PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO"

Transcrição

1 ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: PREFEITUR MUNICIPL DE CURITIB/ SECRETRI MUNICIPL D SÚDE/ FUNDO MUNICIPL DE SÚDE CNPJ: / Dirigente: Eliane Regina Chomatas Profissão: médica pediatra RG: CPF: Endereço: Rua: Rua Francisco Torres Nº: 80 9º andar Bairro: centro Cidade: Curitiba - PR CEP: Tel.: / Fax: ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DS ÇÕES EM HIV/IDS E OUTRS DST Coordenador ou Técnico Responsável: Claudia Regina Novloski Endereço: Rua: Rua Francisco Torres Nº: 80 9º andar Bairro:centro Cidade: Curitiba - PR CEP: Tel.: / Fax: SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: de 22

2 NÁLISE DE SITUÇÃO E DE RESPOST BLNÇO D EXECUÇÃO DS METS D RESPECTIV ÁRE DE TUÇÃO DO PM DE 200 PONTNDO RESULTDOS OBTIDOS NÁLISE D RESPOST LOCL S DST/HIV/ids continuidade das ações de informação para a população em geral e populações mais vulneráveis foram ações amplamente promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde. rede municipal de saúde atuando junto à população, realiza ações que promovem maior conhecimento sobre as DST/HIV/ids, através de profissionais das Unidades de Saúde e gentes comunitários de saúde. comunidade recebe informações referentes à prevenção e promoção da saúde dentro da sua área de sobrevivência. s populações consideradas vulneráveis recebem atenção específica através das ações das Organizações Não Governamentais que realizam abordagens de seus pares, em ambientes comumente freqüentado por estas populações. s Organizações Governamentais e empresas também mantém parceria nos eventos e SIPTs que realizam, sendo parceiras na sensibilização de trabalhadores, estudantes e população em geral. O principal objetivo é a sensibilização da população quanto às formas de transmissão e a prevenção através do uso do preservativo. O estímulo e incentivo à capacitação de profissionais de saúde e de ONGs em congressos, seminários e cursos, além de apoio a eventos que promovem ações que abrangem a população em geral, são uma das ferramentas que o Programa de DST e ids tem realizado, com objetivo de ampliar os conhecimentos dos técnicos e profissionais que atuam no enfrentamento da epidemia. ções de prevenção e promoção à saúde, agregados à informação sobre temas relacionados ao HIV/ids, tem como um dos objetivos diminuir a discriminação e o preconceito em relação ao portador do HIV/ids e apoiar eventos de direito à cidadania. O Programa Saúde e Prevenção nas Escolas, que conta com 64 escolas participantes, tem o objetivo de diminuir as DST/HIV/ids e gravidez precoce. O Programa do dolescente conta com o ônibus do dolescente Saudável que é um dos equipamentos mais solicitados pelas escolas e ONGs para a realização de atividades de prevenção. Consideramos estas ações positivas, pois fomentamos o Protagonismo Juvenil nas escolas e na comunidade, além da parceria entre as Secretarias de Saúde e Educação. O VII Seminário sobre dolescência e Sexualidade nas Escolas que foi realizado em maio de 200 e o VI Encontro de Protagonismo Juvenil com o tema Prevenção das DST e Tabagismo que será realizado em 05//200, são eventos que promovem a capacitação de professores e profissionais da saúde nos temas transversais dentro das escolas e o encontro traz o jovem para discussão nas questões de saúde e cidadania que giram em torno desta fase da vida. O incentivo à população para a realização do teste HIV para o diagnóstico precoce e o respectivo tratamento foi sempre divulgado à população cujo principal objetivo é a melhoria na qualidade de vida do portador. realização do teste em todas as Unidades de Saúde de Curitiba facilita o acesso ao exame próximo à residência da população e a realização do teste rápido no CO disponibiliza o exame para os curitibanos e pessoas de outros municípios. O atendimento assistencial aos portadores do HIV são realizados nas Unidades de Saúde da tenção Básica e as Unidades de Referência em HIV/ids oferecem o atendimento de 9 médicos de referência em HIV/ids para a rede municipal de saúde. O incentivo a formação aos grupos de adesão ocorrem, houve a implantação do grupo de adesão no CO. O exame de Genotipagem implantada no Laboratório Municipal de Curitiba, tem proporcionado maior agilidade nos resultados, possibilitando a indicação de melhor terapia ao portador, contribuindo para melhoria na qualidade de vida das pessoas vivendo com ids do Paraná, pois o Laboratório Municipal de Curitiba é referência para o estado. Índices menores de transmissão vertical do HIV e Sífilis são metas sempre almejadas e todo esforço é realizado pelos profissionais da rede municipal de saúde através do Programa Mãe Curitibana que realiza a atenção às gestantes e aos recém-nascidos, proporcionando o acesso ao pré-natal, diagnóstico, tratamento e assistência em relação ao HIV/ids e Sífilis. Foi implantado o teste rápido para o HIV em todas as maternidades de Curitiba, procurando abranger a totalidade de gestantes do município e região metropolitana que fazem o seu parto nos hospitais de Curitiba fornecendo a profilaxia durante o parto. Capacitações técnicas para enfermeiros sobre DST e HIV/ids, treinamento sobre Protocolo de tendimento Inicial ao Portador do HIV nas Unidades de Saúde para médicos e generalistas e capacitações para gentes Comunitários de Saúde foram realizadas, procurando atualizar e qualificar os profissionais de saúde da rede municipal de saúde. Também foram treinados profissionais infectologistas em relação ao atualização sobre o consenso do TRV, genotipagem adulto e crianças em parceria com a partamento Nacional de DST/HIV/ids. Em relação ao desenvolvimento institucional e de gestão, a Coordenação Municipal de DST e ids através da parceria com a Comissão Municipal de DST e ids tem realizado o controle social, realizando atividades que contemplam toda a população curitibana. parceria com o controle social fortalece a tomada de decisões em relação à programação das atividades e mantém o respaldo e apoio para a continuidade dos mesmos. Os sistemas de acompanhamento da evolução do HIV e ids estão implantados através do Centro de Epidemiologia, sempre em busca do aprimoramento da coleta dos dados para uma avaliação das tendências do perfil de HIV/aids do município. s parcerias com as OSC foram feitas de forma pontual, com o apoio a projetos e eventos de prevenção das DST/HIV/aids que acessam as populações mais vulneráveis, além da capacitação dos profissionais das ONGs em seminários, encontros e cursos. TEMS PRIORITÁRIOS QUE IRÃO PUTR CONSTRUÇÃO DS METS PR CD ÁRE DE TUÇÃO EM 20 PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E PROTEÇÃO O índice de prevalência dos casos de ids que está em torno de 00 casos novos por ano, indica a necessidade da continuidade das ações de informação e prevenção, voltados ao combate do HIV/ids. través da informação com atividades de promoção/prevenção contínua para a população em geral e populações mais vulneráveis serão as ações contempladas neste PM. feminilização da epidemia também inclui ampliar ações de prevenção para esta população, incluindo todas as faixas etárias, desde adolescentes até a ª idade, promovendo o acesso à informação SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 2 de 22

3 e uso do insumo de prevenção. poiar e incentivar as atividades das ONGs que acessam todas as categorias com maior vulnerabilidade. manutenção da disponibilização de preservativos e o incentivo ao uso deste insumo pela população são ações que permanecerão nas atividades do município. poio a eventos realizados pelas ONGs, OGs, empresas e outros, que visem levar maior informação à população, seja sobre prevenção, promoção da saúde, assistência e direitos humanos. poio aos planos de enfrentamento da feminização da epidemia de ids e outras DST, dando atenção a todos os grupos: prostitutas, mulheres vivendo com HIV/ids, mulheres que vivenciam a transexualidade, lésbicas e também ao plano de enfrentamento da epidemia de ids e outras DST entre gays e outros HSH e travestis. poio também as ações para a população vivendo com HIV/ids e à Prevenção Posithiva. Promover a intersetoriedade com a tenção Básica, Promoção à Saúde, Saúde da Mulher e demais programas na elaboração de ações. No âmbito do Programa Saúde e Prevenção nas Escolas apoiar a formação continuada aos profissionais de saúde, da educação e jovens, fotalecendo estratégias ao acesso aos preservativos e também ao diagnóstico do HIV. DIGNÓSTICO, TRTMENTO E SSISTÊNCI O incentivo e o acesso descentralizado do diagnóstico ao HIV e DSTs devem ser mantidos, procurando orientara população quanto à importância da realização do teste. O programa assistencial aos portadores e pessoas vivendo com aids serão mantidas e sendo aprimoradas para levar maior qualidade de assistência à esta população, incrementando ações nos setores de acolhimento, atendimento, diagnóstico, laboratório e grupos de adesão. Incentivar as PVH na participação dos programas de NPS. Treinamentos em DST e HIV/ids para profissionais de saúde da rede municipal de saúde e de OSCs, com objetivo de aprimorar os conhecimentos sobre a infecção. Incentivar a implementação da estratégia abordagem sindrômica na atenção às pessoas acometidas por DST. Manutenção do Programa Mãe Curitibana para diminuir os índices de transmissão vertical do HIV e da Sífilis, com apoio a treinamentos dos profissionais que realizam este atendimento. Maior monitoramento em torno das gestantes infectadas para a prevenção da transmissão vertical, envolvendo a disponibilização de insumos para o diagnóstico e tratamento da infecção pelo HIV e da sífilis em gestantes e seus parceiros e recém-nascidos. poiar a efetiviação dos planos de enfrentamento da transmissão vertical do HIV e sífilis em Curitiba. Incrementar o atendimento das Unidades de saúde que atendem portadores e pessoas vivendo com HIV/ids, com apoio à formação e manutenção dos grupos de adesão e incentivo a formação de serviços de atendimento à lipoatrofia. poiar a formação de redes de apoio para a promoção e acompanhamento da adesão junto aos usuários, entre Unidades Dispensadoras de Medicamentos e as Organizações da Sociedade Civil. Implementar ações que visem o acompanhamento e tratamento das co-infecções, tuberculose e hepatites virais. GESTÃO E DESENVOLVIMENTO HUMNO E INSTITUCIONL Reforçar parcerias com outras instituições para troca de experiências e fomentar a inclusão de novos projetos que visem a melhoria na assistência e qualidade de vida da população curitibana. poio aos projetos de ONGids, para o fortalecimento de ações de parceria para o enfrentamento da epidemia e apoio a eventos relacionados aos Direitos Humanos e Cidadania, considerar as estratégias de disseminação do conhecimento e informações para a sociedade civil, visando o controle social e participativo. Manter o sistema de vigilância epidemiológica para as DST e HIV/ids com aprimoramento de coleta de dados, através de treinamentos para sensibilização de profissionais responsáveis pelo preenchimento e acompanhamento do sistema. poiar o desenvolvimento da capacidade da utilização dos principais sistemas de informação que contribuem para o conhecimento do perfil e tendências e na orientação das execução das ações. Implantar e implementar o Plano de Enfrentamento da Epidemia de ids e outras DST entre Gays, HSH e Travestis e o Plano de Enfrentamento da Feminilização da ids e outras DST. poiar ações de projetos que objetivem melhoria na capacidade de resposta à epidemia pelas OSC, bem como o controle social e sustentabilidade das organizações da sociedade civil. NEXO(S) D NÁLISE DE SITUÇÃO E DE RESPOST perfil epidemiológico de Curitiba - 20.doc SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: de 22

4 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de práticas sexuais seguras e redução de danos no uso de álcool e outras drogas scrição da Meta: Em 20, ter realizado em parceria com a Comissão Municipal de DST e HIV/ids, 0 eventos em data comemorativa para informar a população em geral, em Curitiba sobre os riscos de infecção pelas DST e HIV/IDS e hepatites virais Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: RELIZR EVENTO EM DT COMEMORTIV PR INFORMR SOBRE RISCOS DE INFECÇÃO PELS DST/HIV e hepatite Quanto:,00 eventos Para Quem: POPULÇÃO EM GERL Onde: MUNICÍPIO DE CURITIB Fonte para verificação do alcance da meta: T D COMISSÃO DST/IDS, FOTOS, IMPRESSOS Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$:.700,00 realização de campanhas de prevenção em datas comemorativas Participação em eventos realizados por outras organizações, bem como outras comissões do Conselho Municipal de Saúde Realização de reuniões mensais da Comissão Municipal de DST/HIV/ids Realização de ações de conscientização e informação sobre DST/HIV/ids em outras comissões do Conselho Municipal de Saúde Próprio plicação 2 Próprios R$28.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$28.000,00 R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.500,00 R$700,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$700,00 R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.500,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 4 de 22

