UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS ÁLCOOLISMO NA EMPRESA: O ALCOOLISMO COMO FATOR MOTIVACIONAL PARA OS ACIDENTES DE TRABALHO CLÁUDIA BARRETO COSTA AGOSTO/2002

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS ALCOOLISMO NA EMPRESA: O ALCOOLISMO COMO FATOR MOTIVACIONAL PARA OS ACIDENTES DE TRABALHO Monografia apresentada como parte do requisito para obtenção do Grau de Especialista em Reengenharia e Gestão de Recursos Humanos ORIENTADORA: PROFESSORA YASMIN MARIA RIO DE JANEIRO, AGOSTO DE 2002.

3 Regras da vida: nunca abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé. (Gurdji eff - pensador russo)

4 RESUMO Este trabalho se propõe a fazer um estudo cuja temática central é identificar no âmbito da empresa Estaleiro Ilha S/A quais os fatores que levam os trabalhadores a abusar do álcool e suas conseqüências como o alto índice de acidentes de trabalho. O trabalho foi desenvolvido através de analise de pesquisa documental que buscou captar o universo das questões centrais que estão presentes neste segmento.

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 2 CAPÍTULO 1 - Alcoolismo e Empresa O Alcoolismo como doença A História da Indústria Naval no Brasil Estaleiro Ilha S/A 11 CAPÍTULO 2 - A Saúde do trabalhador em questão e as implicações do abuso álcool Segurança e Saúde do Trabalhador A relação entre acidentes do trabalho com o abuso do álcool 21 CAPÍTULO 3 - Soluções e sugestões para tratar o problema As iniciativas para lidar com a questão 26 CONCLUSÃO 28 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 30 ANEXOS

6 INTRODUÇÃO O alcoolismo é hoje uma questão de saúde pública, o seu crescimento nos diferentes segmentos da sociedade vem preocupando não só as autoridades sanitárias, mas também os empresários, sendo um fator motivacional para as causas de acidentes de trabalho. As pesquisas vêm demonstrando que 10 a 15% da população brasileira sofrem dessa enfermidade.(nova News, 2000; 05). Esses índices alarmantes rebatem na esfera produtiva, provocando não somente a baixa produtividade, mas um número elevado de acidentes de trabalho e afastamentos por licenças para tratamento de saúde. Esta evidência, também, como em outras empresas, está na de construção naval, como é o caso do Estaleiro Ilha, que se preocupa com o crescimento do problema no seu quadro de trabalhadores. Meu estágio curricular de Serviço Social realizado, na empresa, e posteriormente como Assistente Social, viabilizou a construção da questão como objeto de pesquisa e com o qual se faz ao presente estudo de caso. Como procedimento inicial da coleta de dados, recorrendo às fontes documentais primárias como: relatórios de acompanhamento social, registros de acidentes de trabalho, bibliografia específica e ao contato direto com trabalhadores no acompanhamento de caso social e com os profissionais de saúde ocupacional da empresa. Percebi que existem alguns fatores que contribuem para o agravamento do abuso do álcool dentro do Estaleiro Ilha S/A, como: a instabilidade decorrente da crise na construção naval, a falta de perspectiva no futuro e a proximidade de trailers com a venda de bebidas alcoólicas, contribuem para o agravamento da questão do abuso do álcool.

7 Utilizei dados qualitativos, que foram relevantes, e que serão o diferencial na análise realizada na pesquisa documental, foi realizado o levantamento dos acidentes de trabalho, junto ao Serviço Médico da empresa no período de um ano, entre 2000 a 2001, e que o maior número de acidentes de trabalho acontece após as 12:30 h, término do almoço. O presente trabalho foi assim estruturado: introdução, três capítulos, conclusão e anexos. No primeiro capítulo, apresento um histórico sobre o alcoolismo na empresa e a historia da industria naval. No segundo capítulo a saúde do trabalhador e a relação dos acidentes de trabalho com o abuso do álcool. No terceiro capítulo apresento soluções as iniciativas da empresa para lidar com a questão. E em anexos encontra-se formulários referente ao curso. A intenção, com este estudo foi examinar um tema que vem inquietando as autoridades sanitários, empresários e representações de trabalhadores. Espero ter contribuído, a partir desse trabalho, para a realização de novos estudos.

8 1- ALCOOLISMO E EMPRESA O ALCOOLISMO COMO DOENÇA Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o alcoolismo se destaca em três instâncias: primeira, a psicose alcoólica; segundo, a síndrome de dependência do álcool e terceiro, o abuso de álcool sem dependência. O álcool é uma droga psico-ativa, que com o uso inadequado, pode trazer graves conseqüências, tanto para o nível orgânico, como psicológico e social. No nível orgânico, o alcoolismo vai se desenvolver ou não dependendo de características biológicas inatas. No nível psicológico, coexiste com a teoria da vulnerabilidade biológica. E no social está relacionada ao consumo do álcool, a idade sexo, grupos étnicos e religiosos. O alcoolismo é reconhecido como doença desde 1825, sintetizando um conjunto de manifestações somato-psíquicas, provocadas pelo uso prolongado do álcool, conforme estudos do médico sueco Magnus Huss (Nova News, 2000:01). O alcoolismo é uma doença social, por se tratar de uma enfermidade onde a pessoa tem dificuldade de se relacionar consigo mesma, por nutrir ideais de culpabilidade, sentimentos de auto-acusação e autodepreciação. O dependente de álcool tem um conflito inconsciente. No alcoolismo existe uma forte relação com a depressão e uma baixa na auto-estima, onde existe uma tendência a mascarar os sintomas depressivos através do abuso do álcool.(nova News, 2000:06). O alcoolismo deve ser considerado problema de saúde pública, por sua disseminação pela sociedade e por provocar transtornos de ordem individual e social. Atualmente o processo coletivo de alcoolismo passou a ser mais bem compreendido, e começa por uma etapa chamada de alcoolismo sintomático, o individuo bebe para evitar ou aliviar um sofrimento de inferioridade ou insegurança.

9 Todas as formas de embriaguez começam pelo alcoolismo sintomático, o qual, em certas condições, pode prolongar-se por muito tempo. O uso abusivo de álcool tanto de forma aguda como crônica, é acompanhado de alterações neurológicas, o sistema nervoso central é afetado pelo álcool, em todos os seus níveis, por ser uma droga depressora do mesmo. Na classificação Internacional de Doenças (CID), o alcoolismo é chamado de Síndrome de Dependência do Álcool, portanto alcoolismo e síndrome da dependência do álcool são considerados como doenças psiquiátricas.o alcoolismo apresenta manifestações de alteração no nível do psiquismo e também complicações de ordem física como: hepáticas, neurológicos, cardiovasculares, gastrintestinais, endocrinológicos, respiratórias, dermatológicas, genito-úrinario e neoplásicas. O alcoolismo é uma enfermidade de fácil diagnóstico e tratável. Existem diversas formas de abordagem terapêuticas e grupos de mútua-ajuda. O médico, Enfermeiro, Assistente Social, Psicólogo ou Líder religioso podem organizar um confronto com o paciente para que os mecanismos de defesa sejam rompidos e ele seja encaminhado para tratamento.(ramos, 1987:109). O tratamento inclui a desintoxicação do paciente em regime ambulatorial ou, em casos mais graves, a hospitalização para tratamento medicamentoso. Outra opção de tratamento é a terapia que é realizada sistematicamente com o paciente e a família. Entre os grupos de mútua-ajuda, os mais populares, mundialmente, são os Alcoólicos Anônimos (AA) e o Clube dos ex-alcoólicos. No Brasil existe apenas o AA. (Ramos, 1997:130). Os alcoólicos anônimos são uma irmandade mundial de mais de homens e mulheres alcoólatras, unidos com o objetivo de resolver seus problemas comuns através dos doze passos, apresentando uma visão clara dos princípios através dos quais os membros do AA se recuperam. Os doze passos se constituem de princípios espirituais em

10 sua natureza, que se praticados como um modo de vida, podem expulsar a obsessão pela bebida e permitir que o sofredor se torne íntegro, feliz e útil.(aa, 1972:09). A atividade dos Alcoólicos Anônimos teve inicio em 1935 em Akron - Ohio, como conseqüência de um encontro entre um cirurgião, Dr Bob e um corretor de Nova York, Bill W. Ambos, com casos graves de alcoolismo, tornaram-se cofundadores da irmandade do AA. Bill insistia ao Dr. Bob que o alcoolismo era uma doença da mente, das emoções e do corpo. Esse importante fato foi citado pelo Dr. Willian Silwort, do Hospital Tows de Nova York, instituição em que Bill fora internado várias vezes. Em 1935, foi formado um primeiro grupo em Nova York e iniciou-se outro em 1939 em Cleveland, juntando um grupo de cem alcoólicos e neste mesmo ano resolveu-se registrar tal experiência num livro que chegou ao público em abril, com o título de Alcoólicos Anônimos e dele a irmandade recebeu o seu nome. Neste livro foi descrita a experiência de alcoólatras, no qual também eram codificados os doze passos, iniciando-se assim uma prodigiosa reação em cadeia no mundo inteiro.em 1950, havia no mundo cerca de cem mil alcoólicos em recuperação pelo AA, tornando-se uma irmandade mundial, superando barreiras de raça, credo e idioma.hoje estes princípios se constituem na base de orientação terapêutica. O tratamento centralmente se apóia conforme a descrição abaixo: Os Doze Passos de Alcoólicos Anônimos 1. Admitimos que éramos impotentes perante o álcool - que tínhamos perdido o domínio sobre nossas vidas. 2. Viemos a acreditar que um Poder Superior a nós mesmos poderia devolver-nos à sanidade. 3. Decidimos entregar nossa vontade e nossa vida aos cuidados de Deus, na forma em que O concebíamos.

11 4. Fizemos minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos. 5. Admitimos perante Deus, perante nos mesmos e perante outro ser humano, a natureza exata de nossas falhas. 6. Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeitos de caráter. 7. Humildemente rogamos a Ele que nos livrasse de nossas imperfeições. 8. Fizemos uma relação de todas as pessoas que tínhamos prejudicado e nos dispusemos a reparar os danos a elas causados. 9. Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las ou a outrem. 10. Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos errados, nós o admitíamos prontamente. 11. Procuramos, através da prece e da meditação, melhorar nosso contato cons ciente com Deus, na forma em que O concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade em relação a nós, e forças para realizar essa vontade. 12. Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes Passos, procuramos transmitir esta mensagem aos alcoólicos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades.

12 Muitas pessoas não alcoólatras dizem que como resultado da prática dos Doze Passos do AA, conseguiram enfrentar outras dificuldades na vida. Consideram que os Doze Passos podem significar mais do que a sobriedade para o bebedorproblema. Vêem neles um caminho para uma vida feliz e afetiva para muitos alcoólatras ou não.(aa, 1997:05).

13 1.2 - A HISTÓRIA DA INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL O surgimento da industria naval no Brasil é anterior ao modelo inicial de organização do trabalho, implantado no governo Vargas. A indústria naval remota ao período colonial, em 1773, foi fundada o Arsenal de Marinha do Rio de janeiro, depois chamado de Arsenal de Marinha de corte, que se tomou o principal pólo de desenvolvimento e absorção de tecnologia na área naval durante o século XIX.A independência do Brasil, a expansão dos seus domínios e as acomodações geopolíticas na América do Sul, levou a sucessivas guerras, estimulando as demandas por embarcações.para atender a essa demanda, foi importante a participação da iniciativa privada no setor, através da fundação dos estaleiros Mauá e Caneco em 1846 e 1886 respectivamente. Em fins do século XIX, apenas o Arsenal de Marinha de Corte se mantinha em atividade, pois a estabilidade da política externa e a existência de uma política governamental, dirigida à indústria naval conduziram os estaleiros privados a uma situação de insolvência e decadência. A década de 50 pode ser considerada como um novo marco da construção naval no Brasil. O plano de metas do Governo Kubischeck ( ), previa a criação de dois estaleiros adequados a produção de grandes unidades e o aparelhamento dos já existentes. A implementação desta meta ficou a cargo do GEICOM - Grupo Executivo da Indústria Naval, incluindo as industrias complementares, criados pelo decreto n /58. O GEICOM, como os demais grupos executivos instituídos neste período, era uma entidade administrativa composta de organismos estatais encarregados de formular uma política unificada para a Industria Naval. A este órgão coube a analise dos projetos de expansão ou implantação de estaleiros. No Brasil, os estaleiros passaram a depender do Fundo de Marinha Mercante -FMM, uma cota especial alimentada pelo Adicional de Frente para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) que é cobrado sobre a carga marítima e administrada pela Comissão da Marinha Mercante -CMM.

14 A década de 70 corresponde no Brasil ao I Plano de Construção Naval (1970/1974) que permitiu a viabilização econômica da exploração do transporte marítimo sob bandeira brasileira e a renovação de frotas correspondentes às empresas de navegação com o objetivo de aumentar a participação da bandeira brasileira no comercio exterior. Em 1984, o Banco Nacional de Desenvolvimento Social-BNDS, assumiu a função no setor naval, atribuindo-se ao banco o papel de gerir os novos projetos e os antigos da SUNAMAM-Superintendência Nacional de Marinha Mercante. As mudanças foram fundamentais, alteram-se os esquemas de subsidio, prazos, participações e garantias. Nos anos 90, houve um declínio da atividade da construção naval, caracterizada pelo fechamento de estaleiros e pela diminuição dos postos de trabalho.a crise no setor naval se acentuou no final da década passada tem entre suas causas a diminuição de encomendas tanto por parte dos armadores estrangeiros, quanto pelos clientes nacionais que com a recessão dos pais, diminuíram seus investimentos e ao invés de contratar novos navios aos estaleiros nacionais, os armadores optaram por outros países. Entretanto, há uns três anos começou a se falar numa recuperação do setor. A revisão é baseada em dois fatores: um é a renovação da frota internacional, sobretudo dos navios de grande porte, construídos durante o boom do setor nos anos 70, já que a vida útil das embarcações gira em torno de 20 a 25 anos. O outro fator é a determinação da OMI (Organização Marítima Internacional), que há dois anos, obrigaria os navios petroleiros a serem construídos com casco duplo, medida esta que visa evitar a ocorrência de desastres ecológicos, provenientes do derramamento de óleo no mar. Com o objetivo de diminuir os custos de produção e conseqüentemente os preços dos navios, os estaleiros nacionais dão continuidade ao programa de reformulação que inclui o aumento da produtividade, o corte de pessoal e a diminuição dos gastos com benefícios.

15 1.3 - O ESTALEIRO ILHA S/A O Estaleiro Ilha S/A foi fundado em 18 de dezembro de 1944 como EMAQ - Engenharia e Máquinas S/A, tendo como objetivo comercializar e importar máquinas e equipamentos. Só em 1949, inicia suas atividades como estaleiro, com a construção de pequenas Chatas e Dragas. Operava numa área na Praia de Ramos, próximo à Av. Brasil, sendo que em 1961 pela necessidade de expandir-se, foi transferido para o local onde se encontra hoje na Ilha do Governador, com uma área total de m2 e uma carreira para lançamento de navios de até tpb (tonelada porte bruto), desenvolvendo e consolidando toda uma experiência da construção naval. Além da construção de navios, a empresa atua em outras áreas de engenharia, como, na elaboração de projetos e na construção de locomotivas e motores a diesel numa planta instalada na rodovia Rio-Teresópolis. Nos anos 80, a EMAQ esteve entre as primeiras cinco empresas do ramo da construção naval em termos de capital investido, e o número de encomendas. Já a partir de 1983, o quadro mudou significativamente, passando a ocorrer atrasos freqüentes nos pagamentos, cortes de serviços prestados e demissões. E durante o período de 1984 e 1985, os trabalhadores do estaleiro realizaram várias greves em função do atraso nos pagamentos e do não depósito do FGTS, ao mesmo tempo em que bancos e empresas protestavam títulos da EMAQ, e ainda em 1985 é decretada a falência da empresa. Em 1986, a EMAQ teve a falência decretada por dívidas junto ao banco Banerj e devido a forte pressão dos trabalhadores articulados com o sindicato dos metalúrgicos, e o estaleiro ficou aberto sob a administração do Governo do Estado. Em 1988, a empresa EMAQ foi vendida ao mesmo empresário que comprou os estaleiros Verolme e Ishibrás, formando o grupo IVI(Indústria Verolme Ishibrás). A decadência da construção naval, entre o final dos anos 80 e anos 90, trouxe um novo episódio de dificuldades para a empresa.

16 Em março de 1995, foi anunciado aos empregados do EMAQ o Programa de demissão incentivada, o trabalhador que pedisse demissão receberia seus direitos e mais seis meses de cobertura de plano de saúde e cestas básicas do SESI. Aproximadamente 1200 empregados pediram demissão. Em maio de 1995 o Estaleiro EMAQ foi comprado por empresários brasileiros passando a se chamar Estaleiro Ilha S/A. A nova gestão da empresa adotou uma nova filosofia para administrar o estaleiro, baseada na terceirização e implantação de cooperativas, existindo atualmente um número cada vez menor de empregados efetivos. Atualmente, em termos de recursos humanos, o quadro de funcionários celetistas é de aproximadamente 100 empregados, um número reduzido se comparado aos 4000/5000 que o estaleiro EMAQ teve no auge da indústria naval e cerca de 800 cooperativados.o reduzido quadro de pessoal é um indicativo das dificuldades financeiras, que não se restringe a um determinado estaleiro, mas é o reflexo do descaso que a indústria naval sofreu durante muito tempo por parte do governo. Vive-se atualmente numa expectativa muito grande de melhora na construção naval. O Estaleiro Ilha S/A encontra-se em fase de negociação com grupos estrangeiros para que não aconteça uma nova falência. A empresa sobrevive com poucas obras como: reforma de navios, construção de carretéis e navios para corte. O Estaleiro Ilha S/A é uma empresa privada de capital aberto, seus acionistas compõem o CA-Conselho de Administração.A estrutura administrativa da empresa esta definida pela Norma Administrativa aprovada pelo CA, nela são descritas as atribuições de cada órgão. Nessa estrutura o Serviço Social esta subordinada ao Departamento de Relações Industriais.

17 O Serviço Social desenvolve atividades que indicam um modelo de prática tradicional, voltado para o atendimento das questões individuais dos trabalhadores. Que tem como atribuições: -Acompanhamento dos trabalhadores efetivos e cooperativados, afastados por auxílio-doença e acidente de trabalho; -Encaminhamento aos órgãos públicos ou da comunidade, para tratamento de saúde, pelo fato da empresa não dispor de plano de assistência médicoodontológica; -Visitas domiciliares e hospitalares; -Orientação nos casos de óbito, utilização de convênios para auxilio funeral ou em alguns casos providenciar o funeral; -Acompanhamento dos processos de diferentes benefícios, junto a Previdência Social, por ser o Assistente Social o representante legal da empresa nesse órgão previdenciário; -Administração de um fundo assistencial de caráter monetário, bem como cesta básica destinada ao atendimento das situações emergenciais; -Realização de campanhas educativas, de prevenção ao uso de drogas, álcool e Doenças Sexualmente Transmissíveis. A demanda do Serviço Social atende especialmente os trabalhadores lotados nos setores de produção que constitui o chamado chão de fabrica, esses trabalhadores constitui a clientela majoritária independente da quantidade de funcionários.

18 2 - A SAÚDE DO TRABALHADOR EM QUESTÃO E AS IMPLICAÇÕES DO ABUSO ÁLCOOL Segurança e Saúde do Trabalhador A OMS Organização Mundial de Saúde, define saúde como: O completo estado de bem-estar físico, psíquico e social. A segurança e saúde do trabalhador começaram a ser alvo das atenções a partir da Revolução Industrial, em contrapartida ao avanço tecnológico que aumentou também o índice de ocorrências de acidentes. A OIT Organização Internacional do Trabalho, foi fundada em 1919 com sede na Genebra-Suiça, com o objetivo de buscar soluções para diminuir os acidentes de trabalho.criando em 1923, comitês de Segurança nas empresas. No Brasil foi determinado que todas as empresas deveriam organizar a CIPA-Comissão Interna de Prevenção de Acidentes visando manter a promoção da saúde do trabalhador. Art.163. Será obrigatória a constituição de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-CIPA, de conformidade com instruções expedidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos estabelecimentos ou locais de obra nelas especificadas.(clt, 2000:207). A CIPA é regulamentada pela NR5 - Norma Regulamentadora n 5, da portaria do Ministério do Trabalho, da portaria n 3214/78 dos artigos 162 a 165 do capitulo V da seção II da CLT-Consolidaçao das Leis de Trabalho. A CIPA tem como objetivo observar e relatar condições de risco no ambiente de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizar os mesmos, discutir os acidentes ocorridos, encaminhando ao SESMET- Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho, e ao empregador o resultado da discussão, solicitando medidas que previnam acidentes semelhantes e, ainda orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidentes.(cipa, 1996:04).

19 A CIPA é composta por representantes do empregador e dos empregados, obedecendo a critérios que permitam estar representada na maior parte dos setores da empresa. Os representantes deveram ser registrados no órgão regional do Ministério do Trabalho. Dentre algumas atribuições da CIPA estão: -discutir os acidentes ocorridos; -sugerir medidas de prevenção de acidentes julgadas necessárias, por iniciativa própria ou sugestão de outros empregados, encaminhando-as ao Serviço Especializado em Engenharia e Segurança do Trabalho e ao empregador; -Promover a divulgação e zelar pela observância das normas de Segurança e Medicina do Trabalho ou de regulamentos e instrumentos de serviço, emitido pelo empregador; -despertar o interesse dos empregados pela prevenção de acidentes e de doenças ocupacionais, e estimula-los permanentemente a adotar comportamento preventivo durante o trabalho; -Orientar os trabalhadores da obrigatoriedade do uso do EPI - Equipamentos de Proteção Individual, cuja finalidade é proteger o trabalhador; -promover em conjunto com o Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho -SESMET a SIPAT- Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho; -participar da campanha permanente da prevenção de acidente promovida pela empresa; -investigar ou participar junto com SESMET, da investigação de causas, circunstancia e conseqüências dos acidentes e doenças ocupacionais, acompanhando-a execução das medidas corretivas; -realizar quando houver denúncia de risco ou por iniciativa própria ou mediante prévio aviso ao empregador e ao SESMET, inspeção nas dependências da empresa, dando conhecimento dos riscos encontrados; -surgir à realização de cursos, treinamento e campanhas para melhorar o desempenho dos empregados quanto à medicina e saúde do trabalho;

20 -preencher ficha de informação que será encaminhada ao Ministério do Trabalho e ficha de análise de acidentes para manter arquivados de maneira que permita acesso a qualquer momento; -enviar trimestralmente cópia da ficha de informação para o empregador. Quanto à saúde individual o trabalhador tem amparo por lei através do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) que visa atender a NR7 - Norma Regulamentadora n 7 da portaria n de 1978, alterada em 29 de dezembro de 1994 através da portaria n 24, O PCMSO tem disposto nos artigos 168 e 169 do capitulo V da seção II da CLT-Consolidaçao das Leis do Trabalho. O Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional tem caráter preventivo trazendo benefícios para a empresa e para o empregado. Tendo como benefícios: a manutenção da saúde física e mental dos funcionários da empresa; proteção contra os acidentes de trabalho; prevenção de doenças ocupacionais; promove a sensação de segurança e satisfação no trabalho; diminuição do absenteísmo por doenças ocupacionais ou não; redução de gastos com seguros e indenizações; participação das medidas de proteção conta acidentes e fazer cumprir a legislação vigente evitando problemas futuros; realização de exames periódicos de acordo com a função do trabalhador. Art.168. Será obrigatório exame médico, por conta do empregador, nas condições estabelecidas neste artigo e nas instruções complementares a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego: I-na admissão; II-na demissão; IIIperiodicamente.(CLT, 2000:208). O exame médico admissional deverá ser realizado antes que o trabalhador assuma suas atividades. O exame periódico deverá ser realizado dentro dos prazos estipulados de acordo com a função e a avaliação do medico coordenador. Tem intervalos mínimos de tempo, como: para trabalhadores expostos a riscos ou situações de trabalho que impliquem no desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda

21 para aqueles que sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos a cada ano ou intervalos menores. O exame médico de retorno ao trabalho devera ser realizado obrigatoriamente no primeiro dia de retorno após ausência de 30 dias ou mais por motivo de doença, parto, acidente de natureza ocupacional ou não.será realizado um exame clinico com o propósito de atualização de prontuário, podendo ser solicitado exames complementares. O exame de mudança de função é obrigatório antes da mudança de função ocorrendo qualquer alteração de atividade, posto de trabalho ou setor, que impliquem na exposição do trabalhador a riscos diferentes daqueles a que estava exposto antes da mudança e os exames a serem solicitados será especifico para a nova função. O exame médico demissional devera ser realizado até a data da homologação do contrato de trabalho. O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais-PPRA está inserida na NR9 - Norma Regulamentadora n 9 que estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como efetivos da empresa, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo como meta a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. As ações do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais são desenvolvidas no âmbito da empresa, sob a responsabilidade do empregador e com a participação dos trabalhadores devendo estar articulado o disposto nas demais Normas Regulamentadora, em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional-PCMSO previsto na NR-7.

22 O PPRA considera como riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes no ambiente de trabalho que em função da sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde. Os agentes físicos são as diversas formas de energia, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, infrasom e ultra-som. Os agentes químicos são substancias, compostas ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, nevoas, neblinas, gases vapores ou pela natureza da atividade possam ter contato e ser absorvido pelo organismo através da pele ou ingestão. Os agentes biológicos são considerados as bactérias, fungos, bacilos, parasitas protozoários e vírus. Quanto á estrutura o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais devera conter: um planejamento anual com estabelecimento de metas prioridades e avaliação e controle; metodologia de avaliação; medidas de controle; medidas de caráter administrativo e avaliação. O estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle tem como base às informações obtidas no reconhecimento de riscos, e quando necessário são realizadas avaliações ambientais quantitativas para comprovar o controle da exposição ou a inexistência dos riscos identificados na etapa de reconhecimento. A avaliação ambiental quantitativa fornecerá, em caso de comprovação da exposição dos trabalhadores acima dos valores limites legais previstos, subsídios para o equacionamento das medidas de controle. Esta fase é representada no formulário Planejamento Anual. Cronograma de Ações, onde são descritos os tipos de avaliações a serem elaboradas, quando

23 aplicável, e os meses em que devem ocorrer e também os responsáveis para a execução dos laudos técnicos. A Metodologia de avaliação é utilizada para cada agente identificado, quando aplicável é elaborado um laudo técnico, no qual consta a metodologia utilizada para a realização da avaliação ambiental, o instrumental utilizado, e as normas inerentes ao assunto, assim como os dados obtidos, conclusões e as recomendações de controle. As Medidas de controle serão adotadas nas empresas, avaliando o tipo proteção coletiva, de caráter administrativo ou EPI (Equipamento de Proteção Individual), suficientes para eliminar, minimizar ou controlar os riscos ambientais encontrados nas diversas etapas. O estudo, o desenvolvimento e a implantação das medidas de proteção coletivas deverão ser elaborados de acordo com as medidas que eliminam ou reduzam a utilização ou a formação de agentes prejudiciais à saúde tais como: as medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de trabalho e as que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente de trabalho. Todas as medidas de controle coletivo deverão ser aprovadas pelo departamento de produção e segurança e, caso necessário, em conjunto com o departamento de projetos, sendo em seguida encaminhadas ao departamento financeiro para aprovação da Diretoria, que pode incluir a eliminação de produtos químicos insalubres, enclausuramento de máquinas com alto nível de ruído, exaustão local, ventilação em geral, automação de processo e isolamento de uma determinada área. Para assegurar a eficiência das medidas de controle de caráter coletivo todos os funcionários envolvidos deverão ser treinados em relação aos procedimentos e eventuais limitações de proteção, conforme o planejamento anual das ações do programa.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 9

Data de Vigência: Página 1 de 9 Data de Vigência: Página 1 de 9 1- Objetivo: Realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais e de retorno ao trabalho respeitando os critérios estabelecidos na NR 7. 2- Aplicação: Este procedimento

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA ADMINISTRATIVO FINANCEIRA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Gerência de Segurança Ocupacional SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS COD: NOR 325 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 240, de 04/06/2012 NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO 1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO PORTARIA Nº 3.214 DE 08/06/78 - NR7 (com redação dada pela Portaria nº 24 de 29/12/94 e Portaria nº 8 de 08/05/96) DO OBJETO A Norma Regulamentadora

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO/BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Unidade III

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO/BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Unidade III SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO/BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Unidade III 9 ACIDENTE DE TRABALHO Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, com o segurado empregado,

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

ALUNO: C I P A C o m i s s ã o I n t e r n a d e P r e v e n ç ã o d e A c i d e n t e s

ALUNO: C I P A C o m i s s ã o I n t e r n a d e P r e v e n ç ã o d e A c i d e n t e s 1 Consultoria e Assessoria em Segurança e Medicina do Trabalho Ltda. Visite nosso site: www.cipamed.com e-mail: cipamed@cipamed.com cipamed@uol.com.br ALUNO: Matriz: Av. Humaitá, 420 - Zona 04 - Maringá

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde 29/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL

OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL OBRIGATORIEDADE MEDICINA OCUPACIONAL Prezado Cliente, Por determinação legal, se faz necessário à apresentação de laudos técnicos, como por exemplo: PPRA, PCMSO, CIPA, SESMT, PCA e o PPP, e os exames que

Leia mais

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov. Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.br Marco Teórico O campo de estudo da Saúde do Trabalhador

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva Classificação Conceito de Higiene dos riscos Industrial ambientais PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar Prof. Ricardo Henrique de L Silva ricardo.henrique@caruaru.ifpe.edu.br O QUE O PPRA? PARA QUE SERVE

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Segurança a e Saúde no Trabalho

Segurança a e Saúde no Trabalho Metodologia de inspeção nos locais de trabalho: Portaria No. 5 do DSST de 17/08/92 Portaria No. 25 da SSST de 29/12/1992 Etapas de planejamento 1o. Conhecer os trabalhos anteriores 2o. Levantar a Planta

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito LEI Nº0138/2014, DE 20 JANEIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE: INSTITUI O SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHOR E DA TRABALHADORA - SESST NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015)

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) Visando promover a qualidade de vida dos trabalhadores e ambientes de trabalho seguros

Leia mais

Unidade III SAÚDE E SEGURANÇA NO ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade III SAÚDE E SEGURANÇA NO ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Prof. Joaquim Ribeiro Unidade III SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO: BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL 9. Acidente de trabalho É aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa provocando lesão

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv. ACIDENTES DO TRABALHO Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.br Acidente do Trabalho Lei 8.213/91, art. 19: Ocorre pelo

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA COMANDO DA AERONÁUTICA APOIO AO HOMEM DCA 164-1 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA 18 JUN 2002 COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS SEDE ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) -

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - U4 lllji!íi'i- ) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - Laudo 082-010/2012 2012 INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE RADIAÇÃO IONIZANTE,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*)

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) Dispõe sobre as diretrizes para a realização de ações de promoção da saúde ocupacional e de prevenção de

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Riscos no Ambiente de Trabalho no Setor de Construção Civil Elisabete Poiani Delboni HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO Construção

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais