COMO ABRIR UMA IGREJA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO ABRIR UMA IGREJA"

Transcrição

1 COMO ABRIR UMA IGREJA

2 Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas, são vistas segundo a legislação como organizações religiosas e pertencem à um grupo denominado Terceiro Setor. O Terceiro Setor é um termo utilizado para designar as organizações sem fins lucrativos, contado com participação voluntária ou remunerada, de caráter não governamental, ou seja, são dirigidas por um grupo de pessoas. As Organizações Religiosas foram incluídas no art. 44 do Código Civil, como pessoa jurídica de direito privado. São entidades sem fins lucrativos que professam culto de qualquer credo e são integradas por membros de uma confissão religiosa.

3 O registro dos documentos constitutivos das Igrejas, Associações e ONGs devem ser feitas em um Cartório de Regitro Civil de Pessoas Jurídicas (RCPJ) da cidade onde a organização será estabelecida. Após o registro em cartório, deve ser feita a solicitação de um CNPJ junto à Receita Federal. As organizações do Terceiro Setor são alcançadas pela imunidade e/ou pela isenção tributária conforme a sua área de atuação. A imunidade é concedida a essas organizações conforme o artigo 150 da Constituição Federal: É vedado aos órgãos Federais, Estaduais e Municipais: VI - Instituir impostos sobre: b) templos de qualquer culto; c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;

4 Para isso, as organizações do Terceiro Setor devem cumprir alguns requisitos do art. 14 do Código Tributário Nacional: I não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; II - aplicarem integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais; III - manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. 1º Na falta de cumprimento do disposto neste artigo, ou no 1º do artigo 9º, a autoridade competente pode suspender a aplicação do benefício. Em resumo, as organizações do Terceiro Setor são imunes à impostos como Imposto de Renda, IPTU, ICMS, IPVA, ISS, etc. As organizações do Terceiro Setor estão obrigadas a cumprir várias obrigações acessórias, como trabalhistas e previdenciárias, obrigações fiscais, obrigações contábeis, além de algumas específicas do Terceiro Setor.

5 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS - RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS(RAIS): A RAIS fornece informações às instituições vinculadas ao Ministério do Trabalho, Fazenda, Previdência e Assistência Social. CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS(CAGED): Devem ser informado ao Ministério do Trabalho todas as movimentações referentes aos funcionários como admissão, demissão ou afastamento de uma organização OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS As principais obrigações contábeis referem-se à escrituração contábil e a guarda dos seguintes livros: - Livro Diário; - Livro Razão; - Livro de Inventário de Bens; - Livro Inventário de Estoque; - Livros Auxiliares;

6 OBRIGAÇÕES FISCAIS - EFD CONTIBUIÇÕES: Estão obrigados a apresentar essa declaração as organizações do Terceiro Setor cuja soma dos valores mensais da Contribuição para o PIS/COFINS apurada seja igual ou superior a R$ ,00 (dez mil reais). - ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL(ECF): Estão obrigadas a apresentação da ECF as organizações do Terceiro Setor que tenham sido obrigadas à entrega da EFD CONTRIBUIÇÕES. - DCTF (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais): Esta declaração contém as informações relativas aos tributos e contribuições apurados pela pessoa jurídica em cada mês, os pagamentos, eventuais parcelamentos e as compensações de créditos, como as informações sobre a suspensão da exigibilidade do crédito tributário. O primeiro passo para a abertura de uma organização do Terceiro Setor é escolher o tipo de atividade: Organização Religiosa, Partido Político, Associação, etc.

7 Após a primeira fase, se faz necessário a escolha do local e o nome da instituição. Nesse momento, deve ser feita uma busca prévia no cartório da cidade onde a instituição estará localizada, para verificar se já não existe outra instituição com nome parecido. Em terceiro lugar, talvez a parte mais importante do processo de abertura: a escolha da diretoria. As organizações do Terceiro Setor não possuem um dono, mas sim um presidente acompanhado de membros de uma diretoria. Essa diretoria deve ser composta da seguinte forma: Presidente, Vicepresidente, Tesoureiro, Secretário. As funções de Tesoureiro e Secretário podem possuir adicionais como 1 Tesoureiro, 2 Tesoureiro. Porém, baseados em nossas experiências, orientamos que o ideal é que a diretoria possua o menor número possível de membros na diretoria, o que facilita a assinatura e resolução de problemas. É muito comum, no caso das igrejas, que a diretoria seja composta pela família ou membros muito próximos ao pastor, até porque no início uma igreja não possui muitos membros. Sendo assim, orientamos que a diretoria seja composta da seguinte forma: Presidente, Secretário e Tesoureiro. Nesse caso, o tesoureiro pode assumir o papel de vice-presidente, para substituir o presidente caso seja necessário.

8 - RG, CPF e Comprovante de Residência (cópia) de toda a diretoria; - Estado civil e Profissão de toda a diretoria; - Identificação dos cargos de cada membro da diretoria; - Três nomes possíveis para a Instituição; - Cópia do IPTU do Imóvel onde será a sede da Instituição.

9 A Étika Soluções Consultoria Contábil é uma empresa de prestação de serviços contábeis, fiscais e trabalhistas. Presente no ramo desde 2006, a Étika Soluções sempre se destacou pela ética e dedicação nos trabalhos executados, transmitindo tranqüilidade e segurança aos seus clientes. Queremos ser reconhecidos como referência de escritório contábil da região. Trabalhamos para que as nossas atividades superem as expectativas de clientes, funcionários e parceiros através de confiabilidade, inovação e conhecimento. Nossa missão é prestar um serviço de qualidade para os nossos clientes, apresentando idéias e soluções às empresas. Não queremos ser um escritório que cumpre apenas obrigações acessórias. Prestamos consultoria contábil, empresarial e financeira. Entre em contato conosco, através dos seguintes telefones: (21) / / Ou através do

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD Conceito

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização INSTRUÇÃO NORMATIVA 007/2014 DISPÕE SOBRE O MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DA SECRETARIA DA FAZENDA DO MUNICÍPIO DE LAGES Considerando a necessidade de promover agilidade

Leia mais

Comissão Direito do Terceiro Setor. Dra. Lúcia Maria Bludeni - Presidente. Coordenação de Atualização Legislativa para o Terceiro Setor

Comissão Direito do Terceiro Setor. Dra. Lúcia Maria Bludeni - Presidente. Coordenação de Atualização Legislativa para o Terceiro Setor Comissão Direito do Terceiro Setor Dra. Lúcia Maria Bludeni - Presidente Coordenação de Atualização Legislativa para o Terceiro Setor Dra. Vanessa Ruffa Rodrigues Atualização Legislativa de 01/02/ a 29/02/

Leia mais

-Aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais;

-Aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais; Entidades sem fins lucrativos As organizações sociais são pessoas jurídicas que recebem do poder publico uma especial qualificação, a fim de desempenharem serviços sociais não privativos do estado.nao

Leia mais

COMO FUNDAR e MANTER UMA CASA ESPÍRITA 27/10/2013

COMO FUNDAR e MANTER UMA CASA ESPÍRITA 27/10/2013 COMO FUNDAR e MANTER UMA CASA ESPÍRITA 27/10/2013 AGENDA 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. A ESCOLHA DO NOME 3. ESTATUTO E REGIMENTO INTERNO 4. ASSEMBLEIA GERAL DE FUNDAÇÃO 5. A IMPORTÂNCIA DO ENDEREÇO 6. INSCRIÇÃO

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais

Nº COMARCA DE CAMAQUÃ MUNICIPIO DE ARAMBARE GREMIO ESPORTIVO NAVEGANTES

Nº COMARCA DE CAMAQUÃ MUNICIPIO DE ARAMBARE GREMIO ESPORTIVO NAVEGANTES DIREITO TRIBUTÁRIO. IMPOSTOS. IPTU. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. Nulidade dos créditos tributários relativos ao IPTU de imóveis de propriedade de entidade beneficente de assistência social. Não-configuração.

Leia mais

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003)

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) EVOLUÇÃO Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) Art. 37 da Constituição Federal... XXII as administrações tributárias da União dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,... e autuarão de forma

Leia mais

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR IMUNIDADES E ISENÇÕES DE TRIBUTOS PARA O TERCEIRO SETOR O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR TRIBUTOS (art. 145 CF). IMUNIDADES E ISENÇÕES IMUNIDADE VEDAÇÃO - PROIBIÇÃO

Leia mais

FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS

FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS ANEXO PRE 145.16 FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS ROTEIRO ILUSTRATIVO DE ASSUNTOS QUE MERECEM ATENÇÃO NA DESCONTINUIDADE DE NEGÓCIOS I ASPECTOS FISCAIS 1. Verificação de Passivos e Ativos Federais: 1.1. Secretaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o Código Tributário do Município de Miracema (lei nº 1.453, de 26 de setembro de 2013), responda às questões de números 1 a 6. 1) É de competência do município

Leia mais

FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR

FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR FICHA DE CADASTRO PESSOA JURÍDICA INQUILINO FIADOR Dados da Empresa Razão Social Nº CNPJ/MF Nº Inscrição Estadual Sede Cidade UF CEP Fone Fax Ramo de Atividade Fundação Nº Registro da Firma Data Órgão

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais

"A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento." - Frederick Herzberg

A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento. - Frederick Herzberg "A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento." - Frederick Herzberg EMPRESA JJ Contabilidade foi fundada a mais de duas décadas, por João

Leia mais

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio.

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. 2 Apresentação Milhões de brasileiros já estão aproveitando os benefícios de ser um Microempreendedor Individual.

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2017 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 7 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

Calcular resultados. e apontar soluções

Calcular resultados. e apontar soluções Calcular resultados e apontar soluções Trajetória Mais de três décadas calculando resultados e apontando soluções. A Contabilidade Dias foi fundada em 1984, em Belo Horizonte, por Antônio Augusto Dias,

Leia mais

NOSSA SOLUÇÕES VALORES Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores.

NOSSA SOLUÇÕES VALORES  Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores. Escritório Paulista Soluções Contábeis, Empresariais e Tributárias, localizado à Avenida dos Ferroviários, 596 - Vila Xavier (Próximo a Caixa Econômica da Alameda Paulista), empresa de prestação de serviços

Leia mais

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA

MISSÃO VISÃO INOVAÇÃO ÉTICA CONFIANÇA COMPROMETIMENTO EFICIÊNCIA TRANSPARÊNCIA QUEM SOMOS A VP Consultoria é uma empresa que atua nos segmentos de Consultoria Contábil e Fiscal, de Recursos Humanos, Tributário e Societário e de Gestão Financeira. Contamos com uma equipe de profissionais

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

Lei remuneração de dirigentes: Uma discussão sobre a nova realidade do Terceiro Setor

Lei remuneração de dirigentes: Uma discussão sobre a nova realidade do Terceiro Setor Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ATENÇÃO! DOCUMENTOS DO (A) ESTUDANTE E DE TODO GRUPO FAMILIAR ORIGINAL E CÓPIA OBS: TRAZER IMPRESSA A INSCRIÇÃO DO FIES, DENTRO DO PRAZO DE VALIDADE.

ATENÇÃO! DOCUMENTOS DO (A) ESTUDANTE E DE TODO GRUPO FAMILIAR ORIGINAL E CÓPIA OBS: TRAZER IMPRESSA A INSCRIÇÃO DO FIES, DENTRO DO PRAZO DE VALIDADE. ATENÇÃO! O atendimento somente será realizado com horário agendado. Para agendar, favor entrar em contato pelo telefone 3244-7212 ou pelo nosso e-mail setordebolsas@izabelahendrix.edu.br. DOCUMENTOS DO

Leia mais

Onde são informadas atualmente?

Onde são informadas atualmente? EFD-Reinf O que é EFD-Reinf? Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída (CPRB). A EFD-Reinf abarca todas as retenções do contribuinte sem relação

Leia mais

Documentos Contábeis, Fiscais e Financeiros:

Documentos Contábeis, Fiscais e Financeiros: 1 Carta de Responsabilidade da Administração Belo Horizonte, 22 de setembro de 2015. Ao Cliente da WORK MASTER SOLUÇÕES CONTABÉIS LTDA EPP CRC nº 06942 Endereço: Rua Nepomuceno, 202. Prado Belo Horizonte

Leia mais

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM 1-Lei catarinense, publicada em 01.12.2008, alterou, de 3% para 4%, a alíquota do IPVA relativo à propriedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE DÉBITOS E CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS CNPJ: 11.545.086/0001-54 Mês/Ano: JAN 2012 Nome Empresarial: AL

Leia mais

Resumão sobre Cooperativismo

Resumão sobre Cooperativismo Resumão sobre Cooperativismo Apresentação Com o intuito de facilitar a compreensão em relação às cooperativas, eu tive a ideia de fazer este resumão. A iniciativa visa, primordialmente, esclarecer e tirar

Leia mais

Atividades das áreas Contábil, Fiscal e Trabalhista

Atividades das áreas Contábil, Fiscal e Trabalhista Circular Nº 28/2016 São Paulo, 01 setembro 2016. Prezado Cliente, Atividas das áreas, e Como é seu conhecimento, o Brasil é um dos países mais complexos no que tange as questões fiscais, tributárias e

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

Caso não consiga visualizar este , acesse o link: 0231/11

Caso não consiga visualizar este  , acesse o link:  0231/11 Página 1 de 5 Caso não consiga visualizar este e-mail, acesse o link: 0231/11 05/12/2011 SIMPLES NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO DAS NORMAS E REGULAMENTAÇÃO DA LC 139/2011 Senhor Presidente, No dia 1º de dezembro

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis SIMPLES NACIONAL Corretor de Imóveis MARIA RICARTE CRC-CE: 016078/O-9 Contadora, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Ceará UECE. Profissional com vastos conhecimentos nas áreas:

Leia mais

Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas

Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas A presente tabela contém os principais documentos fiscais, contábeis e trabalhistas das empresas com o tempo que deve ser mantido em arquivo

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS E-BOOK Governança das Obrigações Acessórias FIQUE ATENTO! A automação dos órgãos fiscalizadores, como a Receita Federal e a Secretaria da Fazenda, exige total controle e planejamento

Leia mais

CHECK LIST DE DOCUMENTOS SOLICITADOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROGRAMAS

CHECK LIST DE DOCUMENTOS SOLICITADOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROGRAMAS CHECK LIST DE DOCUMENTOS SOLICITADOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROGRAMAS DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR: A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANALISE DE CRÉDITO IMÓVEL IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANALISE DE CRÉDITO IMÓVEL IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA do Cartão de CNPJ Inscrição Estadual ou Municipal IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA Contrato Social e sua última alteração ou Estatuto de Constituição Comprovante de renda

Leia mais

DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES

DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES DETALHAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO DO FIES DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes

Leia mais

Aula 12 Constituição Formal de Empresa

Aula 12 Constituição Formal de Empresa Considerações iniciais Todas as sociedades empresariais e entidades, independente do seu objeto social e porte econômico, estão sujeitas às regras estabelecidas pelo MTE, quando tiverem pessoas físicas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE RENDA. Local e data:, de de Assinatura

DECLARAÇÃO DE RENDA. Local e data:, de de Assinatura DECLARAÇÃO DE RENDA Eu,, portador (a) da Carteira de Identidade n.º e inscrito (a) CPF sob o n, declaro para devidos fins de solicitação da bolsa de estudo, sob as penas da legislação civil e penal que

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR. 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR

TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR. 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR 31.840 O QUE SÃO TRIBUTOS? Art. 3º do Código Tributário Nacional Tributo é toda prestação pecuniária compulsória,

Leia mais

Terceiro Setor x Exigências Contábeis

Terceiro Setor x Exigências Contábeis Terceiro Setor x Exigências Contábeis Ementa: Protagonismo do profissional da contabilidade no Terceiro Setor a partir da aplicação dos princípios e fundamentos da contabilidade, observando-se as respectivas

Leia mais

Pejotização. Risco aos Produtores Rurais. Superintendência Técnica Coordenação do Núcleo Econômico

Pejotização. Risco aos Produtores Rurais. Superintendência Técnica Coordenação do Núcleo Econômico Pejotização Risco aos Produtores Rurais Superintendência Técnica Coordenação do Núcleo Econômico Câmara Temática de Crédito, Seguro e Comercialização do Agronegócio Reunião Ordinária nº 02 29.09.2016 Auditório

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição Dados da Empresa CNPJ: Razão Social: CEP do Estabelecimento: Data de Início das Atividades neste Endereço: Logradouro: Número: Complemento Bairro: Município: Estado: Inscrição do ISS no município de origem

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

EDITAL. EDITAL DIR N o 29/2015

EDITAL. EDITAL DIR N o 29/2015 EDITAL DIR N o 29/2015 INSCRIÇÃO DE VOLUNTÁRIOS PARA ATUAÇÃO JUNTO AO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DAS FACULADADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS/FEMA. O Diretor Geral das

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

Nota Explicativa MBSC/SP/ 001/2007

Nota Explicativa MBSC/SP/ 001/2007 Nota Explicativa MBSC/SP/ 001/2007 Ementa: Entidades imunes. Remuneração de Diretores na qualidade de empregados da instituição mantida. As imunidades previstas na Constituição da República, artigo 150,

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Declaração das NFC-e Conjugadas no LFE

Orientações Consultoria de Segmentos Declaração das NFC-e Conjugadas no LFE Declaração das NFC-e Conjugadas no LFE 02/05/2017 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 3 3.1 Portaria 234/2014... 3 3.2 Decreto 25.508/2005... 4 3.3

Leia mais

Documentação do Candidato

Documentação do Candidato Documentação do Candidato Documentos de identificação do candidato: Apresentar um dos documentos abaixo para fins de identificação Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / Av. Cel. Martiniano, 993 Centro COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO EDITAL DE INSCRIÇÃO E/OU RENOVAÇÃO A na forma do art. 34, 1 da Lei n 8.666/93, torna público que para fornecimento de materiais e prestações de serviços ao Município de Caicó / RN, os interessados deverão

Leia mais

SPED PIS/Cofins. Escrita Fiscal Tutorial

SPED PIS/Cofins. Escrita Fiscal Tutorial 1 SPED PIS/Cofins Conforme Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 (D.O.U. 7.7.2010), que institui a Escrituração Fiscal Digital do PIS/Pasep e da Cofins - EFD-PIS/Cofins (Alterada pela

Leia mais

Brasília - DF, quarta-feira, 20 de agosto de 2014 página 26 MINISTÉRIO DA FAZENDA

Brasília - DF, quarta-feira, 20 de agosto de 2014 página 26 MINISTÉRIO DA FAZENDA Brasília - DF, quarta-feira, 20 de agosto de 2014 página 26 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.491, DE 19 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre os débitos a

Leia mais

REFORMA OU CONSTRUÇÃO

REFORMA OU CONSTRUÇÃO Ficha Cadastral Cópia simples do Cartão de CNPJ Inscrição Estadual ou Municipal REFORMA OU CONSTRUÇÃO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA Contrato Social e sua última alteração ou Estatuto

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 01/2016 PROCESSO SESI-CN 0201/2016 SESSÃO DE ABERTURA: 16/12/2016 às 10h00 SESI - CONSELHO NACIONAL ESCLARECIMENTO 1

CONCORRÊNCIA Nº 01/2016 PROCESSO SESI-CN 0201/2016 SESSÃO DE ABERTURA: 16/12/2016 às 10h00 SESI - CONSELHO NACIONAL ESCLARECIMENTO 1 CONCORRÊNCIA Nº 01/2016 PROCESSO SESI-CN 0201/2016 SESSÃO DE ABERTURA: 16/12/2016 às 10h00 SESI - CONSELHO NACIONAL ESCLARECIMENTO 1 A Comissão de Licitação do Conselho Nacional do SESI vem por meio desta

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

RESUMO DA CARTILHA DA RECEITA FEDERAL

RESUMO DA CARTILHA DA RECEITA FEDERAL RESUMO DA CARTILHA DA RECEITA FEDERAL Cartilha PUBLICADA AGORA EM SETEMBRO PELO TSE/RECEITA FEDERAL CAPTURADO URL: http://www.justicaeleitoral.jus.br/arquivos/cartilha-tse-e-receita-federaleleicoes-2016

Leia mais

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE CONTEXTO: O TERCEIRO SETOR Terceiro Setor O Terceiro Setor é um tipo de Frankenstein : grande, heterogêneo, construído de pedaços, desajeitado,

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

Mapeando o SPED PIS/COFINS

Mapeando o SPED PIS/COFINS Mapeando o SPED PIS/COFINS 1 SPED PIS/COFINS Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 2 BLOCO DESCRIÇÃO QTDE REGISTROS 0 Abertura, Identificação e Referências 16 A Documentos Fiscais - Serviços

Leia mais

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu Soluções Sistema Fiscal Integração via Chave de Acesso XML Sistema Fiscal Importação de XML em Lote Sistema Fiscal Integração via Portal XML-e Sistema Fiscal Mapa de Apuração / Fechamento Tratamento por

Leia mais

OS 10 ANOS DA LEI DAS OSCIP

OS 10 ANOS DA LEI DAS OSCIP OS 10 ANOS DA LEI DAS OSCIP A PROFISSIONALIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR E A LEI Nº 9.790/99 REMUNERAÇÃO DE DIRIGENTES Paula Raccanello Storto ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO COMISSÃO DO TERCEIRO

Leia mais

Direito Tributário para o Exame de Ordem

Direito Tributário para o Exame de Ordem Direito Tributário para o Exame de Ordem Introdução, Normas Gerais, Competência Tributária e Imunidade Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Competência tributária

Leia mais

PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS POR ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR: ANÁLISE EMPÍRICA JUNTO A TEMPLOS RELIGIOSOS DE PERNAMBUCO À LUZ DA ITG 2002

PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS POR ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR: ANÁLISE EMPÍRICA JUNTO A TEMPLOS RELIGIOSOS DE PERNAMBUCO À LUZ DA ITG 2002 PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS POR ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR: ANÁLISE EMPÍRICA JUNTO A TEMPLOS RELIGIOSOS DE PERNAMBUCO À LUZ DA ITG 2002 Área Temática: Contabilidade Governamental e do Terceiro Setor José

Leia mais

ANEXO V PROCESSO SELETIVO EaD/UAB/UFG/ DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO DE NÚCLEO FAMILIAR PARA AS CATEGORIAS RI, RI-cD, RI-PPI, RI-PPI-cD

ANEXO V PROCESSO SELETIVO EaD/UAB/UFG/ DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO DE NÚCLEO FAMILIAR PARA AS CATEGORIAS RI, RI-cD, RI-PPI, RI-PPI-cD DECLARAÇÃO DE COMPOSIÇÃO DE NÚCLEO FAMILIAR PARA AS CATEGORIAS RI, RI-cD, RI-PPI, RI-PPI-cD Eu,, CPF nº, candidato(a) aprovado(a) no PS EaD/UAB/UFG/2017-2 para o Curso de no Polo da Cidade de, da UFG,

Leia mais

Regional Sul 1. sped.rfb.gov.br/) - Esta fiscalização é realizada pelo

Regional Sul 1. sped.rfb.gov.br/) - Esta fiscalização é realizada pelo Encerrando o ano de 2016 e, iniciando 2017, a CNBB Regional Sul 1 em comunhão com a CNBB Nacional apresenta os procedimentos necessários para os processos de Liberação de verba, Devolução e Prestação de

Leia mais

MAPEAMENTO EFD-SOCIAL.

MAPEAMENTO EFD-SOCIAL. MAPEAMENTO EFD-SOCIAL Projeto SPED Page 2 Projeto EFD-Social Objetivo: Modernização da Administração Tributária Eficiência na Administração de Receitas Instrumentos de Combate à Sonegação Facilitar o Cumprimento

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL 1 Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Receita Bruta de até R$ 36

Leia mais

MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS

MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS AULA 9: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS Disciplina: Contabilidade introdutória Professor: Thaiseany de Freitas Rêgo Mossoró-RN 2017 1 MÉTODOS DE ESCRITURAÇÃO Partidas simples Partidas dobradas Registro de

Leia mais

Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais:

Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais: Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais: Documentos Contábeis Os documentos contábeis devem ser arquivados em ordem cronológica

Leia mais

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Auditoria Contábil Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Financeiro A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles financeiros adotados pela empresa são

Leia mais

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Especialista em Gestão de Pessoas Especialista em Gestão e Organização Pública Especialista em Qualidade e Produtividade no Setor Público

Leia mais

WWW.CONTABILIDADEIDEALE.COM.BR A Ideale Contabilidade & Consultoria Empresarial é uma empresa especializada na prestação de serviços de contabilidade, constituída por uma equipe de profissionais com vasta

Leia mais

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição

Declaração de Prestadores de Outros Municípios - Protocolo de Inscrição Dados da Empresa CNPJ: Razão Social: CEP do Estabelecimento: Data de Início das Atividades neste Endereço: Logradouro: Número: Complemento Bairro: Município: Estado: Inscrição do ISS no município de origem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I ANEXO I DA COMPROVAÇÃO DE RENDA DO CANDIDATO CLASSIFICADO EM VAGAS RESERVADAS DE QUE TRATA O INCISO I DO ART. 3º DA PORTARIA NORMATIVA Nº 18 DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 E DA SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA

Leia mais

Documentação do Candidato

Documentação do Candidato Documentação do Candidato Documentos de identificação do candidato: Apresentar um dos documentos abaixo para fins de identificação Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das

Leia mais

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf

EFD-Reinf 29/06/2016. Apresentação. I -O que é o EFD-Reinf EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída O que vem por ai??? Danilo Lollio Estaapresentaçãoé de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft.

Leia mais

Saiba tudo sobre o esocial

Saiba tudo sobre o esocial Saiba tudo sobre o esocial Introdução Com a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), o Governo propiciou maior controle e agilidade na fiscalização das informações contábeis e fiscais

Leia mais

REGULAMENTO. CONSIDERANDO que o Programa de Colaborador Voluntário deve estar adequado à missão e aos objetivos da Instituição;

REGULAMENTO. CONSIDERANDO que o Programa de Colaborador Voluntário deve estar adequado à missão e aos objetivos da Instituição; REGULAMENTO Estabelece normas para o Programa de Colaborador Voluntário no âmbito do O INSTITUTO OSWALDO CRUZ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e, CONSIDERANDO a Portaria do nº 045/2016

Leia mais

Para fins de auditoria do Selo EJ 2017, deve constar no Estatuto:

Para fins de auditoria do Selo EJ 2017, deve constar no Estatuto: MANUAL DE AUDITORIA a. OBJETIVO Uniformizar a auditoria entre as Federações e Núcleos e apresentar às empresas juniores os itens auditados em cada um dos critérios do Selo EJ de forma complementar ao Edital

Leia mais

PEPC 2016 CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: EPC Auditores QTG BCB SUSEP. EPC Responsável Técnico.

PEPC 2016 CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: EPC Auditores QTG BCB SUSEP. EPC Responsável Técnico. CAPACITADORA: 100 % AUDIT (PE-00028) CONTATO: 3242-2406 COACH CONTÁBIL PE-01023 40h 40 40 40 0 CAPACITADORA: 4M TREINAMENTOS EMPRESARIAIS E ASESSORIA (PE-00022) CONTATO: 3465.7495 CREDITOS PIS/PASEP E

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Alexandre Henrique Salema Ferreira Ana Maria da Paixão Duarte OBJETIVO Discorrer acerca do Planejamento Tributário no campo

Leia mais

INFORMAÇÕES, RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE BOLSA E FICHA DE INSCRIÇÃO NA INSTITUIÇÃO FEAD

INFORMAÇÕES, RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE BOLSA E FICHA DE INSCRIÇÃO NA INSTITUIÇÃO FEAD INFORMAÇÕES, RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE BOLSA E FICHA DE INSCRIÇÃO NA INSTITUIÇÃO FEAD FEAD Faculdade de Estudos Administrativos de MG FEAD Faculdade de Estudos Superiores de MG CANDIDATOS

Leia mais

RECIBO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE DÉBITOS E CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS D C T F MENSAL - 2.5

RECIBO DE ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE DÉBITOS E CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS D C T F MENSAL - 2.5 RECIBO DE ENTREGA DA CNPJ: 33.040.767/0001-01 Mês/Ano: JUN 2014 Nome Empresarial: SONY PICTURES RELEASING OF BRASIL INC. Declaração Retificadora: NÃO Situação Especial: NÃO Data do Evento: TOTALIZAÇÃO

Leia mais

O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações...

O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... O que é o esocial? As empresas são obrigadas a preencher diversas declarações e documentos que possuem as mesmas informações... Consequências Dificuldades para garantir os direitos dos trabalhadores 2,5

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA VALIDAÇÃO DO FIES 2017/1

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA VALIDAÇÃO DO FIES 2017/1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA VALIDAÇÃO DO FIES 2017/1 Os candidatos selecionados pelo FIES Seleção deverão comparecer a CPSA do UniFOA para validação das informações, no período determinado pelo FNDE. Confira

Leia mais

INTERNA Roteiro de Adesão ao Sistema de Consórcios Webscon

INTERNA Roteiro de Adesão ao Sistema de Consórcios Webscon Roteiro de Adesão ao Sistema de Consórcios Webscon 1 Aos Parceiros Ref.: Orientações para venda de Consórcio para Clientes e Não-clientes da Organização Bradesco e política de adesão. Visando a subsidiar

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais Sumário Capítulo 1 Direito tributário... 1 1.1. Direito... 1 1.2. Direito público e direito privado... 1 1.3. Direito tributário... 2 1.4. Direito tributário e os demais ramos do Direito... 4 1.5. Estado...

Leia mais

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos Objetivos e Módulos do SPED Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007 Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação, armazenamento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.098/ DS/CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.098/ DS/CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DELIBERAÇÃO Nº 1.098/2014 - DS/CMDCA Dispõe sobre a seleção do Projeto EDUCAGENTE Núcleo Comunitário da São Martinho, apresentado pela Entidade

Leia mais

REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA. Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850

REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA. Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850 REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE - FILANTRÓPICA Pedro Pereira Atuário MIBA nº. 850 Base legal: RN n.º 85, de 2004 e posteriores alterações, dispõe sobre os procedimentos para solicitação de autorização

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 Certificamos, como membros do conselho fiscal do SINDIFISCAL- TO (Sindicato dos Auditores Fiscais da

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS AFO II Administração Financeira e Orçamentária - Pública 1 AFO II Administração Financeira e Orçamentária Pública 1º/2013 UNIDADE III ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO

Leia mais

DA DOCUMENTAÇÃO. Documentos do Fiador deverão ser entregues somente no Agente Financeiro (Banco). DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

DA DOCUMENTAÇÃO. Documentos do Fiador deverão ser entregues somente no Agente Financeiro (Banco). DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA DOCUMENTAÇÃO Prazo para entrega da documentação após inscrição realizada: Após a conclusão da inscrição no Fies, o estudante deverá: I. Validar suas informações na Comissão Permanente de Supervisão

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PROUNI

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PROUNI DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PROUNI Documentação a ser apresentada pelo candidato e membros do grupo familiar, quando for o caso, na fase de comprovação de informações. É vedado ao coordenador do Prouni pedir

Leia mais

esocial Uma nova forma de registro de eventos trabalhistas

esocial Uma nova forma de registro de eventos trabalhistas esocial Uma nova forma de registro de eventos trabalhistas Paulo Rogério Albuquerque de Oliveira Coordenação-Geral de Monitoramento Benefício por Incapacidade CGMBI/DPSO/SPS/MF Esplanada dos Ministérios,Bloco

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ANEXO VII. CONSULTA "O que é Associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?" PARECER: I- CONCEITOS E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO ANEXO VII. CONSULTA O que é Associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? PARECER: I- CONCEITOS E OBJETIVOS ANEXO VII ASSOCIAÇÃO CONSULTA "O que é Associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?" PARECER: I- CONCEITOS E OBJETIVOS 1- ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS Associação é uma entidade

Leia mais