5 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de práticas sexuais seguras e redução de danos no uso de álcool e outras drogas scrição da Meta: Em 20, ter realizado 0 evento para profissionais de Saúde e Educação da cidade de Curitiba sobre o tema dolescência e Sexualidade nas Escolas Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: Realizar evento para profissionais da saúde e educação sobre adolescência e sexualidade nas escolas Quanto:,00 evento Para Quem: JOVENS Onde: município de Curitiba Fonte para verificação do alcance da meta: CONVITES, IMPRESSOS, LIST DE PRESENÇ Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 78.68,85 Realização de Seminário sobre "adolescencia e sexualidade nas escolas e apoio a treinamentos e cursos Realização de evento informativos em DST/HIV/ids e hepatites virais com adolescentes e jovens do Município de Curitiba e produção de material educativo Implementação do Programa dolescente Saudável nas Unidades de Saúde de Curitiba poiar eventos relacionados à redução da discriminação, estigma e preconceito em relação às pessoas vivendo com HIV/ids e hepatites virais e identidade de gênero Realizar ações de apoio a eventos relacionados à exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes e suas respectivas famílias, bem como a prevenção das DST/HIV/ids e hepatites virais Próprio plicação 2 Próprios R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.500,00 R$.68,85 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.68,85 R$2.700,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$2.700,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 5 de 22

6 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de práticas sexuais seguras e redução de danos no uso de álcool e outras drogas scrição da Meta: Em 20, apoiar 8 eventos informativos em DST e HIV /ids, de OSC que trabalham com as populações vulneráveis de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: poiar atividades continuadas de OSC Quanto: 8,00 OSC Para Quem: POPULÇÕES VULNERÁVEIS E PORTDORES DE DST/HI/IDS Fonte para verificação do alcance da meta: Cópia de projetos, convites dos eventos, relatórios Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: ,00 poio a iniciativas de OSC destinadas à promoção da cidadania de populações vulneráveis, com enfoque na prevenção das DST/HIV/ids Próprio plicação 2 Próprios R$26.650,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$26.650,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 6 de 22

7 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de práticas sexuais seguras e redução de danos no uso de álcool e outras drogas scrição da Meta: Em 20, manter em 00% a disponibilização de preservativos para população em geral pelas Unidades de Saúde e outros serviços e para populações vulneráveis pelas ONGs do município de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: Manter a disponibilização de preservativos Quanto: 00,00 porcento Valor de Base:..956 no: 2009 Fonte: Relatório de Preservativos Não aplicável ( ) Para Quem: População em geral e populações vulneráveis Fonte para verificação do alcance da meta: Relatório de preservativos Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 09.00,00 Veiculação de campanhas de incentivo ao uso do preservatio nos meios de comunicação de massa Implementação de atividades educativas realizadas pelas Unidades de Saúde e ONG/ids em relação ao uso correto do preservativo quisição e disponibilização de preservativos masculinos, femininos para os serviços de saúde e ONG/ids Realização de treinamento em prevenção primária e secundária de DST e HIV/ids e hepatites virais para gentes Comunítários de Saúde (CS), profissionais de saúde da SMS e participação em cursos sobre DST/HIV/ids e hepatites virais Manutenção de Logística de preservativos e outros insumos de prevenão da rede municipal de Curitiba Realização e apoio de atividades de informação sobre prevenção primária e secundária em DST/HIV/ids e hepatites virais para ª idade Próprio plicação 2 Próprios R$20.800,00 R$0,00 R$76.000,00 R$0,00 R$0,00 R$96.800,00 R$25.700,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$25.700,00 R$0,00 R$65.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$65.000,00 R$5.50,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.50,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$6.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$6.000,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 7 de 22

8 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de práticas sexuais seguras e redução de danos no uso de álcool e outras drogas scrição da Meta: Em 20, apoiar 5 atividades continuadas de OSC que atuam em Curitiba, para populações vulneráveis de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: poiar atividades continuadas de OSC Quanto: 5,00 OSC Para Quem: POPULÇÕES VULNERÁVEIS E PORTDORES DE DST/HI/IDS Fonte para verificação do alcance da meta: Cópia de projetos, convites dos eventos, relatórios Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 7.000,00 poio a projetos desenvolvidos por ONGs e redes do municipio de Curitiba, condicionado ao planejamento, existencia de recursos, fonte e diretrizes da SMS poio a realização de eventos de intercambio da sociedade civil organizada, as empresas e o governo, no que diz respeito as DST/HIV/ids e hepatites virais Próprio plicação 2 Próprios R$5.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.500,00 R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.500,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 8 de 22

9 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: tenção às pessoas vivendo com DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, ter no mínimo 80% das Unidades de Saúde do município de Curitiba sensibilizando os usuários do serviço contra o preconceito e a discriminação contra o portador do HIV Prioridade relacionada à meta: 4. Controle Social e Promoção da Cidadania O que: Realizar sensibilização contra o preconceito e a discriminação contra o portador do HIV Quanto: 80,00 porcento das unidades de saude Para Quem: População vivendo com HIV/IDS Fonte para verificação do alcance da meta: ata reuniões, material impresso, programação de cursos, lista frequencia Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: ,00 Implementar a reprodução e divulgação do material informativa contra o preconceito e estigma em relação às pessoas vivendo com HIV/ids e identidade de gênero, promovendo a divulgação da normativa ministerial, para uso em Unidaes de saúde, grupos de adesão e outros locais poio a cursos para profissionais de saúde, representantes de ONG e profissionais de educação dos serviços públicos do município de Curitiba para sensibilização em relação às pessoas vivendo com HIV/ids poio a treinamentos relacionados às Hepatites, tuberculose, DST e HIV/ids para profissionais de saúde e ONGs de Curitiba Próprio plicação 2 Próprios R$0.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00 R$0.00,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.00,00 R$8.600,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$8.600,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 9 de 22

10 Área de tuação: Promoção, Prevenção e Proteção Área Temática: Promoção de Direitos Humanos, dvocacy e Controle Social scrição da Meta: Em 20, ter 05 OSC de Curitiba que trabalham com populações vulneráveis informando sua população - alvo sobre direitos à Saúde e direitos humanos Prioridade relacionada à meta: 4. Controle Social e Promoção da Cidadania O que: Realizar informação sobre direitos à saúde e direitos humanos Quanto: 5,00 OSC Para Quem: POPULÇÕES VULNERÁVEIS Fonte para verificação do alcance da meta: IMPRESSOS, RELTÓRIO DE PLESTRS, EVENTOS Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 2.000,00 Próprio plicação 2 Próprios Confecção e distribuição de material informativo R$8.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$8.000,00 poio a eventos sobre direitos à saúde e à assistencia e direitos humanos Implantar e implementar o Plano de Enfrentamento da Epidemia de ids e outras DST entre Gays e Travestis e o Plano de Endfrentamento da Faminização das ids e outras DST R$8.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$8.000,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 0 de 22

11 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: Redução da transmissão vertical do HIV e da Sífilis scrição da Meta: Em 20, ter no mínimo 90% das gestantes do Programa Mãe Curitibana, do município de Curitiba, com exame anti-hiv realizado durante o pré-natal, de acordo com o Protocolo do Programa Mãe Curitibana Prioridade relacionada à meta: 2. Redução da Transmissão Vertical para HIV e Sífilis O que: Ter exame anti-hiv realizado durante o pré-natal Quanto: 90,00 porcento Para Quem: gestantes e recem natos Fonte para verificação do alcance da meta: Relatório do Programa Mãe Curitibana Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 2.46,00 Próprio plicação 2 Próprios tualização do Protocolo Mãe Curitibana e sua reprodução R$25.000,00 R$0,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00 Realização de treinamento para os profissionais que atendem R$.875,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.875,00 ao Programa Saúde da Mulher quisição de insumos de coleta, armazenamento de amostras R$50.448,00 R$0,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$55.448,00 e equipamentos de laboratorio para realização de teste anti-hiv para as gestantes inscritas no Programa Mãe Curitibana à realização do teste rápido para HIV nas R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 maternidades do Programa Mãe Curitibana e outras maternidades quisição de insumos para prevenção da transmissão vertical R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 companhamento e tratamento da gestante HIV+ de acordo com protocolo do Programa Mãe Curitibana Implantar e implementar o plano de enfrentamento da transmissão vertical do HIV e sífilis R$9.02,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$9.02,00 R$5.000,00 R$0,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: de 22

12 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: tenção às pessoas vivendo com DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, realizar 02 treinamento para profissionais de saúde de Curitiba, sobre o uso do Protocolo de tendimento Inicial ao Portador do HIV em Unidade Básica de Saúde Prioridade relacionada à meta:. Melhoria da qualidade da atenção à saúde das PVH e outras DST O que: Realizar treinamento para profissionais de saúde Quanto: 2,00 treinamento Para Quem: Pessoas portadoras de HIV/IDS e outras DST Fonte para verificação do alcance da meta: Convite, lista presença Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 47.82,50 Realização de treinamento para profissionais de saúde sobre Protocolo de tendimento Inicial ao Portador do HIV e destinação de vagas para representantes da Comissão Municipal de DST /HIV/ids de Curitiba, de acordo com a temática abordada Produção de Protocolo de tendimento Inicial ao Portador do HIV atualizado e material de informação Incentivar o funcionamento de grupos de adesão para pessoas vivendo e convivendo com HIV/ids, bem como familiares nas Unidades de Referência em HIV/ids e outros locais em Curitiba Dispor de espaço físico adequado e infra-estrutura em Unidades de Saúde e Unidades de Referencia para atendimento às PVH de Curitiba poiar a capacitação de profissionais de unidades de saúde de referência e apoio a serviços de lipoatrofia poiar atividades que visam o atendimento e acompanhamento de PVH de Curitiba Próprio plicação 2 Próprios R$0.2,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.2,00 R$.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.000,00 R$4.000,00 R$0,00 R$.000,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 R$40.000,00 R$0,00 R$0.000,00 R$0,00 R$0,00 R$50.000,00 R$2.50,50 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$2.50,50 R$2.00,00 R$0,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$6.00,00 poiar a assistência para tratamento das co-infecções R$.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.000,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 2 de 22

13 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: tenção às pessoas vivendo com DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, realizar 02 treinamento para profissionais de saúde de Curitiba, sobre o uso do Protocolo de tendimento Inicial ao Portador do HIV em Unidade Básica de Saúde Prioridade relacionada à meta:. Melhoria da qualidade da atenção à saúde das PVH e outras DST O que: Realizar treinamento para profissionais de saúde Quanto: 2,00 treinamento Para Quem: Pessoas portadoras de HIV/IDS e outras DST Fonte para verificação do alcance da meta: Convite, lista presença Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 47.82,50 Ofertar vacinas contra Hepatite B para populações mais vulneráveis em parceria com ONG Viabilização da participação de profissionais de Unidades de Referência em treinamentos sobre diagnóstico e manejo das co-infecções Disponibilização de insumos para o tratamento de co-infecções e efeitos colaterais Realização de treinamento para profissionais de saúde para que estejam cientes da ligação entre tuberculose e HIV e para que encaminhem para diagnóstico, com tratamento posterior, quando necessário quisição de insumos de coleta, armazenamento de amostras e equipamentos de laboratório para realização de CD4/CD8, carga viral e genotipagem Manutenção de logística de medicamentos em DST/HIV/ids e IO (infecção oportunista) de toda a rede municipal de saúde Próprio plicação 2 Próprios R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$4.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$4.500,00 R$0,00 R$26.688,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$26.688,00 R$.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.000,00 R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: de 22

14 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: tenção às pessoas vivendo com DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, ter no mínimo, 85% das gestantes do Programa Mãe Curitibana, no município de Curitiba, com exame VDRL realizado durante o pré-natal, de acordo com o Protocolo do Programa Mãe Curitibana Prioridade relacionada à meta: 2. Redução da Transmissão Vertical para HIV e Sífilis O que: Realizar exame VDRL em gestantes Quanto: 85,00 porcento Para Quem: Gestantes do programa mãe curitibana Fonte para verificação do alcance da meta: relatório da epidemiologia e do Programa Mãe Curitibana Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 5.000,00 quisição de insumos de coleta, armazenamento de amostras e equipamentos de laboratório para realização de teste VDRL para as gestantes inscritas no Programa Mãe Curitibana companhamento e tratamento da gestante com sífilis de acordo com Protocolo do Programa Mãe Curitibana Implantar e implementar o plano de enfrentamento da transmissão vertical do HIV e sífilis Próprio plicação 2 Próprios R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00 R$5.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.000,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 4 de 22

15 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: Diagnóstico e companhamento Laboratorial das DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, ter no mínimo 90% das Unidades de Saúde e CO (CT) da rede municipal de Saúde, realizando aconselhamento e testagem em sífilis no Município de Curitiba Prioridade relacionada à meta:. umento da cobertura do diagnóstico e tratamento do HIV e outras DST O que: ter aconselhamento e testagem em sífilis no CO e rede básica de saúde Quanto: 90,00 porcento Para Quem: População em geral Fonte para verificação do alcance da meta: Relatório do Laboratório Municipal Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: , Próprio plicação 2 Próprios Realização de treinamentos em aconselhamento em DST para R$4.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$4.000,00 profissionais de saúde tendimento em DST a adolescentes pelas Unidades Básicas R$2.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$2.000,00 de Saúde conforme o Protocolo de tenção à Saúde do dolescente Realização de diagnóstico e tratamento em DST aos usuários R$0.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00 que acessam as Unidades Básicas de Saúde de Curitiba quisição e disponibilização de medicamentos para DST R$0,00 R$82.68, R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$82.68, Realização de treinamento e participação de profissionais de R$6.800,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$6.800,00 saúde sobre diagnóstico e manejo de DST Fornecimento de material educativo R$7.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$7.000,00 Disponibilização de insumos ao Laboratório Municipal de Curitiba e locais de coleta para diagnóstico de DST e HIV/idse hepatites virais R$22.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$22.000,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 5 de 22

