem de um alemão à Itália. Tradução e. (Coleção A Formação da Estética). RESENHA. Roma: Última Estação do Espírito Floema - Ano VI, n. 6, p. 181-187, jan./jun. 2010 RESENHA Roma: Última Estação do Espírito MORITZ, Karl Philipp. Viagem de um alemão à Itália. Tradução e (Coleção A Formação da Estética). Por Iuri Pereira*

Leia mais

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008 Programa do Serviço Educativo Museu Municipal i de Óbidos 2.º Semestre 2008 Programa Semestral Mês Dias Título Público-alvo Agosto Quintas, Sextas, Sábado No Ateliê do Pintor um Tesouro Escondido Crianças

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

10 pontos turísticos em Paris

10 pontos turísticos em Paris POR: RIVA E UELYN 10 pontos turísticos em Paris Foto: Shutterstock.com Não existe turista no mundo que não tenha vontade de conhecer Paris. A cidade recebe cerca de 30 milhões de visitantes por ano, que

Leia mais

Dia Internacional dos Museus Noite dos Museus. Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações 2012

Dia Internacional dos Museus Noite dos Museus. Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações 2012 Museus num Mundo em Mudança: Novos Desafios, Novas Inspirações Porto Casa-Museu Guerra Junqueiro 10h00 20h00 Exposição O Vestir da Arte Percurso expositivo inspirado na coleção de artes decorativas de

Leia mais

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O caso Francês Em França, as concepções renascentistas permaneceram até mais tarde, pois houve uma grande resistência ao Barroco por parte das academias. Quando

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME:

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: Quando os portugueses chegaram ao Brasil, em 1500, observaram que os índios expressavam-se através da pintura em seus corpos, em objetos e em paredes. A arte

Leia mais

Casas-Museu dos Médicos em Portugal

Casas-Museu dos Médicos em Portugal Casas-Museu dos Médicos em Portugal O MÉDICO QUE SÓ SABE DE MEDICINA NEM DE MEDICINA SABE Prof. Doutor Abel Salazar AUGUSTO MOUTINHO BORGES, CLEPUL, Academia Portuguesa da História Apresentação Após a

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Monumento ao Pescador, Costa da Caparica, 1985

Monumento ao Pescador, Costa da Caparica, 1985 Monumento ao Pescador, Costa da Caparica, 1985 Mural em Baixo-relevo, Casa Mortuária de Alhos Vedros, 1986 Monumento ao Bombeiro, Sines, 1992 Viagem, Almada, 1994 Um Olhar Sobre o Rio, Área de serviço

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades A sociedade brasileira Índios, nossos primeiros habitantes Página 10 Para atender à causa desses povos, existem leis que garantem o direito à terra, delimitando espaços para reservas

Leia mais

Patagônia: Torres del Paine e Monte Fitz Roy

Patagônia: Torres del Paine e Monte Fitz Roy Patagônia: Torres del Paine e Monte Fitz Roy Série: Viajando aos Extremos SINOPSE DO PROGRAMA Situada parte no Chile e parte na Argentina, a Patagônia é uma das regiões mais belas do planeta, um terra

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

PORTUGAL AUTÊNTICO (12 dias)

PORTUGAL AUTÊNTICO (12 dias) Um roteiro exclusivo, para conhecer o autêntico Portugal, o seu povo, sua cultura e sua maravilhosa gastronomia. Viva uma experiência inesquecível em uma vinícola, pisando uvas e degustando de um vinho

Leia mais

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó

Tempos Antigos. Barroco e o Rococó Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL. abril 2013 DIA 2

BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL. abril 2013 DIA 2 BIBLIOTECA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ AGENDA DE ANIMAÇÃO CULTURAL abril 2013 DIA 2 COMEMORAÇÕES DO DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL ERA UMA VEZ!... ATELIER DE CONSTRUÇÃO DE HISTÓRIA No Dia Internacional

Leia mais

Ricardo Morais SCATENA

Ricardo Morais SCATENA SCHWARCZ, Lilia Moritz. O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. Ricardo Morais SCATENA Professora titular

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Portão de Brandemburgo. Alexanderplatz Rio Elba Catedral de San Vito

Portão de Brandemburgo. Alexanderplatz Rio Elba Catedral de San Vito Portão de Brandemburgo Alexanderplatz Rio Elba Catedral de San Vito 01º DIA Segunda SÃO PAULO: Apresentação no Aeroporto Internacional (Guarulhos) para sair no vôo da Lufthansa até Frankfurt. 02º DIA Terça

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central?

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Se você olhar com atenção as cédulas que

Leia mais

Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 ITALIA-ÁUSTRIA-REPÚPLICA TCHECA E POLÔNIA 24 DIAS. MICROSOFT [Endereço da empresa]

Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 ITALIA-ÁUSTRIA-REPÚPLICA TCHECA E POLÔNIA 24 DIAS. MICROSOFT [Endereço da empresa] Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 ITALIA-ÁUSTRIA-REPÚPLICA TCHECA E POLÔNIA 24 DIAS. MICROSOFT [Endereço da empresa] Programa 03 Itália, Áustria, República Tcheca e Polônia. Semana Missionaria

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar através de empréstimo, a instituições, nomeadamente, de

Leia mais

Renascimento, Principais Representantes e Análise de Obras

Renascimento, Principais Representantes e Análise de Obras Renascimento, Principais Representantes e Análise de Obras Pedro Tadeu Schimidt Mantovani, 32 Maio, 2013 Introdução Ao Renascimento Surgido durante os séculos XV e XVI, o Renascimento Cultural tem, como

Leia mais

FAMÍLIA REAL PORTUGUESA

FAMÍLIA REAL PORTUGUESA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA casada D Maria I a louca Filho D. João casado Príncipe Regente D. Miguel Seus filhos D Pedro I, Casado Proclamou a independência do Brasil D. Leopoldina A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA

Leia mais

Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte

Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte P I N T U R A 12 12 2013 22 02 2014 Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte I N F O R M A Ç Õ E S [Patente] Galeria de Exposições da Biblioteca Municipal de Vila

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 9 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Observe as tabelas e responda à questão. CARVÃO ano Grã-Bretanha alemanha estados unidos 1871 117 29 42 1880 147 47 65 1890

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 the bridgeman art library/grupo keystone abadia de woburn 1. Analise a imagem e identifique os símbolos do reinado de Elizabeth

Leia mais