MANUAL DE PROTOCOLOS CLÍNICOS. Curso de Especialização em Gestão Hospitalar para o HOSPSUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROTOCOLOS CLÍNICOS. Curso de Especialização em Gestão Hospitalar para o HOSPSUS"

Transcrição

1 MANUAL DE PROTOCOLOS CLÍNICOS Curso de Especialização em Gestão Hospitalar para o HOSPSUS

2 Apresentação A Secretaria de Estado da Saúde - SESA implantou no ano de 2011 o Programa de Apoio aos Hospitais Públicos e Filantrópicos do Sistema Único de Saúde do Paraná HOSPSUS. Participam desse Programa Hospitais de referência macrorregional ou regional e principalmente os inseridos em pelo menos uma das Redes de Atenção à Saúde priorizadas pelo Plano de Governo A Rede Mãe Paranaense e a Rede Paraná Urgência foram as escolhidas no primeiro momento para serem apoiadas pelo Programa. Um dos componentes do HOSPSUS é a capacitação do corpo gerencial dos hospitais. Para isso, foi desenvolvido o Curso de Especialização em Gestão Hospitalar, parceria entre SESA e a Federação das Santas Casas de Misericórdias e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná FEMIPA, realizado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. A disciplina de Gestão da Clínica teve como produto a elaboração de protocolos clínicos de atendimento aos usuários dentro da Rede de Atenção ás Urgências. Os alunos elaboraram três protocolos clínicos, sendo: atendimento ao usuário com dor torácica, atendimento ao usuário com acidente vascular encefálico e atendimento ao trauma. O primeiro foi validado pela Sociedade Paranaense de Cardiologia e está de acordo com as normas e diretrizes vigentes, contempla o conceito de rede e, portanto, está publicado nesta edição. Quanto ao protocolo de atendimento ao usuário com acidente vascular encefálico, foi recomendado pela Sociedade Paranaense de Ciências Neurológicas e Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares a utilização do Manual de Rotinas para Atenção ao Acidente Vascular Cerebral - AVC, publicado em 2013 pelo Ministério da Saúde. Esse documento é de fácil utilização pelos profissionais de saúde e tem aplicação em todos os pontos de atenção da rede, tendo sido validado pelas sociedades de especialidade. O protocolo de atendimento ao trauma elaborado pelos alunos não será publicado nesse momento, pois não houve tempo hábil para formatá-lo no conceito de rede. Em 2013 foi publicada pelo Ministério da Saúde a Linha de Cuidado ao Trauma na Rede de 2 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

3 Atenção ás Urgências e Emergências e esta será utilizada como referência para atendimento aos usuários do SUS no Paraná. Sendo assim, apresentamos os protocolos das três linhas de cuidado, que têm como objetivo principal instrumentalizar os profissionais de saúde inseridos na rede de atenção às urgências, principalmente nos hospitais que integram o Programa HOSPSUS, contribuindo assim para que a assistência seja mais ágil, qualificada e resolutiva aos usuários do SUS no Estado do Paraná. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 3 Data: Data: Data:

4 PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO COM DOR TORÁCICA ELABORAÇÃO: SANTA CASA DE CURITIBA: - André Bernardi (Médico Cardiologista / Diretor Técnico); - Clóvis Guse (Gerente de Enfermagem); - Elizabeth Costa (Gerente Médica); - Leonardo Barchik (Assistente de Qualidade); - Maciel Costa (Diretor Geral); - Talita Rennê Mendonça (Gerente SADT e Adm.). SOCIEDADE HOSPITALAR ANGELINA CARON - Bernardo Caron (Administrador Hospitalar); - Dalton Bertolim Précoma (Médico Cardiologista); - Montgomery Pastorelo Benites (Diretor de Enfermagem); - Thiago Felipe dos Santos (Médico Cardiologista). SANTA CASA DE IRATI - Cristiana Maria Schvaidak (Gerente de Enfermagem); - Fabiano Palmerini Guimarães (Diretor Técnico); - Francine Giselle Keiko Yotoko Ferreira (Diretora Adm.); - Luiz Augusto Borazo (Médico Cardiologista); - Sidnei João Barankevicz (Diretor Adm.). 4 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

5 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PONTA GROSSA - Gesner Penteado (Gerente Adm.); - Lindomar N. de Aguiar (gerente de Enfermagem). REGIONAL DE PONTA GROSSA WALACE TADEU DE MELO E SILVA - Rogério Santos Clemente (Diretor Técnico); - Vera Rita da Maia (Diretora de Enfermagem). 5 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

6 1. INTRODUÇÃO A doença cardiovascular (DCV) é responsável por grande parcela da taxa de mortalidade no mundo atingindo no Brasil atinge valores de 29,4%. Entre as causas de morte e hospitalização por DCV, destacam-se as síndromes coronarianas agudas (SCA), incluindo o infarto agudo do miocárdio (IAM) e a angina instável (AI), manifestadas quase que em sua totalidade pela dor torácica. Aproximadamente 5 a 10 % dos pacientes atendidos nos serviços médicos de urgência são devidos à queixa de dor torácica. Destes, 20 a 35% apresentam SCA. Somente 10 a 15% dos pacientes com dor torácica apresentam IAM, entretanto, cerca de 2 a 5% destes pacientes são liberados de forma errônea e sem diagnóstico, apresentando uma elevada taxa de mortalidade, em torno de 25%. O tratamento do IAM depende de rápido acesso ao serviço médico especializado, terapias de reperfusão miocárdica e uso de medicações específicas com benefício comprovado. Embora a maioria dos tratamentos do IAM estejam disponíveis no SUS, a mortalidade hospitalar pelo IAM continua elevada. Neste sentido, se faz necessária a implantação de uma rede de atendimento à SCA, com a finalidade de organizar e integrar todos os sistemas de saúde, ampliando o acesso a esses tratamentos de forma rápida e eficiente aos usuários em situação de urgência e emergência. 2. VALIDAÇÃO Este documento foi validado por meio de sua aplicação pelas equipes multidisciplinares nos serviços de urgência emergência dos hospitais que o desenvolveram. 3. REVISÃO Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 6 Data: Data: Data:

7 Este protocolo será revisado anualmente ou conforme as alterações das entidades de classe e sociedades científicas nele envolvidos. 4. INDICADORES Conforme sugerido pela metodologia do programa HOSPSUS, os indicadores que avaliarão este protocolo serão: Número de Pacientes atendidos com classificação de risco; Percentual de pacientes com tempo porta-balão inferior a 90 minutos após a admissão do paciente pela unidade de emergência. 5. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Paraná. Aplicável à Rede de Urgência e Emergência da Secretaria Estadual de Saúde do 6. POPULAÇÃO ALVO Usuários e Profissionais do Sistema Único de Saúde do Estado do Paraná 7. ATRIBUIÇÃOES DOS PROFISSIONAIS: 7.1 São atribuições da equipe Administrativa Acolher o usuário de forma resolutiva; abrir a Ficha de Atendimento (FA) na chegada do usuário à unidade; orientar o usuário para aguardar o chamado pela enfermagem; orientar e esclarecer dúvidas quanto à marcação de 7 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

8 consultas em UBS ou PSF; informar a UBS ou PSF de referência para seu território de residência; garantir o atendimento de acordo com a classificação de risco. 7.2 São atribuições da equipe técnica de Enfermagem Acomodar o paciente no leito; conversar calmamente com o paciente, identificando-se, enquanto dá início aos procedimentos básicos; retirar os pertences do paciente e entregar para a família (na ausência desta, entregar para a supervisão de enfermagem); puncionar acesso venoso periférico em MSE, de preferência com cateter calibre n.º 20; coletar sangue para exames laboratoriais de rotina; certificar-se de qual é o destino do paciente após o atendimento (transferência, UTI, hemodinâmica, posto de enfermagem). 7.3 São atribuições dos Enfermeiros Realizar classificação de risco; observar o local, tipo e frequência da dor; realizar monitorização cardíaca e verificar SSVV, observando arritmias presentes; instalar o oxímetro, verificando saturação de O²; realizar o ECG; avaliar o nível de consciência. 7.4 São atribuições Médicas Realizar o atendimento conforme o nível de prioridade que o usuário foi classificado; diagnosticar Síndrome Coronariana Aguda; dar início ao tratamento conforme o protocolo estabelecido; realizar encaminhamento para tratamento intra-hospitalar; realizar encaminhamentos quando necessário à UBS; esclarecer ao usuário a importância de acompanhamento médico em UBS. 8. OBJETIVOS 8.1 Objetivo geral Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 8 Data: Data: Data:

9 Padronizar e implantar de forma criteriosa, organizada e hierarquizada, uma rede de atendimento às vítimas de Síndrome Coronariana Aguda (SCA) nos municípios do Estado do Paraná. 8.2 Objetivos específicos Estabelecer fluxo e protocolo padronizado para avaliação e tratamento de pacientes com dor torácica sugestiva de IAM; Definir regulação entre os hospitais referenciados e a SESA para o atendimento qualificado a pacientes com diagnóstico de IAM; Incrementar a Central de Regulação de Urgência e Emergência, com protocolos estabelecidos de destinação dos pacientes; Prover o transporte do paciente no menor espaço de tempo, em ambulâncias equipadas com todos os elementos indispensáveis ao atendimento. 9. SIGLAS UTILIZADAS AI Ao BRE CAT DCV ECG ETE EV FA GR IAM MNM Angina Instável Aorta Bloqueio do Ramo Esquerdo Cateterismo Doença Cardiovascular Eletrocardiograma Ecocardiograma Transesofágico Endovenoso Ficha Amarela Grau de Recomendação Infarto Agudo do Miocárdio Marcadores de Necrose Miocárdica 9 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

10 MSE NE O 2 PSF RX TC TE TEP SCA SESA SH SSVV UBS UDT UTI Membro Superior Esquerdo Nível de Evidência Oxigênio Programa Saúde da Família Raio X Tomografia Teste de Esforço Trombo Embolismo Pulmonar Síndrome Coronariana Aguda Secretaria Estadual de Saúde Serviço de Hemodinâmica Sinais Vitais Unidade Básica de Saúde Unidade de Dor Torácica Unidade de Terapia Intensiva 10. GLOSSÁRIO / CONCEITOS CPK CKMB MASSA TROPONINA Creatinofosfoquinase, enzima cardíaca. Fração MB da Creatinoquinase, enzima cardíaca. Enzima cardíaca. 11. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA A elaboração deste documento foi baseada em diretrizes publicadas e validadas pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Associação Americana de Cardiologia (AHA) e Colégio Americano de Cardiologia (ACC), referenciadas a seguir. 12. REFERÊNCIAS Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 10 Data: Data: Data:

11 IV Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento. Disponível em: <http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2009/diretriz_iam_9306supl2.asp>. Acesso em: 02 ago Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST (II Edição, 2007). Disponível em: <http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2007/diretriz_simi.asp>. Acesso em: 02 ago ACCF/AHA Focused Update of the Guideline for the Management of Patients With Unstable Angina/Non ST-Elevation Myocardial Infarction (Updating the 2007 Guideline and Replacing the 2011 Focused Update). J Am Coll Cardiol. 2012;():. doi: /j.jacc ACCF/AHA GUIDELINE for the Management of ST-Elevation Myocardial Infarction: Executive Summary: A Report oh the American College of Cardiology. Tabela Estratific: Braunwald E. Unstable angina. A classification. Circulation 1989 Aug;80(2): Piegas LS, Feitosa G, Mattos LA, Nicolau JC, Rossi Neto JM, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Tratamento do Infarto agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST. Arq Bras Cardiol 2009; 93 (6supl.2): e179-e264. Disponível em: <http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2009/diretriz_iam_9306supl2.asp>. Acesso em: 01 mar Nicolau JC, Timerman A, Piegas LS, Marin-Neto JA, Rassi A. Jr. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Guidelines for Unstable Angina and Non-ST-Segment Elevation Myocardial Infarction of the Brazilian Society of Cardiology (II Edition, 2007). Arq Bras Cardiol 2007; 89 (4): e89-e131. Disponível em: <http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2007/diretriz_simi.asp>. Acesso em: 01 mar Jneid H, Anderson JL, Wright RS, Adams CD, Bridges CR, et al ACCF/AHA focused update of the guideline for the management of patients with unstable angina/non ST-elevation myocardial infarction (updating the 2007 guideline and replacing the 2011 focused update): a report of the American College of Cardiology Foundation / American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Circulation. 2012;126: Disponível em: <http://circ.ahajournals.org/content/126/7/875>. Acesso em 01 mar O Gara PT, Kushner FG, Ascheim DD, Casey Jr DE, Chung MK, et al ACCF/AHA guideline for the management of ST-elevation myocardial infarction: a 11 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

12 report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Circulation. 2013;127:e362 e425. Disponível em: <http://circ.ahajournals.org/content/127/4/e362>. Acesso em: 01 mar Braunwald E. Unstable angina. A classification. Circulation 1989 Aug;80(2): DEFINIÇÕES DAS RECOMENDAÇÕES E EVIDÊNCIAS 13.1 Grau de Recomendação (GR) Classe I: Condições para as quais há evidências conclusivas, ou, na sua falta, consenso geral de que o procedimento é seguro, e útil/eficaz. Classe II: Condições para as quais há evidências conflitantes e/ou divergência de opinião sobre segurança, e utilidade/eficácia do procedimento. Classe IIa: Peso ou evidência/opinião a favor do procedimento. A maioria aprova. Classe IIb: Segurança e utilidade/eficácia menos bem estabelecida, não havendo predomínio de opiniões a favor. Classe III: Condições para as quais há evidências e/ou consenso de que o procedimento não é útil/eficaz e, em alguns casos, pode ser prejudicial Nível de Evidência (NE) Nível A: Dados obtidos a partir de múltiplos estudos randomizados de bom porte, concordantes e/ou de meta-análise robusta de estudos clínicos randomizados. Nível B: Dados obtidos a partir de meta-análise menos robusta, a partir de um único estudo randomizado ou de estudos não randomizados (observacionais). Nível C: Dados obtidos de opiniões consensuais de especialistas. 14. CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA Avaliação do Tipo de Dor Torácica Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 12 Data: Data: Data:

13 Tipo de dor Tipo A Definitivamente Anginosa As características da sintomatologia afirmam o diagnóstico de SCA independente dos resultados de exames complementares. Tipo B Provavelmente Anginosa As características da sintomatologia fazem a SCA a principal hipótese, sendo necessária a complementação diagnóstica com exames Tipo C Provavelmente não anginosa As características da sintomatologia não elencam a SCA como a principal hipótese diagnóstica, porém exige exames complementares para a sua exclusão. Tipo D Definitivamente não anginosa As características da sintomatologia descartam a SCA como hipótese diagnóstica. Característica da dor Dor/desconforto retroesternal ou precordial geralmente desencadeado aos esforços, podendo se irradiar para região cervical anterior, mandíbula, ombro ou face interna dos membros superiores, com duração de alguns minutos e aliviada ao repouso ou uso de nitrato sublingual. Apresenta a maioria das queixas características da dor definitivamente anginosa. Apresenta poucas das queixas características da dor definitivamente anginosa (dor atípica, sintomas de equivalente anginoso). Não apresenta sintomas característicos da dor anginosa, fortemente indicativa de diagnóstico não cardiológico. 15. ATENDIMENTO NA UNIDADE DE CONTATO PRIMÁRIO: DIAGNÓSTICO A chegada do paciente pode ocorrer por: Procura Direta, Transporte Privado ou Transporte Público. Após a chegada, ele é acolhido pela equipe administrativa/enfermagem seguida de atendimento inicial do médico com estratificação de risco e tipo de dor deste 13 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

14 paciente, obtendo informação clínica e prognóstica inicial. Após essa primeira avaliação, o paciente é encaminhado, dentro dos primeiros 10 minutos, para realização do ECG de 12 derivações. Após análise do traçado do ECG pelo médico é realizado o diagnóstico e definida a rota que deverá ser seguida e instituição das medidas iniciais gerais: Rota 1 Na presença de evidência eletrocardiográfica de supradesnivelamento do segmento ST de pelo menos 1 mm, em pelo menos 2 derivações contíguas, presença de BRE novo ou supostamente novo, ou evidência clínica de choque cardiogênico, com transferência para serviço de Hemodinâmica ou realização de medicamento trombolítico de forma intravenosa conforme indicação; Rota 2 e 3 ECG sem supradesnivelamento do segmento ST ou BRE e na ausência de instabilidade hemodinâmica do paciente, com dosagem seriada de MNM e realização seriada de ECG e transferência para UTI conforme indicação Medidas iniciais gerais Obtenção de acesso venoso calibroso. Repouso no leito (GR I, NE C). Monitorização cardíaca contínua (GR I, NE C). Oxigênio suplementar (GR IIa, NE C). Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 14 Data: Data: Data:

15 16. FLUXOS DO PROTOCOLO DE DOR TORÁCICA 16.1 Integração do Paciente no Sistema Equipe Administrativa Profissional de Saúde Profissional de Saúde 1 Chegada do paciente Realizar acolhimento Estratificação de Risco Classificação por Tipo de Dor Dor do Tipo A, B ou C? Não Dor Tipo D Médico realizar investigação clínica Pessoalmente Pessoalmente Pessoalmente Sim Profissional de Saúde Profissional Médico Realizar ECG GR I, NE B Analisar ECG ECG Supra ST? Sim ROTA 1 Não Pessoalmente Pessoalmente ECG BRE novo ou supostamente novo? Sim Não ECG Infra ST ou T invertida? Sim ROTA 2 Não ECG Normal ou Inespecífico ROTA 5 Não Dor D? Não Dor C? Não Dor A ou B? Sim Sim Sim ROTA 4 ROTA 3 1 A chegada do paciente pode ocorrer por: Procura Direta, Transporte Privado ou Transporte Público. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 15 Data: Data: Data:

16 16.2 Rota 1 Não Profissional de Saúde Instabilidade Hemodinâmica? Paciente Rota 1 Início da dor menor que 12h? Sim Acesso a SH em menos de 2h? Não Sim Transferir para Serviço de Hemodinâmica (SH) GR I, NE A Pessoalmente Paciente transferido Sim Não Tratamento Clínico em Hospital com Suporte de UTI GR IIa, NE B Profissional Médico Profissional Médico Profissional Médico Encaminhar ao serviço de Cardiologia de referência GR IIa, NE B Infusão de Trombolítico GR I, NE B Não Contraindicação para Trmbolítico? Sim Transferir para Serviço de Hemodinâmica (SH) GR I, NE B Paciente transferido Pessoalmente Pessoalmente Pessoalmente Paciente encaminhado 16.3 Medicação trombolítica Medicação Diluição Estreptoquinase (SK) 1,5 milhões UI em 100 ml de SF 0,9% ou SG 5% com infusão em 30 a 60 minutos Alteplase (tpa) 15 mg em bolus, com infusão a seguir de 0,75 mg/kg em 30 minutos e após 0,5 mg/kg em 60 minutos Tenectplase (TNK) Aplicada em bolus 1 única vez conforme peso corporal: < 60 kg 30 mg kg 35 mg kg 40 mg kg 45 mg > 90 kg 50 mg Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 16 Data: Data: Data:

17 16.4 Contraindicações aos trombolíticos Absolutas Qualquer sangramento intracraniano; AVC isquêmico nos últimos três meses; Dano ou neoplasia no sistema nervoso central; Trauma significante na cabeça ou rosto nos últimos três meses; Sangramento ativo ou diástese hemorrágica (exceto menstruação); Qualquer lesão vascular cerebral conhecida (malformação arteriovenosa); Suspeita de dissecção de aorta. História de AVC isquêmico > 3 meses ou patologias intracranianas não listadas nas contraindicações; Gestação; Uso atual de antagonistas da vitamina K; Sangramento recente entre 2 a 4 semanas; Ressuscitação cardiopulmonar traumática ou prolongada ou cirurgia recente; Hipertensão arterial não controlada (PAS > 180 mmhg ou PAD > 110 mmhg); Úlcera péptica ativa. Relativas 17 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

18 16.5 Terapia farmacológica adicional Sempre atentar-se às contraindicações. - Morfina: 2 a 4 mg a cada 5-15 minutos (GR I, NE C). - Oxigênio: 3 l/min Em todos os pacientes nas primeiras 3-6 horas (GR IIa, NE C). Com congestão pulmonar ou Saturação de O2 < 90% (GR I, NE C). - Nitratos: Dinitrato de isossorbida 5mg sublingual (GR I, NE C). Até no máximo 3 doses separadas em 5 minutos; Considerar uso de Nitroglicerina 50mg diluído em SG5% 240ml EV em bomba de infusão contínua na dose de 5-10 microgramas por minuto. - Betabloqueadores: Atenolol 25 mg, Metoprolol 25 mg ou Carvedilol 3,125 mg (GR I, NE B). - IECA: Captopril 25 mg ou Enalapril 5 mg (GR IIa, NE A). Quando infarto de parede anterior ou IC com FE < 40%: GR I, NE A. - Estatinas: Sinvastatina 40 mg ou Atorvastatina 40 mg (GR I, NE B). - Benzodiazepínico: Diazepam 5 mg (GR IIa, NE C). Uso de terapia antiplaquetária: - AAS: 200 mg mastigados (GR I, NE A). - Clopidogrel: 300 mg (GR I, NE A). Uso de terapia anticoagulante: 18 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

19 16.6 Rota 2 - Heparina não fracionada: 60 U/Kg ou até 4000 U EV com manutenção de 12 U/kg/h (até 1000 U/h) ajustar a dose conforme KPTT 1,5 a 2 vezes o valor normal (GR I, NE A). - Heparina de Baixo Peso Molecular: (GR I, NE A) Idade < 75 anos: 30 mg EV em bolus seguida de 1 mg/kg de peso SC 12/12h Idade > 75 anos: não administrar o bolus e manter a dose de 0,75 mg/kg de peso SC 12/12h. 24/24h. Clearance de creatinina < 30 ml/min: 1 mg/kg SC, Seriar ECG 0h, 3h e 9h (GR I, NE C); Seriar MNM 0h, 3h e 9h (GR I, NE B); Ecocardiograma (GR IIa, NE B) Profissional Médico Profissional Médico Paciente Rota 2 Há UTI disponível? Sim Transferir paciente para UTI GR I, NE B Realizar exames seriados Paciente aguarda conduta clínica Não Pessoalmente Pessoalmente Profissional Médico Transferir paciente para Hospital com suporte de UTI GR I, NE C Paciente transferido Pessoalmente 16.7 Terapia farmacológica adicional Sempre atentar-se às contraindicações 19 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

20 - Oxigênio em todos os pacientes: 3 l/min (GR I, NE C). - Morfina: 2 a 4 mg a cada 5-15 minutos (GR I, NE C). - Benzodiazepínico: Diazepam 5 mg (GR I, NE C). - Nitratos: Dinitrato de isossorbida 5mg sublingual (GR I, NE C). Até no máximo 3 doses separadas em 5 minutos; Considerar uso de Nitroglicerina 50mg diluído em SG5% 240ml EV em bomba de infusão contínua 5-10microgramas por minuto. - Betabloqueadores: Atenolol 25 mg, Metoprolol 25 mg ou Carvedilol 3,125 mg (GR I, NE B) - IECA: Captopril 25 mg ou Enalapril 5 mg Alto e médio risco com HAS, DM ou disfunção ventricular (GR I, NE A). Todos os pacientes (GR IIa, NE B) Uso de terapia antiplaquetária: - AAS: 200 mg mastigados (GR I, NE A). - Ticagrelor: 180 mg (GR I, NE B). - Clopidogrel: 300 mg (GR I, NB). Uso de terapia anticoagulante: - Heparina não fracionada: 60 U/Kg ou até 4000 U EV com manutenção de 12 U/kg/h (até 1000 U/h) ajustar a dose conforme KPTT 1,5 a 2 vezes o valor normal (GR I, NE A). - Heparina de Baixo Peso Molecular: (GR I, NE A) Idade < 75 anos: 30 mg EV em bolus seguida de 1 mg/kg de peso SC 12/12h 20 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

21 Idade > 75 anos: não administrar o bolus e manter a dose de 0,75 mg/kg de peso SC 12/12h. Clearance de creatinina < 30 ml/min: 1 mg/kg SC, 24/24h Rota 3 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 21 Data: Data: Data:

22 Seriar ECG 0h, 3h e 9h (GR I, NE C); Seriar MNM 0h, 3h e 9h (GR I, NE B); Ecocardiograma (GR IIa, NE B) Profissional Médico Profissional Médico Paciente Rota 3 Realizar exames seriados Exames positivos? Sim Encaminhar ao Serviço de Cardiologia de referência GR I, NE C Paciente encaminhado Pessoalmente Não Pessoalmente Profissional Médico Encaminhar à Rede Básica de Saúde (UBS) GR I, NE B Paciente encaminhado Pessoalmente 16.9 Terapia farmacológica adicional Sempre atentar-se às contraindicações - Oxigênio em todos os pacientes: 3 l/min (GR I, NE C). - Morfina: 2 a 4 mg a cada 5-15 minutos (GR I, NE C). - Benzodiazepínico: Diazepam 5 mg (GR I, NE C). - Nitratos: Dinitrato de isossorbida 5mg sublingual (GR I, NE C). Até no máximo 3 doses separadas em 5 minutos; Considerar uso de Nitroglicerina 50mg diluído em SG5% 240ml EV em bomba infusora 5-10microgramas por minuto. - Betabloqueadores: Atenolol 25 mg, Metoprolol 25 mg ou Carvedilol 3,125 mg (GR I, NE B) 22 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

23 - IECA: Captopril 25 mg ou Enalapril 5 mg Alto e médio risco com HAS, DM ou disfunção ventricular (GR I, NE A). Todos os pacientes (GR IIa, NE B) Uso de terapia antiplaquetária na Rota 3: - AAS: 200 mg mastigados (GR I, NE A). - Ticagrelor: 180 mg (GR I, NE B). - Clopidogrel: 300 mg (GR I, NE B). Uso de terapia anticoagulante: - Heparina não fracionada: 60 U/Kg ou até 4000 U EV com manutenção de 12 U/kg/h (até 1000 U/h) ajustar a dose conforme KPTT 1,5 a 2 vezes o valor normal (GR I, NE A). - Heparina de Baixo Peso Molecular: (GR I, NE A) Idade < 75 anos: 30 mg EV em bolus seguida de 1 mg/kg de peso SC 12/12h Idade > 75 anos: não administrar o bolus e manter a dose de 0,75 mg/kg de peso SC 12/12h. Clearance de creatinina < 30 ml/min: 1 mg/kg SC, 24/24h Protocolo de dor torácica em Hospitais com Serviço de Hemodinâmica disponível Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 23 Data: Data: Data:

24 Chegada do paciente Acolhimento Enfermeiro Identificar paciente que apresenta queixa de dor no peito e sinais clínicos associados Pessoalmente Acolhimento Enfermeiro Realizar estratificação de risco Pessoalmente Paciente com dor no peito e sinais clínicos associados? NÃO SIM Acolhimento Enfermeiro Priorizar o atendimento encaminhando paciente para sala de emergência Pessoalmente Sala de Emergência Enfermeiro Realizar o ECG (dentro de 10 min.) Pessoalmente Médico Cardiologista Avaliação e Medicação do Paciente Pessoalmente Médico Cardiologista Solicitar exames laboratoriais (CPK, CKMB MASSA e TROPONINA) Sistema de Informação da APC Sinais clínicos associados: Vômito, falta de ar, palidez e sudorese. Paciente não incluso no Protocolo de Dor Torácica Familiar ou acompanhante deverá ser encaminhado à recepção para abertura do registro de atendimento. Médico Cardiologista ECG Normal ou Inespecífico? NÃO ECG Infra ST ou T Invertida? NÃO ECG BRE? NÃO ECG Supra ST? Analisar ECG SIM SIM SIM Médico Cardiologista Pessoalmente Dor A ou B? SIM Dor de IAM? (A ou B) SIM Paciente em ROTA 1 NÃO SIM Dor D? NÃO Dor C? SIM NÃO Pessoalmente Médico Cardiologista SIM Médico Cardiologista SIM Médico Cardiologista Médico Cardiologista Paciente em ROTA 2 Médico Cardiologista Acionar Hemodinâmica Paciente em ROTA 5 Paciente em ROTA 4 Paciente em ROTA 3 Pessoalmente Via Telefone Pessoalmente Pessoalmente Pessoalmente Médico Cardiologista Suspeita de Doença Torácica Vascular Aguda Unidade Coronariana, ECO, Raio X Tórax, Tomo / ETE. Pessoalmente Médico Cardiologista Protocolo de UDT 6h - MNM seriado: 0-6h - ECG seriado: 0-6h Pessoalmente Médico Cardiologista Médico Cardiologista Protocolo de UDT 9h - MNM seriado: 0, 3, 9h - ECG seriado: 0, 3, 9h ECOCARDIO Pessoalmente Hemodinâmica Realizar procedimento Pessoalmente Médico Cardiologista Exames positivos? Exames Positivos? NÃO Realizar Prova Funcional (Ergometria) Resultado Positivo? SIM Encaminhar paciente para UTI Pessoalmente SIM NÃO Pessoalmente SIM Internar Paciente SIM Necessita de Internação? NÃO NÃO Paciente de Alta Hospitalar 24 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

25 16.11 Definição de rotas em Hospitais com Serviço de UDT e Hemodinâmica A realização do ECG definirá: Rota 1 - quando supradesnível do segmento ST ou BRE novo ou supostamente novo: - Acionamento imediato do Setor de Hemodinâmica; - Medicar, coletar exames, monitor e O 2. Rota 2, 3, 4 ou 5 - paciente permanecerá na UDT para realização de ECG e MNM seriados: - Medicado conforme critério médico; - Sempre que coletar laboratório repetir ECG. Rota 1 - hemodinâmica para CAT de emergência; Rota 2 - após seriar ECG e MNM o paciente será encaminhado para UTI ou Teste Ergométrico TE; Rota 3 - após duas (2) amostras de ECG e MNM, o paciente é encaminhado para TE; Rota 4 - paciente com doença cardiovascular grave sem IAM (TEP, Dissecção Ao, Pericardite). Paciente precisará de Rx de Tórax, Ecocardio e TC de Tórax; Rota 5 - dor torácica definitivamente não anginosa. O paciente pode ir de alta com agendamento de consulta cardiológica no consultório/ambulatório para seguimento. 25 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

26 17. ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO Tipos de estratificação de risco RISCO ALTO RISCO INTERMEDIÁRIO RISCO BAIXO Deve estar presente pelo menos um dos seguintes achados: Dor em repouso prolongada (> 20 minutos) e continua Edema pulmonar Angina associada à sopro de insuficiência mitral Angina com 3a bulha à ausculta cardíaca ou estertores Angina com hipertensão Angina em repouso com alterações dinâmicas de ST (> 1mm) ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO NA ANGINA INSTÁVEL Nenhum achado de alto risco, mas deve ter qualquer um dos seguintes: Angina em repouso ausente no momento da avaliação, mas sem baixa probabilidade de DAC Angina de repouso (>20 minutos ou melhorada com repouso ou nitroglicerina) Angina noturno Angina de início recente grau III ou IV (CCS) nas últimas duas semanas passadas, mas com baixa probabilidade de DAC Ondas Q ou depressão de ST 1mm em várias derivações Idade > 65 anos Angina com alterações dinâmicas da onda T DAC - doença arterial coronária; CCS - Canadian Cardiovascular Society. 18. HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES DO DOCUMENTO Nenhum achado de risco alto ou intermediário, mas deve ter qualquer um dos seguintes: Angina aumentada em frequência, gravidade ou duração Angina desencadeada com limiar baixo de esforço Angina de início recente no intervalo de 2 semanas a 2 meses Eletrocardiograma normal ou não alterado HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES DESCRIÇÃO (item alterado) Emissão do documento 26 Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Data: Data: Data:

27 Jordânia Amman, Madaba, Monte Nebo, Kerak, Petra, Wadi Rum, Aqaba Emirados Árabes: Dubai, Abu Dhabi PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO COM DOR TORÁCICA Curso de Especialização em Gestão Hospitalar para o HOSPSUS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST

CHECKLIST PROTOCOLO GERENCIADO IAM COM SUPRA ST Nome do paciente: Atendimento: Idade: Sexo: ( ) M ( ) F Peso: Altura: Chegada ao hospital: / / Hora: ALERGIAS: Início da dor anginosa Data: Hora: Marcar o que se aplica: ESCORE TIMI PARA IAM COM SST HISTÓRIA

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra)

Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra) Protocolo para Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Coronariana sem Supradesnível do Segmento ST (SCA sem Supra) INTRODUÇÃO A SBC estima que ocorram cerca de 350.000 infartos por ano no Brasil, levando

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. IAM sem supra de ST / Angina Instável. É definida pela duração e intensidade da angina. Pode se apresentar de 3 formas:

PROTOCOLO CLÍNICO. IAM sem supra de ST / Angina Instável. É definida pela duração e intensidade da angina. Pode se apresentar de 3 formas: Código: PC.TINT.019 Data: 03/03/2011 Versão: 2 Página: 1 de 6 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: Definição de Angina Instável: É definida pela duração e intensidade da angina. Pode se apresentar de 3 formas: 1-

Leia mais

Angina Instável-IAM sem supra de ST

Angina Instável-IAM sem supra de ST Angina Instável-IAM sem supra de ST Dor precordial típica com quadro clínico compatível com SCA Faça ECG 1 com 12 derivações em até 10 min da admissão na Sala de Emergência Colha enzimas cardíacas e serie

Leia mais

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs

2000 Nacional Heart Attack Alert Program: diretrizes para protocolos e programas de UDTs Introdução 1981 Hospital St. Agnes, Baltimore (EUA) Dr. Raymond Bahr Estratégias para maior especificidade, sensibilidade e acurácia no diagnóstico de dor torácica 2000 Nacional Heart Attack Alert Program:

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12

Código: PC.PA.004 Data: 08/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 12 Versão: 1 Página: 1 de 12 INTRODUÇÃO A dor torácica é um dos problemas mais comuns na clínica médica, e uma das causas mais prevalentes de internação. Ocorrem 3 a 6 milhões de atendimentos por ano por

Leia mais

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Davi Melo Objetivos da Aula Síndrome Coronariana Aguda O que é? Definir SCA Distinguir os diferentes tipos de SCA s Saber

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA

SÍNDROME CORONARIANA AGUDA Comissão de Controle de Qualidade - Setor de Terapia Intensiva Disciplina de Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva SÍNDROME CORONARIANA AGUDA 1. IMPORTÂNCIA DO PROTOCOLO Segundo o National

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

PROTOCOLO DE DOR TORÁCICA 2010

PROTOCOLO DE DOR TORÁCICA 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UTI CARDIOLÓGICA HOSPITAL DE CLÍNICAS PROTOCOLO DE DOR TORÁCICA 2010 INTRODUÇÃO A dor torácica é um dos problemas

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Angina. Prof. Claudia Witzel

Angina. Prof. Claudia Witzel Angina Angina Angina de peito ou angor pectoris é uma dor no peito devida ao baixo abastecimento de oxigênio ao músculo cardíaco; São devidas a aterosclerose nas artérias cardíacas (coronárias). O termo

Leia mais

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012)

Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Síndrome coronária aguda Resumo de diretriz NHG M80 (dezembro 2012) Frans Rutten, Carel Bakx, Madeleine Bruins Slot, Bernadette van Casteren, Con Derks, Ravee Rambharose, Jako Burgers, Tjerk Wiersma, Paul

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Infarto Agudo do Miocárdio com Supra de ST

Infarto Agudo do Miocárdio com Supra de ST Infarto Agudo do Miocárdio com Supra de ST Historia clinica e EF direcionado: tipo, Duração, irradiação da dor, fatores de risco associados ; Avalie sinais vitais: sat O2; Obtenha acesso venoso; inicie

Leia mais

Síndromes Coronarianas Agudas ACLS. Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável

Síndromes Coronarianas Agudas ACLS. Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável Síndromes Coronarianas Agudas ACLS Infarto Com Supradesnivelamento de ST Infarto Sem Supradesnivelamento de ST Angina Instável Fisiopatologia Processo complexo Em 97% dos pacientes a placa obstrui

Leia mais

Protocolos. Fluxo Admissão na UDT. UDT / UTI Cardiológica Dor Torácica / Dor Torácica nas Alas / Rotas da UDT (CID: R074) PTL.005.

Protocolos. Fluxo Admissão na UDT. UDT / UTI Cardiológica Dor Torácica / Dor Torácica nas Alas / Rotas da UDT (CID: R074) PTL.005. Fluxo Admissão na UDT EFERM AGEM PROTO OCORRO M ÉDICO UDT Ínicio Admitir paciente Q u e tio n a r: *Dor no peito com início súbito; *Doença cardíaca prévia; *História de hipertensão; *História de cateterism

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C.

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale Paraíba/Faculdade de

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST 1 Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL ANGINA ESTÁVEL ABDOL HAKIM ASSEF Maringá - Paraná ANGINA ESTÁVEL DEFINIÇÃO Síndrome clínica caracterizada por dor ou desconforto em tórax, epigástrio,

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS

PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS PROTOCOLO CLÍNICO SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS Elaborado a partir das diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia e das sociedades internacionais e baseado no Protocolo Clínico Síndrome Coronariana

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 Cardiologia SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

Como Proceder na Sala de Emergência com um Paciente Estável Hemodinamicamente e com Dor Torácica? Liga de Ciências Cardiovasculares UFF

Como Proceder na Sala de Emergência com um Paciente Estável Hemodinamicamente e com Dor Torácica? Liga de Ciências Cardiovasculares UFF Como Proceder na Sala de Emergência com um Paciente Estável Hemodinamicamente e com Dor Torácica? Liga de Ciências Cardiovasculares UFF 1 Como Proceder na Sala de Emergência com um Paciente Estável Hemodinamicamente

Leia mais

Síndrome Coronária. Introdução Etiologia Fisiopatologia Quadro Clínico Avaliação Complementar

Síndrome Coronária. Introdução Etiologia Fisiopatologia Quadro Clínico Avaliação Complementar Introdução Etiologia Fisiopatologia Quadro Clínico Avaliação Complementar Relevância epidemiológica A despeito dos importantes avanços conquistados a doença arterial coronária mantém-se ainda no século

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda

Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda PESQUISA Estudo sobre o perfil dos pacientes portadores de Síndrome Coronariana Aguda Grace Kelly Viudes Torres Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso de Graduação

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO (Multiprofissional) PROTOCOLO COM PLANO TERAPÊUTICO DE IAM COM SUPRA DE ST

PROTOCOLO CLÍNICO (Multiprofissional) PROTOCOLO COM PLANO TERAPÊUTICO DE IAM COM SUPRA DE ST Código: PC.TINT.018 Data: 03/03/2011 Versão: 3 Página: 1 de 28 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: I. Este protocolo envolve: Infarto Agudo do Miocárdio COM SUPRA DE ST II. Tempo de Permanência hospitalar previsto:

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO INICIAL NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO INICIAL NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIDADE CORONARIANA PROTOCOLO DE ATENDIMENTO INICIAL NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNÍVEL DO SEGMENTO ST ATUALIZAÇÃO EM MARÇO DE 2006

Leia mais

NA DOENÇA CORONÁRIA ESTÁVEL

NA DOENÇA CORONÁRIA ESTÁVEL NOCs vs GUIDELINES: Com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Cátia Costa Para escolher é preciso perceber as diferenças... 1) No que consistem e quem as concebe? 2) A quem se dirige? 3) Existem diferenças

Leia mais

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO

ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Cristina Gavina* Teresa Pinho** IV. TRATAMENTO DO ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO Como já foi referido, o enfarte miocárdico ocorre quando uma artéria coronária fica ocluída, geralmente

Leia mais

CONDUTAS DE URGÊNCIA NAS SÍNDROMES ISQUÊMICAS MIOCÁRDICAS INSTÁVEIS

CONDUTAS DE URGÊNCIA NAS SÍNDROMES ISQUÊMICAS MIOCÁRDICAS INSTÁVEIS Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS CARDIOLÓGICAS 36: 187-199, abr./dez. 2003 Capítulo V CONDUTAS DE URGÊNCIA NAS SÍNDROMES ISQUÊMICAS MIOCÁRDICAS INSTÁVEIS ACUTE CORONARY SYNDROMES

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para Uso de Trombolíticos no Infarto do Miocárdio com Elevação do Segmento ST Atualização

Leia mais

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012

American Heart Association. Suporte Avançado de Vida Cardiovascular. Autoavaliação escrita Pré-Curso. 7 de março de 2012 A C E American Heart Association Suporte Avançado de Vida Cardiovascular Autoavaliação escrita Pré-Curso 7 de março de 2012 2012 American Heart Association Autoavaliação Pré-curso Escrito de SAVC 2012

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Dissertação A INFLUÊNCIA DO GÊNERO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME CORONARIANA AGUDA. Juliano Guzzo Zechin

Dissertação A INFLUÊNCIA DO GÊNERO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME CORONARIANA AGUDA. Juliano Guzzo Zechin Dissertação A INFLUÊNCIA DO GÊNERO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME CORONARIANA AGUDA Juliano Guzzo Zechin INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica

Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Curso de Eletrocardiografia Rogério Braga Andalaft Seção Médica de Eletrofisiologia Clínica e Arritmias Cardíacas Isquemia Lesão e Necrose Miocárdica Aula disponível

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP EDITAL/ REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO MÉDICO EM CARDIOLOGIA CLÍNICA 1. CORPO CLÍNICO. A disciplina de Cardiologia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Emergências Cardiovasculares. Ana Carla Farias Pimentel Luana Fávaro Holanda

Emergências Cardiovasculares. Ana Carla Farias Pimentel Luana Fávaro Holanda Emergências Cardiovasculares Ana Carla Farias Pimentel Luana Fávaro Holanda Angina Pectoris É uma das manifestações clínicas da cardiopatia isquêmica. As alterações coronarianas (angina, IAM, ICC) constituem

Leia mais

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório

Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM Assistência a clientes com comprometimento cardiocirculatório Nélia Luciana Pires Plano de intervenções

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

Sociedade Brasileira de Cardiologia I Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência

Sociedade Brasileira de Cardiologia I Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência Sociedade Brasileira de Cardiologia I Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência 1 Editores Roberto Bassan (RJ) Lúcia Pimenta (RJ) Paulo Ernesto Leães (RS) Ari Timerman (SP) Membros André Volschan

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM)

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) - Diagnóstico de IAM com supra de ST: ATC PRIMÁRIA: IAM com supradesnivelamento do segmento ST ou BRE novo > 12 horas do início dos sintomas isquêmicos ou > 12 horas se

Leia mais

Assistência de enfermagem na trombólise coronariana

Assistência de enfermagem na trombólise coronariana Assistência de enfermagem na trombólise coronariana Elane Guedes Paranzini Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maísa F. Namba Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO O infarto

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 QUESTÃO 26 Em relação à hipertensão do avental branco, marque a afirmativa INCORRETA: a) Normalmente, ocorre em pacientes do sexo feminino e em jovens. b) Apresenta risco cardiovascular

Leia mais

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS?

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? Prof. Dr. Flávio Tarasoutchi Unidade de Valvopatias Instituto do Coração (InCor) - Hospital das Clínicas Universidade de São Paulo

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 02 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E ROTINAS PARA TRANSPORTE DE PACIENTES DE ALTO

Leia mais

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Doença Aterosclerótica Coronariana e o Emprego Racional de Endopróteses Procedimento Operacional Padrão Dr. Marco Antonio de Mattos Hospital UNIMED-RIO-

Leia mais

Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA

Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA Experiência: COMO UM PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PODE QUALIFICAR O ENCAMINHAMENTO DOS PACIENTES NA EMERGÊNCIA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Sistema AngelMed Guardian para o Monitoramento Ambulatorial de Isquemia do Miocárdio

Sistema AngelMed Guardian para o Monitoramento Ambulatorial de Isquemia do Miocárdio Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde Sistema AngelMed Guardian para o Monitoramento Ambulatorial de

Leia mais