16 Área de tuação: Diagnóstico, Tratamento e ssistência Área Temática: Diagnóstico e companhamento Laboratorial das DST/HIV/IDS scrição da Meta: Em 20, realizar 98% dos exames anti-hiv(convencional) coletados nas unidades de saúde e processados no Laboratório Municipal de Curitiba, bem como os exames anti-hiv (teste rápido) realizados no CO de Curitiba Prioridade relacionada à meta:. umento da cobertura do diagnóstico e tratamento do HIV e outras DST O que: Ter exames anti-hiv coletados pelas US e processados no LMC e realização do teste rápido no CO Quanto: 98,00 porcento Para Quem: População em geral Fonte para verificação do alcance da meta: Relatório do Laboratório Municipal Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 85.09,00 quisição de insumos de coleta, armazenamento de amostras e equipamentos de laboratório e locais de coleta, tais como US Realização de aconselhamento para as pessoas que acessam os serviços de testagem anti-hiv nos CT e rede básica de saúde Realização de treinamentos em aconselhamento em HIV/ids para profissionais de saúde e representantes da Comissão Municipal de DST e ids de Curitiba poio a treinamento para profissionais da Odontologia sobre DST/HIV/ids e manutenção de parceria com o Programa Cárie Zero Próprio plicação 2 Próprios R$52.654,00 R$0,00 R$5.408,00 R$0,00 R$0,00 R$68.062,00 R$9.972,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$9.972,00 R$5.075,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$5.075,00 R$2.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$2.000,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 6 de 22

17 Área de tuação: Gestão e senvolvimento Humano e Institucional Área Temática: Vigilância Epidemiológica das DST/HIV/ids scrição da Meta: Em 20, atender 80% das solicitações dos setores nacionais e internacionais no campo da produção de conhecimentos em DST E HIV/ids e hepatites virais no município de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 5. umento da Capacidade Gerencial e Programática em DST/ids O que: tender solicitações dos setores nacionais e internacionais no campo da produção de conhecimentos em Quanto: 80,00 porcento Para Quem: População em geral Fonte para verificação do alcance da meta: Convites, impressos, freqüência de eventos, relatórios Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 4.800,00 poio em eventos para articular parcerias no enfrentamento das DST/HIV/ids e hepatites virais Participação de profissionais de saúde em eventos relacionados às DST e HIV/ids e hepatites virais Próprio plicação 2 Próprios R$.750,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.750,00 R$.050,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.050,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 7 de 22

18 Área de tuação: Gestão e senvolvimento Humano e Institucional Área Temática: Vigilância Epidemiológica das DST/HIV/ids scrição da Meta: Em 20, apoiar 0 treinamento sobre DST no município de Curitiba, para profissionais da saúde da rede municipal Prioridade relacionada à meta:. Melhoria da qualidade da atenção à saúde das PVH e outras DST O que: apoiar treinamento Quanto:,00 treinamento Para Quem: População em geral Fonte para verificação do alcance da meta: Convites, freqüência Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$:.000,00 Próprio plicação 2 Próprios Treinamento sobre DST e abordagem sindrômica R$2.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$2.000,00 Manutenção de logística de medicamentos de DST da rede R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 municipal de saúde poiar seminários com ênfase em DSTs R$0.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 8 de 22

19 Área de tuação: Gestão e senvolvimento Humano e Institucional Área Temática: Vigilância Epidemiológica das DST/HIV/ids scrição da Meta: Em 20, ter sistema de vigilância epidemiológica dos casos de ids, funcionando na rede municipal de saúde de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 5. umento da Capacidade Gerencial e Programática em DST/ids O que: Ter sistema de vigilância epidemiológica dos casos de IDS Quanto:,00 sistema Para Quem: Rede municipal de saúde Fonte para verificação do alcance da meta: Relatório de notificação epidemiológica atualizado Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$:.00,00 Manutenção dos sistemas de informação de doenças de notificação obrigatória e aquisição de medicamentos para serviços que realizam ações de vigilância Manutenção de notificação de portadores do HIV do municipio de Curitiba, pela rede municipal de saúde para os sistemas de vigilancia epidemiológica Próprio plicação 2 Próprios R$00,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$00,00 R$.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$.000,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 9 de 22

20 Área de tuação: Gestão e senvolvimento Humano e Institucional Área Temática: Promoção de Direitos Humanos, dvocacy e Controle Social scrição da Meta: Em 20, ter a execução de 80% dos projetos do Programa Municipal de DST e HIV/aids, para a população curitibana, acompanhada pela Comissão de DST e ids do Conselho Municipal de Saúde de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 4. Controle Social e Promoção da Cidadania O que: Realizar execução dos projetos do Programa Municipal de DST/HIV/IDS Quanto: 80,00 porcento Para Quem: População em geral Fonte para verificação do alcance da meta: ta de reunião da comissão Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 2.000,00 Informar as instancias de controle social sobre o andamento das atividades do Programa Municipal de DST/HIV/ids rticulação de Parceria com a Secretaria Municipal de Educação/Fundação da ção Social/Fundaçã o Cultural/Universidades e outras organizações em atividades para população em geral de Curitiba Capacitação de conselheiros, ONGs e profissionais de saúde sobre temas relacionados às DST/HIV/ids e hepatites virais pela Comissão Municipal de DST/HIV/ids poiar a inclusão de indicadores para criação de campos específicos para a identidade de gênero das pessoas TRNS nos prontuários do SUS Próprio plicação 2 Próprios R$500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$500,00 R$500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$500,00 R$500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$500,00 R$500,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$500,00 SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 20 de 22

21 Área de tuação: Gestão e senvolvimento Humano e Institucional Área Temática: Promoção de Direitos Humanos, dvocacy e Controle Social scrição da Meta: Em 20, atender a 90% da demanda de OSC de Curitiba, para participação em treinamentos e eventos relacionados ao enfrentamento das DST e ids e hepatites virais, condicionado ao planejamento, existência de recursos, fontes, critérios e diretrizes da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba Prioridade relacionada à meta: 6. umento da cobertura das ações de prevenção para populações mais vulneráveis (gays, travestis, profissionais do sexo, mulheres, usuários de drogas e de drogas injetáveis) O que: tender demanda para treinamentos e eventos de enfrentamento das DST E IDS Quanto: 90,00 porcento Para Quem: População em geral e populações vulneráveis Fonte para verificação do alcance da meta: Certificados de cursos, eventos, relatórios Somatório dos recursos financeiros previstos nas ações/insumos vinculados à meta R$: 0.750,00 tendimento da demanda de ONG/ids para participação em treinamentos e eventos relacionados ao enfrentamento das DST e ids e hepatites virais, condicionado ao planejamento, existência de recursos, fontes, critérios e diretrizes da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba Divulgar e publicizar as demandas e as ações pertinentes às metas da UNGSS, no municipio de Curitiba Próprio plicação 2 Próprios R$0.000,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0.000,00 R$750,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$750,00.RECEBIDO: recursos recebidos do (fundo a fundo), que não foram aplicados na execução do PM anterior ao fim dos 2 meses ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). 2.PLICÇÃO FINNCEIR: recursos aferidos da aplicação financeira dos recursos repassados fundo a fundo..próprios: recursos próprios do gestor de saúde que deveriam ter sido aplicados no PM anterior e que por algum motivo não foram ( não considerar os valores já empenhados e outras ações que estão previstas para serem liquidadas no período entre o décimo e o décimo segundo mês). SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 2 de 22

22 Proposta de Recursos Financeiros Globais por Áreas Áreas de tuação Recursos Financeiros a serem aplicados Saldo PM nterior Próprios plicação Financeira Próprios Total Percentual do Promoção, Prevenção e Proteção R$7.69,85 R$65.000,00 R$76.000,00 R$0,00 R$0,00 R$52.69, % Diagnóstico, Tratamento e ssistência R$58.980,50 R$08.856, R$56.408,00 R$0,00 R$0,00 R$ ,6 47.6% Gestão e senvolvimento Humano e Institucional R$6.850,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$0,00 R$6.850, % R$ ,5 R$7.856, R$2.408,00 R$0,00 R$0,00 R$.00.74, % SISINCENTIVO - RPM2005G_200_.rpt Página: 22 de 22

ABERTO - EM DIGITAÇÃO

ABERTO - EM DIGITAÇÃO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria Municipal de Saúde de Belém CNPJ: 07.97.88/000-2 Dirigente: Sergio de Souza Pimentel Profissão: Engenheiro RG: 869624 SSP/P CPF: 6.4.207-5 Endereço:

Leia mais

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO Atual condição de Gestão do SUS: Gestão Plena de Sistema IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS Situação do estado quanto a elaboração de Plano Diretor de Regionalização conforme a NOAS 2002: micro regional

Leia mais

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte CNPJ: 18.715.8/0001-40 Dirigente: Marcelo Gôuvea Teixeira Profissão: dministrador de empresas RG: MG 1690 CPF:

Leia mais

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Acre-AC ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Acre-AC ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria do Estado de Saúde do cre CNPJ: 04.04.526/000-4 Dirigente: SUELY DE SOUZ MELO D COS Profissão: BIOLÓG RG: 007995 CPF: 079.24.22-68 Endereço: Rua: Rua

Leia mais

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO Sis ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria Municipal de Saúde de nanindeua CNPJ: 05.058.44/0007-5 Dirigente: Margarida Maria da Cunha Nassar Profissão: Medica RG: 779952 CPF: 044.260.882-9

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA OBJETIVO GERAL Promover ações integradas para o enfrentamento da epidemia de HIV/AIDS e outras DST

Leia mais

ABERTO - EM DIGITAÇÃO

ABERTO - EM DIGITAÇÃO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria Estadual de Saúde de Sergipe CNPJ: 04.84.829/000-96 Dirigente: ntônio Carlos Guimarães de Sousa Profissão: Médico Sanitarista RG: 046202 CPF: 084.008.688-

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE METAS ATIVIDADES PARCERIAS EXECUSSÃO CRONOGRAMA - Articular, mediante a criação de uma rede via internet

Leia mais

Objetivo Principal Fique Sabendo Jovem!

Objetivo Principal Fique Sabendo Jovem! O Projeto Fique Sabendo Jovem surge através de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e UNICEF através do número crescente de casos HIV/AIDS em adolescentes e jovens adultos ( 15 a 24

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ALAGOAS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ALAGOAS PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ALAGOAS OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA MONITORAMEN TO INDICADOR 1. Incluir anualmente,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

FECHADO PELO GESTOR. Belém-PA IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS

FECHADO PELO GESTOR. Belém-PA IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS IDENTIFICÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS tual condição de Gestão do SUS: Gestão Plena Situação do estado quanto a elaboração de Plano Diretor de Regionalização conforme a NOS 2002: Situação do município quanto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2013 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 1- POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL 1.1- META: COMBATE AO TRABALHO

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil Seminário PRISSMA-PESSOAS Rio de Janeiro, RJ 13 e 14 de março de 2008 Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Mental no Brasil Cristina de A. Possas Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

PAM REVISADO/FECHADO PELO PROGRAMA NACIONAL

PAM REVISADO/FECHADO PELO PROGRAMA NACIONAL ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Estado da Saúde do Paraná CNPJ: 76.416.866/0001-40 Dirigente: Gilberto Berguio Martin Profissão: Secretario Estadual de Saúde RG: 1.402.410-7 CPF:

Leia mais

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TERESINA Ayla Maria Calixto de Carvalho Alba Alves Costa Marques Telma Maria Evangelista

Leia mais

CNPJ: / Rua: 19 de Novembro nº 4158 Bairro: Real Copagre Teresina/PI CEP:

CNPJ: / Rua: 19 de Novembro nº 4158 Bairro: Real Copagre Teresina/PI CEP: Relatório de Atividades Ano de 2012 Janeiro Realização da atividade de prevenção a IST/HIV/AIDS, com ato na praça João Luis Ferreira no Centro de Teresina, ação alusiva ao 29 de Janeiro Dia Nacional de

Leia mais

A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco

A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA GERAL DE CONTROLE DE DOENÇAS E AGRAVOS PROGRAMA ESTADUAL DE IST/AIDS/HV A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE DAS MULHERES Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em

Leia mais

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo.

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. Prioridades Federais Saúde do Idoso Disponibilizar a Caderneta

Leia mais

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h.

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h. CENTRO DE REFERÊNCIA DE DST/AIDS PENHA Endereço: Praça Nossa Senhora da Penha, 55 (subsolo) Penha CEP 03632-060 Telefones: 2092-4020 / 2295-0391 Supervisão Técnica de Saúde Penha Coordenadoria Regional

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil Ministério da saúde Secretaria de Atenção à saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação de Saúde Mental Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental,

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Autores: Milena Luckesi de Souza¹, Grace do Prado Dan¹, Heloísa de Oliveira¹, Maria de Lurdes Munhoz¹ Serviço de Saúde: 1 - CTA - Centro de Testagem

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Apresentação de propostas e formalização de Convênios com a SPM - PR Vitória, maio de 2011 Secretaria de Políticas para as Mulheres Criada

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL Introdução O desafio de um plano de enfrentamento da epidemia da aids em população específica,

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ 2010. Governo do Estado do Pará. Secretaria de Estado de Saúde Pública É permitida a reprodução parcial

Leia mais

Prezado(a) Gestor(a),

Prezado(a) Gestor(a), Monitoramento 2017 Academia da Saúde - Gestão Municipal Prezado(a) Gestor(a), Estamos iniciando o Ciclo 2017 do Monitoramento do Programa Academia da Saúde! O formulário a seguir refere-se à GESTÃO MUNICIPAL

Leia mais

Dra Hedi Martha Soeder Muraro

Dra Hedi Martha Soeder Muraro Dra Hedi Martha Soeder Muraro hemuraro@sms.curitiba.pr.gov.br Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando-se pela gestão e regulação dos serviços

Leia mais

Depende da aprovação do Plano

Depende da aprovação do Plano Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Reunião de 19/08/2014 SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CARTA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU

IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU XV CONGRESSO DO COSEMS JUNHO/2016 MOSTRA ESTADUAL Município: Iguatu IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU Autores: José

Leia mais

Portaria do Ministério da Saúde que institui a Política Nacional de Saúde Integral LGBT

Portaria do Ministério da Saúde que institui a Política Nacional de Saúde Integral LGBT Portaria do Ministério da Saúde que institui a Política Nacional de Saúde Integral LGBT GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.836, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS),

Leia mais

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Roraima-RR ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Roraima-RR ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Estado de Saúde CNPJ: 84.01.408/0001-98 Dirigente: Rodolfo Pereira Profissão: Médico RG: 48.648 SSP/RR CPF: 164.084.82-5 Endereço: Rua: Madri Nº:

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DA AIDS ENTRE HSH, HOMOSSEXUAIS E TRAVESTIS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DA AIDS ENTRE HSH, HOMOSSEXUAIS E TRAVESTIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MATO GROSSO DO SUL DIRETORIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA TÉCNICA DO PROGRAMA ESTADUAL DE DST / AIDS PLANO DE ENFRENTAMENTO

Leia mais

O papel da comunidade nas ações de promoção de saúde em tuberculose

O papel da comunidade nas ações de promoção de saúde em tuberculose O papel da comunidade nas ações de promoção de saúde em tuberculose Um pouco do Comitê Tb Desde 2005, ação do Fundo Global Tb Brasil, criados 11 comitês de tuberculose. Missão: Ser um articulador entre

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS

Pacto de Gestão do SUS. Pacto pela Vida. Pacto em Defesa do SUS Pacto de Gestão do SUS Pacto pela Vida Pacto em Defesa do SUS PACTO PELA SAÚDE O Pacto pela Vida é o compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades que apresentam impacto sobre a situação

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002 Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais - Portaria 263 de 5/2/2002 Ementa: criação de mecanismos para organizar, articular e integrar as ações voltadas à prevenção e ao controle

Leia mais

UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO.

UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO. Projeto Segurança Humana: São Paulo UMA PARCERIA DE AGENCIAS EM UM SÓ ESPAÇO GEOGRAFICO. SETEMBRO 2009 ANÁLISE DO PROJETO PROJETO SEGURANÇA A HUMANA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: Agências envolvidas: OPAS/OMS

Leia mais

EDITAL DE AÇÕES DE PREVENÇÃO RELACIONADOS À EPIDEMIA DE IST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS.

EDITAL DE AÇÕES DE PREVENÇÃO RELACIONADOS À EPIDEMIA DE IST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS. EDITAL DE AÇÕES DE PREVENÇÃO RELACIONADOS À EPIDEMIA DE IST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS. 1. Apresentação O Fundo Nacional de Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil que trabalham no campo

Leia mais

ABORDAGEM DAS DST/AIDS NA ATENÇÃO BÁSICA: ENTRAVES, POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ABORDAGEM DAS DST/AIDS NA ATENÇÃO BÁSICA: ENTRAVES, POSSIBILIDADES E DESAFIOS ABORDAGEM DAS DST/AIDS NA ATENÇÃO BÁSICA: ENTRAVES, POSSIBILIDADES E DESAFIOS Lidianny Braga Pereira; Francisca Marina de Souza Freire Furtado; Pollyana Ludmilla Batista Pimentel; Íria Raquel Borges Wiese;

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR PROGRAMA INTERSETORIAL DE ENFRENTAMENTO ÀS SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE IVAIPORÃ-PR Nova estratégia de gestão em redes em matéria

Leia mais

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids Maio 2009, Rio de Janeiro Início da Distribuição de Antirretrovirais

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet

Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet Gerente Técnica do Programa Estadual de DST/AIDS e Hepatites Virais de Mato Grosso do

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Util. Públ. Municipal:.686/1998 Util. Públ. Estadual: 14.37/010 PABX: (55) 13 3383 166 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Exercício 015 1 Util. Públ. Municipal:.686/1998 Util. Públ. Estadual: 14.37/010 PABX: (55)

Leia mais

Título: Prevenção x Vulnerabilidades: a atuação do CTA junto à população HSH e Profissionais do Sexo

Título: Prevenção x Vulnerabilidades: a atuação do CTA junto à população HSH e Profissionais do Sexo Título: Prevenção x Vulnerabilidades: a atuação do CTA junto à população HSH e Profissionais do Sexo Autores: Grace do Prado Dan¹; Heloisa de Oliveira¹; Maria de Lurdes Magalhães de Almeida Munhoz¹; Milena

Leia mais

Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos

Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais FAÇA O TESTE DE AIDS, SÍFILIS E HEPATITE Linha do tempo

Leia mais

Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS

Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS Os participantes do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/Aids reunidos entre os dias 10 e 12 de Agosto de 2017, em São Paulo, divulgam o documento

Leia mais

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015

NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 Correios NOTA TÉCNICA/GRETNIGEP- ` )t 12015 DESTINO: Vice-Presidência de Gestão de Pessoas ASSUNTO: Programa Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos Subtítulo 1 Diversidade, Inclusão e Direitos Humanos

Leia mais

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher.

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher. TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER DIF IC UL DAD ES A falta de recursos financeiros (orçamentos específicos para a área) dos entes federados. Desconhecimento dos Conselhos dos Direitos da Mulher Falta

Leia mais

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Área Técnica de Pneumologia Sanitária A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Brasília, junho de 2004 Evolução da

Leia mais

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil 2 15 2. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil No ano de 2000

Leia mais

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis BRASIL SAUDÁVEL Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis Inserida no contexto do Bom Exemplo SECOM Coordenação Geral Ministério da Saúde Ministério da Educação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

ABERTO - EM DIGITAÇÃO

ABERTO - EM DIGITAÇÃO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Saúde do Estado do Ceará CNPJ: 74.01.865/0001-51 Dirigente: Raimundo José rruda Bastos Profissão: Médico RG: 558012 CPF: 104.60.0-49 Endereço: Rua:

Leia mais

pnaish E PATERNIDADE E CUIDADO Brasília, JUlHO 2016 Michelle leite da silva

pnaish E PATERNIDADE E CUIDADO Brasília, JUlHO 2016 Michelle leite da silva pnaish E PATERNIDADE E CUIDADO Brasília, JUlHO 2016 Michelle leite da silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM PNAISH PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Diretriz Promover ações

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO VENHAMULHERES!

PROPOSTA DE PROJETO VENHAMULHERES! PROPOSTA DE PROJETO VENHAMULHERES! PROPOSTA DO PROJETO: Apresentação do projeto (descrever de forma reduzida qual a proposta do projeto) (limite: 300 palavras) * O projeto VenhaMulheres! visa trabalhar

Leia mais

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013)

Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: TEL/FAX: (013) TEL: (013) Rua: Padre de Conde, S/N - Suarão - Itanhaém - SP CEP: 11740-000 TEL/FAX: (013) 3422-4975 TEL: (013) 3422-4985. EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR OORDENADOR A Diretora da Escola Estadual

Leia mais

Usuários Trabalhadores Entidades Quais e quantos eventos de mobilização antecederam a Conferência? Tipo de Eventos de Mobilização

Usuários Trabalhadores Entidades Quais e quantos eventos de mobilização antecederam a Conferência? Tipo de Eventos de Mobilização REGISTRO DO PROCESSO DA CONFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 Informações Gerais da Conferência Municipal: 1. Nome do Município /UF: SURUBIM-PE 2. Identificação da Conferência: VII CONFERÊNCIA MUNICIPAL

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNFPA O QUE É O UNFPA? O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) se esforça para oferecer um mundo

Leia mais

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL

PAM REVISADO/ABERTO PELO PROGRAMA NACIONAL ÓRGÃO RESPONSÁVEL PEL GESTÃO DO SUS Órgão: Secretaria de Estado de Saúde CNPJ: 84.0.408/000-98 Dirigente: Rodolfo Pereira Profissão: Médico RG: 48.648 SSP/RR CPF: 64.084.82-5 Endereço: Rua: Madri Nº: 80

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2012 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

Censo da Pastoral da Saúde Nacional-2001/2002

Censo da Pastoral da Saúde Nacional-2001/2002 Censo da Pastoral da Saúde Nacional-2001/2002 Conforme foi combinado no XXII Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, a Coordenação Nacional da Pastoral da Saúde publicará mensalmente partes

Leia mais

Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça

Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça Resolução 001/2013 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), de Palhoça, No uso de suas atribuições

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

RIPSA. Documento Básico

RIPSA. Documento Básico Governo do Estado da Bahia Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Rede Interagencial de Informação em Saúde no Estado da Bahia Ripsa- Bahia Oficina de Trabalho Interagencial (OTI) Documento Básico I. Introdução

Leia mais

COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030

COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 1 2 3 4 5 Garantir que 30 milhões de

Leia mais

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSORES COORDENADOR

EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSORES COORDENADOR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DIADEMA E. E. PROFESSORA ANTONIETA BORGES ALVES Av. Dom Pedro I, 365 Vila Conceição- Diadema SP Tel. 40542321 EDITAL PARA PREENCHIMENTO DE VAGA

Leia mais

1. O Papel Histórico das Universidades na luta pelos Direitos Humanos no Brasil

1. O Papel Histórico das Universidades na luta pelos Direitos Humanos no Brasil Direitos Humanos e a Universidade 1. O Papel Histórico das Universidades na luta pelos Direitos Humanos no Brasil Na década de sessenta, as Universidades Públicas nesse contexto histórico foi parceira

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS - 2008 Nutrição na Atenção Básica uma visão integrada Michele Lessa Organização Pan-Americana de Saúde Brasília, 22 de abril de 2008 OPORTUNIDADES cenário atual

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais

JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais Conflitos de Interesse Não tenho Meta 90/90/90 em 2020 Diagnóstico Tratamento (Adesão + Retenção+ Vinculação) Supressão viral 90% 90%

Leia mais

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN O Tratamento na População Carcerária Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN Histórico O Presídio Central, inaugurado em 1959 no bairro Partenon, está localizado

Leia mais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Brasília, 07 de Agosto de 202 Dados Epidemiológicos

Leia mais

SAÚDE DA POPULAÇÃO DE GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS*

SAÚDE DA POPULAÇÃO DE GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS* MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICIPATIVA SAÚDE DA POPULAÇÃO DE GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS* Brasília DF

Leia mais

EDUCADOR SOCIAL SITE: FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE

EDUCADOR SOCIAL SITE:  FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE EDUCADOR SOCIAL SITE: WWW.CARITASPORTOALEGRE.ORG FACEBOOK: CARITAS ARQUIDIOCESANA DE PORTO ALEGRE SAS FACEBOOK: MENSAGEIRO DA CARIDADE ATUAÇÃO PROFISSIONAL CRIANÇAS ADOLESCENTES ADULTOS IDOSOS ÁREAS DE

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc.

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente Helaine Carneiro Capucho, DSc. 21 de março de 2016 2007 Implantação do Comitê de Segurança do Paciente

Leia mais

ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola.

ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola. ANEXO I - Situação da circulação do vírus Ebola. ANEXO II Credenciamento/ Descredenciamento/Teto Financeiro. ANEXO III - Pactuação das metas para 2014 das diretrizes, objetivos e indicadores

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP REGULAMENTO DE PESQUISA SOBRAL-CEARÁ 2015 I- POLÍTICA DE PESQUISA Art.1º O Instituto Superior

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNICEF O QUE É UNICEF? O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) acredita que promover os

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO ENSINO MÉDIO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SANTOS EE MARECHAL DO AR EDUARDO GOMES Av. Castelo Branco s/nº Jd. Enguaguaçu - Vicente de Carvalho/Guarujá-S.P.

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX

UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX UNIOESTE - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 0 018/2016-PROEX SELEÇÃO DE DOCENTES OPERAÇÃO TOCANTINS/ PROJETO RONDON A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade

Leia mais

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS.

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS. 1º ENCONTRO ESTADUAL E REGIONAL DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE ENVOLVIDOS NA ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DAS PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS, HEPATITES E SIFILIS. E 3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais