INFECÇÃO E TRATAMENTO ENDODÔNTICOS CASOS CLÍNICOS EDUCAÇÃO E SAÚDE TÉCNICAS CIRÚRGICAS NESTA EDIÇÃO. Universidade Metodista de Piracicaba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFECÇÃO E TRATAMENTO ENDODÔNTICOS CASOS CLÍNICOS EDUCAÇÃO E SAÚDE TÉCNICAS CIRÚRGICAS NESTA EDIÇÃO. Universidade Metodista de Piracicaba"

Transcrição

1 Universidade Metodista de Piracicaba Vol. 12 n os 1 e 2 jan./dez ISSN: NESTA EDIÇÃO INFECÇÃO E TRATAMENTO ENDODÔNTICOS CASOS CLÍNICOS EDUCAÇÃO E SAÚDE TÉCNICAS CIRÚRGICAS

2 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA REVISTA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE LINS Favor fornecer versão P&B do logo da editora Rev. Fac. Odontol. Lins Lins V.12 N os 1 e 2 Janeiro/Dezembro 2000

3 A correspondência e os artigos para publicação deverão ser encaminhados a: Correspondence and articles for publications should be addressed to: REVISTA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE LINS Rua Tenente Florêncio Puppo Neto, Jd. Americano Lins, SP - Brasil Fone: (14) / Fax: (14) Publicação semestral / Semi-annual publication/ Publicación semestral Solicita-se permuta / Exchange desitred / Se solicita el canje EDITORA UNIMEP Heitor Amílcar da Silveira Neto (coordenação editorial) Ivonete Savino (secretária) Altair Alves de Azevedo (assistente administrativo) Suzana Veríssimo (edição de texto) UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba EDITORAÇÃO ELETRÔNICA, ARTE E CAPA TERRA Escritório de Comunicação IMPRESSÃO Gráfica Itú - Fone: (11) TIRAGEM exemplares A Revista da Faculdade de Odontologia de Lins é indexada por: The Revista da Faculdade de Odontologia de Lins is indexed by: B.B.O. - Bibliografia Brasileira de Odontologia Index to Dental Literature REVISTA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE LINS Lins, v. 12 nº 1 e 2 jan./dez Semestral ISSN Odontologia - Periódicos

4 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP EDITORIAL INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO / PESQUISA / EXTENSÃO O grande paradigma da Universidade é produzir conhecimentos e efetivamente tornálos acessíveis aos mais variados segmentos da sociedade, enfrentando o desafio de ter, de modo indissociável, a teoria da prática, fazendo a pesquisa e a extensão articularemse com o ensino, em um processo dialético que exige constantes retomadas a partir da reflexão da ação. O processo de Ensino é a ação educativa, que conjuga o ensino, a pesquisa e a extensão e consubstancia a ética da construção da cidadania na sua dimensão universal. Essa indissociação é assegurada pela exposição do conhecimento produzido, pela exposição do método da sua construção e pela exposição da sua historicidade, contemporaneidade e relevância. Na Pesquisa, os docentes de várias áreas devem fazer a seguinte indagação: Que valores da cultura, conhecimento técnicocientífico e prático, devem ser escolhidos quando se objetiva formar discentes éticos com sólida formação técnica e científica?. O envolvimento dos discentes e docentes na prática da pesquisa irá concretizar a produção do novo saber. Uma dimensão da pesquisa é associada à ação social e política, que se origina de projetos de extensão, indutores da produção do conhecimento. Outra dimensão prioriza a produção do conhecimento, através de pesquisa básica. Independentemente de seu caráter, básica ou aplicada, todas as pesquisas são instrumentos de produção do conhecimento. A Extensão permite a construção de parcerias com segmentos da sociedade, que, por fatores políticos, econômicos e éticos, não cabem ser ignorados pela Universidade. Pode ser um instrumento que ajude a efetivar o sentido social, político e ético da pesquisa e do ensino, por possibilitar uma articulação do saber existente na sociedade com o saber sistematizado na academia. Justamente para garantir esse processo dialógico na construção do conhecimento, na criação de um novo saber e na socialização deste saber, a UNIMEP estabeleceu vários mecanismos institucionais instrumentos do processo. Desde 1988, a Universidade conta com um Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP), ao qual estão vinculados o Programa de For- 3

5 mação Científica Discente, o Programa de Apoio à Produção Científica e o Programa de Divulgação da Produção do Conhecimento. A pesquisa ganhou impulso significativo com o espaço aberto aos estudantes através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a contrapartida institucional (FAPIC), iniciado em Dando suporte ao processo de construção do conhecimento da Universidade, a Editora UNIMEP divulga a produção técnica, científica e acadêmica, fruto do exercício regular do trinômio ensino, pesquisa e extensão. Em sua ação difusora dos trabalhos de pesquisadores do Brasil e do exterior, a Editora incentiva o pesquisador, garante a formação científica do estudante, documenta o processo científico e o compartilha com a comunidade, seguindo assim as categorias da Política Acadêmica. Nesse contexto de agregação e coesão dos fatores de formação profissional e de respeito à condição humana, a Faculdade de Odontologia de Lins (FOL) vislumbra a importância da participação ativa do futuro profissional na construção de seu conhecimento através de ações concretas traduzidas neste documento. O envolvimento dos alunos da FOL nas atividades de pesquisa envolve preparação de projetos, cujos propósitos servem para gerar novos conhecimentos e soluções de problemas que possam favorecer o relacionamento universidade/comunidade. Os suportes para o desenvolvimento desses projetos são encontrados no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/FAPIC), nas Bolsas de Fundo de Apoio às Pesquisas (FAP), bolsas-monitorias ou em outras Instituições de fomento à pesquisa científica. A cada ano, na Jornada Odontológica e Acadêmica, realizada desde 1988, são apresentados trabalhos científicos e clínicos, desenvolvidos pelos discentes com orientação dos professores da Faculdade de Odontologia de Lins e, também, divulgada externamente, com a participação de outras Instituições de ensino superior, representados pelos acadêmicos orientados pelos docentes das respectivas Instituições. Para promover a difusão de novos conhecimentos clínicos e laboratoriais, a Faculdade de Odontologia edita semestralmente, desde 1988, a Revista da Faculdade de Odontologia de Lins. A UNIMEP, através da Editora UNIMEP e do Comitê Editorial desta publicação, tem proporcionado apoio e orientação para que o periódico da FOL possa evoluir. É nesse sentido que oferecemos mais uma edição da Revista da FOL. Reconhecemos aqui a constante necessidade de se estar sempre em busca da melhoria da qualidade da revista e de se continuar trabalhando para atingir tal objetivo. CARLOS WAGNER DE A. WERNER Diretor da FOL UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba 4

6 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP SUMÁRIO SUMMARY A PARTICIPAÇÃO FAMILIAR NA PREVENÇÃO DA CÁRIE THE ROLE OF FAMILY MEMBERS ON EARLY CHILDHOOD CARIES PREVENTION Adriana Cristina Zavanelli, Daniele Regina de Oliveira Cardia & Eulália Maria Martins da Silva ESTRUTURA METÁLICA DE COBALTO-CROMO-MOLIBDÊNIO (CO-CR-MO) COM BRAÇOS RETENTIVOS EM LIGA DE OURO COBALT-CHROMIUM-MOLYBDENUM (CO-CR-MO) FRAMEWORK WITH GOLD (AU) ALLOY RETENTIVE CLASP ARMS Alicio Rosalino Garcia & Valdir de Sousa EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA A EDUCAÇÃO E MOTIVAÇÃO DA HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS THE EFFICACY OF AN EDUCATIONAL ORAL HYGIENE PROGRAM FOR MENTALLY AND PHYSICALLY HANDCAPPED PATIENTS Sandra M. H. C. Ávila de Aguiar, Cíntia Megid Barbieri, Liliane P. Almeida Louzada & Tathiana Eyko Saito FACETAS LAMINADAS EM PORCELANA: UMA OPÇÃO ESTÉTICA PARA O CLÍNICO GERAL PORCELAIN LAMINATE VENEERS: AN ESTHETICAL OPTION FOR GENERAL DENTAL PRACTITIONER José Carlos Monteiro de Castro, Alessandra Aranega, Karina Blanco Cassebe & Wilson Roberto Poi INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE RAIO LASER DE BIOESTIMULAÇÃO SOBRE A REPARAÇÃO DE FERIDAS DE EXTRAÇÃO DENTÁRIA. ESTUDO HISTOLÓGICO EM RATOS INFLUENCY OF APPLICATION LASER RAY NUMBER EFFECTS ON WOUND HEALING OF DENTAL EXTRACTION. HISTOLOGICAL STUDY IN RATS Valdir Gouveia Garcia, Letícia Helena Theodoro, Luiz Sérgio Colman, Renata Garcia Fonseca & Tetuo Okamoto CAPACIDADE SELADORA DE DIVERSOS MÉTODOS DE OBTURAÇÃO DE PERFURAÇÕES RADICULARES SEALING PROPERTIES OF DIFFERENT ROOT FILLING METHODS Milton Carlos Kuga, Ivana Heringer Sandoli, José Carlos Yamashita, Marco Antonio Húngaro Duarte, Maria Victória Lauris Fayad & Mitsuru Ogata TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA OBTENÇÃO DE ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO SURGICAL TECHNIQUES FOR AUTOGENOUS BONE GRAFT Marcos Rikio Kuabara, Laércio Wonhrath Vasconcelos & Paulo Sérgio Perri de Carvalho TRANSFORMAÇÃO DE DENTE CONÓIDE E FECHAMENTO DE DIASTEMA EM CLÍNICA GERAL ESTHETIC CORRECTION OF PEG SHAPED LATERAL INCISOR AND DIASTEMA CLOSURE IN GENERAL DENTISTRY Denise Pedrini, Patrícia dos Santos Jardim & Wilson Roberto Poi INFLUÊNCIA DO TIPO DE PASTA DE HIDRÓXIDO DE CÁLCIO E DO MÉTODO DE IRRIGAÇÃO FINAL NO VEDAMENTO DE OBTURAÇÕES ENDODÔNTICAS ROOT CANAL LEAKAGE STUDY USING DIFFERENT CALCIUM HYDROXIDE DRESSINGS AND FINAL IRRIGATION METHODS Milton Carlos Kuga, Celso Mitsunori Ito, José Carlos Yamashita, Marco Antônio Húngaro Duarte, Maria Victória Lauris Fayad & Mitsuru Ogata A PRESENÇA DE FUNGOS NAS INFECÇÕES ENDODÔNTICAS THE PRESENCE OF YEAST IN ENDODONTIC INFECTIONS Léa Assed Bezerra da Silva, Fábio Tobias Perassi, Izabel Yoko Ito, José Carlos Yamashita, Kleber Cortês Bonifácio & Mário Tanomaru Filho 5

7 UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba 6

8 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP A PARTICIPAÇÃO FAMILIAR NA PREVENÇÃO DA CÁRIE THE ROLE OF FAMILY MEMBERS ON EARLY CHILDHOOD CARIES PREVENTION Adriana Cristina Zavanelli Daniele Regina de Oliveira Cardia Eulália Maria Martins da Silva Professora assistente da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Ex-aluna do curso de graduação da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Professora adjunto da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp RESUMO As autoras chamam a atenção para a importância da higiene e da prevenção, e a necessidade de orientação precoce para a preservação da saúde bucal de crianças em tenra idade. Essa orientação deverá formar um hábito de higiene oral adequado, que acompanhará a criança por toda sua vida. A partir do conhecimento dos fatores envolvidos na etiologia da cárie de mamadeira, pode-se orientar o núcleo familiar a participar dos cuidados e estimular a saúde bucal da criança. UNITERMOS: cárie de mamadeira higiene oral prevenção. SUMMARY This article describes the importance of starting prevention and oral hygiene in early childhood.the authors stress the importance of family members in establishing adequate lifelong oral hygiene habits. The educational program is based on the promotion of family awareness on the aetiology of dental caries and the risk of baby bottle tooth decay in early childhood. Family members are led to actively participate in activities that promote oral health. UNITERMS: baby bottle tooth decay oral hygiene prevention. 7

9 8 INTRODUÇÃO Um provérbio chinês conta que um homem perguntou a um sábio qual seria a melhor idade para iniciar a educação de seu filho. E o sábio respondeu: Cem anos antes do nascimento dele. A educação é a conscientização para a resolução de problemas muito tempo antes que eles ocorram. É a partir da conscientização que surge a prevenção. Ou seja, prevenir é antecipar-se a algum acontecimento com o objetivo de interceptar o seu curso, quando conveniente. Na Odontologia, pode-se contribuir para a saúde bucal do indivíduo antes do seu nascimento. Isso pode ser feito por meio da educação dos pais e de orientação à gestante sobre a importância de uma alimentação sadia e adequada, e dos cuidados básicos de higiene oral durante os primeiros meses de vida do bebê, mesmo antes da erupção dos dentes. Esses cuidados, além de proporcionar maior bem-estar à criança, irão prevenir a instalação das cáries de mamadeira, que aparecem precocemente. A cárie de mamadeira é um tipo de cárie peculiar, severa, que afeta a dentição primária, sendo muito semelhante à cárie rampante, embora de etiologia diferente. Até 1920, a literatura recomendava o tratamento odontológico na gestante e apenas o tratamento de emergência durante o segundo trimestre da gravidez. Atualmente, reconhece-se que a gestante precisa de mais atenção odontológica. Isto é especialmente verdadeiro no que se refere à prevenção, como afirmam Chiodo & Rosenstein. 4 Embora em 1862 Jacobi 9 já tivesse observado que o leite poderia atuar como um agente cariogênico, esse fato só foi novamente levantado em 1963 por Brass. 2 A partir da sua explicação do mecanismo básico da formação da cárie de mamadeira, 2 surgiu um grande número de trabalhos sobre o assunto. A preocupação com essa cárie decorre do fato de ser uma lesão de evolução muito rápida, e que acarreta dor, infecção, máoclusão e distúrbios sistêmicos e psicológicos para a criança. No Brasil, o atendimento odontológico para a gestante e o bebê logo após o nascimento foi pioneiramente implantado na cidade de Londrina (Universidade Estadual do Paraná), em uma clínica denominada Bebê Clínica, que presta atendimento preventivo e curativo a pacientes de zero a 30 meses, realizando pesquisas para prevenir e facilitar o tratamento a partir da mais tenra idade. McDonald 11 ressalta que a cárie de mamadeira também pode ser prevenida pelo aconselhamento precoce dos pais, e, como afirma Towell, 18 ela pode ser completamente evitada por meio de um programa público de educação. PROPOSIÇÃO O objetivo deste trabalho é mostrar os agentes etiológicos e as formas de prevenção da cárie de mamadeira, desenvolvendo um programa de educação junto aos pais para mostrar como é possível, por meio de uma alimentação adequada da gestante e de uma educação sanitária ampla inclusive orientando a higiene bucal do recém-nascido, se não sanar, pelo menos diminuir a incidência deste tipo de cárie. Esta educação consiste em fornecer-lhes orientação, abordando os aspectos envolvidos para se obter uma saúde bucal adequada, o que irá se refletir em um estado geral de bem-estar do bebê e na formação de um hábito saudável. DISCUSSÃO Hoje, com a evolução da Odontologia, sabe-se que o atendimento à gestante pode ocorrer em qualquer época, e que devemos dar atenção principalmente ao aspecto preventivo. A crença de que o cálcio da estrutura dental materna é removido para formar a estrutura óssea calcificada do futuro ser ainda persiste, porém vários estudos mostram não haver diferença estatisticamente significativa na incidência de cáries entre pacientes grávidas e não grávidas. 6;19;20 Apesar de encontrarmos relatos da prevalência de Streptococcus mutans e lactobacilos acidófilos, e diminuição do ph salivar de pacientes grávidas, há um consenso de que, neste período, a dieta torna-se mais cariogênica e existe uma negligência com a saúde bucal. 5;14;16;20 As principais alterações bucais atribuíveis à gravidez são as relacionadas com UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

10 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP o aumento da vascularização da gengiva e a resposta exagerada dos tecidos moles do periodonto frente aos fatores locais, devido a alterações no equilíbrio hormonal. Estrógeno e progesterona são os hormônios responsáveis pela exacerbação da resposta inflamatória à ação dos irritantes bucais, especialmente nos três primeiros meses e durante o último trimestre da gravidez. 10 Devemos alertar a gestante para a importância da saúde dental do bebê que se encontra no seu ventre, informando-a que o desenvolvimento dos dentes começa por volta do 40. o dia de vida intra-uterina. Para que o bebê seja saudável, ela deve ingerir uma dieta alimentar bem balanceada e evitar todos os tipos de medicamentos que atravessam a barreira placentária (principalmente drogas como a tetraciclina) e se depositam nos tecidos que se encontram em processo de calcificação, ocasionando más formações esqueléticas e anomalias dentárias. 5 As tomadas radiográficas podem ser realizadas com o uso de avental plumbífero de 75 a 60 cm, com a espessura de 0,5 mm de chumbo, e deve cobrir desde a mandíbula até o terço médio das coxas da gestante. Para que a dentição decídua seja beneficiada pelo flúor, o organismo materno deve estar pré-saturado. Para tanto, a gestante deverá ingerir flúor durante toda a gestação. Após o nascimento, a criança deve continuar a receber flúor até o irrompimento de todos os dentes permanentes. Se a água de abastecimento da cidade de moradia da gestante e seu futuro bebê não for fluoretada, podemos prescrever o fluoreto de sódio na forma de solução ou de comprimidos, em dosagem adequada. É importante, também, conscientizar a paciente grávida sobre a importância do aleitamento materno, pois o exercício representado pela sucção leva a um bom desenvolvimento dento-facial, permitindo à criança a obtenção de uma oclusão dentária normal e o conseqüente equilíbrio neuromuscular. Além de proporcionar bom equilíbrio emocional ao bebê, a amamentação significa para ele satisfação, prazer e segurança. É importante salientar que a criança amamentada no peito demora de 30 a 40 minutos para completar sua alimentação, prolongando o contato físico com a mãe, além de exercitar a musculatura facial por um período maior que a criança amamentada com mamadeira, que leva apenas de oito a 10 minutos para concluir a mamada. 17 Com a orientação do núcleo familiar dá-se o início da prevenção. Mesmo após o nascimento do bebê, é necessária a orientação quanto à continuação da higiene bucal para se evitar a instalação de cáries, principalmente a Síndrome da Cárie de Mamadeira. O aparecimento da cárie de mamadeira está relacionado com a ingestão de leite incluindo-se também o leite materno, chás, sucos adocicados e chupetas com adoçantes, que, permitindo um contato prolongado desses alimentos com os dentes decíduos, favorecem a instalação desse tipo de lesão. Segundo Oliveira, 13 a alimentação feita apenas com mamadas nos períodos de refeição normal não causa danos aos dentes. Mas, na verdade, existe um conjunto de circunstâncias que leva à alimentação prolongada com mamadeira nos horários do sono da tarde e da noite, favorecendo o aparecimento das lesões. Há divergências quanto ao período de aparecimento dessa cárie. Algumas informações apresentam dados que evidenciam sua detecção aos 12 meses, e outras, aos 22 meses. Também há divergências quanto à sua incidência, sendo encontrados valores de 1%, 7% e 12%. A evolução desse tipo de cárie se faz de maneira muito rápida, causando dor, infecção, má-oclusão e distúrbios psicológicos para a criança. Os primeiros dentes a serem atingidos são os incisivos superiores no terço cervical e, em seqüência, os molares. Na mandíbula, os primeiros dentes atingidos são os molares, seguidos pelas faces vestibulares dos caninos. Os incisivos inferiores são os últimos dentes atingidos, pois estão mais protegidos pela presença da língua que atua como barreira mecânica, dificultando a exposição dos mesmos aos agentes cariogênicos e também pela postura da cabeça da criança, pela posição do bico da mamadeira e pela secreção das glândulas salivares mandibulares. 3;12 O leite bovino tem potencial cariogênico em função da presença da lactose 9

11 10 (4,5%), e o leite materno apresenta uma concentração ainda maior desse açúcar (7,5%). Logo, tanto o leite bovino quanto o materno possuem potencial cariogênico. Sendo assim, o acréscimo de outros tipos de açúcares ou de mel elevam ainda mais esse potencial. 15 Resíduos de leite ficam acumulados ao redor dos dentes. Com a falta de limpeza e remoção desses restos alimentares dos dentes e a diminuição do fluxo salivar no período noturno, instalase um quadro extremamente favorável ao aparecimento de cáries. Outro fator agravante é a introdução de biscoitos na alimentação, por volta dos seis meses de idade. O carboidrato tornase pastoso, aderindo aos dentes e favorecendo o aparecimento de áreas de descalcificação, quando não existe limpeza adequada. Levando-se em consideração os fatores acima, pode-se orientar os pais no sentido de diminuir a quantidade e a freqüência de alimentos cariogênicos na dieta alimentar da criança. Deve-se explicar a eles, também, que a consistência física dos alimentos é muito importante, e que a consistência pastosa deve ser evitada já que permanece aderida aos dentes por um período mais longo, favorecendo dessa maneira sua descalcificação. 7 A criança deve ser incentivada a utilizar copos ou xícaras tão logo seja capaz. Até que isso seja possível, a mamadeira noturna deve ser seguida de outra, com água. Após a alimentação, a boca da criança deve ser limpa com gase e água. Essa manobra reduz o substrato bacteriano e familiariza a criança com o hábito da higiene oral. A partir do primeiro ano de idade, deve-se realizar escovação suave dos dentes e incentivar a criança a fazê-lo, tornando a tarefa um momento de prazer. 11;13 Deve-se também incentivar a criança a freqüentar o consultório odontológico e, quando possível, instituir a prevenção por meio de fluoretação tópica. A ingestão do flúor durante a fase de calcificação dos dentes constitui um método de prevenção da cárie dentária com comprovada eficiência. O melhor veículo de administração do flúor é a água, que deve estar em concentração compatível com a região. Dessa maneira, é possível diminuir em aproximadamente 60% a incidência de cárie dentária. A fluoretação da água de abastecimento é uma questão de saúde pública, e oferece grandes benefícios a toda a população e em todas as faixas etárias. 1;8 A fase na qual se iniciam as cáries de mamadeira (12 até 22 meses) apresenta dificuldade de tratamento. Em função da pouca idade da criança, é difícil até mesmo o uso da fluoretação tópica. Assim, a educação precoce dos pais, por meio de programas educativos, mostra-se como o melhor caminho a ser percorrido. CONCLUSÃO Enfatizamos a necessidade de educação dos pais de recém-nascidos para a importância dos cuidados com os dentes, proporcionando condições para que a criança tenha boa saúde oral. A orientação das gestantes nos postos de saúde, postos de atendimento sanitário, hospitais, maternidades, alertando-as sobre a necessidade da saúde bucal, pode, a longo prazo, contribuir para o combate às cáries e doenças periodontais. Em termos de qualidade de vida, a prevenção sempre é preferível ao tratamento curativo. As medidas preventivas também atingem um número maior de pessoas, com menor custo para o Estado. Mais e mais pessoas que convivem com bebês, quando corretamente orientadas, terão melhores condições e mais facilidade para orientar a higiene dos pequeninos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BASTOS, J.R.M. Suplementação de flúor no Brasil. Pediatr. Mod., v. 20, n. 1, pp , BRASS, D. Milk-A caux of dental decay. Brit. Dent. J., v. 20, pp , CALACHE, M.J.M.; GUEDES-PINTO, A.C.; SANTOS, N.D. & CORREA, M.S.U.P. Cárie de mamadeira: aspectos clínicos. Rev. Bras. Odontol., v. 46, n. 1, pp. 2-8, CHIODO, G.T. & ROSENSTEIN, D.I. Dental treatment during pregnancy: a preventive approach. J. Am. Dent. Assoc., v. 110, pp , DUAILIBI, S.E. & DUAILIBI, M.T. A odontologia para a gestante. Rev. Paul. Odontol., v. 7, n. 5, pp , EASTON, G.S. Incidence of dental caries during and after pregnancy. J. Dent. Res., v. 39, n. 4, p. 697, FONSECA, Y.P.C. & GUEDES-PINTO, A.C. Controle da dieta alimentar em pacientes de odontopediatria com alta incidência de cárie. Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent., v. 38, n. 4, pp , UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

12 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP 8. GRANDE, R.H.M. Flúor endógeno. Rev. Paul. Odontol., v. 4, n. 1, pp , JACOBI, S. Dentitun and Deragements. New York: Medical College, LASCALA, N.T. & MOUSSALI, N.H. Periodontia Clínica II. 2. a ed. São Paulo: Ed. Artes Médicas Ltda., McDONALD, R.E. Nursing Bottle Caries: in Dentistry for the Child and Adolescent. St. Louis: C. V. Mosby Co., pp , MOYERS, R.E. Handbook of Orthodontics. 3. a ed. Chicago: Year Book Medical Pub, OLIVEIRA, M.A.M. Atendimento Odontológico na Gravidez: Considerações Clínicas e Emprego de Medicamentos. São Paulo: Ed. Santos, OROSZ, M.; VASKO, A.; GABRIS, K. & BANOCZY, J. Changes in salivary ph and lactobacilli count in pregnant women. Proc. Finn. Dent. Soc., v. 76, pp , RIPA, L.W. Nursing habits and dental decay in infants: nursing bottle caries. J. Dent. Child., v. 45, n. 4, pp , SHOEB, S.A. & El GALLY, K.A. Caries incidence and aciduric microorganisms in pregnancy. Egypt. Dent. J., v. 25, n. 2, pp , TORRES, I.A. & ANDRADE, M.G.N. Cuidados primários odontológicos durante o período gestatório. Ars Cur. Odontol., v. 11, n. 2, pp , TOWELL, D. Milk is it related to rampant caries of the early primary dentitun. J. Calif. Dent. Assoc., v. 4, n. 1, pp , VIEGAS, Y. Gestação e cárie dental. Rev. Saúde Publ., Univ. São Paulo, v. 4, n. 1, pp , WILLIAMSON, T.L. The pregnant pattients-problems, management and treatment. Dent. Assist., v. 48, n. 1, pp , Recebimento: 09/jun./00 Aprovação: 3/out./00 11

13 ESTRUTURA METÁLICA DE COBALTO- CROMO-MOLIBDÊNIO (CO-CR-MO) COM BRAÇOS RETENTIVOS EM LIGA DE OURO UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba COBALT-CHROMIUM-MOLYBDENUM (CO-CR-MO) FRAMEWORK WITH GOLD (AU) ALLOY RETENTIVE CLASP ARMS Alicio Rosalino Garcia Valdir de Sousa Professores de Prótese Parcial Removível, colaboradores de Oclusão e membros do Núcleo de Diagnóstico e Tratamento das Disfunções Temporomandibulares da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp 12 RESUMO Este trabalho descreve um procedimento de dupla fundição para obter grampos na combinação de duas ligas de cobalto-cromo-molibdênio (Co-Cr-Mo) e de ouro (Au) para próteses parciais removíveis. UNITERMOS: grampos ligas de ouro e de Co- Cr-Mo. SUMMARY This article describes a double-casting procedure for retentive clasp arms used in removable partial dentures (RPD). The casting procedure combines Cobalt-Chromium-Molybdenum (Co-Cr-Mo) and Gold (Au) alloys. UNITERMS: clasp arms gold and Co-Cr-Mo alloys.

14 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP INTRODUÇÃO O caso clínico aqui apresentado é o de uma paciente com extremidade livre unilateral maxilar e os dentes remanescentes restaurados com prótese metalocerâmica. A paciente necessita de uma prótese parcial removível para a restauração da função, mas não quer a remoção e a substituição das restaurações já existentes. A estrutura metálica convencional da prótese parcial removível, feita com liga de Co-Cr-Mo, pode encontrar obstáculos para sua adaptação e retenção. Um dos problemas é a falta de flexibilidade do braço de retenção. Essa flexibilidade é necessária para ultrapassar o equador protético das restaurações de cerâmica e para o funcionamento adequado dos braços de retenção. Se os braços retentivos dos grampos forem feitos com liga de ouro, o problema pode ser solucionado, já que esta liga é mais flexível que a de Co-Cr-Mo. Sugerimos a fundição da parte rígida da estrutura metálica com liga de Co-Cr-Mo com os procedimentos convencionais 1;2;3 e, em seguida, a fundição dos braços de retenção com liga de ouro, incorporando-os à estrutura rígida. As vantagens deste procedimento são: flexibilidade dos braços de retenção aumentada pela liga de ouro; a parte rígida, mais volumosa, é fundida com liga convencional, menos cara; o atrito da parte cerâmica das coroas é diminuído; possibilidade de colocação dos braços de retenção mais próximos da face cervical, diminuindo a alavanca no dente suporte; dispensa a soldagem; quando a visibilidade é inevitável, alguns pacientes preferem mostrar o ouro do que a cor prateada das estruturas de Co-Cr-Mo. A principal desvantagem do procedimento é o custo da dupla fundição e o elevado valor da liga de ouro. FIGURA 1. MODELO MESTRE DO ARCO MAXILAR DA PACIENTE. FIGURA 2. ENCERAMENTO DA PARTE RÍGIDA DA ESTRUTURA METÁLICA A SER FUNDIDA COM LIGA DE CO-CR-MO. FIGURA 3. A SETA INDICA A RETENÇÃO MECÂNICA FEITA NA PARTE DO CONECTOR MAIOR DE CO-CR-MO AO QUAL SE UNIRÃO OS BRAÇOS DE RETENÇÃO (EM LIGA DE OURO) PARA O LADO DENTO-SUPORTADO DA PRÓTESE PARCIAL REMOVÍVEL. NOTE A LINHA DE ACABAMENTO, ABAIXO DA SETA. PROCEDIMENTOS 1. Delineie, desenhe e alivie o modelo mestre; duplique-o e obtenha o modelo refratário adequado para a liga de Co-Cr-Mo. 2. Use cera ou padrões de plástico para a parte rígida da estrutura metálica no modelo refratário (fig. 2). Faça retenções mecânicas (alças) para a conexão do braço de retenção com liga de ouro (fig. 2 e 3). 13

15 FIGURA 4. VISTA VESTIBULAR DOS PADRÕES DE DURALAY NO MODELO MESTRE. A: GRAMPO 14 GEMINADO PARA OS MOLARES ESQUERDOS. B: GRAMPO EM BARRA PARA O SEGUNDO PRÉ-MOLAR DIREITO. NOTE QUE ESTE BRAÇO DEVE SER LONGO O SUFICIENTE PARA SER UNIDO NA MALHA DE RETENÇÃO PELA RESINA ACRÍLICA, QUANDO A BASE FOR PROCESSADA. FIGURA 5. PADRÕES DE DURALAY A SEREM INCLUÍDOS EM REVESTIMENTO PARA FUNDIÇÃO DE LIGA DE OURO. FIGURA 6. OS BRAÇOS RETENTIVOS DE GRAMPOS EM LIGA DE OURO E A PARTE RÍGIDA DA ESTRUTURA METÁLICA DE LIGA DE CO-CR-MO ADAPTADOS AO MODELO MESTRE. 3. Coloque os canais de alimentação; inclua e faça a fundição da parte rígida da estrutura metálica com liga de Co-Cr- Mo com a técnica convencional. 1;2;3 4. Dê acabamento à estrutura metálica de Co-Cr-Mo e adapte-a ao modelo mestre. 5. Isole os dentes suportes que receberão os braços de retenção dos grampos e pincele resina acrílica Duralay (Reliance Dental Mfg. Co, Worth, III) no contorno do desenho dos braços de retenção dos grampos, deixando-os com a espessura e as formas desejadas. Para compensar o desgaste feito durante o polimento, é necessário deixar os braços dos grampos ligeiramente mais volumosos (fig. 4 e 5). 6. Após a polimerização da resina, remova o conjunto, estrutura de Co-Cr-Mo e braços de retenção dos grampos em resina, deixando estes bem definidos e o mais liso possível (fig. 5). 7. Inclua, em revestimento adequado, a estrutura metálica de Co-Cr-Mo e o padrão de resina que representa o grampo geminado para o lado dento-suportado. A liga de ouro fundida preencherá as retenções mecânicas (alças), cobrindo-as. O padrão de Duralay do grampo em barra para a extremidade livre não é unido à estrutura metálica de Co-Cr- Mo pela fundição, mas incluído em revestimento para fundição de liga de ouro. Posteriormente, o grampo em barra será unido à malha de retenção da estrutura metálica de Co-Cr-Mo pelo seu envolvimento com a resina. 8. Dê acabamento e polimento aos grampos e à parte rígida da estrutura metálica (fig. 6). 9. O braço retentivo para o lado da extremidade livre é mantido em posição no modelo mestre com resina acrílica auto-polimerizável, que o une à estrutura rígida (fig. 6). Este braço de grampo será permanentemente unido ao resto da estrutura com a polimerização da resina da base da prótese. 10. Após a montagem dos modelos em articulador, pode-se proceder à montagem dos dentes artificiais e posterior processamento da base. A prótese parcial removível mostrada na figura 7 está em uso há um ano e não mostrou UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

16 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP qualquer evidência de corrosão, efeitos da corrente galvânica ou abrasão das restaurações de cerâmica (porcelana). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. McGIVNEY, G.P. & CASTLEBERRY, D.J. McCracken s Removable Partial Prosthodontics. 9th ed. St. Louis: C. V. Mosby, pp , RUDD, K.D.; MORROW, R. M. & EISSMANN, H. F. Dental Laboratory Procedures. Removable Partial Dentures, v. 3. St. Louis: C. V. Mosby, pp , STEWART, K.L.; RUDD, K.D. & KUEBKER, W.A. Clinical Removable Partial Prosthodontics. St. Louis: Ishiyaku EuroAmérica, pp , FIGURA 7. VISTA INTRA-ORAL, PELO ESPELHO, DA JUNÇÃO DAS LIGAS DE OURO E DE CO-CR-MO NO LADO DENTO-SUPORTADO DA MAXILA (SETA). Recebimento: 09/jun./00 Aprovação: 3/out./00 15

17 EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA A EDUCAÇÃO E A MOTIVAÇÃO DA HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba THE EFFICACY OF AN EDUCATIONAL ORAL HYGIENE PROGRAM FOR MENTALLY AND PHYSICALLY HANDCAPPED PATIENTS Sandra M. H. C. Ávila de Aguiar Professora assistente doutora de Odontopediatria da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Cirurgiã-dentista do Centro de Assistência Odontológica a Excepcionais da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Cirurgiã-dentista do Centro de Assistência Odontológica a Excepcionais da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Aluna de graduação em Odontologia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Unesp Cíntia Megid Barbieri Liliane P. Almeida Louzada Tathiana Eyko Saito RESUMO 16 No presente trabalho, avalia-se a eficiência de um programa para promover a educação e a motivação da higiene buco-dental direcionado a excepcionais portadores de disfunções motoras e deficiência mental internados e assistidos em uma entidade assistencial. Infelizmente, por não possuírem habilidades motoras para a realização de suas atividades da vida diária, esses indivíduos são totalmente dependentes dos enfermeiros responsáveis por eles. Portanto, não são capazes de realizar suas escovações dentais, atividade a cargo destes profissionais. A partir desta observação, optou-se pela instituição de um programa para a Educação e Motivação dos enfermeiros. Os resultados obtidos foram altamente satisfatórios: houve uma marcante redução dos índices de placa dental nos pacientes, em virtude da assimilação de técnicas mais adequadas para a realização de suas higienes buco-dentais, e, consequentemente, a aquisição desse hábito como uma rotina saudável e necessária para o bem-estar desses indivíduos especiais. UNITERMOS: motivação assistência odontológica para excepcionais deficientes odontologia preventiva. SUMMARY This study evaluates the efficacy of an oral hygiene program based on education and motivation of institutionalized mentally and physically handcapped subjects. Due to their total dependency on aids assistance for developing daily living activities, the oral hygiene program was targeted to the caretakers. After a few months a significant reduction on the dental plaque index was verified. This result shows that programs involving caretakers can be very useful to increase the oral hygiene and promote oral health of institutionalized mentally and physically handcapped subjects. UNITERMS: motivation dental care for special patients handcapped patients preventive dentistry.

18 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP INTRODUÇÃO Segundo Grünspun, 6 excepcional é todo indivíduo, adulto ou criança, que se desvia física, intelectual, social e emocionalmente daquilo que é considerado normal em relação aos padrões de crescimento e desenvolvimento, e, por isso, não pode receber educação regular padronizada, requerendo educação especial e instrução suplementar em serviços adequados para o resto de sua vida. A incidência de cárie dental e de gengivite é, geralmente, muito elevada neste grupo de indivíduos. A incapacidade de manter uma higiene bucal adequada e suficiente explica o elevado índice dessas ocorrências. No entanto, a esse fator etiológico pode-se acrescentar outros, como respiração bucal, anomalias de oclusão, dieta cariogênica e efeitos medicamentosos. 17 Associado a esses fatores, o nível socioeconômico e cultural desses indivíduos, geralmente baixo, agrava ainda mais a situação. A saúde bucal dos pacientes especiais, inclusive no Brasil, é ainda muito precária. Vários são os motivos para isso: há poucos centros especializados na assistência desses pacientes; poucos e raros são os dentistas que se habilitam a fazer o tratamento desses pacientes em seus consultórios particulares; muitas vezes, as famílias não possuem condições financeiras para pagar o tratamento odontológico, visto que uma intervenção curativa/restauradora ou cirúrgica é bastante onerosa; e, principalmente, falta de educação, motivação e interesse das famílias em relação à saúde bucal dessas crianças. Esse fato é agravado pela baixa situação socioeconômica e cultural familiar, que mal consegue comprar alimentos, e, menos ainda, escovas e cremes dentais. As necessidades básicas de saúde, sociais, psicológicas e educacionais das crianças excepcionais são idênticas às de todas as crianças e podem ser satisfeitas praticamente da mesma maneira. 16 O cirurgião-dentista, em seu trabalho diário, deverá ter sensibilidade para compreender os problemas psicossociais que envolvem o paciente portador de deficiência mental. 15 A Odontologia, atualmente, tem dirigido grande parte dos seus esforços no sentido de aprimorar técnicas restauradoras e/ou curativas avançadas no tratamento de problemas bucais, como a cárie dental e a doença gengival. No entanto, a maioria da população ainda não percebeu que esses problemas podem e devem ser evitados. 11 O tratamento preventivo, por meio de informação e de motivação a respeito da importância e da necessidade da higiene buco-dental, raspagem e polimento dentário, aplicação de fluoretos e orientação sobre a dieta alimentar, é uma atitude inteligente, eminentemente compensadora e muito gratificante, além de ser mais acessível para as famílias, do ponto de vista financeiro. As ações de saúde, tanto educativas quanto curativas, visam proporcionar aos grupos humanos o mais elevado grau de saúde, permitindo uma melhor qualidade de vida. 12 A educação é um instrumento de transformação social e não apenas a educação formal, mas toda ação educativa que propicie a reformulação de hábitos, a aceitação de novos valores e conceitos, e que estimule a criatividade. 13 Torna-se necessária, portanto, uma mudança no sistema de saúde pública não apenas para os indivíduos excepcionais, mas para toda a população, pois a possibilidade de prevenção deve ser considerada como o melhor e mais eficaz tratamento que a Odontologia pode oferecer. PROPOSIÇÃO É propósito do presente trabalho avaliar a eficiência de um programa para a educação e a motivação para a higiene bucal, direcionado a excepcionais com disfunções motoras e deficiência mental, internos e assistidos na Associação de Amparo ao Excepcional Ritinha Prates da cidade de Araçatuba, São Paulo. Para a realização deste trabalho, contamos integralmente com a boa vontade e a participação ativa dos enfermeiros da entidade, e com o apoio e o incentivo da Diretoria e dos demais profissionais de diversas áreas que lá trabalham. MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho teve início em 1996, quando havia apenas 40 pacientes internos. Inicialmente, foram utilizados 35 pacientes, já que cinco apresentavam exodontia total. Durante a realização do 17

19 18 estudo, dois pacientes vieram a óbito. Portanto, dos 40 pacientes da entidade, foi possível trabalhar com apenas 33, sem distinção de sexo ou idade. Todos os pacientes da Ritinha Prates recebem assistência odontológica no Centro de Assistência Odontológica a Excepcionais (CAOE) da Faculdade de Odontologia do Campus de Araçatuba da Unesp, onde são matriculados e assistidos rotineiramente. O Centrinho, como é carinhosamente conhecido, é pioneiro na assistência a pacientes especiais, e atende atualmente a 4 mil pacientes portadores de deficiências mentais, associadas ou não a deficiência física. Essa assistência é feita gratuitamente por uma equipe multiprofissional, constituída por médicos, enfermeiros, cirurgiões-dentistas, assistente social, psicóloga, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogas, auxiliares odontológicos e de enfermagem, o que garante aos pacientes um tratamento global e integrado. No entanto, apesar de os pacientes realizarem rotineiramente tratamentos odontológicos, a cada retorno era observada uma inadequada preservação desses cuidados, já que apresentavam elevados índices de placa e de cálculo dentais devido à má realização de suas higienes buco-dentais. Como eles não possuem habilidades motoras para a realização das escovações dentais, pois são totalmente dependentes, os pacientes necessitam que alguém faça por eles essa tarefa tão importante. No caso específico, essa responsabilidade fica a cargo dos enfermeiros. A partir dessa observação, optou-se pela instituição de um programa que visasse a Educação e Motivação desses profissionais. Os trabalhos foram iniciados com palestras educativas, auxiliadas por recursos audiovisuais. Numa segunda etapa, colocou-se em prática os ensinamentos teóricos e, por meio da evidenciação de placas nos dentes dos próprios enfermeiros, foilhes ensinada a técnica de Bass 1 para escovação dental e uso do fio dental, procurando motivá-los para a necessidade, a oportunidade e a importância da higiene buco-dental. Numa terceira fase, todos os passos acima foram executados nos pacientes, iniciando-se pela evidenciação de placas e, em seguida, pelo ensino das técnicas de higienização. A escovação dental nesses pacientes é extremamente difícil em virtude da sua incapacidade motora, tanto em relação à abertura bucal quanto por apresentarem movimentos involuntários. Para ajudá-los a realizar uma adequada higienização bucal, foi necessário fornecer-lhes alguns recursos auxiliares, como abridores de boca para manter a abertura bucal, borrifador d água que nada mais era que um recipiente de plástico de spray, normalmente usado para borrifar água nas plantas ou para auxiliar a passar roupas, um aparelho sugador portátil elétrico, da Nevoni, e sugadores plásticos descartáveis. Dentifrícios e escovas dentais, a entidade possuía em grande quantidade, pois havia recebido uma recente doação. Esses recursos auxiliares foram necessários porque os pacientes não conseguem colaborar, executando gestos simples como cuspir e promover a limpeza da cavidade bucal para a remoção da pasta dental e da saliva do interior da boca. Daí a necessidade do borrifador de água e do sugador portátil. No intuito de auxiliar ainda mais a limpeza, instituiu-se a adição de uma solução anti-séptica bucal na água colocada no borrifador. No caso específico, usou-se uma tampa-medida de Listerine, já que a instituição havia recebido uma doação de grande quantidade dessa solução. De acordo com os estudos de De Paola, 2 o enxágüe bucal com Listerine reduz bastante as bactérias contidas na saliva. O Listerine tem como substâncias ativas timol, mentol, eucaliptol e salicilato de metila. Essas substâncias possuem acentuada ação anti-séptica e antimicrobiana, com amplo espectro de ação sobre as bactérias da placa dental. Estudos clínicos demonstraram que o uso de Listerine duas vezes ao dia, como complemento da higiene bucal, foi altamente eficaz na inibição e na redução da placa dental e de gengivites. 2; 9 Nas regiões dentais mais propensas a um elevado acúmulo de placa, Listerine mostrou ser altamente eficaz na redução do índice de gengivites. 3 Para a coleta dos dados referentes aos pacientes, foi elaborada uma ficha clínica (fig. 1). UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba

20 FOL Faculdade de Odontologia de Lins / UNIMEP Figura 1. NOME:... IDADE:... SEXO(M/F):... PRONTUÁRIO:... INSTITUIÇÃO:... DEFICIÊNCIA: INTELECTUAL(S/N):... MOTORA(S/N):... ESCOVAÇÃO: Dependente; 2. Independente; 3. Com auxílio. NECESSITA DE ABRIDOR DE BOCA:... (S/N) REFLEXO DE VÔMITO:... (S/N) MEDICAMENTOS: ALIMENTAÇÃO: Líquida; 2. Pastosa; 3. Normal. NÍVEIS DE PLACA... Inicial... 1 ano Dentes Ant. Sup Dentes Ant. Inf Dentes Post. Sup. Esq Dentes Post. Sup. Dir Dentes Post. Inf. Esq Dentes Post. Inf. Dir Os dados referentes aos níveis de placa foram anotados de acordo com o Índice de Higiene Oral Simplificado (IHOS) criado por Greene & Vermillion. 5 Este índice foi adotado por ser de fácil utilização, principalmente em se tratando de pacientes excepcionais. E, ainda, por permitir que, na ausência de algum elemento dental, ele ser substituído por um adjacente segundo Saliba et al., 14 que fizeram algumas adaptações no índice para facilitar ainda mais a sua utilização. O Índice de Higiene Oral Simplificado (IHOS) tem larga aplicação em vários lugares do mundo por ser relativamente prático e de rápida execução. O índice tem por objetivo expressar quantitativamente a limpeza bucal, baseada em critério claramente definido, simples e objetivo. É considerado útil quando estuda-se a epidemiologia das doenças periodontais e do cálculo dentário, pretende-se determinar a eficiência da escovação dos dentes, avaliar as práticas de higiene dentária de uma população e os efeitos imediatos ou mediatos dos programas de educação sanitária odontológica utilizados para esta finalidade. 4 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E CÓDIGOS USADOS NO IHOS: CRITÉRIOS PARA PLACA CÓDIGO Inexistência de placa 0 Placa cobrindo não mais de 1/3 da superfície dental 1 Placa cobrindo mais de 1/3 da superfície dental, mas não mais de 2/3 da superfície dental 2 Placa cobrindo mais de 2/3 da superfície dental 3 Para facilitar a coleta de dados, os dentes dos 33 pacientes foram agrupados em seis grupos dentais de cada paciente, totalizando 198 grupos dentais, como se segue: 1. Grupo dos dentes anteriores superiores (de canino a canino); 2. Grupo dos dentes anteriores inferiores (de canino a canino); 3. Grupo dos dentes posteriores superiores esquerdos (do 1. o pré-molar ao 2. o molar); 19

A PARTICIPAÇÃO FAMILIAR NA PREVENÇÃO DA CÁRIE

A PARTICIPAÇÃO FAMILIAR NA PREVENÇÃO DA CÁRIE A PARTICIPAÇÃO FAMILIAR NA PREVENÇÃO DA CÁRIE THE ROLE OF FAMILY MEMBERS ON EARLY CHILDHOOD CARIES PREVENTION Adriana Cristina Zavanelli Daniele Regina de Oliveira Cardia Eulália Maria Martins da Silva

Leia mais

EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA A EDUCAÇÃO E A MOTIVAÇÃO DA HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS

EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA A EDUCAÇÃO E A MOTIVAÇÃO DA HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS EFICIÊNCIA DE UM PROGRAMA PARA A EDUCAÇÃO E A MOTIVAÇÃO DA HIGIENE BUCO-DENTAL DIRECIONADO A EXCEPCIONAIS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E DISFUNÇÕES MOTORAS UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba THE EFFICACY

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: RESUMO INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO:  RESUMO INTRODUÇÃO TÍTULO: ATENDIMENTO A PACIENTES ESPECIAIS: UMA PRÁTICA DE INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Roger Keller Celeste; Luiz Alberto de Lorenzi Arteche; Carine Bertotto; Luciane Bertotto; Luciana Pacheco; Sergio Miguens

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA 25. PERIODICIDADE DAS CONSULTAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Elaborado por: Júlio Carlos Noronha (coordenador) Paulo César Barbosa Rédua Maria de Lourdes de Andrade Massara Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito, saudável e com hálito bom, é preciso: Escovar os dentes, utilizando uma escova de dente de tamanho adequado

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

Por isso é fundamental amamentar o bebê no seio durante os primeiros 6 meses de vida, o que irá garantir uma boa mordedura, mastigação e deglutição.

Por isso é fundamental amamentar o bebê no seio durante os primeiros 6 meses de vida, o que irá garantir uma boa mordedura, mastigação e deglutição. Guia da Dentição Por Ana Paula M. Anequini Um Sorriso lindo! Um belo dia surge uma novidade! Nasceu o primeiro dentinho! O evento é logo comunicado aos familiares! Mais uma pequena festa para a família!

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

SAÚDE BUCAL EM. Edição Especial das Mães Odontologia IFG/ Câmpus Itumbiara

SAÚDE BUCAL EM. Edição Especial das Mães Odontologia IFG/ Câmpus Itumbiara SAÚDE BUCAL EM OCO Edição Especial das Mães Odontologia IFG/ Câmpus Itumbiara No mês de maio comemoramos o Dia das Mães, por isso elaboramos essa edição especial do informativo em homenagem às mães de

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Pré-natal odontológico Atenção em Saúde Integral da Gestante dentro da Estratégia Saúde da Família. Área temática Qualificação do atendimento às populações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

OBJETIVOS. Objetivo Gerail

OBJETIVOS. Objetivo Gerail TÍTULO:PROJETO CUIDADOS ODONTOLÓGICOS AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA AUTORES: Profª. Gracia Maria Salles Maciel Koerich Ac. Janaína Masson Ac. Márcia Martins Pacheco T. A. Sérgio José Sena INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE

Leia mais

Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê

Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê Dicas para a Saúde Bucal do seu Bebê Cirurgiã-Dentista CROSP 52214 Mamãe Você pode muito para influenciar positivamente a saúde e o bem-estar do seu filho! A gestação é um período muito importante para

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Guia de Orientação. Primeira Infância (0 3 anos de idade)

Guia de Orientação. Primeira Infância (0 3 anos de idade) Guia de Orientação Primeira Infância (0 3 anos de idade) Os primeiros dentes do bebê começam a aparecer na boca por volta dos 6 meses de idade. Eles iniciam a sua formação no período de vida intra- uterina:

Leia mais

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS Deve-se pensar em higiene bucal do bebê desde o momento em que se introduz alguma coisa que não esteja esterilizada em sua boca, como por exemplo o bico do peito. A higiene, enquanto

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES 4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Elaborado por: Marcelo S. Bönecker (Coordenador) Adriana Modesto Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo!

Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo! Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo! Sorria! Assim como cerca de 6,2 milhões de brasileiros, você agora poderá contar com os melhores serviços odontológicos do país. Este Plano, resultado de uma

Leia mais

A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL

A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL A AFETIVIDADE COMO ALIADA NO SUCESSO DO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO DO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL Soraia Gonçalves Acadêmica do Curso de Odontologia da UFSC Grácia Maria Salles Maciel Koerich, Msc Professora

Leia mais

REVISÃO DE LITERATURA CÁRIE RAMPANTE, ETIOLOGIA E SOLUÇÕES DE TRATAMENTO RESUMO SUMMARY

REVISÃO DE LITERATURA CÁRIE RAMPANTE, ETIOLOGIA E SOLUÇÕES DE TRATAMENTO RESUMO SUMMARY 159 REVISÃO DE LITERATURA CÁRIE RAMPANTE, ETIOLOGIA E SOLUÇÕES DE TRATAMENTO RESUMO RUY CÉSAR CAMARGO ABDO (*) DANIELA NEGREIROS NUNES (**) VERIDIANA SALLES (***) Uma das maiores dificuldades encontradas

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA

CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA CUIDADOS DE SAÚDE DESDE O NASCIMENTO ATÉ À ADOLESCENCIA A MALO CLINIC cuida da saúde e bem-estar de bebés, crianças e adolescentes. Acreditamos no indivíduo como um todo e por isso mesmo desenvolvemos

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL Zacarias Soares de Brito Neto (Bolsista do PIBIC/UFPI ICV); Lúcia de Fátima Almeida de Deus Moura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral

Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral Saúde Oral e a Gestação Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral Como usar este guia A gestação é o momento perfeito para começar

Leia mais

Técnicas em Higiene Dental

Técnicas em Higiene Dental Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Técnicas em Higiene Dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Aulas práticas Lista de materiais Aulas práticas - Lista de materiais Roupa

Leia mais

2- Por que os dentes decíduos (de leite ou temporário) são importantes?

2- Por que os dentes decíduos (de leite ou temporário) são importantes? a) Tópicos Gerais 1- O que é Odontopediatria? É a especialidade da Odontologia que se preocupa com os cuidados bucodentários dos bebês, crianças e adolescentes. Esses cuidados não se restringem ao campo

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

"UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO".O que é a Odontopediatria?

UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO.O que é a Odontopediatria? "UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO".O que é a Odontopediatria? A Odontopediatria é uma especialidade dentro da Medicina Dentária que oferece aos bebés,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs MINISTÉRIO DA SAÚDE Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Brasília DF 2012 O Sistema Único de Saúde (SUS) possui o Programa Brasil Sorridente, criado para cuidar da saúde

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE Texto montado a partir dos manuais: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde do adolescente: Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. p. 75-79. BARROS, Claudia Márcia

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Saúde Oral e a Criança

Saúde Oral e a Criança Saúde Oral e a Criança Troca dos dentes de leite Dentes permanentes Alimentação e saúde oral Higiene oral Má formação dentária Prevenção de traumatismos orais Posição dos dentes e das arcadas dentárias

Leia mais

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EM SOBRAL CE

PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EM SOBRAL CE PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EM SOBRAL CE Oral Health promotion for Bearers of Special Needs in Sobral Ceará Fábio Solon Tajra Dentista da Estratégia Saúde da Família

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES

VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES Anne Gomes Carneiro 1 ; Renally Cristine Cardoso Lucas 2 ; Severina Silvana Soares dos Santos 3 ; Yêska Paola Costa Aguiar

Leia mais

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Em consequência de condições específicas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE Brasília - DF 2013 ministério da Saúde SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito e saudável, é preciso: Escovar os dentes todos os dias, após cada

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

global child dental fund global child dental fund www.gcdfund.org Como usar este guia

global child dental fund global child dental fund www.gcdfund.org Como usar este guia Saúde Oral e o Bebê Aleitamento materno Mamadeira Chupeta Erupção dentária e primeira visita ao dentista Alimentação e dentes de leite Higiene oral Doenças orais mais frequentes Prevenção de traumatismos

Leia mais

PROJETO SEMPRE SORRINDO. Natália Rafaela de Assis Costa 1 ; Prof. Alessandro Aparecido. Federal de Alfenas/UNIFAL MG. Federal de Alfenas/UNIFAL MG

PROJETO SEMPRE SORRINDO. Natália Rafaela de Assis Costa 1 ; Prof. Alessandro Aparecido. Federal de Alfenas/UNIFAL MG. Federal de Alfenas/UNIFAL MG PROJETO SEMPRE SORRINDO Natália Rafaela de Assis Costa 1 ; Prof. Alessandro Aparecido Pereira 2 ; Letícia Carminati Cardoso Ribeiro 3 1 Acadêmica do 3 período do curso de Odontologia, bolsista do Grupo

Leia mais

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X FÓRUM CIENTÍFICO ODONTOPEDIATRIA Acadêmico Projeto de Pesquisa 18 HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS RELACIONADO AO NÍVEL SOCIOECONÔMICO Josué Junior Araujo Pierote*; Helleny Alves de Santana Neta; Pablo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Tabela proposta a sócios CCD- V.N.Gaia 01 CONSULTA Consulta de medicina dentária 10 Consulta para apresentação e discussão de plano de tratamento 10

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia

Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia Em consequência de condições específicas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Bucal HIGIENE BUCAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA A finalidade

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE DENTE CONÓIDE E FECHAMENTO DE DIASTEMA EM CLÍNICA GERAL

TRANSFORMAÇÃO DE DENTE CONÓIDE E FECHAMENTO DE DIASTEMA EM CLÍNICA GERAL TRANSFORMAÇÃO DE DENTE CONÓIDE E FECHAMENTO DE DIASTEMA EM CLÍNICA GERAL ESTHETIC CORRECTION OF PEG SHAPED LATERAL INCISOR AND DIASTEMA CLOSURE IN GENERAL DENTISTRY Denise Pedrini Professora assistente

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL ENCONTRO DA PÓS-GRADUAÇÃO NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS As apresentações poderão ser realizadas na forma de PÔSTER

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

ESTUDO DA HIGIENIZAÇÃO BUCAL E DOS HÁBITOS ALIMENTARES EM BEBÊS INCIDÊNCIA DA CÁRIE DE PRECOCE

ESTUDO DA HIGIENIZAÇÃO BUCAL E DOS HÁBITOS ALIMENTARES EM BEBÊS INCIDÊNCIA DA CÁRIE DE PRECOCE ESTUDO DA HIGIENIZAÇÃO BUCAL E DOS HÁBITOS ALIMENTARES EM BEBÊS INCIDÊNCIA DA CÁRIE DE PRECOCE ANDRÉIA KNOB CAMILA SENTINELO BOAMORTE LIGIA MARINA CONRADO MAIBUK * MARCO ANTÔNIO BATISTA CARVALHO * Acadêmica

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE 18/08/2005-22:14 Construindo Sorrisos O objetivo do projeto Construindo Sorrisos é conscientizar a população sobre os cuidados necessários para evitar cáries. Todos os profissionais

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português 1 - CONSULTA 10110 Exame clínico/consulta S/Custo 2 - ODONTOLOGIA PREVENTIVA 20630 Destartarização, polimento (Limpeza) S/Custo 20610 Aplicação tópica

Leia mais

CARTILHA DE SAÚDE BUCAL

CARTILHA DE SAÚDE BUCAL CARTILHA DE SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO Expediente Secretarias Estaduais Integrantes do Programa: Secretaria da Saúde (coordenação) Secretaria da Educação Secretaria da Cultura Secretaria da Justiça e Direitos

Leia mais

Tabela Simplificare Denti II

Tabela Simplificare Denti II Tabela Simplificare Denti II Em consequência de condições especifícas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas circunstâncias, ser inferior ao valor máximo

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais