Internação involuntária, voluntária, contenção no leito, sedação e atos radicais na direção da cura dos toxicômanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internação involuntária, voluntária, contenção no leito, sedação e atos radicais na direção da cura dos toxicômanos"

Transcrição

1 Internação involuntária, voluntária, contenção no leito, sedação e atos radicais na direção da cura dos toxicômanos 1 Francisco José dos Reis Goyatá 1 Hoje, na era da reforma psiquiátrica, quase não se fala dos atos radicais a que somos levados no tratamento das doenças do organismo, das enfermidades psíquicas e das vicissitudes do sujeito no embate entre o desejo e o gozo mortífero. São decisões que afetam o quotidiano dos profissionais de saúde mental e devem, mais que nunca, ser bem fundamentadas. Devem nos conduzir à direção da construção de singularidades e, porque não, de novos laços sociais. Num simples ato desses, às vezes pontuais, está presente toda a complexidade da experiência clínica. Essa experiência, no campo da psicanálise, não se contará pela média estatística nem pelo algoritmo dos consensos científicos. Porém, não se deve desconhecer esses consensos. Trata-se de usá-los como bons instrumentos para se avaliar cada acontecimento clínico. Não poderemos aludir ao específico sem tratar do geral. Se, na tática e na estratégia do tratamento de clínica médica, psiquiátrica e psicanalítica, temos liberdade de ações multi, inter e transdisciplinares, na política do tratamento, haveria uma direção ética: permitir e incentivar a construção inédita que cada subjetividade pratica junto ao aparato de seu tratamento de autocurar, fazer prevalecer seu desejo e inventividade na cultura. Pôde aparecer dentro do caos familiar e social que encontrei no início do tratamento de W, o paciente e sua loucura. Quadro esquizofrênico gravíssimo, com passagens ao ato, auto e heteroagressivas, sempre vinculadas ao corpo, no sentido de golpear e ser golpeado pelo outro. Por outro lado, invasão significante, metonimicamente infinita, em que ficava à deriva dessa agressividade sem limites e com muito sofrimento. Agravado ainda o quadro por sensibilidade extrema aos efeitos colaterais neurolépticos dos medicamentos e resistência grande aos seus efeitos terapêuticos. Foi um caso que forçou o psicanalista a interrogar fortemente a ética da psicanálise que o norteava. Forçado pela espetacularidade de um gozo sem fronteiras, o analista foi levado a interná-lo, colocá-lo vários dias sob contenção no leito e sedá-lo. Como condizer esses procedimentos de feição manicomial, com uma prática que deseja respeito à singularidade e à subjetividade possível na psicose? Como justificar teoricamente esses procedimentos? Como ainda aí apostar na efetividade da palavra? (GOYATÁ, 1996, p. 2). Este é o caso de um paciente que nos chegou vindo de outro tratamento em que abundavam condutas variadas e à deriva de exigências familiares as mais diversas. O pai, extremamente rígido, não aceitava a crise aguda do filho. A mãe, identificada com o filho, também 1 Psiquiatra Membro da diretoria ampliada da Associação Mineira de Psiquiatria, federada da Associação Brasileira de Psiquiatria. Psicanalista Membro da Escola Brasileira de Psicanálise da Associação Mundial de Psicanálise do Campo Freudiano. Mestrando em Psicanálise da UFMG. Educador da Escola Balão Vermelho.

2 2 teria sofrido no passado crises que ela dizia parecidas com a dele. Um irmão, com traços paranóicos, preferia não estar vivendo aquilo e uma irmã adolescente, atônita. Os amigos e parentes que compareciam querendo explicações, participação e oferecendo solidariedade, em pleno contexto da reforma psiquiátrica. As intervenções não podiam se restringir, começar e terminar pelo médico. Ele era mais um coordenador delegava sem se furtar de suas decisões precípuas. Contamos com muitas parcerias para orientar os pais, tratar a mãe, atender o irmão, também em crise e acolher a irmã em psicanálise. Durante a internação, os atos, embora decididos por nós, eram discutidos em equipe e referidos à história clínica possível em meio ao caos, na esperança de que, a posteriori, o paciente se recompusesse e a contasse e recontasse como vem fazendo até hoje. É bom lembrar que devemos nos reservar os detalhes dos casos para não comprometer o respeito pela intimidade que se revela na situação particular de cada encontro terapêutico. Por outro lado, não podemos resistir ao dever ético de transmitir nossa experiência e colocá-la à prova no ambiente de respeito que se supõe em grupos de estudo e trabalho de um tema-limite tão importante. Do ponto de vista jurídico, a internação involuntária é ato de seqüestro que só se justifica porque, na ocasião, o paciente não tinha controle sobre si, ameaçava sua integridade física, psíquica e moral e/ou colocava em risco a vida de terceiros. Hoje, os profissionais podem se assegurar de seu ato radical através da figura jurídica do consentimento informado. Quando a internação é involuntária, procura-se um sujeito responsável família, amigos que depois de informado, consente no ato radical. É também um resguardo ao social que leva seu paciente a tratamento. Do ponto de vista clínico, trata-se de impedir que o gozo mortífero realize um ato mais radical, qual seja tentativa de auto e/ou heteroextermínio. Com esse ato, o clínico confessa sua impotência de agir por outros meios. Entendemos que este ato é o mais extremo na clínica psiquiátrica e psicanalítica; sua autoridade emana do des-ser do psicanalista. Aproximo este estado ao que Célio Garcia chamou em um artigo clássico de um de nós foi internado. Não precisamos chegar a tal ponto de identificação, mas esse sentimento emana do desamparo que espera adiante o sujeito em seu renascimento. O paciente está entregue, à mercê do tratamento e, portanto, há risco sério de que nos posicionemos como sujeitos gozadores e não como orientadores do tratamento. Recordamos de uma aula de anestesia em que o professor advertia aos alunos que, no ato de entubar um paciente, a demora poderia ser desastrosa e provocar um edema de glote, alguns tristemente fatais. Imediatamente, levantamos o braço e dissemos para o professor: Essa especialidade não faço. Ao que o professor prontamente respondeu: Não faça medicina, se não quer perder pacientes. Aqui vale o conselho do mestre, não há clínica sem perda. Aliás, a palavra clínica vem do latim clinos que quer dizer inclinar-se (no leito do paciente) e também deixar cair (o caso = o que cai). A

3 3 exortação dirige-se também ao acontecimento de que a demora em decidir o que deve ser feito, mesmo quando radical, pode também ser fatal. Daí falarmos em des-ser com os equívocos que esta criação lacaniana tem. É de Lacan a exortação de que todos os atos são falhos. Do ponto de vista médico, ainda vamos usar métodos aparentemente tradicionais quando, em casos específicos como o supracitado, a medicação for inviável porque trata-se de, com os recursos da contenção mecânica, aliviar os males da contenção química ou da estranheza que os organismos podem sentir com qualquer agente natural ou não externo a eles. Do ponto de vista social, pensamos que todo ato, na clínica, é passível de ser interrogado. O médico, o terapeuta, o psicanalista e a equipe de saúde mental devem ser capazes de responder por seus atos publicamente ou nas instâncias formativas ou legais, desde que resguardados os princípios da conversa construtiva. Façamos um parêntese para esclarecer que este texto deve ser enriquecido pela bibliografia sugerida ao final deste trabalho, por outros professores, já que na 3ª. MARGEM a proposta é de trabalho multidisciplinar, não complementar. Sobretudo, não tentaremos esgotar o tema. Acreditamos que qualquer aprendizado deve deixar um pouco de não-saber para que o aprendiz participe do texto e da docência. Outras referências bibliográficas poderão aparecer no transcorrer de cada aula, que deve ser um ato criativo a cada vez e não uma litania aborrecida. Deixemos de alusões metafóricas e falemos do que nos ocupa: a clínica das toxicomanias. Dizemos por nossa experiência, tratar-se de uma clínica complexa e acreditamos que ainda vale o aforismo de nossa saudosa professora Jandira Mansur. Dizia que, no campo do alcoolismo, o índice de cura era 20%, considerando casos tratados por cada disciplina que se encarregava do assunto e mesmo em situações de autocura. Então a troca das experiências e saberes neste campo é forçada para maior sucesso do tratamento. Somos da opinião, ainda um pouco antiga, de que na toxicomania não encontramos um quadro clínico típico em psiquiatria, nem uma estrutura nova em psicanálise. Passemos aos princípios gerais que fundamentam os atos clínicos em toxicomania, inclusive os radicais: acolher o paciente que vem com a marca TOX, qualquer que seja ele, na tentativa de encontrarmos aí uma singularidade. Porque uma pessoa é incontável, e não se conta na conta do mercado oligopolista neoliberal nem na sociedade igualitária estalinista; o diagnóstico a seguir é conseqüência do acolhimento. Este deve vir acompanhado do consentimento do paciente ou de alguém que se responsabilize por ele; o paciente da nossa clínica freqüentemente é in-paciente, portanto, cedo ou tarde deve participar do diagnóstico e da responsabilidade pelo tratamento; o diagnóstico diferencial é cada vez mais importante no processo em curso porque dá balizas para a prescrição e o manejo do caso. Diz-nos François Leguil que o diagnóstico

4 4 psicanalítico se dá ao modo do cirurgião que ao tempo que abre o campo, opera o corte e desvela o acontecimento; a interação droga e organismo deve ser bem estudada dentro dos limites de cada clínico e serviço, pensando sempre que não é mais possível abarcar todo o saber acumulado na medicina. Vivemos no tempo das especialidades médicas que devem ser convocadas, a serviço do bom encaminhamento do caso através da troca de conhecimento e experiência; lembrar sempre que a interação organismo/droga é facilitada ou atrapalhada pelo ser falante que cada homem é, para além do homo sapiens sapiens; segundo referências de Maturana, temos indicações da biologia atual, principalmente da imunologia, de que cada organismo vivo tem uma interação singular com seu meio, chamada por ele de autopoiese; quanto ao tratamento, lembrar das últimas recomendações da OMS em termos do que se convencionou chamar redução de danos. A redução de danos desvia-se de tais princípios (guerra às drogas), evitando julgamentos morais de certo ou errado e oferecendo uma variedade de políticas e de procedimentos que visam a redução das conseqüências prejudiciais do comportamento dependente. Aceita o fato concreto de que muitas pessoas usam drogas e a maioria delas apresenta outros comportamentos, também de alto risco. Assim, a redução de danos trabalha com programas de baixa exigência, sem perder de vista a possibilidade ideal da abstinência (ABP, p. 345); em nossa clínica, vamos pensar o ideal sempre com a exortação de Pe. Vieira como meta: quem quer os fins, quer os meios. Ele rivalizava com Maquiavel em seu livro clássico, O Príncipe. Nesse livro, a tese é de que o príncipe não poderia pensar nos meios quando tivesse um fim em seu horizonte. Então o lema já ironizado por Chico Anísio, saúde é o que interessa deve ser relativizado por: qual saúde e interessa a quem? não esquecer do termo drogadicção que alude a outras dependências e aderências que o paciente e seu meio estão adstritos; incentivar a criação de uma rede de assistência e de relações sociais inventivas porque, como disse Burroughs, o que interessa no sistema da droga não é vender a droga para o usuário, mas o usuário para o sistema da droga. Quanto mais idiota for este usuário, mais interessante para o sistema. Das drogas em nosso meio, as mais importantes, que ceifam mais vidas e subjetividades, são o álcool e a cocaína. Existe uma classificação clínica do alcoolismo que, a nosso modo de ver, é bastante operacional ainda. Encontra-se no livro de Fernandez: - Bebedor habitual - Bebedor excessivo regular - Bebedor enfermo psíquico - Bebedor alcoolômano ou dipsmâno.

5 5 Quando internamos um alcoólatra? Do ponto de vista médico, quando há embriaguez alcoólica que, segundo Henri Ey, trata-se de quadro gravíssimo de confusão mental aguda em que sobressaem sintomas de ordem médica e psiquiátrica provocados por intoxicação aguda num usuário de um dia, uma noitada ou fim de semana. Faz quadro de coma, muito desvalorizado no Brasil. Também pode ter feição alucinósica (diferenciamos aqui radicalmente alucinose de alucinação verdadeira alucinação psicótica), tipo delirante ou extrema agitação. Se o colorido é mais ou menos psiquiátrico, é bom lembrar que, do ponto de vista orgânico, o álcool é depressor do Sistema Nervoso Central (SNC) e provoca lesões funcionais e estruturais nas células cerebrais e em toda economia corporal. Não vale aqui muita improvisação. Há indicação principal de internação em centro clínico ou unidade de atendimento Álcool/Drogas (AD) onde haja recursos de clínica médica de urgência. No bebedor alcoolômano vamos encontrar o quadro descrito acima no início de suas impulsões pela bebida e nas complicações do chamado alcoolismo sub-agudo. Para Henri Ey há uma marca, um limite entre o alcoolismo sub-agudo e o crônico. O que caracteriza o crônico é o que chamamos classicamente de organismo alcoólico. O que isso quer dizer? Que o álcool substituiu com certa eficácia as necessidades calóricas do organismo, depletando os glicosídios, as gorduras e até mesmo, nesta macabra eficácia, roendo as reservas de vitaminas, co-enzimas importantes no metabolismo da glicose e proteínas e as reservas protéicas do paciente por interferir em toda economia fisiológica e estrutural. Trata-se de reduzir danos, identificar esse limite e tratar o que for possível, esperando que no início haja reversão do quadro de organismo alcoólico. No bebedor enfermo-psíquico trata-se de identificar como o álcool está sendo usado como remédio. Em medicina, perguntamos qual a patologia de base, em psicanálise somos mais prevenidos e precisamos perguntar o uso que o sujeito faz do objeto droga e quais os destinos desse objeto no sistema de tratamento, inclusive pensando em quais serão as conseqüências estruturais da internação. Devemos tentar ajustar as características do caso às ofertas institucionais vigentes e procurar sempre que possível a internação consentida do paciente. Para discutirmos em sala, vamos citar Antônio Beneti. Nesse contexto, a posteriori, após entrevistas ou algum tempo de escuta, podemos constatar que muitos dos chamados toxicômanos são na verdade, sujeitos psicóticos, que, na ausência da droga (na abstinência decorrente dos efeitos da experiência sustentada pela palavra na cura) apresentam produções delirantes. Ou então evidenciam uma posição psicótica, como ser de objeto de gozo do Outro. A freqüência dessa constatação nos levou à hipótese de que a toxicomania ou consumo regular de drogas poderiam estar hoje se constituindo em uma solução psicótica contemporânea, uma suplência química, uma verdadeira estabilização pela droga para o mal-estar decorrente, nesse tipo de sujeito, do gozo do Outro. Ou seja, o uso de drogas pelo psicótico estaria colocado em muitos casos como uma auto-prevenção ao delírio, impedindo seu desencadeamento. (1998, p. 219).

6 6 Assim que identificado o sintoma, é preciso tratá-lo, o que deve significar diminuir os efeitos nocivos do álcool, e se junto a uma alucinose, um quadro confusional, encontrarmos alucinação e delírio, ajustar nossos métodos, cuidados e prescrições às patologias e co-morbidades. A Revista Brasileira de Psiquiatria nos traz um consenso sobre a Síndrome de Abstinência do Álcool (SAA) e seu tratamento. Através dos dois quadros anexos I e II, podemos ver a complexidade que está em jogo na avaliação de um tratamento, no caso, supondo que o sujeito é somente usuário de álcool. Teremos que adaptá-lo a cada caso nestas três chaves de leitura para o anexo I: no primeiro parágrafo as alterações biológicas, no segundo, as psicológicas, no terceiro, as sociais e no quarto parágrafo, as co-morbidades. Note-se que a leitura feita aqui é ainda calcada na idéia de saúde como um todo bio-psico-social, que é eminentemente médica e não considera os achados psicanalíticos sobre o álcool. Neste ponto é bom que façamos um atalho para dizer o que Freud, ao falar do alcoolismo, escreveu: Acaso já se ouviu dizer que um bebedor se haja visto obrigado a mudar sem cessar de bebida? Cansando-se de que sempre fosse igual? Pelo contrário, o costume faz cada vez mais forte o vínculo entre o homem e a classe de vinho que bebe. Em contraste com essa harmonia, evocadora de um modelo de matrimônio feliz, a psicanálise evidencia no seio da vida amorosa uma surpreendente antipatia: há algo na própria natureza da pulsão sexual que não é favorável à realização da plena satisfação é preciso um obstáculo prossegue Freud para que a libido se eleve, e ali onde as resistências naturais não bastam, os homens as têm introduzido em todas as épocas de forma convencional para poder gozar do amor. (FREUD, 1912, p ). Esse matrimônio é evocado em vários momentos da obra de Lacan. Recordemos com Jésus Santiago, como Lacan fez o retorno a Freud no que toca ao álcool e às drogas em geral: A meu ver, o essencial da definição lacaniana da droga, surgida em 1975, é a tese de que sua prática metódica exprime as dificuldades que o toxicômano encontra em ser fiel ao casamento, que todo ser falante contrai um dia com o parceiro-falo. (2001, p. 167). Essas dificuldades são expressas na neurose como constituinte da própria estrutura do falo que não diz toda a sexualidade. O álcool ou a droga entrará como significante da história pessoal do sujeito e pode ser que como aconteceu com Sr. X, nosso cliente, alcoolista crônico que trocou a parceria fiel com o álcool, da ordem de uma crença muito arraigada, pela de uma mulher de vida fácil. Com ela aprendeu, e, com a ajuda de sua psicóloga, como se relacionar com uma mulher respeitosamente, sem que ele a depreciasse ou que ela o devastasse. Aprenderam a ser um casal conjugal comum. Montaram sua casinha com um botequim na frente, onde os fregueses eram proibidos de ficar bêbados. Ela fazia os salgadinhos e cuidava da casa e ele, da horta. Viveram felizes para sempre, não sem antes passar Sr. X por uma série de tratamentos, talvez considerados fracassados por seus ex-terapeutas que não souberam deste final feliz.

7 7 Lembrando outra vez de Lacan, podemos dizer, já que estamos falando de atos, que não há mais que atos fracassados tanto da parte do sujeito quanto do analista. Talvez o ato suicida realizado o sujeito falou e fez seria modelo de um ato total. Só que ele tem um defeito: o sujeito não volta para nos dizer o que aconteceu. Na psicose, a dificuldade é que o sujeito não opera a separação do objeto droga. A droga é um signo de fidelidade absoluta que ele não troca por mulher alguma. Sr. Y nos diz que as putas não são mulheres e que as drogas são melhores que elas. Quando usa o álcool, não precisa chegar ao abuso. Bebe o mínimo suficiente para romper com o casamento com o falo e cair na esbórnia: álcool, cocaína, mulheres, agiotas, comparsas e um infinito de personagens como automatismo mental que se impõe a ele. Assim, sua posição subjetiva passa a oscilar entre ser objeto abjeto, por exemplo, deixando-se espancar, ou ser tomado de triunfo maníaco, afrontando cinicamente qualquer autoridade que se apresente. Só consegue parar no limite extremo da dor ou no quase-morrer do corpo. Nesses quadros, além das prescrições médicas, existem as indicações no sentido de fazer barrar um gozo à deriva que nem o corpo suporta. Por vezes, para espanto da equipe, a contenção no leito organiza o corpo despedaçado, torturado, mortificado e o pacifica. Precisamos cuidar de que os medicamentos não se tornem drogas ao se associarem com o excesso de drogas desta esponja ambulante. É necessário isolar este corpo do deixar-se espancar ou bater e matar. É necessário possibilitar a esse sujeito encontros menos mortíferos com o laço social. A internação pode ser um recurso para barrar o Outro gozador encarnado nos personagens do submundo das drogas. Se o toxicômano, com o seu parceiro droga, se torna uma presa fácil dos processos segregativos oriundos da opulência da ordem capitalista globalizada, isso ocorre porque, por meio desse artefato, ele materializa a vontade de infidelidade a esse casamento obrigatório para todos os sujeitos. O protesto lançado contra esse laço matrimonial constitui sob todas as condições o fator determinante do mal-estar manifesto na dificuldade do sujeito toxicômano em fazer prevalecer, para si, a dialética do desejo. (SANTIAGO, 2001, p. 196). Na citação, Jésus Santiago fala de um sujeito toxicômano, sem considerar as diferentes estruturas clínicas, mas já pontuamos a importância de se considerar essas diferenças. Não podemos deixar de lembrar a chamada segunda clínica de Lacan que radicaliza a diferença, dizendo que cada sujeito faz uma parceria singular e típica com seu sinthoma. A grafia diferente desta palavra diz, no mínimo, de um sintoma que não se cura. Desde Freud, à medida que avança a civilização os homens têm que se haver com um resto de mal-estar. Então, o homem é fadado ao sinthoma. A psicanálise nos lembra que não há cura como restitutio ad integrum e que a droga está vinculada à vida dos homens como a civilização que eles mesmos constroem. Por exemplo, as propagandas estão sempre nos lembrando, como disse Zizek, de que há um mais-além do produto. Exemplifica com o Kinder ovo, a lembrancinha, surpresinha no fundo oco do doce.

8 8 Para finalizar vamos nos aproveitar de um quadro extraído do livro, Cocaína e Crack, que nos fala das indicações da internação de cocainômanos: INDICAÇÕES DE TRATAMENTO HOSPITALAR PARA DEPENDENTES DE COCAÍNA 1. Paciente com ameaça de suicídio ou comportamento autodestrutivo 2. Paciente que ativamente ameaça a integridade física de outros 3. Paciente com sintomas psiquiátricos graves (psicose, depressão, mania) 4. Presença de complicações clínicas importantes 5. Necessidade de internação por dependência de outra substância (p. ex. desintoxicação do álcool) 6. Falhas recorrentes na promoção da abstinência em nível ambulatorial 7. Ausência de suporte social, ou seja, seus relacionamentos são exclusiva-mente com outros usuários. Este escrito deve servir como roteiro durante nossas aulas e, esperamos, depois do curso realizado pela 3ª. MARGEM. Deve ser incluído ao modo de uma colcha de retalhos, na tentativa de totalização em leque, aberta a um saber que deve ser sustentado pelo que Lacan chamou de douta ignorância. O saber não deve ter donos e está também na boca de nossos pacientes, familiares e sociedade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALONSO-FERNANDEZ, Francisco. Psicologia Médica y Social. 2 ed. Cap. 43 Angústia, alcohol y drogas em el mundo actual. Madrid: Editorial Paz Montalvo, p Fundamentos de la Psiquiatria actual. 3 ed. Tomo 2, Cap. VII El círculo de los alcoholismos y la drogodependencia. Madrid: Editorial Paz Montalvo, p BADIOU, Alain. Conferências de Alain Badiou no Brasil. Belo Horizonte, p BENETI, Antônio. Toxicomanias e suplência. In: BENTES, Lenita e GOMES, Ronaldo Fabião (Org.). KALIMEROS, O brilho da infelicidade. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, Escola Brasileira de Psicanálise. p CARLINE, E. A. Posicionamento do Instituto de Psiquiatria da UFRJ sobre as estratégias de redução de danos na abordagem dos problemas relacionados ao uso indevido de álcool e outras drogas. In: Jornal Brasileiro de Psiquiatria. V. 52 set/out Órgão Oficial do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro IPUB. p CRUZ, Marcelo Santos e outros. Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. In: Jornal Brasileiro de Psiquiatria. V. 52 set/out Órgão Oficial do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro IPUB. P

9 9 EY, H., BERNARD, P. e BRISSET, C. Manual de Psiquiatria. 5ª ed. Toxicomanias. Rio de Janeiro: Editora Masson do Brasil Ltda p EY, H., BERNARD, P. e BRISSET, C. Manual de Psiquiatria. 5ª ed. La Alcoholomanía. Rio de Janeiro: Editora Masson do Brasil Ltda p EY, H., BERNARD, P. e BRISSET, C. Manual de Psiquiatria. 5ª ed. Psicosis Alcohólicas. Rio de Janeiro: Editora Masson do Brasil Ltda p FREUD, S.. (1937). Sobre a tendência universal à depreciação na esfera do amor (Contribuições à psicologia do amor II) (1912). In: Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, (2ª. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud XI). P GOYATÁ, Francisco J. R. O que é um pai e um médico? Artigo apresentado nas Jornadas da Escola Brasileira de Psicanálise em KAPLAN, Harold I. et al. Compêndio de Psiquiatria: Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 7 ª Ed. Trad. Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas, Capítulo 12: Transtornos relacionados a substâncias. P LAURENT, Éric. Como engolir a pílula? In: >clique< Palavras e Pílulas A psicanálise na era dos medicamentos. Revista dos Institutos Brasileiros de Psicanálise do Campo Freudiano. N o. 1, n o. 5, abr./2002. p LARANJEIRA, Ronaldo e outros. Consenso sobre a Síndrome de Abstinência do Álcool (SAA) e o seu tratamento. In: Revista Brasileira de Psiquiatria. V. 22, no. 2, jun Associação Brasileira de Psiquiatria e Asociación Psiquiátrica de la America Latina. P. 62. LEGUIL, François. Mais-além dos fenômenos. In: Lacan, Jacques et al. A querela dos diagnósticos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p LEITE, Marcos da Costa e ANDRADE, Arthur Guerra de, e colaboradores. Cocaína e Crack dos fundamentos ao tratamento. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda, p. MANSUR, Jandira. O que é alcoolismo. Coleção Primeiros Passos. Editora Brasiliense NICASTRI, Sérgio e outros. Anormalidades de fluxo sangüíneo cerebral em indivíduos dependentes de cocaína. In: Revista Brasileira de Psiquiatria. V. 22, no. 2, jun Associação Brasileira de Psiquiatria e Asociación Psiquiátrica de la America Latina. P SILVEIRA, Carla e outros. Redução de danos: posições da Associação Brasileira de Psiquiatria e da Associação Brasileira para Estudos do Álcool e Outras Drogas. In: Jornal Brasileiro de Psiquiatria. V. 52 set/out Órgão Oficial do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro IPUB. p SANTIAGO, Jésus. A droga do Toxicômano Uma parceria cínica na era da ciência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., Campo Freudiano no Brasil. 224 p.

10 ANEXO I 10 SÍNTESE DOS NÍVEIS DE GRAVIDADE DA SAA NÍVEL I LEVE/MODERADA leve agitação psicomotora; tremore finos de extremidades; sudorese facial discreta, relata episódios de cefaléia, náuseas sem vômitos, sensibilidade visual; sem alteração da sensibilidade tátil e AMBULATÓRIO auditiva; REGULAR DOMICILIAR NÍVEL II. GRAVE B I O PSICO SOCIAL DOSCO-MÓRBI o contato com o profissional de saúde está preservado; encontrase orientado têmporo-espacialmente; o juízo crítico da realidade está mantido; apresenta uma ansiedade leve; não relata qualquer episódio de violência auto ou hétero-dirigida; refere estar morando com familiares ou amigos, com os quais se relaciona regular ou adequadamente; atividade produtiva moderada, mesmo que atualmente esteja desempregado; a rede social ativa. sem complicações e/ou co-morbidades clinicas e/ou psiquiátricas detectadas ao exame geral. HOSPITAL DIA INTEGRAL BIO PSICO SOCIAL agitação psicomotora intensa; tremores generalizados; sudorese profusa; com cefaléia, náuseas com vômitos, hipersensibilidade visual; quadros epiletiformes recentes ou descritos a partir da história pregressa; o contato com o profissional de saúde está alterado; encontra-se desorientado têmporo-espacialmente; o juízo crítico da realidade está comprometido; apresenta uma ansiedade intensa; com episódio de violência auto ou heterodirigida; apresenta-se delirante, com pensamento descontínuo, rápido e de conteúdo desagradável; observam-se alucinações táteis e/ou auditivas; refere estar morando só ou com familiares ou amigos, mas este relacionamento está ruim; tem estado desempregado ou impossibilitado de desenvolver atividade produtiva; a rede social é inexistente ou apenas se restringe ao ritual de uso da substância. MÓRBIDOSCOcom complicações e/ou comorbidades clínicas e/ou psiquiátricas detectadas ao exame geral.

11 11 Anexo 2 Tabela 1 - Principais complicações e/ou co-morbidades clínicas associadas à SAA Sistema nervoso central Apagamentos (amnésia lacunar) Convulsão Diminuição da habilidade motora e transtornos motores Diminuição da capacidade cognitiva Neuropatia sensório-motora periférica Síndrome de "Wernicke-Korsakoff": Oftalmoplegia + ataxia + confusão mental+ alterações de memória Degeneração cerebelar Encefalopatia hepática Demência relacionada ao álcool Transtornos neuropsicológicos relacionados ao álcool Traumatismo crânio encefálico Sistema gastrointestinal Pancreatite crônica Esteatose hepática Hepatite alcoólica Hemorragia digestiva Cirrose hepática com ou sem hepatite alcoólica Gastrite Esofagite de refluxo Tumores Sistema ósteo-muscular Fraqueza muscular proximal Miopatia generalizada Osteopenia Quedas freqüentes e fraturas Anormalidades hematológicas Distúrbios de coagulação Anemias por deficiência nutricional Sistema cardiovascular "Holiday Heart Syndrome": episódios de arritmia supraventricular após grande ingestão alcoólica Arritmias: fibrilação atrial, flutter atrial, extrassistolia Insuficiência cardíaca Miocardiopatia alcoólica Hipertensão arterial Sistema endócrino Hipoparatireoidismo transitório Alteração do ritmo menstrual Impotência sexual (por diminuição de testosterona) Ginecomastia Diabetes Infertilidade Diminuição da libido Diminuição dos caracteres sexuais masculinos

12 Alterações metabólicas Hipomagnesemia Hipoglicemia Hipopotassemia Cetoacidose 12 Renal Rabdomiólise / Insuficiência renal aguda Dermatológico Pelagra Afecções secundárias de pele Eczemas Queda de cabelo Aranhas vasculares Eritema palmar Dermatite seborréica, rinofima Prurido Rubor facial Ecmoses Xerodermia Alterações Nutricionais Deficiências vitamínico-minerais Deficiências protéicas Tabela 2 - Principais co-morbidades e/ou complicações psiquiátricas Alterações do sono Transtorno de personalidade anti-social Suicídio e ideação suicida Transtornos depressivos Transtornos ansiosos Tabela 3 - Principais condições clínicas que deveriam ser levadas em consideração como diagnóstico diferencial da SAA Infecções (pneumonia, meningite, encefalite) Traumatismo crânio-encefálico, hematoma subdural Encefalopatia hepática, má nutrição Efeitos adversos de outros medicamentos Com convulsões: tumor, alterações minerais ou hidroeletrolíticas, traumatismo craniano Com DT: outras causas de delirium.

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

SINOPSE DO PLANO MUNICIPAL PARA A LINHA DE CUIDADO AO PACIENTE USUÁRIO DE CRACK

SINOPSE DO PLANO MUNICIPAL PARA A LINHA DE CUIDADO AO PACIENTE USUÁRIO DE CRACK SINOPSE DO PLANO MUNICIPAL PARA A LINHA DE CUIDADO AO PACIENTE USUÁRIO DE CRACK LEITOS HOSPITALARES DE REFERÊNCIA PARA SAÚDE MENTAL/ Álcool e Drogas LHRad E SERVIÇOS DE SAÚDE NÃO HOSPITALARES Rio de Janeiro,

Leia mais

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos 1 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Leia sem moderação. Alcoolismo

Leia sem moderação. Alcoolismo Leia sem moderação. Alcoolismo ALCOOLISMO O alcoolismo é uma doença grave causada pela ingestão contínua de bebidas alcoólicas. A pessoa torna-se prisioneira do ato de beber, sofrendo conseqüências sociais,

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Marcia Ferreira Amendola Patrícia Mara Danan ii OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Dependência e uso nocivo do álcool

Dependência e uso nocivo do álcool Dependência e uso nocivo do álcool Autores: Ronaldo Laranjeira e Claudio Jerônimo UNIAD - Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - Departamento de Psiquiatria - EPM-UNIFESP A dependência do álcool atinge

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

José Roberto Mergel Manechini Médico Psiquiatra

José Roberto Mergel Manechini Médico Psiquiatra José Roberto Mergel Manechini Médico Psiquiatra Igarapava-SP, 04 de junho de 2014 PSIQUIATRIA PARA O CLÍNICO (Psiquiatria para o Não-Psiquiatra) José Roberto Mergel Manechini Médico Psiquiatra CRM SP 121.738

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro Atualmente, em vários países do mundo, o uso prejudicial de álcool e

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Coisas simples que todo médico

Coisas simples que todo médico Coisas simples que todo médico pode fazer para tratar o alcoolismo. Você já faz? Prof. Dr. Erikson F. Furtado Chefe do Serviço Ambulatorial de Clínica Psiquiátrica e coordenador do PAI-PAD (Programa de

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL

Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Estágio Curricular I: Cecília de Paula Monnerat Sâmua Regina Camacho Thiago Purger Rodrigues ÁLCOOL Atualmente, o consumo de substâncias ilícitas e álcool é indiscriminado entre mulheres e homens adultos

Leia mais

Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC

Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC Organização de Serviços para o Tratamento dos Problemas Relacionados com Álcool e outras Drogas no Departamento de Psiquiatria da FCMSC 1 - Introdução A organização dos serviços que tratam de pessoas com

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 Dispõe sobre a afixação nas Academias de Ginástica, Centros Esportivos e Estabelecimentos Comerciais de Nutrição Esportiva e produtos correlatos à atividade física,

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

DROGAS DE ABUSO. Profa. Dra. Eline Matheus

DROGAS DE ABUSO. Profa. Dra. Eline Matheus DROGAS DE ABUSO DROGAS QUE ATUAM NO SNC ESTIMULANTES DEPRESSORES DROGAS ESTIMULANTES COCAÍNA (CRACK & OXI) ANFETAMÍNICOS EFEDRINA ALUCINÓGENOS ANABOLIZANTES COCAÍNA Corte cerebral pós-mortem de um adicto

Leia mais

COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS

COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS O que são drogas? São substâncias naturais ou sintéticas, produzidas ou modificadas, com usos diversos, algumas delas com efeitos entorpecentes

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência:

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: 1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: Abordando a Sustentabilidade nos Enfoques da Saúde, do Trabalho e da Previdência Pública PMPA Outubro 2006 CAPACIDADE LABORATIVA x DOENÇAS INCAPACITANTES ALIENAÇÃO

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas

A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas Dependência de substâncias psicoativas Consenso na literatura sobre a importância de se estudar o subgrupo das mulheres nas suas Características Evolução

Leia mais

EXAMES DE NEUROFISIOLOGIA

EXAMES DE NEUROFISIOLOGIA EXAMES DE NEUROFISIOLOGIA Clínica Geral Electroencefalograma Electromiografia Potenciais Evocados Polissonografia Teste de latências múltiplas do sono Neurofeedback Teste de Criptotetania para a Fibromialgia

Leia mais

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA Como chefe de alguém que apresenta problemas relacionados ao uso de álcool e/ou outras drogas,

Leia mais

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO?

DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? DRUNKOREXIA: VOCÊ SABE O QUE É ISSO? Mileni Araújo Servilla graduanda em Psicologia pela AEMS Alini Daniéli Viana Sabino Mestre em Ciências pela FFCLRP/USP Coordenadora e Docente do Curso de Psicologia

Leia mais

Alcoolismo. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Alcoolismo. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso 1 Genéticos Factores que condicionam o equilíbrio Ecológicos Económicos Sociais Culturais 2 Hospedeiro Homem doente Agente Álcool etílico Meio Ambiente 3 Meio familiar Meio social Causa e vítima de perturbações

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

João Nerval: Eu sou ladrão, eu não gosto de trabalhar não. Eu sou ladrão.

João Nerval: Eu sou ladrão, eu não gosto de trabalhar não. Eu sou ladrão. Se você pesquisar no site do YouTube, vai encontrar um vídeo incomum, chamado Profissão Ladrão, no qual um repórter entrevista um ladrão confesso de nome João Nerval. O que se percebe de positivo no personagem

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica

Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Orientadora: Prof a. Dr a. Talita Zerbini Carlos Augusto Maranhão de Loyola Introdução Simulação

Leia mais

ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL 23/11/2011 FONTES E USOS

ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL ÁLCOOL ETÍLICO- ETANOL 23/11/2011 FONTES E USOS INTRODUÇÃO Substância psicoativa de grande consumo, muitas vezes estimulado Relatos de utilização desde 6000 anos atrás, no antigo Egito e na Babilônia (fermentadas e baixo teor) Idade Média: árabes- destilação

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.115, DE 2011 (Do Sr. Missionário José Olimpio)

PROJETO DE LEI N.º 1.115, DE 2011 (Do Sr. Missionário José Olimpio) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.115, DE 2011 (Do Sr. Missionário José Olimpio) Dispõe sobre a obrigatoriedade de conter nos rótulos das bebidas alcoólicas os males que o consumo de álcool causa

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA Hailton Martinelli / Gustavo Vieira Caetano I) INTRODUÇÃO Existe um grande número de definições de emergências em psiquiatria, muitas contraditórias entre si, principalmente

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira Alexandre de Araújo Pereira Dona Maria Helena tem 51 anos, casada, 06 filhos, do lar. Veio até a unidade de saúde solicitar remédio para dormir. Conta que desde criança é muito impressionada com as coisas,

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.qchute.com.br Data: 14-09-2010 Imagem Corporativa Loiras de cevada ou de trigo, ou simplesmente cerveja No Japão a indústria de cerveja é enorme, mesmo entre os brasileiros

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente,

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA QUESTÃO 21 São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, EXCETO: a) O indivíduo apresenta delírios que não sejam bizarros por pelo

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria Thaís Augusto Gonçales Zanoni thaisagz.psi@gmail.com Psicóloga. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela

Leia mais

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica.

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica. QUESTÃO 01 O suicídio representa hoje um importante problema de saúde pública no Brasil e seus índices vêm crescendo a cada ano. A respeito do suicídio pode-se afirmar que: A. Programas dirigidos para

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Professor Titular de Psiquiatria da UNIFESP INPAD-CNPq (Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas) ABP Associacão

Leia mais

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Labirintite é um termo com significado popular

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

Psicoterapia Cognitivo Comportamental

Psicoterapia Cognitivo Comportamental Psicoterapia Cognitivo Comportamental Selma Rejane Setani Diretora Técnica de Serviço de Saúde, especialista em dependência química, especializada em T.C.C. para dependência de álcool e Outras Drogas srsetani-cratod@saude.sp.gov.br

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1606-4 DATA 25/07/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

50% dos acidentes automobilísticos. 25% dos suicídios

50% dos acidentes automobilísticos. 25% dos suicídios A mensagem que induz a beber com moderação abre o caminho para todos os problemas que o alcoolismo traz. Crescem as pressões sobre o uso abusivo de álcool. Esse hábito remonta a épocas imemoriais e os

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho.

A pessoa dependente do álcool, além de prejudicar a sua própria vida, acaba afetando a sua família, amigos e colegas de trabalho. O que é Alcoolismo? Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas,

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, 8 Remédios para Emagrecer Evandro Murer Especialista em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esportes e Lazer na UNICAMP Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, que

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Demografia de patologias do SNC (USA)

Demografia de patologias do SNC (USA) Demografia de patologias do SNC (USA) - Insônia (60 milhões) - Enxaqueca (40 milhões) - Depressão (20 milhões) - Distúrbios de ansiedade (19 milhões) - Alzheimer (4 milhões) - (3 milhões) e Epilepsias

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Grupamento de Socorro de Emergência Seção de Desastres INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Edna Maria de Queiroz Capitão Médica CBMERJ Médica HUAP / UFF

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

016 Síndrome de Abstinência Alcoólica

016 Síndrome de Abstinência Alcoólica iretrizes Clínicas Procedimento Operacional Padrão - Protocolo Clínico 016 Síndrome de Abstinência Alcoólica Responsáveis/Unidade: Helian Nunes de Oliveira Psiquiatra (Gerente Assistencial - IRS) Vanuza

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais