INSTRUMENTOS DE SECURITIZAÇÃO - UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM OS TIPOS DE MECANISMOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTOS DE SECURITIZAÇÃO - UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM OS TIPOS DE MECANISMOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS."

Transcrição

1 INSTRUMENTOS DE SECURITIZAÇÃO - UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM OS TIPOS DE MECANISMOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS. Felipe Mendes Batista Produtos Financeiros e Gestão de Risco Turma 11 Professor Orientador: Renato Santos

2 INSTRUMENTOS DE SECURITIZAÇÃO - UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM OS TIPOS DE MECANISMOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS. Felipe Mendes Batista, Fundação Instituto de Administração Head Produtos e Compliance, BI Invest Banco de Negócios, Bacharel em Ciências Econômicas - Universidade Presbiteriana Mackenzie. INSTRUMENTOS DE SECURITIZAÇÃO - UMA ANÁLISE COMPARATIVA COM OS TIPOS DE MECANISMOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS. O objetivo deste estudo é apresentar uma avaliação sobre os instrumentos de securitização, efetuando uma análise sobre suas características e vantagens, frente à captação de recursos convencional. Abordaremos de uma forma mais específica os Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI e suas formas de aplicação, ou seja, detalhes específicos que os diferencia, como o CRI em sua forma mais tradicional, criado por meio da lei 9.514/97, cujo lastro são contratos do Sistema de Financiamento Imobiliário. Há também o CRI Built to Suit, cuja empresa cria sua sede, filial ou promove um projeto específico, se valendo de capital de investidores para tanto, e existe também o CRI denominado Sale & Lease-Back, cuja a empresa possui um Imóvel e o vende para uma Sociedade de Propósito Específico ( SPE ), desimobilizando seu balanço, transformando este imobilizado em caixa para seus projetos de investimento, posteriormente esta mesma empresa aluga este imóvel em questão se valendo de um contrato de Leasing, o imóvel continua sendo utilizado para os fins produtivos da empresa, no final do prazo do contrato de Leasing o imóvel retorna ao patrimônio da empresa. Palavras-chaves: Securitização; Certificados de Recebíveis Imobiliários - CRIs; Captação de Recursos. SECURITIZATION INSTRUMENTS - A COMPARATIVE ANALYSIS WITH TYPES OF MECHANISMS OF FUNDRAISING. The objective of this study is to present an assessment of the securitization instruments, making an analysis of its features and advantages, compared to the conventional per capita resources. We will discuss in a more specific Certificates of Real Estate Receivables - CRI and its application procedures, or specific details that distinguish him as the CRI in its most traditional form, created by Law 9.514/97, which are contracts ballast Housing Finance System. There is

3 also the CRI Built to Suit, whose company creates its headquarters, branch or promote a specific project, taking advantage of capital from investors to do so, and there is also called the CRI Sale & Lease-Back, whose company owns a property and sell to a Special Purpose Company - SPE de-pinning its balance sheet, turning this asset into cash for their investment projects, later this same company "rents" that this same property through a lease, the property remains used for productive purposes and the company at the end of the term of the lease the property back to the company's assets. Keywords: Securitization, Real Estate Receivables Certificates - CRIs, Fundraising, Asset Backed Securities. INSTRUMENTOS DE TITULIZACIÓN - UN ANÁLISIS COMPARATIVO CON TIPOS DE MECANISMOS DE RECAUDACIÓN DE FONDOS. El objetivo de este estudio es presentar una evaluación de los instrumentos de titulización, la realización de un análisis de sus características y ventajas, en comparación con la recaudación de fondos convencionales. Vamos a discutir en un certificado más específico de créditos inmobiliarios - CRI y sus procedimientos de solicitud, o los detalles específicos que los diferencian, como el IRC en su forma más tradicional, creado por la Ley 9.514/97, que son contratos de respaldo Sistema Financiero de Vivienda. También existe la CRI construidos para satisfacer, cuya compañía crea sus oficinas centrales, sucursales o promueve un proyecto específico, aprovechando el capital de los inversionistas para hacerlo, y hay una CRI llama Sale & Lease Back, cuya compañía es propietaria de una propiedad y venderla de una Sociedad de Propósito Especial - SPE, fijando su balance, convirtiendo este activo en dinero en efectivo para sus proyectos de inversión, entonces esta misma empresa "rentas" esta propiedad en cuestión es digno de un contrato de arrendamiento, la propiedad sigue siendo utilizada para fines productivos de la empresa al final del término del contrato de arrendamiento de la propiedad, se devuelve a los accionistas de la empresa. Palabras clave: Titularización; real Certificados de Créditos Estate - CRI, para recaudar fondos.

4 INTRODUÇÃO Objetivo O objetivo deste texto é abordar os ativos de securitização de uma forma pratica e compará-los aos instrumentos de captação de recursos tradicionais, pela ótica do tomador de recursos. Relevância Podemos abordar a Securitização como uma mola propulsora para alavancarmos um negócio e evidenciar estes ativos para as empresas que necessitam de crédito para execução de sua atividade produtiva, é uma opção alternativa para captação de recursos. Para fins contábeis abordamos este tipo de captação como antecipação de receita, portanto, não onera o passivo das empresas, demonstrando um melhor grau de endividamento, pois a securitização tem tratamento off-balance, não se caracterizando como financiamento direto, resultando assim em uma melhora significativa nos índices financeiros e econômicos da empresa. A Securitização tem também como vantagem uma maior exposição junto a investidores, no mercado financeiro, podendo ser o primeiro passo para empresa emissora se tornar uma CIA de capital aberto. Metodologia Estudo dos instrumentos de securitização, efetuando-se uma comparação com os instrumentos tradicionais de captação de recursos. Analisaremos a quantidade de CRI s registrados na CETIP, com o intuito de estudar seu histórico, a fim de acompanhar esse mecanismo de crédito no mercado. Limitações O estudo será limitado a uma abordagem dos Certificados de Recebíveis Imobiliários - CRI no prisma da empresa emissora, sem levar em consideração a ótica do investidor.

5 PRINCIPAIS ASPECTOS E CARACTERISTICAS DA SECURITIZAÇÃO A Instituição das Companhias Securitizadoras As Companhias Securitizadoras são empresas que tem como objetivo, a compra e/ou negociação de direitos creditórios, gestão de crédito e seleção de riscos. As Cias Securitizadoras podem ser comparadas às empresas de Factoring, entretanto as empresas de Factoring negociam direitos creditórios de vendas comerciais/mercantis, a prazo. As Cias Securitizadoras negociam direitos creditórios mais nobres oriundos de operações imobiliárias e também comerciais, de grande valor. Este é o principal objetivo da Cia Securitizadora, porém não a isenta de negociação de títulos mercantis (mas não é praxe). De acordo com a Lei 9.514/97, artigo 6º, parágrafo único, o Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI é de emissão exclusiva das CIAs Securitizadoras. Os CRIs são títulos de renda fixa lastreados em créditos imobiliários. Estes ativos são caracterizados pela negociação de um lote de pagamentos de aquisição de bens imóveis, ou de aluguéis. Este lote é empacotado em um ativo de crédito, que é oferecido a investidores. Uma característica que devemos considerar sobre os CRI s, é que sua emissão é efetuada sobre o regime fiduciário, ou seja, sua contabilização implica em regime de contabilização em separado ao patrimônio da CIA Securitizadora e conseqüentemente em uma operação mais transparente e segura ao investidor. O meio de formalização do CRI é o Termo de Securitização de Créditos e a principal finalidade do CRI é a captação de recursos dos investidores (institucionais,qualificados e não qualificados), que tem como objetivo investimentos de longo prazo, sendo compatíveis com as características do financiamento imobiliário. É um título de crédito nominativo, com forma cartular, de livre negociação, lastreado em créditos imobiliários e constitui promessa de pagamento em dinheiro. As Características dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI Os Certificados de Recebíveis Imobiliários ( CRI ) são títulos de crédito nominativo, cartulares, de livre negociação, lastreados em créditos imobiliários, que constituem promessa de pagamento em dinheiro, tendo suas características definidas em seu Termo de Securitização. Trata-se de um título de crédito que se mostra apropriado ao financiamento de longo prazo, visto que de um lado, compatibiliza-se com as características das aplicações do mercado imobiliário, estando vinculado às condições dos financiamentos contratados com os tomadores, e, de outro lado, reúne as condições de eficiência necessárias à concorrência no mercado de capitais, ao conjugar a mobilidade e agilidade própria do mercado de valores mobiliários e a segurança necessária para garantir os interesses do público investidor. É considerado um valor mobiliário, para efeitos do artigo 2º, inciso III, da Lei de 07 de dezembro de 1976,, característica esta que lhe foi conferida pela Resolução nº 2.517, de 29 de junho de 1998 do Conselho Monetário Nacional.

6 Somente podem ser emitidos por companhias Securitizadoras e seu registro e negociação são realizados por meio dos sistemas centralizados de custódia e liquidação financeira de títulos privados. Os Contratos do Sistema de Financiamento Imobiliário são aqueles de que participam as instituições financeiras listadas na Lei 9.514/97, usualmente conhecidos no mercado como contratos de financiamento imobiliário, sujeitos, portanto, ao processo de securitização de recebíveis imobiliários. O Objeto 1 abaixo apresenta uma estrutura clássica dos Certificados de Recebíveis Imobiliários cuja empresa originadora de créditos imobiliários (construtoras e/ou incorporadoras) possui uma carteira de crédito, proveniente de sua atividade produtiva. Esta empresa negocia sua carteira com uma companhia Securitizadora, que capta recursos no mercado financeiro fazendo a intermediação entre empresa vendedora de créditos e investidor. A Companhia Securitizadora empacota os ativos adquiridos em um título de crédito, que paga remuneração mensal ao investidor adquirente. Objeto 1 Estrutura de Securitização de Recebíveis Fonte: CRI - Sale and lease back Com a evolução do mercado de securitização nos últimos anos, podemos observar novas estruturas de CRI s. Neste tipo de operação, a empresa Originadora do lastro da securitização não tem sua cadeia produtiva focada no mercado imobiliário. Neste caso, a empresa vende seu imóvel operacional para a uma SPE, que, alugando tal bem à própria empresa vendedora, gera com isto um fluxo de recebíveis que será cedido a uma CIA Securitizadora, que terá a função de emitir CRIs se valendo de um contrato de aluguel atípico, daí a denominação Sale and lease back, ou seja, o lastro do CRI oferecido no mercado é um contrato de aluguel de sua sede. A vantagem para empresa emissora é que esta desimobiliza seu balanço auferindo ganhos fiscais no processo de Securitização.

7 Após a emissão do título, a empresa continua utilizando o imóvel para sua atividade produtiva e paga um aluguel à CIA Securitizadora durante o período determinado da operação, depositando o referido montande em Conta Corrente apartada. Este fluxo de recebíveis é o lastro para a remuneração do CRI adquirido pelos investidores. De acordo com (UQBAR) (2010, p. 46) a empresa vende o imóvel a um veículo, geralmente à uma sociedade de propósito específico (SPE) ou um fundo de investimento imobiliário (FII), o qual concede, por um prazo determinado e mediante pagamento a prazo de preço, o direito de uso da superfície do imóvel para empresa vendedora. A SPE ou fundo financia a compra da propriedade com a cessão dos créditos de concessão do direito real de superfície para Securitizadora Imobiliária que, por sua vez, financia a compra com a emissão de títulos lastreados nesses ativos conforme podemos observar no Objeto 2 abaixo. Objeto 2 Estrutura de Securitização de Recebíveis CRI Sale and lease back Fonte: CRI - Built-to-suit Outro tipo de CRI que está em evidência no mercado é o Built to suit. Nesta operação, a empresa pretende ter uma nova sede, filial ou possui projeto de investimento específico, mas não está disposta a imobilizar capital. Numa estrutura similar ao CRI Sale and Lease Back, a empresa, por meio de uma sociedade de propósito específico (SPE) ou um fundo de investimento imobiliário (FII), encomenda à uma construtora ou incorporadora, um imóvel. Este veículo, ou seja, a construtora ou incorporadora, faz a cessão de créditos à CIA Securitizadora, que emite um CRI e capta recursos de investidores. Sobre esta modalidade de captação de recursos, na reportagem da Revista Capital Aberto, (Menos imobilizado, mais caixa, 2007), Marcelo Michaluá afirma que: Nos anos 70, as companhias investiam em imóveis como uma forma de proteger o patrimônio da inflação. Agora, com a estabilidade econômica, isso não se justifica mais. Elas podem desimobilizar seus balanços para aplicar no foco de seus negócios.

8 A empresa em questão terá usufruto deste imóvel e o fluxo de recebíveis oriundos desta negociação geram o lastro da securitização, ou seja, o imóvel desejado é encomendado sob medida para as suas necessidades, com a contrapartida do pagamento de parcelas durante um período da operação. De acordo com (UQBAR) (2010, p. 46), os créditos que lastreiam a emissão dos títulos são provenientes de um contrato build-to-suit entre uma construtora ou incorporadora e uma ou mais empresas de um mesmo grupo... uma empresa que busca financiamento para aquisição e construção de uma nova propriedade contrata um terceiro..., para (i) comprar o terreno; (ii) definir um projeto que atenda as necessidades do inquilino; (iii) desenvolver e construir o prédio; e (iv) alugar o prédio para a própria empresa... Estes contratos geram recebíveis... que são vendidos para Securitizadora Imobiliária, que financia a aquisição com a emissão de títulos lastreados nestes créditos conforme podemos contatar no Objeto 3 abaixo. Objeto 3 Estrutura de Securitização de Recebíveis CRI Built-to-suit Fonte: Evolução das emissões dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI A Securitização tem uma história recente no Brasil. A lei que regulamenta a Securitização de Créditos Imobiliários é a mencionada Lei de 20 de novembro de 1997, que dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e dá outras providências. De acordo com (UQBAR), em seu site, na página de Securitização, O estoque de títulos de securitização no mercado norte-americano é superior a 60% do PIB daquele país e é maior que o mercado de divida federal e Só nos EUA o mercado de Créditos de Recebíveis Imobiliários superou U.S.$ 3,2 trilhões no ano passado, ou seja, a Securitização no Brasil ainda é incipiente e tem volume pouco expressivo se comparado ao volume americano.

9 Somente a partir de Janeiro de 1999 é que possuímos estoque registrado na câmara de liquidação CETIP, ou seja, no Brasil a securitização tem aproximadamente 12 (doze) anos de existência. Avaliando o histórico do estoque registrado, podemos observar um crescimento exponencial na quantidade de registros deste tipo de ativo na CETIP. Nos últimos quatro anos, observamos que os valores registrados eram 1,239 bilhões em 2008, 2,183 bilhões em 2009, bilhões em 2010 e, no presente ano, temos registrado estoque de bilhões na CETIP, conforme podemos observar no objeto 4 abaixo: Objeto 4 Volume Histórico de emissão de CRI s Registrados na CETIP. Fonte: - Elaborado pelo autor Principais Vantagens dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI A emissão de um CRI permite à empresa originadora dos créditos a captação de recursos com lastro em recebíveis imobiliários, sem representar operação de endividamento financeiro. Ou seja, há melhora nos índices financeiros e na estrutura de capital da empresa. Esta estrutura permite um melhor casamento da administração do Ativo/Passivo da empresa, resultando em adequação mais fácil e flexível de prazos de obrigações e recebimentos, de acordo com o planejamento estratégico da empresa. Podemos citar também que por meio da securitização, a empresa emissora de créditos tem acesso ao Mercado de Capitais Brasileiro sem necessidade de abertura de capital, dando visibilidade à empresa dentre investidores institucionais e mesmo no mercado financeiro, resultando assim em uma diversificação das fontes de financiamento através da aquisição do CRI por investidores institucionais, family offices e até pessoas físicas.

10 Podemos citar também a eficiência Fiscal, pois a securitização de recebíveis em determinadas condições proporciona vantagens tributárias ao cedente, comparado com o financiamento típico. Há também a isenção de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), nos termos do (Decreto nº 7.487), uma vez que a emissão de CRI não se caracteriza como operação de crédito, mas sim, é caracterizada pela aquisição de um fluxo futuro de recebíveis. Comparação entre Securitização e empréstimos convencionais Primeiramente, devemos analisar quais as condições mínimas para uma empresa obter recursos proveniente da securitização. Segundo a reportagem da Revista Capital Aberto, (Menos imobilizado, mais caixa, 2007), Roberto Hage, afirma para ativos acima de R$ 10 milhões já é possível estruturar uma operação, entretanto, devemos estudar bem as questões e custos que envolvem a operação. Na securitização, temos a figura do Agente Fiduciário e a Agência Classificadora de Riscos, que adicionam custos anuais à operação, bem como o Imóvel-lastro da securitização, que não pode e/ou poderá se vincular a nenhuma outra operação financeira. Para efetuarmos uma análise que seja coerente, primeiramente devemos nos pautar nos mesmos pressupostos para comparação, ou seja, simularemos uma operação de financiamento nas mesma condições para emissão de um CRI. Abordamos abaixo, no Objeto 5, os principais itens que devem ser observados ao se fazer uma operação de captação de recursos. Na Securitização temos que levar em consideração o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI),, uma vez que a posse do bem é do veículo de securitização (SPE, por exemplo). Objeto 5 Comparativo de CRI s e empréstimos no mercado financeiro. Abaixo temos uma tabela comparativa entre os mecanismos de captação de recursos, são abordados todos os itens que envolvam ambas operações o Financiamento e a Emissão de CRI. Elaborado pela equipe de estruturação de operações do Grupo BI Invest.

11 Para simularmos uma comparação, imaginemos uma empresa do ramo de processamento de madeira que está em busca de recursos para fazer investimentos em uma nova liga de compensados e expandir sua produção para o mercado exterior, mais precisamente para os Estados Unidos, que demanda este tipo de material na construção civil (reparos de casas de madeira) e para construção de móveis sob medida. Para atender a esta nova demanda, e em linha com este projeto, a empresa também necessita investir na adequação de sua atividade produtiva, observando os preceitos de empresa sustentável, que utiliza em sua produção matéria prima proveniente de reflorestamento, além da implantação de um sofisticado processo de controle de qualidade no material produzido. A empresa necessita de R$ 30 milhões para execução deste projeto, tomando recursos por 60 meses, com carência de 6 meses. Como garantia para esta operação, a empresa possui um imóvel de R$ 44 milhões. No objeto 6 abaixo, podemos observar uma tabela comparativa entre os custos envolvidos em ambas operações. Objeto 6 Comparativo de CRI s e empréstimos no mercado financeiro. Abaixo temos uma tabela comparativa entre as premissas de captação de recursos para o CRI e para o Financiamento tradicional. Elaborado pela equipe de estruturação de operações do Grupo BI Invest. CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo deste artigo foi abordar os tipos de CRIs existentes no mercado de securitização, evidenciando esse tipo de ativo explicando suas principais características, realçando assim os propósitos de cada ativo.

12 Efetuamos uma análise sobre o mercado de securitização, nos valendo de consultas bibliográficas em rico material disponível na internet, em livros e no histórico de estoque de securitização disponível no banco de dados da CETIP. Podemos concluir que a securitização possui custos de estruturação que incidem no inicio da operação, acarretando em impacto no valor liberado na securitização, que é menor que no financiamento tradicional, não incidindo sobre a securitização, entretanto, o custo de recolhimento do IOF. Pelo fato da estrutura da operação ter como lastro um imóvel, com este ativo saindo do balanço da empresa originadora, a taxa praticada na securitização é menor que a taxa do financiamento. Esta estrutura garante o investidor no caso de uma eventual falência da empresa originadora do crédito. Ademais, podemos identificar um ganho fiscal na securitização, pois a empresa, ao optar por este tipo de operação, obtém um ganho fiscal expressivo, tendo em vista que o aluguel lastro da securitização é contabilizado na sua totalidade em seu balanço como despesa operacional e, para o financiamento, sua contabilização é feita como despesa financeira, onde o valor lançado no balanço é somente aquele referente aos juros da operação.

13 REFERÊNCIAS [Online] [Citado em: 02 de 09 de 2011.] ANTONIO PERRONE PINHEIRO, Fernando Securitização de Recebíveis - Uma Análise dos Riscos Inerentes. São Paulo : s.n., ASSAF NETO, Alexandre Mercado Financeiro. São Paulo : Atlas, CVM, Comissão De Valores Mobiliários. INSTRUÇÃO N.º 356 / [Online] [Citado em: 2 de 09 de 2011.] Decreto nº 7.487, de 23 de maio de Receita Federal do Brasil. [Online] [Citado em: 03 de 11 de 2011.] Estudo Comparativo dos Custos Operacionais e Tributários da Securitização e dos FIDC s. LUXO, José Carlos São Paulo : Revista de Finanças Aplicadas, LEI Nº 9.514, de LEI Nº 9.514, DE 20 DE NOVEMBRO DE [Online] [Citado em: 02 de 09 de 2011.] LUXO, José Carlos Augusto O IMPACTO DE SECURITIZAÇÃO DE ATIVOS NOS INDICADORES FINANCEIROS E NO BETA DAS EMPRESAS. São Paulo : s.n., Menos imobilizado, mais caixa. Kênia, Miriam São Paulo : Revista Capital Aberto, Mercado Financeiro: produtos e serviços. FORTUNA, Eduardo º, Rio de Janeiro : Qualitymark, Seabra, Rafael CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários. [Online] 04 de 11 de [Citado em: 02 de 09 de 2011.] Securitização: Uma alternativa viável para a redução das despesas Financeiras das empresas Brasileiras. José Cardoso da Silva, Daniel, et al nº 2, São Paulo : Revista Eletrônica, 2010, Vol. Vol. 9. UQBAR, Equipe. Anuário de Securitização Securitização. UQBAR. [Online] [Citado em: 03 de 11 de 2010.] CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS. [Online] [Citado em: 02 de 09 de 2011.]

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Menos imobilizado, mais caixa

Menos imobilizado, mais caixa Menos imobilizado, mais caixa 30 ESPECIAL Captações de recursos Com os CRIs, é possível aliviar o peso do ativo imobilizado no balanço, usufruir um imóvel construído sob medida e liberar recursos para

Leia mais

Securitização de Recebíveis Imobiliários (Emissão de CRIs) Vladimir Miranda Abreu

Securitização de Recebíveis Imobiliários (Emissão de CRIs) Vladimir Miranda Abreu Securitização de Recebíveis Imobiliários (Emissão de CRIs) Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Sistema Financeiro Imobiliário - SFI Lei 9.514/97: Promover o financiamento imobiliário em geral,

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO?

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS - O QUE TEM DE ATRATIVO? Tiziane Machado(*) Antes de iniciarmos uma discussão sobre securitização é importante definirmos o termo: Securitização é um processo através do qual

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

MOVIMENTANDO OPORTUNIDADES gerando investimentos A FORTESEC. securitizadora. Home Empresa Securitização Emissões Fale Conosco

MOVIMENTANDO OPORTUNIDADES gerando investimentos A FORTESEC. securitizadora. Home Empresa Securitização Emissões Fale Conosco MOVIMENTANDO OPORTUNIDADES gerando investimentos Com credibilidade e criatividade, transformamos as novas ideias do mercado SAIBA MAIS A FORTESEC A Fortesec é uma com foco em operações estruturadas de

Leia mais

2º Congresso Internacional Gestão de Riscos FEBRABAN 23/10/2012

2º Congresso Internacional Gestão de Riscos FEBRABAN 23/10/2012 2º Congresso Internacional Gestão de Riscos FEBRABAN 23/10/2012 1. Certificados de Recebíveis Imobiliários 2. Mercado de CRI 3. Principais Investidores Conceito de Securitização Imobiliária Operação pela

Leia mais

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO S.F.I. SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 A IMPORTÂNCIA DO SFI NO BRASIL LEGISLAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ARCABOUÇO LEGAL PRONTO Base Legal Fonte

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna 1 Março /2010 Evolução do Financiamento Imobiliário 1964 Base Legal Sistema Financeiro de Habitação Lei 4.328 /64 Lei 5.170/66 1997 Base

Leia mais

Soluções de Financiamento para Projetos Imobiliários

Soluções de Financiamento para Projetos Imobiliários Soluções de Financiamento para Projetos Imobiliários I. Soluções Imobiliárias Corporativas II. III. Soluções Imobiliárias Residenciais Fundos de Investimento Imobiliário Soluções Imobiliárias Corporativas

Leia mais

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Marielle Brugnari dos Santos Gerência de Produtos Imobiliários Junho/20111 Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Cédula de Crédito

Leia mais

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª e 2ª SÉRIES da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEL IMOBILIÁRIO Lastro Pulverizado 1 Brazilian Securities 8 Emissões de CRI s 8 Estrutura da Operação 8 Empresas envolvidas na Operação

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) Material Explicativo sobre (CRI) 1. Definições Gerais Os Certificados de Recebíveis são títulos lastreados em créditos imobiliários, representativos de parcelas de um direito creditório. O ativo permite

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de

Leia mais

BRAZIL REALTY - COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

BRAZIL REALTY - COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS. 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS BRAZIL REALTY - COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 1ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro,

Leia mais

Apresentação - NEWSLETTER. NOVA Financial. 2008, Março e Abril. Caros Clientes, Parceiros e Amigos,

Apresentação - NEWSLETTER. NOVA Financial. 2008, Março e Abril. Caros Clientes, Parceiros e Amigos, Apresentação - NEWSLETTER Caros Clientes, Parceiros e Amigos, No inicio de abril tivemos a oportunidade de participar do South American Securitization Forum 2008, evento que em dois dias patrocinou interessantes

Leia mais

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS TRX SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de

Leia mais

Palestra Fundo de Investimento Imobiliário

Palestra Fundo de Investimento Imobiliário Palestra Fundo de Investimento Imobiliário Estruturação de FII - Agenda Conceituação FII Objetivos FII Tipos de Fundos FII - Base normativa e aspectos jurídicos FII Etapas do Processo FII Características

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DOS CRI s... 3 CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA... 3

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

NOVA SECURITIZAÇÃO S.A. EXERCÍCIO DE 2014

NOVA SECURITIZAÇÃO S.A. EXERCÍCIO DE 2014 NOVA SECURITIZAÇÃO S.A. 17ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores

Leia mais

Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário

Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário Índice Introdução Novos instrumentos Privados de financiamento Imobiliário Cenário Norte Americano REIT Quase um Stress Test FII - Fronteira Eficiente

Leia mais

PDG COMPANHIA SECURITIZADORA. 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

PDG COMPANHIA SECURITIZADORA. 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO PDG COMPANHIA SECURITIZADORA 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores

Leia mais

As Perspectivas para o Mercado de CRI - Certificados de Recebíveis Imobiliários. Bolsa de Valores de São Paulo

As Perspectivas para o Mercado de CRI - Certificados de Recebíveis Imobiliários. Bolsa de Valores de São Paulo As Perspectivas para o Mercado de CRI - Certificados de Recebíveis Imobiliários Bolsa de Valores de São Paulo Sérgio Darcy da Silva Alves Diretor, Banco Central do Brasil Definição legal de CRI Lei 9.514,

Leia mais

Wolf Kos Trambuch Diretor da ISEC Nelson Campos Diretor da ISEC

Wolf Kos Trambuch Diretor da ISEC Nelson Campos Diretor da ISEC A EMPRESA A ISEC é uma securitizadora independente, ágil, com sólida experiência no mercado cuja missão é oferecer soluções aos que buscam recursos e/ou investimentos a partir de operações estruturadas

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 12 - Data 29 de junho de 2012 Origem SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 4ª REGIÃO FISCAL, DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DOS CERTIFICADOS...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 FUNDO RESERVA...5 ASSEMBLÉIAS DOS TITULARES DOS

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. 206ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO. 206ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO 206ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de

Leia mais

Apresentação Preliminar. Grupo Incefra Certificados de Recebíveis Imobiliários Junho, 2014

Apresentação Preliminar. Grupo Incefra Certificados de Recebíveis Imobiliários Junho, 2014 Apresentação Preliminar Grupo Incefra Certificados de Recebíveis Imobiliários Junho, 2014 Disclaimer Esta apresentação está sendo disponibilizada para análise, em caráter personalíssimo, no âmbito da oferta

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

Letra Imobiliária Garantida - LIG

Letra Imobiliária Garantida - LIG Ministério da Fazenda Letra Imobiliária Garantida - LIG 20 de maio 2015 Conceito e importância Conceito: Letra Imobiliária (LI) é o título de crédito emitido por instituições financeiras. Possui as características

Leia mais

BARIGUI SECURITIZADORA S.A.

BARIGUI SECURITIZADORA S.A. BARIGUI SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 4ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2014 BARIGUI SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados

Leia mais

SECURITIZAÇÃO NO AGRONEGÓCIO

SECURITIZAÇÃO NO AGRONEGÓCIO SECURITIZAÇÃO NO AGRONEGÓCIO ÍNDICE I. Agronegócio 1. Definição 2 2. Aspectos Econômicos 3 3. Aspectos Regulatórios 6 II. Securitização 7 1. Aspectos Gerais 2. CRI 11 III. CRA 1. Estoque 13 2. Ciclos Agrícolas

Leia mais

Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa. Caio Marques Silvério de Oliveira

Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa. Caio Marques Silvério de Oliveira Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Management CFM Caio Marques Silvério de Oliveira DIVERSIFICANDO SEUS INVESTIMENTOS: FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO OU CERTIFICADO DE

Leia mais

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 153ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário Workshop para jornalistas. Nov 2011

Fundos de Investimento Imobiliário Workshop para jornalistas. Nov 2011 Fundos de Investimento Imobiliário Workshop para jornalistas Nov 2011 Agenda 4 Definição 4 Tipos de Fundos 4 Vantagens 4 Base Legal 4 Tamanho da Indústria 4 Ambientes de Negociação 4 Liquidez / Precificação

Leia mais

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Clasificaciones de productos financieros por riesgo y diferenciación de los inversores. Diferentes niveles de protección y obligaciones que se derivan para las entidades. Roberto Mendonça Pereira CVM -

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Brazilian Finance & Real Estate

Brazilian Finance & Real Estate Brazilian Finance & Real Estate Financiamento do Mercado Imobiliário - Visão do Investidor Letra de Crédito Imobiliário - LCI Estrutura do CRI e sua robustez Características do mercado Brasileiro em relação

Leia mais

Av. Paulo VI, 621 (antigo 2405) Perdizes - 01.262-010 São Paulo - Tel: 55 11 2614-0550 CNPJ: 08.903.116/0001-42 NIRE: 35.300.342.682 CVM: 21105 IMSP:

Av. Paulo VI, 621 (antigo 2405) Perdizes - 01.262-010 São Paulo - Tel: 55 11 2614-0550 CNPJ: 08.903.116/0001-42 NIRE: 35.300.342.682 CVM: 21105 IMSP: Av. Paulo VI, 621 (antigo 2405) Perdizes - 01.262-010 São Paulo - Tel: 55 11 2614-0550 CNPJ: 08.903.116/0001-42 NIRE: 35.300.342.682 CVM: 21105 IMSP: 4.217.855-0 www.novasec.com.br novasec@novasec.com.br

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Séries: 95ª e 96ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2009 BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA

Leia mais

Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial

Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial Estratégias Alternativas de Financiamento Empresarial Jorge Sant Anna Superintendente de Engenharia de Produtos Abril 2004 Agenda A CETIP Limitações dos Mercados de Crédito Novos Instrumentos, Novas Possibilidades

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º XX-XXX-XXX-XXX-XX COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO PROJETO: ÍNDICE DE REVISÕES

IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º XX-XXX-XXX-XXX-XX COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO PROJETO: ÍNDICE DE REVISÕES IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º ---- COMITÊ SETORIAL: Indústria Petróleo &Gás 1 de 15 COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: ENTIDADE: Claudia Prates BNDES COORDENADOR DO PROJETO: ENTIDADE: Rodolfo Fraenkel ONIP

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

IBDT. Tributação aplicável à securitização de recebíveis imobiliários. Ricardo Lacaz Martins

IBDT. Tributação aplicável à securitização de recebíveis imobiliários. Ricardo Lacaz Martins IBDT Tributação aplicável à securitização de recebíveis imobiliários Ricardo Lacaz Martins MERCADO IMOBILIÁRIO (LH, LCI) Investidores (institucionais e outros) (Recebíveis Imobiliários) (CRI) ($) (CCI,

Leia mais

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 4ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 4ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 4ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Cenários para Mercado e Produtos Imobiliários 28/11/2013

Cenários para Mercado e Produtos Imobiliários 28/11/2013 Cenários para Mercado e Produtos Imobiliários 28/11/2013 Fundos Imobiliários - FIIs Fundos Imobiliários - Conceito Investidores Fundos fechados (não permitem resgates) - saída em Bolsa ou Mercado de Balcão

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Bruno Luna. XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs)

Bruno Luna. XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs) XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs) Bruno Luna Superintendência de Relações com Investidores Institucionais 01 de maio de 2014 1 Disclaimer

Leia mais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais I. A Conjuntura Econômica II. III. Introdução à RB Capital Soluções Imobiliárias Residenciais Conjuntura Econômica Cenários

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDING PARA EMPREENDIMENTOS BUILD-TO-SUIT NO BRASIL

ESTRUTURAS DE FUNDING PARA EMPREENDIMENTOS BUILD-TO-SUIT NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção Mercado PINI Fevereiro 2014 ESTRUTURAS DE FUNDING PARA EMPREENDIMENTOS BUILD-TO-SUIT NO BRASIL Luís André Garrido Gabriel mestrando da Escola Politécnica

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Séries: 95ª e 96ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA

Leia mais

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA)

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) Material Explicativo sobre (CRA) 1. Definições Gerais Os Certificados de Recebíveis estão vinculados a direitos creditórios originários de negócios realizados, em sua maioria, por produtores rurais ou

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA

Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais VERSÃO 1.0 06/10/2014 INTRODUÇÃO O presente Manual

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

ECO1664 Seminário de Política Econômica

ECO1664 Seminário de Política Econômica ECO1664 Seminário de Política Econômica O Mercado de Ativos Imobiliários no Brasil Marcelo Mangueira, Pedro Kislanov e Rebeca Gravatá Julho de 2009 Introdução O objetivo dessa apresentação é traçar um

Leia mais

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. (atual denominação da MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de

Leia mais

Letra de Crédito Imobiliário LCI. Estrutura do CRI e sua robustez. Americano. Características do mercado Brasileiro em relação ao

Letra de Crédito Imobiliário LCI. Estrutura do CRI e sua robustez. Americano. Características do mercado Brasileiro em relação ao razilian Finance & Real Estate Financiamento do Mercado Imobiliário - Visão do Investidor Letra de Crédito Imobiliário LCI Estrutura do CRI e sua robustez Características do mercado Brasileiro em relação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

Shadow Banking no Brasil

Shadow Banking no Brasil Shadow Banking no Brasil 1 Introdução escriturados fora do balanço dos bancos. Além disso, várias entidades, com pouca ou nenhuma regulação, shadow banking system 1 para designar o conjunto de tais entidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

ANBIMA Workshop de Securitização FIDC e CRI Processo de Análise de Investimento. Jean-Pierre Cote Gil 25 de abril de 2012

ANBIMA Workshop de Securitização FIDC e CRI Processo de Análise de Investimento. Jean-Pierre Cote Gil 25 de abril de 2012 ANBIMA Workshop de Securitização FIDC e CRI Processo de Análise de Investimento Jean-Pierre Cote Gil 25 de abril de 2012 Contexto (I) Distinção entre crédito estruturado e securitização Operação de crédito

Leia mais

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 MATERIAL PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP, A

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE 1. CONSIDERÇÕES SOBRE NOV RESOLUÇÃO 4.392, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Conforme o artigo 1º, as alterações se dão nos artigos. 7º, 13, 14, 22 e 23 da Resolução nº 3.922, de 25 de novembro. Temos deste modo,

Leia mais

ANUÁRIO SECURITIZAÇÃO E FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO. Empresa de Conhecimento Financeiro

ANUÁRIO SECURITIZAÇÃO E FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO. Empresa de Conhecimento Financeiro ANUÁRIO SECURITIZAÇÃO E FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO 2007 Empresa de Conhecimento Financeiro ANUÁRIO 2007 - Securitização e Financiamento Imobiliário Ficha técnica Idealização e Redação Carlos Augusto Lopes,

Leia mais

GUIA DO INVESTIDOR fundo de investimento imobiliário

GUIA DO INVESTIDOR fundo de investimento imobiliário edição GUIA DO INVESTIDOR fundo de investimento imobiliário Caro leitor, O mercado de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) tem protagonizado uma das principais transformações no mercado de capitais

Leia mais

Introdução ao Certificado de Recebíveis Imobiliários & Fundos Imobiliários Junho, 2013

Introdução ao Certificado de Recebíveis Imobiliários & Fundos Imobiliários Junho, 2013 Introdução ao Certificado de Recebíveis Imobiliários & Fundos Imobiliários Junho, 2013 A RB Capital 1 I. A RB Capital A Companhia Fundada em 1999, a RB Capital é uma companhia especializada em operações

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos 10.1 - Conceitos Norma da lei societária: III os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Ficha técnica DESIGN ANUÁRIO 2008 - FINANÇAS ESTRUTURADAS. Carlos Augusto Lopes, Chuck Spragins, Leonardo Augusto e Felipe Pina.

Ficha técnica DESIGN ANUÁRIO 2008 - FINANÇAS ESTRUTURADAS. Carlos Augusto Lopes, Chuck Spragins, Leonardo Augusto e Felipe Pina. ANUÁRIO 2008 - FINANÇAS ESTRUTURADAS Ficha técnica Idealização e Redação Carlos Augusto Lopes, Chuck Spragins, Leonardo Augusto e Felipe Pina Editoração e Revisão Carolina Ebel DESIGN Refinaria Design

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais